Sábado, 19 de Dezembro de 2015
MISSOSSO . XXII

ANGOA . A MÃO DE DEUS no rio dos elefantes . Não há palavras para vos descrever o que senti ali acocorado entre os dedos Dele -  3ª de 3 partes

Por

DY0.jpgDy - Dionísio de Sousa  (Reis Vissapa) - Autor de “Ninguém é Santo” escrito para todos os Angolanos que amaram e amam a terra que os viu nascer ou crescer…

negro1.jpg (…) NA FOZ DO RIO QUATIR - Ninguém me ligou peva e só quando cacei o almoço e o jantar com dois tiros de caçadeira é que a vizinhança debandou alvoraçada. O trabalho não era nenhum. Medir diariamente numa vara hidrométrica as oscilações de caudal o que me ocupava pouco mais de dois minutos, sobrando-me tempo para explorar aquele paraíso que jamais se apagará da minha memória. Dei com a mão de Deus quase um mês depois de ali estar. Já calcorreara a pé os quinze quilómetros que me separavam de umas das mais formosas quedas de Angola, as quedas de Montenegro e banhara-me em piscinas naturais únicas no mundo com o fragor da água caindo em anfiteatro sobre o meu corpo.

negro2.jpg Decidi um dia explorar um rio de aluvião apelidado de Rio dos Elefantes, palmilhando a areia do seu leito seco para montante uns largos quilómetros. Alcateias de babuínos (Macaco Cão) tentando amedrontar-me com os seus latidos, as fêmeas correndo com os seus rebentos à cacunda e os mais excitados fazendo-me caretas. Manadas de impalas pulando com uma elegância ímpar e Olongos de cornos altivos fugindo ao retardador. Foi quando deparei com ela, a mão de Deus. Enormes monólitos naturais de granito, dispostos de forma circular bem em frente aos meus olhos fazendo lembrar a mão do Senhor. Mais de dez metros de altura que eu marinhei com sofreguidão para do alto poder deslumbrar-me com a paisagem.

negro3.jpg Foi quando os vi e precisaria mais que uma crónica para vos descrever a beleza e o encantamento daquele momento. No interior daquela construção ciclópica uma manada de elefantes com as suas crias banhava-se numa lagoa circular, largos metros abaixo da minha posição estratégica. Não há palavras para vos descrever o que senti ali acocorado entre os dedos de Deus. Há uns meses atrás vi em casa um filme classe B em que uma menina viera para a Namíbia para ver o pai que se separara da mãe oito anos antes, tendo vivido todo esse tempo na Europa.

negro5.jpg Uma história mal contada de um desastre de avião em que a menina se aventura pelo deserto dentro com um negro que lhe ensina os segredos da natureza e da região, à procura do pai desaparecido que se envolve numa luta com terroristas, não sei onde. A Mão de Deus é a única coisa decente do filme, embora erradamente situada em território Namibiano. Os elefantes que eu vi há cinquenta anos atrás ainda por lá andavam. A minha mulher ficou transtornada quando me ouviu a soluçar baixinho com a comoção. – Mas o que se passa homem. – Não se passa nada, foi só a Mão de Deus que me acenou de novo.

Reis Vissapa

As escolhas de T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 18:06
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Segunda-feira, 14 de Dezembro de 2015
MISSOSSO . XXI

ANGOLA . A MÃO DE DEUS no rio dos elefantes. Não há palavras para vos descrever o que senti ali acocorado entre os dedos Dele -  2ª de 3 partes

Por

DY0.jpg Dy - Dionísio de Sousa  (Reis Vissapa) - Autor de “Ninguém é Santo” escrito para todos os Angolanos que amaram e amam a terra que os viu nascer ou crescer…

onco0.jpg (…) Menos de um ano depois uma sólida amizade desenvolveu-se entre todos nós. Eu era mais novo do grupo e talvez o mais irreverente o que deu em vários desterros compulsivos para lugares de beleza inimaginável, acabando esses castigos por se tornarem uma bênção de Deus. Evito escrever crónicas verdadeiras sobre essa época por que deixam sempre a impressão de autobiografias exageradas. Não resisto a falar-vos da Mão de Deus.

onco6.jpg O Nissan azul dos serviços veio a derrapar nos barros negros até à Oncócua conduzido por Luís Negrão grande amigo cuja história interessante e trágica contarei numa outra crónica mais lá para a frente. Depois de bebermos umas Cucas na loja de mato do Serafim partimos em direcção ao Cunene onde o meu colega me deixou sozinho a largos quilómetros de distância da civilização. Fiquei instalado numa construção inacabada sem portas nem janelas e apenas com telhado.

onco1.jpg Um luxo sem luz ou água. Mobília o meu burro de campanha e a mala do rancho, vizinhos meia dúzia de osgas empanturradas de moscas e mosquitos, aranhas com um bojo amarelo enorme e cerca de seis centímetros de largo que corriam a uma velocidade estonteante, uma cobra rateira que fugiu pela janela a sete pés e uns rilhetes semelhantes aos dos cães que vim mais tarde a constatar que o meu alojamento era usado como W.C. pelas hienas.

onco5.jpgonco5.jpg Depois de ter passado três meses numa tenda na foz do rio Quatir, afluente do Cubango, encontrava-me finalmente num hotel de alto de luxo. Dormi que nem um justo e de madrugada com o sol a raiar olhei pela suposta janela e dei de caras com uma das paisagens mais belas da margem do Cunene. Bandos de capotas e perdizes debicavam sementes e insectos num frenesi perante os meu olhar sonolento. Uma manada de impalas pastava pachorrentamente junto ao arvoredo que sombreava o rio e dezenas de “chicos-laricos “ pulavam numa chinfrineira pegada de árvore para árvore.

As opções do Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 12:35
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Segunda-feira, 14 de Setembro de 2015
KISANJI . XIV

ANGOLA - DESTINOS . PÁSSARO DE MEL - Morre um capim, nasce outro…

Por

DY0.jpg DY – Dionisio de Sousa (Reis Vissapa)   Sempre Angola e a sua magia

brig1.jpg O Unimog da brigada dos rios ziguezagueava as margens do Cunene, deixando as esplendorosas quedas do Ruacaná para trás dirigindo-se para a foz do rio dos elefantes, onde tencionavam montar o nosso acampamento. Por idade foi-me reservado o lugar da carroçaria e os meus gritos para o Monteiro Ferreira abrandar o andamento dando-me tempo para me desviar das espinheiras e manter o equilíbrio, se chegavam aos seus ouvidos ele não ligava peva. Quando estacionámos num idílica clareira que marginava o rio cristalino, todos os arranhões das unhas de gato deixaram de arder com o bálsamo que aquele éden emanava. Os silvos competiam em beleza com os mutiátis e mulembas de porta altivo rodeando um círculo de terra perfeitamente calcado e acolhedor.

brig2.jpgUm frémito de prazer percorreu-me o corpo e o sangue parecia acalentar-me as entranhas. Ali estava eu aos dezassete anos, deslumbrado com aquele paraíso perdido nas terras do Cuanhama. Os dias deslizavam fascinantes pelos meus olhos quando medíamos a profundidade do Cunene espiando-lhe os contornos do leito com uma vara hidrométrica. Vogávamos pelos seus braços num Zodiac pneumático, rodeando ilhas de encanto e descendo rápidos imprevistos onde as águas saltavam em novelos de espuma alva. Verde de mil matizes coloria as margens povoadas de águias pesqueiras e íbis elegantes e, de longe-em-longe encontrávamos caíndes de invulgar delicadeza, dessedentando-se nas águas frescas. O meu periclitante calendário precisava cerca de um mês naquele lugar onde a mão de Deus se esmerara.

brig3.jpg Aos fins de tarde descansávamos o corpo exausto nas cadeiras articuladas de lona verde usufruindo o fabuloso espectáculo de uma família de hipopótamos que desde o dia que ali havíamos chegado se instalara no remanso que distava meia dúzia de metros da margem. O macho e a fêmea brincando com a cria em cabriolas ágeis e surpreendentes para o avantajado dos seus corpos! Vamos ter visitas - Murmurou o Ferreira, quebrando a magia do instante. Achas? Perguntou fleumático o Negrão. O Artiaga no seu habitual pragmatismo acrescentou: – Só se forem algumas muximbas que venham montar aqui as suas cubatas. Tirando as idas do Esteves ao Chitado para renovar o rancho, nada nem ninguém aparecia por ali.

brig4.jpgUma avezinha graciosa batia asas pairando quase por cima das nossas cabeças, chilreando aflita como se quisesse comunicar algo. É o pássaro-do-mel, comentou o Alfredo com o cachimbo fumegante na boca. Este aqui? - Sim esse que anda aqui por cima de nós. E então? - Vem anunciar visitas. A descrença lia-se no olhar dos meus companheiros de brigada, mas ninguém ousava pôr em dúvida a experiência do Ferreira, no que dizia respeito a assuntos de mato. Se calhar! Disse o Blandira. O experimentado caçador, remeteu-se a um mutismo próprio dos homens que conheciam África e os seus segredos, só quebrado pelo  Boa noite, durmam bem! Quando nos fomos deitar.

brig5.jpg O pássaro-do-mel não mentira ao Alfredo. Tivemos na realidade duas visitas em vez de uma. Por volta das quatro da manhã uma restolhada assustadora pôs todo o mundo fora das tendas num abrir e fechar de olhos. O Monteiro estava cá fora com a Winchester 73 que o Jonh Wayne usara no filme do mesmo nome e que nós chamávamos de “Trinta x Trinta”. Xíííuuu… Elefantes! Murmurou baixinho para mim. Onde estão? Não os ouves!? Oiço mas não vejo. Mas eles vêem-te, podes crer. Não foi grande ideia ter montado o acampamento no trilho deles, não estão nada satisfeitos.

brig7.jpg Mas foi o Alfredo que escolheu este lugar. Pois foi isso que o pássaro de mel me veio dizer, retorquiu. Os elefantes ainda reclamaram por algum tempo a sua passagem, mas a fogueira ainda flamejante e o barulho que fizemos levou-os a irem beber ao rio por um atalho. Já o sol se aproximava do meio-dia quando o Comandante Reis, chefe da Brigada dos Rios, chegou ao acampamento numa visita inesperada.

brig6.jpg No advento da televisão e do telemóvel, lembro-me vezes sem conta do meu Pássaro de Mel. Espero ansioso que ele me faça uma visita alertando-me para uma manada de elefantes que vêm repreender-me por ter feito o meu acampamento no sítio errado. Acho que o Monteiro Ferreira os levou a todos para parte incerta, pois tal como eu não gostava de telemóveis. Por onde andará ele agora, mais os elefantes e a alegre família de hipopótamos que morou ao meu lado quando eu tinha dezassete anos! Lá longe no Cuanhama.

Kissanji: -  Instrumento musical - tábua de forma rectangular, onde se fixam umas palhetas de metal que accionadas transmitem sons (Angola).

Reis Vissapa

As Opções do Soba T´Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 14:57
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

RELOGIO
TEMPO
Weather Forecast | Weather Maps
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
15

19
20
22
23
24
25

26
27
28
29
30


MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
CAIXA MUSICAL
CONTADOR
contador free
ONDE ESTÁS

Sign by Danasoft - Myspace Layouts and Signs

blogs SAPO
subscrever feeds