Quarta-feira, 28 de Setembro de 2022
KALUNGA . XXX

KIANDA COM ONGWEVA NAS FRINCHAS DO TEMPO - XV de várias partes…

– Crónica 3257 de 16.03.2022 na Pajuçara de Maceió – Republicada a 28.09.2022 em AlGharb do M´Puto

Episódio em Madrid com Jerónimo Pieter e, um tal de Conde de Sant German.

Ongweva é saudade  

Por  soba002.jpg T´Chingange (Ochingandji) – No PortVille da Pajuçara em Alagoas do Brasil e Lagoa do M´Puto

cafu15.jpg  Museu do Prado em Madrid com a kianda Zachaf Pigafetta, o irmão Januário Pieter, mais o Conde de San German. Não fosse o ipad e o andróide e, nos teríamos perdido entre tantos turistas a laurear a pevide, tanta gente sem fazer nada, a consumir o erário para verem pinturas e mais pinturas. Eles tinham compromissos no aquietar de almas desavindas e por isso acho que nem saborearam tanta arte. A todo o momento falavam com estalidos desassossegos com gente de longe, Talvez Orândia, Ovoboland, terra de khoisans Niassaland ou lá no Kwazulu…   

Aproveito por isso falar um pouco do entrelaçado de malambas já faladas entre nós a fim de arrumar os eventos vindouros, do futuro mesmo, para que se compreenda o desfecho da estória-mussendo. Sendo assim, relendo a origem de Saint Germain, sabe-se muito pouco pois ainda hoje é desconhecida, mas o que sabemos é que marcou presença a partir do século XVlll pelas cortes da Europa destacando-se como diplomata em Génova, Paris, Londres, São Petersburgo, Índia, África, China e outros lugares.

silva7.jpg E, logologo tinha de aparecer um cara de pau a fim de me atezanar a estória que até estava tão bem delineada de verosímil, pópilas… Ele, com frequência refere ser filho de um príncipe oriental talqualmente como eu ser Niassalês. O certo é de que sua idade tal como as demais kiandas, sendo indefinidamente falíveis, têm a particularidade de quando necessário tornar-se numa normal figura de gente.

Niassalândia (actual Malawi) foi assim denominada por causa do Lago Niassa de onde originaram Januário e Zachaf Roxo – tinha mesmo de o ser! Um carapau não anda só, tem seu cardume. Em setembro de 1859, o explorador e missionário escocês David Livingstone torna-se supostamente o primeiro europeu a avistar o lago*, o terceiro maior da África. Um dos encontros foi exactamente com o Conde de San German, que por ali se envolvia em actividades missionárias e comerciais britânicas.

silva p2.jpg Na década de 1880, Portugal reivindicou o território em virtude de sua presença na colónia vizinha de Moçambique mas a Grã-Bretanha, uma secular nação amiga da onça, resistindo às reivindicações portuguesas, a 14 de maio de 1891 proclamou um protectorado sobre Niassalândia. E, assim se tornou parte da Federação da Rodésia e Niassalândia em 1953. Após a dissolução da federação, alcançou independência total a 6 de julho de 1964 como a República do Malawi.

Acho que não vou ter tempo de dar meu parecer acerca do Museu do Prado porque esta gente só nas apresentações, perdem-se nos entretantos das suas reminiscências e assim e agora por intermédio destas três kiandas é-me é dado conhecer toda a arte de velhacaria que invadiu o dito mundo moderno através dos arautos da verdade. Vou-vos falar, a estória é toda ela muito mentirosa: Os primos Ingleses e Americanos que continuam a ditar leis aos outros povos, sabendo à partida que é tudo uma utopia ou farsa comem-nos a moleirinha.

silva00.jpg Nós, que estamos vivendo os problemas que nos cercam, podemos dar a importância devida ao que engloba este nosso recente passado para nos rectificarmos ou ponderarmos sobre o nosso futuro. Sabemos bem o que ocorre hoje nestes territórios de uma gestão catastrófica de puros ditadores. Terei de falar, o Prado ficará lá para o fim. A Grande Traição é o título das memórias publicadas em 1997 por Ian Smith, último primeiro-ministro da Rodésia.

Sua obra oferece um interessante panorama da história desta importante parte da África austral e relata minuciosamente como os nossos “amigos” britânicos e Estado-Unidenses não descansaram enquanto não lançaram o calvário naquele pedaço de chão. Fez-se luz! A requerida paz, lei e ordem, factores fundamentais para qualquer evolução autêntica e segura, foram sacrificados em favor da hipocrisia, da irresponsabilidade, da expediência.

cafu32.jpg As nossas três kiandas (Zachaf Pigafetta, Januário Pieter e Conde de San German) andavam por ali fazendo seminários, tentando introduzir nas mentes pensares pacifistas tendo sido logrados em toda a linha. A mais interveniente foi o Conde de San German mas mesmo esta, esfumou-se. Foram as memórias de Iam Smith que interessaram particularmente aos portugueses, euro-africanos genuínos e pioneiros, escandalosamente imolados e esbulhados pela traição doméstica a soldo de uma conspiração internacional - tragédia odiosa que brada aos céus e clama por justiça! Bem! Já estou no item oito e tenho de acabar por hoje…

:::::

Nota* O sertanejo português Silva Porto já era conhecedor do lago Niassa e das Cataratas Vitória do Rio Zambeze pelo que deu posteriores indicações a David Livingstone! O feito de Silva Porto não ficou registado em papel tendo resultado nesta nova convicção de que foi Livingstone o primeiro europeu a lá chegar. Em interpretações posteriores àquele feito e dando resposta a um jornalista que mencionou Silva Porto como tendo sido o primeiro descobridor daquelas topografias, a isto respondeu que nunca dissera ter sido o primeiro homem a ali chegar mas sim que foi o primeiro branco europeu. Foi nítida a sua prosápia no rebaixar Silva Porto, colocando-o como um assimilado de segunda categoria; algo que os anais da história tentam relegar dando alvissaras aos sempre altivos ingleses, as cinco estrelas do Mundo… As novas leituras fazendo justiça à verdade já referem «« David Livingstone foi um missionário e explorador britânico que se tornou famoso por ter sido um dos primeiros europeus a terem explorado o interior da…»»»

(Continua…)

O Soba T´Chingange (Otchingandji)



PUBLICADO POR kimbolagoa às 09:08
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 25 de Setembro de 2022
CAZUMBI LXXI

 

TEMPO DE SANFONASNo 19º dia da guerra da Ucrânia, 14.03.2022 em 7 coqueiros do Brasil – Republicação a 25.09.2022 no AlGharb do M´Puto

O Zé Barriga é mesmo pançudo – Crónica 3255CAZUMBI: É feitiço…

Por  Soba T´Chingange brasil.jpg T´Chingange - Na Pajuçara de Maceió e Lagoa do AlGharb do M´Puto

paju1.jpg Alain Delon dos chapéus vermelhos apresentou-me o vizinho donatário dos chapéus amarelos chamando-o de João Barriga e, em verdade, o nome condizia com a protuberante barrigaça descaída sobre seu calção da LaCost às riscas de um suave verde. Vi-me nele e, momentaneamente, deixei de comer a ginguba que ia ingerindo mandando uma ou outra para o conjunto de pombas que debicavam a areia – por pouco tempo.

Dediquei atenção a uma coitada pomba com um toco de perna e a outra meio comida do rato; curioso, pois era ela a mais hábil pelo que dei-me a pensar que a natureza preenche-nos de outros atributos quando ficamos carecidos de algo. Acabei por arrumar o embrulho do amendoim na sacola da praia no momento exacto em que passava uma senhora esbelta e elegante, de chapéu amplo estilo de capelina em palha e, com uma rede de seda a cobrir parcialmente seu corpo.

Ao redor da cintura com essa seda esvoaçante, as mãos tracejavam o ar sustendo na esquerda um rosário com o cruxifixo balouçando conforme o andamento. Rosário com 53 Ave Marias, seis Pai-Nossos, quatro glórias ao Pai-nosso, uma Salve Rainha na medalha e um Credo na Cruz. Juro que nem sabia como era o rosário mas tentei aprofundar meus conhecimentos e compreendi assim, as paragens e mudança de mãos correspondentes aos cinco conjuntos das Ave Marias!

paju2.jpg

A meia volta era feita no credo com beijo no cruxifixo. Há coisas tão inusitadas que me dão volta às bizarrias que me levam logologo até aos labirintos apócrifos. Posso adivinhar que a simpática veraneante rezava muxoxos para que a guerra já com 19 dias acabasse quanto antes. Estamos agora em 25 de Setembro com sete meses e um dia de guerra chamada de “Intervenção especial” e ainda não acabou... Lá bem no meio da praia serena, um pescador em sua balsa interrompe a remagem de ximbico e, já no meio da rede de cerco, levanta o bordão, uma e outras vezes batendo com força na superfície da água.

Interroguei-me! Já sei, é para assustar o olho-de-cão, peixe-espada, tainha, xaréu, matona, roncador ou sardinha. Desta feita e provocando medo aos respectivos, estes fujam indo de encontro à rede e logicamente ali ficarem aprisionados. Pode bem ser esta técnica a prática de Putin na guerra; amedrontar e fazer ir pelos ares ou fazendo extinguir oxigénio aos habitantes da Ucrânia; ao invés do bordão usa bombas de maior estrago, secando o oxigénio, fragmentando morte, muito diferente das cirúrgicas bombas de perfuração usadas em outros lados pelos americanos e seus primos. 

Russos e americanos têm andado muito próximos em suas experimentações de como banir o ser humano, irmãos até, crianças e velhos e de uma forma ora requintada, ora bruta e estupida como esta malvadez muito mais sofisticada do que a do louco Hitler. Putin leva tudo a eito e até aleatoriamente, mesmo sem confirmar se aquilo é creche, asilo de mais velhos, hospital ou maternidade.

Pajuçara3.jpg Sempre terei de falar com os personagens de minhas inventações, nomeadamente o FK, ex-coronel que mesmo com uma dose de catolotolo na forma de alzheimer, ficaria horrorizado em momentos de lucidez, com o uso de bazucas lança foguetes dum qualquer jeito e, também económicas, diria ele; creio que recordaria assim as antigas guerras no nosso tempo em que havia granadas defensivas de só fazer susto com barulho e ofensivas que espalhavam pregos pelos corpos moles. Hoje usam todas numa só com cheiros mortais, letais.

As bombas dissuasoras noutro tempo, eram só de brincadeira. Para Putin tudo vale, ofensivas, defensivas, extractivas, perfurantes, de fragmentação com cheiro e a cores, calorificas ou tracejantes, com vinagre, mostarda e pimenta, tudo sem regras como assim estivesse fazendo uma caldeirada de morte! Mas não obstante, como se o fosse só um menino a brincar de jogador de poker, ameaça  o Mundo com a bomba atómica, essa mesmo de neutrões, protões com susto paralisante a lembrar o tempo de Ló em que a mulher deste vira estátua só de ver a assombração da luz. Uma força da ONU deveria ir ate lá ao seu mukifo, prendê-lo e julga-lo! Criaram um tribunal de Haia só para inglês ver…Tudo tarda e o “agora” está por um fio com o carapau ao preço da lagosta… Assim, não brinco.

O Soba T´Chingange          



PUBLICADO POR kimbolagoa às 10:51
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Terça-feira, 20 de Setembro de 2022
PARACUCA . L

MULOLAS DO TEMPO - 21

RECORDANDO: De CHIMOIO a INHASSORO – Ainda no 36º dia da Odisseia “HÁJA PACIÊNCIA”. Nós, bazungus através de África no Yellowfin Lodge em Inhassoro …

Crónica 325005.03.2022 em Pajuçara – Republicada a 20.09.2022 em AlGharb do M´Puto

Por soba40.jpg T´Chingange – Na Pajuçara do Nordeste brasileiro e AlGharb do M´Puto

etosha2.jpg Entre Chimoio que fica perto da reserva Gorongosa e Inhassoro e, por cerca de 420 quilómetros, foi um autêntico desespero de calvário de roídas falésias nas margens de betume da estrada nacional N1. Ranhuras sucessivas de fazer virar carros, com buracos de não deixar alternativa – ter de pisar! Ou só mesmo passar devagar, devagarinho. Nos escassos quilómetros com piso bom, lá estava a polícia para exercer sua autoridade. Fizeram-nos alto lá num lugar do nada e, mostraram a máquina parecida como um megafone a marcar 85 Km em luz vermelho. Pois!

O senhor vinha a mais de sessenta, tem de pagar multa! O polícia, viu a carta e os demais documentos sem nada ler, fitando o pensamento só com os olhos do cerebelo, os dois mil meticais a sacar ao gweta bazungu, um genuíno angolano branco, esperto como a surucucu, uélélé. Ordens são ordens, disse o supranumerário filho da mãe em primeiríssima geração, disfarçado de um gordo polícia. Não há como fugir - fiquei fulo depois de andar tantos quilómetros com o eminente perigo de ficar ali numa qualquer pothole (buraco)!

INHASSORO 096.jpg Saí barafustando do carro – quase gritando que era um desaforo armar tocaia na única recta com bom piso em 420 quilómetros. Cá por mim não pago nada, levem-me preso! Saí e, sentei-me no muro da Vodacom, um mukifo promovido a quiosque entre milhares pintados de vermelho e pertencente à empresa de celulares telemóveis! Um negócio que deve ser bem próspero, pois toda a gente tem um “micro-ondas” por onde se pode comunicar e até assobiar com muxoxos espaciais! Salvo as naturais diferenças, rosnava como um cachorro…

Ué! Com palavrões dentro da cabeça, tento reconstruir minha disposição com estranhos nomes esvoaçando raiva de mim aos poucochinhos, buscando novidades sem figas nem juras por sangue de Cristo porque quem anda por gosto num cansa, tal como disse aquele mwadié do Chimoio! Assim deveria ser mas, não o é! No Yellowfin Lodje, a Rosália limpa nossos quartos e retira uma cobra escondida nos tapetes na varanda lateral – uma boa recepção. Sebastião é o administrador, jardineiro e pau pra toda a obra; foi ele que lavou o jeep Nissan 4x4 de el comandante já com uma soma de 7500 km nesta odisseia de bazungus.   

INHASSORO 139.jpg Já noite, fomos a pé e pela areia da praia até ao restaurante da Luna Park da Estrela do Mar de Inhassoro ali perto, propriedade dum arquitecto português já com a nacionalidade moçambicana e, que ali se fixou montando uma escola de hotelaria. Tanto a garoupa grelhada como a pescada cozida estavam de requinte; o jindungo era do bom, daquele de aquecer os neurónios no cocuruto do templo. No Yellowfin há um espaço de esplanada do tipo self-service para fazer comezainas e com um espaço bray (lugar de fazer churrasco) já fornecido de lenha. Também há mesas, geleira e fogões de uso comum com os artefactos usuais mas, deparamos com dois casais sul-africanos que açambarcaram quase todo o espaço.

Estes dois casais que tinham um carro apetrechado para safaris, levaram com eles arcas frigoríficas, um armazém de géneros e outos requisitos para dar suprimento a milionários gringos, carcamanos dos estate (EUA) que querem aventuras de caça, de pesca e da forma completa de gozar áfrica em sua plenitude. Bazungus ricos… Escrevo estas linhas tendo duas beatas de dois grossos charutos cohiba cubanos num cinzeiro, desperdícios de seus hóspedes oligarcas que por aqui andam bem assessorados, tomando whisky caro e a granel como se fosse água. Porventura serão até donos de petrolíferas que por aqui andam disfarçados de gente comum, vá-se lá saber! Nós nem perguntamos para não constranger os fechados personagens gringos.

INHASSORO 134.jpg Mas, sempre soubemos que seu trajecto foi planeado ao centímetro pois que foram de avião para Casane no Botswana do Shoba, Delta do Okavango em Maun, Victoria Falls, caçaram trofeus na Zâmbia e agora, aqui, pescando nos mares de Inhassoro usando rápidos gasolinas até Bazaruto – bazungus com muito cumbú. Pois! Há gente que já nasceu borboleta sem passar por larva. Mas isto é o menos pois que li recentemente que Salvador Dali em um momento de excrescente angustia atirou uma vaca de um avião sem ter ido para o livro do guinness book; se não for mentira, acho que a vaca deveria ir em um Nord Atlas. Digo isto porque, também estes gringos devem a andar em busca de actos exóticos…

Aqui temos feito levantamentos com cartão nas caixas multibanco mas, nem sempre aceitam o que tenho da África do Sul; Nesse então eu escrevia: Hoje tive de usar o meu cartão do Totta Santander do M´puto para levantar 10.000 meticais. Está escrito: hoje é 24 de Outubro, quarta-feira – iremos continuar aqui no Yellowfin Lodge até o dia 26, sexta-feira; depois seguiremos para sul, via Vilanculos. Já deitado de barriga virada ao tecto a osga gorda estuda-me com seus olhos oblíquos. Acena por várias vezes, parece cuspir qualquer coisa e depois refugia-se no escuro ficando a espreitar entre a esteira e o pau avermelhado da asna no tecto de capim. Já estávamos na mordomia do dia 24 no encanto do mato ao lado do grande Oceano Índico, seus cheiros e ruídos; em África, eles, os sonhos, são tão especiais que ofuscam a mente com espíritos.

(Continua…)

O Soba T´Chingange 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 20:08
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Segunda-feira, 19 de Setembro de 2022
KALUNGA . XXVIII

NAS FRINCHAS DO TEMPO - XIII de várias partes…

- KIANDA COM ONGWEVA – Em Córdova com Zachaf Pigafetta Roxo, kianda tetravó de Roxo e Oxor, seu mano Pieter e, um tal de Conde de Sant German - Crónica 3249 de 28.02.2022 Republicado a 19.09.2022 

Ongweva é saudade  

Por soba24.jpg T´Chingange (Ochingandji) – Na Pajuçara em Alagoas do Brasil e Lagoa do AlGharb do M´Puto

roxo168.jpg Recordo que este mussendo – saga, teve início no lugar de Guaxuma com a Kianda sereia Roxo; depois sua irmã vista ao espelho Oxor e Zé Peixe o marinheiro prático que levava grandes barcos desde alto mar até Aracaju de Sergipe. A estória foi evoluindo diluindo-se nas brumas do tempo com gente holográfica, muito antiga, conhecida de outras andanças como o Januário Pieter que nasceu em 1712, tendo agora seus 310 anos. Em Granada tendo Alhambra por perto, houve um encontro muito ansiado em "El Pátio Riconcillo" com a tetravó da Sereia Assunção Roxo.

Ela, a tetravó de Roxo chamava-se Zachaf Pigafetta e, em princípio, era visível só por mim e Januário Pieter. Foi de alguma cautela que falamos de coisas muito antigas do lago Niassa que antes era conhecido por seu primeiro nome de Zachaf; daquelas águas misteriosas tinham saído enredos que me prometeram contar de forma concisa pois que haveria que descrever com mais pormenor suas vidas nas águas do Kwanza, estórias de Massangano com Tugas e Mafulos. A surpresa das surpresas deu-se num repentemente, quando Januário disse: Eu e Zachaf Pigafetta somos irmãos!

roo124.jpg Podem imaginar a minha admiração de espanto quando ouvi isto. Andei tanto tempo subindo e descendo calçadas empinadas de Toledo, esperando que o concílio das Kiandas no palácio de Alcázer acabasse, eu ali com seu mano Pieter que nada me disse. Estes mistérios de kianda nunca se entenderão por completo e, foi necessário ir a Granada para retirar um pouco mais destas kalungas. Não esquecer que o mestre pintor Costa Araújo na sua ancestral passagem por ali, foi testemunha destas falas. Eu explico: Este mestre pintor em uma geração ida e lá paratrás foi ajudante de El Greco.

Tenho de rever estes episódios para não me mentir. Foram dias de maravilha, mas só em Granada e, tempos depois, é que Pieter me apresentou à irmã Zachaf. Falámos entre várias coisas das suas itinerâncias a partir de Cabo Ledo e Massangano, sua segunda terra, ficando no ar promessas de novas e velhas notícias. Sendo estes, uma junção de espíritos na forma de água, divindades abstractas tudo lhes é possível. Em pensamento navego com eles de vez em quando mas não me é permitido decidir quando e aonde.

roxomania1.jpg Minha mana tem outras estórias que decerto te encantarão, disse naquele então o irmão de Zachaf Pigafetta. Estamos aqui para isso; mungweno! Foi assim que nos despedimos. Passou algum tempo! Recentemente, visitei de novo Toledo com passagem por Córdova. Fiquei por aqui, Córdova, dois dias no Hotel Boston, um lugar bem aprazível e, aproveitei ver a toalha de água do rio Guadalquivir logo depois da cascata; via dali a ponte romana, Alcázar, a Mesquita com Catedral e o bonito Arco do Triunfo.

E, foi quando remexia as quinambas, pés descalços nas águas meio turvas do rio, que senti um ligeiro sopro na orelha direita. Vindo do espaço, seu duilo feito céu, com todos os seus anéis relampejantes, ali estava meu conselheiro das profundas angústias. Vinha carregado de magnetismo, feitiços de contraluz cintilando um desassossegado arco-íris. E, foi quando reparei um pouco mais atrás sua mana Zachaf acenando sua mão muito pintada com caracteres meus desconhecidos como se tivesse vindo de Marrocos. Naquele sopro inicial deu-me um arrepio de furto; não fosse uma cigana romena vendendo flores com seu umbigado capianguista de mão ligeira.

roxo107.jpg Um turista tem de andar sempre meio desconfiado porque as mochilas atraem mãos estranhas. Não era o caso mas, vi acontecer! Levantei-me saltitante entre pedrinhas afiadas e dei um grande abraço a ambos. Também andavam fazendo turismo e sabiam lá do seu jeito que eu, estaria por ali. Calcei-me e fomos direitinhos a uma esplanada aonde nos sentamos em El Campo de Los Martires. Conversamos coisas fúteis para preencher muxoxos suspensos.

Nunca mais voltei a ver o antigo Araújo mas o novo cidadão, o herdeiro dos pinceis daquele mais velho estava em Brácara Augusta do M´Puto naquele então. Nem foi necessário explicar aonde era esta Brácara; estava sabedor que ficava numa terra escandalosamente verde do Minho! Este meu “Guru”, já me tratava como se fosse da família, um cipaio do seu arimo (lavra, horta, n´nhaca). A Kianda Zachaf que até ali se tinha mantido calada queria saber novas de sua descendente Kianda Assunção Roxo. - Anda numa boa, curtindo a vida com suas psicadélicas pinturas, coisas de cores vistosas muito belas, virtuais ou digitais, disse eu. Vi nela os olhos arregalados de contentamento.

roxo135.jpg GLOSSÁRIO

Minkisi: - Agente de ligação entre seres humanos e o físico, elementos de fogo, água, ar e terra; N´si: - Terra, o feiticeiro pintado com farinha vermelha (maiaca kianguim) que guarda os pórticos; Kianda: - Fantasma, assombração das águas das lagoas, rios e mares ou Kalungas; Simbis: - Espírito ancestral de origem do Kikongo e Zaire; Kamba: amigo; Matumbola: um morto-vivo, tipo de assombração. Kazucuta: Trambiqueiro, aldrabão, que vive de expedientes; Muxiloanda: O mesmo que kaluanda, natural de Luanda (Luua); Mafulo: nome dado aos Holandeses (Brasil); Mussendo: Um conto ou longa estória, biblioteca oral, conto dos mais-velhos ou kotas.    

Ilustrações de Assunção Roxo

O Soba T´Chingange (Otchingandji)



PUBLICADO POR kimbolagoa às 21:38
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sábado, 17 de Setembro de 2022
MISSOSSO . XLVIII
MOKANDA DO EDU - DA MAPUNDA À CHIBIA
- FANTASIA ANTIGA 
Crónica 3247 - Republicada a 17.09.2022
Porsoba0.jpeg T'Chingange (gasosa para o E. Carvalho Torres no M´Puto)

soba21.jpeg Era naquela hora de lusco-fusco em que o dia vai acabando feito entardecer; no alpendre da casa lá no mato, Zacarias, jiboiava numa rede, balouçado no sonho de caçar onça. Acordou num sobressalto gritando: - agarra agarra - kwata-kwata!

Colocou os pés no chão e ainda meio envolto na penumbra do medo e enquanto pulava, levava as mãos algures ao pescoço querendo libertar-se da cobra! Era sim, uma grande giboia enrroscada nele.
 
Saltitou meio ébrio à mistura de medo em direcção å saleta onde tinha uma arma de bala.
Mas, que podia ele fazer com aquele sonho? Foi quando despertou mesmo, num respiro longo de realidade. Pois! Estava só, tendo uma tremuras de pesadelo...

o vazio.JPG Construira aquela casa, metade habitação, metade tasca de vender peixe-frito, fuba e vinho baptizado do M'Puto. Naquele interior, isolado só tinha a companhia do Pernambuco, um já velho ajudante que cozinhava para eles.

Eles, eram o patrão Zacarias da Silva, ele próprio e sua velha senhora Maria do Ó e, mais um puto candengue faz-de-tudo, um sobrinho de Pernambuco chamado de Brututu... Naquele entretanto esta companheira de Zacarias da Silva, ausentara-se para a Mapunda onde tinha um filho a tomar conta da Padaria Lafões. Chamava-se Napumosseno da Silva

Este, tinha uma filha a estudar na Missão do padre Messias da Huila. Estas visitas da Dona do Ó da Silva a sua neta, filha do Napumosseno, eram periódicas pois que a sua linda Neta, era um propósito de esta se afincar à vida já bem encrustada - avó e neta davam-se às mil maravilhas - unha com carne seca...

chibia.jpg Zacarias, ficara assim na vida fazendo ganhos vendendo sua fuba, seu peixe frito e permutas de produtos com o povo de Mandumbe, nome derivado de seu m'fumo chefe mwata que ali vivia com sua nobreza, seu kimbo. O mesmo que fez a vida negra a Pereira D'eça, um oficial expedicionário do Reino...

Kota Zacarias, trocava cobertores, vinho baptizado, sal e outros produto, pelo milho, mel, grandes bolas de cera e algumas cabeças de gado - nemas gentias. Fornecia também cat'chipemba e outras bolungas feitas de massambala aos, óbitos! Umas defuntadas festas gentias. Isto dava-lhe muitos Angolares, Macutas com a esfinge de D. Maria, aquela que nasceu no Brasil.

Ao lado da casa, num chimbeko vivia Pernambuco e Brututu Sobrinho, bem ao lado do alpendre aonde ficava estacionada, a velha carrinha de caixa aberta DODGE. Muito enferrujada, ainda era o seu meio preferido de transporte...

angola colonial.jpg Duas vezes por semana punha suas alpercatas com polainas de lona e, com muita banga, envernizado e perfumado deslocava-se ora ao Lubango ora à Chibia. E, hoje era dia de ir a Pereira D'eça visitar seu compadre Cantanhede de Bustos. Já estava até um pouco atrasado - negócios não são de desperdiçar e, eis que neste despertar repentino sentiu um rosnar bem conhecido.

O sonho era um aviso; ouvia agora com nitidez o ronronar de um felino que andava rondando o curral, não de agora, mas de uns tempos àquela parte - lembrou-se! Misturadas com suas cabeças de gado, havia sempre alguns galináceos dispersos, que gostavam de andar debicando qualquer coisa encontrada no chão.
 
É desta! Pegando na arma e em algumas balas, dirigiu-se à porta de lá detrás, espreitou o som de fora, a ver se havia algum sinal da coisa! Saíu pé ante pé com abafados silêncios, caminhando em direcção ao local. Não se apercebendo de algo de anormal, regressou a casa, pendurou a arma, guardou as balas...

ANGOLA7.jpg Despendurou de novo a chifuta de estrias, meteu mais balas nas lonas e deu ordens de marcha a Brututu: despacha-te meu coirão. Acto continuo, na habitual tarefa deu arranque na sua DODGE! Destino, Xangongo na graça de Deus... E, eis que tratranquilamente no meu espaço de vida via Ondjiva no meu NASH carregado de candonga de peixe seco dou com o velho kota Zacarias atascado na lama até ao chassi! Ué! Claro que ajudei aquele unhas de fome!

Se não fosse eu ainda por lá estava gripando a paciência, um espaço de vida que escolhera para viver. Entretanto, ja noite, com ruídos insalubres da escuridão com sons distintos de feras e edecéteras acompanhei-o até Xangongo. Vida de comerciante no mato, era assim, nos meus tempos de antigamente. Agora, só temos resiliência com swift estatal aiué...
Soba T'Chingange no AlGharb do M´Puto


PUBLICADO POR kimbolagoa às 23:15
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sexta-feira, 16 de Setembro de 2022
MISSOSSO . XLVI

COM O FALA KALADO – NO KILOMBO DO ZUMBI

Crónica 324512ª de Várias Partes – 24.02.2022 na Pajuçara – Republicado a 16.09.2022 na Lagoa do M´Puto

Por  Soba T´Chingange brasil.jpg T´Chingange – Na Pajuçara do Nordeste brasileiro e Lagoa do M´Puto

Acácia rubra1.jpg Com N´gana N´Zambi (meu senhor), comendo saquinhos de muxima na forma de paracuca, relembro tim-tim por tim-tim, os passos dados entre nós: Com Fala Kalado, um antigo “cabra da peste de N´Gola” que, desde o passado se fez chegar à Serra da Barriga, precisamente no lugar do Kilombo dos Palmares. Tinhamos combinado na Ilha da Fantasia de Petrolina que iriamos ver-nos mais amiúde mas, no entretanto chegou uma matacanha chamada de covid da China que nos isolou…

Supostamente podendo atacar nossos pulmões, a mesma, levou-me ao repatriamento para o M´puto com perca de voos, obrigando-me até a cheirar o rio Tietê de São Paulo com pagamento extra… Enfim! Fala Kalado, por ali ficou embalado em seus projectos de muita valia em sua sustentação e economia. Esperando as doses de Pfizer- Vacina contra COVID-19 por três doses, acabei por obter um RT-PCR após pagamento de 80 €uros e, chegada a hora, fez-se a viagem até às terras quentes aonde me encontro (Fev. 2022).

baú1.jpg Refazendo nossos traços sem melancólicos choros de missangas feitas de feijão maluco, nem ranger de dentes, troçando até de nossas mazelas ou desgraças e, de forma muito escassa fomo-nos inteirando com mensagens do tipo pipoca de milho crocante. Assim num recordar de coisas da Luua e adjacências, cada qual foi falando de faz-de-conta com picadelas de sapiências de bulir na flor da pele sem aprofundamento, como caruncho, fomos comendo nossas algazarradas como a bitacaia que come nosso pé quando assim o é de descuido. Háka!

Lá na Ilha da Fantasia, naquele então falou-se num talvez: - Talvez tenha para ti uma tarefa - Necessito de alguém que superintenda as novas frentes de guerra (para ele e por defeito tudo era negócio de guerra…) - Gerir a produção de crocodilos, rãs, borboletas, caracóis eo ácaro da welwitschia mirabilis! Uau! Como disse, ele sempre falava como estivesse numa frente de guerra, numa batalha e, até nem estranhei – já estava habituado. E, porquê eu, um kota ressequido pelo sol, com o mapa-mundo de velhice desenhado na pele? Tudo ficou por isto mesmo. – Nada mudou!

lampião29.jpg O tempo passou e, agora, de novo, aqui preso no meu mukifo do PortVille, revejo estas falas sem poder alterar a evolução dos acontecimentos. Acontece que FK, foi apanhado pelo bicho covid e o susto levou-o a engendrar com uns quantos advogados uma fundação. Sua previsão de final de carreira levou-o a considerar afastar-se pelo que formou uma “holding de negócios” a decorrem e, uma outra com vertente de estímulo à cultura Bantu – Fundação Zumbi de N´Gola com Arrais Castelo de Cantanhede, um conceituado professor de economia gerindo o kilombo.

E, foi falando com este administrador-presidente que fiquei a saber que o corpo maltratado do ex-Coronel de N´Gola foi apanhado com essa tal doença de alzheimer. Já tenho agendada uma visita à sua casa no sopé do planalto da Serra da Barriga exactamente aonde se situa o Kilombo original. Tive um relatório completo de suas actividades tais como Seminários, Congressos, Centro de Estudos dos povos Khoisans, intercâmbio cultural com associações de N´Gola, Costa do Marfim e dum antigo território conhecido por Minas. Essa Costa da Minas corresponde a uma região do Golfo da Guiné de onde proveio grande parte dos escravos embarcados para as Américas. Corresponde aproximadamente à faixa litorânea dos atuais estados de Gana, Togo, Benim e Nigéria.

ama3.jpg Sua sede fica na Cidade de União dos Palmares bem perto do Museu da Escravatura, do Museu da Casa Maria Maria e, também a Casa da Cultura.  Neste primeiro encontro com o Presidente Executivo Arrais, fui convidado para dissertar sobre os missossos, mussendos e cartas de Óscar Ribas, um acérrimo defensor da língua portuguesa e suas palavras derivadas pela semântica linguística – “o linguajar caluanda”. Fiquei a saber num escrito quase testamentário que eu, o T´chingange, fui indicado como Zelador-Mor da Fundação Zumbi de N´Gola… Sinceramente, fiquei muito orgulhoso deste procedimento tão nobre do Ex-Coronel Cabra da Peste de N´Gola(…).

Inteirei-me sucintamente que fazem parte do elenco executivo da dita Fundação Zumbi de N´Gola a psicóloga Rita Fiuza, o Arquitecto Luiz Cateriangongo, o geólogo Patriniche de Gusmão e o historiador Vizeu Antunes. Penso seriamente inteirar-me do laboratório que já em tempos e em Petrolina tinha encetado a investigação de uma membrana extraída do besouro que conserva a planta do deserto do Calahári de nome Welwitschia Mirabilis - uma membrana que é capaz de desenvolver tecidos de pele, ossos e cartilagens… Lembrar-me agora do tempo da arqueológica sabedoria de matar pulgas com um cassetete. Pois! De verdade, os pesquisadores criaram uma estrutura em plástico biodegradável na qual as células animais se desenvolvem e reproduzem no formato da estrutura biológica desejada. Ainda ando cafuso… não vale mesmo a pena morrer de véspera…

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:19
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 4 de Setembro de 2022
PARACUCA . XLVII

MULOLAS DO TEMPO -18

RECORDANDO: Dia 21 de Outubro de 2018, na fronteira entre o Malawi e Moçambique - 34º dia da Odisseia “HÁJA PACIÊNCIA”. Nós, bazungus através de África… Crónica 3242 - 15.02.2022 na pajuçara do Brasil; 04.09.2022 no AlGharb do M´puto

Por  4 DE JUNHO.jpg T´Chingange – Na Pajuçara do Nordeste brasileiro e agora, no  AlGharb do M´Puto

paracuca1.jpg Ainda sinto um ligeiro tremor de raiva a arrepiar-me as carnes, o cérebro, quando me lembro daquele polícia de fronteira, impecavelmente preto, impecavelmente vestido, impecavelmente sóbrio e com divisas de chefe reluzentes, que ali naquela fronteira de Bozwé, entrada de Moçambique dize que só aceitavam dólares; numa terra em que o dinheiro tem o nome de Meticais. Por seis horas e sentados num muro de pedra ao acaso, tivemos de esperar pelo visto que viria de Tete.

Assim, de braços moles, de mãos frouxas, pescoço bambo quase abotoado ao estomago, crepitando febres, olhava um desconsolo como coisa nunca vista. Ando assim, a tomar chá rooibos misturado com borututu para defumar as raivas mal contidas. Sim! Para me curtir das cólicas. Ontem, até dei comigo a examinar quinquilharias de artesanato, assim minuciosamente como se nunca as tivesse visto. Agora, lá terei de inventar lendas para neles, me improvisar airosamente como um holograma…

paracuca8.jpg Neste dia de 21 de Outubro de 2018 escrevia: Estamos na fronteira de Zobwé que liga o Malawi à cidade de Tete e Cabora Bassa em Moçambique. Já estamos há cinco horas esperando pelos vistos que em princípio irão chegar da Cidade de Tete. Nosso comandante, guia, o melhor condutor de África, empertigou-se com o polícia que nos atendeu ao balcão do lado de Moçambique e neste compasso de espera creio até ser de castigo por excesso de lábia de nosso angolano genuíno de nome, alcunha bangão Vissapa.

Armou-se aos cucos e desatou a dizer que era jornalista e que iria contar ao mundo, que fazia e acontecia, por este desaforo de espera; tinham passado duas horas e foi-nos explicado que os selos dos vistos acabaram ali e, então teríamos de esperar até que o funcionário chegasse vindo de Tete, lá na margem do Zambeze. Sucede que o comandante não aceitou estas explicações, como se não conhecesse estes procedimentos nas fronteiras de áfrica e vai daí, óspois, cinco a seis horas passadas, já muito próximo do fim de dia é que com outro polícia em um outro turno fomos chamados a pagar o visto: cinquenta dólares!

Paracuca13.jpg Como só eu estava apetrechado com dólares tive de proceder aos trâmites e, eis que chegada a vez do comandante Vissapa os dólares não serviam, eram demasiado velhos, sujos, teriam de ser novos. Vai daí procurei o bafana cambista de rua do tipo kinguila que me cambiou e nada de o encontrar. Tive de comprar novos dólares para libertar Vissapa. Ainda ando com estes sujos 50 dólares na carteira para recordar tamanha recheira muito impregnada de bazófia de m´bika dum m´putista bangão – Sucede que o prejuízo já foi pois nunca vi a cor, nem a hipótese dessa devolução pois que e, até já nem o quero pra não azarar meu parco futuro…

Escrevia nesse então: Zobwé - Fronteira muito cheia de kazukuteiros a esmifrar os mezungos ou bazungus brancos! 50 Dólares americanos não sujos custaram-me 1000 randes! Fiquei a arder… nunca pedi resgate disto mas ficou uma raiva que criou ranço de bolor neste tempo todo. As Exorbitâncias são feitas à sociedade - compadrio com as autoridades da fronteira... Há laia de rascunho: -São necessários muitos dólares para satisfazer a apatia reinante dos preguiçosos serviçais da lei... Moçambique, é terra para esquecer; iremos ter mais pela frente…

paracuca27.jpg Nossos bolsos esvaziam nas fronteiras... De todos e até aqui, os mais honestos foram os Malawianos...Os mais ladrões e prepotentes foram mesmo os Moçambicanos... É estranho isto, noé!? – Não é! No entanto, pelo que se vê as infraestruturas aceitáveis de agora foram aqui deixadas pelos Tugas. É bem melhor ver África pela Nacional Geográfica... O maior calor teve o maior preço... Foi no Malawi no Mvuu Liwonga subsidiado por fundações europeias (já aqui descrevi…)! No entanto não aceitam pagamentos em Euros! Ando encafifado! Turista t'chindere em África, sofre e paga para isso! Raiuspartaqueospariu (tudo junto)...

fotos ZÂMBIA 021.jpg Sem pretender vulgarizar o verdadeiro sentido das coisas, aqui estou escrevendo missossos, muxoxos, mujimbos ou mokandas nos trezenos e sessenta e cinco dias dos anos comuns, para arredondar abraços XXL aos verdadeiros gestores do bem-querer. Pelo que podem ler, áfrica é para esquecer! Nesta afirmação, existe uma inevitável armadilha, que chamamos de cultura subordinada a um outro potencial de fingimento, pois que o real entrelaça-se com o possível dando forma à fricção, uma nova forma de ficção. Coitadinhos deles, dizem… Amanhã estaremos em Chimoio… A ver vamos…

(Continua…)

O Soba T´Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 11:01
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Terça-feira, 30 de Agosto de 2022
MALAMBAS. CCLXVII

TEMPOS COM FRINCHAS... Faz falta fazer querer...

Crónica 3239  de 09.02.2022 – Republicada no M´Puto a 30.08.2022 no Kimbo Lagoa Blog

Por soba17.jpg T'Chingange no Nordeste brasileiro em 09.02.2022 ::: No AlGhab do M´Puto a 30.08.2022

Nossas palavras, queiramos ou não, sempre causam alguma reacção em quem nos ouve ou a quem nos lê. O mesmo se dirá de nossos escritos avulso, quase apócrifos, reflecções ou outros edcéteras quotidianos com ou sem fricção, ficção, coisas da estória ou história com inventação ... No caso das apresentações públicas, o objetivo é fazer com que as pessoas sejam transformadas com o que é dito, se efectivamente valer a pena.

Grandes discursos são aqueles que mobilizam multidões. Contudo, isso não significa necessariamente que sejam positivos.  Todos os santos dias deparamos com falas incongruentes, dizeres  que não têm sentido, coisas ditos por pessoas que em principio deveriam ser de alto coturno. Adolf Hitler, por exemplo, atraiu milhões de pessoas com suas palavras, mas todos sabemos que seu propósito eram outros e bem terríveis. Nos dias de hoje temos muita gente com responssbilidade  a dizer besteiras  aumentando assim nosso gráfico de espanto.  

alema11.jpg A  história regista vários discursos que impactaram positivamente a sociedade. Em 1942, Mahatma Gandhi impressionou o mundo com sua retórica pacifista, defendendo a não violência como estratégia de luta pela independência da Índia. Odiernamente a palavra  quase de nada vale  e mesmo aqueles que se deveriam posicionar como estadistas caem na lama como um qualquer, um vulgar cidadão.

Em 1947, o objetivo de Gandhi foi alcançado. Em 28 de agosto de 1963, quando os afrodescendentes dos Estados Unidos viviam segregados, o pastor Martin Luther King Jr. proferiu um discurso histórico em favor dos direitos civis que alcançou mais de 200 mil pessoas.

araujo 101.jpg Quase um ano depois, a Lei dos Direitos Civis foi promulgada em seu país - os Estados Unidos da América. Não obstante, o discurso mais revolucionário de todos os tempos e que mudou completamente a narrativa da humanidade foi proferido por Jesus e, por estranho que pareça o mundo anda a passar ao lado desses ensinamentos; Hoje pedominam as classes cleptocratas, ladrões mesmo que defraudam os demais, subornam, mandam matar, poem sob escuta  o cidadão, fazem da fraude  uma verdade, mentem com todos os dentes e  nós assim ficamos de braços cruzados com o medo do medo... 

Há quem sempre professe outras falas mas, sempre notamos não estarem buriladas nos valores  éticos do círculo que nos serviu de padrão de comportamento social. No Sermão do Monte,  Cristo apresenta os elementos essenciais a que chamou "o reino de Deus". Os temas como justiça, boa conduta, compaixão, fé, ética, sofrimento e felicidade, que interessam a qualquer pessoa, de qualquer época e em qualquer lugar, são tratados por Jesus de maneira magistral e, não devemos sair destes princípios com os quais crescemos. Para bem do mundo! 

araujo85.jpg Para além de nos ensinar como nos devemos comportar, faz-nos sonhar com um mundo de justiça, de paz e harmonia. E, o segredo para alcançar essa realidade está nas Escrituras. Conhecê-las não fará diferença e, não virá mal ao mundo.  Aplicar esses princípios e experimentar, hoje, amanhã ou em um qualquer dia, pode dar a necessária alegria de fazer parte dum reino de querer!  O futuro, que o é agora, anda a ficar muito perigoso . Faz falta fazer querer usando os ensinamentos de Jesus...

O Soba T'Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 09:00
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 28 de Agosto de 2022
KALUNGA . XXV

NAS FRINCHAS DO TEMPO - X de várias partes… Crónica 3237 de (03.01.2021) - 28.08.2022 - No M´Puto

- KIANDA COM ONGWEVA  Salaam Aleikum. Continuamos em terras de “Castilla La Mancha” – Encontro com Zachaf Pigafetta Roxo a kianda tetravó de Roxo e Oxor

Por tonito16.jpgT´Chingange – No PortVille da Pajuçara em Alagoas ( Republicada em Kimbo a 28.08.2022 no  M´Puto)

A conversa a três, eu o T´Chingange mais o Januário Pieter e Costa Araújo Primeiro, auxiliar de El Greco o pintor, continuou da forma descrita com pormenores de verrugas e coisas de arte, segredos de tintas feitas com sangue de besouro, vísceras de moluscos, seiva de figueira e ovos galados! Esta dos ovos galados, não entendi na perfeição, mas o interesse foi tanto que resolvemos fazer visita guiada pelo futuro mestre auxiliar do El Greco, Costa Araújo.

toledo18.jpg Saindo da “plaza del ayuntamiento” o candidato a pintor, levou-nos por travessas empedradas, escorrendo borras de uva com mijo de burra prenha e palha de estrebarias. Passamos a taverna “Cuatro tempos”, cruzando à direita em direcção a Alcázer andamos pela Calle Del Locum e, seguimos por outra tão apertada que até duvido que fosse possível por ali passar um camelo com um fardo de palha que fosse. Paramos em um pátio muito cheio de trastes, imbambas com um cheiro acre e agressivo com montículos de alvaiade e potes com produtos variados, cheirando a óleos indistintos. E havia numa das paredes mais ou menos arrumadas, paletes, pinceis, trinchas, espátulas e até serrotes e martelos. Era naquela calle de la Calavera, um lugar lúgubre e não muito longe do Palácio Alcazar que ficavam os grandes galpões do pintor El Greco Doménikos Theotokópoulos.

Em uma dependência lateral entramos em um outro cubículo passando por um arco de paredes largas e um símbolo alusivo a artes, digo eu, e bem no cimo deste e, bem ao centro. Era aqui que o ainda auxiliar de pintura Araújo, um galego fora de portas, da Bracara Augusta, mantinha o seu mukifo de coisas encantadoras encostadas ou penduradas entre cacos antropológicos; numa placa encastrada na rustica parede podia ler-se “Pátio Andaluz Del Toro”.

toledo16.jpg E, como que fazendo um friso de museu, ali estavam colgados cornos retorcidos e caveiras com paletes borradas de muitas cores. Percorrendo a vista pelas telas, pranchas e cavaletes, mais ossadas de indistintos animais fiquei assim meio recolhido num soluço medroso sem saber que a arte neste tempo era algo de muita pesquiza pelas cores e formas bizarronas, de gente esguia, orelhudas e olhos de meter medo ao capeta!

Ainda me atrevi a fazer uma pergunta: - Para que pintam vocês e, para que servem estes painéis esguios e, … mesmo antes de acabar as perguntas meio amedrontadas O Araújo, meu Mano Corvo por divina indigitação disse-me: - São para colocar nas sacristias das igrejas. Vês aqui este, e apontou um quadro que mostrava um homem feio, horrível mesmo, desdentado, dedos longos e unhas de garras açambarcando um montão de moedas em oiro que escorriam para debaixo da cama.

toledo1.jpg Descrevendo isto recordo o medo que tive muitos anos depois quando e durante a catequese no mukifo da sacristia, via assustado em um quadro medonho, um feio homem de rabo grande e chifres retorcidos, feito macaco, retirando debaixo da cama um saco de moedas ao velho moribundo; sei lá se de peste bubónica ou outra covidesca e negra malazenga como a de agora (Covid 19,20,21,22). Aquilo era a usura no seu máximo expoente … Um pormenor que nesse então nem me falhou: O homem tinha os olhos rasgados, um sinistro chinocas vestindo um kimono repleto de serpentes com vários rabos…Ué, coisa medonha.

toledo7.jpg Isto, disse ele meu mano, simboliza a avareza e, este aqui meio diluído por detrás destas barricas é mesmo o diabo; tem este aspecto para amedrontar miúdos candengues como tu. Os bispos através destas gravuras impõem o respeito ao povo e, sempre querem que nós façamos o que mandam as regras de não roubarás, não matarás, não cobiçarás a mulher do vizinho e, por ai! Os medos, as lendas aqui, têm de ficar sempre presentes…

Glossário:

N´zimbo: Pambu N´jila:-Lugar de veneração ou peregrinação; Lugar predilecto; kalunga: - espírito forte, divindade ou espírito das águas, iemanjá, mar, água no geral; Mukifo: espaço de trabalho, lugar recolhido com coisas espalhadas ao acaso; Minkisi:- Agente de ligação entre seres humanos e o físico, elementos de fogo, água, ar e terra; N´si: - Terra, o feiticeiro pintado com farinha vermelha (maiaca kianguim) que guarda os pórticos e permanece até o toque do medo, adrenalina, guardador de caminhos com saber do ontem, do hoje e do amanhã; Kianda: - Fantasma, assombração das águas das lagoas, rios e mares ou Kalungas; Simbis: - Espírito ancestral de origem do Kikongo e África central; Albayzin: - Bairro Mouro de Granada…

(Continua…)

Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 10:59
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 17 de Julho de 2022
MOKANDA DO BRASIL . XVII

PAJUÇARA - SETE COQUEIROS - “A palavra não foi feita para enfeitar, brilhar como ouro falso - a palavra foi feita para se dizer”- Crónica 3235 - 01.02.2022 em 7 coqueiros da Pajuçara

Republicada a 17.07.2022 do AlGharb

Por Soba T´Chingange brasil.jpg T´Chingange (Otchingandji )– No AlGharb do M´puto

paju2.jpg Eram 5 horas e 45 minutos quando furei a areia para colocar meu chapéu-de-sol na praia de Sete Coqueiros. Fui o primeiro a colocar um chapéu naqueles 4 quilómetros de areal e bem em frente do Pavilhão de Artesanato. Após dispor as duas cadeiras bem aselhadas e, muito próximo do máximo espraiar das águas em maré decrescente, meti-me na água até meus ombro serem cobertos por esta.

O início de minha hidroginástica começa bem aqui, virado para a orla marítima e apreciando a azáfama matinal que é bem diversificada. Daqui posso ver como num anfiteatro todos os movimentos, sentir cheiros e os muitos sons que vão subindo ao longo do passar do tempo. Observo uma senhora que percorre a linha de ondulação da máxima maré com um saco de plástico e abaixando-se amiudadamente apanha algo com sua luva transparente; pareceu-me ser pequenos objectos, utensílios feitos em plástico como garfos, facas e canudos de plástico.

Pode até ser conchas mas tudo indica andar a cumprir uma promessa de limpar a praia de desperdícios deitados no bota fora na óptica do quero lá saber. Deve ser mesmo um compromisso de sonho de limpar os maus hábitos. O mesmo homem de sempre passa em corrida de passos ou pulos pequenos em direcção ao porto do Jaraguá. E, passa um tal de Mateus, um quase atleta de futvolei, conhecido de há anos e dizendo adeus, some-se na lonjura com suas passadas enérgicas.

pajuç1.jpg As ondas à medida da descida da maré vão ficando menos altas pois que suas antecedentes ficaram lá atrás retidas nos arrecifes. É um lençol de água de cor esmeralda, que depois, no meio e antes dos recifes vai fiando azul e mais escura a caminho do horizonte. Estranho não voltar a ver uma velha senhora que caminhava na via ré, andando às arrecuas para ganhar mocidade. Ou então, andará envolvida nos rolos do medo covidesco na progressão de delta para ó-mi-com ou, na pior análise já foi nessa leva abalroada para o jardim das tabuletas.

Posso ver daqui o trilho que sei estar pintado de vermelho, pista de bicicletas e aonde se cruzam donzelas de justas pregas e todos os demais e, até vendedores de café da manhã que com seus zingarelhos de caixas, de pastéis bem dentro de outras caixas de isopor, esferovite de onde se pode divisar as tampas dos termos com café, com leite e outras garrafas com suco e quenturas de caldo de feijão; tudo numa ordenação estudada na resiliência. Ao lado, a gente correndo no calçadão vão dando colorido por entre os muitos chapéus de praia que vão surgindo a partir das sete e meia…

Contornando o calçadão, há dispostos altos coqueiros a emparceirar com as largas copas verdes de amendoeira, do figo da índia como eu conhecia em Luanda, capital de Angola. E, pela marginal posso acompanhar com os ouvidos o andamento de um carro discoteca que lança uma música tracejada de comprimido, mistura de kuduro com pera abacate. Parece, não haver noção dos decibéis enfiados a contragosto em todos os demais e, tudo numa boa, ninguém parece importar-se. A batida correu na avenida soando em tracejado ao meu ouvido já de si dolorido e carecido…

piaçabuçu02.jpg E, passa junto á beira da água molhada o mesmo general, caricaturado por mim já lá vão uns três anos e, sem jeito de baixar sua proeminente barriga de ginguba. Com suas flanelas protectoras do rei sol lá vai variando do amarelo fosfórico ao azul reluzente, tudo num passo rápido e convincentemente só. Pelas sete e meia surgem os trabalhadores empresários de chapéus no suficientemente largos para cobrir uma família. Fazem rasgos com os pé na areia a condizer com o seu licenciamento de capitania de praia e depois com uns negócios de enxadas gémeas fazem buracos o suficientemente fortes para aguentar sua estrutura.

Num rápido, já tudo está enxameado de cadeiras multicolores, mesinhas e chapéus; bem na berma do calçadão estão seus carros cangulos gigantes de serem levados por mão ou empurrão, depósito de todos aqueles trastes de artelhos com corotos e também caixas com gelo e bebidas para vender ao povão, cocos, cerveja e licores de jenipapo a misturar com iguarias de suco de ananás, acarajé de dendém e doces mixórdias de animar um qualquer ateu.

Bem perto duas mulheres com chapéus de palas largas em suas cabeças, rezam e cantam com as mãos elevadas para a kalunga ou iemanjá; mais longe saem as balsas dos jangadeiros levando turistas para as piscinas naturais; lugar do recife aonde a água transparece mostrando variedades de peixes que acostumados, vêm picar e debicar restos de pão, bonito de ver aqui e em qualquer lugar que tenha este jeito de recifes.

pajuç1.jpg Escrevendo em verde o que vai por aqui, sei que lá fora todos andam inquietados com as movimentações, canhões de Putin na Ucrânia, ameaças da UE e a NATO, enfim. Desde a estória do Adão e a Eva que andamos assim em permanente transgressão. A culpa é mesmo da EVA que comeu o fruto proibido quando tinha tantos outros para se lambuzar… mais logo vou comer canjica e queijo de coalho no meio da tapioca, ver pela TV pela segunda vez “A escrava Isaura” e depois … Depois, amanhã será outro dia - FUI!

O Soba T´Chingange            



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:04
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 10 de Julho de 2022
PARACUCAS. XL e XLI

Actualização no Kimbo Lagoa Crónicas 3228 e 3229  por acerto com a numeração do blogue, prevalecendo a ordem deste:  Crónica 3229 como se o fora uma só…

MULOLAS DO TEMPO . 11 – 16.01.2022 - RECORDANDO: Nós, bazungus no povoado de Matumbo – Perto da Tanzânia Border… 16º dia - Óh mundo de túji, ainda teremos de atravessar a Tanzânia para chegar a Dar es Salaam… Crónica 3228 - (Escrita manual feita a 07 de Outubro de 2018 – Um domingo…)

Por soba17.jpgT´Chingange (Ot´Chingandji)  no  AlGharb do M´Puto  a 10.07.2022

Botswana 150.jpg Vissapa mostra sua identidade de angolano a qualquer bafana pé-rapado. Não sei porque nunca fez questão de me mostrar essa cédula esverdeada! Nem vocês que me lêem, saberão decerto o porquê deste procedimento tão bizarro, considerando termos já feito tantas viagens por tantos outros lados e, em outros tempos - até para sul dos montes Atlas nos confins de Elrrachidia; terra berbere, do sudeste de Marrocos… O comportamento das pessoas, quase  me levam no dia-a-dia a lamber pensamentos confusos, aonde faltam traços e virgulas no parágrafo de entendimento, sem índice nem prefácio…

Ali, longe de tudo, em um qualquer lado de África, manter a personalidade, seriedade e serenidade seria bem melhor para suportar o vento que soprando de várias latitudes, trazem areia para nossos olhos. Na área de serviço de M´Pika, uma bomba savana-rust-chop de novo o “my friend” mostra seu cartão de angolano aos bafanas lavadores de carro – terreiro de terra avermelhada e uma mangueira que encharca a lama. Na área de serviço com aspecto de uma velha e decadente mercearia, há prateleiras com latas e pacotes de farinha, feijão, ovos, vários cereais e até frascos com mopane, as larvas chamadas de catato em Angola.

Botswana 171.jpg Lá terei de descrever ao pormenor este sítio comum, para poderem absorver a fotografia com cheiros ladeados por pneus carecas a cercar espaços de bancas improvisadas e também ladeadas de sacos de carvão, pilhas de lenha, sacos de maças, laranjas, bananas e várias quindas com sal das minas. A secção de Car-Wash era suportada com vários baldes e paus a suportar tapetes, pedaços de pano para limpeza, usados pelos dois profissionais. Uma meia hora de espera e ficou completa a lavagem de nosso  (salvo seja) Jeep “ford by ford”. Levaram 150 kwachas pelo serviço que dentro das condicionantes, ficou perfeito.

Desapareceram as dedadas nos vidros, os riscos das rilheiras do pó e os pelos alheios de chacais presos na mistura com pasto fino, manchas de besouros esparramados na vidraça e até moscas e formigas cadáver. Bem que a minha empregada do Uganda Mery me avisou: Patrão! Tu vais sofrer andar nessas lonjuras de mato, garganta seca, a golos de água quente choca. Vais ver como até os espinhos vão ter contigo. Tambulakonta!

Botswana 176.jpg Háka! Senti mesmo isso pois que logologo e pelas manhãs o comandante “my  friend” já estava nervoso, desvairado da silva. Só podiam ser os espíritos dos “photoles”, buracos e mais buracos, os ziguezagues aos camiões e dos cabritos atravessando no momento errado. Patrão, tu vais sofrer! Vinha-me sempre ao pensamento esta sapiência de Mary de Campala. Minha sonolência ficava atormentada fingindo também que tinha sangue de barata – só por vezes debelava minhas farturas de matumbice – um homem não é de pau.     

Mandei um whatsApp a Mary de Campala do Uganda a recordar das suas razões ao que veio uma resposta seca: Quem anda por gosto, não cansa - aiué. E, entretanto já estávamos a chegar ao povoado de matumbo, um sítio mesmo a condizer com o panorama. Meu filho Ricar de Johannesburg mandava entretanto uma mensagem dando a indicação do câmbio da moeda na Tanzânia: Um Euro valia neste dia 2.637 Shillings tanzanianos… Fazendo contas em meus papeis coloridos, ia apaziguando meus conflitos de viagem, mudando no possível o humor! Será bem melhor.

Botswana 269.jpg Tratando das finanças do “ford by ford” ia anotando 1€ = 834,51 Malawi Kwachas – 1 rand = 59,56 Malawi Kwachas. No leka-leka-shop M´zuzu vi um barbeiro em seu mukifo cortando o cabelo com uso de uns cabos que saiam directo de uns pequenos painéis de sol, para sua máquina de cortar cabeças, entenda-se por cabelos, carapinha e, fui deixando de ficar enkafifado com estas tecnologias de ponta e com sol...

Estando em África, em um qualquer momento, ao se olhar para dentro de si mesmo, se deparará com um quadro que são mesmomesmo tecnologias de ponta, uma verdadeira resiliência como se diz hoje. Aiué patrão…é o ideal. Talvez se sinta o coração quebrantar-se pela consciência da própria fraqueza e se entristeça profundamente apesar de se saber que a alegria é um componente do fruto espiritual. Um dia virá em que na presença de um ser superior, a “plenitude de alegria surgirá, tirando até águas das mulolas com um cesto de vime, assim se acredite nos milagres da vida. Amanhã será outro dia!  - (Continua…)

O Soba T´Chingange

Botswana 055.jpg PARACUCA . XLI

MULOLAS DO TEMPO . 1218.01.2022

RECORDANDO: Nós, bazungus depois de TUNDUMA Border Zâmbia / tanzânia… 17º e 18º no Utengule Cauntry Hotel - Óh mundo de túji, ainda teremos de atravessar a Tanzânia para chegar a Dar és Salaam… Crónica 3229 - (Escrita manual feita a 11 de Outubro de 2018 …)– No Nordeste do Brasil

tanzânia II 005.jpg Chegamos já era noite fechada a M´Billize-M´Beya no itinerário que nos levaria a Dar és Salaam; a estrada estava entupida de motorizadas e, foi um grande problema chegar a este agradável Utengule Cauntry Hotel inaugurado com a visita de Kofi Atta Annan, um diplomata ganês que era nesse então o sétimo secretário-geral da Organização das Nações Unidas; o mesmo que foi laureado com o Nobel da Paz em 2001. Exerceu funções entre Janeiro de 1997 e Dezembro de 2006. Numa das paredes da recepção podia ver-se o grande quadro com este personagem. Ficamos aqui por indicação de um alemão quando tratávamos dos trâmites da fronteira em Tunduma.

Nós, quatro pessoas, pagamos por dois dias e dois jantares a quantia de 661 US$, dólares americanos. Achamos caro o preço de 150 US$ por noite mas, a paisagem circundante desvaneceu esta superficial arrelia. A partir desta operação fui destituído das funções de secretário da economia pois que havia dúvidas permanentes quanto ao câmbio que praticava tendo como base o Rand Sul-africano. Em realidade já estava farto de fazer as contas do deve e haver do “ four by four”. No meio de espontâneos obséquios seria fácil ser tomado por intrujão e, isso repuxava-me más raivas…

tanzânia II 053.jpg Por via das incursões dos jihadistas do Boko Haram que aterrorizavam a região de Rovuma a norte de Moçambique e, por via dos avisos que nos chegavam dos familiares do M´Puto o comandante do “four by four” decidiu fazer uma inflexão para sul cruzando todo o Malawi. Pagamos o dobro do que era normal para tirarmos o visto na fronteira da Tanzânia para aqui ficarmos uns escaços dois dias. O planeamento aqui falhou e eu, que tinha tanta vontade de ir até ao Norte ver o Serengeti caí em mim desiludido, numa lazeira de sertão com a alma meio adoecida…

A Tanzânia é um país da África Oriental conhecido por suas vastas áreas selvagens, como as planícies do Parque Nacional de Serengeti, uma das mecas do safari e habitada pelos cinco animais de grande porte mais difíceis de serem caçados (elefante, leão, leopardo, búfalo e rinoceronte). Outro destaque é o Parque Nacional de Kilimanjaro, onde fica a montanha mais alta da África. Em alto-mar, estão as ilhas de Zanzibar, de influência árabe, e de Mafia, com um parque marinho que abriga tubarões-baleia e recifes de corais. O sonho de ver parte disto, desvaneceu-se para calibre de cão sem trela.

carvão4.jpg Passadas as cidades de M´beya, Tukuyu e Ipinda, chegamos a Songwe Border, fronteira com o Malawi. Deste modo, forçado à ponderação, a ideia de ir a Arucha lá no Serengeti, ficou posta de lado. Quem vai até aqui de avião, é depois e sempre acompanhado por guias dos respectivos parques e em carros de tracção. Há por muitos lados filas de turistas que aceitam pagar caro por mordomias exóticas. Entretanto fui fazendo actualizações do câmbio pelo meu microondas e anotei: Um euro valia 835 kwachas malawianos e um Rand correspondia a 60 Kwachas malawianos.

De M´Beya até à fronteira, ainda na Tanzânia pode-se ver grandes plantações de chá embelezando as encostas daquele espaço montanhoso, muito bananal, campos de batata, café robusta, florestas de mangais, e lavras de mandioca. Estas terras altas pelo que se via, eram boas para qualquer agricultura pois que por ali a chuva, a bençoava. As fronteiras em África são sempre problemáticas e demoradas no trato de expedientes, pagamento de visa e o respectivo seguro obrigatório do carro; aqui, também não foi diferente!

Acácia rubra1.jpg Tivemos de usar nosso cartão multibanco por seis vezes a fim de obter a quantia certa para pagar os 75 US$ e ficar com mais algum. Uma vez que só eu tinha dólares, não seria conveniente desfazer-me deles pois poderiam vir a faze falta mais à frente, tal como veio a acontecer. O pagamento aqui poderia ser pago em Kwachas malawianos e, para o efeito ficamos com um bom molho de notas em carteira. Nestas três a quatro horas que ali permanecemos, ocorreu algo que me levou a considerar ser o povo malawiano mais honesto que dos demais países.   

Tive de faze uso dos balneários para urinar e procurando, fui dar a um cubículo sem tecto nem porta, tijolos sem reboco nem pintura e um pano encardido a fazer de porta; tinha uma pia turca como única peça e, tive de pagar pelo uso. Sucede que não tendo os 200 kwachas (mais ou menos 25 cêntimos do Euro$), paguei com uma nota de 5 US$ e, sem esperar o troco fui para as instalações da aduane do lado de Malawi aonde permaneci sentado. Qual o meu espanto quando passado pouco tempo surge o moço bafana com os 5 US$ trocados em kwachas. Aceitei e dei-lhe 1000 kwachas de gasosa! Gostei de no meio de tanta carência e tanta trambiquice, haver uma atitude de honestidade… Sim! vale a pena visitar o Malawi, é terra de gente boa!

(Continua…)

O Soba T´Chingange       



PUBLICADO POR kimbolagoa às 09:34
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sábado, 9 de Julho de 2022
A CHUVA E O BOM TEMPO . CXXII

MEDITAÇÃO DO T'CHING - Janelas para a VIDA com esse tal de Algoritmo.

-VOCÊ SABE O QUE FAZ? - 02.09.2020 em Kizomba em Alagoas do Brasil

Republicação a 09.07.2022 em Kimbo Lagoa, Crónica 3227A

Por Soba T´Chingange brasil.jpg T'Chingange, (Otchingandji) No AlGharb do M´Puto

ROXO197.jpgAR - A sabedoria do prudente é entender o seu próprio caminho. Uma pessoa prudente é sábia por saber o que fazer naquela hora e, da forma certa; ponderar naquela decisão e, por forma a não tornar sua vida um permanente conflito. A vida, não é só uma sucessão de acontecimentos casuais! Ela pensa, medita, avalia seu procedimento, corrige seu rumo quando necessário e recua quando percebe que está errada. O termómetro para medir a “temperatura de suas acções é a Malamba”, a Palavra - a tocha que ilumina o seu destino.

Não basta apenas saber “como” realizar bem o seu trabalho. Fazendo as coisas com eficiência, o prudente, sempre será um bom empregado porque no tempo, pára para pensar no que faz e, porque o faz! Assim, acabará sendo um líder. O caminho dos tolos é diferente; eles, acham que sabem tudo e em realidade apenas pensam que sabem. O resultado só pode ser de frustração, e desapontamento. Vós porventura sabeis o que fazer, porque e, como o fazer?

ROXO196.jpgAR -  Não tema em aprender, aconselhar-se, consultar até concluir. A receita para permanecer na ignorância sobre qualquer assunto da vida é ficar satisfeito com suas próprias opiniões e, contente com o que sabe - Pode ser pouco para atingir a perfeição. A vida se encarregará de lhe provar o óbvio... Faça deste dia, de todo os dias, um dia de avaliação. Revise os seus procedimentos, analise sua trajectória. Nunca é tarde para começar de novo; sempre é tempo de aprender. Tenho feito muita burrada e ando sim, a tentar corrigir-me, uma tarefa dificilíssima.  

Como andam seus relacionamentos? O seu casamento? Está separando o tempo necessário para dialogar com seus filhos ou espera que tudo aconteça por acaso? Reflicta nestas perguntas. Reflectir e meditar, é próprio de gente sábia. Eu próprio ando a tentar superar-me mas sempre ficarei incompleto analisando as muitas vezes que sou castigado pelo Facebook – Não tem remédio sempre andarei em conflito com esse tal de ALGORITMO!

ROXO195.jpgAR - Ser sábio ou insensato? Eis a questão! Se for o caso recorra ao seu Deus, pois decerto lhe mostrará um caminho melhor - com humildade no coração, sempre! Recorro ao meu tio Nosso Senhor mas nem sempre me saio bem… Mas, não esqueça: “A sabedoria do prudente é entender o seu próprio andar e, ter sempre em conta que a estultícia dos insensatos é enganadora”. Em momentos de aperto no tempo, ficamos contra, só por ficar! E, suprimimo-nos por vezes mas, muitas vezes somos suprimidos. Sim! Somo-lo por gente materialista, gente de meia-tigela, gente política flutuante. Ninguém é de ninguém, na vida tudo passa; vamos fazer o quê? Como gostamos de andar embalados! O tempo ruge…

Ilustrações de Assunção Roxo (AR)

O Soba T'Chingange...



PUBLICADO POR kimbolagoa às 18:15
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

MALAMBAS. CCLXVI

CINZAS DO TEMPO - Na vida, podemos ter experiência, inteligência, visão e até sabedoria, mas não conseguimos acertar sempre! Há sempre um algoritmo a reger-nos!

SOMOS FALIVEIS... Crónica 3226 de 15.01.2021 de Kizomba em Alagoas BR

Republicação em Kimbo Lagoa Crónica nº 3226 A em 09.07.2022

Por soba0.jpeg T´Chingange, (Otchingandji) no AlGharb do M´Puto

dracma4.jpg Suportem-se uns aos outros. Em geral, somos falíveis, mesmo sendo os mais perspicazes. Em geral, o que realmente funciona nas relações humanas é o amor e o respeito. Em cada povo, época e lugar, há boas formas de demonstrar isso, tanto aos mais velhos como aos mais jovens. Enquanto houver mundo, pessoas de distintas idades terão divergência de opinião, pois vêem a vida mediante “lentes” e sentimentos diferentes.

Para uns, o mais importante é ter conforto e estabilidade. Para outros, o que importa é rir, divertir-se, desfrutar o que é bom. Como lidar com essas diferenças? É aqui que entra a estória: - Certa vez, dois colegas de trabalho viajaram juntos. Ao chegarem à balsa, na borda rio, o mais velho disse ao mais jovem: “Não entre ainda com o carro.” O outro replicou: “Mas nós somos os primeiros! Por que não?” O colega explicou: “Os que entram primeiro serão os últimos a sair. Aprenda!” O jovem consentiu, contrariado. Ele queria entrar e curtir a viagem. Quando quase todo o espaço foi ocupado, diante da última vaga disponível, o mais velho disse: “Agora pode entrar. Aprenda!”

Mas, a balsa começando a se afastar do cais, ouviu-se o barulho estridente de uma ambulância que, com pressa, se aproximava. Foi dada a ordem para que a embarcação retornasse. Quando atracou, um funcionário apontou para o último veículo da fila e gritou: “De quem é esse carro aqui?!” O jovem respondeu: “Nosso!” O funcionário lhe disse: “Então tire-o. A ambulância tem prioridade.” Enquanto a balsa se afastava do porto, os dois colegas, frustrados, ali ficaram esperando a próxima. “Aprenda, ouviu? Aprenda!” Nenhum dos dois pôde, depois daquilo, esquecer essas palavras.

roxo3.jpgAR -  Em cada povo, época e lugar, há boas formas de demonstrar isso, tanto aos mais velhos como aos mais jovens. Pedir desculpas, dizer “obrigado”, assumir os erros cometidos, moderar o tom da voz ou não falar com ironia. Quem nunca teve um momento destes na vida terá tendência a tê-lo lá mais à frente e, tomara que o tenha.

Que o seja, parar com a pirraça e colocar-se na pele do outro, tentando entender seus sentimentos; tudo isso faz uma enorme diferença! A Bíblia até sugere que nos “suportemos uns aos outros” mas, poucos são os que a lêem... Isto terá acontecido na travessia do rio S. Francisco na cidade de Penedo ou Belém de S. Francisco, mais a montante mas, pode bem acontecer em um qualquer outro lugar e, até com outros contornos.

Mantenha em sua vida uma ou mais unidades de plano, um plano A, B e C para conseguir seus objectivos. Observe um colar de pérolas; missangas que estão todas presas por um fio. Se este rebentar, as pérolas, ou zimbros se espalharão. E, o que é o fio para o colar, missanga de pérolas ou zimbros – é a unidade de plano em nossa vida. Não permita que as pérolas de suas acções se percam, por lhes faltar o fio que lhes manterá a unidade.

picasso2.jpg *Se os resultados das acções humanas fossem instantâneos e determinísticos, seria fácil prever o futuro. Contudo, todas as acções na vida humana estão ligadas à incerteza e ao risco. Dos comportamentos e decisões humanas não se pode afirmar, com certeza, quais as consequências que se verificarão. O conhecimento com perfeita certeza é impossível de atingir*…

*Existe risco quando se podem associar probabilidades aos resultados de qualquer evento. Nestes casos, de risco, o decisor “conhece a distribuição das probabilidades” em relação às situações que são produzidas.*  

Estamos hoje, todos submetidos a esse Algoritmo que diz: Em Ciência da Computação, um algoritmo determinístico é um algoritmo em que, dada uma certa entrada, ela produzirá sempre a mesma saída, com a máquina responsável sempre passando pela mesma sequência de estados. Li isto na Wikipédia…   

Feliz sábado

O Soba T'Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 08:05
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sexta-feira, 8 de Julho de 2022
KALUNGA . XXIII

Crónica 3225 A de 14.01.2022 No PortVille da Pajuçara em Alagoas

- NAS FRINCHAS DO TEMPO - VIII

- KIANDA COM ONGWEVA NO CONCILIO DAS KIANDAS

Reedição a 08.07.2022 em Kimbo Lagoa Blogue

Por soba24.jpg T´Chingange , Otchingandji – No AlGharb do M´Puto

Kalunga6.jpg NO PAMBU N´JILA - Zé Peixe de Aracaju e as Sereias Roxo e Oxor surgiriam só no século XX e XXI algures num recife de Guaxuma de Alagoas mas, suas estórias vêm lá muito detrás; Assim, na saga de Salaam Januário Pieter e seu mustafá, adjunto Petróleo (O Alibabá aladino) … por aqui ficámos Aleikum em terras de “Castilla-La-Mancha” já na cidade de Toledo – Com a guia Kalunga um bom tempo.

O evento do Concílio das Kiandas era para durar… Meu Mano Corvo, o Mestre Araújo andava noutras lides com o tal grego de nome Doménikos Theotokópoulos, o El Greco… Pambu N´jila corresponde ao espaço físico de Toledo ligando este à mística das kiandas de Angola; uma ponte de inventação entre os seres humanos e o Minkisi, senhor dos caminhos que guardam os portões da nossa casa, do nosso espaço e, neste caso, os muitos portões de Toledo tais como “La Puerta del Sol” ou a ”del Cambron” ou ainda “La Puerta Nueva de Bisagra”.

kalunga1.jpg  Havia ali Kiandas, Ninfas Kwangiades vindas de todo o lado, de todos os continentes mas, havia uma em particular que me chamou logo a atenção; usava vestimentas africanas e tinha o nome estranho de Zachaf Pigafetta Roxo. Eu que vinha lá do futuro, do ano de 2016, de uma cidade esquecida com o nome de Marechal Deodoro, sabedor de coisas ainda não acontecidas, busquei em sua ficha qual a procedência e até nem foi surpresa, ela ser oriunda do lago Zachaf de Malawi em África.

Por terras de Monomotapa e na descoberta do caminho dum tal de Prestes João era esse o nome do grande lago que agora se chama de Malawi, Niassa; o mesmo que hoje se chama de Niassa; Ficou assim comprovado que nossas procedências vieram dali, pois que sempre fui e serei Niassalês. As estória de nossas vidas são por demais curiosas.

Kalunga7.jpg E, não é que muito mais tarde eu próprio já num outro evento renasci num paquete chamado desse jeito. Logologo, o lago Niassa bem no meio da África Central! Foi relativamente fácil deduzir que era esta a tal tetravó da agora Assunção Roxo, a sereia de Guaxuma. O Minkisi ocorre e corre com fluidez, tem o saber do ontem, do hoje e do amanhã. E, esta cidade mística de Toledo, guarda segredos que não estão escritos. Gozar a cidade e património, não é folhear só a história e ler um capítulo porque toda ela é história.

Nela, refresca-se a memória num rendilhado gerado de culturas diversas, encruzilhada de raças e encontro de feitiços e feiticeiros; t´chinganges que dominam silêncios desconhecidos. Kalungas longínquas de musas e gente de arte feitas pó, impregnadas de muito suko. No ar, pairava um feitiço de aço temperado e manobrado por um N´Kondi que espalha pregos feitos germes comedores de carne, pedra e pau.

kalunga5.jpg

N´Kondi de N´Gola, N´kosi de Imbinda e um cortejo de muitos Bandokis foram ao concílio de 1583 (há 439 anos…) à revelia de todos os outros espíritos convidados, embaixadores das kiandas das kalungas e seus mutakalombos. Os espíritos do mal N´Kondi e N´kosi ficaram desapontados por D. Filipe II não os ter convidado formalmente; os astrólogos do rei desaconselharam-no a fazer mistura entre mitológicas Ninfas e Nereidas conceituadas.

N´Kondi, o manobrador de pregos ficou encantado com as novas técnicas dum metal chamado de aço e do qual se faziam coisas pontiagudas; aço com técnica de Damasco de maior resistência à tração e à torção, espadas, facas cujas folhas nunca perdiam o fio de corte. Era esse o metal durável que tanto buscava para fazerem suas maldades aos homens e, até nos tempos mais vindouros.

Os pregos de cobre e alumínio espetados no boneco fetiche Kozo, tinham bons efeitos mas não eram totalmente eficazes; os de ferro rapidamente oxidavam e, quando sujeitos a rezas de Simbis perdiam o efeito desejado. N´Kondi e sua comitiva ajustaram-se no alto da montanha numa dependência de cave de Alcazar, e de fundição em fundição.

araujo166.jpgCA  Com expertos na arte de têmpera e espias de Damasco tornaram aquelas armas brancas nas mais eficazes em toda a Terra. Estava longe de supor que N´Gola, nosso genérico país teria uma catana como símbolo e, tudo partiu daqui: Toledo. Neste dia de hoje, pouco falo da Kianda Roxo porque estava lá, ocupada, dando cores com arco-íris aos participantes nobres do papado e outros cinco estrelas, idos da Globália, esse tal Concilio com o papa Gregório XIII que nesse então homologou por bula papal, o calendário que usamos hoje, …

GLOSSÁRIO:

Kianda: - Espírito das águas na forma de sereia, ritos de Angola; Mutakalombo: - Espírito das águas com incidência nos animais que nela vivem, divindade das águas; N´Gola: - Palavra bantu que quer dizer Angola; Simbi: - Espíritos ancestrais saídos do Kikongo com dois firmamentos, céu o lugar de deuses e terra, domínio dos mortais, na hierarquia espiritual são os avôs dos vivos; Suko: - Pessoa prodigiosa ou alucinada; N´Haka: lameiro, sítio de plantio húmido, horta. Nereidas: na mitologia grega, são seres mitológicos, eram seres femininos (ninfas), que habitavam as águas do mar Egeu

Texto originário da n´Haka do sobado na Torre de N´Zombo do Kimbo com o nome de Cafufutila…

Kalunga8.jpg Nota à margem do texto: No dia de hoje faleceu em Barcelona o segundo presidente de Angola, José Eduardo dos Santos que governou Angola por 39 anos, tempo suficiente para levar à pobreza 50% de seu povo…

(Continua…)

Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 17:39
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Segunda-feira, 4 de Julho de 2022
MOKANDA DO BRASIL . XV

ANDO ENKAFIFADO - Crónica 3223 - A - O coronavírus (deixou) - deixa a elite globalista bestificada...

Dio grátias - 09.01.2023 – No Nordeste brasileiro – PAJUÇARA

Republicação a 04.07.2022 no KIMBO LAGOA

T´Chingange t´chingange 0.jpg (Ot´Chingandji) No AlGharb do M´Puto

XISPETEÓ0.jpg “A palavra não foi feita para enfeitar, brilhar como ouro falso"; a palavra (malamba) foi feita para se dizer. A lembrança da vida da gente se guarda em baús da memória com seu signo e sentimento que nem sempre, em uns e outros, se misturam. Vim do M'Puto ontem num avião charuto da TAP com uma catrefada de papéis: Teste VCR de 80 euros, certificado da terceira vacina P´Fizer e formulário da ANVISA... Ainda não tive contacto com o ex-coronel Fala Kalado mas, suponho que também anda enkafifado e desalinhavado dos eixos procurando o tal ácaro da Welvitchia Mirábilis em terras de Petrolina, assim num cadavez de até pressentir crescer as unhas, pestanas e rugas.

Tudo assim como num jogo de velho baralho, num verte e reverte na vida a despertar só sem troco de macutas. Estou no Portville e, lá fora o espaço está tão quente que até dá para aqui entrar no quarto piso cheiretando minha catinga como se fosse um olongo ou kudu, empoçado para se caçado! Uau! Não me perguntem nada porque a nada sei responder no troco da minha boleia dum deo-gratias! Estou contando assim porque é meu jeito de falar no meio do redemoinho... A maioria das pessoas já não tolera mais ficar em regime de prisão domiciliar ou isolamento obsequioso, vivendo o dilema da sobrevivência. Quem consegue suportar a virose também precisa ganhar dinheiro noé!?

GOLF1.jpg Prestadores de serviços, Camelôs, comerciante que vende os seus artigos na rua, geralmente sem autorização legal; vendedor ambulante - vendedor de balas, cocos, macaxeira ou pastéis do jequiá serão obrigados a fazer milagres. São muitas perguntas sem respostas plausíveis. O coronavírus trouxe algo muito mais tenebroso para a vida das pessoas com a imprensa morbidamente a fazer politica a quem quer libertar a acção do povo. O suposto combate à doença abriu espaço para que em todo o mundo, promovessem abusos de poder contra a democracia ou a liberdade individual. Além do trauma pelas vidas perdidas, esta será a grande sequela da crise pós-COVID-19, 20, 21 e 22.

Ela, a crise é complexa, feia e assustadora. Não há soluções prontas, padronizadas, para situações tão diferentes em cada nação do planeta Terra. E, aqui no Brasil também se confina muito no “estadodependência” tal como no M'Puto (Portugal). As imposições colectivistas – essência dos sistemas socialistas e regimes autoritários - ganham forçam sobre o legítimo poder e a liberdade do indivíduo. Perdemos, não se sabe por quanto tempo ou se para sempre a simples capacidade de apertar mão, abraçar e beijar as pessoas.

dia167.jpg Alguns lugares pegaram mais pesado e adoptaram o “lockdown”. Acontece que a essência humana não suporta viver isolada por tanto tempo. Além disso, as condições de subdesenvolvimento, com miséria, pobreza, falta de educação e ausência de hábitos de higiene, agravam o nosso risco. Em algum momento alguém tem de tomar uma decisão e dizer: "é por aqui, e vamos executar”. Em situação de crise, existe um padrão de gestão que define claramente responsabilidades mas, o “isso preciso ocorrer urgentemente” tornar-se constante - É chato noé!          Lembremos de Winston Churchill: “Um optimista vê uma oportunidade em cada calamidade. Um pessimista vê uma calamidade em cada oportunidade”. Estou vivendo isto. Lá terei de me ir vacinar contra todas essas pragas para me prorrogar num se Deus o quiser. Venho por este meio requerer..."deo gratias"… A máscara para mim é um instrumento de medo, de amordaçamento, de controlo, de subserviência. Um sujeito usando máscara, é o símbolo crónico e cabal do subjugo do ser humano que se sujeita aos mais impossíveis estratagemas para se manter vivo. A máscara para mim, é a prova mais viva de que o homem morre de medo da morte, portanto, indicia não ter compreendido, por não conhecer o caminho espiritual da vida…

O Sob T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:27
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Terça-feira, 28 de Junho de 2022
MALAMBAS. CCLXV

TEMPO DE CINZAS. (24.09.2021) – 28.06.2022

Crónica 3221 - A “TEORIA DA INCERTEZA” e os BITCOINS - Oportunidades e pedidos…

MALAMBA: É a palavra.

Por soba0.jpeg T´Chingange – (Otchingandji) no AlGharb do M´Puto

malamba01.jpgCA -  Você já teve a oportunidade de fazer um pedido para alguém muito importante? Como foi atendido? Certa noite, Deus apareceu ao rei Salomão e disse que ele poderia pedir o que quisesse. Que acontecimento incrível! Você já imaginou se Deus aparecesse hoje à noite ao pé de sua cama e lhe fizesse essa proposta?

O que você diria? A resposta não parece ser tão simples. Instantaneamente, nos lembraremos de nossas necessidades. Alguns quererão entrar em uma boa faculdade, outros precisarão de um bom emprego, de um bom casamento e de coisas importantes como dinheiro, moradia entre milhares de opções…  

malamba1.jpgSelo do Soba -  Enfim, a lista é grande. Mas parece que Salomão não se assustou com a proposta nem pensou muito para pedir. Ele pediu sabedoria para conduzir seu povo. Ao ouvir o pedido de Salomão, o Senhor Se alegrou; assim está escrito... O jovem rei pediu sabedoria para cumprir a tarefa divina confiada a ele. Como resultado, Deus lhe concedeu muito mais do que ele sonharia: sabedoria, riqueza e glória incomparável.

Esse relato bíblico é fenomenal. Entretanto, por que apenas Salomão teve essa oportunidade? Se tivesse a mesma chance, que pedido você faria? Há uma grande probabilidade de que Deus não Se manifeste novamente dessa forma a uma pessoa.

No entanto, ele dá essa mesma oportunidade a você. Sabia? O que ocorreu a Salomão, pode acontecer também connosco. Não acredita? Veja o que Jesus falou em Mateus: “Peçam, e lhes será dado; busquem, e encontrarão; batam, e a porta lhes será aberta.” Deus é justo e trata todos os Seus filhos com igualdade de possibilidades".

arau44.jpg CA -  Num suponhamos de metáfora quase podemos visualizar A NATUREZA falando por intermédio de Jesus: “Meu filho, peça o que você quiser”. O que você vai fazer com essa oferta? Pense em como você poderia usar essa bênção. Então peça, e A NATUREZA lhe dará muito mais... "Gratidão é o que temos para expressar por tudo que vivemos nos anos que se seguem". Gratidão pela vida, pela saúde, por nossa família, amigos e trabalho. Gratidão porque Deus esteve connosco e nos ajudou a vencer um dia de cada vez e nos trouxe até este último dia. Passamos também por momentos difíceis, mas teremos muito mais para agradecer com um obrigado! As guerras não podem durar todo o sempre…

Em 2022 continuemos com muita força, saúde e fé e, que seja pleno em realizações dos nossos sonhos e planos. " Bom e abençoado último minuto de cada tempo com esta natureza que ainda andamos a desbravar... Não esquecer que ainda andamos a nos construir... Lendo a “teoria da Incerteza” de Arlindo Donário e Ricardo do Santos sobre como aplicar pecúlios, acabei por ficar taciturno sem saber se fico como estou ou avanço para a aventura dos BITCOINS… O princípio de incerteza de Heisenberg é um dos pilares que conceituam a física quântica. De acordo com esse princípio, em sistemas de escalas reduzidas, como nos átomos e moléculas, grandezas relacionadas, tais como quantidade de movimento e posição, não podem ser medidas simultaneamente com exactidão…

ara10.jpgCA - Para se entender perfeitamente o alcance e o real significado do princípio da incerteza, é necessário que se distingam três tipos reconhecidos de propriedades dinâmicas em mecânica quântica: 1- Propriedades compatíveis: são aquelas para as quais a medida simultânea e arbitrariamente precisa de seus valores não sofram nenhum tipo de restrição básica. Exemplo: a medição simultânea das coordenadas x, y e z de uma partícula. A medição simultânea dos momentos px, py e pz de uma partícula; 2- Propriedades mutuamente excludentes: são aquelas para as quais a medida simultânea é simplesmente impossível. Exemplo: se um eléctron está em uma posição xi, não pode estar simultaneamente na posição diferente xj; 3- Propriedades incompatíveis: são aquelas correspondentes a grandezas canonicamente conjugadas, ou seja, aquelas cujas medidas não podem ser simultaneamente medidas com precisão arbitrária… Com calma lá chegarei – até já pedi ajuda a Salomão…

Ilustrações de Cosa Araújo

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 19:55
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quarta-feira, 22 de Junho de 2022
KALUNGA . XX

UM HINO À KALUNGA – V

Crónica 3218 de 13.12.2021 em Kizomba - NAS FRINCHAS DO TEMPO - KIANDA COM ONGWEVA em Burgos

Republicada no Kimbo Lagoa a 22.06.2022

Por Soba T´Chingange brasil.jpg T´Chingange (Otchingandji) – No AlGharb do M´Puto

araujo62.jpgCosta Araujo (Mano Corvo)

É bom visitar-te, disse Januário Pieter, sentir que dás bom uso às migalhas que te dou, que me orgulhas como um rebuçado de doce vontade. Aqui ficarei até mastigares por inteiro esta estória que vinda do Brasil paira agora entre Portugal e Angola, teu triângulo de afinidades e até passando por Espanha aonde iremos espairecer por algum tempo! Num até amanha deixou-me liberto para outras tarefas largando o prefácio de hoje como um resquício de sua sabedoria perfumada: “- Não podemos fintar as leis que nos regem e, uma delas é fazermos a nós, o que fazemos aos outros”. Irónico, talvez, Pieter fintador despediu-se num mungweno. Espanto meu! Pieter já falava em Kimbundo….

E, aquele cheiro intenso a jasmim surgiu de novo quando a tarde se estendeu no escuro da noite envolvendo-me na azáfama duma multidão ávida de frescura “la movida”. Este Januário mais complicado que um chinguiço abrumado, naquela “Plaza Mayor“ de Burgos comendo agora, umas tapas de “boquerón” e argolas fritas de “calamares” regadas com cerveja “Dom Pepe” ia descrevendo o que sabia da Rainha Isabel de Portugal, assim sem mais nem porquê, ao meu futuro Mano Corvo, que ainda não era mestre pois andava a tirocinar artes esguias com Raphael, um artista local…

toledo7.jpgCA  - Digo futuro Mano Corvo, porque só dias depois, em cima da ponte de entrada de Toledo, cidade mais a Sul, fizemos um pacto de amizade perene e, dum modo bem peculiar: - cruzando nosso mijo-quente sobre o Tejo na primeiríssima encarnação (Neste meio tempo de lá para cá sem vice-versa o Mano Corvo, o Mestre do pincel, um importante personagem real de nossas vidas, faleceu na antiga Bracara Augusta do M´puto – Desde então nossos corações andam enferrujados de saudade - ongweva…) 

Com uma saudação de bater mãos como agora fazem os desportistas, Pieter chispou nas nossas com ardências viscosas; depois do susto lá nos alegramos com caras de fantasmas de inusitados viandantes, até um pouco comprometidos com os olhares incrédulos dos circundantes. E foi ele, Januário que acrescentou: - Isabel a portuguesa foi casada com João II de Castela tendo dado à luz uma menina que veio a ser Rainha consorte de Aragón, Mallorca, Valencia e Sicilia. Foi assim chamada “la Católica” pelo Papa Alexandre VI mediante a bula “Si convenit”, a 19 de Dezembro de 1496.

kimbo 0.jpg K - Claro que fui obrigado a interpelar respeitosamente a minha sapiente kianda pois que o que verdadeiramente queria saber eram as novidades sobre as sereias progenitoras de Assunção Roxo e Oxor, as tetranetas em mares da kalunga do Brasil, mais propriamente de Guaxuma das Alagoas. Tudo porque a Rainha de Castela desse então nada tinha a ver com estas kiandas Roxo e Oxor de Guaxuma. Cada coisa a seu tempo meu ilustre T´Chingas, teremos de circular por aqui algum tempo para irmos à profundeza das verdades do paratrás a fim de entender o paráfrente!

É bom que ponhas a trabalhar teu relógio de areia porque daí irá sair uma praia com características mesolíticas; no futuro aí te irás espanejar com teu Mano Corvo se for o caso, disse assim sem titubear – foi em verdade um grande puxão de orelhas. Tudo indicava estar a ficar bravo de fulo comigo por sempre o estar a interpelar, eu que ainda nem era um estagiário de feiticeiro

roxo69.jpgAR - Taciturnos, com um peso no coração, nos despedimos de Pieter; Os Manos-Corvos viviam agora nesse privilégio de ter um amigo com a sapiência de mais de 500 anos. E, ia eu jurar que ele só tinha 385 anos, pelo seu aspecto tão jovial. Como a gente se engana! Este interregno da estória de Roxo e Oxor tornam-se assim num foro de cariz quase internacional. Deste modo envoltos numa áurea fosfórica rápidamente nos desvanecemos na noite que caía abrupta naquela Burgos…

Ilustrações: CA - Costa Araujo; AR. - Assunção Roxo; K - Kizomba  do FB

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 19:59
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Setembro 2022
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15


26
29
30


MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
blogs SAPO
subscrever feeds
Em destaque no SAPO Blogs
pub