Quinta-feira, 28 de Janeiro de 2021
KALUNGA . XVI





MOKANDAS XINGUILADAS

A DOENÇA DA DEMOCRACIA E A PANDEMIA 25.01.2021

Crónica 3106 - Xinguilar: Palavra angolana que significa entrar em transe em um ritual espiritual, geralmente ligado aos cultos nativos dos ancestrais e Nkisi/Mukisi.

Por     T´Chingange – Desde o Barlavento Algarvio do M´Puto

O busílis da “doença da democracia” está em esta aumentar a desigualdade sem impedir o crescimento do endividamento que sobe à semelhança da pandemia e, que em flecha sobe para o espaço - na vertical. Agora que estamos em uma crescendo medonho de infectados com o vírus, com tudo encerrado e hospitais saturados, como iremos sair então deste beco apertado de sanidade.

Sem empresas laborando, não haverá trabalho e, sem estas, não haverá Estado nem empresários. Aquele de “Por favor ajudem-nos todos” que ecoou por aqui e ali, foi o grito da Ministra da Saúde de nome Temido, que veio tirar da letargia o próprio Governo que teimava e teima em conciliar o inconciliável medo, como se todos eles, no poder, tenham frieiras de tolher decisões. Parece não haver os suficientes recursos nem técnicos suficientes no momento; infelizmente parece ser um facto!

  Um dia tinha de acontecer isto por via das restrições ao Curso de Medicina e, por via das altas notas exigidas pelas Universidades mais os condicionamentos exigidos pela Ordem dos Médicos. Também pela forma como os Enfermeiros foram tratados, vendo-se na contingência de abandonar o país para sobreviver em essas outras paragens. Verifica-se assim a democracia andar doente na honorabilidade da prática, por falta de ética ou por uso incorrecto das leis. E, seja o P.M. Costa, seja o P.R. Marcelo, cometem deslizes – eles não são bruxos…

  É fácil acertar no totoloto à segunda-feira mas, era de prever que isto em um dado instante não daria certo. Falharam! Falhamos! Mas, sempre há tempo para se morrer! Sempre é tempo para se fazer outro início! Não sei se por egoísmo ou se por outras quaisquer periclitãncias, hoje os SNS – Serviço Nacional de Saúde, está a sofrer na pele algumas daquelas posturas egoístas que as classes quase sempre teimam em preservar a contento lixando-se nos demais. Eles, os governantes que idealizam, que mandam e desmandam fazem com que andemos tiritando medos pelas pontas das unhas, dos pés e das mãos…Também e, de momento, as ajudas nas chegadas de vacinas parecem estar a passo de caracol.

 E, sendo assustador, somos levados a fazer a pergunta: Porque se demorou tanto a reagir? Pude ler no Expresso pela caneta de seu Director que António Costa como gestor deste País se esqueceu de que a prioridade dum condutor de um barco é diversificada. Induzindo isto em metáfora, sempre será mais fácil apreender a cena duma outra forma: A preocupação fundamental dum PM ou PR, não é a de se chegar ao destino mantendo-se ao leme como timoneiros ou de garantir o bom estado do barco. Não! As suas obrigações principais, serão garantir a segurança de todos os passageiros, nem que para isso tenha de se parar a embarcação num bom porto.

Nesta guerra pandémica será mais fácil uma afronta ou ataque directo às hipóteses segundo a opinião dos cientistas, de epidemiologistas e analistas sem dúvidas grosseiras, ao invés de daí, se retirarem benefícios políticos. Sempre aquela mancha ideológica de que os políticos enfermam e, que naturalmente nos confundem. Com os holofotes mal direccionados misturam ou deturpam nossas preocupações. Como diz a sombra esquerda de Saramago, o tempo não é uma corda que se possa medir nó a nó como faziam nossos antigos marinheiros para definir baixios.

  O tempo, é uma superfície oblíqua e ondulante, dependente dos actos ou feitos. Uns fazem, outros dizem fazer, outros, é só de faz-de-conta, fingindo que sabem mais do que Zaratustra ou Nostradamus. O sol, o ar, a água, e a terra, têm de ser considerados permanentemente parte de nós. O corpo é em verdade o pára-choques das emoções tendo entre outros males o medo, como um veneno mortal. Vivemos momentos de medo, de imposições e uma baralhada de posturas com cães à trela, e assim mais assado, fique ali e… Tudo fica por aqui, na incerteza…

Não nos cairá bem, fazer olhinhos de complacência a um qualquer inqualificado político, magarefe que ao invés de nos servirem, se servem! Não é para isso que nós os elegemos! Com muitas lacunas e tanta precaridade dá para se aprender que o caminho da convergência, da união, sempre tão esbugalhado, caminhará para um beco se não derem rumo certo ao barco. E, num sempre já agora, o que é que não funciona bem? O povo ajuizará por finalmente: sempre na expectativa de que a prescrição corre mais rápido que a decisão…

O Soba T´Chingange







PUBLICADO POR kimbolagoa às 20:08
LINK DO POST | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




Setembro 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

15
17
18

20
21
22
24
25

26
29
30


MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
blogs SAPO
subscrever feeds
Em destaque no SAPO Blogs
pub