Quarta-feira, 9 de Julho de 2008
conhecer o brasil . II

        

         D. JOÃO VI  visto de lado ( 1ª parte)

 

Três séculos passados após a descoberta do caminho maritimo para a Índia,  estabelecendo novas relações comerciais com a pimenta e outras especiarias, Portugal estava esaurido de recursos e sem coisas novas para sair dum vazio de iniciativas. A Europa estava agora com abundancia desses produtos exóticos e os preços tinham descido a um nivel incomportável para pagar o transporte de tão distantes terras; restou o negócio de escravos mas, mesmo este era transportado por holandeses fretados por negreiros de Portugal.

O poder do comércio paulatinamente estava sendo transferido para os judeus de Amsterdão, Antuérpia e o novo império da coroa Britânica  com sua armada invencível.

Portugal com três milhões de habitantes, tinha-se tornado um entreposto comercial de produtos (e gente), sendo os ganhos substànciais para Holandeses e Ingleses que, comprando a matéria prima a granel, depois de confeccionada por eles, retornava a preços incomportáveis.

 A frota Portuguesa estava envelhecida, desadequada e prejudicada pela cobiça dos poderosos comerciantes de então; não estava capaz de desenvolver o império.

Dom José de Carvalho e Mello, o Marquês de Pombal já no tempo de D. José I tinha feito uma leitura da situação do Portugal decadente e, fez saber da necessidade de se mudar a capital e a corte para o Brasil, de onde vinham os grandes recurssos na balança comercial, ao cuidado de um empresariado parasitário.

Aquela visão ficou latente em alguns círculos de gente de maior visão do mundo global de então e, o facto da França estar numa viragem cultural e política, por via da revolução de 1789, que terminou com a realeza magnânime e promíscua com a decapitação de Maria Antonieta e, mais tarde as invasões Napoleónicas, favoreceram a concretização da ida da corte, do ainda  princepe regente D. João VI, para o Brasil.

De forma apressada fizeram-se ao mar, com protecção da marinha Inglesa, um dia antes da chegada das forças francesas com o comando de Junot.

Lisboa, a capital do Império, vista do rio Tejo, com as suas sete colinas, o caserio branco e o castelo de S. Jorge era uma beleza mas, dentro das ruas e ruelas apertadas o bafio e o mau cheiro era deprimente. Pela noite atirava-se pelas janelas de Alfama, Mouraria e outros bairros, penicadas de merda, urina ou águas de cozinha.

Umas negras escravas de Angola tinham a incumbência de levar os dejectos e atirá-los ao rio, mas nem todo o povo tinha esse previlégio.

Foi neste quadro que, D.João VI, sua corte, nobres, algum  clero, dependentes previlegiados e apêndices de colarinho bordado com bajuladores à mistura, numa azáfama  borrifada de lama e chuva miudinha de molha tolos, largaram do Tejo.

As Musas e Ninfas, Tágides daquele rio deveriam estar muito ocupadas em um qualquer outro lugar; talvez andassem encavalitadas nos botos do Amazonas.

 O dia 27 de Novembro de 1807 naquele cais da Ribeira foi agitado, coma as presas nem tudo se pode levar para bordo, as forças francesas já tinham passado a linha de Torres.

Com tempestade, imundíce, água estagnada, velas rasgadas, mastros podres, carne bolorenta e piolhos a viagem  fês-se.

A sete de Março  de 1808, no início da tarde, parte da esquadra do Príncipe Regente chega à baia de Guanabára no Rio de Janeiro.

Rio de Janeiro, à semelhança de Lisboa, era deslumbrante com seus morros de escandalosa verdura mas, por dentro da cidade que então tinha 60 000 habitantes, dos quais  13 000  eram escravos, os excrementos corriam com água suja pelo meio da rua; também aqui se atirava tudo para essa sargeta, com porcos chafurdando e galinhas repenicando bostas largadas por bestas, cavalos e mulas dos muitos tropeiros almocreves.

Já então havia muitas crianças deambulando pelas ruas, crianças não desejadas que cresciam vivendo de agilidades sobreviventes, vádios ascendendo a  criminais à  margem dos homens ricos, comerciantes ou escravos. Algumas damas, senhoras de suposto bom  conceito, contribuiam para esta situação pois que tinham ganhos adicionais com a prostituição de suas escravas. Naquele tempo só havia o coito interrompido como salvaguarda da linha zero; a era ”light”, o látex, o método tântrico e o sexo digital viriam muito mais tarde.

( continua....2ª  parte em execução)

O Soba T´chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 12:27
LINK DO POST | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




RELOGIO
TEMPO
Weather Forecast | Weather Maps
Maio 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15

18
19
22
23

24
25
26
27
28
29
30



MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
CAIXA MUSICAL
ONDE ESTÁS

Sign by Danasoft - Myspace Layouts and Signs

blogs SAPO
subscrever feeds