Sábado, 27 de Junho de 2020
CAZUMBI . LVIII

CINZAS NO M´PUTO - ”A CHUVA BATE NA PELE DO LEOPARDO, MAS NÃO TIRA AS SUAS MANCHAS, NEM VICIOS”. Andamos com o credo na boca, motivo do COVID 19 que à revelia, faz tempo, trilha nossa vontade19.06.2020 no FB

Crónica 3032 - 27.06.2020 no Kimbo Lagoa - Cazumbi é feitiço ou mau-olhado em Kimbundu

Por

soba16.jpg T´Chingange – No Sul do M´Puto; Al-Garbe

burundanga1.jpg Flor da Borundanga - Tem kazumbi

Ando a esquecer o passado - Será que tomei essa coisa de borundanga - Uma droga  extraída da Datura Stramonium, uma planta ornamental de flores brancas em forma de sino, vulgarmente conhecida como trombeta ou trombeteira, bastante comum na Espanha e na América Latina. Lá iremos porque tenho uma coisa destas no meu quintal..Óh folha do diabo...

:::::

O Mundo necessita de nós para respirar e por isso as autoridades de saúde pública fazem a lei de forma rápida na mira do boteco das bifanas abrir quanto antes, pois que a economia tem de correr, também porque o socialismo é muito bom a lidar com o dinheiro dos outros – o nosso! Recordar agora o exercício de minha mãe Arminda equilibrando o orçamento do lar, fazendo comícios às galinhas na capoeira coberta a zinco lá na Rua José Maria Antunes numero vinte e dois na Maianga da Luua.

araujo63.jpg Um prédio com arcos construído no rigor da salubridade colonial, na casa dos fundos a dar para o pátio da cantora Sara Chaves, quase mesmo no início do Catambor. Lugar que nem sabíamos que não era nosso porque eramos brancos de pele e colonos de condição. O tempo tratou de nos dar a seguridade dos hipócritas filósofos que falam com as latitudes e algoritmos dos rumos de cada qual como fossem os senhores do outro, que tu não és daqui, vai para a tua terra fazer semeaduras e tratar da casa do senhor teu feitor…

Dona Arminda, sozinha falando com rispidez com as poedeiras pedreses num canto do fundo do quintal, logo a seguir ao tanque de selha e depois da mandioqueira que só dava sombra: - Ou vocês põem ovos ou corto-vos o pescoço - vão prá panela fazer de cabidela! E, elas punham ovos grandes! A vizinhança só queria os ovos da dona Arminda porque pareciam mamões da Luua. Sim! Isto decorria numa rua do bairro Maianga com cheiro a acácias rubras e zumbido permanente de cigarras, um calor de trópico.

eleutero4.jpg O dinheiro que Dona Arminda fazia, dava decerto para comprar um peixe-espada à quitandeira que sempre parava naquele número de rua e, aonde apregoava do seu jeito jeitoso, chamamento do peixié sinhola – tá fresquinho, compra só! A vida assim gerida de toma lá dá cá compara-se aos governantes do M´Puto que não também não fazem milagres sem ovos; Eles, vindouros daqueles outros descolonizadores, andam cansados…

Inventando regras a definir como e por onde andar por forma a agradar à velha carência dos recursos nacionais, incentivam o pessoal a ir ao café, ao teatro, aqui e ali e até à praia notando-se que estimulam da forma que julgam mais certa para e, como as galinhas começarem a chocar ovos, fazer omeletes, pataniscas e trespassá-las em dinheiro porque senão ficamos à rasca. Ainda se tivéssemos uma colónia, se tivéssemos colonos, se e, mais se…

AMADEU3.jpg Um esforço para desentorpecer a apatia amarelada dos rostos encafifados num desespero entorpecido dos galináceos - eu, tu, ele, nós, vós, eles – todos! A realidade que ninguém conhecia é bem complexa ao ponto de tornar rapidamente os cabelos brancos por tantos ansiolíticos tomados por quem tem esse cariz de ambição – de ser governante; com tanto nada e tão pouco incerto, muito fica por explicar na inactiva justiça, na improvisação da educação…

Muito fica por explicar prever e acudir incêndios das matas, repensar num interior desvalido e o crescer de palpites tendo o improviso como sorte dum instinto. Tudo isto com comentadores cambutas, longos e oblongos a zurzir à perna inflacionando sortes e azares como se tivessem o futuro na ponta dos dedos ou o tivessem comido por inteiro com arrotos de carapau frito bebido com morganheira tinto ou verde Casal Garcia…

onça1.jpg Foi neste então que recordei aquele mítico provérbio africano ”a chuva bate na pele do leopardo, mas não lhe tira as suas manchas” aonde para além da onça, do leopardo e da chita existem a hiena e o mabeco que também as têm. Bom! Agora que sou zebra noto ocorrer-me o mesmo fenómeno em manter as riscas mas agora, mesmo que chova ou faça sol, acontece um outro pormenor – também me embranqueceram no decorrer do tempo…

As riscas irregulares das verdadeiras zebras são para fazer com que o leão fique tonto ao persegui-las perdendo a noção e desequilíbrio. O facto de todas correrem em simultâneo causa o efeito psicadélico e, o que era, fica turvo com tantas riscas a se moverem. Às tantas as ordens variam conforme o desequilíbrio pois! Fique em casa ou, saia e vá às compras, movam-se mas, há um mas: não desconfiem átoa. A natureza ensina muito a quem se detém a observar os mistérios tão perfeitos dela…

zumbi00.jpg É por estas e outras que uma grande parte das pessoas com quem vou tendo contacto, sentir-me desiludido! Posso até perguntar ao mundo e para quem me lê, que interesse poderá ter no dizer de lindas ou ortodoxas de alguém com falas tão cheias de façanhas agigantadas, quase-quase de soberba superioridade. Para quê? Fica tudo assim como uma nítida imagem de uns tantos petulantes que não perdem a oportunidade de afectar as minhas sensibilidades, os meus cheiros, as minhas impressões como se fosse um desmilinguido…

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 06:05
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS (1)

Domingo, 21 de Junho de 2020
KWANGIADES . XXXIII

UMA T´XIPALA ANTIGA  . Parte da minha lenda – 19.06.2020

O sol tem ondas de ferroadas quentes que machucam na ida da vinda de nossos dias  - Crónica 3031

Por

tonito15.jpgT´Chingange – Nos Al-Garbes do M´Puto

T´XIPALA: - Fotografia, cara, rosto, personalidade, carácter 

maian7.jpg Fugindo de criaturas maléficas invulneráveis aos sentimentos alheios, registei os meus afastamentos em vídeos e, entre dezenas de cassetes e, de-quando-em-vez, revejo os bafos de boa sorte nos ousados e longínquos sítios de África sobretudo aqueles aonde surge a alma de um evento, alguém ou alguma coisa transparecendo essência vital, uma longa fila de órixes caminhando sem destino no topo de uma alta duna do Namibe, Sossusvlei ou Naukluft, uma verdade de beleza como transparência espiritual.

Figuras rarefeitas, diluídas na essência dum ar que tremeluza no calor da miragem, também do que se pode ver em uma folha de Outono ou na textura de uma velha casca de árvore com um lagarto pré-histórico camuflado. São formas escorregadias da realidade guardadas em meus armários que preenchem o quase-tudo do grande nada de minhas vivências.

sussuvlei1.jpgAo observá-las com verdadeira atenção, transformam-se em centenas de momentos sagrados, só meus. E, sempre na busca de uma vida interessante, aventureira, apaixonada e diferente, rumei a África procurando-me entre anharas, savanas e desertos de longas e altas dunas, lugares do cu-de-judas ou terras do fim-do-mundo sem os banais pormenores das urbes, grandes metrópoles com gente empoleirada até ao céu; África de exotismo quanto baste com coisas e animais incomuns.

Lugares de sermos confundidos como caçadores de elefantes por tanto pó salobro das tortuosas picadas, expostas ao sol impiedoso; ao calor abrasador dos dias e dos frios cacimbos húmidos a envolver noites com manto de espesso escuro; bem perto uma hiena parece chorar ao redor de uma carcaça fedorenta, carniça de vida sobrevivente.

naukluft1.jpg Lugares aonde a adrenalina delira em pavor loucos, inundados e imundos de situações fatídicas, substituindo o ar dos pneus por capim cortante. A coragem indomável de conhecer a África profunda, surgia-me naturalmente desde que ainda moço me tornei kandengue ao devorar um cacho de bananas oferecido por meu tio “Nosso Senhor” vindo do M´Puto, ao som dos apitos dos vapores “Mouzinho e Uige” da Companhia Nacional de Navegação.

Com meu pai colono de papel passado e creditado na tal CNN e, assim, crescido na idade, não foi necessário beber kat´chipemba com pólvora, uma mistela incendiária que deixa as entranhas em chamas para enfrentar os matos com coragem. Nestas voluntárias tarefas de aventura com aflição, os vómitos de radicais experiências foram surgindo entre bichos cambulando cacimbos com marufo de kassoneira, ofertas de N´zambi e gente com vestes de loando, amuletos reluzentes, tilintando seus toucados e penduricalhos nos artelhos; de muitos, por demais, zingarelhos.

IMG_20170727_132146.jpg Então, falando com meus botões nas frinchas dos tempos, neste mundo confuso, serei sempre um genérico cidadão ou um sem-terra por não me poder definir como genuíno nessa escolha; assumidamente, não pertenço a lugar nenhum. A minha terra biológica deixou-me ao deus-dará e, até meus sonhos penalizam o recordar dos tempos em que a vida se expressava com fluida vivacidade. Daí ter renascido como Niassalês do bojo de um vapor que o tempo também enferrujou – NIASSA…

Fazendo dela e no agora, uma miragem chamada de N´Gola, na noite passada entrei numa sonhada toca grande mais parecendo uma galeria de mina abandonada e, vendo sair dum buraco lateral uma nuvem de pó para ali me dirigi e, foi de lança em riste que piquei de morte um lobo zombando de mim. Deu um uivo esquisito e por ali ficou prolongado no próprio sangue. Nesse instante, apercebendo-me de algo estranho atrás de mim, virando-me, deparei comigo mesmo, uma imagem nítida de quando rapazola, usava calças com um cinto de fivela enorme. Imaginem só, um chefe de quinas da Mocidade do M´Puto…

luis15.jpg Assim como uma foto amarelecida no tempo, estava pontilhado de minúsculas cagadelas de mosca de sexo indefinido. O penteado com o risco ao meio parecia ter brilhantina de óleo de cedro, daquele que faz brilhar as madeiras dos imóveis mas, eu não era nenhuma escultura de pinho nem de pedra e nem vi caruncho ou salalé enfarinhando vestimentas ao seu redor. Não é normal lembrar-me dos sonhos mas este ficou grudado na testa ou no templo da alma, esse olho do além que paira nas cúpulas das catedrais.

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 11:15
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS (1)

Sexta-feira, 19 de Junho de 2020
MOAMBA . XLI

NAS FRINCHAS DO TEMPO

Crónica 3030 - ENCONTRO COM A NATUREZA

No reino da AROEIRA - 15.06.2020

Por

soba0.jpeg T'Chingange - No Sul do M´Puto

bromelia1.jpgSe alguém não nascer de novo em cada dia, não poderá ver o reino que o cerca. Hoje, saí cedo para ver o mar até seu horizonte curvo, apreciar a multiplicidade de plantas autóctones entrelaçadas à beira mar entre longos penedos com poças cheirando a poejo. Geralmente, passeando nas veredas íngremes, vou reflectindo na sociedade que nos cerca e apercebo-me o quanto nós, aqui é álem, aonde quer que o seja, desenvolvemos a tendência de julgar com desconfiança pessoas que demoram a tomar decisões porque tudo anda muito rápido.

Admiramos líderes e seleccionamos auxiliares que são resolutos, característica fundamental em diferentes momentos da vida nossa e do país em que vivemos. Talvez não devêssemos ser tão apressados em julgar os hesitantes, mas há algum tipo de riscos para quem hesita: a consciência pode cauterizar, o primeiro amor pode ser perdido ou mesmo um desnorte, pode surpreender. Enquanto galgo pedaços de quilómetros, aprecio a flor do tomilho engavelado entre arranha cão e aroeiras invasoras e num emaranhado de ervas ressequidas, vejo um zimbro com bagas vermelhas. Depois em turbilhão revejo aleatoriamente coisas e loisas sem um ajuste certo nas urgências pensadas, revendo-me na experiência dum tal Nicodemos que insistiu meu torpor exemplificando outros pensamentos.

juru3.jpg Mestre entre os judeus, estudioso das Escrituras e membro do Sinédrio, ele se sentiu atraído pelos ensinamentos de Jesus a quem procurou escondido pelas sombras do preconceito, do receio e das tradições. Cristo foi em dado momento muito claro a este personagem Nicodemos: acima da cultura, do conhecimento da doutrina, da posição social e política, dos títulos e prestígio, ele necessitava nascer de novo, tornar-se nova criatura. E, porque também renasço de novo em cada dia, olho as cores dum jardim à beira mar, perto de mim e, com minha própria sombra perseguindo-me, atezanando-me...

praia.jpg Nicodemos acreditava em Jesus como o Messias, mas sobrava-lhe hesitação e determinação para confessá-Lo publicamente. Só sei disto porque pude ler no livro da Bíblia tendo-me chamado à atenção para esta minha caminhada - num misto de reflexão. Um novo silêncio envolveu Nicodemos até que o vemos no Calvário diante do Cristo crucificado. Não havia mais nenhuma razão para hesitar, e a decisão foi expressa no oferecimento de um túmulo para o Salvador.

lampião11.jpg Paradoxalmente, quando tudo pareceu perdido, sob a sombra da natureza enlutada, a visão dele, Nicodemos, ficou mais clara ao cuidar do corpo morto de Jesus. Pois, assim estou, afagando aqui e ali rebentos de vida dando flor, uma pedra que rola como sendo um osso seu petrificado. A vida de Nicodemos nos ensina que o caminho para a vida eterna é um caminhar incessante de alguém com alguém, para alguém, no qual ambos se vão conhecendo cada vez mais, entrosando-se como agora o faço em exercício – copo e mente. Esta é a trilha, a minha vereda cascalhuda - Um mistério...

O Soba T'Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 23:50
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quinta-feira, 11 de Junho de 2020
XICULULU . CXXVI

FRINCHAS DO TEMPO - janelas para a vida – 29.05.2020

Xicululu; - Olho gordo - 11.06.2020

Por

soba15.jpg T´Chingange, no Sul dos Al-Garbes

pedras00.jpg Na hora certa, só tu existes para decidires como fazer teu caminho sem a ajuda de um qualquer guia saído dum outro ventre como tu - As leis da natureza dizem que independentemente do estatuto parental, todos nascem pelo mesmo local, nus e ateus… A ESPERANÇA é a fronteira que consegue manter a condição social e financeira de pobres, pensando ilusoriamente de que um dia, o euro milhões ou o lotofacil o fará rico e assim, comprar uma vivenda na Ilha de Zanzibar em frente a Dar es Salaam…

Desde o Cabo e, há três anos (2017 e 2018) numa viagem a 40 quilómetros à hora em comboio Xoxolosa, sempre para Norte via Tanzânia, de novo recomecei a viagem ao sonho inacabado, lembrando-a nesta data da desgraça - ano de 2020. Assim parado, abrindo e fechando janelas para falar com o Loureiro, árvore do vizinho alemão, recordo-lhe o meu trilho de Johannesburg a Dar es Salaam nesse tal comboio azul. Não será muito normal falar a uma árvore mas e porque o mesmo foi interrompido pelo medo dos Boco Harans fiz a pergunta a esta por modo a saber também de seus medos.

dia82.jpg A não ser uma breve inclinação da ponta esguia nada disse… Bem! Os Boco Harans praticavam suas safadezas lá no lugar de Rovuma de Moçambique e, em Mbeya da Tanzânia, viramos a Sul para onde não estava previsto – o medo comanda a vida, conclui meu monólogo. Como seria possível acreditar uns tempos atrás que estaria agora a falar com uma árvore que sendo nobre era muda. Num qualquer momento a tua atitude diante das dificuldades da vida ou por via dum desconhecido entrave, dependem da dimensão de tua fé e preparação espiritual para venceres recorres a refúgios e subterfúgios; é o caso.

Se tens um Deus falsificado, qualquer problema será uma barreira na tua visão. Eu que queria ir a N´Gorogoro ver os pastores esguios saltando suas alturas fiquei colado ao meu lugar subjectivizando um ponto e vírgula num ponto final paradigmático, divergindo nas fontes de referência - um monstro minúsculo chamado de “covid”. Estaremos no propício tempo de purificar a intensa comunhão entre a proximidade e a distância conjugando-a com o logaritmo da curva chata. O ser humano é contraditório; gosta de pequenos deuses, afeições apenas para acalmar a consciência como “chaveiros”, “amuletos, “figas”, “cruz de David” entre outros. Por repetição faz isso de forma automática e por isso acaba acreditando em sua intuição com medo.

dia183.jpg Assim limitado, acompanha sua crença confiante mas, haverá um certo dia, um certo lugar que a tragédia pode chegar de forma inesperada e é diante das circunstâncias difíceis da vida, num momento, num repente, que se descobre que todos esses pequenos conceitos intuitivos caem por terra como meros paliativos. Paliativos que nada fazem mudar; que nada resolvem porque num repente dependendo de factores adversos, te sentirás nesse então na pequenez dum nada - numa ilusão caída em desânimo e sem aparente recurso! Hó santo Deus, porque fazeis isto comigo!?  

É essa realidade que levará um de cada um de nós a suplicar autoconfiança perante um Santo Graal bem na cave duma ligação secreta com acesso directo ao cofre. Cofre contendo os montantes do lay-off e, todos os rendimentos mínimos para um qualquer cidadão continuar vivo. Assim, de cavandela em cavandela, desperto no m´Puto a viver um momento terrível covidesco confrontando-me entre milhões de zorros mascarados: - “Estou aflito e necessitado.” Da perspectiva humana, parece não haver solução - como ter forças sem delírios nem lágrimas para lavar o coração da angústia que sufoca esta tensão, este medo alavancado por cada qual com palpites de suco de beterraba e muito limão a controlar o PH da vida.

dia210.jpg E assim, num dia que segue um outro, contando as rachaduras do tecto, falando com a osga gorda, como pode uma multidão protestar em casa com a morte dum cidadão negro lá nas américas? O Deus dele não estava acima de qualquer outro deus e, mesmo suplicando não foi ouvido pelo Deus nem policias bófias brancos... Sendo evidente que quem respira está a resistir, confrontando-se com uma ilegalidade, um quase crime, porque em verdade, uma pedra aceita sem nada dizer a imobilidade noé!

Qual é o drama que você vive neste momento? Qual é a tragédia que parece destruir a vida de alguém que pede para respirar! Sentir-se indefeso, incapaz de fazer algo para se ajudar, limitando-se a morrer. Antes de iniciar a caminhada destes dias, separe uns minutos para meditar na grande estranheza da sua própria história não coincidir com aquele a quem Deus o não livrou por usar uma nota de vinte dólares falsificada! Eu, que trago na carteira duas notas sujas, mas verdadeiras, trazidas da Tanzânia que me servem de talismã, dava-lhas de boa vontade - para o ver continuar vivo!

O Soba T'Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 19:44
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quarta-feira, 10 de Junho de 2020
MOKANDA DO SOBA . CLIII
Vuzumunando a vida nos meus kitukus (mistérios)
Crónica 3028 - N´gana N´Zambi, não vale a pena morrer de véspera10.06.2020
N´gana N´Zambi – Meu Senhor
Por

soba0.jpeg T´Chingange - (Ot´chingandji) No Sul do M´puto - No Barlavento

IMG_20170902_110003.jpg Dos mistérios do tempo em que as palavras picavam em mim uma grande gastura, só o tempo deu justa noção desse pensar desconjuntado. De novo, uns dias atrás tive de repor minhas palavras passe num telemóvel oferecido por minha companheira que que todos teimam em dizer “a sua esposa”. Numa velocidade estonteante, o malvado, ainda tenho o dedo a um quilómetro e já ele está mudando de parâmetros a fazer desaparecer o que antes tinha escrito o que me leva a chama-lo de muitos nomes de sundiameno para toparioba e outras frágeis ternuras.

Aquele outro “microondas”, era mais lento que o transafricano da Tanzânia via Kimberley e, quando antes picava o teclado com toda a força e muitas vezes, neste, tenho de ter o cuidado de andar devagar para não mostrar o indevido; por vezes troca-me o pensamento e em vez de pinico escreve púnico e, ate acho graça pois ele anda mais rápido que o meu descaramento, assim definindo nem sei porquê púcaro com pinico, tudojunto. Refiz minhas amizades que são mais que muitas e resolvi abrir uma nova página no FB… Pois é! Abri-a com o nome de Profeta Isaías e, como surpresa imediata, um dos muitos pedidos de amizade vinha de Jesus Cristo – Pode!?

xoxolosa1.jpg Temeroso, intrigado, até fiquei uns dois dias retendo o pedido enquanto ia recebendo muitas outras, gente nitidamente ligada às coisas litúrgicas, pastores, eruditos até às pontas dos cabelos e comedores de bíblias. Gente de muita religiosidade; uns abraçados a santos, outros acendendo velas botando fumo pró céu, e outros ainda mostrando o Espírito Santo na forma de pomba tão estilizada que tive de a virar de lado para a ver na perfeita nitidez. Fiquei assim a saber que existem no mundo mais igrejas do que hospitais.

Assim, assentando os contrafeitos nos factos com dúvidas na forma de gráfico, ora para cima, ora para baixo, fiquei espantado quase no estupefeito quando surge um novo evento. Era Santo António, adicionando-me como amigo, convidando-me para sua privada festa num tal de pátio Andaluz, algures na encosta duma serra chamada de Espinhaço de Cão. Belisquei-me para ter a certeza que ainda estava na terra e fiquei extremamente cauteloso sem saber ao certo o que dizer! Foi quando dei permissão a Nosso Senhor e logologo, interessadamente, o consultei se deveria aceitar, ir a esse tal evento.

santo antonio1.jpg Resposta de imediato: Não te metas nisso! Nem penses! É um truque para te apanharem e, depois nem as cuecas te deixam! Pópilas! Seria mesmo Nosso Senhor? Lembrei-me em seguida que tinha mencionado dias antes, algo de que Jesus cansado das trapaceirices humanas quis ir para o pé dele, seu Pai, aos 33 anos; demasiado novo, diga-se! Foi quando entendi que afinal este entendimento de tu cá, tu lá já tinha acontecido e assim, passando o medo entre os pingos da chuva, agradeci-Lhe! Não totalmente fiado porque o seguro morreu de velho, fazendo gaifonas com as palavras, recriei uma esfarrapada desculpa para dizer não ao meu Santo, supostamente falsificado de faz muito tempo. Numa lengalenga de como já me conhecesse, o santo António, disse que eu era um desnaturado e mal-agradecido. Este impasse, assim ficou!

Ora-ora, numa altura de covidamento, ia prá festa e depois era snifar álcool e gel descontaminando os fungos celestiais recobertos com mofo de mais de mil anos. Decidi pelo não! É que este tempo anda demasiado perigoso; recordando-me quarenta e alguns anos atrás com uma pequena mala na mão com os meus documentos pessoais, alguns angolanos, dinheiro de tugi mais a guia passada pela comissão organizadora de repatriamento, uns quantos calções de zuarte, camisas e a família dita nuclear, a tal de minha esposa que sempre foi minha mulher e dois filhos candengues na flor da idade, angolanos que nunca tiveram permissão de o ser. Eramos quatro! Avião SOS da ponte aérea, tudo o mais ficou lá nos caixotes que nunca chegaram ao M´Puto. Desde então fico sempre encafifado com estes eventos ofertados sem nada em troca – isto, normalmente tem água no bico!

ponte lua.jpg Não vem mal ao mundo, mas isto sempre me sofragou entre os desprevenidos; Há uma construção de sensações de estranheza que os últimos tempos sempre se declinam duma forma pandémica. Num repente vamos ao quintal e falamos só com as folhas da bananeira que irão enrolar o bolo da sanzala, carne de galinha moída e levada ao forno como se estivesse na fazenda Babilónia lá num lugar distante aonde o vírus safado não chegou. Na beirada de um Mundo estranho, tentamos saber o que se vai fazer no dia seguinte a esta véspera.

Tento até entender do porquê nunca aquela árvore de nome Loureiro me perguntar se eu, que não sou árvore, não quereria mudar de floresta!? Sempre tive dificuldade em entender a razão do porquê, as coisas terem de ser assim e qual o motivo de, num repente concluir-se que estamos perante uma trajectória e natureza genocida do tipo Corona-Jihad ou boko haram. O silêncio não é uma opção e o Loureiro árvore, numa onda solidária, dá-me folhas para dar gosto aos meus sabores. Este Loureiro árvore deve se da minha família. É que meu avô, era Loureiro…

nassau3.jpg Este vírus, notoriamente, expõe fragilidades nesta relação com a natureza. Assim, não abusando das folhas do Loureiro até me envenenar, revejo-me na doença dando-me uma certa consciência na duvida de dar àqueles que nos representam a permissão de continuar nesta vida mole e, confrontado entre os exercícios de poder sem nada fazer, dos governos das pessoas sem questionar a felicidade que sendo efémera, não se consegue definir, ficando num só sentir. Lá terá de ser!

O Soba T´Chingange


PUBLICADO POR kimbolagoa às 14:32
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

RELOGIO
TEMPO
Weather Forecast | Weather Maps
Agosto 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
CAIXA MUSICAL
ONDE ESTÁS

Sign by Danasoft - Myspace Layouts and Signs

blogs SAPO
subscrever feeds