Domingo, 13 de Janeiro de 2019
BOOKTIQUE DO LIVRO . VIII

GLOBALIZAÇÃO

- Cinco séculos de pessoas, costumes e governos desaproveitados…13.01.2019

Por

soba0.jpeg T´ChingangeEm Lagoa do M´Puto

booktqiue3.jpg 74 - Se estudarmos as lições da história para daí tirarmos conclusões sobre como sobreviver na globalidade com crises constantes, teremos de dar crédito ao dito por um concelheiro respeitável, D. Luís da Cunha ao serviço do rei D. João V, "o Magnânimo", quando o aconselhava a fazer transferência da corte de Lisboa para o Rio de Janeiro no Brasil. Ao estabelecer-se no "imenso continente do Brasil", o rei de Portugal deveria tomar o título de "Imperador do Ocidente" quando não pendia ameaça iminente sobre a soberania portuguesa na metrópole (M´Puto).

75 - Esta ideia fora já apresentada pelo padre António Vieira, na situação de emergência do período da Restauração da Independência de Portugal; esta ideia visava buscar um meio de afirmação e engrandecimento do reino de Portugal ao mesmo tempo que garantia melhor a sua segurança na Europa. Passado que são mais de trezentos anos, até custa acreditar haver em esse então, gente lusa com tanta visão da globalidade.

booktqiue5.jpg 76 - Portugal necessitava engrandece-se juntando para tal a gente letrada de um e outro lado do Atlântico para preservar a união de todos, letrados com gente rica. Já nesse então quatro quintos da receita do reino, vinham do brasil, ou seja 80%. Lendo agora os escritos de Joseph Stiglitz que foi assessor do presidente Bill Clinton e Vice-presidente e economista-chefe do Banco Mundial, verificasse que afinal em relações entre povos, o interesse económico, foi, continua a ser e assim será, o ponto fulcral.

77 - É mais comodo e seguro estar aonde se tem o que sobeja, que onde se espera aquilo de que se carece. Na lista de livros da BOOKTIQUE, mencionei em número cinco a História da riqueza do Brasil de Jorge Caldeira e é curioso ver o quanto tem de semelhança com a leitura da Globalidade deste conceituado economista Stinglitz, numero seis do booktique. Em realidade, no mundo da lusofonia, dos países da CPLP, ambos se complementam nesta visão!

booktqiue0.jpg 78 - No mundo, qualquer acordo de comércio entre países, envolve custos e benefícios. Os países impõem restrições a eles mesmos, na crença de que restrições recíprocas aceites pelos outros, abrirão novas oportunidades, cujos benefícios superarão os custos. Infelizmente, para a maioria dos países em desenvolvimento, não tem sido esse o caso, porque nenhum acordo é melhor do que um acordo ruim.

79 - O comércio não é um jogo de somar zeros em que aqueles que vencem, o fazem à custa dos outros; ele é ou pelo menos pode ser, um jogo de soma positiva, em que todos podem ser vencedores. Se quisermos que esse potencial se realize, devemos primeiro rejeitar duas das premissas da liberalização do comércio: que a liberalização leva automaticamente a mais comércio e crescimento, e que o crescimento irá automaticamente “gotejar” em benefício de todos.

booktqiue4.jpg 80 - Nenhuma das duas premissas é consistente com a teoria económica e com a experiência histórica. Para haver apoio à globalização do comércio no mundo desenvolvido, devemos garantir que os benefícios e custos sejam compartilhados de maneira mais equitativa, o que envolve uma tributação mais progressiva da renda; é o que nos diz em seu livro, Joseph Stinglitz. A globalização não será aceite pelos trabalhadores dizendo-se a eles que poderão ter um emprego, desde que aceitem salários mais baixos.

81  - Os salários podem aumentar somente se a produtividade crescer, e isso exige mais investimento em tecnologia e educação. Infelizmente, em alguns países industriais avançados, isso é o oposto que vem acontecendo: os impostos a se tornarem mais regressivos, as redes de segurança a se enfraquecerem e os investimentos em ciência e tecnologia a declinarem como percentagem do PIB, assim como o número de formados em ciência e tecnologia. Com a globalização, aprendemos que não nos podemos isolar completamente do que acontece no resto do mundo.

roxo91.jpg  82 - Os países industriais avançados beneficiam-se há muito tempo das matérias-primas que obtêm do mundo em desenvolvimento; seus consumidores beneficiam imenso com bens manufacturados baratos, de melhor qualidade e, cada vez melhor. Ajudar os habitantes do mundo em desenvolvimento, aqueles que são mais pobres, é uma questão moral mas, cada vez mais se reconhece que esta ajuda é também uma questão de seu próprio interesse. Com a estagnação, as ameaças de ordem dos desiludidos diante do desespero, aumentarão.

83 - Tenha-se em conta que onde quer que predomine o capital, predomina o trabalho, e onde quer que predomine a renda, predomina a ociosidade. Os capitais são aumentados pelo acto de poupar, de economizar, de despender moderadamente e diminuídos pelo esbanjamento e pela má administração. O maior objectivo social em economia passa a ser a criação de grandes mercados, que fazem a riqueza das nações. Seria bom que surgisse um novo Dom Luís da Cunha a incentivar um grande mercado entre os PALOPS - Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa e a CPLP - Comunidade dos Países de Língua Portuguesa com o Brasil e seus mais de duzentos milhos de almas na liderança…

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 22:19
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

RELOGIO
TEMPO
Weather Forecast | Weather Maps
Janeiro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
12

14
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
CAIXA MUSICAL
CONTADOR
contador free
ONDE ESTÁS

Sign by Danasoft - Myspace Layouts and Signs

blogs SAPO
subscrever feeds