Sábado, 12 de Março de 2011
N´GUZU . XI

AS ESCOLHAS DO KIMBO*

PEMBE . ANGOLA, 25 DE SETEMBRO DE 1904 

A MAIOR DERROTA PORTUGUESA NA ÁFRICA NEGRA 

Cuamatos . preparos para a guerra
A 25 de Setembro de 2011, completar-se-ão107 anos sobre a data em que se produziu a maior derrota dos Portugueses na chamada África Negra.
Foi no Sul de Angola, a cerca de 500 quilómetros da costa, quando uma coluna comandada pelo governador da Huíla, João Aguiar (de que fazia parte Gomes da Costa, mais tarde famoso pela revolução portuguesa de 1926), se internou para lá do rio Cunene, através do vau do Pembe, numa campanha de início orientada contra a poderosa tribo dos Cuanhamas. Os Portugueses, apanhados numa emboscada, caíram às mãos de outra tribo do grupo dos Ambós, os Cuamatos, e deixaram no local centenas de mortos, o que representou, à escala africana, uma trágica surpresa para a Europa colonizadora. Pouco depois das oito horas da manhã, ao cabo de trinta minutos de luta, as li­nhas portuguesas denotam assustadores indícios de desagregação. Do lado dos Disciplinares, na face da frente, informa-se que as munições estão a chegar ao fim. A artilharia emudece bruscamente, após cada uma das peças ter desfechado vinte e quatro tiros sobre a mata fronteira. Os Cuamatos aproveitam para se aproximarem a coberto dos acidentes naturais e são detectados guerreiros a cinquenta metros do quadrado. Ao mesmo tempo, os lengas procuram fechar o cerco e fazem com que se inicie o ataque à face da retaguarda.
 O Kimbo
 
Transcrevem-se do livro "Senhores do Sol e do Vento" alguns momentos culminantes desse combate terrível e memorável, que fez estremecer nos alicerces a presença lusitana em Angola no início do século XX.
 
(...) O comandante da expedição dirige as operações da travessia a partir da margem direita, onde mandou improvisar um cais para os barcos de lona de que a coluna vem munida. Aguiar parece ter alimentado durante muito tempo a convicção de que não depararia com resistência significativa nas imediações do rio, o que lhe teria possibilitado acercar-se em dois ou três dias de Mogogo, no Cuamato Pequeno. Esse foi apenas um dos seus erros capitais. Com efeito, do outro lado das águas, por detrás da quietude aparente da mata de Mucohimo, oculta-se aos olhos dos Portugueses um perigo mortal: vindos de Mogogo, onde se realizara a concentra­ção, milhares de guerreiros Cuamatos confundem-se, silenciosos e determinados, com as sombras do arvoredo, espiando, desde o início, os passos dos invasores. Trata-se na maioria de gente de Igura, o soba do Cuamato Pequeno. Mas há também aliados do Cuamato Grande, enviados de Nalueque pelo soba Chaúla. Organizadas em etangas - unidades dos exércitos ambós, de cem a seiscen­tos ho­mens, chefiadas por lengas, as forças do Cuamato exibem um armamento hetero­géneo, mas em todo o caso temível. As espingardas mais aperfeiçoadas -Kropatscheck, Winchester, Mauser - foram distribuídas aos lengas e aos atirado­res especiais. Os parentes dos senhores importantes possuem armas Martini, ao passo que os guer­reiros comuns empunham espingardas Snider e de pistão. A gran­de massa do exército dispõe, todavia, do armamento tradicional - arco e flecha, za­gaia, punhal e porrinho, a mortífera moca, frequentemente eriçada de cabeças de pregos.
A travessia do Cunene
E Pinto de Almeida, o que é feito do comandante do destacamento? Ele vagueia pelo interior do quadrado, perdido num distanciamento de sonâmbulo, contem­plando com uma fleuma arrepiante a inexorável realização do destino. À sua volta desenha-se um espectáculo pavoroso. Com excepção da retaguarda, as linhas por­tuguesas oscilam, retrocedem, abrem brechas repentinas. Os homens clamam que vão ficar ali todos. O doutor Silveira, o amigo de João Roby, rodeado de sangue e de brados de dor, informa que já não há onde meter tantos feridos. O quadro de ofi­ciais reduz-se a olhos vistos. O capitão Morais está inutilizado, o tenente Adolfo Ferreira morreu, o tenente António da Trindade tem uma perna fracturada, o tenente José Maria Ferreira, dos Disciplinares, tombou morto no início da emboscada, e o alferes Oliveira, da 16.ª, jaz de borco com um orifício na nuca de onde jorra sangue abundante. (...)O inimigo viu bem que não podíamos continuar a resistir por mais tempo e, temendo que viessem reforços em nosso auxílio, precipitou-se em massa sobre nós, travando-se um combate corpo-a-corpo, à zagaia, à faca, a machadinho, ao porrinho, defendendo-se os nossos à espada, à baioneta, à pistola, fazendo das espingardas achas de armas (...). Houve rasgos de heroicidade e de lou­cura!
 Artilheiros
Vêem-se cadáveres de Angolanos,  Açoreanos, de Goenses, Moçambicanos e da metrópole portuguesa, naturalmen­te. Está ali o que resta dos solda­dos Sebastião Coimbra, de Braga, Narciso do Sacramento, de Chaves, Joaquim de Sousa Carvalho, do Porto, Germano de Jesus, de Pombal. Corpos retalhados, re­mexidos, à mercê da alegria e da cobiça dos ven­cedores. Estão o cabo António Simões Lopes, de Figueiró dos Vinhos, o soldado Joaquim Fialho Pinto, de Évora, o primeiro-sargento José Augusto Carrajola, de Elvas, o soldado Joaquim Damião José, de Faro. Não tardará a haver pesar e pranto em Vinhais, em Curral de Vacas, em Sande, na Várzea de Santarém, em Gondar, no Rosmaninhal, em Aguiar da Beira, na Sertã. Em tantos e tantos outros recônditos lugares do pequeno, aventu­roso e trágico Portugal.
 Cunene
Mas, por enquanto, na floresta de Mucohimo, a hora é ape­nas dos guerreiros Cuamatos. As etangas empreendem o regresso às ombalas de Mogogo e Nalueque, entoando alegres cânticos de vitória. Os jovens e destemi­dos guerreiros trazem consigo as peças de artilharia conquistadas, centenas de ou­tros troféus de guerra e um único prisioneiro - o auxiliar negro que serviu de in­térprete aos invasores. Permitiram-lhe que an­dasse com eles pelos sítios da batalha e dei­xarão que testemunhe as suas comemo­rações, após o que lhe concederão a li­ber­dade para ir contar aos Portugueses como fora inexcedível a bravura dos Cuamatos e esmagadora a sua vitória. No campo da luta começam entretanto a apodrecer os mártires negros e brancos de um império insólito. Por ali ficarão, abandonados ao tempo e às feras, até restarem apenas os­sadas dispersas. 

* Referências Bibliográficas:
- (José Bento Duarte - Senhores do Sol e do Vento - Histórias Verídicas de Portugueses, Angolanos e Outros Africanos - Editorial Estampa - Lisboa - 1999)
O Soba T´Chingange


PUBLICADO POR kimbolagoa às 23:34
LINK DO POST | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




RELOGIO
TEMPO
Weather Forecast | Weather Maps
Maio 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15

18
19
22
23

24
25
26
27
28
29
30



MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
CAIXA MUSICAL
ONDE ESTÁS

Sign by Danasoft - Myspace Layouts and Signs

blogs SAPO
subscrever feeds