Quarta-feira, 29 de Junho de 2022
KALUNGA . XXII

NAS FRINCHAS DO TEMPO - VII

- KIANDA COM ONGWEVA … Às margens do Tejo em Toledo

Crónica 3222-A de (31.12.2021) – 29.06.2022 

Por soba24.jpg T´Chingange  (Otchingandji) - No AlGharb do M´Puto

tonito3.jpgCA -  AS TÁGIDES DE TOLEDO - Salaam Aleikum em terras de “ Castilla La Mancha” já na cidade de Toledo. Prometi a Roxo que iria socorrê-la com uma lenda do mar um verdadeiro golfinho feito homem. Tive de recorrer a Januário Pieter uma kianda que me serve - Passeamos por Alhambra mas, ambos voamos para Toledo pois que era ali que meu Mano Corvo Araújo nos esperava na ponte San Martin sobre o rio Tejo. Há dois mil anos atrás, Marco Fúlvio comandando as legiões Romanas conquistou a cidade de Toledo. O mesmo rio que então a contornava, o Tejo, continua correndo sendo atravessado pela ponte pela qual passam os peregrinos que se dirigem a Santiago; Trata-se da ponte de San Martin do Caminho de Alicante.

Era aqui o encontro e, com efusivos abraços os Manos Corvos aqui cruzaram águas quentes nas outras frias, que ali por debaixo corriam rumo a Lisboa. Até foi patética esta cena; bem cedo num treze de Maio dum ano falecido, Januário festejou connosco e como testemunha o pacto desta amizade. Cuspimos depois nas mãos e chispamos um aperto de união; voltaríamos a fazer isto muito mais tarde num tempo sine die. Em ambos, a kianda Pieter pousou sua mão em nossos templos, nossas testas, deixando um viscoso liquido parecido com azeite.

toledo20.jpgCA - Este sítio de Toledo estava destinado ao gozo de férias de primavera das ninfas do rio Tejo (Tajo). Aqui, a partir de 1580, os espíritos instigados por “El Greco” recordam momentos épicos na companhia dos novos membros da Kianda e Mutakalombo; estes, cheios de notícias frescas dos mares de N´Gola em África, conferenciavam com sereias, nereidas e musas tomando aqui, todos, o nome de tágides (rio Tajo) – as primitivas kiandas que surgiriam desde o Zaire ao Kwanza, lugar ainda mal conhecido neste então.               

Só muito mais tarde iriamos saber que entre estas estavam as primogénitas das kiandas Roxo e Oxor. Cantando, à gente nossa, gente vossa, que a Marte tanto ajuda, refrescavam-se nas águas com cantos de Camões recordando o Deus da guerra, filho de Juno e de Júpiter guardião dos exércitos troianos.

As tágides conciliavam-se aqui com a vida espiritual, trocavam experiências com as novas tendências da Globália, reciclando-se em congressos de cristandade ouvindo Simbi e N´kuuyu. Aquele lugar ficava um Pambu N´jila como se estivessem na Mazenga, a ilha do descanso dos muxiloandas, sombras de casuarinas e coqueiros. O exotismo dos trópicos espalmava-se ali, na Mancha de Cervantes. O maneta Manuel de Cervantes y Saavedra autor da obra “Dom Quixote” desencantado com a guerra e as gentes, lutava com moinhos na vasta planície de “La Mancha” com muito Suko e, associando-se a esta espiritualidade, retemperava os mudos intervalos divertindo a tertúlia com contos de ridículos cavaleiros  e paródias de entretimento.

toledo21.jpgCA -  Eram momentos retemperadores recuperando Mutalos desavindos recorrendo por vezes à kianda Koxo e o Mestre Costa, uma verdadeira arte estirada por “El Grego”, ele também impregnado de muito Suko - a kianda e Mano Corvo Araújo, o magnifico grego de nome Doménikos Theotokópoulos! Nesta rota peregrina, cruzando o caminho de Alicante imaginei Sancho Pança apaziguando seu amo dum ímpeto destemperado com moinhos de vento ridicularizando heróis da fancaria. Foi a partir daqui que se organizaram cursos de deformação (algumas grotescas), fantasias de mordaz parodia e ironia na escrita e cores com longos rostos na pintura contrapondo aquilo que se passou a designar de burlesco.

Pude admirar nesta terra de Aragão um quadro de “El Greco”, em que as tágides ou Kiandas se contorcem em risos aéreos, vendo-se em fundo a cidade de Toledo, a “la puente de San Martin” sobre o rio “Tajo” e, um arco iris assinalando o local daquela reunião de espíritos. E ali andava eu T´Chingange um feiticeiro acomodado a novas tarefas de agrado, partilhando e recebendo conhecimentos avondo.

tonito1.bmpAM - É este um assunto deveras interessante a deslindar ao mulato ressequido Januário Pieter pois que estão ali também as Kiandas da Mazenga, as tetravós de Roxo e Oxor e, dois negros Mutalos com grilhos presos a bolas pesadas e escuras alongando-os como que puxados para a terra. E, nos pescoços, umas barras redondas de ferro contornando-os por detrás de umas orelhas aladas amarradas às nuvens de Toledo; seriam escravos de N´Gola pela certa!

Ainda tinha na retina a imagem dum negro com semblante muçulmano que comigo cruzou em um lugar de nome “Bargas”. Este jovem senhor que se dirigia a terras de África através de Algeciras, tirou as meias, lavou os pés e, descalço refugiou-se numa sombra de alfarrobeira mais distanciada; estendeu a sua jaqueta no solo, ajoelhou-se colocando suas mãos sobre esta, baixou sua cabeça até tocar o solo por várias vezes orientando-a para um determinado ponto. Era a sua Meca distante com Kiandas diferentes, O seu Pambu N´jila.

roxo210.jpgAR -  Aquele muçulmano, talvez marroquino, talvez argelino, ao passar por mim, riu-se em cumprimento mostrando até seu dente escandalosamente dourado, fez uma suave vénia de uma simpatia diferenciada, cumprimentando-me: - Salaam Salaam. Eu era um privilegiado, cidadão Niassalês, cidadão do mar alto, cidadão do mundo. Ele, um mustafá, viu em mim a aura de Pieter, talvez, a Kalunga N´Gombe, o “ Sangue de cristo”, T´Chingange do mesmo Cristo vestido com cores de púrpura.  Eu, respondi: - Salaam Aleikum.             

tonito2.jpegAM - GLOSSÁRIO: Salaam Aleikum: - da fé islâmica, fique na paz de deus, que a paz esteja convosco; Kianda: - Espírito das águas na forma de sereia, ritos de Angola; Mutakalombo: - Espírito das águas com incidência nos animais que nela vivem, divindade das águas; N´Gola: - Palavra bantu que quer dizer Angola; Marte: - Deus da guerra na mitologia Romana, filho de Juno e Júpiter, amou Vénus de forma adultera...; Simbi: - Espíritos ancestrais saídos do Kikongo com dois firmamentos, céu o lugar de deuses e terra, domínio dos mortais, na hierarquia espiritual são os avôs dos vivos; Nkuuyu: - são os espíritos pais dos vivos; Pambu N´jila: - Espaço místico, agente de ligação entre o espaço físico e místico, Elo que liga os seres aos Minkisi, os elementos fogo, água, ar e terra; Mazenga. - Ilha das cabras, Ilha dos loandos, ilha dos N´zimbos ou Ilha de Luanda; Suko: - Pessoa prodigiosa ou alucinada; Mutalo: - espírito de morto por feiticeiro sem ordem de N´zambi; Kalunga / Calunga N´Gombe : - divindade abstracta podendo ter a forma humana que preside ao reino dos mortos, em Umbundo é um Deus, em Kimbundo é o mar, sereia na forma de homem musculoso tipo o Adamastor dos Lusíadas; Kozo: - Objecto que invoca um ou mais espíritos. T´Chingange: - Feiticeiro, cobrador de impostos, assessor do rei ou Mwata, ministro de todas as relações; N´Nhaka: - Plantação

Notas 1: Este episódio já foi publicado em KIZOMBA FB – trata-se de repor o texto no arquivo base de KIMBOLAGOA;  Nota 2: CA - Costa Araújo; AM - António Monteiro; AR - Assunção Roxo

Da N´Nhaka de: O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 06:35
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Terça-feira, 28 de Junho de 2022
MALAMBAS. CCLXV

TEMPO DE CINZAS. (24.09.2021) – 28.06.2022

Crónica 3221 - A “TEORIA DA INCERTEZA” e os BITCOINS - Oportunidades e pedidos…

MALAMBA: É a palavra.

Por soba0.jpeg T´Chingange – (Otchingandji) no AlGharb do M´Puto

malamba01.jpgCA -  Você já teve a oportunidade de fazer um pedido para alguém muito importante? Como foi atendido? Certa noite, Deus apareceu ao rei Salomão e disse que ele poderia pedir o que quisesse. Que acontecimento incrível! Você já imaginou se Deus aparecesse hoje à noite ao pé de sua cama e lhe fizesse essa proposta?

O que você diria? A resposta não parece ser tão simples. Instantaneamente, nos lembraremos de nossas necessidades. Alguns quererão entrar em uma boa faculdade, outros precisarão de um bom emprego, de um bom casamento e de coisas importantes como dinheiro, moradia entre milhares de opções…  

malamba1.jpgSelo do Soba -  Enfim, a lista é grande. Mas parece que Salomão não se assustou com a proposta nem pensou muito para pedir. Ele pediu sabedoria para conduzir seu povo. Ao ouvir o pedido de Salomão, o Senhor Se alegrou; assim está escrito... O jovem rei pediu sabedoria para cumprir a tarefa divina confiada a ele. Como resultado, Deus lhe concedeu muito mais do que ele sonharia: sabedoria, riqueza e glória incomparável.

Esse relato bíblico é fenomenal. Entretanto, por que apenas Salomão teve essa oportunidade? Se tivesse a mesma chance, que pedido você faria? Há uma grande probabilidade de que Deus não Se manifeste novamente dessa forma a uma pessoa.

No entanto, ele dá essa mesma oportunidade a você. Sabia? O que ocorreu a Salomão, pode acontecer também connosco. Não acredita? Veja o que Jesus falou em Mateus: “Peçam, e lhes será dado; busquem, e encontrarão; batam, e a porta lhes será aberta.” Deus é justo e trata todos os Seus filhos com igualdade de possibilidades".

arau44.jpg CA -  Num suponhamos de metáfora quase podemos visualizar A NATUREZA falando por intermédio de Jesus: “Meu filho, peça o que você quiser”. O que você vai fazer com essa oferta? Pense em como você poderia usar essa bênção. Então peça, e A NATUREZA lhe dará muito mais... "Gratidão é o que temos para expressar por tudo que vivemos nos anos que se seguem". Gratidão pela vida, pela saúde, por nossa família, amigos e trabalho. Gratidão porque Deus esteve connosco e nos ajudou a vencer um dia de cada vez e nos trouxe até este último dia. Passamos também por momentos difíceis, mas teremos muito mais para agradecer com um obrigado! As guerras não podem durar todo o sempre…

Em 2022 continuemos com muita força, saúde e fé e, que seja pleno em realizações dos nossos sonhos e planos. " Bom e abençoado último minuto de cada tempo com esta natureza que ainda andamos a desbravar... Não esquecer que ainda andamos a nos construir... Lendo a “teoria da Incerteza” de Arlindo Donário e Ricardo do Santos sobre como aplicar pecúlios, acabei por ficar taciturno sem saber se fico como estou ou avanço para a aventura dos BITCOINS… O princípio de incerteza de Heisenberg é um dos pilares que conceituam a física quântica. De acordo com esse princípio, em sistemas de escalas reduzidas, como nos átomos e moléculas, grandezas relacionadas, tais como quantidade de movimento e posição, não podem ser medidas simultaneamente com exactidão…

ara10.jpgCA - Para se entender perfeitamente o alcance e o real significado do princípio da incerteza, é necessário que se distingam três tipos reconhecidos de propriedades dinâmicas em mecânica quântica: 1- Propriedades compatíveis: são aquelas para as quais a medida simultânea e arbitrariamente precisa de seus valores não sofram nenhum tipo de restrição básica. Exemplo: a medição simultânea das coordenadas x, y e z de uma partícula. A medição simultânea dos momentos px, py e pz de uma partícula; 2- Propriedades mutuamente excludentes: são aquelas para as quais a medida simultânea é simplesmente impossível. Exemplo: se um eléctron está em uma posição xi, não pode estar simultaneamente na posição diferente xj; 3- Propriedades incompatíveis: são aquelas correspondentes a grandezas canonicamente conjugadas, ou seja, aquelas cujas medidas não podem ser simultaneamente medidas com precisão arbitrária… Com calma lá chegarei – até já pedi ajuda a Salomão…

Ilustrações de Cosa Araújo

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 19:55
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Segunda-feira, 27 de Junho de 2022
SUKUAMA .1

TEMPOS DE PERLIMPIMPIM

- Com Fala Kalado, o Ex-Coronel – agora General emérito da Luua...

Crónica 3220 - 27.06.2022 - Uma estória revisitada num passado recente

PorSoba T´Chingange brasil.jpg T´Chingange (Otchingandji) - No AlGharb do M'Puto

ekuikui1.jpg Kambuéti - Contar estórias feitas missossos ou mussendos é muito, muito de dificultoso. Nelas, não convém a gente levantar escândalo de começo porque só aos poucos é que o escuro fica claro! Ando a tentar continuar a estória do Fala Kalado, o General emérito que antes de anteontem era só de ex-Coronel mas, aquele homem, ficou por demais indefinido; diz que já cansou de ser de ex e vai ser o que quiser e que ninguém mesmo tem nada com isso e, ponto final.

Acantonado naquele imenso Brasil, com sua orelha parabólica no sistema de G5, batuca o tempo na mistura de dendém com peixe-frito; não pelos anos que já se passaram mas, pela astúcia catucada, fico assim cafuso com as coisas a remexer em nós, nos lugares e nas nossas convicções. Carregado na mistura de mangonha com astúcia, ao fim da tarde, jiboiando na esteira, escorre catinga de suor com kimbombo. A sombra do tamarindo dava-lhes o alento de ficar ali conversando, espreguiçando balelas, inventariando feitos de guerra e capiango.

Na conversa dele espirravam canivetes do tamanho de catanas mas e num repentemente girava trezentos e sessenta graus nele mesmo. Não é que às vezes (…), até parecia chorar! Lágrima de crocodilo, só podia, só pode ser! Já a noite cobria nas sombras com barulho das cigarras a ficar sonso quando, da boca de Kambuéti, o sem-perna fazendo banga fécula, com a sua nova muleta de pau kibaba, espectaculava surgido do nada, ouvi a cena que se segue dum sonho gasto no tempo: - Sucuama! Te conto só!... Tenho de mudar minha vida e, emudecia passando logologo para uma maka qualquer que só era mesmo de sonho - (kambuéti deve ser o anjo da guarda dele com uma perna que lança petardos fragmentantes…)

poluição.jpg Assim que num agora, num repentemente, acho que nem não, porque são tantas coisas, tantas horas de pessoas e, tudo muito recruzado. Acho mesmo que fumou liamba para desbaralhar sua má memória, tempos de caganifobeticos acontecimentos. Os cientistas desenvolveram uma orelha em impressora 3D e aplicaram as células, que formaram uma orelha animal; tal e qual aplicada na face lateral do FK, o agora General (futuro Comendador)... E, estas altercações devem ser provocadas por tanta mistela, milongos de reconstruir fissuras…

Vi isto ao vivo e a cores lá na Petrolina do Brasil, colada na lateral do meu amigo ex-coronel FK promovido a General emérito - Fala Kalado com sua orelha parabólica no sistema de 5G! Devorando-nos até ao tutano, besuntamo-nos no visgo sem os contornos monstruosos de kalashnikov a tiracolo ou os monacaxitos de mata-mata porque ambos saímos na guerra do tunda-a-munjila xindere, titubeia ele com vírgulas de auié e asneiras de topariobé entre outras muito mais asneirentas…

zumbi6.jpg Zumbi -  As mazelas da guerra com estrondo de quando o espírito da gente é cavalo e escolhe entrar no sítio errado para se fincar, Aiué... Coisas passadas que se agarram no olhar, com ligação directa àquela orelha de plástico-moldável, amputada para matarem a surdez. Aos poucos apercebemo-nos que todos os órgãos estão ligados porque em verdade um pico no dedão do pé afecta a cabeça sim; nunca iremos entender-nos em perfeição dizia ele com frequência. No tentar compreender esta fricção sempre, sempre saio amachucado…

Sempre repete que não deu a devida estimação às palavras daquelas que sempre têm de ficar inteligênciaveis. Agora tem de agigantar-se com e, também com perna suplente de implante. Ficamos ambos combinados em ir ao Morro dos Macacos a visitar o Zumbi dos Palmares mas, o tempo desencontrou nossas vontades neste enfiar de ideias, no achar de seu rumozinho.

araujo1.jpg Sei de antemão que já tudo mudou, que no futuro até vai ser Comendador (só eu o sei), mas como e por agora ando repondo as prateleiras no tempo assim têm de ficar por não poder descontrolar o azimute da vida. Caminhos do que houve e, do que não houve porque não vale a pena morrer de vésperas. Às vezes não é fácil! Aquele homem, o Fala Kalado, continua indefinitivo... Só sei que tudo vai mudar porque na minha qualidade de “engenheiro espiritual” posso dar-me a esses luxos mesmo sem saber quando é que a guerra vai acabar… - “N´Zambi a tu bane n´guzu mu kukaiela”, Deus dá-nos força para seguir… Foi assim que terminamos o encontro…

(Continua…)

O Soba T Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 23:05
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

KALUNGA . XXI
UM HINO Á KALUNGA – VI
Crónica 3219 de 20.12.2021 em KIZOMBA - NAS FRINCHAS DO TEMPO
- KIANDA COM ONGWEVA … às margens do Tejo em Toledo…
– Com as kiandas Roxo e Oxor, algures na ânfora da nau do tempo …
Por soba0.jpeg T´ChingangeNo AlGharb do M´Puto

SOBA26.jpg Já era tarde naquele outro dia, Januário kianda fazia-se acompanhar com um personagem vestido de árabe bem ao jeito de Alibabá. Depois dos salamaleques ao jeito de confrades, logo após emborcar sua chávena de café Delta importado do M´Puto continuou: - Foi ela Isabel “la Católica”, que concedeu apoio a Cristóvão Colombo na busca das tão cobiçadas Índias ocidentais e, que o levou a descobrir as Américas, acontecimento que teve consequências na conquista dessas novas terras e a criação do Império Espanhol.

Estávamos noutras vidas, é verdade, mas desejosos que o rumo da conversa versasse coisas mais recentes e, por isso perguntei a Pieter o que é que ele pensava da nossa ida a Toledo a redescobrirmo-nos porque sei que pelos anais, também me formaram à sucapa “engenheiro espiritual” num lugar de Pambu N´jila da Fundação da Ordem da Imaculada Concepción, Palácio de Galiana. Neste mundo de Kalungas e Kiandas há coisas que sucedem  sem haver previsão;  esta minha ficha de espiritualidade caíu do nada... Enquanto isso e lá no palácio do Pambu N´jila, Costa Araújo I, seguiu as pisadas de um pintor Doménikos Theotokópoulos, mais conhecido como El Greco, pintor, escultor e arquitecto grego que desenvolveu a maior parte da sua carreira por ali.
  - TChingange meu amigo, falou Pieter: agora que nos reconhecemos avondo, pois que ambos o somos "engenheiros da kalunga" dir-te-ei que não será tão rápido que chegaremos à nossa N´Gola com  a banga fekula,  disse assim mesmo incluindo-se  nesta pretensão. E, continuou: Teremos de esperar até jorrar todo o petróleo pelo tubo ladrão. Falou assim para nós dois, ao qual nem dei  relevo na análise pensando referir-se ao seu assistente com nome de Petróleo (um aladino), e não àquele terra rica em alcatrão; era normal ele falar assim de coisas plasmosas com sofisticadas superstições, complicando-nos a veia pensadora! Nós, só ouvíamos!
Ele, a kianda, seguia para Cádiz com aquele coisa, seu adjunto Petróleo, mas decerto nos iria visitar a Toledo ou Alhambra de Granada para dias mais tarde. Assim falou sem definir datas com horas e minuto, se deste século ou qualquer outro como é vulgar nas kiandas ambulantes do espaço; Com dúvidas persistentes talvez aí pudéssemos pôr os assuntos em dia e saber dos nossos antepassados feitos em pó. Taciturnos, com um peso nos latifúndios, despedimo-nos de Pieter e seu adjunto Petróleo (O Alibabá aladino)… Nem sei como é que aquela coisa cheia de turbantes conseguia andar com aqueles sapatos kilométricos.

sapatos longos.jpg Sapatos do aladino Petróleio

As tágides, conciliavam-se aqui na vida espiritual íntima, trocando-nos resquícios, experiências com as novas tendências da Globália e, reciclando-se em congressos de cristandade, concílio, ouvindo Simbi e N´kuuyu. Aquele lugar ficava um Pambu N´jila como se estivessem na Mazenga, a ilha do descanso dos Muxiloandas, nas sombras de casuarinas e coqueiros. O exotismo dos trópicos espalmava-se ali, na Mancha de Cervantes.
O maneta Manuel de Cervantes y Saavedra autor da obra “Dom Quixote” desencantado com a guerra e as gentes, lutava com moinhos na vasta planície de “La Mancha” com muito Suko* e, associando-se a esta espiritualidade, retemperava os mudos intervalos divertindo a tertúlia com contos de ridículos cavaleiros e paródias de entretimento
Eram momentos retemperadores recuperando Mutalos* desavindos recorrendo por vezes à Kianda Koxo, uma verdadeira arte escangalhada por “El Grego” com mistura de Miró, eles também impregnados de muito Suko de cor - a Kianda do mestre Mano Corvo Araújo, o magnifico grego de nome Doménikos Theotokópoulos que nesta rota peregrina, cruzava também o caminho de Alicante. Imaginamos por isso Sancho Pança apaziguando seu amo dum ímpeto destemperado com moinhos de vento ridicularizando heróis da fancaria. Foi a partir daqui que se organizaram cursos de deformação (algumas grotescas), fantasias de mordaz parodia e ironia na escrita e cores com longos rostos na pintura, contrapondo aquilo que se passou a designar de burlesco.

dia186.jpgPetóleo - O Aladino

Pude admirar nesta terra de Aragão um quadro de “El Greco”, em que as Tágides ou Kiandas se contorcem em risos aéreos, vendo-se em fundo a cidade de Toledo, a “la puente de San Martin” sobre o rio “Tajo” e, um arco iris assinalando o local daquela reunião de espíritos. E ali andava eu T´Chingange um feiticeiro acomodado a novas tarefas de alforriado "engenheiro espiritual tirocinado", partilhando e recebendo conhecimentos avondo.
Mas, naquele dia de Maio estando eu na Igreja-Mosteiro de São João de los Reis católicos em pleno bairro Judio, parei o tempo para ler o que Santo António de Lisboa e Pádua escreveu lá para trás: “O grande perigo do cristão é predicar e não praticar; crer, mas não viver de acordo com o que se crê. Um cristão fiel, iluminado pelos raios da graça, é igual a um cristal; deverá iluminar aos demais com suas palavras e acções, com a luz de seu bom exemplo.”

toledo16.jpg  Lá em cima, nesse momento exacto a máquina do tempo solta um som metálico de bronze dando as doze badaladas do meio-dia. Um espírito bate num ferro que há lá dentro, fazendo-o ressoar. Noutro tempo as pessoas ajoelhar-se-iam; benzendo-se rezariam uma Ave-maria dando graças  de agradecimento. Aqueles momentos não poderiam ser analisados e vividos na primeira pessoa com as Kiandas Roxo e Oxor porque estavam em uma ânfora na nau da Kianda Pieter para retemperar reflexão pois que, iriam participar de um grande Concilio na tal Imaculada Concepción - Palácio de Galiana

:
Personagens da estória: A Sereia Roxo, (uma em duas - reflexo do espelho - Oxor que só vi em holograma); Mano Corvo - T´Chingange (O próprio); Mano Corvo I - Costa Araújo na 1ª encarnação; Januário Pieter - Uma kianda assombração dos mares, um velho amigo com mais de 500 anos de Cruz-Credo (criação do Soba); Petróleo Alibabá, assistente do Januário
GLOSSÁRIO:
KIANDA: - Espírito das águas na forma de sereia, ritos de Angola, fantasma, holograma; ONGWEVA: saudade em português; Pambu N´jila: - Espaço místico, agente de ligação entre o espaço físico e místico, encruzilhada elo que liga os seres aos Minkisi, os elementos fogo, água, ar e terra; Kalunga: - divindade abstracta podendo ter a forma humana que preside ao reino dos mortos, em Umbundo é um Deus, em Kimbundo é o mar, sereia na forma de homem musculoso tipo o Adamastor dos Lusíadas, quando alguém é levado pelo mar ou pela Kalunga faz Uafu (morreu nas águas), é uma jura de última instância apelando a kalunga; Banga fecula: Um especial estilo, de cunho próprio...
:::::
* Mutalo: - É o espírito das pessoas que são mortas pelos feiticeiros sem que N´Zambi mande. Este ordena-lhes que regressem aos seus corpos nas sepulturas, mas à noite dá-lhes a faculdade de matar quem eles bem entenderem.
* Suko: - de Sukuama, de muita admiração e surpresa…
Nota: nesta publicação a 27.06.2022 há pequenas alterações ao texto original publicado em  Facebook de Kizomba...
O Soba T´chingange
 
 


PUBLICADO POR kimbolagoa às 11:35
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 26 de Junho de 2022
VIAGENS . 2

FÁBRICA DE LETRAS DA KIZOMBA - Crónica Kimbo 3321  – 26.06.2022

Do Pantanal à Amazónia - parte

Por: T´Chingange Soba T´Chingange brasil.jpg Otchingandji) – No AlGharb do M´Puto

mulola2.jpgCA -  Ainda na Fazenda do Pantanal pude recordar com Peixinho, nosso guia, o neto do rei do Império de Oyó com o título de “Dom Obá II” (Dom Obá, na língua do seu povo ioruba, significa “rei”). Então imaginei-o com fraque e cartola, a desfilar sua banga ninita, suas medalhas penduricalhos de mérito pelas ruas do Rio de Janeiro. Pois assim foi: Um príncipe africano, negro, que viveu no Brasil durante o período em que ainda havia escravidão e o país era governado por um imperador, Dom Pedro II.  Seu nome era Cândido da Fonseca Galvão, mas gostava mesmo era de ser chamado de Dom Obá II d’África. Nasceu no sertão da Bahia, na Vila dos Lençóis, por volta de 1845, filho de africanos forros, ou seja, ex-escravos que haviam conquistado a sua liberdade por meio da carta de alforria. Dizia-se descendente directo, neto legítimo, de um poderoso rei africano – Aláafin Abiodun, rei do Império de Oyó – daí o gostar de ser reconhecido como príncipe.

amazonas0.jpg  É interessante conviver de perto com estas alvissaras mistificadas de fantasia na vida real, como sempre vivessem um perene carnaval, resquícios de memória das terras de África. Alistou-se voluntariamente para lutar na Guerra do Paraguai e, devido à sua bravura, foi condecorado como oficial honorário do Exército Brasileiro. Depois da Guerra, fixou-se no Rio de Janeiro, tornando-se numa figura conhecida da sociedade carioca. Ficando amigo pessoal do Imperador D. Pedro II era entre os negros e mestiçagem do Rio de Janeiro, reverenciado por sua representatividade, como neto do Obá Abiodum. De notar aqui a necessidade das pessoas alimentarem sonhos alheios e de tempos passados que nunca viveram.

Roxo183.jpgCA  - Aquela guerra do Paraguai foi a mais sangrenta ocorrida na América Latina no século XIX, envolvendo uma aliança entre Brasil, Argentina e Uruguai contra o Paraguai, que terminou com a derrota dos paraguaios. Dom Obá II d´África foi promovido a alferes tendo sido desmobilizado por ter sido ferido na mão durante o conflito. Viveu no Rio de Janeiro, no Centro da cidade, região conhecida como Pequena África, um local historicamente habitado por africanos e seus descendentes.

Vindos de várias partes do país, a gente forra, iam ali como se assim o fosse uma peregrinação de romagem reafirmando-se em sua identidade. Uma Muxima na forma de Ongweva a alimentar uma fé inexplicável… Dom Obá tinha o hábito anualmente realizar uma visita oficial ao Paço, onde era recebido como herdeiro de seu avô. Foi defensor da monarquia brasileira, actuando na campanha abolicionista no combate ao racismo.  

obáII2.jpg em Manaus de uma tremenda humidade, amanheci empoleirado em paus espetados no rio Negro. Aqui, quando chove de verdade o céu desaba. O Solimões, que é um rio, surge barrento mais abaixo. Em Alter do Chão o galo cantou despertando a neblina e, no balanço da palmeira entre fumo de fogueira, um novo dia chegou com paz saboreada a café, tapioca e maniçoba. Entretanto nós comprávamos bugigangas, cestos, catatuas de madeira e colares. E, o jabirú lá estava no meio da ilha alagada, dando soberania ao sítio do Alter, a terra do boto e da festa do “çairé”.

Sem saber que era um sonho à beira rio, cercado de Marabás, Caráraris, Ipixumas, Xaporis, Cajarás e Maués, dei comigo na festa do Carimbó comemorando vidas interrompidas num mundo de natureza hostil de onças pretas e pintadas. Estava tomando guarané Maué.: Como um caramuru de pele branca, transpirando forró, falando um português fluido entre garimpeiros, seringueiros e quebradeiras de coco, dei comigo a cantar:- Oi tira coco, solta coco - Vai descendo sem cessar – Bate-bate, racha coco - Quebra a palha devagar. Faz a roda, fecha a roda - Já é hora de cantar - Rapa coco, dança corpo - Na magia do lugar.

obáII9.jpg  Em visita à floresta e no quartel base do Batalhão Militar de Guardas da Amazónia, fiquei impressionado com a pantera negra que por ali estava presa; sua pele brilhante e seus olhos de um amarelo intenso, provocaram-me arrepios reluzindo medo. Já vi muito felino, mas este olhar do bicho andando de um para outro lado, marcou definitivamente este momento; era bicho com que não me queria cruzar no meio dessa densa mata. Por ali fiquei beira pântano, beira rio,... Descendo por cinco dias o rio grande, de Manaus até Belém com Nossa Senhora da Aparecida sofri a soltura prolongada feita disenteria.  Aiué, nem vos falo (por agora…)…

 tuiui1.jpgGlossário: Tuiuiú - pássaro pernalta símbolo do Pantanal; sucuri - cobra, jiboia;Jiboiei; Caimão - pequeno jacaré das Américas; Capivara - animal que parece um rato e é do tamanho de um porco, herbívoro; Kilombo (quilombo): o mesmo que quimbo, sanzala rural; Fujões - escravos fugidos das fazendas; Capitão-de-mato - cipaios ou guardas dos fazendeiros com alvará de busca ao infractor escravo; Obá II - escravo de linhagem que se tornou famoso entre outros; Caboclo - homem rude tarefeiro; Matuto - cruzamento entre índio e mulato (ou branco); Ipê-roxo: - árvore de grande porte, pau d´arco; Sukucaia - fruto do castanheiro do Pará; Manissoba - saca-saca, folha de mandioca fervida durante sete dias (para retirar a seiva venenosa); Jabirú - o mesmo que tuiuiú, pássaro do pantanal (nome popular usado em forma pejorativa); Boto: – golfinho do rio (toninha); “çairé” - festa anual em Alter do Chão, homenagem ao golfinho; Marabás, Xaporis:- tribos de índios; Carimbó - festa dos recolectores da floresta amazónica, seringueiros e agricultores de enxada e catana, pisteiro de onça; Guarané - o mesmo que guaraná em dialecto Maué; Caramuru - homem branco do sul, normalmente de Porto Seguro ou Santa Catarina; Forró – Farra batucada, excitação suada por ambiente festivo, que se traduz em alegria; Seringueiro – homem que extrai a borracha da árvore; Coxias: - herbívoros de pequeno porte; Cajá – taparabé, fruto tropical parecido com a nêspera, gajaja.

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 11:07
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quarta-feira, 22 de Junho de 2022
KALUNGA . XX

UM HINO À KALUNGA – V

Crónica 3218 de 13.12.2021 em Kizomba - NAS FRINCHAS DO TEMPO - KIANDA COM ONGWEVA em Burgos

Republicada no Kimbo Lagoa a 22.06.2022

Por Soba T´Chingange brasil.jpg T´Chingange (Otchingandji) – No AlGharb do M´Puto

araujo62.jpgCosta Araujo (Mano Corvo)

É bom visitar-te, disse Januário Pieter, sentir que dás bom uso às migalhas que te dou, que me orgulhas como um rebuçado de doce vontade. Aqui ficarei até mastigares por inteiro esta estória que vinda do Brasil paira agora entre Portugal e Angola, teu triângulo de afinidades e até passando por Espanha aonde iremos espairecer por algum tempo! Num até amanha deixou-me liberto para outras tarefas largando o prefácio de hoje como um resquício de sua sabedoria perfumada: “- Não podemos fintar as leis que nos regem e, uma delas é fazermos a nós, o que fazemos aos outros”. Irónico, talvez, Pieter fintador despediu-se num mungweno. Espanto meu! Pieter já falava em Kimbundo….

E, aquele cheiro intenso a jasmim surgiu de novo quando a tarde se estendeu no escuro da noite envolvendo-me na azáfama duma multidão ávida de frescura “la movida”. Este Januário mais complicado que um chinguiço abrumado, naquela “Plaza Mayor“ de Burgos comendo agora, umas tapas de “boquerón” e argolas fritas de “calamares” regadas com cerveja “Dom Pepe” ia descrevendo o que sabia da Rainha Isabel de Portugal, assim sem mais nem porquê, ao meu futuro Mano Corvo, que ainda não era mestre pois andava a tirocinar artes esguias com Raphael, um artista local…

toledo7.jpgCA  - Digo futuro Mano Corvo, porque só dias depois, em cima da ponte de entrada de Toledo, cidade mais a Sul, fizemos um pacto de amizade perene e, dum modo bem peculiar: - cruzando nosso mijo-quente sobre o Tejo na primeiríssima encarnação (Neste meio tempo de lá para cá sem vice-versa o Mano Corvo, o Mestre do pincel, um importante personagem real de nossas vidas, faleceu na antiga Bracara Augusta do M´puto – Desde então nossos corações andam enferrujados de saudade - ongweva…) 

Com uma saudação de bater mãos como agora fazem os desportistas, Pieter chispou nas nossas com ardências viscosas; depois do susto lá nos alegramos com caras de fantasmas de inusitados viandantes, até um pouco comprometidos com os olhares incrédulos dos circundantes. E foi ele, Januário que acrescentou: - Isabel a portuguesa foi casada com João II de Castela tendo dado à luz uma menina que veio a ser Rainha consorte de Aragón, Mallorca, Valencia e Sicilia. Foi assim chamada “la Católica” pelo Papa Alexandre VI mediante a bula “Si convenit”, a 19 de Dezembro de 1496.

kimbo 0.jpg K - Claro que fui obrigado a interpelar respeitosamente a minha sapiente kianda pois que o que verdadeiramente queria saber eram as novidades sobre as sereias progenitoras de Assunção Roxo e Oxor, as tetranetas em mares da kalunga do Brasil, mais propriamente de Guaxuma das Alagoas. Tudo porque a Rainha de Castela desse então nada tinha a ver com estas kiandas Roxo e Oxor de Guaxuma. Cada coisa a seu tempo meu ilustre T´Chingas, teremos de circular por aqui algum tempo para irmos à profundeza das verdades do paratrás a fim de entender o paráfrente!

É bom que ponhas a trabalhar teu relógio de areia porque daí irá sair uma praia com características mesolíticas; no futuro aí te irás espanejar com teu Mano Corvo se for o caso, disse assim sem titubear – foi em verdade um grande puxão de orelhas. Tudo indicava estar a ficar bravo de fulo comigo por sempre o estar a interpelar, eu que ainda nem era um estagiário de feiticeiro

roxo69.jpgAR - Taciturnos, com um peso no coração, nos despedimos de Pieter; Os Manos-Corvos viviam agora nesse privilégio de ter um amigo com a sapiência de mais de 500 anos. E, ia eu jurar que ele só tinha 385 anos, pelo seu aspecto tão jovial. Como a gente se engana! Este interregno da estória de Roxo e Oxor tornam-se assim num foro de cariz quase internacional. Deste modo envoltos numa áurea fosfórica rápidamente nos desvanecemos na noite que caía abrupta naquela Burgos…

Ilustrações: CA - Costa Araujo; AR. - Assunção Roxo; K - Kizomba  do FB

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 19:59
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

KALUNGA . XIX

UM HINO À KALUNGA – IV

Crónica 3217 de 01.12.2021 - NAS FRINCHA DO TEMPO

– Com as kiandas Roxo e Oxor, algures num recife, por vezes numa bóia…

Republicada no Kimbo Lagoa a 22.06.2022

Por Soba T´Chingange brasil.jpgT´Chingange (Ochingandji) – No AlGharb do M´Puto

araujo103.jpg CA ...Tudo teve início para a livrar Roxo do tormentoso “Princípio da Incerteza” que formata a matemática quântica no ano de 2016. Como em todas as novelas, os dramaturgos mudam no correr do suspense os episódios e, agora com este desafio de avançar com a estória de Zé Peixe e as Sereias Roxo e Oxor, vejo-me forçado a recorrer a um amigo tão, tão antigo, que anda por aqui e ali, volatilizado no tempo; chama-se Januário Pieter*.

Esta lendária figura, surge-me sem hora marcada nem outros entretantos, quando fico encafifado, descomplicando-me as verdadeiras vistas do paralém, paratrás e paracima com suas vertiginosas chiadeiras na fricção do tempo, subindo e descendo sem curvas, assim como se entrasse num portal muito tapado de cacimbo! Com o passar do tempo descubro que este espanto feito Holograma da Kalunga também vai ser o Tio ancestral das Kiandas; por agora ainda é uma suspeita…

sacag11.jpg Sac ...  Com ele, já será possível esticar a estória andando no espaço-tempo de forma aleatória e acrescentando mais episódios com sereias e kiandas da Kalunga com gente normalíssima da silva assim como um tal de Joaquim de Lisboa que em dada altura e para sobreviver em sua traineira teve de fazer uma caldeirada de peixe voador; que para variar o cardápio também fez uma mistela com solas variadas de sapatos mais quedes de pele de boi, marca macambira e umas cascas de mandioca que por norma serviam de isco na apanha desse tal peixe com asas.

Lá atrás expliquei que Sereias são Kiandas que fazem parte da Kalunga, "grande mar", entidades fortemente ligadas aos Orixás e Iemanjás das águas de um outro lado do mar, um poder regenerador no campo sentimental. Chamarei de kwangiadas às ninfas do Kwanza e de Zairiardes às do rio Zaire ou Congo em Angola. Lá mais para a frente iremos reencontrar as sereias ou kiandas de Guaxuma com quem tive a experiência mais recente e aonde pude ver sentada a Sereia Roxo, tetraneta daquelas, rogando socorro a um mortal como eu. Só mais tarde me dei conta de existir uma outra igual, uma kianda gémea vista por reflexo ao espelho.

roxo206.jpg Roxo ... Pois então, num pedaço de nada, acabado de cochilar na minha rede de Pambu N´jila a escassos metros da Kalunga, lugar de antigas Sesmarias do M´Puto jiboiando no sopro invernal ele, veio até mim. No cumprimento do sonho, dei-lhe um abraço de completo vácuo; era Januário Pieter, meu guia-surpresista. Quase chorei de comoção por uma tão grande e distinta deferência. Nós que vivemos no além (referindo-me a ele e, incluindo-me…), podemos fazer diversas coisas, mesmo sem entender como as realizamos tais como locomovermo-nos e plasmarmo-nos, disse em jeito de comovida explicação (pude ver isto pelo seu semblante e ruga de seu templo, testa).

Pieter falando: Neste meio tempo e depois de ter estado contigo em Zanzibar, formei-me “engenheiro espiritual” em Toledo; dizendo isto como se tudo tivesse acontecido escassos dias antes, disse que por via dessa formação e, através dos fluidos da natureza, conseguiria pelo pensamento, criar no espaço, paisagens de multicolores holografias. Só apareço porque as pinturas relampejantes de Assunção Roxo me chamaram a atenção – disse! Foi quando reparei no assunto embrulhado de cacimbo, em que nos metemos e, ainda nem sabia que era tio dela…

roxo79.jpg Roxo ... Desde que sou “engenheiro espírita”, explico o que custa a apreender às gentes desavindas mas, boas como tu (referia-se a mim) que nutres de paixões, orações e bons pensamentos. É um prazer, concluiu. Neste meu estado, luto contra atitudes de espíritos que não são evoluídos, que não possuem compreensão e que ainda estão arreigados em paixões inferiores. Apontando para o jardim, Januário foi falando: estás a ver aquele melro a esgadanhar tuas sementeiras, coisas que tu aprecias, e as gralhas que por aí vão passando em bandos?

São condicionantes a que eu recorri para teu exclusivo agrado e, porque agora estás virado às coisas terrenas de beira-mar, venho em tua ajuda. Conferenciaremos sobre esse tal de Zé Peixe e suas ancestrais gerações em conjunto com tuas amigas Roxo e Oxor que tu tanto referes quando te espraias nas reflexões de arco-íris, as cores de roxo.

Nunca antes, Januário Pieter, figura recriada por mim, se referiu assim tão directamente como um especial meu assessor. Enquanto isto, as notas de Dó a Si do espanta espíritos da varanda N´jila do pátio andaluz, saudavam-nos mas, creio que mais propriamente à kianda ilustre vinda do álem com ventos de futuras duvidas e dádivas.

araujo75.jpg  CA ...Sorrindo, indiquei-lhe o lugar da rede a meu lado, contente com sua desejada visita, dizendo-lhe que a minha principal procuração, era tentar ser útil, sentir a gratidão vendo sorrisos em olhares tranquilos, viver com dignidade e saber contribuir para alguém também ficar bem. Fabricando a felicidade com pouco mais que nada, ali estávamos prontos a desfrisar estórias de inventação, sem menosprezar a vontade de fazer ao querer fazer, sem sugar energias alheias.

GLOSSÁRIO:

KIANDA: - Espírito das águas na forma de sereia, ritos de Angola, fantasma, holograma; ONGWEVA: saudade em português; Pambu N´jila: - Espaço místico, agente de ligação entre o espaço físico e místico, encruzilhada elo que liga os seres aos Minkisi, os elementos fogo, água, ar e terra; Kalunga: - divindade abstracta podendo ter a forma humana que preside ao reino dos mortos, em Umbundo é um Deus, em Kimbundo é o mar, sereia na forma de homem musculoso tipo o Adamastor dos Lusíadas, quando alguém é levado pelo mar ou pela Kalunga faz Uafu (morreu nas águas), é uma jura de última instância apelando a kalunga

*Januário Pieter:- Um personagem amigo, um sábio que me assiste e complementa conhecimentos...Um fantasma feito guia Kalunga; o homem que nasce da morte metaforizada com mais de 300 anos. Tem no seu ADN a picardia cutucada até a exaustão, Cruz credo!

Ilustrações de Costa Araújo e Assunção Roxo ...

CA - Costa Araujo; Sac - Sacagami; Roxo - Assunção

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 05:29
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Terça-feira, 21 de Junho de 2022
VIAGENS . 1

FÁBRICA DE LETRAS DA KIZOMBA - Cónica 3320  (3216 da SAPO) 21.06.2022

Do Pantanal à Amazónia - 1ª parte

Por 

Soba T´Chingange brasil.jpgT´Chingange (Otchingandji)* Um Niassalês no AlGharb do M´Puto

viagens1.jpg Dom Obá II d´África ( Do kilombo de Poconé)

E, porque hoje aqui no velho continente começa o Verão, cuidados redobrados nas regas de gota-a-gota e, porque a chuva é escassa, lá teremos de preservar o que cai do céu, uma dádiva que só chega quando Deus quer ou se o quiserem quando a natureza assim o determina. Sabendo que em uns sítios transborda e noutros escasseia rebusquei frescuras alheias em minhas parábolas antigas na forma de malambas.

Com pensamentos molhados através da transpantaneira brasileira chegámos a Poconé, capital do garimpo - no céu nuvens carregadas de escuro com um sol deslumbrante, raiando luzernas multicolores como se o fossem olharapos espaciais. O português Aleixo Garcia foi o primeiro a visitar estas terras baixas no ano de 1524 tendo alcançado o rio Paraguai através do rio Miranda, atingindo a região onde hoje se situa a cidade de Corumbá.  Num horizonte sem fim, araras, tuiuiús, mergulhões e minúsculos beija-flores davam-nos as boas vindas na fazenda Mato Grosso em mato Grosso do Norte..

poconé1.jpg Na beira-rio embarquei sonhos escondidos à mistura com mistérios de sucuri e esperanças caldeadas em saudade; uma inconformidade de querer sempre estar nas terras de onde me tiraram. Ali no Pantanal, jiboiei na rede picado a mosquitos, pesquei piranha e cavalguei no charco entre caimões, capivaras, aves pernaltas, cuxias e lontras luzidias. Espelhadas ao pôr de sol nas quietas águas do rio Pixaím, as baladas choradas do Peixinho, nosso guia ocasional, saído dum kilombo bem perto da fronteira com a Bolívia, tinham um encanto de lembrar a Kukia da Luua, que não sei descrever mas, do que ouvi, apreendi…

Aprendi com ongweva: - Eu sou cria desta água - Meu olhar, corre sem fim - O meu canto, chora as mágoas - D’ um rio dentro de mim… Aiué -Percorrendo um trilho aguado entre muita água vi o pantanal de Poconé limitar-se, ao norte com a própria cidade de Poconé, zona mais alta de savana, ao sul com o rio São Lourenço, no limite com o pantanal de Paiaguás, a leste com o pantanal de Barão de Melgaço e a oeste com o rio Paraguai. A vegetação mostra charcos imensos, repletos de ciperáceas e juncáceas, além de campos, savanas e florestas. Elementos da vegetação amazónica ocorrem em menor frequência.

Com o vento norte, impregnado de odores gentios, deslizavam longos e escorridos cabelos pela nossa mente. Cruzando mantos de verdura, a espalmada água escorria lentamente entre cordilheiras de rasa altura, currais, fazendas e roças de quilombos. Naquela largueza, em terras de fujões, escravos sem eira nem beira, recordávamos a história dos bandeirantes e capitães-de-mato, levando aqueles lá mais para longe, atrás da chapada, fazendo soberania escondida; tempos idos dum império que subsiste nas crenças e no espírito aventureiro dos descendentes do rei Dom Oba´ II.

poconé2.jpg O Cândido da Fonseca Galvão que ficou conhecido como Dom Obá II D'África foi um fidalgo e militar brasileiro que morreu com 45 anos no ano de 1890. Filho de africanos forros, seu pai, Fonseca Galvão, era filho de Abiodum, o Obá do Império de Oió. Cândido intitulava-se “príncipe Dom Obá II”, referindo-se a seu pai como “príncipe Dom Obá I”. Saídos das negruras de África, ainda perdidos no tempo, ainda arranham a terra garimpando a vida sem saberem que afinal construíram um país a que se chama de Brasil.

O índio, o caboclo ou o matuto, continuam a cortar o ipê-roxo, o pau-brasil, a cajá e os castanheiros que dão a sukucaia e, na beira-rio, vão cantando: - Canoa que não tem quilha - Não atende o canoeiro - Um país fora da trilha - É navio sem paradeiro. Andando por aqui e, ao calhas, fiquei a saber ao que chamam de cordilheira. Quando me disseram eu olhei a 360 graus e vendo tudo plano e inundado quis saber e, soube! Está a ver aquele alto e aquele, disseram: é a cordilheira! E, o que vi foram elevações de talvez dois metros com currais cercados aonde e, nas cheias do rio Paraguai resguardam as manadas de gado (isto, foi em Março de 2011).

O que aqui é descrito num tempo passado está hoje coberto de água. Os rios que dão origem ao bioma constituindo a savana estépica, devido às grandes chuvas inundaram pelo que muito gado está a morrer afogado (ano de 2011). Os fazendeiros tentam minimizar os prejuízos deslocando as manadas para sítios mais alto – as cordilheiras, que diga-se são poucas e distantes entre si…

poconé3.jpg Tuiuiú - pássaro pernalta símbolo do Pantanal

Glossário: Tuiuiú - pássaro pernalta símbolo do Pantanal; sucuri - cobra, jiboia; jiboiei - descansar em letargia; capivara - animal que parece um rato e é do tamanho de um porco, herbívoro; kilombo – o mesmo que kimbo ou quilombo, sanzala rural; fujões – escravos fugidos das fazendas; capitão-de-mato – cipaios ou guardas dos fazendeiros com alvará de busca ao infractor escravo; Obá II – escravo de linhagem que se tornou famoso entre outros e, que se sublevou; caboclo – homem rude tarefeiro; matuto – cruzamento entre índio e mulato (ou branco); ipê-roxo – árvore de grande porte, pau d´arco; sukucaia – fruto do castanheiro do Pará; jabirú – o mesmo que tuiuiú, pássaro do pantanal (nome popular usado em forma pejorativa); coxias- herbívoros de pequeno porte; cajá – taparabé, fruto tropical parecido com a nêspera do M´Puto ou gajaja de N´Gola; ao calhas – ao acaso, aleatório; Kukia: Pôr-do-sol; Luua: d iminutivo de Luanda; Ongweva: Saudade (kimbundo) …

NOTA* - O soba esteve seis meses sem vir ao KIMBO  porque  neste meio tempo ouve alterações na forma de apresentação do blogue por parte da SAPO. Entretanto eu que sou  "matumbo"  de pais "Mazombos" resolvi passar as crónicas para o Facebook aonde me instalei com  bagagens, corotos, estralhos e zinarelhos até que  meus neurónios podessem compreender estas variantes do Nadismo. Agora  que casualmente apanhei um vento de bolina  volto à senda antiga pelo que terei de transferir 105 crónicas que entretanto passaram para o Facebook . Assim, farto do tal ALGORITMO, voltarei a priorizar este  meu baú  - (entre as crónicas  3216 inclusivé e a actual 3320 que vai ter esta contagem por parte da SAPO ... 

(Continua...)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 18:14
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Dezembro 2022
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
blogs SAPO
subscrever feeds
Em destaque no SAPO Blogs
pub