Quinta-feira, 20 de Setembro de 2012
QUILOMBO . VII

{#emotions_dlg.xa}FÁBRICA DE LETRAS DO KIMBO

Por

 O Soba T´Chingange

No auto do quilombo a disputa pela rainha leva os reis preto e caboclo a um combate simulado, quase um bailado de guerreiro, misto de bassula e capoeira com esquindiva e finta, usando a espada, que só eles, reis, podem usar; os demais, apenas emitam a luta com seus arcos e suas foices de madeira, ao som alternado de suas músicas: Folga Negro e Dá-lhe Toré. Ao som deste bailado da comparsaria o rei dos Negros, como um leão acossado, defende-se valentemente mas, um golpe no peito fere-o de morte caindo pelo solo. O rei dos caboclos engiuiça-o, isto é passa por cima dele fazendo gaifonas de bravata. Isto é o sinal da morte do rei negro. Vendo seu rei morto, os negros, desorganizadamente refugiam-se no reduto, enquanto a rainha com um pires na mão vai pedir esmolas aos espectadores para a ajuda no enterro do defuntado que não chegou a tirar o cabaço àquela nobre dama. Milagre! O rei dos caboclos, fazendo cheirar o rei morto uma folha de jurema, este, desperta da morte.

Era nas areias das praias da Ilha das Cabras, berço do povo Muxiluanda, que os oficiais do Manicongo (o Rei do Congo) recolhiam os Zimbos (n´zimbos - conchas de búzios pequenos), que serviam de moeda corrente para transacções comerciais nas feiras muito activas nas feiras no interior das províncias do Antigo Reino do Congo. Durante séculos, Luanda foi o porto negreiro mais importante da costa atlântica de África. Os escravos eram guardados em áreas cercadas (currais) situadas na área actual das Ingombotas, durante a espera de embarque para o Novo Mundo. O primeiro cemitério para os escravos foi situado na área imediatamente a montante (acima) das Ingombotas, onde as campas razas eram assinaladas com cruzes. Os corpos dos escravos que morriam nos currais durante esta espera de embarque para a Passagem do Meio, que podia demorar muitos meses, eram levados para a área do Maculusso, imediatamente a montante das Ingombotas, onde eram sepultados ou, em muitos casos, simplesmente deixados como alimento às hienas, leões e outros animais selvagens que por aí rondavam em procura de alimento

 Naquele complexo de morte-ressurreição fica bem nítida a origem supersticiosa e tradição oriunda dos Kongos embora nestes folguedos haja inúmeras variantes de acordo com a improvisação dos intervenientes e detalhes de costumes desses locais tendo em alguns lugares a cobertura parcial da igreja com procissão na companhia de Nossa senhora dos Negros ou da Aparecida. Em Piaçabuçu, uma cidade situada quase na foz do Rio São Francisco, aparece uma onça em frente ao mocambo que é perseguida, depois de dançar aos assobios e latidos de negros que ganem como se fossem cachorros sob a regência da música das tabocas. A perseguição e captura da onça ao som da banda esquenta-mulher, dos cabaçais cujo ritmo e melodia imitam a perseguição de uma onça por cachorros. Tudo muito semelhante às festas dos Kimbos em que entra a figura de um espantalho vivo chamado de Chingange que com guizos e espalhafatosos movimentos de zabumba, leva determinado animal ao curral da paliça.

(Continua...)

Pesquisa bibliográfica: Cadernos de folclore de Théo Brandão no Brasil e José Redinha de Angola – Quilombo

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 00:37
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

RELOGIO
TEMPO
Weather Forecast | Weather Maps
Julho 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
13
14

16
18
19
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
CAIXA MUSICAL
CONTADOR
contador free
ONDE ESTÁS

Sign by Danasoft - Myspace Layouts and Signs

blogs SAPO
subscrever feeds