Sábado, 5 de Agosto de 2017
MOAMBA . XI

MOAMBA . XIV

A NUDEZ DA VIDA – 05.08.2017 -Temos de ginasticar a mente! Terei de continuar espiralado para dentro até minimamente entender o que será o colapso do átomo…

Por

t´chingange.jpeg T´Chingange

De acordo com a teoria da relatividade, se a luz não consegue ir de uma região a outra, nenhuma outra informação o consegue. O mais lógico e possível é dizer que Deus escolheu a configuração inicial do Universo por motivos muito para além da nossa compreensão. Isso sem dúvida estaria ao alcance de um ser omnipotente, mas, se Ele começou o Universo de maneira tão incompreensível, por que optou então por deixar que evoluísse segundo leis que pudéssemos entender?

:::::

Tendo o hidrogénio um único electrão orbitando o núcleo, afirma-se pelos cientistas recentes, que pode agora ser vista como uma onda com um comprimento dependente da sua velocidade. Fiquei sabendo que as somas de histórias podem ser visualizadas na dualidade, onda e partícula. Mesmo que queira escalpelizar esta forma de atracção gravitacional do Sol, não o poderei fazer sem estudar a atracção entre electricidade positiva e a negativa que mantém os electrões.

funa3.jpg Há no entanto questões ainda sem resposta, sendo a mais fundamental delas explicar como a relatividade geral pode ser conciliada com as leis da física quântica para produzir uma teoria completa e auto-consistente da gravitação. A generalização tem implicações profundas no nosso conhecimento do espaço-tempo, levando, entre outras conclusões, a de que a matéria (energia) curva o espaço e o tempo à sua volta. Isto é, a gravitação é um efeito da geometria do espaço-tempo.

.::::

Supõe-se que as histórias seguem seu trajecto de A para B associadas a dois números em que um representa o tamanho da onda e o outro a posição do ciclo. Bom! Esta do ciclo tem como uma onda, a sua crista e o seu vale, tal como uma sinusóide. Num vasto ciclo de ondas num mar, o surfista sempre aguarda a sua onda, a tal! Um surfista muito cheio de sorte joga com as probabilidades de ter uma onda considerável, dispensando muitas outras que não dão as condições optimizadas à sua prancha, sua partícula.

:::::

A probabilidade será assim como uma prancha partícula a ir de A para B obtendo no conjunto a soma de ondas para todas as trajectórias. E, há variações enormes, umas ondas são grandes e outras quase rasas, que associadas se anularão uma às outras de maneira quase exacta. Formular isto em equação matemática concreta, torna até aparentemente simples calcular as órbitas permitidas em átomos e moléculas, com átomos unidos por electrões que orbitam mais de um núcleo.

MAGA11.jpg Voltamos assim ao “princípio da incerteza” tendo a estrutura das moléculas e suas recções entre si, formar a base da química e biologia, em princípio a mecânica quântica que nos permite prever quase tudo o que vemos à nossa volta. Para conceber isto, seremos obrigados a interpretar as antigas pinturas em que os Santos ou gente santificada tinham um halo de luz envolvendo suas cabeças; explicação grosseira mas plausível de entender.

::::

Se considerarmos isto dito dentro dos limites estabelecidos pelo “princípio da incerteza”, teremos antes de entender um outro princípio chamado designado de “antrópico” que credita o lema de vermos o Universo da maneira de como ele é, porque se ele fosse diferente, não estaríamos aqui para observá-lo.  Bom! Entretanto os teoremas da “singularidade” indicam que o campo gravitacional ficará muito forte em pelo menos duas situações: - São elas “os buracos negros” e o “Big Bang”!

DIA76.jpg Poderemos prever a derrocada da relatividade clássica quando os átomos alcançarem uma densidade infinita. Juntando nosso entendimento às demais forças da natureza, ainda serão necessários fundir-se muitos fusíveis do cérebro e cerebelo com seus neurónios e, muitas gerações a se arrumarem na relatividade geral e na mecânica quântica. Teremos forçosamente de ginasticar a mente. Podemos dizer que é esta “Uma breve história do tempo” de Stephen William Hawking.

FILOSOFO1.jpg William Hawking, é um físico teórico e cosmólogo britânico e um dos mais consagrados cientistas da actualidade. Doutor em cosmologia foi professor de matemática na Universidade de Cambridge. Em 1964 foi-lhe diagnosticado ter esclerose lateral amiotrófica mais conhecida por doença de Lou Gehrig ou doença do neurónio motor. Vulgarmente diz-se que isto ou aquilo em comparação com algo é relativo; Ele o físico, é em seu próprio ser, como figura, bem a prova disto.

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 10:48
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sexta-feira, 4 de Agosto de 2017
MALAMBAS CLXXIX

NAS FRINCHAS DO TEMPO - 20.07.2017 - (Parte 3 de 3) - Aqui no Pilanesberg de África, apaziguando rijezas adversas, perfilando anjos com a singularidade do mundo …

Por

soba10.jpg T´Chingange

Neste mundo global, qualquer fagulha serve para atear quenturas mas em África, é muito mais natural porque sempre se usou a cinza das queimadas para renovar os pastos. Tenho observado como os animais da savana africana adoram esses rebentos saídos da terra. As noites são frias acumulando geada nas tenras folhas, que por sua vez lhe dão vida ao penetrar em suas raízes. Nos últimos dias os javalis facocheros joelham-se fuçando a terra ainda húmida bem junto à berma das picadas sem se perturbarem connosco; ali ficam em varas exibindo-se sem medo.

bra1.jpg Já os homens, com suas diabruras muito cheias de corruptas ousadias, amachucam-se entre si usando seus instrumentos de poder, suas artimanhas de logro para obter dividendos. Hoje é N´Zuma e amanhã será um outro a cantar vitórias e, tal como o EDU de Angola perpetuar-se-ão até exaurirem o cansaço do povo à semelhança de Roberto Mugabe do Zimbabwé. Para ver se fico manso com Nosso Senhor, continuo a ler o evangelho de Saramago usando até seus sufixos, esboços de suas falas menos ceifadoras para não me pecar,

:::::

E, porque, até uma árvore geme quando a cortam e, as palavras têem o valor que têm segundo nossas convicções ou ficções. Com verdades indecifráveis, muito cheias de ofensas ou entendimento falaram-me de uns quantos anjos voando sobre a África desde a Cidade do Cabo, até o Cairo como o sonho de Cecil Rodes espalhando ódios de raças. Como metáforas enraivecidas dizem-me que a América e Inglaterra vão ficar falidas e cheios de dívidas. Que a Inglaterra será totalmente aniquilada, pois até a sua terra será queimada com uma invasão liderada pela Rússia. E, que esta invadirá a Europa, através da Turquia usando armas terríveis.

;;;;;

Mas que coisas mais tenebrosa que meus amigos apóstolos de África me dizem. Não tenho de acreditar e, nem o quero porque na destrinça de nossos quereres perturba-me a probabilidade dando-me conta entre reflexões, que nunca unirei as pontas. Ficarei atando e desatando nós de sim, mas não, não, mas sim com o não sempre se retorcendo como coiro queimado nas pontas. Querem fazer de mim, torresmo! E transcrevem-me as profecias dizendo que a África do Sul entrará em uma guerra civil em um ano de eleições. Pópilas! Estamos quase em cima delas- 2019!

massau4.jpg Mais me dizem que as profecias referem que após a morte de um líder negro, será exibido em um caixão de classe nos Edifícios da União. Líderes mundiais o irão homenagear! Mas isto já sucedeu com a morte de Mandela! Matizado nos arrebates da imaginação de que cada qual soma um ponto ao conto, rogo que percam com o tempo e na distância, a convicção de que assim será! Que o não seja! Nem poderá assim ser, uma perca de pontos ao não milagre. E, se realmente o houver, que vire uma coincidência infeliz porque por experiência, sabemos que bem estaríamos nós, se tudo na vida fosse prendas e só bem-estar.

:::::

Pois vou ter de dar por finda esta incursão no campo das profecias porque a solidão nos será mais pesada do que uma pedra amarrada ao pescoço, preferindo das notícias proféticas, recolher as de felizes consequências, dos corriqueiros milagres que preenchem uma vida. E, querendo o Senhor, viermos em crer no que nos foi dito, mas, entre tantos, muitos ficarão á espera de que o Senhor mude seu entendimento, por choro, por um desgosto ou por um último suspiro.

valdir5.jpg Hoje assisti à corrida de uma chita na savana de Pilanesberg; a cabra springbok foi alcançada e logo em seguida suas três crias surgiram ajudando sua progenitora a transportar a presa para um lugar dissimulado a uns escassos 30 metros da picada. Na natureza a vida e a morte conciliam-se fora da mistificação de gente ímpia, a ocasião pode sempre criar uma necessidade e, se ela é forte, terá de ser ela, a necessidade, a fazer a ocasião. Aqui não há o lado bom e o mau. É a sobrevivência!

koisan1.jpg Se Deus quiser, quando assim se fala, ouve-se das bocas mais incrédulas sentenças bem acabadas mas, pela natural força do subconsciente porque cada um tem o seu próprio destino, seus próprios milagres, suas próprias palavras que trilham seu caminho. Porque na vida tudo é relativo, uma coisa má pode até tornar-se sofrível se a compararmos com coisa pior ou, o inverso que também é verdade. Em tudo, haverá sempre um propósito de fé! Que poder poderá ser dado a alguém que morreu! E, como ficamos se esse ser for uma springbok?

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 10:29
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quinta-feira, 3 de Agosto de 2017
NIASSALÂNDIA . VII

MULOLAS DO TEMPO – 02.08.2017 - Nós e o mundo … Teremos de nos regularmos em boas marés porque as brisas esbarram em caricias amigas…

Niassalândia é o meu país.

Por

soba15.jpg T´Chingange  

A Um de Fevereiro de 2016, Eduardo Torres o poeta Xi-Colono, amante do deserto Naukluft, divagando fora da sua serena poesia, falava de mim em prosa: -Curiosamente, só vim a conhecer o António Monteiro, quando, residindo em Portimão, tive oportunidade de estar com ele na casa do meu amigo Santos Pereira, já lá vão largos anos, e sempre o conheci bem-humorado, ora pedalando na bicicleta em circuitos organizados, ou como caminheiro em longas andanças por montes com cardos e estevas.

nauk01.jpg Em realidade o nosso primeiro contacto (digo eu) foi em Windhoek, capital da Namíbia e, estando eu em companhia de Dionísio de Sousa também conhecido por Reis Vissapa que ia desbravar o Okavango na tentativa de por ali ficar; seu sonho era ter um lodge junto ao rio que lhe trazia muitas lembranças desde o tempo em que trabalhou na Brigada de Hidrografia no rio Cubango entre outros. Ele por ali bivacou em casa de Miranda Khoisan às margens do Kubango por algum tempo e, eu regressei a Windhoek tendo ficada por uns dias no hotel Continental.

:::::

Foi neste então que nos conhecemos, assim como a suas filhas Paula e Sónia que trabalhavam em uma agência de viagens. Foi aqui que me apresentou ao Cônsul de Portugal na Namíbia. Recordo que foi Sónia que teve a amabilidade de nos marcar o booking para o Etosha Park em Okaukuejo! Dito isto, vamos continuar com as caricias de meu amigo: Monteiro, para manter o físico e não perder a boa disposição, andava de bicicleta indo de Silves a Sagres.

nauk03.jpg Regressava partido de roto, após ter percorrido seus 120 quilómetros. Depois uma sardinhada bem regada com água de Pegões e uma soneca para retemperar músculos, dizia ele. Preparava-se para ir a Fátima a partir de Albufeira, coisa que acabou por fazer em três anos seguidos; isto, só o vim a saber mais tarde! Considerei o Monteiro sempre um "bom vivant", alinhando sempre com a esposa como muleta, uma disposição que os tornava um casal simpático e acolhedor.

:::::

O Monteiro tem as suas páginas no FB e, de quando em vez lembra-se de transcrever qualquer escrito meu que para ele possa ter interesse. Em verdade, o Monteiro, acaba por me divertir, porque usando a sua veia criadora, sua banga ninita misturando excertos de artigos diferentes, assim como um preparo cozinhado com frutos do mar e bizarrocas receitas. Algumas vezes permite-se ao luxo de introduzir novidades, para mim, de sua autoria.

nauk1.jpg Ele lá tira as suas ilações, e altera o conteúdo como deve alterar a receita, quando cozinha com seu pau de cabinda mordido na ponta para sentimalizar o preparo. Num dos últimos artigos que escrevi, afirmei lembrar-me da primeira vez que tinha comido camarões trazidos pelo meu pai, de Benguela, isto, penso, que nem a segunda grande guerra se iniciara; o amigo Monteiro acrescentou, que teriam vindo num Jeep Willis, para dar ênfase às sua bafunfadas inventações e, poder poeticamente comparar a um brinquedo que o compadre do meu pai, Bartolomeu de Paiva, me havia oferecido pelo Natal alguns anos depois.

:::::

Estabelecendo assim uma comparação, de duas épocas diferentes, porque na primeira nem jeeps havia, e na segunda já apareciam miniaturas de viaturas utilizadas durante a guerra que estava devastando a Europa. Isto não tem nada de especial, mas não deixa de ser interessante a sua intervenção no sentido de tornar mais forte a razão do acontecimento registado.

nauk4.jpg E, Edu continua seu discurso na primeiríssima pessoa: Quem te conhece, sabe como tu és, sério, honesto, amigo do teu amigo, mas gostas de deixar sempre a tua marca, uma ferradura, e pela minha parte, podes continuar a fazê-lo porque até é uma maneira de me divertir... E, até porque não tem importância, e pode acontecer ser por uma questão de interpretação!

:::::

Aliás, agradeço quando públicas o que escrevo, uma prova de apreciação da tua parte (fim de citação). Assim, abruptamente termina sua esponjosa lengalenga bonita de chorar bem no topo de uma duna do Naukluft e, vendo as sombras a roerem-nos o pé. Em seu tempo, creio ter-lhe agradecido mas, agora que a revejo aqui na terra do biltong no Gauteng, envio-lhe uma saudação neste meu jeito suave de não perturbar a rigidez de suas rimas, sua direitas posturas sem antas nem adendas nem fumaças de caricocos envoltos em papel preto e doce.

nauk8.jpg Em remate e, bordado a lentejoulas das terras de largas vistas ao sul do M´puto, Júlio César, Doutor professor de números e contas, que só conheço através do Facebook, dono de palavras honorificas e sem Ferrolho, tranca o tema tecendo as palavras como laivos de própolis, um antibiótico salutar: -O António Monteiro é um criador de estórias que usa a língua portuguesa condimentada em sabores de kimbundo e doces crónicas dele próprio e dos amigos. E, porque terminou assim, em mel de abelha, tenho de expressar aqui e agora a minha gratidão a ambos. 

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 07:37
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Terça-feira, 1 de Agosto de 2017
MUJIMBO . CVII
NAS FRINCHAS DO MEU BAÚ . 01.08.2017 - Guetos, somos todos nós, brancos e pretos - José Eduardo dos Santos é um homem banal. Não provoca a ninguém um virar de pescoço quando entra num salão...
Frincha : É a ranhura do tempo...
Por

soba10.jpgT´Chingange

Entre dúvidas escondidas no pormenor de factos conhecidos, dou-me conta que as frinchas, mostram versões velhas a que eu não forço ao pormenor para não suscitar ranhuras com os gigabites alheios, referindo tão-somente o que me parece ter lógica porque, por mais que nos esforcemos, há coisas que sempre ficam na charneira do mujimbo, do boato.

okakau1.jpgAgora que vai haver eleições em Angola, recordo que Jonas Savimbi, sempre recusou o abandono da luta pelo que achava certo, não escolhendo cenários de exílio dourado como outros o fizeram e, foi o único dos líderes angolanos que sempre viveu e lutou no seio de sua terra, sua pátria,digo eu num propósito de dialogar com as duvidas de muitos.

:::::
A ela, Angola, tudo deu sem nada tirar, ao contrário de outros com contas, palácios e mansões no exterior e o desperdício de gastos, assim como a compra de um relógio de 500 mil euros por um filho do Edu, o plenipotenciário presidente. Um filho que só se baba de prepotência sem nunca ter trabalhado em algo visível; que nada fez em prol do povo! Fisicamente Savimbi morreu mas, seu espírito está em toda a parte, mesmo fora de Angola! Alguém em seu nome continuará a ter quem defenda essa cultura, esse povo, essa forma de ser e de estar! Li algures que está enterrado em um humilde cemitério de Luena.

brig4.jpg Um amigo meu do Okavango no seu jeito enigmático de sempre deixa uma prega solta na minha costura frinchada disse: -Ele está vivo! Algures num lugar palaciano e bem protegido; aquilo de sua morte foi uma farsa muito bem engendrada pelas grandes potências. Vejam só o que a mente humana pode arquitectar (penso eu)? O que viram em fotos é uma tramóia muito bem-feita, um sócio de Savimbi e, não é certo saberem aonde ele foi enterrado para evitar um rodopio de peregrinos, disse este meu kamba. Desacreditei disto com um muxoxo fingido de consentimento.

:::::
Não acredito nesta sua versão, disse eu por fim, não tem lógica porque mostraram o corpo dele em várias posições e eu até pude referir em tempos que ele se teria matado pois que na foto de Grande Reportagem do M´Puto podia ver-se um furo em seu queixo do lado direito. Era ele sim! Ele era destro! Rematei em termo definitivo! Meu amigo, deu de ombros assim como dizendo que cada qual ficava com a sua opinião. Não forcei a nota mas, ando matutando em sua fricção; acontece hoje tanta coisa estranha!?

kunene1.jpg As nossas conversas rebrilhando nas águas do Kubango vespertinavam com a kúkia (pôr-do-sol) bem no horizonte angolano e, por detrás de seus brilhos Andamos para trás ou para a frente de forma aleatória e por serem já coisas diluídas nos cacimbos e kiangalas, podemos ornamentar os factos com ausência de espanto; de só mesmo matando o tempo, de só falar ! Recordamos a muita diplomacia lodosa, de quando Jonas Savimbi chamou «garoto» ao então ministro Durão Barroso Esse que esteve no comando da UE.

:::::
Por seu turno, também recordamos quando João Soares, numa entrevista ao semanário Expresso, classificou os dirigentes angolanos como «um bando de cleptócratas»; talvez ele mantenha essa opinião, só que agora com mais fortes razões de o serem! E, as relações escondidas, que o Dr. Soares seu pai já defuntado, manteve confidenciais durante muito tempo, em virtude de «não querer que isso fosse do conhecimento da Internacional Socialista e, onde o movimento da UNITA não era reconhecido».

kunene.jpg Esclarecedor! De quando Mário Soares de visita às Seychelles, em 1995, em conversa informal com os jornalistas, após o jantar, falou de Angola (que visitaria oficialmente no ano seguinte) e sobre os líderes em confronto, emitindo esta opinião: «José Eduardo dos Santos é um homem banal. Não provoca a ninguém um virar de pescoço quando entra num salão. Enquanto que Jonas Savimbi tem uma presença esmagadora! É um verdadeiro líder africano!». Tarde piaste, digo de mim para mim mas, e aqui corroboro com ele! Disse eu ao meu amigo Mac Guiver de faz-de-cota, que me olhou sem espanto!

:::::
Da minha conversa com Mac Guiver, nunca pretendi recolher dados comprometedores com ele e, sempre o vi como um bigfive que nada mais fez do que dar continuidade à sua vida, tal como o fazia na Chibia, do outro lado do Kubango mas, sempre me pareceu ser um profundo conhecedor de todos estes relacionamentos de fronteira.

kunene2.jpg Estava escrito nesta frinchas que a Jamba era o centro nevrálgico alfa no tráfico de marfim, diamantes e madeiras preciosas. Savimbi teve de recorrer a este património mas, o governo mwnagolé da Luua, despilfarrou muito mais em proveito seu, dos filhos e de toda a nomenclatura. Agora, mais kota, recordo que as interrogações ente eu e Mac Guiver faz-de-conta, sucumbiram em sorrisos, um indício de quem sabe, mas desconhece, perpetuando uma amizade de cavandelas...

O Soba T´Chingange


PUBLICADO POR kimbolagoa às 09:57
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Segunda-feira, 31 de Julho de 2017
MALAMBAS CLXXVIII

NAS FRINCHAS DO TEMPO - 19.07.2017 - (Parte 2 de 3) - Aqui no Limpopo de África, apaziguando rijezas adversas, perfilando anjos com a singularidade do mundo …

Por

soba10.jpgT´Chingange

Ao sol do Calahári e em sítios chamados de Gauteng e Limpopo, limito-me a ver e a ouvir a transpiração do medo, de como será quando a mancha negra querer suplantar-se á mancha branca fazendo ruir as filosóficas teses de eugenia importadas da bretanha puritana. Durante os tempos, pastores e ideólogos seguidores de suas verdades tentaram mudar por selecção o arco-iris das gentes transtornando a sustentabilidade social da África. Surgiu assim a política do apartheid que tornou a África do Sul, num lugar de difícil conciliação entre as diferentes cores de pele; prática de difícil harmonia com os padrões da natureza.

:::::

Surgiram as lutas entre Ingleses, Bóeres e Zulus envoltas em teorias de submissão com místicas que se fizeram prevalecer entre soluços africânderes, saltos de guerra Zulus, nenhures Khoisans e a pré-potência colonial britânica. Vi centenas, senão milhares de campas em cemitérios cobertos de capim por entre fragas esquecidas de África; gente que se entregou à luta por uma fatia de independência e sempre perseguidos pela incompreensão do mundo. 

boher3.jpg Para compreender a turbulência das mentes, teremos forçosamente de entrar no mundo do paratrás, relembrar aqueles velhos ditos das profecias duma tal sexta trombeta a soar alarme em dó maior; da guerra que se avizinha com as previsões do homem das batatas e, também pelos exemplos sociais africanos do Cairo a Kape Town gravados na política de países a tons deslavados, como as pinturas de batique do género de Xipamanine que mostram caveiras entre ossos amolgados com talas de falas espiritualmente supersticiosas.… 

:::::

Aos velhos, será cruel deixá-los privados de respostas e será de bom senso até, não se lhes fazer perguntas de passados não amistosos porque dos muitos dias, das muitas noites, das muitas injustiças pode sem se querer saírem à luz do tempo a mostrar as gigantescas presenças de feridas mortais. Angola, Zimbabwé, Togo, Nigéria, Senegal, Burquina, Moçambique e tantos outros. E, o preto que mata branco, que lhe rouba a fazenda, do branco que mata preto porque é turra; daí abrirem-se gavetões, com ossários feitos pó pelo tempo. Que importância terá, saber-se agora se a mulher de Lot em Sodoma, ao olhar para trás se transformou em sal-gema ou sal marinho.

boher6.jpg Ou, até saber se a embriaguez de Noé, foi de vinho branco ou de vinho tinto se neste agora sabemos poder estar a ser tramados até os tornozelos. Afinal a cor de Noé era indistintamente um albino! Ninguém tem condições de desmentir esta suposta mentira, porque os escritos não faziam menção desta particularidade tão cheia de superstições. Tudo misturado com profecias de despertar duendes sem sexo ou kiandas sem nexo, tudo a provocar adrenalina. Crer ou não, sempre serão preocupantes por se manterem coladas aos cerebelos.

::::

Em 1916 Johanna Brandt recebeu uma visão de um anjo que lhe mostrou uma terrível cena de horrores e males que se aguardavam em Johannesburg. Os negros estavam-se organizando em segredo cortando o poder por dentro e ao redor da cidade. E, tudo aconteceu inesperadamente. Nisto, ela os viu espalhar-se pelas áreas residenciais matando brancos. Milhares e milhares morrerão durante a "Noite Egípcia" que descerá sobre a cidade! Disse o anjo….

boher7.jpg Ela, a Johanna disse: Quando vi todos os corpos mutilados à minha volta na visão, eu gritei: Isso não pode ser, porque não há tantas pessoas em Joanesburgo! Ela estava no ano de 1916, cento e um anos atrás. Sentado em umas velhas e reaproveitadas solipas grosas de ferrocarril, escrevo isto sem saber se correr para norte ou para oeste, sem plano de fuga certo, incrédulo até. Só de mente transtornada lá fui correndo para Sul, terra de Paul Kruger junto ao Orange River refugiando-me no buraco de Kimberley assim como fazem as suricatas, como o fizeram eles em tempos - os veteranos bóeres fugidos dos ingleses.

boher8.jpg A vida é uma odisseia neste mundo global; estas nuvens negras que em nada ajudam a compreenderem o belo que a vida realmente tem. Hoje e depois de dar a volta à reserva de Pilanesberg ao lado de Sun City e, já no final do roteiro, depois de ver vários animais, desanimado por não ver o elefante, um dos big five, qual o meu espanto ver este enorme paquiderme, cortando pela raiz pequenos arbustos junto à vedação do Bakgatla, minha ocasional residência…

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 10:14
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Domingo, 30 de Julho de 2017
CAFUFUILA . CXXIV

ONGWEVA DO TEMPO - KIANDA ROXO – 28.0.2017 - 20ª parte

Kiandas e calungas! De novo em Massangano… O futuro dos povos bantus ainda anda a ser fabricado…

Por

t´chingange 0.jpgT´Chingange

De novo em Massangano fui ler os catrapázios guardados numa tão velha arca que, até os aloquetes tiveram de ser arrombados com um improvisado escopro e uma maceta com cabo de pau-ferro. Foi assim que retirei um rolo meio a se desfazer muito atacado de bolor estórico com as pontas quase a se separarem por rachadura. Levei à vontade três dias a aquecer o mukifo tão insalubre; entretanto andei pelo mato à procura das resinas apropriadas para enrijar aquele papel em rolo de laço folgado e a se  desfazer.

:::::  

Com muito cuidado lá consegui estirar a folha, entornar nela o verniz ligeiramente aquecido e, com muita sorte vi que o grudar da resina na velha tinta das letras traçadas com pena de pavão, ressaltaram-nas ficando assim quase salientes e de melhor leitura. Como a sombra, a história tem obscuridades e, foi a palavra escrita na parte superior direita que me despertou ainda mais curiosidade: - Dun. Mais abaixo podia ler-se Balthasar Van Dun, oficial da Companhia das Índias Ocidentais Holandesas.

roxo128.jpg Sabe-se da estória que quando o almirante holandês da Companhia das Índias Ocidentais tomou Luanda, os portugueses fugiram todos para Massangano, e por ali permaneceram durante a ocupação, até à chegada do luso-brasileiro Salvador Correia de Sá e Benevides, que reconquistou a Fortaleza de S. Miguel, na baía de Luanda em 1648.

:::::

Vim a saber neste então muito posterior àquela onda do tempo que a construção deste Forte tinha também em vista a defesa das redes comerciais de mercadorias tais como cera, peles, dentes de marfim, pedras preciosas mas, e especialmente da venda de escravos às Américas, e também para segurança do presídio de Massangano, que a monarquia portuguesa utilizava como local de degredo.

:::::

Pois é aqui que situo a minha epopeia neste romance mussendo de três continentes por via de seguir a peugada das kiandas, kwangiades ou calungas Roxo e Oxor de Guaxuma. Pois, em uma outra minha andança ao serviço da rainha de Portugal D. Maria I e, com o cargo de tenente, tive de escoltar uma leva de prisioneiros participantes da chamada Inconfidência Mineira nos fins do século XVIII, um movimento militar no Estado de Minas Gerais do Brasil.

roxo138.jpg As vidas são assim, intemporais e fui no ano de 1790 chamado desde a vila de São Vicente para escoltar presos militares, uns revoltosos capitaneados por Joaquim José da Silva Xavier, conhecido pela alcunha de Tiradentes. Reclamavam contra o pesado pagamento de um tributo em ouro cobrado aos mineiros brasileiros pela coroa portuguesa e, vai daí e para exemplo enforcaram o Alferes por liderar aquela insurreição.

:::::

O curioso disto são os contornos que dão às conjuras para aproveitamento político e, vai daí o pobre alferes viu-se metido em alhadas pelos ideólogos políticos que conjugaram o facto, tal como sendo uma revolta a favor da independência do Estado de Minas Gerais. A tal revolta, quase uma inventação a que chamaram de Inconfidência Mineira. Reinava então a rainha D. Maria I e, ainda estou para saber por que carga de água, fui eu o nomeado para tal tarefa, quando um sargento ou cabo-de-guerra o poderiam fazer sem transtorno algum para a administração.

:::::

A estória tem assim destas nuances, mas vim a saber que diplomaticamente assim fui nomeado para me retirarem do Comando da capitânia de São Vicente. Já naquele tempo havia bufos que enchiam as orelhas às gentes de mais galões e querendo livrar-se de mim, um inveterado rebelde que não via a monarquia com bons olhos, aproveitaram a deixa e lá me mandaram para aquele longínquo presidio às margens do rio Kwanza. Há bens que vêem por males…

maga5.jpg José Alvares Maciel era o nome mais sonante de entre aqueles degredados e com quem ainda mantive alguns contactos. Foi por ele que vim a saber ser esta peripécia urdida pelos políticos; sei que veio mais tarde a ser solto para divagar como pombeiro (vendedor ambulante) nos matos da Matamba e, acabando por morrer lá para os lados de N´Dalatando, deixando uma prole de filhos com o nome de Alvares.

:::::

Outros supostos mentores civis faziam parte do lote que estiveram presos por algum tempo, destacando-se mais tarde como cidadãos de carreira, uns como funcionários do reino e outros como comerciantes. A luta pela independência do Brasil saiu-lhes pelo cano com as estrias invertidas. Eu mais tarde acabei por ficar destacado na Fortaleza de São Miguel chefiando um destacamento policial situado na rua do Casuno bem junto às cubatas do Palácio do Governador Manuel de Almeida e Vasconcelos de Soveral, 1.º Conde da Lapa - Governador e Capitão-General com quem mantive muito boas reacções.

:::::  

Foi nesta minha ida para a Fortaleza de São Miguel da cidade de São Paulo de Assunção de Loanda que tive de recolher elementos e documentos em Massangano a fim de para ali os levar e arquivar. Foi neste então que tive de enrijar o papel mofado, o tal que tinha a palavra Dun no lado supra direito. Ali estava descrita a linhagem de Dun em África que vem de Balthasar Van Dun, também conhecido como Van Dunem.

fiume01.jpg Dun foi para África como funcionário da Companhia das índias Ocidentais Holandesas mas tinha uma função dupla, a de militar e a de negociador de escravos com os descendentes de N´Gola Kilwanje. Quis a estória que nessa missão dupla e de também negociador com os portugueses, ficar por ali com uma prole de filhos mazombos mamelucos. Os negócios sempre suplantam as políticas e, eis que eram os próprios portugueses que vendiam escravos a este inimigo holandês de origem, um súbdito de Maurício de Nassau.

:::::

Van Dun teve forçosamente de lidar com o pai da Kianda Roxo, Morgan Tsvangirai pois era ele que cobrava as taxas para o reino através de posturas lançada pelos governadores Pedro César de Meneses, em oposição aos Holandeses e Francisco de Souto-Maior, ambos capitães generais. Como almoxarife de Massangano, tinha a seu cargo o trato comercial e a recolha dum percentual na venda individual ou lotes de peças e, aqui ficavam arquivados os livros em estas malas seladas com lacre e chancela real do M´Puto. Lamentavelmente, todo este material envelhecia sem os necessários resguardos dum bibliotecário.

:::::                                      

Os escravos “peças negras” eram enviados para o Recife, base de Nassau no Brasil. Van Dum era um bom comerciante, sabia como fazer os seus tráficos, tanto com os portugueses como com os Reis e Sobas de Angola. Sua esposa era negra, e era mais racista que ele próprio. Tudo isto me foi confidenciado já nem sei em que circunstâncias, pela Kianda Roxo em plena quiangala. Sei que isto se passou na rua do Casuno, em um terraço cheio de buganvílias rosas; isto, eu lembro! Ainda posso cheirar aquele aroma à mistura com o ar húmido vindo do mar da baia de Loanda à mistura com as muitas flores que ali havia.

MONA1.jpg Ela, a kianda Roxo tinha uma relação próxima com as filhas de Van Dunem; E, nem uma kianda consegue guardar confidências para todo o sempre. E, foi logo a seguir a estes encontros que a mente de Roxo se sumiu gerando um outra versão de calunga escafedendo-se nas brumas de uma outra e mais outra kianda com nova posturas de espirito matumbola, assim como numa metamorfose complicada.

:::::

As Kiandas Roxo e Oxor de agora, andam entre continentes não se recordando da cor de sua casca holográfica naqueles idos tempos de mar muito azul. E, ora são gente de carne e osso e, logologo mudam para uma assombração invisível para todos, menos para mim; mas, só após introduzir uma palavra secreta e uma reza curta perante N´Zambi, o mago dos magos. Recordo que já nesse longínquo ano, eu e ela víamos as implicações éticas que este fenómeno tem naturalmente, o de ter em conta que a escravatura não começou com a chegada dos Europeus a África.

:::::

A Rainha N´Zinga, com o nome cristianizado de Dona Ana se Sousa “N´Gola”, seu título real em quimbundo, dominou a região conhecida hoje por Angola. Para além de ser considerada a primeira nacionalista de Angola, foi também a sua primeira grande colonizadora pois que  durante o seu reinado anexou outros reinos e territórios, submetendo e escravizando seus súbditos, vendendo-os aos portugueses e Mafulos que os levavam para o Brasil.

nzi1.jpg Por isso dizer-se que a escravidão, sob formas diversas, já existia nas tribos locais. Com um copo de gim e água tónica no lugar do Gato Preto de Rio Maior, a 27 de Maio de 2017, pude recordar aqueles longínquos dias e, de novo falar em sonhos ao som de merengues kizombados com terna amizade. E, curiosamente nem se falou nessa “Gloriosa Família” do tempo dos flamengos e, que deu ao M´Puto a primeiríssima ministra de pele morena, de um preto menos preto. A nossa Ministra da Justiça! Vejam só como a estória dá voltas…

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 19:49
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quinta-feira, 27 de Julho de 2017
MONANGAMBA . XLVI

BAKGATLA DE PILANESBERG - 22.07.2017- Com sorte amaciaremos leite coalhado …Viemos ver leões cientes de que não podemos sobreviver à traição gerada dentro de nós...

Por

soba10.jpgT´Chingange

Nas frinchas de meu tempo e muitas vezes, lembro-me aqui no mato de coisas infectas com mais de quarenta anos. Ficou-me bem ciente que podemos sobreviver aos idiotas e até gananciosos que nos governaram nesse lapso de tempo e aqui, longe dos novelos do M´Puto retempero-me com biltong e heineken lager beer. Um retempero de engano, táseaver! Misturando ideias no amaciar de leite coalhado de zebra do Pilanesberg, revejo a promiscua simbiose dos políticos do M´Puto com militares e afins, como coisa infecta.

:::::

A vaca voadora chamada de geringonça, uma estranha simbiose de animal com muitas patas, muitas tetas e asas secretas, também com lambebotas, engraxam-nos os dias com pomada retirada das nossas próprias gorduras. Com a benevolência de Marcelo presidente, com quem simpatizo, enfeitam os gráficos de crescimento económico engodando-nos o olho sem questionarem a subida dum tal de endividamento para uma vida; a coisa mais essencial desta periclitante estória da crise, vista do lo nefasto…

vacas voadoras.jpg Não sei se o povo é tonto ou se simplesmente anda mareado ou marinado numa mistura de leite de hiena. Nós, velhos resistentes, retemperando ideias de balouçadas agruras do tempo em que os militares vendiam armas ao inimigo comprimimo-nos em delicadezas; um misto de descrença sem aprofundar delicadas falas. Já chega de tibiezas! Roubaram arma em Tancos! Será que roubaram, ou já o tinham sido desviadas?

:::::

Isto, há quarenta e três anos, na Luua da Mutamba e arredores da N´Gola, era o dia-a-dia; roubavam até chaimites, paióis inteiros para entregar ao MPLA. Agora Tancos, é coisa pouca! Só um esboço de antigas passagens da estória, de nossas vivências em África com saída abrupta como a água que sai pelo tubo ladrão. Também nesse então nos enfeitavam as mentes com cravos vermelhos e seitoiras miniatura da Catarina Eufémia. Prá-frente camarada, avante!

araujo86.jpg Ando neste morro ou mato, vendo uma fauna bem mais interessante do que esses abutres de há quarenta e três anos atrás mechiam livremente dentro dum governo de tuji que também se dizia nosso. Primeiro com Spinola do monócolo, do pengalim e luvas de couro preto, depois com Costa Gomes, o rolha. Governos que nos entorpeceram com melífluos sussurros ouvidos por todos no vestíbulo do CR  (leia-se Concelho da Revolução) do Estado Português. Fomos salvos pelo Ramalho Eanes e pelo Comandos a quem sempre prestarei homenagem com respeito e orgulho.

:::::

Naquele então ecoavam falsidade nos propósitos; tal como agora, nós muito descansados, muito inocentes; a maioria nada disto fala, pois para quê, já passou!... Mansamente enfiam-nos no curral como se fôramos gnus aqui do Bakagatla Pilansberg. Esta gente não o parecendo ser ambiciosa, falam-nos com familiaridade, que usam sua força e suas ambições em apelo a sentimentos que infantilmente se alojam no coração de todos nós, mais os albinos, os verdadeiros m´puteiros.

REPU6.jpg Naquele então foram muitos a arruinar as raízes da sociedade, a trabalhar até em segredo com a justiça, ocultos na noite para demolir nossas fundações; minar também os alicerces da nação portuguesa, coisa infecta num corpo, simbiose de militar com político, um promíscuo MFA que nos sucumbia a mando de outras potências.

:::::

Apalpando as medidas da natureza, sarar as feridas do corpo, de esquecer as tropas passando armas ao inimigo, velhaquices de todo o tamanho vendendo-nos ao desbarato, pior que numa feira da ladra. Isto do roubo em Tancos deve ser uma manobra de diversão! Tem muito esturro e nunca se irá saber o busilis do ferúculo...

PAPAL6.jpg O meu dia aqui  entre as espinheiras do Pilansberg,  termina com um adeus aos hipopótamos na lagoa do mankwe, deitados feitos pedras com a kúkia do sol poente rebrilhando em seu dorso, uma visão deslumbrante. E já noite, as luzes do acampamento do Gate Bakgatla, bem ao lado do meu sonho, tremelicam ao chacal que salta para agarrar borboletas ofuscadas na luz. Sempre fugindo, porque neste mato ou morro, não quero ser borboleta !

Monangamba - trabalhador sem especificação, faz-de-tudo (por vezes pejorativo).

O Soba T´Chingange 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 03:15
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quarta-feira, 26 de Julho de 2017
MONANGAMBA . XLV

BAKGATLA DE PILANESBERG - 21.07.2017-Tinha em mente encontrar búfalos mas com uma sorte de amaciar leite coalhado no meu four-by-ford, vi quatro leoas a dormir…

Por

soba10.jpgT´Chingange

Cativo de meus espaços e rodeado de acácias, troco ideias com meus obstinados silêncios na perspectiva de extrair ausentes sentimentos. No intuito de mostrar o que ninguém viu antes e, porque “nem sempre vemos o que desejamos”, tive hoje a sorte de ver três leoas numa encosta pedregosa no lugar de Tsukudu. Depois de seguir atrás dum enorme elefante bufador de palha mal mastigada, assim fomos cheirando seus perfumes até nos escapulirmos por uma picada a subir para o morro da marula.

herero0.jpg Meu carro ocasional não é um four-by-ford e, por isso tive o cuidado em o não arranhar dos lados pelas acácias nem por debaixo pelos pedregulhos agressivos. Tinha em mente encontrar búfalos mas com uma sorte de amaciar leite coalhado vi quatro leoas a dormir; por sorte, uma levantou-se por instantes para eu poder ver seu perfil; o suficiente para não me sentir defraudado neste safari de tirar fotos com um smartphone pelo óculo dum binóculo.

::::

Minha inventação roubada de minha neta cusca de quinze anos muito cheia de chatos pergaminhos, resultou em fotos amarelecidas rodeadas dum círculo difuso. Ela disse que aprendeu isto na química da escola relembrando até ser um método usado pelos paparásis, fotógrafos intrusos de mostrar intimidades de gente célebre para serem mostradas em revistas fofoqueiras.

hereros2.jpg Como ainda tenho o dente de facóchero que o cipaio Mandinga me ofereceu no tempo do antigamente, lembro-me agora que por via desta sorte de menino camondongo, mazombo filho do senhor Manel Monteiro do Mwene-Puto, aqui estou com calções de caqui recordado esse meu velho tempo de ir a missa.

:::::

Pois, recordo assim que o que Deus uniu não pode ser desfeito mesmo que por vezes, se viole os preceitos divinos dos mestres com escapulários. Se a vida é uma sentença com um princípio e um fim, não conseguiremos ouvir o grito da vida se sentirmos remorsos daquilo que não fizemos, ou daquilo que poderíamos ter feito; não podemos assumir a culpa dos pais, nem dos pais de outros pais.

pila0.jpg Na percepção parcial das vitais contingências, tecidas e compostas nas coincidências de que a vida é feita, encontraremos o rigoroso sentido do passado, por fortuitos efeitos que determinam o futuro próximo e distante. Cada um de nós foi o que foi por uma coisa pequena, que nem sempre se escolheu dedo ou arado que por coisa pouca mudou nossas vidas.

:::::

Por via de duvidas também usamos amuletos da sorte na forma duma nota de dólar, um santinho, uma qualquer nossa senhora da aparecida mais responsos escondidos em forros de malas e maletas. Até uma vagem envernizada de feijão maluco serve para o efeito! Por agora ando com esse tal amuleto, um dente de javali que o cipaio Mandiga me deu em um outro e antigo tempo.

herero01.jpg O místico junta-se com a Cruz e o Cristo numa caixa, asfixiando-O no tempo todo e, sempre picado em sua coroa de medonhos espinhos grandes como o destas acácias de África. Com um credo na ponta das falas, fico na beira do charco vendo os bichos desfilar sobrevivências fugindo uns dos outros mas e principalmente daqueles leões que dormem na encosta do morro.

hereros4.jpg Num dia antigo, eu próprio na primeiríssima pessoa berrei disparates saídos do fundo de minha raiva; via coisas que mais ninguém via. Eu, um gweta mwata vestido num calção e balalaika de caqui feito um bóer e, conduzindo um carro com seis juntas de bois com seu pai Manel, um Mwana-Pwó poderoso das terras de Quilengues; terras altas de N´Gola como estas aqui aonde o leão ruge, no monte da marula de Tshukudu. Os sonhos mesmo que falsificados voam rápido…

Monangamba - trabalhador sem especificação, faz-de-tudo (por vezes pejorativo).

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 05:30
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Domingo, 16 de Julho de 2017
MUKANDA DA LUUA. XLVII

BOA NOITE...16.07.2017- LAMENTO DE UMA AMIGA QUE MORA EM LUANDA... MERECE SER LIDO ... Parte 3 de 3

roxomania1.jpgAs escolhas de Assunção Roxo

Por: Isabel Batista

(…) Na Luua – Os Tugas de novo se vão? Sei lá…mas vão - Já vimos esse filme antes. As casas restaurantes e lojas vazias. …A periferia de Luanda que está acordando entretanto de um pesadelo no entanto, hoje fala-se muito mais do que anos atrás. Há a radio, a televisão, a internet mais o Google! O povo, o candongueiro opinam: -A vida pulula cedo na luta pela vida, 150 Kwanzas para ir e por vezes nenhum para voltar!

zé peixe9.jpg Tá duro, mas vamos de caxexe, devagar; o trânsito começa às cinco, gente a bulir, a acreditar sem alternativa. Ajudar e partilhar! Verbos renovados, sem ninguém a nos perguntar o que achamos de nós mesmos? Não contamos, não servimos! Não prestamos mais aqui, mas o que faço do “olhar” de minha mãe na senda dos 90…O que faço disto?

:::::

O que faço dos amigos que na rua conheci meninos, hoje homens feitos! E, o Pedrito cheirando gasolina em frasco escondido em cartuxo sebento… Outros cheirando fumo de bateria na praia, sem irem nunca ao mar porque vieram do Huambo na altura do bilo a serio, por aí… Fora os outros que já se foram.

socie4.jpg Menti-lhes quando conversávamos sentados no chão, no Kinaxixi comigo a dizer: quando fores grande tudo vai ser diferente! E, está a ser sim, para o que faço de meus discursos incendiados “lá fora” quando me associam a assuntos de que não tenho conhecimentos. O coração a bater, a bater, tentar entender, perceber e fazer perceber, apelar para aquilo que não tem apelo…

:::::

Tudo isto e quando a vergonha alheia afinal também está no pacote de nossos pertences, já gastos; sei onde nasci! Minha família de 5 gerações! Sim! Mas há parentes que não nos pertencem! Família da maka, nossa bandeira que já foi festa de carnaval gweta. Atentos esperançados e curiosos com o futuro que se quer ser melhor que os passados. Também mais consideração mais respeito pelo que abdicamos.

luanda6.jpg Todos os livros e discos e filmes que passaram ao largo, os amigos de longe e família arco-íris; cafés e bibliotecas que já tivemos, livrarias e galerias de arte que o mundo aconteceu. Como nós nos sujeitámos no analítico com paralítico? A água e a luz que falham num aguenta isso, enche a banheira? E aí firmes sem esquindivas com as questões, inventando, criatividade de bué.

:::::

Na musica, na arte, na vida., na panela, no transporte, firmes frouxos, levando e levados no enfim com jinguba ou mandioca. Faca na garganta! Injustiça vadia sempre com as mulheres na frente! No garante lá de casa, deitar, fechar pernas, abrir pernas, fumar vaidades e silêncios; muitos silêncios. Mas a cidade! Ué. É um atentado, uma vergonha o não conseguirmos explicar direito a quem nos pergunta: mas porquê?

koisan5.jpg Tu que vives e estás aí sem entender, com teus bebés e família mais papagaio e sempre um porquê no consciente? Sou educada ya!? Respondo: - Eu queria saber; só sinto! Aqui dizem quando se vai menos bem de saúde. Pois ”sinto o corpo” assim falido; é isso, sinto-o no coração que bate e pula. E o coração, quando se está bem…não se sente. oh!!!!!!!... já vou longa...perdão.

Isabel Batista

t´chingange.jpegNota de T´Chingange: As alegações da teoria pseudo-científica são de que a Luua da Terra pode ter sido colonizada por uma nave alienígena. Os agora matrindindis surgiram antes dos Pulas e Tugas do M´Puto; tinham capacete e suas sementes trazidas do espaço deram um fenomeno chamados de baobás extra de paragordos.  Só muito recentemente passaram a ser de imbondeiros! Eles, os imbondeiros choram agora de tristeza de raizes no ar porque os Tugas  conhecedores das honabilidades ferteis, perderam-se num labirinto de dá-cá-o-meu  a que chamam de gasosa. Os mwangolés sugadores, feitos gente num repente começaram a surgir de olhos bicudos para os lados, uma  tecnologica anatomica  prepotentemente superior.  

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 00:56
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sábado, 15 de Julho de 2017
FRATERNIDADES . XCVII

CAFÉ DA MANHA – N´Dapandúla - O tempo não passa pela amizade mas, a amizade passa pelo tempo. É preciso segurá-la enquanto existe!

"Ndapandula", significa "Obrigada(o)" em Umbundo; uma língua de origem Bantu e uma das mais faladas em Angola, depois do português.

Por

soba10.jpgT´Chingange (Otchingandji)

Bom dia amizades! Tenho estado cá a pensar: Somos amigos para sempre, mas entre o dia de ficarmos amigos e o dia de morrermos, vai uma distância tão grande como a vida. E, quem é capaz de definir a AMIZADE? São os conflitos e contradições que nos tornam seres humanos… As amizades são escolhas que vamos fazendo de pessoas que surgem na nossa vida quase sempre por acaso.

::::

Acordei perturbado pelas três e quinze da manhã (noite escura), sonhava insistentemente que deveria ir para onde não estava e, estando lá procurava as chaves da porta e não encontrava. Caramba, um rebuliço duma rã que saltava na minha mente ou talvez no forro da casa familiar alugada por uns dias na SPA do Limpopo. O descanso trazia rastos de quezílias de tugi, tudo por causa do GPS que não dizia que era por ali, deveria ir em frente por mais vinte quilómetros na N 1.

amigo da onça.jpg Mas que merda desta tecnologia que nos atormenta a cárie dentária mesmo sem dentes do sizo, que coisa. Aqui cheira a mijo, essa gente vai para a piscina, vem de lá senta-se aqui no sofá e, este cheiro entra pelos neurónios. Baralhei-me por instante! Coisas, tão pouca a fazer confusão na gente; daquelas que o vento nem bulia e despertando assim estremunhado, dei com minha mulher, acordadinha da silva diz: Ainda nem preguei olho, diz ela… Despertei! Minha consciência bulida com saltos de cucaracha estava a ser testada; na resposta do porquê disse que ficou nervosa após aquela confusão do GPS e as chaves.

:::::

Verdade! Ao me deitar ontem, nesta noite, fiz um escarcéu porque as chaves não estavam ali junto à televisão aonde se tinha dito para ficar e, um caraças, de aonde estão? Foste tu!? É sempre a mesma coisa… Não fui eu e, nem eu, diz a neta Lara, picuinhas, interpondo-se entre o eu e o ela como se nos fossemos engalfinhar e, assim de repentinamente elas as putas das chaves, inimigas do consolo, lá estavam penduradas na porta dos fundos logo junto à cozinha, a fazer-nos gaifonas; e, dei de truz com a verdade.

:::::

Assim era, fui eu que abri, disse em silêncio calado como um predador que pica a presa e como se nada fosse engole, mas não fui eu que fechei. Pópilas! Isto nem merecia discussão e agora de nervosa diz que não dorme e eu, cabisbaixei-me, fiquei sem sono. Bem feito! Vim para aqui escrever coisas desaforadas e ela, minha mulher lá ficou a dormir que nem uma libélula pulando em suaves sonhos de pétala em pétala, flor em flor. Isto há coisas que contadas nem parecem mentiras.

matrindindi1.jpg Agora vou fazer mais o quê? Para meu sossego tenho até um plano D com vírgulas e pontos de exclamação ou interrogação suplentes mas, sem saída, este D torna-se desistência; normalmente quando falha o plano A, recorro ao B e ainda o C mas, em verdade há coisas de que não podemos ser donos. Seremos sempre dependentes dum espaço que a seu tempo nos come o corpo, o cérebro e a sabedoria. Pedi desculpa assim tão silenciada que ninguém diz ter ouvido. Mas que tal fado, minha nossa!

:::::

Ando encafifado com uma máquina de fazer “alegria” para comemorar os amigos que fiz em que cada qual, diz ter mais de 60 outros amigos comuns. Não preciso de mais amigos, que se lixem pois tenho família suficientemente para rabejar. Minha neta fica fula, ela é polo norte e eu do sul, sempre lançando faíscas de íman, coisas invisíveis dum amor profundo. Um iceberg que se desprende das gélidas partes e num repentemente aquece nos silêncios da noite.

MALUCOS4.jpg Os artefactos que encontrei para elaborar esta felicidade são uns zingarelhos vencidos, tortos como uns chinguiços do mato, só servem pra fazer fogo, churrasco, brai ou parrilha. É um segredo de minha patente mas, posso adiantar que além de alegria a máquina é capaz de produzir arco-íris pra deslumbrar vidas; ela, a máquina tem a capacidade para enrolar meus silêncios nas pontas. Posso acrescentar que o último protótipo é parecido com uma foice! Produzir não apenas arco-íris normais mas também duplos e triplos, e até alguns invertidos

:::::

Modas parvas, estas minhas inventações como o Sushi, ou Selfie sticks com edecéteras estrambólicos. Vivemos num mundo de modas e de gostos influenciados pelos midia. Sempre assim foi, agora o é ainda mais devido à velocidade e visibilidade que a Internet veio dar a todas as novas tendências. Quanto a amigos: Com o decorrer do tempo vamos conhecendo-os melhor, e aí começam as escolhas, ou ficam muito amigos, assim-assim, ou descartamo-nos por alguma incompatibilidade.

pedras 002.jpg Às kátiuscas e Kings das Dúzias, vou simplesmente apagá-los do meu kimbo. Agora quem quiser ser meu amigo tem de dizer o nome do cão e pô-lo a ladrar em dó maior e dizer a tabuada de forma inversa senão, risco-o!… Normalmente, com os amigos-da-onça, afastamo-nos, e o outro percebe que já não é Bem-vindo porque é de Peniche e dá às de vila Diogo; tudo resolvido!

:::::

 Mas... É aqui que está o buril da questão, quando o outro é burro, matumbo mesmo, e não percebe que está a mais... Que já não é Benvindo, um Soares com quem não nos identificamos, que já é ''persona non grata''', que já mete nojo. Como é que fazemos? Como é que vou inventar essa tal máquina de fazer “alegria” com estas derivações tão periclitantes? Bom dia, desculpem o desabafo deste lusco-fusco africano! O leão rugiu esta noite, viva o Sporting…

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 08:00
LINK DO POST | COMENTAR | VER COMENTÁRIOS (1) | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sexta-feira, 14 de Julho de 2017
MAIANGA . XXI

CAFÉ DA MANHÃ . Aquilo que vi, não vi! Aquele mendigo fundiu-se no mesmo senhor vestido de organza - Andava eu neste então, nos caminhos de Santiago, fugido de França…

Maianga é um bairro da Luua

Por

soba15.jpgT´Chingange - (O mano Corvo)

maianga9.jpg Cisne e os templários

Em um tempo muito ido e sendo arqueiro da Ordem de Cristo ao serviço da Rainha Isabel a Católica por bula do papa Alexandre VI, na cidade de Burgos, sucedeu que um dia fui abordado por um mendigo que só o era em aspecto. Aguardava uma carruagem a fim de seguir até Santiago de Compostela.

araujo62.jpgCosta Araújo Araújo - (O ajudante del Greco)

Saído de Paris, eu também ia nessa direcção; de samarra, um cajado e um odre feito de bexiga de cabra com água do Rio Sena. As sandálias muito gastas lançavam já umas barbelas na qual se lhe agarravam uns carrapitos que brilhavam. A luz destes era tão intensa que dava para ver o caminho certo.

arau44.jpg Aquele mendigo tinha com ele uma relíquia do Santo e por todos os motivos que só ele sabia teria de fazer a entrega disso e pessoalmente ao Abade Grão-Mestre. Qual o meu espanto quando passado pouco tempo surge no lusco-fusco da madrugada um bando de cisnes rebocando um aveludado coche sem rodas, irradiando luz por milhares de pirilampos ao seu redor.

::::

Neste inusitado veículo vinha um velho senhor vestido de cetim e organza e mais panos fosforescentes, popelinas desconhecidas por mim. Só podia ser um sonho! Mais atrás numa viatura flutuante havia quatro donzelas cobertas também em cetim e sedas bordadas a oiro e prata, levitadas em cor reluzente. Tudo isto se passou numa ponte romana, tendo um marco miliário redondo e alto já com as letras do seculo e milhas desgastadas.

arau45.jpg Ainda hoje, tantos anos já passados, fico interrogando-me: - Aquilo que vi, não vi! Aquele mendigo fundiu-se no mesmo senhor vestido de organza ficando num só. Uma visão doutro mundo e no limiar duma vida, talvez penumbra de morte; uma de muitas viragens, charneiras duma era, a dos templários fugidos da foice segadora do rei Filipe IV de Espana e III de Portugal.  

:::::

Quando vi este quadro de Zé Costa Araújo veio-me logologo à ideia, esse tal episódio. Isto é a ressurreição duma epopeia antiga antes de em um dia treze e duma sexta-feira, ceifarem milhares de soldados daquela ordem. Foi Filipe IV, rei de França que deu ordens nesse sentido com a anuência do Papa  Clemente V. Estavamos em mil trezentos e troca o passo - (Poucos andavam de charrete)

araujo114.jpg Ele o Zé Augusto, dono e feitor desta tela, era aquele velho mendigo feito de dois dessa lenda antiga mas, que só eu conhecia em pleno. A partir daí passou a dobrar seu nome; nem ele sabe desse porquê escrever-se Costa Araújo Araújo; dois Araújos em um só! Mais tarde, encontrámo-nos em Toledo sendo este pintor auxiliar de El Greco. Foi aí que fizemos um pacto de amizade cuspindo na mãos e mijando de forma cruzada sobre o rio Tejo. Consegui guardar este segredo até hoje. Isto do quadro só pode ser obra dum talentoso bruxo; ele mesmo: Araújo Araújo!

Ilustrações de Costa Araújo Araújo 

Adenda da história

No Concílio de Vienne (1311 - 1312), o chefe supremo da Igreja anunciou a extinção da ordem religiosa por meio de ação administrativa. Com esse precedente, Filipe IV pode prender, saquear e matar todos os cavaleiros templários presentes na França.
Em pouco tempo, Jacques de Molay, grão-mestre dos templários, foi levado à fogueira em uma pequena ilha do rio Sena. Segundo o relato de um escritor da época, antes de morrer Molay profetizou que Filipe IV e o Papa Clemente V seriam julgados por Deus pela injustiça que haviam cometido. Poucas semanas depois, o rei da França e o Papa faleceram. Tal coincidência, ainda hoje, nutre os mitos que falam sobre os segredos e mistérios da Ordem dos Templários.

Do Mano-Corvo T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 16:16
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quarta-feira, 12 de Julho de 2017
MALAMBAS CLXXVI

NAS FRINCHAS DO TEMPO -12.07.2017Aqui no Limpopo de África, apaziguando rijezas adversas, relembro a singularidade do mundo. O futuro anda a trambicar-nos…

Por

soba15.jpgT´Chingange

À medida que o ritmo de mudança acelera na sociedade, as pessoas de mais idade, kotas como eu, Assunção, Eduardo ou Araújo, retiram-se para um ambiente mais pessoal ou particular cortando alguns contactos no imediato, ficando mais pelas relações cada vez mais transitórias que surgem pelo digital facebook. Só eu, tenho mais de sete mil amigos na rede social mas, fujo de um lado para outro, deixando coisas por aqui e por ali.

acacia karoo.jpg Assunção estabeleceu-se numa linda aldeia, tendo como jardim uns vasos com flores de cores várias de malvas e gladíolos ao redor de uma oliveira centenária. Araújo fica em seu mukifo transbordando para a tela traços e cores que só ele sabe fazer com beleza. Eduardo balança seus antigos pensamentos em suaves crónicas do dia-a-dia com sua família e seu deserto. Nos tempos que correm já não estamos ligados a um único objecto durante um longo espaço de tempo.

:::::

Estamos forçosamente ligados por breves períodos na sucessão de objectos que se suplantam. O aspecto de uma cidade pode mudar por completo em um curto espaço de tempo. Isto de o passado desaparecer num ápice é um fenómeno real e com tendência para se tornar muito mais abrangente, até mesmo em cidades saturadas de história e cultura. Este procedimento passa também a regular a relação entre pessoas; o casamento por exemplo já não o é para toda a vida como antigamente.

arte1.jpg Os casais cansam-se e, por “ um dá cá aquela palha” como soe dizer-se; qualquer ninharia se torna num motivo de separação. As pessoas já não têm o mesmo apego às gentes ou coisas, mudando com rápida frequência e, porque o tempo urge. Enquanto se muda rapidamente o urbanismo de uma cidade, também os mais velhos estão sendo mandados para lares, ou asilos e, porque a vida agitada não dá tempo aos filhos para deles cuidarem.

:::::

A família vive uma confrangedora realidade que cria litígios na mente das pessoas mais sensíveis ou até mal preparadas para enfrentar o futuro. A cidade aonde vivo uma boa parte do ano, no prazo de um ano, seu urbanismo mudou radicalmente; suas ruas passaram a ter um só sentido e toda a sinalização foi alterada. Um jardim infantil novo veio a substituir um outro fito à menos de três anos.

magao01.jpg Até criaram uma praça vermelha feita em tartan, um piso igual ao dos campos de ténis, desperdiçando o dinheiro destes (meu, também) sem um real benefício à crise de que tanto se fala. A maioria das pessoas não vê bem esta aplicação dos seus impostos, IRS, IRC, IMI, o custo da água e da energia nesta miragem de sucesso! A futilidade chegou a estremos mal compreendidos por quem sempre vislumbrou objectividade na feitura das coisas! Políticos de má formação, gente ambiciosa açambarcam nossas reais necessidades.  

:::::

Modas incompreendidas por quem conta tostão por tostão para mandar o filho para a universidade. Estamos na era do efémero, sim! À medida que o ritmo da mudança se realiza a sociedade é levada a executar uma economia de transitoriedade. A maior parte das vezes torna-se mais barato comprar coisa nova do que mandar concertar uma outra já velha. Isto necessariamente meche com as ideias e ideais.

lagoa1.jpg Também pelo que se observa no dia-a-dia, é mais vantajoso fazer coisas baratas, não reparáveis; coisas a deitar fora após serem usadas. Podemos assim prever mais progressos técnicos com novos aperfeiçoamentos e, em espaços de tempo cada vez mais curtos. Assim será! Isto, não vai parar.

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 14:39
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Domingo, 9 de Julho de 2017
MUJIMBO . LXXXVIII

KIZOMBA DA LUUA09.07.2017 -Mujimbos com borututu, coisa antiga…

Por

t´chingange.jpegT´Chingange

O tempo não conta - a verdade é sempre actual – Julho de 2017

  valentina0.jpgborututu.jpgO kota Liuanhica, de bravura esquecida sozinhava-se na praia da ilha. Luanda estava no outro lado pendurada na água com prédios e barrocas sujas. Aquela reflexão também o escorria em descontentamento. Debruçado sobre si mesmo na areia, após uma noite trespassada de kizomba, recordava a grande noite cultural com passagem de modelos no Miramar; para ele, homem de antes quebrar que torcer, de peito desfeito, o que viu tornava-se num grande desaforo.

:::::

Aquele, era um dia de domingo. Sua vida estava feita num esquecimento desde que sua filha N´Riquitita desanovinha virou modelo naquele concurso da Maianga. Os amigos à boca pequena iam falando entre risos sarcásticos das altas qualidades de sua filha m´boa pra chuchu que aparecia com frequência nas colunas sociais e ao lado de cantores famosos, estrangeiros  e outros dali mesmo, cheios de kuduro nos poros com catinga de corrumba, mas badalados nos meios de comunicação.

araujo93.jpg No sábado de ontem ele viu mesmo; estava lá na certificação descodificando a verdadeira verdade dos mujimbos da cacimba do Rio Seco e Catambor. N´Riquitita apareceu espevitadamente enroscada a Nelson Ned e, talvez pelo tamanho deste, os kaluandas do bairro gozavam a cena. Compreendeu ali o porquê dos kotas rindo com todos os dentes da boca; isto para Liuanhica era um demasiado e desclassificado contratempo de vergonha; sua filha assim nas más-línguas despidas até os tornozelos.

:::::

Os kasucuteiros, kuribotas do Catambor, roíam-lhe todos os dias a paciência com muxoxos mujimbados de diz-que-diz daquela garina, que tal e coisa, mais enfim, que tu sabes ou adivinhas. Com saudades do antigamente o impensável passou a possível e a nostalgia do tempo colonial transbordou na sociedade da Luua. Perdido naquela oblíqua contraluz duma imensidão de pensamentos, recordou os exemplos de vida que seu pai Sambo lá no planalto do Huambo lhe transmitiu. Traçou uma bissetriz no pensamento n´dele e, assim mesmo tomar decisão sem catetos nem hipotenusa da sua própria desconfiança.

14632930_10207853196554526_3028057283901920621_n.jTinha de voltar à sua terra, agora que a revolução se estava a tornar num estorvo, com o fim da guerra o melhor mesmo era voltar ao seu Quipeio, lá aonde ainda resistiam uns manos estudantes daqueles idos tempos. N'Riquitita tem já vergonha do seu Kota pai, evita-o a todo o custo, atarefada entre banquetes milionários e concursos de misses em tudo o que é lado, exibindo roupas e jóias nas kizombas de alambazados.

:::::

Passaram uns meses... Kota Liuanhica voltou ao planalto, juntou-se ao seu primo Siripipi juntando ervas, raízes e folhas seguindo as pisadas do seu pai Sambo, grande conhecedor na cura de maleitas e malazengas através de plantas; envia estas em cartuxos para Luanda que, por sua vez, são reencaminhadas para o M´Puto. Tornou-se assim um especialista de sucesso no trato do borututu e, à noite, no ximbeco de Zacarias vai dando informações às pessoas de tal produto. Num poucoapouo de malembelembe N´Riquinha passou ao esquecimento...

ÁFRICA17.jpg Naquele vila do Quipeio ele, era o maior conhecedor das plantas do mato – Chi patrão!!! Brututo é bom mesmo! Dizia Zacarias detrás dum velho balcão colonial propriedade do meu pai de faz-de-conta. Isso! De vender carapau frito e farinha de milho mais fuba só vendido em medidas de quartilho; espólios trazidas de Trancoso da Beira fria do M´Puto cheios de chouriço defumado com lenha de pinho e giesta brava. Enquanto isso, eu e meu pai de faz-de-conta, conhecido por Caluviaviri, comíamos uma kizaca acompanhada com quiçângua trazida da Catata.

:::::

Meu pai de faz-de-conta era um estudioso nestas coisas de plantas e bichos, por isso aproveitou dar largas ao seu conhecimento do borututu - Desde há muitos anos que o borututu é usado como chá ou em simples lavagens; colonos e indígenas tinham sempre uma vasilha com raiz de borututu num sítio fresco, ou frigorifico, para beber a qualquer hora. Uma forma de tratar deficiências biliares por ter nele substâncias com propriedades purificadoras e antioxidantes.

angola4.jpg Esta planta é um dos mais poderosos desintoxicantes naturais para o fígado. Protege o sistema digestivo e o aparelho urinário - Como prevenção ao paludismo usavam um filtro de pedra chamado de selha que ia escorrendo gota a gota a água para um vaso ou garrafão, com um pau de borututu dentro. A água ficava com uma tonalidade de âmbar.

:::::

Pois então - Curava as doenças hepáticas, entre as quais a hepatite, icterícia, biliosa, doenças de estômago em geral, vesícula, baço e todo o aparelho urinário - Se quiserem desintoxicar-se de tanta coisa ruim que hoje se come, reduzirem o colesterol e riscos de trombose tomem isso, acrescentou Liuanhica. O meu tio-avô Guerra do M´Puto que curava a ciática cortando um nervo atrás da orelha não sabia nada disto.

araujo1.jpg Lá aonde ele estiver, no sítio que Deus tem, vai ficar contente desta nova do seu sobrinho neto T´Chingange que no correr da vida se tornou quase um Kimbanda de Rooibos. Agora até tomo o borututu como um ritual de pura satisfação espiritual! Às vezes junto-lhe um pouco de mel derivado do pólen de tília para agradar o sabor; desta forma talvez chegue aos 333 anos.

araujo68.jpgImagens de Costa Araújo Araújo

Glossário

Kizomba – dança, festa com baile ou eventos teatrais;  Mujimbos – boatos, falatório; Cacimba – cisterna, depósito de água; Kazucuteiros – trambiqueiros, aldrabões ou que vivem de expedientes menos claros; Caluanda - nativo de Luanda (N´gola); kuribotas – fanático, tendencioso, curioso, espia; Kizaca – saca folha, folha de mandioca pisada cozinhada tipo esparregado; Borututu – raiz curativa; Ximbeco – negócio, boteco, loja ou venda; T'chizangua / quiçângua – bebida feita de milho fermentado, normalmente de sabor adocicado; Quipeio – povoação do Huambo (Angola) Catambor – bairro suburbano de Luanda, confinante com a Maianga; Miramar - cinema esplanada; M´Puto – Portugal; Caluviaviri - um bicho do tipo do guaximim que mija mau cheiro; alcunha do meu pai de faz-de-conta porque tinha medo de se afogar e cheirava mal pra caramba...

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 08:29
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sábado, 8 de Julho de 2017
MALAMBAS CLXXV

NAS FRINCHAS DO KAROO - 08.07.2017 Aqui no Karoo de África, apaziguando rijezas adversas, relembro a singularidade do mundo.

Por

t´chingange.jpegT´Chingange

Não existe ninguém que encontrando um espinho em seu pé não o retire após as primeiras dores; se não o fizer é porque é masoquista ou anda a treinar para o Guinessbook, um clube de excêntricos. Um amigo próximo disse-me que os pés dos bóeres têm olhos. Só entendi essa fala quando observei in situ um farmeiro de kimberley a andar de sandálias de pano colorido no meio do capim repleto de aranhas, centopeias, cobras e um sem fim de outros bichos rastejantes sem contar com os muitos picos espalhados a esmo pela terra barrenta.

BATATAS2.jpg Percorrendo o mato do Karoo africano, milhares de acácias com espinheiras do tamanho dum lápis, posso ver ao longe morros suaves de um e outro lado dos rios Orange e Vaal. Nestas condições de apaziguar rijezas adversas do mundo, relembro a singularidade ainda não totalmente definida fazendo-me num seixo redondo do Vaal. Seixo embrutecido que rebola no tempo só quando levado pela enxurrada desta mulola aonde me situo. Aqui há diamantes, dizem!

:::::

Aqui há diamantes? Perguntei à suricata empinada numa pequena elevação que nada me disse, pudera! Sem se importar com essa brilhante pedra que ofusca gentes, fugiu para um dos muitos buracos ali espalhados; terra fresca denotando trabalho árduo para assim se refrescar daquele calor tórrido; calor que chega a ir a mais de cinquenta graus no pico do verão. Coisa para se dizer, Pópilas!

BATATAS1.jpg Pois aqui, damo-nos conta de que afinal, sempre há povos a descrever teorias ou filosofias novas clareadas por meio de metáforas que a natureza lhes ensina. Aquela de os pés dos bóeres têm olhos vuzumunava minha koca com lantejoulas rupestes. Nestes espaços abertos dissociamo-nos dos conflitos sociais; das metáforas criadas pelo homem a justificar coisas sempre compreendidas numa forma de agradar.

:::::

As artes criativas dos homens continuarão a florescer com brilhantes expressões saídas da imaginação; novos níveis de conflito ou sedução e, porque a arte por vezes é a mentira a nos mostrar a verdade. Ué… Lembrei-me do professor Souares, um espiritualista com manias de mwata a enfeitar minha testa com unguentos de salsaparrilha e xixi de guaxinim fedorento, tentando resolver meus problemas de mau-olhado.

BATATAS6.jpg Este eterno conflito foi-nos legado pela inteligência que tende a evoluir no tumulto com velhas ou novas criticas - velhas teses ou teorias diferentes deste mwata Kimbanda da mututa que me quer desfrisar uns kumbús como assim, na saúde, na doença e o escambau… Um teste de vida de tendência evolutiva legada por Deus, porque pensar o contrário disto, será decerto uma imperdoável heresia.

:::::

Este problema sempre presente e cada vez mais remanescente, não reside na natureza nem na existência de Deus mas, nas origens biológicas que pela mente cataloga o auge evolutivo na biosfera. Poderá dizer-se nesta pequena imagem de vida real que cada homem está por assim dizer num estreito nicho como numa burocracia de curral. A parede deste nicho esmaga-nos individualmente a personalidade levando-nos a não poder extravasar nossa euforia como se fossemos bois confinados a só a mugir até ser defuntados com um urro levado na ponta dum facão.

BATATAS5.jpg As nossas atitudes em relação às coisas, reflectem critérios de valor fundamentais tornando a relação homem-coisa em algo cada vez mais transitório. Se eu fosse professor catedrático teria de vasculhar os termos para não falar tão fora dos parâmetros convencionais. A ideia de usar um produto-coisa uma única vez ou durante um curto espaço de tempo, substitui-lo ou deitá-lo ao lixo, contraria a sociedade ou os indivíduos com uma herança de pobreza.

:::::

As gentes do meu tempo, septuagenárias, que nasceram antes da invenção do plástico não estão tão habituadas a produtos de utilizar e deitar fora; até conservam seus casamentos para lá dos cinquenta anos; preferem reciclar a vontade de fazer querer em detrimento do só querer. Já nem vou a casamentos para não me sentir defraudado com a curta duração do umbigamento.

BATATAS7.jpg Em meus anexos do M´Puto tenho uma quantidade de quinquilharia porque sempre guardei na mira de amanhã vir a necessitar num amanhã mas dei-me conta que as coisas se suplantam todos os dias e tudo modifica num ápice. Esta resistência ao descartável está em vias de extinção em todo o mundo dito desenvolvido. Os lenços de pano são hoje considerados anti-higiénicos e, já pouca gente os usa. Agora há toalhetes e lenços cheirosos com adstringentes e de cheiros balsâmicos enxotadores de mosquitos.

arte3.jpg Comecei esta em querer falar no homem das batatas da África do Sul mas tudo escorregou na ladeira mais fácil a fim de não perturbar as mentes, pois sempre ouvi dizer que a fé move montanhas. E, num lugar ermo como este do Calahári, aonde o estio é brutal, um homem semeou batatas no deserto e, porque acreditou em Seu Senhor, foi abençoado com toneladas de tubérculos. Ao seu redor havia descrença e a surpresa apanhou-os de boca aberta. Este bóer do Vaal devia ter mesmo, olhos nos pés!

O Soba T´Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 07:12
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quinta-feira, 6 de Julho de 2017
MALAMBAS CLXXIV

NAS FRINCHAS DO TEMPO - 06.07.2017 - Somos divididos socialmente, não somente pela cor, ou forma de vestir  mas, e também, pelas nossas posições no tempo… 

Por

t´chingange 0.jpgT´Chingange

Neste nosso curso de enfrentar os conhecimentos, todos os dias serão uma prova à adaptabilidade humana das várias instituições que nos governam. Teremos forçosamente de modificar nosso caracter de existência para aprender esta permanente transitoriedade. Uns dias atrás um amigo meu fez reparo àquilo que eu disse, de que nós sempre seremos o fruto da mudança afirmando que com ou sem essa tua (minha) teoria de transitoriedade nós seremos sempre os mesmos.  

capeta0.jpg Esse meu amigo mora em uma ilha grande e tem um cão chamado de aspirinas. Em verdade a palavra aspirina surgiu oficialmente pela indústria alemã Bayer a 10 de Outubro de 1897. Se imaginarmos que meu amigo nasceu lá por volta de 1840, seu cão nesse então teria outro qualquer nome assim como Sócrates, o filósofo ateniense do período clássico da Grécia que morreu 3 anos antes de Cristo.

:::::

Daqui se reproduz uma situação que deriva desta mesma palavra, “situ” do latim que quer dizer sítio e “ação” que quer dizer acto ou execução. Pode por analogia deduzir-se a partir disto que as linhas de delimitação entre o Sócrates e o aspirinas cachorro, são a duração do espaço de tempo durante o qual a situação acontece! Meu amigo ilhéu de nome Freitas, hoje talvez chamasse ao seu apirina “Samsung”, um nome bem mais recente e de acordo com seu hodierno viver, numa lógica evolutiva transitoriedade.

:::::

Em verdade o primeiro telemóvel do Fernando da Ilha era um quase pesado tijolo e hoje e um fino Smartphone que cabe num pequeno bolso das cuecas. A este número crescente de situações às quais não se aplica esta situação, traz-nos implicações psicológicas tornando um simples facto em situação explosiva. Para se sobreviver, o indivíduo tem de se tornar infinitamente mais adaptável e hábil do que nunca.

missosso2.jpeg Eu, este meu migo Freitas da lha e todos os demais, teremos de procurar maneiras de fixação, totalmente novas e sempre transitórias pois que nossas antigas raízes tal como a religião, a pátria, família, nossas vivência de um bairro da Luua, nossa comunidade ou profissão, estão a ser abaladas. Abaladas pela força ciclópica do impulso acelerativo; e daqui, só seremos premiados se nosso comportamento modificar nosso carácter de existência.

:::::

Daqui, termos de compreender a transitoriedade! O computador apareceu lá pelo ano de 1950 quando eu já comia côdea com leite retirado da cabrinha; sua característica de função, quantidade e velocidade, transformou-se em uma grande aceleração de conhecimentos, e isto, é poder! É mudança!  O computador, é quer se queira ou não, o artefacto que elevou a humanidade a uma exponencial de espantosa novidade.

libia2.jpg A aceleração do conhecimento é uma das mais importantes e talvez a menos compreendida de todas as formas sociais e, que naturalmente abala as nossas instituições. Claro que o ritmo crescente de mudança perturba o nosso equilíbrio interior e, até modifica a própria maneira de como experimentar a vida acelerando a integridade de cada qual. Esta aceleração de mudança, complica e muito a estrutura de nossas vidas, diversificando-nos nas formas que temos de representar e o número de papeis com uma inerente opção de obrigatoriedade.

natal1.jpg Obrigatoriedade de assim fazer, explicada a asfixiante sensação de complexidade da vida contemporânea. Não será exagero, dizer-se que a realidade hodierna origina mal-entendidos entre pais e filhos, entre homens e mulheres, americanos e europeus, cristãos ou muçulmanos, gente do Leste ou do Oeste. Somos assim divididos não somente pela cor, ou pela posição social ou económica mas, e também, pelas nossas posições no tempo.  

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 19:54
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sexta-feira, 30 de Junho de 2017
MOKANDA DO SOBA . CXXVIII

TEMPOS PARA ESQUECER - 30.06.2017 - ANGOLA DA LUUA XXXIII. NA GUERRA DO TUNDAMUNJILA. “Vai para a tua terra, branco” era o que mais se ouvia na Luua de 74/75… Os heróis de tuji afectos ao MPLA também deram à sola – dissimulados, claro! Faziam falta no IARN….

Por     

t´chingange.jpeg T´Chingange - (Otchingandji)

Naquele então, na segunda metade do ano de 1975, Gonçalves Ribeiro, o pai da “ponte Luualix” fazia alarde ao mundo da periclitante situação em retirar todos os deslocados por via da descolonização, entenda-se uma anárquica guerra com vários intervenientes, movimentos emancipalistas impreparados para se governarem a si próprios. Ainda faltava ir buscar algumas pessoas a áreas aonde não havia qualquer segurança (…). Confirmo que assim era porque estando eu destacado como adido no Palácio do Governo da Cidade Alta da Luua, podia vivificar o que por ali se passava.

cabo ledo4.jpg Tinha por missão dar a conhecer a gente deslocada de seus sítios tais como Administradores, Chefes de Posto entre outros funcionários que fugidos dos movimentos, mais propriamente do MPLA se encontravam confinados em hotéis, pensões e afins. Via telefone dava-lhes a conhecer qual a sua hora de embarque na ponte “Luualix”; para ultimarem sua presença no aeroporto ou esperar transporte ido do Palácio que os levaria ao aeroporto de Craveiro Lopes, também conhecido por Belas.

:::::

Alguns daqueles funcionários administrativos por estarem escondidos, por assim dizer, em casas de familiares eram recolhidos por um autocarro do Alto Comissariado que os transportava ao dito aeroporto. Havia promessas de morte, vinganças avulsas. Já neste início de Agosto podia ver-se milhares de famílias pernoitando de qualquer jeito junto aos seus haveres no largo frontal da zona do check-in e jardins do aeroporto, malas, caixotes e bugigangas. Ali permaneciam dia e noite cobertos com lonas presas a caixotes usando como banheiro áreas improvisadas ou as bissapas circundantes; o cheiro era nauseabundo.

araujo95.jpg Em meados de Outubro, o terminal aéreo de Nova Lisboa (Huambo) encerrava, e Luanda passou a receber entre quinze a vinte aviões por dia. Os meios aéreos para fazer chegar a Luanda os refugiados do Lobito, Benguela e Moçâmedes, sendo insuficientes, o Comando Naval arranjou meios marítimos para fazer chegar a Luanda os cerca de 250 mil cidadãos brancos (maioritariamente) mas, tendo também milhares de mestiços e negros; enfim! Seguiam todos aqueles que o desejassem!

:::::

Na vinda ou ida dos refugiados de um para outro lado (como kissondes) mas e, principalmente para os lugares de embarque da Luua, praticamente não havia triagem; não havia tempo para decidir de quem estava ou não nas condições de perseguido, refugiado ou o que quer que fosse. Não importava ser-se quem era e de onde vinha ou do porquê de estar ali. Era tudo ao monte e seja o que Deus quiser, aos magotes com o natural berreiro e choros de adultos e crianças, ordens e contra ordens desencontradas ou nem tanto.

:::::

Cães, gatos e outros animais de estimação foram largados ao descaso! É confrangedor só de pensar em estas turbas de gente que às pressas colocaram umas peças de roupa, uns agasalhos, umas fotos de recordação e aí vão ao encontro dum desconhecido maior que o mundo. E, as despedidas de gente serviçal ou amiga, até mesmo um vizinho que por ali iam ficando; toma lá a chave do meu carro, da minha casa, cuida do gado meu amigo porque não sei quando voltarei nem se volte. Olha pelo meu cão, a aspirina mais o tarzan que ficam presos lá junto ao gerador e perto do galinheiro.

guerra13.jpg Era um Adeus dado aos trambolhões às coisas, ao motor da GMC a fazer de gerador, dos gansos guardadores mais o pavão. Ele, Deus, era só uma questão de fé interior, a vontade de querer e acreditar mas Ele, não surgiu a muitos; a lei da vida e da morte era um traço disforme, desfeito em cotão a confirmar que só somos enquanto somos, uma ilusão! Desde sempre e, que me lembre de ser gente, observei que as leis foram inventadas pelos fortes para dominarem os fracos que são muito mais; mas aqui não havia fracos ou fortes, só deprimidos…

:::::

Sempre observei amizades incipientes desde o tempo em que os cuspidores de prata eram usuais e era admissível ou sem reparo; cuspir-se em público era feio e anti-higiénico mas agora e ali nem escarradores havia, era no barrento da terra, nosso infortúnio; cada qual cuspia para onde quer que fosse. E entre estes, surgiam os rufias catadores de desaconchegos, gente do MPLA usando prepotência com um extremo desprezo, pedindo relógios ou valores para ficar sem dissabores nesta hora de partir; uma forma de pressionar o medo ou resquícios deste.

zeka15.jpg Havia uma restea de ordem por alguns militares, Nossas Tropas mais conscientes! Valha-nos isso porque nem todos viam este desmando na forma do PREC, dos guedelhudos do M´Puto às ordens do diabo. As leis, as atitudes, o MFA, nossos patrícios do M´Puto, os generais de aviário, mesmo que absurdas, tornavam o impossível em admissível e hoje que penso muito e rezo pouco recordo isto, procedimentos sem que ninguém averiguasse as diferenças aturdidos por pudor. Pudor, palavra complicada de entender - qual pudor qual quê!?

:::::

Nesse então, nós gente desavinda, podíamos ver já a força da crise com roubos subtraídos pela lei dos homens, pelas nossos guardiões militares com seus amigos, nossos inimigos – o MPLA, sem lei - nem velha nem nova ou tampouco ordinária ou arbitrária, nenhuma! Um salve-se quem puder! Era um acaso feito lei ali e a frio, ora marcial ora uma prepotente aberração feita de coisa feito gente, drogados no cérebro, nas kinambas ou nas matubas…

nito01.jpeg E, muitos daqueles ali ao nosso lado a fugir do caos, tinham estado dias ou meses antes, também a fiscalizar nossas bagagens, a escolher os cristais, a parti-los num desdém e isto sim e isto não; Este ouro é nosso, do governo! Mas qual governo - do MPLA diziam… sim! Ao serviço do por eles chamado de glorioso MPLA… Agora, eram camuflados companheiros de viagem, de infortúnio e, já ninguém queria retaliar o que quer que fosse; uma entrega sem jeito nas mãos dum Nosso Senhor…

(Continua…)

O Soba T´Chingange - (Otchingandji)



PUBLICADO POR kimbolagoa às 08:19
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quinta-feira, 29 de Junho de 2017
XICULULU . XCV

NAS FRINCHAS DO TEMPO - NÃO SIRVAS A QUEM SERVIU, NEM PEÇAS A QUEM PEDIU - Diz a Lei de Murphy "Se alguma coisa pode dar errado, assim será!"

Por

soba15.jpg T´Chingange

Se usarmos a analogia de Darwin pela “Selecção Natural” para definir sociologicamente a humanidade em geral, constatamos sem grande dificuldade de análise reflectiva de que os mais ricos ou fisicamente mais bem constituídos estarão sempre em melhor posição para sobreviver ou vencer qualquer dificuldade em detrimento dos mais pobres, débeis, vulneráveis ou impreparados.

araujo 28.jpg Os eclécticos, cultos, experientes e instruídos vencerão sempre os seus oponentes menos municiados intelectual ou academicamente nos desafios ou oportunidades que a vida tiver para oferecer e, quando estes se candidatarem a testes selectivos ou psicotécnicos. Os mais crédulos, ingénuos ou em estágios primários de coeficientes de inteligência baixos, tornam-se tendencialmente propícios para que os espertos, oportunistas e gurus ou gananciosos os absorvam.

:::::

Esta categoria de pessoas dos que já nasceram vencidos, vergados pelo infortúnio, fatalismo do seu estrato social ou por e via de sua incapacidade financeira, tibieza ou destreza, tornam-se reféns e presas fáceis de empresários exploradores e oportunistas. No mercado de trabalho serão subestimados e mal pagos vendendo o suor do seu rosto e sua força braçal ou conhecimento por coisa pouca, sem a devida troca de benesses.

araujo34.jpg Obviamente que nem todas as empresas precisam de génios ou mentes brilhantes que consomem apenas bifes do lombo ou lagosta. A grande maioria do mercado de trabalho tecnologicamente não qualificado, contenta-se com carne de segunda ou terceira, dura e gordurenta. Não existem segredos existenciais ou filosofias de vida escritos em compêndios ou cartilhas que se possam comprar para aprender como sobreviver neste mundo cão.

:::::

O ideal seria que cada um satisfizesse as suas necessidades independentemente das suas habilitações profissionais académicas ou artesanais. Mas, mesmo estes, em uma qualquer parte do globo encontrarão quem os sugue de forma desmesurada. Não lhe darão acesso ou recursos para passar de certos limites, tornando-os permanentemente dependentes.

:::::

O caminho do sucesso está preparado para os ousados que num dado momento de privilégio se tornem patrões, empregando outros que por conta própria não têm condições por falta de relacionamentos ou por débil estabilidade familiar. Salvo raras excepções o destino destes temerosos, será sempre o de serem empregados dos primeiros. 

araujo23.jpg Contrariamente às leis da natureza que ilusoriamente nos fazem acreditar por todos termos sido concebidos da mesma forma porque nascidos pelo mesmo local, as nossas vivências e destinos serão igualitários. Nada poderia ser mais falso nesta teoria, quando os dogmas são imbuídos na ilusão dum universo restrito no diapasão dum Deus que parece só ser bom no açambarcar de usura para proveito próprio - dos eleitos!

:::::

A sociedade aonde estamos inseridos se encarregará de nos diferenciar, arrumar de acordo como o tal "pedigree" familiar. Nesse perfile ou curriculum vitae constará o estatuto social no seu lado financeiro, no exacerbar-se com um património com carros de alta cilindrada ostentações variadas, o show off e, mesmo que se lhes falte a cultura académico e, ou a ideologia politica, religião ou "hobbies" salutares… 

:::::

Alguns eleitos terão o condão de viverem rodeados dum luxo que o dinheiro pode comprar. Dinheiro fabricado por quem lhes presta honorabilidades, um resto da humanidade esgatanhada, mordida com atropelos, porque nunca lhe deram oportunidade para escalar alguns merecidos degraus. Alguns mais corajosos ainda têm o atrevimento, ousadia e a veleidade de pensarem que reúnem as condições para se aventurarem a fazer alpinismo social ou financeiro na tentativa de chegarem ao topo, mas a idolatria não permite que esta senda seja facilitada.

araujo36.jpg A grande maioria fica-se pelo caminho vencidos e desencorajados, pois os trilhos estão minados com engodos: ou me serves ou…. E, aqui a frase fica sempre camuflada num muxoxo incompleto. Alguns muito bem preparados psicologicamente conseguem heróica e atrevidamente chegar ao topo mas nunca serão aceites pelas elites que falam com Deus, os eleitos…

:::::

O único factor que mantem o equilíbrio mundial, impede revoltas e que as massas trabalhadoras se apoderem das riquezas que elas próprias geram para enriquecer terceiros, é a ESPERANÇA de que as sociedades por moto próprio se tornem reformistas, humanitárias, fraternas, solidárias e igualitárias. Uma coisa cada vez mais vaga.

:::::

Infelizmente este onirismo não se consegue nas urnas através de eleições livres e democráticas ou por decretos governamentais. E, como ninguém enriquece apenas pelo suor do seu rosto e fruto do seu trabalho, só existem três formas de chegar a esse desiderato, ou pela exploração do trabalho de terceiros pagando-lhes ordenados miserabilistas, de forma fraudulenta, por meios ilícito, ou através de um golpe de sorte acertando no totobola, lotaria, raspadinha ou euro milhões.

araujo38.jpg O segredo para matar a inveja ou o desejo de todos quererem ser ricos foi inteligentemente criado por estes dizendo que “a riqueza não traz felicidade”. Na mente dos pobres ou remediados existe a triste ilusão de que um dia a sorte lhes baterá á porta e que também poderão comer caviar, faisão ou lagosta, regando as suas opíparas refeições com champanhe D. Peringnon.

:::::

Se todos viverem na esperança e ilusão de que mais tarde ou mais cedo poderão triunfar, o mundo funciona muito melhor sem desequilíbrios, agitações sociais, atritos, revoltas ou greves. Tementes a Deus, coisa trabalhada no tempo, as pessoas sonham em não se magoar umas às outras, nem se atropelarem pois vivem nessa falsa expectativa de que a sua hora também chegará. Um se Deus quiser sempre incerto!

araujo46.jpg Uma massa anónima que vive e labuta dentro e fora de seus países como emigrantes, é a de que um dia irão regressar á Terra Prometida, sem se saber bem qual. As leis imutáveis pelas quais o mundo está organizado e construído, são apenas duas, ou se nasce rico ou pobre, uns mandam e fazem as leis, outros obedecem e cumprem-nas. O ser-se criado de quem já serviu não se augura em um bom fim. O seu, a seu dono!

Ilustrações de Costa Araújo

Nota: Este texto foi baseado parcialmente em um outro da autoria de António José Canhoto que versa o tema de desequilíbrios na sociedade em uma outra vertente e a partir da condição de nascimento…

O Soba T´Chingange




PUBLICADO POR kimbolagoa às 09:12
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Terça-feira, 27 de Junho de 2017
A CHUVA E O BOM TEMPO . LXXII

NAS FRINCHAS DAS CINZAS  - 27.06.2017 (desde Johannesburg) - Ruptura com o passado. Cada um de nós é uma nota musical única; a minha não tem ré nem mi, nem sol, só tem dó….

Por

t´chingange 0.jpgT´chingange

Nas rupturas com o passado, um número crescente de opiniões com crédito afirmam que o presente agora, representa a terceira cisão da história humana comparável em magnitude com as passagens do barbarismo para a civilização, depois a era da agricultura extensiva matando a fome a milhares de seres pelas nova vias de comunicação. Agora, e duma forma avassaladora temos a invenção tecnológica de um sem número de artefactos a partir da metade do século XX e, que hoje complementam nossa actividade com o maior conforto.

bra3.jpg E, surge a rádio, a televisão, o frigorífico, o micro-ondas e o computador de última geração cruzando imagens ao segundo em viagens de cruzar fusos horários. Os novos instrumentos de comunicação a levarem a voz e a imagem ao outro lado do globo. Informação ao minuto de acontecimentos que conjugados com os satélites passaram a dominar nossas vidas ao segundo; Coisas impensáveis há bem pouco tempo. Viagens controladas por GPS com tradutores instantâneos nos principais idiomas.

:::::

E, surgem as férias de praia ou campo: não demorará muito a termos viagens interplanetárias. As viagens à Lua tornar-se-ão corriqueiras em um curto par de anos.  O choque cultural de hoje sucede quando um viajante se encontra num lugar onde o sim pode significar um não e aonde um preço fixo é regateável como diz Alvim Toffler e, até o riso pode significar ira.

matri2.jpg A aceleração da mudança não se limita a afectar as indústrias das nações, a oscilações das bolsas, as fraudes fabricadas com crises elaboradas em bancos supostamente credíveis mas, numa força concreta que se infiltra profundamente em nossa vida pessoal, que nos obriga a mudar de profissão, a representar novos papeis e nos coloca de frente com o perigo de uma nova e perturbadora doença psicológica.

:::::

Estas mudanças rápidas amontoam-se sobre nossas cabeças, os instrumentos de ponta não mais o serão. Entram em desuso a máquina fotográfica, o gravador de fita e o vídeo; a grafonola vira gira-discos e tudo se resumirá a uma pequena pen ou um chip com milhares de músicas, informações e coisas tão abstractas que nos darão volta ao miolo, que nos baralham o cérebro. Nossas cabeças desmoronam-se com a maioria das pessoas desprovidas e mal preparadas para fazer frente a tudo isto. Uma mudança demasiado rápida!

poluição.jpg E surgem milhares de teorias sociais que se encavalitam no espaço-tempo quântico dando novas formas à mente e á vontade que fica sob custódia de uns quantos eleitos por via de eleições. E, surge assim a democracia na qual se vota em gente que mais tarde se governarão a si próprios chamando nomes sérios a roubos e desvarios. Gentes com mentes e circunstâncias radicalmente novas transformando-se num perigo para todos os demais: os políticos de profissão!

:::::

E, este choque do futuro não estará mencionado em qualquer lista de anormalidades psicológicas; será coisa quase normal, aceite por todos mas estes, estarão cada vez mais desorientados e progressivamente incapazes de entenderem de modo racional o seu ambiente e, até entender o factor da amizade. O mal-estar instalar-se-á em si com neuroses maciças e violência descontrolada incapaz de se poder fazer as coisas mais triviais.

serrão7.png Surgirão terroristas e anarquistas que por debaixo de suas flanelas ou cetim, serão conformistas indecentes que por debaixo dos colarinhos abotoados se verificarão anarquistas e, pastores ateus ou budistas judaicos. E, surge a pop-art, os clubes gays, as quadrilhas sexuais, o swing, anfetaminas e tranquilizantes; também muita bruteza e maneirismos com calão com abundância de muito esquecimento. 

:::::

Nos dias de hoje libertamos uma força social totalmente nova, uma mudança tão acelerada que influência o nosso próprio sentido de tempo, revolucionando nossa vida quotidiana que afecta naturalmente o modo de como sentimos o mundo à nossa volta. Esta aceleração reside fundamentalmente na instabilidade. Neste estado sempre transitório afectaremos forçosamente nossas relações com as demais pessoas. Será esta a pré-modernidade? Quem irá saber ao certo…

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 04:58
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Segunda-feira, 26 de Junho de 2017
MOKANDA DO SOBA . CXXVII

AI.IÚ.É - TAMBULAKONTA – 26.06.2017  - Isto é África! O futuro está a ficar doente! É a doença negra da mudança…

Por

t´chingange 0.jpg T´Chingange

Os conceitos do mundo actual, valores, crenças e as histórias da avozinha, não são mais as mesmas; muito menos aqui em África aonde o ontem fica cada vez mais distante e, o que então era proibido, hoje já o não é. Lugares aonde agora predomina a gasosa e fundamentalmente a postura governamental de BLACK EMPOWERMENT; Isto quer dizer uma política substituição do negro em detrimento do branco. O branco tem de investir e, quando da necessidade de contratar gente tem por lei de dar trabalho em primeiro lugar ao negro em detrimento de um outro e de outra cor bem melhor preparado para exercer uma qualquer função.

aug1.jpg Se isto não é racismo selectivo digam-me então o que é? Os tempos mudam rapidamente e para alguns é de consequências pessoais e psicológicas dramáticas. Na administração Sul-africana os brancos foram substituídos pelos negros, mandados para casa sem a necessária subsistência aos anos vindouros.

:::::

Vá-se lá entender a pedagogia de produzir surpresas em novas experiências sociais como esta tão desagradável. Esta concepção de racionalismo opõe-se à filosofia que professa que as ideias se deterioram quando aplicadas às coisas e procedimentos, depois vem a ineficácia com sequente deterioração na coisa pública e privada. Na contraluz da sorte e no “Empera´s Palace” de Johannesburg ouvi o grito de “bingo” quando só me faltavam três números dos nove escolhidos. Meu primeiro domingo foi assim prorrogando a fome até bem á noite saciando-me com uma pizza margarita; esta gente aqui em Sud’África não almoça!

aug4.jpg O conhecimento da realidade moldada pelas teorias modificam-se assim como numa paisagem vista num nascer ou em um pôr-do-sol que se confundem pela ordem das razões e segundo uma teoria desadequada: Um bingo! A ordem das razões, valorizam a ordem dos factos em detrimento do bem social. Foi esta a minha primeiríssima apreciação  no primeiro domingo e, em companhia de minha mais próxima família. Tudo isto, também em companhia da dor de dentes persistente desde a minha visita ao M´Puto dos pequeninos na Coimbra dos doutores.

:::::

E, o Facebook não dá tréguas à minha t´xipala desde que alguém publicou em minha página algo que nem consenti enviando para muitos amigos a virose cibernética que me atacou. É só dizer mal do EDU e logologo surgem uns bajuladores a cuspir-me na cara com ácido sulfídrico. O Facebook torna-se assim numa armadilha de estragar amizades e, pedem senhas, contra-senhas mais o século do nascimento trancando-nos em quarentena por quatro dias.

aug5.jpg Decidi por este meio não mais aceitar amizades da conxinhina por via do Facebook com nomes super inflados num zepelim com ácido escorbútico pois que, é esta a sexta vez que me mancham a dignidade por trilhos desconhecidos e demasiado rendilhados de maleficência. Mas estando eu num planalto africano e a mais de 1600 metros de altitude pude em conversa saber que a áfrica fica a cada dia que passa, mais longínqua para os bancos.

:::::

Não há maior religião do que a verdade! Com este pensar de Dalai Lama na cabeça e passeando, aproveitei fazer uma viagem ao paraíso e vi gente branca, (também negros) a pedir nos semáforos, nos parques de estacionamento, um pouco por todo o lado. Trazia na minha mochila palavras de apreço mas, jamais as poderei usar aqui no bom sentido! Os seguidores de Jacob Zuma estão a seguir as absurdas posturas de Robert Mugab, essa decadente figura presidente do Zimbabwé, uma múmia racista, um bruxo que ensombra a áfrica do cocuruto até os tornozelos, numa forma simples de falar metáfora.

aug2.jpg E a Europa, o ocidente em geral, submissa a seus autoconceitos éticos e, dando guarida a todos os refugiados idos do corno e resto de áfrica, suportando estes desmandos de governos tontos; dando até tratamento diferenciado só porque são negros em detrimento do branco! Não posso concordar! Sempre este conceito de coitadinhos sem exigir de forma enérgica ou mesmo com bloqueios a estes desclassificados gurus, governantes africanos de tuji!  

aug3.jpg Passeio por terras edílicas que contrastam suas belezas, doirados e arredondados montes com seu verde, flores de Augrabies, penedias com secura e ainda o azul do mar; dos sargaços bailados em meus sonhos como ondas aonde se pode ver o redondo do horizonte nublado por ideias e ideais torpes de governantes perpétuos. Sendo este o meu passeio preferido, andar nos trilhos de entre bissapas, funchos, cassuneiras suas muitas flores do Orange desde Upington até Springbok.

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 10:19
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Segunda-feira, 19 de Junho de 2017
MALAMBAS CLXXIII

AI.IÚ.É - TAMBULAKONTA – 19.06.2017O futuro está a ficar doente - Doidejo-me ao ar como se alguém me fustigasse o corpo com urtigas bravas. É a doença da mudança…

Por

t´chingange.jpegT´Chingange

Os tempos mudam rapidamente; para alguns é de consequências pessoais e psicológicas profundas pois que as mudanças nos dominam ou subjugam por completo. Eu e minha mulher, esposa ou patroa como muitos ainda teimam em designar, temos uma amiga de longa data, de quando ainda eramos solteiros e fazíamos piqueniques. Pois esta amiga anda indignada com seus quatro filhos porque a querem internar em um lar de idosos; ela opõe-se a isso porque não se sente senil nem anda falando átoa com as paredes seus desacatos.

bruno13.jpg Não achando terreno propício a desabafos, eu e minha mulher, inteirinhos da silva, encurtámo-nos no cochicho do cubículo debatendo este problema transcendente sem podermos desviar nosso mal-estar da nossa tela numa vida futura. Vendo nosso filme encafifados numa sala de gente moncosa falando coisas repetidas até á quinquagésima vez, dissemos que isto não podia acontecer com a Júlia, viúva do saudoso Jorge nosso anfitrião dos piqueniques enquanto a vida lhe pululava no seu todo.

::::

De sorrisos murchos no silêncio calado, colamos nosso futuro na parede de nossas duas mentes com farinha de trigo, tal e qual como fazíamos quando eramos mais novos. Desta forma sempre poderemos descolá-lo com uma borrifadela de água mole. Mas será que podemos assim colar e descolar o futuro conforme nos dá na veneta!?  Bom, pelo sim pelo não colamos ao lado deste catálogo virtual do álem um sinal de cho-ku-rei para dar uma luz mais forte ao nosso destino.

araujo1.jpg Pois então, os filhos da Júlia reuniram-se em Lisboa à revelia da mãe decidindo que esta está a ficar pataroca e tal e coisa, mais esquecida e desajustada com edecéteras imaginados nas raspas hipócritas e egoístas da mente. Ela a mãe, transitoriamente em casa de sua filha mais velha pensou em dali sair o mais rápido possível. Assim pensou e assim o fez! Pisgou-se até à estação do Oriente, sem nada nem mala para não levantar suspeitas e seguiu para a sua casa da Beira Interior. Toma! Chegada lá telefonou a dar-lhes notícia do acontecido. Estafa farta de se sentir presa, encafifada, trancafiada em um espaço de 50 metros quadrados. Faltava-lhe ar…

:::::

Ela, a Júlia, em desabafos fungosos diz que se os filhos persistirem nesta ideia, lhes vai levantar um processo judicial. Com tudo isto, fiquei estarrecido por vivificar estas correntes de mudança social, derrubando as nossas virtuosas acções, modificando nossos valores ao ponto de nos secarem as raízes. O futuro invade nossas vidas revertendo-nos na mudança que nos invade a vida, assim como aquelas labaredas que surgindo do nada ceifam nossa paz.

arau44.jpg Mas, nós não somos coisas! As coisas que compramos e deitamos fora ou ainda outras desusadas que metemos no sótão e ali ficam invalidadas, esquecidas, entronchos a obstruir o espaço. Neste caso, os quatro intervenientes filhos são pessoas com cursos superiores! São gente com tino, que sabe o quanto seu pai e sua mãe labutaram para que assim o fossem, gente capacitada.  

:::::

A sociedade em que vivemos com as pessoas que passam, uma e mais outra, adulteradas na velocidade dada vez maior e num tempo medido por suposição. Tempo analógico, porque a vida deveria aprofundar-se num futuro de amizade e, não na incerteza ou medo! Os estilos novos nas instituições são imprevisíveis a curto prazo! O que o é hoje pode não o ser amanhã! O futuro está a ficar doente mudando psicologicamente as relações e, a isto os médicos ainda não descrevem como doença….Mas é-o!  

araujo38.jpg A doença da mudança; neste ambiente de mutação rápida nós não sabemos como preparar o futuro, preparar o animal homem educando-o intelectualmente! E, nem os psicólogos sabem como lidar com isto na perfeição, nas novas adaptabilidades. Genericamente não sabem como é que isto se faz! Porque eles fartam-se de referir suas intrigas com uma aparente resistência irracional, de gente como eu ou a Júlia, à mudança. Muito curioso, é haver gente com uma tão forte vontade, duma quase furiosa mudança.  

:::::

Qualquer esforço para definir este “conteúdo” de mudança, terá de incluir as consequências de brechas novas. Se virarmos o espelho do tempo ao contrário, vamos desentender os nossos problemas sociais e públicos se não recorrermos ao uso do futuro como uma ferramenta intelectual, porque hoje o mundo é uma estória de evolução rápida. É trabalhoso lidar com esta realidade, porque ainda não aprendemos a conceber, a pesquisar, escrever ou publicar em tempo útil de um “agora”

araujo92.jpg Os astrólogos são um engodo vulgar que não vaticinam coisas pensadas, uma triagem que ora cola ora descola como a farinha trigo já falada aqui. Ninguém tem o conhecimento do amanhã. É por isso que fico baralhado com gente jovem que estandardizada, tudo faz como um autómato desinserido dum “sentimento” e, remando para um lado estilístico definindo-nos no futuro como um “provavelmente”. Não conjugam os verbos com sentimento mas sim, com um seco  tom contabilístico ou uma zoada electrónica.

:::::

Não sabem ler a mente por indícios, não sabem articular opiniões com o coração e, isso mete-me algum medo! Medo de frio metálico… coisa de andróides…  Jamais os GPS de hoje poderiam ser feitos se outrora os cartógrafos não desenhassem a terra e, que apesar de limitados, registaram suas temerarias concepções de mundos que nem sempre viram! O motor tecnológico do futuro não pode defuntar o passado… Um dia um psicólogo mandou-me tirar água dum poço com um cesto de vime para regar um malmequer e, eu tirei! E reguei! Usei a mente e congelei.

Ilustrações de Costa Araújo

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 05:28
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quarta-feira, 14 de Junho de 2017
MOKANDA DA LUUA XLV

A CHUVA E O BOM TEMPO - BOA NOITE...14.06.2017

NÃO POSSO DEIXAR DE PARTILHAR NESTE KIMBO BLOGUE ESTE LAMENTO SENTIDO ALGUEM QUE VIVE EM LUANDA ATÉ HOJE .... MERECE SER LIDO .... Parte 1 de 2

roxomania2.jpgAs escolhas de Assunção Roxo

Por: Isabel Batista

lua3.jpeg "E, é tanto o descaso o desamor o desrespeito, que está valendo cuspir no chão do luxo, fazer xixi à vontade x….Comer mal e pagar bem, delapidar, destruir, fazer “sumir” o que era nosso garbo. Sempre fomos vaidosos. é uma “ doença” antiga kaluanda kkk. E quando se quer safar a “onça” lá vem a baía de LUANDA em todo o seu esplendor…ela que já foi das mais perfeitas do mundo (dizem), mas agora …

:::::

Agora anda suja e com um colar de brilhantes de mentira no colo “doído”, quando podia ser de um de diamante. Dos de verdade! Quando as máquinas avassaladoras surgiram, roubando o mar… Vomitando tecnologia de ponta em tudo… Não houve sequer tempo - "Abraçamos" a ideia de restaurar! Fazer melhor. Nos tempos "áureos das vacas gordas” faziam-se prédios avulsos; a granel. Luanda acordava e adormecia cada dia diferente e nós, Atónitos.

roxo60.jpg Afinal???? As obras eram em ritmo avassalador, surgiram os primeiros anúncios luminosos no Natal... e, tal... Madrugadas e madrugadas de material em desfile na velhinha marginal com equipamento vário (já havia assisto a madrugadas inteiras de equipamento de guerra em outros tempos…até um Mig embrulhado em plástico…em plena Mutamba) mas dizia-me: Pedras gigantescas, colunas de alumínio do tamanho de túneis e carris e perfis, desfiles de aço em toda a sua magnidade.

:::::

Muito aço! Máquinas com aspecto tipo “espacial” por entre turbinas do tamanho de três andares. Até caixas altamente incrementadas e sofisticadas com rótulos em várias línguas; etiquetas de atenção frágil!!!!!! fazendo deixar adivinhar o que de precioso vinha lá dentro.

:::::

Cimento em cubos e enorrrrmes brancos. Como torrões de açúcar. E um orgulho bweeé grande. Um país a acontecer a meus pés. Uma privilegiada com estes milhões, poucos que somos para tanto mar e tanta terra e tanto ar! kkk. empregos bweeé. Meses e meses de madrugadas inteiras com reboques e camiões cromados com guinchos. Até arvores…pela calada da noite, embrulhadas como se fossem raminhos de salsa em camiões.

roxo61.jpg Aiueeé! E guindastes mais tractores e paletes de paletes e paletes de todo o tipo de barcos e carros. Desfile felídeo! Um agito, os primeiros chinocas a se manifestarem. Era engraçado; não se deixavam e chegavam ao que queriam comendo ginguba com mandioca. Ai não! Kkk Discretos ainda. Cheios de “sabedoria” e, lépidos.

:::::

A construção de um País. Singular com singularidade - poder participar, ver…é um acto! Nunca esquecerei. Uma coisa desmedida…mas, mas … Era demasiado. Era o canto do cisne que engolimos…e depois dos cisnes engolindo sapos.

ROXO134.jpg Para escorregarem melhor, com muito betão, muito vidro. Vidro fumado para tapar a “tropicalidade” de um sol invejável que enfeita qualquer capa de revista de turismo a bordo…de qualquer avião. Voávamos sim! E vieram as manias e truques importadas engalanando uma festa que se fazia anunciar sem acontecer.

lua7.jpg E inventaram de acabar com as rugas desta cidade… Em intervenções cirúrgicas que não funcionaram. Parques homéricos no lugar de jardins. Árvores monumentais, magistrais, seculares foram fora. Os bairros deixaram de ter clubes e, os campos de jogo, viraram outro “game”, novo jogo.

(Continua…)

Ilustrações de Assunção Roxo

Arranjo de T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 04:29
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sexta-feira, 9 de Junho de 2017
MOKANDA DO SOBA . CXXVI

TEMPOS PARA ESQUECER - 09.06.2017 - ANGOLA DA LUUA XXXII. NA GUERRA DO TUNDAMUNJILA. “Vai para a tua terra, branco” era o que mais se ouvia na Luua de 74/75… Os heróis de tuji foram-se misturando com os demais…

Por     

soba15.jpg T´Chingange - (Otchingandji)

Segunda metade de Agosto de 1975 - O líder da UNITA, Jonas Savimbi, acusava as tropas portuguesas de tomarem parte efectiva ao lado do MPLA no ataque ao Luso, ao Lobito e a Sá da Bandeira, hoje Lubango e, contra a UNITA aonde quer que esta estivesse! Só quem está impregnado de fanatismo esquerdista (que são muitos!), não consegue gerir esta verdade mesmo tendo-se diluido em já quase 42 anos.

:::::

Em Moçâmedes, as FAPLA faziam a abertura de bagagem aos adidos e demais refugiados contrariando o despacho de 14 de Julho sobre este assunto. O MPLA, comportava-se como dono absoluto de Angola fazendo o que lhe melhor aprouvesse com o beneplácito das tropas portuguesas. O MPLA bordava e pintava costurando tudo a seu jeito; Nós, gente sem mando e maioritariamente brancos, ali andávamos a toque de caixa com tiros e abusos pregando caixotes e, ao sabor das vontades da nomenclatura do “glorioso M”. 

suku0.jpg Victória ou Morte, brancos para a sua terra, era o que mais se ouvia nas ruas da Luua e na radio cheia de guedelhudos enviados pelo PCP e outros ditos progressistas de túji! E, nós sem saber qual era mesmo, a nossa terra! De um lado para o outro que nem baratas tontas e revistados pelos partidos emancipalistas (muitos, que tambem fucaram refugiados), pois então, gente sem preparação, analfabetos e drogados enviados das universidades do M´Puto. Os mais bens comportados desta maralha de guedelhudos, ao chegar às suas bases, suas universidades, tinham passagem administrativa garantida.

:::::

Não se fizeram só generais de aviário não! Foram muitos outros em muitas áreas que como políticos faziam desmandos com roubos; agora, esses e outros refratários, recebem medalhas e condecorações! Temos aí o 10 de Junho para ver! Não contando com os prémios pecuniários e mais os de Camões e outros a serem inventados e justificados como nos assaltos a bancos. E, também navios com mortes e outros procedimentos forjados de fresco ou mofados. Procedimentos que resultaram na bagunça que hoje observamos e, que hoje temos! Iremos ver, sentir e ler alvissaras com prémios monetários para exprimir contentamento por uma "boa causa" - valha.nos Nosso Senhor...

ter5.jpg Tempo dos poetas a fingir-se de humanistas, mentirosos militantes inseridos nos partidos, das novas gangues sanguessugas do povo cordeirinho! Bem! Agora temos Marcelo! Qual quê… A coisa vai parecer ter mudado mas as cartilhas vão ser paulatinamente cumpridas. Ele, pouco a pouco vai alinhando, vulgarizando-se. É mesmo uma coisa de atar o cerebelo à ignorância… Vêm aí as comendas!

:::::

Mas em 1975, voltando à revolução em curso do PREC - expurgo dos fascistas. Pois! Quem eram esses? Ora, eram todos os demais com os retornados à frente. E, lá andávamos como os judeus a serem alinhavados para a morte nos campos de extermínio da Alemanha. Primeiro tentavam lavar-nos o cérebro e depois mandavam-nos para os mukifos, revitalizar as pedras das calçadas, limpar a bosta lançada nela pelas bestas, gerir silêncios transpirando raivas mal arrumadas, repondo as pedras nos muros entre fragas e lajedos do tamanho dum novo mundo.

parac4.jpg Salvar os hotéis, pensões e casas de alterne desactivadas. Mas alguns, em verdade foram assediados para gerir as novas “farmes do Alentejo” e, do alto coturno das guerras fingidas nas boinas verdes, investidas numa operação de cavalaria, engenharia e outros edecéteras com cabeças penduradas nos taipais e varais, viraram meias rotas de se usar como pano do chão, mantas de trapos, esfregonas ou desperdício das oficinas de limpar esterco com titica de cachorro. Mudos e quedos por ali ficavam a fingir heroicidades… A retirar telhas dos “montes” no meio das estepes, das abetardas de Panoias e acima de Ourique.

:::::

Naquele então de 1975 e em Angola, pelas FAP, era reconhecida a incapacidade de se impor pela força em qualquer decisão sem ficar livre de grandes riscos. Pois então, não era isso que se pretendia? Ninguém vai responder a isto! A Comissão Nacional de Descolonização referiu que a seguir ao alivio que representava o Acordo de Alvor, Lisboa não mais quis saber do que acontecia em Angola. Era notório o desinteresse crescente na opinião pública e das forças políticas do M´Puto por estes problemas. Nós seriamos o ”biltong” com jindungo a virar piripiri. Bem dizem os brasileiros: pimenta no cú dos outros, é refresco…

:::::

No dia seis de Setembro de 1975, Savimbi recusou reconhecer a nomeação de Leonel Cardoso como Alto-Comissário exigindo a saída da tropa portuguesa do Sul, por não assegurarem a segurança dos desalojados (não distinguiu bancos de pretos). No primeiro encontro de Leonel Cardoso como Alto-Comissário com Agostinho Neto, este acusou a tropa portuguesa de fazer negócios escuros vendendo nas lojas de Luanda géneros da Manutenção Militar, e transportando bagagens de civis para Portugal a troco de dinheiro ( e, era verdade!).

retornar9.jpg Mas que desfaçatez alegar isto quando até aqui tinha tido apoios por mais inconcebíveis das FAP; era um crápula, um cara-de-pau da pior espécie… Neste momento até me apetece escarrar na múmia dele, seu feio focinho, todo o veneno do mundo! Ninguém é de ferro para suportar estas merdas, dum safado poeta de sexta categoria, posto como libertador dum povo no bombom da gasosa portuguesa. Era de prever que aquele país iria ficar num caos! E, o mundo nem aí! Dando palmas com os falsos americanos na linha da frente. E, a Europa submissa a estes filhos do dólar (que um dia irão beber petróleo…).

:::::

A 27 de Agosto, tropas regulares Sul-africanas com oitenta homens e 12 viaturas blindadas, entravam pelo Roçadas e Calueque. Desde os incidentes de Junho que o Poder Legislativo e Executivo estavam totalmente entregues ao MPLA. Os meios de comunicação eram também controlados pelo MPLA incitando permanentemente os Luandenses ao ódio, racismo e tribalismo, sempre culminando com um comunicado do Bureau Politico do MPLA.

roxo138.jpg Estes faziam levianamente acusações gravíssimas ao governo Português, as FAP e ao povo português, aos brancos em geral! Porra! Era, e continua a ser no apetecer dizer a tanto desaforo! Luanda era o centro político militar do MPLA; uma bomba relógio! O repatriamento implicava alguns procedimentos desde procurar a pessoa em Angola até a colocar em Portugal dizia neste então Gonçalves Ribeiro, o pai da “ponte Luualix” acrescentando que ainda faltava ir buscar algumas pessoas a áreas onde não havia qualquer segurança…

(Continua…)

O Soba T´Chingange - (Otchingandji)

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 13:40
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quinta-feira, 8 de Junho de 2017
MOKANDA DO SOBA .CXXV

NAS FRINCHAS DO TEMPO . Peneirando no tempo as ténues memórias dos acontecimentos, Apalpando as medidas da natureza, sarar as feridas do corpo …

Mokanda : É uma carta

Por

t´chingange 0.jpgT´Chingange

Apagando os rastos dos passos que aqui nos trouxeram, em terra de M´Puto, dinovo volto a remover os ossos do passado e, mesmo espreitando pelo postigo da memória antropológica só graças à debilidade desta, irei fazer do tudo um coisa nenhuma para não alvoroçar espeleólogos, ou os espíritos muito cheios de malévolas insinuações; esquecendo as leis não cumpridas coisas rebuscadas em terras de promissão viajo num tempo esquecido! O tempo das arcas perdidas com mabecos a cheiretar com chacais na gasosa das sobras.

zep1.jpg A nossa vida, de cada vez mais na mesma passando ao Deus me livre e valha-me o Santo António, com os sem etnólogos e outros afins descobridores de pegadas politólogas, cheiros encarquilhados. Dos novos iões de densidade molecular misturados nos anos, na leitura de carbono e eteceteras complicadíssimos, coisas progressistas… Ué, num repentemente virei bicho beiçudo de fazer pouco com muxoxos descabidos e coisas que só sei, porque não quis esquecer.

:::::

E, nos finalmente vêm as agruras duma lengalenga com motor Magiros; também uma Scania, a camioneta que pernoitou no mato. Segura a Esperança, nome de mulher feito sentimento, vamos esperar, não aconteceu nada, devem estar aí a chegar. Fazenda tentativa do Ucué com bananas e macacos chiando na mancha muito verde com turras farejando vidas. E, lá nos fundos, por detrás do morro da cal, o motor dum velho Dodge a fazer luz num gerador!

zedu4.jpg Roncando zumbidos de roça, cheiros fortes de óleos com elefantes invasores a matar carraços na areia da mulola. Cheiros de África profunda e prófundo…. Se a vida é uma sentença com um princípio e um fim, não conseguiremos ouvir o grito da vida se sentirmos remorsos daquilo que não fizemos, ou daquilo que poderíamos ter feito; não podemos assumir a culpa dos pais, nem dos pais de outros pais.

:::::

Na percepção parcial das vitais contingências, tecidas e compostas nas coincidências de que a vida é feita, encontraremos o rigoroso sentido do passado, por fortuitos efeitos que determinam o futuro próximo e distante. Uma vez é assim outra é uma coia feita bosta! Cada um de nós foi o que foi por uma coisa pequena, que sem se lembrar do primeiro choro, outros choros se lhe seguiram.

:::::

Como um risco feito no chão, nem sempre se escolheu dedo ou arado nem por onde fazer o rego que por coisa pouca mudou nossas vidas. Vão ter de me ouvir! Vão ter de me aguentar! Num repente faço um gesto feio! Meu pai já morreu, foi-se assim como Cristo, cheio de mágoas a fugir dos nacionalistas, dos libertários.

camionista1.jpg No M´Puto vendeu sua lambreta trazida da Luua a um cigano; o filho da mãe, matreiro que nem cachorro mau, só lhe pagou o guarda-lamas, pode? Voltou dias depois reclamando que aquilo andava de lado e de atravessado, queria o livrete e, meu pai fez-lhe um manguito, assim de braço cruzado com repetidos gestos muito ofensivos para o tipo, o gajo, meio moreno ou escuro da tasmânia, sei lá! Mas, meu pai teve de fugir com seus mais de setenta anos em cima. O sacana, tinha uma arma, fez pontaria à janela e pum! Estalou o vidro da janela; melhor, estilhaçou-o.

:::::

E, porque é vulgar dizer-se que os gestos não totalmente sinceros vão sempre atrasados, agradeci logo tais luxuriosas horas de lazer e no consolo d agora em minha kubata. Relembrando minhas ousadias vividas da Beira, só e taciturno, vi o castanheiro já grande com suas cascas caídas, assim descuidadas e no chão, para os coelhos. Nada igual como o foi em Viseu de Viriato com a turma de Gumirães com a simpática companhia da professora Marisa Batista, uma luso brasileira que mede pulsações aeróbicas no sobe e desce da Igreja dos terceiros e a escalada para a Sé.

:::::

Pois sim! Aqui ou ali, a vida pulsa, e temos de nos acomodar às migrações de gente e ideias com novos ideais. Olhando a natureza que nos transcende na dinâmica, e nos transforma na rusticidade ancestral, seus sotaques, falas e cantorias joaninas. Virou! Torna a virar! Entre lajedos com fetos nas frinchas, pinhais e silvado, procurei a terra de muita labuta chamada de Cornelho; pude assim compreender o abandono de espaços antes movimentados, que agora no silêncio se deslocaram para as novas catedrais de consumo.

socras3.jpg Diz-se de que, quem quer falar de assuntos sigilosos vai para o deserto mas, eu não arrisco limpar o lacre dos actos e pensamentos porque de certo modo já tenho o coração endurecido na prática do pecado. Por isso e mais uma vez vou até às terras de Erongo, suas montanhas secas com a areia subindo em suas encostas, atravessar as terras de Karibib, Usakos até Swakopmund e Walvis Bay pela nacional B2 da Namíbia, um calor abafador em sua máxima potência…

Hoje foi assim!

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 07:01
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quarta-feira, 7 de Junho de 2017
MALAMBAS . CLXXII

CINZAS DO TEMPO07.06.2017 - REFLEXÕES NUM GUARDANAPO DE PAPEL (grande e amarelo!) - Não há maior religião do que a verdade! Somos o que somos enquanto o somos!

MALAMBA: É a palavra.

soba15.jpgAs escolhas de T´Chingange

Por

canhot1.jpgAntonio José Canhoto

Os caminhos da vida cruzam e descruzam pessoas, proporcionam encontros e desencontros que podem levar a amores e desamores, a violências, parafilias sexuais, retaliações, vinganças, casamentos, divórcios, separações, paixões escaldantes e arrebatadoras, obsessões doentias e perigosas ou suicídios. A vida junta e afasta pessoas independentemente da raça, ou credo e assiste impávida e serena, ao desgaste, erosão e convulsões dos relacionamentos humanos, às alegrias, desgostos ou dramas que afectam a humanidade. A vida temporal decorre há milénios umas vezes mais plácida e serena do que outras, mas em qualquer delas nunca nos podemos esquecer que o mundo tem armas muito poderosas para nos destruir sem que a humanidade possa intervir, chegando eu a pensar que em muitas das vezes em que a sua ira nos é mostrada são avisos.

144.jpgAs retaliações de como nós os humanos sem critério ou rigor abusamos do privilégio de podermos habitar algo que nos foi oferecido numa bandeja sem condições ou critérios. Elas surgem! O mundo faz-me lembrar um dote que os noivos recebem em forma de casa completamente mobilada e equipada, cuja sua obrigação é nela habitar zelando pela sua manutenção e conservação. Contudo nós terráqueos não temos sido dignos de habitar este paradisíaco éden pela forma descuidada e criminosa como o usamos.

:::::

 E, sem dele cuidar para que gerações futuras possam ainda nele ter alguma qualidade de vida. Era esperado que este jardim ou horta continuasse a ser plantado e fosse cuidado, regado e podado como se fizesse parte da casa onde habitamos. Infelizmente o homem em relação ao planeta terra tem mostrado o pior dos seus instintos destruidores tratando-o de forma esclavagista e não lhe concedendo quaisquer direitos básicos de protecção. Assim como existe uma Declaração Universal dos Direitos do Homem deveria existir o mesmo tipo de direitos para o planeta Terra.

roxo90.jpg O mundo onde vivemos foi-nos concedido nele habitar, gerir e cuidar como se fosse um Protectorado por quem o criou, tenha sido pelo processo Criacionista ou Evolucionista. Cabe a nós mortais trata-lo, alimenta-lo, usa-lo, gasta-lo, aliena-lo, vende-lo, empresta-lo, aluga-lo, hipoteca-lo de uma forma discricionária e de conformidade com as nossas opções ou necessidades do momento. O mundo é implacável, não tem filhos eleitos ou enteados, não se deixa subornar pois é incorruptível, nem dá tratamentos preferenciais a ninguém. Portanto, perante ele, apenas somos seres, que quando nos tornamos ciclicamente excedentários e começamos a ameaçar o equilíbrio demográfico, torna-se necessários remover ou eliminar a quantidade que começa a desequilibrar os pratos da balança.

:::::

Para que isso aconteça as leis que gerem o Universo vão assistindo de forma imperturbável e passiva aos desmandos dos humanos, mostrando ocasionalmente a sua ira, raiva e revolta através de cataclismos expressos por manifestações climatéricas, terrestres ou marítimas agrestes e violentas deixando rastos de destruição indescritíveis nas áreas geográficas onde decide exercer e retaliar pelos desmandos que a humanidade faz nas suas entranhas. Por vezes em minutos, o trabalho e investimentos de anos de labor e suor vertido na edificação de melhores condições de vida para aqueles que nela habitam são arrasados pela ferocidade com que os elementos da natureza nos atingem vergando a espinha dorsal da humanidade  e, colocando-a de joelhos a pedir clemência.

roxo149.jpg Muita gente tem de morrer para que não nos comecemos a comer uns aos outros pela falta de bens básicos de consumo, que cheguem para alimentar tanta gente. Estas leis imutáveis com que a natureza ocasionalmente nos brinda, nada nem ninguém as pode alterar, mudar ou controlar e muitas são difíceis de prever ou antecipar. Contudo a humanidade e a ciência evoluíram ao ponto de poderem detectar com alguma antecedência certos fenómenos para que os danos sejam minimizados e as pessoas protegidas. Existem várias maneiras de estar na vida e no mundo, como motor ou como carga, uns fazem-no avançar, pular e saltar com grandes descobertas, uns fazem história porque nela intervieram outros apenas a lêem.

::::::

Uma minoria passará a ser recordada para todo o sempre, outros serão esquecidos mesmo antes de fisicamente morrerem. Uns vivem a vida de uma forma contemplativa desprovidos de bens materiais entregues á meditação de se elevarem para estágios da terceira visão. Outros nascem sobre o signo do fatalismo e mantêm-se num estado letárgico de imobilismo quase permanente queixando-se de tudo e de todos desistindo às primeiras adversidades, entregando-se sem luta ou rendendo-se cobardemente às primeiras investidas da vida, quando esta os contempla ou confronta com desafios, agruras, desapontamentos, desilusões ou lhes bate à porta com más notícias.

::::::

Há quem viva a sua existência intensamente até às últimas consequências como se o mundo acabasse no minuto seguinte. Para os parasitas e sanguessugas da sociedade, que apenas ocupam espaço, e respiram o oxigénio tão necessário a todos aqueles que labutam de sol a sol, a morte deveria estar mais atenta e não ser tão condescendente com estes párias da sociedade. O mundo no seu movimento de rotação e translação não para, não espera, não adia a sua marcha inexorável para que os atrasados ou lentos acelerem o passo a fim de acompanhar o seu ritmo, ou que desistam desmotivados pelos revezes do destino. O mundo não se compadece das nossas quedas, ou das opções erradas que tomamos, nem dos períodos de convalescença ou de reflexão de que precisamos para recuperar fisicamente ou para redefinirmos posicionamentos perante a nossa forma de estar no mundo.

bruno13.jpg O Mundo ou a sociedade segue o seu destino de uma forma implacável, indiferente aos problemas humanos, estatuto social ou financeiro; todos iremos morder o pó ou o fogo consoante a forma como desejarmos dispor do nosso bem-amado esqueleto. Quanto maior for a nossa tendência para pouparmos dinheiro ou energia física pelo desgaste vivencial pensando com isso que por cá andaremos mais tempo que os outros - é puro engano! Todos deveríamos gozar a vida diariamente e usufruir daquilo que ela tem de bom para nos oferecer, e algumas até de forma gratuita, como seja por exemplo o nascer ou pôr-do-sol as fases da lua, constelações, sol da meia-noite, e as belas paisagens de algumas regiões do globo, ou a imprevisibilidade de nos cruzarmos com pessoas interessantes…

::::::

Uma pequena queda, pode como num texto longo como este, mudar o curso da estória de nossas vidas. Adiar o presente é comprometer o futuro, por isso, não devemos arranjar desculpas para evitar viver o dia de hoje, adiando para melhor altura a continuação de viver a vida. Diariamente esta confronta-nos com todo o tipo de desafios, tentações, oportunidades que nos levam a ter que pensar, escolher, decidir quais as melhores opções a tomar perante as diferentes situações que se nos deparam, sendo algumas delas de decisão imediata que não nos permitem dormir sobre as mesmas.

araujo82.jpg A vida é uma faca de dois gumes; quanto menos nos expusermos a ser cortados tanto melhor, pois os golpes tanto podem ser superficiais como profundos os quais podem deixar marcas difíceis de sarar e cicatrizar. Compete-nos minimizar o risco sem que com isso tenhamos que nos demitir de viver a vida, resguardando-nos no nosso casulo e só saindo á rua em carro blindado, colete á prova de bala, com um regimento de guarda-costas e com médico na comitiva. É imperativo que sejamos cautelosos, previdentes, ter senso comum e alguma sorte, pois os riscos de cairmos nas ciladas, minas e armadilhas da vida podem acontecer a qualquer um, menos preparado ou prevenido causando-nos incapacidades de curto, médio ou longo prazo.

:::::

Nossa vida pode ser longa ou curta, e sobre isso não temos grande poder de decisão, mas por outro lado temos a possibilidade de a não provocar ou desafiar incorrendo em riscos desnecessários ou estúpidos de querer provar a nossa imortalidade, por pensarmos que somos superdotados ou nascemos sob uma boa estrela que nos protege e ilumina – Lérias! Não convoquemos ou exorcizemos demónios que não podemos controlar, nem aceitemos desafios que sabemos de antemão não poder vencer por falta de aptidões comparativamente com as do nosso oponente.

:::::

Que ninguém pense que a vitória ou derrota é apenas alicerçada no factor sorte, pois a avaliação é feita em disciplinas de competência, rigor e conhecimento. Que ninguém tenha a veleidade de pensar que pode controlar o ciclo da vida, e muito menos sair vencedor das batalhas que com ela temos desde que somos trazidos ao mundo. Podemos sim, ganhar algumas delas, mas a guerra final, essa sempre a perdemos na hora em que nos finamos. Finalizamos!

araujo69.jpg A vida concede-nos o privilégio de decidir se queremos viver na sua faixa rápida ou lenta, ou ainda a de ficarmos parados com o sinal de genuína ou falsa avaria, ou nas zonas de descanso por tempo indeterminado sem correr qualquer tipo de risco, vendo cobardemente a vida passar por termos receio e medo de a viver. Com esse tipo de atitude, apenas nos resta esperar que num certo dia acontece o ciclo acabar; que venha corrigir um erro da própria vida que foi o de nos ter feito nascer. Somos uma ilusão!

Texto escrito a 1-4-2014 por Canhoto

Ilustrações de Assunção Roxo e Costa Araújo

Eu, Soba Niassalês, T´Chingange, homologuei-o



PUBLICADO POR kimbolagoa às 05:50
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quinta-feira, 25 de Maio de 2017
MOKANDA DO SOBA . CXXIV

AS PROFISSÕES VÃO ACABAR! - REVEJA SEU FUTURO - Hoje deveremos educar e formar jovens e pessoas não para exercer uma profissão, mas sim para as dotar de um mapa de competências laterais e transversais.

Por

t´chingange 0.jpgT´Chingange

Em janeiro de 2012, o The Wall Street Journal informava que a Kodak estaria a preparar-se para iniciar o seu processo de falência, algo que ficou confirmado a 19 de janeiro de 2012, quando a mesma empresa solicitou um pedido de concordata para restruturar os seus negócios num tribunal em Nova Iorque. Em 1998 a Kodak tinha 170.000 colaboradores e era líder mundial na venda de papel fotográfico com uma quota de mercado de 85%.

ara3.jpg Ainda nesta década tínhamos em Portugal o Banco Espírito Santo que chegou a ser o maior grupo financeiro privado português e líder na satisfação do cliente. O mesmo BES obteve vários galardões internacionais tais como no âmbito da iniciativa "World's Best Banks" em que foi considerado o melhor banco português pela revista económica norte-americana Global Finance. A mesma opinião tinha a revista The Banker que considerava o BES como o melhor banco em Portugal.

:::::

Em 2007, a então famosa marca finlandesa de telemóveis Nokia liderava o fabrico mundial de telemóveis, detinha uma quota de mercado nas telecomunicações de aproximadamente 40%. Quando surgiram os rumores dos primeiros smartphones, os responsáveis da marca finlandesa consideraram que estes seriam telemóveis de nicho e não telemóveis de venda massificada. Este erro de avaliação saiu bem caro à Nokia que acabou por cair no desaparecimento do panorama mundial de telemóveis… O que podemos concluir destes três exemplos é que na actualidade não existem sectores imunes à turbulência económica e que o facto de termos sucesso empresarial numa determinada época não garante em nada um futuro próspero…

:::::

Agora gostava de transportar esta realidade para as profissões do futuro… Se há quatro ou cinco anos perguntássemos aos taxistas qual o impacto da tecnologia na profissão deles, quase posso adivinhar que muitos refeririam que o impacto seria diminuto e talvez alguns mencionassem que as tecnologias os iriam ajudar, a título de exemplo o GPS. O que sabemos hoje é que temos uma indústria de softwares que lentamente está a destronar os taxistas através de aplicações inteligentes…

araujo6.jpg Por sua vez o desafio é tão grande que nos próximos anos os condutores que estão ao serviço destas marcas de aplicações poderão ser destronados pelos veículos autónomos que estão próximos de ser uma realidade. O mesmo se passaria se perguntarmos aos advogados portugueses, qual o impacto da tecnologia na sua profissão? Alguns responderão certamente que o avanço tecnológico será um bom complemento, no entanto, negarão que poderá pôr em causa a sua profissão.

:::::

No entanto, não acredito que seja assim nos próximos anos… Actualmente a IBM desenvolveu o ROSS, que é o primeiro advogado de inteligência artificial do mundo. Este novo sistema cognitivo de inteligência artificial consegue emanar um parecer em apenas segundos, analisando a legislação, jurisprudência e ainda fontes secundárias. O ROSS obtém uma exactidão nos seus pareceressuperiores aos humanos. Enquanto o ser humano obtém 70% de exactidão o sistema de inteligência artificial obtém um eficácia de 90%.

:::::

O que se está a passar na advocacia está a acontecer na medicina. Hoje temos sistemas de inteligência artificial muito mais eficazes e fiáveis no diagnóstico de doenças do que médicos qualificados para o efeito. Um destes dias levei a minha mulher ao hospital do Alvor (Algarve); ia com uma tensão arterial muito fora do normal sendo a alta de 22. O médico veio de lá de dentro ensonado e receitou Paracetamol! Como é? Um espanto e, assim ficamos sem denunciar esta anomalia. Não morreu porque não calhou!

araujo1.jpg Um computador não iria dar um placebo destes para quem está tão aflito! Fiquei bem preocupado com o nosso futuro, nossa saúde ficando na mão de gente incompetente ou desclassificada, mesmo que sendo formada na melhor universidade do mundo! O homem ficou demasiado vulnerável às vicissitudes do desleixo e por vezes, muitas vezes está uma vida em jogo. Muito provavelmente este médico foi um bom aluno, teve médias altas em seu curriculum mas neste dia falhou! Muito provavelmente um outro medico com menos notas no seu curriculum, teria mais aptidão e vocação do que este rustico e desleixado doutor !

:::::

Conforme o que explanei, não existem sectores nem profissões imutáveis; neste sentido hoje deveremos educar e formar jovens e pessoas não para exercer uma profissão, mas sim para as dotar de um mapa de competências transversais que as ajudem a desenvolver durante a sua vida não um, mas sim vários cargos. 

:::::

Meu filho que é duplamente licenciado no campo das artes anda todo entusiasmado com sua horta, sem emprego dedica-se com amor às suas alfaces, tomates, repolhos e até poejos que fazem uma bela açorda! Dá-lhe mais vantagens do que aceitar um trabalho remunerado com menos do que o vencimento mínimo! Que país é este? Infelizmente vamos ter de repetir isto e, cada vez mais.

araujo86.jpg Algumas destas competências transversais são: criatividade; flexibilidade; comunicação; gestão de prioridades; resolução de problemas complexos; pensamento crítico; inteligência emocional; negociação; o estado deveria investir em haver mais fonte de trabalho mas, um governo vem, outro vai e a bosta continua cheirando mal! É forçoso termos bons gestores no governo ao invés de gente que se cursa nos gangues com nome de partidos e, que só nos trazem infelicidades. Gerir um país como a Dona Arminda minha mãe Topeta nem é necessário andar na escola; ela era pouco mais que analfabeta e fazia contas mais rápido do que eu com calculadora… Surripiar-nos no nosso património, nos nossos ganhos, é a coisa mais fácil! Basta escrever um decreto e já está! Assim não brinco!

Ilustrações de Costa Araújo Araújo

Do Soba T´Chingange - com a ajuda dum Gestor e Professor Universitário…

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 05:49
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Segunda-feira, 22 de Maio de 2017
MUJIMBO . CXV

ANGOLA . NAS CICATRIZES DO TEMPOVALEU A PENA ?! - Já nem interessa chorar sobre o molhado! A justiça do ressarcir nunca se irá verificar mas podemos e devemos relembrar tudo o que se passou…

kimbo 0.jpg As  escolhas do Kimbo

Por

canhot1.jpgAntónio José Canhoto

Segundo dizia Fernando Pessoa no seu poema “O Mar Português” “Tudo vale a pena se a pena se a alma não é pequena. Quem quer passar além do Bojador, tem que passar além da dor. Deus ao mar o perigo e o abismo deram. Mas nele é que espelhou o céu”. Agora a minha versão do mesmo poema. “Angola Portuguesa”- “Valeu a pena ter descoberto Angola. Obviamente que sim, para quem não tem uma alma pequena ou uma memória curta. Quem como nós passou pelo processo da descolonização Angolano, que nos fez ver dolorosamente a bandeira portuguesa espezinhada e enxovalhada por uma mão cheia de traidores, foi como voltar a passar pelo Bojador”.

demo1.jpg Os valentes e arrojados descobridores portugueses ultrapassaram todos os perigos e abismo dos oceanos desconhecidos de forma valorosa e destemida. E, foram neles que espelhamos os tempos mais gloriosos da nação Portuguesa. Valeu a pena desde Diogo Cão até ao Marechal Costa Gomes, ter nascido em Angola ou para lá ter emigrado como colono livremente ou como militar obrigatoriamente?

::::

E, ao fim de uma vida perder todo o seu património conseguido pelo do suor do seu trabalho; é algo que cada um tem que responder de acordo com a sua consciência se valeu a pena. Por todas as páginas do Facebook dedicadas a Angola, vê-se facilmente que não é pelo saudosismo político colonialista imposto pela monarquia e posteriormente na república por Salazar ou Caetano que existe uma atracção magnética de todos aqueles que beberam a água do rio bengo.

:::::

E, ficaram irremediavelmente de forma misteriosa presos ou enguiçados pelos cheiros e gentes daquela terra. Todo aquele que lá nasceu ou viveu, não guarda qualquer tipo de rancor aos angolanos pelos trágicos e longos meses que precederam o 11 de Novembro de 1975 pois entendemos como o chamado “Poder Popular” foi manipulado, para servir os interesses dos lacaios liderados por Agostinho Neto.

desenr1.jpg Alguns portugueses tiveram a coragem de nunca lá saíram, outros tiveram a ousadia de para lá regressarem, mas a grande maioria com a guerra civil que começou de imediato e se prolongou assolando o país por mais de 20 anos jamais voltou. Os retornados que ficaram em Portugal já eram demasiado idosos para contemplar a ideia de voltar passado esse tempo, além de que já tinham aqui reconstruído as suas vidas, outros emigraram para o Brasil pela familiaridade linguística, e uma minoria optaram por países que não os condicionavam pelo idioma ou qualificações académicas.

:::::

Se Angola tem tido em 1975 um homem da estatura e calibre de um Nelson Mandela ainda hoje todos lá estaríamos pois comparativamente com o inferno Sul-africano em que os negros viviam, Angola era um paraíso pela não existência de um sistema degradante e segregacionista chamado “apartheid”.

:::::

Infelizmente na sua generalidade, Angola não está melhor hoje do em 1975, se é que não estará bem pior para a grande maioria dos quase 20 milhões de angolanos. Obviamente que ter diamantes plantados em terra ou rios e petróleo no mar de entre muitas outras riquezas minerais fez de Angola um dos países mais ricos do Continente Africano.

monteiro1.jpg Mas ao mesmo tempo que a riqueza angolana nasceu, também proliferou igualmente uma elite de novos-ricos todos eles conectados com o MPLA que governa o país há 42 anos consecutivamente. Quem nasceu ou viveu por longos anos em Angola passou por grandes dificuldades de adaptação onde posteriormente se tivesse radicado, tendo sido mais sentida por aqueles que regressaram a Portugal.

:::::

Os que regressaram ao M´Puto, por cá ficaram - Tiveram grade dificuldade de integração ou adaptação á mentalidade vivencial Portuguesa da época. Todos os que nascemos em Angola ou Moçambique possivelmente passamos pelo mesmo privilégio de ter uma juventude e liberdade vivencial inigualável a qual nada tinha a ver com aquela que era vivida em Portugal.

:::::

Termino este texto reiterando uma vez mais que apesar da minha já provecta idade continuo a reafirmar que ter passado cerca de metade da minha vida em Angola e tendo de lá saído indigente aos 33 anos, não a trocaria por nada feste mundo.

Canhoto aos 28-2-2017

roxo138.jpg TESTEMUNHO 1: - Claudino Rosa Soares - Fez este ano quarenta e dois anos que me vi obrigado a deixar Angola. Infelizmente, isso me trouxe após vinte e três anos de permanência, todo o tipo de incompreensões. O paradoxo de comportamentos do povo Tuga, impõe-se em oposição com a recepção dada agora aos novos refugiados vindos de outras paragens, com outras culturas e outro ADN. O como foi prestada aos trabalhadores da mesma Diáspora (de Angola), os retornados estigmatizados.

roxo135.jpg E, que até hoje nunca foram reabilitados, nem ressarcidos. Falando por mim: porque me fizeste isto meu Portugal? Nos primeiros tempos durante o PREC foi a animosidade dos concidadãos, em simultâneo a boicotagem da entrada nos empregos de quem vinha chegando! Dois me surripiaram no ramo cervejeiro. Quando cheguei diz-me a funcionária que me recenseou? -O senhor já escolheu Hotel? Hotel!?

:::::

Tenho dois filhos pequeninos e a senhora fala-me em Hotel … está a gozar com a minha cara ou quê. Paguem-me um bilhete para sair daqui. E pagaram mesmo! Mas a partir daqui fiquei só, enfrentando a vida tenazmente e, na clandestinidade. E passaram quarenta anos! Vivo desde esse tempo num misto de liberdade e escravidão.

REPU2.jpg Conheci todos os governos de Portugal pós Democracia e por incrível que pareça nenhum tentou sequer resolver problema de tal magnitude! Mas aqui: refiro-me evidentemente aos trabalhadores da Diáspora do Império, já que os funcionários públicos já cá chegavam com o papel da reforma! O mesmo país; situações idênticas! Soluções diferentes! Eu cheguei com dois filhos de tenra idade, fui de imediato jogado para o esgoto da História!

::::

As TVs os Jornais deslumbrados com a sua democracia mergulharam-nos num silencio tenebroso! O que quero é justiça! Aquilo que até os seres inferiores procuram… É por isto que hei-de reivindicar sempre esse bem que deixei num dos bairros pobres de Luanda. E se Deus existe, Portugal bem precisa da ajuda para repor e discernir a legalidade que lhes foi surripiada…

araujo63.jpg TESTEMUNHO 2: - António Monteiro - Já nem interessa chorar sobre o molhado! A justiça do ressarcir nunca se irá verificar mas, podemos e devemos relembrar tudo o que se passou, a grande traição! Esta manobra que resultou num governo ilegítimo, vai ter fim e Angola vai reviver e reconhecer nossos filhos como gente de N´Gola porque o são de direito! Angola com leis absurdas que não reconhece quem de lá saiu. Tudo tem de mudar sim! Uma cambada que ainda anda entre nós, corruptos e bajuladores; abutres do mundo mwangolés e tugas ladrões...

Escrito de José canhoto com dois testemunhos adicionais como adenda…

T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 09:26
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sábado, 20 de Maio de 2017
FRATERNIDADES . CXV

A DESCOLONIZAÇÃO (Parte 2) – 12.01.2017… A independência das colónias portuguesa em África iniciou-se em 1973 com a declaração unilateral da República da Guiné-Bissau pelo PAIGC…

soba k.jpg As escolhas de T´Chingange***

Por

canhot1.jpgAntónio José Canhoto

Todos os portugueses, onde me incluo, que viveram nas ex-colónias portuguesas e que sofreram na pele o processo de descolonização, atribuíram as culpas ao ministro dos negócios estrangeiros da altura Mário Soares que se finou a 7 de Janeiro e 2017, para gaudio de muitos dos retornados e para pesar de muitos democratas. Foi Mário Soares pelo cargo que ocupava na altura que carregou e conduziu o referido e complicado dossier do processo de descolonização que ficará como uma das mais tristes nódoas na história de Portugal.

step6.jpg As tendências ideológicas marxistas que o processo revolucionário em Portugal atravessou não auguravam um desfecho feliz para os residentes nas províncias ultramarinas. A pressa era muita de modo que Mário Soares foi encarregue de atalhar e encurtar caminhos e forçado a abreviar o calendário das independências para o ano de 1975.

:::::

As conversações para esse desiderato começaram de imediato com os líderes dos movimentos independentistas das colónias Portuguesas em Africa, Guiné-Bissau, Moçambique e Angola tendo como interlocutores Luís Cabral, Samora Machel, Agostinho Neto, Holden Roberto e Jonas Savimbi.

:::::

A independência das colónias portuguesa em África iniciou-se em 1973 com a declaração unilateral da República da Guiné-Bissau pelo PAIGC que foi reconhecida pela comunidade internacional, mas não pela potência colonizadora o que só aconteceu nas negociações de Argel em 25 de agosto de 1974, seguido de Moçambique em Lusaca a 7-9-1974 e do Angola no Alvor a 15-1-1975.

spi3.jpg Logo que Angola e Moçambique obtiveram oficialmente as suas independências instauraram um regime de partido político único pró-soviético, enquanto em Portugal, o modelo socialista pós-revolução era progressivamente abandonado, dando lugar a um regime democrático. Só um tolo ou imbecil poderia pensar que seria possível a manutenção de uma guerra colonial em 3 frentes até aos dias de hoje, para assegurarmos a continuidade dos nossos privilégios em África intemporalmente.

:::::

Os grandes coveiros e responsáveis da repatriação dos mais de 750 mil portugueses naturais e colonos que ao tempo residiam em Moçambique e Angola não foi Mário Soares, mas sim, Salazar e Marcelo Caetano, pois a descolonização das nossas colónias deveria ter sido iniciada nos finais dos anos 50 antes de se ter iniciado o terrorismo em 15 de Março de 1961 em Angola pela UPA, em 24 e 25 do mesmo ano em Setembro pela Frelimo em Moçambique e finalmente em 23 de janeiro de 1963 na Guiné.

:::::

Se o processo de descolonização tem sido feito atempadamente de forma ordeira cívica e civilizada assegurando a permanência dos europeus nas colonias, a revolução do 25 de abril de 1974 apenas tinha tido efeitos práticos ou visíveis em Portugal continental. Mário Soares estava manietado e limitado pelas directrizes imanadas pelo Conselho da Revolução e pelo desejo que os militares tinham em baixar as armas o mais depressa possível e abandonar África á sua sorte.

selo10.jpgO governo provisório da altura em Portugal estava em conluio com os líderes independentistas uma vez que defendiam a mesma ideologia politica, portanto Mário Soares muito pouco poderia ter feito para alterar o “status quo” dos eventos catastróficos que o processo de descolonização atravessou. Mário Soares foi um intermediário facilitador que seguiu um programa que lhe foi imposto, mas não o ideólogo do mesmo.

:::::

Eu sei e compreendo que a grande maioria dos retornados atribuem a Mário Soares toda a culpa da descolonização, pois acabou sendo o bode expiatório e o alvo mais fácil para arcar com as culpas devido a sua liderança nas negociações. Do contexto político vivido em Portugal destaca-se a divergência entre o então Presidente da República (PR), António de Spínola, e a Comissão Coordenadora (CC) do MFA em relação ao modelo de descolonização a seguir e que teve repercussões negativas nos processos de negociação e nos posteriores acordos de independência com os movimentos independentistas.

:::::

A descolonização portuguesa dos territórios ultramarinos em África constituiu um dos aspectos centrais da política portuguesa após o 25 de Abril, tendo tido consequências sociais profundas em Portugal. Quando Mário Soares entabulou negociações com os líderes nacionalistas de Angola e Moçambique com vista á independência dessas colónias fazia parte como ministro dos negócios estrangeiros de um Governo de Transição empossado pelo MFA sem a legitimidade do povo português.

luis17.jpg Sem a legitimidade pois que, ainda não tinham havido eleições gerais em Portugal nem sequer tínhamos uma nova Constituição aprovada que lhe outorgassem a legitimidade para assumir essa decisão histórica particularmente nos moldes em que foi feita.

:::::

Não tenho a veleidade, ousadia ou arrogância de colocar Mário Soares sozinho no banco dos réus, nada me move pessoal ou particularmente contra a sua pessoa, muito embora tenha deixado em África terra onde nasci tudo o que construí com o suor do meu rosto.

diogo6.jpg Tenho a capacidade de separar o trigo do joio e fazer uma análise lucida e racional dos acontecimentos sem cegueiras ou fanatismos e atribuir as responsabilidades históricas a quem de facto as teve 20 anos antes de 1975, bem como no período pós-revolucionário. Se Portugal tem tido líderes com visão estratégica e politica para terem iniciado o processo de descolonização na época adequada teriam preservado a permanência e a continuidade de todos os colonos suas famílias e descendentes nesses territórios.

FIM

António José Canhoto …11-1-2017

***Nota: A escolha de T´Chingange refere-se ao todo pensamento descritivo, subscrevendo-o por homologação... Descrição sem Prólogo, Prefácio, Epílogo ou Posfácio porque é o resumo dum conteúdo periclitante causador duma quase tragédia. Um prefácio eventualmente, conteria algumas impressões de terceiros sobre a obra. Neste texto excelente, o que fica é a incrédula faceta da política sem brio, irresponsável e, persistente denúncia com ar de curiosidade…

Nota 2: - Este texto deveria ter sido publicado como Parte 1, mas  ainda bem que a justificação surge antes dos atropelos – desta forma aceitar-se-á  melhor  as realidades



PUBLICADO POR kimbolagoa às 06:56
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Terça-feira, 16 de Maio de 2017
FRATERNIDADES . CXIV

A DESCOLONIZAÇÃO (Parte 1) – 12.01.2017Como livre-pensador, não me subordino a nada nem a ninguém, pois quando renegamos ao direito de ser diferentes, perdemos o privilégio de sermos livres.

soba k.jpg As escolhas de T´Chingange***

Por

canhot1.jpgAntónio José Canhoto

(…) Quando escrevi o texto sobre o titulo em epigrafe escalpelizando o papel de Mário Soares no processo de descolonização não pretendi ilibar todos aqueles que no palco deram a cara, mas sim acusar todos aqueles que permaneceram por detrás da cortina puxando os cordelinhos ou fazendo o papel de “PONTO” que é aquele que escondido num alçapão do palco lembra aos artistas as suas falas e deixas do texto ou guião da peça.

:::::

No caso da descolonização a peça deveria ter tido pelo menos 3 actos, mas infelizmente tudo se resumiu a um só, tendo os artistas sofrido uma enorme pateada e insultos vendo-se obrigados a abandonar o teatro pela porta do cavalo tendo sido ao longo de 40 anos vituperados pelo seu catastrófico desempenho.

:::::

Não me compete a mim escrever a história sobre essa mancha negra que ensombra o período político que Portugal atravessou entre 1974 e 1975, contudo quem já o fez de forma isenta foi-lhe fácil encontrar os responsáveis. Quando iniciei a feitura do texto, já pressentia que iria abrir uma “Caixa de Pandora” e muita gente se iria atirar a mim como gato a bofe.

ango0.jpg Surpreendentemente o texto foi bem aceite pela grande maioria, mas houve pessoas que o descontextualizaram sem terem tido a capacidade de separar a missão politica de que Mário Soares foi incumbido de realizar atribuindo a este senhor todos os problemas pessoais que afectaram os “colonos” na sua generalidade.

:::::

A minha crónica foi feita depois de muita reflexão e pesquiza e para quem não saiba o processo de descolonização foi desenhado pelo ideólogo do grupo dos 9 o major Melo Antunes que foi a eminência parda marxista do Movimento das Forças Armadas (MFA). Óbvio que a grande maioria dos retornados teve de encontrar alguém para descarregar as suas frustrações e Mário Soares foi o homem escolhido como ministro dos negócios estrangeiros do governo provisório bem como António de Almeida Santos ministro da Coordenação interterritorial, para darem a cara como forcados e pegarem os 2 touros mais perigosos de nome Angola e Moçambique.

:::::

Em consequência de os touros terem sido mal lidados e estarem ainda cheios de energia ambas as pegas falharam e os touros desembolados ficaram incontroláveis. Os pegadores viram-se forçados a arcar com todas as responsabilidades de uma “corrida” programada em cima do joelho e a martelo sem acautelar a integridade física dos aficionados.

melo1.jpg Em 22 de Fevereiro de 1974 O general António de Spínola publica o livro "Portugal e o Futuro" pouco mais de um mês depois de ter sido empossado como vice-chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas. As páginas do livro abriram um fosso de incompatibilidade com o primeiro-ministro da altura Marcelo Caetano que afirmou tratar-se de um verdadeiro "manifesto de oposição" ao regime e de um golpe militar anunciado - o que efectivamente veio a acontecer semanas depois.

:::::

Na sequência da publicação do "Portugal e o Futuro", e perante a recusa dos generais Francisco da Costa Gomes e António de Spínola, os dois principais chefes militares do país em prestar vassalagem a Marcelo Caetano, tanto Spínola como Costa Gomes são demitidos a 14 de Março.

soares1.jpg A 25 de Abril de 1974 os capitães do Movimento das Forças Armadas levam a cabo o golpe militar que liquidou o regime do Estado Novo tendo escolhido uma Junta de Salvação Nacional para preparar a transição do país para um regime democrático. Na madrugada de 26 de Abril de 1974 Spínola é anunciado como chefe da Junta Militar e, a 15 de Maio, toma posse como primeiro Presidente da República do pós-25 de Abril.

:::::

A História e o movimento revolucionário avançaram muito rápido para uma esquerda marxista radical contra a qual Mário Soares ferozmente lutou. O livro publicado por Spínola constituía um poderoso repto ao regime do Estado Novo. Basicamente afirmava que as guerras coloniais, que duravam desde 1961, não tinham solução militar, sendo imperativo que a Nação debatesse o problema. Spínola tinha ideias muito concretas de como o processo de descolonização se deveria processar as quais dissecou pormenorizadamente no seu livro.

spi0.jpg Spínola acaba mais tarde por se demitir como Presidente da Republica quando se sente atraiçoado pelos seus camaradas de armas e pela forma de como o processo revolucionário e de descolonização que tinha sido esquematizado por Melo Antunes o qual o grupo dos 9 pretendia implementar.

:::::

O traidor não foi Soares, mas sim a Junta Militar e o governo provisória infestado de esquerdistas comunistas, que governaram Portugal a seu belo prazer tendo em Vasco Gonçalves o seu expoente máximo. A situação só começou a mudar quando a feitura da nova Constituição Portuguesa deu origem às primeiras eleições livres em Portugal, as quais só aconteceram em 25 de Abril de 1975 para a eleição dos deputados para a Assembleia Constituinte.

:::::

Conforme digo no texto, todo o processo de descolonização foi uma aberração e as consequências do mesmo devastadoras e traumáticas, mas esse não foi o objectivo do meu pensar, mas sim desvendar quem puxou os cordelinhos fazendo de Mário Soares e os seus pares os peões de brega aos quais foi incumbida a triste sina de levar a cabo uma tarefa odiosa que todos sabíamos pelo andar da carruagem que iria acabar mal.

melo4.jpg Os verdadeiros traidores de Portugal não aparecem nas fotos de Argel, Lusaca ou Alvor, por ocasião das assinaturas dos acordos ou tratados de independência. Sejamos honestos e não assaquemos culpas nem manchemos com o labéu de traidores ou ladrões todos aqueles como Almeida Santos, Costa Gomes, Mário Soares e outros que pelas funções governativas que ocupavam ao tempo personificaram a função de carrascos no processo de descolonização.

vasco gonç.0.jpg Todos os países com impérios coloniais Inglaterra, França, Holanda e Bélgica concederam as suas independências no principio dos anos 60 e hoje têm óptimas relações com os países que colonizaram, infelizmente os nossos políticos não tiveram a mesma visão e prolongaram no tempo e no espaço um desfecho que a partir de 15 de Março de 1961 passou a ter os dias contados…

12-1-2017

***Nota: A escolha de T´Chingange refere-se ao todo pensamento descritivo, subscrevendo-o por homologação... Descrição sem Prólogo, Prefácio, Epílogo ou Posfácio porque é o resumo dum conteúdo periclitante causador duma quase tragédia. Um prefácio, eventualmente conteria algumas impressões de terceiros sobre a obra. Neste texto excelente, o que fica é a incrédula faceta da política sem brio, irresponsável e, persistente denúncia com ar de curiosidade…



PUBLICADO POR kimbolagoa às 04:52
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Terça-feira, 9 de Maio de 2017
CAZUMBI . LIV

CINZAS NO TEMPO - 09.05.2017 - Andamos com o credo na boca, motivo de causas alheias e à revelia da nossa vontade …

Cazumbi é feitiço ou mau-olhado em Kimbundu

Por

soba15.jpgT´Chingange

No tempo real e na vida de todos os dias há uma grande diferença entre os sentidos de para a frente e para trás. Li recentemente que no imaginário de uma chávena com água que cai de uma mesa quebrando-se em mil pedaços, se, se filmarmos este acontecer, poderemos facilmente dizer quando o filme da cena está a correr para a frente ou para trás.  

::::

Se o fizermos andar para trás, o filme, veremos os bocadinhos juntando-se e voltar para o lugar e em cima da mesa, no mesmíssimo sítio e com a mesma água, numa forma de chávena cheia, completa. Revisitando Murphy, recolhemos de seus escritos que as coisas têm tendência para correr mal sem a possibilidade de reverter o acontecido.

apocri2.jpg Podemos por observação dizer que a chávena em cima da mesa e no passado está num estado de “ordem” e, a chávena estilhaçada no chão com a água derramada, o contrário disso, “a desordem”. Neste lapso de tempo o desacontecido aconteceu por um acaso, uma falha, uma coincidência, um erro ou uma má sorte como coisa normal.

:::::

Pois ao momento da desordem a partir da ordem chamarmos “a seta do tempo” – qualquer coisa que distingue o passado do futuro, passando pelo “agora” ou o “presente” que nunca espera o antes. O sentido de que o tempo passa, é psicológico, porque nos lembramos do passado mas, não do futuro!

roxo95.jpg Na espiral do tempo universal, cosmológico, aquela seta, junção de muitos agoras como se pontos fossem, são partículas que se expandem; com a nossa inteligência nós, gente, também nos expandimos em pensamento, coisa não mensurável, tudo imprevisível. Podemos ter a premonição do que se vai seguir mas, este travão do mas, sempre nos retrai.

:::::

Podemos pensar assim porque somos ou pensamos ser seres inteligentes e, porque sempre nos perguntamos: -Porquê a desordem aumenta no mesmo sentido do tempo, na mesma expansão do Universo? 

haida4.jpg Posso agora e depois desta longa explanação entrar nos domínios do nosso “agora social” – a vida do M´Puto, para entender como um caldo de culturas ideológicas entornadas num tigela com o nome de governo se juntaram em desordem formando uma coisa chamada de geringonça! Juntando cacos, aparentemente, andaram para trás formando ordem. Aqui a seta do tempo parece ter-se virado! Será?

:::::

Sabendo que uma partícula ocupa um ponto no espaço, em cada instante, pode esta estória ser representada por várias linhas entrelaçadas no espaço-tempo e, que a todo o momento e expandindo-se formarão outras linhas deixando de ser aquela “corda”. Mas também pode acontecer como sucede no universo cósmico, estas linhas formarem outras cordas que tendem a fechar-se formando um túnel! O túnel da minhoca (universal)!

GALO0.jpg Mas, a bom saber, na prática, nossa capacidade de ver e pensar confundindo os pontos entre o ontem e o amanhã, tudo isto se pode tornar em um novelo, um emaranhado de pensamentos, sem medida de clássicas e homologadas dimensões.

roxo92.jpg Parece que só Deus pode fazer as leituras de pensamento e, queiramos ou não damo-nos conta de que estamos a anos-luz do verdadeiro entendimento de nós próprios - bichos homens. É que não conheço ninguém que seja omnipotente, omnipresente e omnisciente! Ninguém tem este factor de 3 em UM…

Ilustrações (2) de: Assunção Roxo

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 07:31
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Domingo, 7 de Maio de 2017
MALAMBAS CLXXI

AI.IÚ.É - TAMBULAKONTA – 07-05-2017 - Harmoniosamente nostálgico, doidejo-me ao ar como se alguém me fustigasse o corpo com urtigas bravas.

Por

t´chingange.jpegT´Chingange

Não achando terreno propício a desabafos, encurtei-me no cochicho do cubículo sem poder desviar meu mal-estar de sorrisos murchos mais para além dos meus pardos amigos colados na parede com farinha de trigo, mofados, fungosos; eles, alguns, também envoltos em maquinações safadas. Mas, que resulta andar agitado, transbordando indignação por prolongarem o pagamento da dívida d M´Puto por mais cinquenta anos, quando tudo parece estar bem no país da Alice e da Fátima.

coimbra2.jpg Chegado do Brasil, uma terra difamada nos caracteres arredios da delação premiada, infensos aos barulhos da caatinga, divago-me na desconfiança dos tempos que tomam sentidos novos, equívocos sem discernimento ou alinhavados no desleixo, ausência de véus, de rezas balofas com améns de precauções sem remédios. Mesquinharias pingadas na rotina de velas queimadas, orações de avé-marias lançadas nos pinheirais cacimbosos da Cova da Iria.  

:::::

Nos caminhos orvalhosos que levam a Fátima o centro do mundo, sito no M´Puto, aí vou eu com as notícias repetidas á exaustão! Tudo contínua igual! Francisco para ali, Francisco para lá e, como e aonde fica e edecéteras que não deveriam interessar ao meu diário. Direi mesmo notícias mais refinadas conjugando desacordos em embalos de andor e, que sempre me deixam assim um pouco perplexo. No país dos três efes (Fado, Futebol e Fátima) como poderei dar um pulo, passar à frente nesta algaravia propaganda televisiva aonde se fala muito dizendo pouco. Parece até que já estamos no ceu!

fatima1.jpg E, não consigo desembaraçar-me disto, das falas; dar nomes exactos às coisas que me parecem complicadas. O preferível mesmo, é realizar-me em sessões espíritas porque sempre me deparo rodeado de gente estranha; gente que usa a insatisfação em desejos impossíveis, gente mergulhada em sonhos restaurando coisas velhas, outras rasgando indumentária nova para se fazerem notar, estravagâncias faladas com grosserias à mistura com sabedorias convencionais dos doutos e, um vive la France! Uma bajulação de fazer jeito…

:::::

Em momentos de aperto no tempo, ficamos contra, só por ficar! E, suprimimo-nos por vezes mas, muitas vezes somos suprimidos, sublimados. Sim! Somo-lo por gente materialista, gente de meia-tigela, gente política flutuante. Alguns, muitos, sem consciência e consistência, incompetentes em verdade. Ninguém é de ninguém, na vida tudo passa; vamos fazer o quê? Como gostamos de andar embalados!...

fatima2.jpg E, agora nós acusando disfarces dum ambiente banho-maria com zumba nos intervalos, comendo uma francesinha cheia de banhas para inchar. Apercebemo-nos que sim! Há navalhas nos espíritos, gelo nas fisionomias! Será que ando a abusar do cloreto de magnésio! Dessa bulunga que tomo para eliminar os triglicéridos… Tudo anda assim num vai e vem num impossível de conjecturar se a explicação ouvida é falsa ou verdadeira.

soba03.jpg Gasto meu tempo a espremer os miolos, compondo, inventando e eliminando e, no final fico sempre a remoer cada frase, com paciência de boi, de burro consumindo-me átoa no tempo! Ando preso a ele por pequenas minúcias. É por isso que terei de entrar numa viagem astral mesmo que seja aos solavancos, entrar nas ondas alfa e delta e, sem gravidade atravessar paredes …

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 22:00
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sexta-feira, 5 de Maio de 2017
MALAMBAS CLXX

DEUS É SOCIALISTA - TAMBULAKONTA05-05-2017 - Adão, lá no paraíso, comeu a maçã da árvore da tentação; Eva deu-lhe a maçã, o fruto proibido do jardim celestial e, desse pecado original, ficou-lhe um caroço no pescoço que o distingue da mulher na sua anatómica forma…

MALAMBA: É a palavra.

t´chingange.jpegAs escolhas de T´Chingange

Os conceitos do mundo actual, valores, crenças e as histórias da avozinha, não são mais as mesmas; o ontem fica cada vez mais distante e, o que então era proibido, hoje já o não é mais.

Por

maga1.jpg Luís Magalhães

Os militares Angolanos (pretos) que fizeram parte das Forças Armadas Portuguesas, foram Homens exemplares de lealdade e bravura, cuja camaradagem e exemplo Pátrio foi um exemplo. E não é que finda a guerra colonial, muitos deles continuam esquecidos! Portugal abandonou-os á sua sorte e, muitos acabaram fuzilados pelos novos governos. Foi mesmo um crime de lesa Pátria o que os "progressistas" fizeram e, como tal, todos os governantes deveriam ser responsáveis pelos crimes cometidos em prol de uma filosofia de entreguismo.

baú3.jpg Conheci o aspirante Faria no ano de 1975 em Luanda por intermédio do meu irmão mais velho que na altura era alferes. Faria, era um filósofo de ponta e aquilo eram umas ideias de tal modo acutilantes que eu em verdade, tenho que dizer que naquela minha onda dos vinte anos gostei de ouvir.

:::::

E lá fomos até ao Bar "A Nau" que ficava perto da Maianga, beber umas Cubas Livres. Ele, já com o grão na asa, disse entre outras coisas, que era branco de segunda pois tinha nascido em Angola; também se considerava um Fernando Pessoa Angolano - uma afirmação que me divertiu imenso! Perante o meu ar aboamado, Faria disse-me naquele ar alucinado de quem vai fazer uma revelação terrível…

:::::

Tens dúvidas Magalhães? -Imagina tu que uma vez levei uma “porrada” porque disse ao meu superior que era um católico ferrenho; que a maioria das pessoas que se diziam crentes, só o dizia porque tinham receio daquele Deus muito poderoso. De tudo ficavam assustados pelo castigo que daí podia advir. Sempre eram desvios do caminho do Deus! No fundo, tinham dúvidas - tão próprias do ser Humano? E Faria continuou: -Do meu modo, da minha sabatina, referi que Deus era Socialista e como tal, todos eram filhos de Deus (os negros incluídos).

nasc2.jpg Pois perante isto, diz Faria, levantaram-me um auto onde fiquei preso durante cinco dias. Passados uns tempos fui a Malange, onde deparei com o túmulo do Zé do Telhado, uma personagem com quem me identifiquei ao saber que tinha sido deportado para Angola. Tudo muito semelhante aos colonos que saídos de Lisboa desperdiçaram a juventude para combater no lugar dum caraças; para mim eram situações semelhantes!

:::::

Eu ouvia tudo isto maravilhado e, a dada altura diz-me ele assim: -Podes não acreditar mas eu sinto-me um autêntico Fernando Pessoa; custa-me ver que as pessoas foram na conversa de "Portugal um só Povo e uma só nação". Pelo que tenho visto não vai ficar em Angola um único branco para contar como foi! Perante o meu assombro ele replicou: -Os brancos vão ser todos corridos daqui! Eles criaram as suas raízes e pensaram que iam ficar, mas Angola não comporta essa lengalenga de que há espaço para todos! Isso e pura ficção! E não é que a Profecia do Aspirante Faria se cumpriu!

preto0.jpg Depois disto tudo ouviu-se uma exclamação do salão. Era José Matias inflamado de quase injúria - Deus nunca foi nem é socialista, na certeza porém tudo o que acaba de descrever sobre essa guerra e o êxodo dos brancos foi pela vontade de Deus que tudo aconteceu. Me lembro que éramos ignorantes na totalidade quanto aos desígnios de Deus, nem sequer sabíamos que Ele tem o controlo de todas as nações. Vivíamos despreocupados enquanto na retaguarda se formava uma traição jamais vista, ainda assim Deus teve misericórdia de muitos, lhes poupando a vida, para contar como tudo aconteceu.

:::::

E, José Matias continua: -Agora, temos o bonito cenário da maior desgraça de quem engendrou todas estas trapaças, um povo morrendo a fome e doenças, e prisioneiro dos seus próprios irmãos, quanto aos que formaram essa desgraça no lado de cima, não lhes gabo a sorte. E, eis que profetiza assim: -Grandes confrontos se aproximam, estes étnicos, por toda a Europa, aponte para não se esquecer, pois é isso que esses políticos corruptos intentam em seus corações desfeitos pela maldade, cujas mentes por demais cauterização e os ouvidos tapados ao clamor das pedras que clamam noite e dia. Um abraço. Depois faz um insólito pedido: - veja se descobre o paradeiro do T´Chingange que se silenciou com suas estórias?

maga5.jpg E, eis que do espaço astral, saindo do buraco da minhoca surge essa figura referida, o T´Chingange. Aqui estou! Eu na primeiríssima pessoa: -Qual quê meu amigo José Matias!... Só estive em meditação forçada por imposição dum pacote espacial… Mas quanto ao texto do Luís, acho que Cristo foi comunista na verdadeira palavra! Agora essa de dizeres que Deus tinha planeado isso tudo m Angola, vai catar pulgas!… Disse! (Tinha outro jeito?). Do ponto de vista material, terra à terra o homem vive iludido! A verdadeira sabedoria deve estar isolada do corpo. Só assim se pode ver com os olhos do espírito... E, como veio, assim mesmo escafedeu-se feito dimensão ultrapassada!

zulu2.jpg Foi então que de novo e indignado, surgiu o quase apóstolo Matias raivoso: - Comunista?! Estás passado, isso foi dos ares do Brasil, do contacto com os Tapajós que te contaminou naquelas paragens em que misturam tudo, política com religião. Estás confuso meu amigo, estás perdido num labirinto de mentiras que te vai levar a um beco sem saída, estão aproximados na maçonaria. Parece que a tua meditação mudou os teus neurónios. Disseste entretanto bem que a sabedoria deve estar isolada da carne, só que isso é uma frase aprendida na letra que leste algures num almanaque… Mas tu que é matumbo militante, sem entendimento, cais sem discernimento quanto dizes que Cristo era comuna!

Os itens 7,8,9 e 10 não são da minha autoria!

Eles que são brancos que se entendam…

Luís Magalhães in kizomba



PUBLICADO POR kimbolagoa às 22:25
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quarta-feira, 19 de Abril de 2017
MOKANDA DO SOBA . CXXII

O VAZIO - 19.04.2017 - Sem o zero não é possível contar… Nós retornados e afins, fomos um zero…

Por     

t´chingange.jpeg T´Chingange - (Otchingandji)

Hoje um homem lançava ao mar uma rede; rodava o corpo dando impulso àquela coisa que abriu em círculo caindo na água. Era um cardume que passava. Em tempos também fui peixe e fui agarrado já bem crescido numa rede mais completa e complexa a que deram o nome de “descolonização”; comigo apanharam mais milhares com mulher e filhos. Foi nisto que pensei e reflecti: -Tenho de ser visto e respeitado como angolano porque simplesmente já existia antes de Angola nascer; esta que agora conhecemos.

mokanda1.jpg Já com trinta anos feitos, com mulher e filhos fomos assim apanhados numa rede e, como contrabando fomos atirados para vários lados sem nos dizerem que eramos escravos modernos, moeda de troca entre vermelhos e azuis; que sem algemas nem canga, despojados de tudo, venderam-nos ao desbarato a contento de uns quantos países e muita gente que dizia ámen. Gente civilizada, família até! Apanhados inocentes também nos juntaram em cardume.

:::::  

E, veio um enorme vazio! Com isto fomos obrigados a ganhar consciência sábia de entender o VAZIO da verdade – o VAZIO das pessoas! Mas e sempre há um mas, a chuva por mais forte que o seja não tira as manchas da vaca, da chita, do mabeco ou zebra e, de nós próprios feitos peixes escamudos ou enguias; ou ainda os peixes boi do mundo, um gracioso mas feio golfinho!

mokanda2.jpg E afinal, o mundo continua igual como sempre parece ter sido. A isto de comportamentos, ideologias com geoestratégia podemos comparar uma arte, manhosa, mas arte! Tudo é assim como um escultor que retira ou acresce o que lhe aprouver; pode aqui ver-se a verdade no VAZIO com um acrescento de uma vontade. Surge assim uma linda, feia ou macabra obra enaltecida por uns e amargada por outros.

:::::

E, faça um esforço para gostar de algo e verá que o inútil objecto, uma inútil pedra por exemplo, lhe vai parecer importante. Trabalhe essa pedra ou junte muitas empilhando-as ou estendendo-as. Juntou! Espalhou! Assim neste estágio se olhar tudo com cuidado e, mesmo sendo difícil de perceber poderá sentir que algo existe.

dom01.jpg Pois então! O VAZIO é muito importante pois, quando tentamos analisar a natureza real de qualquer fenómeno em particular, mais à lupa, veremos que ela, a natureza real é o VAZIO. Sei que está a fundir sua cuca mas, pense bem: - É possível sim, pensar que o VAZIO, existe! Que sem um zero é impossível contar (nós retornados fomos esse zero…)…

 O Soba T´Chingange - (Otchingandji)



PUBLICADO POR kimbolagoa às 16:21
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Domingo, 16 de Abril de 2017
MALAMBAS .CLXIX

NAS FRINCHAS DO TEMPO . TAMBULAKONTA - Tenho-me forçado a encontrar um herói perfeito, um que seja observador o quanto baste para investigar os antagónicos traços das pessoas que me cercam. Enigmas do confuso…

MALAMBA: É a palavra.
Por

t´chingange 0.jpgT´Chingange

No epílogo da vida, colei um apêndice de presunção e água benta revendo o considerável bem no meio do inteligível e, lá bem no fim lugar do índice, anotei: Meus kambas, talvez eu não tenha razão e Vocês a tenham, mas ainda é mais provável que nenhum de nós a tenha! Ando a juntar características de um modelo útil de investigação social por modo a ficar com a capacidade de vos produzir surpresas.
:::::
Toda esta forma de dizer um pensamento, deu início quando na praia, na areia, observei em muitos dias uma senhora de meia-idade andando de ré, andar para trás e, sem nunca lhe perguntar idealizei um modelo teórico de retroceder com a capacidade de tornar compreensível fenómenos e factos.

lucala3.jpg Entender a pedagogia de produzir surpresas em novas experiências. Esta concepção de racionalismo opõe-se à filosofia empírica que, professa que as ideias se deterioram quando aplicadas às coisas e procedimentos.

:::::
O conhecimento da realidade moldada pelas teorias, modificam-se assim como uma paisagem vista num nascer ou em um pôr-do-sol que por momentos se confundem, uma foto falada e valorizada pela ordem das razões segundo uma teoria: - A ordem das razões, valorizam a ordem dos factos e, não é a ordem dos factos que valorizam a ordem das razões.

poconé2.jpg Bom! Com este confuso parafraseado concluo o que aqui pretendo dizer: -A verdade emerge mais facilmente do erro do que da confusão. Nesta explicação de teorias esta chamar-se-á a “teoria da confusão” que tem sua aplicação justificada numa governação como aquela que nós hoje conhecemos com grande amplitude em países vários. 

:::::
Quem aprendeu a teoria dos erros, derivadas e acompanhou as novas teorias de índole quântica com sua teoria de incerteza e uma outra mais posterior do Universo como a “teoria da simplicidade”, teremos agora a ainda muito mal compreendida “teoria da confusão”. Pensem só um pouco nas estatísticas e probabilidades aonde uns comem dez unidades e outros muitos, somente duas ou nada e, surge depois essa útil média aritmética dizendo que a sociedade come em média seis unidades, baralhando-nos os factos!

nito01.jpeg São estas teorias fraudulentas que movem o mundo; movem os interesses de alguns países que por seu lado subjugam outros e os arrastam nessa mesma “teoria da confusão”. E surgem também instituições, ministérios tratando burlões como estadistas e ladrões como gestores; tudo gente boa! Gente de muita filantropia… Digo isto acabrunhado, com sorrisos de acanhamento sem ânimo de arriscar mais palavras porque minha malambas desmerecem nos créditos. E, toda agente consente, aceita! Tambulakonta (tomem cuidado!)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:56
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sábado, 15 de Abril de 2017
FRATERNIDADES . CXIII

CAFÉ DE PÁSCOA - Quem é capaz de definir a AMIZADE? São os conflitos e contradições que nos tornam seres humanos….

Por

t´chingange 0.jpg T´Chingange (Otchingandji)

páscoa3.jpgEm nossas vidas, na linha do tempo visível, teremos sempre de criar um ou dois planos alternativos em nossas atitudes para não esbarrar com ideias intransponíveis, quebrar outras que não são assim tão edificantes, ou porque adoptamos durante um espaço de espaço não revidar o mal praticado por um outro. Pois é bom de, quando em vez, reactivar o plano B ou plano C.

:::::

A nossa tendência é quase sempre rever os ressentimentos, as coisas menos boas e, nem sempre recorremos à capacidade que temos de gerir tudo com mais optimismo! Em um qualquer estado meteorológico do tempo real ou nosso estado cacofónico, o melhor a fazer é sair de casa, sair do mukifo ou do cortiço, quer chova ou faça sol, espairecendo nos ares, esquinas ou florestas. Decerto, encontrará na natureza sempre um motivo um pormenor diferente para suprir a compreensão dum pequeno desaire, assim como uma virgula e pontuação fora do lugar.

araujo Páscoa.jpg Um caçador tinha um cão e a mãe do caçador era também o pai do cão. Tudo corrigido, irá surgir uma outra ideia ou interpretação pelo que, dizer-se vulgarmente que as coisas nem sempre são como parecem ser. Surge assim “Um caçador tinha um cão e a mãe. Do caçador, era também o pai do cão!” Uma forma de fala que tem de ser lida pelo menos três vezes para se apreender o sentido correcto … (Assunção Roxo)

:::::

Para meu sossego tenho até um plano D com vírgulas e pontos de exclamação ou interrogação suplentes mas, sem saída, este D torna-se desistência; normalmente quando falha o plano A, recorro ao B e ainda o C mas, em verdade há coisas de que não podemos ser donos. Seremos sempre dependentes dum espaço que a seu tempo nos come o corpo, o cérebro e a sabedoria.  

roxo79.jpg Invariavelmente recorre-se ao modelo cultural que nos foi legado pelo tempo num valha-me Deus mesmo que se esteja sentado num sábado de páscoa e numa concha de convicções com a mente bulindo num futuro desconhecido ou num passado que um dia vem e outro se vai na ilusão que somos e, que sempre seremos. Ninguém é dono de seu destino mas, pode sempre que se queira, fazer um novo começo!

:::::

Podemos sim desenvolver nosso altruísmo, desenvolver nossas mentes apetrechando-nos de modos de vírgulas e outras pontuações, algumas até desconhecidas porque um dia seremos “nada”. Flutuaremos por aí no universo como que percorrendo uma fita como a de nióbios que não tem fim. Hoje Sábado de Páscoa, rasgo meus pergaminhos de falas apócrifas para manter no topo meu plano A e, desejando aos meus amigos bons augúrios também num plano A sem recorrer a uma saída para um espaço ainda mal conhecido, lá numa galáxia de permanente azul celeste.  

chicor4.jpg Assim aos Amarelos aos Roxos, aos que formam meu Arco-Íris digo para se manterem unidos numa base de sustentabilidade possível e porque, são os conflitos e contradições que nos tornam seres humanos. Mas pergunta-se: É lícito pagarmos um tributo? Pois então, a César o que e de César! Hipócritas há muitos e, não nos podemos vender por trinta dinheiros e ficar saboreando um pedaço de pão molhado.

O Soba T´Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:24
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sexta-feira, 14 de Abril de 2017
CAFUFUTILA . CXXII

ONGWEVA DO TEMPO - KIANDA ROXO - 18ª parte

 Kiandas e calungas com alguma ficção! O tempo, na mística espiritual de N´Gola vem de MUNTU, que significa homem em língua Bantu! A história do povo Bantu só começou a ser decifrada a partir do século XIX. O futuro dos povos bantus ainda anda a ser fabricado…

Por

t´chingange 0.jpg T´Chingange

cafu32.jpg Como a sombra, a história dos novos donos de África, ainda sobrevive e se reproduz fantasmagoricamente, nos seus sempre novos poderes; os mesmos que que eles próprios instituíram como vigentes para conduzir seus novos escravos, seu povo preto. E, este povo está disseminado por N´Gola com vários grupos tais como os Bakongos, Lunda-Ckokwel, M´bundu, Ovibundu, Ambós e, outro pequenos subgrupos. Pelo que se observa o branco sempre estará desconsiderado como uma excrescência em sua  história, um erro crasso que os vai fazer retroceder até um futuro visto no passado; uma perfeita miragem.

:::::

E, foi entre a bacia do rio Kwanza e do Rio N´Zaire que se desenvolveram as etnias preponderantes do reino, os Manikongos com Matamba e N´Gola destacando-se entre eles outros reinos tais como N´Goyo, Kakongo e Luango situados a norte do estuário do N´Zaire e, o reino de n´Dongo que incluía quase toda a parte central de Angola e de ambos os lados o rio Kwanza, o verdadeiro Rio da Identidade de N´Gola.

cafu15.jpg Falar das kiandas é uma necessária superstição para encaixar as surtidas febris de contos, mussendos e missossos que os mais velhos iam contando aos jovens que apreendiam o que a imaginação depois forjava, sempre muito cheia de engravidadas inverdades com outras carregadas a canhangulos de guerra. Nessas estórias de pubeiros sobrepõe-se a do grande jaga N´Gola Quitumba com a ajuda de Quitequi Cabenguela de quem com orgulho falam os  N´Zingas.

:::::

Nessas guerras de invasões, os sobas dos reinos dominantes iniciaram uma série de revoltas. As mais importantes ocorreram nos sobados da Kissama e dos Dembos por protegerem os grupos de escravos fugidos de n´Dongo da Matamba, do Kongo, de Kassanje do Kuvale e de todo o planalto central de Angola. A extensa capitânia de Paulo Dias De Novais vivia em permanente convulsão! Depois de muitas batalhas com os Tugas, do lado do Rei do Kongo e, com grande dificuldade lá conseguiram eliminar o carismático Bula Matadi.

cafu14.jpg Esta descrição de forma sucinta tem o fim de dar a entender o turbilhão de reinos e sobas e os interesses que moviam os Tugas e mais tarde os Mafulos. Teremos de fazer um interregno à estória pitoresca das kiandas do Kwanza, ora kwangiades, para entender esse turbulento tempo. Convém referir que Paulo Dias de Novais esteve preso durante cinco anos no lugar de Kabassa (sendo verdade, até parece lenda!). Depois de solto, voltou ao m´Puto e dali retornou mais tarde com uma armada mais poderosa instalando-se em Luanda aonde construiu a fortaleza de São Miguel nessa então São Paulo de Assunção de Loanda.

:::::

Os reinos de n´Dongo foram enfraquecendo e quase abandonaram a luta depois da morte do seu Rei N´Gola Kilwanje Kia Samba. Assim os Tugas puderam instalar-se em Muxima, Massangano e Kambambe aonde foram construídos fortes. Tribos e chefes, sujeitaram-se a pagar tributos ou fornecendo escravos aos capitães do m´Puto mas, outros houve que continuaram a lutar refugiando-se nas protegidas ilhas do Rio Kwanza.

cafu35.jpg Voltando a Massangano, terei que adicionar ao que se sabe das lendas, que houve muitas contrariedades e, como tal, uma derrota com o mesmo n’Gola Kilwanje já aqui citado. Isto aconteceu em uma batalha no ano de 1582 em que a forte resistência obrigou à construção do forte de Massangano no ano de 1583. Não obstante, não impediu que as forças da rainha n’Zinga o atacassem, em 1640 que, apesar do saldo negativo pelo aprisionamento das suas duas irmãs Kambu e Funji, que levou a que esta última fosse executada.

:::::

De fazer notar que do lado de fora dessas fortificações se realizavam feiras de compras e vendas de escravos. Estas feiras estavam coordenadas pelo pai da Kianda Roxo, Morgan Tsvangirai. A ele, se devem as posturas de trato comercial e da recolha dum percentual na venda individual ou lotes de peças; diga-se em verdade que era um homem bem experiente nesta labuta e trato de escravos… Custa-me agora dizer isto mas ela, a Kianda Roxo, de nada se lembra desses etéreos tempos; ainda bem! Talvez por isso e agora, ela a Kianda viva, seja tão generosa nas palavras e tão comedida nas periclitãncias…

cafu34.jpg N´Zinga m´Bandi foi o maior símbolo de resistência. Esta rainha para além da resistência contra os Tugas de então, conseguiu aliar os povos já mencionados de, entre os Rios n´Zaire e Kwanza. Foi a 6 de Setembro de 1683 que n´Zinga aceitou vassalagem obedecendo a oito condições estipuladas por João da Silva e Sousa, Governador e Capitão-General. E, tudo foi elaborado ou aceite pelos protectores da soberania tribal. Como em tudo a ambição cega a visão por usura de alguém que detém o sim e o não ou uma incipiente matumbice….

:::::

A Rainha n´Zinga é assim obrigada a não impedir os pombeiros de chegarem ao sertão africano e também não impedir àqueles em sua actividade comercial com os potentados do reino do Songo, Quiacar, Punamujinga, Sund, Cacem e Damba. Aquela rainha teria de abrir caminhos para que os negreiros alcançassem seus destinos. Bom! Os pombeiros trabalhavam por conta de grandes chefes, sobas ou militares Tugas.

chai4.jpg Durante um ou dois anos, internavam-se nos matos, trocavam escravos por tecidos, vinho, quimbombo, aguardente, quinquilharia, sal ou pólvora. Os acordos de vassalagem foram extremamente desiguais com a aceitação na base de imposição militar. Passados vários séculos da morte da rainha n´Zinga a ideia de unidade do povo Angolano ainda não se configura vencida na luta contra os Tugas nos finais do século XX permanecendo em disputas internas pelo poder até o actual ano de 2017 aonde a corrupção roí os governantes até os tornozelos…

:::::

Com ideologias marcadas pelo rancor entre eles e contra o branco, ícone aglutinador e culpado de todos os males em sua justificada fábrica de criar maka, os diferentes grupos étnicos saídos do povo Bantu, ainda continuam na contramão da história e progresso ditando leis absurdas e, sem um objectivo de sucesso para sua debilitada situação financeira. Segundo Cadornega em 1629, as irmãs de n´Zinga foram baptizadas Funji, como Graça Ferreira, e Cambo n´Zumba como Bárbara da Silva.

cafu33.jpg No ano de 1646, ao tomar posse da sanzala de n´Zinga no rio Dande, os Tugas encontraram cartas de Funji, escritas de quando era prisioneira e dirigidas a sua irmã n´Zinga. No ano de 1647, no cerco da rainha junto com 500 holandeses a Massangano, o sargento-mor Pedro Barreiros decidiu, por conta própria, lançar Funji no rio Kwanza, e por pouco, não fez o mesmo com Cambo n´Zumba.

:::::

É aqui que um negreiro mazombo de nome Jeremias T´Chitunda a troco de umas quantas moedas dadas a Morgan Tsvangirai, pai de Roxo, consegue introduzi-la em um lote de peças com destino a Olinda de Pernambuco! Nasce aqui uma outra lenda, a do Kilombo dos Macacos na Serra dos Palmares…. E ela, por decisão de seu novo dono toma o nome de Aqualtune.

cafu39.jpg Aqualtune, não podia ser interpretada como gente nobre do reino de n´Ggola; os acordos não previam o uso de gente nobre descendente do rei Kilwanje. E, ai de quem murmurasse tal conhecimento! É ainda um fenómeno mal contado nos missossos mas, tudo leva em crer que seu rosto esteve tapado ou coberto de argila branca nas festas de rebaptizar a ela, e a todos outros escravos. Este procedimento não era nesse então tão invulgar mas, na qualidade de T´Chingange posso afirmar ser isto verdadeiro…

(Continua… Cambo  n´Zumba ou Barbara da Silva foi como escrava para o Brasil…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 11:23
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quarta-feira, 12 de Abril de 2017
MOKANDA DO SOBA . CXXI

TEMPOS PARA ESQUECER - 12.04.2017 - ANGOLA DA LUUA XXX. NA GUERRA DO TUNDAMUNJILA. “Vai para a tua terra, branco” era o que mais se ouvia na Luua de 74/75… Alguém disse e eu terei de concordar - “tropa de cáca”.

Por     

t´chingange 0.jpgT´Chingange - (Otchingandji)

(…) O Batalhão do Luso, o de “pé descalço ou em cuecas” deixou armas, rádios, munições e até material cripto. O comandante deste batalhão disse ter preferido ser enxovalhado do que pôr em risco a vida d 800 civis, deslocados com mulheres e crianças.  Uns dias depois a UNITA apresentou oficialmente desculpas a Ferreira de Macedo, o interino Alto-comissário. Este procedimento foi uma nodoa negra que se justifica talvez porque só tinham 3 meses de comissão; deduz-se que os instrutores seriam esses tais do PREC do CR que foi mandada para uma Angola desconhecida.

:::::

Alguns, vim a saber que eram estudantes e que por este facto, ao regressarem tiveram passagens administrativas nos cursos que acabaram por concluir. Muitos destes passaram a gerir serviços técnicos nos organismos camarários e outros oficiais, sem estarem minimamente preparados. Saíram arquitectos quando nem desenhadores se poderiam considerar e, por aí! Outros técnicos de aviário fizeram e fazem carreira sem terem a correcta aptidão para além de serem uns abnegados militantes da esquerda, da onda do Ché Guevara (…) - gente preparada átoa, com devaneios por ideologias e, sem apego ao brio e ética.

koisan5.jpg Aquele despontar sem preparo de oficiais de aviário espetando os peitos abrilescos, heróis de cinco minutos, o suficiente para a fotografia fizeram a merda que fizeram. O baixar de guarda desta feita foi demasiado humilhante para um exército que se preze! Dá para entender todas estas ocorrências entre Agosto e o 11 de Novembro com escandalosa ajuda ao MPLA. Alguém disse e eu terei de concordar - “tropa de cáca”. Nunca chegue a saber se o Furriel indignado que deu uma chapada a um soldado das FALA foi ou não fuzilado como já li em qualquer parte!

:::::

As fontes só dizem que foi levado para ser fuzilado ao qual o comandante afirmou: Fiquem com tudo, mas não façam mal a ninguém! Só quem lá esteve, poderá confirmar e acrescentar se sim, ou se não; se o Furriel foi mesmo fuzilado! As confrontações em Sá da Bandeira tiveram início no dia 21 pelos militares das FAPLA do MPLA acantonando as FALA e ELNA no quartel português; no dia 22 de Agosto, Costa Gomes pediu formalmente o auxílio dos EUA.

:::::

Precisava de ajuda para evacuar os restantes 330.000 refugiados que queriam sair de Angola. Carlucci reiterou as instruções chegadas a ele desde Washington para não negociar com o Governo de Vasco Gonçalves. Isto só seria possível com a remodelação do governo com a saída de Vasco Gonçalves “o doidinho da esquerda” e, também as FAP não darem apoio ao MPLA. Nós “retornados ou refugiados!” fomos a moeda de troca para virar Portugal para a direita pró USA! Fomos manipulados por nossos supostos irmãos do M´Puto.

guerra11.jpg Fomos uns milhares de carneirinhos despojados de tudo; do direito à cidadania, do direito aos seus haveres, do direito à dignidade. Isto, nunca irei deixar de dizer, nem que me matem como e sob protesto disse o defunto. Fomos veículos de chantagem e tornados coisa pouca nas cabeças dos militares revolucionários do C.R. A 23 de Agosto o Diário de Luanda, noticiava a tragédia marítima ao longo da Costa dos Esqueletos na Namíbia. Várias traineiras saídas do Lobito, Benguela e Moçâmedes com centenas de refugiados desapareceram quando demandavam o porto de Walvis Bay.

:::::

De uma flotilha com mais de vinte embarcações, três ainda não haviam chegado.  No dia 30 de Agosto, dois draga minas da Marinha Sul-africana realizavam buscas na Costa dos Esqueletos. Nessa semana tinham desaparecido quatro pequenos barcos de pesca com sessenta refugiados a bordo.  No deserto namibiano eram resgatadas 201 mulheres e crianças duma coluna automóvel que andava perdida e já, quase sem combustível e viveres.

:::::

A carta de Costa Gomes no pedido formal aos EUA chegava às mãos de Gerard Ford a 27 de Agosto. Dois dias depois o Governo de Vasco Gonçalves caía dando lugar a Pinheiro de Azevedo. A partir daqui a ponte de LuuaLix foi reforçada com a ajuda dos primos britânicos e dos franceses. Entretanto em Luanda o MPLA instigava os estivadores do Porto de Luanda à greve, para deste modo dificultarem o carregamento de bens Portugueses que estavam a ser espoliados do que lhes pertencia.

guerri4.jpg Visto à distância e com mais de quarenta anos, os brancos deveriam ter feito política de terra queimada! Custa-me muito dizer isto mas, guerra é guerra! Tamanha injustiça merecia bem esta revolta, esta forma de indignação. Pois então fazer arder tudo o que em vida lhe dava vida! Nada disto sucedeu não obstante se receber dos mwangolés desdém com prepotência e desaforos muito ruis para serem curtidos. Era em verdade o que mereciam! Estou-me nas tintas para quem pensar de outra forma. Eles não foram merecedores de nossa benevolência!

:::::

Numa directiva não declarada oficialmente, Henrique Santo (Onambwa) os operários recusaram-se a trabalhar com forças militares portuguesas dentro do Porto de Luanda! Traidores, muitas vezes! Pandilha de gente que tomou as rédeas do mando… Estes exigiam serem substituídos pelas FAPLA, um claro truque para não serem tomados como coniventes com o MPLA. Uma falácia para dar cobertura ao recente criado sindicato, gente do mesmo gabarito. Isto foi claro!

guerra5.jpg Os civis portugueses não aceitaram esta postura tendo daí sido atribuídas tarefas à Policia Portuária com a segurança do cais e da Armada. No carregamento de caixas, caixotes e haveres havia um mal-estar entre os Adidos e desalojados que cada vez mais dificuldades viam no correr do tempo. A pretensão do MPLA era controlar o porto e as saídas de bagagens. Muitos destes fiscais do MPLA eram mazombos como eu, brancos, mestiços e até alguns negros que vendo seu rabo a arder de medo, uma forma de falar, também embarcavam para o M´Puto!

kilo3.jpg Nada de mal disto! Havia muitos funcionários que pela lei dos Adidos teriam seu lugar garantido na metrópole; Mas em verdade, tudo isto era demasiado confuso. Ninguém tinha a certeza de nada! De manhã havia uma dica e à tarde, várias outras. Alguns destes até aí eram também fiscais aduaneiros por parte do MPLA, retirando ouros e coisas valiosas aos agora fujões.  A partir de certa altura eram os proprietários dos haveres que faziam a estiva de suas coisas, seus haveres, carro e outros…

niassa10.jpg Uma ilusão

 As minhas, não chegaram a passar para além do crivo de balas que impedia sua chegada ao porto do Lobito, ou Moçâmedes! Adeus fotos, adeus relíquias, adeus pertences e madeixas de cabelos dos filhos, recordações de uma vida! Terei de dizer isto muitas vezes para que alguém com tino refaça a verdade e nos peça desculpas, Portugal e Angola, claro! Evidentemente que vou esperar sentado; não vejo um qualquer governante ter essa nobre postura! Ainda tive alguma esperança quando Marcelo chegou ao poleiro mas, desencantei-me. Eles lá no topo, só serão estadistas quando nos pedirem desculpas… até ver, os ávidos ao poder, os ambiciosos, sobressaem na maioria…

 (Continua…)

O Soba T´Chingange - (Otchingandji)



PUBLICADO POR kimbolagoa às 18:19
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quinta-feira, 6 de Abril de 2017
CAFUFUILA . CXXI

ONGWEVA DO TEMPO - KIANDA ROXO - 17ª parte

Kiandas e calungas! O tempo, na mística espiritual de N´Gola, e não só, não tem fidelidade à linha do tempo.  Intemporal, anda do agora para trás e, se sabe o depois, nunca o diz! Também tem medo de virar poeira como o Plutão… O futuro é já a seguir..

Por

t´chingange 0.jpg T´Chingange

Como se diz, a calunga ou kianda é assim como um vírus de computador que sem se ver se faz notar. Nossa kianda Roxo veio como Assunção por alguma razão que, nem ela própria sabe! Melhor seria Ascensão mas quis a semântica do uso dar-lhe esse quase igual nome. Podia ser só Maria mas quis o encontro com as calemas do destino encontrar o T´Chingange que estupfeito com suas bizarras cores do além e seus mágicos gatafunhos psicadélicos, simbiose de Naif com Dali, ascendeu aos espíritos. E, viagem por esse Universo distribuindo alegrias tomando muito chá de funcho e oliveira a controlar sua intensidade de fazer gaifonas à vida.

:::::

Sua mãe, também kianda de nome Redufina Kabasa Tsvangirai umbigou-se com Morgan Tsvangirai. Que nasceu em Harare, às margens do lago Chivero, isto também já foi dito! Seu pai, um político local, teve de abandonar aqueles paragens deslocando-se para o Kwanza, ali bem perto de Massangano. Eram tempos de soldados Mafulos flamengos, que por sete anos da colonização holandesa em Angola (1641-1648) ali deixaram vestígios nas gentes, os Van Dunem; mas quanto a isto lá iremos!

:::::

Por via de tudo isto, terei de entrar na estória daquele mundo de muito paludismo, maleitas de tsé-tsé e carunchos de comer a carne em vida. Enquanto isso a kianda Roxo treinava suas maneiras de futura sereia nas águas cálidas do Kwanza. Morgan Tsvangirai pai da Kianda Roxo ficou avençado pelos Mwana-Pwós com o posto de tenente de segunda linha.

massangano1.jpg Em suas idas de soberania à Kissama, por vezes levava Roxo consigo e, em uma das várias lagoas, ela fez amizade com Mazé Van Dunem, uma linda e amulatada candengue que lhe ia passando confidências. Confidências chegadas de seu pai malufo bivacado em Loanda. Era esta, também, um elemento da dinastia mestiça de Baltazar Van Dum, filha de um outro alambamento com outra mulher. E, porque teve de se refugiar numa destas ilhas do kwanza mantinha relações mais próximas com os Tugas de Massangano e Muxima; doutra forma, seria degolada pela actual mulher dele, desse tal Baltazar Malufo.

:::::

Durante os sete anos da presença holandesa e, com o objectivo do fortalecimento do tráfico negreiro rumo às lavouras de cana-de-açúcar no Brasil, o projecto da Companhia Holandesa das Índias Ocidentais afirma-se aqui em N´Gola com alguma dificuldade. Esta companhia sediada  em Amsterdão e por decisão do conselho de administração constituído por 19 membros, nomeia em 1637 Johann Moritz Von Nassau-Siegen governador das possessões holandesas no nordeste brasileiro.

:::::

Tinha a concessão de monopólio de comércio no Caribe e da América do Norte, para o tráfico de escravos dirigidos ao Brasil. Tudo isto para diminuir a competição espanhola e portuguesa. Tempos bem conturbados, sem uma ONU, sem UNICEF e sem Tribunal Internacional! Cada país decidia de sua livre vontade o que lhe aprouvesse! Inglaterra e Holanda pretendiam assenhorar-se do mundo retaliando os Espanhóis e logicamente Portugal, entretanto na mão dos Filipes I, II e III e, por sessenta anos, a partir de 1580.

muxima4.jpg Curioso é de que em Paris e num ano tão longínquo daquele, Januário Pieter também este tetravô de Roxo nascido às margens do lago Niassa fala-me desse tempo, das revoltas da embocadura do rio Kwanza, das guerras dos Tugas e Mafulos de Loanda; dos desentendimentos dos n´gwetas com a rainha N´Zinga e, outros personagens do distante Kongo do Zombo, de terras de Kassange e da Matamba que agora, nem lembro mais com pormenores.

:::::

Havia nesse então um largo comércio de peças humanas em troca de espelhos, jinguba, catanas, tesouras, ancinhos em ferro e muitas outras bugigangas de utilidades modernas e, que chegavam do Puto, da Bahia, Pernambuco ou Antuérpia. Os Libongos, uns panos garridos, eram os mais apetecidos, pois permitia vestirem-se, uma coisa quase inusitada e a que os sobas recorriam como moeda de troca em substituição das conchas de n´zimbos, moeda que ia ficando de pouca utilidade...

:::::

Como foi possível os sobas de então trocarem por quinquilharias, homens que nem sempre eram inimigos. As futilidades ocidentais começavam a chegar ao continente negro. Os Portugueses e Jagas dos Dembos, Kissama e Manhanga eram os principais clientes da família Pieter tio tetravô da Kianda Roxo, conferindo-lhe um afecto especial naquela gente de bitacaia. Uma grande novidade era o uso de sapatos feitos em couro de tiras entrelaçadas e, que mereceu atenção especial por parte dos camondongos alforriados que assim passaram a proteger seus gretados pés.

adam2.jpg Pois é aqui que entro na estória já com tendência para ser um verdadeiro T´Chingange: - No decorrer do tempo, fui ficando mais kota e meu pai ordenou-me que ficasse a tomar conta da salga e seca de peixe seco ajudando nas contas o capataz, cafuzo da Mazenga de nome Beto Feliz mas, um pouco matumbo. Dos búzios n´zimbos e caurins de menor valor, era feita a cal necessária para barrar as frestas das casas de taipa dos senhores e também das fortalezas erguidas nesse então.

::::

Os pescadores saíam nos n´dongos a pescar, dia sim, dia não; apanhavam kimbijis (peixe espada branco), carapaus e cachuchos que eram depois escalados em mesas compridas feitas de paus espetados na areia e ligados com ataduras de mateba; depois passavam para umas celhas de salmoura aonde ficavam algum tempo. Mais tarde eram levadas em quindas para outras mesas aonde permaneciam ao sol até ficarem com alguma dureza.

:::::

 Meu pai enricou com estes negócios de fazer cal e salgar peixe. Recordo de irmos a Massangano entregar aos Tugas a cal encomendada para tapar rachaduras da fortaleza e ter visto a kianda Roxo que embora despertando interesse não prendeu meus holofotes de candengue mazombo. Mas admirei-me sim de suas pernas se juntarem nas águas na forma de barbatana. Uma autentica kianda, uma verdadeira kwangiade como diria o Luís Zarolho (Camões) tão falado lá na tapurbana…

:::::13

Após todo aquele processo, uma parte do peixe seco era posto à venda na loja da mãe Maria Arminda Kafutila e uma outra, era enfardado com atilhos de mateba ou piteira, guardadas em uma casa até que os pombeiros e suas tropas o levassem. De tempo a tempos, organizavam saídas ao mato formando filas enormes com m´bikas (escravos) transportando à cabeça esses fardos pesados, para  além de outras mercancias como panos libongos e aguardente do M´Puto a serem trocados por escravos, mel, cornos de elefante, javali e rinoceronte.

muxima3.jpg Com o objectivo de participar directamente do tráfico negreiro, Nassau, o governador de Pernambuco com sede em Olinda, decidiu em maio de 1641, enviar uma expedição para ocupar Luanda, principal porto de escravos da África Ocidental para o Brasil; depois, conquistar Benguela, São Tomé e Axim da Guiné. A construção das fortalezas e presídios de Muxima, Massangano e Cambambe, como marcos político-militares na conquista do reino do N´Gola, consolidam assim a civilização portuguesa à custa de muita abnegação.

muxima1.jpg Vistas as coisas neste ano da graça de 2017, o povo angolano, sem capacidade para resolver diabruras de roubo, coisa estrutural dos mwangolés, segue a sua trajectória marcada por retrocessos. Com pouquíssimos avanços afirmam-se como nação soberana entregando-se aos amarelos e outros que nunca se comportarão como os Tugas. A nós contadores da estória, compete-nos repô-la sem esses devaneios de morbidez rácica….

(Continua… ainda há muito por dizer)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 20:34
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quarta-feira, 5 de Abril de 2017
CAFUFUILA . CXX

ONGWEVA DO TEMPO - KIANDA ROXO - 16ª parte

A surrealidade está-lhe no sangue! Usa pinceis electrónicos na forma de gigabaites holográficos…

Nota: Esta 16ª Parte andava voando perdida no espaço...

Por

t´chingange 0.jpg T´Chingange

Na ultima parte do mussendo, 15º episodio, falei do porquê esta kianda Roxo de Guaxuma andar assim tanto de um para outro lado irrequieta, sem saber no consciente desta sua dupla vida, compartilhando xispanços de tinta com particular maestria e, do porquê das cores cibernéticas confundindo-nos com holografias psicoroxas. Mas sabemo agora que nasceu às margens do lago Chivero.

roxomania2.jpgSabemos que sua mãe, também kianda de tez negra foi Redufina Kabasa Tsvangirai  que se umbigou com um tal de Morgan Tsvangirai. Que nasceu em Harare nas coordenadas de 17° 50' S 31° 03' às margens do lago Chivero, lugar que fazia fonteira com a fazenda farm de MorganTsvangirai seu pai. E, que por via da política teve de abandonar aqueles paragens deslocando-se para o Kwanza, ali bem perto de Massangano, lugar de muita magia por ser  um pambu-n´jila especial com Muxima. 

roxo61.jpg Como já repararam as kiandas andam no espaço-tempo em qualquer direcção e é por isso que nos parece a nós humanos impossiel reconhecer andar-se no ontem e antes de ontem ou há muitos anos atrás e ou, deslocarem-se no futuro deixando transparecer a nós mortais, somente o que nos é perceptível pela dedução; falar do futuro até para as kiandas é tabu – aos viventes  não se pode transmitir o amanhã, só o agora, lei básica da vida. O Universo tem regras que não estão ao nosso alcance engravida-las.

:::::

É aqui que surgem os mambos longínquos com soldados Mafulos, por via das falas da Kianda Januário Pieter também este tetravô de Roxo nascido às margens do lago Niassa; fala do tempo, das revoltas da embocadura do rio Kwanza, das guerras dos Tugas e Mafulos de Loanda, n´gwetas e dos desentendimentos com a rainha N´Zinga, mais outros personagens do distante Kongo do Zombo, de terras de Kassange e da Matamba.

rosa1.jpg O velho Niassalês descreve as festas axiluandas de então com kimbandas e t´chinganges pisoteando a terra, levantando poeira de encorajar kotas, jagas, sobas e m´fumos que iam chegando em alvoroço dos Dembos e de lá mais além do Kassange. Nos encontros, iam passando cabaças com malavo de cassoneira e, a cada grito dado pelos dançarinos guerreiros, o povo gritava kwata mwana-pwó, kwata mwana-pwó. Era a preparação duma guerra contra os Tugas n´gwetas entricheirados em Massangano por ordem dos Mafulos Holandses

:::::

Morgan Tsvangirai ficou avençado pelos Mwana-Pwós  com o posto de tenente de segunda linha; mandava os escravos m´bikas do kimbo fazer tarefas de manutenção e limpeza ao forte, zelar pelos n´dongos de pesca e translado de coisas para a Kissama e das patrulhas de soberania aos  mares parados com lagoas até o Morro dos Imbondeiros e dos Elefantes da Maianga. Também tinham a caça e a pesca ao seu cuidado.

:::::

M´fumos, iam chegando aos poucos como emissários da rainha N´Zinga M´Bandi da Matamba e do rei do Kongo Garcia II que, embora sendo cristianizado pelos Portugueses, com eles andava desentendido após a chegada dos Mafulos. Estes, teriam-lhe prometido poderes maiores e auxilio com armas do tipo de canhangulos e pederneiras. Eram preparativos duma união para fazerem o grande e final assalto a Massangano.

roxo105.jpg Naquela fortaleza os Tugas resistiam aos Olandêses tapando-lhes as vias de comunicação ao mercado de escravos lá do interior fazendo emboscadas ou tocaias com azagaias venenosas, um método aprendido com os indios do brasil, uma cana comprida que depois de soprada dela saia um dardo mortífero.

:::::

 Por isso aquele mato metia  demasiado medo aos Mafulos. É aqui que entra o Senhor Mauricio de Nassau que desde o Recife Brasileiro mantia o negócio das peças m´bikas para os seus engenhos de assucar. Pernambuco e as capitânias adjacentes, estavam carentes de braços para fazer o cultivo da cana de açúcar e fazer andar os engenhos. A preguiça e cultura dos indios americanos não permitia seu uso no trabalho.

:::::

Talvez por isto, seus lugares tenentes mantinham contacto com alguns negreiros  portugueses que detinham este negócio, pagando-lhes ainda mais do que a antiga coroa determinava. Era um quase pacto de negócio mantendo-os como principais fornecedores de peças á margem dos interesses dos reis do M´Puto. As ordens que vinham do Conde Maurício de Nassau a partir de Olinda eram de subornar a todo o custo os intervenientes funantes do mato de N´Gola no negocio escravo.

dy28.jpg Estava em causa a política comercial da Companhia das Índias Ocidentais... o lucro! E, Portugal que era agora pertença dos espanhois não havia por isso empenho nestas politicas de tanto trabalho; preferiam estabelecer severas taxas de soberania aos amerideos de seus territórios com pagas em ouro. As mordomias do reis Filipe de Castela, Asturias, Galiza, Catalunha Portugal e Andalazia eram muitas - isso impunha uma politica restritiva, sem  dispersão.

:::

Redufina Kabasa mãe negra da Kianda Roxo estremava-se ensinando a sua filha maneiras de comportamento e era vê-la brincar com candengues  brancos e pardos no átrio da missão! Bem cedo se destacou nas habilidades de colorir os jogos de desenho, nos riscos da cabra cega; qualquer argila era motivo para dali sair pintura ou escultura bem à moda dos trabalhadores de talha do pequeno altar da igreja  da muxima!

:::::

Sua tia N´ga Maria Káfutila de linhagem nobre do reino do Kongo ajudava meu pai Januário Pieter na quinda do mercado da paliça vendendo malavo e quitoto ou permutando com os indígenas ou mesmo n´gwetas produtos da terra como ginguba e fuba de mandioca. A fuba originava um prato apetecível chamado de funge ou pirão, um preparo a partir da mandioca. E, ela tornou-se assim uma cozinheira de primeira mão mas, prefere suas fluorescências.

roxo60.jpg Mais tarde começaram a fazer uso das folhas do pau de mandioca que era passada por cinco fervuras para anular o veneno da coisa e, a isto chamaram Saka-saka que impregnada de azeite de palma dava origem ao prato mais típico dos Kaluandas, a moamba com quiabos e jimboa. E, foram os Portugueses que a levaram do Brasil para N´Gola embora queiram fazer crer o contrário disto. N´Gola nunca vai poder dissociar-se dos Tugas por esta e outras singelas razões.

(Continua… CAFUFUTILA CXXI -17ª Parte...)

Nota: Isto já foi publicado na Kizamba do Facebook . Fui à Luua e baralhei-me todo...

O Soba T´Chingange (Otchingandji)



PUBLICADO POR kimbolagoa às 08:21
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Terça-feira, 4 de Abril de 2017
MUXOXO . L

TEMPO CINZENTOS – 03.04.2017A vida é feita de acasos. Na natureza dos dias de hoje, não é o mais inteligente que vence na vida mas sim aquele que melhor se adapta a ela… A continuar desta forma seremos no futuro, todos ladrões…

Por

t´chingange.jpeg T´Chingange

A vida da gente é feita de acasos; de coisas pequenas que mudam nosso destino como uma vírgula minúscula altera um texto. Cada um de nós tem isto embebido em sua estória de vida e, por isso se diz que, esta ilusão é de um minuto ou uma centelha dele e, as coisas sucedem num agora, num lugar de hora certa ou errada conforme a sorte, conforme seus guias de guarda invisíveis que num dado instante o são e num dado instante deixam de o ser.

:::::

Pois quantas vezes, por se estar no lugar e hora errada, se têm um dissabor ou uma alegria que tudo muda no percurso de nosso enredo de vida, nosso fado! Habituado a viajar, um dia e, estando eu no Algarve do M´puto saí de casa com o propósito de em Armação de Pêra e, junto do amigo Mogo, inscrever-me em um dos passeios romeiros que habitualmente ele organizava.

:::::

No ano anterior tinha ido com a família à Festa do Cavalo em Gerês de La Frontera de Espanha, uma cidade situada bem perto da Cidade costeira de Cádis na Andaluzia. Porque gostamos do passeio, falou-se em casa que seria bom voltar a rever aquelas figuras de gitanos com adornos e prendas, suas cavalgadas em carroças enfeitadas a caminho de “El Rocio” e la virgem del Carmo, sua Santa protectora mui querida.

ÁFRICA4.jpgBem! Chegado à retrosaria do Mogno em Armação e depois dos cumprimentos, respondeu-me que naquele ano de 2005 o grupo de romeiros de “El Rocio” os Tugas, iam para o Brasil. Bem! Foi-me pormenorizada de como seriam esses quinze dias em Maceió, falou das praias e edecéteras; conseguiu assim despegar as tentações do subconsciente com coqueiros a abanar no vento fresco do pensamento.

:::::

Acabei por me inscrever; que lhe daria a confirmação depois de conversar com a Ibib, minha parceira de tentações tropicais. E, foi assim que troquei o El Rocio de Gerês, festa “del cavallo” pelo Nordeste Brasileiro. Logologo minha mulher disse: Pois, é quase ali ao pé, mesmomesmo, quasequase a mesma coisa! Ibib já habituada aos meus entretantos disse: que remédio! E lá fomos nós no tempo aprazado para a terra dos papagaios.

:::::

Isto para verem como desacontecem as coisas dum plano, vida esfarrapada de pequenos hífens pregados a nós como um destino. Que se lixe, e lá vamos, e lá fomos; a vida são três dias e temos de gozá-la enquanto se pode! Para além do mais sou cidadão do mundo e não me vou pregar na cruz dum qualquer país feito Cristo, mesmo que esse país se chame M´Puto. Já que me trambicaram uma vez, traíram e venderam a preço zero, mais vezes virão e, aos poucos, suavemente roerão minha própria cruz.

carmen1.jpg Os pequenos mas, acontecem assim quase inadvertidamente predestinando nossos amanhãs, com políticos desclassificados fazendo-nos escravos de leis fabricadas ao seu propósito. Vamos tocar isto para a frente, o que tiver de acontecer, vai suceder e novas perspectivas surgirão, novas gentes, novas entidades, novos desafios. E fomos; e ficamos…

:::::

E, porque parar é morrer damos impulsão á nossa vontade na peugada da estória do Lampião, das várias sagas, do assucar, do cacau, do sisal, do café, do leite de coalho e das sobrevivência construídas de pau de arara, a pique e tabique ou taipas de criar escaravelhos. E, assim de romeiros de “El Rocio” de Andaluzia, espanhola, entre gitanos, viramos romeiros ao padre Cícero do Juazeiro do Norte do Ceará feitos matutos.

:::::

Transpirando vírgulas no meu texto de vida feita de malambas, de palavras, revejo-me aventureiro indo de balsa até às piscinas naturais da Pajuçara, mar verde-esmeralda. Entre coqueiros posso ver da minha varanda as muitas velas triangulares com seu garrido colorido entre a língua branca das ondas batendo nos recifes, nos corais bonitos da baia com muita mais do que os sete coqueiros da praia cor esmeralda.

arte1.jpg Estes acasos não são exclusivamente meus; D. João VI fez do Brasil a sede de um Império empurrado por Napoleão, mantendo-o unido; dando títulos aos senhores do dinheiro a troco de grandes somas para formar o banco do Brasil; Por acaso os nobres, Condes, Visconde, Duques e Marqueses passeavam suas vaidades no peito mostrando suas medalhas. Também eles viviam uma fantasia com futilidades e muito devaneio à margem do povo, dos escravos e ricaços que engordavam riquezas vendendo gente como peças. Quem não tinha título mas algum dinheiro tornou-se Coronel, Major e lguns outros ficaram doutores…

:::::

E quis a estória que de infortúnios se fizesse moda e arte! Durante a viagem de Portugal até o Brasil os piolhos tomaram conta das cabeças das damas; a tal ponto que tiveram de as rapar! Verdade! Desceram primeiro em São Salvador com turbantes ornamentais em suas cabeças sem algum cabelo. As mulheres baianas acharam estranha aquela moda e adoptaram-na logo pois que vinha da europa civilizada. E, foi assim que surgiram os turbantes enfeitados como o da mais recente Carmem Miranda com frutas tropicais. Como digo a estória de todos nós é feita de acasos. Naquele tempo ainda não havia o conhecido “kitoco” o tal de mata piolhos. Assim teria de ser! E, assim o foi!

carn1.jpg A vida é feita mesmo de pequenos nadas, de serras paradas à espera de movimento. Coqueiros ondulando com o vento, o mesmo que trouxe as caravelas. O vento de à bolina, mais tarde as naves feitas aviões, que vão e vêm unindo traços e culturas; falas e linguajares com sotaques variados. Agora, em terras de Vera Crus estão-me surgindo papagaios, esticando-me os ossos, as dores, muxoxos de minhas atribuladas vontades. Um dia, isto vai ter de parar…

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 00:31
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sábado, 1 de Abril de 2017
MALAMBAS . CLXVIII

NAS FRINCHAS DO TEMPO . 01.04.2017 - Amai-vos uns aos outros, mas só se for pra valer…

MALAMBA: É a palavra.

Por

t´chingange 0.jpg T´Chingange

O homem produz cultura tal como a abelha produz mel mas, enquanto a abelha tem defesa aos anticorpos, doenças e vírus pelo seu eficiente própolis, o homem fica subserviente à boa sorte tomando antibióticos que decerto lhe farão mal a outro qualquer órgão que não aquele visado. O homem fica assim sujeito à análise, à crítica e ao comentário que nem sempre é do inteiro agrado do progenitor da ideia ou do conceito; estamos falando de cultura, entenda-se! Surgem assim os pontos de vista que sendo muitos e 

propolis1.jpg Uns temas surgirão absurdos para alguns, enquanto outros o acharão interessantes. Hoje após me ter levantado, bebi minha dose habitual de cloreto de magnésio  chá de canela de velho e, porque ando com uma fissura no lábio, deitei directamente no lábio e língua umas quantas gotas de própolis de Alagoas. Uma das gotas caiu na bacia de louça branca, cerâmica polida; tentei limpá-la com simples água e nada de nada!  

:::::

Esfreguei com insistência e só quando usei álcool etílico é que a mancha vermelha saiu embora a custo. Foi a partir daqui que rebusquei nos meus alfarrábicos rascunhos e recursos de conhecimento especial me inteirei a fundo do valor deste eficaz antibiótico. O própolis vermelho é um extracto produzido a partir de uma seiva encontrada no rabo-de-bugio, uma vegetação dos manguezais do estado alagoano do Brasil. Este ouro rubro, como é conhecido por muitos pesquisadores, atrai a atenção da comunidade científica de diversas partes do mundo.

:::::

O registro do própolis vermelho confirma que o produto possui propriedades diferentes dos outros doze tipos de própolis já catalogados no Brasil. A saliva das abelhas, transforma a seiva encontrada nos mangues numa espécie de "cimento", utilizada para revestir a colmeia. Rica em vários compostos, o própolis vermelho tem surpreendido pelas propriedades activas em acções antibacterianas, antifúngicas, antivirais, anti-inflamatórias, além de alto poder cicatrizante e acção antioxidante, actuando na prevenção do envelhecimento precoce.

propolis2.jpg A seiva do própolis vermelho, vem demonstrando resultados positivos no controle de diabetes, hipertensão, câncer e HIV. Em relação ao diabetes, a própolis regula o controlo da glicose no sangue. Na hipertensão, atua como vasodilatador (aumenta os vasos sanguíneos), melhorando o fluxo do sangue; tem servido como complemento no tratamento do câncer, porque ajuda a eliminar os radicais livres, que estão ligados aos processos degenerativos do organismo.

:::::

Nas pesquisas de HIV, a seiva tem impedido que o vírus se reproduza nas células, diminuindo os sintomas da síndrome. Outra qualidade do própolis vermelho: a seiva é um poderoso conservante natural de alimentos. Pois então!  A partir de agora vou misturar no café ou no cloreto de magnésio 10 gotas para me livrar desta porcaria dos comprimidos da tensão que me tiram do sério com luto antecipado e sem pressão no Nero, meu imperador de nervo teso. Daqui para a frente vou ser o meu próprio médico como a abelha o é de si mesma!

propolis3.jpg Minha imunidade aumentou consideravelmente! Pode ser coincidência, mas desde que comecei a usar, não tive mais nenhum resfriado, virose, ou amigdalite, essas malezas que sempre aparecem com o tempo. Andei aí uns dias a espirrar àtoa, axim, axim, axim com  mais treze cópias e ranho moncoso mas, com o própolis foi trigo limpo!  Mas o melhor mesmo é que já dou cambalhotas no espaço de minha cama e, até já ato os sapatos na maior ligeireza do acto. Ando assim a reconciliar-me com as simples coisas da natureza numa relação de vida química com os outros vários seres cuidando minhas anatomias desmilinguidas.

:::::

Isto porque para falarmos do futuro, mesmo sendo um futuro que já nos sentimos a percorrer, o que dele dissermos, sempre será um produto de síntese pessoal embebido de imaginação. A abelha já tem o seu curso de vida; nós, pessoas, também o temos mas, enquanto nos confundimos entre o “ser ou não ser eis a questão”; elas as abelhas só fornecem à humanidade os mecanismos de reacções químicas. Bom! Elas, as abelhas, em verdade não têm cordões de sapatos para atar! E, quando elas se forem, nós também iremos!

propolis4.jpg Andamos nós a analisar feromonas, previsões e metodologias obtendo respostas que mesmo sendo subjectivas farão parte dos ensinamentos, nem sempre sendo os mais perfeitos ou correctos. E, surgirão teorias, reacções de transferências de electrões, dos protões e coisas do domínio da reactividade química. Sempre haverá ocasiões em que os cientistas, analistas ou inventores terão a boa sorte de deparar com problemas cujo significado e solução têm um alcance muito superior ao que inicialmente supunham. Pena é que descuidem a natureza recorrendo a laboratórios que nos entopem as veias, inventando necessidades fúteis.  

:::::

É aqui que me deparo com uma nova teoria, de que nenhum matemático ainda falou porque desprezam esse factor que vem do Deus da natureza. Juntarei de modo próprio à “teoria da incerteza”, à “teoria do medo”, à “teoria da sorte”, uma outra: a “teoria da simplicidade” ou porque não “ a “teoria da descomplicação”.   

propolis6.jpg Tudo terá um equilíbrio dinâmico por influências mútuas, ora positivas, ora negativas e, que irão desde o conhecimento científico passar ao psicológico, e só então de inventação como coisa possível e, por último ao reconhecimento social. Ando a tentar definir-me como idiota e, sabem que mais, gozo muito com isto! Como a terra antes que ela me coma! Quanto ás abelhas, o certo é de que quando elas se extinguirem, esta humanidade a que pertencemos, acabará também.

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:57
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

RELOGIO
TEMPO
Weather Forecast | Weather Maps
Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
AS NOSSAS FOTOS
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
CAIXA MUSICAL
CONTADOR
ONDE ESTÁS

Sign by Danasoft - Myspace Layouts and Signs

blogs SAPO
subscrever feeds