Terça-feira, 18 de Setembro de 2018
MOAMBA – XXII

NAS FRINCHAS DO TEMPO – 18.09.2018

FAVELAS “Townships” na África do Sul ... Porque cada homem é um mundo, tem que ao tempo, dar-se tempo

Por

soba0.jpeg T´Chingange 2017 em Cape Town  - 2018 em Johannesburg

Este artigo já foi publicado em 14 de Setembro em Kizomba do FB deste ano de 2018 mas, por qualquer motivo que só os matrindindes podem saber, o assunto evaporou-se! Para que fique definitivamente no meu baú Niassalês, é agora publicado aqui no Kimbo de Lagoa Blogue com ligeiras alterações na redacção…  

fantasma0.jpg O aqui descrito remonta ao ano de 2017 quando desbravando áfrica, sucedeu dum inesperado desejo de rever musseques ou favelas aqui designadas de townshipes. Há alguma diferença entre as três designações mas, a pobreza, indigência e sobrevivência é seu denominador comum. A poucos quilómetros das belas paisagens que transformam a Cidade do Cabo em um cartão-postal da África do Sul, ficam localizadas as “townships” sul-africanas, como já referi. Elas cresceram de maneira desproporcionada após o início do Apartheid, em 1948, quando receberam milhares de negros, mulatos e indianos expulsos de suas residências.

:::::

Nem mesmo o final do regime de segregação racial, em 1994, foi capaz de melhorar a situação para centenas de milhares de pessoas que vivem em townships actualmente na Cidade do Cabo. Há diferentes tipos de townships; algumas misturam raças e outras reúnem apenas tribos específicas. Em comum compartilham a miséria e a hostilidade aos sul-africanos brancos, funcionários despedidos bóhers e outros marginalizados no tempo pela acção afirmativa do ANC – dar primazia de trabalho aos negros.

favela6.jpg A Cidade do Cabo possui o maior símbolo do regime, a prisão de segurança máxima Robben Island. Lá Nelson Mandela e outras centenas de líderes políticos negros ficaram isolados da população por décadas em uma ilha. Hoje a prisão virou símbolo de liberdade e ponto turístico da cidade, enquanto as townships caíram no esquecimento e ainda convivem com o fantasma do Apartheid.

:::::

Com a miséria, nem os olhos ou o cérebro das ovelhas escapam da panela; assim me foi dado observar. Pelo menos quatro vezes por semana, o sul-africano Lele M´Binda ajuda a superar o preconceito entre negros e brancos. Nascido na township de Langa, em Cape Flats, território da tribo Xhosa, Lelé, como é chamado, encontrou uma forma de ganhar dinheiro ao atrair turistas e estudantes brancos para conhecer a township onde foi criado.

favelas8.jpg O destino é recomendado apenas para quem quer enxergar um outro lado da cidade. E, interessados não faltam; Lelé está em contacto com as melhores escolas de inglês e agências de turismo de Cape Town, já que Langa é uma das poucas townships consideradas pacíficas e ele a conhece como ninguém. Ele, é um dos poucos em sua turma que conseguiram escapar da violência; faz questão de ressaltar isso logo no início da visita enquanto dirige sua carrinha (VAN ou comby). Na descida, fica impossível caminhar quando crianças nos cercam e imploram por dinheiro. Lelé diz para não darmos esmola, que isso só atrapalha; é uma realidade que nós de fala lusófona, bem conhecemos. Vamos em frente!

:::::

A primeira parada é em uma tradicional casa de cultura Xhosa, onde se é recebido com uma animada música local. O lugar parece importante, pois já recebeu a visita de Bill Clinton; por isso, ali surge colgada na parede, uma enorme ilustração do VIP-americano. Aprendemos, entre outras coisas, que Xhosa é a segunda língua mais falada na África do Sul, apenas atrás do Zulu. O artesanato local é curioso e interessante - os preços chegam a ser picantes, mas é difícil sair de lá sem querer ajudar um pessoal pé-de-chinelo sem lhes dar uns jindungos.

favela a.sul1.jpg Entre becos obscuros, leva-nos a um minúsculo quarto, onde vivem cerca de três famílias. Durante o dia ninguém fica por lá, pois não há espaço para todos. À noite todos se espremem para dormir. “Cerca de trinta pessoas moram aqui” - Lelé traduz as palavras de uma senhora aparentemente triste e cansada, que estava gentilmente no local para nos receber. Com os sentimentos um pouco confusos, vamos em direcção ao próximo programa - degustação de uma cerveja artesanal local. Lelé deve ter incluído isso na visita “townshipica”, pois sabe que estudantes e turistas gostam de cerveja.

:::::

Passamos por uma série de rituais que inclui descascar e comer uma semente, antes de experimentar a loira gelada, que na verdade é morena e quente! Um grande balde da bebida é compartilhado por todos e, o sabor é de uma cerveja fraca, quase sem álcool, nada comparado à Skol do Brasil, Sagres do M´Puto ou Cuca de Angola. Enfim, um mijo de burro ligeiramente graduado com álcool. É praticamente no meio da rua que acontece o momento mais desafiador do passeio. Em um fogão improvisado sobre latões de lixo, simpáticas cozinheiras começam a preparar o “Smiley”, prato típico da culinária de uma township. Aqui tudo parece improvisado mas nada é de estranhar para um cidadão do Mundo, o próprio Niassalês de nome T´Chingange

favela5.jpg O improviso consiste em comer tudo o que a cabeça de uma ovelha proporciona, desde cérebro, olhos e língua. Um pequeno pedaço da bochecha foi o suficiente e, para falar a verdade, até que ela possui um gosto satisfatório. Já de volta à VAN e um pouco traumatizados com a cena das ovelhas mortas, somos levados à última parada, o bar M´zoli’s, na vizinha township de Gugulethu. É neste território Zulu, onde também funciona uma churrascaria, que a cultura de uma township pode ser mostrada para os quatro cantos do mundo. Brancos, negros, mulatos e “pessoas de todas as tribos”, misturam-se em uma grande festa com música ao vivo tradicional com cerveja barata. Um forró Xhosa ou um baile arraial de mastro do M´puto!

:::::

O território é livre e o clima de coexistência com paz prevalece, aparentemente! Nos dias que correm nota-se uma tensão por via de desmandos e ataques com mortes violentas em fazendas - farmes, propriedade de brancos maioritariamente bóheres. Nota-se muita apreensão à qual eu dou veracidade por já ter passado por uma merda de política a que chamaram de descolonização exemplar. Isto é África!

IMG_20170720_115617.jpg Aqui, Talvez seja um dos poucos lugares na Cidade do Cabo aonde brancos, negros e mulatos convivem em condições igualitárias. Tudo aparenta em ninguém ser melhor do que outro alguém e todos se compartilham em estórias. Depois de muito churrasco de carneiro, cerveja e outros aperitivos locais, saímos com a certeza, já ao anoitecer, de que o sol também brilha em uma township. Na anterior publicação que não sei como se escafedeu nos labirintos plutónicos do Facebook dois amigos próximos da Kizomba, referiram não gostar de circos e em verdade não irei dizer que gostei, porque para o ser em realidade, só faltaram domadores de chicote e mansos leões que rugem em karaoke Xhosa …  

Vou dizer mais o quê! Amanhã será outro dia...

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 09:32
LINK DO POST | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




RELOGIO
TEMPO
Weather Forecast | Weather Maps
Maio 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15

18
19
22
23

24
25
26
27
28
29
30



MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
CAIXA MUSICAL
ONDE ESTÁS

Sign by Danasoft - Myspace Layouts and Signs

blogs SAPO
subscrever feeds