Quarta-feira, 18 de Junho de 2008
LU.ANDA, AI.IU.É

LU.ANDA,...  AI.IÚ.É

     É só espuma patrão

                                                                                                                                     

Juca Kat´chipemba falava dos antigamente, naquele linguajar próprio de quem só sabe falar, das cuesas que lhe mexiam na cabeça e que não estava mesmo certo; a todo o momento jurava que, sim patrão, jura mesmo, o país num anda.

 E, eu ali estava, bem por demais, debaixo daquela mulembeira; nos frente era só capim e, lá muito no longe, despois dos embondeiros e os mato cheio de bissapas, se viam as luzes do lusco-fusco de Luanda.

No despois do almoço de cacússu com mandioca, por ali ficamos, só falando e rindo no catravés doutros tempos, de quando nós éramos candengues e garrávamos rabo-de-junco juntos e, dávamos berrida nos lagarto pintado de colonialista, vermelho e verde, sempre sustando a gente nos pedra junto dos cajueiros e os maboque que garrávamos na estrada de Catete!

Aka! (...) Patrão, tem saudade daqueeeele tempo, jura mesmo! (...) Agora esta terra só tem kissonde rico! No resto, tudo nas maioria, é mesmo pobre.

Juca, sempre sobreviveu das lagoa do Lifune, nas pescaria n´dele e, despois das confusão da independência e guerra cus búfalo e Unitas, foi para o kafunfo trabalhar cus feijão mas, a vida por demasiado, só lhe chorou.

Juca tem a minha idade mas as rugas fazem-no muito, por demais, mais velho. Naqueles entretantos longínquos, eu era o menino da xitaca, lá das cassoneiras e girangolos das n´nhacas mas, com o tempo virei patrão; do que ele me relatou à sua maneira sobre o como é agora, passo a resumir sem aqueles trejeitos de quem sempre comeu pirão com a mão.  

Entre o Maculusso e a Nossa senhora do Carmo, já noite, pausa para o café na casa do Zeca Portuga das Ingombotas; no quintal das farras de antigamente, despejei o que me roía a alma, conversa puxa palavra e foi saindo.

De quando em vez o galo maluco do vizinho Candinho esganiçava o canto bem no alto daquela carcaça velha duma GMC, toda cagada de branco.

- Esta terra tem demasiados pobres, está num estado lastimoso de atraso e descultura, gente endinheirada que simplesmente, só tem dinheiro, gente com muito dinheiro e só são “ricos” no nome.

 Umas pausas e uns goles de café da Gabela a intercalar o meu directo discurso.

- Exibem o que dizem ser seu com a propriedade dos outros.

- Os endinheirados não usufruem de sossego porque vivem obcecados de poderem ser roubados; quando não é produto de roubo, é-o de negociatas do esquema ilícito.

- Gente enriquecida no roubo é adversa à ordem policial pois que, a haver ordem, estariam todos na cadeia. Eles enriqueceram graças à desordem.

Zeca Portuga só abanava a cabeça. Em curtos espaços mudava os costados no tamarindo; via-se que estava desassossegado e temeroso.

- O gozo dos novos-ricos é ter um carro mais cintilante do que o do vizinho. Quando se amolgam nas estradas que os colonos deixaram, agora esburacadas e convexas dizem, a culpa, (…) é do Portuga.

- Os novos-ricos, novos governantes, compram grandes casas para serem vistas pelos olhos de quem passa, dos amigos que consolidam a inveja ao nível mais sofisticado de Kazumbi, na mistura de água de cu lavado com a de lavar defunto.

Zeca assustou-me abrindo os braços copiando em gargalhada o galo do Candima.

- É isso mesmo, sundiamenos, isto merece uma cuca e foi-se. Surgiu num repentemente com duas canecas repletas de frescura dizendo enquanto tomava assento. Continua, disse.

- A inveja destes camundongos, tem espuma como esta cerveja cuca tirada à pressão. É mesmo só espuma!

- Estes sambizangas, coleccionam donzelas m´boas como gado, têm amantes aos montes mas, vivem na desconfiança. No meio do fausto as amantes esgueiram-se pelos fundos e o traidor vira traído.

- É isso mesmo, pigarreou o Zeca descontinuando o meu discurso. São todos uns cabrões empertigados! Concluiu.

- Sem garantia de segurança, os novos-ricos, rodeiam-se de guarda-costas, somam aparências de elite de imitação falsificada; sendo “os pilha galinhas do povo” dão-se ares de que “lutam pelo progresso”.

- Nacionalistas falsos, retaliam ao menor beliscão, pois eles, são os guardiões da nação e das doações que o mundo dá. As doações viram negócio em fardos vendidos ao povo no Roque Santeiro, tira bikini e outros mercados de calamidades.

- Um polícia no Puto multa um Mantorras e, logo no outro dia caçam a carteira a seis guetas brancos, sabes, os albinos. Isto parece brincadeira!

- É isso mesmo, vociferou o Zeca, são uns filhos da puta!

Descompassado pelo entusiasmo do Zeca tentei abrandar as minhas insinuações; ainda tinha de organizar as malambas, arrumar as bikuatas para regressar ao Puto, dar umas gasosas e assegurar o meu lugar na TAAG, das palancas negras.

O erário público é deles, lambuzam-se no fascínio de uns bens de ostentação; um faz-de-conta como crianças que nunca crescem. Ai-iú-é !

Para terminar dei uma de moralista, de quando eu acreditava que aquela Angola era de todos nós, mas agora Angola só é Luanda e, Luanda é deles; Luanda é a Mutamba e, os Ricos vão para a Mussutulândia. Trocaram o Caxito, Kifangondo ou Cacuaco pela ilha. Dizem que lno Cacuaco só tem mosquito.

- Angola, é a sua quinta. Nela dissolvem com petulância a dignidade dos seus antepassados; a Ginga, o Mangumbe, o Ekuikui, o Cangandala, o N´dalatando e o fiote Bumelambuto. Eles nem querem saber!

- Em Outubro, o das eleições,... alguma coisa vai ter de mudar povo! Olho neles!

Dito isto despedi-me da Dona Zéfinha que cabismuda se manteve quase sempre presente.

- Mungueno, repeti acenando a mão disponível.

Rumei para casa, subi a avenida das acácias rubras depois do largo ex- Serpa Pinto, passei o largo da Maianga em direcção à antiga António Barroso e fiquei por ali no Rio Seco, antigo Malhoas.

Ainda quero rever o meu amigo Juca Kat’chipemba num outro quadro e, após as chuvas, que é quando o pó levanta um cheiro especial e umas formigas se vem meter por debaixo dos pés, fazendo uma caminhada crocante, como agora se diz.

Adormeci na interrogação persistente.

- Será que Angola vai continuar cada vez mais na mesma numa revolução cheia de espuma?

                                                                           

          O Soba T´chingange


TAGS:

PUBLICADO POR kimbolagoa às 12:51
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

RELOGIO
TEMPO
Weather Forecast | Weather Maps
Maio 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15

18
19
22
23

24
25
26
27
28
29
30



MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
CAIXA MUSICAL
ONDE ESTÁS

Sign by Danasoft - Myspace Layouts and Signs

blogs SAPO
subscrever feeds