Terça-feira, 29 de Setembro de 2020
MALAMBAS . CCXLVI

NAS FRINCHAS DO TEMPO … MOCANDA DO EDU

Boligrafando estórias e missossos do Lubango– 29.09.2020

Crónica 3063  - MALAMBA: É a palavra

Por

Torres0.jpg Eduardo Carvalho Torres

soba10.jpg As escolhas de T´Chingange

O meu pai... 

torres11.jpg Muito criança, ainda nem frequentava a escola, o tempo de matrícula na primeira classe era com a idade de seis anos, viajava sempre com  o meu pai em percursos relativamente curtos, como idas à Chibia,  Huila, Munhino, Palanca ou Humpata. Claro que a maior parte dessas pequenas viagens, não tão pequenas quanto  isso, devido ao estado das estradas, às viaturas cuja tecnologia ainda oferecia condições completamente diferentes das actuais, levavam tempo a fazer-se, mesmo que não surgisse qualquer imprevisto. Eu sempre fui o companheiro predilecto do meu pai. O meu irmão mais velho não andava nestas "andanças " .

Se tinha de se deslocar a algum lugar fora da cidade, meu pai lá passava por casa para ir com ele a fazer-lhe companhia. Uma das vezes que fomos à Humpata, e íamos muitas vezes, os meus pais prestavam muito apoio aos meus avós... O meu inesquecível Nash, começou aos soluços até parar, antes da estrada, que ainda não fazia parte do mapa, lugar em que se virava para a Casa Verde, do Guerra.

lubango1.jpg Existia perto do local um estabelecimento de comércio tradicional, do Sr.  Venscelau Antunes, que muito antes tivera comércio na parte geminada da casa onde eu morava; vendo a viatura parada, o senhor Venceslau veio ao nosso encontro, perguntando: então Torres, o que se passa, que isso não anda!? O meu pai, pouco preocupado, respondeu-lhe que devia ser do carburador.

Pegou na caixa de ferramentas, que não eram muitas - naquele tempo era costume dizer-se que para resolver um problema mecânico, bastava um alicate e um pedaço de arame...

Subi para o guarda lamas observando meu pai a desmontar parte do carburador, retirar os "gigleres", e desentupi-los, dar à bomba, peça importante que nunca faltava na ferramenta de apoio à viatura,  colocar tudo no lugar certo, dar ao arranque e o motor,  lá começava a tossir, roncar e até grunhir...

torres14.jpg E, lá seguiamos para a Humpata voltando mais tarde ou em outro dia sem mais percalço relevante. Angola nesse tempo era diferente; as pessoas conheciam-se...

Recordo : A Academia era a força da cidade!  Os alunos do liceu eram muitos, vindos de várias localidades, para o primeiro liceu em qualidade. Situado num clima ameno, era o preferido porque o segundo, situado em Luanda não oferecia semelhantes condições. Quando chegavam as férias, a cidade ficava despida de grande parte dessa juventude. Então, a Cidade permanecia triste até voltar o bulício da estudantada  num novo ano.

LUBANGO 1.jpg Sá da Bandeira era a Coimbra de Angola. Quando surgia alguma figura importante que se hospedasse no palácio do governo, os estudantes organizavam uma marcha à noite  com archotes acesos, a que chamavam " marcha aflambou? ". Vestidos com os casacos do avesso para evitarem sujá-los com o óleo dos archotes, marchavam em frente ao palácio; um percurso de ida e volta até à estação do C..F. M.

Uma comissão de honra estudantil apresentava-se a dar cumprimentos de boas vindas; por norma pediam uma borla para o dia seguinte - não haver aulas,  era a questão! E, geralmente era concedida. A população também se juntava à malta, acabando por ser uma noite festiva e, sempre  acompanhada pela cantoria "viva a malta do liceu..."

nasch1.jpg Eram outros tempos, os tempos de antigamente!

Nota: seleccionada para o Kimbo Lagoa com arranjos de texto por T'Chingange, o Soba do Kinaxixe, Lifune e Panguila...

ECT



PUBLICADO POR kimbolagoa às 17:29
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Segunda-feira, 28 de Setembro de 2020
MALAMBAS . CCXLV

NAS FRINCHAS DO TEMPOBoligrafando estórias e missossos do M´Puto28.09.2020

Crónica 3062  - MALAMBA: É a palavra

Por

soba002.jpg T´Chingange – No Barlavento algarvio do M´Puto

araujo187.jpg Entre mim e um atalho de mim, escuto os recantos aonde são audíveis os grilos das noites cálidas e as cigarras na torreira do dia, na presença constante do loureiro, árvore do meu vizinho alemão da Alemanha vindo do Sul de Angola, um bóher na vernácula "essência", com barriga de boerewors (uma salsicha fresca tradicional da culinária da África do Sul) para constituir o ser e a natureza das coisas que nos dão voltas à mioleira.

Porque pecado deveria ter também e, agora, uma nora que para além de bóher, usa vocábulos oriundos do africânder… Bóher e wors, significa respectivamente "agricultor" e "salsicha” – (borrabôs como dizem os Tugas). Condicionado ao meu rectângulo de calor e silêncio, regulamento-me em miudinhas ideias, ignorando analfabetices feitas como se o fosse de gema de ovo e sanchas também conhecidas por míscaros, fungos comestíveis fritos em conjunto na frigideira de ferro, coisas saídas do cú dum galináceo também chamado de ânus.

araujo195.jpg Dum ânus sim! E, crescidos no calor do estrume ou coisas em decomposição. Nossa vida, e tudo que nos envolve, é uma miscelânea de compostura, arranjo, ilimitação na mixórdia… E, no restolho da sombra quieta, dentro de portas, sem clarabóias nem luzernas ou olharapos de luz, assim fico permanecido, fechado em casa, falando com a avenca. A orquídea e a violeta africana, basculhando pensamentos aonde as ideias se perfilam ginasticando aeróbica num arsenal de coisas idiotas; coisas de nós mesmos com desaforos entre outros desavindos trastes e, contrastes.

Desaforos assim importados e reflectidos em silêncios esquecidos dum passado solto e, assim, mais assado, salto o muro dos sentidos encastrando-os na experiência actual, calamitosamente mascarados. Aprecio assim o Mundo pela TV, uma tristeza sondada nas horas com vírus e mortes mais gráficos, gente sem trabalho e, na forma pasmada, fico nos sentimentos sem poder acudir uns ou absolver outros porque, nem estou minimamente creditado a dar a extrema-unção e porque só uso escapulário quando vou ver o Sporting…

Araujo194.jpg Nem mesmo acreditado para desenaltecer gente trafulha até à raiz dos cabelos. Rezando uma ave-maria ou um pai-nosso pelos carecidos porque, os safardanas, esses, nem o merecem estando mortos, moribundos da silva… Tentando compreender as cigarras no seu preço de viver só cantando e, muitos outros feitos formigas encalhados em penúrias, sem escolhas nem direito a contragostos.

Num acusa e descusa de um descaso anormalmente ocasional levado à sonegação, continuamos nos despropósitos murchados nos dados ou empolados nas estatísticas sanitárias e até necessárias para ajeitar remendos tecnicistas do deve e do haver, do comércio e afins mais a engenharia financeira de tentar recuperar pérdidas, países em conflito com gente de gabarito ou homens de letras comendo lisuras…

araujo193.jpg Isso! Comendo lisuras como se o fora açorda fria com bacalhau cru, demolhado em leite de cabra, uma pitada de poejos para ventilarem na perfeição seu arejar de catavento com uma crista vermelha de impressionar e, assim respigar ordens e retaliações com os olhos esmaltados em desbotado verde e protegidos por folhudas pestanas que luzem uma espécie de nervosa calmaria, ressurgindo nela um fundo de alma.

Alma!? Isso é o quê? Isso não é mesmo coisa interna, muito mais que dentro, apresada no que cada um tem nas "intersticiais" apoplexias do sistema nervoso, no linfático das partes do templo e arredores do cerebelo, do que pensa ou não pensa, porque nem sempre as pessoas estão mais sempre iguais. Isso! Afirmam-se e desafinam-se e sempre recordando como se ainda não o fossem: - Terminados. Pois então! Lá teremos de nos reconstruir…

Ilustrações de Costa Araújo

O Soba T´Chingange 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 21:09
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sexta-feira, 25 de Setembro de 2020
FRATERNIDADES . CXXVII

ANDO ENKAFIFADO – OPÇÕES DA VIDA

Crónica 3061 - MEDITAÇÃO DO T'CHING - 24.09.2020

soba002.jpg T'Chingange - no Al Garbe do M'Puto

rosa 1.jpg A ambiguidade e a incerteza, foram sempre características do ser humano e, só os poetas transformam estas minudências em força. Eles, os poetas, acalentam sonhos e planos para a nossa sociedade utópica mas, e, ao invés de verem, eles usam o olho do seu templo, o olho de sua intelectualidade.

Com sua fantástica estrutura, o olho foi definido pelo neurocientista Mark Bear, em seu livro Neurociências: Desvendando o Sistema Nervoso, como um “órgão especializado para a detecção, localização e análise da luz”...

roxo3.jpg Pelos olhos se identifica o caminho pelo qual as imagens se transmitem ao cérebro. Nessa interacção olho-cérebro, somos capacitados a ver todas as coisas. Desde a antiguidade que o poeta intelectual, assumiu esse papel em nossa sociedade.

E, é assim que entram em nossas vidas formatando nossa vulgar e comum vida em um "mercado público de ideias" usando sonhos, até por vezes o sofisma transcendendo ideias e, como se o fizessem na mágica proporção, por amor à verdade e à justiça...

roxo79.jpg Porém, há riscos. Que tipo de imagens, das incontáveis entre as captadas, permitimos serem gravadas no excepcional computador que é nosso cérebro? Eles, os poetas, socorrendo-se por vezes de um sentido crítico, recusando por norma as formas simples...

Recusam ideias prontas, feitas para consumir e colaborações complacentes com as acções daqueles que detêm o poder ou mesmo outros espíritos, não se esfarelando em pacifismos também por o serem, testemunhas críticas do seu tempo... Sim! Tudo parece uma contradição...

roxo81.jpg O verdadeiro intelectual, é um fabricante de consensos nos quais nós nos demoramos em admiração? Pois! Certa ocasião, o Padre Antônio Vieira disse que “a maior graça da natureza, e o maior perigo da graça, são os olhos. Duas luzes do corpo,  dois laços da alma”...

Quem tem dois olhos encherga a profundidade  por estereoscopia. Por uma fresta apenas pode ver um plano sem profundidade. Nessas duas “janelas da alma”, pode também entrar o brilho embaçado convidativo ao desvario; o padre Vieira defenia isso por pecado mas, eu que estudei trigonometria, ângulos e rectas, sei que o pecado, ou a graça da luz divina, cabe-nos na decisão de usar o cérebro, o templo, o tal olho invisível que se diz ter cor púrpura...

roxo94.jpg Agora, com ou sem pecados, travamos um combate incessante contra os poderes das trevas (um tal de vírus cvid 19 ). A mente é o campo onde a batalha será decidida para o bem ou para o mal. Mas, o problema vem dos outros  que nos transmitem  a treva e, aí estamos ou estaremos tramados, mesmo sabendo que a hipotenusa é a raís da soma do quadrado dos catetos... Isto pró vírus, já era! E, os poetas só podem vaticinar...

Nela, todos os dias se processam milhares de pensamentos e pequenas decisões que determinarão através de que mecanismos intrincados, tudo o que os sentidos captam (odores, sons, imagens) causa impressões indeléveis na mente. Essas impressões que comandam os sentimentos, ditarão nossa escolhas direcionando as decisões... Impressões que comandam hoje os sentimentos e, queiramos ou não, ditam  a actual Intoxicação Digital...

roxo53.jpgIlustrações de Assunção Roxo

O Soba T'Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 12:20
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quinta-feira, 17 de Setembro de 2020
KALUNGA . IX

MOKANDAS XINGUILADAS NO TEMPO. Crónica 3060

Moçâmedes / Baía dos Tigres /Angola - OS “NOSSOS” CÃES SELVAGENS – 14.09.2020

- Xinguilar: Palavra angolana que significa entrar em transe em um ritual espiritual… 

Por:

tigres1 Teresa Sá Carneiro.jpg Teresa Sá Carneiro

kimbo 0.jpg As escolhas do Kimbo

tigre01.jpg Tive uma infância feliz e muitos cães à minha volta como não poderia deixar de ser. Desde muito pequenos, eu e meus irmãos, vivemos entre eles. O nosso 1º, o querido Lumumba, um “vira-latas” rafeiro, amoroso que chegou a nossa casa no colo do meu pai (lembro como se fosse hoje) foi o nosso companheiro fiel até à adolescência. Acredito ter sido algum presente de um cliente pobre pois, era assim que meu pai, advogado, recebia o pagamento por trabalhos que fazia. Davam-lhe presentes lindos, sem qualquer sombra de dúvida. Ao chegar a casa e ao pousá-lo no chão da varanda, imediatamente, o Lumumba escondeu-se atrás de um vaso de flores. Tenho esta imagem gravada na memória tal como a do último dia que o vimos com vida, também em nossa casa, muitos anos depois. Algum tempo depois tivemos o Bobi, lindo, grande, de pelo grosso cor castanho-caramelo, que chegou a nossa casa acompanhando um amigo nosso de infância e, nunca mais quis ir embora.

tigres2.jpg Dócil e igualmente amoroso, ao contrário do que se dizia sobre o temperamento da sua raça, ele era um cão da Baía dos Tigres, região de cães selvagens. Por este motivo questionava-se se seria uma raça boa para conviver com crianças pequenas mas, a verdade é que ele foi o nosso fiel companheiro, e tal como o Lumumba, o grande amigo daqueles tempos de infância. A Baía dos Tigres era uma península isolada no Distrito de Moçâmedes, que depois se transformou em ilha nos idos anos de 1940, sem nada produzir nem plantar nas suas areias secas. Não havia água em nenhum lugar. Uma história ligava estes cães de raça " Cão Tigre" à minha cidade de Moçâmedes, outrora um dos maiores centros de pesca de Angola e, depois abandonada - vila fantasma. A pequena vila foi fundada por pescadores do Algarve, por volta de 1860, mas séculos antes já tinha entrado nos mapas de portugueses e ingleses pela invulgar quantidade e qualidade de peixe, que lhe valeu a alcunha de "Great Fish Bay".

tigre5.jpg Conta-se que no inicio do século XX teria acontecido um surto de raiva em Moçâmedes, e que o governador da época teria dado ordem para se executar todos os cães da cidade. Muitos donos rebelaram-se contra aquela situação e não querendo perder seus animais de estimação, resolveram metê-los num navio na calada da noite e levá-los para um local longínquo onde não pudessem ser encontrados. Assim, rumaram até à Baía dos Tigres que consideraram ser o melhor lugar para deixá-los. Ali já existia uma raça selvagem de cães deixados pelos Holandeses, os Bóhers, quando da ocupação da África do Sul e com a chegada dos cães da minha cidade resultou no cruzamento que levou à raça “Tigres”. Imperava a lei da selva onde só os mais fortes sobreviveriam; tornaram-se uma raça diferente. Eram ferozes, naturalmente selvagens. Adaptaram-se ao meio e, sobreviviam.

tigre02.jpg Pelo hábito de nadar para encontrar alimento, tornaram-se excelentes nadadores. Eles bebiam água do cacimbo enquanto as gotículas não se misturavam com a água salgada. Era na crista das ondas do mar que encontravam essas gotículas adocicadas para matarem sua sede. E, assim esta raça, sobreviveu adaptando-se às condições agrestes daquele deserto, um canto das terras do fim do mundo. Viviam em matilhas, completamente isolados, alimentando-se de peixes e focas que vinham na Corrente Fria de Benguela desde a Costa dos Esqueletos - Cape Cross, aparentemente sem precisar de água para viver - ouvia meu pai dizer isso desde muito pequena, sobre aqueles cães.

tigre9.jpg Mas tudo não passava de uma cisma, acreditava eu! Viviam em nossas casas como qualquer outra raça, e não eram poucos, pela cidade. Realmente cães grandes (impunham um certo respeito) mas,  os domesticado, não faziam mal a ninguém.  Devo ao Bobi uma aventura da minha pré-adolescência; a minha guarda até altas horas de uma noite após ter chegado a casa depois de uma festa de aniversário de uma amiga. Meus pais tinham saído, meus irmãos já dormiam, e uma familiar que estava em casa com responsabilidade de me abrir a porta adormeceu; claro que fiquei do lado de fora. Sentei-me no chão da varanda sem saber o que fazer e já quase dormitando em cima da pedra, sinto o Bobi puxar-me pela roupa e, lá fui eu com ele. Levou-me até ao outro carro do meu pai que estava no fundo do quintal guardado na garagem da casa. Entrei, tonta de sono, deitei-me no banco de trás; ele sentou-se do lado de fora, de plantão. Sei que a porta do carro estava fechada mas não me lembro de ter sido eu a fazê-lo. Foi assim que meus pais me encontraram, já alta madrugada, mas só após terem ido àquela hora até casa da minha amiga aniversariante para saberem onde eu estava. Foi uma noite tensa! Este foi o Bobi o “feroz” cão Tigre que nos acompanhou por tantos, e tão felizes anos da nossas vidas.

tigre0.jpg Adenda 1 - Teresa Sá: Numa explicação mais detalhada acrescento o seguinte: de menor densidade, as gotículas de água doce ou seja, o orvalho da noite (o nosso cacimbo) depositadas em noites sem vento na crista das ondas, permaneciam por algum tempo sem se misturar com a água do mar. Era assim, logo pela manhã, bem cedo que os cães se jogavam ao mar para matarem a sede. Eram um relógio da natureza bem intrincado! Acredito que, em noites de vento esse orvalho não se depositasse e, eles quebrassem esse ritual lambendo as pedras roliças impregnadas desse cacimbo. É realmente muito interessante e estimulante pensar-se em tudo isto.

luderitz14.jpgAdenda 2 - José Augusto D. Ferreira: Conhecia a história dos cães "Baía-dos-Tigres". Eram, remotamente, descendentes dos "Cães d`Água" algarvios, levados de Portugal pelos pescadores que os utilizavam como auxiliares na pesca. À mistura com cães domésticos ou de estimação, foram levados clandestinamente para a Baía dos Tigres com a intenção de os resgatar mais tarde, por fazerem falta no trabalho. Pelo isolamento, cruzamentos sucessivos, e auto-selecção pela lei do mais forte, adquiriram características uniformizadas. Nos anos 50, o veterinário Dr. Abel Pratas, após a escolha e captura de vários exemplares selvagens, obteve o apuramento e a estabilização de uma nova raça de cães que, mantendo a designação "Baía-dos-Tigres", foi registada oficialmente. Tive a oportunidade de ver alguns deles em Luanda, numa das exposições realizadas para a divulgação da raça. Castanhos ou negros, pela pelagem e morfologia faziam lembrar os "Cães-de-Água", mas eram maiores. Julgo que a raça já não existe por vários motivos, entre eles a descolonização. É possível que os cães dos Bóers fossem da raça "Leão da Rodésia" (Ridgeback). Ver no Google em "Cães da raça Baía dos Tigres", na página "Gente do meu Tempo (Baú de Recordações)". O texto é longo mas interessante.

luandino2.jpg Adenda 3 - Anónimo: O nome de baía dos tigres deve-se ao facto de, por efeito dos ventos formarem-se nas dunas junto à praia listas a toda a altura das mesmas c/ alto e baixo-relevo, umas com a cor castanha da areia outras mais escuras, o que visto do mar lembrava a pele de um tigre.

A baía dos tigres tinha nos anos 60, administração e junta de freguesia, posto da guarda-fiscal, correios, hospital, delegação marítima escola primária, igreja de S. Martinho dos Tigres, um clube desportivo e recreativo, uma carreira aérea bissemanal. Inicialmente a vila era abastecida de água por navios da companhia portuguesa "Sociedade Geral" posteriormente com a conclusão das obras de captação na foz do rio Cunene, acabou o racionamento da água.

Foi uma festa a sua inauguração. Inúmeros habitantes dedicaram-se logo ao cultivo de pequenas hortas, plantio de árvores casuarinas. Tudo morreu, tudo foi abandonado com todas as incertezas antes e pós independência do país.

Foi pena pois muita gente, ainda hoje tem saudades daquela terra inóspita, difícil, que foi habitada por homens e mulheres, Madeirenses de coragem que ali investiram toda uma vida de trabalho e onde ficaram sepultados os seus antepassados.

Teresa Sá Carneiro - 14-9-2020



PUBLICADO POR kimbolagoa às 11:21
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quarta-feira, 16 de Setembro de 2020
KANIMAMBO . LXX

REGRAS DE VIDA - A liberdade de sermos saudáveis ou morrer por coisas impensáveis

-  Crónica 3059

Kanimambo é obrigado em dialecto Changana de Moçambique …

Por

soba02.jpgT´Chingange – No M´Puto … Al Garbes

4 DE JUNHO.jpg Na nossa língua Lusa que advém do latim, da junção dos termos CUM e TEMPLUS, originou a palavra “contemplação”, um espaço aberto que nos leva a interpretar os sinais do futuro e, aonde cabe ver-se o infinito dilatado de nossa existência. Assim, numa necessidade de aprender a arte de viver com conteúdo substancial, vivenciaremos o ganho de consciência de que estamos dentro do tempo.

Fazendo ou produzindo, aprendemos necessariamente a arte de viver com a capacidade de aferir a cada momento o direito de se ser. E afinal, o que nos permite relançar a vida, serão coisas, muitas e pequenas, que necessitamos reaprender com as variações em sua maior parte, alheias a nós – obrigações.

deserto1.jpeg Temos, quando temos e, quem tem, uma casa com varanda mais um terraço com vistas para o jardim e também o alcance a um lugar que visitamos, um recanto para passear e ler uma revista, um livro ao fim do dia, dar um passeio à montanha a ver o pôr-do-sol vendo lá à distância a praia com o sol a reluzir reflexos na água que nos cegam; a neblina que desce ao cair do lusco-fusco.

Paraíso de estampa estival luzindo nossa cabeça, tracejando nossos caprichos – um dia de cada vez sem um fito utilitário de se chegar a algum lado. Há dias e dias! Há dias de um irritado pessimismo e outros de tão naturalmente optimistas que como um carneiro, jogamos orgulhos contra obstáculos de repetidas coisas.

tanzânia II 058.jpg Eternas repetições de males antigos, males de imaginações insatisfeitas, amargas desilusões sem fermento na tristeza. Sem vontade de tormentos, certo! … O certo é de que quanto mais se sabe mais se sofre. Há fastio de inteligência! Há tédio! Há vontade de mandar tudo fora e partir vidraças, emudecer brilhos, despedaçar bocejos.

Mas, desde quando um carneiro tem orgulho? Tão abarrotado de civilização, espreito os meses farejando raças sob o abrigo de suas telhas vãs no calor da lareira, panela atestada de couves tronchas, frigideiras com unto branco de porco, uns chouriços de pendão.

carvão4.jpg Em verdade a idade de ouro, da prata deu lugar ao nióbio e colton, minerais e novas ligas a desfasar panelas tisnadas, trempes de ferro sempre aquecidas entre troncos de oliveira e borralho esparramado. Tudo mudou desde Nova Yorque a Istambul ou de Luanda a Dar-es-Salam e, sopra um vento que machuca com exilio nosso interior intelectual, emparedando nossos mosaicos bizantinos e, até amaciando com cal o rosto de Cristo.

Nos fios de gastas crenças, tão corcovado, tão gasto, enrodilhado em suas macias filosofias de mineiro de volfrâmio, recordo meu pai Manel, embebido, travado e suspirando baixinho, revendo sua miúda indecisão de viver, vendendo volfrâmio a Hitler para sobreviver. Um dia de repente, com um trejeito de esforço, meu pai, endireitou-se emperrado e cresceu! E, falou: - Amanhã vou à Companhia Colonial de Navegação inscrever-me - Vou para Angola! E, foi…

mouzinho1.jpg E, eis que um amigo virtual das redes sociais insistiu comigo para ouvir a “conversa com Deus tida por Spinoza”, alguém que nem sei quem é. Como um hermeneuta ouvi e até anotei dizeres tentando interpretar o sentido das palavras, ajustá-las ao conhecimento e leis universais mas, desconsegui.

Porquê!? Porque considerando os códices e textos sagrados ou até a arte da imaginação, anoto aqui e agora o pensar que me fez correr a pena. Nesta literatura de aspecto volátil, coisas desprendidas, teremos de conceber haver situações que ainda estão em construção nas equações de nossas vidas como por exemplo o espaço-tempo que é quadrimensional, união de pontos chamados eventos. Chegado aqui, meu substrato pifou; vou ali e já venho…

Nota: Publicado em KIZOMBA  do FB a 13 de Setembro de 2020

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 10:39
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 13 de Setembro de 2020
CAFUFUTILA . CXXX

TEMPOS DE 100KIBOM. O Pão, a vida e NOÉ ... Divagações do T'Ching – Crónica 3058

– PARALÉM DA JUSTIÇA... Dois pesos e duas medidas

Por

soba002.jpg T´Chingange No M´Puto, Al Garbes

Cafufutila / kifufutila: Farinha de bombô com açúcar; Kibom é um sorvete do Nordeste brasileiro…

roxo3.jpgÀ expressão “dois pesos e duas medidas”, frequentemente mencionada no contexto dos negócios e relacionamentos do dia-a-dia, atesta que as pessoas em geral estão muito distantes desses nobres princípios... “Usem balanças de pesos honestos, tanto para cereais quanto para líquidos, foi dito no capítulo de leis do livro dos livros, que visavam proteger os direitos dos pobres, trabalhadores, surdos, cegos e estrangeiros lá no antigo mundo com Moisés anunciando ordem ao povo...

roxo10.jpg2 Assim como nesse tempo, também hoje nenhum privilégio concedido à nação justificará o tratamento discriminatório de qualquer cidadão – A distância mínima de dois metros serve para não se lançar kifufutila nos olhos, boca, nariz e orelhas dos outros. Assim o deveria ser mas, na prática, a verdade fica debilitada logologo na acção da justiça hodierna... A missão de justeza naqueles idos tempos, incluía a todos. Pessoas de qualquer origem deveriam ser amadas e acolhidas pelos donos do mando a fim de que fossem atraídas ao verdadeiro exemplo. Eram valores a respeitar...

ROXO18.jpg 3 Havia uma razão pela qual os israelitas e outros senhores, governadores e imperadores, deveriam ser honestos no trato com o semelhante: Isso era tudo para um povo que desejava fazer diferença e honrar seu nome em libertado. Não podemos hoje esquecer-nos desse princípio de valores. Se entre nós não pudermos encontrar justiça e integridade, onde e aonde poderemos considerar haver condições no mundo global em que, não desprezem esses valores? Sim! Aonde…

ara3.jpg4 Afinal, quando é que iremos ter "uma boa medida, calçada, sacudida e transbordante? Isso! Quando é que que esses “Paraísos Fiscais” serão alento para perpetuarmos a raça humana e, não somente, alguns. Usando esse antigo linguajar, qual a medida a usar para todos nós, que somos tantos, muito mais que muitos!? Como nos vamos medir... Alguns acreditam que a medida original do pé inglês era a do rei Henrique I da Inglaterra, que tinha um pé de 30,48 cm. Pois então, teremos em dois metros, 78,777 polegadas ou 2,18 jardas. Mas, será pelos pés, pelas mãos, pelo pensamento pelas acções? Não! Talvez pelo dinheiro, que tudo tende a comprar...

arau162.jpg5 A expressão comum no comércio oriental, “medida calçada, sacudida e transbordante” indicando que aquilo que fosse pesado ou medido deveria ser prensado, sacudido e, de modo que transbordasse do recipiente para benefício de quem receberia... Esses antigos tinham sua forma de pensar com retorno garantido: “A medida que usarem também será usada para medir vocês.” Pois! Eu, em tempos calçava a medida de sapato 73 mas, minguando, já só calço o 72 e, de unhas cortadas...

araujo102.jpg6 Normalmente, associamos estes princípios às questões materiais mas nesta fotografia falada teremos de não esquecer que para além de negociar, trocar, comprar e vender coisas, há virtudes e valores espirituais e fraternos a compartilhar de justiça e generosidade... Coisas dadas ao abandono! No choque do presente, um mundo imperfeito, também muito redondo nos silêncios, acho melhor nem referir o nome do patrão, do chefe ou do presidente. Eles são políticos e comem na mesma gamela… As circunstâncias medrosas não permitem que abra uma frente de guerrilha sem haver razões independentistas.

Ilustrações de: Assunção Roxo -1.2.3 e Mano Corvo Costa Araújo - 4.5.6

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 10:16
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sábado, 5 de Setembro de 2020
XICULULU . CXXVIII

FERIDAS QUE CURAM - No túnel da minhoca – (02.09.2020 em Kizomba)

Nabucodonosor foi expulso do meio dos homens e, passou a comer capim como os bois…  Em Kimbo Lagoa – Crónica 3057 … em 05.09.020

- Escrevi uma cónica, mas o editor comeu-a. Fiquei fulo e, vai daí andei buscando até que cheguei à crakolândia - piois, andava a ser fumada envolta em papel de embrulhar chouriço; pode!?

Por

soba25.jpg T'Chingange - No M´Puto

corneteiro2.jpg  Será que os Provérbios quando dizem que os ferimentos eliminam o mal e, os açoites limpam as profundezas do ser, estão certos ou, é só uma metáfora, um recurso tal como dizer-se que o amor é fogo que arde sem se ver!? Isto de usar a palavra sem um fim, nem sempre o é, auspicioso...

É comum vermos notícias de minas que desmoronaram. Em alguns desses acidentes, os mineiros conseguem escapar de modo quase. cinematográfico, como foi o caso do acidente na mina de San José, no Chile, em 2010.

dia89.jpg Em 5 de Agosto daquele ano, parte da mina desmoronou, deixando 33 homens presos em um espaço a muitos metros de profundidade. Sómente no dia 22 do mesmo mês, o grupo foi localizado - só de pensar nisto, dá - me uma asfixia claustrofóbica.

E, então, iniciaram-se os trabalhos de resgate. Para retirar os homens do interior da terra, foi cavado na rocha um espaço suficiente para passar a cápsula Fênix II. Ela tinha cinco metros de altura e 60 centímetros de diâmetro, espaço suficiente para levar um homem de cada vez.

IMG_20170823_120414.jpg Máquinas muito potentes foram necessárias para fazer o buraco pelo qual seriam trazidos os homens de volta à superfície. Sem aquele “ferimento” na rocha, não haveria salvação para os 33 homens.

Às vezes, estamos envolvidos em situações tão complicadas que necessitamos de soluções extremas e urgentes. Muitas vezes, a modos de permitir um milagre, passamos por grandes “perfurações” em nossas vidas para que, num finalmente, possamos dizer: Foi um milagre...

IMG_20170823_115859.jpg Na Bíblia, encontramos algumas situações em que Deus permitiu que alguém fosse atingido por um mal menor para que um mal maior fosse evitado. Quando isto passa por nós levantamos a mão ao céu em agradecimento mesmo que o sejamos descrentes nas horas de normalidade ...

No entanto, o exemplo de Nabucodonosor pode ajudar-nos a entender estes sussedidos. O orgulho de Nabucodonosor havia soterrado seu coração. Se continuasse daquele jeito, o rei estaria perdido. Porém, permitiu-se que a sentença sobre Nabucodonosor fosse cumprida imediatamente. Foi expulso do meio dos homens e passou a comer capim como os bois.

IMG_20170705_093528.jpg Seu corpo molhou-se com o orvalho, até que "os seus cabelos e pelos cresceram como as penas de uma águia, e as suas unhas como as garras das aves”. O próprio rei reconheceu a importância daquele período difícil...

Quando a providência com provérbios destes permitem que problemas cheguem às nossas vidas, tenhamos paciência, pois pode ser que se esteja cavando o buraco pelo qual a paz terá acesso a cada um de nós.

kuvale5.jpg As feridas permitidas podem ser remédios para nossas maiores dores... A vida é sempre muito repleta de surpresas! Calma! Isto vai passar... Eu, até já ando a comer erva cidreira, folha de abobreira, gimboa, beldroega e rama de batata doce...

O Soba T'Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:05
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quinta-feira, 3 de Setembro de 2020
MUJIMBO . CXVI

MEDITAÇÕES DO T'CHING... Crónico nº 3056

ATITUDE RADICAL - Se o teu pé te faz tropeçar, corta-o... Um exagero feito forma de falar... - 01.09.2020

Por:

t´chingange 0.jpgT'Chingange No M´Puto do Al-Garbe

barao1.jpg De vez em quando, ouço pessoas, adultas anunciarem seu desligamento das redes sociais. Algumas descobriram que o tempo gasto na internet roubou delas porção ainda mais preciosa, que deviam empregar em comunhão com a Natureza, pois então...  Actividades mais frutíferas para si mesmas, para os semelhantes e para a eternidade, não se cumpre por omissão. Um deixa para lá porque Roma e Pavia não se fez num dia...

cinzas8.jpg Ninguém nega o valor das plataformas virtuais para interacção entre amigos e familiares, comunicação em tempo real à distância, e mesmo pregação duma fala mais convincente. Porém ocorre, que o inimigo sempre vai encontrar uma brecha para sugerir distrações ociosas...Isso! Conversação vazia, desperdício de tempo e armadilhas pecaminosas com muitos seios muitas, artimanhas eróticas e merdas sem sentido no aqui e, no além.  Sei de pessoas que caíram nas malhas do descaso, bem como de relacionamentos familiares que foram abalados ou mesmo partidas por via de comportamentos pecaminosos ou snobismo sem nexo.

girasol1.jpg Coisas que se oferecem inicialmente com a promessa de falsa segurança, sigilo e anonimato que somente ele, o dito cujo, sabe forjar. Pura e demagógica falsidade... No entanto, as redes sociais não são os únicos inimigos que se interpõem entre nós e o perigo. Há relacionamentos impróprios que como pecados acariciados, entram em muitos de nós. Por isso se recomenda que nos submetamos a uma cirurgia radical cortando o mal pela raiz! Mutilação de qualquer coisa que tenha o potencial de impedir nossa integridade...

ciga0.jpg Mateus, em seu quarto discurso do evangelho, adverte contra o perigo de se causar escândalo a quem quer que seja, pois os resultados podem ser eternamente fatais. E Isto, o mundo de hoje, todos o fazem com naturalidade, infelizmente.  E, caso ainda haja consciente ligação com qualquer causa indutora ao pecado e escândalo, este é o momento de renovação. Sejam radicalmente descartadas, pessoas ou coisas que se interponham entre o seu discernimento e a lógica das causas e efeitos... Detesto snobismos...

petrolina3.jpg Será melhor seguir preventivamente o conselho de Charles Spurgeon: "Não permita que seus pés andem voluntariamente  por lugares lamacentos. Nem permita que seu coração se encha com amargura”...

O Soba T`Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 21:37
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

RELOGIO
TEMPO
Weather Forecast | Weather Maps
Outubro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

16

18
19
20
21
23

25
26
27
29
30
31


MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
CAIXA MUSICAL
ONDE ESTÁS

Sign by Danasoft - Myspace Layouts and Signs

blogs SAPO
subscrever feeds