Terça-feira, 28 de Fevereiro de 2017
PÉROLAS. II
 

“O PALAVRÓRIO DA FUNÇÃO ERUDITA” - Parte II

O homem herdou o mundo; a sua glória não consiste em suportar ou desprezar esse mundo…

soba k.jpgAs escolhas de T´Chingange

Por

julio1.jpg JÚLIO FERROLHO…. Professor Aposentado mas pouco (!) - Agricultor nos intervalos da chuva, pastor, professor ainda e sempre!!! – Foi presidente do ISCAL - Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Lisboa - Aposentação e reforma após 49 anos de luta diária pela vida dia a dia, sem desistências nem interrupções…

"Coninuo a "estudar"

A ciência é exata? Há ciências exatas?

(AVISO: Este texto pode conter palavreado estranho e aparentemente incoerente. As pessoas mais sensíveis a este fenómeno devem abster-se de o ler).

:::::

O MOTE: Agradeço os seguintes comentários que a nossa querida amiga Maria João Sacagami fez à PARTE I desta série de escritos: “…Só que aí um bando de gente mais curiosa, determinada a provar que a ciência é exacta” e mais …“a certeza científica inexiste. Porque a matéria, ou informação de frequência vibracional que parece ser uma definição mais exacta, acabou se mostrando dependente da atenção e emoção do observador, em seu comportamento”. E também ainda: “…até mesmo com base na observação, a ciência passou a ter outros critérios ao se descobrir que o cientista, Háka observador, influi no resultado da coisa observada a partir das próprias emoções e/ou comportamento deste. Portanto continuamos falando de ciência. A mecânica e a quântica”.

alhambra3.jpg :::1 (…) Afirmei na parte I desta série de escritos, publicada em 15-02-2017, que: “a ciência é caracterizada como o conhecimento racional, sistemático, exacto, verificável e, contudo, falível. Através da investigação científica, o homem vai atingindo uma reconstrução conceitual dinâmica do mundo que é cada vez mais ampla, profunda e exacta”. Receio que houve quem entendesse que eu quis dizer que a ciência é exacta ou algumas ciências são exactas, hoje, no 17.º ano do séc. XXI. O erro é meu porque terei expressado uma ideia não muito clara e desejo corrigi-lo aqui e agora.

:::2

Naquelas minhas frases que acima cito, no entanto, eu escrevi que “o homem vai atingindo uma reconstrução conceitual dinâmica do mundo que é cada vez mais ampla, profunda e exacta” e também escrevi “o conhecimento racional, sistemático, exacto, verificável e, contudo, falível”. Ora o que está em “reconstrução” é porque não está em situação de estabilidade funcional e que se admite que possa vir a ser reconstruído de novo, no futuro; portanto não é um estado acabado do conhecimento, a exactidão é dinâmica. Por outro lado, afirmo que “o conhecimento é falível e, portanto, pode ser substituído por outro.

:::3

Ainda hoje há quem pense que as ciências exactas são as ciências que têm a Matemática, a Química e a Física como peças fundamentais dos estudos científicos. Além das três áreas básicas e todas as suas subdivisões, tais como a Física Quântica e a Físico-Química, entre as ciências que também são consideradas exactas, aparecem a Astronomia, a Estatística, a Ciência da Computação e a Arquitectura. Pensa-se assim porque a principal característica de actuação dos cientistas e dos profissionais destas áreas é o raciocínio lógico. Eu não defendo esta posição.

007.png:::4 - Cabe aqui introduzir o conceito de PARADIGMA e a sua concomitante situação de eventual mudança. Etimologicamente este termo tem origem no grego “paradeigma” que significa modelo ou padrão, correspondendo a algo que vai servir de modelo ou exemplo a ser seguido numa situação concreta. São as normas orientadoras de um grupo de interessados que estabelecem os limites e as orientações que determinam como um indivíduo desse grupo deve desenvolver o seu pensamento em termos científicos. O termo surgiu inicialmente em Linguística. Na filosofia, um paradigma está relacionado com a epistemologia (conceito abordado na PARTE I), sendo que, para Platão, um paradigma remete para um modelo relacionado com o mundo exemplar das ideias, do qual faz parte o mundo das sensações, das constatações.

:::5

O norte-americano Thomas Kuhn (1922-1996), físico e filósofo da ciência, no seu livro “The Structure of Scientific Revolutions” (4.ª edição 2012) designou como paradigma as “realizações científicas que geram modelos que, por um período mais ou menos longo e de modo mais ou menos explícito, orientam o desenvolvimento posterior das pesquisas exclusivamente na busca da solução para os problemas por elas suscitados.” Assim o paradigma é um princípio, teoria ou conhecimento originado da pesquisa num determinado campo científico. Uma referência inicial que servirá de modelo para novas pesquisas.

:::6

Distingamos paradigma de hermenêutica, que são conceitos diferentes mas que aparecem por vezes misturados. Esta também é uma palavra com origem grega e significa a arte ou técnica de interpretar e explicar um texto ou discurso. O seu sentido original estava relacionado com a Bíblia, sendo que neste caso consistia na compreensão das Escrituras, para compreender o sentido das palavras de Deus. A hermenêutica também está presente na filosofia e no campo jurídico, em cada um com seu significado. Segundo a filosofia, a hermenêutica aborda duas vertentes: a epistemológica, com a interpretação de textos e é aqui que se poderá confundir com paradigma, e a ontológica, que remete para a interpretação de uma realidade. Etimologicamente, a palavra está relacionada com o deus grego Hermes, que era, entre outras representações, um dos deuses da oratória. (Ver nota 1 de fim de página)

haida art.jpg :::7 - As mudanças de paradigma em cada ciência exigirão que as leis científicas sejam alteradas, melhoradas e até revogadas e substituídas por outras que os novos paradigmas propuserem.

:::8

As ciências ditas exactas estão entre as mais antigas que surgiram e se desenvolveram. Desde a antiguidade, o homem utilizou a Matemática e a Física para resolver muitos dos seus problemas e moldar da melhor forma a natureza e a sociedade. Foram as designadas ciências exactas que proporcionaram que os antigos egípcios construíssem as pirâmides, que os gregos erguessem as suas acrópoles e os seus monumentos que chegaram até nós e também que o homem realizasse a viagem espacial à lua no século XX.

:::9

Mas serão mesmo estas “ciências exactas”? De acordo com o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, "exacto" significa "que não contém erro", "que tem grande rigor ou precisão", "perfeito", "irretocável". E é um costume dominante referir-se a matemática como uma ciência exacta. Esta designação, "ciência exacta", frequentemente tem levado pessoas - entre leigos e até profissionais - a crerem que a matemática e as outras ditas ciências exactas, são ciências livres de erros, com grande rigor e precisão, perfeitas e irretocáveis (que não precisam de reconstrução).

:::10

Uma coisa é a impressão que a designação "ciência exacta" pode fazer, do ponto de vista meramente intuitivo. Outra é o que a prática matemática mostra no cotidiano de experientes cientistas e investigadores. Antes de mais nada, é preciso lembrar que matemática é uma actividade intelectual desenvolvida por seres humanos. E seres humanos, como toda a gente sabe, menos os lunáticos ou os desprovidos de senso, e mostra a prática, são criaturas falíveis.

chicor4.jpg:::11 - Aquele (ou aquela) que se condena a uma visão absolutamente clara de mundo, prática, inquestionável, inexorável, exacta, perde o contacto com o que há de mais fundamental em cada um de nós: somos todos seres humanos. A Matemática, a Química e a Física não são actividades extraterrestres, desumanas, mecânicas, previsíveis, inquestionáveis. Bem pelo contrário, são afectadas também por sensações, emoções, alegrias e tristezas.

:::12

É sobretudo por esta razão que concluo que não se pode afirmar que elas sejam ciências exactas. Diz muito bem a Maria João Sacagami que “até mesmo com base na observação, a ciência passou a ter outros critérios” (novos paradigmas, acrescento eu) “ao se descobrir que o cientista, observador, influi no resultado da coisa observada a partir das próprias emoções e/ou comportamentos”

:::Notas

(1) Hermes era o deus mensageiro, dos pesos e medidas, dos pastores, dos oradores, dos poetas, do atletismo, do comércio, das estradas e viagens e das invenções. Era considerado, na Grécia Antiga, o patrono dos diplomatas, dos comerciantes, da ginástica e dos astrónomos. Após a Grécia ser conquistada pelo Império Romano, a figura e o mito de Hermes sofreu um sincretismo com o deus romano Mercúrio (deus do lucro, do comércio e também o mensageiro dos deuses). Este é um dos meus favoritos, pois está representado no emblema da escola de toda a minha vida como estudante, como professor e como dirigente de um instituto público, o ICL /ISCAL

25-02-2017

JCF

(Continua)

ferrolho1.jpg::: T.1 (T - De T´Chinhgange) - PEROLAS II – Foi publicada no Facebook na página Kizomba e, entre vários comentários António Monteiro referiu: - Professor Júlio Ferrolho, os alunos estão chegando! Nós, alunos, vamos ser bem comportados e falar de coisas tão transcendentes que terão necessidade de explicações adicionais! Isto só será possível se não nos sublimarmos!... (Não somos feitos de água!?)... Mas mesmo assim, talvez possamos virar rubis ou diamantes! Quem sabe! E, dito isto foi ver o entrudo…

:::::T.2

Assunção Roxo em uma sua opinião faz menção de que António Monteiro, o T´Chingange da kizomba, iria “reformatar” o tema em tratamento diferenciado! Não! Não se trata de reformatar (quem sou eu para tais desígnios?) o que quer que seja mas sim adendar outras perspectivas e também dar uma visão mais clara do que é um Paradigma em nossa sociedade. O assunto é longo mas vale a pena escalpelizá-lo como sugerem Luís de Magalhães e Edgar Neves com a chancela de “leitura obrigatória”.  

:::::T.3

O essencial da mensagem em Pérolas I e II ultrapassam o âmbito das ciências exactas e naturais como é dito pelo professor Júlio Ferrolho pois que as questões em volta das mudanças de paradigma interessam a historiadores, filósofos, sociólogos e teólogos.  A arte de comunicar ciência tem perspectivas tão interessantes que sendo eu um pé-de-chinelo curioso, só me debruçarei sobre esta hodierna revolução.

:::::T.4

As teorias que não colidam com outros paradigmas teóricos têm grande probabilidade de aceitação. As Teorias Novas que colidam com paradigmas teóricos têm grande probabilidade de sofrerem rejeição devido aos conflitos de ideias e seus mecanismos nos conceitos velhos e novos, competindo para o mesmo fim; estes poderão dominar muitos outros factores culturais sociais e psicológicos.

tonito3.jpg:::::T.5 - Talvez tenha de reflectir sobre o já dito por Maria João Sacagami para interpretar os fenómenos de rejeição que descrevem condicionantes ao sociocultural determinados porque, para estes, não há leis Universais. Fenómenos são fenómenos!

:::::T.6

O Mundo é complicado e a mente humana não o pode compreender completamente. Sendo assim, o conhecer, significa dividir e classificar para depois se determinar relações sistemáticas entre o que se separou. Se Galileu é um grave exemplo de pecado dos homens e da hierarquia da Igreja, entre outros; será exemplo de um obscurantismo grave por parte dos homens de ciência.

pedras 002.jpg:::::T.7 - A história das políticas sociais revela-nos que a estrutura das ciências, afinal, não é, por vezes, tão “lógica” como se julgava. Em jeito de epílogo, talvez eu tenha razão e tales alguém mais não a tenha; mas também é bem possível que nenhum de nós a tenha! Foi Karl Potter quem assim falou.

:::::T.8

Vou agora descrever o que é na prática corrente o tal de paradigma.

A palavra “teoria” provem do grego “ver” e, quer seja uma teoria ou um modelo teórico serão imagens do mundo material, inventadas para o tornar compreensível. Surgem deste modo as teorias ou convicções cujos espíritos nem sempre credibilizam o testemunho dos olhos. Os caminhos que a leis da física nos proporcionam por via da natureza, até ao limite do cosmos e do microfísico, revelam-nos filosofias diferentes das que o Mundo do quotidiano permitem estabelecer.

:::::T.9

A separação entre o homem e o Mundo perde-se nos limites da microfísica com a relação de incerteza de Heisemberg e a visão probabilística da mecânica e matemática quântica. É o espaço-tempo que se esbate no limite das altas velocidades com anos-luz que volatilizam o imediato nas teorias de relatividade.

:::::T.10

A abstracção da lógica matemática, forma superior do conhecimento científico, parece não poder ser formalizada totalmente nos recursos do intelecto humano pois a mente, tem sempre a possibilidade de inventar meios de demonstração que os ultrapassam. Em busca da verdade, rebusquei em tempos, conhecimento em Coimbra; não na cátedra mas, na vivência entre amigos e, entendi melhor o que é um Paradigma em nossas vidas.

roxo27.jpg :::::T.11 - «Mostrar, apresentar, confrontar» - é um conceito das ciências, teoria do conhecimento que define um exemplo típico ou modelo de algo. É a representação de um padrão a ser seguido ou um pressuposto filosófico como matriz… uma referência inicial como base de modelo para estudos e pesquisas. Para entender melhor este conceito terei de explicar o que ali vivifiquei:

:::::T12

- Um grupo de cientistas colocou cinco macacos numa jaula, em cujo centro puseram uma escada e, sobre ela, um cacho de bananas. Quando um macaco subia a escada para apanhar as bananas, os cientistas lançavam um jacto de água fria nos que estavam no chão. Isto repetiu-se e sem interrupção. Depois de algum tempo, de cada vez que um macaco tentava subir a escada, os outros quatro agrediam-no.

:::::T.13

Passado mais algum tempo, nenhum macaco subia mais a escada, apesar da tentação provocada pelas bananas. Então, os cientistas substituíram um dos cinco macacos. A primeira coisa que este fez foi subir a escada, sendo rapidamente retirado dela e, à força pelos outros. Depois de algumas surras, o novo integrante do grupo não mais subia a escada.

roxo118.jpg :::::T.14 - Um segundo foi substituído, e o mesmo ocorreu, tendo o primeiro substituto participado, com entusiasmo, no massacre do novato. Um terceiro foi trocado, e repetiu-se a história. Mais um quarto e, finalmente, o último dos veteranos, foram igualmente substituídos, e de igual modo se desenrolou a mesmíssima situação.

:::::T.15

Os cientistas ficaram então, com um grupo de cinco macacos que, mesmo nunca tendo tomado um banho frio, continuavam a agredir aquele que tentasse chegar às bananas. Se fosse possível perguntar a algum deles porque batiam em quem tentasse subir a escada, com certeza a resposta seria: - Não sei, por aqui as coisas sempre foram assim!...

:::::T.16

Moral da história: “É MAIS FÁCIL DESINTEGRAR UM ÁTOMO DO QUE UM PRECONCEITO”, (Albert Einstein)

Colaboração do Soba T´Chingange

 

 

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 12:54
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sábado, 25 de Fevereiro de 2017
MUXOXO . XLVIII

TEMPO CINZENTOS .  4ª Parte  – 25.02.2016  

Na natureza dos dias de hoje, não é o mais inteligente que vence na vida mas sim aquele que melhor se adapta a ela…

Por

soba15.jpgT´Chingange

(…) Pelo sim pelo não, usava umas botas de couro que comprei na feira da Chamusca, de cano alto e justas. Nesta vida de desbravar terras como Serpa Pinto em Angola mas desta feita nas américas, teria de me salvaguardar ao máximo das pragas. Era habitual atar as calças de caqui a meio da canela e por cima das calças a fim de evitar carrapatos; além disso humedecia as franjas das calças com querosene como repelente aos ácaros gigantes.

CAFE5.jpg Mas eu gostava do mato e, ainda gosto! Sucedeu por mais que uma vez ficar retido na borda de cá do rio mulola, linhas de água que só levam água quando chove a montante e, que me lembre, por uma vez tive de andar mais de cem quilómetros para encontrar via de regresso e, sucedeu também termos de ficar por uma noite deste lado e provisoriamente numas barracas, teperas dormindo em redes.

:::::

Outra vez, tivemos mesmo de mudar o acampamento porque era demasiado perigoso atravessar a mulola; levava muita água, troncos, ramos e até bichos. Tivemos pois de nos acomodar em umas cubatas de taipa, comprarmos géneros e designar o mais jeitoso para fazer a comida. Faziam-se fogueiras lá fora com folhas de banana e outras meio secas e com bosta de boi para afugentar a mosquitada e outras bichezas rastejantes.

mess6.jpg Eu, ali no mato feito explorador que nem Hermenegildo Capelo e minha família, mulher e dois filhos em idade escolar, numa distante Caracas, num bairro da hermandade gallega de Sarria, mariperez em Guaicaipuro, bem no sopé da Serra de La Guaira que circunda a Capital Venezuelana.

:::::

Minha vida não foi fácil depois da guerra do Tundamunjila da Luua de N´Gola e, mesmo em terras do M´Puto também não o foi. Passar por aquelas assembleias de trabalhadores a decidirem de punho no ar, tudo “Ad Hoc”, gente que brincava às revoluções, interrupções por demasiadas ninharias e, era ouvir as chaimites a passar em direcção a Tancos e ouvir boatos e gestos disparatados do Vasco Gonçalves, o primeiro-ministro de então.

:::::

Apagávamos o som da televisão e víamos aquela figura de louco, cabelos desgrenhados a lançar cravos e beijos para a populaça de progressismo besta! Quando abria a boca, denunciava-me pelo sotaque de Angola e eram olhares fuzilantes que recebia. Era mais um ranhoso retornado, diriam uns para os outros e eu, com raiva de morder jacarés vivos; Nalguns casos, a família portou-se pior com seus outros familiares vindos das províncias de mentira do Ultramar.

iguana1.jpg E, afinal a vida é assim um sem fim de agoras atados aleatoriamente a nós e por isso ali estava em San José Del Tisnado, um pueblo cercado de mato virgem que há bem pouco tempo tinha estado de quarentena por uma epidemia de cólera e febre-amarela.  

:::::

Neste então, Venezuela era governada por Carlos Andrés Pérez, havia pleno emprego, construíam-se usinas, barragens e carreteras por todo o país. O petróleo jorrava em Maracaíbo com gestão americana dos gringos dos EUA, dos States como dizia o povão pé-de-chinelo. A Venezuela transpirava riqueza!

:::::

Um dia agarrei um caxicamo (tatu) que andava meio zonzo. Não era para menos, o pobre estava empestado de carrapatos, literalmente a ser comido por estes bichos de mil pés; larguei-o na hora! Mas logo um dos homens auxiliares correu a apanhá-lo dizendo: Que haces engeniero? Este animal és mui bueno e, lá o levaram para cozinhar; estava mesmo condenado o pobre bicho! Creio que não me deram a comer como fizeram com a iguana metida numa arepa e na forma de carne desfiada. E, era boa, sim senhor! Melhor que galinha!

iguana2.jpg Em uma estação topográfica Juan Hernandez disse-me apontando para a gigantesca árvore: Mira lo que comeste esta manhãna! Eram várias iguanas, grandes e com aquela serrilha de dinossauro nas costas. Este espanto rapidamente passou a ser vulgar e já nem me assinalavam o que antes tinha comido! Não mostrei grande contrariedade, nem mostrava asco por aquilo e pouco a pouco não mais faziam alusão a isso.

O Soba T´Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:53
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sexta-feira, 24 de Fevereiro de 2017
MUXIMA . LXIX

ONGWEVA DE ANGOLA ... SAUDADE – Os comerciantes do mato e os camionistas - Angola era um cantinho doce do inferno … 

soba k.jpg As escolhas de T´Chingange

Por

torres23.jpgEduardo Torres – Um Chicoronho de 3ª geração - Deus também usava Vick VapourRub para as constipações, mais o óleo de fígado de bacalhau .

Memorias do FB - 25 de Novembro de 2015

camionista 2.jpg Normalmente, junto-me ao meu amigo e vizinho, que vive em frente ao bloco de apartamentos onde habito, cidade de Portimão; somos quase da mesma idade, ambos ex-funcionários da Câmara, ele topógrafo na de Luanda e eu desenhador, na de Sã da Bandeira. Conversamos sobre vários temas da actualidade, mas a conversa acaba sempre na ongweva dos nossos idos tempos de Angola. De um tempo antes de aparecer a penicilina, que se morria mais das infecções do que propriamente das operações, da beladona, pomada para determinados tratamentos, do permanganato milagroso no tratamento de feridas e algumas infecções. Do uso do bicarbonato de sódio para bochechar a boca, dar molho aos pés e usar no caldo verde para ficar mais verde.

:::::

Com alguns trejeitos de muxoxos lembramos as ventosas para se tratar a pneumonia, das papas de linhaça, do famoso Vick VapourRub para as constipações, no óleo de fígado de bacalhau tomado no tempo do frio, do aparecimento do leite em pó Nido e Nestlé, das sulfamidas que tratavam tudo, e sobretudo, da vida difícil desses tempos em que os recursos eram escassos.

:::::

E, vinha a época das chuvas em que uma viagem se tornava periclitante. Tínhamos de estar precavidos para tudo; essas viagens podiam durar um dia como de uma semana. Na Angola desse tempo vivia-se com muita solidariedade entre as pessoas. Os camionistas, neste aspecto, eram uma classe muito especial; com enormes dificuldades para fazer percursos lamacentos juntarem-se em grupo para não ficarem sós naqueles ermos de mata fechada, medonha nas noites de trovoada, um desabar do céu feito água.

camioneta 3.jpg Ou mesmo um deserto sem coisa alguma por quilómetros e quilómetros; por ter surgido um obstáculo ali ficavam dias sem poder continuar; juntos, conhecidos ou não, utilizavam seus  meios de desenrasca, usando arames, tubos e paus, as engenhocas possíveis para resolverem as panes. Tornavam-se amigos e, essa amizade simbolizava a força da união na estrada.

:::::

As vendas do mato, eram sempre ponto de paragem obrigatório, para se beber uma cerveja, falar das novidades, por a conversa em dia. Cada um, à sua maneira, procurava ser solidário na resolução de qualquer problema. Isso enaltecia-os. Eram eles o traço de união das gentes que viviam internados no cú de judas e as outras, que viviam em lugarejos com uma igreja, um adro e três ou quatro casas de taipa e umas quantas palhotas.

:::::

Eram o sangue vigoroso que circulava nas veias difíceis, as estradas, e que fazia bater forte o coração dessa imensa e grandiosa terra, inóspita, mas singularmente terna e apaixonante; com cheiros especiais de chuva, de pó, de cacimbo e ternuras. É uma ongweva de vivências que só desaparecerá com o tempo, com o fim do ciclo de uma vida.

nasch1.jpg Procurarei deixar bem explícito que Africa não era a terra das patacas, como muitos pensavam, porque viam os verdadeiros colonialistas bem instalados aqui no Continente, a viverem do trabalho de quem mantinha a produção das sua roças de café, do algodão, do sisal, dos administradores da Diamang e de todas as outras imensas riquezas que contribuíam para o enriquecimento do tesouro nacional.

EDU

Com umas pequenas intervenções de T´Chingange.



PUBLICADO POR kimbolagoa às 22:49
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quinta-feira, 23 de Fevereiro de 2017
PÉROLAS. I

“O PALAVRÓRIO DA FUNÇÃO ERUDITA” - Parte I

O homem herdou o mundo; a sua glória não consiste em suportar ou desprezar esse mundo…

soba k.jpgAs escolhas de T´Chingange

Por

julio1.jpg JÚLIO FERROLHO…. Professor Aposentado mas pouco (!) - Agricultor nos intervalos da chuva, pastor, professor ainda e sempre!!! – Foi presidente do ISCAL - Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Lisboa - Aposentação e reforma após 49 anos de luta diária pela vida dia a dia, sem desistências nem interrupções…

:::::

Prof. Júlio Ferrolho é daqueles que nunca esquecemos determinadas aulas, conversas e ensinamentos! Um exemplo de como deveria ser o nosso ensino! Parabéns pelo exemplo que nos deu! – É este, um comentário que extraí de sua página e que aqui reproduzo sem prévia autorização. Tentei, tentei, mas deveria estar cuidando de seus perdigueiros…

julio3.jpgFigueira da Fóz

Sinto que nunca deixei de ser estudante! - AVISO: Este texto pode conter palavreado estranho e aparentemente incoerente. As pessoas mais sensíveis a este fenómeno devem abster-se de o ler. (COMO NÃO SOU ESPECIALISTA DEIXAREI PARA OUTRO MOMENTO ainda muitas QUESTÕES e sobretudo as SAGRADAS relacionadas COM O TEMA)…

:::

A ciência é caracterizada como o conhecimento racional, sistemático, exacto, verificável e, contudo, falível. Através da investigação científica, o homem vai atingindo uma reconstrução conceitual dinâmica do mundo que é cada vez mais ampla, profunda e exacta.

roxomania2.jpgO homem herdou o mundo; a sua glória não consiste em suportar ou desprezar esse mundo, mas enriquecê-lo para construir outros universos. Manipula e remodela a natureza submetendo-a às suas necessidades materiais e espirituais, bem como aos seus sonhos. Criou assim o mundo dos sonhos, das quimeras, dos artefactos e o mundo da cultura.

:::

A actividade da Ciência - como a investigação - pertence à vida social na medida em que é aplicada para melhorar o nosso meio, tanto natural como artificial, para inventar e construir ou fabricar bens materiais e produzir bens culturais ou imateriais. Deste modo a ciência transformou-se em tecnologia e arte.

:::

Por outro prisma, a ciência surge aos nossos olhos como a mais deslumbrante e assombrosa das estrelas quando a consideramos como um bem em si, isto é como uma produtora de nova actividade de ideias (investigação científica e o seu resultado, a inovação).

socie1.jpgA epistemologia encerra, em termos sintéticos, a teoria do conhecimento. Mas podemos considerá-la como o estudo crítico dos princípios, hipóteses, e resultados das diferentes ciências, procurando determinar-lhes a origem, a lógica, o valor e o alcance objectivo.

:::

Nem toda a pesquisa científica visa obter um conhecimento objectivo. A lógica e a matemática - ou seja, os vários sistemas de lógica formal - e os diferentes capítulos da matemática pura são racionais, sistemáticos e verificáveis, mas não são objectivos; não nos dão informações sobre a realidade porque não estão simplesmente preocupadas com os factos.

:::

A lógica e a matemática tentam construir entidades ideais; estas só existem na mente humana. Elas não recebem objectos de estudo: constroem os seus próprios objectos. É verdade que muitas vezes fazem-no por abstracção dos objectos reais (naturais e sociais). Além disso, o trabalho lógico ou matemático muitas vezes atende às necessidades do naturalista, do sociólogo ou do tecnólogo e é por esta razão que a sociedade tolera estas actividades e até parece estimulá-las. A física, a química, a fisiologia, a psicologia, a economia e outras ciências usam a matemática como uma ferramenta para fazer a reconstrução mais precisa das relações complexas que ocorrem entre os factos que estudam e interpretam e os vários aspectos destes.

roxo107.jpg Um dos aspectos fulcrais da ciência é a questão do MÉTODO CIENTÍFICO que deve ser seguido para chegar a conclusões científicas. A metodologia científica tem a sua origem no pensamento do filósofo francês Descartes, que foi posteriormente desenvolvida empiricamente pelo físico inglês Isaac Newton.

:::

René Descartes propôs chegar à verdade através da dúvida sistemática e da decomposição de qualquer problema nas suas pequenas partes constituintes, características que definiriam a base da investigação científica. Escreveu um livro famoso “Discurso do Método" onde afirma:

:::

''E como a multiplicidade das leis serve frequentemente para escusar os vícios, de sorte que um estado é muito melhor governado quando, possuindo poucas, elas são aí rigorosamente aplicadas, assim, em lugar de um grande número de preceitos dos quais a lógica é composta, acrediteis que já me seriam bastante quatro, contanto que tomasse a firme e constante resolução de não deixar uma vez só de observá-las.

:::

A PRIMEIRA consistiria em nunca aceitar, por verdadeira, coisa nenhuma que não conhecesse como evidente; isto é, devia evitar cuidadosamente a precipitação e a prevenção; e nada incluir em meus juízos que não se apresentasse tão claramente e tão distintamente ao meu espírito que não tivesse nenhuma ocasião de o pôr em dúvida.

tonito3.jpg A SEGUNDA – dividir cada uma das dificuldades que examinasse em tantas parcelas quantas pudessem ser e fossem exigidas para melhor compreendê-las. A TERCEIRA – conduzir por ordem os meus pensamentos, começando pelos objectos mais simples e fáceis de serem conhecidos, para subir, pouco a pouco, como por degraus, até o conhecimento dos mais compostos, e supondo mesmo certa ordem entre os que não se precedem naturalmente uns aos outros. E por último – fazer sempre enumerações tão completas e revisões tão gerais, que ficasse certo de nada omitir''.

:::

Correntemente estas regras são: 1) da evidência; 2) da divisão ou análise; 3) da ordem ou dedução; e, 4) da enumeração (contar, especificar, e classificar).

(…CONTINUA).

JCF, 14-02-2017

rosa1.jpgNOTA: O tema PÉROLAS surgiu de uma daquelas conversas no FB ventilando algo assim: O que interessa fazer vale a pena fazer bem feito! Vi logo que aqui havia um rigor de cátedra e fui ficando de lado ouvindo como é recomendável e, quando se tem como interlocutor um Professor sapiente. Assunção Roxo também costurou umas ideias lindas bordeadas com suas pinturas holográficas. Foi o nosso Portal! Fiquei matutando na bruma, cores psicadélicas e, assim embebido na sabedoria com arte resolvi fazer uma surpresa com o tema PÉROLAS. Assim ao jeito de prefácio corro as cortinas para futuras pérolas enfeitadas com os roxos coloridos dos arco-íris de Assunção Roxo. Perdoem esta libertina ideia do soba fantasma ´T´Chingange, um despropósito de figura mas, na forma original das superstições de áfrica- N´Gola

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 09:38
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Terça-feira, 21 de Fevereiro de 2017
MUXOXO . XLVII

TEMPOS CINZENTOS . 3ª Parte  – 21.02.2016  

Na dúvida entre o ser-se agnóstico ou coisa nenhuma faço gaifonas à liberdade! Passei a andar com um pau bifurcado na ponta para apanhar cobras...

Por

soba15.jpgT´Chingange

(…) Descrevendo a forma de execução da estrada e a partir do levantamento, observação solar, de estabelecer a directriz de forma aleatória até chegarmos a San José Del Tisnado em Venezuela, voltamos de novo às pequenas nuances de um projecto que é traçado no mapa entre dois ou mais sítios e depois em a tarefa do geómetra, topógrafos, niveladores por forma a ficar em gabinete tudo desenhado. Daqui sairá o cálculo de volumes de terras, sua deslocação, desmonte de rochas e terras com uso de explosivos, máquinas, trato de pormenores ambientais, execução de pontes e pontões e um sem fim de tarefas até que se proporcione a circulação de veículos motores.

::::: 

Neste particular caso, todo o traçado foi por mim estabelecido a partir do esboço original  e seguindo os preceitos considerados acertados em tal tarefa. Assim andando à frente e atrás ia sinalizando com fitas de vermelho e banco o traçado presumível, desviando o percurso de falésias e, ou rochedos de grande porte ecolhendo o melhor local para execução de pontões ou pontes nas linhas de água significativos e ou rios.

tigra1.jpg As surpresas neste desbravar de terrenos selvagens eram muitas como se pode calcular; um certo dia ia caindo num fosso com babas, jacarés bebes ou caimanes como ali se chamavam. Alguém os armazenava ali furtivamente para com eles fazer pisa-papéis ou outros tipos de enfeite depois de cuidados por embalsamento. Era uma crueldade que creio ter continuidade até os dias de hoje porque as pessoas viram-se na vida como podem.

:::::

As instituições sendo insuficientes são dadas ao desleixo assim de cada um por si e ao acaso. As autoridades passeiam-se para a foto e simulam ligeireza dando guarida a uma trupe de gente a ele colados. E, não perdem nenhuma inauguração com fanfarra e palavras importantes, quase sempre bonitas e de fácil apreensão ao ouvido do povão.

tigra2.jpg Em um outro dia, surge um trabalhador com uma cobra de tom amarelado enrolada ao pescoço a subir para a chevrollet de tracção às quatro rodas. Mas que és isto hombre? Perguntei com algum asco que fazia ali aquele bicho ondulando  asquerosas manchas. Mas, engenheiro, esta cobra não faz mal a ninguém, visse! Ele, simplesmente respondeu que era sua mascote, cuidadora de sua casa, rateira do seu jardim e mais justificativas que não vêem em causa. Bueno! Tive de me adaptar a esta nova criatura mas, sempre com o respeito de medo e, de longe.

:::::

Em outro dia, afastando um ramo e mais outro para divisar o rumo dos trabalhos, estanco num repentemente, pulo para trás; a maldita da cobra, uma outra lá estava empinada nos ramos e fazendo assim-assim para os lados num vaivém de meter medo ao próprio tarzan. Sua língua bifurcada sondava meu medo, meu suor, minha adrenalina até os cocurutos do meu ADN. Mas que vida esta meu nosso Senhor.

tigra3.jpg E ele o Senhor, rindo-se de mim, de minha parca braveza; ele tinha mais que fazer senão dar troco a um medricas; para além do mais a cobra é um ser que faz muita falta à natureza, mais do que eu! Tive de controlar o medo sozinho e lidar com elas, as cobras, sem me depenicar. Passei a andar com um pau bifurcado na ponta. Por último já fazia diabrura com elas, apertava-lhe o gasganete e deixava-as ir em liberdade depois de lhe transmitir o raspanete. Venci o medo na marra! Podem crer!

:::::

Munhoz, um auxiliar que levava o tripé do teodolito para as estações  topográficas, assim com um dedo na boca e olhando de soslaio para cima , indica-me algo que por ali anda entre aqueles monstros de àrvores. É o quê? Perguntei. É um bicho igual àquele que hoje o engenheiro comeu no desaiuno, uma iguana! Caramba! Eu comi aquilo? Não pode ser; eu comi galinha metida numa arepa! Pois é  hermano engenheiro, uted  comeu  daquele um outro bicho igualito a este.   Uf! Para o que um topografo, engenheiro das slvas não tem que estar preparado!.

tigra5.jpg Todos os dias havia um caos ou causo mais insólito do que o outro. Hugo, vem até mim alvoroçado falando aos solavancos, mexendo a machete (catana) de forma desabrida, que não podíamos passar por ali! Havia uma culebra tigra tomando sol na clareira que se tinha aberto dois dias antes. Engenheiro, nós temos de passar a lo largo de ella porque ela tem crias e é perigosa quando está assi! Ellas no puedem ser molestadas; corre atrás de nosotros até morder, sabe! No puedem ser molestadas! Conchale, vale chico… és mui peligrosa! Mala suerte la mia,  putana de la madre que la pariu, que sabia yo, conho!... Se eles que eram dali e tinham medo àquela tigra, como é que eu não iria ter! E, acabamos por fazer um círculo porque dona tigra verde assim nos determinava!

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 13:25
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Segunda-feira, 20 de Fevereiro de 2017
FRATERNIDADES . CXI

EM ANGOLA ONGWEVA É SAUDADEDevaneios nas memórias do FB - 31 de Janeiro de 2015 - A história de Angola é uma epopeia feita a caminhar, ou  em tipóia…

Por

Torres0.jpg Eduardo Torres – 20.02.2017 - Um Xicoronho de 3ª geração - Deus quando nos permitiu a faculdade de pensar garantiu-nos também o uso dessa liberdade …

soba k.jpgAs escolhas de T`Chingange

NASH.jpgHá largos anos, tantos que não interessa contá-los nessa Angola imensa, onde as cachoeiras derramam água por entre rochedos seculares, em que o verde da floresta, se confunde numa só cor pela grandiosidade da sua dimensão, as savanas beijadas pelo vento formam elas a própria linha do horizonte. Vasto e longínquo, as areias, numa dança que transcende o imaginável, em constante movimento que  formam as dunas que se transferem de uns lugares para outros num deserto privilegiado por uma espécie de planta única de nome Welwitschia Mirabilis, n´tumbo em dialecto local.

:::::

Num céu em que o sol surge brilhante e quente, céu que pode ser de azul único ou povoado de imensas nuvens negras e medonhas com os raios a cruzarem-se anunciando uma tempestade africana, pois num pedaço dessa Angola, num planalto situado na cadeia montanhosa da Chela, um punhado de homens e mulheres, desembarcados em Moçâmedes, vindos da ilha da Madeira, pérola do Atlântico e, para ali com sonho sonhos conseguirem uma nova pérola! E, conseguiram!

nauk2.jpg Num continente tão diferente da ilha que tinham deixado para trás, tão distante que já fazia doer a saudade, fortes na sua crença, valentes na sua fé, talharam-se para o sofrimento. Cavaram a terra para cultivar; para enterrar; para fazer alicerces e fizeram calos de doer até que outros homens lhe fizeram outro destino e dali saíram de novo para a diáspora. Muitos já nada tinham a ver com aquela ilha que continua bonita.

:::::

E foi assim, temperados pela força que lhes ia na alma, pelo esforço sobre-humano que cada um tinha dentro de si, recomeçar de novo, regar a terra com lágrimas de dor, suportar injustiças que sem esforço desmobilizaram os pioneiros de antanho idos na “tentativa Feliz” um vapor que honrava o propósito com seu nome.

nash6.jpg Com o empenho habitual foram de novo à luta com outros milhares de gentes destroçadas, de novo a vontade de vencer, porque nunca iriam desistir; A concretização do sonho, primeiro num pequeno lugar, chamado Lubango, por lá ficou assim como uma duna ao sabor do vento, de outras vontades e sonhos diferentes para depois com o tempo, fazer-se novo tempo.

:::::

Oportunidades diferentes, vontades com outras fés. Para comprovar a antiga fé, lá está a Capela da Senhora do Monte, cuja imagem com eles foram para lhes garantir a força quanto baste. Para quando ela lhes faltasse, orassem de novo para a fé não desvanecer.

maga2.jpg Surgiu uma nova realidade, uma nova urbe derivada de Sá da Bandeira, a Lubango de agora. E, aqui longe da cidade que me viu nascer, ainda me sinto orgulhoso, de fazer pare dessa historia e de ser descendente directo dessa gente com têmpera, que permitiu tornar possível uma realidade que não acaba só aqui.

carro de pau.jpg Vão longe os tempos de miúdo, naquela época em qua até o sabão azul ou macaco era importado. E, eu a aproveitava as caixas vazias para depois de desmanchadas, aproveitar a as tábuas e pregos, com o serrote e o martelo, construir as minhas camionetas, meus carrinhos de rolamentos, meus nash de fricção.

EDU

Compilação de T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 08:57
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Domingo, 19 de Fevereiro de 2017
CAFUFUILA . CXX

ONGWEVA DO TEMPO - KIANDA ROXO - 16ª parte

A surrealidade está-lhe no sangue! Usa pinceis electrónicos na forma de gigabaites holográficos…

Por

t´chingange 0.jpgT´Chingange

Na ultima parte do mussendo, 15º episodio, falei do porquê esta kianda Roxo de Guaxuma andar assim tanto de um para outro lado irrequieta, sem saber no consciente desta sua dupla vida, compartilhando xispanços de tinta com particular maestria e, do porquê das cores cibernéticas confundindo-nos com holografias psicoroxas. Mas sabemo agora que nasceu às margens do lago Chivero.

:::::

Sabemos que sua mãe, também kianda de tez negra foi Redufina Kabasa Tsvangirai  que se umbigou com um tal de Morgan Tsvangirai. Que nasceu em Harare nas coordenadas de 17° 50' S 31° 03' às margens do lago Chivero, lugar que fazia fonteira com a fazenda farm de MorganTsvangirai seu pai. E, que por via da política teve de abandonar aqueles paragens deslocando-se para o Kwanza, ali bem perto de Massangano, lugar de muita magia por ser  um pambu-n´jila especial com Muxima. 

roxo114.jpg Como já repararam as kiandas andam no espaço-tempo em qualquer direcção e é por isso que nos parece a nós humanos impossiel reconhecer andar-se no ontem e antes de ontem ou há muitos anos atrás e ou, deslocarem-se no futuro deixando transparecer a nós mortais, somente o que nos é perceptível pela dedução; falar do futuro até para as kiandas é tabu – aos viventes  não se pode transmitir o amanhã, só o agora, lei básica da vida. O Universo tem regras que não estão ao nosso alcance engravida-las.

:::::

É aqui que surgem os mambos longínquos com soldados Mafulos, por via das falas da Kianda Januário Pieter também este tetravô de Roxo nascido às margens do lago Niassa; fala do tempo, das revoltas da embocadura do rio Kwanza, das guerras dos Tugas e Mafulos de Loanda, n´gwetas e dos desentendimentos com a rainha N´Zinga, mais outros personagens do distante Kongo do Zombo, de terras de Kassange e da Matamba.

:::::

O velho Niassalês descreve as festas axiluandas de então com kimbandas e t´chinganges pisoteando a terra, levantando poeira de encorajar kotas, jagas, sobas e m´fumos que iam chegando em alvoroço dos Dembos e de lá mais além do Kassange. Nos encontros, iam passando cabaças com malavo de cassoneira e, a cada grito dado pelos dançarinos guerreiros, o povo gritava kwata mwana-pwó, kwata mwana-pwó. Era a preparação duma guerra contra os Tugas n´gwetas entricheirados em Massangano por ordem dos Mafulos Holandses

to3.jpg Morgan Tsvangirai ficou avençado pelos Mwana-Pwós  com o posto de tenente de segunda linha; mandava os escravos m´bikas do kimbo fazer tarefas de manutenção e limpeza ao forte, zelar pelos n´dongos de pesca e translado de coisas para a Kissama e das patrulhas de soberania aos  mares parados com lagoas até o Morro dos Imbondeiros e dos Elefantes da Maianga. Também tinham a caça e a pesca ao seu cuidado.

:::::

M´fumos, iam chegando aos poucos como emissários da rainha N´Zinga M´Bandi da Matamba e do rei do Kongo Garcia II que, embora sendo cristianizado pelos Portugueses, com eles andava desentendido após a chegada dos Mafulos. Estes, teriam-lhe prometido poderes maiores e auxilio com armas do tipo de canhangulos e pederneiras. Eram preparativos duma união para fazerem o grande e final assalto a Massangano.

:::::

Naquela fortaleza os Tugas resistiam aos Olandêses tapando-lhes as vias de comunicação ao mercado de escravos lá do interior fazendo emboscadas ou tocaias com azagaias venenosas, um método aprendido com os indios do brasil, uma cana comprida que depois de soprada dela saia um dardo mortífero.

café da avó1.jpg Por isso aquele mato metia  demasiado medo aos Mafulos. É aqui que entra o Senhor Mauricio de Nassau que desde o Recife Brasileiro mantia o negócio das peças m´bikas para os seus engenhos de assucar. Pernambuco e as capitânias adjacentes, estavam carentes de braços para fazer o cultivo da cana de açúcar e fazer andar os engenhos. A preguiça e cultura dos indios americanos não permitia seu uso no trabalho.

:::::

Talvez por isto, seus lugares tenentes mantinham contacto com alguns negreiros  portugueses que detinham este negócio, pagando-lhes ainda mais do que a antiga coroa determinava. Era um quase pacto de negócio mantendo-os como principais fornecedores de peças á margem dos interesses dos reis do M´Puto. As ordens que vinham do Conde Maurício de Nassau a partir de Olinda eram de subornar a todo o custo os intervenientes funantes do mato de N´Gola no negocio escravo.

:::::

Estava em causa a política comercial da Companhia das Índias Ocidentais... o lucro! E, Portugal que era agora pertença dos espanhois não havia por isso empenho nestas politicas de tanto trabalho; preferiam estabelecer severas taxas de soberania aos amerideos de seus territórios com pagas em ouro. As mordomias do reis Filipe de Castela, Asturias, Galiza, Catalunha Portugal e Andalazia eram muitas - isso impunha uma politica restritiva, sem  dispersão.

nassau0.jpg Redufina Kabasa mãe negra da Kianda Roxo estremava-se ensinando a sua filha maneiras de comportamento e era vê-la brincar com candengues  brancos e pardos no átrio da missão! Bem cedo se destacou nas habilidades de colorir os jogos de desenho, nos riscos da cabra cega; qualquer argila era motivo para dali sair pintura ou escultura bem à moda dos trabalhadores de talha do pequeno altar da igreja  da muxima!

:::::

Sua tia N´ga Maria Káfutila de linhagem nobre do reino do Kongo ajudava meu pai Januário Pieter na quinda do mercado da paliça vendendo malavo e quitoto ou permutando com os indígenas ou mesmo n´gwetas produtos da terra como ginguba e fuba de mandioca. A fuba originava um prato apetecível chamado de funge ou pirão, um preparo a partir da mandioca. E, ela tornou-se assim uma cozinheira de primeira mão mas, prefere suas fluorescências.

n´zinga.jpg Mais tarde começaram a fazer uso das folhas do pau de mandioca que era passada por cinco fervuras para anular o veneno da coisa e, a isto chamaram Saka-saka que impregnada de azeite de palma dava origem ao prato mais típico dos Kaluandas, a moamba com quiabos e jimboa. E, foram os Portugueses que a levaram do Brasil para N´Gola embora queiram fazer crer o contrário disto. N´Gola nunca vai poder dissociar-se dos Tugas por esta e outras singelas razões.

(Continua…)

O Soba T´Chingange (Otchingandji)



PUBLICADO POR kimbolagoa às 01:04
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sexta-feira, 17 de Fevereiro de 2017
KIANDA . LI

NAS FRINCHAS DO TEMPO . Porque cada homem é um mundo, tem que ao tempo, dar-se tempo…

Por

soba17.jpgT´Chingange

Hoje e, como sempre, comecei o dia fazendo talassoterapia e, enquanto ginasticava os músculos alongando e torcendo-os por modo a melhorar os sítios nevrálgicos, os tais do costumeiro reumatóide, olho os toques de bola que meus vizinhos praticam todos os santos dias e a partir das seis da manhã. É uma habilidade de manobras de vai e vem com esquindiva e olha o buraco, usando a cabeça, tronco e pés. Ao terceiro toque com uma daquelas partes do corpo a bola é mandada para o outro lado na forma mais difícil.

eça5.jpgOs dois adversários de cada lado da rede têm de ter os instintos apurados e ver em simultâneo as falhas. Sua visão periférica conta muito para que o toque seja bem-sucedido. É importante fazer um bom aquecimento antes da partida em virtude de haver muitas lesões, devido fundamentalmente às mudanças rápidas do corpo. Ou se está bem preparado fisicamente ou a resposta técnica sai defraudada. Enquanto isto, numa tarefa de três em um, ia pensando como fazer preparo da carne de charque de cupim, para o almoço; carne comprada na feirinha de Jatiúca. Assim mentalmente anotava os onze passos e, que aqui vou anotar por ordem numerada os passos, para não voltar a forçar a cuca:

:::::

1 - O charque não leva sal no preparo que dura 12 horas; 1b - Lavar bem a carne; 2 colocar em uma vasilha e cobrir a carne com água; 3 - mudar a água a cada três, quatro horas e por três vezes; 4 - cortar a carne em cubos com 2 a centímetros; 5 - colocar em uma panela coberta com água; 6 - para cada Kg de carne colocar uma colhere de sal; 7- levar ao fogo até borbulhar e criar uma espuma branca por cima.

fut1.jpg

 7a - desligar o fogo; 8 - escorrer a carne e provar; 9 Para cada 500 gramas cozinhar na panela de pressão por 30 minutos; 10 - retirar o excesso de gordura; 11 - pode-se liquidificar parte da carne, desfiar a outra e juntá-las. Mentalmente, anotei os onze passos. Sempre revendo coisas, voo a outros pensamentos, muitas viagens com morada ou estadia prolongada por muitos países.

niassa.jpg Contando-os cheguei ao número 24 dando-me ao desfrute de os alinhar de forma aleatória: - Angola*; Portugal*; Brasil*; Namíbia*; Moçambique*; Venezuela*; África do Sul*, Espanha*; Marrocos; França; Itália; Zimbabwe´; Botswana; Suazilândia*; México; Lesoto; Bolívia; Chile; Argentina; Turquia; Inglaterra; Dubai; Estados Unidos da América e Argentina.

:::::

O Niassa meu berço natalino não entra neste computo por já ter sido desmantelado em uma siderurgia de Bilbao em 1979, quatro anos depois de ter transportado as últimas tropas do M´Puto até à metrópole e, também a ultima bandeira portuguesa hasteada no Palácio da Cidade Alta de Luanda. Se tivesse de escolher um daqueles países para viver de novo optaria por viver em um vapor e só depois em uma Angola, Namíbia ou Brasil.

bra1.jpg Tenho razões de sobra para não optar por Portugal mas não rejeito ser português porque me orgulha sua gesta heróica de idos tempos. Eu até sei que o orgulho é a catarata que obscurece a vista de qualquer um e, que  de nada serve apresentar a luz a um cego. Também sei que o maior cego não é aquele que não vê mas, aquele que não quer ver.

:::::

O que nos leva a decidir na escolha da terra para se viver é um conjunto muito vasto de razões pessoais, sociais, culturais e fundamentalmente dos sentimentos. A rejeição a tantos é mais por desencanto, locais frios e amargas vivências; desilusões e frustrações por parte de gente que deveria ser amável e que na altura certa não o foi; tivemos de singrar entre muita apatia e injustiça.

niassa8.jpg Pela língua aglutinadora de fados, futebóis e outros edecéteras, deveria colocar o M´Puto em 1º lugar, terra de meus pais com ascendentes e descendentes com gente de barlavento e sotavento, da raia, da Beira ou Alentejo mas, quis o destino excêntrico quanto baste de me fazer optar por um vapor, navio de águas profundas saído da sucata da primeira grande guerra como local de nascimento: - Niassa!

:::::

Assim balouçado pelo mar, quero permanecer por opção ser um Niassalês. Muita gente dirá que esta postura minha vem dar forma a subir uns cagajésimos ao meu curriculum mas, que fique claro que é este o meu orgulho a fazer gaifonas às tais cataratas que me obscurecem o que não pretendo ver. Desde o onze de Novembro de 1975 que me sinto um desclassificado cidadão e, assim irei continuar…Por agora sinto-me bem no Brasil, terra dos meus “egrégios avós” como diz o hino…

O Soba T´Chingange  



PUBLICADO POR kimbolagoa às 22:02
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Terça-feira, 14 de Fevereiro de 2017
PARACUCA . XXIII

TEMPOS DORMIDOS - Entre o entender e o poder do crer, no estágio imaturo do raciocínio… Coisas no discurso indefinido da fábrica de Letras in Kizomba com estórias da vida …

Por

soba15.jpg T´Chingange

No quase fim de ano de 2016 rapidamente cheguei ao posfácio dos singelos poemas de Emanoel Fay. E, passando pelas mensagens as correcções, os elogios, as ornamentadas homenagens com prémios e comendas e, sempre em letras volumétricas, perfumei-me nas simples palavras de tocar sinos em dias de Nossa Senhora da Aparecida, uma santa que três pescadores acharam numa das muitas lagoas da costa brasileira.

peter0.jpg Escultura de pau escuro, quem sabe saída do tal naufrágio em que os índios comeram o primeiríssimo bispo do Brasil de nome Sardinha. Também com este nome não se poderia esperar um fim mais apropriado e digno. Dom Pedro Fernandes Sardinha, ou Pero Sardinha, nascido em Évora em 1496 e papado pelos Caetés de Alagoas, Coruripe do Brasil no ano de 1556.

sardinha0.jpg Essa vila de Coruripe ainda hoje paga um laudémio à Santa Igreja por tamanho forró descabido em que gente desnuda, musculosa e de tez parda que assou mais de oitenta náufragos. Ao lugar chamam agora de Feliz Deserto. Como pode ter acontecido estas coisas numa terra tão linda e pacífica aonde os biquínis deram lugar ao fio tapador de bunda.

:::::

Voltando aos três pescadores, como nesse dia o peixe foi avondo, a crença milagrou o acontecido. Creio que meu avô Loureiro estava por perto e, porque misteriosamente, encontro na sala da casa de um primo meu, no lugar de Barbeita da Beira Alta, perto de Viseu, uma imagem dessa Senhora. Coisa inaudita porque ali no M´Puto não há nenhuma Nossa Senhora preta.

amilcar 3.jpg Só podia mesmo ter sido do Senhor Manuel Loureiro, meu avô que depois de deixar duas filhas em sítio incerto, rumou de novo para Portugal, tísico chupado das mulatas, como se dizia nesse então. Em Barbeita há sim a Nossa Senhora do Parto muito carregada de oiros nos dias de festa. No quinze de Agosto saem com Ela a dar um passeio pela urbe meia medieval e é bonito de ver as bandeiras estandartes. Homens de batina branca esvoaçando ternuras alinhada entre muros graníticos de pedra solta, musgosas.

:::::

Homens da hermandade de Santo António da qual eu pertenço desde que nasci. Sou sim, membro desde que dei o primeiríssimo berro balouçado em um barco com o nome de Niassa em águas territoriais de N´Gola. Bom! Voltando ao livro e da frente para trás chego às miniografias, letra grande e esparsa com referência eméritas à terra dos Marechais aonde se fala de seus pecados enaltecendo as almas.

bruno17.jpg Muitas almas, que agora andarão penadas com suas grandes espadas enfiadas em coiros e mistérios de palavras doces como sempre convém constar em prosas versejadas e versos singelos dedicados àquela Nossa Senhora duma vasta eucaristia de muitas Marias na terra. Coisas de dedicação mariana de quem sabe as paradas de todos os calvários. 

paracuca1.jpg Com egos engravidados solo suspiros de sonhos na forma de louros de oliveira, solto pétalas e folhas acerosas de chá caxinde, capim-santo ou cidreira chegando ao prefácio. Aqui, mergulho todinho na água benta, água da vida presenteando difusas carícias, como brisas esbarrando nos ventos e também questiúnculas de métrica e rima.

:::::

Da singeleza de tudo assim fiquei ungido de sem regras no linguajar e formas nova, revolucionárias talvez e desprovidas de regras. Nesta vanguarda estética dizer que desgostei, não faz parte do meu Adeus porque gosto das pessoas e seu lado bom em detrimento do outro lado que não serve nem ao próprio nem a ninguém.

pa3.jpg

*Paracuca: - 500 gr de ginguba sem ser torrada, 250 gr de açúcar (ou mais), 2 chávenas de água - Preparação: Juntar todos os ingredientes numa vasilha e levar a lume brando. Vá mexendo, sempre, até a mistura ficar solta. Deite num tabuleiro (agitando para ficar solta) para arrefecer.

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:36
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Domingo, 12 de Fevereiro de 2017
MALAMBAS . CLXV

TEMPOS ESPACIAIS12.02.2017 - Quando o tudo nos ultrapassa no tempo, apalpamos as medidas da natureza sarando as feridas da mente e do corpo… As Pérolas são produtos da dor - "Uma ostra que não foi ferida não produz pérolas*."...

Por

t´chingange.jpegT´Chingange

Apesar da resistência à inovação científica pelos próprios cientistas, verifica-se na história das ciências existirem “mudanças de paradigma” que terão de ser matéria de interesse para filósofos, sociólogos e teólogos. As artes de comunicar ciência com inovação e conflitos teóricos, terão cada vez mais de se azimutar às explicações possíveis aonde o racionalismo vence a irracionalidade. Não interessa mencionar nomes porque nem todos farão parte da “ínclita geração” no universo das novas tecnologias.

zep5.jpeg

 

A propósito falei em azimutar e não rumar porque enquanto no rumar há quatro possíveis direcções segundo um dos quatro quadrantes enquanto no azimute teremos uma única direcção a partir dum ponto considerado dirigida ou norte do evento e, a partir de um zero ou singularidade. Estes azimutes de forma côngrua irão desenvolver-se em espiral até conseguir chegar ao ponto de optimização na ponta da espiral.

:::::

Estas ideias minhas, vão para além dos dados radianos mas, tendo o pi de 3,1417… como dado essencial porque é este, parte integrante da geometria terreste, confinada ao seu geóide e elipsóide. Em princípio, idiotas seremos todos nós, mas sempre haverá um outro mais capacitado que desenvolva essa espiral muito para lá dos 180, 360 e 720 graus.

zanzi6.jpg Mas, que eu saiba só o designado santo homem Eliseu e de forma fenomenal subiu aos céus de forma côngrua ainda em vida; ele tinha uma forte vontade de ir para junto de Deus e, foi em espiral que fez sua derradeira viagem astral. Creio que por lá ficou! Muitos acham que Elias foi ao céu em carro de fogo e com cavalos de fogo e, edecéteras! Seria um ET? Porque não!

:::::

Diz a Bíblia que ele subiu em um redemoinho mas, cada um de nós vai interpretar isto de uma outra qualquer forma; outros acharão ser uma patranha maior do que o universo desconhecendo que este não tem fim. E, em verdade nem resultará irem desenterrar ossos feitos cinza, as queixadas dum qualquer santo ou mesmo escritos apócrifos porque há verdades que nunca estarão em nosso alcance. A incerteza sempre irá prevalecer porque o condão do saber e do querer sempre estarão encerrados na ilusão que somos, nada! Nunca iremos descobrir tudo e melhor será, este assim.

pap1.jpg O que importa mesmo reter é o revelar de relações entre as coisas, mesmo partindo de hipóteses falsas, premissas incertas. Na minha leitura diária pude verificar que segundo Mário Bunge um entendido em filosofia da física, que todo o coro de ideias científicas, serão avaliadas à luz de resultados a partir de tipos de testes a saber: 1-metateóricos, 2-interteóricos, 3-filosóficos e 4-empíricos.

:::::

E, não se faz nenhum exame empírico a uma teoria senão depois de ela ter passado no crivo dos três primeiros testes. Estes carolas torram nossos neurónios a começar pelo palavrório da sua função erudita. Nessa conjugação, o metateórico apoia-se na forma de conteúdo da teoria, particularmente a sua consistência interna. O teste interteóricos procura analisar a compatibilidade da nova teoria com outra.

:::::

Só depois virá a prova filosófica situada no campo da respeitabilidade metafísica e epistemológica dos conflitos e pressupostos da nova teoria à luz de algum sistema filosófico. Cada um destes palavrões requer pesquisa apurada para penetrar nos neurónios e, de forma acertada, ser arrumada nos gavetões certos da compreensão.

nasc2.jpgPor último, vem o teste empírico, resultado do confronto com os factos experimentais. Como se pode concluir em ciência, quando tudo chega até nós já passou por um filtro e, que muitas vezes tem a respeitabilidade “Ad Hoc” e de forma arbitrária. Só depois e com as críticas de entendidos na matéria, é que surgirá o tal de “racionalismo” de pretensão universal com um simples “A priori”.

:::::

Por hoje fico-me por aqui sem entrar no campo da logicidade plausível. Não fique assim matutando e, tente entender as dificuldades da ciência com a suprema “Teoria da Incerteza” ou um simples “Só sei que nada sei”. Teremos sempre de ter em conta que os homens e mulheres com projecção viram monumentos; Nestes se acoitarão bichezas menores e qualquer animal inferior que por ali fara suas necessidades e, porque não têem conceitos de alma.

perola3.jpg*Nota: As pérolas são hodiernas e pertença de Júlio Ferrolho, um professor analista de números cifrados, atento aos meus ditames; melhor, meus erros…

O Soba T´Chingange 

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 21:31
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quinta-feira, 9 de Fevereiro de 2017
NIASSALÂNDIA . VI

MULOLAS DO TEMPO - ROXOMANIA - 09.02.2017 - Nós e o mundo … Teremos de nos regularmos em contra regras porque as brisas esbarram nas caricias…

Niassalândia é o meu país.

Por

soba02.jpeg T´Chingange - Nasceu em alto mar num barco chamado Niassa. Assim conta a minha lenda por preterir ser o que ainda estava para ser, uma inventação lançada ao vento para encobrir coisas desacontecidas…

alhambra1.jpg Em tudo, haverá sempre uma forma de fazer um novo início para determinar um novo fim. Certos homens, penetrando em mistérios e, muito certos de suas capacidades, ficam presunçosos e pseudo-sábios em dizer o que não sabem, tomando até suas ideias como verdadeiras. Fazem aceitar suas utopias escrupuleando-se em nomes que tomam emprestados para fazer aceitar suas teses e, mesmo sem usarem escapulário, usam e abusam de seus conceitos.

::::

E afinal, as revelações que cada um possa ter, serão sempre um cunho pessoal; o seu! O seu e, sem a autenticidade requerida. Eu, não as homologaria! Serão ideias que nem tampouco se podem considerar como apócrifas porque a vastidão do quórum se limita entre si e seu ele, dele ou dela!

:::::

É imprudente aceitar ideias mal trabalhadas e sem a cobertura de um grande número de opiniões; muito menos promulgá-las como verdades absolutas! Ninguém só por si, pode fazer seu próprio julgamento vaticinando-se à toa e conjugando-se como árbitro da verdade.

mo1.jpg Quem tiver a ousadia de dizer “crede em tal coisa, porque nós vo-lo dizemos”, está a ser juiz em causa própria tal como que ”quem tiver ouvidos que ouça”. Sensatamente, isso aos nossos olhos não é outra coisa senão uma opinião pessoal. Opinião que pode ser verdadeira e justa ou o inverso disto. Não é por um princípio nos ter sido ensinado, que ele passe a ser o verdadeiro para nós em detrimento de outros que absorvemos como mais verossímeis.

:::::

Do sistema de um só ao de todos, há a distância que nos leva do zero ao infinito. Quando se pensa que toda a água do mar se esgotou na maré seca, nós nos damos conta da existência de uma fonte que nunca seca.  

:::::

As falas estéticas, vanguardeiam-se por novos linguajares e só sobressaem por em verdade serem um grito de rebelião ou teste ao mundo que não se entende com falas direitas e enganosas nas regras de e, com adendas falaciosas; que despromovem o cidadão a coisa, objecto, sujeito sem eira nem beira de paga e não bufas.

nauk3.jpg Teremos assim de no regularmos em contra-regra porque as brisas esbarram nas caricias, questiúnculas de métrica e rima. De novo, consultando Platão abriu-se-me dizendo: O homem é uma alma roxa, ela existiu unida aos tipos primordiais, às ideias do verdadeiro, do bem e do belo.

:::::

Deles se separa em ser roxo e, recordando seu passado, está mais ou menos atormentada pelo desejo de a eles retornar. Assim fiquei estupefeito num conceito actual merecendo reflexão, o quanto baste. Quanto baste porque nos dias que correm há sempre uma segunda, terceira e uma quarta casca ateé chegar ao miolo sadio. Que saudades que tenho da aurora da minha vida.

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 23:24
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Terça-feira, 7 de Fevereiro de 2017
NIASSALÂNDIA . V

MULOLAS DO TEMPO – 07.02.2017- Saboreando nosso chá das seis ou talvez sete, nos pós meridiano, já no cair da noite cálida de Maceió…

Niassalândia é o meu país.

Por

soba15.jpgT´Chingange - Nasceu em alto mar num barco chamado Niassa. Assim conta a minha lenda por preterir ser o que ainda estava para ser, uma inventação lançada ao vento para encobrir coisas desacontecidas…

Fiz amizade com Emanoel Fay, um juiz poeta da praça e, lendo suas quadras simples reduzi sua poesia a falas de singeleza, assim de forma emérita; um título honorífico concedido a pessoas que se destacaram em actividades académicas, religiosas ou judiciais e, após deixarem de exercer essas actividades como consta de seu cartão quase curriculum de seu poder judiciário; uma actividade já passada e, em cujas frinchas da vida, folgava seus devaneios e sonhos empilhando rimas de bem-querer.

sardinha0.jpg E, aqui no lugar do encontro há uma quadra de Fay, bem por cima e na coluna aonde agora saboreamos nosso chá das seis ou talvez sete, nos pós meridiano, quase no cair da noite cálida de Maceió. O cartão tem envolto em duas palmas de oliveira, iguais e reviradas contendo ao centro a silhueta de uma mulher toda tapada e de véu, ao jeito de venda no rosto segurando uma espada de longa lâmina na mão direita e sustendo uma balança em sua esquerda; esta balança tem os dois pratos equilibradamente nivelados, digamos, bem horizontais.

:::::

A venda da silhueta significa tanto quanto sei de que a justiça é cega, muda e surda, coisas pensadas para tapear coitados que nada entendem das negociatas de coisas feitas de palavras hermafroditas, de palavras canibais que comem outras, pois assim um palavrório libatório com itens esdrúxulos no reconhecimento da industria da assinatura. Ressalvas e omissões a evitar contrições, verbos e adjectivos na proporção acertada da minúcia e, na dose certa de fazer valer superar o causo ao descaso.

FAY1.jpg Estes meus desaforos em nada têm a ver com o professor universitário Emanoel Fay, juiz de direito emérito que acabei de conhecer no centro comercial na companhia de seu filho e um já conhecido amigo meu que de longa data brincamos a vida dizendo tonteiras, também este ex-funcionário do poder judiciário, amigo e, com um nome nobre, Sérvio Túlio. Os nomes destes amigos demonstram bem o seu patamar social assim bem diferenciado do António e o Manuel ou Joaquim tão desabonados em contos e anedotas.

:::::

Emanuel Fay e Sérvio Túlio dissertando sobre as verdades e virtudes da prática da talassoterapia. Eu, um plebeu a falar com nobres patrícios, poliglotas na arte de ginasticar a longevidade com sã convivência e status na preservação do ar, ginasticando a mente e o espírito entre vaidades remotas e futilidades, conversas de enaltecer vampiros montados em cavalos brancos e com asas rebrilhantes.

:::::

Não! Dessa feita falei das virtudes de se praticar o banho em cálidas águas, ginasticando os músculos e a mente, descrevendo no pensamento a próxima estória, próxima farpa. Falei das virtudes de ver nascer o sol dentro de água salgada, soro do mundo a recordar nosso primeiro exercício em ventre materno, no recolher de raios benéficos e também o ozono, a vitamina D, o iodo e o acto de ser lambido bem cedo, chave de abertura de um novo dia em tempos de mais- valias.

FAY2.jpg Bom! Do lado oposto do cartão do Juiz Fay tem uma dedicatória dedicada a seu pai em letras enaltecedoramente grandes: “ama teu pai com gratidão enquanto com ele estás, depois de Deus, é o amigo com quem sempre terás de contar!!!”. A seguir aos três pontos de afirmação vem a assinatura legível: Emanoel Fay Mata. A marginar todo o rectângulo, trinta e seis pequenas bandeiras do Brasil dando seu tom de verde e amarelo assim como se fosse um caixilho. Algo transcendente e patriótico diga-se em verdade.

:::::

Comecei falando de um cartão de visitas de um recente amigo, eu, um Niassalês aposentado, apresentado por um outro já mais amigo e, nas anotações escritas por gatafunhos ao correr dos raios matinais da praia mas, mudei de folha. Tinha uma seta com a indicação K (de kapa) mas, busquei, vasculhei e não encontrei. Deve ter ido para Roma com um dos muitos amigos que sempre me sopram as orelhas, irmãos da Akasha, os substratos espirituais de um éter antigo, quinto elemento cósmico da quinta ponta do pentagrama.

tonito2.jpeg Todos os dias há um mistério em nossos agoras, nosso céu rasteirinho com coqueiros a farfalhar nossas vivências. Deste modo, tenho de terminar com o ensejo de agraciar a estes dois amigos dizendo em jeito de romano virtuoso e sapiente até às profundas raízes de nenhures: Vitorioso não é aquele que vence mas o que se vence a si próprio, aceitando-se do jeito que se é ou que se propôs, porque a vida para muitos mais biliões, não é um verdadeiro canto de eterna beleza como a de nós os três. Façam o favor de ser felizes.

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:16
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Domingo, 5 de Fevereiro de 2017
MUXOXO . XLVI

TEMPO CINZENTOS . 2ª Parte

 – 04.02.2016  - Pelas frinchas do tempo, sinto o cheiro pestilento do dinheiro… É mais fácil passar um camelo no buraco de uma agulha do que um rico no reino dos céus…Na dúvida entre o ser-se agnóstico ou coisa nenhuma faço gaifonas à liberdade!

Por

t´chingange 0.jpg T´Chingange

(…) Dizia eu que por ter andado tanto no inferno agora mereço o céu! De botas borrifadas com petróleo para eliminar carrapatos boiadeiros tocava os trabalhos de campo para a execução da estrada a ligar o lugarejo vila de San José de Tiznado em Venezuela. Teríamos de levantar uma faixa de terras e, por forma a depois de ser transposto ao desenho se desenvolvesse o traçado longitudinal e perfis transversais.

topo12.jpg Com os dados de campo surgiriam as curvas de nível a partir dos dados de altimetria geométrica e taqueométrica. Apareceriam também todos os acidentes de terreno como rochas, linhas de água e rios em uma planta topográfica muito coberta de números correspondentes às cotas de elevação e mancha de vegetação: por vezes também se incluía o tipo de solo fazendo referência às sondagens caso fosse o caso.

:::::

Surgiria mais tarde tanto a directriz em planta como e a partir daqui os perfis longitudinais mostrando a rasante definida por traineis inclinados ou não e, segundo as tolerâncias necessárias para os veículos poderem vencer os declives. Através das rasantes e perfis transversais determinava-se o volume de terras a retirar ou a repor após o cálculo de áreas e volumes.

topo10.jpg Tudo isto e segundo o cálculo com Gráfico de diagrama que traduz a movimentação de terras em obras, sobretudo viárias, constituído por curvas com tramos ascendentes que indicam a predominância de escavação e tramos descendentes que indicam a predominância de aterro. Amarelo a romper, vermelho a aterrar. O gráfico de Brückner, determinaria a maquinaria a usar, camiões, vagonetes ou caçambas para transladar terras e inerentes custos.

:::::

Ainda se tinha de considerar dados geométricos de limites de propriedade, nomes de seus donos com valor venal, valor matricial, com número de registo cadastral nas finanças, dados para futuras indeminizações por acordo ou expropriação. Haveria também de observar e registar a densidade de vegetação e espessura de matéria vegetal inerte composta de troncos velhos e o manto de folhagem depositado ao longo dos anos. Saber a espessura do manto vegetal determinando a área e volume de terras a retirar, depositando-as em local apropriado a fim de repor mais tarde a camada vegetal dali originária. Será esta a melhor compostagem a utilizar na cobertura superficial das feridas de cortes e aterros.

topo9.jpg Fiz uma descrição das tarefas técnicas para assim ficarem com uma vaga noção do envolvimento e tecnicidade na execução de um projecto de estrada. Coisa que me era inerente bem como o cálculo e posterior implantação. Não era ser-se só operador como também saber-se de leis de terras, agrimensura ajuramentada e todo o cálculo da obra.   Entre os trabalhadores mais cientes eram dadas tarefas de fazer trompos ou estacas a partir de varas cortadas no local que serviriam para assinalar o perfil e dali com estacionamento de nível ou teodolito fazer levantamento ou simples leitura de nível.

topo7.jpg Os demais contratados cortavam mato, transportavam equipamento e água, umbrela ou chapéu para sombrear o operador e outro equipamento de apoio. Quando necessário fazer-se comida um ou dois eram escolhidos entre voluntários para esse efeito. Nos lugares pantanosos havia um elemento incumbido de fazer fumo com ramos secos de bananeira ou outras folhas e, contendo bosta de boi para afugentar os mosquitos e miruins ou maruins (mosquitos muito pequenos e super chatos).

:::::

Os tramos rectos eram assinalados com uma ou mais varas, dependendo da extinção, pintada e referenciada com o número de ordem. Era naquelas mudanças de rumo que depois e, em projecto surgiria uma curva simples ou composta e até com relevé, inclinação segundo o tipo e os dados de velocidade. Todos estes dados eram indicados em plano e perfil longitudinal com todas as outras referência para a futura implantação ou piquetagem de estrada.

topo8.jpg Bem! Em um dos muitos dias e por mais de uma vez sucediam contactos imediatos com cobras, iguanas, veados, macacos, sapos e sapões, rãs, escorpiões de várias cores, lagartos e, até caimãs, jacarés pequenos. Olhando o rumo a seguir e depois de afastar o ramo lá estava uma cobra a assustar-me com sua língua bífida. Depois daquela mamba negra quasequase me ter mordido em Cabinda, enclave de Angola, todas as demais que surgiam eram coisa pouca para mim; pela certa tinha guias a me protegerem, só pode!

::::

Habituei-me a elas e num lugar aonde no mundo todo, mais gente morre com suas mordeduras. Não calhou esse destino para mim, ficar espumando até receber um soro antiofídico, coisa que não tinhamos. Recordo que no caso da Cobra mamba, fazia eu serviço militar em Cabinda como Furriel, incorporação de Angola; uma terra que afinal não era minha; que só o foi para a engrandecer e, tendo como agradecimento o vai-te-embora branco, tundamunjila.

topo11.jpg E, caso a dita cuja me mordesse, teria somente quinze minutos para receber o antiofídico e isso era inviável porque eu e minha secção de serviço à lenha naquele dia, estávamos longe do quartel base. Isto aconteceu lá longe entre 1968 e 1969 num lugar chamado de Miconje, o primeiro quartel a entregar-se ao MPLA (coisa feia e desrespeitadora). Nosso destino não é previsto com hora marcada, só sucederá um dia e, no tempo que por comodidade e ordem inventamos e fragmentamos. Fico aqui neste agora…

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 14:29
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quinta-feira, 2 de Fevereiro de 2017
MUXOXO . XLV

TEMPO CINZENTOS . 1ª Com Várias partes – 02.02.2016  

Na dúvida entre o ser-se agnóstico ou coisa nenhuma, driblo-me com golpes de liberdade! Estou farto de coisas impingidas…

Por

t´chingange 0.jpg T´Chingange

Chegando bem cedo à Praia da Pajuçara só com a natureza e, sem ligar muito às malazengas de espondiloses e afins, vi o Sol grande e vermelho a sair da linha do horizonte, lá no mar; eram cinco horas e doze minutos da manhã. É bem assim que gosto de me confrontar com ele, ainda não demasiado caloroso, cara a cara! Na minha profissão sempre contactei com o Sol muito de perto.

:::::

Num lugar chamado de San José de Tiznado, uma terreola bem central no mapa da Venezuela eu, era o responsável pelo recolhimento de dados geométricos e geográficos para desenvolver o projecto de uma carretera, estrada ligando a via Nacional que liga Guárico a Barquisimeto com este pueblo. Saí de Caracas sede da empresa Topieca a fim de dar início aos trabalhos de campo, lá a uns duzentos e cinquenta quilómetros.

topo0.jpg O projecto de uma estrada começa com o recolhimento de dados em campo, escolher o traçado, estudar alternativas considerando o menor preço para a sua execução.  Já na fase de execução desta fase é necessário o levantamento topográfico com ligação à rede geodésica ou enão por observação Solar e daí originar as respectivas coordenadas, quadricula base para todo o projecto seguinte, planos com plantas, perfiz e memória descritiva do necessário, tanto para projecto como para a execução.

dy15.jpg Desta feita eu era o engenheiro agrimensor (surveyor) com a responsabilidade de gerir dois topógrafos, dois niveladores e todo o pessoal contratado no local para servirem de porta-miras, macheteiros (que cortam o mato com catanas) e dirigir toda a operação como alojamento, alimentação, transporte e tudo o que é inerente a um acampamento no mato ou numa tapera, terreola ou casa de taipa com paredes de barro cru.

topo02.jpg A minha grande relação com o Sol como dizia vem de aqui e, porque a cada cinco quilómetros de estrada piquetada teria de fazer observação solar para tudo ficar ligado à rede Geográfica de Venezuela. Ainda escuro montava o tripé, colocava o teodolito, rectificava os níveis, punha o limbo a zeros e esperava o Sol nascer. Aquele círculo grande despontava e, já meio de fora do horizonte, iniciava a leitura com os inerentes apontamentos nos impressos de cálculo.

:::::

Apontava os fios da cruz tangentes ao primeiro quadrante, depois ao quarto, depois ao segundo e rapidamente ao terceiro. Já com todo ele inundando o espaço celeste, repetia tudo na inversa progressiva. Usava para o efeito uma lente protectora para não ferir os olhos. Por vezes repetia a leitura na directa e inversa retrógrada mas nem sempre tal operação era levada a bom gosto por via de nuvens ou chuva.

topo03.jpg Neste trabalho de desbravar mato, nem tudo é pera-doce como soe dizer-se! Usava umas botas de meia perna em coiro compradas na feira dos cavalos da Chamusca do Ribatejo do M´Puto. Quem me visse diria que por ali andava um sertanejo parecido com o Serpa Pinto ou Hermenegildo Capelo ou mesmo o Sacadura Cabral, olhando o céu e recolhendo pedras e até plantas para constar em relatório. A mesma figura teria um chapéu de abas largas bem ao estilo de um xi-colono das anharas do Calahári ou Namibe, calças de ganga ou zuarte amarradas nos tornozelos. 

:::::

Nos dias de cacimbo esta figura apareceria no meio da selva tremida envolta num fumo e encostada a um aparelho meio estranho como um fantasma t´chingange que sai da terra, dum nada como se minhoca fosse ou dum espaço feito um ET. Pode parecer uma coisa poética mas era a forma como me veriam as gentes de San José de Tiznado. O fumo era real e provocado de propósito com rama seca de bananeira posta a arder com bosta seca de boi ou vaca.

topo04.jpg Isto assim deste jeito era para espantar mosquitos dinossáurios e mais bichezas com milhentas patas a rabiscar entre um grosso tufo de folhas mortas, árvores medonhas e pó mais lama mais o escambau muito cheio de humidade escorregadiça e lacraus de todas as cores.

 Por ter andado tanto no inferno agora mereço o céu, visse! Não me julguem mal nem me trambiquem o juízo. Por tudo isto tinha mesmo de usar as calças largas e amarradas nas botas e, também borrifadas com petróleo querosene. Vou ter de continuar porque agora que vos abri o apetite do meu mundo quase insólito, terei de vos dar mais corda. Vocês gozam com meus escritos, chamando-lhes patranhas, inventações e ficções. Estou mesmo a ver-vos a torcer o nariz fungando chistes e, afinal isto é tão real que até parece mentira…

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 11:32
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quarta-feira, 1 de Fevereiro de 2017
LUBANGO . II

OUTROS TEMPOS 31 de Janeiro de 2015 Devaneio … Memórias do FBQuando os heróis ficam bronze  até os nomes mudam…

zorro3.jpgAs escolhas de T´Chingange

Por

Torres0.jpgEDUARDO TORRES - Um Xicoronho de 3ª geração

Há largos anos, nessa Angola imensa onde as cachoeiras derramam água por entre rochedos seculares e, em que o verde da floresta se confunde numa só cor, grandiosidade da sua dimensão, as savanas beijam ventos formando a linha do horizonte; vasto e longínquo. Uma dança que transcende o imaginário em movimento formando duna. Duna que depois se transfere de um lugar para um outro. E, num repente surge uma n´tumbo, a planta única do Namibe com o nome mundialmente conhecido por Welwitschia Mirabilis.

 nauk2.jpgNum céu em que o sol surge brilhante e quente, céu de azul único por vezes povoado de imensas nuvens negras e medonhas, raios a se cruzarem a na tempestade tipicamente africana. Num planalto situado na cadeia montanhosa da Chela, um punhado de homens e mulheres, desembarcados em Moçâmedes e, vindos da ilha da Madeira ali bivacaram suas vidas. Da pérola do Atlântico levaram sonhos de conseguirem uma nova pérola em África.

nauk7.jpg Em um continente tão diferente da ilha que tinham deixado, tão distante, com eles foi a saudade, crença forte, fé de valentia. Talhados para a sobrevivência e também a dor, obedeceram a um sonho que o tempo alimentava. E foi assim, temperados pelo esforço sobre-humano que regaram a terra com lágrimas de pioneiros, com empenho e vontade de vencer.

:::::

E, concretizaram seu sonho! Primeiro num pequeno lugar, chamado Lubango dos barracões, depois e já com novo folgo, anseio e oportunidade em outros lugares com salubridade. E, é naquela capela da Senhora do Monte, que relembram os idos tempos de incertos dias lá da sua ilha, da côdea de pão e das levadas movendo moinhos.

 welwitschia mirabilis.jpgAquela imagem de Nossa Senhora que com eles veio para lhes dar segurança, lá estava pendurada no alto a lhes dar esse alento, que só a fé alimenta. Depois surgiu nova realidade e Lubango passou a ser Sá da Bandeira em homenagem a um político da Metrópole. Aqui, longe da cidade que me viu nascer, sinto-me cada vez mais orgulhoso de ser descendente directo de gente das mais diversas têmperas, que permitiram tornar possível um sonho que virou uma realidade que não acaba aqui.

EDU

Compilado e formatado por T´Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:04
LINK DO POST | COMENTAR | VER COMENTÁRIOS (2) | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

RELOGIO
TEMPO
Weather Forecast | Weather Maps
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
15

19
20
22
23
24
25

26
27
28
29
30


MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
CAIXA MUSICAL
CONTADOR
contador free
ONDE ESTÁS

Sign by Danasoft - Myspace Layouts and Signs

blogs SAPO
subscrever feeds