Terça-feira, 24 de Maio de 2016
MISSOSSO . XXVII

.ANGOLA . TERRA DA GASOSA - Não há palavras para vos descrever o que senti ali acocorado entre aquele imbondeiro das Mabubas…

Missosso: Da literatura oral angolana, contos, adivinhas e provérbios com homens, monstros, kiandas de Cazumbi, animais e almas dialogando sobre a vida, filologia, religião tradicional e filosofia dos povos de dialecto quimbundo. Óscar Ribas foi o seu criador.

De T´Chingange: - Este missosso não deveria ter acontecido tão verdadeiro e tão actual mas, aconteceu! Introduzo aqui em segundo relevo a minha vida em tempos idos quando era preto na cor e era pescador…

Por

cacu26.jpgJúlio Ferrolho

cacu6.jpgPARTE 1 - O CACUSSO, O IMBONDEIRO E OS MOSQUITOS

Encontrava-me em Luanda a dar formação, ensinava no ex-Inorade como se construía e se geria uma empresa nos momentos de início da sua vida, naquele mês de Março do início do século, integrado num projecto da Associação Industrial Portuguesa. Instalado no hotel Trópico saía à rua só na viatura que estava ao serviço do curso, que era conduzida por um funcionário ministerial angolano. Durante a semana ficava pouco tempo para reconhecer a cidade, pois a formação decorria entre as 9 e as 17 h e no hotel tinha meios de me entreter e, sobretudo, conhecer os assuntos do dia pela televisão, o que é um meio de nos actualizarmos depressa com a realidade local. Mesmo assim, numa tarde subi a pé a antiga Rua Luís de Camões, onde se situa o hotel, e fui visitar o prédio e a zona onde residi cerca de dois anos, na década de sessenta, mais acima, no Bairro do Maculusso.

:::::

No fim-de-semana de intervalo das aulas aceitei o convite do Teófilo, um amigo angolano que trabalhava na Sonangol e com quem estava a construir um programa de formação para ser instalado localmente, para ir comer cacussos grelhados ao rio Dange (ou Dande), entre o Caxito e as Mabubas. Ele passou pelo hotel para me apanhar e saímos por volta do meio-dia. No caminho tive oportunidade de rever o trajecto que tinha tão bem conhecido noutros tempos, mas encontrava-se muito mais movimentado agora, com multidões passando e vendendo toda a espécie de bens ou recursos nas ruas e à beira das estradas. Surgiam montureiras de lixo a esmo, em locais escolhidos à sorte de grandes dimensões e musseques a seguir uns aos outros, cobrindo quase todo o espaço disponível. Só depois do Cacuaco, entrados na área rural, é que deixei de os ver.

cacu8.jpg Não conhecia ainda os peixes que serviriam de almoço no nosso convívio. A prova foi uma agradável surpresa. Pude verificar que este peixe é de gosto acentuado mas de bom paladar. Experimentámos o cacusso grelhado ao natural e o mufete de cacusso, onde imperou o feijão com óleo de palma, a mandioca, a banana pão e a batata-doce regados com molho frio de cebola e tomate e outros ingredientes. O repasto demorou até ao meio da tarde pois aproveitámos para conversar e comentar as possibilidades de trabalho que nos interessavam mas que, por razões que não interessa agora referir, não vieram a resultar.

:::::

Lembrou-se o Teófilo de irmos até um pouco mais à frente, ver a barragem das Mabubas e assim aconteceu. Passámos a ponte e nem reparámos que se encontrava lá instalada uma brigada mista de polícia. Demorámos um pouco a visitar a célebre barragem de memórias militares ainda vivas e regressámos, já o sol apontava ao ocidente.

cacu7.jpg Quando encetávamos a passagem pela ponte no regresso fomos mandados parar por um elemento da brigada que nos pediu a identificação. Foi só nesse momento que reparei que tinha deixado o passaporte no hotel, ato que nunca me tinha acontecido nem nunca mais me aconteceu depois, sempre que estou no estrangeiro. Confessei imediatamente a situação, que o passaporte estava no hotel e o meu amigo, depois de se identificar, chamou o guarda à parte para lhe dizer o que se adivinha, metendo “gasosa” e o resto na conversa. Nada feito! (Talvez o cumbu ofertado fosse insuficiente!)

:::::

O homem, de baixa estatura e um pouco franzino, chegou-se ao pé de mim, olhou-me de frente, depois recuou por evitar ter de olhar um pouco para cima e, saboreando já a hipótese de vir a exercer o poder de que estava mandatado, disse-me: - Tu ficas preso, ali, debaixo daquele imbondeiro, e só sais quando o teu colega trouxer o teu passaporte se o tiveres no hotel, como dizes!

cacu9.jpg Assim aconteceu. Dirigi-me para o local que me indicou, junto ao rio, onde existia uma pequena construção de adobes sem reboco, onde os guardas trocavam de roupa. Ali fiquei, objecto da vigilância, ao longe, dos guardas que, entretanto, iam procedendo à identificação de outras pessoas não africanas sem obterem vitória idêntica à que tiveram comigo.

:::::

O Teófilo regressou cerca de 2 horas depois, já o sol desaparecera há muito para o lado do mar e o tempo arrefecia ligeiramente, o que notei de forma clara, pois estava de camisa de meias mangas. Os mosquitos faziam o trabalho deles e eu tentava, em vão, evitá-lo. Lá fui libertado com uma lição de moral cívica breve mas incisiva e cheguei ao hotel sem vontade de comer.

cacu22.jpg PARTE 2T´CHINGANGE EM KIFANGONDO … MOKANDAS DO REINO

Fui à torre do N´Zombo buscar jóias literárias do meu Reino de fantasia e, encontrei-me xinguilado no ano de 1486 - Estávamos em Janeiro de 1486. Eu, não era eu, retrocedi no tempo. Pela incorporação dum espírito de nome N´gesso voltei àquele ano, em plena kiangala. Os nomes eram diferentes, falava outra língua que não era a de hoje e, por isso vou ter de explicar no fim deste desassombro o que todas estas velhas palavras querem dizer naquele dialecto banto, o m´bundu.

:::::

Meu pai, Miconge N´futila das Mabubas, o kota da vata, decidiu abandonar terras do Kifangondo e, para tal saiu bem cedo para trocar impressões com o Umbanda e, só depois falaria com o M´fumu; sopado com minha mãe Kilua N´zinga desde candengue, entrara agora nas dificuldades da velhice, não podia mais sustentar a familia como kibinda; seus pés estavam pesando demais e o espírito dos kijikus estavam na trapalhação. Foi no M´fumo e explicou que era por demais kazumbi para aguentar, tinha na obrigação de levar o candengue (eu) na habituação da apanha dos n´zimbos na terra dos Ku-luanda.

cacu18.jpg Eu, que já tinha treze kixibus, entendi que as dificuldades de meu pai era kubasular aquela vida de matacanha. Miconge N´futila tinha no lumbu um irmão que era m´banda bem visto aos olhos do m´fumu-a-vata, que conhecia a ciência dos kalundu; este, podia muito bem dar trabalho para mim e espantar o mau-olhado dos defunto espíritos da Yanda. Na entrevista do velho kikongo chefe M´fumo com meu pai, as explicações foram aceites na reticência e, de satisfeito, quando chegou preparou as imbambas, corotos, a uanda,os kofus e a mukuali, sentou-se debaixo do m´bondo (aquele mesmo imbondeiro da maka de Júlio Ferrolho) e bebeu todo o marufo que tinha na kubata; ainda teve tempo de arrastar as quinambas para se despedir do mwani kazuca, amigo de muitas andanças.

:::::

No primeiramente ficamos no ka-kuaco, passadas as kalembas da barra do rio com a kalunga do mar; dificultadamente ximbicamos e remamos na vista de terra, minha mãe Kilua chorava de medo, os muandu brincavam na nossa volta. Ficamos ali uns dias na reparação pequena no n´dongo pois as calemas fizeram estrago. Entretanto consegui apanhar duas kiangus na minha lança que por ali se esconderam nas águas baixas; no seguidamente preparamos com n´tondo a acompanhar.

cacu23.jpg Naquela noite estava frio, as hienas choravam de fome e eu metia lenha na fogueira por medo; não preguei olho toda a noite, o meu lumbu estava agora a compor-se, mas o meu medo era por demais, só as kalembas abafavam os meus soluços debaixo daquela n´sanda; Uma manada de n´zaus passou por ali perto e só nesse meio tempo as hienas de manchas feias me deixaram em paz. Depois daquela noite ganhei coragem e, se calhar já nem ia para o layoteso pois que nos costumes do sítio para aonde íamos, eu não tinha amizades; assim passei aqueles longos dias até avistarmos a Mazanga.

:::::

O vento enchia as n´dele do n´dongo com força e rápidamente passamos a baía do m´bungo. Sei que paramos por ali e meu pai N´futila foi tirar informações de aonde podia encontrar o seu irmão e, meu tio m´banda de profissão e kadinguila de nome. No entretanto da espera vi na observância que aquela ilha era demasiado comprida e, dias depois chegamos na xicála sitio da dibata, dos seguranças do reino de N´dongo aonde meu tio tinha pré-ponderância.

embo0.jpg A partir daquele dia por direito de Kanda passei a ser ka-mundongo, apanhar búzios de n´zimbo na ponta da Mazanga e lá mais no longe, os caurins da Korimba e muito n´tadi no Mussulo. 486 anos mais tarde ressuscito maiombolado, mundele em plena Korimba; Já não havia hienas nem n´zaus e ali estava eu esperando lugar no kapossoka, atravessar o mar baixo e regressar no kitoco. Foi neste barco que a agora minha sopada, cafeco de então, Ibib, me mandou fazer continência à bandeira Portuguesa; estávamos no meio de um jogo de namorados que resultou em Ka-mundongos ou Ka-Luandas e que agora vão ter de passar pelas mesmas privações desse pai N´gesso T´chingange, a provar que o são.

Com cinco escudos em 1973 na Samba lembro-me de ter comprado um grade peixe-espada (kinbiji). Se um n´zimbo valia cinco caurins, naquela primeira encarnação 5 escudos seriam talvez uma canoa cheia de kinbijis.

Estamos a 24 de Maio de 2016 - 530 anos depois daquelas tormentas. Háka…

CAUNI 2.jpgGLOSSÁRIO: Candengue:-rapaz; corotos:- trastes; caurins:- búzios pequenos, cêntimos do zimbo; cafeco: - donzela; libata: - palhota; kanda:- descendente por via matrilinear; ka-mundongo: - nascido no reino n´dongo (Luanda) ou súbditos do chefe N´gola kitunda; ka-luanda: - nascido em Luanda, calcinha; kazumbi:- feitiço; kiangala:- pequena estação seca; kifangondo:- aldeia; kibinda:- caçador; kijucos:- gente de outras tribos, de fora; kalundu / kilundu: crimónia de chamar os espíritos ao culto; kixibus:- cacimbos, estação fria; kubasular:- passar bassula, dar a volta por cima; kicongo:- natural do Congo; korimba:- lugar de costa, ancoradouro; kapossoca:- nome de barco com motor; kitoco: - traineira trnsformada; kota:- mais velho; kofu:- cesto estreito e comprido para apanhar conchas; ku-luanda:- a ocidente, mais importante e sabedor; ka-kuaco: - sítio, lugar; kalemba: - ondas de mar bravo; kalunga:- abismo, sitio de muita morte; kiangu:- raia; lumbu:- descendente por parte do pai; layoteso:- casa da puberdade para rapazes; m´bundu:- de fala banto, em quinbundo; m´banda:- guarda, sub chefe; m´fumu:- chefe; mfumu-a-vata:- chefe da aldeia; matacanha:-pulga da terra, o mesmo que bitacáia; mukuali:- catana, facão; muandu: - tubarão; N´dongo: - reino da Matamba, parte central de Angola de ambos os lados do rio Kwanza, nome dado pelos portugas às canoas ou pirogas desta gente do reino; kinbijis: - peixe espada; n´tondo: - batata doce; n´sanda: cobertura improvisada de pescador com folhas da vegetação à mão; Mazanga: - Illha de Luanda; sopada/o: - casada/o

O Soba T´chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 12:13
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

RELOGIO
TEMPO
Weather Forecast | Weather Maps
Maio 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15

18
19
22
23

24
25
26
27
28
29
30



MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
CAIXA MUSICAL
ONDE ESTÁS

Sign by Danasoft - Myspace Layouts and Signs

blogs SAPO
subscrever feeds