Domingo, 9 de Março de 2014
MOKANDA DA LUUA . XXIII

ANGOLA HUILA . O REINO DOS “CAMURÇOS

Por

  Dy - Dionísio de Sousa  (Reis Vissapa)

Se havia algo que era um símbolo de convivência social naquele longínquo planalto da Huíla eram as vilas que rodeavam o Lubango e onde cresceu e morou tanta gente boa. As minhas raízes são “Chibienses” e “Huílanas” algo que me dá e sempre dará imenso orgulho. Eu e o meu primo Jinguba temos muita coisa para contar acerca dessas datas festivas, diria mesmo coisas do arco-da-velha. O encanto dos bailaricos era muito mais apelativo e vencia com facilidade qualquer resistência mais temerosa. Os recintos de festa eram todos irmãos gémeos em matéria de arquitectura e decoração desde a Bibala, Humpata, Chibia, Palanca, Caconda, Caluquembe, etc.

:::::

De forma rectangular, telhado de capim e estrutura em madeira de aspecto rústico. A decoração também não fugia à regra com correntes de argolas de papel de seda partindo do centro e atravessando os salões em todas as direcções. Os bares com uma série de tábuas empoleiradas em barricas de vinho, faziam as vezes de balcão, uns tantos alguidares de cores garridas para lavar os copos com um camarada respeitável para servir a clientela. Na entrada para o recinto, estreita e única, estava outro cidadão cobrando uns patacos por uns bocadinhos de papel de cor indefinida a servir de senhas. Tudo de um encantamento invulgar; mesas dispostas ao redor da pista ornadas com jarrinhas com malmequeres silvestres.

 O grande virtuosismo destas festas, eram as orquestras ou conjuntos dependendo do elitismo da comissão organizadora. As bandas eram compostas de músicos que de pai para filho, se foram dedicando à sanfona, bateria, violão e até ao violino ou trompete. Os microfones gemiam de dor fazendo ranger os dentes aos dançarinos. Após o um, dois e três os músicos, cada um para seu lado iniciavam com a marcha da Carmélia Alves sucedendo-se Luís Gonzaga num baião sertanejo. O “Calhambeque” do Roberto era apoteose total do pessoal acelerando nas Cucas e Nocais e o ambiente tornava-se demasiado volátil, propício à confusão; a nossa perna ousava-se entre as pernas das meninas num baião forrobodó. A marcha, não permitia muita aproximação aos “Maboques” das meninas, coisa chata. Por serem precedidos por jogos amigáveis do futebol da tarde entre “Nativos” e “Estrangeiros” do Lubango, era vulgar aparecerem no recinto umas carolas enfeitadas com ligaduras e não raro uns braços ao peito.

:::::

- Porque raio é que o Mosca o nosso guarda-redes havia de se lembrar de atravessar o campo todo e marcar o décimo segundo golo aos Camurços? Onze zero já chegavam muito bem. – Comentou o Jinguba que tinha no cocuruto uma cicatriz de trinta e dois pontos fruto de uma pedrada de um fanático do Humpata Futebol Clube. Duma vez, a turba enfurecida atrás do autocarro arremessou tudo o que tinham à mão, desde o vulgar calhau, garrafas de Macieira vazias e até cadeiras; nesta feita, o Jinguba amolgou-se. Outra vez e, em Caconda onde cumpríamos o serviço militar foi agendado um jogo de futebol de salão entre os Magalas e os “ Nativos” escolhidos na rapaziada local. Um comerciante da terra e velho amigo dos meus tios fez questão de convidar a nossa equipe para uma almoçarada de leitão à moda da Bairrada. Uns Martinis de entrada e algumas garrafas de Cartaxo deixaram-nos maravilhados e gratos. Eu conhecendo histórias da “Peça” devia ter desconfiado de tanta gentileza. Estávamos a envergar o equipamento quando o Jinguba deu o toque a rebate borrando-se pelas pernas baixo e dando inicio a um corrupio geral às latrinas do quartel que acabaram por entupir com tanta caca. Claro que anémicos e desidratados levámos uma coça de seis a zero dos “Nativos de Caconda”.

 Certo dia, sem nada de interesse no Lubango resolvemos ir ao arraial do “Reino dos Camurços”. Eu e o Jinguba montámos no meu Mini-Moke e lá fomos empinocados para a Humpata com camisinhas de botãozinho no colarinho e calças à boca-de-sino e claro,… Brilcream para sustentar as popas. O recinto estava praticamente vazio mas, havia uma quantidade aceitável de moçoilas que nos olharam com alguma cortezia. Tudo foi bem até o Nelson Ned começar a entoar no gira-discos, “ Tarde de Domingo”. Quando o romântico brasileiro se calou o descontentamento estava estampado no rosto dos velhos e das velhas que não tinham apreciado lá muito a nossa maneira de agarrar suas filhinhas, convenhamos com algum aperto. Fiz sinal ao Jinguba para irmos até ao bar e de caminho segredei-lhe que o ambiente estava pesado… pronuncio de desgraça.

Sandula - Caluquembe: CALUQUEMBE – De povoação a vila ... Os bravos de Caluquembe

Nestes lugares, toda a gente é família… Um é primo de Beltrano que por sua vez é primo de Sicrano e por aí fora; por essa razão não é fácil arranjar aliados em tempo de fuga.

 - Duas Cucas por favor. – Solicitou gentilmente o Jinguba, tendo presente na memória o azarado jogo de futebol. O cavalheiro de suíças longas, pele curtida e um farto bigode negro olhou-nos como se fossemos uma praga de salalé, enquanto retirava de uma celha apinhada de gelo as duas cervejas. Pespegou com elas na tábua do balcão com tanta força que foi um milagre não se estilhaçarem; este gesto ameaçador devia-nos ter alertado para encetarmos uma fuga a duzentos à hora. Quando o Jinguba em má hora pediu dois copos ao Humpatense e estes os colocou à nossa frente sujos de vinho, senti um arrepio na espinha - Mas esses estão sujos de vinho; reclamou à cautela o meu amigo - Estão quê? Eu já te dou os sujos. – Rosnou o Camurço. Não pensei duas vezes, larguei uma nota de cinco escudos no balcão e gritei ao Jinguba: – Foge que se faz tarde “mermão”. Acho que bati a milha até à porta estreita do recinto onde levei um pontapé nos fundilhos do primo do Bigodes. Abençoado Mini-Moke que não tem portas e onde entrámos de mergulho. O ponteiro bateu nos cento e oitenta a descer a serra.

As opções do

Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 21:55
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

RELOGIO
TEMPO
Weather Forecast | Weather Maps
Maio 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15

18
19
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
CAIXA MUSICAL
ONDE ESTÁS

Sign by Danasoft - Myspace Layouts and Signs

blogs SAPO
subscrever feeds