Sábado, 4 de Novembro de 2017
NIASSALÂNDIA . VIII

MULOLAS DO TEMPO – 04.11.2017 - Nós e o mundoHoje, acordei bordado em lentejoulas marafadas do sul do M´Puto.

Niassalândia é o meu país.

Por

sambacatá2.jpgT´Chingange 

Assim é! Acordei com uma zoada nos ouvidos; uma comichão suave com apitos de cascavel. Já é habitual colocar cotonetes com água oxigenada e um pouco de água morna mas ao agachar-me na procura dos cotonetes vi o milongo da Ana Arrais feito de muitas ervas do Nordeste brasileiro. Foi quando pensei que este milongo feito de sambacaetá, deveria fazer bem à minha dormência e comichão fungosa dos meus ouvidos.

sambacatá.jpg Vai daí, pus em uma tampinha um pouco de água oxigenada misturada com este samba-caetá e, à medida que a água oxigenada crepitava gostosamente em meus ouvidos fui rodando os cotonetes no sentido dos ponteiros do relógio, não fosse o diabo tecê-las; pois! Numa coisa assim tão corriqueira pode suceder o imprevisto. Levantei-me e fui sentar-me à frente da televisão, liguei-a mas com o zumbido dos ouvidos e pensamentos a voar recordei coisas da minha mutamba.

:::::

Bom! Pude ver-me pelo espelho da vidraça virada a sul - a minha t´xipala na forma de um ET com duas hastes saindo das orelhas. Entre esta visão cómica e cósmica, presenciada na primeiríssima pessoa nem dei muita atenção às inchadas notícias que davam avondo de pormenores extras, da incerta independência da Catalunha.

sambacatá3.jpgNestes propósitos vi-me a apanhar antes do nascer do sol a tal planta de samba-caetá junto aos muros do fundo da Praia do Francês. Ana recomendou que teria de arrancar estas ervas antes da kúkia (sol) sair grande e redonda do lado nascente – lado do mar. Teria de ser daquelas que crescem bem ao la do das urtigas, sítios sombreados. E, assim foi! Dias depois fui ao mercado de abastecimento de Maceió, um mercado das calamidades ou um Tira-Biquíni da Luua para comprar um especial álcool de cereais que ela pediu.

:::::

Junto com mais plantas, Ana fez aquele milongo com aquele álcool. Tenho de referir que lá em casa dela na rua Camarão, sempre a via botar um frasco deste milongo nas narinas e snifar longamente tal preparo de cor castanha. E, foi por vontade minha que ela me deu a cheirar nesse então, este milongo; penetrou bem pelas vias nasais, cérebro e cerebelo refrescando a áurea do meu ser. Senti-me fresco, audaz e curioso.

sambacatá5.jpg Disse-lhe que também queria aquele produto. Daí eu ter diligenciado tudo para obter tal cazumbi, produto que uso quando me lembro porque tenho as narinas entupidas e também para eliminar os biliões de fungos que pululam nas minhas ventas. Depois disto fui fazer duas torradas. Já tostadas, rego-as com azeite de oliva de Borba, graduação 0.4 e, esponjo nelas a cayenna pépper que um amigo me recomendou lá na África do Sul.

 :::::

Foi-me dito e repetido que é boa para regular a tensão arterial, porque dilata os vasos sanguíneos e outros edecéteras que por ora não interessa mencionar. Abrindo uma cápsula tomei seu gosto; uiui, uiqué, muito mais forte que o jindungo que normalmente tomava fazendo-me até transpirar o cocuruto do meu templo.

:::::

Mas, não é tudo! As torradas são também barradas com óleo de coco para me livrar doutras mazelas que até o tempo me fez esquecer. Só lembro terem mencionado que meus ossos deixariam de ficar estaladiços como os da Catarina Eufémia. Mas, se pensam que isto é tudo esperem, mais um pouco! Um raizeiro de Maceió, aconselhou-me a tomar o tal de ipê-roxo para durar até aos 333 anos. Não o levei muito a sério mas, pelo sim pelo não, tomo esta bolunga à mistura com o borututu

pião3.jpg Pois, da gente com mais de cinquenta anos, que tenha vindo de Angola, quem não se lembrará de ter sempre lá em casa uma garrafa de água do Bengo com raízes de borututu na geleira, frigorifico ou recolhendo da selha gota-a-gota a água que ali se deitava para purificação. Tudo isto era para preservar contra doenças de biliosa, do aparelho urinário e rins; assim dizia o raizeiro doutor Kimbanda de nome Sambo.

:::::

São tantas as mistelas que tomo à mistura com barbas de milho e mezinhas da minha avô que que nunca saberei ao certo qual, a que melhor me faz. Isto deve ser uma propensão do meu ADN por parte do meu tio Guerra, um famoso curandeiro de cortar a dor ciática, que recebia gente de todo o Portugal no eirado da Senhora do parto de Barbeita, lá nas terras altas da Beira do M´Puto, um genuíno Turdetano.

O Soba T´Chingange  



PUBLICADO POR kimbolagoa às 12:41
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sexta-feira, 10 de Abril de 2015
MULUNGU . XLII

TEMPOS CUSPILHADASMordomos da Irmandade de Santo António com fraques de três botões dourados...

Mulungu: É uma arvore de grande porte com flores vermelhas,;existem no Brasil e em Angola; Um pouco por toda a África

Por

soba0.jpg T´Chingange

barb0.jpg Naquela aldeia da santa terrinha do M´Puto, terra Alta da Beira, as calçadas empedradas refletiam em ziguezague a luz amarelada dos lampiões. Àquela festa de Nosso Senhora do Parto, uma capelinha entre pinheiros na parte alta da povoação, ia chegando gente despejando alegrias entre beijos e abraços a familiares, compadres, amigos de borga. E, lá estavam também os festeiros da Irmandade de santo António com fraques de três botões dourados, lenços de seda debruadas na algibeira e largas gravatas de cambrais engomada. Na outra ponta do adro e campo de futebol, já rodava o fogo de artifício chegando até nós o cheiro de pólvora queimada misturado com outros de torresmos, batatas fritas e farturas. O clarão do archote preparado para fazer o balão subir crepitava sombras nas pontas espichadas sobre a brancura das lapelas dos mordomos de Santo António. 

barb01.jpgNo escuro da noite, entre a fumaça colorida do arraial, podia ver-se também, lá longe, as luzes de Folgosinho, Mangualde e Seia  na encosta Norte da Serra da Estrela. Eu era bem pequeno, mas poço recordar os tiques pretensiosos com um ar encalistrado e cheio de suados robores das moçoilas, moças ou raparigas bem epigadas. Destacavam-se os filhos e filhas dos ricos negociantes que por ali bem perto tagarelavam com patrícios vindos de França e Suíça à festa do 15 de Agosto, dia de Santa Maria, padroeira desta e muitas mais terras do M´Puto. O ambiente tremia no frouxo vozear de cochichos das meninas casadoiras que com risos delicados, faziam tilintar colares de filigrana e braceletes farfalhando saias em ondulados gestos.

barb3.jpgNesses antigos tempos, sendo eu gente pequena, animava s dias correndo pelos becos com pau no arco ou saltando de oliveira em oliveira como uma macaquinho; ainda não tinha sonhos nem sentia desesperos a ladrar-me por dentro. Todos os dias, tiritando de frio e com ar preguiçoso de como quem cumpre uma aborrecida tarefa lá ia eu para a escola de Barbeita com bata e tamancos trauteando aquelas graníticas pedras. Um certo dia, eu e Messias desmanchamos umas bombas de festa, despejamos a pólvora em umas quantas folhas de jornal e atiçamos fogo a uma das pontas.

barb2.jpgO imperfeito rastilho não pegou de imediato e, de impaciência, lá vou eu soprar para atiçar e, eis que no momento exato que me debruço sobre a improvisada tocha de jornal amarrotado, dá-se o fenômeno ! Pum! Um fogo explodido lambe-me toda a cara, queima-me os cabelos e as pestanas! Ai Jesus, ai Jesus... Lá vai Messias aflitinho chamar a mãe Arminda! – Acude seu filho Tonito; ele está todo queimado! A explosão soprou-lhe na cara! E, lá foi meu tio "O Cristo" na bicicleta do meu outro tio "O Nosso Senhor" levar-me ao hospital. Pude ver-me mais tarde após a chegada do hospital, uma múmia enfaixada em gaze branco com dois olhos espreitando o futuro. Tem sempre um começo!

O Soba T´Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 08:51
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Terça-feira, 18 de Novembro de 2014
CAFUFUTILA . LXXVII

MILONGOS CUSPILHADOS Esgravatando o tempo  com pasmos XI

Por

soba3.jpgT´Chingange

tort1.jpgCom pasmos regados de estranheza, carrego embaraçosos sorrisos polidos de condescendência; esgravatando o tempo, ajudo meu pai a montar armadilha de prender toupeiras num lugar de nome Cornelho, numa clareira entre pinheiros aonde o vento sopra frio, de engelhar dedos, de fazer frieiras nas orelhas e beiços, entorpecendo os dedos dos pés metidos em tamancos recobertos com pele crua de boi, pregado coma tachas de cabeça ovalada. Mover o corpo era a melhor forma de o aquecer mas, a alma da pura preguiça fica em frente da lareira da aldeia no beco do Rebelo.

tort2.jpgNos propósitos de agora com almas de um Novembro antigo e outonal, vi-me sentado num corrido mocho, já muito polido com corações nos topos, soprando sem pressa as brasas, remexendo as castanhas até as fazer saltitar de mão para mão. Surgia entretanto minha mãe a pôr umas brasas de pau de oliveira no café com mistura de cevada, desde esse então não mais senti um sabor igual e cheiro daquela mistura açucarada; O calor trepidava carícias entre luzernas, que aladas em ondas nos aquecia de ternura e, vinha a água-pé que meio doce, meia quente, escorria que nem ginjas como soe dizer-se.

tort3.jpgNa procissão de pensamentos, são Martinho sempre presente surgia depois dos Santos, oferecendo-me um pífaro de barro comprado na feira de Mangualde; era o que me faziam acreditar para manter a tradição. O porco estirado em pendurão dum caibro da asna, escorria-se em pingos secando as carnes até se enxugarem; este bicho, ali sem pelo, desventrado, metia-me um medo do caraças; teria eu os meus cinco anitos. Eram dias de castanhas, sopas de água-pé, febras e torresmos entre batatas do Cornelho, da Pereira ou do Esperão, lugares com muitos pinheiros, de muitas sanchas e tortulhos de chapéu largo.

tort4.jpgAs couves lombardas ou tronchudas regadas a banha entravam quase sempre nas ementas. Um dia, no meio daquele frio de encarquilhar vontades, de se tornar gelo nos alguidares, estando eu Tonito guardando as chibitas que nos davam leite, a tia Micas gritou-me um também gelado grito e, de susto caí da figueira aonde estava empoleirado; as cabras comendo os rebentos novos da vinha dessa minha madrinha, tornaram-na fula e o grito transtornado saiu duma rusticidade cheia de rispidez. Caí de susto!

tort5.jpgCai de susto em cima de uma pedra, desse mau jeito parti o braço, não sei se o cúbito ou se o rádio, minha mão rodou 180 graus; eu aflito e, num ai-jesus de minha mãe Arminda, lá foi o padeiro com sua furgoneta até o Hospital de S. Teotónio; Meu osso, ao fim de algum tempo colou mas, sempre ficou um ligeiro desvio torto, neste braço esquerdo. Aquela queda e aquele caminho calhou que não foi o caminho do Céu mas, aquelas plantinhas silvestres escondidas no tufo da minha queda, seu delicado aroma de rosmaninhos com giesta ficaram agarradas ao meu sentido, um cheirinho de doçura das terras reverdecidas do M´Puto.

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 08:22
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Domingo, 2 de Novembro de 2014
CAFUFUTILA . LXXIV

SONS CUSPILHADOS Naquela aldeia havia grilos e ralos cantadores VIII

Por

soba3.jpg T´Chingange

estr0.jpgNaquela aldeia de minha mãe, minha também, havia grilos e ralos cantadores ao cair do dia; mais logo, eram sapos e rãs com coaxares de noivado e, lá para a noite escura o piar de mochos e corujas que me soletravam medos com os uivos de cães vadios. Diluído na negrura da noite, a névoa resvalava-se-me em uma sonolência doce; uivos latidos ou gritos na noite de escuros vales e montes cercados de brutalidade agreste, silvando-me melancolias de como quem penetra nas terras do seu desterro. Metido em meu roupão de flanela amarelo e de face arrepiada, ouvia o murmurejar duma chuva miudinha com uma natural moleza de humidade.

estr1.jpgMolemente, um espesso céu de algodão diluía-se-me em sonho dormido e eu, ainda pequenote, conduzia um jumento á trela até à manjedoura do chafariz bem ao lado da capela tendo como companheiro meu fiel podengo. Um homem sem barba, sem colete, sem jaleco, sem samarra nem dentes, acalmava seus cães que se encarniçavam contra o meu podengo. Havia um brasão de armas com cabras encavalitadas comendo parras de granito secular emoldurado com musgo enverdecido.

est4.jpgDo adro daquela capela podia ver-se na lonjura os contrafortes da Serra da estrela sem se distinguir com clareza as manchas de Mangualde, de Ceia, de Folgozinho. Daquela terra, minha e de minha mãe Arminda e, pela janela do sótão na casa do beco dos cabeças, via-se os telhados e a fumaça densa subindo para Deus tapando-o tal como dissera meu pai Manel quando cortava a côdea da broa; apontando as telhas, sempre dizia que aquela era para ele que padecia de fome. Eu, espreitava, espreitava mas, nunca o cheguei a ver!

estr2.jpgDali daquele janelo, podia ver-se lá longe na encosta da grande serra, a terra de meu pai de nome Nesprido, freguesia de Povelide, terra de bruxas como ele dizia quando falava de suas namoradas e lobisomens mais os ventos falantes. Podia ver-se também as ruazinhas da aldeia muito cheias de tojos, giestas e rosmaninho para fazer estrume e com sorte, ver o senhor Fragoso, botar penicadas para o beco; também se podia ver as muitas casas descascadas de onde também se esgarçavam pelas telhas vãs o fumo branco cheirando a pinhais.

estr3.jpgNos dias mais claros podia até ver-se um ponto branco na encosta, a ermida da senhora do castelo de Mangualde. O ar puro e fresco entrava na alegria da alma; lembro-me muito bem dos chocalhos e guizos a tilintar, as chibitas entre os muros enegrecidos pelo tempo ou abandono; Século seculorum, de densas negruras de fuligem, algures na Beira Alta.

O Soba T´Chingange      



PUBLICADO POR kimbolagoa às 17:09
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sexta-feira, 3 de Janeiro de 2014
XICULULU . XLII

DOIS DEDOS DE PALESTRA . Tempos de pagode . III

Por

  T´Chingange

Xicululu: - Olhar de esguelha, mau-olhado, olho gordo, cobiça

Meu avô Loureiro aprendeu a tocar violão com um madraço forrozeiro de nome Géninho. Comprou um violão em segunda mão e levava as horas vagas praticando os ritmos quentes; cada dia dedilhava melhor seu instrumento e, neste meu sonho hipnótico crepuscular ele já dominava o meio do pagode cantando modinhas como um qualquer brasileiro daquele abarracado de mukifos de bairro subindo para o morro e na forma de favela.  Mariquinhas, sua donzela de horas extras surgia inesperadamente e, a cada verso que vinha de meu avô, da boca da mulata era um arrulhar choroso de pomba com cio. António Loureiro, bêbado de volúpia enroscava-se todo em seu violão, ganindo, guinchando, miando; ele e violão gemiam ao mesmo gosto com todas as vozes de bichos sensuais penetrando o tutano como finíssimas línguas de cobra.

 No meio desta calaçaria eis que surge Dona Constância mãe de Mariquinhas chispando diabos, cobras e lagartos para cima do gaiteiro Loureiro, sua Mariquinhas estava prenha e, isso não podia ficar só assim. Após este embate o “Louro” Loureiro suavizou a gorda senhora e, nos dias que se seguiram, meteu o pau na vida umbigando-se entre quatro paredes dum despintado sobradinho. Loureiro que passou a ser conhecido por Louro Galego passou a ser muito solicitado nas muitas festas dançantes, nesta actividade de pagode ganhava uns cobres extras. Com ele, o samba, o bolero e valsas, não tomavam fôlego; a música, noite adentro, quadrilhas juninas, moças madraços e meninas dançando com muito riso.

 Louro Galego, todo ele estava um mestre de calaçaria, lascado de perdido nas noitadas de forró. Meu avô, de homem bem apessoado, foi-se transfigurando num galeto em vinha d´alhos, chupado de alento, tanto apego a tanto forró. Um dia e em surdina, comprou um bilhete no transatlântico Alcântara da Royal mail Line largando tudo só com a roupa do corpo fugindo franzino e pesaroso; com lágrimas salpicando-lhe as rugas fugia tísico largando a Deus suas duas filhas para tentar salvar-se nos ares puros de entre a encosta da serra da Estrela e Caramulo. Ao falar de Coisas próprias torno-me mais verdadeiro; uma estória como tantas que não acaba ainda porque, o mundo gira à margem destas vulgaridades.  

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 00:23
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sábado, 28 de Dezembro de 2013
XICULULU . XLI

DOIS DEDOS DE PALESTRA . Cantada de moqueca . II

Por

  T´Chingange

Xicululu: - Olhar de esguelha, mau-olhado, olho gordo, cobiça

Hipnotizado na forma crepuscular, ardia passivamente aos hábitos de existência vendo largos horizontes de céu alegre, mar e mata verde do selvagem Brasil, defronte de despenhadeiros ilimitados e chapadas sem fim, aonde o espaço surge como um reinado gigante e voluptuoso. Deve ter sido em parte ou totalmente submetido a esta a visão da nova terra, promissora de beleza que meu avô viu viveu e gozou. Naquele Rio de Janeiro e na fronteira de entre a urbe e a favela, ao seu redor existia um instinto feminino feroz e, que quando estivesse todo ele brasileiro, cheiroso e perfumado, teria avulsos dismilinguidos calores e condescendentes afagos; farfalhos gratuitos malucando a sua vida.

 Num ápice de tempo compactado no crepúsculo do meu sonho ou sono, pude observar nos seguintes dias os préstimos de Mariquinhas pondo-se à disposição dele, meu avô, obsequiando-o com exagerados rebolados de todos os seus atributos. Todos os fins de tarde, Mariquinhas, a horas desafogadas de clientes, aparecia a fazer compras na venda do senhor Joaquim, patrão de meu avô. Senhor Joaquim também ele português natural da Guarda, estava umbigada com uma morena cheia de compostas carne. Meu avô Loureiro, aboletado a estas fartas carícias e gratuitos afectos, tornou-se por assim dizer um “pobrezinho de Cristo” sentenciado a descumprir com o voto de fidelidade a sua mulher e minha avó Topeta.

 António Loureiro não era de pau e, não havia coração que resistisse a tanta tentação. Um dia seu Joaquim, que não era cego, disse-lhe: - Óh… António, o mundo é largo… Há lugar para gordo e para magro! E, é p´ra se gozar se, se não é capado! Tolo é quem não aproveita! Para bom entendedor, era o quanto baste; teria de crucificar-se às investidas de Mariquinhas que lhe dava volta à cabeça. Um dia, pelas cinco horas da tarde no capinzal e debaixo do jambo António Loureiro, com o espírito e corpo envoltos em fogo, libertou-se; tremendo num gosto de prazer invadiu-se de ais e uis, gritinhos picantes de cor violeta. O primitivo sonho de ambição estava consumado. Mariazinha perdeu seus três vinténs, seu cabaço; eu ganhei uma futura tia que veria a nascer nove meses depois, só que… 

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 00:05
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sexta-feira, 13 de Dezembro de 2013
MALAMBAS . XII

FELIZ NATALO meu presépio

MALAMBA: É a palavra.

Por

soba.jpg T´Chingange

 Alucinado num turbilhão de grandezas com comendas de grã-cruz e crachás, reflexo dum mundo inatingível ou longínquo, vertiginosamente vindo do frio, passa um trenó com um pai natal de gorro vermelho, no casco lateral lia-se patrocinio da Coca Cola; em ondas de ceda da cor  do gelo árctico e rendas vermelhas salpicadas de pendentes pérolas, as renas fumaçam esforço em suas ventas. Ou-ou-ou e, lá vai esbracejando para os lados de Alcafache.

Desatrofiado da cobiça, abdico dos meus privilégios, sentimentos que nunca saíram de meus chinelos impregnados a chulé e minhas largachonas camisas com riscadas galinhas d´angola. Estupefeito em sentimento de gente, embrulho-me em três vinténs de musgo, palha de feno e carolos de milho vendo a estrela cadente no topo da capela da minha aldeia, Barbeita. Afagando o menino Jesus debruço-me na humilde manjedoura fazendo-lhe cosquinhas no dedo grande; esforço-me nisto mas, ele não ri.

 O bafo quente do burro apoquenta-me as orelhas que se deliciam com os balidos dos meus cordeiros. A vaca muge sem tugir enfeitando o presépio com suas sarapintadas manchas de vaca leiteira. Nossa senhora, Dona Micas, de manto azul, olha para o meu tio São José interrogando-se pela demora dos Reis Magos; Era o presépio da aldeia nas encostas frias do rio Dão, a Barbeita do tempo em que eu guardava cabras e ovelhas. Os pinheiros estavam nas encostas da serra da Estrela a completar a vastidão do mundo real; ao longe as luzes de Mangualde, Ceia, Nesprido. Folgozinho, Nelas e frio quanto baste. A todos os meus amigos e, evitando invejas, também aos meus inimigos, votos de UM FELIZ NATAL. A todos, ofereço murmúrios de brisa e ciciados beijos envoltos em celofane, um laçarote em pétalas de rosas e asas de pirilampo fosforescentes.

O Soba T´Chingange 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 21:00
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Domingo, 15 de Setembro de 2013
T´XIPALA . XXI

MODÉSTIA CAMUFLADA . Parte da minha lenda . IV

Por

 T´Chingange   

T´XIPALA: - Fotografia, cara, rosto, personalidade, carácter    

Pelo afã de tourear o risco e pôr à prova a sorte, reclino-me num sofá bebendo champanhe oferecido e, comendo biscoitos picantes, brinco com os meus triglicéridos, glicemia, ácido úrico e a urticária com caspa. Acompanhado às vezes pelo meu amigo benemérito o hoquista Santos Pereira, herói com o prémio Governador-geral de Angola, lá pelos anos de 1962, recordamos os tempos de medo apertado na igreja do Quissoque, dos tiros vindos do escuro dessa mata grande do Mayombe, entre o Belize e Miconge. De tempo em tempo, lembro da necessidade de consumirmos os vinhos velhos depositados em sua cave, catacumbas aonde se amontoam líquidos já com sabor de rolha e, com bolores do bigode de Baco do tempo do jurássico. De todos os bafiosos líquidos, é o vinho espumante e champanhe os que, mais se aproveitam; saídos dos dinossáuricos tempos, apresentam-se com um elevado grau da bondade; bebíveis.

 Desprezando espectáculos frívolos de vida nocturna, das donzelas melancólicas de encaracoladas jubas e piercings no nariz e lugares mais exóticos acompanhadas de galãs de cabelos esticados, recordamos coisas da guerra, heroicidades imprevisíveis e náuseas vulgares duma guerra em terra de gorilas; um contraste de modo de vida raiando sussurros, bizarros na forma, grunhidos injuriados. Durante anos, ambos estivemos à espera desse apego camuflado, assim como um amor incontestável que hiberna durante anos, tendo agora a oportunidade de germinar na forma de inchadas recordações com feitos de assombro e elogios desmesuradamente pirrónicos; Estávamos mesmo em estágio de viagem lunar trocando galhardetes de sítios marcantes, assim como pústulas das nossas vidas.

   No ano da desgraça de 2013, nos nossos amiudados encontros no decorrer do verão, damo-nos conta que agora, nada podemos adicionar no capítulo de heroicidade e, muito menos com a crise rondando e rosnando ao nosso redor como lobos esfaimados ratando-nos bolores de juventude. Ninguém desde comerciantes professores ou funcionários do estado estão contentes com a sua sorte, o que quer dizer com o seu governo. Os portugueses parecem resignados às falhas de carácter, amolecidos na perca de direitos adquiridos e irregularidades na forma de roubo, resignam-se à subsidio-dependência com soluços de fatias de desemprego, ou esmola de reinserção social; tudo envolto em corruptas diligências de burocracia e ineficiente justiça, num decadente deslizar para a pobreza. Contra tudo isto, só uma raiva crescente contra desigualdades com regalias desajustadas dadas a muitos políticos, gestores de alto coturno, governantes e militares de estrelas a coçar preguiça ou os teodósios nos quartéis. Como mudaram os tempos; de sopas de vinho com broa, para chiclete com banana!

(Continua…)

O Soba T´Chingange     



PUBLICADO POR kimbolagoa às 00:24
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quinta-feira, 5 de Setembro de 2013
T´XIPALA . XVIII

MODÉSTIA RESTOLHADA. A minha lenda . I

Por

 T´Chingange    
T´XIPALA: - Fotografia, cara, rosto, personalidade, carácter    

Ensinando-me em normas de modéstia restolhadas, com ternura de amor, venço com generosidade e por graça de meus guias os obstáculos do pensamento. Num condimento sem água benta, xaropes malcheirosos, ou agulhas de acupuntura a modos de parecer um zumbi, daqueles de lançar feromonas de crenças de kinguila e, salpicadas de pústulas. Como presença constante trago com suavidade, a imagem de minha avó Topeta de nome e, adjectivadas alcunhas aos restos de minha vida. Ela, era uma senhora alta, rosto, olhos, e testa larga e alta quase sempre tapada com um lenço colorido comprado na feira de São Mateus de Viseu; também usava um vestido de luto escuro às bolinhas brancas em memória de seu marido e meu avô já “a fazer tijolo” há muitos anos.

 

 Este avô materno de nome António Loureiro, deu-me demasiadas nuances ao quebra-cabeças de minha vida semeando em mim nebulosas visões; tendo ido para o Brasil abarrigou-se com uma escaldante mulher de tez morena ao qual fez duas filhas e, após muitos anos de folguedos carnavalescos, voltou tísico para se defuntar num repentemente, sem falar com os anjos certos ou meter cunhas no sanatório do Caramulo. Quem não se lembra desses tempos ainda recentes de gente com tuberculose que se juntava nos largos das termas e praças públicas cuspindo escarretas de todas as cores para a calçada; dos velhos com cajados de marmeleiro contando bazófias de encruzilhadas do Zé do Telhado e da Maria da Fonte e, até os hospitais desse tempo tinham bacias próprias para com o produto cuspo, fazerem grafites coloridas de nojice. Jesus, credo!

   Tudo aquilo do passado e fazendo parte do meu genes, surge amiudadamente na imagem e, sempre, sempre, bulindo, vejo a minha avô sentada no adro da igreja como uma amarelecida foto já sarapintada de bufas calcinadas de moscas pré-colombianas; que ria com os dentes todos parecendo sacholas brancas mordendo o ar e seu xaile em tons escuros, tapando os tornozelos. Nesse local de fartas e largas vistas as oliveiras salpicam os lameiros próximos e mais longe e muito longe pode-se imaginar o maninho com giestas, rosmaninho, urzes e carvalhos bordeando cerdeiras e manchas verdes de muitos pinheiros; por detrás de tudo isto e envolto na neblina do vale do rio Dão, vê-se os cumes brancos de neve da Serra da estrela.

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 12:57
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Terça-feira, 27 de Agosto de 2013
CAFUFUTILA . XLII

PARA REFLETIR No tempo em que eu era o Tonito 

Por

 T´Chingange

   Desde sempre e, que me lembre de ser gente, observei que as leis foram inventadas pelos fortes para dominarem os fracos que são muito mais; sempre observei amizades incipientes desde o tempo em que os cuspidores de prata eram usuais e era admissível ou, sem reparo, cuspir-se em público; sempre foi mal visto o acto de cuspir para o ar e até havia a polícia dos costumes a multar incumpridores que cuspiam para todos os lados fazendo grafites com escarros coloridos e até raiados de tísicos assombros com desenhos obscenos; havia os rufias catadores de aconchegos entre as putas dos cais que usavam a cuspidela na cara dos outros como extremo desprezo. Os estudantes gozavam com a lei acendendo isqueiros segurando uma telha por cima de suas cabeças; era lei no uso de isqueiro, pagar um imposto com isenção quando usados debaixo de telha. A lei mesmo que absurda, torna o impossível admissível.

   Hoje já não se vê escarradeiras nos corredores de hospitais ou salas de espera, nem mesmo nos casarões palacianos mas, aí por mediados do século XX, recordo os casinhotos de retrete da minha escola, um lugar da Beira Litoral chamado de Barbeita a escassos quilómetros de Viseu; neste tempo, ia para a escola como no tempo da idade média com uns tamancos feitos em madeira de pinho e recobertos com couro de boi na sua cor original; as retretes da escola ficavam no fundo do pátio, casinhotos mal cheirosos tendo no seu interior uma barrote longitudinal em cima de um estrado, um tudo nada mais elevado de forma a ser usado de cócoras; As frestas eram mais que muitas que o inverno congelava o rabiosque. Ali se apoiava o rabo ficando com o sim-senhor ou fio-fó por cima do esterco fedorento; periodicamente alguém, talvez o continuo, botava ali giestas, alfazema, alecrim ou rosmaninhos para atenuar o mau odor e o aspecto repelente. Escusado dizer que aquele barrote estava imundo de sebeiroso, mesmo com merda seca.

      Hoje que penso muito e rezo pouco, recordo os tempos em que ninguém, mesmo dando pontos sem nó, os primos escolhiam recantos rupestres para se amarem entre monturos de palha e farfalhos de milho, descobriam ali segredos de seus corpos acariciando-se com curiosidade, averiguando as diferenças aturdidos pelo pudor, mais tarde a culpa, maquilhada com muitos tabus de sacristia, ai Jesus, credo, que Deus nos ajude. Naqueles tempos, mesmo sem crise, íamos crismando vergonhas de pobre e, havia muitos, muito mais que agora. Hoje a pobreza será outra, a das pessoas arruinadas porque perderam o perfil e, agora são obrigadas a aparentar o que não têem; tudo por força da crise e roubos subtraídos pela lei do governo, outra vez a velha lei. Creiam, … Isto vai continuar como sempre foi, uma merda.

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 07:18
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

RELOGIO
TEMPO
Weather Forecast | Weather Maps
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
15

19
20
22
23
24
25

26
27
28
29
30


MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
CAIXA MUSICAL
CONTADOR
contador free
ONDE ESTÁS

Sign by Danasoft - Myspace Layouts and Signs

blogs SAPO
subscrever feeds