Sábado, 4 de Janeiro de 2014
MOKANDA DA LUUA . XX

ANGOLA A MUTOPA DO SECULO KINJONGO

Por

  Dy – Dionísio de Sousa  (Reis Vissapa)

Pirilampo entrou a correr desenfreado no kimbo do século Kinjongo como se tivesse dado de caras com uma Kazumbi ao atravessar o rio Capitão, zona mal afamada onde constava que volta e meia as almas penadas em grande abundância infernizavam as noites. Os gritos entrecortados com soluços engasgados alvoroçaram o pessoal das cubatas que deveriam ouvir-se lá para os lados do Santo António. O meu amigo Pirilampo estava literalmente siderado. As pupilas negras pareciam dois mirangolos maduros e o branco dos olhos duplicara, as lágrimas abundantes desciam em cascata pelas faces negras misturando-se com o muco opalino que teimava em escorrer das narinas. As primeiras varejeiras já começavam a esvoaçar em redor da cara lacrimejante do Pirilampo antevendo uma refeição fluida. A Josefina que moía grão no pilão, parou a sua actividade e o Elias Linguiça libertou-se da sua mangonha habitual, ambos com uma curiosidade reticente. O velho século Kinjongo nem se mexeu da cadeira manca de assento em pele de boi. A mutopa jazia indolente entalada na boca caboba, deixando escapar do fornilho um fumo indelével que atravessava as faces rugosas perdendo-se nos olhos semi-cerrados do velho século.

 - Eu vai morrer tia, eu vai morrer mesmo, gritava o Pirilampo. – Todo o mundo vai morrer, Surucucu te picou, ou quê? – Comentou fleumático o mangonheiro Linguiça. - Vai morrer mesmo, vai morrer mesmo Elias. – A voz sumida do meu amigo situava-o já às portas do céu. Tudo começara com uma caçada aos cardeais que pejavam um charco das redondezas. Depois de muita fisgada sem sucesso, pois as aves escarlates resguardavam-se com esperteza no canavial, resolvemos seguir em direcção ao solar da Prima Rosa onde abundavam T´chiricuátas, Tentenas, Bicos-de-lacre e outra caça mais acessível. Caminhávamos descalços pelo carreiro evitando com destreza as makutas e o feijão maluco, quando uma sombra pairou por segundos sobre a cabeça do Pirilampo numa espécie de mini eclipse, perdendo-se em seguida em direcção à serra. O meu amigo negro ficou cinzento quando viu que a enorme águia que descrevia círculos planando na imensidão dos céus e a que chamávamos Manta, fora esta a causadora do sucedido.  

 Rezava a lenda que numa situação destas o atingido por esta sombra malévola da dita Manta deixaria sem apelo nem agravo este mundo numa questão de dias, e os candengues mais velhos passavam a vida a avisar-nos deste perigo eminente. Esclarecida a tia Josefina, o Linguiça e o século Kinjongo de tão grande desgraça, o Elias alvitrou que talvez não fosse má ideia fazer um Zumbi para salvar o Pirilampo dos quintos do inferno. Esta sugestão não era de modo algum inocente, pois tal cerimónia significava que uns bons litros de Macau, umas garrafas de vinho Royal e o abate de um dos bois do Kinjongo podiam abalar a pacatez chata do Kimbo e melhorar o habitual menu de pirão e esparregado de Lombi. Nos olhos do meu companheiro de caça acendeu-se uma luzinha de esperança e manifestou a sua gratidão ao mangonheiro com sucessivos – Muito obrigado tio, muito obrigado tio. Com as costas da mão deslocou metade do ranho para a bochecha direita e outra metade para esquerda. Foi então que o século Kinjongo abandonou o seu estado aparentemente cataléptico, tirou a mutopa dos beiços carmíneos e chamou o Pirilampo, que respeitosamente se aproximou dele com as mãos inquietas esfregando uma na outra e o olhar cabisbaixo de um garrote pronto para o matadouro.

 O século passou-lhe o cachimbo mutopa para as mãos e ordenou-lhe que inspirasse a maconha com força durante uns dez minutos que quase certo se libertaria de tão terrível maldição. Acho que o Pirilampo andou tonto durante uns dias com o milongo do Kinjongo mas graças a Deus continuou vivinho da silva acompanhando-me nas caçadas aos cardeais. O Linguiça, falhada a tentativa de um forró, voltou a hibernar na sua esteira de caniço espalmado. Relativamente à Josefina, à falta de melhor, lá ia cozinhando na sua panela de barro negro pirão de massango e esparregado de Lombi. Quanto a mim, ainda hoje quando vejo um passaroco de dimensões invulgares a planar nos céus deste mundo, apresso-me a esconder-me no alpendre mais próximo, é que aqui na terra dos brancos não há daquela maconha milagrosa que fumegava na mutopa do século Kinjongo.

Reis Vissapa

As opções do Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 00:31
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

RELOGIO
TEMPO
Weather Forecast | Weather Maps
Novembro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10

15
17
18
19
20

22
24
25
26
27
28

29
30


MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
CAIXA MUSICAL
ONDE ESTÁS

Sign by Danasoft - Myspace Layouts and Signs

blogs SAPO
subscrever feeds