Sábado, 30 de Outubro de 2010
KALUKEMBE . VI

FÁBRICA DE LETRAS DO KIMBO

“BULUNGA DO ULTRAMAR . Nos reinos de Maconge e Huambo”

Flor de cacto no Namibe

Em terras Ultramarinas, num sítio chamado de Porto-à-mão, reunem-se hoje em kizomba, nobres, altos dignatários e  plebeus dum reino perene; neste reino de Faz-de-conta aonde  ninguém morre e, aonde  os africanos se tornam brancos e vice-versa, reúnem-se vivências com recordações de peregrina amizade, (Coisas de Valério Guerra e ex-kompas do Diogo Cão- Mandume de Sá da Bandeira - Lubango)

E, para quê peregrinar no tempo?

- Para ratificar a vida!

No meio do hino, taciturnar-me-ei entre a malta, prensado no texto que se cantará  assim:

-“A malta ganhou a taça, sem ter nada que fazer; quem quiser ganhar à malta tem um osso p´ra roer, roer, roer”.

Neste reino de sonho e fantasia dão-se vivas à vida, num vira, vira, regado a tinto.

- “Se houvesse uma revolta em Angola, movida pelos colonos, não era preciso tropa para a debelar; chegava um bom orador, romântico, sentimental, que lhes  falasse de Portugal,  que todos se abraçariam com lágrimas nos olhos”. Foi o que disse Henrique Galvão no ano de 1937 em visita de soberania a Angola.

- “ Há quem viva de teu perfume e dent´routros matos e espinheiras rasgando-se em sonhos, por ti ruma!”.

Como um funante mazombo, suspeitoso, divagarei em pensamento

-“ Há quem, nas águas de salina, se purifique em lágrimas cristalizadas por em teu ventre não cumprir sina”


Paisagem no deserto Namibe

Num torpor de antigas kizombas, agachei-me por detrás da bissapa,… era o soba Cunhangâmua.

Bebia  bulunga, antes da grande caminhada para sul e, eu também ali estava a seu lado como conselheiro real em assuntos de brancos; num repentemente, deu-lhe vontade de cuspir. A um primeiro esboço de lançar cuspo, logo um gentio se acocorou submisso, curvando-se a jeito p´ra receber tamanha cuspidela. Cuspo de soba, com aquela estirpe, não podia ser desperdiçado numa terra só de pó. Cheio de honraria, o súbdito de arrecuas balançou a cabeça, umas quantas vezes, em jeito de agradecimento.

Da t´ximpaca soou um som forte, ferindo o silêncio da planura e, bastou o soba dizer que aquele boi tinha um bom “berro” para ser anexado aos tributos, que mais atrás seguiam em caravana.

Num repentinamente, restolhando o silêncio, surgiu do mato, um T´chingange agitando um pote de barro preto e, dizendo coisas desconexas, abeirou-se do soba; de seguida, ambos se esgueiraram para trás dum muxito denso. O kimbanda, cumprindo o ritual, tinha naquela hora de recolher, a urina do grande soba .

BOI chifrudo

Neste espaço de fantasia e verdade, invadi a rota que desembocava na paliçada do Kimbo maior e, nessa noite de lua cheia, aconteceu assistir à circuncisão dos candengues daquele arraial; crepitava o lume em  ondas de cores quentes pelas palhotas quando, de uma delas, trouxeram o rapaz,… sentaram-no num cepo e, no meio de inebriante batuque, um M´fumu, auxiliar de kimbanda, com uma pequena faca passada pelo lume, cortou o prepúcio do pénis do rapaz. De seguida, com as bochechas cheias de álcool, borrifou para o órgão despelado. O grito mal se notou no meio da algazarra.

Aquele seria um guerreiro umbundo p´ra valer!

A bulunga  de massambala tinha naquele dia  uma mistura especial. A urina do soba Cunhangâmua!

Assim se tornariam homens de têmpera nobre. Tudo foi feito nos verdadeiros conformes, na roda  da grande  fogueira,  batuque, sangria de boi berrante e bulunga.



Povo N´Haneca

No contraluz da perdida imensidão, naquela noite especial, dormi com um cafeco  de feição N’nhaneca,  enfeitada de trancinhas e cortes no rosto com forma de avião. Tinha cabaço,… mesmo!

Na outra manhã as mulheres surgiram em algazarra, levantando os braços, chocalhando discos  de lata, batiam com  os pés  no chão; do peito, pendiam couros, das orelhas escorridas, pesadas argolas. Festejavam! Ué,... Alambado no custume virei M´fumo de T´Chingange.

Na semana seguinte viajei até Quilengues, terra de supostos indolentes gentios que, nada mais fazem, além do pastoreio ou roubar; ouvi grandes feitos de roubos, actos de coragem  no seu entender.

Do Cunhangâmua ao Kuvale, a pedra do trovão, nesse tão único lugar mítico truou. Acordei aturdido às margens do Arade, um rio do Puto no lugar de Porto-à-mão (Portimão). Háka!

Kota Muíla

“Há quem viva entoando, dos batuques a oração, há quem nunca esqueça o chão, os cheiros do coração”.

Hoge estou promovido. De candengue a Kota; de kota a Século.

 

Glossário:

Bissapas - arbustos; Muxito - tufo de mato; M´fumu - chefe, homem de respeito; T´ximpaca - cacimba de água de chuva; Kizomba - festa com álcool; Bulunga - bebida suave fermentada de massambala; T´chingange - feiticeiro, cobrador de impostos e jurista auxiliar do soba; Kimbanda - médico tribal; Candengue - rapaz; Cafeco – catorzinha, menina virgem; Cabaço - virgindade; Kuvale - zona do sul (Angola); Soba - Chefe tribal de mando quase absoluto, rei da tribo; N’haneca - mulher da zona do Cuvelai(Lubango); Século - mais velho, muito kota; Háka - porra, caramba.

(… Continua)

O Soba T`Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:20
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

RELOGIO
TEMPO
Weather Forecast | Weather Maps
Maio 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15

18
19
22
23

24
25
26
27
28
29
30



MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
CAIXA MUSICAL
ONDE ESTÁS

Sign by Danasoft - Myspace Layouts and Signs

blogs SAPO
subscrever feeds