Domingo, 17 de Julho de 2022
MOKANDA DO BRASIL . XVII

PAJUÇARA - SETE COQUEIROS - “A palavra não foi feita para enfeitar, brilhar como ouro falso - a palavra foi feita para se dizer”- Crónica 3235 - 01.02.2022 em 7 coqueiros da Pajuçara

Republicada a 17.07.2022 do AlGharb

Por Soba T´Chingange brasil.jpg T´Chingange (Otchingandji )– No AlGharb do M´puto

paju2.jpg Eram 5 horas e 45 minutos quando furei a areia para colocar meu chapéu-de-sol na praia de Sete Coqueiros. Fui o primeiro a colocar um chapéu naqueles 4 quilómetros de areal e bem em frente do Pavilhão de Artesanato. Após dispor as duas cadeiras bem aselhadas e, muito próximo do máximo espraiar das águas em maré decrescente, meti-me na água até meus ombro serem cobertos por esta.

O início de minha hidroginástica começa bem aqui, virado para a orla marítima e apreciando a azáfama matinal que é bem diversificada. Daqui posso ver como num anfiteatro todos os movimentos, sentir cheiros e os muitos sons que vão subindo ao longo do passar do tempo. Observo uma senhora que percorre a linha de ondulação da máxima maré com um saco de plástico e abaixando-se amiudadamente apanha algo com sua luva transparente; pareceu-me ser pequenos objectos, utensílios feitos em plástico como garfos, facas e canudos de plástico.

Pode até ser conchas mas tudo indica andar a cumprir uma promessa de limpar a praia de desperdícios deitados no bota fora na óptica do quero lá saber. Deve ser mesmo um compromisso de sonho de limpar os maus hábitos. O mesmo homem de sempre passa em corrida de passos ou pulos pequenos em direcção ao porto do Jaraguá. E, passa um tal de Mateus, um quase atleta de futvolei, conhecido de há anos e dizendo adeus, some-se na lonjura com suas passadas enérgicas.

pajuç1.jpg As ondas à medida da descida da maré vão ficando menos altas pois que suas antecedentes ficaram lá atrás retidas nos arrecifes. É um lençol de água de cor esmeralda, que depois, no meio e antes dos recifes vai fiando azul e mais escura a caminho do horizonte. Estranho não voltar a ver uma velha senhora que caminhava na via ré, andando às arrecuas para ganhar mocidade. Ou então, andará envolvida nos rolos do medo covidesco na progressão de delta para ó-mi-com ou, na pior análise já foi nessa leva abalroada para o jardim das tabuletas.

Posso ver daqui o trilho que sei estar pintado de vermelho, pista de bicicletas e aonde se cruzam donzelas de justas pregas e todos os demais e, até vendedores de café da manhã que com seus zingarelhos de caixas, de pastéis bem dentro de outras caixas de isopor, esferovite de onde se pode divisar as tampas dos termos com café, com leite e outras garrafas com suco e quenturas de caldo de feijão; tudo numa ordenação estudada na resiliência. Ao lado, a gente correndo no calçadão vão dando colorido por entre os muitos chapéus de praia que vão surgindo a partir das sete e meia…

Contornando o calçadão, há dispostos altos coqueiros a emparceirar com as largas copas verdes de amendoeira, do figo da índia como eu conhecia em Luanda, capital de Angola. E, pela marginal posso acompanhar com os ouvidos o andamento de um carro discoteca que lança uma música tracejada de comprimido, mistura de kuduro com pera abacate. Parece, não haver noção dos decibéis enfiados a contragosto em todos os demais e, tudo numa boa, ninguém parece importar-se. A batida correu na avenida soando em tracejado ao meu ouvido já de si dolorido e carecido…

piaçabuçu02.jpg E, passa junto á beira da água molhada o mesmo general, caricaturado por mim já lá vão uns três anos e, sem jeito de baixar sua proeminente barriga de ginguba. Com suas flanelas protectoras do rei sol lá vai variando do amarelo fosfórico ao azul reluzente, tudo num passo rápido e convincentemente só. Pelas sete e meia surgem os trabalhadores empresários de chapéus no suficientemente largos para cobrir uma família. Fazem rasgos com os pé na areia a condizer com o seu licenciamento de capitania de praia e depois com uns negócios de enxadas gémeas fazem buracos o suficientemente fortes para aguentar sua estrutura.

Num rápido, já tudo está enxameado de cadeiras multicolores, mesinhas e chapéus; bem na berma do calçadão estão seus carros cangulos gigantes de serem levados por mão ou empurrão, depósito de todos aqueles trastes de artelhos com corotos e também caixas com gelo e bebidas para vender ao povão, cocos, cerveja e licores de jenipapo a misturar com iguarias de suco de ananás, acarajé de dendém e doces mixórdias de animar um qualquer ateu.

Bem perto duas mulheres com chapéus de palas largas em suas cabeças, rezam e cantam com as mãos elevadas para a kalunga ou iemanjá; mais longe saem as balsas dos jangadeiros levando turistas para as piscinas naturais; lugar do recife aonde a água transparece mostrando variedades de peixes que acostumados, vêm picar e debicar restos de pão, bonito de ver aqui e em qualquer lugar que tenha este jeito de recifes.

pajuç1.jpg Escrevendo em verde o que vai por aqui, sei que lá fora todos andam inquietados com as movimentações, canhões de Putin na Ucrânia, ameaças da UE e a NATO, enfim. Desde a estória do Adão e a Eva que andamos assim em permanente transgressão. A culpa é mesmo da EVA que comeu o fruto proibido quando tinha tantos outros para se lambuzar… mais logo vou comer canjica e queijo de coalho no meio da tapioca, ver pela TV pela segunda vez “A escrava Isaura” e depois … Depois, amanhã será outro dia - FUI!

O Soba T´Chingange            



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:04
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quinta-feira, 14 de Julho de 2022
PARACUCA . XLIV

MULOLAS DO TEMPO . 15 28.01.2022 - Na Pajuçara do Nordeste brasileiro

RECORDANDO: 26º e 27º dias. Nós, bazungus no ALCON COTTAGE em MONKEY BAY às margens do lago NIASSA do MALAWI a 16 de Outubro de 2018

- Crónica 3234 – Republicada em Kimbo Lagoa a 14.07.2022

Porsoba15.jpg T´Chingange (Otchingandji) – No AlGharb do M´Puto

INHASSORO 092.jpg Por terra, andamos vendo um deslumbrante espelho de água até chegar aqui a Monkey Bay na parte Sul do Lago e no lugar de Alcon Cottage, um lodge de um indiano com piscina e árvores frondosas com o nome de Juliette. Sereno, selvagem, tranquilo, invade-nos com uma misteriosa paz e invulgar quietude. É o nosso 26º dia de viagem da “Odisseia Potholes”. Aqui, a intermete não funciona em pleno embora tivéssemos pago 2000 KwN (25 €).  

Por aqui, fiquei a saber que na língua chinyanja (ou chinhanja), falada na orla moçambicana do lago, Niassa significa "lago", tal como o próprio nome do povo que usa aquela língua, os Nyanjas, significa povo do lago. Em chichewa, uma das línguas do Malawi, a palavra malawi significa o nascer do sol, visto que, estando a ocidente do lago, é dessa forma que os malawianos vêem nascer o dia, sobre o lago.

INHASSORO 090.jpg É um lago único no mundo por formar uma província biogeográfica específica, com cerca de 400 espécies de ciclídeas descritas endémicas. O nível da água varia com as estações do ano e tem ainda um ciclo de longa duração, com os níveis mais altos em anos recentes, desde que existem registos. Estou a gozar o vento aprazível que vem do lago e debaixo de uma frondosa árvore chamada de Juliette.   

Nosso destino e, dentro de dois dias iremos para o Liwonde National Park mais a Sul, um lugar já muito próximo da fronteira com Moçambique e por ali iremos permanecer uns dois dias fazendo nosso bivaque com as tendas pois que ficaremos num lugar de camping. Elas foram compradas para isto mesmo mas até aqui sempre ficamos em lodges ou hotéis; uns em beira de estrada e outros com as características típicas de chalés com cobertura em palha.

INHASSORO 111.jpg E, porque já descrevi os lugares de nosso percurso, vou agora descrever qual o fenómeno de existir um conjunto de lagos, uma fiada disposta ao longo do centro de África. Temos os lagos Tanganyka, Victória, Rukwa e Albert entre outros. Estes, fazem parte do Grande Vale do Rift, também conhecido como Vale da Grande Fenda - um complexo de falhas tectónicas criado há cerca de 35 milhões de anos com a separação das placas tectónicas africana e arábica.

Esta estrutura estende-se no sentido norte-sul por cerca de 5000 km, desde o norte da Síria até ao centro de Moçambique, com uma largura que varia entre 30 e 100 km e, em profundidade de algumas centenas a milhares de metros. Ao pernoitar em Karonga pensei neste hífen da viagem periclitante, coisa pouca a comparar com a fractura do RIFT da África. Pernoitando também em M´Zuzu, pude alhear-me do cicerone chato como a potassa e, apreciar todo o lago Niassa ou Malawi em toda a sua costa ignorando o “El Comandante”.

INHASSORO 351.jpg Este Grande Vale do Rift, tem a característica de ser considerada como uma das maravilhas geológicas do mundo, um lugar onde as forças tectónicas da Terra estão actualmente tentando criar novas placas ao separar as antigas. Mas, como é que essas fendas se formaram? Uma revista de publicação local, diz-me que o mecanismo exacto da formação correta, é um debate contínuo entre os cientistas. Este East African Rifts, assume que o fluxo de calor elevado do manto está causando um par de "protuberâncias" térmicas no centro do Quénia e na região Afar do centro-norte da Etiópia.

De anotar aqui que a história da Etiópia está documentada como uma das mais antigas do mundo. Recorde-se Lucy, esse achado arqueológico importante que desvenda nossa natureza humana, descoberta no Vale de Awash nessa mesma região - Afar da Etiópia. À medida que a extensão continua, a ruptura litosférica ocorrerá dentro de 10 milhões de anos, a placa somali se romperá e uma nova bacia oceânica se formará. Aquelas protuberâncias podem ser facilmente vistas como planaltos elevados em qualquer mapa topográfico da área ou visualmente como o é este presente caso...

(Continua…)

O Soba T´Chingange      



PUBLICADO POR kimbolagoa às 10:58
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quarta-feira, 13 de Julho de 2022
MOKANDA DO BRASIL . XVI

TEMPO COM CINZAS27.01.2022 - No Nordeste brasileiro

E, aqui na PAJUÇARA - Se Deus salva as almas, e não os corpos, teremos de ser nós a resguardarmo-nos porque nem sempre é necessária a culpa para se ficar COVIDADO…

Crónica 3233. Republicada a 13.07.2022 no M´Puto

PorSoba T´Chingange brasil.jpg T´Chingange (Otchingandji) no AlGharb do M´Puto

xique xique4.jpg Embora o Senhor esteja em toda a parte, é de ter em conta de que Ele às vezes parece não nos ver, fazendo-nos sofrer por culpa de outrem. Na Praia da Pajuçara leio a notícia que é coisa que se tira a desejo, do fim do Sol espojando-se para o sono da noite. Foi um ontem transladado para hoje como um espelho preto. Da tristeza que sempre é notícia de toda a hora, o gráfico da ó·mi·cron que corresponde à letra “O” do alfabeto latino, subiu aqui e ali e, mais gente morreu.

Neste meio tempo de escrita, vou sendo rodeado de chapéus coloridos, cadeiras e mesas, caixas térmicas isopor ou esferovite com estampas de cerveja a estalar de frio, gulosas que chega, gente gira com barulhos de linguajar de Gravatá. Mais logo virão a música de forró e anedotas de repentistas caboclos, matutos e gente gira de cu-ao-léu, sereia mostrando a barbatana, os fios entalados na alegria dos olhos e cheiros de entaladinhos mais coxinhas de galinha e o acarajé da tia Alzira.

xique xique2.jpg E, assim e aqui na praia com algum aperto de desânimo aproveito para olhar para a banda de onde ainda se praz qualquer luz da manhã. Posso ver as velas enfornadas ao vento que vem do horizonte fazendo nadar as jangadas. Assim, mesmo sentado vou lambendo a fantasia de afinal quando é que a velhice começa surgindo de dentro da mocidade. Coisa endoidada de lembrar ao espaço pensamento em minha cabeça…

Lamber a maldição é castigo, mas a noticia que sempre a há, a gente tem de ir por ela, com ela e, entrar assim num mundo para buscá-la. A mulher caranguejo passa caminhando, bem, descaminhando ginástica de para trás, agarrando juventude na prática exercitada. Andando assim para trás diz-nos bom dia! Conhece-nos por temporada! Eu sou o que sou mas ela, mesmo andando à ré, continua a ser ela

paju1.jpg A mulher caranguejo já nem nos via há três anos mas, reconheceu-nos; quis saber notícias das maldades do mundo e, foi-lhe dito as balelas que todos sabem. Aos olhos da minha vazante, a maré já começava a subir, teria tempo de falar algo tal com falei e, eram 8 horas e 20 minutos, estava a meia hora de regressar ao meu mukifo no PortVille já ginasticado com a dose habitual de talassoterapia, escrever depois a minha crónica número 3233 para a Kizomba (esta).

Passar a limpo a mesma no computador, tomar o meu café da manhã “santa clara” e provar a canjica de milho branco com umas sementes de girassol e erva-doce porque a memória que Deus me deu não foi para palavrear às arrecuas; andando assim como a mulher caranguejo. E, sou mesmo forçado a criar tabus no meu espírito para me manter são na guerra da vida.

paju2.jpg Ou fico em silêncio, ou falo dizendo impropérios à falta do fervor alheia. De todo o modo, assim ou assado, com este ou aquele, no M´Puto ou aqui em terras de Vera Cruz, terei de aceitar o meu posto de cidadão, mesmo faltando-me a confiança; mesmo que daqui advenham tempos sombrios e confundidos. Terei de ir mandando pontapés aos espíritos, às arrecuas e de costas, pois!

Todos iremos morder o pó ou o fogo consoante a forma como desejarmos dispor do nosso bem-amado esqueleto. Toda a vez que vejo ou ouço "todo mundo usando máscara" impossível que minha mente não rebusque os estudos escatológicos da marca da besta que para mim é a mesma coisa. E falo isto agora, porque ainda me é permitido, porque eventualmente, em um futuro próximo já não me permitirão mais dizer o que penso. A vida anda muito perigosa...

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 18:09
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

PARACUCA . XLIII

MULOLAS DO TEMPO . 1426.01.2022 em Pajuçara do Nordeste brasileio

RECORDANDO: 25º dia. Nós, bazungus no SITIMA-IN de Nkotakota às margens do lago NIASSA do MALAWI… 15 de Outubro de 2018

- Crónica 3232 Republicada a 13.07.2022

Por soba17.jpg T´Chingange – No AlGharb do M´Puto

Malawi táxi.jpg Nkotakota era originalmente, no século XIX, um grupo de aldeias que a partir de seu porto, serviram como interposto comercial de escravos suaíli-árabes. David Livingstone convenceu o chefe Jumbe a parar com o comércio de escravos debaixo de uma árvore chamada de Nkotakota; este nome prevaleceu no tempo tendo o presidente do Malawi Hastings Banda discursado em 1960; supostamente nessa árvore ironicamente conhecida como a Árvore Livingstone.

A 100 metros do Sitima-in, experimentei entrar na água do lago e, andando até os joelhos pude apreciar estar a uns 23 graus; Eram 5,20 horas da tarde e os pescadores estavam chegando com seus barcos; logo começaram a vender seu produto a quem queria ao jeito de lota, tilápia, chissipa, bagres e uns outros muito semelhante a carapaus, mas mais esguios. Na pousada, foi dia de se comer piza variada. Não caí na tentação de comer carne porque parece sempre a prepararem demasiado torriscada e rija como chifres.

malawi2.jpg Por via disso o comandante Vissapa partiu sua esquelética e anda agora com toos os cuidados, metendo amiudadamente uma cola rápida de segurar ferraduras e coisas assim. Amanhã iremos para Sul em direcção a Monkey Bay. Isto aqui é um lugar surrealista ao lado de uma linha desactivada, que sem estação se situa junto a um desmoronado porto com as pilastras e lages tombadas a fazer de prancha de saltos para os candengues. É mais um lugar de Kiandas Roxas…

O edifício tem nele incrustadas peças de navios podendo vislumbrar-se estas incrustações tanto na fachada como dentro da mesma. Tem cambotas, bielas e chaminés do tipo de vapor. Logo à entrada tem duas grandes rodas, daquelas de conduzir navios por onde esvoaçam mosquitos e osgas gordas, dinossáuricas. A dona tem olhos azuis, veste cetim com rosas azuis e verdes. Veio de Upington lá no Orange River, Cabo Setentrional da África do Sul a 120 Kms. das Quedas de Augrabies, lugar que já visitei; por isso, trocamos algumas palavras de consertar empatia…

dia146.jpg Nas nossas congeminações fizemos desta estalagem um antigo bordel aonde os marinheiros brancos usavam seus ministérios. Nesta casa de sonho de tempo tempestuoso havia hélices, motores, portas e janelas de carros e vagonetes à mistura com gigantes parafusos-sem-fim e êmbolos de casas de máquinas de vapores naufragados.  Vissapa referiu terem sido de navios usados ali na segunda guerra mundial - talvez!? Já li descrições de enfrentamentos de alemães na parte Norte do Niassa de Moçambique mas não sou assim tão atreito em acreditar num talvez! Muito menos aqui em África e, no lago Karibe… Quem sabe!?     

Da superfície das águas elevam-se nuvens em espiral de transportar kiandas do kalunga. Um mistério que vai alimentar muitas conversas, originar escritos de sonhos com danças de boas vindas ao Niassa! Pois aqui, em Sitima de Nkhotakota, uma casa feita de assombro e restos dum barco encalhado com o nome do capitão Steve, são as fantasias de Vissapa a recordar estas coisas escondidas em seus sonhos. Almoçamos na sala do capitão mas este, não apareceu naquela forma de olho tapado com perna de pau e um gancho a fazer de mão…

luua04.jpg Andamos de sítio em sítio sem vermos o tal de “Ilala Boat “ que dizem andar pelo lago levando no 1º andar os turistas bazungus carregados de máquinas, binóculos e edecéteras com canivetes de Mack Guiver com mais de dez aplicações e um colete com bolsos secretos para guardas shillings, dólares, randes ou kwachas; pois! E, no andar inferior os que vivem nas margens do Niassa e que tem de transportar galinhas, mandioca e peixe seco t´chissipa. Era suposto haver um barco ali mas só ficamos pelo talvez sem fazer o desejado passeio.

Um barco que sempre nos traz à memória "A Curva do Rio" de V.S. Naipaul e também do Peter Pan… A divisão das fronteiras tem coisas surpreendidas; daqui não se avista a costa do Moçambique - o lago parece ter mais de 80 quilómetros de largura. Falam de uma ilha de nome Likoma terra de kiandas sábias que curam mazelas fazendo trepanação com seus dedos, muitos dedos mas nós, só pensamos por agora ir à ilha de Bazaruto em frente a Inhassoro já na costa do Oceano Indico. Talvez?

(Continua…)

O Soba T´Chingange      



PUBLICADO POR kimbolagoa às 09:00
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Terça-feira, 12 de Julho de 2022
PARACUCA . XLII

MULOLAS DO TEMPO . 1325.01.2022 - No Nordeste do Brasil

RECORDANDO: Do 22º ao 24º dia. Nós, bazungus no Hotel SUKUMA-IN na cidade de Karonga, bem ao Norte do lago Niassa a que também chamam de MALAWI

Crónica 3231::: Republicada a 12.07.2022 no AlGharb do M´Puto

Por t´chingange 0.jpg T´Chingange (Ot´Chingandji)

kasane01.jpg  Passados que são três anos e meio, vou tentar relembrar os episódios mais marcantes da odisseia em África “Haja Paciência” depois da nossa passagem da Tanzânia para o Malawi. A sequência dos dias já se me vai ficando diluída na recordação mas, recorrendo ao caderno nº 11, revejo a data de 12 de Outubro do ano de 2018; interrogava-me neste então como seria o nosso práfrente coexistindo-me à distância de um “Haja Paciência” com “El Comandante - o melhor condutor de África” …

O Malawi é um país interior da África. Limita-se ao norte e a nordeste com a Tanzânia, ao sul, este e sudoeste com Moçambique e ao oeste com a Zâmbia. O traço mais marcante da sua geografia é o lago Malawi ou Niassa, terceiro mais extenso de África, que ocupa cerca de um quarto do país, com aproximadamente 31000 km², dividindo-o com Moçambique e fazendo a fronteira com a Tanzânia. O relevo varia entre as planícies do rio Shire, que origina-se no Lago Niassa que desagua no rio Zambeze já em território moçambicano. É para aí que “El Comandante V” aponta seu azimute. Em realidade eu já deveria ter voltado para trás apanhando um avião em Kasane (perto de victória Falls) no Botswana

kasane1.jpg Há uma cadeia montanhosa que se estende de Norte ao centro-oeste do país, com elevações entre 1000 e 2000 metros, que correspondem as montanhas que seguem o Vale do Rift da África Oriental. Na porção sudeste do país, a leste do vale do rio Shire, ergue-se o maciço de Mulanje (também pertencente às cadeias marginais do Vale do Rift) com o pico Sapitwa que, com 3002 m de altitude, é o ponto mais elevado do país. Andamos por aqui quase perdidos para ver uma reserva que poucos animais tinha. Havia sim muita árvore marula da qual se faz um dos melhores licores do mundo.

O clima é tropical na região central até ao Norte, com uma temperatura média anual de 30°C, e mais ameno (clima temperado) ao Sul, sob influência das correntes de ar frio (no inverno) do Sul do continente africano, com estações do ano mais bem definidas que o centro-norte do país. As gentes são bem amáveis, conservando valores católicos e pelo observado mais honestos no relacionamento com os turistas…

kasane2.jpg No Hotel SUMUKA-IN, viemos ocupar dois espaços de quartos de executivo ao preço de 40.000 Kwsm, algo como 50 €; as instalações são antigas, grandes espaços, bons moveis mas, dos seis pontos de luz, só um tem lâmpada. Não tem cafeteira eléctrica, nem chá, café e açúcar como foi habitual encontrar em África do Sul, Botswana, Namíbia, Zimbabwé, Zâmbia e Tanzânia. Há uma vela em lugar bem visível, indício de que a electricidade falta com frequência.

Há dois ares condicionados, um não trabalha e o outo só ventila. São duas horas da manhã e não consigo dormir pelo calor que faz; virando as patilhas do FAN para a cabeceira lá conseguimos dormir com os pés na cabeceira. Só desse modo conseguimos apanhar algum ar em movimento do estropiado aparelho. As estradas do Malawi apresentam-se melhores conservadas mas, o jeito da cidade é bem típica de áfrica, muito cheia de casas abarracadas a que chamo de cubatas chimbecos, muita coisa improvisada e muitas bicicletas. Algumas são bike-táxis. Por aqui, felizmente, nossos cartões de banco funcionaram e podemos assim, encher nossos baús com muitas notas Kwachas.  

busq6.jpg Nzuzu – 14.10.2018 – Vigésimo quarto dia da odisseia “Photoles”. Este foi o dia em que comi o bife mais duro do planeta à modica quantia de 4.500 Kwachas Malawianos. Turista sofre! Seguindo viagem neste ambiente de resiliência recordo as Vidas Secas de Graciliano Ramos. Algures no trajecto da fronteira de Songwe Border e, já no Malawi até Karonga atravessamos uma floresta de árvores seringueiras. Parámos e compramos bolas feitas de cauchu natural, rolos de muito fio de latex seco envolto e formando um globo saltitante. A bola por obra e graça do espirito santo desapareceu misteriosamente. Deve ter saltado do carro algures em uma das posteriores paragens. 

Com colares massai de contas azuis e bagos de feijão maluco de Angola penduradas ao pescoço, escrevo no imaginário, coisas loucas a condizer com o não menos chanfrado Ernest Emingway, salvo as proporções, claro! Sou um homem do mundo. Já viajei e vi muitas coisas; os anos e meses que passei noutros lugares assim como missangas, conto-os enfiados em um fio de náilon a fazer de pai-de-santo. Formando frases curtas e sinceras tento rematar-me nas voltas certas para driblar de outro jeito meu passado. Sim! De outro qualquer modo ele, o passado pode reconhecer-me. Aiué! Aprendo com as formigas grandes, kissondes que em andamento seguro, arrastam pelo pó do chão seus ventres escuros sem discutir com Deus por assim andarem, sempre se arrastando.

(Continua…)

O Soba T´Chingange      

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 09:23
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Segunda-feira, 11 de Julho de 2022
KALUNGA . XXIV

 NAS FRINCHAS DO TEMPO - IX

- KIANDA COM ONGWEVA NO CONCILIO DAS KIANDAS Salaam Aleikum, com as kiandas Roxo, algures numa ânfora do tempo em Alcazar… 

Crónica 3230 de 20.01.2021em Kizomba no PortVille da Pajuçara em Alagoas Republicado no Kimbo Lagoa hoje: 11.07.2022

Por  t´chingange.jpeg T´Chingange (Ot´Chingandji)– No AlGharb do  M´Puto

t´xipala1.jpg As técnicas apuradas no trato do aço ali em Toledo, já vinham da idade média; N´kondis ancestrais a pedido de Simbas também antigos, num tempo mais recuado chamado na Ibéria de época medieval tinham trazido dedos de N´Zambi para retemperarem na dureza o tal aço batido, esfriado e de novo batido; tratava-se de pequenas pedras de meteorito trazidas das terras do fim-do-mundo, lá da Ovamboland, terras de Oshakati e Okaukuejo no reino dos Himbas.

Do Runda e Urunda que se designaram mais tarde por Cuango e Lualaba, que significam em umbundo terras abandonadas ou de difícil acesso, vulgo no cú-de-Judas. Terras remotas aonde os N´Dele Mwene-puto, Tugas, surgiram como “filhos do mar”; assim diziam os nativos pertencentes à corte do João Imperador, o Rei de Abexi de quem o Rei do Kongo tinha temor.

toledo10.jpg De lembrar aqui que o padre jesuíta D. Gonçalo da Silveira internando-se na Mocaranga e tendo baptizado o Monomotapa foi morto por este por intriga dos Mouros! Estes Mouros que ainda hoje continuam fazendo barbaridades. Até Camões daqueles idos tempos escreveu em verso: Vede do Monomotapa (Mwenemutapa) o grande império, de selvática gente, negra e nua, onde Gonçalo de morte e vitupério padecera pela fé, sua santa. Tudo tem uma explicação!

Em Toledo, eu o Soba T´Chingange, não resisti à mística; comprei uma destas facas. Como N´kondi e seus Bandokis que ainda andam por Toledo feitos bactérias, passo a descrever em síntese o poder de magia que estes ainda exercem: - Usam um boneco fetiche feito de pequenas conchas coladas com resina natural com dois espelhos receptores de encomendas mágicas, um na barriga, outro no topo da cabeça, coberto com uma pele de cobra.

ROXO186.jpg Na mão direita carrega uma lança de pedra tipo ónix mostrando agressividade no seu carácter. O boneco, todo ele, é encrustado de várias substâncias usadas durante as cerimónias envolventes ao Concílio e, em que os pacientes contam as suas estórias de infelicidade evocando a vingança que desejam infligir ao suposto culpado. Háka! Isto e tão mistico que até eu que sou feiticeiro fico enrrugado de cagufa...

- A vingança é feita espetando o prego num determinado sítio do corpo do fetiche - O N´Kondi também recorre ao imbondeiro chamado de N´kondo Ikuta M´vunbi espetando nele o prego; assim a vítima morrerá inchada como a árvore garrafa, o baobá - O descrito prego de aço é o mais eficaz pois nele tem impregnado todo o mal dos homens. N´Kondi quando das várias permanências nos aposentos subterrâneos de Alcazar de Toledo, foi consultado pela infortunada esposa de D. Pedro I do M´Puto, “El cruel”, a rainha Dona Branca, ali prisioneira.

eça6.jpgCA -  Vários bonecos fetiches de N´Kondi N´Gola ainda podem ser vistos graças ao meu antepassado Soba Aragonês Romero Ortiz. Um dia tinha de revelar isto… Isto pode maçar os não eruditos em áreas destas tão periclitantes, mas prometi a Assunção Roxo e seu espelho Oxor explicar tim-tim por tim-tim toda a estória lá detrás que antecedeu em suas vidas repetidas. Agora que me meti nesta perfilharia intrincada, terei de ir até ao fim dos desacontecimentos.

As coisas intrincadas são assim, mas tudo o que acontece de ruim é para melhorar, dizem! Tudo isto é tão verdadeiro que até parece mentira, mas não é! Deus N´Zambi, dá-nos força para seguir, “ N´Zambi a tu bane n´guzu mu kukaiela!” As buscas da Torre do Zombo deram nisto…vou fazer mais o quê? Até o cronista Fernão Lopes, acerca do rei D. Pedro I do M´Puto, o cruel, dedicou um capítulo que intitulou "Como El-Rei D. Pedro mandou capar um seu escudeiro porque dormia com uma mulher casada".

ROXO134.jpgAR -  GLOSSÁRIO:

Mutakalombo: - Espírito das águas com incidência nos animais que nela vivem divindade das águas; Monomotapa, situa-se na África austral, com ligações a portugueses e luso-africanos (antigos negros); N´Gola: - Palavra bantu que quer dizer Angola; Simbi: - Espíritos ancestrais saídos do Kikongo com dois firmamentos, céu o lugar de deuses e terra, domínio dos mortais, na hierarquia espiritual são os avôs dos vivos; Suko: - Pessoa prodigiosa ou alucinada; N´haka: lameiro, sítio de plantio húmido, horta; Rundu ou Runda: - Sítio de difícil acesso, vulgo no cú-de-Judas… 

Notas: Texto originário da N´Haka do sobado na Torre de N´Zombo do Kimbo com o nome de Cafufutila…

(Continua…)

Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 07:42
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 10 de Julho de 2022
PARACUCAS. XL e XLI

Actualização no Kimbo Lagoa Crónicas 3228 e 3229  por acerto com a numeração do blogue, prevalecendo a ordem deste:  Crónica 3229 como se o fora uma só…

MULOLAS DO TEMPO . 11 – 16.01.2022 - RECORDANDO: Nós, bazungus no povoado de Matumbo – Perto da Tanzânia Border… 16º dia - Óh mundo de túji, ainda teremos de atravessar a Tanzânia para chegar a Dar es Salaam… Crónica 3228 - (Escrita manual feita a 07 de Outubro de 2018 – Um domingo…)

Por soba17.jpgT´Chingange (Ot´Chingandji)  no  AlGharb do M´Puto  a 10.07.2022

Botswana 150.jpg Vissapa mostra sua identidade de angolano a qualquer bafana pé-rapado. Não sei porque nunca fez questão de me mostrar essa cédula esverdeada! Nem vocês que me lêem, saberão decerto o porquê deste procedimento tão bizarro, considerando termos já feito tantas viagens por tantos outros lados e, em outros tempos - até para sul dos montes Atlas nos confins de Elrrachidia; terra berbere, do sudeste de Marrocos… O comportamento das pessoas, quase  me levam no dia-a-dia a lamber pensamentos confusos, aonde faltam traços e virgulas no parágrafo de entendimento, sem índice nem prefácio…

Ali, longe de tudo, em um qualquer lado de África, manter a personalidade, seriedade e serenidade seria bem melhor para suportar o vento que soprando de várias latitudes, trazem areia para nossos olhos. Na área de serviço de M´Pika, uma bomba savana-rust-chop de novo o “my friend” mostra seu cartão de angolano aos bafanas lavadores de carro – terreiro de terra avermelhada e uma mangueira que encharca a lama. Na área de serviço com aspecto de uma velha e decadente mercearia, há prateleiras com latas e pacotes de farinha, feijão, ovos, vários cereais e até frascos com mopane, as larvas chamadas de catato em Angola.

Botswana 171.jpg Lá terei de descrever ao pormenor este sítio comum, para poderem absorver a fotografia com cheiros ladeados por pneus carecas a cercar espaços de bancas improvisadas e também ladeadas de sacos de carvão, pilhas de lenha, sacos de maças, laranjas, bananas e várias quindas com sal das minas. A secção de Car-Wash era suportada com vários baldes e paus a suportar tapetes, pedaços de pano para limpeza, usados pelos dois profissionais. Uma meia hora de espera e ficou completa a lavagem de nosso  (salvo seja) Jeep “ford by ford”. Levaram 150 kwachas pelo serviço que dentro das condicionantes, ficou perfeito.

Desapareceram as dedadas nos vidros, os riscos das rilheiras do pó e os pelos alheios de chacais presos na mistura com pasto fino, manchas de besouros esparramados na vidraça e até moscas e formigas cadáver. Bem que a minha empregada do Uganda Mery me avisou: Patrão! Tu vais sofrer andar nessas lonjuras de mato, garganta seca, a golos de água quente choca. Vais ver como até os espinhos vão ter contigo. Tambulakonta!

Botswana 176.jpg Háka! Senti mesmo isso pois que logologo e pelas manhãs o comandante “my  friend” já estava nervoso, desvairado da silva. Só podiam ser os espíritos dos “photoles”, buracos e mais buracos, os ziguezagues aos camiões e dos cabritos atravessando no momento errado. Patrão, tu vais sofrer! Vinha-me sempre ao pensamento esta sapiência de Mary de Campala. Minha sonolência ficava atormentada fingindo também que tinha sangue de barata – só por vezes debelava minhas farturas de matumbice – um homem não é de pau.     

Mandei um whatsApp a Mary de Campala do Uganda a recordar das suas razões ao que veio uma resposta seca: Quem anda por gosto, não cansa - aiué. E, entretanto já estávamos a chegar ao povoado de matumbo, um sítio mesmo a condizer com o panorama. Meu filho Ricar de Johannesburg mandava entretanto uma mensagem dando a indicação do câmbio da moeda na Tanzânia: Um Euro valia neste dia 2.637 Shillings tanzanianos… Fazendo contas em meus papeis coloridos, ia apaziguando meus conflitos de viagem, mudando no possível o humor! Será bem melhor.

Botswana 269.jpg Tratando das finanças do “ford by ford” ia anotando 1€ = 834,51 Malawi Kwachas – 1 rand = 59,56 Malawi Kwachas. No leka-leka-shop M´zuzu vi um barbeiro em seu mukifo cortando o cabelo com uso de uns cabos que saiam directo de uns pequenos painéis de sol, para sua máquina de cortar cabeças, entenda-se por cabelos, carapinha e, fui deixando de ficar enkafifado com estas tecnologias de ponta e com sol...

Estando em África, em um qualquer momento, ao se olhar para dentro de si mesmo, se deparará com um quadro que são mesmomesmo tecnologias de ponta, uma verdadeira resiliência como se diz hoje. Aiué patrão…é o ideal. Talvez se sinta o coração quebrantar-se pela consciência da própria fraqueza e se entristeça profundamente apesar de se saber que a alegria é um componente do fruto espiritual. Um dia virá em que na presença de um ser superior, a “plenitude de alegria surgirá, tirando até águas das mulolas com um cesto de vime, assim se acredite nos milagres da vida. Amanhã será outro dia!  - (Continua…)

O Soba T´Chingange

Botswana 055.jpg PARACUCA . XLI

MULOLAS DO TEMPO . 1218.01.2022

RECORDANDO: Nós, bazungus depois de TUNDUMA Border Zâmbia / tanzânia… 17º e 18º no Utengule Cauntry Hotel - Óh mundo de túji, ainda teremos de atravessar a Tanzânia para chegar a Dar és Salaam… Crónica 3229 - (Escrita manual feita a 11 de Outubro de 2018 …)– No Nordeste do Brasil

tanzânia II 005.jpg Chegamos já era noite fechada a M´Billize-M´Beya no itinerário que nos levaria a Dar és Salaam; a estrada estava entupida de motorizadas e, foi um grande problema chegar a este agradável Utengule Cauntry Hotel inaugurado com a visita de Kofi Atta Annan, um diplomata ganês que era nesse então o sétimo secretário-geral da Organização das Nações Unidas; o mesmo que foi laureado com o Nobel da Paz em 2001. Exerceu funções entre Janeiro de 1997 e Dezembro de 2006. Numa das paredes da recepção podia ver-se o grande quadro com este personagem. Ficamos aqui por indicação de um alemão quando tratávamos dos trâmites da fronteira em Tunduma.

Nós, quatro pessoas, pagamos por dois dias e dois jantares a quantia de 661 US$, dólares americanos. Achamos caro o preço de 150 US$ por noite mas, a paisagem circundante desvaneceu esta superficial arrelia. A partir desta operação fui destituído das funções de secretário da economia pois que havia dúvidas permanentes quanto ao câmbio que praticava tendo como base o Rand Sul-africano. Em realidade já estava farto de fazer as contas do deve e haver do “ four by four”. No meio de espontâneos obséquios seria fácil ser tomado por intrujão e, isso repuxava-me más raivas…

tanzânia II 053.jpg Por via das incursões dos jihadistas do Boko Haram que aterrorizavam a região de Rovuma a norte de Moçambique e, por via dos avisos que nos chegavam dos familiares do M´Puto o comandante do “four by four” decidiu fazer uma inflexão para sul cruzando todo o Malawi. Pagamos o dobro do que era normal para tirarmos o visto na fronteira da Tanzânia para aqui ficarmos uns escaços dois dias. O planeamento aqui falhou e eu, que tinha tanta vontade de ir até ao Norte ver o Serengeti caí em mim desiludido, numa lazeira de sertão com a alma meio adoecida…

A Tanzânia é um país da África Oriental conhecido por suas vastas áreas selvagens, como as planícies do Parque Nacional de Serengeti, uma das mecas do safari e habitada pelos cinco animais de grande porte mais difíceis de serem caçados (elefante, leão, leopardo, búfalo e rinoceronte). Outro destaque é o Parque Nacional de Kilimanjaro, onde fica a montanha mais alta da África. Em alto-mar, estão as ilhas de Zanzibar, de influência árabe, e de Mafia, com um parque marinho que abriga tubarões-baleia e recifes de corais. O sonho de ver parte disto, desvaneceu-se para calibre de cão sem trela.

carvão4.jpg Passadas as cidades de M´beya, Tukuyu e Ipinda, chegamos a Songwe Border, fronteira com o Malawi. Deste modo, forçado à ponderação, a ideia de ir a Arucha lá no Serengeti, ficou posta de lado. Quem vai até aqui de avião, é depois e sempre acompanhado por guias dos respectivos parques e em carros de tracção. Há por muitos lados filas de turistas que aceitam pagar caro por mordomias exóticas. Entretanto fui fazendo actualizações do câmbio pelo meu microondas e anotei: Um euro valia 835 kwachas malawianos e um Rand correspondia a 60 Kwachas malawianos.

De M´Beya até à fronteira, ainda na Tanzânia pode-se ver grandes plantações de chá embelezando as encostas daquele espaço montanhoso, muito bananal, campos de batata, café robusta, florestas de mangais, e lavras de mandioca. Estas terras altas pelo que se via, eram boas para qualquer agricultura pois que por ali a chuva, a bençoava. As fronteiras em África são sempre problemáticas e demoradas no trato de expedientes, pagamento de visa e o respectivo seguro obrigatório do carro; aqui, também não foi diferente!

Acácia rubra1.jpg Tivemos de usar nosso cartão multibanco por seis vezes a fim de obter a quantia certa para pagar os 75 US$ e ficar com mais algum. Uma vez que só eu tinha dólares, não seria conveniente desfazer-me deles pois poderiam vir a faze falta mais à frente, tal como veio a acontecer. O pagamento aqui poderia ser pago em Kwachas malawianos e, para o efeito ficamos com um bom molho de notas em carteira. Nestas três a quatro horas que ali permanecemos, ocorreu algo que me levou a considerar ser o povo malawiano mais honesto que dos demais países.   

Tive de faze uso dos balneários para urinar e procurando, fui dar a um cubículo sem tecto nem porta, tijolos sem reboco nem pintura e um pano encardido a fazer de porta; tinha uma pia turca como única peça e, tive de pagar pelo uso. Sucede que não tendo os 200 kwachas (mais ou menos 25 cêntimos do Euro$), paguei com uma nota de 5 US$ e, sem esperar o troco fui para as instalações da aduane do lado de Malawi aonde permaneci sentado. Qual o meu espanto quando passado pouco tempo surge o moço bafana com os 5 US$ trocados em kwachas. Aceitei e dei-lhe 1000 kwachas de gasosa! Gostei de no meio de tanta carência e tanta trambiquice, haver uma atitude de honestidade… Sim! vale a pena visitar o Malawi, é terra de gente boa!

(Continua…)

O Soba T´Chingange       



PUBLICADO POR kimbolagoa às 09:34
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sábado, 9 de Julho de 2022
A CHUVA E O BOM TEMPO . CXXII

MEDITAÇÃO DO T'CHING - Janelas para a VIDA com esse tal de Algoritmo.

-VOCÊ SABE O QUE FAZ? - 02.09.2020 em Kizomba em Alagoas do Brasil

Republicação a 09.07.2022 em Kimbo Lagoa, Crónica 3227A

Por Soba T´Chingange brasil.jpg T'Chingange, (Otchingandji) No AlGharb do M´Puto

ROXO197.jpgAR - A sabedoria do prudente é entender o seu próprio caminho. Uma pessoa prudente é sábia por saber o que fazer naquela hora e, da forma certa; ponderar naquela decisão e, por forma a não tornar sua vida um permanente conflito. A vida, não é só uma sucessão de acontecimentos casuais! Ela pensa, medita, avalia seu procedimento, corrige seu rumo quando necessário e recua quando percebe que está errada. O termómetro para medir a “temperatura de suas acções é a Malamba”, a Palavra - a tocha que ilumina o seu destino.

Não basta apenas saber “como” realizar bem o seu trabalho. Fazendo as coisas com eficiência, o prudente, sempre será um bom empregado porque no tempo, pára para pensar no que faz e, porque o faz! Assim, acabará sendo um líder. O caminho dos tolos é diferente; eles, acham que sabem tudo e em realidade apenas pensam que sabem. O resultado só pode ser de frustração, e desapontamento. Vós porventura sabeis o que fazer, porque e, como o fazer?

ROXO196.jpgAR -  Não tema em aprender, aconselhar-se, consultar até concluir. A receita para permanecer na ignorância sobre qualquer assunto da vida é ficar satisfeito com suas próprias opiniões e, contente com o que sabe - Pode ser pouco para atingir a perfeição. A vida se encarregará de lhe provar o óbvio... Faça deste dia, de todo os dias, um dia de avaliação. Revise os seus procedimentos, analise sua trajectória. Nunca é tarde para começar de novo; sempre é tempo de aprender. Tenho feito muita burrada e ando sim, a tentar corrigir-me, uma tarefa dificilíssima.  

Como andam seus relacionamentos? O seu casamento? Está separando o tempo necessário para dialogar com seus filhos ou espera que tudo aconteça por acaso? Reflicta nestas perguntas. Reflectir e meditar, é próprio de gente sábia. Eu próprio ando a tentar superar-me mas sempre ficarei incompleto analisando as muitas vezes que sou castigado pelo Facebook – Não tem remédio sempre andarei em conflito com esse tal de ALGORITMO!

ROXO195.jpgAR - Ser sábio ou insensato? Eis a questão! Se for o caso recorra ao seu Deus, pois decerto lhe mostrará um caminho melhor - com humildade no coração, sempre! Recorro ao meu tio Nosso Senhor mas nem sempre me saio bem… Mas, não esqueça: “A sabedoria do prudente é entender o seu próprio andar e, ter sempre em conta que a estultícia dos insensatos é enganadora”. Em momentos de aperto no tempo, ficamos contra, só por ficar! E, suprimimo-nos por vezes mas, muitas vezes somos suprimidos. Sim! Somo-lo por gente materialista, gente de meia-tigela, gente política flutuante. Ninguém é de ninguém, na vida tudo passa; vamos fazer o quê? Como gostamos de andar embalados! O tempo ruge…

Ilustrações de Assunção Roxo (AR)

O Soba T'Chingange...



PUBLICADO POR kimbolagoa às 18:15
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

MALAMBAS. CCLXVI

CINZAS DO TEMPO - Na vida, podemos ter experiência, inteligência, visão e até sabedoria, mas não conseguimos acertar sempre! Há sempre um algoritmo a reger-nos!

SOMOS FALIVEIS... Crónica 3226 de 15.01.2021 de Kizomba em Alagoas BR

Republicação em Kimbo Lagoa Crónica nº 3226 A em 09.07.2022

Por soba0.jpeg T´Chingange, (Otchingandji) no AlGharb do M´Puto

dracma4.jpg Suportem-se uns aos outros. Em geral, somos falíveis, mesmo sendo os mais perspicazes. Em geral, o que realmente funciona nas relações humanas é o amor e o respeito. Em cada povo, época e lugar, há boas formas de demonstrar isso, tanto aos mais velhos como aos mais jovens. Enquanto houver mundo, pessoas de distintas idades terão divergência de opinião, pois vêem a vida mediante “lentes” e sentimentos diferentes.

Para uns, o mais importante é ter conforto e estabilidade. Para outros, o que importa é rir, divertir-se, desfrutar o que é bom. Como lidar com essas diferenças? É aqui que entra a estória: - Certa vez, dois colegas de trabalho viajaram juntos. Ao chegarem à balsa, na borda rio, o mais velho disse ao mais jovem: “Não entre ainda com o carro.” O outro replicou: “Mas nós somos os primeiros! Por que não?” O colega explicou: “Os que entram primeiro serão os últimos a sair. Aprenda!” O jovem consentiu, contrariado. Ele queria entrar e curtir a viagem. Quando quase todo o espaço foi ocupado, diante da última vaga disponível, o mais velho disse: “Agora pode entrar. Aprenda!”

Mas, a balsa começando a se afastar do cais, ouviu-se o barulho estridente de uma ambulância que, com pressa, se aproximava. Foi dada a ordem para que a embarcação retornasse. Quando atracou, um funcionário apontou para o último veículo da fila e gritou: “De quem é esse carro aqui?!” O jovem respondeu: “Nosso!” O funcionário lhe disse: “Então tire-o. A ambulância tem prioridade.” Enquanto a balsa se afastava do porto, os dois colegas, frustrados, ali ficaram esperando a próxima. “Aprenda, ouviu? Aprenda!” Nenhum dos dois pôde, depois daquilo, esquecer essas palavras.

roxo3.jpgAR -  Em cada povo, época e lugar, há boas formas de demonstrar isso, tanto aos mais velhos como aos mais jovens. Pedir desculpas, dizer “obrigado”, assumir os erros cometidos, moderar o tom da voz ou não falar com ironia. Quem nunca teve um momento destes na vida terá tendência a tê-lo lá mais à frente e, tomara que o tenha.

Que o seja, parar com a pirraça e colocar-se na pele do outro, tentando entender seus sentimentos; tudo isso faz uma enorme diferença! A Bíblia até sugere que nos “suportemos uns aos outros” mas, poucos são os que a lêem... Isto terá acontecido na travessia do rio S. Francisco na cidade de Penedo ou Belém de S. Francisco, mais a montante mas, pode bem acontecer em um qualquer outro lugar e, até com outros contornos.

Mantenha em sua vida uma ou mais unidades de plano, um plano A, B e C para conseguir seus objectivos. Observe um colar de pérolas; missangas que estão todas presas por um fio. Se este rebentar, as pérolas, ou zimbros se espalharão. E, o que é o fio para o colar, missanga de pérolas ou zimbros – é a unidade de plano em nossa vida. Não permita que as pérolas de suas acções se percam, por lhes faltar o fio que lhes manterá a unidade.

picasso2.jpg *Se os resultados das acções humanas fossem instantâneos e determinísticos, seria fácil prever o futuro. Contudo, todas as acções na vida humana estão ligadas à incerteza e ao risco. Dos comportamentos e decisões humanas não se pode afirmar, com certeza, quais as consequências que se verificarão. O conhecimento com perfeita certeza é impossível de atingir*…

*Existe risco quando se podem associar probabilidades aos resultados de qualquer evento. Nestes casos, de risco, o decisor “conhece a distribuição das probabilidades” em relação às situações que são produzidas.*  

Estamos hoje, todos submetidos a esse Algoritmo que diz: Em Ciência da Computação, um algoritmo determinístico é um algoritmo em que, dada uma certa entrada, ela produzirá sempre a mesma saída, com a máquina responsável sempre passando pela mesma sequência de estados. Li isto na Wikipédia…   

Feliz sábado

O Soba T'Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 08:05
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sexta-feira, 8 de Julho de 2022
KALUNGA . XXIII

Crónica 3225 A de 14.01.2022 No PortVille da Pajuçara em Alagoas

- NAS FRINCHAS DO TEMPO - VIII

- KIANDA COM ONGWEVA NO CONCILIO DAS KIANDAS

Reedição a 08.07.2022 em Kimbo Lagoa Blogue

Por soba24.jpg T´Chingange , Otchingandji – No AlGharb do M´Puto

Kalunga6.jpg NO PAMBU N´JILA - Zé Peixe de Aracaju e as Sereias Roxo e Oxor surgiriam só no século XX e XXI algures num recife de Guaxuma de Alagoas mas, suas estórias vêm lá muito detrás; Assim, na saga de Salaam Januário Pieter e seu mustafá, adjunto Petróleo (O Alibabá aladino) … por aqui ficámos Aleikum em terras de “Castilla-La-Mancha” já na cidade de Toledo – Com a guia Kalunga um bom tempo.

O evento do Concílio das Kiandas era para durar… Meu Mano Corvo, o Mestre Araújo andava noutras lides com o tal grego de nome Doménikos Theotokópoulos, o El Greco… Pambu N´jila corresponde ao espaço físico de Toledo ligando este à mística das kiandas de Angola; uma ponte de inventação entre os seres humanos e o Minkisi, senhor dos caminhos que guardam os portões da nossa casa, do nosso espaço e, neste caso, os muitos portões de Toledo tais como “La Puerta del Sol” ou a ”del Cambron” ou ainda “La Puerta Nueva de Bisagra”.

kalunga1.jpg  Havia ali Kiandas, Ninfas Kwangiades vindas de todo o lado, de todos os continentes mas, havia uma em particular que me chamou logo a atenção; usava vestimentas africanas e tinha o nome estranho de Zachaf Pigafetta Roxo. Eu que vinha lá do futuro, do ano de 2016, de uma cidade esquecida com o nome de Marechal Deodoro, sabedor de coisas ainda não acontecidas, busquei em sua ficha qual a procedência e até nem foi surpresa, ela ser oriunda do lago Zachaf de Malawi em África.

Por terras de Monomotapa e na descoberta do caminho dum tal de Prestes João era esse o nome do grande lago que agora se chama de Malawi, Niassa; o mesmo que hoje se chama de Niassa; Ficou assim comprovado que nossas procedências vieram dali, pois que sempre fui e serei Niassalês. As estória de nossas vidas são por demais curiosas.

Kalunga7.jpg E, não é que muito mais tarde eu próprio já num outro evento renasci num paquete chamado desse jeito. Logologo, o lago Niassa bem no meio da África Central! Foi relativamente fácil deduzir que era esta a tal tetravó da agora Assunção Roxo, a sereia de Guaxuma. O Minkisi ocorre e corre com fluidez, tem o saber do ontem, do hoje e do amanhã. E, esta cidade mística de Toledo, guarda segredos que não estão escritos. Gozar a cidade e património, não é folhear só a história e ler um capítulo porque toda ela é história.

Nela, refresca-se a memória num rendilhado gerado de culturas diversas, encruzilhada de raças e encontro de feitiços e feiticeiros; t´chinganges que dominam silêncios desconhecidos. Kalungas longínquas de musas e gente de arte feitas pó, impregnadas de muito suko. No ar, pairava um feitiço de aço temperado e manobrado por um N´Kondi que espalha pregos feitos germes comedores de carne, pedra e pau.

kalunga5.jpg

N´Kondi de N´Gola, N´kosi de Imbinda e um cortejo de muitos Bandokis foram ao concílio de 1583 (há 439 anos…) à revelia de todos os outros espíritos convidados, embaixadores das kiandas das kalungas e seus mutakalombos. Os espíritos do mal N´Kondi e N´kosi ficaram desapontados por D. Filipe II não os ter convidado formalmente; os astrólogos do rei desaconselharam-no a fazer mistura entre mitológicas Ninfas e Nereidas conceituadas.

N´Kondi, o manobrador de pregos ficou encantado com as novas técnicas dum metal chamado de aço e do qual se faziam coisas pontiagudas; aço com técnica de Damasco de maior resistência à tração e à torção, espadas, facas cujas folhas nunca perdiam o fio de corte. Era esse o metal durável que tanto buscava para fazerem suas maldades aos homens e, até nos tempos mais vindouros.

Os pregos de cobre e alumínio espetados no boneco fetiche Kozo, tinham bons efeitos mas não eram totalmente eficazes; os de ferro rapidamente oxidavam e, quando sujeitos a rezas de Simbis perdiam o efeito desejado. N´Kondi e sua comitiva ajustaram-se no alto da montanha numa dependência de cave de Alcazar, e de fundição em fundição.

araujo166.jpgCA  Com expertos na arte de têmpera e espias de Damasco tornaram aquelas armas brancas nas mais eficazes em toda a Terra. Estava longe de supor que N´Gola, nosso genérico país teria uma catana como símbolo e, tudo partiu daqui: Toledo. Neste dia de hoje, pouco falo da Kianda Roxo porque estava lá, ocupada, dando cores com arco-íris aos participantes nobres do papado e outros cinco estrelas, idos da Globália, esse tal Concilio com o papa Gregório XIII que nesse então homologou por bula papal, o calendário que usamos hoje, …

GLOSSÁRIO:

Kianda: - Espírito das águas na forma de sereia, ritos de Angola; Mutakalombo: - Espírito das águas com incidência nos animais que nela vivem, divindade das águas; N´Gola: - Palavra bantu que quer dizer Angola; Simbi: - Espíritos ancestrais saídos do Kikongo com dois firmamentos, céu o lugar de deuses e terra, domínio dos mortais, na hierarquia espiritual são os avôs dos vivos; Suko: - Pessoa prodigiosa ou alucinada; N´Haka: lameiro, sítio de plantio húmido, horta. Nereidas: na mitologia grega, são seres mitológicos, eram seres femininos (ninfas), que habitavam as águas do mar Egeu

Texto originário da n´Haka do sobado na Torre de N´Zombo do Kimbo com o nome de Cafufutila…

Kalunga8.jpg Nota à margem do texto: No dia de hoje faleceu em Barcelona o segundo presidente de Angola, José Eduardo dos Santos que governou Angola por 39 anos, tempo suficiente para levar à pobreza 50% de seu povo…

(Continua…)

Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 17:39
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Segunda-feira, 4 de Julho de 2022
MALAMBAS. CCLXV

TEMPOS DE FRICÇÃO - Crónica 3224.A - 13.01.2022 na Kizomba no PortVille de Maceió - Brasil

Republicação em Kimbo Lagoa em 04.07.2022 no AlGharb

Por  soba002.jpg T'Chingange - (Otchingandji) No AlGharb do M´Puto

Malambas2.jpgAM -  Contar estórias é muito, muito dificultoso. Não convém a gente levantar escândalo de começo porque, só aos poucos é que o escuro fica claro. Por vezes, muitas vezes é o contrário...

Não pelos anos que já se passaram mas, pela astúcia que tem certas coisas que se remexeram dos respectivos lugares… Assim que num agora, acho que nem não, porque as horas das pessoas engoliram os seus próprios minutos, tantas coisas em tantos tempos, tudo muito engavelado.

E, também porque o espírito da gente vira lobisomem na escolha da picada ou no fiote (caminho) da selva. Depois verificamos que aquele tal homem, mulher ou coisa de outra nova vaga, ainda não está no definitivo! Viver perto das pessoas, é sempre dificultoso, na faca dos olhos, enfiar ideias, encontrar o rumo, alizar o forte das coisas, saber do que houve e que não aconteceu; às vezes não é fácil…

araujo46.jpgCA -  Sou diferente de todo o mundo - acho que tenho de aprender a estar alegre e triste juntamente, até porque a muita coisa importante, há falta de nome. Bem! A mocidade é tarefa para mais tarde se desmentir noé!? Aquilo que inteligêncio vêm do passado. Coisas que me agarraram o olhar; purgo até meus arrependimentos do gerúndio até o amanhecer porque, depois passa!

Malambas4.jpgCA -  Cada hora; cada dia, a gente aprende uma quantidade nova de medo! Isso é mesmo possível? Viver está a ficar um negócio muito perigoso e, ainda dizem que a saúde não o é! Só pode ser mesmo fantasia no "cá e lá" ou seu inverso e, em toda a Globália...

Ilustrações de C. Araújo

O Soba T'Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 22:38
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

MOKANDA DO BRASIL . XV

ANDO ENKAFIFADO - Crónica 3223 - A - O coronavírus (deixou) - deixa a elite globalista bestificada...

Dio grátias - 09.01.2023 – No Nordeste brasileiro – PAJUÇARA

Republicação a 04.07.2022 no KIMBO LAGOA

T´Chingange t´chingange 0.jpg (Ot´Chingandji) No AlGharb do M´Puto

XISPETEÓ0.jpg “A palavra não foi feita para enfeitar, brilhar como ouro falso"; a palavra (malamba) foi feita para se dizer. A lembrança da vida da gente se guarda em baús da memória com seu signo e sentimento que nem sempre, em uns e outros, se misturam. Vim do M'Puto ontem num avião charuto da TAP com uma catrefada de papéis: Teste VCR de 80 euros, certificado da terceira vacina P´Fizer e formulário da ANVISA... Ainda não tive contacto com o ex-coronel Fala Kalado mas, suponho que também anda enkafifado e desalinhavado dos eixos procurando o tal ácaro da Welvitchia Mirábilis em terras de Petrolina, assim num cadavez de até pressentir crescer as unhas, pestanas e rugas.

Tudo assim como num jogo de velho baralho, num verte e reverte na vida a despertar só sem troco de macutas. Estou no Portville e, lá fora o espaço está tão quente que até dá para aqui entrar no quarto piso cheiretando minha catinga como se fosse um olongo ou kudu, empoçado para se caçado! Uau! Não me perguntem nada porque a nada sei responder no troco da minha boleia dum deo-gratias! Estou contando assim porque é meu jeito de falar no meio do redemoinho... A maioria das pessoas já não tolera mais ficar em regime de prisão domiciliar ou isolamento obsequioso, vivendo o dilema da sobrevivência. Quem consegue suportar a virose também precisa ganhar dinheiro noé!?

GOLF1.jpg Prestadores de serviços, Camelôs, comerciante que vende os seus artigos na rua, geralmente sem autorização legal; vendedor ambulante - vendedor de balas, cocos, macaxeira ou pastéis do jequiá serão obrigados a fazer milagres. São muitas perguntas sem respostas plausíveis. O coronavírus trouxe algo muito mais tenebroso para a vida das pessoas com a imprensa morbidamente a fazer politica a quem quer libertar a acção do povo. O suposto combate à doença abriu espaço para que em todo o mundo, promovessem abusos de poder contra a democracia ou a liberdade individual. Além do trauma pelas vidas perdidas, esta será a grande sequela da crise pós-COVID-19, 20, 21 e 22.

Ela, a crise é complexa, feia e assustadora. Não há soluções prontas, padronizadas, para situações tão diferentes em cada nação do planeta Terra. E, aqui no Brasil também se confina muito no “estadodependência” tal como no M'Puto (Portugal). As imposições colectivistas – essência dos sistemas socialistas e regimes autoritários - ganham forçam sobre o legítimo poder e a liberdade do indivíduo. Perdemos, não se sabe por quanto tempo ou se para sempre a simples capacidade de apertar mão, abraçar e beijar as pessoas.

dia167.jpg Alguns lugares pegaram mais pesado e adoptaram o “lockdown”. Acontece que a essência humana não suporta viver isolada por tanto tempo. Além disso, as condições de subdesenvolvimento, com miséria, pobreza, falta de educação e ausência de hábitos de higiene, agravam o nosso risco. Em algum momento alguém tem de tomar uma decisão e dizer: "é por aqui, e vamos executar”. Em situação de crise, existe um padrão de gestão que define claramente responsabilidades mas, o “isso preciso ocorrer urgentemente” tornar-se constante - É chato noé!          Lembremos de Winston Churchill: “Um optimista vê uma oportunidade em cada calamidade. Um pessimista vê uma calamidade em cada oportunidade”. Estou vivendo isto. Lá terei de me ir vacinar contra todas essas pragas para me prorrogar num se Deus o quiser. Venho por este meio requerer..."deo gratias"… A máscara para mim é um instrumento de medo, de amordaçamento, de controlo, de subserviência. Um sujeito usando máscara, é o símbolo crónico e cabal do subjugo do ser humano que se sujeita aos mais impossíveis estratagemas para se manter vivo. A máscara para mim, é a prova mais viva de que o homem morre de medo da morte, portanto, indicia não ter compreendido, por não conhecer o caminho espiritual da vida…

O Sob T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:27
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Setembro 2022
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15


26
29
30


MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
blogs SAPO
subscrever feeds
Em destaque no SAPO Blogs
pub