Sexta-feira, 8 de Março de 2019
XIPALABOOK . 2

Xipala é rosto, é cara e, book é livro. Mokanda de maldizer para EDU - 08.03.2019

– Eduardo Carvalho Torres – Meu amigo da Onça e POETA de Naukluft, amigo que muito prezo, que pico e cutuco, vindo da terra do NADA em plena África…

Por

soba15.jpg T´Chingange – No Nordeste brasileiro

Esta é uma mokanda especial referente à terra do NADA cuja capital é em Swakopmund, lugar aonde o coração do EDU, se prendeu nas ondulações das miragens do Naukluft. Em dialecto Ovambo, Namíbia quer dizer: terra do nada. Os portugueses quando por ali andaram a plantar padrões acharam que por ali só havia deserto; não havia terra suficientemente boa para plantar o que quer que fosse. Não encontraram rios com enseadas suficientemente protegidas aos ventos e, sempre com deserto à vista, foram descendo para Sul até chegarem ao Cabo das Tormentas.

swakop1.png E, porque nada encontraram, que espicaçasse sua cobiça puseram um padrão em Cape Cross e outro em Luderitz; padrões que visitei nas minhas muitas idas a África. Tempo de quando ainda procurava um sítio para me acoitar na vida carregando às costas um imbondeiro - lugar nunca conseguido; até aqui o NADISMO a funcionar na perfeição. Namíbia terra de rios só quando chove é um conjunto de desertos e savanas de acácias dispersas até se perder de vista.

:::::

Os rios são mulolas secas aonde pastam orixes, cavalos selvagens, leões, marinhos e outros; lugar de deslumbrações com manadas de elefantes, girafas, gazelas e zebras. Lugar de muitas miragens que fabricam sonhos, poemas e coisas de delírios que sobem as maiores dunas do mundo, três passos para cima e dois para baixo, num escorregamento cansativo. Levei bem mais de uma hora a subir à milha 45 do Sossusvlei no Naukluft Park.

edu33.jpg E, foi aqui neste fim de mundo paradisíaco que me encontrei com meu amigo da onça de nome Eduardo Torres, um santo de pau carunchoso. E, dando volta ao assunto, como gosto de sua poesia! Juro! Com ele atravesso estes desertos que se estendem muito para lá do horizonte e, nunca acontece nada. Afinal, escreve, escreve figas onduladamente poéticas dando em nada – um nadista retintamente genuíno. Ele, é o top do Nadismo…  

:::::

Vejo-o fugir à minha frente assim como uma bola armilar igual à da bandeira do M´Puto, um conjunto de chinguiços rebolando ao vento como nos filmes de cowboys do oeste americano, enrolado na sua magreza como se fosse um rolo de papel amachucado de fazer volume só para parecer muito – o mesmo que nada. Em minhas visitas vejo-o austero, fingindo leveza peçonhenta e sempre olhando seu inexistente periquito que faz muito tempo fugiu daquela gaiola…

swakop01.jpg Viver assim num perfeito NADISMO titubeando versos amarelados ou mesmo cobertos de pó, envolto assim num mukifo de aposentos forrados com ele e, como se fossem azulejos enquadrados duma estação de caminho-de-ferro desactivada – Um NADA numa estação aonde já não passam comboios, faz muitos anos. Livros empilhados que morrem lentamente amarelecendo nas bordas por falta de manuseamento… uma ilusão! E, como gosto de o ler, de o espremer até mesmo apertar-lhe o gasganete até chiar que nem uma perereca…

:::::

E, tu – falando no discurso directo: E, tu, indiferente ao caruncho, que escreves poemas como quem cospe flocos de aveia a um periquito que já deu às de vila diogo, que deu o fora da gaiola. Melhor seria comeres painço com lengalenga e massambala mais semente de abobora. Uma coisa desconcertante sobre tuas vividas vivências. Gosto de ti assim bonitinho que nem um sapo, assim saltitante no Naukluft por via de refrescar as glândulas lacrimais.

swakop02.jpg Depois de tantos anos nunca te deste conta de que os negros são pretos; de que os progenitores deles já o eram e nem reparas ou reparaste que sempre têm demasiada família, filhos, tios, tias, irmãs e avós. Nunca referiste que eles, os pretos faltam ao trabalho todas as segundas feiras porque foram ao óbito duma avó, dum primo ou tio; uma família que nunca acaba.

swakop03.jpg EDU, tens andado demasiado descuidado e tens agora de te regenerar usando pensos higiénicos fosforescentes quanto baste e bufares como os carroceiros hereros da tua terra; dos teus hábitos quase secretos e que só tu conheces num Deus te abençoe entre as porcarias pálidas que nunca se sublimam na evaporação. Precisas de uma mulher-a-dias qualificada, que tenha um especial curso superior como a minha Mery que contratei em Kampala. Hoje apeteceu-me fazer cocó no teu soalho porque és um grande amigo da onça.

swakop5.jpg Para recordar também, um senhor fardado com um pijama às riscas, sentado num sofá de orelhas olhando para o infinito, babando-se pelo canto esquerdo descaído, insensível ao cérebro abanado por uma trombose. Com a lentidão das coisas graves e titubeadas com muxoxos – Hum, pois, não sabe; a kalashnikov, os turras, a febre do poder… E, eram bolas de trapos, meias surripiadas do pai a cheirar a sulfato de peúga! Mas, o que é que tem a ver o cú com as calças? Estão a ver o filme!?

sussuvlei1.jpg Nota: Estas pérolas de maldizer são o fruto de muita encardida amizade, feitas para reactivar as antigas feituras de escarnio e, usando um aguilhão arguto e vetusto - respeitável pela sua ancianidade subtil e tão engenhoso quanto baste para espicaçar a medula…

Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 16:49
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

MALAMBAS . CCXV
TEMPO DE CINZAS – MALAMBA é a palavra – 07.03.2019
Marcelo do M´Puto ganhou a alcunha de Tio Celito na primeira vez em que esteve na Luua, na tomada de posse de João Lourenço, em 2017. Regressa agora para consolidar a reputação e a normalização luso-angolana. Tomara que seja…

soba15.jpg T´Chingange – No Nordeste do Brasil

Foi a 15 de Janeiro do ano de 2007 que eu e minha sobeta consorte, passamos a noite na Residencial Camões, bem perto da praça com o mesmo nome da cidade de Lisboa e, mesmo em frente da Embaixada do Brasil aonde iríamos obter o visto de residência permanente. Ficamos na Rua do Poço, um lugar em que os criados escravos e as escravas negras, do fim do século XIX levavam em baldes a merda e o mijo de seus nobres senhores moradores neste Bairro Alto de Lisboa, para um tal poço.

poço1.jpg Mas, esta rua é muito antiga! Antes disto e exactamente a 13 de Novembro de 1515 – século XVI, ou seja trezentos e muitos anos antes desta minha dormida em Lisboa, pode ler-se em arquivos da Torre do Tombo em uma carta regia de D. Manuel I escrita em Almeirim e dirigida à cidade de Lisboa, sobre a necessidade de se construir um poço para depositar os corpos dos escravos mortos. Salientava que haveria que se evitar a todo o custo os tão habituais surtos epidérmicos.

:::::
As barricas de penicadas do século XIX, eram despejadas neste poço ou directamente no Rio Tejo. No ar daquele então, havia um constante cheiro nauseabundo de merda e coisas putrefactas. O panorama era todo muito igual em Paris, em Londres, Madrid ou Roma. Esta é uma das razões porque os franceses têm dos melhores perfumes do Mundo. As pessoas não tinham o hábito de se lavar com frequência.

poço2.jpg Basta recordar a Catedral de Santiago de Compostela aonde desde a idade média se juntavam peregrinos idos de toda a Europa. O Bota-fumeiro gigante balouçando no átrio principal-altar da Catedral, era nem mais nem menos para fazer desaparecer o cheiro nauseabundo que acompanhava os viajantes. Hoje, não podem imaginar o fedor que soprava por entre aqueles antigos prédios das muitas cidades, do estrume acumulado nas travessas, becos com matilhas de cães mordiscando restos como se abutres fossem; também das centenas de carroças despejando toneladas de excrementos que por ali iam sendo pasto de milhares de moscas com milhões de bactérias.

:::::
D. João VI fugiu para o Brasil com sua corte levando consigo muitos inúteis nobres que viviam à sombra da linhagem. As moscas através do tempo mudaram bastante, mas há outro tipo de bosta nos dia de hoje, a dos comportamentos, da falta ou descuido dos políticos de alto coturno - o de não se manter o desejado nível de seriedade ou aprumo no trato entre nações que deveriam fluir tranquilidade. Terei de mencionar a falta de decoro nas relações diplomáticas fazendo de casos menores como o da JAMAICA uma empolgante notícia e, aonde ambos os países, Angola e Portugal terão de se sair envergonhados.

modas0.jpg Um pela descabida prepotência e o outro pela falta de decoro subestimando-se de forma pouco enaltecedora. O Portugal de hoje com um governo tripartido e descrente e a Angola actual do MPLA, desrespeitadora de princípios básicos de solidariedade. Se não houver comportamento de estadistas, se prevalecer a bajulação encardida de hipocrisia o quanto baste, quebrando algum do nosso orgulho, sempre subsistirá raspas de azedume. Nas bocas do povo surgem comparações com países de quarto mundo – é a JAMAICA mas poderia perfeitamente ser o Haiti… Angola e Portugal, no correr do tempo e consonante a evolução e relacionamentos em princípios sociais, não podem alinhar nesta diapasão de acasos destemperados.

:::::
Pode concluir-se que a ignorância de muitos, apazigua os espíritos duns quantos que se submetem, que se subestimam, que quase se poem de joelhos a pedir desculpas – desculpas indevidas! Haja paciência! Esta é outra merda - uma empobrecida quietude, morna quanto baste para aquietar expectativas de mudança. Triste realidade de submissão com fantasmas fabricados num passado: Angola – Portugal… quanta desilusão!

saramargo03.jpg Diz a carta de D. Manuel I, que os escravos eram mal sepultados e, muitos seriam mesmo lançados (...)"na lixeira que está junto da “Cruz da Pedra” a Santa Catarina (actual Rua Marechal Saldanha) que está no Caminho que vai da porta de Santa Catarina para Santos, ou para a praia onde ficavam à mercê da voracidade dos cães.

:::::
Para evitar as deletérias consequências de tantos cadáveres não sepultados, achava o Rei, "que o melhor remédio será fazer-se um poço, o mais fundo que pudesse ser, no lugar que fosse mais conveniente, no qual se lançassem os ditos escravos" e para ajudar a decomposição dos corpos, dizia ainda que se deitasse " alguma quantidade de cal virgem" de quando em quando.

poço6.jpg Tal medida seria cumprida pela Câmara que o teria mandado fazer no referido caminho para “Santos”, descendo a actual Calçada do Combro conhecido por "Horta Navia" (nome de uma divindade indígena após a ocupação Romana). A actual localização perdeu-se, mas a aproximação geográfica do antigo Largo do Poço Novo (actual Largo Dr. António de Sousa de Macedo) ao fundo da Calçada do Combro, nome que já nos aparece na segunda metade de “quinhentos”.

poço5.jpg Com as novas posturas do século XXI, ficamos na expectativa de não existir entre países irmãos, a tristes relações de estado originando um sintoma da maior frustração, para quem dali saiu com um tão grande sentimento de injustiça pela descolorida descolonização. Neste enredo carnavalesco de relações internacionais não podem agora à semelhança da idade média cagar-se no orgulho parecendo ser a dado momento a merda dum cenário, um enredo nada agradável a reviver para reforçar nosso desenraizamento ou um simples alheamento.

O Soba T´Chingange


PUBLICADO POR kimbolagoa às 01:08
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

RELOGIO
TEMPO
Weather Forecast | Weather Maps
Julho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
20

21
24
25
26
27

28
29
30
31


MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
CAIXA MUSICAL
CONTADOR
contador free
ONDE ESTÁS

Sign by Danasoft - Myspace Layouts and Signs

blogs SAPO
subscrever feeds