Quarta-feira, 2 de Outubro de 2019
CAZUMBI . LVI

A ROLETA DA VIDA - Torcer enxugar e corar - Secando a palavra ao sol …

- …Engolir sapos vivos sem vomitar… 28.09.2019

Por

canhot3.jpg António José Canhoto - (James Spenser)  

kimbo 0.jpgAs escolhas do Kimbo

:::::1

Para todos aqueles pobres e remediados que passam toda ou parte das suas vidas a tolerar e engolir sapos vivos sem vomitar, ordens ou directrizes de terceiros sem tugir ou mugir, pois as necessidades da vida assim os obrigam e condicionam, vir a ser rico é um sonho e uma obsessão, por isso jogam semanalmente em lotarias, raspadinhas, totolotos e totobola. A sujeição permanente desses trabalhadores a ter de aceitar durante a vida jogar com quem dá as cartas marcadas ou lança os dados com pesos dentro para rolarem de forma a que o número 6 saia sempre, é uma situação de inferioridade, menoridade e submissão, é jogo que nunca ganharão. Estes, a partir do dia que aceitarem o seu primeiro emprego já estão vencidos e derrotados.

:::2

A roleta da vida dá muitas voltas e quando muitas vezes sentimos o peso do mundo que carregamos às costas, noutras mercê de circunstâncias inesperadas temos o privilégio de estarmos sentados confortavelmente no topo dele usufruindo de termos à nossa volta um batalhão de servos pagos para adivinharem e satisfazerem os nossos caprichos ou fantasias sonhadas. Anteriormente alguém ditava as regras do jogo que iríamos jogar, a partir de agora serão vocês a escolher os parceiros com quem quereis jogar divertir-se e gozar a vida, pois ganhar ou perder deixou de ser relevante.

 arau159.jpg::::3

Ser domador ou domado não são opções de vida onde a maioria das vezes não temos essa escolha, ser leão de circo treinado nunca é leão adulto e selvagem das savanas africanas, só acontece quando estes são apanhados em tenra idade; com os humanos acontece exactamente o mesmo. Estar na mó de cima ou na debaixo faz uma enorme diferença, menos para aqueles que nascem ricos e que desde o berço ditam as leis de como a roleta deve ser jogada, ou seja, quem vão ser os burros e quem se lhes vai por a carga em cima. Infelizmente a vida é mãe para uns e madrasta para outros, dependendo muito do tipo de berço onde nascemos. Se viemos ao mundo em África e mamamos directamente das tetas da cabra ou do camelo.

:::4

Mais tarde a qualidade da nossa instrução e educação depende se frequentamos escolas, universidades privadas ou públicas ou ficamos apenas pelo ensino básico. Existem hábitos diferentes entre ricos e pobres. Ricos vão a concertos de música clássica, enquanto que os pobres vão ver os artistas pimba da moda que cantam música a metro ou ao kilo. Ricos, ou brasonados falidos, têm mais de 10 longos e pomposos nomes começando por Dons enquanto que os pobres apenas se chamam Maria ou Manuel. Existe pois uma diferença mental, social, comportamental e idiossincrásica entre ricos e pobres, entre mandantes e mandados, leaders e seguidores, vencidos e vencedores.

:::5

Poderei dar exemplos de como se diferenciam os ricos dos pobres. Pobres não têm certezas, ricos são confiantes, estão focados, sabem o que querem, para onde vão e quando desejam chegar, os seus “timings” e decisões são pensados e cronometrados. Os pobres buscam desculpas; ricos procuram o sucesso. Pobres assumem, ricos têm a certeza. Pobres fogem às responsabilidades de assumirem as suas culpas, ricos aceitam os erros como lição e aprendizagem. Pobres vivem em função do dinheiro, os ricos investem no tempo para aprenderem e evoluírem.

Avillez2.jpg :::6

Pobres fazem competição, apunhalam-se pelas costas e lançam cascas de banana para os colegas de trabalho escorregarem; tudo para se sobressaírem e ficarem bem vistos aos olhos dos chefes. Os ricos juntam-se no clube de golfe para fazerem 18 buracos, beberem uma cervejas frescas, falarem das suas amantes e sobre os seus mais recentes investimentos e sucessos financeiros. Pobres são por norma, descrentes, queixam-se de tudo e de todos, da mulher, do tempo, do chefe, do governo, do ordenado, dos colegas e do carro que guiam que está sempre avariado. As culpas dos insucessos dos pobres são deles mesmo.

:::7

Os ricos por outro lado estão gratos e felizes da vida que têm e apenas se queixam do dia chuvoso que não lhes permite jogar golfe com os amigos. Pobres quando desejam montar um negócio na sua área ou bairro procuram um já existente que seja bem-sucedido para o copiarem, ou então, se têm uma ideia diferente, buscam conselhos e opiniões de colegas, amigos fazem preces e orações aos seus deuses pedindo as suas graças para que as suas vidas mudem ou os seus negócios prosperem. Enquanto isso, os ricos procuram conselhos de profissionais, fazendo aquilo que se chama um estudo de mercado.

araujo10.jpg :::8

Estudo esse baseado nas seguintes premissas: Quais as suas capacidades empreendedoras e profissionais para ser bem-sucedido. Quais as suas fraquezas em relação aos seus concorrentes. Quais as ameaças dos competidores no mesmo ramo e qual o valor acrescentado que se poderá trazer a esse mercado e, nele inserir um nicho não explorado. Quais as tendências: a curto, médio ou longo prazo, pois o que é moda hoje pode ser mono amanhã. Pobres ou remediados compram televisão grande, ricos compram livros para enriquecerem o seu conhecimento. O pensamento das pessoas muito pobres está voltado para cada dia; o das pobres para cada semana; o da classe média, para cada mês; o das pessoas ricas, para cada ano e, o dos milionários, para cada década.

:::9

Ricos falam sobre ideias, pobres sobre coisas, pessoas, vizinhos, revistas cor-de-rosa ou novelas televisivas. Ricos são inspirativos, fazem o mundo girar, pular e avançar e as coisas acontecerem. A classe media fala sobre as coisas que os ricos promoveram e observam mudos e quedos os resultados, enquanto os pobres se limitam a perguntar “O que aconteceu.” Os ricos trabalham visando o lucro, os pobres trabalham visando a obtenção de um salário. Ricos investidores assumem um risco calculado, a classe media e pobre tem medo de investir, e, mesmo que fique rico da noite para o dia a sua mentalidade não está orientada de como gerir riqueza, mas sim para gastar e satisfazer caprichos e os sonhos de quando era pobre.

arau45.jpg :::10

Ricos concentram a sua actividade para aumentar o seu património, pobres concentram-se, na expectativa de serem aumentados no seu salário. A ignorância dos pobres é aterradora e confrangedora. Basta abrir o Facebook no Feed Noticias e ver que há um elevado número de pessoas que compartilham publicamente as suas opiniões vazias e rasas ou fazem perguntas que um adulto culto e inteligente deveria saber e, caso não soubessem bastaria ir ao Google encontrar a resposta. São pessoas mentalmente preguiçosas vivem na mais profunda escuridão da ignorância, não progridem ou evoluem, pois, a sua mente está sempre engatada em marcha atrás. Os ricos usam o termo NÓS os pobres usam EU. O rico procura qualidade, o pobre procura preço, promoções, ofertas e descontos, esquecendo-se que quem compra barato compra duas vezes. Os pobres copiam e competem, os ricos criam negócios originais.

António José Canhoto - 28-9-2019

Ilustrações aleatórias de Costa Araújo – Escolhas de T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 07:14
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

RELOGIO
TEMPO
Weather Forecast | Weather Maps
Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
14
15
16

17
19
20
21
23

24
25
26
27
28
29
30


MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
CAIXA MUSICAL
CONTADOR
contador free
ONDE ESTÁS

Sign by Danasoft - Myspace Layouts and Signs

blogs SAPO
subscrever feeds