Sábado, 13 de Maio de 2017
MOKANDA DO SOBA . CXXIII

TEMPOS PARA ESQUECER - 13.05.2017 - ANGOLA DA LUUA XXXI. NA GUERRA DO TUNDAMUNJILA. “Vai para a tua terra, branco” era o que mais se ouvia na Luua de 74/75…

Por     

t´chingange 0.jpg T´Chingange - (Otchingandji)

(…) Eu estive com muitos desses tais “angolanos de gema” nos Adidos e na Cova da Moura que amavam Angola, terra de que nunca sairiam, blá-blá-blá. Esses mesmos que faziam rusgas e revistavam nossas bagagens quando daquela confusão de fugir, de sair de qualquer maneira daquela terra, gente que cantava o MPLA da vitória ou morte, gente que se dizia vanguardista. Enfim! Eles tinham essa ilusão e, assim vendiam seus préstimos como urubus ao serviço do MPLA atrapalhando ainda mais o desespero entranhado em muitos de nós.

:::::

Muitos destes, ainda andam por aí, como reformados, retorcendo suas consciências porque afinal cometeram um injusto procedimento! Estes, traíram-se a si mesmos! Outros voltaram à sua querida Angola, sua tão apregoada terra de que eu, tanto gosto; a maioria regressou de novo ao M´Puto acabando por dizer que não encoberto num sim frustrado! Afinal aquela terra já só era deles, dos pretos! Falo assim porque senti na pele o tratamento rancoroso, eu que brincava com eles pelos musseques, que também eram meus, pensava assim mas só isso; coisas do pensamento! A estória estará sempre muito repleta deste tipo de gente que se vende por três tostões.

moka31.jpg E, Portugal, o tal de M´Puto, acabaria por dar guarida a carrascos e fujões (desculpem-me a expressão) que de forma enrolada, misturada se foi acomodando aqui e ali, salvando os hotéis e concebendo arranjinhos de safadeza, explorando os refugiados, ditos retornados como eu. No aeroporto as senhoras prestimosas das Caritas e Cruz vermelha (não todas, felizmente), iam despejando desaforos como muxoxos soprados subtilmente ou não: “Só nos faltavam estes ranhosos”. Eramos nós, despidos de preceitos, ouvindo calados o desaforo de irmãos, de patrícios, de gente com nosso sangue! Isso doeu muito! Só não se lembra disto quem não quer lembrar!

:::::

Os heróis de tuji foram-se misturando com os demais, as estórias sucediam-se engravidadas de medalhas, gente que revistou, impediu, prendeu, gente que pintou e bordou a manta em acontecimentos tristes! A 17 de Agosto, Lúcio Lara, um mulato raivoso do MPLA solicitava ao embaixador Russo em Brazaville o envio de peritos soviéticos Para o Estado-maior das FAPLA em Lunda. E, afirmou nesse então: O Comando do MPLA necessita de conselheiros qualificados em questões de estratégia militar.

moka32.jpg Não lhes chegavam os altos mandatários portugueses e cubanos! É que no dia 18 de Agosto de 75, coisa bem concertada, Rosa Coutinho, chega a Cuba tendo dado garantias e sua palavra que era tal e de tanta força que… Que não seriam colocados entraves à entrada de militares, oficiais cubanos. E, assim foi! Logo no dia 21 de Agosto daquele ano, somente dois dias depois daquelas afirmações, desembarcou em Luanda uma Missão Militar Cubana (MMCA – Missão militar Cubana - Angola). E, surgiram os CIR (Centro de Instrução Revolucionária) em todos os lugares já sob controlo do MPLA.

:::::

Esses lugares podem enumerar-se como sendo: Cabinda, Benguela, Henrique de Carvalho, e N´Dalatando. Foi garantido por Cuba na pessoa do oficial Humberto Arguelles que antes de Novembro (1975), os recrutas estariam prontos para combater. Ainda Leonel Cardoso não tinha chegado a Luanda na qualidade de Alto-Comissário e já os membros do MMCA tinham começado a chegar – finais de Agosto e início de Setembro de 1975.

moka33.jpg A infelicidade de tudo isto é a de que os “genuínos angolanos” como eles diziam e dizem, gente do MPLA, foram e ainda o são, uns refinados mentirosos, astutos, traiçoeiros e ladinos em toda a linha. Enfim, cazucutas! A 19 de Agosto e em vistas de uma proclamação unilateral de independência por parte do MPLA, a UNITA e FNLA, já congeminavam em conversações mais ou menos secretas, também e em seguida, proclamar a independência nas suas zonas de influência.

:::::

A 22 de Agosto de 1975, Portugal suspende a vigência do Acordo de Alvor sem o denunciar. A 25 de Agosto a posição do MPLA é cada vez mais forte; com um grande contingente de homens, armas soviéticas e portuguesas e um melhor comando operacional com assessores cubanos e sempre os disfarçados portugueses, que sem querer, iam querendo, traindo-se entre eles.

moka34.jpg Os portugueses encontram-se agora em um dilema impossível porque já não tinham tropas suficientes nem vontade de lutar; tinha-se assim esgotado a estratégia de dialogar entre os Movimentos. Já ninguém confiava em ninguém! Entretanto, a ponte “LUALIX “ ia-se fazendo aos tropeções, caixotes e imbambas amontoados nos quintais esperando transporte. Durante as noites só se ouvia o matraquear de martelos fazendo caixotes mas, também rajadas um pouco por todo o lado nos bairros da Luua. Os Tugas brancos eram já coisa moribunda, cada um por si pregava seus caixões com recuerdos e tralha mais fotos a enviar para o Cais de Sodré. O cheiro da traição era doloroso e tinha agora sonoridade em toque de dó, sem rê nem mi e sol intervalado com tiros e rebentamentos…

:::::

Neste entretanto, em terras ribatejanas via pela TV o esbracejar do louco primeiro ministro português Vasco Gonçalves, ora espumando ora lançando cravos ao povo; o desentendimento entre os quarteis eram mais que muitos entre guedelhudos revolucionários feitos à pressa e às ordens de oficiais bandalhos, cagões generais de aviário da qual só saiam disparates. Os mais sóbrios estavam a dar-se conta dos erros cometidos. Isso de dar jinguba a macacos sem os ter enjaulados, levantava celeumas.; tarde piaram!

moka38.jpg O conselho dos assessores portugueses, segundo um relatório oficial, o MPLA deveria usar uma estratégia discreta no uso de navios que transportavam suas armas, seus carros de combate, tanques e canhões sem recuo. Por via deste arranjo, não se poderia imaginar tanta petulância e arrogância dos mwangolés mijando nos seus parceiros tugas disfarçados de Ché Guerra (só para a foto). E, também uma desfaçatez no sequente trato dado aos Tugas portando-se como uns refinados mentirosos. Agora tudo surgia com suavidade falaciosa. Em finais de Agosto de 75 a nova Brigada das FAPLA comandada por N´Dozi, treinada na URSS, recebia dez blindados BRDD-2, morteiros d 82 mm, pistolas e baterias antiaéreas.

:::::

Tudo aquilo foi descarregado a 75 Km de Luanda por um navio soviético. Leonel Cardoso é por fim nomeado Alto-Comissário como Almirante, junto com o Comandante-Chefe adjunto General Heitor Almendra. Para Savimbi firmar trégua com Neto, seria necessário o MPLA evacuar todas as zonas de influência dos outros dois Movimentos e que Luanda fosse declarada “zona neutra”, o que nunca viria a acontecer.

moka37.jpgNo M´Puto a crise político-militar arrasta-se perigosamente (vozes comunistas). Existe o perigo real de um avanço reaccionário e da formação de um governo de direita que, no imediato ou a médio prazo, irá pôr em causa as liberdades e as outras conquistas fundamentais da revolução, como as nacionalizações e a reforma agrária... O embaixador dos EUA em Lisboa, Frank Carlucci, faz uma viagem pelo norte do país, que se prolonga em mais dias visitando Porto, Braga, Viseu, Vila Real, Chaves, Viana do Castelo. Que andaria ele a fazer?

:::::

As coisas iam mudar! Os americanos metiam o bedelho decidindo novas trajectórias. Nós, retornados estávamos a ser moeda de troca. Frank Carlucci manteve conversações com os governadores civis de Viseu, Vila Real e Chaves e com os bispos de Viseu, Vila Real e o representante do Arcebispo de Braga. Carlucci estava em todas as frentes… O PPD revelava-se numa directa responsabilidade nas violações da ordem democrática imposta pelo CR-MFA de mãos dadas com os comunistas. A provocação surgia na forma de violentos conflitos de rua, assaltos a instituições, embaixadas, e outros aparelhos de Estado.  

moka22.jpg O Estado estava periclitante! As comissões de trabalhador mais sindicatos levantavam seus punhos decidindo tudo de braço no ar! E, eu aqui no meio disto olhando, ouvindo, vociferando silêncio, com vontade de fugir sem saber para onde! Parecia estar-se à beira de uma guerra civil; havia movimentos de tanques para Tancos. As máquinas de guerra rolavam pela minha rua perto do rio Almonda. Seu barulho ecoava nos aposentos vazios de minha casa, despida de património; despida de haveres. O eco era O PPD fazia esforços para conduzir a tentação de confrontos armados entre militares, para tapar o caminho à guerra civil...Assim parecia ser!

(Continua…)

O Soba T´Chingange - (Otchingandji)



PUBLICADO POR kimbolagoa às 10:32
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sexta-feira, 5 de Maio de 2017
MALAMBAS CLXX

DEUS É SOCIALISTA - TAMBULAKONTA05-05-2017 - Adão, lá no paraíso, comeu a maçã da árvore da tentação; Eva deu-lhe a maçã, o fruto proibido do jardim celestial e, desse pecado original, ficou-lhe um caroço no pescoço que o distingue da mulher na sua anatómica forma…

MALAMBA: É a palavra.

t´chingange.jpegAs escolhas de T´Chingange

Os conceitos do mundo actual, valores, crenças e as histórias da avozinha, não são mais as mesmas; o ontem fica cada vez mais distante e, o que então era proibido, hoje já o não é mais.

Por

maga1.jpg Luís Magalhães

Os militares Angolanos (pretos) que fizeram parte das Forças Armadas Portuguesas, foram Homens exemplares de lealdade e bravura, cuja camaradagem e exemplo Pátrio foi um exemplo. E não é que finda a guerra colonial, muitos deles continuam esquecidos! Portugal abandonou-os á sua sorte e, muitos acabaram fuzilados pelos novos governos. Foi mesmo um crime de lesa Pátria o que os "progressistas" fizeram e, como tal, todos os governantes deveriam ser responsáveis pelos crimes cometidos em prol de uma filosofia de entreguismo.

baú3.jpg Conheci o aspirante Faria no ano de 1975 em Luanda por intermédio do meu irmão mais velho que na altura era alferes. Faria, era um filósofo de ponta e aquilo eram umas ideias de tal modo acutilantes que eu em verdade, tenho que dizer que naquela minha onda dos vinte anos gostei de ouvir.

:::::

E lá fomos até ao Bar "A Nau" que ficava perto da Maianga, beber umas Cubas Livres. Ele, já com o grão na asa, disse entre outras coisas, que era branco de segunda pois tinha nascido em Angola; também se considerava um Fernando Pessoa Angolano - uma afirmação que me divertiu imenso! Perante o meu ar aboamado, Faria disse-me naquele ar alucinado de quem vai fazer uma revelação terrível…

:::::

Tens dúvidas Magalhães? -Imagina tu que uma vez levei uma “porrada” porque disse ao meu superior que era um católico ferrenho; que a maioria das pessoas que se diziam crentes, só o dizia porque tinham receio daquele Deus muito poderoso. De tudo ficavam assustados pelo castigo que daí podia advir. Sempre eram desvios do caminho do Deus! No fundo, tinham dúvidas - tão próprias do ser Humano? E Faria continuou: -Do meu modo, da minha sabatina, referi que Deus era Socialista e como tal, todos eram filhos de Deus (os negros incluídos).

nasc2.jpg Pois perante isto, diz Faria, levantaram-me um auto onde fiquei preso durante cinco dias. Passados uns tempos fui a Malange, onde deparei com o túmulo do Zé do Telhado, uma personagem com quem me identifiquei ao saber que tinha sido deportado para Angola. Tudo muito semelhante aos colonos que saídos de Lisboa desperdiçaram a juventude para combater no lugar dum caraças; para mim eram situações semelhantes!

:::::

Eu ouvia tudo isto maravilhado e, a dada altura diz-me ele assim: -Podes não acreditar mas eu sinto-me um autêntico Fernando Pessoa; custa-me ver que as pessoas foram na conversa de "Portugal um só Povo e uma só nação". Pelo que tenho visto não vai ficar em Angola um único branco para contar como foi! Perante o meu assombro ele replicou: -Os brancos vão ser todos corridos daqui! Eles criaram as suas raízes e pensaram que iam ficar, mas Angola não comporta essa lengalenga de que há espaço para todos! Isso e pura ficção! E não é que a Profecia do Aspirante Faria se cumpriu!

preto0.jpg Depois disto tudo ouviu-se uma exclamação do salão. Era José Matias inflamado de quase injúria - Deus nunca foi nem é socialista, na certeza porém tudo o que acaba de descrever sobre essa guerra e o êxodo dos brancos foi pela vontade de Deus que tudo aconteceu. Me lembro que éramos ignorantes na totalidade quanto aos desígnios de Deus, nem sequer sabíamos que Ele tem o controlo de todas as nações. Vivíamos despreocupados enquanto na retaguarda se formava uma traição jamais vista, ainda assim Deus teve misericórdia de muitos, lhes poupando a vida, para contar como tudo aconteceu.

:::::

E, José Matias continua: -Agora, temos o bonito cenário da maior desgraça de quem engendrou todas estas trapaças, um povo morrendo a fome e doenças, e prisioneiro dos seus próprios irmãos, quanto aos que formaram essa desgraça no lado de cima, não lhes gabo a sorte. E, eis que profetiza assim: -Grandes confrontos se aproximam, estes étnicos, por toda a Europa, aponte para não se esquecer, pois é isso que esses políticos corruptos intentam em seus corações desfeitos pela maldade, cujas mentes por demais cauterização e os ouvidos tapados ao clamor das pedras que clamam noite e dia. Um abraço. Depois faz um insólito pedido: - veja se descobre o paradeiro do T´Chingange que se silenciou com suas estórias?

maga5.jpg E, eis que do espaço astral, saindo do buraco da minhoca surge essa figura referida, o T´Chingange. Aqui estou! Eu na primeiríssima pessoa: -Qual quê meu amigo José Matias!... Só estive em meditação forçada por imposição dum pacote espacial… Mas quanto ao texto do Luís, acho que Cristo foi comunista na verdadeira palavra! Agora essa de dizeres que Deus tinha planeado isso tudo m Angola, vai catar pulgas!… Disse! (Tinha outro jeito?). Do ponto de vista material, terra à terra o homem vive iludido! A verdadeira sabedoria deve estar isolada do corpo. Só assim se pode ver com os olhos do espírito... E, como veio, assim mesmo escafedeu-se feito dimensão ultrapassada!

zulu2.jpg Foi então que de novo e indignado, surgiu o quase apóstolo Matias raivoso: - Comunista?! Estás passado, isso foi dos ares do Brasil, do contacto com os Tapajós que te contaminou naquelas paragens em que misturam tudo, política com religião. Estás confuso meu amigo, estás perdido num labirinto de mentiras que te vai levar a um beco sem saída, estão aproximados na maçonaria. Parece que a tua meditação mudou os teus neurónios. Disseste entretanto bem que a sabedoria deve estar isolada da carne, só que isso é uma frase aprendida na letra que leste algures num almanaque… Mas tu que é matumbo militante, sem entendimento, cais sem discernimento quanto dizes que Cristo era comuna!

Os itens 7,8,9 e 10 não são da minha autoria!

Eles que são brancos que se entendam…

Luís Magalhães in kizomba



PUBLICADO POR kimbolagoa às 22:25
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sexta-feira, 14 de Abril de 2017
CAFUFUTILA . CXXII

ONGWEVA DO TEMPO - KIANDA ROXO - 18ª parte

 Kiandas e calungas com alguma ficção! O tempo, na mística espiritual de N´Gola vem de MUNTU, que significa homem em língua Bantu! A história do povo Bantu só começou a ser decifrada a partir do século XIX. O futuro dos povos bantus ainda anda a ser fabricado…

Por

t´chingange 0.jpg T´Chingange

cafu32.jpg Como a sombra, a história dos novos donos de África, ainda sobrevive e se reproduz fantasmagoricamente, nos seus sempre novos poderes; os mesmos que que eles próprios instituíram como vigentes para conduzir seus novos escravos, seu povo preto. E, este povo está disseminado por N´Gola com vários grupos tais como os Bakongos, Lunda-Ckokwel, M´bundu, Ovibundu, Ambós e, outro pequenos subgrupos. Pelo que se observa o branco sempre estará desconsiderado como uma excrescência em sua  história, um erro crasso que os vai fazer retroceder até um futuro visto no passado; uma perfeita miragem.

:::::

E, foi entre a bacia do rio Kwanza e do Rio N´Zaire que se desenvolveram as etnias preponderantes do reino, os Manikongos com Matamba e N´Gola destacando-se entre eles outros reinos tais como N´Goyo, Kakongo e Luango situados a norte do estuário do N´Zaire e, o reino de n´Dongo que incluía quase toda a parte central de Angola e de ambos os lados o rio Kwanza, o verdadeiro Rio da Identidade de N´Gola.

cafu15.jpg Falar das kiandas é uma necessária superstição para encaixar as surtidas febris de contos, mussendos e missossos que os mais velhos iam contando aos jovens que apreendiam o que a imaginação depois forjava, sempre muito cheia de engravidadas inverdades com outras carregadas a canhangulos de guerra. Nessas estórias de pubeiros sobrepõe-se a do grande jaga N´Gola Quitumba com a ajuda de Quitequi Cabenguela de quem com orgulho falam os  N´Zingas.

:::::

Nessas guerras de invasões, os sobas dos reinos dominantes iniciaram uma série de revoltas. As mais importantes ocorreram nos sobados da Kissama e dos Dembos por protegerem os grupos de escravos fugidos de n´Dongo da Matamba, do Kongo, de Kassanje do Kuvale e de todo o planalto central de Angola. A extensa capitânia de Paulo Dias De Novais vivia em permanente convulsão! Depois de muitas batalhas com os Tugas, do lado do Rei do Kongo e, com grande dificuldade lá conseguiram eliminar o carismático Bula Matadi.

cafu14.jpg Esta descrição de forma sucinta tem o fim de dar a entender o turbilhão de reinos e sobas e os interesses que moviam os Tugas e mais tarde os Mafulos. Teremos de fazer um interregno à estória pitoresca das kiandas do Kwanza, ora kwangiades, para entender esse turbulento tempo. Convém referir que Paulo Dias de Novais esteve preso durante cinco anos no lugar de Kabassa (sendo verdade, até parece lenda!). Depois de solto, voltou ao m´Puto e dali retornou mais tarde com uma armada mais poderosa instalando-se em Luanda aonde construiu a fortaleza de São Miguel nessa então São Paulo de Assunção de Loanda.

:::::

Os reinos de n´Dongo foram enfraquecendo e quase abandonaram a luta depois da morte do seu Rei N´Gola Kilwanje Kia Samba. Assim os Tugas puderam instalar-se em Muxima, Massangano e Kambambe aonde foram construídos fortes. Tribos e chefes, sujeitaram-se a pagar tributos ou fornecendo escravos aos capitães do m´Puto mas, outros houve que continuaram a lutar refugiando-se nas protegidas ilhas do Rio Kwanza.

cafu35.jpg Voltando a Massangano, terei que adicionar ao que se sabe das lendas, que houve muitas contrariedades e, como tal, uma derrota com o mesmo n’Gola Kilwanje já aqui citado. Isto aconteceu em uma batalha no ano de 1582 em que a forte resistência obrigou à construção do forte de Massangano no ano de 1583. Não obstante, não impediu que as forças da rainha n’Zinga o atacassem, em 1640 que, apesar do saldo negativo pelo aprisionamento das suas duas irmãs Kambu e Funji, que levou a que esta última fosse executada.

:::::

De fazer notar que do lado de fora dessas fortificações se realizavam feiras de compras e vendas de escravos. Estas feiras estavam coordenadas pelo pai da Kianda Roxo, Morgan Tsvangirai. A ele, se devem as posturas de trato comercial e da recolha dum percentual na venda individual ou lotes de peças; diga-se em verdade que era um homem bem experiente nesta labuta e trato de escravos… Custa-me agora dizer isto mas ela, a Kianda Roxo, de nada se lembra desses etéreos tempos; ainda bem! Talvez por isso e agora, ela a Kianda viva, seja tão generosa nas palavras e tão comedida nas periclitãncias…

cafu34.jpg N´Zinga m´Bandi foi o maior símbolo de resistência. Esta rainha para além da resistência contra os Tugas de então, conseguiu aliar os povos já mencionados de, entre os Rios n´Zaire e Kwanza. Foi a 6 de Setembro de 1683 que n´Zinga aceitou vassalagem obedecendo a oito condições estipuladas por João da Silva e Sousa, Governador e Capitão-General. E, tudo foi elaborado ou aceite pelos protectores da soberania tribal. Como em tudo a ambição cega a visão por usura de alguém que detém o sim e o não ou uma incipiente matumbice….

:::::

A Rainha n´Zinga é assim obrigada a não impedir os pombeiros de chegarem ao sertão africano e também não impedir àqueles em sua actividade comercial com os potentados do reino do Songo, Quiacar, Punamujinga, Sund, Cacem e Damba. Aquela rainha teria de abrir caminhos para que os negreiros alcançassem seus destinos. Bom! Os pombeiros trabalhavam por conta de grandes chefes, sobas ou militares Tugas.

chai4.jpg Durante um ou dois anos, internavam-se nos matos, trocavam escravos por tecidos, vinho, quimbombo, aguardente, quinquilharia, sal ou pólvora. Os acordos de vassalagem foram extremamente desiguais com a aceitação na base de imposição militar. Passados vários séculos da morte da rainha n´Zinga a ideia de unidade do povo Angolano ainda não se configura vencida na luta contra os Tugas nos finais do século XX permanecendo em disputas internas pelo poder até o actual ano de 2017 aonde a corrupção roí os governantes até os tornozelos…

:::::

Com ideologias marcadas pelo rancor entre eles e contra o branco, ícone aglutinador e culpado de todos os males em sua justificada fábrica de criar maka, os diferentes grupos étnicos saídos do povo Bantu, ainda continuam na contramão da história e progresso ditando leis absurdas e, sem um objectivo de sucesso para sua debilitada situação financeira. Segundo Cadornega em 1629, as irmãs de n´Zinga foram baptizadas Funji, como Graça Ferreira, e Cambo n´Zumba como Bárbara da Silva.

cafu33.jpg No ano de 1646, ao tomar posse da sanzala de n´Zinga no rio Dande, os Tugas encontraram cartas de Funji, escritas de quando era prisioneira e dirigidas a sua irmã n´Zinga. No ano de 1647, no cerco da rainha junto com 500 holandeses a Massangano, o sargento-mor Pedro Barreiros decidiu, por conta própria, lançar Funji no rio Kwanza, e por pouco, não fez o mesmo com Cambo n´Zumba.

:::::

É aqui que um negreiro mazombo de nome Jeremias T´Chitunda a troco de umas quantas moedas dadas a Morgan Tsvangirai, pai de Roxo, consegue introduzi-la em um lote de peças com destino a Olinda de Pernambuco! Nasce aqui uma outra lenda, a do Kilombo dos Macacos na Serra dos Palmares…. E ela, por decisão de seu novo dono toma o nome de Aqualtune.

cafu39.jpg Aqualtune, não podia ser interpretada como gente nobre do reino de n´Ggola; os acordos não previam o uso de gente nobre descendente do rei Kilwanje. E, ai de quem murmurasse tal conhecimento! É ainda um fenómeno mal contado nos missossos mas, tudo leva em crer que seu rosto esteve tapado ou coberto de argila branca nas festas de rebaptizar a ela, e a todos outros escravos. Este procedimento não era nesse então tão invulgar mas, na qualidade de T´Chingange posso afirmar ser isto verdadeiro…

(Continua… Cambo  n´Zumba ou Barbara da Silva foi como escrava para o Brasil…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 11:23
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quarta-feira, 12 de Abril de 2017
MOKANDA DO SOBA . CXXI

TEMPOS PARA ESQUECER - 12.04.2017 - ANGOLA DA LUUA XXX. NA GUERRA DO TUNDAMUNJILA. “Vai para a tua terra, branco” era o que mais se ouvia na Luua de 74/75… Alguém disse e eu terei de concordar - “tropa de cáca”.

Por     

t´chingange 0.jpgT´Chingange - (Otchingandji)

(…) O Batalhão do Luso, o de “pé descalço ou em cuecas” deixou armas, rádios, munições e até material cripto. O comandante deste batalhão disse ter preferido ser enxovalhado do que pôr em risco a vida d 800 civis, deslocados com mulheres e crianças.  Uns dias depois a UNITA apresentou oficialmente desculpas a Ferreira de Macedo, o interino Alto-comissário. Este procedimento foi uma nodoa negra que se justifica talvez porque só tinham 3 meses de comissão; deduz-se que os instrutores seriam esses tais do PREC do CR que foi mandada para uma Angola desconhecida.

:::::

Alguns, vim a saber que eram estudantes e que por este facto, ao regressarem tiveram passagens administrativas nos cursos que acabaram por concluir. Muitos destes passaram a gerir serviços técnicos nos organismos camarários e outros oficiais, sem estarem minimamente preparados. Saíram arquitectos quando nem desenhadores se poderiam considerar e, por aí! Outros técnicos de aviário fizeram e fazem carreira sem terem a correcta aptidão para além de serem uns abnegados militantes da esquerda, da onda do Ché Guevara (…) - gente preparada átoa, com devaneios por ideologias e, sem apego ao brio e ética.

koisan5.jpg Aquele despontar sem preparo de oficiais de aviário espetando os peitos abrilescos, heróis de cinco minutos, o suficiente para a fotografia fizeram a merda que fizeram. O baixar de guarda desta feita foi demasiado humilhante para um exército que se preze! Dá para entender todas estas ocorrências entre Agosto e o 11 de Novembro com escandalosa ajuda ao MPLA. Alguém disse e eu terei de concordar - “tropa de cáca”. Nunca chegue a saber se o Furriel indignado que deu uma chapada a um soldado das FALA foi ou não fuzilado como já li em qualquer parte!

:::::

As fontes só dizem que foi levado para ser fuzilado ao qual o comandante afirmou: Fiquem com tudo, mas não façam mal a ninguém! Só quem lá esteve, poderá confirmar e acrescentar se sim, ou se não; se o Furriel foi mesmo fuzilado! As confrontações em Sá da Bandeira tiveram início no dia 21 pelos militares das FAPLA do MPLA acantonando as FALA e ELNA no quartel português; no dia 22 de Agosto, Costa Gomes pediu formalmente o auxílio dos EUA.

:::::

Precisava de ajuda para evacuar os restantes 330.000 refugiados que queriam sair de Angola. Carlucci reiterou as instruções chegadas a ele desde Washington para não negociar com o Governo de Vasco Gonçalves. Isto só seria possível com a remodelação do governo com a saída de Vasco Gonçalves “o doidinho da esquerda” e, também as FAP não darem apoio ao MPLA. Nós “retornados ou refugiados!” fomos a moeda de troca para virar Portugal para a direita pró USA! Fomos manipulados por nossos supostos irmãos do M´Puto.

guerra11.jpg Fomos uns milhares de carneirinhos despojados de tudo; do direito à cidadania, do direito aos seus haveres, do direito à dignidade. Isto, nunca irei deixar de dizer, nem que me matem como e sob protesto disse o defunto. Fomos veículos de chantagem e tornados coisa pouca nas cabeças dos militares revolucionários do C.R. A 23 de Agosto o Diário de Luanda, noticiava a tragédia marítima ao longo da Costa dos Esqueletos na Namíbia. Várias traineiras saídas do Lobito, Benguela e Moçâmedes com centenas de refugiados desapareceram quando demandavam o porto de Walvis Bay.

:::::

De uma flotilha com mais de vinte embarcações, três ainda não haviam chegado.  No dia 30 de Agosto, dois draga minas da Marinha Sul-africana realizavam buscas na Costa dos Esqueletos. Nessa semana tinham desaparecido quatro pequenos barcos de pesca com sessenta refugiados a bordo.  No deserto namibiano eram resgatadas 201 mulheres e crianças duma coluna automóvel que andava perdida e já, quase sem combustível e viveres.

:::::

A carta de Costa Gomes no pedido formal aos EUA chegava às mãos de Gerard Ford a 27 de Agosto. Dois dias depois o Governo de Vasco Gonçalves caía dando lugar a Pinheiro de Azevedo. A partir daqui a ponte de LuuaLix foi reforçada com a ajuda dos primos britânicos e dos franceses. Entretanto em Luanda o MPLA instigava os estivadores do Porto de Luanda à greve, para deste modo dificultarem o carregamento de bens Portugueses que estavam a ser espoliados do que lhes pertencia.

guerri4.jpg Visto à distância e com mais de quarenta anos, os brancos deveriam ter feito política de terra queimada! Custa-me muito dizer isto mas, guerra é guerra! Tamanha injustiça merecia bem esta revolta, esta forma de indignação. Pois então fazer arder tudo o que em vida lhe dava vida! Nada disto sucedeu não obstante se receber dos mwangolés desdém com prepotência e desaforos muito ruis para serem curtidos. Era em verdade o que mereciam! Estou-me nas tintas para quem pensar de outra forma. Eles não foram merecedores de nossa benevolência!

:::::

Numa directiva não declarada oficialmente, Henrique Santo (Onambwa) os operários recusaram-se a trabalhar com forças militares portuguesas dentro do Porto de Luanda! Traidores, muitas vezes! Pandilha de gente que tomou as rédeas do mando… Estes exigiam serem substituídos pelas FAPLA, um claro truque para não serem tomados como coniventes com o MPLA. Uma falácia para dar cobertura ao recente criado sindicato, gente do mesmo gabarito. Isto foi claro!

guerra5.jpg Os civis portugueses não aceitaram esta postura tendo daí sido atribuídas tarefas à Policia Portuária com a segurança do cais e da Armada. No carregamento de caixas, caixotes e haveres havia um mal-estar entre os Adidos e desalojados que cada vez mais dificuldades viam no correr do tempo. A pretensão do MPLA era controlar o porto e as saídas de bagagens. Muitos destes fiscais do MPLA eram mazombos como eu, brancos, mestiços e até alguns negros que vendo seu rabo a arder de medo, uma forma de falar, também embarcavam para o M´Puto!

kilo3.jpg Nada de mal disto! Havia muitos funcionários que pela lei dos Adidos teriam seu lugar garantido na metrópole; Mas em verdade, tudo isto era demasiado confuso. Ninguém tinha a certeza de nada! De manhã havia uma dica e à tarde, várias outras. Alguns destes até aí eram também fiscais aduaneiros por parte do MPLA, retirando ouros e coisas valiosas aos agora fujões.  A partir de certa altura eram os proprietários dos haveres que faziam a estiva de suas coisas, seus haveres, carro e outros…

niassa10.jpg Uma ilusão

 As minhas, não chegaram a passar para além do crivo de balas que impedia sua chegada ao porto do Lobito, ou Moçâmedes! Adeus fotos, adeus relíquias, adeus pertences e madeixas de cabelos dos filhos, recordações de uma vida! Terei de dizer isto muitas vezes para que alguém com tino refaça a verdade e nos peça desculpas, Portugal e Angola, claro! Evidentemente que vou esperar sentado; não vejo um qualquer governante ter essa nobre postura! Ainda tive alguma esperança quando Marcelo chegou ao poleiro mas, desencantei-me. Eles lá no topo, só serão estadistas quando nos pedirem desculpas… até ver, os ávidos ao poder, os ambiciosos, sobressaem na maioria…

 (Continua…)

O Soba T´Chingange - (Otchingandji)



PUBLICADO POR kimbolagoa às 18:19
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quinta-feira, 6 de Abril de 2017
CAFUFUILA . CXXI

ONGWEVA DO TEMPO - KIANDA ROXO - 17ª parte

Kiandas e calungas! O tempo, na mística espiritual de N´Gola, e não só, não tem fidelidade à linha do tempo.  Intemporal, anda do agora para trás e, se sabe o depois, nunca o diz! Também tem medo de virar poeira como o Plutão… O futuro é já a seguir..

Por

t´chingange 0.jpg T´Chingange

Como se diz, a calunga ou kianda é assim como um vírus de computador que sem se ver se faz notar. Nossa kianda Roxo veio como Assunção por alguma razão que, nem ela própria sabe! Melhor seria Ascensão mas quis a semântica do uso dar-lhe esse quase igual nome. Podia ser só Maria mas quis o encontro com as calemas do destino encontrar o T´Chingange que estupfeito com suas bizarras cores do além e seus mágicos gatafunhos psicadélicos, simbiose de Naif com Dali, ascendeu aos espíritos. E, viagem por esse Universo distribuindo alegrias tomando muito chá de funcho e oliveira a controlar sua intensidade de fazer gaifonas à vida.

:::::

Sua mãe, também kianda de nome Redufina Kabasa Tsvangirai umbigou-se com Morgan Tsvangirai. Que nasceu em Harare, às margens do lago Chivero, isto também já foi dito! Seu pai, um político local, teve de abandonar aqueles paragens deslocando-se para o Kwanza, ali bem perto de Massangano. Eram tempos de soldados Mafulos flamengos, que por sete anos da colonização holandesa em Angola (1641-1648) ali deixaram vestígios nas gentes, os Van Dunem; mas quanto a isto lá iremos!

:::::

Por via de tudo isto, terei de entrar na estória daquele mundo de muito paludismo, maleitas de tsé-tsé e carunchos de comer a carne em vida. Enquanto isso a kianda Roxo treinava suas maneiras de futura sereia nas águas cálidas do Kwanza. Morgan Tsvangirai pai da Kianda Roxo ficou avençado pelos Mwana-Pwós com o posto de tenente de segunda linha.

massangano1.jpg Em suas idas de soberania à Kissama, por vezes levava Roxo consigo e, em uma das várias lagoas, ela fez amizade com Mazé Van Dunem, uma linda e amulatada candengue que lhe ia passando confidências. Confidências chegadas de seu pai malufo bivacado em Loanda. Era esta, também, um elemento da dinastia mestiça de Baltazar Van Dum, filha de um outro alambamento com outra mulher. E, porque teve de se refugiar numa destas ilhas do kwanza mantinha relações mais próximas com os Tugas de Massangano e Muxima; doutra forma, seria degolada pela actual mulher dele, desse tal Baltazar Malufo.

:::::

Durante os sete anos da presença holandesa e, com o objectivo do fortalecimento do tráfico negreiro rumo às lavouras de cana-de-açúcar no Brasil, o projecto da Companhia Holandesa das Índias Ocidentais afirma-se aqui em N´Gola com alguma dificuldade. Esta companhia sediada  em Amsterdão e por decisão do conselho de administração constituído por 19 membros, nomeia em 1637 Johann Moritz Von Nassau-Siegen governador das possessões holandesas no nordeste brasileiro.

:::::

Tinha a concessão de monopólio de comércio no Caribe e da América do Norte, para o tráfico de escravos dirigidos ao Brasil. Tudo isto para diminuir a competição espanhola e portuguesa. Tempos bem conturbados, sem uma ONU, sem UNICEF e sem Tribunal Internacional! Cada país decidia de sua livre vontade o que lhe aprouvesse! Inglaterra e Holanda pretendiam assenhorar-se do mundo retaliando os Espanhóis e logicamente Portugal, entretanto na mão dos Filipes I, II e III e, por sessenta anos, a partir de 1580.

muxima4.jpg Curioso é de que em Paris e num ano tão longínquo daquele, Januário Pieter também este tetravô de Roxo nascido às margens do lago Niassa fala-me desse tempo, das revoltas da embocadura do rio Kwanza, das guerras dos Tugas e Mafulos de Loanda; dos desentendimentos dos n´gwetas com a rainha N´Zinga e, outros personagens do distante Kongo do Zombo, de terras de Kassange e da Matamba que agora, nem lembro mais com pormenores.

:::::

Havia nesse então um largo comércio de peças humanas em troca de espelhos, jinguba, catanas, tesouras, ancinhos em ferro e muitas outras bugigangas de utilidades modernas e, que chegavam do Puto, da Bahia, Pernambuco ou Antuérpia. Os Libongos, uns panos garridos, eram os mais apetecidos, pois permitia vestirem-se, uma coisa quase inusitada e a que os sobas recorriam como moeda de troca em substituição das conchas de n´zimbos, moeda que ia ficando de pouca utilidade...

:::::

Como foi possível os sobas de então trocarem por quinquilharias, homens que nem sempre eram inimigos. As futilidades ocidentais começavam a chegar ao continente negro. Os Portugueses e Jagas dos Dembos, Kissama e Manhanga eram os principais clientes da família Pieter tio tetravô da Kianda Roxo, conferindo-lhe um afecto especial naquela gente de bitacaia. Uma grande novidade era o uso de sapatos feitos em couro de tiras entrelaçadas e, que mereceu atenção especial por parte dos camondongos alforriados que assim passaram a proteger seus gretados pés.

adam2.jpg Pois é aqui que entro na estória já com tendência para ser um verdadeiro T´Chingange: - No decorrer do tempo, fui ficando mais kota e meu pai ordenou-me que ficasse a tomar conta da salga e seca de peixe seco ajudando nas contas o capataz, cafuzo da Mazenga de nome Beto Feliz mas, um pouco matumbo. Dos búzios n´zimbos e caurins de menor valor, era feita a cal necessária para barrar as frestas das casas de taipa dos senhores e também das fortalezas erguidas nesse então.

::::

Os pescadores saíam nos n´dongos a pescar, dia sim, dia não; apanhavam kimbijis (peixe espada branco), carapaus e cachuchos que eram depois escalados em mesas compridas feitas de paus espetados na areia e ligados com ataduras de mateba; depois passavam para umas celhas de salmoura aonde ficavam algum tempo. Mais tarde eram levadas em quindas para outras mesas aonde permaneciam ao sol até ficarem com alguma dureza.

:::::

 Meu pai enricou com estes negócios de fazer cal e salgar peixe. Recordo de irmos a Massangano entregar aos Tugas a cal encomendada para tapar rachaduras da fortaleza e ter visto a kianda Roxo que embora despertando interesse não prendeu meus holofotes de candengue mazombo. Mas admirei-me sim de suas pernas se juntarem nas águas na forma de barbatana. Uma autentica kianda, uma verdadeira kwangiade como diria o Luís Zarolho (Camões) tão falado lá na tapurbana…

:::::13

Após todo aquele processo, uma parte do peixe seco era posto à venda na loja da mãe Maria Arminda Kafutila e uma outra, era enfardado com atilhos de mateba ou piteira, guardadas em uma casa até que os pombeiros e suas tropas o levassem. De tempo a tempos, organizavam saídas ao mato formando filas enormes com m´bikas (escravos) transportando à cabeça esses fardos pesados, para  além de outras mercancias como panos libongos e aguardente do M´Puto a serem trocados por escravos, mel, cornos de elefante, javali e rinoceronte.

muxima3.jpg Com o objectivo de participar directamente do tráfico negreiro, Nassau, o governador de Pernambuco com sede em Olinda, decidiu em maio de 1641, enviar uma expedição para ocupar Luanda, principal porto de escravos da África Ocidental para o Brasil; depois, conquistar Benguela, São Tomé e Axim da Guiné. A construção das fortalezas e presídios de Muxima, Massangano e Cambambe, como marcos político-militares na conquista do reino do N´Gola, consolidam assim a civilização portuguesa à custa de muita abnegação.

muxima1.jpg Vistas as coisas neste ano da graça de 2017, o povo angolano, sem capacidade para resolver diabruras de roubo, coisa estrutural dos mwangolés, segue a sua trajectória marcada por retrocessos. Com pouquíssimos avanços afirmam-se como nação soberana entregando-se aos amarelos e outros que nunca se comportarão como os Tugas. A nós contadores da estória, compete-nos repô-la sem esses devaneios de morbidez rácica….

(Continua… ainda há muito por dizer)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 20:34
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quarta-feira, 5 de Abril de 2017
CAFUFUILA . CXX

ONGWEVA DO TEMPO - KIANDA ROXO - 16ª parte

A surrealidade está-lhe no sangue! Usa pinceis electrónicos na forma de gigabaites holográficos…

Nota: Esta 16ª Parte andava voando perdida no espaço...

Por

t´chingange 0.jpg T´Chingange

Na ultima parte do mussendo, 15º episodio, falei do porquê esta kianda Roxo de Guaxuma andar assim tanto de um para outro lado irrequieta, sem saber no consciente desta sua dupla vida, compartilhando xispanços de tinta com particular maestria e, do porquê das cores cibernéticas confundindo-nos com holografias psicoroxas. Mas sabemo agora que nasceu às margens do lago Chivero.

roxomania2.jpgSabemos que sua mãe, também kianda de tez negra foi Redufina Kabasa Tsvangirai  que se umbigou com um tal de Morgan Tsvangirai. Que nasceu em Harare nas coordenadas de 17° 50' S 31° 03' às margens do lago Chivero, lugar que fazia fonteira com a fazenda farm de MorganTsvangirai seu pai. E, que por via da política teve de abandonar aqueles paragens deslocando-se para o Kwanza, ali bem perto de Massangano, lugar de muita magia por ser  um pambu-n´jila especial com Muxima. 

roxo61.jpg Como já repararam as kiandas andam no espaço-tempo em qualquer direcção e é por isso que nos parece a nós humanos impossiel reconhecer andar-se no ontem e antes de ontem ou há muitos anos atrás e ou, deslocarem-se no futuro deixando transparecer a nós mortais, somente o que nos é perceptível pela dedução; falar do futuro até para as kiandas é tabu – aos viventes  não se pode transmitir o amanhã, só o agora, lei básica da vida. O Universo tem regras que não estão ao nosso alcance engravida-las.

:::::

É aqui que surgem os mambos longínquos com soldados Mafulos, por via das falas da Kianda Januário Pieter também este tetravô de Roxo nascido às margens do lago Niassa; fala do tempo, das revoltas da embocadura do rio Kwanza, das guerras dos Tugas e Mafulos de Loanda, n´gwetas e dos desentendimentos com a rainha N´Zinga, mais outros personagens do distante Kongo do Zombo, de terras de Kassange e da Matamba.

rosa1.jpg O velho Niassalês descreve as festas axiluandas de então com kimbandas e t´chinganges pisoteando a terra, levantando poeira de encorajar kotas, jagas, sobas e m´fumos que iam chegando em alvoroço dos Dembos e de lá mais além do Kassange. Nos encontros, iam passando cabaças com malavo de cassoneira e, a cada grito dado pelos dançarinos guerreiros, o povo gritava kwata mwana-pwó, kwata mwana-pwó. Era a preparação duma guerra contra os Tugas n´gwetas entricheirados em Massangano por ordem dos Mafulos Holandses

:::::

Morgan Tsvangirai ficou avençado pelos Mwana-Pwós  com o posto de tenente de segunda linha; mandava os escravos m´bikas do kimbo fazer tarefas de manutenção e limpeza ao forte, zelar pelos n´dongos de pesca e translado de coisas para a Kissama e das patrulhas de soberania aos  mares parados com lagoas até o Morro dos Imbondeiros e dos Elefantes da Maianga. Também tinham a caça e a pesca ao seu cuidado.

:::::

M´fumos, iam chegando aos poucos como emissários da rainha N´Zinga M´Bandi da Matamba e do rei do Kongo Garcia II que, embora sendo cristianizado pelos Portugueses, com eles andava desentendido após a chegada dos Mafulos. Estes, teriam-lhe prometido poderes maiores e auxilio com armas do tipo de canhangulos e pederneiras. Eram preparativos duma união para fazerem o grande e final assalto a Massangano.

roxo105.jpg Naquela fortaleza os Tugas resistiam aos Olandêses tapando-lhes as vias de comunicação ao mercado de escravos lá do interior fazendo emboscadas ou tocaias com azagaias venenosas, um método aprendido com os indios do brasil, uma cana comprida que depois de soprada dela saia um dardo mortífero.

:::::

 Por isso aquele mato metia  demasiado medo aos Mafulos. É aqui que entra o Senhor Mauricio de Nassau que desde o Recife Brasileiro mantia o negócio das peças m´bikas para os seus engenhos de assucar. Pernambuco e as capitânias adjacentes, estavam carentes de braços para fazer o cultivo da cana de açúcar e fazer andar os engenhos. A preguiça e cultura dos indios americanos não permitia seu uso no trabalho.

:::::

Talvez por isto, seus lugares tenentes mantinham contacto com alguns negreiros  portugueses que detinham este negócio, pagando-lhes ainda mais do que a antiga coroa determinava. Era um quase pacto de negócio mantendo-os como principais fornecedores de peças á margem dos interesses dos reis do M´Puto. As ordens que vinham do Conde Maurício de Nassau a partir de Olinda eram de subornar a todo o custo os intervenientes funantes do mato de N´Gola no negocio escravo.

dy28.jpg Estava em causa a política comercial da Companhia das Índias Ocidentais... o lucro! E, Portugal que era agora pertença dos espanhois não havia por isso empenho nestas politicas de tanto trabalho; preferiam estabelecer severas taxas de soberania aos amerideos de seus territórios com pagas em ouro. As mordomias do reis Filipe de Castela, Asturias, Galiza, Catalunha Portugal e Andalazia eram muitas - isso impunha uma politica restritiva, sem  dispersão.

:::

Redufina Kabasa mãe negra da Kianda Roxo estremava-se ensinando a sua filha maneiras de comportamento e era vê-la brincar com candengues  brancos e pardos no átrio da missão! Bem cedo se destacou nas habilidades de colorir os jogos de desenho, nos riscos da cabra cega; qualquer argila era motivo para dali sair pintura ou escultura bem à moda dos trabalhadores de talha do pequeno altar da igreja  da muxima!

:::::

Sua tia N´ga Maria Káfutila de linhagem nobre do reino do Kongo ajudava meu pai Januário Pieter na quinda do mercado da paliça vendendo malavo e quitoto ou permutando com os indígenas ou mesmo n´gwetas produtos da terra como ginguba e fuba de mandioca. A fuba originava um prato apetecível chamado de funge ou pirão, um preparo a partir da mandioca. E, ela tornou-se assim uma cozinheira de primeira mão mas, prefere suas fluorescências.

roxo60.jpg Mais tarde começaram a fazer uso das folhas do pau de mandioca que era passada por cinco fervuras para anular o veneno da coisa e, a isto chamaram Saka-saka que impregnada de azeite de palma dava origem ao prato mais típico dos Kaluandas, a moamba com quiabos e jimboa. E, foram os Portugueses que a levaram do Brasil para N´Gola embora queiram fazer crer o contrário disto. N´Gola nunca vai poder dissociar-se dos Tugas por esta e outras singelas razões.

(Continua… CAFUFUTILA CXXI -17ª Parte...)

Nota: Isto já foi publicado na Kizamba do Facebook . Fui à Luua e baralhei-me todo...

O Soba T´Chingange (Otchingandji)



PUBLICADO POR kimbolagoa às 08:21
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quarta-feira, 15 de Março de 2017
MOKANDA DO SOBA . CXX

TEMPOS PARA ESQUECER - 15.03.2017 - ANGOLA DA LUUA XXIX. NA GUERRA DO TUNDAMUNJILA. “Vai para a tua terra, branco” era o que mais se ouvia na Luua de 74/75… Nesta lengalenga de lembrarmos coisas mortas, cada homem é um mundo…

Por     

t´chingange.jpegT´Chingange - (Otchingandji)

(…) A UNITA não permitia a entrada da tropa portuguesa em Nova Lisboa (Huambo) alegando que em outros pontos do território as PAP assumiam atitudes favoráveis ao MPLA e tinham toda a razão para assim procederem. A UNTA deu 24 horas às FAPLA para saírem de Nova Lisboa e assim veio a acontecer com a escolta protectora das Nossas Forças (NF) até ao Dondo, bastião carbonizado em posse do glorioso MPLA. Entenda-se por NF as tropas do M´Puto, as FAP que tudo faziam em agrado do MPLA e, por instruções explicitas do CR (Concelho da Revolução) e seus generais de aviário.

:::::

Pode notar-se nesta descrição o comportamento diferenciado por parte da UNITA em relação às outras forças; certo que tudo iria descambar mais tarde para coisa ruim mas as contingências da guerra aberta e sem mando capacitado, já não permitiam manter o aprumo desejável. Neste então a UNITA deu tempo às FAPLA para recuarem ao invés destes e das FALA que atacavam sem prévio aviso e com todo o potencial mortífero.

:::::

No Cunene, as tropas da UNITA já faziam rusgas aos trabalhadores Sul-africanos nas barragens de Caluéque e Ruacaná por se recusavam a regressar ao trabalho. Recorde-se que estas estações hídricas estavam cercadas pelas FALA e os naturais Ovambos negavam-se a trabalhar sem garantias de segurança; foi assim que a queixa de Pretória chegou à Embaixada Portuguesa. Os furtos de viaturas e o desaparecimento de pessoas provocavam receios e o êxodo da população branca sendo que, a cada novo dia, se complicavam ainda mais por ampliação de confrontos armados.

moka19.jpg Nas horas daqueles dias a vida não valia um vintém; tudo ficava ao sabor da sorte. Nestas aflições sem controlo visível, surge a figura de Gonçalves Ribeiro batendo-se pela criação de estruturas àquela que se veio a chamar de “ponte aérea” e, que só se resolveu em pleno quando mais de cinco mil pessoas se juntou no Largo fronteiro do Cinema Miramar da Luua pedindo a todas as embaixadas que mandassem transportes aéreos ou marítimos a tirár-nos daquele inferno.

:::::

Isto veio a acontecer com a supervisão de Gonçalves Ribeiro, o pai da ponte “LUALIX”. A CIA dizia nesse então que Lisboa não tinha um suporte adequado no terreno que lhe permitisse evacuar mais de trezentos mil brancos ainda no território, nem para manter os voos no ar. Era verdade! Mas também havia aqui pressões para em troca da ajuda, Costa Gomes retirasse o vermelho Vasco Gonçalves do governo. E, foi isso que veio a acontecer!

moka28.jpg Este ex-internado na casa dos malucos, sector militar de Luanda andava esbracejando de mais naquele M´puto desvairado de liberdade. Ele que tinha tirado água da cacimba da Maianga com um cesto de vime! Como podia estar bem do juízo! Justificaram-no depois que estava a fingir para se livrar da operacionalidade perigosa. Tigres de papel! Mas, em verdade,  os americanos não dão nada de borla, teria de haver algo na cartola do tio Sam. Jogaram uma olha e Costa Gomes agarrou-se àquela bóia, pois então, dava jeito!

:::::

Fomos em verdade, a moeda de troca; com um só porrete mataram dois coelhos como soe dizer-se! Portugal inundado de retornados anticomunistas, vinha mesmo a calhar nesta hora. E, o mundo observando estas manobras com o abutre Carlucci a dar palpites ao estado português através de Mário Soares e outros desclassificados diplomatas de cordel que iam ficando engradados de poder e dinheiro, pois!...

moka12.jpg Bom! Na N´Gola, as FAP já nem dispunham de bases aéreas para nos escoar; falo na primeira pessoa porque estava lá! Os confrontos permanentes entre todos os movimentos impediam o funcionamento dos aeródromos como o de São salvador, Cazombo, Maquela, Togo, Gago Coutinho, Cuíto Cuanavale e N´Riquita; Henrique de carvalho, Malange, N´Dalatando e Carmona já só tinham estruturas reduzidas, quase sem uso por falta de segurança e equipamento de apoio.

:::::

Em Luanda encerravam vários consulados como o Britânico, Australiano e outros que o estariam prestes a fazer. Só neste então a Metrópole com seu CR tomou pela primeira vez “consciência da gravidade”. Costa Gomes e Vasco Gonçalves começavam a ser acossados pela Imprensa Internacional! Num muro do M´Puto no bastião comunista de Torres Novas e Riachos, terra natal de Otelo podia ler-se escrito pelos anarquistas: “ Otelo Saraiva de Carvalho, que lindo nome tens tu, tira o vê de Carvalho e mete o resto no cú.

moka22.jpg Em meados de Agosto de 1975 a luta era generalizada em Angola atingindo zonas que até aí tinham estado relativamente calmas. O MPLA dominava praticamente todo o litoral com excepção do distrito do Zaire. O Director da Companhia Mineira do Lobito, Horta carneiro foi morto nas hostilidades entre a UNITA e o MPLA. Tornava-se cada vez mais difícil a deslocação das colunas militares portuguesas devido à falta de garantias por parte da UNITA; tinham receio de ser atacados, acossados que estavam pelos constantes atropelos e, por sempre ajudarem o MPLA.

:::::

No Luso, o Batalhão e população civil que deveria ter saído no dia 16 de Agosto, teve de ali ficar retido por via das confrontações. Na base do Luso ainda havia 600 pessoas para retirar e só tinham alimentos para mais seis dias. A coluna que seguia em apoio foi barrada na noite de dezoito para dezanove; pela UNITA foi-lhes apreendido todo o material, inclusive as viaturas que iam nos vagões; foram saqueados, insultados e obrigados a se desfardarem.

moka25.jpg Chegaram a Nova Lisboa em cuecas e descalços tendo o próprio comandante do Batalhão Luso sido espancado e posto de forma igual aos demais; em cuecas e sem botas! Jorge Serro recorda que isto ocorreu com o Batalhão de Caçadores do Moxico. Se não erro, neste então era ali Governador por parte da UNITA, Rui Perestrelo com quem nunca dialoguei sobre este assunto. Também ele acabou por se juntar como refugiado para o M´Puto usando a ponte e instalando-se em Silves no Algarve.   

:::::

Veio a ser funcionário da Câmara Municipal de Lagoa e empresário no Carvoeiro; após a morte de Savimbi e, porque era preto acomodou-se de novo junto à nomenclatura vendendo talvez a alma ao diabo como todos os demais; procedimento típico de qualquer militante e, de um qualquer partido. O Kumbú sempre falou mais alto! A lassidão do trato português era tão elástica que tudo veio a rebentar-lhe na cara com a máxima tensão. Em Portugal ainda se coabita com gente que ou foi carrasco ou procedeu duma forma desleal e, no entanto foram aceites como funcionários sem retaliação notória. Também esta é uma forma de trair! O lugar deles seria em outro qualquer lugar menos ali no M´Puto.

gad3.jpg O Batalhão de “pé descalço ou em cuecas” deixou armas, rádios, munições e até material cripto. Foi o próprio Chiwale, segundo comandante militar da UNITA daquela região, que ordenou esta acção contra este Batalhão; diz ter sido como represália ao comportamento das NT (quando escrevo estas duas letras até me arrepio) em Sá-da-Bandeira. Tinha sido verdadeira esta afirmação! Pois foram as FAP que distribuíram armas ao Poder Popular na tutela do MPLA do Lubango! A eles entregaram todo o armamento da “OPVDCA” fardas, variado equipamento e explosivos…

:::::

Quem lá permaneceu neste meio tempo, no pré e pós-independência, sabe que isto é verdade! Mentem quando tentam sanar o envolvimento do exército português; também por ali havia bastantes comunistas que se enfileiravam na victória ou morte mas, também para eles a coisa mudou e, lá foram regressando dizendo-se ser refugiados; uma coisa diferente daquele crisma de retornados! Uma hipocrisia que só em surdina reconhecem! Muxoxos de N´Gola! Dirão agora:- como fomos torpes! Muitos amigos sabem disto e até já nem o escondem! Será bem melhor darem a conhecer ao mundo o que em verdade, se passou! Assim se ressarcirão de algo menos correcto…

(Continua…)

O Soba T´Chingange - (Otchingandji)

 

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 23:54
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sábado, 28 de Janeiro de 2017
MAIANGA . XX

MAIANGA . NGA! SAKIDILÁ! - Na Jihenda do mu ukulo uabuama (Saudade de um antigamente de maravilha)

Por

soba0.jpegT´Chingange

Faz algum tempo do mu ukulo que entrei no meu silêncio só mesmo para não remexer nas feridas mal cicatrizadas das terras dos antigos mwene-putos mais dos N´Gola kimbundu e kilwanje kya Samba rei feito importante com suas missangas com dentes de leão penduradas no pescoço. Ele, um imbangala descalça que era o senhor das terras dos tempos do kissonde devorador; mesmo assim de pé descalços com aristocracia de espantar poder esporádico no interino. Mas, um rei matuta Jinga do Milungo e Bangala com poder absoluto de cortar pescoços.

namib3.jpg Um rei que trocava gente por pólvora, tecidos e missangas com espelhos mais zingarelhos. O filho da peste, o mesmo que gerou a N´Zinga ou Jinga. Tempos de muita trapaça trocada por mel e tecidos libolos mais dendém, cachaça e tintol a martelo, tudotudo amontoado na kubata dos branco cafuzo e mazombo feita de capim mais taipa de chinguiços tapados com barro e bosta de boi. 

:::::

Acontece, como então, vou fazer berridando minhas falas do baú no ximbico de meu lápis antigo. Alegrar meus kambas, falando soátoa das baronas modernas, dos seus matacos apertados nos institutos adelgaçantes e das quindas das kinguilas de setentaecinco cheias de muito cumbú e dólar de cabeça de Washington grande, porque o outro é falsificação do Zambizanga e Tira Biquini.

nand4.jpg Dinheiro verdadeiro de comprar as felicidades e curar as malakuecas com trungungo ou mesmomesmo do kaporoto que faz falar estória do antigamente mais ainda do tempo antes dos kaprandanda e dos brancos gweta t´chinderes funantes mesmo. Ximfuma Ya Kvele feito macho esperto nos contos com estórias de missossos que também lhe contaram dos reis Kwanyama. Um, conta ao outro e no final, cada um tem uma unha, um dedo, um inventário de muitos sonhos no catravês da estória.

:::::  

Num dia antigo, Ximfuma Ya Kevele feito doutor quimbanda de leis e adjacências, disparatou berros saídos do fundo de sua raiva; ele via coisas que mais ninguém conseguia, que só ele via e, dizia que isto assim não pode ser! A gente fica soátoa nos dias de catolotolo depois do funje com biala do rio podrida, barriga na zunida do cruácruá, corre no mato e buáááá! Capim corta, areia suja, num dá… Problema mesmo de confusão, ai-iú-é! Não posso mesmo falar de minhas falas com tuge escondido, ahah! Falo, falou nesse tempo de munhungo biológico de cangar nos matos…

maga5.jpg Mesmomesmo sendo daquele tempo pelas poeiradas esteiras do Sambizanga e do Prenda do senhor administrador Poeira da Luua, não posso mesmo falar de minhas falas com tuge escondido ….Ahah! Num pode! Cipaio não deixa cagar seu cafió. Ninguém mais fala assim dos antigamente cum cheiro do mato e a capota a cantar de estou-fraca, estou-fraca picando nos tuge logo nos seguidamente.

:::::

Haka patrão! Ninguém mais fala assim atravessado na picada da vida de bitacaia aiuê! Nos matubas avilo bué! Tremo só de pensar nos sofá de pele de pacaça oleado com Bien-être de zumbo dos bâmbi, riscando do molinhado de óleo de dendém. No antes e no despois tudo ficou mesmo no muito antigamente. 

 

camionista1.jpg Eu T´Chingange, que fiz amizade com este Xinfuma Ya, vim de consulta marcada com n´gonge aqui ao kimbo das caricas na Kissama dos Dembos, com alpercatas de pele de jamba e um corno de facochero ao pescoço para bangar nos entendimentos. Queria mesmo ouvir as estórias de kevele mas, não deu pra falar muito direito e contar do rei Kwanyama Mandume de Njiva que dizem que se suicidou em 1917. Queria mesmo esclarecer isto mas o trungungo deu volta no miolo n´dele.

:::::

Ele, Xinfuma Ya diz que não foi assim e, que os Tugas andaram passeando a cabeça dele pelas terras de Ovombolând para fazer o povo capitular. Mas, e ora sucede que o sua excelência Xinfuma estava todo roto de consciência: bebeu por demais seu marufo com poses de corno álem da quantidade bué do tal de trungungo e assim ficou por muitos dias. Caminhada de tantos dias, só para nada, mesmo! Fiquei só assim com as falas labirínticas de gente para lá de doido que só muxoxeia! Vou fazer mis o quê com meu kuxikina?

maianga do araujo.jpg GLOSSÁRIO:

Berridavam - fugiam; Kapiango - roubo; Mayanga - Um dos bairros antigos de Loanda, lugar de muita água; Uuabuama - maravilhoso - Caricas - tampas das garrafas; Mission, Canada Dry, Cuca; Jihenda - saudade, Kamba - amigo; Kuxikina - de sossego, sossegar; Mulemba - Mulembeira, árvore de frondosas folhas; Mu Ukulu - antigamente, Muxima – coração; N´gonge - aviso; Uuabuama - maravilhoso; Muxoxeia: vem de muxoxo, estalido da língua no palato dando um estalo de desdém…

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 17:30
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Domingo, 15 de Janeiro de 2017
A CHUVA E O BOM TEMPO . LXXI

MULOLAS DO TEMPOMilagres da vida com talassoterapia Farrapos de imagens que vi com nitidez de adulto na gesta colonial e M´Puto...

Por

soba15.jpgT´Chingange

Hoje apetece-me falar sobre os mistérios da vida que vivenciei em pequeno, kandengue e filho mazombo do Senhor meu pai Manuel de nome e, Cabeças por alcunha. Para sobreviver à vida depois da guerra de 39 a 45 resolveu sair daquela terra de frios do M´Puto, tendo chegado à Luua de N´Gola levado pelo velho vapor Mouzinho de Albuquerque. A Dona Arminda minha mãe, algum tempo depois e, após ter recebido carta de chamada, saiu do M´Puto vertendo choros no cais de Alcântara. Da amurada daquele vapor com o nome de Uíge, pouco a pouco via Lisboa e o Tejo ficarem lá longe tapados pela neblina.

bungo8.jpg Os tamancos de pinho não eram suficientemente quentes para animar o dia que se seguia naquela terrinha e, vai daí, meu pai tentou a Venezuela e o Uruguai mas as facilidades só lhe surgiram para a África, Terras Ultramarinas de Portugal. Deram-lhe passagem de colono após preenchimento de impressos timbrados com a esfera armilar. Através da Companhia Nacional de Navegação zarpou no tal vapor por volta do ano de 1950.

:::::

Dito e feito! Ele estava cansado de explorar volfrâmio para enrijar os canhões de Hitler, de cavar as terras dum sítio chamado Cornelho, duma Pereira e um Vinagre, lugares vistosos de verde que no correr do tempo ficaram silvas e tojos pelo abandono. Muito mais tarde apreciei a beleza que ele nunca teve tempo para apreciar; o vale profundo enevoado com o rio Dão a correr para Alcafaxe e, lá longe a brancura de persistentes manchas de neve dispersas; as encostas da Serra da Estrela vendo-se as luzes de Seia, Folgosinho e Mangualde; podia ate ver-se com nitidez e em dias claros a ermida  de Nossa Senhora do castelo.

bungo6.jpg Farrapos de imagens que vi com nitidez de adulto com cheiros de resina, giestas sentindo também o som martelado característico de tamancos nas calçadas de pedra granítica, irregular, e com rilhas de rodas de carros de bois. Também o pisar de tojos amontoados nas travessas e quintais fazendo curtir o estrume necessário para as batatas, as hortaliças, couves tronchas ou repolhudas. Um esboço medieval de uma típica aldeia mesmo ao lado de Viseu.

:::::

Ainda não havia aqueles adubos de mau cheiro que logologo surgiriam para fazer crescer os tubérculos que alimentavam as gentes, os bichos e as cabrinhas que davam leite. E, aquelas casas malcheirosas de fedor a subir, a entrar nas frestas do soalho e nas ventas, saídos das lojas com ovelhas, burros, bois ou cabras para esquentar os sobrados e seus donos no lado de cima. Frios de cheiros entranhado nos tornozelos, pés gretados, caucionados nas frieiras da Beira Alta Interior quanto baste; um frio do caraças de arrepiar dedos com dor.

bungo7.jpg Mas esta crónica foi pensada para falar do milagre a que assisti já em Angola; milagre que durou os anos de minha juventude, do que eu presenciei nas visitas que meu pai fazia a um antigo sócio do volfrâmio chamado Lázaro pai de Álvaro, um menino que comecei por ver paralítico e numa cadeira de rodas. Enquanto meu pai foi trabalhar para as brigadas do caminho de Ferro de Luanda, antiga Ambaca, Lázaro foi colocado como capataz de estiva no porto de Luanda.

:::::

Minha família ficou a morar no Rio Seco da Maianga, início do Catambor e Senhor Lázaro instalou-se em uma casa de madeira em um bairro chamado de Bungo e mais tarde de Boavista. Ficava mesmo à beira mar da baia de S. Pedro da Barra, uma faixa de terra entre a linha recente do Caminho-de-Ferro e o mar. Estes barracos foram surgindo em áreas do domínio público e cada qual fazia seus puxadinhos até a areia e, bem no término das marés altas. Era assim que viviam os colonos pobres, paredes meias com cortiços, quase musseques tendo por vizinhos pretos e mulatos.

bungo5.jpg Isto para dizer que da varanda que dava para o mar, Álvaro o moço paralítico rojava-se até às águas espelhadas da baia e ali ficava quase todo o santo dia. Sempre que meu pai visitava seu amigo Lázaro eu, também aproveitava ficar ali nas mornas águas sacolejando-nos em jogos variados. Por vezes, até dormia lá a pedido de Dona Micas mãe de lázaro a fim de ter companhia; embora tivesse mais irmãos, ele e eu dávamo-nos bem ou de um outro jeito. Eu era bem tolerante com os esgares e caretas que Álvaro fazia no esforço de pronunciar falas; até nos entendíamos por gestos e vontades telepáticas.  

bungo2.jpg Assim o Tonito da Dona Arminda por lá ficava uns dias com seu amigo Álvaro o paralítico, coitadinho. Sentimo-nos peixes na água mergulhando como golfinhos ou boiando como bogas, roncadores e mariquitas. Por vezes e dentro de água fazíamos grandes pescarias daqueles peixes e até carapaus, agulhas ou garoupas. Bom! Agora vamos ao tal milagre.

:::::

Álvaro começou gradativamente a andar, primeiro titubeante agarrado a bordões e mais tarde solto destes, andando como um boneco de circo, pernas esticadas e bamboleando, mas andando! Estou a ver seu sorriso ao longo do tempo quando fazia uma qualquer outra avaria; um sorriso babado com descontrolo muscular mas sortido de alegria. Pouco a pouco foi deixando a cadeira de rodas e até já ia só, até o transporte que o levava à escola do Kipaka!

bungo1.jpg A razão por que falo disto é a de que se há qualquer coisa que reabilite nossos ossos, músculos e rijeza ao organismo é mesmo o iodo das manhãs nas águas quentes do mar; uma tal de vitamina D que nenhuma pilula nos pode dar. Como kota, sinto isto desde 2006 pela ida muita frequente à praia, aqui no nordeste Brasileiro. Entre as 6 horas da manhã e as nove horas, lá estou metido até o pescoço na água da Pajuçara. E, olhem que é bem notório o bem que me sinto.

:::::

Mas a grande felizarda é mesmo minha mulher Ibib com seus 75 anos de idade que não andava 100 metros quando aqui compramos casa e agora, sem se queixar das mazelas dos ossos, já anda quilómetros. Isto, o gozo da natureza, é o melhor que podemos ter nesta idade! A minha talassoterapia nas águas quase paradas e quentes da Pajuçara de Maceió é prioritária. Os resultados são lentos mas eficazes para quem persiste e, porque a natureza só por si dá-nos recursos. Recursos que a maioria das gentes desaproveita.

bungo4.jpg É por isto que não me posso ver longe do mar tropical por muito tempo. Todos os dias faço movimentos os movimentos recomendados pelo meu próprio “personal trainer”… Eu, próprio. Agradeço assim sem protocolos à mãe natureza e seu dirigente chamado Deus sem outras felpudas falas e, porque os homens mais dignos de penas serão aqueles que transformam seus sonhos em prata e ouro. Faço os possíveis!

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 07:45
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Segunda-feira, 2 de Janeiro de 2017
MOKANDA DO SOBA . CXVIII

TEMPOS PARA ESQUECER - 02.01.2016 - ANGOLA DA LUUA XXVII.

NA GUERRA DO TUNDAMUNJILA. “Vai para a tua terra, branco” era o que mais se ouvia na Luua de 74/75… Nesta lengalenga de lembrarmos coisas mortas, cada homem é um mundo…

Por     

soba0.jpeg T´Chingange - (Otchingandji)

A retirada do General Silva Cardoso do posto de Alto-Comissário sem o prévio conhecimento à FNLA e UNITA e, com atitudes obscuras em benefício do MPLA levou Jonas Savimbi a reclamar. Sob protesto, anunciou que não teria mais contactos com as autoridades portuguesas empossando José N´Dele destas atribuições. O MPLA, na manhã do dia 7 de Agosto, com as suas FAPLAS atacam a delegação da UNITA na Avenida dos Combatentes. O ataque ao Pica-Pau da UNITA já tinha acontecido.

pica1.jpg As FALA (exército da UNITA) abandonam ao longo deste dia sete todas as instalações recolhendo-se junto dos quarteis do exército português de onde seriam evacuados para o Luso e Nova Lisboa. Nas escolas os alunos comentavam de forma propositada para os professores ouvirem: “ branco vai para a tua terra”; “a casa do professor é nossa”; “o carro do professor é nosso” e, por aí! Um pouco assim e por todo o lado!

:::::

Nos três últimos meses tinha morrido mais gente do que em 14 anos de guerra colonial; algo nada lisonjeiro para os novos nacionalistas Neto, Savimbi e Holdem com responsabilidades acrescidas para os vendilhões militares de Abril do M´Puto de mãos dada com o poeta ébrio Neto. A FNLA e o MPLA colocavam armas pesadas no topo dos edifícios. O MPLA praticava acções simultâneas e concertadas em Luanda, N´Dalatando e Malange criado zonas tampões nas quais ninguém podia sair ou entrar.

picapau1.jpg Os Angolanos de etnia negra, não estavam a mostrar em sua esmagadora maioria dignidade pela oferta recebida; não eram merecedores de apreço das pessoas de bom senso; todos andávamos desapontados sem saber o que fazer tal como o kissonde quando é disperso em sua linha, carreiro de vida. Os brancos protestavam; queriam sair de angola da forma possível!

:::::

Também nos quartéis do M´Puto as notícias são de boatos de golpes e contragolpes; as secretas: alemã, francesa a CIA e o KGB convivem entre os portugueses, assistem ao levantar de punho incitados por Vasco Gonçalves e animados pela pandilha de Mário Soares e outros que a história terá de lembrar.

picapau8.jpg Na Luua (Luanda), no dia 4 de Junho, as FAPLA bombardeia a Delegação da UNITA no Bairro Pica Pau (Comité da Paz). Morreram todos os seus ocupantes! E, foi com tudo! Lança granadas, metralhadoras pesadas e ligeiras. No Pica-pau esquartejaram e arrastaram corpos vertendo sangue no asfalto (mais de 200 jovens pioneiros da UNITA). O MPLA não queria em Luanda nem fenelas nem kwachas nem gwetas (brancos)!

:::::

A UNITA estava também a ser erradicada da Luua. Quem ouvisse os discursos de Agostinho Neto ou um qualquer quadro de destaque do MPLA, verificaria sem esforço no prevalecer das palavras de ódio contra os brancos, ovambos ou afectos à UNITA, gente do norte afecta à FNLA e gente ligada à FLEC de Cabinda. Angola era só para eles, os kazukuteiros feitos heróis. Silva Cardoso sentia-se impotente para resolver estes ataques que tinham o acordo de seus subordinados Tugas de mãos dadas com o MPLA. Só lhe restava pedir a demissão porque estava permanentemente a ser traido! E, isto aconteceu!

picapau6.jpg A FNLA estava a revelar-se ser um “tigre de papel”; fugiam ao primeiro tiro, largavam armas e de forma desordenada desapreciam a receber protecção nos quartéis portugueses. Eram como crianças crescidas que com uma arma na mão faziam coisas diabólicas, matando gente como quem mata galinhas; gente nada confiável!

:::::

Neste dia sete de Agosto e pelas dez horas da noite eu e família, dois filhos, mulher e sogra embarcávamos no voo 13 da “ponte” como desalojados via LIX. Tinha recebido a minha dose em Kaluquembe; meu carro tinha sido sabotado no dia anterior e a caminho do Sul, Namacunde, aonde tinha um cunhado.

picapau7.jpg Meu carro, do nada, incendiou-se, alguém tiha feito um golpe no tubo de alimentação ao motor. Capotou e eu, ali fiquei morto, estendido. Minha alma saiu do corpo e voltou fracturada. A clavícula estava partida. Foi o Drs Roy e David Parsom do Longonjo que me tratou. Neste então eu pertencia ao Comité da Caála como Secretário de Relações Públicas. Não me arrependo do que fiz enquanto fiz! Até então tudo estava sob controlo naquele recanto do Huambo.

:::::

Em Lisboa os funcionários da Cruz vermelha e afins dão-nos as boas vindas: “por causa destes ranhosos estamos aqui neste castigo” acabando por nos dar 5000 escudos por adulto e, para as primeiras impressões! A guia de voo ainda a tenho - nela não consta o regresso! Esta era a definitiva entrada num território até então longínquo. A minha capital da N´Gola e na Luua era, sempre tinha sido a Mutamba. Coisa para esquecer!

picapau5.jpg Para além de nossos corpos tinhamos umas roupitas e de valor só mesmo “uma máquina de costura Oliva” para servir em nossa sobrevivência. Esta máquina estava adaptada como mala e foi o único valor do meu património como mazombo filho de colono. Meu pai foi o Único que ficou até que um dia e já passados dois anos foi raptado e deixado como morto por detrás do aeroporto. Foi em Torres Novas que retirou a bala que por sorte não o gangrenou. Ainda o vejo no aeroporto de Lisboa, feito uma bola de sangue, um bolo de porrada só porque era branco!

:::::

Em Angola Savimbi mandava retirar o seu pessoal político e militar. Pediu à Marinha e à Força Aérea para que evacuassem todos os seus militares das FALA e apoiantes para o Sul; de todos os que se mantinham para além de Luanda, Carmona, cabinda e santo António do Zaire. A partir do dia 9 de Agosto de 1975 o Governo de Transição de Angola ficava reduzido ao MPLA  e à parte portuguesa. Ainda faltavam 94 dias para o dia da largada, o 11 de Novembro de 1975.

picapau3.jpg O novo Ministro dos Negócios Estrangeiros, Mário Ruivo, reconhecia oficialmente o Óbito do Acordo do Alvor. Para tal proclamaram o estado de emergência com a criação de uma Junta Governativa para substituir o defunto Governo de Transição que só durou cerca de seis meses. Neste molho de brócolos, o Governo de Transição foi extinto mesmo sem que para tal estivesse autorizada a sua substituição em caso de incapacidade. Mais uma medida no âmbito revolucionário feita em cima do joelho pelos generais e políticos de aviário. E, o Mundo só assistia a isto!

(Continua…)

O Soba T´Chingange (Otchingandji)



PUBLICADO POR kimbolagoa às 14:04
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sexta-feira, 30 de Dezembro de 2016
MOAMBA . XIII

ANGOLA - O COLONO - NA NUDEZ DA VIDA - Porque cada homem é um mundo, tem que ao tempo, dar-se tempo… O termo “colono” tem sempre cor branca e, o  objectivo de explorar negros – Será assim?

::::: As escolhas do kimbo

Por: Antonio José Canhoto - Editado em 13.12.2016 em Roxomania

A definição de “colono” para alguns brancos residentes em Angola afectos directa ou indirectamente ao partido que governa este país desde 1975, bem para como para muitos negros da velha guarda o termo “colono” tem sempre cor branca e a finalidade de como objectivo explorar negros. Nada podia estar mais errado nesta forma generalista e radical de definir a palavra “colono” seja o visado de que raça étnica for como um explorador oportunista de negros, índios ou aborígenes.

:::::

Filologicamente o vocábulo “colono” pode ser definido como a um individuo que faz parte de uma colónia, que emigra do seu país de origem para uma terra estrangeira além-mar, ou que pode ser no mesmo continente e de um país vizinho para a povoar, cultivar por conta própria ou de outrem independentemente da raça do seu proprietário e se este nasceu ou imigrou para o território.

nzi0.jpg Este acto migratório pode ter duas vertentes a primeira é quando um outro país exerce o controlo ou a autoridade sobre um território ocupado e administrado por um grupo de indivíduos com poder militar, ou por representantes do governo de um país ao qual esse território não pertence e contra a vontade dos seus habitantes quando o país é colonizado que, muitas vezes, são desapossados de parte dos seus bens (como terra arável ou de pastagem) e de eventuais direitos tribais, culturais e ancestrais que detinham.

:::::

Na segunda vertente emigram a pedido do governo do país ou de empresas privadas que pela falta de conhecimento tecnológico dos naturais se vêem obrigados a procurar mão-de-obra especializada no estrangeiro, para suprir as suas próprias carências. Para uma certa classe de portugueses e angolanos brancos e negros enfeudados ao partido do governo a sua atitude maniqueísta é a de que todos que saem fora da “caixinha” do MPLA, pertencem ao “Reino do Mal” das sombras e da subversão politica.

nzi01.jpg E, os que afinam pelo diapasão governamental vivem no “Reino da Luz do bem da razão, da paz e da tranquilidade. Na minha opinião se estes reaccionários brancos cuja forma de pensar ficou parada na idade da pedra lascada pretendem continuar a usar o termo “colono” indiscriminadamente para ofenderem todos os portugueses que viveram em Angola até 1975 ou que para lá emigraram depois desta data:

:::::

Aconselho-os a olharem retrospectivamente para os seus passados e dos seus pais ou avós antes de 1975 antes de atirarem a primeira pedra. Muito ingenuamente, pensei que o termo “colono” estivesse a cair em desuso, mas vejo que continua bem vivo nas bocas de alguns energúmenos brancos quando comentam alguns dos meus textos sobre Angola.

nzi1.jpg Não podemos enganar a história nem nos desresponsabilizarmos do mal e injustiças que cometemos, mas também nos devemos orgulhar das coisas boas que fizemos e que lá deixamos. Fomos certamente “colonos” durante os séculos que se seguiram à descoberta desse território o qual ainda nem nome tinha. Muitos milhares de portugueses emigraram para Angola na procura de melhores condições de vida com a finalidade de trabalharem para empresários  e outros.

:::::

Acredito que até finais do século XIX e princípios do século XX muitos dos portugueses que emigraram para as nossas antigas províncias ultramarinas o fizeram na qualidade de verdadeiros “colonos” aproveitando-se da exploração desumana e da mão de obra negra quase que escrava para enriquecerem. A forma comportamental desse tipo de “colono”, nada tinha a ver com todos aqueles que para Angola debandaram ou nasceram depois dos anos 50 com uma mentalidade aberta e diferente.

nzi2.jpg Construíram ali uma sociedade moderna e multirracial a qual se reflectia em todos os aspectos da comunidade. Quem disser o contrário mente! Se um empresário negro português tivesse emigrado para Angola, montasse uma empresa e tivesse empregados negros seria considerado um “colono”? Sinto-me no dever e direito de desmontar e desmistificar esta falsa questão do “colono” que não pode ser vista interpretada, generalizada com o epiteto de que COLONO BRANCO é RACISTA e EXPLORADOR.

:::::

“Colonos” e colonizadores foram todos os países que nos séculos XV e XVI descobriram á volta do globo terreste novos territórios habitados por índios nas Américas, indígenas em África e aborígenes na Austrália, num estágio primário civilizacional com perto de 500 anos de atraso tecnológico em relação aos europeus e, que no entender destes descobridores precisavam não só de ser roubados, explorados, assimilados, cristianizados e infectados com todas as doenças que estes para lá exportaram.

nzi3.jpg Diogo Cão chegou á foz do Zaire em 1483 sendo a partir desta data que se inicia a conquista pelos portugueses desta região de África a qual era constituída por vários reis e reinos étnica e linguisticamente diferentes que se guerreavam pelo expansionismo regional. O primeiro passo pelo Reino de Portugal foi estabelecer uma aliança com o Reino do Congo, que dominava toda a região. A sul deste reino existiam dois outros, o do Reino de N´dongo e o de Matamba, os quais não tardam a fundir-se, para dar origem ao Reino de Angola em 1559.

:::::

As fronteiras de Angola só são definidas em finais do século XIX, sendo a sua extensão muitíssimo maior do que a do território dos Ambundos, a cuja língua o termo Angola anda associado. A Rainha Ginga seu nome Dona Ana se Sousa “N´gola”, seu titulo real em quimbundo foi utilizado pelos portugueses para denominar a região conhecida hoje por Angola. Para além de ser considerada a primeira nacionalista de Angola, na minha opinião também foi a sua primeira grande colonizadora e eu explico porquê?

nzi6.jpg Esta rainha guerreira que morreu aos 80 anos, durante o seu reinado, anexou outros reinos e territórios, submeteu e escravizou os seus habitantes vendendo-os aos portugueses que os levavam para o Brasil tornando-se cúmplice no esclavagismo, bem como os utilizava como escravos trabalhadores nos territórios que controlava. "N´zinga" formou uma aliança com o povo Jaga, desposando o seu chefe.

:::::

Subsequentemente conquistou o reino de Matamba e em 1635 coligou-se com os reinos do Congo, Kassange, Dembos e Kissama. Este pequeno intróito sobe a Rainha Ginga tem apenas e unicamente a finalidade de demonstrar que o processo colonizativo sempre existiu em todos os continentes quando as tribos ou etnias mais fortes de melhor apetrechadamente de armas dominavam as mais fracas fora dos seus territórios.

nzi4.jpg O objectivo expansionista, esclavagista, para sacrifícios religiosos ou para se apropriarem das suas riquezas, concubinas gado, e rebanhos era prática corrente. Os portugueses não foram certamente santos pelos territórios que descobriram e colonizaram, mas também não foram totalmente pecadores na miscigenação que desenvolveram e cultivaram com os autóctones. Não confundamos ou associemos a palavra “colono” apenas com a cor branca e muito menos só com nacionalidade portuguesa.

As opções do Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 14:33
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sexta-feira, 23 de Dezembro de 2016
MAIANGA . XIX

UM MISSOSSO: A minha neta e eu, um contador de estórias avulso…

Maianga é um bairro de Luanda - Luua

Por

soba15.jpg T´Chingange 

Andei na Escola Industrial de Luanda por uns nove anos desde o Ciclo Preparatório passando pelo Curso de Montador Electricista, Secção Preparatória aos Institutos e também o curso de Mestrança de Construção Civil. Qualquer um destes cursos, nada tem de formação no sentido das Letras, nem tampouco era bom à disciplina de Português com a professora Maria Amélia. Na escala de zero a vinte eu andaria sempre ao redor dos dez.

araujo13.jpg Na Secção Preparatória e em regime nocturno tive um professor à disciplina de História à Antologia Portuguesa do qual não me lembro o nome mas, sempre o alinhavei como sendo de Vergílio que era excepcional em nos fazer despertar do sono lá pelas dez horas da noite. Sempre que notava a turma desinteressada ele ia buscar matéria de nos fazer regalar o olho.

:::::

Muitas vezes referia os cintos de castidade usados na idade média para salvaguardar ausências dos maridos militares que iam para guerras distantes deixando suas damas à solta. Tinha mais recursos pedagógicos como este astucioso recurso, o que levou a que sempre o lembrasse. Um dia manda-nos fazer um trabalho do tipo conto, mussendo, em que o tema era o mar. Recordo-me bem que no dia aprazado entreguei minha estória cujo tema era “o mar” bem contornada de pormenores. Na entrega da avaliação teve a gentileza de dizer à turma que estava ali uma estória muito boa, afirmando que eu seria no futuro um bom contador de Histórias. Iremos ver!

tonito3.jpg Não dei a importância ao facto e, passaram-se muitos anos até que tivesse tempo, vontade e paciência de escrever estórias; Em verdade não havia tempo mas, sempre pela minha cabeça rolavam inventações que ficavam desperdiçadas no labirinto de meu templo. Após a guerra do tundamunjila em Angola oferecem-me uma viagem grátis para o M´Puto, em troca de nada e, sem data de retorno. Não gostei nada disto!

:::::

A minha cabeça era um mundo de revolução, sentia necessidade de me expandir, estravazar; através dos Adidos fui colocado como destacado na Câmara Municipal de Torres Novas, uma Câmara que nesse então tudo se resolvia de punho no ar! Uma chusma de comunistas desconvictos, diga-se Com gestão comunista e do MDP eu passava um senhor martírio a ouvir desaforos contra a minha gente “os retornados”.

tonito.jpg O PSD deu-nos um espaço para nos reunirmos e foi decisão minha darmos inicio a um jornal de folhetos tipo “em stencil” de modo a dar informações adicionais aos muitos desalojados, gente desenquadrada de tudo, da bagunça em que nos sentíamos e, chamamos a este esboço de jornal “o caixote”. Foi útil naqueles tempos conturbados e, estando nós em um meio adverso com as direitas a querer usar-nos como linha de frente. E, nós na merda, sem futuro nem cascas dele.

:::::

Comecei a escrever em uma coluna para o jornal “Almonda” tendo como Director o Padre Amílcar; era o “Aqui e agora” falando de coisas triviais sem entrar nos detalhes políticos, usando sempre uma forma sátira de abordar coisas desabridas e, sempre com um rolo no estomago. Descontente com tudo, inscrevi-me para emigrar pelo CIME (Comité Internacional de Imigrações Europeias) concorrendo para qualquer país do Mundo! Tal e qual!

tonito8.jpg Um dia chamaram-me a Lisboa e perguntaram-me se queria ir para a Venezuela como Topógrafo mas, havia um senão: Teríamos de ir de barco! Disse-lhes que ia sim senhor, nem que fosse em um barco à vela e, fui! Estive por lá seis anos. Regressei a Portugal para poder dar uma educação firme a meus dois filhos. Neste entretanto algumas coisas mudaram no M´Puto.

:::::

Regressado ao Algarve comecei a escrever no jornal Semanário “A Gazeta de Lagoa” com a coluna “Sanzala”. Este era pertença de Artur Lignhe, um já conhecido jornalista de Angola. Agora vou à conversa mais interessante e que me levou a descrever parte do meu percurso anterior. Os anos passaram e, eis que viro avô de uma linda neta com o nome de Lara; filha de meu filho Marco António umbigado com Isabel bibliotecária.

tonito7.jpg Os anos passam-se e Lara é educada da forma correcta com leitura de uma estória ao iniciar sua hora de ir para a caminha. As histórias a ela oferecidas eram muitas e variadas; seu quarto era uma biblioteca de livros aos quadradinhos desde o João Ratão aos sete anões e da Carochinha, do lobo e da Avozinha. Fosse em Coimbra ou no Algarve, a avó ou sua mãe Isabel levavam um tempo a ler estórias que ela já sabia de cor e salteado mas, era  esta a rotina certa.

:::::

Um dia sou solicitado a ler uma estória a Lara, teria talvez uns cinco a seis anos e assim foi! Vai daí, deito-me a seu lado e começo a ler a estória escolhida por ela, previamente! Recordo ser uma estória descabelada, mal engendrada e eu lá pela terceira folha começo a fingir ler algo que eu ia inventando na hora! Nada daquilo, a dado momento, tinha a ver com o escrito!

toledo18.jpg Aquilo não tinha graça, não tinha jeito nenhum e desenvolvendo a minha versão fingindo ler o que não estava escrito. Eu só fingia! Criava personagens novos, outra envolvência. Num impulso interrompido por Lara, era o maior rebuliço. Não é assim avó! Dizia ela, a estória não é essa!

 :::::

 Pegava no livro e via que efectivamente o que eu dizia não estava ali escrito. Ficava tudo desarranjado. Sempre ficava alvoroçada e desinquieta nunca iniciava sua dormida com a minha leitura. Acabei por ser despedido desta tarefa no correr do tempo. Aquelas estórias eram tão brejeiras que me via obrigado a ler a versão que minha inventação produzia na hora.

volk.jpg Minha função de avô ficou assim votada ao fracasso. Gente próxima diz-me para escrever um livro mas este trauma sempre me diz que sou um embuste! E, como o Mundo já está tão cheio de mentirosos fico na minha, chorando na cama que é lugar quente e, porque águas passadas não movem moinhos.

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 20:13
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Terça-feira, 6 de Dezembro de 2016
MOKANDA DO SOBA . CXVII

TEMPOS PARA ESQUECER06.12.2016 - ANGOLA DA LUUA XXVI. NA GUERRA DO TUNDAMUNJILA.

Nesta lengalenga de lembrarmos coisas mortas, cada homem é um mundo… “retornado” era um disfarce de uma palavra … palavra envergonhada.

Por     

soba15.jpg T´Chingange - (Otchingandji)

Em fins de Julho de 1975 era urgente que Lisboa enviasse seis chaimites devido à escalada de violência. Silva Cardoso tinha feito esse pedido mas, estou em crer que isto não se chegou a concretizar. Era uma exigência, sobretudo pela violência desencadeada pelos “soldados” do MPLA, drogados incontroláveis que hostilizavam permanentemente as tropas portuguesas, que aqueles, ainda consideravam como “o inimigo”; isto depois de tudo! Depois de tanta ajuda! Por aqui se podia induzir o calibre moral de tal movimento.

:::::

Agostinho Neto tinha trabalhado para que isto assim fosse! Ainda neste ambiente de tensão da Vila Alice a 27 de Julho, as NT (tropas do M´Puto) apresaram a barcaça “5 de Fevereiro” (que antes era das NF) com cerca de 300 toneladas de armamento, munições e outro material de guerra dirigido ao MPLA. Isto foi um entre centenas de casos que se dissolveram a propósito entre a ajuda descarada dos nossos ilustres dirigentes do CR ao MPLA de Neto. Aqui, tudo continuou na mesma. O propósito era mandar os brancos embora; uma descarada tundamunjila”.

valentina3.jpg Lúcio Lara e Agostinho Neto, a 28 de Julho no funeral das vítimas da Vila Alice acusaram as FAP (Forças Armadas Portuguesas) de terem traído o MPLA afirmando que estes, já não estavam a fazer nada em Angola. Para Agostinho Neto, a presença das FAP em Angola era, “senão necessária, prescindível!”. Depois de tantos favorecimentos por parte das FAP, ainda os estariam a transformar em bodes expiatórios; nunca um lobo procederia assim.

:::::

Agostinho Neto era mesmo um crápula, um cínico da pior espécie. Para Silva Cardoso, deveria alertar-se as instâncias internacionais dando prioridade à evacuação de centenas de milhares de portugueses cuja vontade era abandonar o território: isto já o era irreversível! Afirmou. O acordo de Alvor estava totalmente comprometido e, deveria ser denunciado por Portugal. Com esta atitude, o MPLA arrepiou caminho mudando de atitude; não lhe seria favorável a entrada da ONU nem da OUA.

valentina5.jpg O directório do MPLA teria de se sujeitar e conter suas gentes do poder popular! Depois de Nakuru e das batalhas de Luanda, a margem de manobra de Portugal ficou substancialmente reduzida. Em Kampala a missão portuguesa teria de deixar Angola à sua sorte manobrando os actos até o 11 de Novembro, o dia agendado para a entrega, sem se saber a quem; aos lobos! Tudo isto corria na feição exacta dos mandatários do CR e seu timoneiro Rosa Coutinho, o Almirante Vermelho, o maior pirata à face da terra hodierna.

:::::

O ataque da Vila Alice ao MPLA foi das poucas atitudes tomadas, dignas de enaltecer o brio tão ofuscado dos militares Lusos. As NF foram na generalidade duma tão perversa actuação que o melhor seria originarem um hiato na história militar. Com a saída de Silva Cardoso, o Almirante Vermelho entra de novo em acção deslocando-se a Luanda.

valodia.jpg Rosa Coutinho dando novas directivas às FAP reforça suas instruções antigas para que a todo o custo defendessem Luanda da investida da FNLA, mesmo que para tal significasse para o mundo ficar abertamente ao lado do MPLA; obviamente fazia-se naquele momento o trabalho do MPLA.

:::::

Recorde-se que isto sucede depois do encontro em Lisboa entre o 1º Ministro Vasco Gonçalves, Rosa Coutinho, Otelo Saraiva de Carvalho e Henrique Santos (Onambwa) que resultou na destituição do General Silva Cardoso com passagem à reserva militar. Mais uma vez Agostinho Neto levava a sua melhor; retirar o General Silva Cardoso que não dizia “ámen” a tudo o que este queria.

soares2.jpg Entretanto o afastamento do General foi contestado pela FNLA e UNITA referindo ambos os partidos terem estas atitudes aspectos obscuros e, queixando-se de não terem sido consultados para o efeito. Esta reclamação já pouco contou para o efeito. Estes desacordos já pouco peso tinham na conduta dos acontecimentos.

:::::

Entretanto, na Metrópole-M ´Puto, o IV Governo Provisório chefiado por Vasco Gonçalves, cuja tomada de posse se deu a 26 de Março de 1975, cai a 8 de Agosto de 1975, altura do Verão quente dando lugar a ele mesmo com o V Governo Provisório de Portugal, cuja tomada de posse se deu a 8 de Agosto de 1975, que viria a cair a 19 de Setembro de 1975 por pressão americana.

CABINDA3.jpg Se algo Portugal deve aos chamados retornados é a viragem na saída governamental da esquerda, desmanchando o bando que tomou Portugal de assalto com rosas nos fuzis. Foi uma exigência dos Estados Unidos, auxiliar o M´Puto em troca da saída do agitado comunista Vasco Gonçalves que só estava a fazer leis pouco aceitáveis e já desacreditadas em outros países da orbita Russa.

:::::

Alguém que fugiu para o Brasil descrevia o panorama da seguinte forma: “O que considero ser a pior ferida nacional … foi a chegada de todos os que vinham das “ex-colónias”. Eles foram aqueles que acreditaram, lutaram por uma vida melhor para os seus … construíram e deram muito da alma portuguesa em África. Agora voltavam, muitos deles sem sequer conhecerem ou terem alguns elos com Portugal para refazer as suas vidas …

luis12.jpg Já a palavra “retornados” era um disfarce de uma palavra … palavra envergonhada, escondida sob uma capa de regresso que era totalmente falsa, pois muitos dos que voltavam eram netos de quem partira daqui há longos anos, não conheciam e mal amavam Portugal, tinham uma alma africana, uma alma mais livre, mais quente e muito mais longínqua.”

(Continua…)

O Soba T´Chingange (Otchingandji)



PUBLICADO POR kimbolagoa às 14:02
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Domingo, 20 de Novembro de 2016
MOKANDA DO SOBA . CXVI

TEMPOS PARA ESQUECER – 20.11.2016 - ANGOLA DA LUUA XXV . NA GUERRA DO TUNDAMUNJILA. … Nesta lengalenga de lembrarmos coisas mortas, cada homem é um mundo…

Por

t´chingange.jpeg T´Chingange - (Otchingandji)

berliet1.jpg No dia 27 de Julho de 1975 a FNLA e o MPLA aceitaram a saída de deslocados e refugiados das várias zonas em conflito e, principalmente dentro de Luanda, desde que a evacuação fosse feita exclusivamente pelas Forças do Exército Português. Não obstante contestarem as Forças Colonialistas, era a eles que recorriam em casos de necessidade; no fundo reconheciam ser a postura das Forças do M´Puto as mais cordatas, não obstante terem uma postura indelicada para com os brancos, seus patrícios e, por força de ordens dos donos do Concelho da Revolução.

:::::

Os primeiros a partir de Luanda foram os cerca de 200 militares da UNITA, funcionários e respectivas famílias. No dia 31 de Julho de 1975 havia uma coluna de 300 viaturas com cerca de 500 refugiados em direcção a Nova Lisboa, actual Huambo. Em Malange não havia água e os poucos médicos presentes, temiam um surto de peste devido aos inúmeros corpos mortos espalhados um pouco por todo o lado. O material e armamento do ELNA decorrentes das rendições de Malange seriam entregues pelas NT ao MPLA.

berliet2.jpg A cidade foi abandonada por toda a população do asfalto e zonas urbanizadas, brancos e pretos dando lugar à entrada de gente carente que fugia de um para outro lado registando-se saques desordenados. A sete de Agosto as mais de duzentas viaturas fizeram seu regresso a Luanda com todo o pessoal do batalhão das chamadas NF. Como identificação arvoraram em uma berliet tramagal a bandeira nacional das quinas; no percurso mais viaturas se lhes juntaram.

:::::

Não havia tempo para decidir levar isto ou aquilo de mais precioso; só importava levar o essencial, meter no carro e seguir o comboio. Um seja o que Deu quiser sem muito tempo para orações ou choros desabridos. Chegaram ao Grafanil de Luanda, quartel base das NF, 260 viaturas. Malange ficara um imenso cemitério. Pelas estradas viam-se milhares de africanos andando a pé em direcção ao Sul. O caos estava por todo o lado!

berliet3.jpg Na Gabela e em General Machado o MPLA e a FNLA confiscaram todas as viaturas incluindo as do Estado e as dos funcionários públicos que queriam fugir. Em Luanda, um soldado português foi alvejado pelas costas. Os portugueses advertiram que só a tropa integrada podia fazer operações stop. Um jeep que transitava na estrada de Catete na noite do dia 26 de Julho, pelas 23 horas e junto à sétima esquadra foi mandado parar por nove elementos do MPLA do qua fazia parte um tal de comandante Gringo.  

:::::

Após a paragem stop por estes militares do MPLA mandaram-nos seguir viagem e, sem mais nem por quê aquele comandante Gringo pegou na sua kalashnikov e num jeito de Rambo, com uma só mão disparou sobre aquela viatura militar a cerca de dez metros deste. Ficaram gravemente feridos um Alferes e um dos Sargentos que ali iam, vindo este a morrer mais tarde. Era esta a prática de todos os dias; azáfamas sem tarefas, ordens sem contra-ordens, disparates de crianças crescidas tendo uma arma na mão como brinquedo.

berliet4.jpg Por via disto o comandante do COPLAD montou um dispositivo de interdição de toda a área da Vila Alice por três grupos de intervenção e um grupo de combate de Comandos. A ordem era atirar a matar a quem fizesse fogo sobre as NT. Teriam de evacuar o quartel-general do MPLA. Após cinco minutos de fogo do lado português, a um pedido de Madaleno e Onambwa, comandantes do MPLA para pararem o fogo e, porque já havia vitimas entre eles, as NF  pararam.  

:::::

Mas, eis que chegam quinze militares do MPLA querendo entrar no edifício e disparando; feriram deste modo 3 soldados portugueses. Nesta operação foi dito que se houvesse mais reacções os restantes quarteirões do MPLA sofreriam danos. A Praça de Touros foi bombardeada por via aérea e por obuses. O antigo quartel da PM do Morro da Luz estava cercado pelo Batalhão de Granja de Matos.

berliet5.jpg Nunca tinha sido montado tal aparato pela tropa portuguesa. Começavam a ficar fartos das fanfarronadas do MPLA e por isso a Vila Alice foi arrasada em termos de limpeza militar e segundo o Oficial português Almendra. Morreram 22 indivíduos do MPLA e foram detidos 11 por não quererem entregar suas armas. Aqui as tropas do M´Puto cumpriram sua missão; coisa quase inaudita!

:::::

O MPLA teve de libertar dez prisioneiros brancos. Três dias depois o agora General do MPLA foi a Lisboa queixar-se a Costa Gomes. Para Silva Cardoso foi um acto de revolta pela indignação sentida. As tropas portuguesas corriam o risco de ser cilindradas pelo MPLA se assim não tivessem procedido. Por fim os militares portugueses deram um arremedo de compostura militar mas era já demasiado tarde para se imporem na perfeição.

berliet6.jpg Entretanto em fins de Julho, no M´Puto, Otelo Saraiva de Carvalho, no regresso da sua viagem a Cuba declara: “Mário Soares é uma das esperanças da direita em Portugal (…) O CR não mostrou a eficácia que todos esperávamos.” Oficiais e praças do Regimento de Comandos da Amadora insubordinam-se contra o seu Comandante Major Jaime Neves e prendem o 2º Comandante Major Lobato Faria. Nos Comandos, elegem como comandante interino o major Miquelina Simões. Em comunicado sancionam o saneamento de Jaime Neves, demitido!

berliet7.jpg Os militares em poucos meses viram Angola reduzir-se a ruinas, ajudando o MPLA, o mais ingrato de todos. Mas, de forma genérica todos os Movimentos devido à avareza, ambição e tomada do poder de qualquer jeito, ficaram com o ónus da culpa; uma selvajaria que tem de ser relembrada. Este basta, foi talvez a única atitude de louvar como salvaguarda de algum prestígio às NT. Mas, isto foi só uma nuvem passageira!

:::::

Diga-se em verdade, que havia entre um número razoável de miliares com aprumo, revolta por este estado de coisas, pela desordem e falta de brio com traição. Dizem as crónicas de há 41 anos após aquele desaire africano: Dia 31 de Julho de 1975 - Intensifica-se a ponte aérea que a partir de Angola e de outros territórios africanos, durante vários meses, vai fazer afluir a Portugal centenas de milhares de retornados. O Alto-comissário de Angola, general Silva Cardoso, pede a demissão.

(Continua…)

O Soba T´Chingange - (Otchingandji)



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:39
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sábado, 5 de Novembro de 2016
MOKANDA DO SOBA . CXV

TEMPOS PARA ESQUECER05.11.2016 - ANGOLA DA LUUA XXIV ... NA GUERRA DO TUNDAMUNJILA.Nesta lengalenga de lembrarmos coisas mortas, cada homem é um mundo… Portugal fizera o máximo possível no auxílio ao MPLA …

Por

soba15.jpgT´Chingange - (Otchingandji)

moc4.jpg Em fins de Junho de 1975, Melo Antunes, diria enfatizado ser ponto assente: Colaborar com o MPLA sem beneficiar a FNLA ou a UNITA! O clima de terror não abandonou o MPLA não tendo mostrado qualquer gesto positivo em função do dito, na pessoa dum alto mandatário do Concelho da Revolução do M´Puto. Portugal fizera o máximo possível na ajuda ao MPLA e, este serviu-se desse apoio para fazer o assalto ao poder.

:::::

Neto a 2 de Agosto referia que a FNLA não tinha qualquer papel a desempenhar em Angola e a UNITA seria tolerada até ver e, por os brancos considerarem ser a sua “tábua de salvação”; que queriam continuar a manter seus privilégios! Estas formas de falar comprometeram seriamente Jonas Savimbi, uma arma forte em sua dialéctica. O procedimento de Neto de dar uma no cravo, outra na ferradura tinha a clara intenção de não permitir que Portugal recorresse à ONU.

mo2.jpg Neto não queria ouvir falar em ONU e, só por isso atenuava seu discurso quando as ameaças surgiam, embora de forma velada, do lado português. Iko Carreira expressou bem esta posição! Leonel Cardoso andava em pulgas e, admitiu mais tarde ter-se mantido numa inércia justificando-se no reconhecimento de cumplicidade por parte do Ministro Melo Antunes; fazendo-se de bobo, não o queria demonstrar em praça pública! Afirmou.

:::::

Angola ficou assim presa a futilidades mesquinhas de gente pequena a pensar-se grande. Uma grande traição, direi eu! Por fim, o dito moderado do CR, Melo Antunes o apregoado “africanista”, denunciava a violação do Acordo de Alvor e de Makuru pelo Movimentos que levaram à dissolução do Governo de Transição em Angola.

melo1.jpg Ficou por isso mesmo, sem penas ou agravos para o MPLA. A FNLA foi confinada à fortaleza de São Pedro da Barra em termos de guerra. Só não foi bombardeada porque tinham lá detidos prisioneiros do MPLA. “Os soviéticos continuam a enviar armas para Angola enquanto estamos aqui sentados a conversar” – foi o que disse Mobutu a dado momento, dando a entender que Portugal usava estes processos dilatórios para servir o MPLA e, não estava nada errado.

:::::

Entre os dias 15 e 17 de Julho militares e familiares do ELNA, foram evacuados pela Força Aérea para Carmona. A população africana (entenda-se, pretos) continuava a ser a mais penalizada, vítimas de caprichos políticos dos Movimentos que diziam defendê-la. Silva Cardoso queria ser substituído por já não acreditar numa situação pacífica e, de já não ser possível qualquer forma de entendimento.

melo3.jpg Na noite de 21 de Julho de 1975 Silva Cardoso escreveu sua carta de demissão. Silva Cardoso opondo-se às operações das FAP e, por se colocarem abertamente ao lado do MPLA contra a FNLA e partiu para Lisboa em definitivo. O ELNA sairia do quartel de Santo António à Cuca à força no dia 26 de Julho de 1975. Dois dias antes, as forças do ELNA tinham tomado a Barra do Dande e o Caxito mas, o MPLA, tornava intransitável a ponte sobre o rio Dande em Porto Quipiri, tendo destruído parte do seu tabuleiro.

:::::

 Agora, era Leonel Cardoso o interlocutor da parte portuguesa; as FAPLA continuavam a disparar tiro curvo sobre a fortaleza de São Pedro da Barra; tivesse ou não prisioneiros vivos do MPLA, isso passou a não ser problema; a ordem era de fogo, fogo! Em 29 de Julho, Melo Antunes, demitia-se do Governo. Em Lisboa, o presidente Costa Gomes que popularmente era designado de “a rolha”, segurava as pontas bem presas aos homens de esquerda do Concelho da Revolução. O 25 de Abril estava a dar os frutos a alguém! Viva o PCP, a victória ou morte mais o PREC; que página mais vergonhosa!

melo4.jpg Os ratos saiam das tocas! As divergências na CCPA atingiram seu clímax! A linha progressista partia nozes com o nariz! Entretanto, Otelo Saraiva de Carvalho chegava ao seu gabinete COPCOM com a prometida ajuda de Havana ao MPLA.  Este militar, visto como o novo Ché Guevara, encontrava-se em Cuba desde o dia 21 de Julho para assistir no dia 26 à celebração do ataque ao quartel de Moncada. Isto era o que se fazia constar para não se depararem com embaraços diplomáticos em relações internacionais. Mas, afinal como é que Costa Gomes, o presidente de todos os portugueses alinhava nisto!?

:::::

Costa Gomes nunca se comprometeu em concordar com Otelo no envio de tropas e, em força de cubanos para Angola. Ele, simplesmente ia flutuando como uma rolha ao sabor dos conselheiros que o manietavam ou comprometiam. Garcia Marquez do alto comando cubano, refere isto mais tarde. Agustin Quintana da 10ª Divisão e mais cinco oficiais cubanos chefiados por Arguelles, fazendo escala em Lisboa, chegavam a Luanda a 3 de Agosto de 1975. Foi mais ou menos nesta data que me inscrevi no 13ª voo da Ponte Aérea com guia de Marcha para embarcar para Lisboa com o resto da família.

METRALHAS.png No Norte do M´Puto, são atacadas várias sedes do PCP a 22 e 25 de Julho. A 27 de Julho Vasco Gonçalves, presente no encerramento do Congresso dos Sindicatos afirma: ”eu vejo nesta aliança Povo/MFA uma vanguarda constituída pelas classes trabalhadoras e pelo MFA, movimento revolucionário autónomo das Forças Armadas, aliado aos pequenos industriais, aos pequenos comerciantes, aos pequenos e médios agricultores, porque essa gente também era trucidada e explorada pelo capitalismo monopolista de Estado”. 

:::::

As assembleias de punho no ar sucediam-se na Metrópole. Havia uma confusão muito grande entre o povo nada habituado a estas novas práticas que quase sempre eram sujeitas a manobras obscuras com paralisações. O chavão de “o povo é quem mais ordena” estava sempre constante nas grandes manifestações fazendo crer que o povo em tudo, decidiria.

cruzeiro5.jpg Tudo indicava estar em execução uma democracia dita popular. Realiza-se em Coimbra o 1º Congresso Nacional das Autarquias Locais, com a participação de Comissões de Moradores de Lugar, Aldeia e Bairro, Juntas de Freguesia, Município e Comissões de Trabalhadores, com o objectivo de discutir as formas de intervenção efectiva na resolução dos problemas comunitários, através da transferência de poderes de decisão e gestão da vida local e regional.

(Continua…)

O Soba T´Chingange (Otchingandji)



PUBLICADO POR kimbolagoa às 19:08
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quinta-feira, 3 de Novembro de 2016
XICULULU . XC

ANGOLA . DEUS DEVE SER BRANCO!4ª de 4 Partes

t´chingange 0.jpg As escolhas de T´Chingange

Por:  ISOMAR PEDRO GOMES* - “O carrasco foi o sistema”, afirma! Ele teve a coragem de ter publicado isto em Angola.

DEUS É BRANCO?

isomar3.jpg (…) Nunca a Europa 'recebeu' tanta riqueza de África como após a chamada "independência dos Países Africanos"; os novos-ricos africanos apressam-se a 'esconder' na Europa os produtos da sua criminosa delapidação, para gáudio dos Europeus - contrariando aquilo que eles próprios evocaram e prescreveram na convocação para a luta de libertação nacional. "Eu ir a Portugal algum dia?.. NUNCA!.. Nem morto!" – disse em 1980, na idade de ouro do partido único, erguendo o punho direito bem alto em sinal de sacro-juramento, em pleno comício em Benguela, um dos então carismáticos dirigentes da "Revolução Angolana", cujo nome prescindo de citar.

:::::

Hoje ele próprio, não só é frequentador assíduo e brioso de Portugal e "empresário português", como também é o orgulhoso presidente de uma agremiação desportiva portuguesa em Angola. Quase meio século depois, podemos indagar se o IDH dos povos africanos subiu ou regrediu? Somos melhores tratados hoje pelos nossos irmãos dirigentes?

ÁFRICA1.jpg Os ideais que nortearam a luta de libertação colonial ainda estão vivos e recomendam-se? Muitos dos nossos jovens usam orgulhosamente tecnologia de ponta, os ipod, 'aichatissa' e

'aipad' fazem a banga da juventude; mas o meio que os rodeia é nauseabundo e desolador. O Stress agudo e o AVC matam tanto quanto a malária.

::::

FILANTROPOS DA HUMANIDADE

- A mais recente iniciativa de alguns dos milionários do planeta, comoveu muita gente. Há algum Africano entre os homens que protagonizaram tal feliz iniciativa? Todos eles (os citados filantropos) são homens que dedicaram a maior parte da sua vida à produção de riqueza - não a 'tiraram' de algum saco azul, nem tão pouco delapidaram o erário público nacional; mas sentiram-se na necessidade de "repartir com o necessitado" de todo o mundo.

ÁFRICA17.jpg Ontem, os milionários Africanos orgulhavam-se de 'aparecer' na revista Forbes e congéneres; hoje, face à iniciativa acima mencionada, publicam como que envergonhados que "não somos milionários", alguns chegam ao ponto de dizer que, o que têm, é produto do salário.

::::

ÁFRICA DO SUL - Quando vivi na África do Sul, tinha um medo atroz e justificado da polícia Sul-africana, principalmente dos pretos. A maioria do polícia Sulafricano preto chega a ser muito mais impiedoso e selvático que o mais impiedoso policia Sul-Africano branco. O polícia preto (na sua maioria) é absolutamente xenófobo, perverso, contra a lei, corrupto e desalmado. Fiquei arrepiado com as imagens da actuação da polícia Sul-Africana em Dobsonville (será esta a cidade?!) que vitimou o jovem moçambicano Mido Macia, na flor da sua juventude (27 anos).

nauk4.jpg Imagens próprias de uma 'cena' do Faroeste no século XIX ou da era do Drácula no país da Draculândia. O policia branco, estou certo não faria tal coisa; e muito menos os tais policiais pretos fariam isso, se Mido Macia fosse branco. A xenofobia na África do Sul é extremamente incentivada e alimentada pela polícia Sul-africana e é planificada nas esquadras de polícia; um dia hei-de descrever as minhas experiências com a corporação policial daquele País, que apesar dos pesares amo muito sinceramente. Fizeram, certamente, Nelson Mandela, o único Preto que chegou aos patamares dos 'deuses', banhar-se em lágrimas.

:::::

AFINAL QUEM CAIU NA LAMA? - Há, em algum país da Europa, o esgoto a céu aberto, a amálgama descriminada, promíscua, suja e podre de 'bairros' que vimos e vemos principalmente nas periferias das capitais Africanas (quase todas elas, principalmente dos chamados “Países Especiais”)? Os dirigentes Africanos nem conseguem combate eficazmente o mosquito, causa do paludismo e malária que, há meio século, diariamente dizima milhares de almas (principalmente crianças) pelo continente adentro, as doenças diarreicas (produto da falta de sanidade básica) fazem de igual modo uma 'ceifa' aterradora.

to2.jpg Doenças que o colono quase já tinha debelado, como a mosca do sono, ameaçam 'engolir' povos inteiros. Tudo isso acontece perante a pecaminosa insensibilidade de um grupinho de "iluminados africanos" (abençoados pelas igrejas), que preferem gastar milhões de Euros comprando castelos na Europa e em orgias depravadas (preferem dar de comer aos cães) - do que ajudar os seus irmãos, que não lhes pedem mais do que apenas BOA GOVERNAÇÃO, gerirem o erário público para o bem de TODOS e da nação.

:::::

E há quem tem ainda o desplante de vir a público protagonizar uma perversa peça teatral, choramingando "O colono blá-blá-blá"… Quanto ao anjo, prefiro não comentar. Deus é Branco? Até posso aceitar; porém, de uma coisa estou certo: preto, não é, de certeza ABSOLUTA !"

*ISOMAR PEDRO GOMES Foi em tempos um funcionário da polícia política DISA. Segundo ele, as pessoas que trabalhavam na DISA e se identificaram com a dissidência do MPLA foram vítimas da repressão.

Final

As opções de T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 17:10
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Segunda-feira, 31 de Outubro de 2016
XICULULU.LXXXIX

ANGOLA . DEUS DEVE SER BRANCO!2ª e 3º de 4 Partes

t´chingange 0.jpgAs escolhas de T´Chingange 

Por: ISOMAR PEDRO GOMES - Foi em tempos um funcionário da polícia política DISA. Segundo ele, as pessoas que trabalhavam na DISA e se identificaram com a dissidência do MPLA foram vítimas da repressão. “O carrasco foi o sistema”, afirma! Ele teve a coragem de ter publicado isto em Angola.
DEUS É BRANCO?

Isomar1.jpg (...) A resposta colonial à violência nacionalista africana, sempre foi comedida: por exemplo, se a força policial Portuguesa no 4 de Fevereiro e posteriormente no 12 de Março de 1961, respondesse com o mesmo demonismo com que o MPLA 'respondeu' ao chamado Fraccionismo do 27 de Maio 1977, muitos dos actuais dirigentes não existiriam, e provavelmente durante muito tempo não haveria movimentos de libertação.

:::::
O ÊXODO - Passado cerca de meio século, em que a maioria dos países Africanos 'arrancaram' na ponta da espingarda a independência das potências colonizadoras (seguindo a lição do camarada Mao Tsé-Tung) – se fizermos o balanço de quais foram os ganhos que os respectivos países e povos obtiveram, poucos são os Países Africanos que diremos, saíram indiscutivelmente a ganhar.
:::::
"Quando é que a independência afinal vai acabar?" – Indagou desesperado e desapontado um septuagenário angolano nos idos anos 78-80, fatigadíssimo da guerra estúpida, de tanta crueldade e injustiça praticada pelos seus patrícios (do regime e da oposição), denominados de nacionalistas de primeira água. Poderia África ser hoje comparada ao Inferno ou ao Purgatório?

ango3.jpg Qualquer um deles serve; Paraíso - NUNCA. Pouquíssimos países Africanos (menos do que os dedos de uma mão) podem aproximar-se de tal eleição. "HOJE até a Bíblia nos tiraram, e as terras continuam a não pertencer ao povo" - sintetizou Morgan Tchavingirai, descrevendo a desgraçada e extrema penúria do povo zimbabwiano, respondendo ao guia imortal ainda vivo, que diz ter ressuscitado mais vezes que o próprio Jesus Cristo. Zimbabwe que, no período citado por Bob Mugabe, era o celeiro de África, o povo era detentor de um dos mais elevados IDH do continente.

::::: 
Por exemplo, em Angola, quando por vezes, nas datas históricas, oiço e vejo pela TV indivíduos a mencionarem o que o 'colono nos fazia', sinceramente não sei se, choro de raiva ou se me mato de 'risada'; "porque o que o colono fazia… blá-blá-blá", dizem eles - hoje faz-se o pior. O colono, se fez, quase que o desculpo: é ou foi colono, é branco, não é meu irmão de raça, etc; agora quando o meu irmão Angolano, preto como eu, ex-companheiro da miséria e das ruas da amargura, faz o que viva e decididamente repudiávamos do colono – esta ultima acção dói muitíssimo mais do que a acção anterior, dilacera e mutila impiedosamente a alma.
:::::
Por isso, logo após as independências Africanas, e depois do êxodo dos brancos a abandonarem África, verificou-se um segundo êxodo: seguindo os outrora colonos, milhões de Africanos abandonaram a África, com angústia na alma e os olhos arrebitados de descrença, a maioria arriscando literalmente as suas vidas (o filme continua até aos nossos dias) - porque chegaram a conclusão que afinal não é verdade o que apregoa o político Africano; "eles prometeram-nos o paraíso e dão-nos o inferno a dobrar", disse um jovem africano em Lisboa nos anos 78-80 num programa da RTP. Há mais africanos hoje na Europa do que Europeus em África! Porquê?

angola1.jpg A JUSTIÇA EUROPEIA - Os Europeus, muitos deles depois de chacinados em África pelas revoltas africanas, de regresso aos respectivos países, embora destroçados de dor e amargura - receberam de braços abertos muitos dos antigos carrascos, dando-lhes um lar e emprego decente, e uma vida digna, que jamais tiveram nos países de origem; Paz e sossego duradouro.

:::::

O contrário era possível? Ainda hoje, quase 41 anos depois do fim da colonização, para justificar a Pobreza e outros pesares que "estamos com ele", os dirigentes Angolanos (por exemplo) ainda se desculpam com a presença colonial Portuguesa em Angola - eles não são, nunca serão culpados, mas o colono (41 anos depois) SIM, estou seguro que, quando Angola festejar o 50º aniversário, os dirigentes Angolanos ainda estarão a rogar pragas ao colono Português.

:::::

HOJE, em muitos países africanos, ouvimos falar de relatos arrepiantes de governação de 'preto-para-preto' : incompetência criminosa, bajulação estúpida como doutrina, ganância e egoísmo exacerbado (primeiro eu - sempre), mentira como regra, assassinatos indiscriminados, prisões em massa, inexistência de liberdade de expressão, aonde até gritar "estou com fome" é crime passível de perder avida.

angola ginga.jpg Kamulingue e Kassule são a prova viva do facto: vida miserável, falta de empregos, corrupção endémica, justiça injusta e totalmente parcial, cadeias (horrorosamente infernais) a abarrotar de jovens provenientes das classes desfavorecidas, hospitais que mais parecem hospícios, escolas que mais parecem pocilgas etc. etc.

:::::

O paradoxo é, se HOJE em África usufruímos de um bocadinho de liberdade com sabor a vida, é precisamente graças aos Europeus; isto é, aos brancos, que desenvolveram uma nova ordem de conduta internacional e instituições internacionais que vigiam sobre o globo, incluindo, obviamente, África. As sanções internacionais e outras medidas de contenção pairam sobre os dirigentes Africanos; e então, estes por sua vez fingem praticar a democracia.

:::::

Não porque eles gostem da democracia, mas porque temem o "deus branco e o seu braço punitivo". Porque se dependêssemos totalmente dos governos de "preto-para-preto" seguramente, na vasta maioria dos países Africanos, não seria possível viver.

n´guzo1.jpg O protótipo Africano da UE (União Europeia), a chamada UA (União Africana), é uma mentira descabida : é uma instituição falida, decrépita, débil e 'estaladiça' (como a bolacha 'chinesa' de água e sal), que ninguém leva a sério, houve até quem propusesse a designação - DUA : DesUnião Africana; uns poucos países africanos esforçam-se por dar credibilidade à UA e ao continente - por exemplo, quando teremos um Tribunal Internacional Africano? Se os tribunais da maioria dos Países membros é do "faz de conta", os Africanos instituíram também uma espécie risível de Parlamento Africano: que acções práticas esse tal PA já desenvolveu em beneficio dos Africanos?

:::::

A UA é um club de "compadres", ditadores velhacos, egoístas que sonham com Paris, Londres, Estocolmo etc.; ao mesmo tempo que transformam os respectivos países em autênticos 'buracos negros'. As independências em África foram 'feitas' para algumas centenas de indivíduos africanos - em detrimento de centenas de milhões, cada vez mais miseráveis.

(Continua…)

As opções de T´Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 10:41
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sexta-feira, 28 de Outubro de 2016
XICULULU . LXXXVIII

ANGOLA . DEUS DEVE SER BRANCO! – 1ª de 3 Partes

kimbo 0.jpgAs escolhas de kimbolagoa

Por

isomar3.jpgISOMAR PEDRO GOMES - Foi em tempos um funcionário da polícia política DISA. Segundo ele, as pessoas que trabalhavam na DISA e se identificaram com a dissidência do MPLA foram vítimas da repressão. “O carrasco foi o sistema”, afirma! Ele teve a coragem de ter publicado isto em Angola.

DEUS É BRANCO?

cacu22.jpg "Há dias, a caminho do Hojy-yá-Henda, a bordo (como habitual) de um dos machimbombos da TCUL Viana vila - Cuca, um dos vários azulinhos, os nossos emblemáticos táxis colectivos, que 'palmilham' as nossas estradas (privilegio este meio de transporte por ser o mais barato e acessível aos pobres para rotas longas, mau grado a 'sardinhada e a catingada'), chamou a atenção do público, exibindo no seu 'traseiro' o seguinte dístico; DEUS É BRANCO, MULATO É ANJO, PRETO É DIABO. 

:::::
Tal dístico, é óbvio, levantou as mais diversas celeumas entre os passageiros do machimbombo e creio entre todos os 'observadores' e transeuntes por onde o dito azulinho (mini m´bombó-chapa) 'rasgava' o seu 'popó-show'. Raciocinei com os meus botões e os meus botões comigo, as causas que levaram o proprietário do 'popó' ou do 'chauffeur de praça' a mencionar e exibir tal 'desgraçado ou ditoso (?!)' rótulo.

guerri3.jpg Na busca mental das 'causas', não pude deixar de comparar o modo de vida de hoje e o da administração colonial, quando o País, e a grossa maioria dos países do continente Africano, era administrado por indivíduos maioritariamente de raça branca, provenientes da Europa, "os tais colonos": poderia África então ser comparada a um paraíso? Há quem diga que sim, e eu não discordo dele! "Colonialismo caiu na lama!" Lembram-se deste célebre estribilho

:::::
A JÓIA COLONIAL - Angola era mundialmente conhecida como a Jóia do império Português e exibia, majestosa, todos os pergaminhos de tal título; o Quénia era, a par da África do Sul, a jóia africana do império Britânico, a Argélia a jóia africana do império Francês e o antigo Congo-Belga a jóia do mini império Belga. Tais países Africanos - no contexto do outrora - prosperavam a olhos vistos (a maioria deles encontravam-se ainda na idade da pedra), as respectivas comunidades autóctones idem em aspas, os índices de desenvolvimento humano dos autóctones inegavelmente estavam lenta e seguramente subindo; as obras dos colonialistas ainda perduram pela África adentro.

ant5.jpg Verdade seja dita, o esclavagismo e as guerras de "kwata-kwata" fizeram irremediáveis estragos em África. Mas também não é menos verdade, que a falta de unidade, ambição, irresponsável individualismo e a sempre necessidade de estúpida e insanamente guerrearem e fizerem verter sangue (entre nós Africanos) - tornaram bem-vinda "a pax romana", isto é, a paz promulgada a força do chicote e da bala pelos Europeus. 

:::::
As então gerações de jovens africanos instruídos (pelas respectivas franjas ou instituições da administração colonial), organizaram-se politicamente e fizeram soar a acusação de que os Europeus estavam a sugar as riquezas do solo pátrio em benefício exclusivo das nações colonizadoras, desconsiderando totalmente os interesses dos nativos e das colónias, transformando os autóctones em miseráveis na sua própria terra; "eles vieram com a Bíblia, nós tínhamos as terras, no fim eles ficaram com as terras e nós com a Bíblia" disse Robert Mugabe, nacionalista e guia da libertação do Zimbabwe.

valentina0.jpg Organizaram-se contra o invasor: protestos, revoltas, guerras, chacinas ; a história regista que o movimento e actuação dos 'mau-mau', liderado pelo indomável Jomo Keniata, foi um dos mais cruéis de África e o que chamou a atenção da comunidade internacional, para a necessidade da urgente descolonização de África. Claro, a violência gera violência, os resultados hoje fazem parte da história.

(Continua…)
As Opções de T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 18:15
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Segunda-feira, 24 de Outubro de 2016
MOKANDA DO SOBA . CXIV

TEMPOS PARA ESQUECER 24.10.2016 - ANGOLA DA LUUA XXIII . NA GUERRA DO TUNDAMUNJILA.Nesta lengalenga de lembrarmos coisas mortas, cada homem é um mundo… Ainda vão ter de me oferecer um passaporte diplomático…

Por     

soba16.jpg T´Chingange - (Otchingandji)

suku0.jpgA 13 de Julho de 1975 a situação em Luanda era extremamente grave. Ocorriam confrontos no bairro Prenda, Cuca, Petrangol e, parte da delegação da FNLA já tinham abandonado suas destruídas sedes. Neste dia Silva Cardoso pediu a Lisboa reforços com uma Companhia de Pára-quedista, uma de Comandos e um destacamento de Fuzileiros mais Forças Especiais no mais rápido possível. No dia 15 as acções de fogo atingiram o ponto crítico repetindo-se cenas de saque por parte de civis marginais, nalguns casos acompanhados por elementos do MPLA.

:::::

Havia apropriação abusiva de veículos e instalações pertencentes ao Estado; já havia dificuldade em distinguir se aquele organismo antes estatal o era efectivamente, ou não.  Em Malange quase toda a população civil se refugiara no quartel das NF e, em N´Dalatando verificou-se o total abandono de todas as lojas e residências que foram alvo de pilhagem pela população africana apoiada por elementos das FAPLA, forças armadas do MPLA.

ÁFRICA11.jpg Hoje muita gente desentendida a propósito, pergunta a este e aquele porque saíram de Angola porque sempre nos identificamos com aquela terra que nos viu crescer. Se a amavam porque fugiram? Do porquê de abandonarem a terra que tanto dizíamos querer? E, talvez com a leitura deste cone de lembranças do passado possam reflectir das impossibilidades de ali permanecer, sem assistência médica nos cuidados mais elementares, sem mercados de géneros, sem escolas e um estado permanente de guerra sem frentes definidas.

:::::

Era o processo de Rosa Coutinho a funcionar em pleno; provocar o abandono dos brancos, mestiços e negros com algum controlo administrativo na sociedade. As forças solicitadas pelo Alto-Comissário Silva Cardoso, estou em crer que não foram enviadas. Em Junho e antes do ataque à FNLA em Luanda, o General Fabião, Rosa Coutinho e o Coronel Varela Gomes reuniram-se em Havana com Júlio Casa Cerqueño, chefe da logística Cubana.

antu2.jpg Daqui e, logo a seguir, embarcaram para Angola um General de logística, o Comandante Cadelo e o chefe da marinha Emídio Baias para com Neto concertarem as operações que se viriam a segui; tudo leva a crer, ter tudo sido feito à revelia de Silva Cardoso. Aliás, este era um personagem a contornar com manobras falaciosas pelos militares, seu camaradas frentistas do Vinticinco e o directório do sempre enaltecido MPLA.

:::::

Em relação à “Batalha de Luanda” e a partir de 13 de Julho de 1975, Melo Antunes refere ter-se encontrado com Neto em seu Comité Central apercebendo-se que o MPLA, era já naquele momento um exército - ficou até chocado com a arrogância com que foi tratado, concluindo que Neto já não precisava de ser afável com ele e, o que estavam a fazer, era uma aplicação de um metódico plano para a tomada de Luanda.

chai0.jpg Depreende-se no correr do tempo precedente que havia oficiais portugueses que estavam por dentro dos eventos em curso e outros que eram pedras fora do baralho! Os Generais de aviário trocavam as voltas aos demais companheiros. As manobras de diversão ficaram visíveis mais tarde! O vinticinco e a liberdade do povo da metrópole era trampolim para outras atitudes; era a descolonização que mais lhes interessava e do seu jeito, não de outra qualquer forma.

:::::

No M´Puto e no dia 19 de Julho, às primeiras horas do dia, forças do COPCON substituem os civis nas barricadas efectuadas para controlo do acesso a Lisboa de manifestantes conotados com o PS que projectariam uma “marcha sobre Lisboa”. A 20 de Julho apesar das opiniões contrárias de alguns oficiais do COPCON, Otelo Saraiva de Carvalho parte para Cuba, durante a qual admite poder vir a aceitar o cargo de vice-primeiro ministro; são nacionalizadas as principais empresas de pesca.

diogo6.jpg Dá-se o início a uma onda de assaltos a sedes do PCP, MDP e partidos e organizações da esquerda revolucionária. Essas acções foram reivindicadas por um autodenominado “Movimento Maria da Fonte” que actuava no norte do país e era apoiado por certos sectores da Igreja Católica e por grupos anticomunistas. Dão-se manifestações anticomunistas em Viseu no seguimento de oito tentativas ao assalto a sedes do PCP. O M´Puto estava a acordar! É destruída a sede do MDP e a sala da Câmara em Matosinhos tendo-se registado 14 feridos. (JCS).

:::::

Angola estava para lá entregue a si própria, aos bichos, às hienas, aos brancos exploradores, à pandilha que se mostrava na televisão, que se ouvia nas cantigas de intervenção, coisas de peixe podre, fuba podre e tudo coisa ruim com mais porrada se refilares. Cantigas do Rui e outros que tais a falarem meias mentiras, descuidando as verdades. Era um pântano de palavras comendo palavrinhas dando voltas ao miolo batucado. A percussão dos tambores encobria os desesperos de milhares das chamadas Províncias Ultramarinas.

ÁFRICA18.jpg Agostinho Neto, escudado pelo apoio militar de Brejnev, do marechal Tito e de Fidel de castro, já não necessitava de ser afável com grande parte dos miliares portugueses; alguns, poucos deram-se conta mas, já era tarde para fazer marcha-à-ré. O MPLA iria liquidar os outros dois Movimentos fazendo tábua rasa da presença portuguesa e dos acordos que tinha estabelecido com todos.  

:::::

Neto era um salafrário e já era demasiado tarde para recuar o processo. Os métodos foram variados ou bem diversificados! Inventaram que a FNLA tinha arrancado órgãos humanos; que os “fenelas” eram canibais, antropófagos, diziam! Eram corações em frascos e outros órgãos em clorofórmio roubados no “Museu Anatómico”. A médica assistente do Laboratório da Faculdade de Medicina que desmentiu o propalado em cartazes pelo MPLA; por esta denúncia, esta médica foi raptada da Maternidade de Luanda. Só foi solta em 1 de Agosto e, por pressão por greve de Médicos e Enfermeiros.  

apocri3.jpg E, tem muita gente por aí que sabe o quanto é verdade estas macabras manobras! Muitas há que por tanto esforço em esquecer aqueles dias medonhos, dizem não se lembrar! Nem sei se acreditarei! Deveriam testemunhar aqui para que os novos saibam que não foi fácil nossas desventuras! Sofreram os que ficaram e sofreram os que saíram.  Tem por aí muita gente altruísta que vai em cantigas de trololó a desmentir o que aqui se diz sobre esse monstro que foi, é e continuará a ser o MPLA, os que agora mandam ao seu belo prazer, que fazem sofrer o povo.  Ainda vão ter de me oferecer um passaporte diplomático ou dar-me um prémio camões; mas, vai sendo tarde para se regenerarem.

(Continua…)

O Soba T´Chingange (Otchingandji)



PUBLICADO POR kimbolagoa às 13:08
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Terça-feira, 11 de Outubro de 2016
MOKANDA DO SOBA . CXIII

TEMPOS PARA ESQUECER – 11.10.2016 - ANGOLA DA LUUA XXII. NA GUERRA DO TUNDAMUNJILA.

… Nesta lengalenga de lembrarmos coisas mortas, cada homem é um mundo. A 10 de Julho de 1975 o tiroteio alastra aos bairros da lixeira, Cuca e Cazenga com metralhadoras pesadas…

Por             

soba10.jpgT´Chingange - (Otchingandji)

luis20.jpg (…) Entre os brancos, o novo acordo de Nakuru era mesmo para meter no lixo! Havia um generalizado desinteresse; não depositavam fé nos Movimentos nem na promoção da paz no território angolano. As passagens para o Brasil e Lisboa estavam esgotadas. Os prazos de retirada estabelecidos no Acordo de Alvor eram antecipados; um acordo que só a parte portuguesa fez cumprir com as variantes conhecidas na ajuda ao MPLA com armas, homens, armamento e logística.

:::::

Nas três primeiras semanas de Junho a FNLA e MPLA tinham aprisionado mais de duzentas pessoas, a maioria brancos, nalguns casos com seus familiares. Os edifícios públicos eram simplesmente ocupados pelos Movimentos; coisa sem lei nem roque! A cintura à volta de Luanda erguida pelo MPLA era uma realidade! E, tinha gente treinada na Metrópole propositadamente preparada para fazer parte deste MPLA; militares pagos pelo M´Puto e inteiramente destacados naquele Movimento como se dele fossem, com fardamento próprio do MPLA. Ainda ninguém trouxe isto às claras porque o sigilo estava por demais resguardado e, só alguns oficiais o sabiam.

:::::

Nakuru era folha morta! “Numa situação de guerra em Angola, como e a quem se ia entregar a sua governação?”. – Era o próprio Silva Cardoso, Alto-Comissário, que se interrogava falando baixinho para que os demais ouvissem. Neto reclamava a saída deste! Ele queria que assim fosse e, isto era o bastante! A maioria dos oficiais portugueses andava a assobiar ao vento! Triste ironia desta nítida má-fé e, de quem ainda anda por aí recebendo benesses e até medalhas de bom comportamento.

luis33.jpg O golpe de misericórdia à FNLA foi dado a quatro de Julho de 1975 com a batalha de Luanda em que foram usadas de forma continua armas pesadas. A violência, a morte, o saque, a tortura física e a justiça privada foram os factores de realce nas áreas envolvidas nas confrontações. Foi neste então que o MPLA obteve a hegemonia absoluta na capital.

:::::

Na manhã do dia Dez de Julho o tiroteio alastra aos bairros da lixeira, Cuca e Cazenga com metralhadoras pesadas, canhões sem recuo, morteiros de médio e longo alcance, granadas-foguetes LGF. O tiroteio alastra também para a Avenida Brasil e Bairros do Rangel, Marçal, Adriano Moreira e Vila Alice. A guerra chega ao asfalto! As FMM (Forças Conjuntas) receberam ordens para abater todo o civil encontrado com armas de guerra em sua posse.

:::::

Havia atiradores furtivos situados em edifícios altos alvejando quem passava na estrada de Catete e outras vias urbanas consideradas estratégicas. Coisa absurda mas premeditada, foi a entrada em guerra dos profissionais de saúde do Hospital Maria Pia. O Hospital Militar estava absolutamente lotado. Confirmava-se o poderio crescente do MPLA com a surpreendente e generalizada fraqueza da FNLA.

chai1.jpg Foi além do mais com todo o poderio bélico uma conquista pela força da liamba; a grande maioria dos homens do MPLA, consumiam disto sem controlo! Eram todos Rambos no meio de tanta fumaça encorajadora. Tudo valia! Andava tudo ébrio com o espírito conturbado de doideira feita coragem. A população sentia um sentimento de insegurança, coisa nunca vista antes do “vinticinco” e, não eram só os brancos, não! Até porque a grande mortandade foi entre a etnia negra.

:::::                                   

O Ministro do Governo de Coligação José N´Dele disse apreensivo a Silva Cardoso que depois do MPLA forçar a saída do FNLA da Luua, não tinha duvidas que se lhe seguiria o seu Movimento; o da UNITA. A Dez e Onze de Julho de 1975 a intensidade de fogo aumentou, dizem ter sido maior que no desembarque de Nurembergue quando da segunda guerra mundial.

:::::

As NF em Luanda recusavam-se a pôr termo aos combates dando livre curso às pretensões do MPLA. A FNLA denuncia em Paris que nos recontros recentes de Luanda tinha havido intervenção directa de alguns oficiais portugueses a favor do MPLA. A CND - Comissão Nacional de Descolonização, já não tinha quórum para reunir. Dois blindados do MPLA foram vistos na Quinta Avenida, perto do Cazenga. Nestes dias, a fase triunfalista do MPLA atingiu seu máximo na Base Aérea nº 9.

retornar10.jpg Naquela Base eram acolhidos os habitantes do Bairro Prenda enquanto o MPLA atacava a Delegação da FNLA que acabou por ser destruída. Havia uma nítida coordenação entre os populares desalojados e a actuaçâo dos militares. Os desatentos ou alheios caiam no fogo cruzado. Silva Cardoso, duas semanas após o acordo de Nakuru referia: - Que não evocassem o Alvor “para responsabilizar a parte portuguesa”. Bom! Também aqui e agora que são passados mais de 41 anos, dá para rir ou fazer muxoxo destas afirmações.

:::::

É neste então, curiosa a atitude que o MPLA que, criando graves problemas, costurando e bordando do seu jeito, continuava a querer que fossem os portugueses a resolvê-los. Não dava para ter um pingo de credibilidade nesta gente de Túji! Enquanto isto no M´Puto, em Rio Maior é assaltada e destruída a sede local do PCP. Foi aqui que se deu o início da escalada anticomunista do “Verão Quente”.  Entretanto Otelo saraiva ia a Cuba tratar da nossa saúde: os brancos de Angola, pois claro! No regresso da sua viagem a Cuba declara: “Mário Soares é uma das esperanças da direita em Portugal (…) O CR não mostrou a eficácia que todos esperávamos.” Isto tinha água no bico!...

retornar9.jpg A 18 de Julho a Assembleia Extraordinária do MFA discute a proposta do CR de estabelecimento de um Directório (Triunvirato) constituído por Costa Gomes, Vasco Gonçalves e Otelo Saraiva de Carvalho, encarregado de “definir uma orientação política e ao qual seriam dados amplos poderes, mantendo-se o CR, do qual aqueles também faziam parte, para decidir os assuntos de maior responsabilidade”. Ainda bem que tudo isto, só ficou no papel!

 (Continua…)

O Soba T´Chingange (Otchingandji



PUBLICADO POR kimbolagoa às 11:17
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quarta-feira, 5 de Outubro de 2016
CAFUFUTILA . CXVIII

NAS FRINCHA DO TEMPOKIANDA COM ONGWEVA - 13ª com várias partes…

ANDANÇAS COM KIANDASEm Córdova com Zachaf Pigafetta Roxo, kianda tetravó de Roxo e Oxor, seu mano Pieter e, um tal de Conde de Sant German.

Ongweva é saudade   

Por

t´chingange 0.jpg T´Chingange (Ochingandji)

zé peixe 1.jpg Este mussendo teve início no lugar de Guaxuma com a Kianda sereia Roxo; depois sua irmã vista ao espelho Oxor e Zé Peixe o marinheiro prático que levava grandes barcos desde alto mar até Aracaju de Sergipe. Depois evoluiu diluindo-se nas brumas do tempo com gente holográfica, muito antiga, conhecida de outras andanças como o Januário Pieter que nasceu em 1712, tendo agora seus 304 anos. Em Granada tendo Alhambra por perto, houve um encontro muito ansiado em "El Pátio Riconcillo" com a tetravó da Sereia Assunção Roxo.

:::::

Ela, a tetravó de Roxo chamava-se Zachaf Pigafetta e era visível só para mim e Januário Pieter. Foi de alguma cautela que falamos de coisas muito antigas do lago Niassa que antes era conhecido por seu primeiro nome de Zachaf; daquelas águas misteriosas tinham saído enredos que me prometeram contar de forma sucinta pois que haveria que descrever com mais pormenor suas vidas nas águas do Kwanza, estórias de Massangano com Tugas e Mafulos. A surpresa das surpresas deu-se num repentemente, quando Januário disse: Eu e Zachaf Pigafetta somos irmãos!

roxo66.jpg Podem imaginar a minha admiração quando ouvi isto. Andei tanto tempo subindo e descendo calçadas empinadas de Toledo, esperando que o concílio das Kiandas no palácio de Alcázer acabasse, eu ali com seu mano Pieter que nada me disse. Estes mistérios de kianda nunca irei entender por completo e, foi necessário ir a Granada para retirar um pouco mais destas kalungas. Não esquecer que o mestre pintor Costa Araújo na sua ancestral passagem por ali, foi testemunha destas falas. Eu explico: Este mestre pintor em uma geração ida e lá paratrás foi ajudante de El Greco.

:::::                                                 

Tenho de rever estes episódios para não me mentir. Foram dias de maravilha, mas só em Granada e, tempos depois, é que Pieter me apresentou à irmã Zachaf. Falámos entre várias coisas das suas itinerâncias a partir de Cabo Ledo e Massangano, sua segunda terra, ficando no ar promessas de novas e velhas notícias. Sendo estes, uma junção de espíritos na forma de água, divindades abstractas tudo lhes é possível. Em pensamento navego com eles de vez em quando mas não me é permitido decidir quando e aonde.

kianda2.jpg Minha mana tem outras estórias que decerto te encantarão, disse naquele então o irmão de Zachaf Pigafetta. Estamos aqui para isso; mungweno! Foi assim que nos despedimos. Passou algum tempo! Recentemente, visitei de novo Toledo com passagem por Córdova. Fiquei por aqui, Córdova, dois dias no Hotel Boston, um lugar bem aprazível e, aproveitei ver a toalha de água do rio Guadalquivir logo depois da cascata; via dali a ponte romana, Alcázar, a Mesquita com Catedral e o bonito Arco do Triunfo. 

:::::

E, foi quando remexia as quinambas, pés descalços nas águas meio turvas do rio, que senti um ligeiro sopro na orelha direita. Vindo do espaço, seu duilo feito céu, com todos os seus anéis relampejantes, ali estava meu conselheiro das profundas angústias. Vinha carregado de magnetismo, feitiços de contraluz cintilando um desassossegado arco-íris. E, foi quando reparei um pouco mais atrás sua mana Zachaf acenando sua mão muito pintada com caracteres meus desconhecidos como se tivesse vindo de Marrocos. Naquele sopro inicial deu-me um arrepio de furto; não fosse uma cigana romena vendendo flores com seu umbigado capianguista de mão ligeira.

kianda05.jpg Um turista tem de andar sempre meio desconfiado porque as mochilas atraem mãos estranhas. Não era o caso mas, vi acontecer! Levantei-me saltitante entre pedrinhas afiadas e dei um grande abraço a ambos. Também andavam fazendo turismo e sabiam lá do seu jeito que eu, estaria por ali. Calcei-me e fomos direitinhos a uma esplanada aonde nos sentamos em El Campo de Los Martires. Conversamos coisas fúteis tendo-me perguntado por o ajudante de El Greco, Costa Araújo de Toledo, um ancestral antecessor.

:::::

Nunca mais voltei a ver o antigo Araújo mas o novo cidadão, o herdeiro dos pinceis daquele mais velho estava em Brácara Augusta. Nem foi necessário explicar aonde era esta Brácara; estava sabedor que ficava numa terra escandalosamente verde do Minho! Este meu “Guru”, já me tratava como se fosse da família, um cipaio do seu arimo (lavra, horta, n´nhaca). A Kianda Zachaf que até ali se tinha mantido calada queria saber novas de sua descendente Assunção Roxo. - Anda numa boa, curtindo a vida com suas psicadélicas pinturas, coisas de cores vistosas muito belas, virtuais ou digitais, disse eu. Vi nela os olhos arregalados de contentamento.

MIRAN3.jpg - Quando estiveres com ela, dá-lhe um efusivo abraço, pode ser mesmo esse teu XXL, que desde já fica perfumado por mim, disse em conclusão. Na dúvida e tratando-a por vosmecê perguntei do porquê não ser ela a falar-lhe, uma vez que viaja no espaço-tempo com um simples estalar de dedos. – Ela, eu sei, anda a preparar-se com suas aventuras de roxomania mas, ainda não está na fase de termos um informal encontro! Creio ter-se referido ao estágio emocional e espiritual de Roxo.

:::::

Sei que ela, vai e vem para as terras de N´Gola, recomendo-lhe cuidado na terra dos kuzucutas kaluandas -eles andam um pouco carecidos de gasosa e quando não lhe dão, roubam, diz-lhe que ande com pouco cumbú; eu irei preservá-la mas, nem sempre controlo as tentações dos malvados, sabes! Disse ela em tom de remate! Andam por ali muitos simbis maldosos com espírito ancestral de origem Kikongo, do Zaire, antigos revolucionários que morreram sem o querer; guerrilheiros na diáspora.

zé peixe9.jpg E, havia muito para falar mas isto de se ser turista, tem coisas! Não é que surge um tipo com trancinhas, moreno, quase preto, falando francês e uma outra língua estranha. Apresenta-se: diz ser o Sant German dessa forma também gelatinoso e invisível para as outras gentes. Papagueou assim num tu-cá-tu-lá familiar; pelos vistos, até se conheciam! Mas eu fiquei quase a zeros! Que vinha de Moçambique; era um matumbola mutalo; um mestre da grande fraternidade branca, responsável do sétimo selo, com chama violeta! Era demasiado para mim - um quase preto a falar na grande fraternidade branca. Ui! Ai-iú-é …

:::::

Mas, o curioso é que eles conheciam-se! Dualidades que não percebia por completo. Diz ele virando-se para Pieter: - Por recomendação dum kamba muxiluanda, fui num vaivém minkisi vip ao Xipamanine (mercado de Moçambique), lavei-me na água de cu-lavado de defunto albino preto e cambuta, com a benzedura no N´zambi N´kulukulu, dos miamas de Xi-Lunguine. Estás a ver Meu !?  O resultado é isto! Referia-se ao seu actual aspecto nada condizente com um Conde branco N´si. Perante a minha surpresa ambos manos tetravós, fizeram questão de me explicar mas, eu tinha um compromisso. Desculpem-me, tenho de ir, há gente à minha espera; temos de seguir para Madrid.

paraiso1.jpg Vai! Disseram os três quase como se estivessem em sintonia! – Está certo, tenho muito a falar com vocês mas agora, olhei o relógio e abanei o dedo em repetição para o meu Guru. O tempo para nós não conta, disseram em conjunto (fiquei intrigado por falarem quase a uma só voz) ; ver-nos-emos em Madrid! Lá falaremos de N´Gola disse Zachaf. E, dos seres encarnados hoje no Planeta Terra a uma Nova Era, de Paz, Harmonia e União disse o coisa estranha de Sam German. Esta nova figura “Conde de San German”, veio complicar minha cabeça já de si azucrinada. Pareceu-me ser um fumador de pura liamba. Seria? Meio zonzo, dirigi-me ao Hotel situado em La Plaza tendilha, ali bem perto da Fénix… Como as coisas assim do nada, se complicam!?

nassau3.jpg GLOSSÁRIO

Minkisi: - Agente de ligação entre seres humanos e o físico, elementos de fogo, água, ar e terra; N´si: - Terra, o feiticeiro pintado com farinha vermelha (maiaca kianguim) que guarda os pórticos e permanece até o toque do medo, adrenalina, guardador de caminhos com saber do ontem, do hoje e do amanhã; Kianda: - Fantasma, assombração das águas das lagoas, rios e mares ou Kalungas; Kalunga: Junção de espíritos na forma de água, simplesmente água ou mar, espírito forte no reino dos mortos, divindade abstracta podendo ter a forma humana. Globália. - O Mundo; Simbis: - Espírito ancestral de origem do Kikongo e Zaire; Fénix: o pássaro que depois de queimado sai vivo das cinzas, renasce; Miamas: branco (Moçambique); Xi-Lunguine: Maputo, Ex Lourenço Marques; Kamba: amigo; Matumbola: um morto-vivo, tipo de assombração. Kazucuta: Trambiqueiro, aldrabão, que vive de expedientes; Muxiloanda: O mesmo que kaluanda, natural de Luanda (Luua); Cipaio: Autoridade local, trabalhador da Administração que mantem a ordem no kimbo ou tribo, fiscal; Mafulo: nome dado aos Holandeses (Brasil); Mussendo: Um conto ou longa estória, biblioteca oral, conto dos mais-velhos ou kotas.     

(Continua…)

O Soba T´Chingange (Otchingandji)     

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:40
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sábado, 1 de Outubro de 2016
MOKANDA DO SOBA . CXII

TEMPOS PARA ESQUECER01.10.2016 - ANGOLA DA LUUA XXI. NA GUERRA DO TUNDAMUNJILA. … Nesta lengalenga de lembrarmos coisas mortas, cada homem é um mundo. Spínola o herói do monóculo e pingalim, escapa-se de helicóptero para Talavera de La Reina, em Espanha…

Por

soba0.jpegT´Chingange - (Otchingandji)

ango0.jpg  (…) Holdem Roberto a partir do Zaire, nada fazia mudar e, só se fazia notar por sua falta de bravura. Era um acomodado na mão dos americanos. A posição da FNLA tornou-se difícil de manter em Luanda. O MPLA, conjuntamente com as N.F. (Forças portuguesas) iniciaram uma perseguição tenaz nas Avenidas D. João II, à entrada da Rua Coronel Artur de Paiva. “Chaimites da tropa portuguesa” disparavam sobre soldados da FNLA que fugiam desarmados; enquanto corriam despiam a farda para mostrarem estar indefesos. Eles, simplesmente queriam salvar-se!

:::

Iriam buscar socorro no Bairro do Saneamento da Cidade Alta aonde viviam os ministros da FNLA sob protecção de forças especiais portuguesas e conjuntas de guarda ao Palácio que lhe ficava ao lado.  Em frente da Rádio Eclésia – Emissora Católica, a tropa portuguesa em apoio ao MPLA provocaram um espectáculo bem macabro: Abriam fogo contra todos na Calçada de Santo António; isto era feito debaixo de risos e desaforos como se coelhos fossem, e vão dois e, mais outro!

chai0.jpg Ainda haverá militares vivos que possam confirmar isto se entretanto a consciência já não lhes tirou o tino. Os mortos por ali ficaram estirados no passeio e rua tendo sido mais tarde retirados por militares da UNITA. Neto radicalizava-se no “esquerdismo”; jogava com todos os trunfos no populismo com os inerentes reflexos do processo revolucionário em curso português; Havia gente do PREC do M´Puto a instruir os dirigentes no como fazer e fazer querer!

:::::

As FMM ao invés de apagar o fogo como o deveria ser, ateavam ainda mais os incêndios. Lopo do Nascimento mentia com todos os dentes dando força ao tal exército popular do seu MPLA – “victória ou morte”. A 8 de Junho voltaram a ocorrer rebentamentos nos Bairros Cazenga, Lixeira, Sarmento Rodrigues e Cassequel. O MPLA fazia isto com elevado volume de fogo; havia munições à farta. Os militares dos movimentos FNLA e UNITA, refugiavam-se nos quarteis à guarda das N.F. agora mais comedidas no seu ímpeto esquerdista por pressão e vigilância do Alto-comissário Silva Cardoso.

chai1.jpg As FAPLA, atacaram e destruíram com blindados o quartel da FNLA em Kifangondo. Ninguém se insurgiu neste uso de blindados! Deveriam ser apreendidos pelas N.F. mas, ou as ordens se perderam no caminho ou lhes faltou coragem para actuar. Podemos acreditar em tudo porque nada foi feito! Era mais fácil desconhecer tal gravidade. Lobito, Benguela e Sá da bandeira eram agora as cidades refugia dos deslocados de guerra.

:::::

A etnia branca já não acreditava nos nacionalistas; desesperavam por não ver a situação normalizar. Não dava para esperar! As escolas começaram a não funcionar, os dispensários médicos iam ficando sem gente capacitada, as instituições iam ficando desertas de gente com poder de decidir. O “lar do Namibe” uma cooperativa de construção comunicou-me que já tinha direito à tal casa mas, esta carta por ali ficou em cima duma estante a desaguardar.

chai2.jpg O Tenente-Coronel Gonçalves Ribeiro insistia desde Junho de 1975 à Comissão de Descolonização na necessidade de se ultimarem transportes para os brancos e demais desalojados que quisessem abandonar Angola. Agora, os Delegado dos Movimentos que estavam no vasto território, ocasionavam abusos de autoridade, extorsões, detenções, agressões desmedidas e até mortes de forma gratuita.

:::::

A 9 de Março de 1975, no M´Puto, Spínola foi informado por oficiais amigos da operação matança da páscoa, um plano do Partido Comunista Português e os militares mais radicais do COPCON e da 5ª Divisão, apoiados pela União Soviética, para realizar uma campanha de assassinatos políticos, onde Spínola e seus apoiantes constavam como alvos, como parte de um golpe de estado para tomar o país.  

spi3.jpg  No dia 11 de Março de 1975 deu-se o golpe. Pelas 9h, a força que iria desencadear o golpe estava pronta na pista de Tancos. Pelas11h45, dois aviões T6 e quatro helicópteros oriundos ao comando de Spínola sobrevoaram e atacaram com rajadas de metralhadora o quartel do RAL1, perto do aeroporto de Lisboa. Pelas 14h00 o golpe é dado como perdido. Coisa pouca!

:::::

Pelas 17h, Spínola o herói do monóculo e pingalim escapa-se de helicóptero para Talavera de La Reina, em Espanha. O falhanço do golpe deixa o caminho aberto à ala radical do Movimento das Forças Armadas, tanto militar como político. A festança do PREC continua com a maioria silenciosa de viola no saco.

chai4.jpg Em Portugal Continental, Miguel Judas diria que Spínola por inépcia militar e psicológica perderia essa tal de “Maioria Silenciosa”. Que ninguém lhe tinha pregado rasteira; que não levaram a melhor porque tinham um General fraco como estratega. E acrescenta: "Também houve tropas que estavam para sair e não saíram do quartel”. Também Manuel Alfredo de Mello consideraria que no 11 de Março "foi estendida uma casca de banana ao Spínola e os seus apaniguados caíram, deixando a retaguarda de um lado da resistência ao PCP desmantelada".

::::

Para Alfredo de Mello o PCP "tentou a sua sorte para poder desempenhar um papel determinante na evolução do país. "A verdade é que a descolonização de Angola estava à porta. " E, uma facção dos comunistas, pressionados pela URSS, queria controlar o processo".

chai3.jpg Em Angola, as N.T. já nem saíam dos quarteis! Tinham sim um enorme desejo de serem rendidos e regressar à Metrópole do M´Puto. Nem pareceria ser relevante acudir a casos graves em defesa de gente Lusa. As teses do PCP vingavam em Portugal e Angola. Estes do PCP mudariam funcionários, quadros e militantes com acções reais no terreno. Preparava-se mais uma cimeira no Quénia mas ninguém acreditava nisto; Nem os próprios intervenientes!

(Continua…)

O Soba T´Chingange (Otchingandji)



PUBLICADO POR kimbolagoa às 14:50
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Domingo, 25 de Setembro de 2016
MOKANDA DO SOBA . CXI

TEMPOS PARA ESQUECER25.09.2016 - ANGOLA DA LUUA XX. NA GUERRA DO TUNDAMUNJILA … Nesta lengalenga de lembrarmos coisas mortas, cada homem é um mundo. “Vai para a tua terra, branco” era o que mais se ouvia na Luua de 74/75…

Por

soba15.jpg T´Chingange - (Otchingandji)

moka12.jpg (…) O descontrolo social em Luanda de uma forma ordenada e progressiva visava a que os brancos abandonassem Angola sem nada dela levarem. Nas escolas os alunos comentavam de forma propositada para os professores ouvirem: “ branco vai para a tua terra”; “a casa do professor é nossa”; “o carro do professor é nosso” e, por aí! Um pouco assim e por todo o lado! Eram as instruções de procedimento que tinham dos grupos de acções populares do MPLA e alguns fanáticos pais.

moka13.jpg Os alunos e gente comum, eram incentivados a dizer isto e lançar boatos. A Direcção Politica do MPLA excluiu à partida “a revolta activa” de Pinto de Andrade do seu seio. A este grupo reduzido da pequena burguesia Luandense foi dito e reiterado viverem à sombra do nome da família aludindo a propósito: “Vocês têm bagagem política, têm capacidade intelectual mas não têm arcaboiço para a fase histórica e revolucionária de Angola”. Foram excluídos por simplesmente terem uma diferente visão de descolonização.

:::::

Vitor Alves dizia à Rádio Voz do Zaire que o número de vítimas provocadas desde Março de 1975 pela violência em Angola era superior ao causado pela guerra colonial naquela ex-colónia. Em três meses tinha morrido mais gente do que em 14 anos de guerra colonial; algo nada lisonjeiro para os novos nacionalistas Neto, Savimbi e Holdem.

moka15.jpg Em Luanda, somente os efectivos da UNITA não ultrapassavam o acordado em Alvor. A FNLA e o MPLA colocavam armas pesadas no topo dos edifícios. Estava-se em meados de Maio! O Comandante Naval Leonel Cardoso referiu não haver dúvidas de que o MPLA praticava acções simultâneas e concertadas em Luanda, N´Dalatando e Malange agravando a situação em fins de Maio de 1975. MPLA e FNLA estavam a criar zonas tampões nas quais ninguém podia sair ou entrar.

diogo2.jpg A dois de Junho é morto em combate o comandante Jika do MPLA; seguiram-se por todo o Norte de Angola ataques e contra-ataques com o predomínio do MPLA. As N.T. (tropas do M´Puto) efectuavam praticamente acções humanitárias com as missões mais diversificadas, levando pessoas e bens, mantimentos, evacuação de feridos e enterro de mortos. Os Angolanos de etnia negra, não estavam a mostrar em sua esmagadora maioria dignidade pela oferta recebida; não eram merecedores de apreço das pessoas de bom senso.

moka14.jpg Os brancos protestavam nas ruas a cinco de Junho; queriam sair de angola da forma possível! Nesse dia cinco de Junho pela uma da tarde, a Delegação da FNLA na Avenida Brasil, foi sujeita a bazucadas e morteiradas que acabaram por atingir o Hospital Universitário matando três funcionários. Os doentes tiveram de ser evacuados para o Hospital Maria Pia aonde passaram a funcionar todas as urgências.

:::::

No M´Puto, ao tempo, havia uma embriaguez colectiva. Nas ruas agiganta-se a confusão social. A Função Pública estava de novo em pé de guerra. A extrema-esquerda estava mais activa do que nunca, denunciando a direita e malhava no PCP. O Governo diz que a situação se aproxima do caos e faz aprovar um diploma que possibilita a ilegalização dos partidos políticos.

moka16.jpg Chovem nos quarteis notícias de golpes e contragolpes; movem-se influências. Estão no activo as secretas: alemã, francesa e espanhola e há muito que a CIA e o KGB convivem entre os portugueses. Os serviços de informação poem a circular diversões na forma de boato! Mas, quem? "Uma das secretas; americanos ou os russos." Com que fim? "Lançar a casca de banana aos spinolistas", talvez. A partir daí o boato generaliza-se.

:::::

Na Luua (Luanda), no dia anterior, 4 de Junho, as FAPLA bombardeou a Delegação da UNITA no Bairro Pica Pau (Comité da Paz). Morreram todos os seus ocupantes! Pela primeira vez a UNITA era atacada em Luanda e, foi com tudo! Lança granadas, metralhadoras pesadas e ligeiras; Isto sucedeu também nos bairros Operário e Cazenga.

moka17.jpg No Pica Pau esquartejaram e arrastaram corpos vertendo sangue no asfalto (mais de 200 jovens pioneiros da UNITA). O MPLA não queria em Luanda nem fenelas nem kwachas! Houve combates até no Largo da Maianga e na Avenida dos Combatentes. Entre os mortos havia 3 soldados portugueses. Jacob Caetano denominado de Monstro Imortal do MPLA foi um dos que conduziu estas acções de cruel incidência com espancamentos gratuitos e selvagens assassinando gente inocente.

:::::

O MPLA já não se contentava em retirar a FNLA; agora era também a UNITA a ser erradicada da Luua. Quem ouvisse os discursos de Agostinho Neto ou um qualquer quadro de destaque do MPLA, verificaria sem esforço no prevalecer das palavras de ódio contra os brancos, ovambos ou afectos à UNITA, gente do norte afecta à FNLA e gente ligada à FLEC de Cabinda.

mok12.jpg As FAP na pessoa de Silva Cardoso dizia sentir-se impotente para resolver estes ataques mas no entanto, deu 24 horas para acabar com os tiroteios; a não se verificar seu cessar, teria de usar os meios ao seu alcance para se fazer cumprir. A FNLA estava a revelar-se ser um “tigre de papel”; fugiam ao primeiro tiro, largavam armas e de forma desordenada despareciam a receber protecção nos quarteis sob alçada dos portugueses. Eram como crianças crescidas que com uma arma na mão faziam coisas diabólicas, matando gente como quem mata galinhas; gente nada confiável!

(Continua…)

O Soba T´Chingange (Otchingandji)



PUBLICADO POR kimbolagoa às 12:02
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sexta-feira, 16 de Setembro de 2016
MUXIMA . LXII

MULOLAS DO TEMPO - As Maiangas da Luua

Muxima e Ongweva são saudades

Por

luis0.jpgLuis Martins Soares

luua7.jpg O abastecimento de águas desde os primórdios da colonização portuguesa, foi sempre um problema das autoridades coloniais. Alguns historiadores escreveram que Paulo Dias de Novaes reconhecendo não ser a ilha do Cabo o lugar mais adequado, avançou para terra firme e fundou a vila de São Paulo de Luanda em 25 de Janeiro de 1576, tendo lançado a primeira pedra para a edificação. A escolha do novo local para a vila foi influenciada sobremaneira pela existência de um magnífico porto natural, situado numa baía protegida por uma ilha

luua12.jpg Mas, foi uma fonte de água potável, que mais ponderou em sua decisão; era necessário abastecer as naus do reino e, as águas do poço da Maianga na então existente lagoa dos Elefantes eram suficientemente potáveis . Os poços deram origem anos mais tarde às duas Maiangas, a do Povo e a do Rey, que nasceram entre 1641 e 1648.

luua6.jpg A “REVISTA UNIVERSAL LISBONENSE” n°. 25 de 30 de Dezembro de 1852, publica artigo interessante sobre a cidade de S. Paulo de Assumpção de Loanda onde os poços denominados MAIANGAS fazem parte da matéria publicada: “Nos subúrbios ou arrabaldes da cidade há muitos arrimos (hortas), e as duas Maiangas (poços públicos) que servem de recreio aos seus moradores têem a cidade dentro das barreiras cinco quartos de milha de comprimento, e três quartos de milha na sua maior largura.:::::4A cidade alta é reputada mais saudável que a baixa pela sua vantajosa posição, todavia ambas sofrem sensível falta d’agua por não haver em Loanda mais que dois poços denominados Maiangas, dos quaes um só é público, e que não chega para o consumo dos seus habitantes “...etc.

luis50.jpg As Maiangas citadas são a Maianga do Povo e a Maianga do Rey que foram construídas em meados do século XVII a mando de Salvador Correia de Sá e Benevides. A água das cacimbas públicas e particulares (poços) é toda salobra. O poço Maianga do Rei serviu exclusivamente para abastecimento das estações públicas ou seja para uso dos religiosos e autoridades coloniais, conduzida em carros das obras públicas. 

luis51.jpg  Este poço localizado perto da Rua da Samba nunca despertou a minha curiosidade para o conhecer de perto quando eu e a família nos deslocávamos a pé para a Samba onde um rochedo plantado na beira-mar e na extremidade da praia servia de trampolim para os nossos mergulhos.::::7Conheci o poço Maianga do Povo bastante, pois morei muitos anos perto dele, no Bairro da Maianga. Internamente uma escada dá acesso até se atingir a linha de água onde parte da população local se abastecia da água salobra transportando-a por latas ou em barris.

 luis53.jpg O Rio Seco, no período das chuvas quando colecta as águas vindas das barrocas dos Quarteis no seu trajecto rumo à Samba, às vezes bastante caudaloso, passa muito perto destas Maiangas. As águas no seu trajecto final, segundo historiadores, desaguavam numa lagoa que era a Lagoa dos Elefantes antes de se descarregar no mar (no lugar da Samba).

luis52.jpg Os elefantes procuravam a lagoa para matarem a sede mas, pelo progresso, foram obrigados a procurar outros lugares como a Quiçama, pela invasão do seu território. O poço Maianga do Rey está reproduzido em um painel de azulejos nas paredes interiores da casamata, no estilo da azulejaria portuguesa do século XVIII, na Fortaleza de São Miguel.

maximbombo.jpeg Havia também a lagoa Cacimba do Kinaxixi transformada em ponto de abastecimento a luanda antiga do Maculussu e Ingombotas, na qual se abastecem os Padres Jesuítas afectos a Nossa Senhora do Carmo, um pouco acima da Mutamba. Os contos, missossos e mussendos de Óscar Ribas fazem menção desta lagoa, um lugar místico dos kaluandas e dos escravos traficados pela D. Isabel Maria Lane no século XVIII.

maianga do araujo.jpg Nota: A parte 10 (maximbombo) foi um complemento introduzido pelo relator desta.

As escolhas do Sob T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:16
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Terça-feira, 13 de Setembro de 2016
MOKANDA DO SOBA . CX

TEMPOS PARA ESQUECER 13.09.2016 - ANGOLA DA LUUA XX. NA GUERRA DO TUNDAMUNJILANesta lengalenga de lembrarmos coisas mortas, cada homem é um mundo. “Vai para a tua terra, branco” era o slogan mais metralhado por palavras acintosamente venenosas…

Por

t´chingange 0.jpg T´Chingange

moka9.jpg (…) Veríssimo Sabino da UNITA, um comandante responsável, disse que o MPLA incitava a população, mulheres e crianças para avançar sobre a base da FNLA situada no Bairro Operário mas, isto já era conhecido por todos. Em Março de 1975 já havia misseis SAN 3 em poder do MPLA. Pergunta-se! Seriam usados contra quem? Decerto não o eram para construir a paz! O Postoyna, um vapor, descarregava numa praia bem perto de Luanda grande quantidade de material de guerra e viaturas com autometralhadoras tipo Panhard.

:::::

Isto foi no dia 29 de Abril e para o efeito ocorreu mais um intenso tiroteio no subúrbio de Luanda para distrair as forças FMM para ali. Só neste entretém e, porque accionaram morteiros, houve 25 mortos e 110 feridos. As autoridades portuguesas perguntavam-se pela tal quarta força (dos brancos) e nada se constava. Andavam todos perplexos olhando um medo sem contornos definidos e mesmo sem nada fazer, pretendia-se que o fossem, culpados! Uma pura ficção com eventos borbulhando só na cabeça de obstinados árbitros; os revolucionários do vinte-e-cinco e do MPLA.

moka6.jpg No M´Puto, o PCP promove assembleias de bairro em Lisboa juntando a Câmara Municipal, as juntas de freguesias, as comissões de moradores, as comissões de trabalhadores, cooperativas, colectividades e grupos de cristãos para o socialismo. O espirito é unitário, apelo muito usado e, reúne "todas as forças verdadeiramente interessadas no avanço do processo revolucionário." O Primeiro-Ministro desloca-se até ao Sabugo para falar à população e lançar cravos vermelhos, como é habitual.

:::::

A seguir ao 11 de Março, Mário Murteira tomou conta do Banco de Portugal, orientou o processo da nacionalização da banca, comandou toda a economia. Mário Murteira colado ao PCP desempenharia um lugar proeminente na Revolução. Mário Soares sabia e tinha toda a razão quando disse a Silva Lopes ministro das Finanças quando indigita Murteira: "Acabou de meter no Banco de Portugal o Partido Comunista". As coisa corriam ao descaso e Silva Lopes respondeu-lhe: "Você está a brincar”! Em verdade, todos estavam! …

moka7.jpg Creio que por estes dias da Luua, Lúcio Lara foi dos homens mais activos na contra informação. O MPLA tinha cada vez maior sofisticação nas formas de actuar. O sequestro de brancos para Praça de Touros de Luanda era levado a efeito pelo MPLA às claras. Ali, eram severamente espancados, seviciados, enfim, sujeitos aos mais inauditos vexames durante dias. Obrigam-nos a repetir vezes sem conta: “ O povo é o MPLA e o MPLA é o povo”. Com as NF – Nossas Forças, não se podia contar. Merda de tropa!

:::::

E, a desmotivação entre estas, já era tão grande que ninguém podia contar com eles. Só estavam preocupadas em chegar ao 11 de Novembro sem se meter, sem dar tiros! Já em Maio, a população branca só esperava meios de evacuação porque nada mais lhes restava. Já havia um número elevado de locais com gente deslocada, que desesperava. As balas tracejantes continuavam a riscar os céus de Luanda. Era o 1º de Maio. Quem andou na guerra, não se recorda de ter visto assim tanto fogo. Os brancos tinham percebido por fim que estavam por sua conta e risco. Não havia a quem recorrer e, nada de tribunais.

moka8.jpg Entre 29 de Abril e 2 de Maio os luandenses viveram debaixo de fogo cerrado e de grande intensidade, armas ligeiras, armas pesadas, lança foguetes e morteiros com acções de fogo posto e pilhagem. Houve muitas prisões feitas de forma indiscriminada! Havia refugiados no Liceu Feminino D. Guiomar de Lencastre com sessenta desalojados. Na Faculdade de Ciências na Avenida Marginal com cento e cinquenta e mais outros trezentos na sede da juventude da UNITA na rua Luís de Camões.

:::::

Esta gente tinha saído por expulsão dos Bairros da Vila Alice, Cuca, Vidrul, Terra Nova, Cazenga, Marçal, Bairro Marcelo Caetano, Lixeira e Boavista. Gente do povo, brancos, mestiços e negros a carecer de meios de subsistência, sem conta bancária grande ou pequena; só a roupa do corpo.

moka10.jpg Silva Cardoso o Alto-Comissário depois do Acordo de Alvor, era constantemente atacado pelo MPLA em comunicados via rádio e panfletos por não ser suficientemente revolucionário. Afirmavam que já não servia à revolução Angolana. Em dado momento, Silva Cardoso perante a constante insistência do MPLA de que teria de ser substituído, sugeriu à Direcção do mesmo movimento que classificassem o seu sentido de revolução ao referirem claramente que os brancos não eram queridos em Angola; isto para que assim, Lisboa evacuasse essa etnia alvo de “um ataque sistemático” por eles. Era só um jogo de palavras para fazer actuar o CR do MFA de Lisboa…

:::::

Neto respondeu enfadado ao Alto-Comissário que para o preto, o branco era sinonimo de colonialista. Neto já se sentia com força para retorquir sem evasivas, prepotentemente sarcástico fustigava a pouca astucia duns e a burrice de muitos dos governantes portugueses. Almendra, o Comandante do COPLAD – Comando Operacional de Luanda, confirmava que alguns polícias brancos tinham sido presos em suas casas e levados pelo MPLA para a “tourada”, lugar prisão sob sua gestão.

moka11.jpg No M´Puto os partidos à direita do PS encaram o futuro com alguma contenção. Por aqueles dias, chegava a vez dos social-democratas assistirem ao boicote de um comício do PPD em Almada. Depois dos oradores discursarem há muita gente a impedir a saída dos social-democratas do recinto. O COPCOM é chamado a por ordem na confusão. Reina agora na nação uma incessante excitação. Mas isto, era lá a mais de 8000 quilómetros da Luua.

:::::

Por Silva Cardoso se insurgir em comunicados contra os desmandos e incentivos de rebelião por parte do MPLA, Lopo do nascimento em Maio, exige a expulsão imediata do Alto-Comissário em carta dirigida ao Concelho da Revolução. No final deste mês de Maio já havia cerca de 25.000 desalojados em Luanda e 50.000 pedidos de passagem para Portugal. “Vai para a tua terra, branco” era o slogan mais metralhado por palavras acintosamente venenosas ensinadas no poder popular dos comités de bairro do MPLA.

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 04:18
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Segunda-feira, 12 de Setembro de 2016
MOKANDA DA LUUA . XLIV

ANGOLA – DO HUAMBO -– "Fiz um acordo de coexistência pacífica com o tempo - nem ele me persegue, nem eu fujo dele, um dia a gente se encontra"

OS LUANDENSES NUNCA VIRAM COM BONS OLHOS, AS GENTES DO SUL DO PAÍS ! 

Por

vumby0.jpgFernando Vumby Fórum Livre Opinião & Justiça

valentina0.jpgINTRODUÇÃO

Esta crónica, eu tinha que escrever qualquer dia, até porque conheço muita gente que sofreu apenas e simplesmente por ter tido um nome de origem sulano, curioso alguns até chegavam á ser barrados mesmo vivendo em Portugal, dependendo do tempo em que tinha fugido do país. Nem sei se na altura os tugas já estavam feitos com o regime vigente em Angola ou não, mas verdade é que, conheci casos de angolanos que foram repatriados com base nisto e, postos em Angola, acabaram eliminados.

:::::

Estou a preparar uma obra intitulada o (Drama de Eslome Joaquim) Um homem que tinha feito tudo para se livrar do regime, e mesmo posto fora do país, o azar continuou á persegui-lo até que acabou morto em Angola depois de ter sido forçado á regressar para o país. Um dia, tinha sim que escrever esta crónica pois ainda há muita fachada, muitos abraços fingidos entre uns e outros, muitas nomeações simuladas, posições ocupadas para se vender o peixe desde á muito considerado por podre como bom, etc… etc.

:::::

E até porque ainda existe uma certa resistência e dificuldades das gentes de origem sulana mesmo estando no MPLA e com cargos (importantes); por exemplo em exonerarem seus subordinados naturais de Luanda e pior se este for de carreira militar, dos tais generais do grupo dos intocáveis, conheço-os todos, tão bem e melhor que muitos. Se ate hoje fores á uma embaixada de Angola e dão conta que és do sul. A esfrega que apanhas se tiveres o azar em seres atendido por um kaluanda não será pera doce! Infelizmente as embaixadas foram transformadas em autênticos comités do MPLA.

vumby7.jpg Para não falar dos sulanos que ficam anos e anos sem promoção nas forças armadas, e se não forem lambe-botas ainda pior, pois ate acabam zombado pelos seus próprios colegas na unidade militar... Kota, esses sulanos dão pena, concluiu um jovem militar das FAA patenteado, enquanto o outro com mais idade numa roda de amigos dizia em voz alta e em bom-tom; " Há um tipo destes que veio da UNITA por ser ministro! "

:::::

QUEM DISSE, QUE ISTO ACABOU?

Mesmo estando-se em tempo de (reconciliação) nacional e de uma (paz) vista por canudo, há verdades que por nada deste mundo temos o direito de esconde-las ou pinta-las porque se diz que isto já pertence ao passado. Nasci e cresci em Luanda e sou do tempo em que para se desprezar e desrespeitar as gentes do sul nunca faltaram os termos e apelidos dos mais depreciativos possíveis que ate hoje ainda estou para saber quem colocava isto na cabeça dos luandenses.

:::::

Para os kaluandas todos que fossem do sul do país eram considerados como bailundos e á palavra bailundo (os baías) curiosamente ate chegaram á dar o significado de atrasado, burro, escravo, criado do branco e falso. Não sei se é pelo facto da maioria dos brancos na altura terem tido como preferência as gentes do sul do país, para trabalharem em suas casas como empregados domésticos internos os considerados por criados.

an4.jpeg Ainda naquela altura alguns velhos do sul de Angola que chegavam e se fixavam em Luanda e já tinham dado conta de que o ser-se sulano, raramente não era interpretado como pior do que o numero da (prostituta), para salvarem á pele dos seus filhos de possíveis humilhações viram-se obrigados á fazerem novos registos para os mesmos trocando os nomes de família e passaram á crescer ate morrer com nomes como se fossem naturais de Luanda.

:::::

Sei que este é um tema que muita gente não gosta de abordar por receio em serem acusados de tribalistas, regionalistas ou coisas do género, eu não tenho kigila e vou continuar a abordar ate porque conheço pessoas que nasceram no Bié / Huambo / Bailundo cresceram em Luanda e morreram como naturais de Luanda e curioso com nomes que ate parecia que estavam reservados exclusivamente para os luandenses.

:::::

Cumpro com isto o dever moral e patriótico ao não esconder estas verdades ocultadas e manipuladas propositadamente para se vender a ilusão de que este espírito e comportamento já foram banidos das mentes de certas pessoas o que não é verdade. Poderia até mesmo mencionar alguns nomes de pessoas; que se não se tivessem protegido por detrás das novas cédulas pessoais teriam problemas. Às pressas e, se calhar nas guerras do kwata-kwata, quando o MPLA relacionava toda gente do sul como simpatizante, militante ou amigo da UNITA. A ser assim, hoje não estariam vivas.

huambo.jpg Quem viveu em Luanda nesta altura sabe que houve até casos em que os próprios vizinhos eram os que denunciavam quem era e não era do sul de Angola, o relacionava como kwacha e raramente não dava á dica ao camarada com ordens para surrar tudo que era do sul. Curioso é mesmo havendo muita gente que já tinha aderido ao MPLA ainda nos tempos da guerrilha contra o regime português e, que depois ate se destacaram como grandes comandantes em frentes de combates contra o colonialismo português; foram subestimados pelo bureau político do mpla. Hoje a merda ainda é a mesma, muito embora com um cheiro um pouco diferente, muitos são os que partilham desta ideia!!!!!

As escolhas do Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:39
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Segunda-feira, 29 de Agosto de 2016
MOKANDA DO SOBA . CVII

TEMPOS PARA ESQUECER – 29.08.2016 - ANGOLA DA LUUA XVII 

NA GUERRA DO TUNDAMUNJILA… Nesta lengalenga de lembrarmos coisas mortas, cada homem é um mundo - Do M´Puto não vinham bons ventos para Angola.   

Por

soba15.jpgT´Chingange

carlu1.jpg (…) Angola…. Melhor mesmo era ficar expectante, fazer caixotes, meter alguns trastes, fotos amarelecidas e esquecer aquela terra porque afinal, não era nossa e, sem direitos adquiridos! Entretanto eram roubados canhões no Grafanil, que foram direitinhos para os Comités populares do MPLA, coisa pouca! Nada de inquéritos! “Há coisas que não convêm serem tornadas públicas” dizia um oficial português. E, tudo ficava por aqui.

:::::

Os militares que regressavam a Portugal faziam negócio com coisas que lhes eram cedidas para salvar do pandemónio, patrícios da terra longínqua do M´Puto que pagavam estes favores por baixo das lonas, mas um ou ouro também levava umas folhas de liamba, uma pedras brilhantes do Cafumfo, artesanato dos Quiocos, peças da sacristia cedidas pelo irmão do mato, enfim!

mo2.jpg Mas situações houve em que militares portugueses acompanhavam os militares do MPLA a saquear casas de brancos fujões, desalojados ou refugiados! Fizeram-no usando carros militares, a descoberto e sem a preocupação de se justificarem com quem quer que fosse. Era até perigoso perguntar! Que estão vocês a fazer? Ninguém tinha sossego nos pensametos. Esta verdade vai parecer mentira para muitos que agora lêem mas, há relatos com vídeos; e, surgem agora depois de mais de quarenta anos e, porque as vidas têm fases sem acréscimos, de sem valor acrescentado.

::::: 

O Óbito do acordo do Alvor estava consumado. As FAP e a CCPA já eram pedras fora do baralho! Eles nem sabiam lidar com a mentalidade do negro africano que em sua cultura ancestral não via o roubo da forma dum ocidental branco.  Tudo que está ao nosso redor nos pertencem! Era este o ADN biológico de Agostinho neto! Os Kwanhamas até eram enaltecidos por suas tarefas de roubo e um candidato a casar se não era um bom capianguista não era um suficiente homem para aquela donzela mais extremosa. Isso faz parte da cultura Banto!

lua3.jpeg Ao PREC – Processo de Revolução em Curso de cariz revolucionário, qualquer actividade era legítima; foi-o e de forma nítida no seu órgão superior de CR – Concelho da Revolução que dava ordens ao MFA.  No relatório da CCPA de 19 de Abril de 1975, era escrito que se deveria impedira FNLA e, a todo o custo de chegar ao poder. Sentia-se aqui a mão de Rosa Coutinho que tinha andado de gaiola a passear nuo no Zaire quando tinha sido aprisionado pelos militares de Holdem Roberto.

:::::

No M´Puto, as diligências do Presidente Costa Gomes, revelar-se-iam desnecessárias, pois Carlucci era um homem muito elaborado e, mais latino do que americano. Sabendo dos desentendimentos de Otelo com o PCP, esfrega as mãos de contente, decidindo tomar a iniciativa. Procura o comandante do COPCOM e, os dois homens lá se entendem nas falas.

melo1.jpg Carlucci, o americano italiano, troca as voltas ao brigadeiro tornando-o colaborante. "Carlucci entendeu logo a situação político-militar em Portugal. Daí achar que Otelo e a extrema-esquerda eram dois preciosos aliados na sua táctica para bater as forças ligadas ao PCP". É o capitão Sousa e Castro, que o diria mais tarde e, que viria a ser porta-voz do Conselho da Revolução.

:::::

Revelando mestria, o embaixador promove pontes de entendimento "entre os oficiais moderados do MFA e as altas patentes americanas." É por esta via que, logo a seguir ao 25 de Novembro de 1975, Ramalho Eanes se tornará grande amigo do general Alexander Haig, comandante chefe da Nato na Europa. "Frank Carlucci era um homem fascinante", diz Sousa e Castro.

:::::

Mas, Portugal estava em queda para ser tomado pela esquerda. O Embaixador vendo isto não tardou a encontrar-se com Costa Gomes sem que se possa afirmar qual o motivo do encontro, depreende-se que não foi ocasional. Da reunião não transpira nada, mas os EUA exibem na altura parte do seu poderio militar, avisam Portugal que deve ter "juizinho". Estão agora em águas nacionais 32 barcos de guerra norte-americanos, onze mil soldados e marinheiros, dos quais cinco mil são "marines", tropas de elite vocacionadas para o desembarque. Mais que previsível, à volta da operação naval da Nato pronta a explodir o folclore do cravo vermelho na lapela.

mucuisse.jpg Na sequência do acordo de Alvor, o Expresso anuncia a composição do Governo de Transição de Angola, de que Vieira de Almeida faz parte, com a pasta da Economia que disse: - "Quando cheguei a Luanda, apercebi-me de divisões profundas entre os militares membros da Comissão Coordenadora do MFA em Angola. "Tal como cá (M´Puto), continuava a existir o mesmo fenómeno: os que se batiam sinceramente pela transformação da sociedade, preocupados em saber como descolonizar; os cobardes; os idealistas; os elementos mais reaccionários; os oportunistas". Uma mixórdia.

:::::

Portugal está agora em chamas, vive em crise de sanidade. Em Coimbra, os alunos fazem greve, reivindicam o fim dos exames de aptidão à universidade. Os bancários reclamam junto do Governo a nacionalização da banca. O desemprego atinge 200 mil portugueses. Com tudo isto a acontecer, Álvaro Cunhal e o PCP defende medidas urgentes para ultrapassar "a grave situação económica e financeira".

:::::

A missão dos ministros em Angola é suicida, o clima continua a ser revolucionário. Tal como no Continente, também ali há falta de realismo. "Bom dia meus senhores! Pastas debaixo da mesa, mãos em cima da mesa!". É assim que Vieira de Almeida dá início às suas intervenções no Governo de Luanda, que integra representantes do MPLA, da UNITA e da FNLA. O ambiente é pesado. Cada um dos ministros angolanos faz-se sempre acompanhar de três guarda-costas de metralhadora em riste.

mutamba.jpg Vieira de Almeida evoca a Luanda daqueles tempos. A atmosfera chega a ser lúgubre: nas ruas assassinam-se pessoas dentro de barris de ácido sulfúrico; Agostinho Neto anuncia a nacionalização do Comércio Externo; durante uma reunião do Governo de Transição, destinada a discutir o Orçamento Geral, um ministro do FNLA reclama o "bago", o “kumbú” a “Gasosa”, ou seja… quer o dinheiro na mão.

:::::

Uma esquadra da Nato lança âncora no Tejo. Uma reunião de delegados dos trabalhadores apela a uma manifestação anti Nato para daí a cinco dias. As forças armadas incorporam-se na "manif". Operários e outros trabalhadores estão nas ruas para se baterem contra os americanos e o desemprego. O Governo declara que se opõe aos desfiles, exerce a sua autoridade. Qual o resultado? Com a expressão do rosto carregada, Vasco Gonçalves em imagens televisivas tem os braços cruzados, faz cara de zangado.

mocnda9.jpg A reforma agrária no M´Puto estava em marcha, mas não era ainda oficial. O PCP promove uma reunião de Trabalhadores, em Évora. A adesão é impressionante, cerca de 40 mil camponeses juntam-se para discutir os modelos de exploração agrícola. Exigem a "liquidação dos latifúndios", a "reforma agrária imediata". Álvaro Cunhal está presente, despe a capa moderada de ministro Sem Pasta. Tem a palavra. Sobe à tribuna e, do alto do seu prestígio de combatente anti-fascista, diz: "A reforma agrária não será imediata, mas não demorará muito".

Do M´Puto não vinham bons ventos para Angola.

(Continua…)

 O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 16:39
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sábado, 27 de Agosto de 2016
MOKANDA DO SOBA . CVI

TEMPOS PARA ESQUECER – 27.08.2016 - ANGOLA DA LUUA XVI . NA GUERRA DO TUNDAMUNJILA. … Nesta lengalenga de lembrarmos coisas mortas, cada homem é um mundo - O brigadeiro do COPCOM dá a sua opinião: " Carlucci, talvez pertença à CIA”… Kuákuákuá…

Por

soba15.jpgT´Chingange

baú3.jpg(…) Por todos julgarem ter autoridade, um mês após a assassinatura do Acordo de Alvor, Angola estava sem lei nem roque; totalmente desgovernada e sem ordem. Descolonizar Angola não deveria ser o mesmo que abandoná-la, mas eu não encontro uma visão mais ponderosa que esta. A 26 de Março de 1975, o ELNA, exército da FNLA, massacra mais de 50 recrutas do CIR (Centro de Instrução Revolucionária) do MPLA denominado de Hoji-Ya-Henda situado no Caxito. No ataque surpreso, os capturados pelo ELNA, foram tratados com gratuita crueldade.

:::::

Levavam-nos em camiões para um sítio isolado e à medida que estes iam saindo dos camiões e lá no lugar escolhido, eram abatidos com rajadas de metralhadora. Os que se queixavam dos ferimentos eram abatidos com um tiro de misericórdia. Só escaparam os que se fingiram de mortos. Esta foi uma retaliação aos ataques sofridos nas sedes da FNLA, situadas dentro de Luanda.

MIRAN1.jpg Estes acontecimentos sucediam todos os dias, ora em Luanda nos musseques, ora na Fortaleza de São pedro da Barra, Bairro da Cuca, Bairro do Dande e Cazenga. Era perigoso ser-se apanhado com cartões de filiados em um qualquer outro partido, bandeiras, crachás ou outros distintivos que não o correspondente ao do controlo montado. E, as barreiras eram montadas a gosto pela FNLA ou pelo MPLA à revelia do COPLAD (Comando Operacional de Luanda) lá, aonde cada qual, pensava ser sua zona de intervenção.

:::::

O massacre do Caxito e os fuzilamentos da Cuca em valas previamente abertas eram retaliações da FNLA, que culpava o MPLA; eram atitudes medonhas nunca antes vistas, sem qualquer pretexto e à revelia de qualquer lógica mesmo que absurda; eram sumariamente mortos sem mais detalhes a ponderar. Tratamento de pior que bichos com bichos, cenas monstruosas.

coimbra2.jpg Entretanto no M´Puto e só para M´Puto, havia um plano! O Plano Melo Antunes, para que a economia recuperasse força…. Um engano! Nas ruas de lisboa e Porto, havia enormes controvérsias. Frank Carlucci chegava a Lisboa; este viria a ser mais um portador de influências em Portugal tendo como interlocutor Mário Soares. Entretanto o PCP entra no Banco de Portugal, coração da economia e nos Serviços de Educação alterando e adulterando leis; dando a gosto passagens administrativas a troco de uma relevante actividade no PREC da revolução na Metrópole M´Puto ou lá na áfrica dos ranhosos (colonos).

:::::

Por esta altura, o brigadeiro do COPCOM (Comando Operacional do Continente), Otelo Saraiva de Carvalho, começa a dar nas vistas despertando grande atenção entre os "média". O país vivia numa altura de conspirações e medos cujo ponto alto foi um tal de plano "Matança da Páscoa". Oficiais com ligações aos comunistas mexem-se a encomendar os planos de nacionalizações para estarem prontos a 12 de Março. Otelo, cioso de cumprir o seu papel histórico, lança-se sobre as luzes da ribalta dizendo disparates.

moiróes 1.jpg Na Luua e na penúltima semana de Março ocorreram mais de uma centena de mortos. É de recordar agora o que Pezarat Correia disse antes das negociações de Alvor focando a questão dos brancos português ali residentes: - “Quem quiser fugir, não faz falta a Angola”, tendo neste então sido referido por Almeida Santos que, a ser assim, seria a debandada geral! E, em verdade nesta fase dos acontecimentos nada mais haveria a fazer senão controlar o Aeroporto de Belas para assegurar a fuga de quem fugia.

:::::

Claro que estes eram maioritariamente brancos, e assimilados mazombos. Curioso ou não, tudo isto foi falado na presença de todos os portugueses com os três movimentos e, disto, não transpareceu preocupação de nenhum dos intervenientes. Até aqui todos os auxiliares de estadistas e feiticeiros tinham ignorado Jonas Savimbi que perante esta situação inusitada de introduzir às falas reticências, passarem a vê-lo com um potencial personagem para e talvez, poder salvar a situação. Tudo pensado em joelhos, com artroses…

retornar11.jpg No fundo, este conjunto de pessoas eram um laboratório, um caldo de mentiras, de muito talvez com incertezas e muita falsidade entranhada de ódios; Todos estavam a ser falaciosos! Em verdade é que, neste universo de incompetentes, aprendizes de feiticeiro, produzem-se outras estrelas. Por cada uma das suas intervenções, a rebelião ganha novo fôlego. O novo embaixador dos EUA, Frank Carlucci fará parte dessa constelação.

:::::

Até ali todos os pseudo estadistas tinham ignorado Jonas Savimbi mas e perante esta situação caótica viram-no como potencial mediador entre os outros dois Movimentos; haveria que encontrar alguém para salvar a situação. Dizia-se neste agora que quem controlasse a capital, a Luua, dominaria Angola! Verificar-se-ia que assim viria a ser! E, agora, Março de 1975 perguntava-se: - De que lado estavam os brancos?

mulu7.jpg Até aqui estavam divididos, trivididos, alguns filiaram-se em todos como medida de segurança mas, até isto funcionou pelo lado mais negativo. O melhor era ficar expectante, fazer caixotes do possível, meter fotos e os ursos de peluche, trastes e umas pedras de feijão no aro da bicicleta ou ouro e dinheiro de túji, angolares e macutas misturados com os dólares,  mais aquele lenço de lembrar o Mussulo enrolando areia das bitacaias… coisas de humanos.

:::::

Entretanto no M´puto aos microfones da rádio, o brigadeiro do COPCOM dá a sua opinião: "Talvez Carlucci pertença à CIA (serviços secretos norte-americanos) mas, nesse caso, não me responsabilizo pela sua segurança." Kuákuákuá (sou eu a rir) … Quando Costa Gomes ouviu isto, a rolha dele, tocou seu cerebelo! O caneco destapou-se; como era habitual, não queria correr riscos. Aflito, pôs-se logo a fazer contactos cuspindo raivas aos seus generais de aviário. Cheio de intuição, à conversa com Mário Soares, este desvaloriza a situação. Uf!... Que alivio!

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 05:17
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Segunda-feira, 22 de Agosto de 2016
MOKANDA DO SOBA . CV

TEMPOS PARA ESQUECER22.08.2016 - ANGOLA DA LUUA XV . NA GUERRA DO TUNDAMUNJILA. … Nesta lengalenga de lembrarmos coisas mortas, cada homem é um mundo - Vasco Gonçalves, o louco, esbracejava na televisão atirando cravos para a multidão…

Por

soba15.jpg T´Chingange

retornar1.jpg (…) No chão barrento dos musseques da Luua ficam cadáveres e um rasto de destruição. No ar desses bairros de arruamentos labirínticos multiplicam-se os papagaios de papel que visavam impedir a visibilidade e o voo dos helicópteros de onde os militares davam instruções e orientação às patrulhas que em terra procuravam acudir aos focos de problemas. Esta dos papagaios de papel, vim a saber muito recentemente em conversa com outros kambas que também por ali estavam; uma coisa que só tinha viso em um filme do Vietname e guerrilha nas ilhas do Pacífico.

::::::

Afinal havia muita gente formada na maldade e atenta a todas as artimanhas para lograr sucesso em seus objectivos. Estabelecer o medo com estrondos lançados para o ar e tracejantes para o espaço nas noites cálidas daquela Luua. No Verão do apocalipse de 1974 a inquietação dos portugueses de África, regia-se no conceito de nacionalidade pelo princípio do solo, pelo que eram portugueses todos aqueles que tivessem nascido em qualquer parcela do solo nacional…

rev2.jpg Mas, isto não era isto nem aquilo, mas uma outra coisa qualquer a tirar dos manuais revolucionários entranhados no cerebelo de gente sem eira nem beira, ávida de serem donos de tudo e até da vida dos outros, uns abutres mais pretos que urubus a reacender um racismo que já estava moribundo! Tudo viria a ser uma outra coisa… A brancura da pele tornava-se perigosa! Os albinos começaram a ser perseguidos por ainda serem mais brancos e, decerto teriam cazumbi dentro deles; a superstição doentia, matou muitos e de formas bastantes trágicas.  

::::

Ser angolano branco, era imediatamente querela apresentada como algo de marginal. Foi como o definiu Vasco Gonçalves a 24 de Julho de 1975 a uma televisão alemã: -“trata-se duma minoria teimosa e egoísta, que se recusa a reconhecer as perspectivas de futuro”. Quem tem amigos assim e, como primeiro-ministro do seu país, não necessita de mais inimigos! Este cidadão deveria era de estar numa casa de malucos a tratar-se… Na Luua, diríamos que deveria estar no “quintas”…

retornar7.jpg “Os deslocados”, como então a imprensa designava os primeiros desalojados de Angola, começaram a chegar às centenas de milhar em inícios de Agosto de 1975. Contudo eram raríssimas as suas fotografias mostradas na imprensa do M´Puto. Os jornais eram multados por terem falas anti-revolucionárias, qual PIDE para pior. Era uma fuga d gente a reter até que, os seus caixotes e os seus corpos deitados no chão do aeroporto da Portela se tornaram incomodamente visíveis, incontornáveis.

:::::

Caixotes feitos de tabuas de camas, portas de armários, janelas de pau-ferro, pau-rosa ou indianuno. Era o fim da festa, comentavam jocosamente nossos patrícios, irmãos, tios, primos, gente de moral que ia à missa e, que todos os domingos batiam no peito; todos a enganarem Deus…

selos6.jpg A censura do CR com seu activo PREC tentava esconder ao mundo a parte podre da revolução dos cravos! Imaginem! Algo inusitado é, uma notícia de 12 de Agosto de 1975 acompanhada por uma fotografia com recém-chegados ao aeroporto da Portela com jornalistas estrangeiros a cobrirem estes escolhos feitos gente, quase nada... Afinal “os colonos”, “os fazendeiros que fogem por medo”, os “mata pretos” sempre acabaram por fugir! Diaziam à boca cheia e sem espanto!

:::::

Em Angola o PP - poder popular, tinha um órgão secreto formado com abrilistas do M´Puto, Cubanos e progressistas do MPLA. Estudantes vindos de países do Leste europeu, das terras frias aonde a revolução se alimentava com ódios, vodka e muita ideologia tonta. Era destes que saíam ordens e o apoio logístico com dinheiros dados à socapa por seus chefes, uns quantos perfilados com Rosa Coutinho e seus pare do CR- concelho da Revolução.

retornar8.jpg Angola seria em breve dos angolanos. Agora sim, não haveria recuo, era o pensamento generalizado da maioria com bom senso, de todas as cores.  Se queriam matar-se uns aos outros que o fizessem! E, assim veio a ser! O incitamento à expulsão dos brancos já era transversal a todos os movimentos.  Na diagonal, na vertical, lúcido ou bêbado, Agostinho Neto atiçava seus discursos, seus poemas despeitados, falas desajustadas de fazer tremer o susto. Nunca antes se tinha sentido tal racismo depois de sessenta e um. Com a partida dos colonos poderiam ficar com tudo, porque tudo lhes pertencia, dizia-o abertamente!  

:::::

Os lidere dos outros movimentos a partir de Julho não retaliavam Neto! Se o fizessem seriam mal vistos. Consentiam! Em Portugal a maioria sensata estava silenciosa, aturdizada muda e queda espantando o medo que o assustava. Vasco Gonçalves, o louco, esbracejava na televisão atirando cravos para a multidão que ébria, o ouvia. Os retornados seriam postos na tourada do campo grande para gaudio dos abrilistas. Quem o disse ainda anda por aí vivinho da costa!

muxima4.jpg Os anarquistas escreveram algures numa parede bem perto da terra do Riachos no Ribatejo: Otelo Saraiva de Carvalho, que lindo nome tu tens, retira o vê do carvalho, e mete o resto co cú! Assinado um “A” metido em um círculo! Tudo em vermelho! Começava a haver alguma indisposição em alguns pensadores do M´Puto… Em Angola o MPLA enviava grupos de jovens militantes para Cuba e URSS aonde recebiam treino político militar. E, entretanto os navios continuavam a desembarcar material de guerra próximo de Luanda assim em segredo dos portugueses; no princípio até foi assim mas, depois já era quase do conhecimento geral, mas tudo era inusitadamente tido como boato! Poderia lá ser! Ninguém queria acreditar…

:::::

O MPLA aliciava principalmente quadros negros das FAP a desertarem com armas e equipamentos. Isto quase foi normal, permitido e acarinhado pelos militares portugueses e até figuras destacadas do próprio Concelho da Revolução e outros políticos que o tempo escondeu na penumbra!

pioneiros.jpg Fantasmas que ainda se continuam a manter à custa de todos nós, que recebem do estado reformas chorudas. As NF – Nossas Forças da FAP, deram 30 navios operacionais, 21 aviões da Força Aérea, 2 Dornier, 6 Dakotas, 6 helicópteros Alouettes e Nord Atlas, entre outro variado equipamento ao Governo de Transição de Angola saído do Acordo do Alvor. Às supostas FAA – Forças Armadas de Angola.

(Continua…)

O Soba T´Chingange  



PUBLICADO POR kimbolagoa às 16:00
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sexta-feira, 19 de Agosto de 2016
MOKANDA DO SOBA . CIV

TEMPOS PARA ESQUECER19.08.2016 - ANGOLA DA LUUA XIV . NA GUERRA DO TUNDAMUNJILA. … Nesta lengalenga de lembrarmos coisas mortas, cada homem é um mundo - “Consolidação do poder popular” na Luua…

Por

soba17.jpgT´Chingange

zeça14.jpg(…) A Força Aérea transportou o grosso do resto da fracção Chipenda para Gago Coutinho. Nos dias que se seguiram, foram as cantorias a enaltecer o herói Valodia assim ao jeito de rumba com bolero de Cuba do tipo que fez crescer a imagem do Che Guevara; a mística música, enaltecia as contendas da guerra provocando um estado de euforia misturando sonhos de libertação, incentivando o erguer de punhos, catanas e armas que rebentam casas, gentes de fazer fugir o capeta, como se estivessem a defender uma Baia de Cienfuegos.

chipenda.jpg Lá a Sul daquela Angola, fazendo meus trabalhos de urbanismo na Câmara Municipal da Caála, afligia-me tal situação. Era neste então Secretário de Informação e Propaganda da UNITA do Comité da Caála. Pensei que poderia assim contribuir para a boa ordem na região que até aqui se tinha mantido pacífica, o planalto do Huambo. Jonas Malheiro Savimbi "leader" da UNITA esperou ir a Nova Lisboa depois de estar legitimado pelo acordo de Alvor e, chegou triunfalmente tendo a recebê-lo mais de meio milhão de cidadãos. Esta recepção triunfal aconteceu a 28 de Janeiro de 1975.

:::::

Savimbi o “Mwata”, estava em alto neste então, sendo considerado o mais moderado e com ideias mais viradas para o progresso de Angola. Os militares do CR, portugueses, tentavam manobrar sua imagem tirando dividendos do confronto com um MPLA cada vez mais radical e raivoso. Savimbi ia acompanhado por seu secretário-geral do movimento, Miguel N´zau Puna, e doutros elementos ligados à UNITA; chegou ao aeroporto de Nova Lisboa (Huambo) cerca das 10.30 horas com uma surpreendente multidão a esperá-lo.

che0.jpg Os jornalistas que fizeram a cobertura do acontecimento referiram ter sido um espectáculo altamente elucidativo da "força" que aquele tinha no planalto central. Toda a zona do aeroporto estava apinhada de gente que, entretanto, qual rio caudaloso, se escoava por toda a parte nos quase três quilómetros que o separam da cidade propriamente dita. Neste tempo e até o mês de Junho sentia-me confiante mas, não foi possível conter a tarefa de rebelião que o MPLA todos os dias e à semelhança de Luanda fazia junto dos kimbos assediando gente, revirando-lhes a vontade da mente, alinhar com esta onda de e contra o dito colono que era sempre branco.

savi1.jpg Sentia-me acarinhado entre aquela gente laboriosa da UNITA e, numa revisão de tarefas fui indigitado Secretário de Relações públicas! Durante a minha vigência tudo correu dentro de uma normalidade aceitável mas sentia que o câncer da liberdade era venenoso demais para continuar a ser um paraíso. Não me sentia convincente no suficiente. Pouco a pouco fui ficando nada confiante no futuro! E, mesmo falando em comícios dando tranquilidade, não me conseguia acreditar e fazer passar a mensagem a cem por cento! Os brancos, dia a dia abandonavam tudo! Fazendas, padaria, marcenaria serração e tudo o que se define como actividade comercial. O câncer alastrava…

:::::

Num repente já nem tinhamos médico, no outro dia já não havia enfermeiro; um e outro iam zarpando de avião, carro ou comboio. Ia ficando no dia-a-dia um deserto sem a gente capacitada para gerir o que quer que fosse; já não tinhamos veterinário nem mecânico que curiosamente ou não, já tinha vindo refugiado anos antes do Congo, e o desespero quer se queira ou não, um dia chega! Ninguém é permanentemente de ferro! Em uma ida na carreira EVA levei minha sogra a Luanda em Julho e, foi quando deparei com o caos à medida que me aproximava da Luua.

savi5.jpg Havia controlo de zonas, primeiro da UNITA e depois para lá do Alto Ama eram da FNLA, do MPLA, assim uma coisa de filme tipo guerrilha do Ruanda como Tutsis e Hútus e marginalidades ao jeito de “apocalypse now” com gente não habilitada para zelar pela ordem, gente drogada que nem falar sabiam! Em Muquitixe mandaram sair os passageiros do machimbombo e ali ficamos encostados a uma casa esfolada de tiros; assim, esperamos que revoltassem nossas malas.

:::::

Um furriel camarada, farda portuguesa, negro de cor com afectos ao MPLA, a dado momento mostra seu cartão de mando conseguindo convencer a nos deixarem seguir. Estávamos ali brancos, mestiços e negros olhando de soslaio uns para os outros, tendo por fundo um paredão ruina de casa em adobe que bem poderia vir a ser o nosso sítio de dia final! Depois seguiram-se o Dondo, deserto queimado com cães rondando as quitandeiras que vendiam sobrevivência na forma de peixe seco; nada mais!

savi4.jpg Nada de sandes, café ou o que fosse e, depois e muito pior, seguiram-se as povoações de Zenza do Itombe, Maria Teresa, Catete, Kassoneca, Colomboloca, e por fim Viana. Uf!... Finalmente, Luanda à vista! O holocausto foi tão cruel, a visão era tão catastrófica que fermentava na minha cabeça a fuga! Não via outra solução plausível. Aquilo era pior do que poderia imaginar; pior que mau ou péssimo! Deixei a sogra e regressei de avião a Nova Lisboa com a definitiva ideia de regressar ao M´Puto. Meu compadre neste meio tempo já estava na Namíbia no campo de refugiados.

:::::

Estava combinado ir com eles mas o comboio de viaturas não podia deixar de seguir seu rumo para Grootfontein com vigilância de uma das NF, forças portuguesas. Cheguei à Caála e descrevi aos meus parceiros manos do movimento que iria inscrever-me no Município nas listas dos Adidos. Falei com Kalakata, o chefe do destacamento militar de Robert Williams e fiz uma despedida de “mais-tarde-nos-veremos”. Kalakata viria a morrer em uma maka organizada, das muitas que sucediam e, um tiro perdido mandou-o pró paralém.

savi3.jpg Aquele ataque às sedes do Chipenda em Luanda foi visto com o prelúdio do que aconteceria tanto à FNLA como à UNITA. Holden Roberto, com um tom bélico e a partir do Zaire fez um discurso de aviso ao MPLA de Luanda. Ele não estava ciente do poder de fogo dos comités da acção popular, vulgo “poder popular” dos bairros periféricos da Luua. Ele só fanfarronava de lá de longe com a protecção de Mobutu; seus maus concelheiros só queriam quimbombo com chuço (churrasco de galinha) no espeto…

:::::

Também ele não acreditava que seu exército bem equipado e formado, poderia ser saraivado de balas pela guerrilha urbana, pelas balas G3 ofertadas pelo Alto-comissário Rosa Coutinho e seus guedelhudos capangas formados no Sarajevo e Praga, oficiais progressistas do M´Puto que queriam virar o mundo do avesso; o nosso mundo! Este passado tão inglório, tão medroso, tão traiçoeiro, foi ficando um sítio demasiado perigoso!

fiat1.jpg Por detrás daquele poder popular estava gente com raivas sem freio, mulatos abandonados pelos pais, brancos sismosos de Che Guevara, vizinhos muito doentes nas filosofias esquizofrénicas e pretos que nem sabiam o que isto era, todos comandados além do Valodia, do Monstro Imortal, do Lúcio Lara, do Iko Carreira e uma parafernália de gentinha má e mesquinha, mal formados, também por militares de aviário formados em quarteis do M´Puto às ordens dum tal de Concelho da Revolução e adjacências…

(Continua…)

O Soba T´Chingange  



PUBLICADO POR kimbolagoa às 12:01
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quarta-feira, 17 de Agosto de 2016
MALAMBAS . CXXXIV

TEMPO DE CINZAS . Muitos houve, que não saíram do lugar onde nasceram e, a morte foi lá buscá-los.  “No cemitério dos brancos”

MALAMBA: É a palavra.

Por

soba15.jpgT´Chingange

selos1.jpg O que me fez lembrar no que andamos aqui a fazer foi ver a abelha ao redor da flor da abóbora chila ou talvez menina, buscando mel; levar à sua rainha, engravida-la de mais vida em conjunto com outras, muitas obreiras. Uma disciplinada forma de se sucederem mesmo, mesmo desconhecendo as saudades, porque se calhar não sentem isso que os humanos sentem, num repente e repentinamente.

selos2.jpg No meio deste lirismo quintaleiro, faço um intervalo aos idos tempos porque o meu passado foi um sítio demasiado perigoso. Por vezes, será bom tornar o tempo distante e mitológico lá aonde a memória se pendurou com gestos, com sabores e cores da buganvília, e também as acácias rubras da minha rua da Maianga da Luua; coisa antiga de um dia mais tarde, sem manhã, nem passado recente.

selos3.jpg Voltei à Luua depois do tundamunjila, uma guerra muito cheia de guerrilhas e, lá estava a minha rua com remendos de chapas de zinco e aduelas de barril de tinto do M´Puto e, tábuas roídas do salalé segurando aquelas com mais tambores achatados na marreta, fazendo parede e muro como fachada frontal. Por de lado havia uma abertura ocupada por uma janela antiga, colonialista, pintada com as cores arranhadas de tiros; tiros de G-três do exército também colonialista.

selos01.jpg Voltei à lua em doismiledois e, lá estavam na minha rua as mesmas acácias, verdes folhas e as flores bonitas dando alegria ao zunir de asas das cigarras encaloradas, tudo como naquele outro tempo que num repentemente perigou! A mulola feita rio seco continuava sem água e muito caco de vidro, muita lata enferrujada, lixo bué mesmo! Fui à Luua sem convite mas, com uma carta de chamada de um amigo do Sumbe, um lugar de outros antigos perigos aonde os brancos morriam com paludismo e outras malazengas.

selos9.jpg Esse lugar perigoso chamava-se de Novo Redondo mais conhecido por “cemitério dos brancos”. Tempos de kaparandanda, nome de um antigo revoltoso filho dum soba que se tornou foragido; aquele tempo ainda estava longínquo dos turras e, os bois faziam de cavalos quando não havia tipóia ou, porque os espinhos eram muitos.

selos8.jpg Andei por ali sem dizer bem nem mal, porque podia ficar pintado de morte e para isso já chegavam as muitas caveiras ao redor das estradas contornando as cubatas dos acantonados da terceira ou quarta guerra de libertação. Demasiadas guerras! A caminho de Benguela via estrada feita picada e antes da Kanjala visitei o cantinho do inferno, lugar alagadiço muito indesejado pelos camioneiros, candongueiros e taxistas da antiga chapa de caixa aberta, magiros, bedford ou chevrollet.

selos7.jpg Aqueles dias de ficção depois destas guerras de medos de doismiledois, sentia que ainda havia muitas fronteiras medrosas, muito capim traiçoeiro, cortante! Vi que junto às velhas Urais russas feias de meter medo aos kandengues, já havia potentes carros “ four by four”, vidros esfumados pertencente a nova gente, que comiam palavras, agressivamente agigantadas.

selos6.jpg As pessoas com tecto de capim pensavam naquele então, que agora sim! Agora vamos melhorar de vida e cadavez mais na mesma já andam cansados de desacreditar. Tudo foi ficando no tardio, atrás de muitas noites. Angola ai-iú-é patrão, num anda mesmo! Isto eu, só podia ouvir e calar! Mas, eu não sou patrão meu! É sim senhor! Todo o branco só é mesmo patrão! ... Assim andei feito patrão de nada nem ninguém; estava no particípio passado do verbo…

selos5.jpg Eu ia fazer mais o quê? É uma terra de pretos aonde não se pode falar preto porque logologo vão falar só átoa: porque é racista, é colonialista, é reaccionário e mais ainda de fascista com edecéteras de mwangolés prepotentes. Isto vai melhorar camarada, dizia eu desconvicto. Falava assim mesmo no catravêz da estória porque o futuro vai-te rir (falas minhas de quase major )… e, ele e eu riamos átoa só por rir mesmo! Num repente, fui promovido a brigadeiro… porque falava assim como um superior oficial…

selos4.jpg Nos meus sentimentos, faço os ajustes de contas com a singularidade de como o vento torna o capim em palha. Não há maior religião do que a verdade! Há dias e dias! Há dias de um irritado pessimismo e outros de tão naturalmente optimistas que como um carneiro jogamos orgulhos contra obstáculos de repetidas coisas. Tomando meu xá caxinde, relembro o restolho das ideias que sempre me lembram: O passado é um sítio muito perigoso.

O Soba T´Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 19:30
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Terça-feira, 16 de Agosto de 2016
MOKANDA DO SOBA . CIII

TEMPOS PARA ESQUECER16.08.2016 - ANGOLA DA LUUA XIII 

NA GUERRA DO TUNDAMUNJILA Nesta lengalenga de lembrarmos coisas mortas, cada homem é um mundo - “Consolidação do poder popular” na Luua…

Por

soba17.jpg T´Chingange

zeka1.jpg (…) Naquele então, eu e minha mulher fomos da Caála a Nova Lisboa assistir a um espectáculo cultural para comemorar o Acordo de Alvor; também andávamos embalados na falsa genuinidade para ouvir o Zeca Afonso e o Rui Mingas no Estádio da Cidade Alta do Huambo (Nova Lisboa). Ao estado psicológico ainda não era mantido o desejo de ir para o M´puto ou outro qualquer lugar! Tinhamos combinado com uns compadres do Lobito que se as coisas piorassem iriamos em caravana para a africa do Sul (Via Namíbia). Eles foram e por lá ficaram tendo agora a nacionalidade Sul-africana.

zeka9.jpg O governo saído do Alvor foi empossado na presença dos três ministros do Colégio presidencial: Lopo do Nascimento pelo MPLA, José N´Dele pela UNITA e Jonny Eduardo pela FNLA. Estes tinham designações semelhantes às do governo do M´Puto. Em Luanda as FAP afanosamente apoiavam o MPLA em campanhas de politização e esclarecimento com o lema de “O povo é quem mais ordena” e outras lérias que ainda pareciam não o ser.

zeka3.jpg Vi estes guedelhudos do PREC mais tarde, talvez Fevereiro ou Março de 1975, dando lições de guerra aos kandengues pioneiros subtraídos às raivas e revelia dos pais. Sem disfarçar rua acima, rua abaixo, marchando por toda a cidade da Caála exibindo estandartes vermelhos e a bandeira do MPLA. Não me contaram, não! Eu vi! Eram jovens “chefes” militantes do PCP muito cheios de revolucionarismo, progressismo e outros ismos, com sotaque do M´Puto, axim-axim, lá seguiam dando ordens de manobras às armas de pau que levavam aos ombros! Esquerda, direita, em frete marche e, atirando pedras no jeito de quem atira granadas.

zeka5.jpg Em outra qualquer altura esta coisa de fingir teatro, seria caricata mas agora, dava para ver sustos próximos. As praças e ruas públicas eram agora os recintos de instrução a crianças de dez anos. Os guedelhudos eram na maioria estudantes brancos do M´Puto que passavam "ad hoc" assim “passagens administrativas” por seu trabalho cívico em angola.

zeka2.jpg Eram umas verdadeiras brigadas vermelhas ao serviço do MPLA. Recorde-se que o PCP controlava o ensino do M´Puto. Após a revolução de Abril e, tomando um exemplo, um desenhador fazendo este serviço num organismo de Estado, saia Arquitecto tendo feito um só ano de Universidade! Quem diz Arquitecto diz outra qualquer profissão! Agora estes, são no M´Puto chefes de Divisão…

:::::

O MPLA fazia também politização popular sob o signo de “Consolidação do poder popular”. O estado psicológico era favorável às greves desenfreadas que sucediam por coisa quase nenhuma nem pretexto validado. Lá teria de ser, arrumar os tarecos, fazer caixotes e largar para a África do Sul, talvez! O MPLA com seus comités de acção reuniam a população junto a grandes armazéns e depois, dizia-lhes: “ Vão gamar”, roubar, capiangar. 

zeka6.jpg Fizeram-no nas necessárias vezes no Mercado de São Paulo, Pérola do Minho, Armazéns Gajageira, Armazéns do Japão e outros: “Povo - levai tudo, tudo e vosso”. E, curioso ou nem tanto, os unimogues das NT (Nossas Tropas - portuguesas) eram usados no transporte do povo insurrecto a partir das Comissões de Bairro; depois saíam dali para sítio mais distante para não serem culpabilizados. Também usavam machimbombos da rede urbana da Luua que mandavam parar tendo queimado alguns por relutância do condutor. 

zeka10.jpg Eu disse sim! Que usavam unimogues do exército português para levarem os populares afectos ao MPLA aos lugares dos roubos. Toda a gente que saiu de Luanda ou que por ali permaneceu depois do 11 de Novembro sabe que isto é verdade. O que aconteceu, embora ninguém fale sobre o assunto; uns querem branquear sua postura e outros, simplesmente não querem relembrar. É tempo de deixar de ensaboar as inverdades e episódios encobertos para não parecer mal aos mwangolés! A canalha dessa altura não merece condescendência. Desde então pouco mudou neste conceito.

zeka11.jpg No dia quatro de Fevereiro o MPLA celebrou em comício, mais um seu aniversário; foi no Campo de São Paulo com a presença do presidente Agostinho Neto. Do discurso deste só saiu desaforos com incentivo às paralisações, aos roubos, aos desacatos e outras aberrantes diabruras, coisa pouco comum de gente que se dizia um poeta de fina extirpe africana, que se pensava ser suficientemente civilizado para dizer coisas pouco dignas! Era o álcool que falava por ele dizia-se, talvez e, ainda droga para se estimular.

zeka12.jpg Nesse mesmo dia do comício com Neto quarenta autocarros, machimbombos das carreiras dos bairros da Luua foram queimados. Foi quase a totalidade da frota e, que originou a paralisação da Capital no transporte de pessoas para seus trabalhos. Luanda definhava a olhos vistos!  Foi um soma e segue sem qualquer controlo por parte das autoridades legitimadas pelo Acordo o Alvor a que eu chamarei acordo de tuji! E, houve muitas mortes, principalmente de gente de fala Umbundo, naturais do Sul aonde eu me encontrava. Ainda hoje me parece impossível haver alguém a defender estes pulhas…

:::::

Não vale a pena fazer uma descrição refinada dos muitos acontecimentos, prisões arbitrárias, das mortes, dos raptos e violações, porque só dar uma genérica visão revolta o mais sonso dos mortais. Os Comités de Bairro da Luua, gente do MPLA, ameaçavam escorraçar os “fenelas” de suas sedes e, também os da UNITA que sempre procuravam manter-se fora das situações, das muitas makas. Por este tempo os Movimentos disputavam entre si os quarteis abandonados pela FAP.

zeka7.jpg Havia constantes fricções, sitiavam-se mas, em verdade, as melhores instalações já tinham sido entregues ao MPLA, aos seus pioneiros fardados às pressas, gente vinda dos comités de bairro, gente sem qualquer preparação militar; rufias em verdade! Em meados de Fevereiro de 1975 a ELNA da FNLA seriam uns 11500 homens tendo no Zaire mais uns 6000. O MPLA tinha 13000 homens, a maior parte sem qualquer formação militar; A UNITA tinha 20000 estando 13000 destes em formação.

:::::

Havia ainda a revolta do leste com 2000 efectivos bivacados no Moxico. Até aqui a UITA tinha-se mantido prudente de espírito conciliatória sem interferência nas altercações e com uma grande adesão por todo o sul de Angola mas depressa a intoxicação chegou a estes. Como que por simpatia as atitudes do MPLA e FNLA passaram a ser copiadas em actos provocatórios a cidadãos especialmente brancos e gente dedicada à superstição, bruxos e afins.

zeça14.jpg E as ameaças, insultos, agressões e intimidação com detenções ilegais e entrada abusiva em residências e comércios do mato registando-se saques e utilização injustificada de armas de fogo! Tudo isto se veio a verificar. A 12 e 13 de Fevereiro de 1975, Neto exortou os seus apoiantes a radicarem a revolta do leste sediada m Luanda. Nessas noites o “poder popular” com as FAPLA atacaram cinco instalações da Revolta de Chipenda e, foi com tudo: utilizaram granadas, metralhadoras ligeiras e lança-granadas. Sucedeu na Avenida do Brasil, Rua Rei D. Dinis e Casa Branca.

zeka15.jpg Foram os Dragões das NF que lhe deram a protecção necessária em sua retirada. Estava acabada a revolta de Chipenda na Luua! Houve cinco mortes do lado de Chipenda e quinze do MPLA; entre estes confirmava-se a morte de Valódia, o comandante responsável pelo cerco às sedes de Chipenda; o balanço foi de vinte mortes e bastantes feridos. Valódia de nome Joaquim Domingos Augusto, formado pela academia militar de Sarajevo e pertencente à coluna Cienfuegos, teve o seu funeral a 15 de Fevereiro de 1975.

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 10:43
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quinta-feira, 11 de Agosto de 2016
MOKANDA DO SOBA . CI

TEMPOS PARA ESQUECER10.08.2016 - ANGOLA DA LUUA XI . NA GUERRA DO TUNDAMUNJILA… Nesta lengalenga de lembrarmos coisas mortas, cada homem é um mundo. Na ausência de estadistas, houve demasiados traidores…

Por

t´chingange 0.jpg T´Chingange

sacag3.jpg (…) Os angolanos (entenda-se por pretos), passaram a ter direito a todos os terrenos, casas, fábricas, explorações industriais e comerciais, explorações agrícolas outros imoveis por constituírem o seu «legítimo património», os quais deixariam de pertencer aos antigos proprietários. Savimbi levantou a questão de que referir “interesses legítimos“ desta forma provocaria a debandada dos portugueses, afirmando não ser isso do interesse para Angola.

:::::

Note-se o facto de se ter chamado aqui à atenção aos portugueses na falta de trato aos seus concidadãos e afirmou por último: «A expressão é tão dúbia que não restringe, nem exclui o vosso espírito de justiça! Porque ao dizer-se genericamente que todos os que espoliaram terras têm de se ir embora, isto vai provocar o êxodo. Em legítimo, cabe tudo!».

toledo20.jpg Tinha razão no que afirmava; nem os angolanos pareciam convencidos de tanta bondade portuguesa. Por via disto introduziram em um novo memorando com o factor de persuasão: “Portugal queria ajudar o novo Estado angolano a recuperar o que era seu de direito. Da parte portuguesa foi dito que a interpretação das palavras poderiam ser boas ou más. Enfaticamente a parte negocial portuguesa rematou no final: «façam como quiserem» ”

:::::

Isto, simplesmente é inconcebível vindo da parte negocial de quem deveria salvaguardar a mínima decência! Isto permitia dizer aos angolanos que os bens dos brancos passariam a ser deles e aos portugueses de Angola eram desta forma assegurados com um simples “legítimos interesses”. Isto foi o assegurado no Alvor em meados de janeiro de 1975. Almeida Santos remataria: “O que está no nosso espírito corresponde àquilo que está no vosso”. Era o Adeus a Angola! Nada a fazer! … Eram estes os nossos defensores.

roxo46.jpg Melo Antunes ainda acrescentou ao já dito: “ No fundo, quem define o critério e legitimidade, são os Movimentos de libertação”.  Coisa mais nojenta do que ambígua para quem negociava uma partilha de poder, tendo o poder (entenda-se como revolucionário). E, estes periclitantes documentos ficaram em adendas com o carimbo de “SECRETO”; por isso não foram lidos em Alvor! Assim combinaram previamente, diga-se. Almeida Santos referiu aos demais: “Se vamos ler e dar a conhecer isto, toda a gente começa a fugir daquela Angola para fora”.

:::::

Isto dito, em nada perturbou a delegação portuguesa e os únicos que mostraram certa perplexidade e indignação foi a delegação da UNITA! Este não era o seu propósito, referiam entre si! Agostinho Neto estava simplesmente exultante de contentamento. Grande pandilha (leia-se portuguesa)! Se os Movimentos não estavam obrigados a ser clementes com os que tinham feito parte das estruturas coloniais, todos os que de algum modo tinham estado a elas ligados, poderiam ser presos ou mortos (o que veio a acontecer).

rosa0.jpg Cada Movimento, discricionariamente decidiria os casos merecedores de indulgência e, os que simplesmente acabariam em julgamentos sumários por tribunais populares ou esquecidos nos calabouços das prisões. Inaudito da parte portuguesa! Uma entrega incondicional de cidadãos pátrios, da metrópole, da terra Lusa; era mesmo o fim de tudo! Inimaginável e revoltante. O Acordo de Alvor, não era afinal mais do que a confirmação do protocolo de Mombaça, que traduzia o que os líderes dos três Movimentos tinham concertado no Quénia.

:::::

Em suma: Os portugueses foram vencidos à mesa das negociações! No Alvor só fizeram mesmo um ajustamento a ser lido na sessão final de assinaturas (leia-se assassinaturas), remetendo algumas adendas para a pasta de “SECRETO” que só ficariam conhecidas pelos intervenientes (futuros carrascos). O papel dos negociadores nacionais (leia-se Portugal), foi tão irrisório que foi, pode dizer-se uma operação de chancelaria, limitando-se a só corrigir os erros da ortografia, língua Lusa. Melhor seria terem falado por assobios para assim pedirem isenção de culpa devido ao tom.

melo1.jpgmelo2.jpg

Os líderes dos Movimentos ficaram bem admirados de tanto descaso da parte portuguesa afirmando empolgados: “Eles querem ver-se livres de nós”. Eu, não estou a inventar mas sinceramente, tudo parece ser uma mentira. Foi assim mesmo e, é deprimente recordar tamanhas incompetências que vieram a ser considerados como os altos valores pátrios. Agostinho Neto diria posteriormente na Casa de Angola «Os portugueses já roubaram tanto que quase já não há mais nada para roubar».

:::::

Neto, até lembrou que os técnicos dos laboratórios de engenharia da Luua estavam a encaixotar o material de Angola para trazerem para a sua terrinha. E, conclui nesse então: “Estão a saquear a nossa terra”. E não é que, o maluco primeiro-ministro Vasco Gonçalves o engrandeceu com palavras de boa catadura!? Tristes dias, aqueles!  A maioria dos africanos (leia-se negros) não desejava a saída dos antigos colonos (frisavam bem sempre esta condição quando o caso metia brancos).

melo3.jpg Os negros, não desejavam a saída dos brancos mas julgava-se ser difícil evitá-lo revoltando-se pouco convictos que os três Movimentos Armados fossem capazes de superar definitivamente as suas diferenças. Os militares portugueses é que estavam particularmente satisfeitos e até orgulhosos pelo trabalho feito por Rosa Coutinho. O Alvor-Penina foi efectivamente «uma caldeirada à portuguesa». Um jogo viciado viria a dizer mais tarde Mário Soares, um cidadão que julgava ter podido fazer melhor que todos os outos mas, de quem dele nada se viu de bom (tarde piou).

:::::

Savimbi fez nesse então uma leitura acertada: As forças Gonçalvistas sempre pretenderam entregar o poder exclusivamente ao MPLA. Introduzido a martelo na própria Cimeira de Alvor, o vendilhão vermelho Rosa Coutinho movia-se nos corredores meio disfarçado cheiretando e manobrando questões de última hora! A UNITA e a FNLA tinham dito peremptoriamente que não queriam lá esta figura mas em surdina, conseguiram truncar esta postura. El estava ali para dar o seu suspiro aos esquerdistas do MPLA.

melo4.jpg Mas, que cambada esta que actuou no Portugal amolecido na apatia, entorpecendo o povo com inverdades, suas sábias lérias analgésicas anestesiando as gentes. Técnicas avançadas no trato da sociedade. A descolonização acabou por ser aquilo que o MFA associado aos revolucionários do PCP queria que o fosse e, tendo os interesses dos portugueses que viviam em Angola sido totalmente ignorados. Houve um excesso de voluntarismo acomodado ao desleixo e, que levou os interesses nacionais a serem destratados…

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 20:59
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Segunda-feira, 8 de Agosto de 2016
MOKANDA DO SOBA . C

TEMPOS PARA ESQUECER08.08.2016 - ANGOLA DA LUUA X . NA GUERRA DO TUNDAMUNJILA. … Nesta lengalenga de lembrarmos coisas mortas, cada homem é um mundo. Foram demasiados traidores…

Por

t´chingange 0.jpg T´Chingange

valentina3.jpg (…) Portugal, simplesmente se subjugou ao preceito da descolonização do MPLA de Neto! Quando se tomaram medidas para alterar o que estava mal, já era tarde demais! Rosa Coutinho sabia que isto iria acontecer e deixou tudo encaminhado por forma a fortalecer o inexistente MPLA de Agostinho Neto! Rosa Coutinho deveria simbolizar para Angola do MPLA a estátua da liberdade com um tamanho triplo da que se observa nos Estados Unidos da América.

:::::

E, Neto disse isto mesmo aos emissários de Fidel de Castro: «Que não tencionava repartir o poder com os outros Movimentos nem conceder-lhe qualquer condução de áreas estratégicas». Todos se moviam em falsidade! Ouvia-se falácias atrás de falácias fazendo de nós, uns tristes coitados. Um nojo!... O Governo de Coligação saído do Acordo do Alvor viria a ser uma utópica armadilha, assim muito cheia de fios entrelaçados que a todos amarrava; até a eles, os fazedores das leis.

ÁFRICA1.jpg A maioria das mortes em Luanda saía dos canos das G3 e outras armas e também granadas dadas ou desviadas para o MPLA! Era o projecto dum movimento que só o era em ficção mas, que trabalhou o ódio na perfeição da “Victória ou Morte”. A Luua tornou-se a terra da maka, da confusão generalizada com os grupos de bandoleiros saídos dos comités populares, de bairro e outros que só mesmo Lúcio Lara saberá!

:::::

Os mulatos encostaram-se aos pretos, os pretos que pertenciam à nomenclatura faziam seu jogo de inverdades e os pretos lá nos musseques morriam como tordos debaixo de chapas de zinco ou capim! Os brancos sem saber a quem recorrer moviam-se que nem salalé tresmalhados de medo; outros diziam-se progressistas a toda a prova! Eles andam por aqui e por ali lavando a imagem! A guerra do Tundamunjila estava aí! E, era isto mesmo que interessava passar à grande parte de gente, que por nada queria abandonar Angola! Mas, foi sem nada que tiveram de sair, revistados e revirados do avesso.

ÁFRICA0.jpg Lúcio Lara era um dos principais instigadores dos bandos armados juntamente com Iko Carreira entre outros. Os novos governantes portuguese aliados aos novos oficiais de aviário, desejando ser merecedores de créditos para com o resto do Mundo e países de África afirmavam com frequência: - “A transição vai ser feita sem nada se exigir em troca, nem dela retirar sequer um alfinete”. Esta operação de charme foi a visão real de tudo. Nós nem eramos assim importantes como um alfinete! Que poderíamos deduzir destas palavras proferidas por gente que dizia representar-nos?

:::::

Àquela operação de charme, eu diria de merda…! Tudo orquestrado à revelia dos nossos interesses e dos da pátria; e, tudo muito suavemente ou virulentamente aceite pela maioria dos portugueses do M´Puto! Não me cansarei de dizer isto porque é a verdade que sinto, embora incomode muita gente que só agora se diz ter sido enganada! Será!? Uma vergonha sem perdão nem ponto final porque ainda falta muita cuspidela num texto nunca acabado. Já nem interessa fazer-se justiça porque a fzer-se, vai sendo acomodada e demasiado tardia!

luua24.jpgNeto era tão paranóico que só debaixo de gotas ébrias, bêbado se quiserem, dizia algo com agrado e, sempre ficava subjacente em sua aparente preocupação a recear um potencial rival. Estava demasiado ansioso para ser o líder do MPLA, líder da Luua e o presidente de Angola. No dia 26 de Julho de 1974, três meses e um dia após o 25 de Abril, um dia depois da chegada de Rosa Coutinho a Luanda, Neto enviou uma delegação do MPLA a Cuba solicitando a Fidel ajuda económica, treino militar e armas.

:::::

Nesta fase de tempo, Rosa Coutinho diria que os brancos ultra-revolucionários não seriam perigo na marcha idealizada por ele para a independência, afirmava que estes, nem consciência politica tinham para actuar! Que não estavam politizados e apenas queriam continuar em Angola afirmando: “ Os brancos não têm uma ideia concreta do que querem a não ser a segurança das pessoas e seus bens”. Terão de optar pelo Movimento que melhor assegure a sua protecção se os deixarem optar por essa via! E ele, sinceramente, não estava errado naquelas afirmações mas, fez de tudo para provocar a debandada.

nito3.jpg O Embaixador Russo em Dar-es-Salam diria por alturas do Natal de 1974 que «O MPLA não se deve considerar um partido de vanguarda, nem sequer um partido mas antes, uma coligação de sindicalistas, intelectuais e afins progressistas, assimilados ou cristãos de largos segmentos da burguesia luandina» e que tinham os militares portugueses como seus parceiros! Estavam longe da realidade por via de ela andar estonteantemente rápida!

:::::

Pode dizer-se que ainda nem sequer a tinta gasta em subscrever o Acordo de Alvor tinha secado e, já os conflitos eram evidentes em dissidências e confrontações armadas um pouco por todo o território angolano. O acordo de Alvor que viria a ser assinado na Penina pelos três representantes dos Movimentos e Portugal era um documento incongruente devido sobretudo à celeridade da sua feitura. A parte Angolana apresentava um texto mal elaborado e incompleto que suscitava logo à partida a sua exequibilidade mas, a pressa era tanta que superava o demasiado grande!

chipenda.jpg Este texto só por si era um atestado público de incompetência. Aos brancos formam simplesmente postos de lado com a anuência de Mário Soares, Almeida Santos, Melo Antunes e os militares mandatários do MFA, diga-se, todos exímios revolucionários de cartilha vermelhusca práfrentistas. Os brancos não iriam ter qualquer garantia de direito à nacionalidade. Não houve nem sondagem, nem referendo a dar força legal a esta postura. Uma negligente e confrangedora atitude por parte de gente que viria a estar no topo da hierarquia do M´Puto. Aliás, recomendaram às partes manter este capítulo em pasta “secreta”.

:::::

Um bando de incompetentes de alto coturno! Isto não ficou salvaguardado no acordo de Alvor! Foi elaborada uma proposta chamada de Lei Fundamental elaborada em Maio de 1975, seu artigo 9º que estipulava serem angolanos todos os nascidos em Angola e, os não naturais, filhos de mãe e pai angolanos. Isto que foi elaborado só por angolanos, veio a vigorar só até 2014!

neto0.jpg Dos três partidos MPLA, FNLA e UNITA, só este último apresentou a versão de que eram angolanos os que vivessem em Angola há pelo menos cinco anos ou há mais de três anos se tivessem filhos nascidos em solo angolano e os cônjuges, se residissem há um ano no território. Os negociadores portugueses recusaram-se a dar firmeza ao conceito de nacionalidade remetendo isto para os movimentos apos formarem um governo de transição! Mas que filhos da mãe, renegarem seus próprios irmãos e, meterem-nos a propósito numa pocilga de conceitos e preconceitos. A coisa não estava preta… era de pretos! Enfim!...

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 19:56
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quinta-feira, 4 de Agosto de 2016
CAFUFUTILA . CXVI

NAS FRINCHA DO TEMPO – KIANDA COM ONGWEVA  - 11ª de várias partes…

AS TÁGIDES DE TOLEDOO encontro com Zachaf Pigafetta Roxo, a kianda tetravó de Roxo e Oxor.

Ongweva é saudade

Por

t´chingange 0.jpgT´Chingange

lagar2.jpg Com a sensação de começar a penetrar na minha própria inconsciência, enrolando dedos e retesando músculos, cruzei o bairro mouro Albayzin bem cedo; de forma aleatória como um senhor dos caminhos minkisi cruzei ruelas estreitas com aromas de churros; podia ver do outro lado as muralhas e torres de Alhambra envoltas em um manto de verdura. O rio Darro corria na depressão à semelhança dos meus pensamentos que rolavam entre mulheres gitanas, guapas bailando o flamengo em companhia de Aladino e N´si, o guardião negro da terra.

::::::

Januário Pieter, a kianda itinerante da Globália, natural de Cabo Ledo, sítio distante da kalunga ali estava olhando com ar patético, angústias feitas estátuas que só ele sabia decifrar. O Pambu N´jila, ponto de encontro era ali, vendo o cenário das antigas muralhas mouras. Porque era ali que aqueles espaços físicos e místicos se juntavam. Espaços simbis com gente de suko ou alucinados como eu!

::::: 

Depois de um grande abraço com os comprimentos habituais, afagando seu muito velho esqueleto, deslizando minhas mãos naquele piano de costelas salientes, lá fomos até a la "Calle Bodegoncillo". Já um pouco encalorado num desce e sobe, entramos ambos em "El Pátio Riconcillo" e, buscamos acento apropriado; o lugar era arejado dando para la "Plaza Nueva" podendo ver mais acima la "Plaza de Santa Ana".

ciga6.jpg As paredes estavam cobertas de cartazes anunciando espaços de "Flamenco" de cores amarelecidas com datas ultrapassadas de eventos tauromáquicos; bestas de bois cornudos e esbeltos toureiros enfiados em apertados fatos vistosos de lantejoulas zurzindo farpas ou bandarilhas coloridas; estavam encaixilhados em madeira sarapintada de minúsculos furos de térmitas, resquícios das pestes de Guernica.

::::

Surgiu num repentemente uma estranha figura de mustafá carregado de espanta espíritos, um homem de olho azul, talvez tuaregue a vender ternuras na forma de raminhos de alecrim e farrapos enternecidos de recordações. Uma figura muito parecida com aqueles aguadeiros da praça Jemaa el-fnaa de Marraquexe. Fiquei na dúvida se não seria aquela uma miragem e, sem ninguém se aperceber belisquei-me e, era eu mesmo a ver a miragem verdadeira.

:::::

Está na hora de me apresentares Zachaf Pigafetta Roxo disse eu neste entretanto do pré antes do ressurgimento de tal figura, assim um misto de Aladino vestido com um matrafona de capulana e panos de Mobutu, esfinge misturada com mugabe e mandela meio imperceptíveis na confusão de sombras feiticeiras. Mais admirado fiquei quando Januário a Kianda o mandou sentar, o mustafá; Afinal não era ele, era ela, uma mulher radiante de beleza, assim estonteante que se ondulava em imagem, ora era, ora não era nem deixava de o ser, quasequase um holograma falante.

luis32.jpg Era agradável estar ali confraternizando com o passado que, nem sempre foi risonho mas quando Pieter me disse apontando afigura: Apresento-te essa kianda que tanto queres ver Zachaf Pigafetta Roxo…. Eu dei um pulo no meu desassombro, larguei os poemas de Garcia Lorca referentes à guerra de 1937 a 1939 com quadros dantescos no bombardeamento de Guernica e devo ter dado um grito espantado porque num repentemente, todos olhavam a nossa mesa! Melhor…minha mesa!

:::::

Pedi um “café solo” e una tortilha de “manzana” ao empregado que se aproximou depois de oferecer o que quer que fosse aos meus dois parceiros; parceiros que parece que mais ninguém via, só eu! Seria desajustado pedir mais que uma coisa quando afinal eles só me viam a mim! A sala espaçosa estava recheada de quadros sobre esses acontecidos passados como uma galeria de horrores de Granada. Neste recanto em uma cadeira em madeira talhada com motivos da terra, envolto em atrocidades de uma disputa civil entre Nacionalistas de Franco e Republicanos, o instinto perfurou-me de medo. 

:::::

Sentia-se desprender da tela o odor fétido da morte. Meu olhar não se desprendia dos corpos desmembrados em destroços retorcidos, gente e animais espalhados pelos campos; um treino de preparação à grande guerra que viria a acontecer em 1940, Alemães ajudando Franco a tomar o poder. Mas, e agora, tinha de dar a máxima atenção àquela figura tão ansiosamente esperada; aquela kianda tão aguardada e, que me deu um “Buenos Dias” vibrados de suavidade longínqua. Juro que meu corpo abanou do cocuruto às unhas carunchosas como uma folha-de-flandres feita espinha ou coluna…

luis33.jpg Entre o desejo de saber a verdade e o pavor que lhe tinha, zuniam na minha cabeça legionários às ordens de Franco gritando “viva la muerte” mutilando o meu medo envidraçado de repugnância a todas as guerras. Foi neste então de pensamento e depois de agradecer com “um muito prazer”, consegui balbuciar de mansinho: Estou muito grato por a conhecer, ando ansioso em saber depois de tantos imprecisos episódios e se efectivamente, você é quem é, a tetravó de Assunção Roxo? A kianda fez um ligeiro pestanejar reluzindo comoção, quasequase como um vaga-lume comovido de pirilampo outonal em noite de lua cheia…

:::::

O espanto maior estava por chegar! És tu, o T´Chingange que socorreu minha trineta lá na praia do Guaxuma do Brasil, assim e assado com todos os pormenores de barbatana mais o Zé Peixe num lugar mais a sul de Sergipe, assim com mais edecéteras e virgulas e, curiosamente com um profundo conhecimento de mangues e siris de Aracaju e mais coisas que nem o Mandacaru por certo saberia. Espantado disse-lhe que sim! Era eu inteirinho da Costa, nascido e desfalecido num vapor chamado Niassa.

::::

Ainda não refeito do espanto comecei a fazer-lhe uma série de perguntas como essa do seu nome ser conhecido hoje como sendo o lago Nyassa e também se ela sabia do desenrolar de toda a estória que nos apanhou em vida numa terra de nome N´Gola e, foram muitas as perguntas e interjeições com muxoxos de parte a parte! Vamos pôr um ponto nos is! Assim, de rompante!

guerri1.jpgCom o tempo dir-te-ei o que houver para dizer mas não permito que graves nada do que te irei dizer porque não quero de forma alguma alterar o rumo da verdade! O rumo do vosso futuro! Okei disse eu. Okei, rematou ela também como dando por terminada a sessão do dia! Perfeito, vamos aguardar! Disse eu… e assim ficamos naquele dia estival … Sabes! Esta vai ser uma longa estória, disse ele, ou ela… Vou tentar conciliar o sono com o sonho e destringir no tempo, este espaço de fumarada… 

:::::

Glossário:

Pambu N´jila: - Agente de ligação entre o espaço físico e o místico; lugar de veneração ou peregrinação; Lugar predilecto; kalunga: - espírito forte, divindade ou espírito das águas, iemanjá, mar, água no geral; Kamundongo: camundongo, natural de Luanda

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 19:17
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Terça-feira, 2 de Agosto de 2016
MOKANDA DO SOBA . XCIX

TEMPOS PARA ESQUECER 02.08.2016 - ANGOLA DA LUUA IX . NA GUERRA DO TUNDAMUNJILA. Nesta lengalenga de lembrarmos coisas mortas, cada homem é um mundo.

Por

t´chingange 0.jpg T´Chingange

kianda05.jpg (…) Cada um de nós tem uma lenda! A minha foi preterida por ser o que ainda estava para ser, uma inventação lançada para fugir às realidades da Luua. Para encobrir eventos desonrosos, coisas sem heroicidade, um quarto de hora antes da meia-noite do dia 11 de Novembro de 1975, minha nação, meu barco, levantou âncoras ao largo da Luua. A bandeira do M´Puto era embrulhada num baú dum velho carcamano de colono aonde tiveram de caber todas as ilusões.

:::::

Foi assim que me tornei Niassalês. A bandeira verde-vermelha, tornada num trapo vulgar, estava condenada a criar bolor. Minha nação Niassa fez-se ao alto mar vendo-se de longe os festejos celebrando de forma dantesca o nascimento dum país. Eram tiros e rajadas a fingir de fogo-de-artifício. Já nove meses antes o Sandokam, o Sabata e o Amargoso percorriam Luanda disparando e lançando granadas a eito, matando gratuitamente quem aleatoriamente lhes surgisse no encalço. Estes chefes de grupos populares curiosamente usavam armas oferecidas pelo exército português.

NAMBUANGONGO.jpg Fazia parte da estratégia, no lançar medo, disparar contra montras, estilhaçar as mioleiras ordeiras. Que se saiba nunca foram apanhados pelas NF (Nossa Forças) e, quando isto se verificou ocasionalmente fez baixas nas NF que já não se sabia bem, se o eram. Tudo causado para provocar o pânico, travar a sociedade e espantar os brancos. E a fuga do tundamunjila fazia-se notar no Prenda, Catambor, Cazenga, Bairros Populares, Cuca, Viana, Corimba, Terra Nova, Caputo, Mulemba e, em verdade de todos os bairros periféricos da Luua.  

:::::

Logo a partir de Junho de 1974, começaram a ser infiltradas armas e munições nos musseques de Luanda. Era o Poder Popular a nascer com suas células, fanáticos de Lúcio Lara e Neto, capitães do mato às ordens de Nito Alves e Valódia dos grupos Hoji-ya-Henda; estas armas eram indiscriminadamente entregues a pessoas que as não sabiam manejar. As vítimas eram um pouco de tudo o que pudesse servir de alvo, raivas grandes e pequenas com negros, brancos e verdianos. As mortes foram tão abundantes, ao ponto de a casa mortuária já não ter mais espaço; alguns corpos surgiam mutilados, queimados, desfigurados.

brig4.jpg Neto, líder do MPLA afirmava que os portugueses não deveriam ser designados como comunidade branca por não constituírem um grupo coeso, nem terem direitos especiais na realidade pós-colonial. Seu parceiro Rosa Coutinho corroborou em tal posição afirmando: “Os brancos se quiserem ser ouvidos, filiem-se num dos movimentos”. Estas afirmações de Neto estavam bem perto da realidade porque os Tugas tinham como desporto ir à praia, ir ao cinema, ir à pesca à Barra do Quanza, fazer umas farras de quintal ao fim de semana para noivar a filha e, poucos eram os verdadeiramente politizados. Uns ingénuos!

:::::

Foi mais ou menos isto que aconteceu! Os brancos filiaram-se em um, dois e até três movimentos porque pelo sim pelo não tinham de garantir alguma segurança pelo controlo familiar pois estes pseudomilitares viriam a praticar isso, dai em diante. A caminho do sul ou do norte nas barragens diferenciadas apresentava-se o cartão do militar que surgia a controlar; o camarada recebia uns cigarros, mandava seguir na boa.

paiva4.jpg Mais à frente o irmão mandava parar e com o cartão o mano mandava prosseguir; com os fnelas era igual. Estes para mostrarem sua diferença faziam continência com bater de pés e mandavam seguir desejando uma boa viagem… Havia sempre uns cigarros francês mata ratos, ou Negrita e mesmo caricocos a dar aos zelosos controladores de tráfico e traficantes. Era a gasosa a ser instituída no meio da Luua e arrabaldes; depois generalizou-se juntando uns kumbús de dinheiro macaco: “escudos angolares”.  

:::::

Era já o medo a dominar as emoções, uma técnica persuasiva que entra no subconsciente e, por via de inseguras leis que sempre descumpridas ou alteradas, faziam do MFA uma instituição desajeitada, sem respeito ou credibilidade. Portugal já não era confiável; isto tornou-se uma infeliz realidade que viria a deixar sequelas para todo o sempre. Passados que são mais de 42 anos sinto um certo orgulho por sempre me dizer ser Niassalês e, porque foi o último vapor a abandonar a minha terra, o meu país de ilusão e, que agora, já nem sucata o é. Continuo Niassalês, uma inventação que me tranquiliza.

miss6.jpg Logo à partida, Melo Antunes aceitou que os brancos de Angola não tinham concessão à nacionalidade Angolana; que apenas os nascidos ali, teriam essa prorrogativa! Mas, até aqui, isto lhes foi tirado com o correr do tempo. Os maiores desaforos vinham exactamente dos máximos responsáveis Lusos! Tudo rolha de má cortiça! Savimbi foi o único que retaliou esta medida e, disse querer um período mais alargado para a data da Independência. Portugal, simplesmente se subjugou ao preceito de descolonização do MPLA de Neto.

:::::

E Agostinho Neto disse isto mesmo aos emissários de Fidel de Castro; que não tencionava repartir o poder com outros movimentos nem conceder-lhes condução de áreas estratégicas e os brancos, estavam ali a mais. Todos se moveram em falsidades e o Governo de Coligação de Angola por via do acordo da Penina, viria a ser uma utópica armadilha. Nada mais do que isto!

funa0.jpg Voltaremos aqui mas, entretanto as mortes registadas em Luanda resultavam de tiros disparados por armas do exército português. Isto era demasiado preocupante; era uma traição que ninguém compreendia, ninguém queria aceitar por inaudita. No interior dos Bairros periféricos, suburbanos da Luua haviam já milhares de armas de repetição que, tal como já foi dito faziam baixas nas próprias forças armadas designadas de Nossas Forças…Eram tempos de Rambos matando pokémons, usando a linguagem hodierna…

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 14:42
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Domingo, 31 de Julho de 2016
MOKANDA DO SOBA . XCVIII

TEMPOS PARA ESQUECER - 29.07.2016 - ANGOLA DA LUUA VIII . NA GUERRA DO TUNDAMUNJILA. … Nesta lengalenga de lembrarmos coisas mortas, cada homem é um mundo - (haverá um ou outro que ainda pensa ser um SOL).

Por

t´chingange 0.jpgT´Chingange

zedu4.jpg (…) Em Angola nada mais havia em como e a quem se acudir. Era irreversível, haveria que fazer caixotes e enviar para qualquer outro lado da terra aqueles pecúlios! O M´puto, definitivamente, estava a abandonar seus cidadãos. Durante uns largos meses só se ouviam marteladas pelos quintais da Luua a pregar baús, tábuas e ripas de mobílias a arrumar o espólio de uma vida, alguns álbuns de fotos e pouco mais. Actualizar o passaporte e ir para um qualquer destino ao desvario, arrumar o resto de suas vidas! Dói muito ter de rever tudo isto com o cérebro inchado de traição com comportamentos de impunidade, um genocídio.

:::::

Os veículos em circulação normal eram apedrejados, os outros, já em fuga para o Sul, Leste ou Oeste e outros até sem qualquer rumo de pontos cardeais, formando comboios como formigas quiçonde, eram interpelados em barreiras por grupos armados; exigiam aos ocupantes dinheiro, cerveja, cigarros e, muitas das vezes só pretendiam mesmo roubar, Agostinho Neto atiçava o povo a maliciar-se, formar quadrilhas do tipo comité de bairros e células de guarda para assim procederem. Passados que são mais de quarenta anos, amigos próximos desmentem-se em defesa daqueles que achavam ser sua protecção, o MPLA. Eles agora têm vergonha de terem acreditado em gente desclassificada e roem a corda da consciência!

zem2.jpg Muitos nem se lembram de nada, dizem! Outros desculpam-se agora, mas sempre que lhes dão uma aberta dizem inverdades para se convencerem! Eu tolero mas não esqueço porque uso isso de compaixão compactada, amarfanhada, coisa que não é muito elaborada em gente que sempre se desmente! É bem uma habitual forma de que todos os dias assistimos em gente amiga, até familiares, para se desvanecerem de culpas; assim como uma autolavagem nos procedimentos passados! E o bom censo diz-nos que devemos relevar porque deus é grande.

:::::

Aquelas barragens nas estradas feitas pelos movimentos, falando às claras, eram para vilipendiar, humilhar o branco e roubar tudo o que houvesse em seu interior. A contestação ao rumo que Rosa Coutinho estava a impor à descolonização de Angola não termina em Outubro de 1974; de forma falaciosa e pensada, surgiam como cortina de fumo a esconder as verdadeiras intenções, outros grupelhos, movimentos ditos cívicos, inventados para aparentar entendimento com o MPLA de Agostinho Neto.

valentina5.jpg A junta da CCPA, Coordenadora do Programa do MFA para Angola, era em verdade o cérebro de todas as falácias, mentiras e afins e, a seu mando foram mobilizados cidadãos para fazerem raptos ao estilo da Gestapo. Os bandoleiros que praticavam estes actos tinham gente do PREC no comando. Tudo era feito no engano e, sempre os militares que deveriam actuar, nunca eram suficientes para enfrentar estes nos desacatos fabricados, cisa pensada nas células daquela junta do Almirante Vermelho.

:::::

E, note-se que nem os próprios lideres dos movimentos da FNLA e da UNITA, representativos do povo, como se fazia crer, eram conhecedores da tramóia. No encontro de NF (Nossas Forças… supostamente FAP) com Savimbi em Cangumbe, na assinatura do cessar-fogo, para término das hostilidades, Savimbi, reafirmou que a coexistência entre os três movimentos, seria incompatível com a transferência imediata da soberania.

zem4.jpg Que o período de transição deveria ser de três a cinco anos. Este era o guerrilheiro que via mais longe mas, não descortinou a armadilha e, até mesmo alguns dos interlocutores das NF do FAP, deste encontro militar, a saber Silva Cardoso, Ferreira de Macedo e Altino de Magalhães, Pezarat Correia entre outros, não sabiam que estavam simplesmente a serem uns joguetes laranjas para da cara de veracidade ao processo! Alguns destes, os mais verticais, disseram mais tarde terem sido manipulados.

:::::

Tudo, não passou de uma deslavada traição; encostar estes cérebros do acto ao paredão da Justiça deveria ser exigido porque daqui resultou um genocídio claro e premeditado; qualquer desculpa sairá sempre esfarrapada. A bandeira dos generais de aviário era outra e decerto que tinha muitas caveiras cruzada. O tempo confirmou isto! Não queiram lavar isto com produtos que tudo ficará mais tóxico. Mas, ao invés de tudo o dito, os credenciados das NF foram condecorados, enaltecidos pela imprensa, pelo povo do M´Puto; triste farsa! Mas que meda de descolonização!   

zé peixe9.jpg Em Cabinda o processo foi ainda mais rápido. Em finais de Outubro de 1974, o Almirante Vermelho Rosa Coutinho disse: “houve a tomada do poder em Cabinda por elementos das FAP aliados ao MPLA, destituindo e fazendo prisioneiros o governador Themudo Barata e o Capitão do Porto de Cabinda”. O Comando do Sector Militar foi “revolucionariamente” assumido pelo Tenente Coronel Oliveira, Comandante do Batalhão do Belize. Este simplesmente informaria que o Estado-Maior e o Brigadeiro Themudo Barata tinham sido depostos do Comando por “ vontade dos sublevados do Belize”. koméquié !? (palavra revolucionariamente inventada nesta agora por mim!) …

::::: 

Estes, eram não mais que os efectivos do Exército, das NF, exército metropolitano (do M´Puto), ocupando posições chaves, pontos estratégicos de cabinda com uns quantos militares do MPLA. Tudo isto para contrariar N´Zita que julgava ter “carta-branca” do governador Brigadeiro Themudo, a fim de formar um exército com as Tropas Especiais (TêÉs).Em 29 e 30 de Agosto já tinham entrado em Cabinda 200 elementos do MPLA para “conquistar Cabinda, desactivar o tal exército (FLEC) de N´Zita e instalar ali no interior o seu Estado-Maior. Tudo isto foi urdido desactivando o embrião da FLEC.

silva2.jpg Em finais de Outubro as FAPLA do MPLA, sitiavam a cidade de Cabinda. Note-se que aqueles 200 elementos chegados ao enclave foram municiados, fardados e alimentados no bivaque do Dinge, com a supervisão e ajuda das NF das FAP. Isto foi afirmado e está algures escrito por Manuel Figueiras um capitão Comandante da Companha daquele povoado do Dinge.

soci0.jpg Note-se que o governador citado Themudo Barata, foi maltratado e preso por um furriel  enquanto o Comandante dos Serviços da marinha foi preso por elementos do MPLA. As comunicações com o exterior foram cortadas de imediato, ocupados os Correios e assaltada a sede da FLEC com a completa destruição de mobiliário e, queimados todos os papéis.  

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 20:50
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sábado, 30 de Julho de 2016
MOKANDA DO SOBA . XCVII

TEMPOS PARA ESQUECER09.07.2016 - ANGOLA DA LUUA . VIINesta lengalenga de lembrarmos coisas mortas, cada homem é um mundo - (haverá um ou outro que pensa ser o SOL).

Por

soba02.jpgT´Chingange

valentina0.jpgTambém, e por isso, as fronteiras mentais transportadas por mim em estórias, embora aumentando em capacidade de criar ilusões, diminuem-me a veracidade do que foi a guerra de tundamunjila (do espantar - do vai-te embora!). Na percepção parcial das vitais contingências, tecidas e compostas nas mentirosas coincidências de que a vida é feita, encontraremos o rigoroso sentido do passado, por fortuitos efeitos que nos determinam o futuro: o agora!

:::::

Aos velhos será cruel deixá-los privados de respostas e será de bom senso até, não se lhes fazer perguntas de passados não amistosos porque dos muitos dias, das muitas noites, das muitas injustiças pode sem se querer saírem à luz do tempo a mostrar as gigantescas presenças de feridas mortais. Daí abrirem-se gavetas com choros ranhosos, ou mesmo gavetões, com ossários feitos pó. Dói ser traído por nossos irmãos…

valentina3.jpg E, infelizmente, até sabíamos estar quilhados até os tornozelos mas, só agora podemos ir dum extremo à direita ao outro da esquerda; agora há falas bonitas p´ra boi dormir, muito roubo e corruptos à solta! Peneirando no tempo as ténues memórias dos acontecimentos, apagando os rastos dos passos que aqui nos trouxeram à terra de M´Puto, de novo volto a abrir o postigo da memória antropológica sem romance condescendente e, sem alvoroçar os espíritos que omitiram as leis não cumpridas.

:::::

Falarei duma terra que tudo tinha para ser de promissão - Angola! Na nossa vida, com os afins descobertos hodiernamente em pegadas politólogas e, como se fossemos monstros colonialistas, surgem cheiros encarquilhados misturados quase na leitura de carbono e eteceteras complicadíssimos… Cada um de nós foi o que foi por uma coisa que dizem ter sido pequena, assim como dum primeiro choro! Mas outros choros que se lhe seguiram e, como um risco feito no chão, não nos permitiram escolher o dedo ou arado, nem por onde fazer os regos que por coisa pouca, assim dizem … mudou nossas vidas.

valodia.jpg A tropa fandanga da FNLA ateava fogo a tudo e, já no mês de Outubro de 1974, um total de quinze fazendas tinham sido devassadas. Por vezes os grupos nem eram identificados; de noite, gente furtiva atirava para os carros que se aventuravam a circular. Da CCPA - Comissão de Coordenação do programa do MFA para Angola, pouco ou nada se via fazer de ter agora notoriedade, tudo pelo contrário, salvo raras e honrosas excepções.

:::::

A Câmara Municipal de Luanda foi tomada de assalto por militantes brancos, mestiços e pretos do MPLA que numa mascarada sem algum primor a enaltecer, apresentaram uma moção com vivas ao seu movimento alegando destituição da Vereação, hasteando a bandeira daquele grupelho que, feito chusma, a substituiu pela bandeira portuguesa. A este procedimento foi dado um alarde heróico na Rádio Voz de Angola: “ Um momento histórico “ afirmavam a cada minuto derramando coisas nunca escutadas.

luuan1.jpg A rádio já estava nas mãos dos PREC`s guedelhudos idos da metrópole, todos embebedados ou enredados num ideário de ché com “vida ou morte”, como se tudo isto tivesse um lado romântico…Dentro da sala da Vereação, cantaram o hino do MPLA. Notoriamente eram acções propositadas e permitidas pela tal CCPA. Quase posso jurar que as ideias tenham saído daquela pseudo instituição, desses generais de aviário levados às pressas para Angola a contrariar qualquer reacção dos brancos. Generais que hoje recebem chorudas reformas, meio escondidos na sombra, brincando como pokémons.

:::::

E, dos já defuntados, ainda legam às famílias benesses da revolução de túji da qual deveriam ter vergonha. Alguém até hoje falou em ressarcir-nos? Antes pelo contrário, gozam do nosso legado, contas e tractos entre mwangolés corruptos, generais da gasosa. Efectivamente as reacções não foram as correctas e até aqui parece ter havido a mão comuna camuflada no como de se fazer! Eles tinham lido todas as cartilhas de revolução! Não sou só eu a pensar deste modo, porque as evidencias já nesse então, se viam serem demasiado torpes.

luuan2.jpg Nesse mesmo dia e pelas 19 horas e perante Pezaret Correia, o frentista da comissão organizada “had hoc” deu andamento ao processo (lembre-se PREC). Nessa mesma noite Rosa Coutinho, o almirante de Túji, vermelhusco, exarou um despacho com a exoneração do Executivo Camarário. É óbvio que tudo isto tinha sido orquestrado por este vermelho ao serviço do MPLA. Ninguém o travou como deveria! O homem do pingalim, das luvas, do monóculo, da petulância, foi vilipendiado - um galo vaidoso…

luuan3.jpg O arquitecto das rotundas da Luua, Troufa Real, branco e residente em Luanda, estava nesta leva de gente afecta ao MPLA. Registe-se qui o que este arquitecto funcionário daquele Município disse aos microfones da emissora Voz de Angola: - “Fora com a Vereação” e, dirigindo-se à turba convidou-os a tomarem aleatoriamente ou simbolicamente aquela sala nobre. E continuou: “Isto é vosso - o povo é quem mais ordena” - viva o MPLA”… estranho que os mwangolés actuais não tenham erigido uma estátua a esta trágica figura que creio estar agora e também com uma reconfortada aposentação no M´Puto…Quem o vir por aí faça-lhe um carrinho-de-molas à maneira.

luuan4.jpg Após aquele acto de bandalheira e punhos no ar, os manifestantes retiraram-se para fora do salão substituindo antes a moldura do General António de Spínola, o come-futuros, colocada no topo da sala pela foto de Agostinho Neto. No meio daquela turba alguém disse: “ Agora é a nossa vez de fazer mulatos, ter carros e morar no asfalto”. Neste esboço de rebelião o MPLA e o MDA (Movimento Democrático de Angola) assumiram na rádio essa sua postura. Neste estado de coisas e, sabendo de antemão terem o apoio tácito, técnico e afins da CCPA, quem poderia controlar quem? Num ápice, tudo ficou irreversível, sem ter passado pelo provável.

(Continua…)

O Soba T´Chingange  



PUBLICADO POR kimbolagoa às 04:24
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Sexta-feira, 29 de Julho de 2016
MOKANDA DO SOBA . XCVI

TEMPOS PARA ESQUECER  … 29.06.2016 - ANGOLA DA LUUA . VI

… O Mundo sempre andou mentiroso - Também, e por isso, as fronteiras mentais transportadas por mim em estórias, embora aumentando em capacidade de criar ilusões, diminuem-me a veracidade (Não há meias verdades). Na guerra de tundamunjila

Por

t´chingange 0.jpgT´Chingange

cari2.jpgEm Outubro de 1974, no Norte e no Leste de Angola eram diariamente registados incidentes com vítimas mortais, actos de vingança contra capatazes ou gerentes de fazendas e trabalhadores em geral. No Uíge (Carmona) assistia-se ao fenómeno de bandalheira com os soldados da FNLA atirando a gosto para o ar, sem qualquer aparente motivo, homens fardados e armados com espingardas de repetição. Ao longo das estradas do Norte como as de Quissesse e Songo, podiam ver-se centenas de famílias de bailundos escorraçados das fazendas de café ocupadas por soldados do ELNA (exército da FNLA) maioritariamente quicongos a falar francês; uma tropa fandanga.

:::::

Ateavam fogo a tudo! Só neste mês de Outubro, registaram-se um total de quinze fazendas ocupadas por grupos, nem sempre identificados; faziam ataques contra madeireiros, seviciando-os e queimando-os tornando-os irreconhecíveis! As fontes de riqueza dos brancos e de negros não colaborantes eram vandalizadas, o gado morto a tiro ou catanada; os saques passaram a ser uma rotina. Usando petróleo regavam os produtos tais como batatas, mandioca, feijão e café ateando fogo em seguida; os bailundos eram mortos a sangue frio. Diga-se em verdade ter sido a etnia mais sacrificada, a mais sofrida em toda a pré-guerra de Angola. Era a guerra do tundamunjila (de dar o fora).

luis20.jpg Os movimentos com seus braço armados, por toda a Angola e, inicialmente em suas áreas de influência e sem coordenação visível, faziam barragens nas estradas supostamente para controlar, devassando, partindo louça, pisoteando sem jeito e ou retendo géneros e aprisionando coisas que poderiam ter algum interessa para eles. Podia ver-se pseudo-soldados completamente embriagados ou drogados pegando nas armas de qualquer jeito. Eles não tinham noção de como funcionavam as armas que empunhavam. Eram nitidamente bandos de drogados. Não sabiam o que era uma culatra ou o cão da mesma…

:::::

Em uma viajem que fiz de Nova Lisboa (Huambo) a Luanda com minha sogra idosa, em uma destas barragens feitas por gente do MPLA e, indo eu na carreira da EVA e, em Muquitixe, fizeram alto, mandaram sair todos os passageiros e ali ficamos encostados a um casebre já arruinado com guardas armados atá aos dentes apontadas a nós. Um dos militares estava tão drogado que pegava a arma de cano longo com o gatilho virado para cima. Revistaram tudo e valeu-nos um furriel mestiço que seguia connosco, que se identificou como sendo do MPLA e por fim mandaram-nos seguir!

mcaco.jpg Reparei no percurso, que o Dondo estava literalmente abandonado, as quitandeiras vendiam peixe seco e bolachas, únicos alimentos que se podiam comprar! Depois vi Cassoneca, Colomboloca, Zenza do Itomba, Maria Tereza maioritariamente incendiadas, gente deambulando por ali, bandeira do MPLA hasteada aqui e ali, tropa meio fardada aos magotes fazendo coisa nenhuma. Nenhuma indicação de comércio a funcionar! Foi a imagem desta viagem que me convenceu de que tudo estava perdido! Eu vivi este drama; ninguém me contou!

:::::

Nas barragens militares podiam ver-se os homens em cima das fordes ou chevrolletes seleccionando o que lhes convinha! Isto fica! E jogavam ao camarada. Isto também fica! E o montão de coisas por ali crescia, no pó da terra! E, ai de quem reclamasse, seria sempre de um desenlace imprevisto. Uma humilhação sem qualificação! Melhor assim, diziam com a desilusão de uma vida tornada nada.

maga2.jpg Aqueles homens na maioria sem um comando credível pretendiam apenas roubar, rebaixar. E, se houvesse por um acto de repulsa por parte de alguns militares portugueses, tentando tomar conta da situação, estes eram recebidos a tiro; poderia relatar lugares mas este procedimento era generalizado! Há por aí muitos militares que sabem ser isto verdadeiro. Sabia-se mais tarde que estes exemplares militares da FAP (Forças Armadas Portuguesas) eram substituídos por não serem colaborantes com eles; E, eles eram o grupo do MPLA de Agostinho Neto! Houve oficiais que por se oporem foram presos e recambiados para o M´Puto. Houve oficiais superiores a terem voz de prisão por furriéis cabeludos… Lá chegaremos!... Como admitir isto!?

:::::

Posso assim referir como terras de tundamunjila, Catete, Cacusso, Kassuma, Dondo, N´Dalatando (Salazar), Bula Atumba, Puno Andongo, Bango Azongo, Camabatela, Songo mas, sempre será uma pequena parte de uma longa lista. Os guerrilheiros do tundamunjila usavam nas incursões catanas, G3 fornecidas pelas FAP ou kalashnikovs, mais granadas penduradas a gosto e imaginem uns tubos tipo bazucas! Sei lá, talvez os mona-caxitos. Para quê este disparate! Dá para rilhar o dente, mesmo estando no futuro daquele espaço, quarenta e dois anos depois….

macu5.jpg Em Luanda podiam ver-se militares do MPLA passearem a fazer estilo banga com cintos de munições atravessados ou cruzados e espingardas de repetição, de tambor, longas e curtas e as tais G3 oferta do M´Puto; assim aos ombros, eram autênticos rambos a brincar às guerras. Como é possível, tanta gente ter assistido a tudo e, agora andarem com a língua agarrada aos dentes como se nada se tivesse passado! Gente gerenciando o verbo da teoria do esquecimento. Ando desiludido com muita gente que faz de conta! Como gostam de ser enganados! Oh gente miúda!

::::

No Rio Seco da Maianga, logo no dia um de Outubro lançaram uma granada para dentro de uma casa matando um cidadão branco! Isto sucedeu também junto da Cruz Verde e no cinema Tivoli no Bairro da Samba. Os automóveis eram apedrejados em andamento e, ou incendiados à porta de casa ou trabalho dos respectivos donos! Pergunto a tantos que nos interrogam: Tinhamos condições de ficar? Fiquem por aí que o grosso da matéria está para vir… Esquecer! Nunca… Pena é a de que olho para trás e, neste caminho, neste carreiro, neste fiote, só vejo a minha sombra e uns quantos, muito poucos que me dão ânimo. A estes, eu digo obrigado!

(Continua…)

O Soba T´Chingange  



PUBLICADO POR kimbolagoa às 19:15
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

Quarta-feira, 13 de Julho de 2016
A CHUVA E O BOM TEMPO . LXVIII
ANGOLA .  TEMPO DE CINZAS - VALENTINA MEU AMOR - Altura em que se recrutavam as pessoas ás tantas da madrugada nos musseques, para os levar para a guerra…

Por

maga1.jpg Luís Magalhães - Tem uma caneta Parker 21 espacial. Dessas que levam o homem a gatafunhar acontecimentos da Luua, da Angola que jamais esqueceu … (na guerra do tundamunjila)

valentina0.jpg Eu conheci a Valentina no tempo em que um quilo de batatas custava duzentos escudos,Luanda tinha muitos cortes de água e luz e os géneros alimenticios já não existiam nas lojas.Era também no tempo em que se tinha que ir para a fila para comprar pão e com um pouco de sorte depois de lá estar quase meio dia a gente trazia algum. Estou a falar em Novembro de 1975 !! .Neste mês vi também uma avioneta sobrevoar Luanda a espalhar panfletos da F.N.L.A.onde se podia ler que o Holden Roberto dizia que ia invadir Luanda para exterminar o "Poder Popular", a OMA, as FAPLA e os comunistas e dizia também para a população( portugueses incluidos) para ficarem em casa para assim não serem vitimas do ataque.

valentina.jpg Enquanto isso eu ganhei intimidade com a Valentina uma menina negra com os seus treze catorze anos e logo ali lhe propus uma parceria ao dizer que ela ía para a fila do pão e eu dividia com ela, coisa que ela disse que aceitava, mas eu tinha que lhe dar cigarros,uma coisa que eu disse que não uma vez que ainda era muito menina.Ela aqui olhou para mim com muito respeito e respondeu-me que era para dar ao Pai.Eu como ela sabia de tudo o que se passava na cidade tratei de saber as novidades e , foi assim que soube que os Cubanos já estavam a lutar ao lado do M.P.L.A. e da tropa portuguesa e que o M.P.L.A.andava durante a noite a apanhar os meninos para irem para a frente de combate e que os Cubanos andavam pelos musseques para apanhar as meninas para assim satisfazer os seus desejos.

valentina2.jpg Soube também que no Bairro Golfe,os Cubanos queimaram uma bandeira Portuguesa para lá porem a do M.P.L.A, provocando com isso a ira da população e eles só sairam de lá sob escolta.Tudo isto enquanto se estava á espera da independência de Angola e onde já haviam sinais do futuro negro que vinha por aí abaixo.Quanto á Valentina,continuou no seu á vontade pelas ruas de Luanda e tenho que confessar que havia muita empatia entre nós os dois.

valentina5.jpg Um dia cheguei a casa e não vi a Valentina,que depois de muito a procurar lá me foram dizendo ( foi o Diogo) que os Cubanos a tinham apanhado, a tinham vestido de rapaz,cortaram-lhe o cabelo e a colocaram na frente de combate onde veio a morrer á fome e á sede e com as pernas crivadas de balas que era o modo cruel dos Cubanos actuarem para assim os obrigarem a combater ?. Nesse dia chorei pela Valentina !!

Luis Magalhães in Kizomba com Historias da vida

Foto de uma Historia que nunca se apaga e mesmo que o queiram fazer, está destinado ao fracasso.

As escolhas do Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 16:04
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS
|

RELOGIO
TEMPO
Weather Forecast | Weather Maps
Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12

14
15
17
18
19

21
23
24
25
26
27

28
29
30
31


MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
AS NOSSAS FOTOS
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
CAIXA MUSICAL
CONTADOR
ONDE ESTÁS

Sign by Danasoft - Myspace Layouts and Signs

blogs SAPO
subscrever feeds