Terça-feira, 21 de Novembro de 2017
CAZUMBI . XXXV

O CHOQUE DO PRESENTE17.08.2017 - (Revisado a 21.11.2017)

- “O PRIMEIRO BRANCO” e a higiene racial...III

- Os portugueses “cruzaram-se” com os negros africanos. Isso resultou numa mudança profunda do carácter e da psicologia da nação lusitana.

Por

soba 01.jpgT´Chingange

Antigamente os escravos dos cristãos eram muçulmanos e os escravos dos muçulmanos eram cristãos! As escolas já não ensinam isto ao pormenor e, de qualquer modo, os manuais são feitos por gente…Muitos têm ADN preto como a Catarina Furtado que tem ascendência Angola mas, para quê rever isto!? Só mesmo para compreender que a raça humana é mesmo assim, ao correr da pena!

valdir5.jpg (…) Prosseguindo com a publicação do jornal National Vanguard Tabloid, este refere que a culpa desta estagnação no trato da eugenia com a “pureza da raça branca” e, segundo aquela organização inglesa de tendências neonazis, reside na liberdade com que os portugueses se “cruzaram” com os negros africanos. Isso resultou numa mudança profunda do carácter e da psicologia da nação lusitana.

:::::

O “National Vanguard” não tem nenhuma dúvida ao afirmar: “os portugueses do século XVII e os dos séculos seguintes são duas raças diferentes”. Os articulistas advogam obviamente a favor da separação racial. Sociedades como a americana que contiveram e contém uma percentagem considerável de negros. Mas, essas “souberam” manter uma céptica fronteira entre os grupos raciais. Não houve cruzamento nem mestiçagens; assim diz o jornal.

maqui1.jpg Foi essa separação que, segundo a racista publicação, ajudou a manter a capacidade de progresso em países como os Estados Unidos da América. E conclui: não existe evidência nenhuma que a integração dos negros e dos judeus tenham trazido alguma vantagem em qualquer parte do mundo.

:::::

Embora estas publicações sejam casos isolados e representem uma faixa desprezível da opinião pública, a verdade é que não é por acaso que o jornal escolheu Portugal como um caso paradigmático. Podemos até lembrar-nos do que escreveu Kaulza de Arriaga, quando explicava as maiores capacidades dos europeus do Norte em relação aos do Sul.

:::::

Os trópicos como evidência de degradação e desumanização é um estereótipo antigo e, essa atitude de arrogância não é sequer nova. No calor do Sul de África, com sol primaveril de Agosto, rodopiando as horas, vendo os novos rebentos das acácias, aqui estou numa espera tardia, ciente que nada sou para alterar as vontades alheias, desejando somente que tudo siga sua normalidade entre a raça humana.

DIA107.jpg Agora, já kota mais-velho, apercebo-me do joguete das lutas de tantas portas ou portais desconhecidos. Retornando à estória, em “Álbum de Costumes Portugueses”, Fialho de Almeida descreve o “Preto de S. Jorge”, como membro de uma confraria que teria direito a incorporar a procissão do CORPUS CHRISTI, com os demais ofícios.

:::::

A presença negro-africana também se verifica nos topónimos de muitas ruas, como por exemplo: Rua das Pretas, Rua do Poço dos Negros … ou no nome de muitas povoações como a de Santa Eulália de Negreiros dum lugar chamado do Preto, de Santa Maria de Negrelos. Vale de Negros e tantas outras vivenciadas por todo o Portugal (M´Puto).

onco2.jpg Em 1551 a capital lusitana teria cerca de 100.00 habitantes, dos quais 9.900 eram escravos, ou seja 9,9% da população. Ao longo dos seculos XVI e XVII a mão-de-obra escrava representava já 10% da população total do Algarve e Alentejo e também era visível no Norte de Portugal e, em outras regiões. No concelho de Loulé há o lugar chamado Cerro dos Negros, no de Almeirim há uma povoação com o nome Paços de Cima ou dos Negros.

:::::

Dois povoados dos concelhos de Albufeira e de Silves chamam-se Guiné, no concelho de Alvito existe a povoação chamada Horta de Guiné. A dos Pretos, Monte dos Pretos e Quinta da Preta são os nomes de povoações dos concelhos de Leiria, Estremoz e Alcobaça…; enfim, demonstra-se assim a importância que estas populações teriam em determinadas regiões para que servissem de referência a um determinado lugar.

eusebio1.jpg Portugal é, afinal, o país de Eusébio, de Ricardo Chibanga, de Sara Tavares. Um episódio antigo ligado ao explorador britânico Livingstone ilustra bem como essa Europa olhava e olha para Portugal. Livinsgtone vangloriava-se ter sido o primeiro branco a atravessar a África Austral. Um dia alguém lhe chamou publicamente a atenção que isso não era verdade. Antes dele já o português Silva Porto tinha realizado tal travessia. Imperturbável, o inglês ripostou: - Eu nunca disse que fui o primeiro homem a fazê-lo. Disse apenas que fui o primeiro branco.

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 16:43
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sábado, 18 de Novembro de 2017
CAZUMBI . XXXIV

O CHOQUE DO PRESENTE17.08.2017 - (Revisto a 18.11.2017)

- “O PRIMEIRO BRANCO” e a Higiene racial…II

- Antigamente os escravos dos cristãos eram muçulmanos e os escravos dos muçulmanos eram cristãos!

Por

soba 01.jpgT´Chingange

No século XV, os mapas foram queimados, as informações escondidas porque era urgente provar uma superioridade da civilização ariana. São modas ou maneiras de estar! Antigamente os escravos dos cristãos eram muçulmanos e os escravos dos muçulmanos eram cristãos! Não dava para se dizer “vamos evangelizar os africanos, tornar os negros escravos e baptizá-los.” E, isto sucedeu ou foi sucedendo!

kota0.jpg No século XV decidiu-se que os africanos faziam parte da descendência de Cham, filho de Noé e deviam viver uma vida de sofrimento para afastar o castigo, padecer a Paixão de Cristo, o que lhes permitia entrar no paraíso; foi isto recuperado da Bíblia por conveniência, creio eu. Apesar de a mestiçagem constar no discurso harmonioso da lusofonia, visionam-se razões ao dar um carácter de excepção ao colonialismo português. Mesmo entre negros, era preferível importar mais escravos de África do que manter seus filhos.

:::::

Rebuscando novas, soube que Cristiano Ronaldo nasceu na ilha da Madeira; que Isabel Rosa da Piedade é natural da ilha de São Vicente, em Cabo Verde. Os pontos em comum entre eles não são apenas o facto de ambos terem nascido numa ilha. Segundo o "Diário de Notícias da Madeira", Isabel Rosa é bisavó de Ronaldo, o que faz com que o Jogador do Ano FIFA em 2008, ou o melhor jogador do Mundo em 2017, tenha no seu ser um ADN de Cabo-verdiano.

bruno27.jpgClaro que vão ficar todos surpreendidos porque as ideias concebidas em cada qual são confusas em si! Não há aqui nada de extraordinário! Aos 16 anos, Isabel abandonou a sua terra natal para tentar a sorte noutra ilha do oceano Atlântico, a Madeira. A jovem Cabo-verdiana acabou por casar com José Aveiro, natural do Santo da Serra, e bisavô de Ronaldo. Da união entre o casal, nasceu Humberto, que viria a casar com Filomena.

:::::

Humberto e Filomena, avós do futebolista do Sporting de Portugal e agora no Real Madrid, tiveram seis filhos. Dinis, um dos rebentos do casal, acabaria por casar com Maria Dolores, natural do concelho de Machico. Dinis (que faleceu em 2006) e Maria tiveram três filhos entre 1974 e 1976. Nove anos mais tarde, o casal volta a conceber e, nasce Cristiano Ronaldo dos Santos Aveiro.

ariano0.jpg Poucos poderiam adivinhar que este filho, 23 anos mais tarde, se tornaria no melhor jogador de futebol do Mundo. E, que aos 32 anos (nasceu a 5 de Fevereiro de 1985) ainda continuava a ser o melhor do Mundo! E, se todos sabem que Ronaldo é português, mais concretamente madeirense, as origens cabo-verdianas da sua família permanecem ocultas.

:::::

A informação já foi difundida na imprensa de Cabo Verde, suscitando grande curiosidade no arquipélago. Isto foi contado ao Expresso por um jornalista do diário "A Semana". Portanto, naqueles idos tempos os brancos entravam no caniço e tinham a negra que quisessem.

ariano1.jpg Na Luua de N´Gola (Angola) era no BO - Bairro Operário em plena cidade de Luanda e, em São Romão do Sado do M´Puto era no canavial do rio Tejo, uma das aldeias existentes no Ribatejo. Mas também poderia ser em Coimbra, Mirandela ou Tavira do Algarve. A diáspora Lusa tornou Paris de França na segunda cidade portuguesa pois que o número de falantes da língua de Camões, é superior à cidade do Porto. E, por lá também há canaviais.

ariano3.png Quem agora for passear pela Ribeira do Sado, já não verá gente verdadeiramente negra, de lábios grossos e carapinha. A cidade de Alcácer do sal, decorreu do tráfico de escravos entre os séculos XV e XIX. Em verdade, somos uma caldeirada de gente de cores diversas e de todo o Mundo; Os portugueses foram os iniciadores da globalidade no mundo moderno e, haverá muita gente que pensa ser um puro ariano quando afinal tem em seu ADN sangue preto.

:::::

Esta miscigenação tornou-nos em realidade seres diferentes; os turdetanos, os suevos, romanos, cartagineses ou zulus estão no sangue de todos nós. Recentemente, encontrei na Cidade do Cabo, muitos mestiços de cor mais morena com nomes de Oliveira, Pereira e Silva descendentes de portugueses; gente zebra ou mazombos como eu. Quando no futuro vierem a habitar a Lua, talvez todos fiquem bem surpresos ao encontrarem lá num qualquer buraco taberna um Tuga a vender peixe frito aos marcianos.   

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 13:18
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sexta-feira, 5 de Fevereiro de 2010
RECIFE – A SAGA DO AÇUCAR . XVI

 


FÁBRICA DE LETRAS DO KIMBO

        O apetrexamento urbano

 

 Mapa Brasil | Agrupación de ...  BRASIL

Os estados de Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná, atingiram os melhores niveis de vida do Brasil no século XXI graças a esse povoamento de redefinir franteiras além do Tratado de Tordezilhas segundo o “Uti-possidetis” do novo Tratadod Madrid de 1750.

Santa Catarina, estratégicamente situada no Atlântico Sul, com 428 km quadrados, é em termos culturais, a décima ilha dos Açores e, foi a lei de provisão de 1747 de D. João V que ao alistar toda a gente que se oferecece para se transladar para esta ilha, que proporcionou a sociedade actual.

Povoar, colonizar e guarnecer militarmente a ilha de Santa Catarina, foi o baluarte na defesa contra piratas europeus, principalmente holandêses, inglêses e uns tantos francêses.

A custas da Fazenda Real, do recenceamento voluntário, resultaram companhias formadas por cinquenta homens cada uma, tendo no mando um capitão, dois alferes e quatro sargentos. Mas, não foram só estes os intervenientes na história do Sul do Brasil; à semelhança do nordeste Brasileiro, os Angolanos foram também os primeiros escravos a irem para Santa Catarina tendo também chegado ali, gente ida de Cabo Verde e da Guiné.

 

VIII – O TRAÇADO URBANO

 

As casas no seu todo, tinham acabamentos com ângulos nos extremos dos telhados, quatro águas e telhas de goiva ou calha portuguesa, que recebiam nas linhas de cunhal uma forma de pomba pousada. Esta pomba em olaria ou cerâmica cozida junto com a telha de arremate, trata-se e segundo a tradição do símbolo da pombinha do Espírito Santo abençoando a casa e seus moradores. Os Açoreanos têm uma predileção especial com o culto ou festas do Santo Espírito.

Havia também o refinamento das beiras ceveiras como os bordados, ou de cortinado em cimalha e outras platibandas com desenhos ou adornos enfeitando o alçado ou fachada principal. Com as canaletas de drenagem aproveitavam as águas no desaguar de drenagm de beirados e algeróz em uma cisterna algures situada por baixo do logradouro posterior. As carências de chuvas em suas terras de origem, levaram-nos a seguir os velhos métodos de armazenamento árabe ainda em uso nas ilhas açoreanas, na província do Algarve no Portugal Europeu ou todo o Sul de Espanha e Itália e também no sertão de Pernambuco.

Os beirados enfeitados dava ao seu senhor “status”, posição social altiva de poder e dai, dizer-se que as casas pobres eram de “gente sem eira nem beira”.

 

O traçado urbano das vilas tem algo a ver com as directivas de base: “- no sítio (de citadino ) destinado para o lugar de povoação, assinalará um quadrado para uma praça d quinhentos palmos de face e em hum dos lados se porá a igreja. A rua ou ruas se demarcarão ao cordel com largura ao menos de quarenta palmos, e por ellas, e nos lados, se porão as moradas em boa ordem deixando entre humas, e outras, e para detras, lugar suficiente e repartido para quintaes, atendendo assim ao comodo prezente como a poderem ampliarse as cazas para o futuro”.

A língua dos novos colonizadores com sotaques e modos diferênciados deram no correr do tempo uma mistura de linguajar a que se pode chamar a prosódia que domina hoje todo o extenso território do Brasil.

Muita coisa foi legada pelos Portuguêses continentais ou insulares e, para terminar a escrita da saga, relembra-se uma dança com letra, levada pelos povoadores de Florianápoles chamada de “A jardineira” que fez furor e ainda é cantada nos momentos altos de farra ou eventos carnavalescos.

 

 

O Jardineira porque estás tão triste?

Mas, o que foi que te aconteceu?

Foi a Camélia que caíu no no galho

Deu dois suspiros e depois morreu

( estribilho – bis )

 

Vem Jardineira, vem meu amor!

Não fique triste que esse mundo é todo teu,

Pois és muito mais bonita

Que a Camélia que morreu!

 

( Fim da saga do açucar e povoamento)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 23:33
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 19 de Outubro de 2008
AS BLAGUES E OS BLOGS . II

 

               OS BLOGS  DO ANTIGAMENTE . II

                             Arte de navegar

 

 

Na minha missão de arrumar as terras nas cartas, quase todos os dias observava a latitude a bordo, depois, conferenciando andamentos com o piloto, dava compasso às singraduras, prevíamos as léguas, a influência dos ventos e das correntes; para além do limite do Tratado de Tordesilhas guardava-mos resguardo.

 

Espalhamos padrões com a cruz de Cristo por toda a redondeza da terra; em caravelas, naus, bergantins ou canoas, navegando à bolina, com o Siroco ou Alisado.

 

Por tudo aquilo, os Portugueses são os grandes culpados da globalidade de hoje

 

Las Casas, cronista conceituado, dito portador da verdade, confidenciou-me que Duarte Pacheco, antes de 1494, já tinha descoberto não só terras brasileiras como também a Flórida só que, tal não podia ser revelado pois o destino do caminho marítimo para a Índia era segredo absoluto. Todos os mareantes de então iam à procura da “Antília”, uma ilha mencionada em escritos e esboços grosseiros feitos por Normandos e Genoveses. Nós, também!

 

A arte de navegar de hoje “via Internet” não tem nem de longe a audácia desse meu companheiro Pero Lopes de Sousa que trabalhou doutra forma neste veículo de globalização.

Comparar os blagues de hoje, aos feitos do Pero de Sousa, é confundir a arte de navegar.     

.

Com mar cavado perfuramos o medo, ultrapassamos baixios, conquistámos terras a “uma boca não he mais de hum tiro d’arcabuz”, as ilhas dos Frades, das Flores, das Palmas e, tantas outras,...menos a Antília!

Numa madrugada rebentou-se uma das amarras, a nau começou a garrar, em alvoroço, o mar lançou-me fora com a ressaca,...fui empurrado para o ano 2008.                                                       

 

O Soba T´chingange

 


SINTO-ME:

PUBLICADO POR kimbolagoa às 14:35
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Segunda-feira, 25 de Agosto de 2008
CONHECER O BRASIL - VIII

                   

                              TEMPOS DE CARAMURÚ - 3ª parte

                               Arte de marear

 

Em pleno ano de 2008, navegar a vida, é tão ou mais difícil que descobrir novas terras como à 500 anos atrás o fizeram navegadores de Portugal.

Nesse longínquo ano de 1506, o astrolábio, as correntes marítimas, os ventos e o Sol eram os instrumentos que processavam a navegação.

Os blagueiros de hoje usam o computador, tecnologia de ponta a comparar com os instrumentos de faca e alguidar daqueles idos tempos. Recordar que naquele então, o pincel de “lava rabo”, era usado por todos os tripulantes, na ré da nau.

Ao invés dos dias de hoje em que parece já estar tudo inventado, naqueles tempos descobrindo novas paragens, usavam-se o astrolábio de latão para bordo e o de “pao” ou grande, para as observações em terra; entretanto, já era conhecida de forma elementar o regime do Sol, Estrela Polar e Cruzeiro do Sul e, até se faziam deduções entre o Norte da agulha e o verdadeiro.

Naquele tempo, as blagues, eram as descrições inchadas de imaginação que os marinheiros nos portos iam passando em conversa. Nas tascas, de forma superficial, sem conhecimentos técnicos, iam transmitindo as novas latitudes vistas no outro lado do mar e, entretanto, em surdina, infiltrados espiões ou olheiros, de porto em porto, iam anotando dados afim de serem transmitidos a corsários, outras bandeiras ou interesses comerciais.

Na necessidade de estar solto, em vivência de uma vida anterior, vi-me junto do caramurú Diogo de Álvares em terras quentes da Bahia, como aprendiz de astrólogo. Ali, a gente era toda alva, ”os homens mui bem dispostos e as mulheres mui fermosas, que nam ham nehua inveja às da rua nova de Lixboa”.

Tive de recorrer ao diário de viagem de Pero Lopes de Sousa, afim de recordar-me dos abrolhos de então, dos muitos corsários que tínhamos a enfrentar; regras promulgadas pelo Papa Alexandre VI e sua sereníssima Majestade D. João II rei de Portugal, pelo Tratado de Tordesilhas no ano de 1494.

Hoje não há tratados desses, a globalização leva-nos a casa toda a informação; má ou boa, chega-nos sem uma triagem homologada por instituição idónea.

Voltando ao ano de 1506, estando na foz do rio S. Francisco, assisto a um combate naval entre índios; cinquenta canoas de cada banda e “secenta homes” em cada qual. Os vencedores mataram os prisioneiros assando-os e comendo-os em seguida com grande festança. Eram “homes grandes e nervudos”.

Na minha missão de arrumar as terras nas cartas, quase todos os dias observava a latitude a bordo, depois, conferenciando andamentos com o piloto, dava compasso às singraduras, prevíamos as léguas, a influência dos ventos e das correntes; para além do limite do Tratado de Tordesilhas guardava-mos resguardo.

Espalhamos padrões com a cruz de Cristo por toda a redondeza da terra; em caravelas, naus, bergantins ou canoas, navegando à bolina, com o Siroco ou Alisado, tornamos o mundo global.

Las Casas, cronista conceituado, dito portador da verdade, confidenciou-me que Duarte Pacheco, antes de 1494, já tinha descoberto não só terras brasileiras como também a Flórida só que, tal não podia ser revelado pois o destino do caminho marítimo para a Índia era segredo absoluto. Todos os mareantes de então iam à procura da “Antília”, uma ilha mencionada em escritos e esboços grosseiros feitos por Normandos e Genoveses. Nós, também!

A arte de navegar de hoje “via Internet” não tem nem de longe a audácia desse meu companheiro Pero Lopes de Sousa que trabalhou doutra forma neste veículo de globalização.

Comparar os blagues de hoje, aos feitos do Pero de Sousa, é confundir a arte de navegar.

Nos abrolhos do rio de S. Francisco num lugar de varas, uma rede feita de tiras de couro, vegetação densa, cipós entrelaçando casa de esqueleto à mostra, ouço barulho; o som vinha devagar com cuidados antecipados pois, no meio da fumaça exagerávamos zumbidos e feitos.

Enxotávamos “os sancudos” impertinentes, fantasmando labaredas com rama verde.

Naqueles blagues de 1506 o tempo passava como fio de ideias impregnadas em catinga.

Com o mar cavado perfuramos o medo, ultrapassamos baixios, conquistámos terras a “uma boca não he mais de hum tiro “d’arcabuz”, as ilhas dos Frades, das Flores, das Palmas e, tantas outras,...menos a Antília!

Numa madrugada rebentou-se uma das amarras, a nau começou a garrar, em alvoroço, o mar lançou-me fora com a ressaca,...fui empurrado para o ano 2008.

O Soba T´chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 09:34
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quinta-feira, 7 de Agosto de 2008
CONHECER O BRASIL - VII

         

 

 

 

        

                  PAU-BRASIL

                  TEMPOS DE CARAMURÚ – 2ª parte

 

D. João III, nomeando Martins de Souza no cargo de Governador, confia  a este, grandes poderes: repartir terras, criar oficiais de justiça e fundar colónias. Fundou a primeira colónia no Brasil em S. Vicente no ano de 1532 na qual se tornou capitão donatário; deve-se a ele a introdução da cana-de-açúcar na nova Lusitânia, Brasil.

Com uma esquadra de cinco navios e com quatrocentas pessoas a bordo, num sábado, a 3 de Dezembro do ano 1530 fazem-se ao mar com a técnica de navegação “cabos a dentro”; rumam a sul. Aportam na ilha de Gomera em Canárias e, a dezoito de Janeiro de 1531 com vento Sueste, chegam à costa do Brasil, aportando em Pernambuco, a dezassete de Fevereiro desse ano. Após trovoadas, trombas marinhas e antenas destroçadas, a vinte e três de Abril, entram na Bahia de todos os Santos.

E, sem saber se era um sonho!...     

Entre a bruma da manhã depara com o famoso Caramurú, Português de nome Diogo Álvaro Correia que por ali ficou no ano de 1509; casado com uma índia, tinha já nesta altura um rancho de filhos; havia ali então uma povoação com cerca de trezentas casas. Este assentamento numeroso foi relevante para considerar aquele lugar como capital administrativa.

Os lotes ou capitanias tinham, por disposição de D. João III, uma porção de 50 léguas medidas ao longo da costa

Nos terreiros, os homens descendentes deste Caramurú, capitães do mato, sedimentaram com o tempo e nas sucessivas uniões com gente escrava, uma amálgama de cultura iemanjá. Diz-se, ter sido Caramurú o fundador da cidade de Cachoeira no estado de Bahia.

Hoje, por todo o Pernambuco, matutos e mamelucos rezam preces, chispam axé, apelam aos orixás e xingus; giboiando na rede, tocam o seu violão soltando versos repentistas aonde entram coronéis, jagunços e a senhora da Boa Hora.

Comendo mukeka, tanspiro vontades de forró regadas a caipirinha. A sanfona prolonga alegria noite adentro e, no ar, há cheiros de caju e café.

( Continua ....3ª parte )

O Soba T´chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 14:12
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sexta-feira, 1 de Agosto de 2008
CONHECER O BRASIL - VI

 

 

                                  

         PAU-BRASIL                   

TEMPOS DE CARAMURÚ

As palavras leva-as o vento mas, foi este vento que mudou o rumo à história quando soprou as naus de Álvares Cabral até à costa então desconhecida a que se veio a chamar de Brasil. Aos primeiros gentios encontrados, de longos cabelos escorridos e tez morena chamou-os de índios e, isto porque pensou ter chegado à Índia, sitio para onde pretendia ir quando zarpou de Lisboa a mando do rei D. Manuel I.

O achado do Brasil sucedeu a 22 de Abril de 1500, tempo em que Portugueses e Espanhóis tinham a liderança nas artes de marear com conhecimentos de correntes e ventos; a história tem destes acasos.

Nesses tempos os Portugueses de cabo em cabo queriam chegar rápidamente à terra das especiarias, terras descritas em crónicas por Prestes João que falavam das muitas riquezas do Oriente; por este motivo a nova terra descoberta de Santa Cruz, ficou meio esquecida e sem guarda, Franceses, Espanhóis e Holandeses, trataram de tapar essa lacuna fazendo pirataria; estes em navios armados atacavam, saqueavam e queimavam feitorias e navios portugueses em toda a costa. Ao abrigo do Tratado de Tordesilhas estas latitudes estavam reservadas a Portugal.

Fruto de cobiça por parte do rei Francês os corsários a mando deste, pirateavam toda a costa pois que, não reconheciam aos portugueses o direito exclusivo de comercializar com as novas terras; chegou mesmo a dar “carta de marca” de pirata ao corsário João Ango concedendo-lhe honrarias por cada investida às feitorias ou naus Portuguesas.

O índio cortava o pau-brasil (pau-preto) e, transportava a madeira para as caravelas dos Franceses ou Espanhóis; em pagamento por essa mercadoria e trabalho recebiam bugigangas tais como: - espelhos, pentes, colares, facas e armas .

Em 1526 D João III mandou que se organizasse uma esquadra no intuito de recolher os máximos dados da situação caótica naquelas bandas e, também com o fim de dar consistência à colonização de soberania Portuguesa, a norte do rio da Prata; esta tarefa foi incumbida a Cristóvão Jacques o qual, veio a travar combates com alguns navios Franceses.

Cristóvão Jacques conseguindo fazer trezentos prisioneiros deu consistência ao poder reinante de Portugal; estes prisioneiros foram conduzidos a Lisboa dando assim aviso a todos os aventureiros que demandavam os “nossos mares”.

Após os relatos de Jacques, o rei D. João III, mandou que se organizasse uma esquadra a fim de assentar colonos na costa Brasileira; para o efeito dá orientação ao capitão-mor Martins Afonso de Sousa, nomeando-o também governador.

( Continua...2ª Parte )

O Soba T´chingange

 

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 08:07
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quinta-feira, 31 de Julho de 2008
ANGOLA . NAMIBE - Como tudo começou

                    

                         NAMIBE - N´DIGIVA               

                         Como tudo começou – 2ª parte

O agressivo Calahári tinha sido penosamente atravessado por aquela gente; o mesmo deserto que, a norte do Cunene, só destoa quando se sobe a serra da Chela ou Umpata e, foi aqui neste vasto planalto, que a actual cidade do Lubango se desenrolou e desenvolveu.
Foi um agitado progresso até aos dias de hoje, e é pena que os novos donos não reconheçam valor aos seus construtores. O liceu Diogo Cão passou a ter o nome do soba Mandume, um tirano corta cabeças; não fosse o sangue derramado pelos expedicionários e a fronteira actual até ao Lubango pertenceria à Namíbia.
Mandume, que mandou matar a sua própria ama, aliou-se aos Alemães por alturas da segunda guerra mundial tendo sido derrotado em Môngua por Pereira D´eça.
Após a derrota da Môngua, Mandumbe, o chefe dos Ovambos, fugiu para Ot´xakati tendo acabado por morrer combatendo em E´hole, lugar hoje conhecido por Namacunde; suicidou-se com um tiro junto a uma newa mas, só após ter morto um dos seus guerreiros, para ser seu serviçal no outro mundo.
Em Agosto de 1885, desembarcam do vapor “Índia” em Moçamedes 349 madeirenses que seguem o eixo colonizador Namibe, Lubango e S. Pedro de Chibia.
Lubango, a 26 de Dezembro de 1889 é elevada a cidade e sede de Concelho.
A história da Angola actual, não pode escamotear ou omitir a verdade com infundamentadas teorias; não pode desprezar toda essa gente que engrandeceu uma terra, definiu fronteiras e derramou sangue para que tivesse a configuração do país que é hoje. Apear Alves Roçadas, Norton de Matos, Paiva Couceiro, Artur de Paiva e tantos outros da história, é uma injustiça.
Houve no decorrer de toda a colonização administradores déspotas, corruptos e maus gestores mas, outros houve que longe de tudo, sofreram na pele agruras que o diabo nem sabe; o espírito de missão de alguns foi tão longe, que mereceram lá aonde quer que fosse, apego da população.
O chefe do longínquo posto do Dirico, teve de fazer das portas de sua casa o caixão para sua defunta mulher; sem assistência médica, nem mobilidade capaz, lá no cu do mundo, zelava pela soberania de uma terra que agora é Angola.
Eu também pertenço a essa leva de gente, branco de segunda duma Chibia, Qui'hita, T´chiapepe, Chicusse, Ca´hama, Humbe; todos juntos fazemos “a lenda do Cuamato” e ainda vamos visitar o tal soba na base da tal newa porque fez história.
Mas, agora, só somos caputos

À atenção de: Governantes de Angola, em particular o Sr. 1º Ministro, Fernando Dias dos Santos.
Bibliografia: A colonização de Angola, de F. Cerviño Padrão; A questão Cuanhama, 1906, de Major Eduardo Costa

Glossário - palavras sublinhadas: Newa - árvore de grande porte que se confunde com o embondeiro; Caputo – gente do Puto; de Portugal.
( continua...3ª parte)
O Soba T´chingange
 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 16:10
LINK DO POST | COMENTAR | VER COMENTÁRIOS (5) | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quinta-feira, 17 de Julho de 2008
PORTUGAL NO MUNDO . I

 

      A GLOBALIDADE  ACTUAL

      e a comparticipação portuguesa . 2ª Parte

 

 

Nesse heróico arrojo, originando baptismos de continentes, os Portugueses anunciaram o advento da globalização que, no dizer do cronista Vespúcio, eram novos encontros com jogos macabros em que se misturavam o animal homem e anjos enlouquecidos.

Como um paraíso destituído de regras os navegantes misturavam-se com a infância, lambuzavam-se de sexo entre seios rijos, coxas fartas e corpos ardentes de desejo.

As primeiras descrições de Vespúcio da chegada às Américas, por ser tão louco ou de alucinante visão, originou um espanto incrédulo por toda a Europa. Sem regra, os índios entregavam-se ao gozo sem freios “ o filho copulava com a mãe, o irmão com a irmã, o primo com a prima”.

Saltam corpos humanos das descrições, deflagrando num jogo de sombras, verdades e mentiras promíscuas em conceitos e preconceitos. Ora em orgia, ora despedaçados, pendentes nos caibros das asnas, vêm-se coxas e nádegas ardendo ao fogo , assadas, cozidas ou defumadas.

Estas descrições, em cartas tão cheias de imaginação eram fruto das conversas entre marinheiros em paragens por Cabo Verde, sempre espionados por agentes de negociantes que tudo queriam saber.

Esses “Novus Mundus” eram guardados com muito sigilo pois que estava em causa o caminho marítimo para a India.

No ano de 1556 deu-se um naufrágio junto à costa do Nordeste Brasileiro. D. Pêro Fernando Sardinha, elevado a primeiro bispo do Brasil po D. João III, ia nessa nau e, tendo-se salvado com uma grande parte da tripulação, acabaram por ser todos devorados pelos índios quando deram à costa, no meio de grande festança.

O Infante D. Henrique, 3º filho do rei D. João I, tendo sido designado “o navegador”, foi decisivo na acção, de marear sem contudo saber desfraldar uma vela; foi o pensamento expansionista que lhe deu prestigio.

 De forma inusitada, podemos hoje dizer que “fomos ricos” com algum orgulho, pois que nos serve de sustento ao contentamento.

Aqui  neste barco com a quilha em Sagres ficamos inchados de peito. Daquele império fisico, é tudo quanto nos resta!

 

                 O soba T´chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 14:38
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

RELOGIO
TEMPO
Weather Forecast | Weather Maps
Junho 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

12
13
14
16

18
19
22
23

24
25
26
27
28
29
30


MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
CAIXA MUSICAL
CONTADOR
contador free
ONDE ESTÁS

Sign by Danasoft - Myspace Layouts and Signs

blogs SAPO
subscrever feeds