Sexta-feira, 30 de Dezembro de 2016
MUXIMA . LXVI

MULOLAS DO TEMPO - 30.12.2006 - Os benefícios do CLORETO DE MAGNÁSIO…

 - Se observar um homem com asas, pode ter a certeza de que não se trata de um anjo; É a fé que os sustenta no ar…

Por

soba15.jpgT´Chingange - Nasceu em águas internacionais num vapor chamado Niassa. É cidadão do mundo, Angolano na diáspora - Mazombo por condição. Sente-se e respira Angolano, tem cédula de Brasileiro, B. Identidade do M´Puto.

O cloreto de magnésio ajuda-nos a combater a depressão, os enjoos e a fadiga. No caso de tomar antibióticos, saiba que eles podem diminuir o efeito de alguns remédios. O cloreto de magnésio funciona como um suplemento alimentar cheio de benefícios para a saúde, que nos ajuda a manter o corpo jovem e vigorante; para além de colaborar no combate e prevenção de muitas infecções, é realmente útil e benéfico para todas as idades, ainda que como princípio activo também apresente algumas contra-indicações importantes que devem ser consideradas.

magne1.jpg O cloreto de magnésio está composto por cloro e magnésio, que oferecem muitos benefícios para a saúde e para a beleza. Na verdade, este composto tem sido utilizado com fins industriais, além de também ser muito utilizado com fins medicinais. Quer conhecer os benefícios do cloreto de magnésio?

:::::

O cloreto de magnésio funciona como um excelente purificador do sangue, ajudando a equilibrar o PH. Graças a este benefício, o cloreto de magnésio ajuda-nos a prevenir muitas doenças. Ajuda a eliminar o ácido que se acumula nos rins, promovendo o funcionamento e a saúde renal. Estimula as funções cerebrais e a transmissão de impulsos nervosos, contribuindo, desta forma, a manter um equilíbrio mental.

CAUNI 5.jpg É ideal para os desportistas ou pessoas com alto rendimento físico, já que ajuda a prevenir e combater as lesões musculares, cãibras, fadiga e/ou cansaço muscular. Estimula o bom funcionamento do sistema cardiovascular, prevenindo as doenças do coração. Ajuda a diminuir os níveis do colesterol ruim, estimulando a boa circulação do sangue e prevenindo doenças. É um poderoso remédio anti-stress, que também ajuda a combater a depressão, os enjoos e a fadiga. É muito importante na regulação da temperatura do corpo.

:::::

Previne problemas como as hemorróidas, melhora a saúde intestinal e ajuda em casos como a colite, prisão de ventre, entre outros. Previne os problemas da próstata e ajuda a combatê-los. As pesquisas alertaram que pode ajudar a prevenir e a combater tumores cancerígenos. Fortalece o sistema imunológico, ajudando a prevenir e a combater os resfriados, mucosidades e infecções.

magne1.jpg Previne o envelhecimento precoce, já que oferece vitalidade ao corpo e promove a regeneração celular. É um elemento chave na prevenção da osteoporose, pois actua como um fixador de cálcio nos ossos. O cloreto de magnésio previne a formação de cálculos renais, impedindo que o oxalato de cálcio se acumule neles. Promove a saúde da mulher, já que diminui os sintomas da TPM e estimula a regulação hormonal.

:::::

Combate os radicais livres, evitando a formação de tumores e verrugas. Promove a limpeza das artérias, prevenindo ao mesmo tempo a arteriosclerose. Ainda que se conheça seus benefícios para saúde, não deve ser usado por longo tempo para as pessoas que sofrem de diarreia, pois este tem um efeito laxante. Deve ser evitado em pessoas com doenças renais, especialmente as que sofrem de insuficiência deste tipo. Não deve ser consumido quando se sofre de colite ulcerosa, pois pode aguçar as diarreias.

clore4.jpg Ao tomar antibióticos, o cloreto de magnésio pode diminuir a eficiência de alguns deles e, é por isso que se recomenda tomá-lo 3 ou 4 horas antes de consumir um antibiótico. Como preparar o cloreto de magnésio? O cloreto de magnésio pode ser encontrado já preparado e em tabletes, também há uma fórmula para fazê-lo em casa. Se assim for, vai precisar de: 1 litro de água, 30 gramas de cloreto de magnésio cristalizado; 1 colher de madeira.

:::::

O que deve ser feito? Ponha para ferver um litro de água e depois deixe esfriar. Em seguida, coloque em uma vasilha de vidro e dissolva 30 gramas de cloreto de magnésio cristalizado. Misture com a colher de madeira, tampe bem e aguarde. Qual dose a tomar? A dose vai depender do problema a ser tratado ou a idade.

magne3.jpg Tendo dúvidas consulte previamente um médico para saber a dose exacta de acordo com a vossa necessidade. No entanto, o nível geral recomendado é uma dose de uma a duas colheres de cloreto de magnésio por dia, depois dos 35 anos, antes desta idade recomenda-se só meia colher. Tome um copinho pequeno daqueles que se usam para tomar café, uma ou duas vezes por dia, não mais.

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 21:47
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

MOAMBA . XIII

ANGOLA - O COLONO - NA NUDEZ DA VIDA - Porque cada homem é um mundo, tem que ao tempo, dar-se tempo… O termo “colono” tem sempre cor branca e, o  objectivo de explorar negros – Será assim?

::::: As escolhas do kimbo

Por: Antonio José Canhoto - Editado em 13.12.2016 em Roxomania

A definição de “colono” para alguns brancos residentes em Angola afectos directa ou indirectamente ao partido que governa este país desde 1975, bem para como para muitos negros da velha guarda o termo “colono” tem sempre cor branca e a finalidade de como objectivo explorar negros. Nada podia estar mais errado nesta forma generalista e radical de definir a palavra “colono” seja o visado de que raça étnica for como um explorador oportunista de negros, índios ou aborígenes.

:::::

Filologicamente o vocábulo “colono” pode ser definido como a um individuo que faz parte de uma colónia, que emigra do seu país de origem para uma terra estrangeira além-mar, ou que pode ser no mesmo continente e de um país vizinho para a povoar, cultivar por conta própria ou de outrem independentemente da raça do seu proprietário e se este nasceu ou imigrou para o território.

nzi0.jpg Este acto migratório pode ter duas vertentes a primeira é quando um outro país exerce o controlo ou a autoridade sobre um território ocupado e administrado por um grupo de indivíduos com poder militar, ou por representantes do governo de um país ao qual esse território não pertence e contra a vontade dos seus habitantes quando o país é colonizado que, muitas vezes, são desapossados de parte dos seus bens (como terra arável ou de pastagem) e de eventuais direitos tribais, culturais e ancestrais que detinham.

:::::

Na segunda vertente emigram a pedido do governo do país ou de empresas privadas que pela falta de conhecimento tecnológico dos naturais se vêem obrigados a procurar mão-de-obra especializada no estrangeiro, para suprir as suas próprias carências. Para uma certa classe de portugueses e angolanos brancos e negros enfeudados ao partido do governo a sua atitude maniqueísta é a de que todos que saem fora da “caixinha” do MPLA, pertencem ao “Reino do Mal” das sombras e da subversão politica.

nzi01.jpg E, os que afinam pelo diapasão governamental vivem no “Reino da Luz do bem da razão, da paz e da tranquilidade. Na minha opinião se estes reaccionários brancos cuja forma de pensar ficou parada na idade da pedra lascada pretendem continuar a usar o termo “colono” indiscriminadamente para ofenderem todos os portugueses que viveram em Angola até 1975 ou que para lá emigraram depois desta data:

:::::

Aconselho-os a olharem retrospectivamente para os seus passados e dos seus pais ou avós antes de 1975 antes de atirarem a primeira pedra. Muito ingenuamente, pensei que o termo “colono” estivesse a cair em desuso, mas vejo que continua bem vivo nas bocas de alguns energúmenos brancos quando comentam alguns dos meus textos sobre Angola.

nzi1.jpg Não podemos enganar a história nem nos desresponsabilizarmos do mal e injustiças que cometemos, mas também nos devemos orgulhar das coisas boas que fizemos e que lá deixamos. Fomos certamente “colonos” durante os séculos que se seguiram à descoberta desse território o qual ainda nem nome tinha. Muitos milhares de portugueses emigraram para Angola na procura de melhores condições de vida com a finalidade de trabalharem para empresários  e outros.

:::::

Acredito que até finais do século XIX e princípios do século XX muitos dos portugueses que emigraram para as nossas antigas províncias ultramarinas o fizeram na qualidade de verdadeiros “colonos” aproveitando-se da exploração desumana e da mão de obra negra quase que escrava para enriquecerem. A forma comportamental desse tipo de “colono”, nada tinha a ver com todos aqueles que para Angola debandaram ou nasceram depois dos anos 50 com uma mentalidade aberta e diferente.

nzi2.jpg Construíram ali uma sociedade moderna e multirracial a qual se reflectia em todos os aspectos da comunidade. Quem disser o contrário mente! Se um empresário negro português tivesse emigrado para Angola, montasse uma empresa e tivesse empregados negros seria considerado um “colono”? Sinto-me no dever e direito de desmontar e desmistificar esta falsa questão do “colono” que não pode ser vista interpretada, generalizada com o epiteto de que COLONO BRANCO é RACISTA e EXPLORADOR.

:::::

“Colonos” e colonizadores foram todos os países que nos séculos XV e XVI descobriram á volta do globo terreste novos territórios habitados por índios nas Américas, indígenas em África e aborígenes na Austrália, num estágio primário civilizacional com perto de 500 anos de atraso tecnológico em relação aos europeus e, que no entender destes descobridores precisavam não só de ser roubados, explorados, assimilados, cristianizados e infectados com todas as doenças que estes para lá exportaram.

nzi3.jpg Diogo Cão chegou á foz do Zaire em 1483 sendo a partir desta data que se inicia a conquista pelos portugueses desta região de África a qual era constituída por vários reis e reinos étnica e linguisticamente diferentes que se guerreavam pelo expansionismo regional. O primeiro passo pelo Reino de Portugal foi estabelecer uma aliança com o Reino do Congo, que dominava toda a região. A sul deste reino existiam dois outros, o do Reino de N´dongo e o de Matamba, os quais não tardam a fundir-se, para dar origem ao Reino de Angola em 1559.

:::::

As fronteiras de Angola só são definidas em finais do século XIX, sendo a sua extensão muitíssimo maior do que a do território dos Ambundos, a cuja língua o termo Angola anda associado. A Rainha Ginga seu nome Dona Ana se Sousa “N´gola”, seu titulo real em quimbundo foi utilizado pelos portugueses para denominar a região conhecida hoje por Angola. Para além de ser considerada a primeira nacionalista de Angola, na minha opinião também foi a sua primeira grande colonizadora e eu explico porquê?

nzi6.jpg Esta rainha guerreira que morreu aos 80 anos, durante o seu reinado, anexou outros reinos e territórios, submeteu e escravizou os seus habitantes vendendo-os aos portugueses que os levavam para o Brasil tornando-se cúmplice no esclavagismo, bem como os utilizava como escravos trabalhadores nos territórios que controlava. "N´zinga" formou uma aliança com o povo Jaga, desposando o seu chefe.

:::::

Subsequentemente conquistou o reino de Matamba e em 1635 coligou-se com os reinos do Congo, Kassange, Dembos e Kissama. Este pequeno intróito sobe a Rainha Ginga tem apenas e unicamente a finalidade de demonstrar que o processo colonizativo sempre existiu em todos os continentes quando as tribos ou etnias mais fortes de melhor apetrechadamente de armas dominavam as mais fracas fora dos seus territórios.

nzi4.jpg O objectivo expansionista, esclavagista, para sacrifícios religiosos ou para se apropriarem das suas riquezas, concubinas gado, e rebanhos era prática corrente. Os portugueses não foram certamente santos pelos territórios que descobriram e colonizaram, mas também não foram totalmente pecadores na miscigenação que desenvolveram e cultivaram com os autóctones. Não confundamos ou associemos a palavra “colono” apenas com a cor branca e muito menos só com nacionalidade portuguesa.

As opções do Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 14:33
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quinta-feira, 29 de Dezembro de 2016
MALAMBAS . CLVIII

CINZAS DO TEMPO – 28.12.2016Andamos com o credo na boca, motivo de causas alheias e à revelia da nossa vontade …

MALAMBA: É a palavra.

Por

soba15.jpg T´Chingange

Muitas das leis que nos regem são um logro. Diz o paradigma de nossa cultura que são necessários no mundo conturbado que nos cerca mas elas, as leis só são pensadas para quem as cumpre. Um estereótipo normal de cidadão é invariavelmente penalizado pelas leis que deveriam ser para todos. A doutora síndica do apartamento que tenho alugado em Maceió queixa-se de que há condóminos que têm seus pagamentos atrasados com um percentual elevado e, vê-se agora na contingência de a contragosto ter de lhes fazer uma dedução com o objectivo de executarem seus débitos.

amigo00.jpg Ela necessita desse dinheiro para cumprir obrigações de fim de ano. E, ela nem pode fechar-lhes o gás, a água ou a luz porque a lei brasileira não permite isso. Se o fizesse ela não se veria em palpos-de-aranha para pagar a quem deve. Para resolver o problema ou sobe a prestação do condomínio ou mete o faltoso em tribunal; este faltoso por norma aluga o apartamento e tem dinheiro, mas alega o inverso e, se levar isto a tribunal, o incumpridor vai pagar em prestações de cacaracá com inerentes gastos judiciais.

:::::

Os condóminos zelosos e cumpridores acabam sempre por ser sobrecarregados com esta falta de cidadania de alguns. É uma amarga verdade que origina repulsa dos demais. Vejo pelas notícias que o mesmo sucede a nível de países, estou a recordar Portugal que recentemente deu benesses de perdão a incumpridores do fisco, mas há mais na lista. E, há os bancos que falham em seus empreendimentos com a anuência do Banco Nacional que tem o dever de os fiscalizar; Claro que quem vai pagar a factura, é sempre o povão!

ÁFRICA3.jpg Esta tolerância está desvirtuando desde algum tempo a honorabilidade da sociedade, a ética dos cidadãos. Estas práticas baseiam-se em teorias por forma a moldar e modificar o mundo real beneficiando o infractor! Nestas engenharias financeiras existe uma ligação de dependência em fenómenos que são a “causa” de rebelião - injustas interpretações no mundo em que vivemos. Isto está muito mal!

:::::

As ciências sociais coligam factos e, a partir deles concluem teorias, porém esta visão é irrealista porque as teorias não provêm dos factos num caminho lógico. As teorias encontram seu suporte nos factos experimentais, mas isto terá de ser contestado porque elas, as teorias moldam e condicionam o nosso conhecimento desses factos! O carácter e a logica hoje, acabam por ser nefastos ao cidadão cumpridor.

ara3.jpg As hipóteses alternativas sempre suplantam as leis básicas do sistema constituindo-se benesses aos incumpridores; Um despacho não pode matar um acórdão e, nem um parecer pode ter a força de alterar um decreto. Esta ciência à cedência, não possui métodos seguros e universais para que todos reconheçam nela, validade. É notoriamente uma falácia, fraude ou roubo! Um disfarce feito remenda à consciência e constituição. Isto não pode ficar assim institucionalizado como se fosse coisa vulgar.

:::::

Há sempre um salto no desconhecido, uma quase instituição que torna convencional os princípios teóricos fingindo não pôr em causa o valor cognitivo da ciência; aqui as teorias operam sobre uma realidade não totalmente dedutível ao sujeito incumpridor. Demonstra-se assim que as leis e teorias podem e devem ser corroboradas pela experiência, mas nunca podem ser verificadas como “verdades absolutas”. Elas são uma fraude!

mess04.jpg As teorias só são “verdadeiras” até que se prove o contrário! Elas não podem ser eternas nem imutáveis. Elas têm num dado momento de morrer porque são injustas; não é racional dar galardões a ladrões! Nem a intrujões e outros que tais! Os defeitos deste modo de governar são óbvios e os seus erros, de grande gravidade incentivam ao descaso, ao despifarro, à astucia sempre maldosa, sub-reptícia de quem não cumpre retirando daí vantagem…

:::::

Diz-se: O crime não compensa. Será isto uma verdade!? A mente parece ficar possuída de um poder de visão simultaneamente a partir de diferentes pontos de vista. É como subir a uma árvore, a cada bifurcação há que escolher o ramo da direita ou da esquerda, realizando-se uma experiência para fazer a escolha apropriada.

arau5.jpg Por vezes ficamos emocionalmente ligados, o que impede ou dificulta um julgamento imparcial. Quando surgem assim pré-juízos, a mente rapidamente degenera-se num autoritarismo de parcialidade. Definitivamente quem não cumpre, não deve ser valorizado ou enaltecido. Deve sim, sofrer as consequências! Aos velhos será cruel deixá-los privados de respostas porque das muitas injustiças, pode sem se querer, saírem à luz do tempo feridas mortais.

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 11:42
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Terça-feira, 27 de Dezembro de 2016
XICULULU . XCIII

NA CINZA DOS TEMPOS - 27.12.2016  - Para planear um futuro mais racional em sociedade, nem sempre podemos domesticar a palavra…

Por

soba15.jpgT´Chingange

Considerando a idade das galáxias em milhares e milhares de milhões de anos, os alienígenas atingiram pela certa o nosso infantil Mundo na era da pedra lascada também há uns bons milhões de anos e, vendo o nosso estágio de vida foram-se de novo embora deixando indícios formulados agora em suposições. Através de análises de carbono e versões ainda titubeantes à escala das dúvidas e falas programáticas, tentam os cientistas agir com eficácia. Claro que sempre surge a tal lei da incerteza.

apocri3.jpg Surgem com paradigmas novos, hipóteses de construirmos um novo começo. Que, afinal o inferno é só uma metáfora de alma isolada (ou exilada) e, que como todas as almas em última análise, unir-nos-á no amor com DEUS. Bom! A vida com este novo meu amigo ET 3C325 tem de ser saboreada aos goles, aos poucos. Ele diz que tudo isto é fruto da mente humana e, que os ancestrais dele já passaram há muito tempo por isto.

::::

Meu amigo ET é desconcertante e, nem me atrevo a dizer a nonagésima parte do que diz. Por demasiada periclitãncia teremos de nos preencher com coisas pequenas para nos totalizarmos na harmonia do consolo, sem passar daqui! Ele, confirmou-me isto telepaticamente!

arau45.jpg Se nós, ainda nos andamos a matar como se fossemos dum tempo antes do Adão e da Eva, falando por dá cá aquela palha no inferno como castigo, queimando-nos em fornos crematórios para purificação! Nós vemos o inferno como um artifício literário. Teremos de entender as fracturas que a vida nos proporciona por coisas ou eventos que não nos agradam e ver-nos como uma ilusão.

 :::::

Nós lidamos isolados como se não houvesse certos fungos que temos de alimentar, se não houvesse plantas, frutos e sementes comestíveis. Nós não existiríamos sem esses parasitas; sem lobos não haveria cães, sem aves selvagens, não haveria galinhas e, por aí. Por isso na civilização descobriram os antibióticos a penicilina e, por ai teremos de navegar nossas vidas; descobrindo coisas boas.

roxo95.jpg O que me leva a escrever é o fruto do assombro, um fenómeno que leva a retina ao cérebro, a imagem traduzindo pontos em teorias de conhecimentos passados engravidando espantos em coisas que não esperávamos porque não procurávamos. É quando as leis que se pretendem universais apresentam axiomas e postulados portadores de evidências intuitivas ou princípios também eles assombrosos.

:::::

Porque a ciência não é mais do que o esforço humano na descoberta ou criação de uma dada ordem no mundo que nos rodeia. A ordem concebida terá de ser julgada por valores de compreensibilidade, estéticos e de utilidade. Numa democracia somos todos livres de acreditar naquilo que quisermos mas, a humanidade existe com um propósito ou um sentido social porque o cérebro humano evolui segundo um conjunto de regras. Só espero que na estação orbital YYY3C do meu amigo ET 3C325 para onde irei, seja melhor do que isto.

Ilustrações de Costa Araujo e Assunção Roxo

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 16:22
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 25 de Dezembro de 2016
MONANGAMBA . XLIII

NO DIA DE NATAL . 25.12.2016 - Monangamba é nome africano, nome de vendedor de trabalho avulso…

Por

t´chingange 0.jpgT´Chingange

Monangamba é nome africano, nome de vendedor de trabalho avulso, que pega e despega, pago à hora de carrega e descarrega as coisas de um patrão que só o é pelo necessário tempo de levar ou trazer a tralha, o lixo, os cacarecos ou ainda, aqueles que sempre o fazem às ordens do município, gente desclassificada sem eira nem beira, a quem os candengues em outro tempo gritavam de Monangambé!

lobo1.jpg Eles, os monangambas da Luua destratavam nossas mães chamando-nos de sundiamenos, filhos da puta, e também de sungadibengos de merda; faziam-no com raiva como fazem os cães que ladrando assim uns com outros, firmam suas desavenças, cada qual formulando supurações fétidas. Ares de superioridade lembrando escravas conveniências, e escrúpulos sociais disfarçados de empertigadas invejas. Era só um tempo chamado de passado.

:::::

Agora que sou kota, fico rindo muito mole na minha honestidade preguiçosa das coisas que me alegravam nesse tempo de kandengue, resmungados agora  nos entorpecimentos massajados com essência de terebentina como fungicida entre as camadas de caspa e peles mortas nas virtudes.

MONA2.jpg Com essência de canfora, retiro o sarro de ideias naftálicas ginasticando-me nas águas quentes brasileiras a norte e a sul dos bueiros crioulos que largam seus pecúlios a céu aberto sem arbítrio dos activos ou passivos. Assim mesmo com política de vinte mil reis burlados nas formalidades curadas no imenso depósito de cloreto de sódio, o soro do Mundo.

:::::

Sentado junto ao mar fico ouvindo aquela música feita de gemidos do mar na forma de ondas. Hoje, dia de Natal do ano de dois mil e dezasseis entorpecido na embriaguez do vento morno, deixo-me embalar no espanto, vendo gente graciosa e alguns poucos restos de esqueletos cobertos por um pele seca a devorar-se sem tréguas do tempo.

magao01.jpg Um rumor quente do dia de festa vai-se formando o longo da língua de areia morena da praia da Pajuçara. Gente que andou no regabofe passa na faixa da maré-baixa, uns vestidos, outros descalços e outras morenas com seus vestidos de cambraia plissados a ferro e acompanhadas de velhos rufias entumecidos de cachaça.

:::::

Corpos lustrosos de suor, rindo forte com a camisa a espigar-se-lhes pela braguilha meia aberta.

:::::

Ontem queria ver a missa do galo com o Papa Francisco mas, repimpado como estava, não deu para manter o olho aberto mais para além das dez e trinta. A itaipava geladinha a acompanhar, primeiro com o camarão à Jucedi, depois o bacalhau com broa da Filomena e por último o peru da dona Emília, fizeram com que o bocejo forçasse o quartilho certo de sono a deitar-se.

MONA3.jpg Assim foi e, já estirado na cama gulosa pude ouvir o tilintar de talheres e copos. Ontem, dia de Natal foi dia de comer e beber à fartazana, ficar de boca cheia com beiços envernizados de molhos gordos. Não tive pança para tocar nos bolos, nas tortas e tarte mais o pudim. Não há mesmo como viver um dia de cada vez, assim cada um senhor e dono do que é seu!

:::::

Apreciar os pés sem meias, metidos nuns chinelos polidos do uso e respirando as falas de manjericão, as graças de brasileiros perfiladas num gancho de espetadas com cheiros de baunilha e outras plantas aromáticas – Eu quero que você me dê um feitiço para prender meu homem! Foi o que consegui ouvir das conversas do lado em plena praia. Estava na hora certa de regressar.

:::::

Monangamba - trabalhador sem especificação, faz-de-tudo (por vezes pejorativo).

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 23:43
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sábado, 24 de Dezembro de 2016
XICULULU . XCII

NA CINZA DOS TEMPOS - 24.12.2016 ... Eis que chega Bocage desfazendo-se em obséquios de exagerada franqueza…

Por

t´chingange.jpeg T´Chingange

Na mira de ter um assunto para escrever lembrei-me do moscatel de Setúbal em um tempo em que eu era o Visconde de Palmela, um homem muito cheio de solicitudes hereditárias; um janota muito vestido de sedas e que sempre me dispunha a respirar cheiros agradáveis com essências refinadas. Refinadices de gente da corte e também vinagres aromáticos para apagar vestígios de bocejos cansados dum resto de domingo, cheiro de velas e rezas defronte do oratório de Nossa Senhora das Dores ao sol-posto.

bocage0.jpg Naquele dia tinha convocado Bocage para comer trouxas-de-ovos vindos da Malveira. Inicialmente era para ter sido no café Nicola mas um contratempo de véspera com José Maria Barbosa du Bocage originou mudança para a tasca refinada do Mata-Sete, um tipo que se diz ter sido o carrasco do alferes Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes do Brasil. Veio para aqui após dar morte deste em abril de 1792.

:::::

Eu, Visconde de Palmela, fiquei num recanto da tasca aonde os rumores eram quentes e garridos a condizer com as peças de cozinha caprichosamente enfeitadas com resmas de alho e cabaças deformadas em anormalidades bizarras. Sobre um barril, um gordo escanchado na forma de boneco saloio, nariz batatudamente avermelhado fazia um manguito bem explícito:“ queres fiado,… toma!”.

bocage2.jpg Eis que chega Bocage desfazendo-se em obséquios de exagerada franqueza como a de quem não olha a gastos nas gentilezas, acompanhado de uma mulher morena, notoriamente de olhos embevecidos nele, um acompanhante de ternos sonhos de pandega boémia. Bocage era um vendedor de palavras distintas para os nobres, satíricas para os ricos, subterfugidas ao clero e de partir a mola aos proletários.

:::::

Não era vulgar aparecer assim em companhia de uma donzela feita naquele tipo de sol crepúsculoso a fazer ferver o sangue dos homens, metendo-se-lhes no corpo como luxurias de bode. Embora tivéssemos combinado o encontro, ele e ela que desconheço foram direitos ao homem que no limiar das pedras graníticas dedilhava gemidos em uma guitarra, sons de fado. A morena por ali ficou ao lado do guitarrista a quem cumprimentou denotando-se alguma intimidade. Recolheu de sua mala um xaile preto rendado, acomodando-se em seguida no ofuscado recanto.

bocage4.jpg Tudo indicava ser a fadista de serviço naquela terça-feira e na tasca do Mata-sete. Outra coisa não deveria ser, porque Bocage não sopraria fora a cinza da fornalha de seu ferro de engomar.  Ele o vendedor de palavras versejadas, chegou à minha mesa, cumprimentou-me com as mesuras costumeiras, mas lamuriando-se estar neste então entregue à protecção de nossa Senhora do Ó. Até então, desconhecia esta senhora, juro!

:::::

Foi quando me contou a cena do dia anterior, e que originou esta mudança, lugar de encontro. Sabes lá! A cena passou-se ao sair ontem do café. Um ladrão aproximou-se de mim com uma pistola em punho para me roubar. O que é que eu ia fazer! Disse-lhe assim: - Sou o poeta Bocage, venho do café Nicola e irei para o outro mundo se disparas a pistola. Ainda ficou pensativo e tive de mostrar os forros dos meus bolsos para se inteirar da verdade. Isto só mesmo comigo!

bocage3.jpg Após ver os forros dos bolsos sem cheta foi-se! Neste entretanto fizeram-se ouvir os primeiros acordes do fado “as pedras da calçada”, um choradinho na bonita voz que dispunha um qualquer a suster o jarro de lata do tintol de Palmela! E cheirava a fritos, crepitavam mini labaredas gretando o chouriço; ao lado demolhavam broa em pingo de febra de porco, as luzes davam vida a almas desconhecidas na fé da vida m voos nocturnos.

:::::

Era ela a Alzira, prima em segundo grau do matador de alferes cantando as falas de Bocage; iluminada por três fingidos lampiões, seu xaile relampejava nos pingarelhos de madrepérola. Bocage embevecido com sua alegria fez um gesto para que eu, o Visconde de Palmela ficasse quieto e calado. O Mundo é grande!  Para um pé doente, há sempre um chinelo velho!

bocage5.jpg Sem assunto para conversa! Caluda que se canta o fado! Levantei meu copo de moscatel de Setúbal bebendo-o de uma só vez sem demais solicitudes. Um néctar da minha lavra, salvo seja. Soube que dias depois, Bocage foi admitido na Escola da Marinha Real aonde fez estudos regulares para guarda-marinha. No final do curso desertou, mas, ainda assim, a meu pedido surge nomeado guarda-marinha por D. Maria I.

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 16:55
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sexta-feira, 23 de Dezembro de 2016
MAIANGA . XIX

UM MISSOSSO: A minha neta e eu, um contador de estórias avulso…

Maianga é um bairro de Luanda - Luua

Por

soba15.jpg T´Chingange 

Andei na Escola Industrial de Luanda por uns nove anos desde o Ciclo Preparatório passando pelo Curso de Montador Electricista, Secção Preparatória aos Institutos e também o curso de Mestrança de Construção Civil. Qualquer um destes cursos, nada tem de formação no sentido das Letras, nem tampouco era bom à disciplina de Português com a professora Maria Amélia. Na escala de zero a vinte eu andaria sempre ao redor dos dez.

araujo13.jpg Na Secção Preparatória e em regime nocturno tive um professor à disciplina de História à Antologia Portuguesa do qual não me lembro o nome mas, sempre o alinhavei como sendo de Vergílio que era excepcional em nos fazer despertar do sono lá pelas dez horas da noite. Sempre que notava a turma desinteressada ele ia buscar matéria de nos fazer regalar o olho.

:::::

Muitas vezes referia os cintos de castidade usados na idade média para salvaguardar ausências dos maridos militares que iam para guerras distantes deixando suas damas à solta. Tinha mais recursos pedagógicos como este astucioso recurso, o que levou a que sempre o lembrasse. Um dia manda-nos fazer um trabalho do tipo conto, mussendo, em que o tema era o mar. Recordo-me bem que no dia aprazado entreguei minha estória cujo tema era “o mar” bem contornada de pormenores. Na entrega da avaliação teve a gentileza de dizer à turma que estava ali uma estória muito boa, afirmando que eu seria no futuro um bom contador de Histórias. Iremos ver!

tonito3.jpg Não dei a importância ao facto e, passaram-se muitos anos até que tivesse tempo, vontade e paciência de escrever estórias; Em verdade não havia tempo mas, sempre pela minha cabeça rolavam inventações que ficavam desperdiçadas no labirinto de meu templo. Após a guerra do tundamunjila em Angola oferecem-me uma viagem grátis para o M´Puto, em troca de nada e, sem data de retorno. Não gostei nada disto!

:::::

A minha cabeça era um mundo de revolução, sentia necessidade de me expandir, estravazar; através dos Adidos fui colocado como destacado na Câmara Municipal de Torres Novas, uma Câmara que nesse então tudo se resolvia de punho no ar! Uma chusma de comunistas desconvictos, diga-se Com gestão comunista e do MDP eu passava um senhor martírio a ouvir desaforos contra a minha gente “os retornados”.

tonito.jpg O PSD deu-nos um espaço para nos reunirmos e foi decisão minha darmos inicio a um jornal de folhetos tipo “em stencil” de modo a dar informações adicionais aos muitos desalojados, gente desenquadrada de tudo, da bagunça em que nos sentíamos e, chamamos a este esboço de jornal “o caixote”. Foi útil naqueles tempos conturbados e, estando nós em um meio adverso com as direitas a querer usar-nos como linha de frente. E, nós na merda, sem futuro nem cascas dele.

:::::

Comecei a escrever em uma coluna para o jornal “Almonda” tendo como Director o Padre Amílcar; era o “Aqui e agora” falando de coisas triviais sem entrar nos detalhes políticos, usando sempre uma forma sátira de abordar coisas desabridas e, sempre com um rolo no estomago. Descontente com tudo, inscrevi-me para emigrar pelo CIME (Comité Internacional de Imigrações Europeias) concorrendo para qualquer país do Mundo! Tal e qual!

tonito8.jpg Um dia chamaram-me a Lisboa e perguntaram-me se queria ir para a Venezuela como Topógrafo mas, havia um senão: Teríamos de ir de barco! Disse-lhes que ia sim senhor, nem que fosse em um barco à vela e, fui! Estive por lá seis anos. Regressei a Portugal para poder dar uma educação firme a meus dois filhos. Neste entretanto algumas coisas mudaram no M´Puto.

:::::

Regressado ao Algarve comecei a escrever no jornal Semanário “A Gazeta de Lagoa” com a coluna “Sanzala”. Este era pertença de Artur Lignhe, um já conhecido jornalista de Angola. Agora vou à conversa mais interessante e que me levou a descrever parte do meu percurso anterior. Os anos passaram e, eis que viro avô de uma linda neta com o nome de Lara; filha de meu filho Marco António umbigado com Isabel bibliotecária.

tonito7.jpg Os anos passam-se e Lara é educada da forma correcta com leitura de uma estória ao iniciar sua hora de ir para a caminha. As histórias a ela oferecidas eram muitas e variadas; seu quarto era uma biblioteca de livros aos quadradinhos desde o João Ratão aos sete anões e da Carochinha, do lobo e da Avozinha. Fosse em Coimbra ou no Algarve, a avó ou sua mãe Isabel levavam um tempo a ler estórias que ela já sabia de cor e salteado mas, era  esta a rotina certa.

:::::

Um dia sou solicitado a ler uma estória a Lara, teria talvez uns cinco a seis anos e assim foi! Vai daí, deito-me a seu lado e começo a ler a estória escolhida por ela, previamente! Recordo ser uma estória descabelada, mal engendrada e eu lá pela terceira folha começo a fingir ler algo que eu ia inventando na hora! Nada daquilo, a dado momento, tinha a ver com o escrito!

toledo18.jpg Aquilo não tinha graça, não tinha jeito nenhum e desenvolvendo a minha versão fingindo ler o que não estava escrito. Eu só fingia! Criava personagens novos, outra envolvência. Num impulso interrompido por Lara, era o maior rebuliço. Não é assim avó! Dizia ela, a estória não é essa!

 :::::

 Pegava no livro e via que efectivamente o que eu dizia não estava ali escrito. Ficava tudo desarranjado. Sempre ficava alvoroçada e desinquieta nunca iniciava sua dormida com a minha leitura. Acabei por ser despedido desta tarefa no correr do tempo. Aquelas estórias eram tão brejeiras que me via obrigado a ler a versão que minha inventação produzia na hora.

volk.jpg Minha função de avô ficou assim votada ao fracasso. Gente próxima diz-me para escrever um livro mas este trauma sempre me diz que sou um embuste! E, como o Mundo já está tão cheio de mentirosos fico na minha, chorando na cama que é lugar quente e, porque águas passadas não movem moinhos.

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 20:13
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quinta-feira, 22 de Dezembro de 2016
MALAMBAS . CLVII

CINZAS DO TEMPO – DORES DE FOME - 22.12.2016

– Na natureza dos dias de hoje, não é o mais inteligente que vence na vida, mas sim aquele que melhor se adapta a ela… Só ontem é que soube o que era o apestato…

MALAMBA: É a palavra.

Por

t´chingange 0.jpg T´Chingange

Um estomago vazio tem ondas de contracção e, a entrada de alimentos faz parar as contracções; são estas que dão um sinal ao apestato. E, afinal que órgão é este? Pois é o centro do cérebro que controla o apetite! Deveria ser assim mas, parece não o ser porque a remoção do estomago por cirurgia nunca interferiu com o controlo do apetite; o certo é de que todos nós nascemos com um apestato a quem os fisiologistas dizem ser como um termóstato que regula uma fornalha, ou o apetite da mesma.

:::::

E, se o apestato de uma pessoa estiver regulado para muito alto, essa pessoa estará continuamente a tomar mais calorias do que as que consome. Só se se tiver um autocontrolo e auto-estima elevado é que não se desgastará com as chamadas dores de fome.

poção 01.jpg Na opinião do fisiologista Jean Mayer da universidade de Harvard o apestato responde ao nível de glucose no sangue; depois da digestão do alimento, o nível de glucose do sangue baixa lentamente. Quando se encontra abaixo de um certo nível, o apestato é ligado. Se, se der resposta aos consequentes pedidos urgentes do apetite e se, se for comer, o nível de glucose do sangue sobe momentaneamente e, o apostato é desligado.

:::::

Em um período da minha vida tive de lidar com um grupo de ciclistas que pertenciam ao clube de qual eu era presidente e também praticante dessa modalidade e, sempre sucedia ver um entre nós que nos almoços tinha um comportamento sôfrego no seu jeito de comer; tinha sempre de ser o primeiro e comia de um tal jeito desenfreado que perturbava o meu pensar. Até reclamava perante os demais que esse era um comportamento bem egoísta.

poção1.jpg Aquela ansiedade inquietava-me até ao dia que alguém disse que ele era diabético; foi quando, em verdade me inteirei desta particularidade. Até há uma geração atrás não havia nenhum tipo de tratamento eficaz para esta maleita. De facto o doente diabético apesar do aumento do apetite pode rapidamente perder peso à medida que a doença avança! Infelizmente nós, não conhecemos na perfeição o nosso corpo.

:::::

Sabemos que a urina dos diabéticos têm a particularidade de atrair as moscas por via de ser doce mas, foi só em 1916 que o médico escocês Albert Schafer descobriu que havia uns ilhéus de largerhams que produziam hormonas antibióticas. A essa hormona chamou insulina derivada do grupo e que significa “ilha” em Grego; antes pensava-se ser o pâncreas que produzia esta insulina mas, dali só saía o suco pancreático.

poção2.jpg Então, ficou a saber-se ser a insulina das ilhas uma proteína e que as enzimas do pâncreas quebravam as proteínas destruindo-a. Conseguiram em anos de experiências e por meio de laqueamento do pâncreas retirar a hormona intacta a partir dos ilhéus. Isto a que se chamou de insulina salvou nesse então 30 milhões de diabéticos.

:::::

O efeito da insulina no corpo está nitidamente em íntima relação com o nível de concentração de glucose no sangue. Em geral, o nosso organismo armazena grande parte da glucose no fígado sob a forma de uma espécie de amido chamado glicogénio deixando apenas uma pequena quantidade de glucose na corrente sanguínea para suprir as necessidades energéticas imediatas das células.

poção3.jpg Com algum empenho fiquei a saber um pouco mais do que sabia ontem. Sabemos tanta coisa diversificada e, nem sempre nos preocupamos com nossos mais importantes íntimos pertences; o próprio património que carregamos. Quando pensamos que já sabemos tudo, descobrimos que afinal, temos muito mais para saber. Temos de saber o mínimo indispensável de o porquê de termos dois olhos e não um só! Porquê transpiramos? Do porquê nos inquietamos?

:::::

Nós que só somos uma ilusão, a coisa mais completa, só duramos um certo tempo; O que Deus-Natureza determina! E depois, nem sabemos ao certo para onde iremos… Fala o livro dos livros que Profeta Eliseu subiu aos céus ainda vivo e, que foi para junto do Pai, lugar aonde ele queria estar mas, não voltou nem mandou mokanda…

poção4.jpg O Profeta Eliseu foi o sucessor de Elias no Reino do Norte de Israel. Vivia em Abel-Meolá, no Vale do Jordão; tinha uma abastada família e era dono de 12 juntas de bois. Serviu a Elias durante algum tempo e, antes de ter ascendido em direcção aos céus por um redemoinho, depois de serem separados por uma carruagem de fogo, Eliseu pediu-lhe "porção (poção) dobrada do espírito de Elias" e, foi-se! Que poção era esta?

Bibliografia: O corpo humano de Isaac Asimov  

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 07:43
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 18 de Dezembro de 2016
MUXIMA . LXVI

MULOLAS DO TEMPO O tempo suficiente para chegar a ser idoso … Mulola só é rio quando chove a montante…

Por

t´chingange 0.jpgT´Chingange

Os avanços feitos pela medicina moderna na batalha contra as infecções, contra o cancro, contra as doenças nutricionais, têm aumentado a probabilidade de qualquer individuo viver o tempo suficiente para chegar a ser idoso. Metade das pessoas nascidas nesta geração podem ter a esperança de ir para além dos setenta anos se entretanto não houver acontecimento circunstancial alheio a si próprio, como uma guerra nuclear ou uma qualquer indistinta catástrofe.

:::::

Sempre existiram pessoas que podem comer livremente e que o fazem ingerindo de tudo em quantidades maiores do que as necessárias; nosso corpo armazena o excesso sob a forma de gordura, um armazém de calorias que dará para sustentar a pessoa durante um período em que a comida disponível é pouca, caso contrário a pessoa excede o peso recomendável ficando atreito a doenças degenerativas ou metabólicas como os diabetes e a aterosclerose entre outras.

leão0.jpg O único modo racional de o evitar é diminuir a ingestão de alimentos ou aumentar a actividade física; as pessoas que se recusam a fazer qualquer destes dois cuidados, estão condenados a continuar com excesso de peso ainda que se possa experimentar truques. Por mim, ando entre hora e meia a duas horas e faço alguns abdominais para reduzir a curva inestética da obesidade.

:::::

Ao longo da maior parte da história da humanidade os alimentos das pessoas consistiam naquilo que se podia produzir localmente e, mesmo assim geralmente não existia a fartura que há hoje. Dependiam de factores externos como as pragas, falta de chuva ou excessivo calor. Antes destes tempos modernos a fome era invariavelmente um fenómeno local; não havia mobilidade e as famílias resignavam-se aos desígnios da natureza.

leão01.jpg As províncias vizinhas de uma dada região podiam até ter comida acumulada mas, não podia ser transportada para a área afectada pela fome; Sabemos que nos dias de hoje morre muita gente em África e Ásia por má distribuição de riqueza ou pela seca mas esses povos são invariavelmente geridos por déspotas, ditadores que se governam, que comem bem e só deitam os ossos aos seus cachorros.

:::::

É confrangedor o que se pode ler, ver e ouvir todos os dias por esses países geridos por crápulas incompetentes que só olham o seu umbigo e seus eleitos pares como Roberto Mugabe do Zimbabwé ou Eduardo dos Santos de Angola. Quantos povos ricos de água, de minerais e até de infraestruturas que lhe foram legadas pela descolonização e, se encontram agora em total abandono.

bruno27.jpg Poucos são os países africanos que se podem considerar isentos na forma de gestão de seu território; até os mais desenvolvidos como a África do Sul que enferma de graves problemas tribais, que dificulta também a vida a técnicos que lhe fazem falta só porque se é branco. Quando assim procedem, estão nitidamente a causar embaraços ao desenvolvimento de seus países, de seu povo.

leão3.jpg Os homens da antiguidade aprenderam a conservar os alimentos secando-os, salgando-os aumentando o seu teor em açúcar e fermentando-os. Hodiernamente foram desenvolvidos métodos de armazenagem sob vácuo e tornou-se assim desse modo ser possível conservar quase tudo em um estado próximo do original. A preparação mata os microrganismos evitando a reprodução e sequente crescimento de outros.

:::::

O vácuo tornou-se praticável por um cozinheiro francês de nome François Appert, que desenvolveu essa técnica por via de um prémio atribuído por Napoleão I, a quem descobrisse um método de conservar os alimentos por longo tempo e, para uso de seus exércitos. Nesse então foram utilizados frascos de vidro mas, actualmente usam-se caixas de aço revestidas a estanho (latas). Mais recentemente usa-se o plástico.

:::::

A partir da segunda guerra mundial os alimentos congelados tornaram-se cada vez mais populares surgindo um número crescente de geleiras domésticas aumentando ainda mais a disponibilidade e variedade dos alimentos frescos nos lares. Todos os países têm agora redes de frio com veículos apetrechados a fim de manterem o fluxo certo de géneros, frutas, legumes, peixe e carne nos mercados regionais. Verifica-se deste modo ter aumentado a praticabilidade das modernas manias alimentares, um negócio em expansão.

leão2.jpg É assim possível comer-se hoje uma larga variedade de alimentos essenciais à maquinaria química do corpo. Quem seguir uma dieta normal e variada comendo de tudo um pouco ficará na esmagadora maioria livre das chamadas doenças de avitaminose. Foi necessário esperar pelo último quarto do século XX para que a dita dietética descobrisse as quantidades e substâncias nos alimentos de forma a ter-se uma alimentação saudável.

:::::

Já la vai o tempo em que o escorbuto matava gente por desconhecimento; os capilares tornavam-se cada vez mais frágeis, as gengivas sangravam os dentes soltavam-se. Os portugueses sentiram este estado de coisas em suas navegações ao redor do mundo. Vasco da Gama e Fernão de Magalhães tinham de levar alimentos que não se estragassem como o biscoito e carne de porco, salgada. E afinal, bastava terem limões, laranjas ou caruma de pinheiro para eliminarem esse mal. Resta-nos agora uma luz para exterminarmos o câncer! Estará a cura na raiz da planta “dente de Leão”? Tomara!

leão1.jpg A planta chamada de dente-de-leão (taraxacum officinale) é considerada daninha por muitos, tamanha é a facilidade com que se dissemina, inclusive através de brincadeiras de crianças, que sopram suas sementes ao vento, espalhando-as e ajudando a planta a germinar. No nordeste do Brasil é conhecida como “esperança” mas também tem outros nomes tais como: taráxaco, alface-de-cão, amargosa, amor-de-homem, etc.

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 07:21
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sábado, 17 de Dezembro de 2016
MUXIMA . LXV

MULOLAS DO TEMPO -17.12.2006 - O ESQUECIMENTO EXISTE EM NÓS PARA QUE NOS SEJA POSSIVEL SUPORTAR AS MINUDÊNCIAS DA VIDA…

Por

soba 01.jpg T´CHINGANGE - Nasceu em águas internacionais num vapor chamado Niassa. É cidadão do mundo, Angolano na diáspora - Mazombo por condição; anda pelo Mundo à procura de si mesmo! Sente-se e respira Angolano, tem cédula de Brasileiro, B. Identidade do M´Puto. Anda por África às arrecuas para fugir à regra, um paradigma novo, só seu.

São seis horas da manhã e está um vento frio e mar encrespado; as ondas de maré-alta lambem-me os pés. Ontem a NASA tinha dito que não haveria sol intenso em virtude de haver uma explosão solar e que por via das poeiras a Terra iria ficar de um nublado carregado mas o que verifico são haver nuvens como em qualquer outro dia. Tomando o iodo com a vitamina D, eu e Ibib tentamos pendurar os dias respirando a natureza entre as seis e as nove horas da manhã porque depois desta hora o sol queima demais. Na orla e caminhando pelo calçadão ginasticam-se donzelas perfumadas aos magotes.

nauk6.jpg Velhos e novos bronzeando também seus suspiros de Deus apreciam enquanto caminham os enfeites natalícios que mostram árvores, botas, trenós, os Reis Magos Melchior, Baltasar e Gaspar e luzes trepadoras que se estendem coqueiros acima. Aqui e junto à quadra em areia de futbolei vão armando as redes. Não demorará nada a iniciarem seu jogo, dois de cada lado usando o tronco a cabeça e os pés. Eu fico vendo-os deliciado com sua capacidade física.

:::::

Ontem, aconteceu que um homem de meia-idade encarquilhado de corpo e creio que da cabeça com cabelos empestados de sujeira de esterco, homem morador de rua que fica aonde o deixam ao relento, por debaixo de uma amendoeira ou coqueiro, fez suas necessidades bem perto de nós. Assim, destapando o fiofó para o infinito do mar, meio curvo lançou suas quezílias no verde-mar, pluf-pluf.

:::::

Fiquei surpreso mas ele na maior, despreocupado do mundo, de rabo alçado ao céu de Nosso Senhor foi limpando suas intimidades meio tapadas por um calção que em tempos foi verde e, muitos atilhos empeçados nos trastes, seus pecúlios de riqueza.

araujo30.jpg Isto acontecer em uma praia nobre, brada aos céus mas nós já em horas de regresso zarpamos dali depois de comprar dois cocos frios para amornar ruindades do pensamento. Do meu lado esquerdo posso admirar ao longo da língua da areia branca da Pajuçara as velas triangulares das jangadas quietas que levam mais tarde  os turistas até o largo, mar rasteiro, maré-baixa, água límpida bordeada com rochas, recifes e corais com peixes de cores variadas.

:::::

Estou em Maceió do Brasil revendo pensamentos, cortando pedaços de polpa de cocos, distribuído pelos muitos pombos que deambulam em meu redor. São estes os limpadores naturais desta praia; em outros lados são os urubus. Ibib aqui a meu lado lê em voz alta um livro que fala de encarnações de vidas.  E fico preso à narração: Uma neta que teve um bom relacionamento com a avó em vida mas, esta morreu tinha ela desaseis anos.

araujo19.jpgA moça ficou muito zangada, sentiu-se abandonada, começou a ter sonhos perturbadores em que a avó estava sempre partindo deixando-a só. Os anos passaram, sua vida foi aplacada mas, esses sonhos reapareceram quando ficou gravida. No sétimo mês de gestação começou a sentir pela casa o cheiro do perfume que a avó Oscélia usava.

:::::

A neta Cese, quando viu a filha recém-nascida, sentiu-se com a sensação de ter tido com ela uma antiga familiaridade. Pouco antes da menina Dee completar dois anos começou a dizer e a fazer coisas que a deixavam bem pensativa.  Quando a criança tinha cerca de um ano e oito meses, no supermercado, Dee deu seu gritinho de prazer dizendo: Olha mamãe, olha a minha amiga Berguer aqui! A senhora Berguer? Isso mesmo… sou eu! Disse a própria olhando a pequena, sem contudo a reconhecer.

:::::

A senhora Berguer e a avó Oscélia tinham sido vizinhas durante 35 anos. Tempos mais tarde a mãe Cese resolveu levar a filha Dee a um salão de chá ande era costume ir com sua avó. Aqui a Dee falou com alegria: “eu gosto deste lugar!”. Quando se aproximou a empregada, garçonete, uma senhora já de certa idade, Dee exclamou: Lá vem a Elen! Quando esta se aproximou pode ler seu nome no crachá “Elen”; esta ficou pouco à vontade porque, nunca tinha visto aquela menina.

roxo92.jpg Saindo de um outro sítio e em outro momento tendo Dee dois anos, em um cruzamento da cidade e sem motivo nenhum, ela começou a chorar dizendo para a mãe: Mamãe, você aqui tem de ter muito cuidado, visse; aqui é muito perigoso, a gente se machuca! Chegada a Casa Cese falou com sua mãe que lhe confirmou ter tido a avó Oscélia um atropelamento em esse mesmo cruzamento; tinha nesse então nove anos, disse a mãe.

:::::

Foram estes pequenos actos de leitura que me levaram a pensar seriamente sobre a reencarnação, coisa que a Igreja católica nunca aceitou! Neste pequeno evento de vida posso recordar coisas que nem sempre podem ser faladas. Ainda teremos de aprender a conviver com as coisas de agora e que estarão por vir. Os espíritos embora escolham voltar, quase todos encaram com relutância a vida que se aproxima.

roxo90.jpg Vêm-na mais como um dever algo desagradável que têm que fazer para alcançar o desenvolvimento espiritual. Não é difícil imaginar a relutância do espírito em deixar um lugar de amor incondicional para retornar a um mundo imperfeito e aonde há luta dor; no desejo de iluminação o anseio por unir-se a Deus é mais forte do que qualquer sofrimento na Terra.

Ilustraçõs de Assunçao Roxo e Costa Araujo

 

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 17:02
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sexta-feira, 16 de Dezembro de 2016
MUJIMBO . CIV

MOKANDA DO BRASIL

Mujimbo é boato, um diz que diz…

Por

t´chingange 0.jpg T´Chingange

temer4.jpgA convulsão política no Brasil continua provocando batalhas políticas que colocam em causa todos os lugares da hierarquia institucional brasileira incluindo mesmo o Senado que se tem mostrado senão titubeante, tendencioso, segundo a visão de independentes. Não tem havido soluções pacificadoras para a política brasileira. Seus comportamentos só poderão culminar em que “a única coisa sabida é a de que isto vai acabar mal, qualquer que seja o resultado”.

:::

A lama suja todos; a política brasileira vive dias de brasa. "As assembleias vistas pelo povo pela TV são até um bocado caricatas”. Dizem e desdizem-se porque eles sabem bem o que são e, porque não há políticos brasileiros dissociados ao escândalo da Operação “Lava Jato”.

temer1.jpg A dificuldade é saber se uma qualquer lista tem ou virá a ter alguma credibilidade. Porque a partir de certa altura, vão todos os nomes para a fogueira. Os justos e os pecadores são tratados da mesma maneira. Do ponto de vista da estabilidade do regime, isso torna muito problemático o que se está a passar neste momento do Brasil.

:::::

E Temer, sendo o segundo na linha de sucessão de Dilma teve uma conduta critica e dúbia porque no derrube de Dilma afirmou: “Se a Presidente sobreviver, eu também não saio do lugar”. Ou seja, ele tenta derrubá-la, mas se por acaso falhar ele não sai do lugar dele. Isto revela um grau zero da vergonha e do pudor em política. O que indicia um problema mais grave, para além das personagens em concreto. O sistema é profundamente disfuncional, manifestamente em desequilíbrio politica. O Brasil precisava de tudo neste momento menos de uma crise institucional mas parece não haver como retroceder.

temer2.jpg Há aqui, nitidamente, uma vertigem autofágica do sistema político brasileiro. E os protagonistas ainda não perceberam que estão todos a atirar também nos próprios pés. Podemos comparar este esquema de “Lavajato” com a operação Mãos limpas de Itália: - (Mãos Limpas) em Itália, nos anos 90. Em Itália havia um sistema de loteamento na distribuição das luvas nos concursos públicos, em função da representatividade de cada um dos partidos a nível nacional e regional.

:::::

Foi isso que esteve na base da grande operação que começou na Procuradoria de Milão, que destruiu depois o Partido Democrata Cristão Italiano, o Partido Socialista Italiano e o próprio Partido Comunista que não saiu incólume destas suspeitas! Estamos a viver exactamente uma situação desse género. O escândalo Petrobrás é um escândalo de loteamento de luvas em que todos os partidos estavam associados à quota.

temer3.jpg É difícil encontrar um político que não tenha culpas no “cartório” argumenta-se com razão! E a seguir a Temer quem virá, num período que se prevê ser breve? Se não correr muito mal há-de emergir alguém em democracia. A profecia do Carlinhos adivinhador diz que será um tal de Álvaro Dias, um ainda ilustre desconhecido nestas correrias ao pódio da nação. Tanto quanto sei, é um Senador como tantos outros. Irá ser assim, Progresso para estes e  Ordem para o Povo, tal como diz a bandeira das muitas estrelas… 

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 20:31
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Segunda-feira, 12 de Dezembro de 2016
MALAMBAS . CLVI

CINZAS DO TEMPO – 12.12.2016Na natureza dos dias de hoje, não é o mais inteligente que vence na vida, mas sim aquele que melhor se adapta a ela…

MALAMBA: É a palavra.

Por

soba0.jpegT´Chingange

A cada instante do tempo presente os nossos sentidos são inundados por um feixe de informações sobre o mundo real. As nossas mentes constituem-se na narração de estórias e da teoria contada pela ciência que diz que fomos criados pelo acaso entre milhões de outras espécies da biosfera da Terra. Nada demonstra que nos tenha sido atribuído um destino ou um propósito especial, ou que nos tenha sido outorgada uma segunda vida depois de terminada a que temos presentemente.

:::::

Mas, qual é então o sentido da vida humana? Será uma epopeia da espécie, iniciada com a evolução biológica desde a pré-história, assim como um acidente da evolução, um produto de uma mutação aleatória e de selecção natural? Ou seremos apenas o resultado final de muitas curvas e contracurvas duma única linhagem de primatas do velho mundo.

koisan1.jpg Estou assim, balouçando a languidez na forma de jiboiar rede, coisa bastante parecida com a preguiça, desperdiçando-me num impertinente alheamento a esse mercenário mundo literário. Com o tempo, foram-me dizendo coisas, atribuindo tarefas e, ensinando-me o que fazer em todas as feiras com descanso ao Domingo.

:::::

Falando com um velho herero de áfrica fiquei a saber que disto, ele nada sabia. Nunca os mais velhos lhe falaram de que por ali tivesse andado um apóstolo de Deus. Disto, também ele pouca importância deu fazendo-me confusão ao raciocínio. Ele, um mais-velho, só tinha conhecimento de uns missionários andarem por ali distribuindo falas e também costumes novos com patrocínio da coca-cola. Fiquei a saber ter sido uma entre muitas ONGS, gente com missangas e cruzes ensinando coisas aos khoisan (bosquímanos).

koisan2.jpg Cosendo disfarces, ensaio previsíveis alegorias sobre os vícios e infortúnios do passado construindo castelos com paus de fósforos. Amorfos que logo queimo por masoquismo, na fricção do ar. Dia após dia, escrevo argumentos de cozer pálpebras à paixão, continuando sempre igual, como sempre o fui, cada vez mais na mesma.  

:::::

Aqueles povos têm uma longa história, estimada em vários milhares (talvez dezenas de milhares), agora reduzidos a pequenas populações, localizadas principalmente no deserto do Kalahari, na Namíbia, mas também no Botsuana e em Angola, lugares que percorri. E, afinal o homo sapiens foi o único a desenvolver uma inteligência suficientemente elevada para criar uma civilização.

koisan4.jpg Passaram-se mais de duzentas mil gerações, tempo mais que suficiente para que a selecção natural forçasse uma série de mudanças genéticas fundamentais. Tornámo-nos os senhores do planeta e talvez do nosso canto da galáxia, também. Tagarelamos constantemente acerca da sua destruição, uma guerra nuclear devido a alterações climáticas ou a uma segunda vinda apocalíptica pressagiada pelas sagradas Escrituras.  

:::::

Os seres humanos não são maus por natureza. Possuímos quantidade suficiente de inteligência, boa vontade, generosidade e iniciativa para transformarmos a Terra em paraíso, tanto para nós mesmos quanto para a biosfera que nos viu nascer. A grande maioria das pessoas em todo o mundo permanece num estado de servidão face às religiões (tribos) organizadas, lideradas por homens que se arrogam poderes sobrenaturais para poderem competir pela obediência e os recursos dos fiéis.

koisan7.jpg A maior parte dos nossos líderes sejam eles religiosos, políticos ou empresariais, aceita explicações sobrenaturais da existência humana. Estes, nenhum interesse têm em opor-se aos líderes religiosos e provocar desnecessariamente a população da qual obtém o poder e os privilégios de que gozam. 

:::::

Bibliografia: Extractos do livro “O sentido da vida humana” de Edward O. Wilson – Prémio Pulitzer 

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 19:56
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sábado, 10 de Dezembro de 2016
MUXOXO . XLIII

TEMPO COM CINSAS – 10.12.2016  

-Quando os heróis ficam bronze - Faço recursos à imaginação, combatendo o tédio das horas que sempre sobram…

Por

soba0.jpegT´Chingange

Eram cinco horas e cinco minutos da madrugada, já dia aberto, quando me destinei a caminhar na direcção da feirinha, uns bons 40 minutos andando normalmente e, a partir do Bairro Antares. Levei a mochila para no caso de trazer algo de que gostasse e passei pelo canto da Mena, um boteco situado em uma rua de pouco movimento e que dá num grande largo com um campo de futebol pelado. A esta hora a farra já estava nos finalmentes mas ainda havia umas m´boas cusudas fazendo olhos de pôr de sol aos seus pardos companheiros que entrelaçavam palavras com a cachaça pitu ou cerveja skol.

:::::

As caixas de música tocavam baixo dando som ao grande chapéu de lona quadrado e com suas quatro prumadas em tubo galvanizado ocupando de lado a lado de toda a rua. Qualquer motivo é bom para fazer forró, gingar o pandeiro e fazer gatafunhas à preguiça da luz ténue da noite com umas quantas fluorescentes coloridas dando compostura ao cenário.

abac1.jpg Pode ter sido uma festa de aniversário como a de uma qualquer colectividade festejando um evento de sexta-feira que muito provavelmente já vinha de quinta-feira de Nossa Senhora da Conceição com ponte durável até domingo à noite. Interroguei-me se aqueles aparatos teriam a permissão da autarquia e polícia, mas tive de desculpar a minha curiosidade porque em verdade, até tinha um mukifo monobloco de WC assim como os das obras destinado às damas.

:::::

Do outro lado uma caixa feita de tábuas, uma tranca aramada a fazer de trinco, tábuas enquadradas ao calhas espetadas para o ar formando umas ameias inestéticas e pintadas ou caiadas no jeito tosco de quem tem pressa de acabar.  Descrevo ao pormenor para se darem conta que as vontades foram muitas para fazer funcionar o quebra-quebra do xanxado, musiquinha sertaneja de fazer saltitar o gogó da Mena e, no farfalho da vontade do lusco-fusco da meiguice.

mux1.jpgMais além os urubus saltitavam disputando sacos de lixo ali amontoados. Já não se distinguia bem qual o monte a ser levado pelo carro da prefeitura dos demais por ali espalhados, coloridos e entalados no capim parecido com as folhas de caxinde e, destacando-se uns tufos de mamona ou rícino regados com águas escuras que ali desaguavam saídos de descuidados tubos lá mais junto ao lancil, no meio do capim ensarilhado de restos fedorentos. Cumcamano!

::::

Chegado à feirinha de rua, pude ver em uma banca com peixe, umas grandes cavalas pelo que, mandei preparar uma delas e já com o saco bem atado na mochila parei mais á frente para comprar doze bananas pacova de grande porte que me custaram três reais e também dois quilos de feijão de corda mais maxixe, jiló e quiabos.

ramos3.jpg De regresso ao lar da Margarida cativo-me depois do banho no meu cantinho do céu rodeado de samambaias; troco ideias com meus obstinados e silenciosos abismos na perspectiva de dali extrair ausentes sentimentos. Ouço a canção evangélica do Eliseu do dia de seu descanso dando graças a Deus e, entre grossas curiosidades sufoquei o meu espírito num mistério, despojo de intuídas ideias preconcebidas no dito de que “só vemos o que queremos ver”.

:::::

No intuito de mostrar o que ninguém viu antes, comecei a averiguar obsessivamente os segredos de muita gente inteligente que não rouba por vício ou por necessidade mas pelo mau hábito de querer ser rico, dono da vaidade deles e senhores das alheias. E este Brasil esta muito cheio de gente governamental que sempre quer levar a melhor, ficar no beneficio sem quere perder as regalias que a eles próprios atribuíram.

maga2.jpg Cosendo disfarces, ensaio previsíveis alegorias sobre os vícios e infortúnios do passado construindo castelos do meu envenenado orgulho, erigindo uma muralha à volta de estabelecidos conceitos tidos como certos. E, fico na dúvida entre o ser agnóstico ou driblar-me em golpes de liberdade de católico não praticante, uma coisa que nada é. Humilhando-me deliberadamente, faço recursos à imaginação, combatendo o tédio das horas que sempre sobram. Cumcamano!

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 20:23
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sexta-feira, 9 de Dezembro de 2016
MALAMBAS . CLV

CINZAS DO TEMPO – 09.12.2016 Teremos de compreender que para planear um futuro mais racional em sociedade, nem sempre podemos domesticar a palavra…

MALAMBA: É a palavra.

Por

soba0.jpeg T´Chingange

Numa democracia somos todos livres de acreditar naquilo que quisermos mas, tenha-se em conta que os parasitas são predadores que comem as presas sem nunca os consumir por inteiro. Terei melhor definição para descrever um político? A fé é a prova da submissão de uma pessoa a um determinado deus ou uma determinada ideologia e, mesmo assim, essa submissão não é concedida directamente à divindade, mas a outros seres humanos que se afirmam representar o deus ou se comportam como tal.

:::::

Posso situar aqui políticos e pastores, gente que sempre tenta confortar seus membros, seus seguidores com palavras mais verdadeiras que todas as demais. O custo para a sociedade em geral deste curvar de cabeça tem sido enorme. A evolução é um processo fundamental do Universo estando presente não apenas nas gentes e animais mas, por todo o lado e a todos os níveis. 

poluição.jpg A psicologia, a antropologia e até mesmo a história da religião, não fazem sentido sem a evolução já que esta é a componente chave analisada através dos tempos por essas disciplinas. Posso concordar que a “fé cega” até pode ter consequências positivas porque unem os grupos de uma maneira mais forte e proporcionando conforto aos seus membros, mas sempre uns estarão subjugando outros.

:::::

A carga dogmática se for uma religião, torna-se mais tolerável devido a estas vantagens tornando-se o grupo num rebanho dócil. Ainda assim, a força motriz que no fundo está por detrás da “fé cega” não é uma inspiração divina, mas antes a certificação de filiação num grupo, num partido, numa igreja ou em um clube.

MAR VERMELHO 04.jpg Mas, para além da religião, outras ideias erradas e arcaicas têm enfraquecido a cultura como a da crença de que os dois grandes ramos da aprendizagem da ciência e das humanidades serem intelectualmente independentes. Essa crença chega ao ponto de fazer crer que quanto mais afastadas forem mantidas, melhor será. Ao ritmo a que surgem descobertas inovadoras capazes de gerar um conhecimento vasto, irá abrandar aquelas crenças.

:::::

No espaço de décadas, o conhecimento relativo à cultura tecnocientífica será enorme em comparação cm o conhecimento actual evoluindo, diversificando-se e associando-se ao humanismo por modo a se poder afirmar que a nossa espécie tem uma alma. Os grandiosos ramos de conhecimento aliados as artes criativas, não podem ser prejudicadas pelas severas limitações do mundo sensorial no qual a mente humana existe.

:::::

Bibliografia: Extractos do livro “O sentido da vida humana” de Edward O. Wilson – Prémio Pulitzer 

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:46
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quarta-feira, 7 de Dezembro de 2016
PARACUCA . XXII

MULOLAS DO TEMPO – 07.12.2016 - Fábrica de Letras in Kizomba com histórias da vida.  

- Mulola é um leito que só é rio quando chove…

Por

t´chingange 0.jpg T´Chingange

No tempo de Nabucodonosor não havia conhecimento da espectrometria e tampouco se sabia que havia sete planetas em nossa galáxia. Hoje sabe-se haver milhares de galáxias e milhares senão milhões de planetas a muitos anos-luz da nossa galáxia com outros sois. Os especialistas só não têm provas concretas de que existe vida nessas muitas galáxias. A luz proveniente dessas estrelas longínquas, são medidas por espectrogramas a partir do espaço.

::::

Com o avanço de conhecimentos, pode agora dizer-se que a existência de vida alienígena deixará de ser algo hipotético para ser bastante provável. Também creio que será capaz de acrescentar alguma credibilidade na procura de vida extra-solar a partir da história da própria terra. O nosso planeta nasceu aproximadamente há 4.500 milhões de anos e os micróbios surgiram logo depois passados uns 150 a 200 milhões de anos.

minhoca0.jpgPara nós humanos o tempo biológico de duzentos milhões de idade, parece ser uma eternidade em nossa mente, mas isso representará um dia na totalidade dos quase 14 mil milhões de anos da história da via Láctea. Os astro-biólogos terão cada vez mais de procurar encontrar em outros planetas a possibilidade de lá podermos viver. Os vários governos do globo deveriam estimular e financiar esta pesquisa como salvaguarda de sobrevivência em um futuro próximo.

:::::

Há indícios de moléculas de gaz terem sido detectadas e, é a partir daqui que haverá hipótese de no futuro se estabelecer vida em outros planetas para bem da Terra nosso berço, mesmo que sejam um oásis de um deserto e que possam albergar organismos até com elementos moleculares diferentes.

minhoca01.jpg Esta curiosidade levou-me a cultivar minhocas a fim de assegurar um ecossistema sustentável no meu pequeno quintal. Alimento-as com desperdícios de comida, restos de batatas, cascas de frutas, cenoura, couve e outros vegetais. Estas são as minhocas vermelhas da Califórnia (Lumbricus rubellus) uma espécie bastante criada nos Estados Unidos, e muito utilizada na agricultura mundial.

:::::

Estas minhocas depois de digerir todo o material orgânico, principalmente esterco de vaca, alimento preferido das minhocas vermelhas, produzem o húmus, que nada mais é do que as suas fezes, um adubo natural e potente para a plantação já que contém diversos nutrientes para o solo como o nitrogénio. São famosas por sua capacidade de limpar resíduos, pois que se alimentam de matérias orgânicas em decomposição como  já referi.

bruno27.jpg Creio que em Marte a vida poderá ter evoluído em mares extintos e ter sobrevivido actualmente em aquíferos profundos que contêm água liquida. Isto porque na maioria dos lugares do mundo se regista a presença de insectos e aranhas e até peixes, todos com anatomias adaptadas à vida em ambientes teoricamente pobres e sem qualquer luminosidade.

::::

Outros hão entranhados em fissuras rochosas desde a superfície terreste até uma profundidade para além de um quilómetro. Bactérias que vivem da energia obtida da metabolização das rochas, espécies recentemente descobertas e até abundantes na superfície terreste. O anseio por odisseias e aventuras próximas ou distantes, está inscrito em nossos genes…

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 14:50
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Terça-feira, 6 de Dezembro de 2016
MOKANDA DO SOBA . CXVII

TEMPOS PARA ESQUECER06.12.2016 - ANGOLA DA LUUA XXVI. NA GUERRA DO TUNDAMUNJILA.

Nesta lengalenga de lembrarmos coisas mortas, cada homem é um mundo… “retornado” era um disfarce de uma palavra … palavra envergonhada.

Por     

soba15.jpg T´Chingange - (Otchingandji)

Em fins de Julho de 1975 era urgente que Lisboa enviasse seis chaimites devido à escalada de violência. Silva Cardoso tinha feito esse pedido mas, estou em crer que isto não se chegou a concretizar. Era uma exigência, sobretudo pela violência desencadeada pelos “soldados” do MPLA, drogados incontroláveis que hostilizavam permanentemente as tropas portuguesas, que aqueles, ainda consideravam como “o inimigo”; isto depois de tudo! Depois de tanta ajuda! Por aqui se podia induzir o calibre moral de tal movimento.

:::::

Agostinho Neto tinha trabalhado para que isto assim fosse! Ainda neste ambiente de tensão da Vila Alice a 27 de Julho, as NT (tropas do M´Puto) apresaram a barcaça “5 de Fevereiro” (que antes era das NF) com cerca de 300 toneladas de armamento, munições e outro material de guerra dirigido ao MPLA. Isto foi um entre centenas de casos que se dissolveram a propósito entre a ajuda descarada dos nossos ilustres dirigentes do CR ao MPLA de Neto. Aqui, tudo continuou na mesma. O propósito era mandar os brancos embora; uma descarada tundamunjila”.

valentina3.jpg Lúcio Lara e Agostinho Neto, a 28 de Julho no funeral das vítimas da Vila Alice acusaram as FAP (Forças Armadas Portuguesas) de terem traído o MPLA afirmando que estes, já não estavam a fazer nada em Angola. Para Agostinho Neto, a presença das FAP em Angola era, “senão necessária, prescindível!”. Depois de tantos favorecimentos por parte das FAP, ainda os estariam a transformar em bodes expiatórios; nunca um lobo procederia assim.

:::::

Agostinho Neto era mesmo um crápula, um cínico da pior espécie. Para Silva Cardoso, deveria alertar-se as instâncias internacionais dando prioridade à evacuação de centenas de milhares de portugueses cuja vontade era abandonar o território: isto já o era irreversível! Afirmou. O acordo de Alvor estava totalmente comprometido e, deveria ser denunciado por Portugal. Com esta atitude, o MPLA arrepiou caminho mudando de atitude; não lhe seria favorável a entrada da ONU nem da OUA.

valentina5.jpg O directório do MPLA teria de se sujeitar e conter suas gentes do poder popular! Depois de Nakuru e das batalhas de Luanda, a margem de manobra de Portugal ficou substancialmente reduzida. Em Kampala a missão portuguesa teria de deixar Angola à sua sorte manobrando os actos até o 11 de Novembro, o dia agendado para a entrega, sem se saber a quem; aos lobos! Tudo isto corria na feição exacta dos mandatários do CR e seu timoneiro Rosa Coutinho, o Almirante Vermelho, o maior pirata à face da terra hodierna.

:::::

O ataque da Vila Alice ao MPLA foi das poucas atitudes tomadas, dignas de enaltecer o brio tão ofuscado dos militares Lusos. As NF foram na generalidade duma tão perversa actuação que o melhor seria originarem um hiato na história militar. Com a saída de Silva Cardoso, o Almirante Vermelho entra de novo em acção deslocando-se a Luanda.

valodia.jpg Rosa Coutinho dando novas directivas às FAP reforça suas instruções antigas para que a todo o custo defendessem Luanda da investida da FNLA, mesmo que para tal significasse para o mundo ficar abertamente ao lado do MPLA; obviamente fazia-se naquele momento o trabalho do MPLA.

:::::

Recorde-se que isto sucede depois do encontro em Lisboa entre o 1º Ministro Vasco Gonçalves, Rosa Coutinho, Otelo Saraiva de Carvalho e Henrique Santos (Onambwa) que resultou na destituição do General Silva Cardoso com passagem à reserva militar. Mais uma vez Agostinho Neto levava a sua melhor; retirar o General Silva Cardoso que não dizia “ámen” a tudo o que este queria.

soares2.jpg Entretanto o afastamento do General foi contestado pela FNLA e UNITA referindo ambos os partidos terem estas atitudes aspectos obscuros e, queixando-se de não terem sido consultados para o efeito. Esta reclamação já pouco contou para o efeito. Estes desacordos já pouco peso tinham na conduta dos acontecimentos.

:::::

Entretanto, na Metrópole-M ´Puto, o IV Governo Provisório chefiado por Vasco Gonçalves, cuja tomada de posse se deu a 26 de Março de 1975, cai a 8 de Agosto de 1975, altura do Verão quente dando lugar a ele mesmo com o V Governo Provisório de Portugal, cuja tomada de posse se deu a 8 de Agosto de 1975, que viria a cair a 19 de Setembro de 1975 por pressão americana.

CABINDA3.jpg Se algo Portugal deve aos chamados retornados é a viragem na saída governamental da esquerda, desmanchando o bando que tomou Portugal de assalto com rosas nos fuzis. Foi uma exigência dos Estados Unidos, auxiliar o M´Puto em troca da saída do agitado comunista Vasco Gonçalves que só estava a fazer leis pouco aceitáveis e já desacreditadas em outros países da orbita Russa.

:::::

Alguém que fugiu para o Brasil descrevia o panorama da seguinte forma: “O que considero ser a pior ferida nacional … foi a chegada de todos os que vinham das “ex-colónias”. Eles foram aqueles que acreditaram, lutaram por uma vida melhor para os seus … construíram e deram muito da alma portuguesa em África. Agora voltavam, muitos deles sem sequer conhecerem ou terem alguns elos com Portugal para refazer as suas vidas …

luis12.jpg Já a palavra “retornados” era um disfarce de uma palavra … palavra envergonhada, escondida sob uma capa de regresso que era totalmente falsa, pois muitos dos que voltavam eram netos de quem partira daqui há longos anos, não conheciam e mal amavam Portugal, tinham uma alma africana, uma alma mais livre, mais quente e muito mais longínqua.”

(Continua…)

O Soba T´Chingange (Otchingandji)



PUBLICADO POR kimbolagoa às 14:02
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Segunda-feira, 5 de Dezembro de 2016
MALAMBAS . CLIV

CINZAS DO TEMPO – 05.12.2016Teremos de compreender que para planear um futuro mais racional em sociedade, nem sempre podemos domesticar a palavra…

MALAMBA: É a palavra.

Por

soba15.jpg T´Chingange

O que me leva a escrever é o fruto do assombro, um fenómeno que leva da retina ao cérebro a imagem do conhecimento traduzindo pontos em teorias misturando com experiências passadas de engravidados desconhecimentos. É daqui que saem as leis que se pretendem ser universais e se apresentam como axiomas ou postulados portadoras de evidências intuídas.

:::

Intuídas por princípios aceites como verdadeiros e que servem como ponto inicial para dedução e inferências de outras verdades, dependentes de teorias também assombrosas. Coisas que pela logica tradicional se consideram como óbvias por um consenso comum; coisas de que não esperávamos por não andarmos à procura! Coisas até, que nem sempre procurando se encontram. Direi eu, acasos!  

paradi2.jpg Por isso sempre digo que a nossa vida está muito carregada de acasos dependentes de um agora e, porque quase todos os seres humanos andam em busca de seu próprio destino. Em verdade, formamos uma sociedade interdependente na cooperação, especialização nas tarefas e altruísmos sinceros ou enganosos. Enquanto os insectos são quase inteiramente governados pelo instinto, nós humanos, dividindo tarefas com transmissão de cultura e não só!  

:::::

Por via de nossa culta altivez, andamos com o credo na boca por variadas e alheias causas à nossa vontade, que agora são agudizadas. Uma divida que parece nunca poder ser paga com acusações constantes entre os partidos compostos de gente a quem nós confiámos. E, ora é o emprego, a pensão, apoio social ou a emigração de nossos filhos. Numa de “se tudo falhar por favor siga as instruções” isso, não e possível depois de admitirmos os homens que nos regem.

sistelo4.png E, descobrimos que se as coisas tivessem sido deixadas ao acaso, elas estariam melhores! Estes assombros levam-nos a nos alimentarmos com caldos de galinha porque na prática os políticos quando dizem cinco vezes que não vão agravar nosso custo de vida, é certo que o irão fazer. Vou acabar com um desassombro final para afirmar que a diferença entre um político e uma lesma é a de que, a lesma deixa um rasto gosmento e os políticos, um rio de negruras.

:::::

Sempre me pergunto ou interrogo, quanto à imprevisibilidade de nossas vidas quanto a mantê-la em padrões de dignidade no futuro, fruto de tanto assombro; estando nós em um período de miúdas certezas, fruto do paleio daqueles, berramos disparates saídos do fundo de nossa raiva. Nem sempre dois, mais dois, são quatro! Se eu comer dez lagostas e um outro comer só duas, a média dará matematicamente seis! Vejam… Há muita gente a comer lagosta…

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:27
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 4 de Dezembro de 2016
MOKANDA DO BRASIL . VII

A GUIANA FRANCESAQue foi Luso-brasileira entre  1809 e 1817…

Por

soba15.jpg T´Chingange – Por pesquisa na NET

Em 5 de agosto de 1498, durante sua terceira viagem, Cristóvão Colombo atinge pela primeira vez a costa das Guianas. Entre 1499 e 1500, a primeira exploração do território da Guiana é feita pelo espanhol Vicente Yáñez Pinzón, que explorou as costas do Planalto das Guianas entre os deltas do Amazonas e do Orinoco. O Tratado de Tordesilhas, assinado em 1494 para delimitar os territórios da Espanha e de Portugal no novo mundo, não tinha ainda conhecimento das Guianas.

guia1.png Assim, já em 1503, um primeiro grupo de colonos franceses se instala na Ilha de Caiena durante alguns anos. Mas, foi em 1624 que o rei Luís XIII de França ordena a instalação dos primeiros colonos, originários da Normandia. Por dois séculos Guiana fica quieta com afazeres análogos aos territórios vizinhos com aproveitamento de madeiras e culturas indígenas.

:::::

Com a invasão de Portugal em três investidas feitas por Junot, Soult e Messenas pelas tropas de Napoleão Bonaparte e a partir de 1808, a família real portuguesa (a Rainha Maria I e sua corte) muda-se para o Brasil, transferindo a sede da monarquia lusa para Rio de Janeiro. Depois da derrota francesa em Trafalgar em 1809, as forças luso-brasileiras invadem a Guaianá com o apoio Anglo-português. Caiena, a capital da colónia sul-americana francesa cai com a deposição do governador Victor Hughes.

guia2.jpg A ocupação, que não perturbou a vida diária dos habitantes, durou até 1814 depois do Tratado de Viena a 30 de Maio, ficando anexada ao Brasil até 1817 - (naquela época, o Brasil era um reino unido a Portugal). Mesmo diante do regresso do imperador Napoleão I do exílio e, tendo reassumido o poder da França, o acto final foi assinado nove dias antes da derrota na batalha de Waterloo a 18 de Junho de 1815.

:::::

Entre 1852 e 1945, prisioneiros comuns e políticos eram deportados da França continental para esta província, e em especial para a Ilha do Diabo. Entre os prisioneiros célebres que por aí passaram estão Alfred Dreyfus e Louise Michel. O livro Papillon, de Henri Charrière, mais tarde transformado em filme retractou o cotidiano desses condenados e o tratamento brutal ao qual eram submetidos.

guia6.jpg Era para ali que eram enviados os opositores políticos dos diversos regimes que aconteciam em França. Em um século havia 80.000 prisioneiros vivendo em condições insuportáveis e o número de presos que morria era muito elevado. No mesmo século foi encontrado ouro, nos rios do interior de Guiana, mas isto não foi de grande ajuda para a economia da Guiana, uma vez que a mão-de-obra de lavouras diminuiu muito devido à perspectiva de maiores ganhos.

;;;;;

A descoberta de ouro por outro lado, provocou disputas fronteiriças. A Guiana Francesa descoberta em 1.500 e colonizada no século XVII só estava habitada por indígenas. Na costa, viviam os caribes e, no interior, as tribos wayana, oyampi e emerillon. Os caribes, índios guerreiros, foram os que mais reagiram à presença espanhola desde o século XVI.

guia3.jpg A cidade de Caiena, a capital, foi fundada em 1637. Foi disputada por holandeses e franceses, mas foram estes que finalmente a estabeleceram como colónia naquela região. No fim do século XVII, começam a chegar os escravos que trabalhariam nas plantações de cacau e café mas, em 1794, é abolida a escravidão; foi novamente implantada na década seguinte e, abolida definitivamente em 1848.

:::::

O Jardim Botânico do Rio de Janeiro recebeu, nesse período, numerosas espécies de plantas da Guiana Francesa. As deportações terminam em 1938, mas a instituição prisional continuou funcionando. A repatriação só começa a partir de 1947, quando a Guiana se transforma em departamento ultramarino (território integrado à República francesa). Em 1.964, é decidida a construção do Centro Espacial de Kourou para a Agência Espacial Européia; o Centro Espacial começa a funcionar em 1968 e, é ali que começam a ser lançados satélites com a ajuda de foguetes Arianne.

Bibliografia: Cronica de Thais Pacievitch

As Opções de T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 13:23
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quinta-feira, 1 de Dezembro de 2016
XICULULU . XCI

NAS CINZAS DO TEMPO01.12.2016 - Um homem sem religião é como um peixe sem bicicleta…

Por

t´chingange 0.jpg T´Chingange

Coma uma lesma viva de manhã e, nada pior lhe acontecerá nesse dia. É como a Lei de Murphy diz "se alguma coisa pode dar errado, assim será". Foi com estas duas ideias que comecei o dia caminhando. Eram cinco horas brasileiras quando me dispus ao caminho com mais um amigo que em tempos trabalhou na Usina Uruba. Ele recordou-me serem esses tempos idos de muita cachaça e, amiudadamente refere que graças a Deus esses tempos já não o são mais e, por graça da igreja que agora frequenta, evangélicos do sétimo dia.

cispla1.png E, como um homem sem religião é como um peixe sem bicicleta, também defini por mim próprio que um homem sem reais no bolso, nada pode comprar. A experiência de vida leva-nos a tirar conclusões rápidas tornando-nos quase sábios mas, com quarenta reais no bolso, botei meu boné amarelo com buracos de refrescamento e minhas botas de papa-léguas com pontas de aço. Com uma manga semi verde em cada mão por aí fomos.

:::::

No refresco da manhã e, faltando vinte minutos para as seis da madrugada, chegamos à feirinha do “Cleto” situada num bairro entre a via expresso e a Avenida Fernandes de Lima de Maceió, que segue até ao aeroporto Zumbi dos Palmares e continua para Recife pela via BR-101. Aqui é um dia normal de quinta-feira mas no M´Puto é feriado, dia da restauração de Portugal.

uruguai1.png Com os apetites afiados na vontade de querer, perguntei ao cara careca da banca do peixe se tinha sardinha e, respondendo-me afirmativamente mandei-lhe pesar 3 quilogramas e que por ali passaria a recolhê-la dentro de dez minutos. Recomendei que lhe tirasse a cabeça e tripas.  A intenção era fazer uma caldeirada na panela de pressão com verduras de pimentão, maxixe, cebola, batata e couve.

:::::

Sardinhas limpas, sacola num vai e vem da caminhada no rumo de regresso até Antares, bairro de caserio baixo e construção modesta. Percorremos ruas empedradas, asfaltadas e em terra bordeada a capim, cachorros espreguiçados nas ombreiras de portas desniveladas, pintos correndo em fila atrás da mãe pedrês e ciscando depois nas humidades de águas descuidadas, paradas na negrura saponácea das valetas.  

uruguai7.jpg Já banhado, flanelas frescas de limpas, calos raspados, tomo o café da manhã composto do meu milongo de abóbora com gengibre, queijo de búfala e pão com fermento biológico feito pela Margarida, a senhora da casa.  E, vem a simpatia da dona na forma de banana comprida frita mais a tapioca e o mamão. Para terminar o café Santa Clara bebo-o com sorvos de prazer miudinho entretendo os entretantos com o linguajar nordestino entremeado pelas vidências do Carlinhos profeta.

:::::

Lá fora no canto coberto e ventilado da casa, meu porta-aviões, espera-me a rede de esfregar preguiça e cochilo mas, entretanto juntei meus livros, meus caderno e lápis mais o ilustre computador para neste puxadinho alpendre e na mesa redonda com toalha de pano de cocô assentar meus pensamentos na forma de palavras baloiçadas. No jeito de amor que me é peculiar, boto falas atravessadas e canforadas no espirito de massajar os amigos sem a essência de terebentina.

uruguai4.jpg Ligo o computador e, este não responde da forma habitual, lento, mas que se passa!? – Pergunto de mim para mim mesmo. Num liga e desliga, acciono o antivírus a fazer verificação completa pelo kaspersky. Neste meio tempo de espera, escrevo estas malambas e na forma de xicululu (olho gordo, feitiço) de modo a não ficar olhando as nuvens com um avião passando de quando em vez, saído do Zumbi.

:::::

E, como meu próximo destino é o Uruguai, vou ao encontro da história para não chegar la vazio de sabedoria. Recorro assim aos meus anteriores escritos referentes ao tempo de D. João VI aquando por ali aquele se chamava de Banda Oriental e mais tarde de Cisplatina e, em que Frederico Lecor teve parte interveniente. Foi este que comandou o exército da tomada do Uruguai a Espanha que se encontrava nas mãos de Napoleão.

uruguai10.jpg Nunca antes se tinha visto tamanho exército em terras Americanas tendo no seu comando homens de armas valorosos, que se tinham salientado em outras praças de guerra; o plano de ocupação da Cisplatina tinha um efectivo de pessoal a saber: 7 oficiais do Estado-maior de Divisão; 10 Oficiais do Estado-maior de Brigadas; quatro Batalhões de Infantaria com mais de 3600 homens.

:::::

Cerca de 900 homens de Cavalaria; 252 artilheiros e 36 músicos. O então príncipe Dom João veio a ser aclamado rei a seis de Fevereiro de 1818. As solenidades de aclamação e coroação como Rei de Portugal, do Brasil e do Algarve, tiveram lugar no Rio de Janeiro tendo na concessão de várias mercês sido dado o título de Barão de Laguna ao General Francisco Lecor, Governador de Cisplatina e Comandante Supremo do exército ali estacionado.

O Soba T´Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:45
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

RELOGIO
TEMPO
Weather Forecast | Weather Maps
Julho 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
13
14

16
18
19
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
CAIXA MUSICAL
CONTADOR
contador free
ONDE ESTÁS

Sign by Danasoft - Myspace Layouts and Signs

blogs SAPO
subscrever feeds