Quinta-feira, 23 de Outubro de 2014
MISSOSSO . X

ANGOLA . LUBANGOIr ao mato era um acto quase solene mas, havia o feijão maluco mais a surucucu a respeitar.

Por

    Dy - Dionísio de Sousa  (Reis Vissapa) 

IR AO MATO

- Hei, Salmonela, vou ali para trás daquela goiabeira desentupir a canalização, cuidado não vires para lá a chifuta, que não quero apanhar com uma pedrada no mataco. Na minha meninice este pedido feito a alguém que tivesse ido connosco caçar passarinhos era sacramental, ainda para mais que o meu amigo Salmonela era vesgo do olho esquerdo. Em verdade vos digo, que lá na minha terra, o Lubango, ir ao mato era um ato solene e que exigia uma dose de coragem bastante dilatada. Pessoalmente não acredito que exista alguém à face da terra, ou mesmo a fazer tijolo nas terras do kaparandanda, que nunca tivesse passado por essa experiência verdadeiramente sublime de defecar no mato, mas que havia risco lá isso era indubitável. A escolha de uma goiabeira obedecia aos critérios normais, exigíveis para tal prática.

saurimo6.jpgEm primeiro lugar, essa bendita árvore dava-nos a possibilidade de reflorestarmos sem grande dispêndio, a área adjacente e em segundo porque renovávamos a flora intestinal com as sementes necessárias, para novas atitudes ecológicas. Era um humilde prazer que não obrigava ninguém a passar horas esquecidas num centro comercial para aquisição de qualquer bugiganga made in China. O dinheiro era absolutamente irrelevante e sobretudo não enchíamos os bolsos dos glutões das finanças. Mas claro que não há bela sem senão, e antes de nos agacharmos com o rabo ao léu debaixo da árvore escolhida, era necessário verificar com cuidado se os vestígios do nosso antecessor já tinham sido dizimadas pelos escaravelhos “ Empurra Caca “, ou se, no tempo da chuva pelos t´chicocolos de mil pernas.

tchi3.jpgPor outro lado a questão fundamental do papel, esse instrumento absolutamente necessário à higiene final. Quem é que, enquanto catraio levava um rolo de papel higiénico para caçar passarinhos? Era absolutamente impossível, pois os bolsos dos calções iam literalmente atulhados de seixos para serem usados na funda da fisga. Sendo assim, o melhor era verificar previamente, a existência de algum arbusto com folhas suficientemente largas, para o substituírem. Outra precaução fundamental, era analisar com conhecimento, se nas vissapas em redor não havia feijão maluco, pois aí sim, ao falharmos esta premissa, ficava o caldo entornado e tínhamos de correr como lebres para a mulola mais próxima para aliviarmos a comichão e o ardor nas nádegas. Além de tudo isto o que já não é pouco, evitar não confundir tanto quanto possível, folha de tabaibeira, com folha de mamoeiro, o que se tornava absolutamente catastrófico.

tabaibos 2.jpgEm Portugal, esse costume maravilhoso de ir ao mato perdeu-se nas brumas da liberdade, e eu que fui estigmatizado por esse epíteto infame de “ Retornado”, sem nunca ter cá estado e culpabilizado de ter trazido para o país, aqueles bichinhos pequenos conhecidos por “ Ide Amines “, e de tomar banho todos os dias, senti-me imensamente pobre por ter perdido esse hábito ancestral. Além de tudo isto, sinto um desgosto enorme em não poder ir caçar passarinhos, com o meu amigo negro, o Salmonela. No entanto, tento colmatar estas perdas com passeios matutinos pelos pinhais e eucaliptais da minha zona. Acreditem ou não, tenho deparado com sinais evidentes de que algum “Retorna” importou para este país esse hábito, mas para desgosto meu, absolutamente adulterado. Senão vejamos, goiabeiras são totalmente inexistentes e o campo de escolha alterna, entre carcaças de frigoríficos, fogões desventrados, tapetes velhos, colchões com nódoas estranhas, entulho das obras, latas de tinta vazias e benza-a-Deus, até já encontrei uma porca inchada e podre, e um saco cheio de gatos asfixiados.

raizes.jpgCom a chegada do consumo e da modernidade, verifiquei que o papel higiénico é utilizado em profusão, juntamente com guardanapos, lenços de papel, e nos casos mais dramáticos sacos de cimento. De tal forma disseminados nas proximidades do advento, que quando das neblinas da madrugada, fico sempre com a esperança que El-Rei D. Sebastião surja daquele caos infernal a desembaraçar-se das ligaduras com que os mouros o envolveram. Quanto ao artigo propriamente dito é verdadeiramente calamitoso, e ando cá a matutar o que é que os portugueses comem, para dar origem aquelas coisas horrendas e ainda por cima sem as tradicionais sementes de goiaba, que afinal contribuiriam em muito para a beneficiação da paisagem. - Olha lá, não te atrevas a ir ao mato para trás daquela carcaça de Fiat Punto, hoje é Domingo dia de caça e vi passar para aqueles lados um coelhinho pequeno e estão pelo menos cinquenta e dois caçadores de camuflado escondidos por detrás daquela montanha de carcaças de televisão. – Disse-me uma vozinha débil, que se não tivesse a certeza que ele está lá longe, nas terras do kaparandanda ia jurar que era o Salmonela.

Reis Vissapa

As escolhas do Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 21:53
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

RELOGIO
TEMPO
Weather Forecast | Weather Maps
Maio 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15

18
19
22
23

24
25
26
27
28
29
30



MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
CAIXA MUSICAL
ONDE ESTÁS

Sign by Danasoft - Myspace Layouts and Signs

blogs SAPO
subscrever feeds