Terça-feira, 28 de Outubro de 2008
Ainda sobre moedas de ANGOLA

 

Handa – O nome que o autor atribui aos lingotes de cobre que corriam do Catanga à
Monomotapa e ao planalto de Luanda, ref. Octávio de Oliveira no [periódico?] Notícia
(1966) da província do Natal, África do Sul:
Handas de cobre, numária monomotápica, ensaio
numismático-arqueológico
. Note-se que a palavra banta handa significa clã entre os
ovimbundo e outros povos de Angola; por outro lado, o autor refere que Leo Frobenius, o
incansável explorador e fundador da etnografia belga, chamava aos mesmos objectos “handacreuse”,
que poderá ser heterografia da palavra flamenga handelkruis, ‘cruzeta de comércio’, de
onde, possivelmente este termo. Seria preferível, portanto, falar-se de cruzetas e lingotes.

Jimbamba – Palavra crioula, referida pelo autor, formada de jimbo, o nome dado em
Quimbundo à cíprea angolana [o zimbo, que corria até ao Catanga como moeda]; quantidade de
zimbos, coisa de valor. Acrescente-se que o termo perdura no Português angolano como ‘embamba’,
os pertences de alguém.

Jimbo – Quim. yimbu, do Quic. nzimbu, moeda; palavra que deu origem a
jimbamba.

Lerali – O lingote dos Pedi, uma barra cilíndrica de 45 cm de comprimento com um
cone de 160º (?) numa extremidade e decorações protuberantes, em forma de chifres (o autor não
dá gravura do objecto).

Libongo – Nome que veio a ser dado em Quimbundo ao ‘paninho’ tecido no Loango, semelhante
ao ‘paninho do congo’ ou likutu; acrescente-se que é palavra do Quimbundo calunda
lu
mbongu
, ‘moeda – mbonge – irrisória, numerosa, como o nó do caniço’, já que um
libongo valia 5 réis em 1695, quando o governador Henrique Jaques de Magalhães fez circular esta
primeira moeda divisionária em Angola – já ali havendo moeda de 20 e 10 reis – dando assim origem
a um motim entre a soldadesca brasileira da guarnição de Luanda.

Lingote – Forma manejável em que é vertido um metal pesado, monetário ou não. Depreende-se
do trabalho em referência que o lingote de cobre africano ocorre em três formas: a barra
cilíndrica, o ‘H longo’ em forma de astrágalo – o ‘jogo das pedrinhas’ – o objecto monomotápico
assim denominado por Theodore Bent em The Ruined Cities of Mashonaland, e a cruzeta.

A forma cilíndrica, ou vergalhão, é a mais espalhada pela África austral, tanto como material
para a confecção de manilhas, como na forma de mutsuku, os “cilindros rectangulares com
fileiras de tachas no topo”, cada uma equivalente a 133 g de metal, o preço de uma enxada de
ferro. As extremidades de um lingote monomotápico – de que a forma mais antiga foi encontrada
na margem do r. Mpofu, Lomagundi – lembram, nos tamanhos mais pequenos, as orelhas de um martelo:
foi Bent que primeiro descreveu o objecto, encontrado pela sua escavação das ruinas do Zimbabué
de Fort Victoria, de que Hall and Neal em 1903 encontraram o molde, em talco xistoso, na estação
de u’Mununkwaba, juntamente com gongos duplos e “um jogo de bolinhas de talco xistoso”; outros 12
moldes conhecem-se de Elizabethville e da Zambia; 21 espécimes foram encontradas por António
Joaquim da Rocha “em Guengue, junto ao r. Búzi, na propriedade do Sr. Clemente da Silva”, prov.
Manica e (?) Sofala, Moçambique. A cruzeta trata-se separadamente.

Os mutsuku já eram fundidos pelos Lemba, autóctones do Transvaal setentrional quando os
Venda bantos ali chegaram no século XVIII. A origem do lingote monomotápico, e portanto o da
cruzeta, dele provavelmente derivado, é obscura: Diodoro Sículo descreveu lingotes da Dalmácia,
que o arqueólogo Sir John Evans comparou ao lingote africano (re. James Walton,
The African
Village
); poderá ser o objecto dálmata o que aparece reproduzido pelo autor na segunda figura
da p. 35: um lingote em ‘H’, convexo – enquanto o monomotápico é côncavo – forma estilizada
reminescente da do antigo lingote mediterrânico, no feitio e tamanho de um couro de carneiro; em
África, pensa-se que a indústria tivera origem entre os Macaranga. Veja-se também Cameron (1877)
e Aurora Ferreira.

Os lingotes africanos mais semelhantes ao objecto moderno foram produzidos pelos Kwena – mineiros
do estanho do Rooiberg, distrito de Waterberg, Transvaal – em moldes cavados em areia ou talco
xistoso.

Lombongo – De libongo, nome dado em Angola ao ‘paninho’ tecido no Loango, que
corria como moeda no reino do Congo e em Angola. O termo parece ter começado a aplicar-se às
moedinhas de cinco reis que circularam neste reino a partir de 1695; segundo o autor [o termo é
crioulo], derivado do Quimbundo m’ilambongo, ‘uma quantidade de imbonge’ (sing.
mbonge, ou ‘bongue’) coisa de contar, como o nó do caniço. Significa hoje, simplesmente,
‘dinheiro’.

Macuta – Quim. makuta, pl. de likuta, o nome quicongo dos célebres ‘panos’,
tecidos de fibras vegetais que correram como moeda em Angola até 1694. A partir deste ano,
correram principalmente moedas de 10 reis produzidas para “o Brasil e Guiné”, querendo ‘Guiné’
dizer todas as possessões portuguesas na costa ocidental de África. As ‘macutas’, com o dístico
“África Portuguesa”, só vieram a ser cunhadas em 1762, no tempo do marquês de Pombal. Conheceram,
porém, uma grande distribuição no reinado de sua filha D. Maria I: houve emissões em 1783 (12,
10, 8, 6, 4 e 2 macutas, em prata; 1 macuta, em cobre), 1784 (6 e 4 macutas, em prata), 1785 (1,
½ e ¼ macuta, em cobre), 1786 (1 e ½ macuta, em cobre), 1789 (12, 8, 6 e 4 macutas, em prata;
1, ½ e ¼ macuta, em bronze) e 1796 (12, 10, 8, 6, 4 e 2 macutas, em prata). Foram desvalorizadas
50% sob o regente D. João, em 1814 (foram carimbadas nas missões até 1816), e não tiveram novas
emissões no reinado de D. Miguel. No reinado de D. Maria foram de novo desvalorizadas em 20%, mas
houve novas emissões em 1848-51 e em 1853. Sob D. Pedro V houve emissões das moedas de ½ macuta
(1858) e de 1 e de ½ macuta (1860). No reinado de D. Luís I houve um ensaio de nova moeda para
Angola: as moedas de 20, 10 e 5 reis de 1886 substituiriam as macutas, mas nunca foram produzidas.
Assim, as macutas correram em Angola até à implantação da República em 1910, durante, portanto,
148 anos e 9 reinados.
.
Moeda angolana – A primeira sugestão de cunhagem de moeda privativa para Angola pertenceu
ao senado da Câmara da cidade de São Paulo da Assunção em 1649, sendo governador Salvador Correia,
que também assinou o auto respectivo, de 31.03: as moedas seriam de cobre, com os pesos de duas
oitavas e dois terços [2,66×3,586 g ou seja, 9,539 g]... que se chamaria meio pano e valeria 25
reis, e de uma oitava e um terço [metade do peso anterior], que se chamaria libongo e valeria,
naturalmente, 12,5 reis.

 

 

VISCONDE DO MUSSULO

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 11:24
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

1 comentário:
De kimbolagoa a 2 de Novembro de 2008 às 23:36
Além do N´zimbo havia os caurins, mais pequenos e muito usados nas missangas que embelezavam os reis e, mais tarde as rainhas
Ir à Web e introduzir caurins. Abrem-se outras estórias interessantes do Togo e Benim mas que, se tornaram populares entre os Fiotes.
Mais tarde a moda das missangas chegou aos reinos de N´dongo e N´gola.
Segue um extrato
"Ao contrário, o urucongo e o bujamé despedem sons festivos. Cada matrona e cada rapariga se enastrou do melhor que pôde. Colares e manilhas de missangas de coral e vidrilho com caurins entremeados ou pendentes lhe cingem a garganta e os pulsos, fazendo ao reflexo variegado realçar o ébano da cútis. O candombe deslaçado em meneios lascivos, o canto de diapasão áspero e monótono formam o cortejo mortuário em roda do cadáver.
Presidia a festa, que simulava estranha macabra de vampiros ou bruxas, Maria a Conga, a quem a senzala venerava como rainha ou fetiche de um culto profundo"

Afinal aquela Maria a Conga noutros tempos era a mulher do T´chingange
O Soba T´chingange


COMENTAR POST

RELOGIO
TEMPO
Weather Forecast | Weather Maps
Maio 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15

18
19
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
CAIXA MUSICAL
ONDE ESTÁS

Sign by Danasoft - Myspace Layouts and Signs

blogs SAPO
subscrever feeds