Quinta-feira, 25 de Dezembro de 2014
MUXIMA . XXXVII

ENTREVISTA COM DEUS - Nunca O vi - Nem O chamei…

As escolhas de

  KIMBO LAGOA   

Por: Nell Teixeira -  Loulé / 1998

Rebusquei em meus arquivos um assunto especial para o dia de hoje, Dia de Natal de 2014 e achei algo de interessante escrito por um amigo que, em passagem pelo Algarve, um lugar de acolhimento temporário, entrevistou Deus…

 Nunca O vi, apesar da inexplicável luminosidade da grande treva cósmica aonde cheguei. 
- Nem O chamei. A sua voz veio até mim de nenhures e, contudo, era indescritivelmente envolvente. Redonda e metálica, nada tinha porém do tom iracundo que prostrou Moisés, nem da firme ternura com que travou o braço de Abraão, nem da gravidade suasória que guiou Paulo à santidade. Pelo contrário, exprimia-se em inflexões inesperadas e o tom era surpreendentemente coloquial.  
- E assim Falou:   Procuras-me, Emanuel?  Fiquei pregado no espaço à cruz que lá não estava e, vencida a surpresa, ousei:  - Sois Vós, Senhor?  

 Tinha essa esperança, mas temo não merecer tamanha audácia. E onde estais, que Vos não vejo? - Falo-te donde sou. Espreito-te dum orifício que é maior do que o Universo. Um dos teus, um argentino cego e visionário, suspeitou dele, chamou-lhe “Aleph” e julgou vê-lo num degrau de uma velha escada apodrecida. Mas enganou-se. Ele nada viu, tal como tu, que tão longe chegaste, não me podes ver.   Razão teve Victor Hugo. Conheces? Esse chamou-me a invisível evidência. Como vês, só um paradoxo poético pode aproximar o transcendente.  

 - Fez um brevíssimo silêncio que quase me cegou e prosseguiu:  -Mas que pretendes afinal? Uma entrevista? Para quê? Ninguém a entenderia e ninguém te acreditaria.

- Pensei nisso pela primeira vez. Mas logo uma perplexidade nova me veio interromper. E eu exprimi-a:  - Senhor: porque me questionais tanto, sendo Vós omnisciente? Vós sabeis ao que vim, por que vim, como vim… Logo ele cortou:  - Enganas-te. Posso parecer omnisciente aos teus olhos. É natural. Mas não te disseram que foste feito à minha imagem e semelhança? Em escalas diversas, é claro. Como a lua em silêncio diz mais à Terra do que o uivo que o lobo lhe dirige. Mas, ressalvada a escala, somos parecidos: tenho mais dúvidas sobre o que posso do que certezas sobre o que quero. Admito que isto te confunda mas é assim. Vós, inventásteis a metafísica e a lógica, não fui eu que Vo-las dei. Dizeis, pois, que eu sou absoluto. Mas se o absoluto é o tudo, se o tudo comporta o nada e se o nada exclui o tudo, aonde quereis chegar? Aliás, o absoluto inviabiliza a alteridade, o que, na vossa lógica, pode dar alguma razão formal aos panteístas, mesmo que a sua teologia tenha por vezes uns laivos de narcisismo.

- Dais razão aos panteístas, Senhor?

- Mas quem sois Vós afinal?  

- Chama-me o que quiseres: Jeová, Deus, Alá ou até Grande Arquitecto Universal. Ou até Aquele que está e sempre estará para além da vossa razão. Diz é, aos teus coetâneos que eu não entendo como é que uma raça finita já perdeu tanto tempo a discutir o meu nome, julgando que discute a minha existência.  

 - Quereis Vós dizer que aceitais encarnar todos os monoteísmos?

- Eu julgo o esforço, a vontade e a conduta. E a tua pergunta não tem sentido algum para mim. Um católico francês observou, com argúcia factual, que os grandes monoteísmos foram quase sempre o produto da cultura do deserto. Outros ambientes geram tendencialmente outro tipo de aproximações ao transcendental. Isso pouco me afecta. Claro que aprecio o esforço de razão que levou Amenófis IV ao monoteísmo, mas sobretudo pelo que isso envolvia de evolução moral de uma civilização. Mas aprecio igualmente Buda, cujo nome tantos me atribuem e que, como sabes, não se proclamou Deus, disse repetidamente nada saber de tal matéria e ignorava em absoluto que o vissem a divinizar. Como valorizo Confúcio, Francisco de Assis ou João Huss e ainda todos aqueles que nunca em mim pensaram por estarem demasiado ocupados a fazer o bem aos outros. E aceito que, numa dada circunstância, um qualquer politeísmo me mereça este respeito que dedico a quantos souberem combinar a epopeia da razão com o lirismo da moral, servindo a causa do amor, da justiça e da paz. O que não aceito é que, sendo a vida dada para viver, os homens se matem pelos meus heterónimos.  

 Um cristão que mata um muçulmano (ou vice-versa) julga servir-me quando apenas destrói o que eu mais quero preservar.  Além de pecador, é burro, é um imbecil.  

- A palavra fulminou-me.

- Perdoai-me, Senhor, mas por vezes penso que falais a linguagem de um racionalista… 
– A linguagem que falo é a tua. E nada tenho contra o racionalismo. Por que havia de ter? Eu recusei a causalidade absoluta dos determinismos, porque isso vos escravizava. E recusei também o ilimitado livre arbítrio, porque isso impediria a ciência. Neste compromisso, o que eu quis foi que a Obra fosse a vossa obra. E se for verdade – e não alegoria – que lancei Lúcifer no abismo das trevas, para que dele emergisse Satã, o tentador das almas e o prolífico inventor dos pecados, não acredites que foi para lhe punir a traição de desafiar o meu poder. Não. Ele é a necessária componente da viabilidade do livre arbítrio. Ele é a escolha. A escolha que eu quero vossa. Nem de outro modo vos poderia julgar.  

- Mas em vosso nome, Senhor … 

– Em meu nome, tudo se fez e tudo se disse. Das mais hediondas carnagens aos mais sublimes actos de paixão e humanidade. Já chorei almas que compreensivelmente me odiaram, porque em meu nome os aviltaram ou queimaram. Segue a razão convicta e a moral que te empolga. Não lamentes o que te transcende, porque se ele não existisse, não haveria motivo para a aventura do espírito, que tanto prezas. És o explorador, responsável e solitário, de uma selva inexpugnada e sem fim. Desbrava-a o mais que puderes.  

 - Não ousaria, Senhor, tomar-vos mais tempo, mas… Aqui, juro-vos que numa breve inflexão da voz, eu adivinhei um sorriso:  - O tempo, meu filho, é medida e critério de mortais. Tenho dificuldade em entendê-lo. Ou, mais francamente, desconfio dele. Basta-me a inquietante ironia de o ver a andar para a esquerda e vós a medi-lo com relógios que andam para a direita.  

- Mas a Criação, Senhor, teve um tempo, um momento, sei lá… 

– Sabes, Emanuel? Eu não me lembro de ter nascido. Mas isso não prova a minha Eternidade. Porque tu és mortal e também não te lembras de ter nascido. As minhas dúvidas estarão na estratosfera das tuas, mas existem. Também eu tenho a minha quota de transcendente a enfrentar. Talvez nunca me certifique, na relação que mantenho com a frágil condição humana, de qual de nós foi o Criador e qual foi a Criatura. Mas sabes o que penso disso? É que não tem importância de maior. Importante é que os papéis estão distribuídos e que cada um cumpra o seu. É o que faço e o que espero dos homens.   A voz ecoou terminal. Quase gritei:  - Senhor!  E, num tom suave e complacente, ele voltou: - O que é, Emanuel? Queres levar de volta a tua entrevista ou queres passar o Aleph? Corei, e penso que todo o cosmos deu por isso. E num sussurro que me pareceu inaudível, disse:  - Se vós o consentísseis… quereria ambas as coisas.

Loulé / 1998

Nell Teixeira

As Opções do Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 09:50
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

RELOGIO
TEMPO
Weather Forecast | Weather Maps
Julho 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
13
14

16
18
19
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
CAIXA MUSICAL
CONTADOR
contador free
ONDE ESTÁS

Sign by Danasoft - Myspace Layouts and Signs

blogs SAPO
subscrever feeds