Quarta-feira, 31 de Dezembro de 2008
OSHAKATI

 OSHAKATI - NA PICADA

NA TERRA DO NADA

Malembe-malembe

 

As zebras de Angola são pretas às riscas brancas

 

Os Malembe-malembe são sacanas mesmo, só dão pancadas nas costas e dizem: - Amigo! Cambulando catandú nos gwetas, mwana pwós, carcamanos de tuji ou ainda um nome antigo de besugo, uatobão à toa.

Os Ka-luandas têm propensão para ser mentirosos; exageram em tudo. Sempre têm de ser os maiores, parece até que têm uma máquina especial para fazer arco-iris e, Angola fica tão grande que nem cabe no mundo, estravasa as fronteiras.

Encontrei  fora de portas, aqui em Oshakati um Malembe-malembe do Cazenga. Irmão, disse ele, que prazer ver-te aqui nesta terra de tuji, se queres, te dou boleia até Oncócua. Tinha um bruto geep  for bay ford de vidros esfumados.

Pensava que estava só e, prazenteiro queria swingar-me com uma treta de feijão branco esquindivados do Nauklefut Park.

Eu disse, não muito obrigado, só vim ver as zebras do Etosha.

-É pá, estas zebras são Angolanas, estes gajos passaram-nas em Ondângua sem mais nem menos; aproveitaram a confusão da guerra e trouxeram tudo p´raqui.

Tinha de me desfazer deste mano.

 A elegância não fica velha, cultiva-se, e este camba estava por demais extravazando os meus limites.

Meu,... tenho de ir, vamos encontrarmo-nos lá na ilha, combinado e,... fui-me sem defenir que ilha era aquela.

- Sáfa!

Há gente impertigada pela própria impertinência, gente que não aceita que se critique alguêm, quando esse alguém é negro; este voluntário paternalismo rodeia-me no dia a dia com gente próxima em laivos de paternalismo como uma obcessão de complexo. A isto, eu tenho de chamar as coisas pelo seu nome, é um racismo invertido, uma covardia elegante.

Luanda, parece até que só tem ladrão rico e, rico, mesmo sendo preto tem de ser respeitado. Haka!...

 Não bebo desta bolunga. Não! Muito obrigado!

http://www.bemparana.com.br/craques-e-caneladas/?s=maringaense

Para mim, a Zebra é branca, listrada de faixas pretas. É um mamifero perissodáctilo da familia dos equideos. Podem ser domesticadas.

      A mais vulgar em África é a zebra-imperial. Andam em savanas extensas, pastando juntas como defesa aos predadores leão e hiena pois que formam assim um conjunto de volume ondulado, causando um efeito hipnótico.

Da N´nhaca do Soba t´chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 16:56
LINK DO POST | COMENTAR | VER COMENTÁRIOS (1) | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Terça-feira, 30 de Dezembro de 2008
OTJIKOTO

NA TERRA DO NADA

                Otjikoto lake

 

Lugar aonde as musas lambem rochas

 

Já fáz algum tempo!

 

A poucos quilómetros a Norte de Tsumeb, na Namibia, encontrei o angolano M´c Giver, zelador do buraco de sonho Otjikoto e tocador de baladas enlatadas. Foi um fortúito encontro de amizade desértica; tinha uns olhos visgosos tocando com gula a vida de simpatia numa velha viola encantadora de gazosas extras. Os turistas, porque eram escassos requeriam atenção desdobrada.

 

Ali, num lugar distante de tudo, na terra do nada, um poço com água de fundura desconhecida, sobe e desce ao sabor dos quadrantes da lua. Zuni uma pedra nas suas águas e por três vezes chispou na toalha lustrosa.

Estava satisfeito o desejo do encontro com aquele um especial buraco num vulgar dia e invulgar lugar a caminho do Etosha Pan.

 

Num deserto cheio de vento,

Espinheiras resistindo a tudo,

A areia longa e solta na limpeza do ar,

Da língua envolta em secura,

 

Na cabeça muitos sonhos,

O tempo sem ida nem chegada,

Moldura de gente zebra,

Fluidez imperfeita de uma vida

 

Despedimo-nos (eramos cinco) das areias e pedras de Otjicoto, do camaleão pré-histórico com picos ferozes e da louva-a-deus escandalosamente verde.

No Etosha, lugar de feitiço completo, pelas vinte e três horas apareceram os leões na poça de Okaukuejo; saí ensonado da tenda para de novo assistir ao magestoso mundo natural duma verdadeira África.

No Oshakati, paredes de pau-a-pique quase nas margens do Cunene agreste cohabitamos com uma raça em extinção chamada himba.

 http://outapi-odyssey.blogspot.com/2007_09_01_archive.html

Naquele outro um dia, vesti-me de lama numa gordurosa cor ocre e dei um rápido mergulho no  popa falls do  fim do mundo, Ruacaná.

Do outro lado, estavam as terras dos kwanhamas mas. por ali fui ficando com os Ovambos lambendo feridas com “castle lager”.

Sentado num cepo de madeira petrificado, senti-me o senhor com a maior  dor d´alma do mundo. Foi o preciso lugar e momento de começar a esquecer e ser esquecido.

Pasmado no tempo, só continuo maisvelho,...

 

O Soba T´chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 11:03
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Segunda-feira, 29 de Dezembro de 2008
TESTAMENTO DO CRUZEIRO

 

 

         MOKANDA PARA O TU

 

É; estou no meu segundo termo de vida.

Explico!...

O primeiro foi passado com dom Sebastião. Segui-o como pagem para o norte de África e com ele morri em Alcácer Quibir. Cortaram-me o braço direito e pouco a pouco vi o coto crescer regenerado até que ficou de mão inteira. Quem duvidar vá ver o simbolo de Beringel pois aquele braço verdadeio e alado é o meu original, que os mustafás mandaram para atemorizar vontades de guerra.

Os meus guias apoderaram-se dele, o braço; deixou verdadeiramente de ser meu e, desde então conduzem-no a seu belo prazer escrevendo coisas inéditas e até inacreditáveis.

Pego numa qualquer coisa que escreva e ali vai ela, a mão, deslizando pensamentos como quem desce uma chapada de gêlo.

 

O segundo turno de vida foi mais tarde num lugar de nome a curva da morte antes de chegar a Caconda, lugar que é conhecido de O Cruzeiro; morri estendido no capim. O renault vermelho, modelo major, também morria ardido, completamente.

 

  O meu guia fantasmou-me, dei a volta ao carro deslumbrado em côr branca trnslúcida. Procurava o meu canudo de papel no banco trazeiro e, senti a queimadura.

Era tudo uma inverdade.

Eu tinha estado ali estendido no capim. O meu outro eu, o TU é que andava flutuando como um fluido sem forma.

Foi o chofer do camião mais o ajudante que afirmaram que a minha pessoa, por ali ficou quietinho e esparramado sem vida.

 

A queimadura da mão afinal, só a senti porque não era minha. Era e é do meu guia que sempre escreve o que lhe dá na telha como esta mokanda para o TU e Todos.

Após o segundo turno, perdi o medo à morte, recuperei sem remédios às mãos do doutor Roy Parson e David Parson da Missão do Bongo, perto do Longonjo.

 

Nem sei porque escrevo isto no penúltimo dia do ano da desgraça de 2008; são eles, os meus guias, ( penso ser mais que um )  que escrevem por mim transmitindo a vós que tendes medo.

Tranquilizai-vos que, já me belisquei e senti dor de mim mesmo; é mesmo uma vontade só, ou um desejo, para que tenhais um bom 2009.

 

Não sei se sou um alienigena mas,...por qualquer razão sou. Tinha de sêr,

O Soba T´chingange

 

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 08:17
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Domingo, 28 de Dezembro de 2008
ESTÓRIAS NOVAS

MATRINDINDES DO PUTO

Lembranças actuais “havemos de voltar           

NA COIMBRA DOS DOUTORES

 

Matrindindi é uma carocha de perfil pré-histórico, talvez um normal insecto coleóptero do género do escaravelho, só que este é muito mais extravagante, de cor escura e com muitos picos; mais parece obra de- formada de bruxa ruím; O Land Roover pisava-os  sem alternativa e sucediam-se estalos como de castanhas a rebentar no calor da fogueira (estava em 2005, em Porto Amboim)

 

Coimbra. Já estamos quase, quase no ano de 2009.

O tipo tinha pinta de cazucuteiro, barba grisalha com mancha ruiva de mata ratos ou maconha. Falava com um casal de meia idade na paragem do machimbombo do mercado municipal; esperavamos o nº 7 do Tovim.

O dito casal tentava não lhe dar atenção e fiquei com a nítida impressão que o cicrano estava cambulando uma gazosa para alimentar o vício. Subiram no machimbombo.

O fulano deu-me prioridade e eu, sério, recusei com um obrigado e, vi com os meus olhos que este dito cujo, tirou a carteira de couro, fingiu passar um cartão no traga bilhetes e na maior, seguiu para um banco lá atráz, depois de comprimentar um perneta de muletas ao lado.

Fiquei intrigado e com raiva pensativa dele, pois que me distraiu de pensamentos recentes de coisas vistas, e que tentava reter em memória.

Uma voz suave de senhora falou do tejadilho, Floriano Peixoto nº um e, seguiu-se a dois mais a Cruz de celas. O casal desceu.

 Aquele tipo, quando viu a saída do casal também se levantou e com esles, saíu. Reparei com mais pormenor no rabo de cavalo amarrado por um elástico fazendo banga de  estilo ladino.

Deixei de os vêr na esquina da Caixa Geral deDepósitos.

 

Como os pensamentos voam mais rápido que caneta com dedos, anotei no telemóvel o que antes tinha lido no muro perto da Universidade para não esquecer:

- A morte serve-se a quente! E havia um A com um circulo a cincunscrevê-lo, tudo em côr azul.

- Não a deixes arrefecer! Logo por debaixo a tinta preta.

Ao sair da Dolce Vita vi uma carrinha de caixa aberta pintada a camuflado apetrechada para a mata tendo nas portas os seguintes dizeres em circulo a contornar um coração vermelho com uma mola curva, varando este: - “Corpo especial de vigilância . VERGAMOLAS” ; tal e qual como a carrinha 4 * 4 que eu idealizei para o “Kimbo Ot´xicoto Lodge” em terras de Sumbe bem perto do rio Cubal.

 

Aida em pleno centro histórico de Coimbra, tirando uma foto à torre Almedina alguêm querendo uma informação perguntava-me se eu era dali ao que respondi não.

Mentalmente repeti: - Não sou daqui, não sou daqui, não sou daqui!

 

Lembrei-me do livro que tinha na mesinha de cabeceira do meu mais contemporâneo amigo José Eduardo Agualusa. Parecia estar a fazer-me uma entrevista:

Popilas! Mas, tu cantas o hino do puto “ os meus egrégios avós”. Logo, logo,...os teus avós eram angolanos. E, a falação continua comigo a responder:

- Não! Eu sou mesmo daqui! Sou um portuga!

- Deixa-te de merdas meu. Tu és um angolano nascido no puto.

 

Já estava noutra, lembrando-me do sonho futuro que ainda era presente, a minha cubata no platô do Cantinho do Inferno muito perto da foz do rio Cuvo, na praia dos matrindindes.

A serra do Chamaco via-se ao longe, como teta saliente na cordilheira  no caminho de Seles e, na vasta região uma floresta de espinheiras, acácias com picos medonhos, pau ferro,  babosas, newas,  matebas, lengues e lungwengu e um letreiro na escola da Canjala “havemos de voltar”

      O Soba T´chingange

 


TAGS: , ,

PUBLICADO POR kimbolagoa às 19:44
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sábado, 27 de Dezembro de 2008
CONTOS DA LUA

ERA UM PLIMPLAU

Loja de lembranças                           Pica Pica

 

Crónica de Fim de Ano do Kimbo, dedicada aos Kizombeiros mangonheiros que estão a hibernar com o frio do Puto.

 

Ninguém que podia creditar, gweta guloso chegado do Puto comeu um cacho de bananas ouro, inteirinho; o lambão se chamava Joka.

Passou uns quantos anos e, Joka cangundo se tornou homen, mesmo rosqueiro por completo.

- Foi naquele um dia!

Trêzinha de nome,  quase catorzinha cadavez mais quente por cima do fumo da cubata, tremia os olhos a dizêr não, querendo sim no farfalho do Joka mangonheiro; a mão de Joka, que nem passarinho num perlimpimpim manhoso, virava plimplau  saltitante da maminha tesa pró resto do espanto.

A luz amarela virou vermelha, o galo maluco do vizinho Candinho cantou três vezes e Trêzinha gritou: - nâo, naaaão Joka!

 

O gosto bom encheu de sofrimento um ái esquindivado; não guento, ái, ái. A lua grande e branca ficou cadavez mais maior e desmaiou deitada num cacimbo branco.

Trêzinha ficou uma sem vergonha, um repente repetido de perdida vontade, quando despertou do canto do plimplau feito mocho cazumbi, estava  no debaixo duma gajajeira.

 Joka guloso lhe comeu inteirinho seu cabaço. Trêzinha de tanto que gostou se tornou puta de profissão com o nome artistico de Pica-Pica.

Joka foi p´ra tropa no Huambo e se dedicou a encantar desanovinhas meninas do bairro Santo António; virou o pingamor dos kimbos como coisa de predestinado até que numa quigoza de tanque na batalha do Kuito, um estilhaço lhe ceifou as matubas ardentes.

Trêzinha  Pica-Pica nunca mais que lhe esqueceu seu primeirissimo amor.

 

Agora,vivem juntos, ela e Joka lá no Bungo; fazem artesanato de folhas de palmeira porque  a reforma de invalidez do glorioso “EME” não lhes é suficiente; todas sextas feiras vai no mercado das calamidades suprir necessidades.

Joka se queixa a todos os dias porque simplesmente não lhe deixam enrricar

- Cala-te a boca! Ele só amigou com Trêzinha Pica-Pica porque lhe gustava. Era dona Chiquinha falando sabedoria com Zéfinha, a esperiente zunidora de lingua afiada e, acrescentou:

 - Até que ele tem ainda as duas mãos não è mesmo !?

 

  Glossário: - Gwueta-branco; Puto-Portugal; Cangundo-sem educação, grosseiro; Mangonheiro- preguiçoso; Plimplau-pássaro; Esquindiva-finta; Cacimbo-orvalho; Cazumbi-feitiço,fantasma; Quizosa- à boleia, às costas; Cabaço-virgindade; Kimbo-aldeia; Matubas-testículos; EME-mpla; Zunir-zurzir, fofoca

 

Da lavra do Soba T´chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 17:41
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quinta-feira, 25 de Dezembro de 2008
O MABOQUE DO T´CHIKUKUVANDA

   LUANDA,...  AI.IÚ.É

    O maboque do T´chikukuvanda          

                                            

Juca Kat´chipemba falava dos antigamente, naquele linguajar próprio de quem só sabe falar, das cuesas que lhe mexiam na cabeça e que não estava mesmo certo; a todo o momento jurava que, sim patrão, jura mesmo, o país num anda.

Luanda só tem fumaça; O pó anda no ar dos matos cheios de bissapas, nos quintais com tamarindos e lá longe nos mato de capim seco.

No despois do matabicho no antigamente, dávamos berrida nos lagarto pintado de t´chikukuvanda junto dos cajueiros e os maboque que garrávamos na estrada de Catete lá mais longe do que Viana quase em Cassoalála.

- Haka! (...) Patrão, tem saudade daqueeeele tempo, jura mesmo! (...) Agora esta terra só tem muinto kissonde rico e muitos por milhar de pobres, mesmo!  No resto, tudo nas maioria, é mesmo pobre.

Juca, sempre sobreviveu das lagoas do Lifune, nas pescaria n´dele e, despois das confusão da independência e guerra cus búfalo foi para o kafunfo trabalhar cus feijão branco mas, a vida por demasiado, só lhe chorou.  Agora só come mesmo feijão makunde com chá caxinde e pirão com parakuca e seus cacussos da lagoa do Kifangondo.

Juca Kat´chipemba só abanava a cabeça desassossegado; num conseguia enrricar.

Zorba, surgiu num repentemente com duas canecas repletas de frescura feita de maboque dizendo enquanto tomava:

- Pópilas,... a inveja destes kamundongos, me está trapalhando a vida. Agora só estou mesmo vendendo maboque do Lifune. Parou num repentemente e, continuou mais em seguida.

-  Juca me dá uma ajuda, me tráz e leva junto da lagoa p´ra desenrrascar meu modo da vida, eu lhe ajudo a desenterrar a sua chivrolete.

-  Agora sou mesmo um industrial do sumo Maboque. Às vezes também vendo kafufutila com açucar.

 E, a conversa ficou por aqui, tive de bazar e ir nos capim (como diz Zorba quando está à rasca)).

O cheiro era todo muito igual naqueles arredores da Lua. Naquele muio calor, o que ficou mesmo foi aquele sabor ácido, refrescante do maboque.

Quero mais tarde rever o meu amigo Juca Kat’chipemba num outro quadro, após as chuvas, que é quando aquele pó levanta um cheiro de chuva mais  especial e umas formigas de salalé se vem meter por debaixo dos pés.

                                                                                  

          O Soba T´chingange

 

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 12:01
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quarta-feira, 24 de Dezembro de 2008
ESTÓRIA DUM VELHO NATAL

O VISGO DA MULEMBA

Loja de lembranças

 

Crónica de Natal do Kimbo, dedicada ao Embaixador T´chikukuvanda do Kacuacu de visita ao Puto, feito Papai Noel com maboques para a malta do kimbo.          

           

No início do musseque Catambor havia uma mulembeira que dava visgo para a malta, e figos pequenos para os morcegos.

       Os artigos desta  loja de lembranças remontam ao  ano de 1956.

A malta dos maleducados do Rio Seco e Malhoas, Pica, Aninhas, Rente, Necas, Tonito, Zorba e Chiquito entre outros, faziam bolas de visgo mastigadas a cuspo p´rapanhar gungas, celestes, cardeais e Catetes nas poças de Belas.

Um dia, Nandito surgiu com uma conversa nova.

       Na sua cabeça as falas apareciam desenhadas com seios, matacos, e pernas sedozas como só mesmo, um consolo dum primeiro dia muito especial. Foi assim no Bairro Operário, quando Nandito a troco duns poucos Angolares se ficou homem; vendo a pelicúla “O segredo profundo” no cine São Paulo, ficou ardente.

Numa conquista rápida, cabeça e tudo quente, se embalou com Zéfinha como gata e gato em telhado de zinco e,... chuvia, chuvia com grossas e sonoras pingas fazendo música melhor do que as do N´gola Ritmos.

Naquele primeiro dia, que já era moite, Nandito deixou de ser candengue; Zéfinha, a professora dos sonhos eróticos quigozou o cabaço dele com visgo de lambida doçura.

A malta, amiga de Nandito, ninguém que creditou naquilo que levou Chiquito a pedir explicações daquela estória de caramelo por demasiado cazuza.

- Cala-te a boca! Tás aldrabar!  Disse Chiquito.

Nandito da quizosa lhe gostava uatobar.

Cada mentira dele era cadavez mais mentirosa; ninguêm que lhe creditava nas suas estórias, todos ficavam fazendopoco, rindo à toa.

Rebento-te as fuças!  Falou Nandito chispando raiva com gafanhotos na cara do Zorba que no entretanto começou só a rir, com todos os dentes.

Tá bem, é verdade mesmo! táva só falando; te credito de verdade.

Nandito ainda vociferoso, cuspiu na palma da mão, levantou a outra e, num rápidamente cortou cazumbi de cuspo em dois; juro mesmo, sangue de cristo se isto não é verdade.

Falou assim determinado como conversa antiga de maisvelhos, falada sem medo.

Nandito já era um homem sem indignidade.

Os maleducados do Catambor mais os da Samba no dia seguinte tinham de apanhar o machimbombo que os levaria à Liga Africana lá na vila Clotilde p´ra receber as prendas dos sapatos quedes  da Macambira, oferta do menino Jesus.

Já era outro dia, o 24 de Dezembro.

 Os meninos da Maianga, Maculussu, Ingombotas, Samba e Casuno, estavam ali perfilados de bata branca de tirilene, boné do baleizão olá e sapatos quedes esperando a prenda do Natal que vinha do Puto no navio Uige.

Nos dias seguintes os maleducados do Catambor ficavam só falando das estórias do Nandito,  esfregando preguiça de bolas nas aduelas do quintal da don´Alice desafiando Lurdinhas na brincadeira de doutoras trezinhas e doentes.

Os candengues andavam por demais, assanhados. Duvidavam do menino Jesus.

Aka!... Já ninguém fala destas conversas do antigamente tão verdadeiras que até parecem makutus.

Ai.iu.é,...Sukuama!

O tempo apagou insignificâncias, mesmo, como um azar que nasceu um dia feito estas pequenas coisas da vida; às vezes, dão o consolo numa meninice recordada entre cardos com sardões t´chikukuvanda à espreita.

 

Da n´nhaca do Soba T´chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 22:55
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sexta-feira, 19 de Dezembro de 2008
OS MAIAS . BAKTUM 4

                  OS MAIAS . NO IUCATAM 

 Em terra de Chiapas . 5

MAQUEXE

     CRÓNICAS SOBRE OS MAIAS E SEUS 13 BAKTUNS OU CICLOS DE VIDA COM 394 ANOS.

 

Na minha ordinária função de medir distâncias, tenho conhecimento do daktun como sendo uma base medida ao maior rigor para e, a partir daí se topografar a terra na forma plana. A única forma de planificarmos a terra por defeito, é repartindo-a em minúsculos triângulos pois que, uma esfera não pode ser representada num plano com a exactidão requerida. Numa outra dimensão, a temporal, temos agora o ciclo, era, civilização ou cultura.

Os Maias, deram início a essa medida temporal a 13 de Agosto de 3113 antes de Cristo e, se multiplicarmos 13 baktuns por 394, vamos chegar ao ano 2009 mas, devido ao desfasamento do calendário gregoriano teremos de adicionar mais três anos o que perfaz os 5125 anos no vaticínio calendarizado pelos Maias galácticos.

 Seguindo os gráficos dos Maias galácticos, ainda não totalmente decifrados, o tempo Itzá vai dar início a 21 de Dezembro do ano 2012, a era da espiritualidade.

Nos dias que correm, 394 anos, correspondem a seis gerações, a qualidade de vida planetária ideal para se ser senhor do máximo conhecimento numa só vida.

O calendário actual foi imposto pelo Papa Gregório VI com os meses irregulares que conhecemos. A este calendário teve de se adicionar um dia a cada quatro anos pelo facto de haver uma diferença de seis horas anuais.

Aparelhos de precisão moderna dão 365,2422 dias por ano atestando que o erro do calendário Maia era de 2 milésimos enquanto o actual calendário Gregoriano é de 5 milésimos.

Verifica-se nos dias de hoje haver uma disfunção entre o tempo cósmico, o tempo terra e o biológico, resultando daí irregularidades mentais nos seres humanos.

Uma criança tem nove luas de gestação, as marés são reguladas pela Lua, o nosso melhor relógio é o biológico do nascer e por do sol; as próprias sementeiras são calibradas por todas estas relações cósmicas naturais. Dá para pensar! O tempo tudo apaga, a felicidade, o medo e o infortúnio.

 

- Baktum 4

Deu-se entre os anos de 1537 e 1143 antes de Cristo

Foi o aparecimento dos Toltecas no México, da cultura Chavin nos Andes Peruanos, Ramsés no Egipto, e Moisés em Israel.

 Horus, o deus-falcão, é designado o deus oficial pelo rei Menés quando une o Baixo e Alto Egipto.

 Ramsés deu ordem de morte a todos os primogénitos filhos de Hebreus; por pedido divino de Moisés nessa noite sucedeu acontecer a morte de todos os filhos primogénitos dos Egípcios.

 Ramsés, não obstante ter pedido fervorosamente ao seu supremo deus-falcão dar vida a seu próprio filho, este veio a morrer.

 Perante tantos poderes sobrenaturais, Ramsés deu a liberdade ao povo de Moisés e assim se deu início ao êxodo para a terra prometida. Chegaram ao monte Sinai em 1420 antes de Cristo, aonde Deus se revelou a Israel.

 A Páscoa que começou a ser festejada no primeiro domingo após a primeira lua cheia e, após o equinócio da Primavera, assim ficou até os dias de hoje. 

Neste Baktum referencio alguma similitude entre o deus-falcão do Egipto e o Quetzal, homem pássaro do Iucatam.  

     ::::::::::continua:::::::::::

      O Soba T´chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 19:33
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quinta-feira, 18 de Dezembro de 2008
O NOVO SENHOR DOS ANEIS

 

- Madoff destituiu Gandalf o feiticeiro maior do senhor dos aneis

- Madoff copiou a dona branca . A banquira do povo

 

- Gandalf . ficou sem aneis    

 

Gandalf, o Cinzento é um Istari, um dos personagens principais de O Senhor dos Anéis, de J.R.R. Tolkien e o mago mais famoso da literatura.

Ele é um maia, espírito angelical do mundo tolkienano, e costumava andar com Nienna com quem aprendeu a paciência e a compaixão, mas diz-se que era conselheiro de Irmo Lórien. Assumiu a forma de um velho homem para combater o mal na Terra Média.

 

O Kimbo, do reino da fantasia de Manikongo, denúncia os que do Nada fizeram  fortuna levando-nos para as terras do Nunca mais rápido do que queriamos.

 

No topo da Torre do Zombo está um puma amansado pelo nosso Kimbanda Ninja do reino. Este Madoff vai ter de se justificar perante ele, o Rei Dom Grafanil I  e o Soba T´chingange senão largaremos a fera  puma e todos os cazumbís do nosso Cacimbo.

Este Dikroma fica em registo no salão nobre das insígnias e bikuatas da Terra de N´Zaire

O Soba T´chingange

 

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 16:03
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Domingo, 14 de Dezembro de 2008
ASSEMBLEIA MAGNA DO KIMBO

 

 
 
Comentário um pouco tardio, mas estive a digerir as picardias.
 
Apesar dos pesares, a Assembleia Magna do Kimbo, se calhar contra vontade de alguém, lá se realizou no sítio e hora previamente estabelecido, no chã da Abrotea, com a habitual e grandiosa recepção do seu proprietário M´BIKA KAPUTO.
 
Compareceram à chamada os habituais frequentadores, excepção de um ou dois que por razões pessoais não puderam estar presentes, contudo, e apesar das picardias constantes ao longo do repasto que nada abonava o a boa disposição e convivência, que aliás é o ponto forte da existência do Kimbo. O objectivo foi cumprido.
 
Uma palavra de apreço, ao homem forte do Chã da Abrotea, M`BIKA KAPUTO, que esteve a altura como sempre, demonstrando o que sempre foi e continua a ser, sem exibir aquilo que alguns não têm para exibir nem conseguem “ OS GALÕES “.
 
Não vou fazer qualquer anotação reactivamente aos presentes, creio que o JAMBA já fez o diagnóstico correcto e à sua maneira, parecia nem estar presente, passou despercebido, no entanto foi registando caso a caso, e, registou para que conste para a posteridade, no livro de aktas do Kimbo.
 
O Soba e a Sobeta, sempre à C.M. como nos habituaram, demonstraram os seus conhecimentos de vivência africana, muito embora num faz de conta ou virtual, com se diz na gíria informática, não estando em causa nem nunca esteve a obrigatoriedade de presenças, só comparece quem quer ou quem gosta de relembrar ou conhecer hábitos, muito embora em percentagem extremamente reduzidos, pois africa tem muito mais do que se consegue demonstrar mesmo ao longo de anos, é uma vivência totalmente diferente do que muitos que não conhecem julgam, só quem viveu in-loc, pode ter uma pequena ideia.
 
E, fico por aqui para não ferir susceptibilidades, um obrigado a todos que compareceram, sobretudo ao soba e ao M´Bika.
 
O Rei do grafanil
 

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 18:42
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

UM NATAL ANTIGO

     NATAL DELAGOA BAY

           A vida tem o seu fascínio     

  Começou por ser um arrabalde de ripas a contornarem casotas de pedra vermelha e cal com o nome de Xi.linguíne, depois com a descoberta do ouro e diamantes no Rand, (África do Sul) em Kimberly e a construção do Caminho de Ferro do Transval, passou a ser conhecida pela cosmopolita  e victoriana rainha do Natal com o nome panfletário de Delagoa Bay. Só mais tarde se chamou de Lourenço Marques e hoje é a capital de Moçambique com o nome de um rio que desagua naquela baia, a actual Maputo.

Este extrato de história, encravou-se na maré encomendada, para um conto de Natal a condizer com aquela costa oriental de África do Oceâno Índico a que, também se chama Natal.

Chafurdando no matope do mangue, lagoa deste Dezembro, constactei  o quanto era “chic”, desbaratar o lucro das pepitas do Rand nestas mornas águas de  Delagoa Bay.

Gente estranha e até exótica, de esperança na alma e riqueza no sonho, ali vinham gozar os ganhos de Pretória, Johanesburgo e deserto do karo seguindo o rastro de notícias das gazetas panfletárias de então.

Atráz de mulheres abandonadas e belas, os aventureiros Italianos, Gregos, Ingleses, franceses e até Libaneses ali aportavam e, não vinham na peugada de Vasco da Gama; o Natal de Delagoa Bay era o que procuravam.

De liga na perna, cançonetistas e dançarinas ofereciam-se como prendas de Natal em finos “maillots cor de carne” a quem desse mais libras.

Naquele geográfico Natal, disputavam-se concubinas insubmissas, nas mesas dos bares e dancingue´s num perfeito “Far West”.

Delagoa Bay virou um fenómeno aonde o fascínio dos homens com dinheiro e sem mulher, num encanto de conversa sedutora, compravam sorrisos de Paris. E os vinhos permutavam-se por marfins e géneros cafreais em lojas de zinco.

Os homes do mato na penumbra ciosa, na falta dum sorriso branco de mulher da europa, oficinavam projectos de vida com pretas, mulatas cafusas e difusas. Que importava a cõr numa aflição tão alitiva!

As mulheres de fino requinte, de roupas modernas, faziam foror ás esposas legitimas que só usavam modas passadas e, porque ali, ainda não havia atrevidas sedas e requintadas ligas.

A Delagoa Bay caldeando civilizações nos ruidos da noite, histórias proibidas e clandestinas de marrabenta, foi adulterando; as originais casas terreas já lá não estão para testemunhar no cada dia, um novo Natal.

De jaquetão longo até ao joelho, chapéu mole cinzento de aba revirada, colarinho teso de goma e gravata larga de seda com diamante encravado, desci do eléctrico no Rossio de Delagoa Bay, não longe daquela mafumeira sempre presente.

Aquele chocalho característico de eléctico importado do Cairo, fez-me recordar aquele sempre Natal. A mafumeira com novas luzes, crianças bronzeadas, amores transversos e multicolores traições. 

E, ali estava eu, à porta do café central.

 

Estórias do Soba T´chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 12:23
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sábado, 13 de Dezembro de 2008
PUTO.LÂNDIA E A CRISE

 

         OS PAPAGAIOS DA POLÍTICA

         “ Na Puto.lândia”” ESTAMOS  A  PAGAR  2  MILHÕES  DE  EUROS

                                             POR HORA  PARA COBRIR A DIVIDA EXTERNA

 

       A  melhoria das contas públicas piorou, a carga fiscal ficou insustentável e a economia vai decrescer continuamente com este endividamento galupante.

Os papagaios da política revelando sintomas de inferioridade falam do mundo exterior esquecendo a propósito, o problema de Portugal. Crise, escãndalos internos, sociedade sem lei nem roque roubando-nos  descaradamente, embebedando-nos com falácias e contas públicas sem control.

O estado é um carrasco fiscal e o maior dos caloteiros, uma contradição que perturba as mentes dos que se detêm a pensar um pouco.

 

Animar a economia em grandes obras para gerar riqueza é outra grande mentira que nos querem impingir porque pede-se dinheiro ao exterior, usando tecnologia do exterior e, o dinheiro usado nestes luxos volta para o exterior; os políticos num faz-de-conta armam-se em novos ricos.

A carga excesiva de impostos esgotam-se nos sessenta por cento de despesas com o bicho papão do estado e a Assembleia da República a tornar-se uma provocação ao povo.

O governo,  gerindo instituições na subsidio-dependência como saída para a crise, contrariam  toda e qualquer política de um bom mercado. Portugal não é fiável, por isso os juros são os mais altos a pagar por falta de crédito; neste barco à deriva, parece não haver uma saída plausivel,... cruzes credo!

 

Com uma dívida de 500 milhões de Euros, toda a receita que entra através do turismo não é suficiente para pagar os juros. Aonde vamos parar ? E,... quando?

O magalhães é uma treta de todo o tamanho, uma manobra de diversão para deitarmos conversa fora, uma cantilena de embalar para esquecer os desaires da educação, justiça e desmprego.

Neste estar social, aonde a corrupção não é julgada, nada se faz porque, a classe política tem medo de sêr apanhada na malha.

Os Portuguêses estão anestesiados, acumulam tensões caminhando rápidamente para a pobresa generalizada numa sociedade profundamente desonesta, de promiscuas relações entre políticos e homens de negócios.

 A gente de saber, vive desconforme e frustada porque, a banca anda a ajudar criminosos e os bandidos andam à deriva ou esperam prescrição.

As desigualdades ilegitimas acentuadas, a não penalização do criminoso, o viver numa sociedade profundamente exploradora com os partidos a se servirem do esquema, a credibilidade cai ao zero como coisa tóxica.

 Novos ricos, interpenetrados na política tornam a coisa pública uma sugeira e, nem o presidente parece ter força para alterar o rumo.

Vivemos um caldo de culturas explosiva; a sociedade está esfarelada, desgastada, e apetece gritar contra.

E,...temos o Natal à porta.

Coisas que ouvi na TV (Medina Carreira), transcritas aqui à minha maneira

O Soba T´chuingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 11:50
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sexta-feira, 12 de Dezembro de 2008
CONHECER MOÇAMBIQUE . I

Antiga “Xi.lunguine”

MAPUTO

          

           Era um vasto campo  com ar de  arrabalde  com casas  dispersas feitas em taipa, grandes quintais cercados de arame e de ripas ou paus tortos que defeniam limites de vizinhos ou ruas imaginadas de muita areia.

Com a solenidade de um tiro de peça, no hastear da bandeira branca de Portugal, dezassete pessoas deram, sem o saber, ao início da futura cidade de maputo com o nome de Xi.lunguíne. Era o ano de 1788 e o governador Alferes Luis José, tinha sómente vinte anos.

Em 1799, construiu-se o armazém Real a pedra e cal, coberto a capim; ali se guardavam os saguates de panos, aguardentes, barricas de missangas, farinha de pau, feijão e milho.

Havia no meio do terreiro de areal uma grande mafumeira aonde à sua sombra funcionava a alfândega em dias de são vapor. Seguiu-se o presídio e a casa amarela, residência dos governadores.

Era na casa amarela que se recebiam embaixadores de régulos até que, a 23 de Agosto de 1885, na recepção ao governador que chegara de outras soberanias, sucedeu grande escaramuça. Os homens de Xerinda, da Zixaxa, de Maota e de Manhiça, que vinham armados ao etilo de guerra com insígnias, zingarelhos, penas, peles, zagaias e machadinhas, desataram em pancadaria de rancores vivos, originando grande mortandade.

Andava qualquer coisa de errado por aqueles matos; as tribos desavindas e um tal de N´guni  N´Gungunhane feito imperador de vários reinos Vátuas, desafiava a instituição militar da bandeira branca desde sua choça na Manjacaze, lugar de  Chaimite.

Em 1895, Mouzinho de Albuquerque trouxe o “imperador” rebelde manietado até ao terreiro daquela mafumeira e, em frente à casa branca dos governadores lavrou-se um auto de deposição com pompa, para o povo vêr seu “m´fumo” submetido. O Leão de Gaza das margens do Limpopo, ali estava prostrado de valentia parda, sem pinta  ou juba de bicho rei. A Zululândia do reino de Manicusse tinha os dias contados.

No primeiro vapor, o deposto imperador-régulo de Chaimite, seguiu para Lisboa do Puto para que as potências de então  e imprenssa internacional tivessem conhecimento do mando de Portugal naquelas paragens.

 

N´Gungunhane como prisioneiro, sofreu as agruras de vexame exposto, como um simples e descalço negro. 

Os expedicionários, esquadão de lanceiros oriundos de Chaves do Puto, a mando de Mouzinho, exibiram o "imperador" em sua sede, o torreão do castelo de Chaves. Para perpetuar tal feito, ali ficaram suas  largas roupas em museu, aonde ainda hoje, se podem admirar. 

N´Gungunhana  veio a morrer em exílio no Monte Brasil em Angra do Heroísmo na  ilha Terceira dos Açores.

Lá no Xi.lunguíne os portugueses adaptavam-se cada qual como podia, com os velhos instintos lusos; entre quartos de vigia e entretantos de palhota, trocavam-se panos garridos e missangas por milho, cabra ou marfim para forrar o lucro do regresso ao puto.

Na Ponta do Catembe, as duas margens e a ilha da Inhaca foi comprada com bugigangas dos Xi.lunguínes.

Até ser estabelecida a primeira colónia agricola em 1829 pelo Capitão-General Paulo Miguel de Brito, os Ingleses mantiveram-se sempre acossando régulos, Mefumos e Vátuas contra os portuguêses do Xi.lunguíne. Por mar os ingleses dificultavam por investidas, os povos já submetidos à bandeira branca, enquanto que por terra, os Vátuas orientados por N´Gungunhana e outros régulos à sua ordem, tornavam impossivel o cultivo das terras.

Corriam tempos difíceis para portugas e gentes do mato, até que um dia, um rei cançado da luta, quiz andar calçado com segurança.

O rei Doroza, em troca de proteção doa as terras de Magaia, recebendo em troca de saguates, Zuartes, chelas e missangas no valor de 78 panos e ainda utensílios de cozinha, um chapeu europeu, um par de sapatos e 7 canadas de cachaça (bagaço do Puto). Também se combinou o envio de 415 cartuchos para socorrer o régulo Papalana, dando-se a este, 2 almudes de aguardente, umas quantas porcelanas e instrumentos de cozinha.

Macazana, que tinha bom entendimento com um tal capitão Inglês de nome Owen, também acabou por ser assediado pela diplomacia da boa pinga do Puto; E, assim se veio a concretizar as terras de Maputo.

"Lá nos sertões de áfrica, a diplomacia de alguns, cachaça de outros e  soldados lanceiros, ergueram o orgulho de então".  A gazosa continua...

 

Obra consultada: Lourenço Marques de Alexandre Lobato

Literatura do  Soba T´chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:30
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quarta-feira, 10 de Dezembro de 2008
FUCA - FUCA

 ....... A FORMIGA LEÃO

 

Funil da armadilha                             Fuca - fuca

 

Aquilo a que se chama imprópriamente de formiga leão, em Angola, tem o nome de Fuca-fuca.

Em verdade, é a designação dada aos insectos nerópteros  da familia dos myrmeleontidae cujas larvas providas de longas mandímbulas, se enterram no fundo de um funil por eles construido na areia.

Nesse funil capturam presas que inadvertidamente por alí passam.

 

No Nordeste Brasileiro o Fuca-fuca é conhecido por piolho-de-urubu ou tatuzinho.

 

No fundo do meu quintal havia um tamarindo bem perto dum sape-sape (graviola) que atraiam muitas formigas; faziam rasto por entre o quintal de capim e áreas de pequenas bolsas de areia fina.

Os fuca-fucas em seus funis, lançavam areia para o ar apanhando alí as formigas lambonas fazendo-as deslizar  para o fundo aonde as prendiam com as tais mandimbulas ou tenazes.

 

Naquele tempo eu, era um candengue Ka-mundongo, caçador de celestes, rabos-de-junco, cardeais  e sardões que abusavam da minha mulembeira; comiam os figos daquele mundo que era só meu.

 

No quintal grande do Catambor eu e a tribo de monandengues, faziamos concurso de caça  com "bisgo" às celestes mas, vencia quem mais apanhava fuca-fucas.

 

Alí naquele quintal de Luanda até o capim era bonito. Agora que sou um "maisvelho" kota relembro:

- Do Miconge ao Diríco passando pela Matála

- Percorri-a toda com alpercatas de pele de Jamba

- Angola não se compara a nada, é única.

-  Mas, na Caála, apanhei matacanha

 

Da n´nhaka do Soba T´chingange


SINTO-ME:

PUBLICADO POR kimbolagoa às 19:09
LINK DO POST | COMENTAR | VER COMENTÁRIOS (1) | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Terça-feira, 9 de Dezembro de 2008
NAÇÃO OVIBUNDU . II

Mutu-Ya-Kevela

 Um quinhão de vidaKissonde

Kissonde 

 Refém do passado, rodeado de muitos contos penetrados de vida, refugiei-me por curto tempo no ano de 1902 no planalto central de Angola.

 De barba longa, tremelicava enquanto levava o cachimbo à boca rodeada de farta bigodaça branca amarelecida pelo tempo e o tabaco; entrecortado pelo vento e a velhice ia falando de forma quase imperceptível do meu quinhão de vida.

Naquela então, havia ali alguns comerciantes portugas que recolhiam milho, cera e borracha e, organizando colunas iam até Benguela vender o produto; com os seus cuidados e armados, os cipaios vigiavam a coluna, não fosse aparecer Kaparandanda o terror das bissapas.

O preparo de negócio não podia ser estragado pelo Kaparandanda, filho do soba Kulembe, bandido inteiro na arte de esconder, chefe de um grupo de renegados que fazia a vida negra aos muana-pwó.

A soberania do Puto fazia sentir-se por fortificações para apoiar com segurança, os muana-pwó nas trocas comerciais em Huambo e Bié

Mutu-Ya-Kevela, era um cauteloso chefe (Mfumo); a este segundo homem, mais primeiro após a morte do rei Kalandula do Bailundo, não lhe agradava que os portugas recrutassem homens como escravos para o amanho da terra.

 Cautelosamente, de sabedoria com astúcia, ia questionando as autoridades dos muwene-pwó e,  paralelamente à sucapa, ia forjando união em todo o planalto com a ajuda dos “Maisvelhos” séculos e sobas influentes para uma luta libertadora.

Mutu-Ya-Kevela entre os sobados dos reinos do planalto central, reuniu um total de 6000 homens para fazer a guerra. Foi por demasiado, confiante, pois que, as suas lanças e alguns canhângulos não podiam fazer frente a armas sofisticadas com gatilho, cão com bala perfurante e mais os trovões da morte sofisticados.

A derrota deu-se em 1902 e, eu já naquele tempo era kota (velho) demais para dar novo rumo à história.

 Perseguindo o passado, fumando cachimbo de liamba, falava de uma vida debruçada sobre um assombro que já só servia para ser contada.

E, pude ouvir vindo da t´chimpaca um gemido abafado de antiga guerra e,...não era boi, era gente,...“Kapalandanda n´da wa lila, wa lila okeka iahé”, (Kaparandanda, se chorou, chorou pela sua terra).

O Branco Albano Dos Santos, impregnado de cazumbiri fantasmava coisas comigo de forma maluca; dali em diante, ficamos simplesmente, os donos das  lendas faladas.

Angola não se imagina, sonha-se

      Da n´nhaka do

      Soba T´chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 18:50
LINK DO POST | COMENTAR | VER COMENTÁRIOS (2) | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Segunda-feira, 8 de Dezembro de 2008
foto de família

JAMBAS

KIMBO LAGOA



PUBLICADO POR kimbolagoa às 18:14
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

...

 

CRÓNICA DO PATRIMÓNIO SOCIAL DO KIMBO
ASSEMBLEIA MAGNA DO DIA 03/12/2008
 
 
 
O presente texto destina-se a ser uma modesta (quem sabe até medíocre) análise sarcástica, sem nunca ser ofensiva, mas tão somente caracterizadora do ponto de vista de um elefante, do património social do Kimbo de Lagoa, que esteve presente na Assembleia Magna do passado dia 3 de Dezembro de 2008, sem contudo, deixar de lado, alguns convidados que estiveram presentes.
 
Desde logo, podemos começar pelo anfitrião M’ Bika Kaputo que com a sua habitual disponibilidade recebeu os convivas de braços abertos (ou não fosse esse o seu estilo de falar…) não deixando que nada ficasse em aberto, sempre preocupado com a satisfação dos kizombeiros. Durante o repasto sempre tentou deixar algumas dicas para que lhe comprem material, e, para isso, sempre foi dizendo:
“Ó Dr. vocês têm que me comprar mais qualquer coisita, para aquilo ficar mesmo cinco estrelas, não acha ?”
No fundo, o homem quer é fazer negócio, (e quem não quer ?) mas, não deixa de ser genuinamente simpático. É um típico indígena algarvio.
Já me esquecia…. Também tentou meter a cunha para lhe disponibilizarem um campo de futebol:
 “lá prá malta treinar… os moços precisam dar uns pontapés na bola….”.
 
 Fomos servidos por uma indígena da Rondónia que tão bem soube representar o povo do outro lado da água salgada, ou seja, bunduda quanto baste…
 
No início do almoço, o ora escriba, tentou posicionar-se de forma a estar atento às conversas e movimentações do grupo, e por isso, sentou-se sensivelmente a meio da mesa, para o repasto.
Lá foi comendo tudo o que lhe aparecia pela frente, nomeadamente, no fim da refeição com três doses de medronho, pois anda sempre sequioso para apanhar alguém distraído, e dar um avanço nas garrafas que contenham o precioso líquido. Ah ! faltou um docinho à maneira para acamar … Contudo, aquele bolo de figo estava bastante aceitável…
À sua frente sentou-se um convidado do Comendador de Vale d’El Rey, (mais à frente irei analisar este personagem…) o Borras (aquela parte do café que não presta, entenda-se), que estranhamente não comeu camarão.
O Jamba indagou.
O Borras respondeu que era alérgico e, que a alergia apareceu depois de velho.
Que doença chique… Só mesmo o Borras para ter uma doença destas, logo ele que referiu ter já “comido toneladas de marisco…” (palavras do próprio).
Que raio ? O Borras, Homem Rico, não poderia apanhar alergia a batatas cozidas ou a pão com azeite ? Foi logo “escolher” uma doença dos finórios, tinha de ser… é mesmo dele. Diga-se que durante todo o almoço borrifou-se para o cerimonial. Deixou-se contaminar pelo Comendador que não liga nada ao Kimbo, pois não lhe trás proveito económico, dizendo que somos todos bruxos e que só fazemos bruxedo, mas enfim…
Apesar de não ter estado presente, o Duque da Figueira avisou. Foi muito correcto ! Não chegou atrasado ! Simplesmente não apareceu porque tinha a tesão alta, digo, tensão alta. Reflexo dos almoços da Kizomba e dos sucessivos jindungos que engole,  que o fazem chorar, sempre na esperança de à noite fazer efeito… a idade não perdoa.
 
Por acaso não viram o Pai Natal ? Ele esteve presente na Assembleia… o tal Armando… com aquela barba branca… Estava era disfarçado para não dar prendas, espertalhão !!
 
O Comendador de Vale d’El Rey: sim senhor, bonito serviço… ! Passava bem pelo homem dos boicotes. (Este Comendador é o tal criador de uma organização moribunda). Sucessivamente, e durante todo o almoço procurou destabilizar. Dá-me a sensação que é um estilo próprio. Começou por dar frequentes ferroadas no Dom Conde do Grafanil, por razões respeitantes à tal organização moribundas (eu disse outra vez BUNDAS ?? Isso é muito bom… não é ?). Deve haver uma relação de amor ódio, cão e gato, ou uma malapata entre o Comendador e o Dom Conde do Grafanil, pois já reparei que andam sempre a picar-se e sempre juntinhos. Para mim, não podem passar um sem o outro.
Para além disso, encontrava-se numa ansiedade total, que tentava disfarçar, pois a Fidalga tardava.
Explodiu quando lhe disseram que “não havia rede”. Num ápice, levantou-se e foi para a rua telefonar. Quando a Fidalga chegou era vê-lo tentar disfarçar a alegria, e nem olhou para a porta quando aquela entrou, só para não dar nas vistas... Depois ficou todo enciumado pois a Fidalga passou largas horas a falar com o Kamanlundu (isto é uma outra situação que também tem de ser escalpelizada… porque razão tanta conversa ?) Por fim, saiu antes de toda a gente, acompanhado pelo Borras. Deveria ter ido tentar convencer alguém a comprar alguma kubata… (a propósito ? Quantas propriedades já terá vendido o Comendador ? Ele que se lembre que está a pagamento uma gasosa) Bom, a propósito de gasosas e adiafras é melhor o Jamba estar calado pois o saldo para o seu lado é bastante deficitário…
Não vamos bater mais no Comendador até porque ele prometeu duas carradas de bosta para a nova kubata do Jamba e, não vá ele dar o dito por não dito… e, ademais, não vá o Comendador começar a desculpar-se, e não disponibilizar a sua kubata para os almoços. Onde irá o Jamba escorropichar uns copinhos de medronho ??
 
N’Dalatando: É o homem das novas tecnologias. Foi o primeiro a abandonar o almoço e, de forma ainda mais prematura que o Borras e o Comendador. Tal acto, ficou a dever-se ao compromisso de ir buscar o seu guri à escola. Foi-lhe sugerido que o deixasse na escola para o dia seguinte, pois iria poupar trabalho, já que o garoto teria de voltar no dia seguinte. O N’Dalatando ainda hesitou mas, por fim reconsiderou e foi-se embora a caminho da capital dos Algarves. Discreto, não teve oportunidade de se mostrar nem se fazer aparecer.
 
Visconde do Mussulú, Embaixador Itinerante da Globália (anseia representar Sin Fuegos, mas, depende de deferimento da stora…). Mais uma vez, surpreendeu pela sua determinação. Algo que julgava não o caracterizar, dado alguns vícios que teima em não deixar… Mas, conseguiu resistir a uma máquina de sumo de cevada, colocada unicamente para o satisfazer. Estava doente e só bebeu Frisumo… Chiça, que bebida… !!
Encontrava-se verdadeiramente murcho, devido à gripe. Enfiado em roupa invernil, só se vislumbrava o cotonete (vulgo cabeça branca) enterrado no meio dos ombros.
Deu o ar da sua graça, quando levou uma mordidela do Kaputo acerca da avaliação dos profs. e, ainda aquando de uma observação do Kamalundu acerca das florestas que estão a ser plantadas nas rotundas.
No final teve uma reminiscência de infância ao ratar as estrelas de figos, comendo só a amêndoa em volta dos mesmos e, para disfarçar fez o possível para esconder o figo ratado nos pratos dos outros elementos.
 
Fidalga de Ferro Agudo: O paradigma da mulher trocada por outra (isto para usar um eufemismo, e não dizer outras palavras). Como dizem os brasileiros (chifre foi feito para homem, o boi só usa de inchirido…). Portanto, Ó Fidalga, deixe o homem em paz e parta pra outra…
Faz-se de forte mas, a sua carapaça de mulher forte e decidida cai ao primeiro sopro.
A sua amizade é cobiçada por quase todos. Por alguma razão que desconhecemos, foi cochichar com o Kamalundu para a rua. A sua pessoa e condição pessoal não a deixam brilhar como outrora. Se se tivesse juntado ao Visconde teriam feito um belo par de maracujás, tão murchos estavam. Passou o almoço de forma discreta e regular.
 
Fuça-Fuca: Os meus parabéns pelo vasto, minucioso e pormenorizado acompanhamento fotográfico que realizou. Eram-lhe desconhecidos tais dotes de retratista. Ansiamos desesperadamente pela publicação da reportagem fotográfica. É o Gravanita da Kizomba decididamente ! Este é o último presidente da tal organização moribunda (satélite da Kizomba). Peço desculpa se ofendi alguém com tal ligação perigosa…
 
M’ Fuma Manhanga: Outro bom moço… Normalmente atrasado para os encontros e desta vez não foi excepção. Aparece sempre com ar alegre e um tom um pouco alienado, na linha do Duque da Figueira. Dá a sensação que ainda não se encontrou, e anda a apalpar terrenos (não fosse essa a sua profissão). Desculpou o seu atraso com o desconhecimento do caminho. Ó rapaz, não és topógrafo ? Deve ter tirado as coordenadas e feito o percurso a palmo, eh, eh, eh !!
Tem o benefício da dúvida porque anda atarefado com o curso de arquitectura. Bom, pelo menos não escolheu a profissão do pai (agrimensor), essa ciência oculta…
Sentou-se junto dos progenitores em sinal de submissão. Faz-se um bom kizombeiro se seguir a linha do pai.
 
Kumandu HN: Vibra com estes acontecimentos. Nestes dias, nota-se uma áurea de alegria e vivacidade à sua volta. Gosta e cultiva a amizade.
Normalmente exigente com a comida, não fez reparos.
Via-se que ficou verdadeiramente realizado com as condecorações recebidas. Sentimos que soltou um desejo reprimido em ser nomeado Cardeal, dado o ar de satisfação com que exibiu o Quico vermelho no cimo da sua careca brilhosa.
Soube, como sempre, os terrenos que pisou, e nestas ocasiões, fora do seu habitat, resguarda-se e não se deixa aparecer. O seu comportamento foi exemplar, dando cumprimento e aceitando os mandamentos e ensinamentos constantes do Soba, que lhe indica o melhor caminho a seguir, na sua árdua tarefa de Guardião da Torre do Zombo.
 
Dom Conde do Grafanil: Sempre desejoso por uma kizombada ! Tal como o Kumando, adora estas reuniões. Soube sempre resistir, porque em casa alheia, às sucessivas puas provenientes do Comendador. Contudo, decerto procurará a oportunidade para responder às mesmas, ou não faça ele modo de vida do ditado: “cá se fazem cá se pagam”. Certamente esperará pelo momento exacto para responder ao Comendador, ou não, já que adoram picar-se um ao outro e irão eternizar esta pequena guerrilha por causa da organização moribunda.
Viu-se o orgulho com que recebeu um conjunto de apetrechos, digo, condecorações. Inchado pelos títulos, exibiu um belo pano de couro de bicho que o tornou elegante. Até molhou o bico com um nadinha de medronho, tamanha a honra. Deu azo a pelo menos um Viró-Vira. É uma figura grada da Kizomba.
 
A Sobina, Sobita, Sobatana, Sobona etc. etc., ou seja a mulher do Soba: Uma senhora com estilo e que sabe estar. Um pouco afastada do Jamba, só com ele teve conversas de circunstância. Via-se que estava com frio, o que a fez aconchegar-se frequentemente para junto do lume. Não está habituada a estes rigores, uma vez que passa muito tempo em paragens mais quentes. Nada a assinalar.
 
Kamalundu: Tentei e consegui ficar sentado ao lado deste kizombeiro na esperança de após ingerir dois copitos de tintol, começar a retórica do costume. Todavia, desta vez foi bastante comedido. Como atrás foi dito, apenas picou o Visconde a propósito das florestas existentes nas rotundas. Considera ainda existirem árvores a mais no jardim em frente à igreja. Para ele eram algumas cortadas. Cochichou alongadamente com a Fidalga. Aliás, foi ele quem foi indicar o caminho a esta, previamente. No final ainda falou com o Jamba acerca da sua futura kubata. Desta vez o Kamanlundu desiludiu por ter sido tão comedido. Não falou o habitual.
 
SOBA ( O GRANDE SOBA): É um senhor ! Apaziguador, simpático, sorridente, conversador, sábio, moderador, (tanta graxa o Jamba quer alguma coisa…) É um líder. Nunca o ouvi proferir uma palavra amarga para alguém, ou ficar zangado. É o motor da Kizomba.
Apresentou-se vestido a rigor para o momento importante. Exibiu inúmeras condecorações (compradas numa qualquer loja chinesa) cravadas num colete tipo safari, e, na sua careca redonda, um chapéu ao estilo Indiana Jones (sem óculos seria confundido com o Harrison Ford). Veio munido e construiu um cenário apropriado para a cerimónia. Cantou e fez cantar o Hino. Cumpriu na íntegra o protocolo agendado.
ASSINADO: JAMBA
 
Em baixo uma foto de família (O Jambinha Henrique estava a dormir a folga, só aparece o projecto…)
 

 

 

 

 

 

 


PUBLICADO POR kimbolagoa às 17:45
LINK DO POST | COMENTAR | VER COMENTÁRIOS (1) | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sábado, 6 de Dezembro de 2008
UMA NOTÍCIA VELHA

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DO HOMEM

          Crimes contra a humanidade

 

O Homem de hoje, por via de processos e técnicas rápidas, evolui  desfazado do pensamento.  Sem pudor, as instituições  do poder,    transgridem normas de ética  instituidas  a coberto duma  democracia, sómente apregoada.

 

A ironia cruzou a mitologia inventando novas engenharias financeiras, matando ou roubando docemente o comum dos cidadãos.

O governo capitalista do puto, de cariz socialista decidiu rebuscar no bolso dos portugas o subsidio a dar à malangragem de alto coturno num gozo de pensamento e actuação pecaminosa.

 

A apropriação do nosso parco ganho é dada aos párias da democracia  que, conspurcada de insestos, segue incolume.

A metáfora da vida humana por via dum socialismo mentiroso, mata pouco a pouco o humor do povo crente em Santo António.

 

E, agora que nos eliminam o humor, que resta de bom para voltarmos a medir a honestidade em quartilhos ou covados e, como defeniremos os alqueires de justiça.

Na diversão opulenta, os financeiros de mãos dadas com os banqueiros, corrompem as nossas páginas de vida; o rumo de deslealdade mudou tão drásticamente que, nos leva a entender a política dita democrática como coisa vil, estranha e tóxica.

 

Despertar e sacudir as conciências  denunciando as muitas coisas más é a função dum homem do kimbo que quer sair da quadratura do circulo mas que, sempre bate nos ângulos obtusos da vida; A Torre do Zombo do Kimbo regista as muitas mutilações aos direitos do homem por usura duns quantos; os mesmos que por quotas dividem o mal gerindo-nos despodoradamente inocentes.

 

O verdadeiro poder está na mente humana, só que há muitos a pensar irresponsávelmente fazendo-nos curvar ao seu EGO.

Apelamos a N´zambi para interceder nas nossas vidas dando primazia aos justos de qualquer reino ou estado.

Esta pequena crónica é no sentido de despertar aos verdadeiros Direitos do Homem que já perfaz 60 anos.

 

Da lavra e n´nhaka  do,

 Soba T´chingage

 

 

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 10:07
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quarta-feira, 3 de Dezembro de 2008
REI DOM GRAFANIL I

ASSEMBLEIA MAGNA

 

  

KIMBO  LAGOA

AKTO RÉGIUM  Nº ZERO

   ASSEMBLEIA MAGNA

Aos três dias do Mês de Dezembro do ano da Graça de 2008,  em Terras Ultramarinas do Reino de Manikongo, no lugar “sítio do Chã da Abrotea”, reunidos os súbditos do Kimbo de Lagoa com a digna presença de seus Vanguardistas, Nobreza, homens e mulheres ricas, reconhecem e ractificam a kognomização de DOM GRAFANIL I como seu 1º Rei da Nova era da Globália.

 

Sendo comprovado estar o seu código genético impregado de paludismo de fina estirpe, o Soba T´chingange faz a entrega da “Yengué de Búzios com Caurins” em pele de bode, sua futura nobre capa a ser exibida em todas as Assembleias Magnas. 

 

Neste dia, a 499 anos da posse do 1º Rei cristianizado com o nome de N´zinga-a-N´kuwu pelo Rei D. João I do Puto, é lavrado este akto para que fique registado na Torre do Zombo do kimbo, com os nomes e kognomes de todos os presentes:

 

TESTEMUNHARAM

             - O Soba Tchingange –............................. 1º Vanguardista

             - Dom Conde do Grafanil – O Actual Rei  - 2º Vanguardista

             - Dom Visconde do Mussulú, Embaixador Itenerante da Globália,

               dos  PALOPS e  concelheiro de  Cienfuegos do

               Mar da Pallha – .......................................3º Vanguardista

                  - Cipaio Mor N´Dalatando, Estagiário de 1ª do Acelerador de

               particulas  do  Reino – .......................................4º Vanguardista

             - Juiz da Festa Jamba – .............................5º Vanguardista

             - O Kimbanda Guardião, Cipaio Ninja da torre do Zombo

             - Armando, Homen rico e rotário da Rocha

             - M´bika Kaputo, o Senhor do Chã da Abrotea

             - O Exmo Comendador  Salalé dos Vales d´el Rei

             - Fidalga dos Santos de Ferro-Agudo

             - Senhor das Estepes Kamalundu

             - M´fuma Manhanga (Provisório)

             - Juiz da Paz Fuca-fuca

             - A Sobeta Maria Sesmeira e da Manhanga

             - Catarino, Homem rico

             - Paulo – Homem rico

             - Pacheco – Homem rico

             - Nobre – Homem rico

             - Vicente – Homem rico

 

AKTO RÉGIUM  Nº UM

ASSEMBLEIA MAGNA . PÓPIA DO REI DOM GRAFANIL I

 

FAZENDO MENSÃO DA PÓPIA DO SOBA T´CHINGANGE  A vida sem amigos, é um céu sem andorinhas”.  Convosco, explorarei  os recantos da amizade para também fazer da vida um espectáculo.

 

VENHO PERANTE VÓS SÚBDITOS DE LAGOA, DAR POR ACEITE ESTE TÃO HONROSO POSTO HOMOLOGADO NESTE  AKTO.

 

PROMETO CUMPRIR E FAZER CUMPRIR O GESTO E TRADIÇÃO QUE VEIO DO NADA E CAMINHA PARA AS TERRAS DO NUNCA.

 

E, PARA QUE CONSTE, VOU COM O PILÃO MANGUITO DAR A BENÇÃO A TODOS VÓS PARA CUMPRIR COM A CADEIA DA FINA LINHAGEM.

 

E, PARA QUE POSSAM SUPORTAR A CRISE DA GLOBÁLIA, DAREI A VÓS O FRUTO MÍTICO DA NOSSA ÁRVORE , “A MÚCUA SAGRADA” DO EMBONDEIRO.

 

A TERMINAR, UM VIRÓ-VIRÓ DE FINA BOLUNGA EM HOMENAGEM AO ANCESTRAL REI CRISTIANIZADO NO ANO DE 1509 CHAMADO DE N´ZINGA-A-N´KUWU  EM M´BANZA KONGO.

 

                                                 O  DOM  GRAFANIL  I

                                                                J. V.

                      Assinado com pico de porco espinho, originário do lugar do Sumbe

           

              AKTOS DA CERIMÓNIA . 3 DEZ. 2008

           KIZOMBA – SÍTIO DO CHÃ DA ABROTEA

 

1º AKTO 

          -  Abertura . Canto de duas primeiras quadras do Hino .

            -  Apresentação dos Nobres pelo Soba

-  Viró-viró em homenagem ao 1º Rei Cristianizado

    do Reino de Manikongo N´zinga-a-N´kuwu.

2ºAKTO

                   - Almoço dos Ungulus   

3º AKTO

         -  Akto Régium da Kognomização do Rei do Grafanil I

         -  Cerimónia do Pilão Manguito

         -  Assinatura da Akta por todos com Nomes e Kognomes

         -  Oferta dos Símbolos e Insígnias ao Rei:                             

              A - Lavagem de purificação em N´zimbo

                    Bantu (Zulu do Transkey)

              B - Yengué de Nzimbos e Caurins, (Alma) em pele de bode

              C - Partida da Múcua e frutos a dar aos súbditos

              D - Leitura da Pópia Régia com cagança Bantu

 

 

4º AKTO

     - Distribuição das prendas natalícias por numeração

      - Encerramento com o 2º Viró-vira “O Béubeu do Rei” Dom Grafanil I

        

Extras: - Chave do Kimbanda Ninja da Torre do Zomba entregue

                  ao Rei  simbolizando submissão ao Novo soberano

                  Dom Grafanil I

 

              - Fruta do Reino: - Goiaba e Pitanga

                 

Como agradecimento de bom Compinchão é dado o titulo de DOM  e Senhor do Chã da Abrotea ao Exmo M´bica Kaputo.

Como AKTO final foram distribuidas prendas natalicias a recordar e perpectuar a fina linhagem do tecido humano que compõe a Kizomba do Kimbo de Lagoa, Súbditos do Reino de Manikongo.

O novo e distinto Rei foi baptizado e lavou as mãos em purificação com água do N´Zaire filtrada em N´Zimbo Zulu do Transkey.

E, Eu Soba T´chingange que dei posse ao REI DOM GRAFANIL I, auxiliado pelo Kimbanda  Cipaio Ninja H. Neves, zelador da Torre do Zombo que substituiu o Bispo ausente, dou por aceite o AKTO por Vontade  divina do Pai, do filho e Sobrinho Santo da Assembleia Magna.

O Soba T´chingange 

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 22:49
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

LAGOA DO PUTO . IV

 

   CONHECER  LAGOA . IV      

  A ORLA COSTEIRA . As Gaivotas e os Algares

   As  gaivota,  são as aves  que mais se encontram ao longo da recortada costa cársica de Lagoa. Alimentam-se práticamente de tudo e, até dos desperdícios que o homem produz aumentando tanto a sua população que se torna um problema para as demais espécies; desputam  não só alimentos como também os locais de nidificação.

Em meados de Abril pode vêr-se os movimentos agitados das gaivotas-argênteas que nidificam numa qualquer concavidade das arribas.  Após um mês da postura dos 2 ou 3 ovo, pode vêr-se os primeiros desajeitados voos das gaivotas juvenis na procura de alimentos. Com o correr do tempo vão ficando com uma plumagem acinzentada no dorso e asas e, branco no resto do corpo.

É desta forma que se vê o Algarve em voos de gaivota a partir de Maio; quando o sol de Agosto está a pino, queima, e o vento está quedo; o branco encandeia e a sombra refrescante é cubiçada em todo o sítio aonde esta se projecta.

Esperimentando vistas nova, vê-se a redondez do infinito lá no topo da falésia e os cuidados são necessários porque, dissimuladamente encontra-se um buraco a que se chama algar que desce para a gruta aonde a vista não alcança; O terreno pedregoso torna-se perigoso no rebordo da falésia ou os buracos tapados pela vegetação dos algares. Nem todos estão resguradados e a ousadia ou curiosidade, podem ser infurtúnios dum segundo sem ultimatum.

A tensão das pessoas oriundas de Lisboa, Porto e arredores transborda dos limites e na forma de buzina, gritos ou e, as vezes pancadaria. São atropelos na praia, no super mercado, na padaria. As gentes tentam apanhar todo o sol no mais curto espaço de tempo, sempre correndo... Aqueles dias têm de ser aproveitados ao máximo, correm de manha a pôr o físico em forma, correm para a praia a torrar, esgotam as noites no barulho infernal de uma qualquer discoteca, embebedam-se de álcool e fumo. Aqueles dias são o máximo... Aquela garota, o musculoso do lado, enfim...

E, ali está a gruta fresca com cavernas e um recanto de pirata com predadores desconhecidos; a adrenalina provoca a ousadia e surgem batidas de asas, o susto e, lá se vai o repouso do morcego cavernícola que por ali fica de dia repousando ao abrigo de predadores.

O guano desses morcegos dão vida a um sem fim de insectos, aranhas e bichos rastejantes como a lagartixa; forma-se aqui um ecossistema favorecido pela temperatura.

Os sons de alta frequência emitido pelos morcegos não são perceptiveis pelo homem, mas estes mamiferos voadores consomem por noite metado do seu corpo em insectos, eliminando assim uma grande parte dos mosquitos, moscas e outras pragas voadoras  que perturbam a vida do quintal, da assada e do convivio morno dos verões da varanda e rede de balanço.

A felicidade aqui acontece fruto do tempo e do desejo.

Naquela gruta que parece uma  catedral, rematei cruzes de pedra numa cerimónia de apresentação a todos as vidas dispostas a suportar quilates de vontade.

Mas eis que chega o Setembro e volta tudo ao dia a dia mais normal, até que....  

:::::::Continua::::::

Em terras ultramarinas

O Soba T´chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 04:39
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

RELOGIO
TEMPO
Weather Forecast | Weather Maps
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
15

19
20
22
23
24
25

26
27
28
29
30


MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
CAIXA MUSICAL
CONTADOR
contador free
ONDE ESTÁS

Sign by Danasoft - Myspace Layouts and Signs

blogs SAPO
subscrever feeds