Sábado, 16 de Janeiro de 2010
RECIFE – A SAGA DO AÇUCAR . XII

FÁBRICA DE LETRAS DO KIMBO

A colonização do Nordeste Brasileiro

 

 

Foto da Nossa Senhora da ...  NOSSA SENHORA DA APARECIDA

 

Havia a preocupação expressa nos seguintes termos: “ Cuideis muito que eles sigam a sua condiçam acostumando-os ao trabalho e cultura das terras na forma que praticavam nas ilhas, porque nam sendo diferente genero de trabalho, e indo acostumados a ele, nam ha motivo para que nam cultivem pelas suas mãos as terras que se lhes repartirem, evitandose asim hua ociosidade muito prejudicial”.

O “oficio” do cultivo da terra, até aí aviltante, passa também a ser uma forma digna de acesso à honra.

Com casais das ilhas, procedeu-se à fundação de aldeias e vilas na Amazónia e ilha de Marajó.

Com o propósito de casarem portugueses com índias, neste processo de colonização, vemos ao longo do Amazonas, rio Negro e Solimões, povoações com os mesmos nomes de Portugal tais como e de juzante para montante: - os povoados de Soure, Portel, Porto de Mós, Almeirim, Alenquer, Óbidos, Faro, Silves, Moura, Barcelos, Santo António do Iça, São Paulo de Oliveira, Borba, Santarém, Monte Alegre, Bragança, Viseu, Guimarâes, Alcântara ou Alter do Chão.

Este listado de nomes transpostos do Continente induzem-nos na lógica de que foram destas povoações de Portugal e Ilhas Insulares da Madeira e Açores, grandes ou pequenas, que saíram os primeiros povoadores. Foi esta incógnita gente que engrandeceram e perpectuaram um bastião que agora é património Brasileiro. Não me parece ser de bom tom o cidadão Brasileiro esquecer estes ascendentes e menospresar tamanha dedicação à sua saga.

 

Vale a pena transcrever um extrato de carta enviada a 5 de Fevereiro de 1750 pelo Juiz de Fora de Belém do Pará, João Inácio de Brito Abreu : - Com o mayor numero destes cazaes, se estabeleceo a vila e S. José de Macapá, que hoje com alguns outros moradores do Estado e soldados cazados com as povoadoras passa a ter cento e setenta vizinhos e he certamente o mais util estabelecimento neste Estado, pois lhe serve de chave por ser fronteira aos francêses...

 

IV – A COLONIZAÇÃO NO NORDESTE BRASILEIRO

 

Corre o ano de 1550; o donatário Duarte Coelho, preocupa-se em contratar operários especializados e peritos madeirenses encomendando para o efeito, maquinaria para o fabrico do açucar comprovando-se a presença de um importante mestre de açucar madeirense de nome Manuel Luis.

Desse então, há uma carta de Pero Borges dirigida a D. João III (1521 – 1579): “... nesta capitãnia de Porto Seguro, alguns homens que tinhão e têm suas molheres no reyno e nas ilhas haa annos, he estão abaregados publicamente com gentias da terra christãs outros com suas próprias escravas tambem gentias de quem têm filhos...” Facto sobejamente comprovado.

- Meu próprio avô (do relator) materno, Manuel Lopes Loureiro, emigrou para o Brasil algures lá pelo ano de 1930, “abaregou-se “ com uma indígena algures em terras da Bahia e legou 2 filhas à familia Lopes Loureiro; ouvi falar em pequeno nestas tias brasileiras e do meu avô têr regressado já muito debilitado e “tisico” para referir as palavras certas escutadas nesse então.  Sem dinheiro para se tratar creio ter sido levado para o sanatório do Caramulo para respirar ar puro mas, chupado de amarguras entrelaçadas na saudade das noites quentes, cachaça e quanto baste, mirrou-se de morte. Sõ me lembro da foto amarelada, sua estatura alta, bem aparentado e bem penteado a preto e branco, tendo uma bigodaça retorcida para riba e, uns olhos brilhantes.

 

Talvez o terno (fato) com camisa branca daquela foto de meu avô, fosse o mesmo que levou no caixão; um homem de nariz e perfil beirão, descendente de gente normanda. Isto, é tudo quanto me foi legado. Uma visita a casa de uns primos meus nos arredores de Viseu do Puto, deparei com um velho quadro mostrando Nossa Senhora da Aparecida (negra) tendo no roda pé inferior deste, dois pescadores em um canoa recolhendo o pau negro, busto naufragado daquela  Nossa  Senhora em águas dum lago brasileiro.

Algures, num sítio perto desse lago do Brasil, meu avô andou talvez, servindo de carreteiro levando leite de casa em casa. O mistério deste quadro, ninguém soube dizer direito como ali foi parar mas tenho de concluir que aquela senhora preta, foi a guia espíritual do meu avô materno.

Tal como meu avô, quantos carpinteiros, calafates, torneiros, ferreiros, serralheiros, almocreves, carvoeiros, serradores, cordoeiros, cavouqueiros, besteiros, pedreiros, ou oleiros não ficaram nesse mundão do Brasil.

 

( Continua... A emigração contemporãnea... XIII)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 23:38
LINK DO POST | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




RELOGIO
TEMPO
Weather Forecast | Weather Maps
Maio 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15

18
19
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
CAIXA MUSICAL
ONDE ESTÁS

Sign by Danasoft - Myspace Layouts and Signs

blogs SAPO
subscrever feeds