Quarta-feira, 31 de Janeiro de 2018
MALAMBAS . CXCIV

A CHUVA E O BOM TEMPO - 31.01.2018

- Apaziguando rijezas adversas, perfilando anjos com a singularidade num mundo exótico …

Por

soba0.jpeg T´Chingange

Falando de pessoas, se o passado para alguns surge falso e é coisa de se esquecer, o futuro de hoje parece ser uma mentira. E, se a esperança está no futuro, direi que virá muito cheia de medos esquizofrénicos com o terror de se ser comido por um semelhante. É esta a lei da vida? Lá terá de ser!

ant4.jpg Numa metafórica visão rocambolesca, tento reeducar-me de modo a não ferir susceptibilidades reduzindo-me a um infra numerário, numa passividade contemplativa do quanto baste e, no estritamente necessário; sem me tornar em uma múmia de sempre dizer sim, e nem lá vou nem faço nada, ou então, que seja o que Deus quiser.

sacag4.jpg Tem muita gente assim que manda tudo para o Nosso Senhor como se Ele não tivesse mais nada para fazer; Graças a Deus que o Benfica ganhou! Mas que é isto!? Nem procuram saber se Ele é do Benfica ou do Belenenses. Desta vez lixaram-se porque no último minuto veio o empate!

::::: 

Vejo assim a arte das coisas como um meio de transmiti-las, sem me inibir nem renunciar por completo dos principios e regras estabelecidas. Por vezes não consigo ter o bom senso necessário e destapo a tampa recorrendo à literatura que, é ainda um bom meio de se alcançar a reinventacão na transmissão de princípios da luta pela renovação na sociedade.

:::::

Todos nos encontramos mergulhados na banalidade quotidiana dos gestos e das frases repetindo aquelas ansiosas falas de todos os tempos e, de todos os lugares. O Mundo está uma ervilha! E falam, falam pelos cotovelos. Assentes numa mesa quadrada todos explicam assuntos bicudos, periclitantes.

moita2.jpg É a cultura da televisão com cento e cinquenta canais sem contar os desportivos. E, com tudo simples e anti-heróico clico no botão das minhas benevolências: Que é isto!? Falam das mamonas assassinas! Clico de novo: Dormiste bem? Amor, queres que te faça um chá? Uma torrada com doce de pitanga?

:::::

Numa vida a dois, clico nos três das notícias, é ali que desperta a zona franca da memória. A operação XIZ resultou na prisão de três presumíveis implicados, um presidente de um clube, um juiz de instância superior e um deputado da nação! Os presumíveis implicados têm cadastro já do tempo da outra senhora e, repetem, repetem e, eu mudo de zona…

144.jpg A minha zona franca está a ficar um porto inseguro! Respira-se por fim um ar tranquilo com o computador a dizer: esperam-se aguaceiros na sua zona – leve o guarda-chuva porque pode molhar-se! O vento sopra frio do lado do mar. Uma luz sobre a realidade; este computador anda a comer-me os às…  

O Soba T´Chingange    



PUBLICADO POR kimbolagoa às 08:11
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Terça-feira, 30 de Janeiro de 2018
XICULULU . CIV

TEMPOS QUENTES – 30.01.2018

- O esquecimento existe mas, nós não somos só silêncios... Há mulheres e há gajas com vestidos às tiras e, sem cuecas…

soba k.jpgAs escolhas do Soba T´Chingange

Por: Cristina Miranda

Há por detrás desta onda de indignação de certas mulheres uma hipocrisia monumental. Se por um lado se queixam do assédio sexual por parte dos homens, do outro exibem-se praticamente nuas apelando aos instintos reprodutores dos machos. Não me venham dizer que o fazem de forma ingénua só por “gostarem” da indumentária ou para se “sentirem bonitas”. Balelas!

modas2.jpg Mulher que é mulher com “M” grande sente-se bonita e atraente até com umas simples calças de ganga. Sou mulher e sei muito bem do que falo. Cresci num tempo em que incomodar uma miúda na paragem de autocarro com graçolas era MÁ EDUCAÇÃO com direito a dois tabefes bem dados nas trombas desses garotos após queixa ao pai. Não era assédio sexual.

:::::

Um tempo em que mandar um piropo por passar uma rapariga bonita, não era assédio, era fazer a corte. Atacar violentamente uma mulher abusando dela sexualmente era crime de violação sexual. Tudo era muito bem definido. Agora tudo é assédio. Hoje até um simples “olá, estás boa!” pode ser perigoso. É a doideira total.

modas1.jpg Como mulher também eu fui largamente “assediada” dentro deste contexto “moderno” da palavra. E isso nunca me incomodou. Porque os galanteios sabiam-me bem ao ego pois demonstravam o meu grau de sedução sobre o sexo oposto. Mas sempre com cuidado com as indumentárias para não transmitir uma imagem errada daquilo que pretendia: atrair pessoas, não predadores sexuais.

:::::

Quantas vezes me perguntaram: “Posso me sentar? Está acompanhada?” Dando uma resposta imediata conforme minha conveniência. Que mal tem atrair os homens e receber uma abordagem por isso quando até os passarinhos (esses animais tão fofos) provocam as passarinhas com rituais para as atrair sexualmente? Porque não nos indignamos igualmente com a natureza? Bem, deixa-me estar calada, não vá alguém ter ideias…

modas3.jpg Mas a hipocrisia cresce ainda mais quando ninguém refere os homens como vítimas desse mesmo assédio de que tanto se queixam! Não oiço nada, mesmo nada sobre isso e é muito estranho. Ao longo da minha vida vi coisas incríveis protagonizadas por mulheres predadoras sexuais. Não estou a brincar. Autênticos filmes, alguns quase de terror psicológico com elas a rodear vítimas masculinas desesperadamente.

:::::

Quando dava aulas em Ponte de Lima havia um colega que era muito popular do mulherio. Sempre rodeado por elas, alunas e professoras. Tinha o dom de saber ouvi-las e elas encantavam-se com ele! E eu, achava aquilo muito engraçado, porque meu colega, fosse num café ou na escola, nunca se via com homens. Parecia ter mel que só atraia o sexo feminino. E muitas! Até que um dia nos tornamos amigos e ele começa a contar-me o seu drama.

cabi1.jpg Fiquei a saber que ele era perseguido, molestado, “armadilhado” com esquemas onde apareciam nuas na sua cama, lhe ligavam para casa a toda a hora, enfim, não o deixavam em paz. Vivia num inferno! Mas, como vivíamos num tempo diferente deste, nunca viu nisso um crime. Apenas azar de atrair tanto o sexo feminino. Como este, conheci muitos mais exactamente com o mesmo problema: assédio feminino. Alguém fala nisto? Claro que não. Não convém…

:::::

Esta raiva aos homens é patológica. Não faz sentido em mulheres saudáveis e bem resolvidas com a vida. Porque estas sabem sempre avaliar as situações separando o que é efectivamente crime do que não passa de galanteios, mais ou menos felizes (sim, porque nem todos nascem com o mesmo dom para a sedução). Saberá estar à altura de dizer “não” e se esse “não” for desrespeitado, resolvê-lo.

dy27.jpg Porque a hipocrisia não deixa ver que no dia em que estas senhoras todas com mais ou menos nudez à mostra, não obtiverem qualquer reacção masculina (por receio destes) serão elas a questionar a virilidade dos homens e acaba-se o glamour dos vestidos às tiras sem cuecas.

Cristina Miranda

Ilustrações de T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 16:16
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Segunda-feira, 29 de Janeiro de 2018
XICULULU . CIII

TEMPOS QUENTES – 29.01.2018

- O esquecimento existe mas, nós não somos só silêncios... Pobre mesmo, quando mete a mão no bolso, só tira os cinco dedos!

Por

calças rotas0.jpgJosé António Saraiva

- Aqui está a realidade! Há diversas provas de que a nossa civilização está a chegar ao fim. Uma delas consiste na perda de referências que durante séculos permitiram organizar o pensamento.

calças rotas1.jpg Isso verifica-se na pintura, por exemplo. Quando era figurativa, a pintura tinha um referencial – que era a realidade. Era possível dizer se um quadro estava ‘bem’ ou ‘mal’ pintado, confrontando-o com a realidade que pretendia retractar. Claro que isso não bastava. Tinha de haver algo mais, um estilo, um toque de génio que diferenciasse um pintor dos outros. Mas esse ‘referencial da realidade’ perdeu-se. Hoje temos quadros todos pretos ou todos brancos. Não é possível saber se estão bem ou mal pintados.

:::::

E o mesmo pode dizer-se para a escultura, para a literatura, para o cinema ou para a música. A melodia – ou seja, uma linha de continuidade que o ouvinte seguia e ia acompanhando – desapareceu da maior parte das músicas contemporâneas. Muitos delas são conjuntos de sons dispersos, aparentemente sem ligação entre si.

calças rotas2.jpg Na escrita verifica-se o mesmo. Um romance contava uma história – que podia ser a história de uma pessoa, de uma família ou de um grande amor. Mas muitos dos romances que hoje se escrevem não têm história. As frases são agrupamentos de palavras que podem fazer ou não sentido. Também aqui o ‘referencial da realidade’ desapareceu. Não se pode dizer se a história é boa ou má, verosímil ou inverosímil, porque deixou de haver história.

:::::

 Com o cinema passa-se a mesmíssima coisa. O chamado ‘enredo’ perdeu-se. O filme negro de João César Monteiro é o exemplo extremo de não-cinema. Mas não só nas artes se perderam as referências. Em muitas outras áreas se nota essa ausência de nexo, ou de sentido, ou de lógica. Por exemplo, nos cabelos cuidadosamente despenteados; na fralda da camisa por fora das calças; nos sapatos a que se retiram os atacadores.

calças rotas3.jpg Tudo sinais que pretendem transmitir às pessoas um ar negligé, desimportado, de desprezo em relação às convenções – mas que no fundo representam exactamente o contrário: um seguidismo cego em relação à moda… Neste tema da falta de sentido das coisas – ou de uma cultura do absurdo – o exemplo mais ridículo são as calças rotas. As calças compradas na loja já rotas constituem o exemplo máximo de uma civilização que chegou ao fim da linha e já não consegue inventar mais nada. Então põe-se a rasgar deliberadamente a roupa nova. É o nonsense no seu máximo esplendor!

:::::

Tudo começou com os ‘jeans lavados’. Quando os blue-jeans apareceram, tinham naturalmente a cor da ganga azul. E assim viveram uns bons anos. Mas a dada altura alguém se lembrou de dar aos jeans novos um ar usado – e aí apareceram nas lojas os ‘jeans lavados’. Os jeans novos, com ar de acabadinhos de sair da fábrica, tornaram-se um sinal de parolice, de pessoa pouco ‘vivida’. E os jovens queriam parecer ‘vividos’...

calças rotas4.jpg Mas, como todas as modas, os jeans lavados banalizaram-se – obrigando os criadores a puxarem pela cabeça. Mas não tiveram grande imaginação. Dos ‘jeans lavados’ passaram aos ‘jeans puídos’, ou seja, gastos em certas zonas para parecerem muito usados.

:::::

E a machadada final foram os rasgões. Primeiro nos joelhos, mas depois em toda a parte. Hoje vêem-se jeans a que faltam praticamente as coxas – substituídas por gigantescos buracões! As pessoas que as vestem tornam-se cómicas. Dão imensa vontade de rir, parecendo palhaços pobres!

calças rotas5.jpg Entretanto, para dar algum sentido útil a uma moda sem sentido nenhum, arrisco-me a fazer uma sugestão. Sugiro às empresas de confecção têxtil que façam convénios com ONGs actuando em países do terceiro mundo para enviarem para lá jeans novos – recebendo em troca jeans velhos e usados. Que têm mais valor do que os que se vendem nas lojas, porque foram envelhecidos pelo uso e não de modo artificial.

:::::

E que podem inclusive ter andado na guerra, exibindo rasgões feitos em combate ou mesmo buracos de balas. Que tal? Os consumidores ocidentais poderiam satisfazer assim sua ânsia de frivolidade – e as populações desses países pobres teriam o prazer de usar calças novas. Isto deve ser doença de rico pobre! Porque pobre mesmo , quando mete a mão no bolso, só tira os cinco dedos noé?

As escolhas de

Soba T´Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 08:02
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 28 de Janeiro de 2018
A CHUVA E O BOM TEMPO . LXXIII

NAS FRINCHAS DO TEMPO . Angola, os Mwangolés e os Chinocas – 28.01.2018

Ruptura com o passado. Cada um de nós é uma nota musical única … Nem sempre é necessária a culpa para se ficar culpado….

Mwangolés:  Os donos de Angola; Kapianguista: é ladrão.

Por

soba0.jpeg T´Chingange

Controlando minha missão de aguentar as austeridades dispus-me a gozar mais um dia de sol no M´Puto, nesta beirada sul dum país que já foi metrópole dum império. Agora que aqueço motores para ir para o Brasil, tomo nota do que tenho a levar para a minha praia da Pajuçara. Cada cabeça sua sentença e, o facto de se ir de A para B no espaço, ou seu inverso no tempo, obtêm-se um conjunto ou a soma de ondas para todas as trajectórias comportamentais.

CHINOCAS4.jpg Em minha vida, surgirão terroristas e anarquistas que por debaixo de suas flanelas ou cetim, se mostravam conformistas indecentes com colarinhos abotoados para e, no tempo, verificarem ser anarquistas, pastores ateus, adventistas ou budistas. E, no meio da minha chuva, surge o swing com anfetaminas e tranquilizantes juntos com a bruteza e maneirismos, calão em abundância com muito esquecimento porque nem todos os amigos gostam de relembrar makas antigas.

:::::

Agora, tudo indica que na Angola hodierna a recuperação da memória é coisa insuportavelmente dolorosa. Também sucede isto na diáspora com a tal fabricação da “teoria do esquecimento”, não tão grave quanto os primeiros que formam o bando dos donos de N´Gola, os da nomenclatura da Luua, ou os bófias governamentais.

CHINOCAS3.jpg Com carros de borla, choffer, engraxador, empregados vários e viagens pagas pelo estado a Johannesburg. Pois! Para fazerem suas compras no picknpay… Os mwangolés governamentais reivindicam constantemente apropriação do seu poder sabendo de antemão o sentido de sua insensatez numa fuga para a frente e em direcção à utopia.

:::::

Nenhum destes reconhece as suas próprias responsabilidades ou se declaram arrependidos, ajudando a perpetuação do mau uso da verdade, dando um salto na memória do tempo. Eles, governo e oposição, gostam de fazer banga em seus four-by-four com vidros esfumados; um dia isto vai acabar!

CHINOCAS2.jpg Eles, os mwangolés, surgem com um verbo fácil de fazer milagres, olhos vivaços para resolver problemas fúteis ou bizarros… Escondem os detalhes mais sórdidos, engenhosos e enganosos dos anos loucos de suas vidas desde antes do tundamunjila de 1974/75. Em Angola, como se todos tivessem sido simultaneamente vitimas e verdugos sem nenhum procedimento penal, relegam a denúncia em nenhures. Nenhum arrependimento e consequentemente, nenhum perdão!

:::::

Sem nenhum sentimento de justiça viram a conjuntura a seu favor fazendo até leis cómicas, esquecendo-se a propósito de que representam o povo. Ainda se fosse uma revolução cultural!  Sendo assim pergunto-me: - Como é possível que estes governantes não tenham vergonha ao se confessarem socialistas ou capitalistas quando em verdade são kapianguistas.

poluição.jpg E, só falam daqueles que os contestam, dos gatos que apanham ratos; brancos ou pretos, pouco importa. Pois! O rato rico contra o rato pobre tornando-os donos dum livre-arbítrio; com um poder resguardado por “insuspeitos” bajuladores que os ligam aos chinocas sem qualquer concepção de práticas democráticas, quando se trata de marcar o estilo.

:::::

E, o mundo não responde aos problemas dos direitos humanos, da certeza das leis, ficando também no seu livre-arbítrio e, dando-lhes obviamente mais prepotência. Quero, mando e posso! Assim progridem no tempo sem nunca acertarem as contas sem cultivar as virtudes de benevolência ou de sabedoria!

CHINOCAS1.jpg Nesta zoada de comportamentos e muito carregados de prosápia metem-se com os chineses sem nada saberem sobre estes! Os chineses têm dentro de si um vazio e, cada qual o preenche à sua maneira. O pitoresco, a liberdade e o exótico são conceitos estranhos  à sua cultura… E, eu aqui a recordar-me que as feras foram largadas das jaulas com a lei 7 barra 74 do MFA do M´Puto; nesse tempo em que os partidos-movimentos chegaram à Luua com mais armas do que bagagens…

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 17:16
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sábado, 27 de Janeiro de 2018
MALAMBAS CXCII

TEMPOS PARA ESQUECER – 27.01.2018

Já se passaram quase 43 anos depois da independência. Muxoxos de lusofodiaste com fricção dum Monstro Imortal…

Por

soba0.jpegT´Chingange

Aquele Tenente-Coronel fardado com um pijama às riscas sentado num sofá de orelhas, era preto. Era alto em sua juventude mas agora curvado com o peso da vida e das traquinices tornou-se em um espeto seco, desmilinguido, invulgarmente marreco e bexigoso fruto de tantas ruindades frutificadas na violência da vicissitude da política.

monstro6.jpg Em um momento de lucidez perguntei por seu nome e veio de lá a resposta: Monstro Imortal! Fiquei de boca aberta pois que este figurão tinha sido morto na guerra dos fraccionistas no ano de 1977, ano em que meu pai Manel veio para o M´Puto com uma bala no corpo. Só pode ser um matumbola (morto vivo) pensei cá para mim e até me belisquei para ter a certeza de que isto não era um sonho. Eu sabia bem que João Jacob Caetano, o lendário Monstro Imortal, tinha morrido com um garrote do n´guelelo.

::::

Isto, há coisas que só acontecem comigo! Constava-se que o tinham cegado mas nada lhe perguntei porque o delírio da velhice pode bem dar para estas divagações; ele via mal, mas via! Sendo assim deixei-o a falar entre dentes; -Aquele cabrão do Pedalé (Pedro Tonha) nem teve coragem para me fazer perguntas. Deixaram-me ali a gemer para um gravador, enquanto apertavam o garrote - Iam e vinham; iam e vinham. Atiraram-me ao mar de um avião mas sobrevivi! Será?

cabo ledo4.jpg A história coincidia com os muxoxos mas aqui no mato, num lugar do cú de Judas da Zâmbia já ninguém lhe dava ouvidos. Todos sabiam que tinha chegado em uma avioneta trazido por um homem loiro, cor de cenoura que pagou a preço d´oiro seu salvamento a um grupo de gente que por ali estava. Talvez uma ONG! Pensei eu.  Deve ter sido salvo por um submarino soviético, só pode! 

:::::

Agora que diz coisa sem coisa, todos os desculpam de coitado, nem sabe o que diz, nem sabe o que fala! Muito cheio de catolotolo a dado momento fica apontando a miragem do mato referindo-se ao porto da Luua; que dinamizava a paralisação dos homens que deveriam fazer estiva, carregar as bikwatas dos colonos brancos e mazombos. E, isto de dinamizar a paralisação é um contra censo mas é mesmo assim, dinamizar o nada-fazer para parar a economia dos brancos.

guerri4.jpgHoje vai haver maka! Repetia a  todo o instante. E, punha-se a rir no canto do beiço contando centenas de mortos e ordens de carrega nos unimogues dos Tugas do MFA - leva na vala. Nosso Coronel, fazemos como com os feridos? - Leva tudo junto e, bota neles cokteil molotov! Ordens são ordens e,  rapidamente dali e acolá saiam frotas de carros goteando sangue nas ruas da Luua.

:::::

E li algures de que «As forças de segurança prenderam muita gente jovem que, na manhã de 27 de Maio de 1977, andava nas ruas de Luanda. Centenas deles foram levados para um Centro de Instrução Revolucionária na Frente Leste e os dirigentes locais assassinaram-nos friamente.» - Nas Faculdades desapareceram cursos inteiros. No Lubango, dirigentes e quadros da juventude foram atados de pés e mãos e atirados do alto da Tundavala.»

guerri6.jpg Você não colabora - vejo-me obrigado a entregá-lo aos militares. «Os detidos passavam para os militares, e para as torturas.» Foi assim mesmo, dizia isto para mim com duas lágrimas estancadas no rosto, que secavam ao vento da chana, uma anhara sem fim. E continuou: - «Presos atirados pelas escadas e, no pátio, espancados só átoa. Berravam e pediam por amor de Deus, não fiz nada. Quase sem vida eram atirados para dentro de viaturas. Até um mercenário norte-americano, lembro bem, comentou: -Vi muita coisa na minha vida mas nunca uma coisa assim.

:::::

«Carlos Jorge, Pitoco e Eduardo Veloso chicoteiam o Costa Martins, batem-lhe com um pau com espigão de ferro, massacram-lhe as costas com correias de uma ventoinha de camião. Ao chicote chamavam Marx e, ao espigão, Lenine. Também o puseram numa sala, junto a uma máquina de choques eléctricos. Só cheirava a carne queimada.» Este Tenente-Coronel estava mesmo nas últimas; nem sei se estes nomes existem mesmo.

monstro1.jpg Junto com o ranho e as excrescências tossicadas pude ver grossas pastas de sangue. Os cuidados esmerados daquele grupo de gente já não alcançariam êxito de vida para aquele imortal. Saí daquele lugar de Chokola num jeep willis até Catima Mulillo aonde apanhei um voo até Lusaka. Ainda estou em crer que aquele velho senhor não era esse tal de Monstro Imortal do MPLA mandado matar por Agostinho Neto. Seja como for, para mim o Tenente-Coronel fardado de pijama às riscas deixou de ser Imortal. Defuntou-se imortalizado…   

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 13:03
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sexta-feira, 26 de Janeiro de 2018
XICULULU . CII

NAS CINZAS DO TEMPO – 26.01.2017 – Eu e a Talassoterapia … Um homem sem religião é como um hipopótamo sem bicicleta…

XICULULU : - Olhar de esguelha, mau-olhado, olho gordo, cobiça…

Por

soba0.jpegT´Chingange

Um grupo de cientistas do Instituto Salk, na Califórnia (EUA), conseguiu pela primeira vez fazer o tempo voltar para trás para um grupo de ratinhos, reduzindo os sinais de envelhecimento e prolongando o seu tempo de vida. O artigo, publicado na revista Cell, mostra que, afinal, o envelhecimento pode não ser irreversível mas ainda é preciso muita investigação até experiências em humanos.

:::::

O envelhecimento é o maior factor de risco para muitas doenças que nos afectam. Porém, ainda teremos de esperar por uma possível aplicação nos humanos destes conhecimentos adquiridos com a reprogramação celular, tal como se constatou nas experiências anteriores com animais em que a “interferência” nas células acabou por resultar em cancro ou morte.

celulas1.jpgCélulas renovadas

As células nesta fase inicial para a qual são levadas com estas técnicas adquirem uma capacidade de proliferação que pode ser prejudicial. Não é por acaso que a grande capacidade de divisão e multiplicação é uma das características das células cancerígenas.

:::::

“É óbvio que os ratinhos não são humanos e sabemos que será muito mais complexo rejuvenescer uma pessoa”, reconhece o investigador Juan Carlos Belmonte, acrescentando que, no entanto, o “estudo mostra que o envelhecimento é um processo muito dinâmico e com plasticidade e que, por isso, será mais receptivo a intervenções terapêuticos do que pensávamos”.

ceu1.jpg Apesar das reservas, os cientistas parecem determinados em conseguir que o envelhecimento deixe de ser algo irreversível e imaginam que os ensaios clínicos (em humanos) possam começar num prazo de dez anos. Os bons resultados iriam, seguramente, agradar a muita gente. Afinal, quem não gostaria de rejuvenescer ou “apenas” viver mais tempo saudável?

:::::

Levantei-me mais cedo para tomar meu chá espacial de me fazer permanecer até aquelas descobertas serem mais efectivas. Assim, pouco passava das seis da manhã, envolvi-me numa manta de conforto, introduzi na cafeteira umas bagas de zimbo, uma casca de ipê-roxo que trouxe do pantanal, folhas da planta doutor do sertão e umas quantas folhas já secas de erva Luiza roubadas no quintal do vizinho ao por do sol.

certo.jpg Ando a fermentar algo que um Tenente-Coronel me disse de como dar dinamismo às coisas e como exemplo referiu que as greves têm de ser dinamizadas para correrem na perfeição. Isto de dinamizar a paralisação é um contra censo mas é mesmo assim, dinamizar o nada-fazer para tirarmos dividendos das arbitrariedades. O mundo anda confúcio…Hoje vai haver maka!

O Soba T´Chingange  



PUBLICADO POR kimbolagoa às 07:38
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quarta-feira, 24 de Janeiro de 2018
MALAMBAS CXCI

AS RELAÇÕES ANGOLA – PORTUGAL – 24.01.2018

Já se passaram quase 43 anos depois da independência. Muxoxos de lusofodiaste…

Por

soba0.jpeg T´Chingange

Um senhor fardado com um pijama às riscas, sentado num sofá de orelhas olhando para o infinito, babando-se pelo canto esquerdo descaído, insensível ao cérebro abanado por uma trombose. Com a lentidão das coisas graves e titubeadas com muxoxos – Hum, pois, não sabe; a kalashnikov, os turras, a febre do poder… E, eram bolas de trapos, meias surripiadas do pai a cheirar a sulfato de peúga! Mas, o que é que tem a ver o cú com as calças? Estão a ver o filme?

:::::

Nesses tempos ainda nem sabíamos que isso era uma liberdade linda! Nem conhecíamos as filosofias do mal… Nos intervalos dos lapsos de memória quase petrificado ele, o velho Tenente-Coronel fala tudo desencontrado no tempo e no espaço; efeitos da Luua no quarto decrescente, penso eu-de-que!

MIRAN1.jpg A juntar pedaços de memória com Pattex de cola pregos, tentando reconstituir acontecimentos escondidos nas costas, enclausuradas… Não perguntava mas queria saber e inventava – Quando que fui Tenente-Coronel… Pois! Queres ver que agora é preciso ser preto para se ser angolano. Tens duvidas ou quê? Nem correndo na diagonal ou vivendo em tecto de zinco, taipa ou de bosta chapada… e, havia uma mistura de coisas com acontecimentos, tudo no mesmo molhe. Ordenei-as como pude!

:::::

Entre a vida e a morte as diferenças estão nos pormenores pois algumas são demasiado trágicas e outras muito, por demais sofríveis… Ele teve a sorte de morrer num ai, repentinamente (falava dum monstro, talvez um tal de imortal do MPLA); nem a viu aparecer, a bala do mona-caxito… Movimentos das FA com seus militares guedelhudos e revolucionários esquerdistas do M´Puto…

jatiu3.jpg A tempestade vingativa dos habitantes da Luua, dos musseques, abateu-se sobre os comerciantes brancos. E foram primeiro os fubeiros, depois os taxistas e a seguir já o eram todos os brancos. Os fubeiros tinham fama de trapaceiros e os taxistas de reaccionários. Entre a vida e morte as diferenças estão nos pormenores, repetiu… Sua cuca estava mesmomesmo pifada mas, eram coisas passadas, reais.

:::::

Quitandeira de filho atados com lenços do Mobutu com quindas cheias de loengos, gajajas ou sape-sape… candengue ranhoso abanado no caminhar, dando cabeçadas na mãe por entorpecimento entre apertos de multidão pra apanhar os chapas (táxis populares da quinhenta) do Zambizanga…. - Pois! Queres ver que agora é preciso ser preto para se ser angolano! Repetia isto a todo o instante como se fizesse funje numa lata de leite Nido nas obras da Brito Godins.

ciga5.jpg Os primeiros foram expulsos dos musseques, à força e com o medo a estalar em fogos de very-lites, arcos-íris de granadas às centenas produzindo efeitos imediatos – É agora ou morres! Pópilas, ou morro ou mato! Mas ali só havia prédios. Creio que estava a ver a avenida Brasil da Luua! E, eram centenas; despojados dos pecúlios foram pedir ao lobo mau das NT – o mesmo que MFA a ajuda que nunca lhes chegou.

:::::

Era a frente para a fuga ao invés da fuga práfrente, algo já estudado pelos frentistas a fim de se efectuar o abandono, uma táctica nunca vista nos anais da lusofonia. Esta tornava-se conhecida aos poucos entre muxoxos de lusofodiaste; uma teoria que funcionou átoa, mas resultou mesmo.…

vazio1.JPG Havia que manipular os espirito inseguros, carregar nos botões certos das almas inocentes, com o fígado incompleto, candengues sem estrutura para os virar monstros desapiedados com o nome de pioneiros… Eram ideias desfibrilhadadas numa antiga dor e creio que se foi no tempo com um sentimento de culpa. Deveria iluminar-nos não é!? Amanhã será outro dia e, foi-se! O Sol não tinha como se abraçar a nós nem podia esperar…

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 13:18
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 21 de Janeiro de 2018
MULUNGU . LIX

TEMPOS CUSPILHADAS – 21.01.2018 - Por livre iniciativa, a Europa deu autorização a importarem os espíritos da China! Eles estão chegando…

Mulungu: Pode ser árvore de grande porte com flores grandes e vermelhas e homem branco em língua Xhossa

Por

soba0.jpegT´Chingange

Até há bem poucos anos atrás, o ocidente fechou as portas à possibilidade de compreender a China. Hoje, buscam formas de se entender diplomaticamente com estes, permitindo-lhes a entrada em seus territórios com obtenção de benesses e isenções em sua actividade comercial – vistos gold e outros edecéteras. Tome-se em conta que o peso de impostos que os demais cidadãos nacionais são obrigados a pagar, é bem menos vantajoso do que o oferecido a estes empresários vindos do outro lado do mundo.

MULUNGU1.jpg Deduzir-se assim que os donos disto tudo, só o serão com os países de capital que nos compram divida. Um dia o futuro chega e quase sem se saber, as instituições que eram estatais formam-se de um conjunto de accionistas sem rosto e, dum qualquer país. Se neste futuro vamos ter de ficar entregues a um dragão, teremos de saber um pouco que seja do que não nos une e divide!

:::::

Se dali vieram há muitos anos atrás o chá, a seda e o arroz, não será mau antevermos os significados de sua cultura, mitos e realidades. Como se pode ir a Setúbal sem se saber quem foi Bocage ou, ir a Inglaterra sem se saber quem foi Shakespeare? Pois corria o ano 220 da nossa era quando os Qin unificaram aqueles territórios para e, a partir daí a China passar-se a chamar de China.  

pequim1.jpg E, foi Qin como primeiro imperador que colocou milhares de guerreiros feitos em barro e em tamanho natural para guardar sua sepultura. Marco Paulo, o primeiro ocidental a visitar estas terras longínquas curiosamente não referiu a existência destes milhares de guerreiros, nem tampouco referiu a muralha da China que dizem ver-se da lua.

:::::

Bem! A grande muralha da China é o símbolo da identidade da China mas, tudo é devida à sobrevalorização que os viajantes ocidentais dela fizeram; se em tempos foi útil para defesa tornou-se no tempo uma inutilidade, coisa supérflua. Este símbolo foi transformado em parque temático pois que à semelhança do Coliseu de Roma, estes mascaram-se aqui de falsos guerreiros armados com lanças de pau e escudos de cartão.

pequim2.jpg Criam atmosferas de uma Disneyland onde o em vez do Rato Mickey se pode encontrar o tal de Qin, primeiro imperador a vender camisolas e cuecas com estampas dele mesmo; tudo gerido por uma sociedade cotada na bolsa de Hong Kong. Não me convidem para ir à china ver um velho homem já careca com nome de Mao Tzé, uma barriga de melancia transportando a gaiola dum passarinho para apanhar ar e vir de lá uma bicicleta desenfreada e, atropelar-me.

:::::

Parece que por lá nos sinais dos semáforos o verde é para parar e o vermelho para avançar! Ninguém se entende na balburdia porque o vermelho é a cor da revolução. Cozinham na rua, um beco cheio de gente que tosse e cospe e ali ao ar livre acendem o fogareiro, colocam-lhe carvão aonde estiram uma cobra despida ainda a rabiar! Deus-me-livre!

pequim3.jpg Mas hoje Pequim a capital que foi criada por decreto imperial em 1404 por Yung Lo da dinastia Ming é uma cidade cheia de arranha-céus; alguns destes edifícios terão lá no alto do cubo de vidro ou concreto a fazer de tecto, um chapéu pagode.

MULUNGU2.jpg Acabaram com os espaços interiores tipo pátios ao jeito da Andaluzia aqui do sul de Espanha; com o tempo os muros altos com aldrabas lacadas a vermelho para impedir os espíritos malignos de ali entrar estão sendo derrubados. Por livre iniciativa a Europa deu autorização a importarem de lá estes espíritos para e, com tempo compreendermos a China…

O soba T´Chingange    



PUBLICADO POR kimbolagoa às 12:02
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sexta-feira, 19 de Janeiro de 2018
MALAMBAS CXC

CINZAS DO TEMPO - 19.01.2018
NO TEMPO DAS CARTAS DE CHAMADA PARA A LUUA - ANGOLA DEVE TER SIDO UM SONHO!
- O vapor Mouzinho levou meu pai para Angola; ele levava uma mala caixão de lata com bolinhas verdes e tiras de madeira pregadas com taxas douradas…
MALAMBA: É a palavra.
Por

soba0.jpeg T´Chingange

Há dias e dias! Há dias de um irritado pessimismo e outros de tão naturalmente optimistas que como um carneiro jogamos orgulhos contra obstáculos de repetidas coisas, eternas repetições de males antigos, males de imaginações insatisfeitas, amargas desilusões sem fermento na tristeza. Sem vontade de tormentos, certo! 
O certo é o de que quanto mais se sabe mais se sofre. Há fastio de inteligência! Há tédio! Há vontade de mandar tudo fora e partir vidraças, emudecer brilhos, despedaçar bocejos. Mas, desde quando um carneiro tem orgulho? 

mouzinho1.jpg Tão abarrotado de civilização espreito os meses farejando raças sob o abrigo de suas telhas vãs no calor da lareira, panela atestada de couves tronxas, frigideiras com unto branco de porco, uns chouriços de pendão, panelas tisnadas, trempes de ferro sempre aquecidas entre troncos de oliveira e borralho esparramado:

:::::
Uns traços de números esgravatados na cinza. É meu pai fazendo contas de feira passando os dedos papudos e peludos ora nas frieiras, ora sobre a face pendida, apalpando a testa e aludindo ganhos minguados. Nos fios de gastas crenças, tão corcovado, tão gasto, enrodilhado em suas macias filosofias de mineiro de volfrâmio, lembranças do M´puto, da guerra.

baú3.jpg Embebido, travado e suspirando baixinho, revia sua miúda indecisão de viver recordando-se dum dia. De repente, com um trejeito de esforço endireitou-se emperrado e cresceu! E, falou (é ele a recordar): - Amanhã vou à Companhia Colonial de Navegação inscrever-me! -Vou para Angola! Corria o ano de mil novecentos e troca o passo. E, o tempo passou...

:::::
Falo de meu pai que esgadanhando a vida retirava volfrâmio nos granitos da beira no lugar do Cornelho, freguesia de Rio-de-Loba, terras altas e frias nos arrabaldes de Viseu - terras de Viriato e Sertório...

niassa0.jpg Os gases da segunda guerra ainda lhe amedrontavam os pensamentos. E, até eu sonhei dias depois que ainda pequeno, nos interregnos da brincadeira, guardava as chibitas, cabras que forneciam leite à família com aquele maluco carneiro que se encavalitava para marrar no farrusco, meu cachorro também guardador. Cabrão do animal!

:::::
A Dona Micas barafustava a gritos a cada investida das cabras aos rebentos de suas videiras; eram os meus grandes problemas de vigília com arremesso de pedras e o busca-busca de farrusco. Meus sonhos transladavam-me para as frias terras aonde meu pai em tempos lá no M´Puto disse ter namorado com uma bruxa. Eu até me arrepiava quando falava de lobisomens de um tal de Nesprido... Eu candengue e aquilo a meter medo aos putos, que nem as recentes Urais soviéticas da guerra e, também depois do tundamunjila branco! As guerras aqui ou lá são sempre de kwata-kwata...

baú2.jpg Sentado no muro de pedra solta e no lugar da Maianga da Luua, um dia, vi meu pai seguir na carreira via Cais de Alcântara em Lisboa (de novo aquele sonho duma terra ainda desconhecida); levava uma mala de lata, um caixão de esperança sarapintada de bolinhas verdes sobre um xadrez de riscas pretas reforçada com umas tiras de ripas de madeira pregadas com taxas douradas. 

baú1.jpg O velho vapor de guerra Mouzinho de Albuquerque esperava-o ancorado no rio Tejo. Vendo agora a foto amarelada desse velho barco com meus dedos curtos e papudos, afago a caveira através da face também sarapintada nos anos. Essa mala de bolinhas verdes nunca voltou; lá ficou com outras muitas fotos numa Angola que ele tanto queria. Foi quando decidi ser Niassalês; nascido num barco que agora só é ferrugem...

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 18:14
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Terça-feira, 16 de Janeiro de 2018
MALAMBAS CLXXXIX

 

NAS FRINCHAS DA CHINA . YUAN I - 16.01.2018 - Apaziguando rijezas adversas, perfilando anjos com a singularidade num mundo exótico - a China…

Por

soba0.jpeg T´Chingange

Liberdade é um conceito que não é característico da cultura Chinesa. Se tivesse de dizer liberdade em chinês teria de pronunciar “Zi You” que é um neologismo que se tornou necessário modernizar na relação com as culturas ocidentais. Uma ponte do pensamento chinês para se subtraírem da indiferença que mantêm em relação ao nosso mundo ocidental.

:::::

O chinês é de facto uma estranha língua porque em teoria se poderá aprender apenas escrevendo e lendo como se cada signo seja um emblema. A nossa “lógica”, nunca foi traduzida em chinês! Talvez por isso nunca tenham tido grandes oradores como Demóstenes ou Cícero e, do que se conhece em obras literárias, só o Livro Vermelho de Mao se salientou tal como um catecismo.

yuan0.jpg Mesmo tendo a china sido revista em seu pensamento e à luz do marxismo, continuou indiferente aos nossos conceitos. É costume dizer-se que a China é diferente mas em verdade e em relação a nós, é acima de tudo “indiferente”. Quando dois chineses não se compreendem a falar, escrevem!

:::::

O termo “analfabeto” deriva do grego e significa “desprovido de alfabeto” mas, uma vez que na China não há alfa nem beta, o mesmo conceito exprime-se unindo o signo que significa “cego” ao signo que significa “escrita”. Sua escrita pictográfica “árvore” é desenhada com uma árvore tal como um “sol” que assim se desenha mas, torna-se para nós ocidentais difícil reproduzir uma ideia em uma imagem com sons, acções, emoções ou sugestões.

yuan2.jpg Os caracteres chineses em uso são cerca de oito mil embora bastem três mil para se poder ler e escrever correctamente. Não me estou a ver lá, malbaratando o tempo com coisas de crise, dinheiro mal parado ou desandado, repreensivas orgias de falatório mal contido, sexo, drogas e álcool ou desmedidos excessos para tapar o colapso fulminante em chinês.

:::::

Se na China eu dizer que gostava de fazer uma pergunta, isso vai significar para eles que há ali um problema! Quem ali levanta questões logo levanta problemas, maka e logo, e assim, fica mal visto! Pois então! É melhor nunca colocar questões, nunca levantar problemas! Será que o presidente Trump dos USA estudou estas recções dos amarelos baixotes?

yun1.jpg Será que ele, o Trump, sabe que lá no sudeste asiático se tem verdadeiramente a impressão de que o mundo já não gira em torno dos estates -“Estados Unidos”- mas da China. Vai ser bonito quando o mundo tiver de revalidar o subvalorizado YUAN. Vai-se dar uma crise mundial e de tal modo que nos tornaremos lixo como já o 

yuan3.jpg Em verdade o dólar irá revelar-se um Tigre de Papel! O dólar não vai ter suporte financeiro para se aguentar nas canetas amarelas; o dólar é bluff! Eles, os chineses não desperdiçam a imagem de Mao numa nota de Um Yuan; esta é dedicada às silhuetas austeras dos operários, camponeses e soldados. O mundo ocidental anda demasiado distraído! Tambulakonta (cuidado em kimbundo)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 18:20
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sexta-feira, 12 de Janeiro de 2018
MOKANDA DO SOBA . CXXXV

ANGOLA DA LUUA XXXV - TEMPOS PARA ESQUECER - 12.01.2018  

NA GUERRA DO TUNDAMUNJILA - Os directores da comunicação social, os poetas activistas do MPLA falavam barbaridades contornadas com apelos à paz…

Por    

soba0.jpegT´Chingange - (Otchingandji)

(Continuação da crónica Mokanda do Soba CXXIX – Angola da Luua XXXIV)

Passados que são 42 anos após a descolonização de Angola, ainda anda por aqui e ali gente a dar um encolher de ombros às lembranças de então, uma opção que não posso recriminar porque são penosas e revoltantes. Prometi a mim mesmo não me enganar continuando a ser eu próprio peneirando as opiniões, falando ou gerindo silêncios. Fale como fale, sempre serei uma carta fora do baralho!

ÁFRICA10.jpg Pelo andar da carruagem revejo-me como um elemento da riqueza soberana do M´Puto dando gorduras aos governos do M´Puto para nos poder gerir. O estado vendeu tudo o que dava lucro a empresas de gestão tais como os CTT, a EDP, as comunicações e surgiram os projectos PIN mais os Visa Golden e, não demorara a venderem também as autarquias e Juntas de freguesia. Nada me admirara depois da nossa entrega ao acaso com a entrega ao MPLA de Angola.  

:::::

Recordo que já muito farto de atropelos, inscrevi-me para uma organização em Lisboa, CIME, Comissão Internacional de Migração Europeia e pouco tempo depois fui para a Venezuela de barco aonde me mantive por seis anos. Continuo a ver que os angolanos da nomenclatura, os mesmos que nos escalpelizaram, continuam a engordar-se nos aconchegos das vicissitudes da porca política.

guerra11.jpg Para não me mentir, terei de continuar esta senda por modo a ser no mínimo, ressarcido moralmente dos muitos desmandos, porque outra coisa não posso esperar! Não estou a ver mudanças palpáveis na conduta dos novos governantes porque estes, sobem até atingir sua verdadeira pretensão: Servir-se da máquina estatal para se acomodarem sugando-nos subestimando a vocação em detrimento dum meio de vida - o seu!

:::::

Não tenho devaneios, este arquivo vai ficar morto como coisas do passado!… No já distante ano de 1975 e sequentes da mesma abrilada, pude ver os latifúndios da lezíria e savana alentejana acabarem sendo destelhados tornando-se montes abandonados. Fizeram festas revolucionárias comendo o gado, roubaram portas e janelas e, enquanto deu foram levantando o punho revolucionário da bestialidade.

guerra12.jpg Seus donos não tiveram alternativa e formavam fila a caminho do Brasil. Vasco Gonçalves lançava cravos à multidão; a mesma que nos cuspia no rosto porque nós, os retornados, eramos uns exploradores de negros! Comíamos seus miolos ao pequeno-almoço e das sobras ainda se fazia panados com pezinhos de coentrada como se borregos o fossem. Alguns envergonhados, dizem agora (ano de 2018) que não era assim!

:::::

Isto tem de ser dito para que os angolanos que por lá ficaram na Luua sofrendo, entendam que nossa sobrevivência também o foi, penosa! Depois de termos sido dados como ferro velho ainda nos retiram raspas de ranho ressequido fora da coisa dada, nossa N´Gola. Em Angola, no dia 17 de Setembro de 1975 começa a evacuação de Sá da Bandeira para Luanda. As condições adversas de futuros incertos, com dificuldades de toda a ordem, seriam sentidas no M´Puto sem bombordo. Uma nau à deriva…  

:::::

Podíamos sentir nossos amigos, vizinhos acampados no porto da Luua para fazerem a estiva de seu pecúlio, suas imbambas; as Kalashnikoves continuavam a cantar por todo o lado traduzindo os dias em centenas de mortos, gente presa, fuzilamentos sumários. O MPLA agrupava seus pioneiros para fazer maka aqui e ali. O Poder Popular agrupava seus militantes como carne para canhão sem o saber divertindo-se também como se tratasse de um festival de pirotecnia.

guerra13.jpg Da ilha da Mazenga podia ver-se lá longe as balas tracejantes riscando o dia e a noite com colunas de fumo negro e branco a excitar o medo duns e os corações de outros. Do lado de cá ainda sonhávamos com um “havemos de votar” mas, n imprevisibilidade a lei e a ordem eram uma fantasia escura, a justiça uma anedota trágica de porrada átoa.

guerra20.jpg Os directores da comunicação social, os poetas activistas do MPLA falavam barbaridades contornadas com apelos à paz; com novas rimas, cantavam makas perfilando sua falas com o MFA, libertando o povo com chavões transformando a rádio num grande megafone desordenando as cabeças. No aeroporto o medo cheirava-se com loucos gritos intercalados com silêncios tornando a moralidade numa batata podrida…   

(Continua…)

 

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 13:18
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 7 de Janeiro de 2018
PARACUCA XXV

MOKANDA DO EDU – 07.01.2018

No tempo em que os chícharos se chamavam de feijão-frade - Uma estória contada doutro jeito

Por

soba0.jpeg T´Chingange

Não posso falar todos os santos dias em coisas menos boas e, muito menos contigo meu amigo! Tenho de distribuir carinhos mesmo que pareçam carunchosos. Se queres ficar nos trinques com tua saúde bebe bolunga de massambala, enquanto relés. Já te recomendei tremoços, o camarão dos pobres que comidos com casca fazem bem ao reumático! Kiákiákiá…. Pois! O tremoço é um alimento óptimo para o metabolismo, um conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior de nosso organismo. Só que tu não ligaste peva!

camionista1.jpg Nas histórias que podes contar da tua vivência em Angola tens de meter jindungo do bom para apaladar o gosto tropical! Não vem mal ao mundo dizer que essas terras do teu tempo de criança, das estradas poeirentas e esburacadas, ou lamacentas transbordavam de água porque se fossem quimbombo só com os vapores ficaríamos pirucas.

:::::

Depois das tempestades tipicamente tropicais, em que os relâmpagos sulcavam o céu em várias direcções, sempre aparecia a kukia brilhando o firmamento. Aquele cheiro da terra molhada e muito cheia de cazumbi perfumada, brincava com nossas sensações de esquecer o cheiro do chícharo quando ainda nem era feijão-frade. O apetite surgia na curva da nossa vida feito funje com kiabos mais dendém nadado com tukeyas panadas ou peixinhos da horta.

camioneta 3.jpg Com a vida a resplandecer, a natureza impunha-se com suas regras para que isso acontecesse com sentido de vontade. Bom! Há assuntos dessa Angola de asfalto, de progresso, que não deixam de ser uma contradição com as carretas bóhers do tempo da minha avó natural da Madeira. Vejo-a com seu lencinho amarrado em volta as orelhas, ainda desligada do progresso mantendo a tipicidade do seu nascer.

:::::

Tal como ela, minha avó nasceu rude, jeito não burilado como o interior das savanas, das mulolas, das picadas, daquela Angola tão grande. Andando pra trás no tempo convenço-me de que o progresso nunca virá a atingir toda sua imensidão, permitindo assim que fique este genuíno retracto de quando eu era um puto de calções de zuarte e, sem cucas. Assim, os profundos contrastes, poderem permanecer-me feitos selva com os seus profundos mistérios dos maboques, das nochas e dos nombis do Humbe.

bessangana4.jpg Claro que o progresso não se compadeceu com minhas saudades continuando a medrar no seu habitat natural. Além do mais as cidades, as vilas, as povoações ganharam direitos que não podiam ser impedidos. Mas, e tanto quanto sei, as mulolas e t´ximpacas, continuaram por lá com os direitos que a natureza do mato não pode perder.

:::::

Quem se enterrou no barro preto, atravessou rios em jangadas, ou ficou preso nas mulolas, recorda agora o ter sido rebocado para poder sair delas, uma angústia que não se compraz com um passeio turístico por uma estrada asfaltada. Sei que muitos dos Xi-Colonos sintam prazer em relembrar isso com preferência em o fazer naquelas condições; facto que não se esquece a comparar com os tempos de hoje, em que viajar era uma 

Torres0.jpg E, havia os candongueiros a vender fardos de peixe seco levados de Baia Farta e deixando um sulco e cheiro por quilómetros já depois de ter passado. A adrenalina de sair dum lugar sem nunca saber da chegada ao contrário do que acontece hoje com uma panóplia de instrumentos com JPS e telemóvel era coisa! Horários pré-estabelecidos não eram parte do projecto; haveria que levar isso sim, umas patilhas elásticas caso o radiador furasse.

:::::

Levar uns arames para um qualquer suposto imprevisto, umas latas de atum, panela, frigideira, arroz mais batatas para curtir as fomes que no mato são mais agrestes. Levar também uma caçadeira por-se-acaso e também para matar o bâmbi, depois cortá-lo e preservá-lo em sal. As condições de viajar mudaram radicalmente, muito por força das estruturas rodoviárias e ainda pela própria evolução tecnológica das camionetas.

tambaqui6.jpg Recordo em 2013, a ultima vez que estive em África e naturalmente em Angola, o prazer imenso que senti em viajar num four-by-four tendo o recordo daquela magiros roncadora, rompendo picadas, enxotando as capotas e afastando o capim próximo; de novo viver aquela terra de outros tempos, momentos únicos que me trouxeram à lembrança essas outras fases da minha vida e, na qual fiquei colado com grude…

Nota: usando um texto matriz do EDU – Eduardo Torres

O Soba T´Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 21:09
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quinta-feira, 4 de Janeiro de 2018
MOAMBA . XVI

AMIZADES - CRUZES CANHOTO - Bingo! O mundo está diferente. Bem-vindo a uma nova era…

Por

soba0.jpegT´Chingange

Foi este o Lema que li ao levantar-me; escrito por José Canhoto da Quarteira com o qual me identifico. Tal como ele, aqui em KIZOMBA, ultimamente sem saber a razão e porquês, começamos a receber dezenas de pedidos de amizade diariamente no Facebook de angolanos, brasileiros/as, gente da mauritânia e arredores, dos países do leste europeu entre outros do globo.

:::::

A percentagem pode ser distribuída da seguinte forma: 95% de mulheres e os restantes 5% de homens. Tal como Canhoto, cheguei a várias conclusões: Todas elas têm idade inferior a 30 anos, a grande maioria tem filhos sem serem casadas, outras fazem publicidade á venda de sexo explicitando os diferentes menus e os “saldos” respectivos a pagar. Cumcamano!

etosha6.jpg E, os petiscos são “variadississimos”. Definitivamente neste aspecto de venda de sexo nota-se uma evolução negativa nestas redes sociais. Eu bem digo que ando carunchoso mas, contudo, o facto que mais me surpreende, assusta, causa pena e dó pelo nível educacional como escrevem.

:::::

É sempre uma escrita em desacordo com as habilitações literárias que dizem ter e das várias universidades angolanas e outras que frequentam ou dizem ter frequentado. No tocante a Angola, os erros de sintaxe são arrepiantes em cada duas palavras ofendendo a língua de Camões. Choram dolorosamente da forma como a sociedade, maioritariamente angolana, as crucificam e maltratam (entenda-se aqui como sendo os homens).

amigo0.jpg E, no que toca a Angola, acho também que o Governo deveria ter abolido todos os resquícios do colonialismo português incluindo a língua e optar por um dos mais populares dialecto angolanos o umbundo, o kimbundo ou quicongo, só que tiveram receio de ficarem sozinhos a falar uns com os outros sem nunca se poderem entender

:::::

Compreendo assim, a razão por que Angola vai ficar condenada a viver num sistema neocolonialista pelos próximos 200 anos e terem que ter profissionais estrangeiros competentes a fazer os trabalhos que lhes competiria. Infelizmente, não me parece que consigam atingir a sua maioridade neste espaço de tempo.

:::::

Se em todas as outras actividades profissionais a ignorância dos angolanos é idêntica á forma como escrevem a língua de Camões, a diferença entre hoje e de quando foram achados em 1482, pouca diferença faz no que respeita á sua literacia.

louva8.jpg Qualquer aluno do ensino primário em Portugal escreve bem melhor do que os angolanos a frequentarem as universidades. O Brasil também enferma desta visão. Tal como Canhoto, estudei em Angola e, a qualidade do sistema educacional que os colonialistas portugueses tinham lá implantado, não tinha qualquer comparação com os que os angolanos usufruem 42 anos depois a independência.

:::::

Esta constatação leva-me também a concluir que os angolanos nem sequer ainda gatinham depois de 42 anos de bafunfa. Continuam reféns e dependentes de tudo e todos como bebés que precisam de pais adoptivos estrangeiros sendo a maioria e agora, de chineses que os preenchem, fazendo tudo o que estes precisam para sobreviver. Não demorará a saírem da esfera do dólar e entrar na do Yuan.

paulo0.jpg Retirem todos os estrangeiros de Angola e deixem de importar tudo o que precisam para viver e, veremos o tempo que demorará a que todos voltem para os campos tal como sempre o fizeram ao longo de 500 anos plantando o necessário para comer. Não é preciso ser sábio para adivinhar o destino dos angolanos se rapidamente não definirem as suas prioridades e, sendo a primeira o de se verem livres do partido que os governa desde 11/11/1975. Deixo aqui as minhas vénias a Canhoto por este interessante alarme…

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 09:52
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quarta-feira, 3 de Janeiro de 2018
KIANDA LII

“O mito dos Santos“ - Trata-se de um conto vulgar com uma notória lacuna: Os Santos nascem brancos!

Por

soba0.jpegT´Chingange

Foi mesmo no prefácio que a vida de Sexta Feira começou a ser utopia! Ele aconteceu vir nuínho da silva, gritar logo sem que ninguém lhe entendesse. O labirinto de suas falas ainda não eram verdadeiras, de nariz achatado e ainda branco, um pouco para o vermelho e, já lhe diziam ser parecido com seu pai, Domingo de nome.

ÁFRICA3.jpg Sua verdadeira mãe ali do lado já era Segunda e, todos juntos eram Santos. Como então? O pai se chamava Domingo dos Santos, sua mãe, Segunda dos Santos e, ele vinha assim mesmo Sexta Feira dos Santos. Nunca que ninguém lhe vou esquecer, que nasceu branco; depois virou preto mesmo!

:::::

Na sua pele enrugada Sexta Feira já arrastava sua missão de vida com dificuldade de premonição quando os olhos dos outros se comoveram feito chuva de Colomboloca e Zenza do Itombe só porque sua cor se tornou mais retinta que a do seu pai Sãotomense. Que assim seu livro de vida mesmo sem prefácio, já era mesmo no gerúndio!

ama3.jpg Ele, Sexta Feira fez assim, assim com sua mão pequena e já sua tia mandava palpite de que você vi ser engenheiro. Como é!? Porquê falas isso, perguntou sua mãe de Segunda Feira dos Santos. Porque sua mão logologo, disse Lurdinha dos Santos na resposta elogiosa: seus traços que viu na ternura e da firmeza de sua mão como no rodar duma chave de busca-pólos.:::::5Sim! Vai ser engenheiro de electricidade e dos petróleos! Afirmou quase peremtóriamente como supra numerária das linhas mestras no futuro do candengue. Tem gente assim, predestinada a grandes falas! O mito é assim mesmo, um nada que é tudo como o sol que abre nos céus.

:::::

Eu, T´Chingange amigo só de vizinho lá no Caputo, fronteira da madame Bergman e Bairro Popular número um, machimbombo numero vintidois da Terra Nova, branco de segunda mesmo, assombrava-me com os compromissos, palavras só faladas para não ficar assim sem compreensão de nada dizer! Entendem? Pópilas, não kopelipem! Tem muita gente assim; fala, fala, mas não diz nada mesmo!

maianga do araujo.jpg Cá para mim, era mesmo uma criança de um indefinido feio, mais parecendo ao Mobutu Sese Seko Kuku Ngbendu Wa Za Banga muito mais ainda que o seu Patrice Okí Assombro Lumumba; ambos do Kongo. O primeiro que foi presidente feito onça comedor de coração de macaco e o segundo que também foi, mas morreu com um tiro nas partes, lá por 1961. Há assombros que batem certo!

:::::

Estava mesmo a ver Sexta Feira correr descalço, pisar nos tabaibos da gente, e ficar assim fulo, mesmo de lixado, e só átoa. Cada um tem seu caminho e não foi em vão que só ainda nem acabou. N´Zambi é que sabe de como fazer, agora só mesmo falar de elogios, dos traços e coisa e tal, da geração e nem sei que mais - está mal!

menino2.jpg Porque às tantas, vai ser presidente, ficar dono do nosso kumbú e, nós aqui olhar o vínculo de suas linhas com palavras sem glossário nem nada. Juro! Foi nesse então que disse: Este caminho de antes que seja, vai ficar muito mais pior e, de Santos mesmo, só o nome se vai salvar. O diabo mesmo é que ele pode vir a ser.

:::::

Depois de muitos anos concretizou-se a profecia. Dos Santos era um filho da mãe Segunda! Como vai então um povo andar práfrente, ir ser assim um Santo que nunca mesmo o foi?! Não foi em vão porque só ainda não aconteceu. Tambulakonta, a história mesmo, é muito mentirosa.

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 14:14
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

RELOGIO
TEMPO
Weather Forecast | Weather Maps
Maio 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

12
14
15
18

20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
CAIXA MUSICAL
CONTADOR
contador free
ONDE ESTÁS

Sign by Danasoft - Myspace Layouts and Signs

blogs SAPO
subscrever feeds