Segunda-feira, 30 de Março de 2009
SE UAMGAMBÉ UANGA UAMI...

FÁBRICA DE LETRAS DO KIMBO

Muxima, lugar de crenças, lendas e do espírito africano, o expoente maior da saudade, do coração, de gente desprendida à força ou sem o querer; O coração dos Kimbundos transformado no maior santuário Mariano do continete africano. Coração da globália negra, branca, mestiça e parda num reino extinto da "Cerca dos Macacos" no Zumbi dos Palmares, gente levada nos porões para tratar a terra, lembranças do chicote do poste, da zansala com grilhos, da canga e infortúnio. Companhia,... só mesmo a Nossa Senhora da Muxima. Ai.iu.é!

E, os retornados, pretos e brancos, e os martirizados pela DIZA, pela PIDE em defesa dum estado, dum pedaço, duma tumba e,... Nossa Senhora da Muxima para segredar, orar, rogar. 138 quilómetros de Luanda, perto de todos os continentes, todos os planetas com vida, com Angola no coração; a saudade de Muxima, do Kwanza e da Kissama.

As angústias, desejos, rogos e preçes começaram lá para tráz, no longínquo ano de 1645, cada um com seus motivos, portugueses, holandeses, gente dos Dembos e tantos outros corsários e negreiros,  que por ali passavam. Kwanza a baicho, kwanza acima, fugidos M´Bundos, N´Golas, uma canoa que se esquiva, ou galeão que atraca, um terrorista de então que se esfuma na bruma do cacimbo. Memórias que ficam na oralidade, no conto e na ficção.

Intimamente, com o pensamento ali, estamos ligados ao universo e uns aos outros. A nossa influência, nós gente sem cor, com Ela, Nossa Senhora da Muxima, atravessamos o espaço telepáticamente, uma premonição  dum bem querer ao próximo e a nós mesmos; As nossas atitudes têm mais positividade e, até enxergamos mais além de coisas comesinhas ou materialistas com Muxima no pensamento. O sentido ìndigo filosófico apodera-se de nós dando mais sentido ao verbo, à ciatividade, vivos e livres.

Se uangambé uanga uami, gaungui beke muá Muxima.

No espírito de Ganazumba  (Ganga-Zumba)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 10:39
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sábado, 28 de Março de 2009
NA ROTA DA MANDIOCA

FÁBRICA DE LETRAS DO KIMBO

 

Este arbusto tem o nome de manihot (maniva) e, sua origem é conhecida como sendo proveniente do sudoeste da Amazónia. Creio que Pêro Vaz de Caminha quando se referiu às novas terras de Vera Cruz: - " esta é uma terra tão fértil que tudo quanto se plante, tudo dá", baseava-se no pau de mandioca que espetado no solo rápidamente se faz planta com raizes na forma de tuberculos.

Os Portuguêses da era Cabral, acompanhando os índios na lavagem da mandioca nos rios  tomaram o gosto pelo banho; é assim que rezam as histórias de picardia  dos homens de letras do Brasil, ácida como o cianidrico suco daquelas longas batatas com nomes de aípím ou macaxeira. Este cianeto, ainda é visivel nos artigos oriundos do Brasil em que o Português pessoa física, é com alguma freqência ternamente substimado.

Deprende-se que no ato de Globalização, os portuguêses levaram este novo alimento para África e, a partir da Guiné e Angola, na senda da escravidão, espalharam essa cultura por todo continente.

A raiz desta planta, venenosa quando crua, torna-se a base alimentar de todos os territórios de clima tropical ou equatorial de influência Portuguêsa. A raiz da mandioca pode ser utilizada entre seis e dezoito meses após o plantio e a farinha daqui extraida tem longa durabilidade com boas condições de consumo.

 

  PÉ DE MANDIOCA

 

Diz a tradição Tupi que a filha de um chefe engravidou ainda virgem tendo dado à luz uma menina chamada Mani que morreu um ano depois; no lugar do seu túmulo surgiu um arbusto desconhecido, tempos depois a terra abriu-se deichando à amostra as raízes da mandioca ou manioca que era o nome da oca (casa, palhota) de Mani.

Os Tupis usavam a farinha de pau, "ui-atã"  como seu principal alimento. A raiz é descascada e ralada com instrumentos feitos de cardos ou dentes de animais ou casca de ostras quando junto à costa marítima; ainda húmida, era espremida numa prensa de palha em forma de funil longo, o tipiti, extraindo-se assim todo o veneno, ácido cianídrico na forma de caldo. A massa seca, em seguida, era levada ao fogo (ainda o é) em grandes vasilhas rasas e redondas, ficando assim, pronta a farinha. A Tapioca, o beiju, a maniqueira, fuba ou farinha de bombó entre outros, são sub-produtos da mandioca.

Entre superstição negra, esperteza branca e moleza  índia, os nossos ancestrais avós,  núos  até ao pescoço, deram-nos este legado.

Da N´Nhaka do Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 06:43
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quinta-feira, 26 de Março de 2009
KALUNGA

FÁBRICADE LETRAS DO KIMBO

 

Foi em Olinda de Pernambuco no Brasil que tomei de novo, contacto com o termo genuinamente Angolano. As expressões culturais ameríndias e afros diluidas no sangue latino e africano, colonizadores e escravos cozidos no grande caldeirão genético do Brasil com os pretos, pardos, mulatos, cafuzos, caboclos, matutos, caboclos, mamelucos e mazombos que originaram um maracatu muito caracteristico no carnaval de Olinda, altura mais certa para extravazar coisas incubadas.

No espectáculo carnavalesco surgiram ao longo do tempo nomes que mais pareciam ser dos Dembos ou kwanza de Angola tais como  "os Xurimbas" , "os Muximas" ou " as capotas  e o papa-angu"

 CALUNGA

Li algures que Calunga é o plural de lunga ou malunga mas, tanto quanto pesquizei, Calunga é um elemento sagrado do Condomblé de Pernambuco, Brasil, e simboliza uma rainha morta, talvez a N´Zinga mas, simboliza em verdade uma "boneca de cera do Maracatu".

Em 1932 surgiu um grupo Calunga com o nome de "Homem da meia noite",  fruto do maracatu nação  vinda do culto Banto, da lingua Kimbundu .

No carnaval esta figura é feita de barro, palha, madeira ou cera.

Referem alguns pesquisadores que pode ser o nome dado a carregadores de carrinha de caixa aberta mas, eu a esses chamo de monangambas ou monangambés.

Creio que este termo de Calunga, significa irmandade, fidelidade, a amizade feita divindade, uma boneca de encantar a quem se quer bem.

Do Soba sem makotas (ficaram salalé),

T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 23:42
LINK DO POST | COMENTAR | VER COMENTÁRIOS (1) | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quarta-feira, 25 de Março de 2009
ERAM CINCO MILITARES

 LOBO ANTUNES

 

Finalmente, acabei de ler o Fado Alaxandrino. Havia no início um Tenente Coronel, um comandante de patente omissa, um Capitão, um Tenente Oficial de Transmisões, um Alferes e um soldado. O Oficial de Transmições acabou por se enterrar numa faca, ninguém se denunciou mas tudo indica que foi o soldado que o ajudou nisso. O macho do Tenente andava a comer as mulheres do Tenente Coronel e do soldado.  As mulheres, deusa do strip-tease, nuvem de perfume, a anã, a ajudante do ilusionista e a mulata deram volta ao miolo desses militares. São 607 páginas de suplício, descrições micro-métricas, persistentes mas belas. De todo o livro retirei um extrato último que me impressionou, fala da Beira Alta, talvez os anos 40 e poque conheço a geografia do local, aqui transcrevo um pouco dessa miséria social de então:

 

"..., e o meu padastro despia o colete, a camisa, as calças, descalçava os atacadores das botas e avançava para mim, sem uma palavra, soprando com força o pifaro dos beiços, com a cadela das codornizes a trotar nos calcanhares, tão magro e frágil e ridículo que ninguém diria poder matar um homem de indiferença tão absoluta como a do meu pai, e sentou-se ao meu lado, e segurou-me nos ombros, e obrigou-me a deitar-me, e cheirava a pólvora, a pulga de cachorro, aos lençóis da minha casa, os meus cabelos misturavam-se com as ervas, as minhas nádegas misturavam-se com o xisto, um sapo resvalou rente à minha orelha na marcha pesada e doente do farmacêutico da vila, e recebi o peso dele no meu corpo, abracei-lhe o lombo e fechei as pálpebras para o odiar ainda mais, com um ódio tão grande como os gritos dos mochos nas insônias de agosto,(...)

E a seguir a ele se vestir e ir embora, com a cadela a enrolar-se-lhe nos pés e os testículos úmidos de mim ocultos no riscado das ceroulas, enquanto me lavava do seu sumo de nêspera e das manchas violetas, quase negras, das coxas, percebi  que nessa semana, ou na seguinte, ou na seguinte, a minha mãe e ele me mandariam embora, de comboio, para muito mais longe que o longe que eu a altura concebia, muito mais longe que Viseu, e Santar, e Tondela, e Mangualde, e Mortágua, que as vilas..."

 

Um livro a não perder pelas descrições da verruga, adjacências ao Tejo e partes úmidas das zonas intimas nas noites de putaria em Lisboa

 

O  Soba T´Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 23:53
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

AI.AIS - NAMIBIA

                          FÁBRICA DE LETRAS DO KIMBO

  Chovia quando ali cheguei pela primeira vez Indo de Orange River, coisa rara para quem passa exporádicamente como o é, neste meu caso; não há cheiro igual noutro qualquer lugar do Globo. Voltei lá com a familia por mais duas vezes e, mais vezes voltarei se, se proporcionar.

Após as primeiras chuvas, o pó em África, tem um cheiro de terra especial; quem o não cheirou, não consegue conciliar os sentidos inebriadores duma mistura de pólenes invisiveis  dos  escassos tufos de vegetação.

O sol ali não é docil, pus o meu chapéu do Karoo, montamos o toiota e, bem cedo seguimos à descoberta do Fish River mais a norte; fomos três a descer ao fundo do Canyon que parecia perto, era logo ali e, o que pensamos fazer em uma hora na descida e subida, levamos bem perto de quatro horas, Ufa!!! Que calor .

  FISH RIVER

Havia uma fria Windhoek  lager à espera no restcamp. Que delicia!

Maior que este, só o canyon Americano. A adrenalina escorria nos olhos, nas faces, tremia nas pernas, abanava os sentidos comuns à  magnitude em banda larga com “óoos e áaais” de espanto. Estou em crer que foram estes Ais de admiração que deram o nome ao acampamento desta canyon.

Dias depois subimos a Brandberg a ver as acácias solitárias, entre pedras vermelhas sobrevivendo a um deserto impiedoso.

Os dias terminavam com suspiros de plena satisfação em curtos goles de marula tree.  

                           O Soba T´chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 00:58
LINK DO POST | COMENTAR | VER COMENTÁRIOS (1) | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Terça-feira, 24 de Março de 2009
TERRA DO NADA

     FÁBRICA DE LETRAS DO KIMBO

                    IMAGENS EMPRESTADAS

 

UMA VIAGEM POR NAMÍBIA.  Corria o ano de 1999.

O Vulcão estinto era visivel da estrada barrenta com predominio do tom vermelho. No meio do nada o mapa indicava um vulcão, era o Brukkaros,  um morro que se salientava dum plano infínito. Era mesmo só aquele grande morro, pedras avermelhadas que despertam a curiosidade de um qualquer tinhoso viajante. Subi o dito cujo na parte mais baixa e pude ver lagartos ameaçadores, vegetação rasteira e barulhos de escorpiões.

Estavamos num lugar designado de Karas e  assim ficou na mente.

 

 BRUKKAROS . NAMÍBIA

 

Num calahari imenso e místico aonde a vida parece ser um milagre, sobreviver-se com quase nada, apetrechos mínimos acompanham as necessidades dúns  boskimanos  que rodeiam os chinguiços que lhe dão calor à noite.  As noites ali são frias e o fogo tem mais encanto, mais feitiço; é sagrado.

Tenho de lá um dente de facochero que encontrei entre pedras e, que me acompanha nas andanças da vida, ...sempre!

Entre as dunas, acácias e anharas do Karoo, passando o delta de Okavango até Cazombo em Angola, vive-se a verdadeira intensidade biológica.

Retive comigo palpitações, e emoções que de quando em quando me dão melhor interpretação da  "inconciência do mundo atual"

O Soba com makotas de Salalé,

T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 10:40
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sábado, 21 de Março de 2009
SER MWANGOLÉ,...

 

O PAPA ESTÁ EM ANGOLA

FÁBRICA DE LETRAS DO KIMBO

KAKUAKU. 20 DE MARÇO DE 2009

 

Recebi uma missiva do nosso Embaixador em Angola sem fazer menção da visita do Papa Bento XVI; tudo indica que está indisposto pelas afirmações que este fez contra o uso do persevativo e do agravamento da Sida pelo seu uso. Eu, que sou Soba não me dou ao direito de ir contra o meu estimado súbdito e tal e qual, assim fica.

Não deixo passar em claro a notícia que interessa revelar: - O Papa está em Angola para comemorar os 500 anos após a Cristianização de N`Zinga-a-N´Kuvo com o nome de D. Afonso I. Esse ato foi em terras da M´banza Kongo não muito longe do Rio N´Zaire e deu início à cristianização não só do reino de Manikongo como de toda a África.  O Kimbo regozija-se por este fato porque Manikongo é no seu memorial a referência de topo. O nosso rei do exílio Dom Grafanil I, progressista de primeira linha, ignorou esta visita como protesto mas, eu o chefe supremo do executivo, responsável pela Torre do Zombo, não a vou deixar em claro.

Os digníssimos Vanguardistas medalhados nas anharas do infortúnio vêm-se agora por auto-iniciativa, relegados para simples Makotas de Salalé. Suas insígnias, badalos, catanas, cartilha-de-Cienfuegos, Dikromas e adereços, gozam de cacimbo com caruncho na sala nobre da torre do Zombo à guarda do cipaio Ninja H N o Quimbanda do Reino e M´bica do Soba  

Segue a gíria da Luua dos Kaluandas /Camundongos com sua inteira banga, ao ritmo do kuduro.

 

  PRAIA DO CACUACO

 

  Caro Soba:
  Aí vai a ultima atualização do dicionário Angolano
  Respeitosos cumprimentos
  O Embaixador do Kakuaku
  Boniboni Katumbela - A.R.


  DICIONÁRIO ANGOLANO ACTUALIZADO 2009

 

  EM ANGOLA não tem policia, TEM MAGALA OU MALAIKE
  ANGOLANO não fica com má aparência, fica NGAXI OU REBENTADA
  ANGOLANO não foge, TIRA VOADO
  ANGOLANO não é passageiro, É PAX
  ANGOLANO não é mais velho, VELHO, É KOTA, PAPOITE, MAMOITE
  ANGOLANO não vende , PÁYA OU EMPORRA
  ANGOLANO tem dinheiro, ESTÁ BOSSANGA OU FERVE
  ANGOLANO não está mal, TÁ MALAIKE
  ANGOLANO não fala,DA UMA DICA
  ANGOLANO não atrapalha, MAIA
  ANGOLANO não é cidadão, É MUADIÉ OU WI
  ANGOLANO não tem problema, TEM BABULO
  ANGOLANO no taxi não encosta, EMAGRECE
  ANGOLANO não goza, ESTIGA
  ANGOLANO não é grosso, É CAENCHE
  ANGOLANO não Viola, NGOMBELA
  ANGOLANO não mente, da BILINGUE OU DÁ JAJÃO
  ANGOLANO não bebe cerveja , BEBE BIRRA OU PIVEN

  ANGOLANO não bebe uísque, BEBE MAMBITO
  ANGOLANO não tem Dinheiro, TEM CUMBU/TEM MASSA/TEM OS QUE

  FAZ RIR
  ANGOLANO não Viaja, SAPA
  ANGOLANO não liga Luz ,FAZ UM GATO
  ANGOLANO não é diplomata, É NGUVULO
  ANGOLANO não escuta música, CURTE OS BRINDES OU SON


  ANGOLANO não trabalha, BUMBA OU BULI
  ANGOLANO não luta, BILA
  ANGOLANO não curte, TCHILA
  ANGOLANO não faz amor, TCHACA, CUNA, PÉRA,ORÇA OU TIRA UMA

  AGUA
  ANGOLANO não peida, BUFA
  ANGOLANO não conquista mulher alheia, TROLA
  ANGOLANO não tem moto, TEM UMA TURRUM
  ANGOLANO não é multado , É PENTEADO
  ANGOLANO não está aflito ,ESTÁ PAIADO
  ANGOLANO não difama ,ESTENDE, ZONGOLA
  ANGOLANO não tem ressaca , TA OVER
  ANGOLANO não vê mulher bonita , Vê MBOA
  ANGOLANO não tem namorada,Tem GARINA...DUCHA....GADAIA
  ANGOLANO não fica pobre, fica WAZEBELE OU ANCORADO
  ANGOLANO não olha,GALA, MARA
  ANGOLANO não tem traje de gala, Tem GRIFE
  ANGOLANO não pega , CANGA
  ANGOLANO não tem rabo, Tem MBUNDA,TURUGO
  ANGOLANO não tem alguma coisa, TEM UM BOM MAMBO


  Angolano não passa a perna ,FACA
  Angolano não extorque, PARTE BRAÇO
  Angolano não facilita, DA FALIDA
  Angolano não tem Mulher ou Namorada, TEM DAMXKINDOSA,TUCHA
  Angolano não conquista a mulher, DICA DAMA
  Angolano não e polígamo,É GAJO DE GAJAS
  Angolano não atende funeral, VAI AO KOMBA OU OSCAR
  Angolano não faz credito, FAZ KILAPI
  Angolano não pensa, BANZELA
  Angolano não vai, TIRA O PÉ
  Angolano não diz: tudo bem?, DIZ TASS
  Angolano não rouba, GAMA
  Angolano não ultrapassa, DA MBAIA
  Angolano não morre, DA CALDO OU DA NTUM
  Angolano não estuda, AMARRA
  Angolano não conduz, ELE PEGA OU NDUTA
  Angolano não come, PITA
  Angolano não bebe, CHUPA
  Angolano não roça., TARRACHA
  Angolano não dança, BAILA
  Angolano não toma o pequeno almoço, MATABICHA
  Angolano não vai a festa, VAI AO BODA
  Angolano não veste, TRAPA
  Angolano não faz xixi, DA UMA SUSSA
  Angolano não tem amigo, TEM CAMBA
  Angolano não tem mama, TEM XUXA


  Angolano não vai para terra, VAI PARA BANDA
  Angolano não tem mau hálito, .TEM DIZUMBA MALAICA! CATINGA
  Angolano não Pendura em carros, SE MAGWELA
  Angolano não faz a bola passar por cima, CABRITA OU DÁ MÉ
  Angolano não faz a bola passar entre as pernas, DÁ DA OVA OU

  CAGUERO
  Angolano não tem sorte/oportunidade, TEM FEZADA
  Angolano não se Droga, CHUTA-SE
  Angolano não é criança, É NDENGÉ
  Angolano não passeia, ZUNGA
  Angolano não sente frio,SENTE KAWELO
  Angolano não afunda,SMASHA
  Angolano não faz musculação,MANGUITA
  Angolano não sai à noite, DESBUNDA
  Angolano não joga,PÉLA
  Angolano não arranja dama,LHE MORREM
  Angolano não tem finta, TEM VIRA-VIRA.
  Angolano não reprova, PICA
  Angolano não telefona, FONA
  Angolano não tem fome, TÁ FOBADO
  ANGOLANO NÃO COME, PÁPA
  ANGOLANO NÃO É ANGOLANO, É MWANGOLÉ
  ANGOLANO NÃO É REFUGIADO, É TURÍSTA
  ANGOLANO NÃO ESTÁ BEM, está BALA

 

  KUIA MALÉ (BWE) SER MWANGOLÈ.....

 

 Da N´nhaca do Soba T´Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 17:30
LINK DO POST | COMENTAR | VER COMENTÁRIOS (1) | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quinta-feira, 19 de Março de 2009
O GOGÓ-DA-EMA

 UM COQUEIRO COM CAZUMBI

 

ALAGOAS.BRASIL.Março de 2009            

 A serenidade da Ponta Verde convidava a passear por entre coqueiros. Cada momento se transformava em um nobre instante de vontade. Havia ali, entre altos coqueiros, condições de uma envolvência agradável de plena satisfação  espiritual, sem inibições.    

  O céu e mar ora azul ora verde esmeralda, compunham o panorama de encanto naquela Ponta. A aragem entrelaçava o cheiro de mar com ansiosos abraços de ondas e gente que iam até ali tendo como testemunha o Gogó-da-Ema, um torcido coqueiro que desafiava a todo o tempo o vento e a gravidade. À sua semelhança, pares de namorados arriscavam  conquistas em aventuras, usando-o como um pretexto.

Aquele preciso pretexto, era o nectar da vida a pulsar, a galopar no meio duma estrela de uma longinqua galática, a empatia dum abraço ansiado, o apetite ao passeio, a vontade do encontro de gente por conhecer .  A luminosidade para além do luar chegava chispando fagulhas.  

Aquele era o lugar nobre do Gogó-da-Ema.

Fábrica de letras do Kimbo

 

 

 

 

         o nectar dA VIDA

Até que numa tempestade, farto da vida agressiva, mal escorado, desajeitado como era caíu corcunda, molhado inteiramente numa tristeza sem fim. Foi a 27 de Julho de 1955 que isto aconteceu.

 

No lugar do defuntado coqueiro aleijado ficou um monumento a relembrar a sua docil corcunda. A vida tem destas coisas, Gogó,  proporcionando tanto amor, veio a morrer por falta desse sentimento; as autoridades de então pouco fizeram para salvar o moribundo coqueiro.

 Por sua causa quantas mães choraram, quantas Emas tiveram de casar e, tudo porque só queriam ver o mar e, o luar. Ficou a saudade, as noites de luar, os íntimos aconchegos, a silhueta dele com o mar e o firmamento mitologicamente conivente, zarolho, vendado.

O Gogó ficou como simbolo de Maceió. O folclore Alagoano, relembra-o porque deichou muitos parentes feitos gente, descendentes. 

E... eu, fui ali;  estava ali à procura de me encontrar, como viajante insaciável dum tão maravilhoso e enigmático acaso de forças invisíveis. Por aqui fui ficando.

Hoje quem por ali passa, sombras e imperceptíveis tremidos, rebocam névoas para longe dali; galgando o infinito do cais novo, o Jaraguá, um amor alado feito vapor com força de muitos invisíveis cavalos.

 De olhos cerrados, num  turbilhão perfumado de luz interior, pude caminhar pelas praias da Pajuçára e Jatiúca, tremendo numa mística sensação; pude entender melhor as vibrações doutros, ansiedades onduladas e cegonhas num céu de  Paris.

Descobri os chakras, o canal de luz fluindo através de mim e Indícios de mudança, coisas desconhecidas  de  levitar num poiso quieto.

Como peregrino, ou viajante intranquilo, busquei registos, sem segredos. A Dona Rosa Casado quase por picardia, deu-me o tópico e mote, falar dum a árvore aleijada cheia de amor e,... como um dasafio gratificante, regador de insuspeitas tropelias e beijos clandestinos, aqui o transcrevo para que conste na Torre do Zombo, um lugar  para lá do imaginário reino da qual sou Soba.

 

Esta liberdade dá-nos hoje a possibilidade de acreditarmos em nós próprios; aprendermos a gostar com respeito de tudo o que nos envolve, as árvores, as pedras, os animais brancos e os outros.

Neste lugar de muitos caminhos, poderia imaginar outro postal mas, esta foi a verdadeira foto, à auto-estima da dona do Paraíso da Massagueira, Dona Rosa Casado, de nome e de facto.

A partir de Sírios e Órion, saíu a raiz e espiritualidade de muitos séculos atrás e, através de Shiva, foi incorporado ao nosso corpo um código genético como  um adquirido direito de nascimento para cada um de nós.

 

O Soba T´Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 18:38
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quarta-feira, 18 de Março de 2009
NAMIBIA . A TERRA DO NADA

 FÁBRICA DE LETRAS DO KIMBO

 [IMG_3432.jpg]SOSSUSVLEI . NAMIBIA

 

NAMIBIA, em dialecto Ovambo significa terra do nada. Foi aqui que vi as melhores paisagens nas minhas viagens por África. Saindo de Luderitz  atravessei  com o clã T´Chingange todo o Nauklefut Park para chegar às grandes dunas do Sossusvlei; acampamos em duas tendas em um espaço próprio no início da zona interdita, activamos uma fogueira comunitária e deliciamos o ouvido aos sons da noite. As noites ficão frescas assim que o sol desaparece no horizonte. Aqueles montes enormes de areia deixam em nós a sensação estranha da pequenez que somos ?!!!

Tivemos de preencher uns papeis para recebermos autorização de entrar no parque dos diamantes, não nos podiamos afastar do trilho e havia outras recomendações a cumprir. Iriamos saír ainda de noite para chegarmos ao nascer do dia á duna nº 45. Ainda noite, saimos em comboio de carros, jeepes 4*4 e turismos como o nosso. A claridade ia surgindo e, apanhamos o nascer do sol a meio da subida à duna, em fila indiana gente de muitas latitudes, falando linguas diferentes estavam ali para saborear a natureza na sua maior plenitude. O sol com o seu disco grande amarelo ia subindo no horizonte e um mundo de sombras moviveis rodavam à nossa volta como coisa doutro mundo; o amarelo das dunas contrastavam com o preto-preto das sombras em figuras sinuosas que mudavam a todo o instante.

 Valeu a pena subir aquele morro de areia; levou talvez uma hora, dois pés á frente, desliza um para trás. Ali, e naquele momento, era o céu. Envoltos em azul vivo, o vermelho longinquo das terras altas, o amarelo ouro das dunas e o preto das sombras, cada um de nós se sentia  "um senhor do mundo".

 

Sussuvlei ficou para sempre gravavado na nossa memória.

 

Naquele dia casei com Sussuvlei; a fina cortina de areia desprendida pelo vento mais parecia uma seda ondulante de noiva roçando o meu rosto, os meus olhos, a minha boca. Beijei a areia feita um véu, como se fora um deus menor e os sinos das cigarras disseminadas em esqueletos de árvores perpectuaram ao ouvido aquele som.

Ali era um bom sítio para entregar a alma ao criador. Foi sem dúvida a mais bonita catedral que já visitei.  Se viver 394 anos, quero lá voltar na segunda metade do meu percurço.

Ali, o feitiço tem mais encanto, coisas que não se apagam da retina. Esta   é uma das imagens que afagamos nos dias de indulgência, nos dias de amarguras involuntárias, nos dias impregnados de incontidas revoltas,

 

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 13:58
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Terça-feira, 17 de Março de 2009
UMA VIAGEM ANTIGA

 O MAIOR METEORITO DO MUNDO

 

Corria o mês de Agosto de 1998. Saimos de Whindooek capital da Namíbia, com destino a Ai-Ais no Fish River afluente do rio Orange River, fronteira com a África do Sul, lugar de grandes depressões.

Consultando o mapa, houve um nome que nos despertou curiosidade. Meteorit era o nome indicado com a referência de Hoba West, não muito longe de Grootfontein (em África tudo fica perto, é ali mesmo patrão, mwadié).

 

Rumamos para a esquerda para ver aquele pedaço de coisa caído do céu, uma bola de fogo rija como o titânio; eis que chegamos no meio do nada, uma pequena recepção num imenso Calahári. Após pagarmos uns poucos "Randes" a um homem fardado , entramos no tal lugar.  Lá estava aquela coisa com 60 toneladas, uma liga de fusão vinda do Universo, dum infinito lugar.

 

Toquei aquele titãnio rijo e frio, embasbacado sentei-me observando-o por algum tempo. Anoitecia e tinha ainda de percorrer uma distância razoável, ali a noite cai rápida. Atropelei umas quantas capotas que atravessaram descuidadamente a picada.

 

Foi um relâmpago na vida do,

Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 23:20
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Segunda-feira, 16 de Março de 2009
RESQUICIOS DA GUERRA

 ASSOMBOS DE UM SOLDADO

ATRÁS DUMA SECRETÁRIA COM UMA G3

Continuo a ler o Fado Alexandrino de Lobo Antunes. Ando á uim ano a ler esta compacta escrita; como um desafio insisto na leitura relembrando as bissapas da guerra, a curva da morte, o abrigo do medo, o jogo da sueca e muitas asneiras como é comum entre muros de quarteis, a picada, a sanzala. Estou a levar tanto tempo a lêr que me aproximo dos dois anos que levou a escrever-lo. Só me faltam cento e trinta e sete páginas; a festa do regimento está longa mas vale a pena peneirar os textos e retirar os muitos quadros com detalhes que só Lobo Antunes consegue descrever, as angustias e os pedaços de trapos entalados na valeta. Aqui vai um pedaço das seiscentas e sete folhas:

“ ...Vai amanhecer não tarda nada, pensou o soldado, não tarda nada é dia. O preto telefonou do escritório em incompreensiveis guinchos veementes, a dali um par de horas uma incontestável mulitdão de escarumbas espalhafatosamente andrajosos desembarcou aos borbotões de uma camioneta ainda mais decrépita do que a nossa, rindo, acotovelando-se, conversando aos uivos numa língua colorida, sumiram-se vorazmente nas sombras do armazém à maneira de formigas operosas no capim, somaram um restolhar de murmúrios, sapatilhas e assobios ao restolhar habitual dos ratos, as cômodas carunchosas gemiam e agitavam-se como pos arbustos da mata, a fumegante tipidez de Moçambique apertavava-nos o pescoço com os dedos molhados, um ventinho de trovoada soprava da ferrugenta colina da camioneta lá embaixo, Vão disparar sobre nós, pensei eu a tremer, de cócoras no abrigo da secretária do escritório, vão matar-nos aos dois, ó sócio: faíscas de morteiros, bazucas, exclamações, tiros, protestos. O mundo, alheado, avançava pedras no tabuleiro das damas e o peito, ferido por uma primavera de granadas,...”

Porque sei o que é a guerra e o quanto se desprende ao longo do tempo como farrapos voláteis, não resisti a passar este pequeno quadro sem moldura num bairro degradado de Lisboa. Aqui também há musseques.

O Soba T´Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 23:17
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

A ADIÁFA DOS MOIRÕES
 VISTA GERAL DE MESSEJANA

                             

A CRISE E A PETULÂNCIA DOS GOVERNANTES

 

ENTRE 1914 E 1945 E O AGORA

 

Por absoluta incapacidade de gestão as colónias Portuguesas por volta de 1914 a 1918 foram simplesmente abandonadas à sua sorte. Enquanto o estado confiscava bens à igreja, fidalgos ou aristocratas, no exílio sacrificavam imbecilmente os jovens mandando-os para morrer como tordos nas trincheiras da guerra. Do corpo expedicionário enviado para Flandres de França poucos regressaram e os que voltaram vinham de pulmões afetados pelos gazes ali utilizados.

 

 Nesse então, a 1ª República Portuguesa era composta por deputados que faziam absurdos e floriados discursos no parlamento sem sequência na realidade do dia a dia. Eram uns pavões e cagões que vendiam petulância nos cafés do Chiado; era ver qual deles tinha mais protagonismo na pópia faroleira do Russio ou no Café da Arcádia.

Neste aspeto, Portugal viveu sempre em crise, (e continua a enfermar desses resquicios) envolto em devaneios de gente acomodada à politica de faz-de-conta, devaneios de gente que se sente insubstituivel.

Naquele então, senhores latifundiários, donos de muitos hectares, muito gado, muitos chaparros pavoneavam política em Lisboa enquanto seus ganhões ou moirões lhe garantiam os bolsos cheios. Lá na província, na lezíria, ou seára alentejana, no cortiçal, olival, nas chapadas de trigo, nas lameiras, a courela havia a míngua.

Angola distante estava simplesmente abandonada.

 

Estamos em 2009 com dez milhões de Portugueses e o estado vive à mingua sugado por corruptos e corruptores. As conquistas do povo foram direitinhas para a nova casta de políticos que dividem o bolo por quotas, tanto para ti, tanto para mim e estamos de novo naquela merda desses idos anos; o povo fugindo para Angola, Brasil e lugares para onde  ninguem pensava ir depois dum 25 de Abril.

Será a sina do Portuga, andar pelo mundo buscando subsistência enquanto eleitos incompetentes singram com grandes salários nas administrações repartidas pelo Arco-Iris político.

Toda a banda larga será inutel se esta  gente de mente estreita continuar na festa. Na próxima vou votar em branco para não errar.

Não é normal meter-me nestas citações mas que ando revoltado lá isso ando!

Um branco de segunda com manias de ser,

O Soba T´Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 01:15
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Domingo, 15 de Março de 2009
CAZUMBI

"PAIXÃO DE CRISTO"

 FLOR  DE MARACUJÁ

 

Hoje, domingo, fiquei por casa cuidando do jardim. Andei subtraindo anseios descompostos ao redor do alpendre olhando as flores, lançando feromonas de doença verde. Peguei no pincel e fui de flor em flor polinizar a paixão. É isso mesmo, o bezouro habitual deve ter metido férias pois não apareceu; presumo que anda envolvido em exigências sindicais e hoje num fim de semana não vai aparecer de certeza.

As flores amarelecem numa tristeza murcha e caem de desgosto sem dar o fruto desejado, o maracujá. Cabe a mim ser o bezouro.

Um dia descobri que uma espécie de zangão grande, aparecia todo preto, e rápidamente de flor em flor retinha nas suas costas aspras o polem amarelo desta bela flor polinizando-a.

A "Paixão de Cristo" é de origem Tupi-Guarani e tem o nome gentílico de "murokuia".

Uma abelha normal não tem envergadura para poder captar o polém dos 5 estiletes amarelos em forma de chapéu oval. A flor, também faz lembrar uma daquelas condecorações que só os herois têm o prazer de ostentar ao peito. Nesta tarde de domingo eu, fui esse heroi da paixão, um cazumbi de bezouro; Nesse efémero feitiço, a mangonha do domingo festejou a primavera com a antecipação de seis dias.

Pretendia falar da adiáfa dos moirões mas fica para mais tarde,

O Soba TChingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 21:24
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sábado, 14 de Março de 2009
O CLÃ DE ZUMBI - V

 

       FÁBRICA DE LETRAS DO KIMBO

 

       ANGOLA E OS QUILOMBOS DO BRASIL . 7ª parte

E, eu estive lá, na Serra da Barriga e, do que vi e li, concluí o que antes e a seguir descrevo.

Os termos de Muxima que é a saudade dos mwangolés, kimbundus, pode ler-se no quadro de entrada na Serra da Barriga: “Muxima dos Palmaresé uma homenagem aos Comandantes-em-Chefe que formavam o Conselho Deliberativo do Quilombo dos Palmares: Acaíne , Acaiuba, Acutilene, Amaro, Andalaquituche, Dambrabanga, Ganga-Muiça, Ganga-Zona, Osenga, Subupira, Toculo, Tabocas, e seus principais lideres: -Aqualtune, Ganga-Zumba e Zumbi, Banga, Camoanga  e Mouza, que resistiram depois da morte de Zumbi, aqui também são homenageados, assim como todos os negros e negras, guerreiros e guerreiras , que ao longo de quatro Séculos lutaram e ainda lutam pela liberdade racial”.

Uma outra placa com fundo preto e letras salientes reconhecido no final pelo Governador Alagoano, Engenheiro Ronaldo Lessa a 20 de Novembro de 2002 : -“Homenagem aos Heróis Quilombolas que tombaram lutando pela liberdade em 06 de Fevereiro de 1694: Ganga Zumba, Dandaro, Acotirente, Andalaquituche, Aqualtune, Gana Zona, Ganga Muiça, Acaiúbo, Toculo”.

  A SERRA DA BARRIGA - “CERCA DOS MACACOS”

 

O termo Sansala ou Senzala em Angola é um povoado normal enquanto que no Brasil está conotada com as casas de tortura, da canga, dos grilhos, da chibata, da bola, da máscara de sino e correntes. Kimbo é o nome de zanzala na região de fala Umbundo em Angola, planalto Central com suas casas, libatas ou embalas.

Todo este trabalho de pesquisa, foi objecto de promessa minha ao fiel depositário do Guardião da cultura em União dos Palmares e Zelador do Museu de Maria Mariá, Senhor Paulo de Castro Sarmento Filho, que teve amabilidade de me mostrar o actual mocambo de Muquém, a Serra da Barriga e descrever o seu trabalho ainda em esboço duma Cartilha Pedagógica, um projecto de cultura viva.

Acompanharam-me nesta visita que durou todo um dia, a Dra Rosa Casado, natural daquela cidade de União, e filha de um dos ultimos prefeitos de União dos Palmares  de quem me prezo ser amigo.

Ficou a promessa de uma futura visita aos mocambos de Cajá dos Negros e Palmeira dos Pretos, povoados em que ainda são visiveis os costumes antigos trazidos de África. Vivem da agricultura, da venda de artesanato, potes em cerâmica feitos de forma manual.  Estar ali, é o mesmo que estar em qualquer sanzala de Angola nos dias de hoje. Por todo o interior de Pernambuco, perto Guaranhuns e Alagoas em União e Palmeira dos Indios, as caracteristicas levam-nos à África longinqua. 

É este, um modesto contributo a juntar à história dos países Lusofonos intervenientes, Angola, Brasil e Portugal. As omissões ou lacunas em anteriores crónicas podem ser rebuscadas em blogs que focam estes temas.

E, para que conste na “Torre do Zombo do Kimbo”aqui ficam os agradecimentos a Paulo Sarmento, Governador Assistente do Rotary Internacional, Distrito 4390 e Rosa Casado, Advogada aposentada, que me proporcionaram horas de encanto e convívio.

Da lavra (n´nhaca) do,

Soba T´Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 23:33
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sexta-feira, 13 de Março de 2009
O CLÃ DE ZUMBI - IV

 FÁBRICA DE LETRAS DO KIMBO

       ANGOLA E OS QUILOMBOS DO BRASIL . 6ª parte

Zumbi, nasceu livre em terras do Nordeste em 1655 e morreu a 20 de Novembro de 1695. Em homenagem a todos os negros que lutaram para se libertar do jugo da escravidão O Brasil considerou este dia como Feriado Nacional “ O dia da Consciência Negra”.

No final do século XVI as terras Pernambucanas eram das mais prósperas das novas colónias portuguesas. Havia 66 engenhos na regiãoe, e no litoral funcionava já toda uma estrutura que permitia o escoamento dos produtos da terra. A cidade de Recife a cada dia que passava, ficava mais organizada e urgia pôr ordem lá no lugar da “Cerca dos Macacos”, acabar com os mocambos daqueles guerrilheiros com caracteristicas de luta bem definidas e com algum enquadramento nas chefias.

 

Aqueles fujões, usavam um tipo de flexa, zagaia, lança ou um cajado nodoso em tudo semelhantes com as usadas pelos gentios junto à costa dos Dembos em Angola. Homens e mulheres usavam enfeites de muito capricho feitos em argolas com metais trabalhados na bigorna. Tatuavam o corpo com cortes de estiletes afiados no peito, braço e até nos lábios e lingua; furavam as orelhas para nelas introduzir argolas de coco. No lábio superior e nas abas do nariz introduziam enfeites de marfim, à semelhança do uso na região de Matamba, Kassange ou Kuvale.

 ZUMBI O HERÓI DA CONSCIÊNCIA NEGRA 

 

As tatuagens eram um uso habitual das terras de N´Gola para serem reconhecidos, dar a saber a todos qual a sua ascendência, era  a sua cartilha de identificação.  Recordar que a escrita era de pouco uso e a história passava de pais para filhos por transmissão oral. Por este motivo faziam e ainda usam reunir junto à molembeira, uma àrvore frondosa e nobre por nela se abrigarem as assembleias do povo, sanzala, mocambo ou kimbo. Nos kimbos melhor organizados há uma casa aonde se reunem para fazer tertulias, falar com os mais-velhos Kotas e saber para poder transmitir aos vindouros. A essa casa grande e normalmente aberta e circular, chama-se Jango. Nos aglomerados urbanos surgem os musseques (favela do Brasil) e, quando muito reunem-se numa casa de assembleia, salão social, clube ou missão duma qualquer igreja (as mais normais são:  a igreja  Invangélica, aIgreja do Corpo de Deus e do Sétimo dia).

 

Também é de salientar o conhecimento da cura através de plantas do mato, coisa que os quimbandas faziam nas suas terras de origem por saberem já usar unguentos, chás e sempre o exorcismo em obediência ao seu deus N´Zambi.

Nas artes de batuque, o bate pé da dança em circulo tipo a que se veio a chamar de xanchado; a umbigada da massemba e trajeitos que vieram a resultar no merengue e semba brasileiro moderno, sempre com muito erotismo, estímulo à procriação.

Vale a pena referir a luta da bassula, finta ou esquindiva utilizada pelos pescadores  imbindas do Kongo (Cabindas e Boma do N´zaiire), os Muxiloandas  da ilha da Mazenga na baia de Loanda  e Mussulo (Kaloandas ou Camondongos)  na região dos Dembos e foz dos rios Dande, Bengo e Kwanza, no brasil derivou para a Capoeira, uma forma de dança para ludibriar o patrão fazendeiro e usar a ginástica de dança como luta do dá e larga sem agarrar ou usar a força do adversário com suaves e mágicos “toques de bassula”ou “toque de finta”.

 

Continua :::::

Soba T´Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 00:37
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quinta-feira, 12 de Março de 2009
O CLÃ DO ZUMBI . III

 

  FABRICA DE LETRAS DO KIMBO

            AQUALTUNE E GANAZUMBA    

       ANGOLA E OS QUILOMBOS DO BRASIL . 5ª parte

Aqualtune era uma princesa que tudo indica pela estirpe ser filha do Rei N´gola Kiluanji Kabassa. Esta, por fruto de vingança de Paulo Dias de Novais, foi aprisionada juntamente com os principais makotas e jagas desse reino e outros reinos menores que lhe deviam obediência. Estes prisioneiros passaram a ser simples peças para os negreiros mercadores de Massangano e Makulussu.

Há historiadores que referem Aqualtune como sendo filha do rei do Kongo; genericamente referem-se aos reinos de Angola como se tudo fosse o Kongo. Em realidade o Kongo ficava e fica situado a norte do rio Dande e o dialeto falado é o Kicongo e não o Kimbundu da região dos Dembos e Matamba.

  AQUALTUNE MÃE DE GANAZUMBA

Muitas vezes os auxiliares dos pombeiros na chamada “guerra preta”, eram os próprios chefes negros, os sobas, que trocavam seus súbditos por vinho, tecido, sal ou pólvora. Aproveitavam-se das suas disputas, "guerras constantes" para tirar benefício disso.

Para um melhor confronto de idéias o dialeto Kimbundu era falado em N´Gola ou N´Zinga, Bondo, Bangala, Halo, Cari, Chinge, Minungo, Songo, Banbeiro, Kissama, Libolo, Kibala, Haco e Sende. Foi este dialeto que originou a grande parte de vocábulos encontrados na “Cerca dos Macacos” situados na Serra da Barriga, atual União dos Palmares.

Aqualtune, embora tenha sentido a proteção dos demais súbditos kimbundos conhecedores de sua linhagem nobre, acabou, no entanto por ter como destino um Porto Galinhas (Recife) como todos os demais. Não era mais que uma peça a ser vendida pelo melhor preço como galinha do mato, capotas do reino diziam. Foi por ali perto, (Porto Calvo) que  Alqualtune pariu Ganazumba, fruto talvez dum forçado amor para procriar aquele que veio a ser um dos primeiros fujões do Brasil e o 1º rei dos fujões negros de Palmares. Não obstante ser escravo mantinha as prerrogativas de nobreza entre as gentes Kimbundas perpetuando as atenções devidas.

Pelo anteriormente dito, Ganazumba (Ganza-Zumba), filho da princesa Aqualtune estava na linha direta de descendência do Rei N´gola Kiluanji Kiassamba.

 O cidadão que em Angola, provavelmente em Muxima ou Massangano, viria a ser um Imbangala (Senhor das terras) dos Dembos, tornou-e o Rei do Quilombo numa terra distante. A história retrata-o indevidamente como um traidor por ter pactuado a paz com as autoridades sediadas em Recife, mas consta que essa paz solicitada pelos senhores do mando foi aceite por Ganazumba na condição de que, a todos os nascidos na “Cerca dos Macacos” em serra da Barriga, seria dada alforria de livre cidadão, o que veio a ser aceite.

 Em realidade Ganazumba foi um prudente diplomata, sabedor e negociador decidido. Dele, ficou a noção de ser um verdadeiro guerreiro, integro chefe e melhor negociador. A traição seguida de morte por assassínio deu outro rumo à história ficando este verdadeiro nobre, Ganazumba, nas calendas obscuras das omissões e mitos tão necessários ao ego de uma nação. Assim, envolto numa mística de herói Nacional o Zumbi dos Palmares, seu sobrinho insubmisso virou lenda. Há mentiras que escritas e, com o tempo se tornam verdadeiras e não vem daí mal ao mundo nem ao Brasil. Como o ícone da Libertação negra, Zumbi tem o seu devido lugar, um símbolo de “Consciência Negra”.

A altivez nobre de Ganazumba e Zumbi não se perderam num porão nauseabundo dum galeão, nem num poste de Sanzala, porque o respeito pelos seus feitos gritou mais alto. Mesmo em situações de submissas vergonhas, as crenças não se perderam.

O Quilombo dos Palmares foi fundado no ano de 1597 por cerca de 40 escravos ao que se juntaram outros “fujões“ brancos desavindos da ordem régia, ladrões ou gente de desacato perseguida pelos capitães de mato das fazendas e engenhos dos senhores coronéis.

Continua :::::

Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 10:01
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quarta-feira, 11 de Março de 2009
O CLÃ DE ZUMBI

FÁBRICA DE LETRAS DO KIMBO

       ANGOLA E OS QUILOMBOS DO BRASIL . 4ª parte

 “Ganazumba (Ganga-Zumba) vida wa lila, wa lila okeka iahé N´Gola” – Ganazumba, se chorou, chorou pela sua terra Angola (Grito da etnia bailundo do planalto central de Angola)

 GANAZUMBA . REI DOS PALMARES  

 

N´gola Kiluanji Kiassamba nas primeiras investidas de Paulo Dias de Novais a Angola, subindo o rio Kwanza acabou por ser preso e ali se manteve em cativeiro entre os anos de 1560 e 1565, noventa anos antes do nascimento de Zumbi no Brasil.

Paulo Dias de Novais ficou com elementos linguísticos, costumes, dados geológicos e Geográficos de toda aquela zona da foz do Kwanza até Kabassa, que lhe vieram a ser úteis numa segunda visita. A 20 de Fevereiro de 1575, oitenta anos antes do nascimento do Zumbi no Brasil, voltou com uma armada ás margens do Kwanza, terras de N´Gola levando indicações do rei Dom Sebastião  para pactuar com o rei de N´Gola e chegar às minas de Kambambe, local aonde existiam metais nobres, prata e ouro (assim se pensava).

Nesse então já havia pombeiros que pactuavam com sobas da região de onde traziam “peças” para negociarem em Loanda. A troco de panos adquiria-se as “peças”, escravos, que eram depositados nos barracões do Maculussu em Loanda ou eram dirigidos para Benguela mais a Sul. Ocorreram várias revoltas contra estes atos exclavagistas tendo-se salientado nesta insubmissão às leis dispersas os sobados de Kissama e Dembos que, entretanto protegiam os fugitivos do antigo N´Dongo, que passou a ser conhecido por N´Gola no interior da Matamba, hoje conhecido por Malange, Pungo-Andongo, Ambaca e Kassange. Também se refugiavam ali as gentes acossadas dos matos mais distantes do Kuvale vindas do planalto central, lugar de muita chuva e boas terras de cultivo.

Ao longo do rio Kwanza havia interpostos comerciais e assentamentos de sanzala a que se veio a chamar de Muxima, Massangano, N´Dondo e Kabassa. Foi dum desses sobados dos Dembos, no lugar de Massangano, que saíram os ascendentes de Zumbi dos Palmares como pagamento de tributo aos capitães portugueses ali estabelecidos. Entre 1565 e 1580 havia pequenos reinos de Sonso, Quacar, Punamunjinge, Sundi, Casem e Damba que deviam obediência ao rei N´Ggola Kiluanji Kiassamba.   Os avôs de Zumbi dos Palmares saíram dum destes reinos.

 Cabe aqui lembrar que a capitania de Paulo Dias de Novais ia desde a foz do rio Kwanza até duzentos quilômetros mais a Sul, umas trinta e cinco léguas.

Interessa saber nesta fase do roteiro pela história, que foi a partir de 1538 que começaram a chegar às costas do Brasil, os negros da África Ocidental, principalmente de Minas, Guiné e Angola.

Continua :::::

O Soba T´Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 14:27
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Terça-feira, 10 de Março de 2009
EM BUSCA DO ZUMBI

   Fábrica de letras

SALVADOR CORREIA DE SÁ E BENEVIDES,

ANGOLA E OS QUILOMBOS DO BRASIL . 3ª parte

Os negros da rainha N´Zinga é que não quiseram sujeitar-se, e arrojaram os maiores impropérios aos holandeses, por os desampararem. A guarnição de Benguela rendeu-se a dois navios portugueses sem disparar um tiro, e a da ilha do São Tomé foi simplesmente abandonada e até astearam a bandeira portuguesa como sinal declarado de rendição.

Expulsos os holandeses, subjugou os negros que os haviam seguido. Salvador Correia, dispondo de poucas forças, alistou no seu exército os franceses que se voluntariaram, que até ali alinhavam com os holandeses.  Bartolomeu de Vasconcelos, tomou o comando desta nova força de guerra que facilmente subjugou os dissidentes, forçando a rainha Ginga a pedir paz.

Como se pretendia, a reconquista de Angola resultou na rearticulação do abastecimento de escravos para a Bahia, o Rio e, depois o Nordeste com a expulsão dos holandeses de Olinda em Pernambuco.  Salvador Correia, não só recuperou os territórios ocupados como reagrupou a soberania de Portugal aos reinos do Kongo, N´Gola e Benguela garantindo a mão-de-obra  tão necessária aos engenhos do Brasil. Reunificou as feitorias e povoações costeiras nas duas colónias e, deu cosistência aos núcleos portugueses do sertão Brasileiro. Desta forma, repôs o que era  antes de 1641.

Os  bens sacrificados por Salvador correia à jornada de Angola voltaram aumentados  e sem falta da tal  mão-de-obra para as suas fazendas de todo o Brasil. Tudo o que o Brasil deu a Angola, Salvador restituiu, incluindo o capital adiantado pelos habitantes do Rio de Janeiro para a reconquista de Luanda.

Seu objetivo era agora a procura de minas. Seu filho João Correia de Sá, por alvará do rei, de 9 de Março de 1658em  foi-lhe  concedido o foro de fidalgo. Partiu à frente de nova bandeira para explorar a região das minas e Sabaraçu . A expedição encontrou filões auríferos, prenúncio do grande Ciclo de Ouro do Brasil. Como sempre a cobiça, o ouro, a prata ou as esmeraldas.

        É aqui que abandonamos o clã dos Benevides para refazer a história do clã do “Zumbi”

 

O HIATO BRASIL .  ANGOLA   

VIDAS LUSOFONAS   

                                    O CLÃ DO ZUMBI

A versão que se segue pode ser um pouco fantasiada, mas tenta encontrar a versão mais coerente tomando em conta, datas, significados, costumes e dizeres da região de N´Gola de fala Kimbundu

Embora tudo indique que Zumbi dos Palmares tenha como avós gente de N´Gola da etnia Kimbundu faço aqui referência a um dito Umbundo porque na escravidão para lá do mar, depois duma amarga travessia em porões de esterco, a fusão entre gentes de tribos diferentes foi uma realidade. Angola esteve em permanentes conflitos e decorridos que são mais 360 anos após a restauração de são Paulo de Assunção de Luanda encontrou a paz.  33 anos após a desgraça diplomática do Alvor e Penina com a intervenção de políticos portugueses traumatizados, e novos generais de aviário sem experiência de governação ( 1974 / 1975). Finalmente angola entrou na ansiada prosperidade.

Continua :::::

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:02
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Segunda-feira, 9 de Março de 2009
ANGOLA E OS QUILOMBOS DO BRASIL . 2ª PARTE

SALVADOR CORREIA DE SÁ E BENEVIDES,

EM BUSCA DO ZUMBI

Continuação::::

O fim evidente da dilatação do prazo era reunirem as tropas que andavam pelo campo. No fim do prazo marcado. desembarcou em chalupas 650 soldados e 250 marinheiros, deixando 180 nos navios com muitas figuras pelas enxárcias e pelas amuradas, para que de longe se julgasse muito mais numerosa a tripulação dos navios. Os holandeses, repelidos de todos os pontos exteriores, refugiaram-se na fortaleza do Morro de S. Miguel e no forte de Nossa Senhora da Guia. Abandonaram tão à pressa o fortim de Santo António, que nem tiveram tempo de encravar mais do que duas peças das oito que o fortim possuía. Salvador Correia, aproveitou-as e juntando-as àos quatro meio canhões que mandou desembarcar. Formou assim uma bateria dando desde logo  a bombardear a fortaleza, causando pouco dano, mas produzindo grande terror aos holandeses.; estes  assombrados com a rapidez com que a bateria se assentara ainda mais se alarmaram. Salvador Correia  porém, viu que seria demorado o êxito da bateria, queria isso sim, impedir que os holandeses fossem reforçados.

No dia  dia seguinte, 15 de Agosto de 1649 manda  fazer o assalto às duas fortalezas ocupadas pelo inimigo. A temeridade era incrível e seria indesculpável, se não fosse a situação perigosa em que se via. Salvador Correia tinha apenas 900 homens e ia assaltar duas fortalezas guarnecidas por 1.200 soldados europeus e outros tantos negros. Depois duma escalada audaciosa em que os assaltantes foram repelidos, Salvador Correia mandou recolher as forças, e viu que havia 163 soldados mortos e 160 feridos. Tinha fora do combate mais da terça parte do seu exército. Sombrio mas resoluto, ia fazer uma segunda tentativa, quando com grande surpresa, viu aparecer um parlamentário, que vinha propor uma capitulação, o que Salvador Correia resolveu aceitar.

A capitulação foi concedida com todas as honras, facilitando-se-lhes logo a amnistia que eles pediram para os seus partidários, e assinada a capitulação viu-se o caso estranho de saírem rendidos, de duas fortalezas, onde nem quase havia brecha. 1.100 homens a passarem diante de menos de 600. Era  essa a força a que estava reduzida, depois do primeiro assalto, o exército sitiador de Salvador Correia.

Havia já 5 dias que Salvador Correia tomara posse das fortalezas, quando apareceu na cidade, vindo do sertão um corpo de 250 homens acompanhados por mais de 2.000 negros, súbditos da rainha N´Zinga. Bem desejariam eles romper a capitulação, mas Salvador Correia tomara as suas precauções, fazendo logo embarcar em três navios a guarnição holandesa da cidade; de sorte que os recém chegados, vendo-se sós, capitularam também.

Continua:::::

O Soba T´Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 08:32
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Domingo, 8 de Março de 2009
NA PISTA DE ZUMBI

SALVADOR CORREIA DE SÁ E BENEVIDES

 

ANGOLA EOS QUILOMBOS DO BRASIL

Esta crónica tem a finalidade de relacionar temporalmente a possivel origem do Zumbi dos Palmares, dando a conhecer os movimentos da época em termos de transladação de escravos, sua anatomia negróide e termos da lingua Bantu de Kimbundo usados na “Cerca Real dos Macacos”, em Serra da Barriga, uns cem quilómetros da costa de Alagoas e duzentos do Rio São Francisco.

Em Portugal governavam os Filipes de Espanha. Este periodo debaixo do domínio Espanhol durou entre os anos de 1580 a 1640.

A importância de Angola era extrema, porque dali se fornecia o Brasil de escravos indispensáveis para a cultura das suas terras. Era indispensável que Salvador Correia encontrasse meio de tomar Angola sem que parecesse que tomara a ofensiva, para se não considerarem rotas as pazes com a Holanda.

Em 1644 foi organizada uma expedição para tomar Angola, chefiada por Francisco Souto Maior,  que era o Governador interino do Rio. Souto Maior acabou por morrer em Massangano ou em Cabo Ledo, sem  poder restaurar a colônia.

O padre Antonio Vieira continuava pregando um acordo diplomático, acreditando que Angola estava perdida. Não sabia ele que  Salvador Correia já rumava para Angola. Foi o próprio Salvador Correia que tratou das guarnições e mantimentos dos navios entre os anos de 1645 e 1648.

Salvador Correia  lançou no Rio de Janeiro uma contribuição de 80 mil cruzados, o que agravou a crise  de então, para a qual fez contribuir as Ordens religiosas, sobretudo São Bento.

Desde 9 de Maio de 1648, Salvador reunia em sua casa no Rio os Capitães de Mar e Guerra e os pilotos práticos dos galeões e navios da Armada. Apelara no Rio ao patriotismo e até aos interesses dos homens abastados que a perda de Angola prejudicava  os interesses da colónia Brasileira, e dispendendo do seu próprio dinheiro, conseguiu juntar 15 navios, quatro dos quais comprados à sua custa.

 A armada, seria formada de 15 embarcações com 1400 homens dos quais 900 homens de desembarque. Levavam mantimentos para seis meses. Para o financiamento, o povo do Rio de Janeiro contribuiu com 60.000 mil cruzados.

Salvador Correia de Sá e Benevides, chegou  a um pequeno forte  na enseada kikombo( talvez barra do rio Dande perto de Kifangondo),  a 12 de Julho de 1648.  Este pequeno forte, permitia estabelecer comunicações com os portugueses, que desde a perda de Angola se tinham refugiado no Forte de Massangano nas margens do rio Kuanza. Dali, seguiu por mar até São Paulo de Luanda tendo chegoado à Ilha de Mazenga, em Agosto.  Foi dali que propôs aos holandeses que deixassem a cidade, ocupada havia sete anos. Participou-lhes os motivos da sua vinda, suas razões, declarando-lhes logo que se não respeitassem a paz, seria obrigado a infringi-la, e portanto, exigia que se rendessem.

Os Holandeses surpreendidos  com esta inusitada determinação, avaliaram por excesso o poder dos assaltantes, e pediram 8 dias para tomarem uma decisão. Na verdade queriam dar tempo para que regressassem à cidade 300 soldados, vindos do interior. Salvador Correia deu só dois dias e, em 14 de Agosto de 1648 desembarcou suas tropas a meia légua da cidade, num lugar conhecido por Bungo.

Continua:::::

O Soba T´Chingange

 

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 01:19
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quinta-feira, 5 de Março de 2009
TRADIÇÕES...

 

 

AS MULHERES DO PAI DELE   

José Eduardo Agualusa

 

No gerúndio da vida ou na própria terceira pessoa do plural, é curioso ler as interpretações dadas por escritores, cronistas, gente de letras e até comentaristas, às tradições dum qualquer lugar mas, na Lua dos mwangolés, as tradições falam mais alto. Tomara, estão mesmo na Lua.

Picasso, o grande pintor, dizem os muxoxos ou mugimbos da Lua do Mussulo que passou por ali. Parece que assim foi porque, José Agualusa, diz que Picasso se inspirou na arte tradicional Angolana.  Diz que foi um plagiador de cores (o vermelho revolucionário e o azul do mussulo) que só havia ali. Tirou ideias e nem por isso foi condenado e, até ficou um famoso pintor. Agualusa também diz que a Bahia de São Salvador do Brasil começa ali, na Lua, Luanda. Assim mesmo!

É interessante ter assim um arco-íres tão abrangente da Globália,... só mesmo Agualusa.  Falando disso, de tradições,... ele escreve:

 

“...alguns dos nossos grupos de carnaval, (Angola) inspiraram-se em modelos brasileiros ( Eu relactor, discordo ). A mim, já me vêm faltando paciência (...) para falar de tradições,...dizem, há que respeitar as tradições. Quais tradições? Quem trouxe o carnaval para Angola foram os portugueses, além da língua, de Jesus Cristo, do bacalhau, da mandioca, do óleo de palma, do milho, da guitarra, do acordeão, do futebol e do hóquei em patins. Os portugueses trouxeram também a sífilis, a tuberculose, as  bitacaias e inclusivé, o diabo. Queimaram feiticeiros em autos-de-fé, dando origem a uma tradição que se mantem até hoje.  Implantaram o tráfico de escravos e, com isso iniciaram  uma série de respeitaveis tradições.  Tradição.  Só a palavra, me dá arrepios.”

 

Veja-se o quanto tem de polémico o termo tradição.  A história, mesmo mal manuseada, é quer queiram ou não, uma coisa que fica como nossa.  É como um pneu que quanto mais é usado, mais liso fica.  Esse nada gasto do pneu, corresponde á tradição e é irreversivel, mesmo que se recauchute.

Em suma, as tradições são coisas que mesmo  malparidas ficam de vez.

 

O Soba T´Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 23:00
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quarta-feira, 4 de Março de 2009
A MORTE DE NINO
 Escudo

GUINÉ BISSAU E, OS GORILAS

 

Quem com ferros mata!... Com ferros morre!

O ajuste de contas na Guiné Bissau foi consumado. O general Tagmé Na Waie, que tudo indica ter sido mandado abater por Nino Vieira, tinha dito aos seus oficiais Balantas: - “ Se eu morrer de manhã, Nino morrerá à noite”.  Não foi bem assim,... demorou um pouco mais.

Nino Vieira foi assassinado a golpes de catana. No mundo da selva mandam os gorilas que lá estão!

A Guiné Bissau um dos países mais atrazados do Mundo vive numa permanente “desEpopeia”;  o filme segue se não houver uma intervenção da ONU ou dos PALOPS ou, ainda essa instituição de penumbrosa evidência com o nome de CPLP.

O Kimbo, não manda condolências a nenhum daqueles credêncialmente defuntados e, nem vai desejar paz à sua alma. O purgatório que se encarregue deles.

Inteiramente do foro do,

    Soba T´Chingange

SINTO-ME:

PUBLICADO POR kimbolagoa às 11:01
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

MARAJUARAS . SUA PRÉ-HISTÓRIA

 O ARQUIPÉLGO DE MARAJÓ

 

 

 

E, OS MARAJUÁRAS

 

A ilha de Marajó é a maior ilha fluvial do Mundo; o Amazonas envolve-a quase por completo na sua foz com o Oceâno Atlântico.

Esta ilha que visitei em 2005, entre os anos 400 e 1300 da era cristã teve uma das civilizações mais desenvolvidas para o seu tempo. Os Marajuáras (naturais de Marajó),  viviam numa sociedade dividida em classes sociais praticando agricultura no cultivo de arroz e mandioca. Calcula-se que os aglumerados humanos de então eram já da ordem dos 10 mil habitantes e, para se salvaguardarem das cheias periódicas do Amazonas, protegiam-se construindo diques na forma de aterros.

O traço mais marcante do seu legado, foi o trabalho de cerâmica. Pude pessoalmente verificar a feitura de deslumbrantes desenhos ao vivo, nos arredores da cidade de Belém, em barros pretos  trazidos da Ilha de Marajó da outra margem do rio; gostei tanto que estive na iminência de encomendar um pote da minha altura a fim de ser enviado para a Europa. Tinha espirais de enigmáticos traços, intrincados de mística e formas de sinuosas serpentes.

As espirais de serpentes estão mais patentes em peças sacras e funerárias.

 

Os Marajuáras, por volta do ano 1300, desapareceram misteriosamente, tal como os maias Toltecas do Yucatan Mexicano.  Não sei se haverá alguma relação entre estas duas civilizações mas, caberá aos Arqueólgo, Antropólogoe e Etnólogos decifrarem este mistério.  Parece-me de muita importância que não fique à solta este hiato na história da Humanidade.

Quando ali chegaram os Tugas, à ilha de Marajó, encontraram-na habitado por índios Aruaques.

Para que se saiba, os Marajuáras foram os primeiros seres humanos a usar bikini; eram tangas feitas em barro que se prendiam ao corpo por furos feitos nas extremidades dessa cueca primitiva; atravês dos furos eram passadas cordas de resistentes lianas.

Das tangas de barro encontradas, chegou-se à conclusão ser este tapa-sexo usado por homens e mulheres como roupas a exibir em  cerimónias;  persiste a dúvida de se, se usavam esta roupagem no dia a dia porque, nalgumas tangas os furos estavam muito desgastados. Com o tempo, saber-se-há a verdade.

De lembrar que na Europa, em plena idade média, os homes militares, iam para as cruzadas de guerra lutar contra os infieis mussulmanos por longo tempo e, as suas mulhers ficavam fechadas em um cinto de castidade em ferro para que as mesmas não se metessem em aventuras xifrudas. Não sei como faziam necessidades mas, eles homens, levavam as chaves e “códigos especiais” consigo (tudo em ferro, claro!). Isto reza a história.

 

Do lado Norte do rio Amazonas fica Amapá e, foi a 16 quilómetros da cidade de Calçoene que encontraram 127 blocos de granito colocados em intervalos regulares.  Trata-se do primeiro observatório astronómico Pré-colonial  do Brasil ainda sem Tugas no horizonte.  Este “stonehenge brasileiro”  tem cerca de 2 mil anos de idade e, deduz-se que este observatório servia para marcar a chegada do solstício de Inverno (convém averiguar isto porque ali, os invernos quase não existem).

Estas pedras estão lá porque alguém as pós e convêm os estudiosos não nos deixarem na incógnita; agora que, os testes de carbono e outras técnologias de ponta são tão fidedignas.

Em minhas modestas buscas encontrei indícios de que os Fenicios, exímios navegadores chegaram à Ilha de Marajó por volta do século XII antes de Cristo. Parece haver uma grande similitude na técnica de defesa contra as cheias do Amazonas por meio de aterros e, as defesas das cheias do Crescente Fértil e rios que desaguam no Mediterrâneo.  Há também  expressões fonéticas em alguns vocábulos indígenas que se assemelham. Não esquecer que “A Pedra da Gávea” no Rio de Janeiro, abriga um túmulo já comprovado de um “Rei Fenício”.

 

Antes de Álvares Cabral e a escrita de Pêro de Caminha, já outros por aqui andavam.

Isto, não é nenhuma inventação. È um contributo gracioso para o meu Kimbo e a Globália.

Da lavra (n´nhaka) do,

    Soba T´Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 05:35
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Terça-feira, 3 de Março de 2009
GONDWANNA

 

CHAPADA DO ARARIPE

   PTEROSSAURO  DE ARARIPE

 

 

ÁFRICA,...NOSSA AVÓZINHA

APÓS O ACHADO DE LUZIA

 

Antes da escrita, há outras histórias a que só recentemente se tem dado atenção. Após  se ter encontrado as ossadas desa mulher Luzia, em Boqueirão da Pedra Furada  em Minas Gerais, os Arqueólogos e Paleontólogos com seus machadinhos, lupas, pinceis e entusiasmo, encontraram um Jurassic Park Brasileiro. Buscando riscos na rocha, pedaços de osso e lascas de coisas petrificadas a que chamaram de fósseis, acabaram por achar.

Na Chapada do Araripe, depararam com o maior depósito de fósseis de peixes e plantas ainda desconhecidas no Mundo. Notaram ali que, os fósseis já rochas com 110 milhões de anos, conservam ainda perfeitas células musculares, podendo até saber-se quais as últimas refeições deglutidas para o aparelho digestivo. Não é interessante?

Na busca dos Pterossauros com cinco metros de envergadura, os homens munidos de conhecimentos anatómicos, dão a conhecer ao Mundo o que, em 2006,  se veio a chamar de Geopark do Araripe.

 

Na Chapada do Araripe, até nos quintais das casas se podem apanhar fósseis; tantos que até confecionam ornamentos de parede e pisos com peixinhos da pré-história e plantas de exóticas formas.

Há cerca de 100 milhões de anos naquela mancha grande que engloba o Piauí, Ceará e Pernambuco, havia aves rastejantes e jacarés voadores. É um parque natural, científico e ecológico que pode proporcionar um turismo para tal vocacionado.

Ainda estão a tempo de não desarranjar a história com devastações desse património com queimadas e gratuítas intervenções de pessoas menos informadas que sem culpa formada e por  ignorância reconhecida, fazem atropelos à história da vida.

 

Aquela vasta àrea com 5 mil metros quadrados, convêm ser resguardada numa tal política de desenvolvimento sustentado.

A Chapada do Araripe do Ceará, é um lugar a visitar!

 Afinal o Brasil, não é só praias, carnaval e mulatas sem bikini, a Sodoma dos tempos modernos ou a Gomorra dos tempos vindouros.

A Chapada do Araripe, é um alti-planalto de vegetação rasteira do cerrado e caatinga do Agreste aonde a vida, pela dureza de reciclagem natural, põe em risco a extinção de uma ave  que só ali existe; o Soldadinho-do-Araripe. Vamos acudir a isto?

 Glossário: - Gondwanna: Nome dado  aos territórios de África e América juntos (teoria da evolução dos blocos continentais)

Do Nordeste Brasileiro,

 O Soba T´Chingange

 

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 00:03
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Segunda-feira, 2 de Março de 2009
HISTÓRIA MUITO ANTIGA

ANTES DA HISTÓRIA 

      LUZIA . A NOSSA PRIMA

 

LUZIA . UMA HISTÓRIA COM 60 MIL ANOS

 

Antes da escrita, há outras histórias que explicam as origens do ser humano.  É a história, antes da história.

Os arqueólogos, descodificando novos achados, analizam com testes de carbono outras supostas verdades. Foi assim que olhando pinturas rupestres em Boqueirão da Pedra Furada na região de Lagoa Santa, Minas Gerais, com a exploração de mais de 200 grutas, decifraram os vestigios dum anterior passado, antes dos Egipcios que também se acredita terem aqui chegado e, mais recentemente os Tugas com todas aquelas escondidas diplomacias de Papas e poder Régio da idade média definindo fronteiras ao tratado de Tordecilhas. 

 

O dinamarquês Peter Lund, descobriu em meados do século XIX , 12 mil fósseis, um cemitério de 30 esquelectos humanos ao lado de mamiferos de grande porte do tipo gliptodonts, uns tatus com cerca de um metro de altura.  A estes achados, foi designado o periodo da pré-história Brasileira, em realidade, o continente da América  do Sul.

 

Em 2002, com técnicas mais sofisticadas e fidedignas, confirmaram o evidente, gentes vindas de África Central e do Sul, à cerca de 7 milhões de anos, atravessaram pelo sul do Mediterrâneo, a seguir a Ásia e atravéz do estreito de Bering desceram desde o actual Alasca à América Central, chegando consequentemente ao Brasil que hoje se conhece.

Na decada de 1997, encontraram um crãnio feminino com serca de 11.500 anos; referiram este achado com o nome de Luzia, uma mulher dos seus vinte anos, olhos grandes e nariz achatado do tipo negróide.

 

 O terem chamado de Luzia a estas ossadas, é uma evidente referência ao fóssil de mais de três milhões de anos encontrado na Tanzãnia em 1974, de caracteristicas muito próximas àquele  achado arqueológico da Lucy

Novos vestígios foram encontrados na serra de Capivara no Piauí, Nordeste Brasileiro. 

Foi sem dúvida o início da caça ao tesouro a comparar com as novas modas de Indiana Jonas.  Machados e artefactos indicam que eles, os pré-históricos manos e primos de Luzia, viviam na idade da Pedra Polida entre 12 mil e 4 mil anos antes de Cristo.

 

O Boniboni da Catumbela em Angola disse sobre isto o seguinte: - Mazé, esse tal de “Peter não sei das quantas”, tem que vir aqui nas barrocas da Luua destabilizar os defuntados ossos dos mais que passados primos da Luzia  porque aqui, tem por demais, montes, paletes de ossadas pré-históricas meu,...

(è um comentário pouco sério! Não façam caso!)

 

Somos, em verdade, ainda, um enigma indecifrado.

 

Do Nordeste Brasileiro,

O Soba T´Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 00:09
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Domingo, 1 de Março de 2009
UM CACHO DE VAGABUNDOS

   LOBO ANTUNES, DE NOVO

Por alturas da página 364 do Fado Lisboeta

 

Não Consigo avançar a leitura do Fado Alexandrino de Lobo Antunes. Num dado momento apetece-me deitá-lo na nitreira mas, num repente vejo dentro do texto enrolado uma beleza para lá do normal. Faço esforço para rencontrar o rumo da estória, não, não tem estória, são palavras amontoadas sem aparente lógica. As ameias do castelo de são Jorge de repente arranham as águas do Tejo, as caganices de putas sabidas enganam magálas com pinta de espertalhões e vão no choro, na conversa das gajas sabidas; e, de novo ai vai um pequeno extrato:

 

“... Esquece lá o maxismo-leninismo-maoismo e beija-me, deixa por uns minutos o camarada Ho Chi Min e vem comigo num estantinho ali atrás do restaurante, onde o cozinheiro despeja os desperdícios e os restos da comida em grandes baldes de zinco, para eu poder tocar-te o peito, para eu poder tocar-te o ventre, para eu poder chupar-te o pescoço, seguido, espiado, espiolhado por cachos de vagabundos e cachorros que se embrulham friorentamente para a noite em ramos secos, frascos de aguardente, trapos imundos e folhas enodoadas de jornal, larga o almoço, caga no socialismo, levanta as saias, estende-te na relva, segura no que sinto crescer nas minhas cuecas e enfia-o, com um breve, rouco, solto ganidozinho animal, no porão de ti. (...), e para mim, em segredo, Quero que isto se lixe, quero que isto se foda, o que é que isto me importa, há umas moitas mesmo a calhar ali adiante, Dália.”

 

Como é que posso deitar o livro para o lixo se ele já está nesse meio. Mas que é bonita a descrição, lá isso é!  Mesmo errolado, vou continuar a lê-lo, ainda me faltam 250 folhas. Tem de ser saboredado folha por folha (tenho tempo).

 

O Soba T´Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 00:08
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

RELOGIO
TEMPO
Weather Forecast | Weather Maps
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
15

19
20
22
23
24
25

26
27
28
29
30


MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
CAIXA MUSICAL
CONTADOR
contador free
ONDE ESTÁS

Sign by Danasoft - Myspace Layouts and Signs

blogs SAPO
subscrever feeds