Sexta-feira, 19 de Fevereiro de 2021
N´GUZU . XXXVII

CONHECER O BRASIL – LUNDU - Era uma dança de escravos “angolanos crioulos”, muito indecente na qual se faziam mil espécies de movimento com o corpo. Corria o ano de 1878  …19.02.2021 .....  N´Guzu é força (Kimbundo) – Crónica 3117

lundu05.jpgPor: T´Chingange – No Algarve do M´Puto

Lundu, era a dança mais difundida do século XIX no Brasil. Levada pelos escravos da Matamba de N´Gola e África Central, era cantado e dançado na forma original de umbigadas, movimento de ancas acompanhado por batuque em que os corpos se encostavam num movimento a que mais tarde, século XX, se veio a chamar de massemba; Nos domingos de folga, os escravos, nos recantos rurais e nas praças públicas das cidades, divertiam-se num remexo das partes inferiores do corpo ao jeito a que recentemente se deu o nome de corrumba…

As gentes da Metrópole, M´Puto, descreviam esta manifestação como de cavalhadas, dança afandangada onde se lhe reconhecia traços portugueses e até espanhóis com o estalar de dedos como se castanholas o fossem, acompanhando os violões e bombos de batuque. Os folcloristas de então tinham o dilema ao definir o enlace de misturas de chulas ou fados, acompanhados de requebros com alguns indícios ibéricos em roda e, desgarradas graciosas com palmas ritmadas no acompanhamento…  

lundu1.jpg Os mestiços ou libres pobres alforriados saracoteavam passos ondulados e engraçados marcados ao ritmo de palmas, até apitos e assobios a acompanhar cavaquinhos, flautas, violas, urucungos na forma moderna de berimbau e até marimbas improvisadas na forma tradicional de áfrica feitas de cabaça. Qualquer coisa que soasse, caixa, caixinha, pau oco ou casca de fruta seca como a vagem seca da acácia rubra…  

O lundu terá chegado aos salões aristocráticos da europa lá pela segunda metade do século XIX, por via da atracção dos finórios, calcinhas dançarinas que queriam fazer estilo de banga entre seus pares urbanos, atritos a excentricidades. Estes, quando tocados e dançados em salões chiques, teatros, circos ou casas de diversão ou alterne, meninas morenas do quebra ou racha, eram acompanhadas ao piano, um género de modinhas humorísticas.

lundu2.jpg Os compositores ávidos de variação diferenciada compunham assim música de teatro numa mistura de modas eruditas para atrair público mais refinado. Os salões mais requintados faziam questão de mobilizar serenatas, canções sentimentais com contrabaixo e até violinos. Temos assim a presença de difícil delimitação nos estilos com batuque, as chulas, as chibas (é sinónimo de samba no Norte e de Cateretê no Sul, reunindo damas e cavalheiros para dançar e cantar), fados, modinhas de novela com queixumes e choros com diferentes segmentos sociais. Chiba ou xiva que “é uma dança de roça, ao ar livre”, com violão, viola de arame, pratos, pandeiros e cavaquinho.

Os músicos negros barbeiros, anunciavam pela cidade de S. Paulo as festas religiosas, públicas, eventos com circos populares e artistas de rua. Para além destas festividades juntavam-se em locais próprios do teatro, os intelectuais misturados com boémios exprimindo-se com variantes de valsas e um tal de batuque rasgado. Estas trocas culturais eram intensas inviabilizando a circunscrição de um grupo étnico, ou social especifico em alguns destes estilos.

lundu06.jpg Pelo dito fica clara esta afirmação moderna do espectáculo maior no que é, e se sofisticou no carnaval actual, como o maior espectáculo do mundo. Gente observadora podia naquele então fins do século XIX, descrever lavadeiras negras e escravos cantando e farfalhando-se com polcas e barbeiros afandangados e dobrados em requebrados de quadrilhas, batuques em barracas, terreiros de cortiços e diversão em ajuntamentos públicos.

lunu0.jpgNa última década do século XIX surge então um novo género influência de todos os outros, esse tal de maxixe com choros de flauta, misturando violão, flauta e cavaquinho nos teatros de revista. A capital do Império S. Paulo, seguia assim as tradições de música lundu com batuque apesar de muito condenada pelos moralistas, defensores de uma civilização europeia. Tudo muito distinto desses candomblés e forrós de negros, mestiços e mazombos saídos duma fusão de raças, costume e superstições de três continentes mas, mantendo seu cunho de matriz africana de N´Gola e outras negruras.

Bibliografia: - Brasil Imperial

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 21:29
LINK DO POST | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




Setembro 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

15
17
18

20
21
22
24
25

26
29
30


MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
blogs SAPO
subscrever feeds
Em destaque no SAPO Blogs
pub