Sábado, 30 de Junho de 2018
MONANGAMBA XLIX

O CARMO E A TRINDADE

 - A nossa própria estória não pode ser enganada – 30.06.2018

Monangamba - trabalhador sem especificação, faz-de-tudo (por vezes pejorativo).

Por

soba15.jpg T´Chingange - No Algarve do M´Puto

Na Luua, antes do último suspiro do Império Tuga surgiu uma corja de comunistas dum tal de MFA a desarmar os brancos e armar os pretos. Quando a independência chegou, os camaradas do MPLA não permitiram que um único português tivesse um lugar de destaque na sociedade da Luua. Num repente ficaram sem o direito de ser donos de uma empresa, donos de uma fazenda ou que continuassem a ocupar um emprego na administração pública.

:::::

Sem mais nem menos, o MFA apoiava o MPLA sem ter, mãos neles. O MFA ajudou um movimento que sabia ir expulsar todos os portugueses de Angola, que os iriam aterrorizar, que os iriam confiscar, roubar seus bens, prender, interrogar e matar. De repente os laboriosos colonos, eram simplesmente: - inimigos! Isto fez algum sentido?

mfa2.jpg Da repressão proibitiva do regime anterior salazarento, passava-se sem mais nem menos para a bandalheira total com os excessos daqueles intitulados revolucionários de fingir, heróis saídos duma fábrica como assim de fazer bolas de trapo metidos em meias, para desenrascar como daquelas meias surripiadas do pai a cheirar a sulfato de peúga! Mas, o que é que tem a ver o cú com as calças? Estão a ver o filme?

:::::

Uma bola é de caucho e a outra é de trambolhos saios da doença do cholé; ver guerreiros de fingir ensinados a espumar de raiva. Raiva para só se convencerem numa prova de coragem em suas empedernidas visões comunistas; solidificar suas empedernidas reputações de putos maus, putos contra o governo. Sim! Destes macacos de zuarte que fazem o mal para que os outros lhe confiram respeito. Infelizmente o que parecia ser era!

CHAIMITE1.jpg O processo de revolução em curso abreviado em PREC, como disse uma bola fazendo de nós cidadãos do Ultramar um novelo de trapos. Eram mesmo os monangambas no poder de decidir o que fazer para desfazer. Tento não me esquecer de nada - por vezes isso é bom mas, comigo há ocasiões que se tornam em tormento, tormentoso e, em que o titulo a dar ao texto foge do contexto, assim como um poema que só rima juntando alhos com bogalhos.

:::::

Depois do ano setentaecinco do século passado, uma grande borracha histórica trabalhava, trabalhou e trabalha incessantemente para apagar a presença de Portugal e dos portugueses em terras de África. Foi o início da desfabricação dum tempo, formatando poços de incógnita de mandar borda fora os últimos portugas num inventado Ultramar.

25-1.jpg Os grandes borracheiros da praça do Império empenhando-se numa chamada saudável política de cooperação, desgarantiram estorno num firme propósito de fingir que afinal não vinham com uma mão à frente e outra atrás, decerto deveriam trazer uns feijanitos do Kafunfo a rebrilhar a escuridão da mala. Qual estorno? Quais vitimas!? Continuamos nesta…

:::::

Entretanto atravessando o recolher obrigatório da Luua pouco antes da meia-noite o silêncio aquietava o intervalo das rajadas com tracejantes pintando o ar. Num repentemente tudo se aquietava no silêncio do medo como se fosse um mundo no além, uma cidade fantasma. Um claro enturvamento do olhar, entortamento das costas, encurvamento das sobrancelhas alteravam a cor das até então, firmes mãos.

eseves2.jpg O MFA alinhavado no pacote das boas intenções, perdera-se totalmente no controlo militar do M´Puto e do Ultramar deixando no deus-dará todos sem excepção com os três moimentos negros digladiando-se com a feracidade canina, selvagem sem ser capaz de deter os instintos destruidores. Aquele pacote de boas intenções foi revertido no financiamento das hostilidades.

refu2.jpg Genericamente os brancos tornavam-se nos maiores inimigos ferozes, no bombo das festas com fogo de tracejantes para acalmar os ânimos. E, entretanto o discurso mais directo eram o indiscreto descarregamento de fogo para o ar, caixotes de arma, paletes de cunhetes e perversões de guerra, operações de marqueting modernizado decorrendo com afinação milimétrica pelos agora heróis da descolonização. Uma cambada de generais urubus- Nossos heróis! …

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 17:50
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 24 de Junho de 2018
MAIANGA . XXII

MANIKONGO E MARACATU

- UM SÃO JOÃO COM SARDINHAS - 24.06.2018

- Porto, Braga, Maceió, Caruaru e, Luua – A sangria, o caldo de feijão, a coxinha de galinha, chouriço e o ananás recheado de velho barreiro com muito gelo ou o marufo da kassoneira do Sumbe…

Maianga é um bairro da Luua - Angola, meu berço tropical.

Por

soba15.jpg T´Chingange

AS FESTAS JUNINAS ... Junho, mês das festas populares é festejado por toda a kizomba do Mundo Tuga; as marchas, os casamentos, o saltar da fogueira, o baile de mastro o xodó e forró pé-de-serra, fazem parte dessas manifestações na diáspora portuguesa. O maracatu, sendo uma manifestação junina pouco conhecida em Portugal, tem a sua representação maior no Nordeste Brasileiro mas também em Belém do Pará com sem bumba meu boi. E temos o alho-porro lá do Porto, carago!

:::::

O Maracatu, originário da coroação dos reis do Congo, antigo Manikongo, foi transposto pelos escravos idos de Angola e Costa do Marfim para as explorações de cana-de-açúcar. Festa dos quilombolas bem à maneira dos trópicos africanos conjugando nos dia de hoje festividades de tribo com santos coloniais.  

festa1.jpg Hoje o S. João, festeja-se um pouco por todo o centro do Brasil, mais no Nordeste e em seus quilombos que se estendem até o Pantanal de Cuiabá e Poconé já muito perto da Bolívia. É uma festa e tanto. O cortejo de coroação real composto de rainha, rei, príncipe, princesa, ministros, conselheiros, vassalos e porta-bandeira vestidos de cores extravagantes, saem às ruas em grupos ou quadrilhas para energizarem a vida.

:::::

Maracatu é uma manifestação cultural da música folclórica pernambucana afro-brasileira e ritos cristãos saídos de Portugal a comemorar os populares santos de António, João e Pedro. É formada por uma percussão que acompanha um cortejo, uma instituição que compreende um sector administrativo e outra, festivo, com teatro, música e dança.

fig3.jpg A parte falada foi sendo eliminada lentamente, resultando em música e dança próprias para homenagear a coroação do rei do Congo. A nosso Kizomba, fazendo registo deste património não pode ficar alheio e, com seus chocalhos, concertina, guizos e tambores junta-se à plebe, à folia para alegrar nobres, sábios, cipaios, homens ricos e M´bikas (escravos) que se devem juntar ao evento com balões, alho-porro, martelinhos e fogo-de-artifício.

:::::

A ciência leva-nos a pensar que o Universo nos é inteiramente racional ou matemático mas, nas festas populares, com aquele tintol, tudo pode acontecer. Beba a festa carago!... Se não tiver alvarinho venha o vinho… Atento às passadas e calcanhar de Cristiano fazemos figas, damos as mãos uns aos outros fazendo uma corrente mas, cinco passos cadenciados, pernas abertas, olhar de raio laser e zás-trás, chute e xissa! …

flor6.jpg Também isto é parte de São João com fumo de sardinhas e pucarinhos com delícias de bolo podre e as esculturas ditas cascatas do Santo mais os manjericos e sumo ou suco de erva-cidreira, capim santo ou caxinde. A bola do Ronaldo que fez aquela mágica curva, que nos faz roer as unhas dos pés, colou-se-me ao cerebelo. Venha mais um triciclo ou uma bicicleta de todo o terreno.

:::::

E, a queixada do Santo António a triturar-nos a ira com jeito de surda raiva pelo Santo, que nada fez quando não faz e, no faz quando acha a agulha. As festas juninas estão aí, Porto e Braga e também no Brasil com o Xodó e a zabumba mais reco-reco e berimbau. Não vou fazer a habitual fogueira, nem saltarei de costas, nem mais irei confiar na sorte sortuda porque me posso lixar.

santo2.jpg Amigão kaluanda da velha Luua fica também connosco, bebe uma bolunga, ergue a taça que vamos ter pela frente outras mais oportunidades de fazer muxima e ongweva (saudade). Prepara a catana p´ra pintar esse emaranhado de cabeleiras a piaçaba, carapinha, as cores do M´Puto com um garrafão a fingir de balão. Deixem-se de quezílias, tretas e matumbice… A estória não se compadece com burrices, Tambulakonta…

maracatu2.jpg Vou dizer ao meu santo preferido que dê uma volta ao bilhar grande se não estiver disposto a dar-nos a victória contra o Irão do Carlos Queirós. Santos de Junho, Santo António, São João e São Pedro com gaitas, berimbau, sanfona, acordeão e concertina e muito manjerico com quadras lindas! Podia ser melhor, mas foi isto que me saiu… Mungweno… Cantai, Cantai, raparigas, Cantai sempre ao S. João, Porque, ele paga as cantigas, Com muito bom coração.

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:39
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

MALAMBAS . CCVII

TEMPO COM FRINCHAS  - 23.06.2018

-Sinto-me palhaço no particípio passado mas, vou fazer mais o quê, agora!…

Por

soba0.jpeg T´Chingange

O ar está a mais de 30 graus, as cigarras algarvias riscam no ar sua permanente cantoria, quente e opressiva; as rolas gemem do cipreste num exercício de respiração flutuando-me no sufoco de antigos sonhos, de quando jovem. Vêem ao de cima os minúsculos insectos da alma com penosidades não esclarecidas naquele outro tempo. Ouço o trote de dois cavalos que batem ferraduras no asfalto, zumbidos de carros a unirem-se aos de meus ouvidos e latidos de cães que farejam estes nos quintais de seus donos.

eleutero4.jpg É a tarde que cai, gritos do café pelo golo do Brasil, no outro dia tinha sido o Portugal, os copos tilintam saudações, carros anunciando folguedos para a noite preta e branca no Scy Bar com o tributo oficial de Elton John. Às tantas só vai aparecer cosmopolita sem rugas, de óculos avermelhados em um poster grande, cantando canções velhas em um gramofone como a sé de Braga que toca o sino em gravação das aves-marias e, coisas conhecidas na balburdia de verão como que para assustarem diabos moiros sem sonhos cristãos

:::::

Borrifados com vénias a Alá calções curtos esfarelados e rotos dando ares de alta-roda da moda ai estão os turistas avermelhados, falando francês de França, Salut, comment allez-vous, mon ami avant-hier? - Eh bien, merci! Queimados nas testas e pescoço muito carregado de grafitis ao jeito de tatuagens chanfradas sempre com os raios do microondas agarrados às orelhas.

sorte6.jpg E, elas, as moçoilas, cheirosas com vestes de suavidade, condições da atmosfera propicias prá noite, ao engate com risos pré-preparados e guinchos estereofónicos de engolir gorjeios de pintassilgo molhado em granizo de whisky ou água tónica e gim; de pestanas longas e escorridas em tinta preta reluzindo o latejar dum coração de leão ou hiena e, eu aqui macambuzio falando das fricções zumbidas falas de cumcamano, meu!

:::::

Na descoberta de gestos novos e olhares reluzentes sem gestos de enfado ele pisca a estupidez falando inglês das maldivas: You look great! Do not you want this one? It gives a fucking mess ... Este, quer trepar a moça, pelos vistos - subir pela parede com uns pós xis-pê-tê-hó de ver o paraíso penumbrado de retoiçadas quenturas.

sorte5.jpg Trocando memórias comigo mesmo, de repente sinto que nem todos os turistas estão num paraíso como este e, eu aqui recordando os bailes de quintal na Maianga da Luua. Tá-se-bem aqui, sim senhor! Só ontem, noticiaram mais de trinta mortes numa praia do Xingrilá, um lugar distante de faz-de-conta. Tudo estava calmo quando num repente, um diabo saca de uma kalas AK 47 e dispara aleatoriamente para as gentes.

:::::

Umas pessoas tomavam sol, outros, chá ou whisky, de repente surge a morte no meio de ingénuas vontades de viver a vida; ir até lá tão longe para se morrer, faz favor, se é pra morrer vou ficando por aqui… Pintados de islâmicos com a simples estratégia de matar vidas surge do nada o cheiro vermelho da morte metida nas memórias limpas que correm à frente da chuva preta.

sorte4.jpg Abanei a cabeça para afastar estas imagens que são só uma vaga, fragilidades ou forma de minha eternidade. Assim como uma pessoa que anda feliz da sua vidinha e, um belo dia numa consulta de rotina o médico diagnostica-lhe um cancro! Assim sem mais nem menos antes do último suspiro, melhor é mesmo nem ir ao médico e ficar a dar pontapés às circunstâncias chatas que ninguém controla.

:::::

Melhor mesmo é ficar no espanto trocando memórias, bebendo chás, comendo biscoitos com cheiro de alecrim. Será que o anjo da verdade nos vai apareceu sem mais nem menos? Se houver uma mudança, ai Jesus, que o M´Puto não nos acode!? Por via de duvida uso um amuleto da sorte na forma duma nota de dólar com a cabeça grande de Washington. Podia ser até um santinho ou uma vagem envernizada de feijão maluco; serve para o efeito - um credo na ponta das falas ou só um cruz-credo.

cinzas8.jpg Sempre, sempre a mesma arrogância com um GPS muito cheio de funções com geringonça. Que se lixe – estamos a sair da crise! Quem fala não sabe; quem sabe não fala… E mesmo agora em última hora o Presidente do M´Puto Marcelo Rebelo de Sousa tem uma quebra de tensão e desmaia com o calor. Será que também anda com um amuleto de mãozinha fechada e uma meia-lua? Tomara que não seja nada!

O Soba T´Chingange  



PUBLICADO POR kimbolagoa às 14:18
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quinta-feira, 21 de Junho de 2018
A CHUVA E O BOM TEMPO . LXXXVIII

NAS FRINCHAS DA VIDA . Kazumbi com kalunga… O mal fermenta-se na psicose gerada pela instabilidade…

Por

soba15.jpg T´Chingange

pana1.jpg Descendo as escadas do Vai Hassar, chegado à praia, espetei na fofa areia o chapéu-de-sol e, depois, ouvindo a trovoada a sul, caminhei um pouco a montante do Arade apreciando o barco de cruzeiro que leva gente a Tenerife das Ilhas Canárias e Açores. Sempre gostei de ver estes gigantes do mar num andar molengoso, ouvir os apitos e as chaminés vomitando cinzas barra adentro e, nesta admiração, dou-me conta de meu chapéu destapar minhas minudências, sair às cambalhotas até ficar emborcado na água, como se fosse uma jangada.

:::::

Era uma jangada de palha de pobre tirando-me desta condição a fingir ser um iate, chapéu feito canoa saindo pelo vento adverso em direcção ao vapor já encostado no cais dos guindastes. Controlando minha missão de aguentar a austeridade, dispus-me a gozar mais um dia de clareiras de sol com previsão de chuva molhada e sons troantes do céu neste país que já foi metrópole dum império, de meio mundo, das índias e Brasis, da Etiópia ais este Algarve.

praia.jpg E, do Algarve, apreciando as frinchas de vida com vozes de marujos de folgar a corda, dá de ré e, amainando assim meu pensamento vadio, entro na fria água ao som dum trátrátrá de arrastão barulhento que entra na barra. É o Delphinus que ao provocar ondas fez deslocar ainda mais o chapéu chato para o lado de lá, mesmomesmo na direcção do raisteparta, nome dum barco preso à bóia amarela.

:::::

Valeu-me um barco de pescadores à linha que aos gestos e gritos de duas garinas irlandesas, acudiram a este estranho acontecido de agitar flanelas com a esfinge do Cristian Ronaldo, o jogador de futebol melhor do Mundo; Cá de meia distância, vi o pequeno barco aproximar-se apanhar o chapéu do panamá e dirigir-se na direcção daquelas moçoilas que entretanto aplaudiam os heróis do momento, os pescadores do rio Arade.

dy28.jpg Alargado de agradecimentos de merci, thank you e obrigado, agradeci às turistas nesta forma de poliglota de praia, a ver navios com vapores e traineiras de sardinha, carapau e cavala. Saudaram-me numa língua estranha a juntar ao meu muito obrigado para os amáveis pescadores; um bom desfecho para quem não quer mesmo ficar na penúria de ficar pobre e sem chapéu. Estes pequenos incidentes dão azo a folgarmos as arrelias minúsculas, dar um sorriso e fazer umas gaifonas às turistas que felizes, continuam gingando suas formosuras…

:::::

Como vêem, aqui noa Angrinha do castelo de Ferragudo, do outro lado de Portimão, acontecem coisas que não lembram ao diabo que sendo negro, tem obras de feitiço muito mais repleta de assombração branca por conta das lendas mouriscas. Meu chapéu foi atraído para o património de um antigo rio que barulhando em árabe, chafurda donzelas, kiandas de kazumbi com kalunga mareando esta metrópole da moda chamada de M´Puto.

papalagui11.jpg Tão sujeito às gravidades europeias na perene austeridade, não vou ficar assim pateta de braços cruzados vendo as gaivotas adaptando-se à gasosa do Delphinus. Deitando vísceras na mistura de peixe rejeitado borda fora, os restos dos restolhos que são pesca fácil para os passarões grasnantes. Um piar alvoroçado, lutas de depenicar a fome sem maior esforço, de ir lá a alto mar e mergulhar, ficar todo o tempo esperando dádivas da kalunga como o M´Puto da Europa.

:::::

Também estas, as gaivotas, se vão ajustando ao protectorado dos mais fortes, exemplo que não devemos seguir em nossas normas de gente, estendendo a mão aos gestos alheios ou à caridade; porque, isto de comer sem esforço, à vontade dos demais, não é certamente um percurso correcto na cadeia do sucesso alimentar. Qualquer dia só comemos as cotas atribuídas pela comunidade a um mar que é tão nosso.

vasco3.jpg Sentei-me na cadeira exposto ao sol admirando os gestos de tira e atira, tira e atira linha para apanhar matonas ao rio, tainhas ou liças só com fateixa; os mesmos pescadores que salvaram meu chapéu. Pensei que ninguém tem o direito de tirar-lhes também essa condição de se continuar honestamente pobre; dos problemas de plafonamentos e, mais palavrões de enganar. E, foi nas 13 badaladas que arrumei a tralha, juntei o chapéu, a toalha e os zingarelhos deste manuscrito rumando a casa para assar duas postas de perca do Nilo…

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 19:13
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quarta-feira, 20 de Junho de 2018
CAZUMBI . XLV

NO TEMPO DAS GRAFONOLAS - 20.06.2018

CAZUMBI D´ANGOLA: É feitiço… O estigma de branco de segunda…

Por

soba0.jpegT´Chingange

Nos anos 30 do século passado, havia leis em Portugal que outorgavam estatutos de portugueses de segunda a todos aqueles que tinham nascido nos trópicos. Agora que estamos na hipocrisia da modernidade, tentam esconder o que era prática no Ultramar Colonial. Este estigma voltou, depois da descolonização, e muitos portugueses não estavam à vontade para confessar a sua origem angolana. Olha! Aquele fala à preto, cuidado!

:::::

Daí vêm todos os mitos em torno da “Nação” portuguesa. As coisas mudam e a percepção da Angola independente, mudou muito nos últimos anos. Lá passou a haver também pretos de primeira e de segunda só que não querem que isto se saiba ser assim tão cruamente. Os termos da preocupação com a etnogénese podia e pode ser muito bem motivada com a preocupação na degenerescência racial, da “eugenia positiva”, mas isto, nunca passaram dum tal mito de que África dos trópicos de Capricórnio.

cazumbi0.jpg Ficaremos certos de que nas nossas veias, circula um caldo de culturas e de povos, no qual certamente se encontra o africano. Naquele então estes conceitos de eugenia corrompiam os pensadores sociólogos do Mundo e portugueses albinos que faziam dos t´chinderes dos trópicos gente mameluca. Será muita ousadia mas, apetece-me dizer ao Mundo de que quando eu morrer quero levar comigo um computador com internet e uma grafonola para espairecer periclitãncias.

:::::

Por isso, quero agora mesmo, é adquirir uma grafonola, daquelas que tem um cachorro ouvindo no orelhão a musica do tempo, um tempo do qual eu não sei a verdadeira medida nem se, se mede com um relógio, um quartilho de emoções ou um suspiro de sonho, porque julgo que tudo é falso, que somos uma ilusão e, que o tempo nada mais é que uma moldura para nela tudo encerrarmos o que é estranho.

cazumbioo.jpg Pois, quero ficar ligado a um canal de música as 24 horas do dia com toque espacial das doze badaladas da meia-noite. A eternidade nunca nos dá a possibilidade de ser escolhida em vida e, são sempre os outros que gozam esse privilégio, nosso próprio responso e, sinceramente, eu acho mal! Dito assim, as palavras são tão certas e únicas que ninguém sente meus passos rebeldes a dançar verdades.

:::::

Ontem consultei um professor kimbanda, preto de segunda a tentar sortes aqui no M´Puto. Chama-se Professor Facoli e, como espetou no pára bisas do meu carro um papel verde, tive de sentir a sensação do encontro entre um branco de segunda e um preto de segunda. E, porque estávamos numa segunda-feira, este grande espiritualista, cientista, descendente de uma antiga raça albina, tinha poderes para alterar meu estado! Agora ando atestando sua magia negra de astrólogo genuinamente genérico.

cazumbi01.jpg Os lugares que carrego comigo também se riem dos silêncios do meu pensar ondulando-se em meu aprumo ou capricho e, é neste então que reparo nos brilhos vermelhos do mar quase calado, no azul do céu misturando-se na água em tons vermelhos fazendo pazes, capitulando-se na frente de minha alegria.

:::::

É neste preciso momento que as n´nhufas das kúkias (os medos do sol poente) se marimbam nas cagufas do mundo e nas cerimónias em que todos mandam pró céu cunhas ao santo António ou mesmo ao são Pedro com regras e protocolo. Talvez este chá Caxinde com ervas de funcho receitado pelo astrólogo de segunda funcione na plenitude, mas ando desconfiado que é mesmo um aldrabão de primeira! Um preto de segunda a enganar um gweta de segunda…Aonde já se viu nestes dias tão áureos de Cristiano Ronaldo com pés de ouro que, diga-se em abono da verdade também tem sangue preto na veia.

cazumbi5.jpg Queria acreditar que sim! Porque um desejo uterino é para ser devidamente respeitado nos conformes da decência do malembelembe (devagar, devagarinho) compassado do caminho de todos os dias. Caxinde, oié! Vadio-me assim na sabedoria cristalizada em comprimidos que tomo matinalmente para segurar a pressão acompanhados com uns quantos goles de xá caxinde, erva-cidreira, de príncipe ou ainda capim santo; um monte de noms para uma só planta do mato.

:::::

Prendendo meus malefícios à pele enrugada e, pelo lado de dentro, dissolvo as ureias, o colesterol, os triglicéridos e os aminoácidos com água tónica e gim de cinco estrelas que fazem sair mazelas às postas pela sola dos pés. Com borbotos floridos de ácido úrico lá vou aguentando de pé firme minhas mazelas jurássicas, assassinadas no desprezo caligrafado em olhinhos amarelados; deve ser desta iguaria de camarão vindo das Maldivas, lá do sítio aonde as próprias águas  se banham no emporcalhado canal de bactérias e outras malazengas humanoides…

cazumbi1.jpeg Minhas condecorações são minoradas com o flúor e o iodo, deitando a perder minhas vulgares salmonelas, minhas cicatrizes que se bangulam átoa (que me gozam) nas terras  marafadas do Sul do m´puto. Se milagres desejais, recorrei a Santo António; Vereis fugir o demónio e as tentações infernais. Este kimbanda chamado de Facoli assim na segunda visão, bem que me parece um trapaceiro corriqueiro. Veio de áfrica pra gozar com os ex-bancos de segunda; filho de uma mãe parda! Repitam agora comigo a oração chave: Recupere-se o perdido... Pela sua intercessão… Foge a peste, o erro, a morte… O fraco torna-se forte E torna-se o enfermo são… Não deixe de usar seu cadeado verde!

O soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 05:30
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 17 de Junho de 2018
MALAMBA . CCVI

TEMPO DE CINZAS. 17.06.2018

-Ser cleptomaníaco é ter a doença de fanar aquilo que não é seu, um jeito de gamar. A tecnologia do blockchain* é uma promessa de solução para todos os problemas ao criar o que se chama de “interventor de valor”.

MALAMBA: É a palavra.

Por

soba0.jpeg T´Chingange

A tecnologia mais impactante desta geração já chegou. Não se trata de uma inovação de big data ou inteligência artificial, robótica ou de armazenamento em nuvem. É isto, o blockchain ou tecnologia com moedas digitais, como o bitcoin. Este avanço tem o potencial de se transformar no modo de como se lida não só com o dinheiro e negócios mas e, também com o governo e a própria sociedade como um todo.

:::::

A tecnologia do blockchain é uma promessa de solução para todos os problemas ao criar o que se chama de “interventor de valor”. Esta rede via internet é construída para transmitir e armazenar informações de NÃO VALORES (coisas)! O Facebook e outras redes de suporte motor na comunicação hodierna, pouco fazem para se mudar a maneira em como lidamos com o dinheiro, e de como fazemos um negócio.

bitcoin1.png Estas vias de comunicação, entre outros mais, usam seus servidores (nós-NODOS) por forma a poderem piratear com facilidade seus usuários. Estes motores de busca tais como o Sapo, Twiter, Facebook, Digg, Google, Windows, Bebo, MySpace entre outros, têm nesta prática, a maneira airosamente suave de cobrarem por nossos serviços; são intermediários que nos cobram este grande valor que lhes concedemos segundo regras deles.

:::::

Falo por mim que tenho sido invadido em minha privacidade sem que me dêem no mínimo, garantias de estabilidade e stresse! O modelo de negócio do Google e os outros mencionados, é encurralar-nos como porcos em pocilga, controlarem-nos com seus padrões de interesse, colectarem nossos trabalhos de busca, pesquisa de informação, nossas estórias, mussendos, mokandas, missossos e coisas cabeludas para depois revendê-las. Eu tenho noção disto mas, porque sou cusca, deixo correr a película da vida…

araujo30.jpg Visto isto, a economia mundial cresce sim mas, muito pouca gente se beneficia disto! Nossos paradigmas estão por força destes controla eliminando dores fanáticas, paulatinamente, sendo alterados. A chegada deste blockchain a estes empreendedores, será da maior importância pois que eliminando intermediários aí sim, se criará uma verdadeira economia de compartilhamento sem os mega sabichões de SALGADOS E COMPANHIA que nos levam os pecúlios em falsos investimentos. Também ando a tentar fanatizar-me com esse tal de dinheiro virtual.

:::::

Isso! O dinheiro invisível; para que não seja necessário manuseá-lo atascado de vírus e fungos que as notas-porcas, nojentas, transferem para mim, para todos, sem que se dê conta! Quero assim saber tudo sobre os bitcoins para não andar vai-não-vai, com a garganta, os olhos, os ouvidos e a pele numa irritante coceira. Ele, são vírus, bactérias e fungos nas estirpes mais medonhas. De mão-em-mão transportam a gripe, a enxaqueca, a rinite, as pintalgadelas carunchosas e as unhas encortiçadas com fungos dinossáuricos emporcalhados.

bitcoin2.jpg Usar dinheiro papel-moeda é a coisa mais nojenta que temos. É tempo de passarmos a outras vias de não lidar com a máquina da doença deste papel nauseabundo que nos leva aos tempos carunchosos e medievais. Estou farto de alimentar esta indústria da doença com impinges, flor-do-congo, o lupo, as bitacaia e minhocas perniciosas, a filária, os bichos barrizinhos brancos que penetram na vida trazendo a caspa e a morte!

:::::

Pópilas! Coisas a nos percorrer, como se em vida, já fossemos coisa morrida. Pois está explicada a minha contravolta fanática nesta urgente mudança da vil moeda-papel. Bem! Tanto quanto sei o fanatismo é uma doença da mente que se transmite da mesma forma como a Varíola. E, assim pela ânsia exacerbada para alguns preconizo que a mudança deste paradigma mude nossas vidas sem a necessidade de a todo o momento correr ao médico, à farmácia aos corvos da nossa sociedade complicadíssima.

bitcoin5.png Em verdade, é um contágio mais propenso a afectar rebanhos ou manadas do que a eremitas. Agora que já ando tão cheio de mazelas, por via do dinheiro-papel de dar cobiça a tantos fanáticos propensos a enricar, quero efectivamente enveredar pelo anti calote, antidoto à praga de ladrões; usar nova ampulheta do tempo que a todos regule com estes tais de bitcoins.

:::::

Quero assim, distinguir-me desta vidinha de vulgaridade, olhar com quantus a fantástica evolução para manipular as saudáveis regras da vida. Deixar de tossir malezas novas como o ébola, a catinga do deus-me-livre e o câncer, coisa ruim. Por circunstâncias que nem os governos querem controlar, é tempo de extinguir este velho e nojento estilo de vida sem dinheiro de passa-pulga e cacareja a galinha… Este estado do mais-ou-menos - juro que já não me agrada!

araujo160.jpg *Bitcoin é uma criptomoeda descentralizada, constituindo um sistema económico alternativo. Inicialmente apresentada em 2008 na lista de discussão The Cryptography Mailing por um programador ou grupo... (Wikipédia) - É considerada a primeira moeda digital mundial descentralizada, e responsável pelo ressurgimento do sistema bancário livre. Permite transacções financeiras sem intermediários, mas verificadas por todos usuários (nodos) da rede, que são gravadas em um banco de dados distribuídos, chamado de blockchain. Ando a consultar a teoria da incerteza para me meter a fundo no BLOCKCHAIN…

 O Soba T´Chingange  



PUBLICADO POR kimbolagoa às 10:52
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sexta-feira, 15 de Junho de 2018
A CHUVA E O BOM TEMPO . LXXXVII

O COLONO – 2ª de 2 Partes

Para os MWANGOLÉS, todos os que saem fora da “caixinha” do MPLA, pertencem ao “Reino do Mal”...

kimbo 0.jpgAs escolhas de T´Chingange

canhot1.jpg António José Canhoto...  Um polémico cronista saído da Luua, que tem o diabo à perna...

… Mão-de-obra negra, quase que escrava para enriquecer... A forma comportamental desse tipo de “colono”, nada tinha a ver com todos aqueles que para Angola debandaram ou nasceram depois dos anos 50 com uma mentalidade aberta e diferente iniciando a construção de uma sociedade moderna e multirracial a qual se reflectia em todos os aspectos da comunidade. Se um empresário negro português tivesse emigrado para Angola, montasse uma empresa e tivesse empregados negros seria considerado um “colono”?

colono3.jpg Sinto-me no dever e direito de desmontar e desmistificar esta falsa questão do “colono” que não pode ser vista interpretada, generalizada com o epiteto de que COLONO BRANCO é RACISTA e EXPLORADOR. “Colonos” e colonizadores foram todos os países que nos séculos XV e XVI descobriram á volta do globo terreste novos territórios habitados por índios nas Américas, indígenas em África e aborígenes na Austrália, num estágio primário civilizacional com perto de 500 anos.

:::

Com um atraso tecnológico em relação aos europeus, que no entender destes descobridores precisavam não só de ser roubados, explorados, assimilados, cristianizados e infectados com todas as doenças que estes para lá exportaram. Diogo Cão chegou á foz do Zaire em 1483 sendo a partir desta data que se inicia a conquista pelos portugueses desta região de África a qual era constituída por vários reis e reinos étnica e linguisticamente diferentes que se guerreavam pelo expansionismo regional.

canmionista 1.jpg O primeiro passo pelo Reino de Portugal foi estabelecer uma aliança com o Reino do Congo, que dominava toda a região. A sul deste reino existiam dois outros, o do Reino de N´Dongo e o de Matamba, os quais não tardam a fundir-se, para dar origem ao Reino de Angola em 1559.

:::

As fronteiras de Angola só são definidas em finais do século XIX, sendo a sua extensão muitíssimo maior do que a do território dos Ambundo, a cuja língua o termo Angola anda associado. A Rainha Ginga seu nome Dona Ana se Sousa “N´gGola”, seu titulo real em quimbundo foi o nome utilizado pelos portugueses para denominar a região conhecida hoje por Angola.

boer carro1.jpg Para além de ser considerada a primeira nacionalista de Angola, na minha opinião também foi a sua primeira grande colonizadora e eu explico porquê? Esta rainha guerreira que morreu aos 80 anos durante o seu reinado anexou outros reinos e territórios, submeteu e escravizou os seus habitantes vendendo-os aos portugueses que os levavam para o Brasil tornando-se cúmplice no esclavagismo, bem como os utilizava como escravos trabalhadores nos territórios que controlava.

:::

"N´Zinga" formou uma aliança com o povo Jaga, desposando o seu chefe. Subsequentemente conquistou o reino de Matamba e em 1635 coligou-se com os reinos do Congo, Kassange, Dembos e Kissama. Este pequeno intróito sobe a Rainha Ginga tem apenas e unicamente a finalidade de demonstrar que o processo colonizativo sempre existiu em todos os continentes.

araujo173.jpg Acontecia, quando as tribos ou etnias mais fortes e apetrechadamente melhor armadas dominavam as mais fracas fora dos seus territórios submetendo-as com o objectivo expansionista, esclavagista, para sacrifícios religiosos ou para se apropriarem das suas riquezas, concubinas gado, e ou rebanhos.

:::

Os portugueses não foram certamente santos pelos territórios que descobriram e colonizaram, mas também não foram totalmente pecadores na miscigenação que desenvolveram e cultivaram com os autóctones. Não confundamos ou associemos a palavra “colono” apenas com a cor branca e muito menos só com nacionalidade portuguesa.

António José Canhoto - 13-12-2016



PUBLICADO POR kimbolagoa às 10:18
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Segunda-feira, 11 de Junho de 2018
A CHUVA E O BOM TEMPO . LXXXVI

O COLONO – 1ª de 2 Partes

Para os MWANGOLÉS, todos os que saem fora da “caixinha” do MPLA, pertencem ao “Reino do Mal”...

kimbo 0.jpg:::::As escolhas de T´Chingange

Porcanhot1.jpg António José Canhoto...  Um polémico cronista saído da Luua, que tem o diabo à perna...

A definição de “colono” para alguns brancos residentes em Angola afectos directa ou indirectamente ao partido que governa este país desde 1975, bem para como para muitos negros da velha guarda o termo “colono”, tem sempre cor branca e, a finalidade de como objectivo é especificamente explorar negros. Nada podia estar mais errado nesta forma generalista e radical de definir a palavra “colono” seja o visado de que raça étnica, como um explorador oportunista de negros, índios ou aborígenes.

camionista1.jpg Filologicamente o vocábulo “colono” pode ser definido como a um individuo que faz parte de uma colónia, que emigra do seu país de origem para uma terra estrangeira além-mar, ou que pode ser no mesmo continente e de um país vizinho para a povoar, cultivar por conta própria ou de outrem independentemente da raça do seu proprietário e se este nasceu ou imigrou para o território.

:::

Este acto migratório pode ter duas vertentes a primeira é quando um outro país exerce o controlo ou a autoridade sobre um território ocupado e administrado por um grupo de indivíduos com poder militar, ou por representantes do governo de um país ao qual esse território não pertence e contra a vontade dos seus habitantes quando o país é colonizado que, muitas vezes, são desapossados de parte dos seus bens (como terra arável ou de pastagem) e de eventuais direitos tribais, culturais e ancestrais que detinham.

cinzas8.jpg Na segunda vertente emigram a pedido do governo do país ou de empresas privadas que pela falta de conhecimento tecnológico dos naturais se vêem obrigados a procurar mão-de-obra especializada no estrangeiro, para suprir as suas deficiências naturais.

:::

Para uma certa classe de portugueses e angolanos brancos e negros enfeudados ao partido do governo a sua atitude maniqueísta é a de que todos que saem fora da “caixinha” do MPLA, pertencem ao “Reino do Mal” das sombras e da subversão politica, e os que afinam pelo diapasão governamental vivem no “Reino da Luz do bem da razão, da paz e da tranquilidade.

dia23.jpg Na minha opinião se estes reaccionários brancos e demais mwangolés, cuja forma de pensar ficou parada na idade da pedra lascada, pretendem continuar a usar o termo “colono” indiscriminadamente para ofenderem todos os portugueses que viveram em Angola até 1975 ou que para lá emigraram depois desta data, aconselho-os a olharem retrospectivamente para o seu passado e de seus pais ou avós antes de 1975 antes de atirarem a primeira pedra.

:::

Muito ingenuamente, pensei que o termo “colono” estivesse a cair em desuso, mas vejo que continua bem vivo nas bocas de alguns energúmenos brancos quando comentam alguns dos meus textos sobre Angola. Não podemos enganar a história nem nos desresponsabilizarmos do mal e injustiças que cometemos, mas também nos devemos orgulhar das coisas boas que fizemos e que lá deixamos intactas. Fomos certamente “colonos” durante os séculos que se seguiram à descoberta desse território o qual ainda nem nome tinha.

selo11.jpg Muitos milhares de portugueses emigraram para Angola na procura de melhores condições de vida com a finalidade de trabalharem para empresários de várias nacionalidades incluindo negros e governo! Será que ainda continuam a ser tratados como “colonos”?

:::

Acredito que até finais do século XIX e princípios do século XX muitos dos portugueses que emigraram para as nossas antigas províncias ultramarinas o fizeram na qualidade de verdadeiros “colonos” aproveitando-se da exploração desumana e da mão-de-obra negra quase que escrava para enriquecerem.

(Continua…)

António José Canhoto - 13-12-2016



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:59
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 10 de Junho de 2018
MOKANDA DO SOBA . CXLIII

ANGOLA DA LUUA XLIII - TEMPOS PARA ESQUECER - 10.06.2018

“A guerra, que matou e estropiou tantos, alimentou um punhado de pessoas, que se tornaram insultuosamente ricas e prepotentes” – Nós e os mwangolés…

Por

soba0.jpeg T´Chingange - No M´Puto

fuga1.jpg «Muitos dos “libertadores” sonhavam com a casa, o carro, os privilégios e as posições dos colonos. Conquistaram-nas e tornaram-se piores do que estes. Desculpar-se-ão com a guerra do TUNDAMUNJILA formando esquemas para transgredir os limites da legalidade. Uns quantos, continuam a roubar o país quarenta e três anos depois, enquanto o povo olhando as velhas fotos amarelecidas, passam-nas em sua máquina de pensar. Já desbotadas, tombam com elas, a vontade de querer, definhando-se desmilinguidos em camadas de pó de sonho.

:::::

Na Luua, de Kalash na mão, a lei e a ordem, a justiça eram coisas transgredidas, inexistentes ou mesmo anedóticas pela pior das negativas…Estávamos na segunda metade do ano da desgraça de 1975 - Vai haver maka, porrada mesmo! E era virar a arma para o ar e despejar cunhetes átoa; balas oferecidas pelas nossas gloriosas forças - NT do M´Puto. O medo controlava a população desorientada, assustada como um kissonde pisoteado com o apoio e fervor revolucionariamente denso do MFA - O povo unido jamais será vencido!

fuga3.jpg Generais de aviário do MFA, alinhando em esquemas maquiavélicos proporcionavam os meios, geriam as tácticas e logística e, até contratando gente da informação, mercenários da comunicação social para fazer entrega de tudo e de todos ao MPLA… As feras eram largadas das jaulas com a lei 7 barra 74 para nos massacrar, roer até o tutano! Esses cabrões dos colonos vão ver como elas cantam; eram as falas dos guedelhudos magalas besugos chegados à Luua. Dos episódios esquecidos ainda recordamos dizermos uns aos outros: -E, vamos fazer o quê para o M´Puto?

:::::

Haveria que juntar pecúlios num caixote para levar a um qualquer sítio longe dali; não se sabia bem ao certo para onde e como mas, durante dias e durante noites só se ouvia o barulho do martelo furando taipais do baú-caixão para guardar a saudade, a foto do cachorro, do louro, da vizinha quando da pesca lá na barra do Kwanza, no Lifune ou Panguila. Foram tempos de se fazer caixotes, uma empreitada, percurso da tumba via kalunga ou pelos ares, peidando ou bufando desesperos na ponte LuuaLix que ninguém queria ouvir.

fuga6.jpg Num tempo em que ninguém media consequências, a moralidade em Angola e na Cidade de Luanda-Luua, era uma batata apodrecida. O ambiente era de se cortar à faca-catana escaldante na insegurança generalizada no presente do indicativo, tornando o gerúndio numa incerta loucura de futuro. O amanhã transtornava a sociedade numa ginasticada ideia de sem se saber como iria ser a fuga. Os locais mais concorridos eram o Aeroporto de Belas e o Porto de Luanda. Destino: Um qualquer seja aonde for!

:::::

Naquele tempo surgiram do nada, muitos rambos com fitas de cunhetes a tiracolo passeando desaforo e medo na companhia daqueles magalas, oficiais alferes, praças e salvo-seja nossos irmãos que diziam com frequência: Vocês colonos, vão-se foder! E, foi… Aconteceu! A cidade suja, pegajosa e desnorteada, cheirava a cansaço, a suor, a medo e coisas mortas esfrangalhadas pelos cães vadios. Naqueles dias de catinga ouvia-se noite note fora os martelos encerrando vidas, encafifando pertences e recordações. Também se ouviam rajadas lá para cima, mais ao lado e na outra banda das barrocas, no Caputo e Sambizanga.

fuga9.jpg Não! Não havia naquela terra de N´Gola, mais lugar para os Tugas e assimilados a estes! Não venham agora com tretas e esquecimentos! Se antes era perigoso ser preto, agora era muito perigoso ser-se branco. Dia para dia, viam-se menos caras conhecidas; médicos, engenheiros, padeiros, contínuos, bancários davam o fora de um momento para o outro – não queriam ficar para assistir aos dez e onze de Novembro. Para trás iam ficando cidades fantasmas aonde só o vento uivava com alguns cães deixados ao abandono.

fuga4.jpg A poeira fétida esvoaçava nos bairros. Por lá ficavam casas habitáveis e com recheio, carros, camiões entre a tralha dos jardins, cinemas, lojas, armazéns, restaurantes; edifícios intactos como se uma epidemia tivesse ceifado a vida. Viaturas prontas a andar deixadas ali ao acaso, famílias inteiras aventurando-se em uma odisseia de centenas ou milhares de quilómetros, correndo iscos, andando à sorte fintando cadáveres amontoados nas bermas das estradas, das picadas. Com cheiro de virar tripas afastavam-se vendo fazendas abandonadas, gado perdido e gente andando para sul, para leste, rumo desconhecido

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 07:28
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Segunda-feira, 4 de Junho de 2018
MALAMBA . CCV

TEMPO DE CINZAS ANTIGAS. 04.06.2018

-Ser cleptomaníaco é ter a doença de fanar aquilo que não é seu, um jeito de gamar; A nomenclatura  do M´Puto faz isto com tecnicidade de gula, e nós nada! …

MALAMBA: É a palavra.

Por

soba0.jpeg T´Chingange - Em Coimbra

Estamos a 4 de Junho de 2018, o dia em que nasci lá para trás num tempo de há 73 anos. Não digo o sítio verdadeiro porque sou mazombo e a estória quer que se perdure a ideia de que nasci a bordo do vapor Niassa. Minha vida de tropeço em cavandela foi adicionando dias até que fizeram de mim um Camões. Estudei na Escola João das Regras da Maianga da Luua; andei no Colégio Moderno em frente ao café Bracarense mesmo ao lado do Sinaleiro da Maianga e na 4ª classe andei na Escola de Aplicação e Ensaios no Largo D. Afonso Henriques próximo do Teatro Nacional e tendo em frente o Sindicato dos Metalúrgicos de Angola.

:::::

Assim crescendo na perspectiva de ser um Niassalês sigo minha vida normal estudando na Escola Oliveira Salazar da Luua que entretanto passou para Escola Industrial de Luanda. Trabalhei como brigadeiro nos Caminhos de Ferro da Luua desenhando quilómetros de perfis na Brigada de Caminhos de Ferro do Norte.  Querendo subir na vida tiro o Curso de Topografia e Agrimensura na Escola dos Serviços Geográficos e Cadastrais no Largo Bressane Leite aonde tinha funcionado a primeira Escola Industrial…

toledo8.jpg Como topógrafo sou colocado na Cidade de Robert Williams, mais conhecida por Caála e o Abril de 1975 apanha-me ali passando Demarcações Provisórias de terras que afinal nem eram nossas. Só vim a saber isto ao certo, quando da guerra do tundamunjila tudo entrou em alvoroço e era muito perigoso ser-se branco!  Fizeram uma ponte aérea e recambiaram-me para o M´Puto com um voo grátis só de ida! Depois assisti de longe, lá no M´Puto entre o esbracejar dum tal de Vasco Gonçalves que o barco Niassa traria o último nosso património, a bandeira das quinas verde e vermelha com uma esfera e castelos em amarelo.

::::: 

Dei voltas pelo mundo com um imbondeiro de Angola às costas e já convencido das inverdades, tomando o calor na lareira do Alentejo, uma terra perto de Panoias, fico conhecedor de outras estórias; de gente que nunca andou por essas enviesadas picadas do Mundo. E, é assim que surge a verídica vida dum senhor que nem conheci de nome Manuel Fonseca -um senhor que tinha a doença de roubar.

soba03.jpg Manuel Faneca nasceu com essa doença de cleptomaníaco, isso de não resistir à tentação de roubar as coisas dos outros, de fanar aquilo que não é seu, um jeito de gamar com gula de mais-valia p´ra ficar o rei do pedaço, o maior, talvez, sei lá! Há muita gente assim que nem desculpa tem por ser doente a propósito e porque lhe convêm, é ladrão mesmo! Faneca, regenerou-se após uns dez anos de cadeia aos soluços e num vai e vem periódico na ramona da Guarda Nacional Republicana.

:::::

Ele, efectivamente tem essa doença mas, de vontade própria, forjou uma maneira de se enganar; fora de horas mandava seu chapéu de feltro para dentro do quintal do vizinho ou alheio e depois saltava o dito cujo, para subtrair o seu próprio pertence. Chico Torrica é uma outra típica figura duma outra pequena vila alentejana; ainda jovem namorou uma catraia bonita de encantos de pasmar rouxinóis mas, sendo ele lavrador dum monte, ficou surpreso quando Felismina sua deusa, num repentino fim-de-semana foi vista a passear bamboleando-se com um brasileiro carioca.

tonito9.jpg Esse carioca, um emigrante bem-sucedido era muito cheio de graveto. Felismina não resistiu à lábia escorregadia do linguajar do bonitão, vestido de popelinas e sapatos brancos mais o seu chevrollet descapotável, rabo de peixe de reluzentes cromados e um verde de constante tentação. Tudo isso relampejou na cabecinha loira de Felismina. Isto não caiu bem a Chico Torrica que de encucamento soluçado e repetido, resultou em uma depressão sem tamanho que nada tinha de platónico. Esta situação perdurou por algum tempo vindo a piorar quando já muito mais tarde lhe mostraram uma foto de sua perdida amada remetida de Cuiabá do pantanal brasileiro.

::::::

A foto mostrava Felismina escanchada em um alazão, algures numa cordilheira de Poconé e, tocando um corno retorcido a que ali chamam de berrante. Isto, na santa terrinha da falsa estepe foi motivo de troça ao já consumido Torrica; por via das falas indicarem que aquele corno de chamar boi tresmalhado era seu maldito chavelho. Esta dolorosa pedrada na já débil cabeça de Torrica deu em o enlouquecer de vez.

tonito10.jpg Torrica deu em maluco, passado dos carretos como dizia a canalhada, pivetes sem sensibilidade para tal dor de chifre e assim, quando lhe dava na veneta desviava as pedras dos caminhos durante a noite e, não raras vezes ia ao monte, igreja de Nossa Senhora da Assunção e retirava lá de dentro todos os santos nos vários altares. Dizia ele que era para apanharem ar.

:::::

Dispunha os santos em círculo e, ao relento sereno de Agosto, fazia-lhes grandes, eloquentes e entorpecentes discursos, bem à sua maneira. Eram o Santo António, Nossa Senhora da Assunção, Nossa senhora do Ó e do Parto mais o São Jorge de que tanto gostava! – Mas que jeito, estarem vosmecês sempre fechados! Gostam de ser coitados como eu? Passam ali meses e anos sem verem a luz do dia, sem ar nem nada e tudo-o-mais! … Dizia ele, Torrica sozinhado consigo, falando prás sombras escuras da noite.

tonito11.jpg Torrica assim ficou para todo o sempre virgem na sua solteiríssima pureza de mente descalabriada. Conta-se que por muitas vezes o tentaram internar no Júlio de Matos mas, desistiram porque sempre conseguia esgueirar-se regressando à sua linda terrinha cheia de branco com barras azuis. Numa dessas vezes disse para quem quis ouvir: - Pois, … aquilo lá naquele hospital é tudo doido varrido! …

:::::

Vejam só que me mandaram tirar água dum poço com um cesto igual a este; disse isto apontando seu cesto de vime que acartava no outro braço, feito de vime entrelaçado e, logicamente muito cheio de buracos naturais de seu cabaz de levar pasto de palha seca a sua égua. Aonde já se viu tal coisa? Retorquía ele esgueirando-se num inocente riso trocista de sublimada lucidez. Isto do sublimado, digo eu, mas em verdade sua estória metia dó. Bom! A minha tal como a de tantos outros também deveria meter mas, o Mundo anda por demais esquecido. Nem nunca nos vão ressarcir. Ele, …há coisas! …

O Soba T´Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 12:03
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 3 de Junho de 2018
CAFUFUTILA . CXXIII

TEMPOS DE FRINCHAS MORNAS – 03.06.2018

Por

 soba15.jpgT´Chingange . Em Coimbra

Coimbra - Sai a dar um passeio matinal lá pelas nove horas e quinze minutos, desde os Olivais até o Solum, zona do estádio de futebol de Coimbra e já descendo a Rua António Jardim, desci duzentos e vinte e quatro degraus até à rotunda dos patos. Entre pinheiros, urzes e maias, pensava em fúteis caprichos, esmiuçando o tempo para saber a verdadeira razão dos paradoxos do agora a pensar no futuro.

:::::

Não será portanto, caso de estranhar de muitos de nós andarem com um olho aqui e outro lá mais adiante, com a metade do raciocínio num sítio e a outra metade no ciberespaço. Mas eu tinha de galgar estes degraus com método sem me distrair com os tempos de socialismo, comunismo ou das entremeadas diabruras capitalistas, para espairecer as molezas dos europeístas e anarquistas que sempre deixam correr o tempo até lhes sair de feição.

trump3.jpg E, assim inchado de espantos, desenhava-me entre antigos esboços, revendo-me nos desenhos das verduras, escorregadias dos esverdeados fungos. Detive-me a apreciar aquela velha urze com musgo do neolítico, muito rachada e a pedir um acordo lógico nas alterações climatéricas, nos novos inventos piromaníacos e técnicas de assustar novas loucuras.

:::::

Assim andando, olhando a quietude no meio de prédios e roncos recordei os tempos em que as pessoas tinham pesadelos com o roncar dos primeiros automóveis nos fins do século dezanove, para aí no ano de 1876 quando do nascimento do automóvel moderno como um tal chamado de Benz Patent-Motorwagen, inventado pelo alemão Karl Benz.

carro0.jpg Lembrar-me eu na minha primeiríssima geração, lá pelo ano de 1807, ter nascido o primeiro carro movidos por um motor de combustão interna a gás antes de surgir o combustível chamado hoje genericamente de petróleo e, que levou à introdução em 1885 do moderno motor a gasolina ou com combustão a gasolina.

:::::

E, que mais tarde os homens com o delírio de voar fizeram experiências com asas de palha, atirando-se de torres e medonhos penhascos a imitar as modernas asas delta. Com asas mecânicas às costas abanavam-se na torpitude furiosamente até se esborracharem lá embaixo.

carro1.png E neste frenesim de voar em pensamento cheguei a Donald Trump que anda a experimentar o resto do mundo com malucas inventações só para fazer diferente; surgindo com os olhos esbugalhados, sem pestanas e ar trocista com sua caneta gigante e grossa, assassina o papel amarfanhando uns rabiscos que mais parecem um gráfico de pulsações do coração. Com riso de sacana, vira o livro rígido pró mundo mostrando sua assassinatura, coisas dum inimaginável louco a governar a Big América USA…

:::::

O senhor gajo, olhando para o resto das suas possessões, mira a União Europeia com um sarcástico desdém forçando a lógica mediação com medidas legislativas e afins de enriquecer americanos. Com caneta de feltro assume unilateralmente medidas restritivas na importação do aço, aplicando tarifas e taxas a seu belo prazer. E, os Europeus às voltas em formar governação em Itália, em Espanha com outros edecéteras à perna.

carro2.jpg A França com Macron fazendo olhinhos bonitos à Angola. Um salve-se quem poder sem uma concertada coligação de esforços. Fiquei espantado quando na Kizomba do Facebook surgiu a notícia de que o presidente João Lourenço estava em França; tive dúvidas que assim fosse e, afinal lá estava ele descendo dum avião chinocas pago há hora à modica quantia de 74.000 dólares… Decerto, não irá comprar champanhe!?

TRUMP2.jpg Quase chegando ao Centro Comercial Alma, dou-me conta que o futuro anda muito enevoado; os países a se governarem em contas negativas com todo o mundo assobiando pró lado. E, são bilhões! Sacaneando-se uns aos outros sem conta nem medida. Bom!... Já no Alma, comprei o jornal Expresso, pedi um café, um copo de leite frio, mais uma queijadinha. Que se lixe! Menos mal que em Portugal temos um Marcelo a olhar por nozes (plural de nós)! Mas, até quando (não é pergunta)…    

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 12:31
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sábado, 2 de Junho de 2018
A CHUVA E O BOM TEMPO . LXXXV

DESCOLONIZAÇÃO DO IMPÉRIO  DO M´PUTO . SINTESE – II

DESCOLONIZAÇÃO - (Continuação)

kimbo 0.jpg As escolhas de T´Chingange

Porcanhot1.jpg António José Canhoto...  Um polémico cronista saído da Luua, que tem o diabo à perna...

Quando escrevi o texto (Síntese.I) sobre o titulo em epigrafe escalpelizando o papel de Mário Soares no processo de descolonização não pretendi ilibar todos aqueles que no palco deram a cara, mas sim acusar todos aqueles que permaneceram por detrás da cortina puxando os cordelinhos ou fazendo o papel de “PONTO” que é aquele que escondido num alçapão do palco lembra aos artistas as suas falas e deixas do texto ou guião da peça.

:::

No caso da descolonização a peça deveria ter tido pelo menos 3 actos, mas infelizmente tudo se resumiu a um só, tendo os artistas sofrido uma enorme pateada e insultos vendo-se obrigados a abandonar o teatro pela porta do cavalo tendo sido ao longo de 40 anos vituperados pelo seu catastrófico desempenho. Não me compete a mim escrever a história sobre essa mancha negra que ensombra o período politico que Portugal atravessou entre 1974 e 1975, contudo quem já o fez de forma isenta foi-lhe fácil encontrar os responsáveis.

vasco gonç.0.jpg Quando iniciei a feitura do texto, já pressentia que iria abrir uma “Caixa de Pandora” e muita gente se iria atirar a mim como gato a bofe. Surpreendentemente o texto foi bem aceite pela grande maioria, mas houve pessoas que o descontextualizaram sem terem tido a capacidade de separar a missão politica de que Mário Soares foi incumbido de realizar atribuindo a este senhor todos os problemas pessoais que afectaram os “colonos” na sua generalidade.

:::

A minha crónica foi feita depois de muita reflexão e pesquiza e para quem não saiba o processo de descolonização foi desenhado pelo ideólogo do grupo dos 9 o major Melo Antunes que foi a eminência parda marxista do Movimento das Forças Armadas (MFA). Óbvio que a grande maioria dos retornados teve de encontrar alguém para descarregar as suas frustrações e Mário Soares foi o homem escolhido como ministro dos negócios estrangeiros do governo provisório bem como António de Almeida Santos ministro da Coordenação interterritorial, para darem a cara como forcados e pegarem os 2 touros mais perigosos de nome Angola e Moçambique.

spi0.jpg Em consequência de os touros terem sido mal lidados e estarem ainda cheios de energia ambas as pegas falharam e os touros desembolados ficaram incontroláveis. Os pegadores viram-se forçados a arcar com todas as responsabilidades de uma “corrida” programada em cima do joelho e a martelo sem acautelar a integridade física dos aficionados. Em 22 de Fevereiro de 1974 O general António de Spínola publica o livro "Portugal e o Futuro" pouco mais de um mês depois de ter sido empossado como vice-chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas.

:::

As páginas do livro abriram um fosso de incompatibilidade com o primeiro ministro da altura Marcelo Caetano que afirmou tratar-se de um verdadeiro "manifesto de oposição" ao regime e de um golpe militar anunciado o que efectivamente veio a acontecer semanas depois. Na sequência da publicação do "Portugal e o Futuro", e perante a recusa dos generais Francisco da Costa Gomes e António de Spínola, os dois principais chefes militares do país em prestar vassalagem a Marcelo Caetano, tanto Spínola como Costa Gomes são demitidos a 14 de Março.

soares1.jpg A 25 de Abril de 1974 os capitães do Movimento das Forças Armadas levam a cabo o golpe militar que liquidou o regime do Estado Novo tendo escolhido uma Junta de Salvação Nacional para preparar a transição do país para um regime democrático. Na madrugada de 26 de Abril de 1974 Spínola é anunciado como chefe da Junta Militar e, a 15 de Maio, toma posse como primeiro Presidente da República do pós-25 de Abril.

:::

A História e o movimento revolucionário avançaram muito rápido para uma esquerda marxista radical contra a qual Mário Soares ferozmente lutou. O livro publicado por Spínola constituía um poderoso repto ao regime do Estado Novo. Basicamente afirmava que as guerras coloniais, que duravam desde 1961, não tinham solução militar, sendo imperativo que a Nação debatesse o problema. Spínola tinha ideias muito concretas de como o processo de descolonização se deveria processar as quais dissecou pormenorizadamente no seu livro.

rev8.jpg Spínola acaba mais tarde por se demitir como Presidente da Republicam quando se sente atraiçoado pelos seus camaradas de armas e pela forma de como o processo revolucionário e de descolonização que tinha sido esquematizado por Melo Antunes o qual o grupo dos 9 pretendia implementar. O traidor não foi Soares, mas sim a Junta Militar e o governo provisória infestado de esquerdistas comunistas, que governaram Portugal a seu belo prazer tendo em Vasco Gonçalves o seu expoente máximo.

:::

A situação só começou a mudar quando a feitura da nova Constituição Portuguesa deu origem às primeiras eleições livres em Portugal, as quais só aconteceram em 25 de Abril de 1975 para a eleição dos deputados para a Assembleia Constituinte. Conforme disse no meu texto (Sintese.I) todo o processo de descolonização foi uma aberração e as consequências do mesmo devastadoras e traumáticas, mas esse não foi o objectivo do meu texto, mas sim desvendar quem puxou os cordelinhos fazendo de Mário Soares e os seus pares os peões de brega, aos quais foi incumbida a triste sina de levar a cabo uma tarefa odiosa que todos sabíamos pelo andar da carruagem que iria acabar mal.

rev7.jpg Os verdadeiros traidores de Portugal não aparecem nas fotos de Argel, Lusaca ou Alvor, por ocasião das assinaturas dos acordos ou tratados de independência. Sejamos honestos e não assaquemos culpas nem manchemos com o labéu de traidores ou ladrões todos aqueles como Almeida Santos, Costa Gomes, Mário Soares e outros que pelas funções governativas que ocupavam ao tempo personificaram a função de carrascos no processo de descolonização.

:::

Todos os países com impérios coloniais Inglaterra, França, Holanda e Bélgica concederam as suas independências no principio dos anos 60 e hoje têm óptimas relações com os países que colonizaram, infelizmente os nossos políticos não tiveram a mesma visão e prolongaram no tempo e no espaço um desfecho que a partir de 15 de Março de 1961 passou a ter os dias contados.

António Canhoto 12-1-2017



PUBLICADO POR kimbolagoa às 19:21
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sexta-feira, 1 de Junho de 2018
MALAMBAS CCIV

NAS FRINCHAS DO TEMPO - 01.06.2018

- Faço os possíveis para ser civilizado o quanto baste.

Por

soba0.jpeg T´Chingange

Coimbra. O dia estava assim-assim meio nublado, muito vento mas, dispus-me a caminhar até ao centro calcorreando minha doutorice pelas pedras gastas da calçada ou asfalto até chegar ao centro da velha urbe perto do panteão e do jardim da manga, restos dos tais Crúcios que por aqui andaram em idos tempos. Vesti minhas calças de ganga cor de indefinido castanho, calcei dois pares de meias, as botas do Kwazulu, vesti minha balalaica de búfalo e de sacola embrulhada dispus-me a seguir até o mercado municipal de Coimbra.

:::::

Passei pela igreja dos Olivais aonde se diz ter estado o Santo António, desci a Celas passando pela petisca de celas, uma tasca aonde um dia me encontrei com o neto de Pedro Muralhas, um antigo administrador em terras ultramarinas e, sempre descendo ao longo do jardim da Sereia chego à Praça da Republica.

coimbra5.jpg O movimento de gente não era muito mas, pude apreciar haver muitos velhotes, maioritariamente mulheres carregadas de luto ou um preto de tristeza, caras muito carregadas de sombrias rugas baloiçando a velhice nos modos de cuidada atenção no pisar de folhas de grandes plátanos e de outras árvores trazidas do império, daqui e dalém mar, das índias ou terras de Vera Cruz.

:::::

Meu destino era comprar favas no Mercado Municipal e, lá chegado comprei mais de três quilos a um euro cada, juntei mais duas beringelas e rodando o olhar pelos chouriços lá acabei por comprar também um caseiro e um outro de sangue muito aproximado à morcela mais dois pedaços de entrecosto. Estava assim e desta forma, a dar satisfação à vontade de comer algo diferente da macaxeira e arroz com feijão tropeiro do nordeste do Brasil.

:::::

Esperando pelo autocarro número sete com destino ao Tovim e Hospitais, pude apreciar as idas e vindas de gente atarefada de sacolas e coisas penduradas. Assim e a tiracolo tinham na mirada um jovem com holofotes de camaleão a fazer triagem do que eventualmente poderia roubar; um cigano tentava vender relógios digitas e perfumes da arábia a preço de uva mijona.

coimbra9.jpg Que ninguém tenha a veleidade de pensar que pode controlar o ciclo da vida, e muito menos sair vencedor das batalhas que com ela temos, desde que somos trazidos ao mundo. Hoje estou aqui por acaso. E, neste agora, um qualquer larápio de rua, pode bem alterar o rumo de nossa vida mas, e também um qualquer agente de compra e venda de jogador de futebol pode alterar a vida d´outro qualquer. Como? Ganhando num esfregar de olhos algo na ordem de três ou quatro milhões e, nós aqui esfolados em tostões…

:::::

Podemos sim, ganhar algumas batalhas no nosso dia, mas até à guerra final, vamos passar por muitas vicissitudes, de sermos usados e vilipendiados dentro ou à margem das leis, sem ninguém ter a preocupação de ferir o próximo sem interrogação ou, ter o cuidado de preservar a vida; vida que sempre a perdemos na hora em que nos finalizamos!

:::::

Rejeitando a teoria do esquecimento, lutarei sempre contra qualquer medo, contrariando muitos com mitos, até adquirir tranquilidade no meu registo de memória e emoções. Convosco tenho compartilhado o passado que não se desvia do meu caminho, os sonhos e metas acreditando ou não em teorias! Compartilho também este agora na terra de doutores e outros senhores.

coimbra2.jpg Estou realmente cansado de políticos e pessoas em geral que não assumem a responsabilidade por acções e atitudes. Em nossas vidas, nunca saberemos quantos milagres vamos precisar… Neste sentido, a humanidade não alcançou, e jamais alcançará uma compreensão total do sentido da existência da nossa espécie, porque a condição humana é um produto da história.

carambola1.jpg Não apenas dos seis milénios de civilização mas muito mais do que isso com dígitos de centenas de milénios antes! Jesus Cristo na escala do Universo passou por nós ontem! Entre o ontem e hoje vão bem mais de dois mil anos. Estou cansado de que me digam para ter "tolerância para com os outros”; faço os possíveis para ser civilizado o quanto baste.

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:52
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

RELOGIO
TEMPO
Weather Forecast | Weather Maps
Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
CAIXA MUSICAL
CONTADOR
contador free
ONDE ESTÁS

Sign by Danasoft - Myspace Layouts and Signs

blogs SAPO
subscrever feeds