Segunda-feira, 6 de Agosto de 2018
MALAMBAS . CCIX

NAS FRINCHAS DO KALAHÁRI - KIMBERLEY –  6ª de Várias Partes

XOXOLOSA TREM . JÁ EM CAPE TOWN – 02.09.2017 – No Kirstenbosch National Botanical Gardens

Por

soba15.jpgT´ChingangeNo Barlavento Algarvio

Estamos a 06 de Agosto de 2018. A um mês de voltar a terras de África para fazer uma aventura entre esta cidade de Cape Town até N´Gorogoro na Tanzânia. Continuo a passar a limpo meus gatafunhos do baú do Karoo e do Xoxolosa Trem, escritos de 06 de Setembro do ano de 2017. Nas Malambas CCII do Kimbo Lagoa, embora fazendo turismo de aventura sem saber bem como seria o dia seguinte, terminei por descrever em síntese o que sentia - minhas percepções das políticas no tempo, aqui no estremo sul. Fiquei deveras apreensivo!

IMG_20170830_155822.jpg A degradação de África coabita com a impreparação de gestores públicos maioritariamente negros e, que duma forma simplista querem adquirir as riquezas do branco – fazendas, fábricas, casas e empresas. Retiram brancos competentes para serem substituídos por administradores, directores sem nada perceberem do negócio, da gestão agrícola ou outros meios de vida; é a única forma de o dizer sem usar sofismas mentirosos e, quem me afrontar nisto que digo, estará seguramente a usar falácia mentindo-se a si mesmo.  

:::::

Não podemos contemporizar com esta prática num criminoso silêncio. O Mundo não pode ficar alheio ao invés de sempre darem enfase às massas migrantes que assolam a Europa. Decerto que por detrás de tudo, a maior parte das Organizações como ONGS e outras estruturas oficiais enfeudadas em partidos, sempre chamados de progressistas, têm interesses sub-reptícios de engodar as gentes com inverdades, para daí tirarem os maiores dividendos; o pior cego é aquele que não quer ver.

IMG_20170720_125627.jpg O povo tem de saber que sempre haverá um raivoso Malema na África do Sul, um ambicioso ditador Idi Amin Dada, um Mobutu Sesse Seco ou um José Eduardo dos Santos e sua quadrilha com um laranja João Lourenço tentando-se fazer valer numa politica despótica, tendo milhares de outros laranjas que lhe tapam as crostas da maldade.

:::::

Sempre haverá figuras metralha de justificar as maiores barbaridades tais como um tal de Bento Cangamba de Angola e, ou Manuel Vicente, gente nascida para enricar de qualquer jeito manobrando a justiça, países inteiros, governos da treta a fingir que são honestos, só para parecer ser. E dói, sentir nas sociedades ditas modernas ser-se segregado, dividido socialmente, não somente pela cor da pele ou forma de vestir mas, pelas nossas posições no tempo, atribuindo cotas para se estudar ou trabalhar. Isto não deveria existir. É uma agressiva aberração!

IMG_20170721_102540.jpg Eles fazem comícios entorpecendo os centros urbanos, queimam pneus em plena via pública, estimulam assalto à mão armada, incentivam a morte ao fazendeiro branco, deterioram géneros e cérebros para adulterarem a verdade – é um mundo cão! Uma gota de água lançada por uma garça para apagar um incêndio não é nada mas tal como a garça faço a minha parte.

:::::

Dizia nesse então recente que por mais que tente compreender esta transitoriedade de África, fico apreensivo por ver as ondas de detestabilidade governamental agravando os empresários maioritariamente brancos; Parecem seguir as pisadas de Robert Mugab, aquela figura que se empolgava no incitamento rácico, coisa fácil de torpedear o cérebro de quem não tem o alcance de discernir; também, gente que nada tem a perder porque nada construíram, nada fizeram…

IMG_20170901_120004.jpg Numa ânsia negra e doentia de obter as mordomias dos brancos, tal e qual como sucedeu em Angola entre outros territórios, ex-colónias portuguesas mas, e não só, também belgas e francesas ou mesmo espanholas! Diga-se que e, em abono da verdade as colónias portuguesas foram dadas a custo zero originando um dos maiores erros recentes no trato sócio – económico e originando daí o assalto aos governos por bandos armados, autênticos ganguesteres…

:::::

Mas, e agora, se os brancos saírem em massa da África do Sul, um reduto de prosperidade, como vai ficar o país? E, para onde irão se, reconhecidamente é aquele o seu quinhão de terra!? Correm o risco de seguirem as passadas erradas de Angola, Zimbabwé, Moçambique ou mesmo o Congo Zaire entre outros países africanos… Dá lástima sentir a hipocrisia que é escrita ou dita por gente que quer tirar dividendos fomentando a instabilidade. E, há gente que se entrega na purificação da alma esquecendo o quanto foram vilipendiados, roubados, menospesados...

IMG_20170901_113712.jpg Empolguei-me a falar de atrocidades e arbitrariedades deixando o belo jardim de Kirstenbosch para estas poucas linhas que faltam nesta crónica-mokanda. Eu e minha caravana familiar compondo quatro pessoas, apanhamos o autocarro vermelho do Cityrama na avenida M3 junto ao Cape Town High School bem no centro, lugar de Gardens. Começa assim nossa volta pelo itinerário da peninsular Gardens rut que nos levou directamente ao jardim Kirstenbosch.

cape8.jpg Rodamos pela base norte da Table Moutain passando no Rhodes Memorial, Universidade e,  vendo sempre na base da montanha do lado esquerdo a Newlands Forst; por fim apeamo-nos no bonito e organizado jardim. Soprados a vento frio podíamos daqui apreciar a majestosa Table Mountain no seu lado sul, sua pujante e vistosa mancha de verde floresta, empinada na encosta quase a pique até chegar ao platô; uma das maravilhas naturais do Cabo da África. Os portugueses na preocupação de chegar às especiarias da Índia, não se detiveram aqui mas, deste então entreposto, pode conhecer-se muita mestiçagem com nomes de Pereira, Silva e Macieira ou, até de Silveira…       

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 18:15
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Segunda-feira, 26 de Março de 2018
MALAMBAS . CCI

NAS FRINCHAS DO KALAHÁRI - KIMBELEY –  3ª de V Partes

- EM VIAGEM NO XOXOLOSA TREM – 26.03.2018 – Nas frinchas do tempo e atravessando o Karoo, olho o deserto pela janela do mukifo…

Por

soba15.jpg T´Chingange - No Nordeste brasileiro

Estamos a 26 de Março de 2018. Passando a limpo meus gatafunhos do baú do Karoo do Xoxolosa Trem; eram 14 horas e 30 minutos quando o Xoxolosa parou na cidade de Touwsrivier; uma cidade situada a 1382 metros de altitude. A partir daqui começamos a ver os pastos verdes, as terras encharcadas pela água das chuvas e fiadas de parreiras, extensas vinhas, boas terras para o cultivo de vinhedos que no mundo são conhecidos como o vinho do Cabo, uma marca de qualidade.

:::::

Os cardos do pasto mostravam suas características flores de cor laranja do Orange; estas, surgem logo a seguir às primeiras chuvas, indícios de primavera. Os charcos sucedem-se até chegarmos a um lugar apeadeiro de nome Matroosberg  aonde me surpreendo com uma vasta zona de painéis solares, um mar de brilho.

ximbica2.jpg Atravessamos uns quatro tuneis com uns bons 30 quilómetros na soma de sua extensão; As montanhas começam aqui a ser afiladas e como serrotes descaem suas chapadas para vales férteis e bem regados, autênticos paraísos com lameiros de hortas e pomares. É a cordilheira que separa o Karoo, o grande Kalahari das áreas verdes do cabo.

:::::

Vê-se o gelo nos carrapitos das alturas com fios rebrilhando tortuosas quedas que descem nas encostas a água do degelo. Dum e doutro lado dos trilhos podem ver-se olivais alinhados, latadas com pessegueiros, pereiras e outras árvores de fruto. Chegados a Wellington podemos observar milhares de casotas do tipo mukifo sem janelas.

:::::

De pequnos tubos saem fumos que se espalham pelo bairo musseque, favela sem ruas  de aspecto lúgubre. O cheiro entra nauseabundo, podrido de fermentação doentia a ferir nossas narinas. Cape Tawn está próxima. Recordo que a primeira vez que aqui vim, antes do ano 2000 havia sim, um pequeno e ordenado bairro de cubatas; agora é um sem fim de indefinidas chapas fazendo casas de uns 9 a 15 metros quadrados, madeira, cartões, chapas onduladas de fibra e cimento e restos de obras.

mandela1.jpg Notei que aqui, em Wellington, tem início o metro de superfície que leva e trás esta gente; pelo que notei só esperam que um qualquer louco dirigente do ANC proceda como em Angola. Sim! Fazer como Agostinho Neto e seu amigo e compadre Rosa Coutinho, fingir uma guerra de medo e empurrar os brancos para a Ilha - Para a Austrália.

:::::

As ultimas noticias vindas de África, dizem que um tal de Cyril Ramaphosa, presidente do ANC disse ir retirar as fazendas aos brancos sem lhes dar nenhuma indeminização. Isto é áfrico - This is áfrica! Tudo é possível! Depois acontece que os bancos fogem e, eles os negros, daqui e refugiados de todos os outros países, vão atrás deles, os brancos. Custa dizer isto mas é a realidade e o Mundo anda a tentar passar de lado sem fazer reparo a estes estadistas de mei-tijela, de tuji, mesmo!

IMG_20170830_155840.jpg África do Sul não está longe desta tentação. Eles acham que aquela terra é só deles! Vai haver muita gente a torcer o nariz, chamar-me de muitas coisas mas é esta a realidade e a mim não me posso mentir. O manager Silas passou a avisar que iremos chegar pelas 18.30 horas  à Cidade do cabo e, na plataforma número 24.

IMG_20170831_130245.jpg O Senhor Amadeu Seca, ex-Presidente da Academia do Bacalhau ali nos esperava com seus 85 anos de idade; pude vê-lo no seu jeito, quico de azul desbotado com a letra A espinicada sobra a alva pala. Seus 85 anos já lhe pesam nos procedimentos, sua surdez está em grau avançado bem como o esquecimento, reflexos e outras coisas; Achei mesm que não estava em condições de conduzir, nem  um cangulo, quanto mais um carrão quase rabo de peixe e sem macaco.

IMG_20170829_143846.jpg Tivemos de ir desde a Estação Central de Trens para a Iaton Road com as malas, sacos e sacolas de acessórios afiados no banco detrás do carro. O Senhor Seca não foi capaz de se lembrar aonde estava a tal patilha de abrir a porta bagageira. Vê daqui e dali e nada de encontrar a dita cuja patilha de abrir a coisa lá detrás. Juro que fiquei preocupado com tanto desalinhamento dos neurónios. Seria alzeimer!? Também tive de ir a segurar o espelho lateral desuerdo destroçado recentemente em uma manobra de maus cálculos... Chegamos a Cape Town... Ufa - Que perigo!... 

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 14:51
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quinta-feira, 15 de Março de 2018
MALAMBAS . CC

NAS FRINCHAS DO KALAHÁRI - KIMBELEY –  2ª de IV Partes

- EM VIAGEM NO XOXOLOSA TREM - 28.08.2018Nas frinchas do tempo e atravessando o Karoo, olho o deserto pela janela do mukifo…

Por

soba15.jpg T´Chingange - No Nordeste brasileiro

Estamos a 15 de Março de 2018. Passando a limpo meus gatafunhos do baú do Karoo, revejo o Karoo National Park da janela e, do lado direito do trem. Viajar neste trem é um restolhar de vivências diferenciadas de outras. Beanfort West deve ser a cidade aonde os farmeiros destas vastas zonas do grande deserto Calahári se abastecem. Poço ver de quando em vez, avestruzes livres correndo, como que fazendo competição com o trem.

:::::

Os semblantes de gente negra daqui têm perfil de hereros, quase brancos há mistura com os khoisans, bushmens magrinhos, baixos e secos de carnes encortiçadas pelo agressivo ar quente do Karoo quando dia e frio de queimar pestanas de noite. Ontem à noite, ao despedir-me dos auxiliares do Rust camp Alfa One de Warrengton, o Mandla chofer sul-africano e do pedreiro Fabiano moçambicano; como agradecimento dei a cada um, uma gasosa de 150 rands (10 Euros).

xoxolosa1.jpg O agradecimento deles foi bem rasgado e o dinheiro foi posto na mão estendida com os dois braços esticados; o esquerdo suportando com a mão, a parte inferior do direito no antebraço. Quem nunca saiu da europa não entende este propósito; isto significa na cultura dos povos bantus respeito e gratidão por quem lhes dá atenção ou admiram. Só por isto, senti-me abençoado…

:::::

Fiquei contente por regirem assim pois que sempre passamos dez dias em proximidade, suportando o frio da noite, a água gelada nos tubos pela manhã, o pôr a trabalhar o gerador entre outras sensações de ouvir os chacais a rir, salvar patos-reais vindo do capim nas bordas dum rio afluente do Orange River. Africanos pretos tendo um patrão também africano, um branco nascido no mato de nome Lourenço, lá nos arredores de Benguela de Angola. Um entre muitos que saíram de sua terra na altura do TUNDAMUNJILA. Até agora nenhum dos mwangolés os convidou a regressar… Gente de túji mesmo!

IMG_20170823_114812.jpg Momentaneamente e por curto espaço de tempo, T´Chingange descendente dos Celtas Lusitanos e Turdetanos, Niassalês por opção, candengue camundongo, Maianguista de bairro na Luua, brasileiro por escolha e Tuga por condição, foi o patrão interino de Mandla e Fabiano.  Via telefone recebi um recado SMS da empresa estatal dos Xoxolosa Trem a dizer que nosso manager da carruagem 9 era o Senhor Silas N´Goiana; o mesmo que nos indicou o mukifo com a letra F.

:::::

Na europa estes procedimentos são abreviados com talões previamente furados antes de entrar na carruagem que depois serão observados pelo revisor. Pois volto atrás para descrever que ontem e faltando quinze minutos para as dez horas da noite, estando vários grupos de pessoas na sala para embarque a senhora do guichet saiu dele para avisar grupo por grupo que o comboio estava nesse momento em Warrengton que fica a uns sessenta quilómetros, região de onde saímos – isso, do  Rust Camp Alfa One.

IMG_20170823_140827.jpg A funcionária fardada a rigor e com chapeu de oficila dos Caminhos de Ferro acrescentou que o Bleu Trem iria demorar uma hora até esta estação de Kimberley; assim aconteceu! Mas estivemos aqui parados uns cerca de 25 minutos pelo que só saiu às 11.20 horas PM ou seja, duas horas mais tarde do que estava assinalado, This is áfrica! Copiaram!

:::::

Aqui tudo é possível e, ninguém reclama; isto confunde qualquer um, até mesmo um cristão da Mauritânia ou testemunha de jeová da Ilhas Maurícias! É mesmo a passividade de quem vive um dia a seguir ao outro, num seja o que Deus quiser. Naquela sala de embarque, eu, Ibib e Ritinha eramos os únicos brancos na cor; Nos dentes eramos todos, aleluia!  Haja Deus, ámen!

IMG_20170823_134528.jpg Isto era-me estranho e, até comentei porque, que se saiba Kimberley nos primórdios e com a descoberta do maior diamante do mundo esta cidade só tinha brancos; claro,  gente vinda de todo o mundo – aventureiros americanos, ingleses, escoceses e até brasileiros. Gente habituada a fuçar a terra com o fito de ficar ricos; a maior parte trocava sua fortuna por uma noite prendada com mulheres que tinham antes do coração duas volumosas mamas a protege-lo…

IMG_20170823_123725.jpg Tal como o Xoxolosa Bleu Trem, tenho de andar lento na descrição da viagem porque se falhar alguns pormenores, ninguém irá achar graça ou interessante. Lá atrás na cidade de Kimberley percorri a cidade de então construída em fins do século XIX ao redor do grande buraco Big Holl. Bem ao jeito do faroeste americano vi saloons, bancos, sapatarias e oficinas com carros e ferradores co mais uma catrefada de coisas que o tempo eliminou. No restaurante pude comer tortilha com Tiboon (bife de boi tendo um boi de grandes cornos a olhar-me insistentemente. O conhecer do mundo, suas coisas e bizarrias dão-me um prazer infindo…

(continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 17:58
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quinta-feira, 8 de Março de 2018
MALAMBAS CXCIX

NAS FRINCHAS DO KALAHÁRI - KIMBELEY –  1ª de IV

- REST CAMP ALFA ONE -  27.08.2018 - Somos divididos socialmente, não somente pela cor, ou forma de vestir mas, pelas nossas posições no tempo…

Por

soba15.jpgT´Chingange - No Nordeste brasileiro

Estamos a 08 de Março de 2018. Agora, e com tempo relembro que naquele dia de vinte e sete de Agosto de dois mil e dezassete, o que foi a Batalha de Blend River perto de Durban, contada por Samuel Lourenço. Isto deu-se na guerra Anglo-Bóher com a inclusão da tribo Zulu. Uma batalha em que 500 homens bóhers defrontaram 15.000 zulus, vencendo-os. Isto aconteceu na segunda Guerra dos Bóhers travada entre 1899 e 1902, levando à criação da União Sul-Africana através da anexação das repúblicas bóheres do Transvaal e do Estado Livre de Orange às colônias britânicas do Cabo e de Natal.

 IMG_20170823_114812.jpgÍamos a caminho de Kimberley com o objectivo de se comprar géneros e cimento para as obras da Farm no Alfa One. Eu, ia de boleia para comprar os bilhetes do trem transafricano com o nome de Shosholoza e, a fim de seguirmos para a Cidade do Cabo. Álem de mim ia Ibib Emília, minha mulher e Lara Mendes, nossa neta.

:::::

Aquela batalha de Bland River foi a resposta à mortandade que os zulus fizeram numa armadilha em que morreram 300 bóhers; com orientação inglesa, os zulus fizeram crer aceitar tréguas fazendo uma festa a comemorar o início de boas relações entre estes e os Bóhers. Os zulus conseguiram que aqueles assistissem à festa rebita sem qualquer tipo de armas. Uma tremenda insensatez, diga-se…

blend river5.jpg Renitentes, os bóhers lá aceitaram com reservas tendo suas mulheres e crianças ficado num lugar bem distante e alojadas em caravanas bem à maneira dos filmes do Oeste americano. O fim daqueles homens, foi uma trágica chacina. A meio da festa os zulus desenterraram suas catanas matando os indefesos bóhers acabando por matar também suas mulheres e demais crianças.

blend river0.jpg Entre eles não estava o líder oficial superior pelo que perturbado com este incidente, reuniu 500 homens defrontando os já mencionados 15.000 zulus que rechaçaram por vingança e sem piedade nesse lugar de Blend River. Agora que já espero o comboio que nos levará a Cape Town,  escrevo estes rascunhos para recordar que a vida é assim feita de recuos e avanços. O comboio que estava para sair às 21,20 horas só acabou por sair às 23,20 horas. Isto, é áfrica! - (This is áfrica!)

blend river4.jpg Instalamo-nos na assinalada carruagem do Blue Trem nº 9, cabine F. Era previsível chegarmos à Cidade do Cabo pelas 15,30 horas do outro dia mas, só lá pelas 18,30 horas chegaremos à plataforma nº 24. É aqui que nos espera Amadeu Seca, um velho amigo na casa de quase noventa anos proprietário de uma moradia rosada e guest house situada no sopé da Table Mountain. Seca, foi em tempos, o Presidente da academia do bacalhau…

blend river6.jpg Este Xoxolosa Trem conhecido por o Blue Trem para perfazer os 1.000 quilómetros entre Kimberley e Cape Town, levou dezoito horas o que se traduz na estonteante velocidade de 55 quilómetros por hora. Uma vivência única com emoção de se ser viajante do transkaroo, trem com poltronas, camas no mokifo e butacas para quatro pessoas por cabine; direito a roupas agasalhos, comer e beber, café da manhã, almoço e jantar como se em casa estivéssemos.

blend river3.jpg E, ao som de guinchos, chiadeiras de tIc-toc, raspagens e pancadas, dormi que nem um jacaré depois de uma boa pândega com churrasco de chouriço borrobós, salsicha a metro, ovos e café com leite, torradas e mais sumos de maça. A paisagem corre lenta com savana e mais savana como numa terra de nada com o vento movendo rolos de palha. Chegados a Beanfort West podemos admirar uma grande estação, talvez uma grande cidade no meio de morros, que definem o Karoo National Park.

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 21:03
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Segunda-feira, 5 de Março de 2018
MALAMBAS . CXCVIII

NAS FRINCHAS DO KALAHÁRI - 19.08.2017

- Apaziguando rijezas adversas … Camp bush, Alpha One de Northern Cape … (Crónica escrita no mato e a meio do Calahári mas, só agora passada a limpo - 05.03.2018)

Por

soba15.jpg T´Chingange Desde o Nordeste Brasileiro

Esta manhã (19.08.2017) saí pelas dez horas e vinte minutos da base Alpha One enquanto os kampas da família Lourenço mais o italiano Roberto mecânico, faziam uma visita guiada às instalações ainda em execução. Disse-lhes que ia dar uma volta à farm e assim o fiz vestido com minhas botas papa-léguas de biqueira de aço, um calção folgado de caqui e blusão balalaica amarelo com bolsos para tudo e ainda para meter cartuchos de chumbos de matar capotas e, no lugar das balas de matar elefantes. Um canivete Mike Giver era a minha arma!

IMG_20170628_065517.jpg Desta feita, somente levava comigo um telefone com ligação à Vodafone da África do Sul, que por arrelia, sempre me diz estar fora de área. A cada nova tentativa o FB sempre m pede uma nova chave e, ou não sei lidar com este microondas ou a equipa técnica do dito cujo FB andam baralhados com minhas andanças pelos três continentes.

samuel0.jpg Ainda não tinha chegado aos 200 metros da “fence” (vedação) quando deparei com um bando de mais de cem galinhas de angola; sempre junto à rede e bem na picada que segue paralela à fence e nuns dois quilómetros, pude ginasticar os músculos do pescoço sem nada ver até à esquina da farm. Virei à esquerda e passados uns 500 metros e do outro lado da rede vejo mais de vinte gnus e quatro springboks.

IMG_20170628_084847.jpg Ali ficaram especados a olhar para mim que estava a uns 700 metros deles. O vento soprava de norte e a favor de ser captado por eles; por isso assim ficaram em suspense a olhar o bicho raro que era eu. Junto à vedação havia uns buracos na rede de arame por onde decerto passariam chacais e outros felinos de pequeno porte como o caracal ou lince; foi então que apanhei um canudo branco e castanho, espeto de um porco-espinho. Entre outros, estes também usariam estas saídas.

:::::

Não muito longe, vi um morro de salalé desactivado e já desmoronado por papa-formigas; pude ver pelas marcas na terra vermelha, suas pegadas. Depois do primeiro canto da fence andei mais um quilómetro e meio; aqui a rede tinha uns bons três metros de altura, o que me levou em crer haver ali kudus (olongos), pois que estes saltam bem alto.

IMG_20170819_182554.jpg Foi a partir deste segundo canto da rede que observai uns sete buracos com marcas de recente passagem de antílopes de pequeno porte entre outros. Pelo modo de destruição dos arames avaliei terem sido feitos por javalis, ou facocheros; pude verificar isto a uns dois quilómetros do regresso. Quatro javalis, dois grandes e dois pequenos cruzaram pela vedação a uns 40 metros à minha frente; porque o vento estava a meu favor só se aperceberam da minha presença quando se viraram na aberta picada.

:::::

Fugindo entre o capim de mediana altura podia ver-se os quatro rabos pretos com uma boneca na ponta e, na rápida deslocação em direcção à cacimba dos bois. A todo o momento parava a ver se divisava a manada de oito springboks vista uns dias antes por ali mas, se por ali andavam, estavam bem camuflados entre os chinguiços e outros gravetos no meio do alto capim da savana.

IMG_20170823_140827.jpg Ainda me passou pela cabeça haver por ali predadores de maior porte como o leão ou leopardo mas não tinha recebido qualquer indício destes felinos. Os farmeiros não permitiriam cohabitar seu gado com estes big-five ou a cheeta. Pelas marcas no terreno verifiquei haver por ali além dos já mencionados macacos beduínos e outros de menor porte do tipo saguins.

:::::

Andei duas horas e dez minutos, o que corresponde a uns oito quilómetros; pude ver esquilos e suricatas a esconderem-se mal pressentiam a minha presença. Para além de terem vigias à superfície, apercebem-se pelo compacto da terra que vem lá coisa, sons de diferentes passadas; podem reconhecer que estes passos eram bem diferentes dos cascos da boiada.

IMG_20170823_134851.jpg Neste dia 19 de Agosto de 2017, pude participar do aniversário de Samuel, filho mais velho de Lourenço e administrador do pequeno império deste seu pai. Dei graças ao Nosso Senhor e, com eles, aquecer-me à grande tocha feita a propósito para atenuar o frio da noite. O frio do deserto é impiedoso, faz tremer! Assim desprendido de tudo, olhava o escuro horizonte ao som de balidos ou choros de chacais. Pois! Participando do brai e comendo carne suculenta acompanhada de bom vinho do Cabo Two Oceans.

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 19:47
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quinta-feira, 16 de Novembro de 2017
MULUNGU . LVIII
NAS FRINCHAS DO TEMPO . REINO SHOBA . Warrenton - 24.08.2017 : Parte 4 de IV

- Escritos da minha mochila

-Um amigo receitou-me Pimenta Caiena para controlar a pressão arterial – Por agora passeio o esqueleto no reino bushmen...

Mulungu: Pode ser árvore, mas também, homem branco em língua Xhosa (Cosa)

Por

soba0.jpeg T´Chingange

Estando eu no Reino Xhoba, reino sem rei com cerca de 100.000 súbditos, pertença de vários países de África não posso deixar de falar deles. Soube porque li em algum lugar que o anterior presidente da África do Sul, Nelson Mandela atribui a estes um território de quarenta mil hectares. Ora se um hectare tem dez mil metros quadrados, quatrocentos ha darão 400 Km quadrados. Se para aí transplantarem o cacto Xhoba, vai dar muito cacto para amaciar barrigas inchadas por esse mundo.

fiume5.jpgA maioria do povo bushmen continua a viver em casas cobertas a capim em pequenos aglomerados, por vezes a centenas de quilómetros de distância da cidade mais próxima. Estas palhotas são circulares tendo a altura de uma pessoa no seu centro. Para sua execução juntam uma boa quantidade de paus direitos que depois são curvados e enterrados no solo pelas extremidades. Estes são amarrados ao centro com mateba, uma casca retirada de uma árvore que entrelaçada faz de corda.

:::::  

Com outras varas mais finas e longas formam uns arcos progressivamente maiores à medida que são postos do centro da cobertura para o solo; estes paus tipo verguinhas mais finas, são amarrados aos outros mais grossos que estão na vertical tipo meridianos. É deixado um pequeno rectângulo por forma a permitir a entrada e saída de uma pessoa.

:::::

Os seus instrumentos são bem escassos pois com muita frequência, mudam de sítio por via de seguir a caça, seu sustento. Têm lanças com ponta de ferro como nossos primitivos ascendentes que envenenam com a banha de um verme que apanham ainda em casulo. Chegam a matar girafas com o uso de sua astucia e modo felino de andar na mata, pé ante pé e sempre nas mesmas pegadas sem fazer estalar qualquer tronco seco.

koisan12.jpg Usam lanças e arcos de flexas, transportando mantas para suportarem o frio das noites que chega a graus negativos. Seus pratos são feitos de aboboras e os copos de massala ou maboque. São óptimos pisteiros e conhecedores de raízes cheias de água que espremem para vasilhas ou ovos de avestruz.

:::::

As autoridades estão dando alguns apoios por meio de lhes facilitar a fixação colocando em sítios estratégicos poços de água alimentados por energia solar! Creio também que lhes fornecem mantas e facilidades de transporte para levar seus frutos a postos de venda.  Fazem artesanato a partir de espinhos de porco, ovos de avestruz, cascas de massala e lindos colares de missangas e frutos do mato. Usam uma quinda ou balaio maleável aonde colocam seus parcos pertences.

:::::

Seus conhecimentos milenares estão sendo estudados ao pormenor em algumas universidades da África do Sul por forma a conhecerem melhor sua tradição de estórias verbais com lendas e dando a estes benefícios na forma sustentável sem os viciar. O Xhoba cacto inibidor do apetite vai através de convénio governamental contribuir para lhes criar hábitos de sedentarismo.

koisan10.jpg Não sei se os exploradores Tugas de outros tempos davam importância a alguns factos e se o fizeram ficaram relegados para segundas núpcias de estudo. Serpa Pinto recebeu a missão de estudar no Alto Chire a construção de uma linha de caminho de ferro que assegurasse a ligação do lago Niassa com o mar, apoiado numa forte coluna militar, que mais tarde se ligaria no baixo Catanga a outra coluna portuguesa vinda do Bié, sob o comando de Paiva Couceiro

:::::

Portugal deu início a várias acções de ocupação: entre 1887 e 1890; Artur de Paiva ocupou o Bié e Paiva Couceiro foi enviado para o Barotze. Numerosos sobas prestaram vassalagem a Portugal. Tendo isto em vista, os ingleses começaram a aliciar os chefes indígenas das regiões visadas, incluindo aqueles que já tinham prestado vassalagem a Portugal como os Macololos e os Machonas e até o célebre régulo de Gaza, Gungunhana.

cacto xoba2.jpg O envio de tropas e de funcionários para todos os lugares onde se fazia sentir a sua falta era, porém, virtualmente impossível para Portugal. Por outro lado, o acordado na Conferência de Berlim dizia respeito fundamentalmente aos territórios junto á costa, já que o “hinterland” africano era muito mal conhecido. Daí as numerosas expedições organizadas de reconhecimento.

nauk03.jpg Os resultados da Conferência acordaram Portugal para a realidade. Se bem que o esforço estratégico tivesse sido orientado para África após a perda do Brasil, pouco se tinha feito por via da instabilidade da vida político-social da Metrópole, M´Puto e das extensas vulnerabilidades existentes.

FIM

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 18:45
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sábado, 8 de Julho de 2017
MALAMBAS CLXXV

NAS FRINCHAS DO KAROO - 08.07.2017 Aqui no Karoo de África, apaziguando rijezas adversas, relembro a singularidade do mundo.

Por

t´chingange.jpegT´Chingange

Não existe ninguém que encontrando um espinho em seu pé não o retire após as primeiras dores; se não o fizer é porque é masoquista ou anda a treinar para o Guinessbook, um clube de excêntricos. Um amigo próximo disse-me que os pés dos bóeres têm olhos. Só entendi essa fala quando observei in situ um farmeiro de kimberley a andar de sandálias de pano colorido no meio do capim repleto de aranhas, centopeias, cobras e um sem fim de outros bichos rastejantes sem contar com os muitos picos espalhados a esmo pela terra barrenta.

BATATAS2.jpg Percorrendo o mato do Karoo africano, milhares de acácias com espinheiras do tamanho dum lápis, posso ver ao longe morros suaves de um e outro lado dos rios Orange e Vaal. Nestas condições de apaziguar rijezas adversas do mundo, relembro a singularidade ainda não totalmente definida fazendo-me num seixo redondo do Vaal. Seixo embrutecido que rebola no tempo só quando levado pela enxurrada desta mulola aonde me situo. Aqui há diamantes, dizem!

:::::

Aqui há diamantes? Perguntei à suricata empinada numa pequena elevação que nada me disse, pudera! Sem se importar com essa brilhante pedra que ofusca gentes, fugiu para um dos muitos buracos ali espalhados; terra fresca denotando trabalho árduo para assim se refrescar daquele calor tórrido; calor que chega a ir a mais de cinquenta graus no pico do verão. Coisa para se dizer, Pópilas!

BATATAS1.jpg Pois aqui, damo-nos conta de que afinal, sempre há povos a descrever teorias ou filosofias novas clareadas por meio de metáforas que a natureza lhes ensina. Aquela de os pés dos bóeres têm olhos vuzumunava minha koca com lantejoulas rupestes. Nestes espaços abertos dissociamo-nos dos conflitos sociais; das metáforas criadas pelo homem a justificar coisas sempre compreendidas numa forma de agradar.

:::::

As artes criativas dos homens continuarão a florescer com brilhantes expressões saídas da imaginação; novos níveis de conflito ou sedução e, porque a arte por vezes é a mentira a nos mostrar a verdade. Ué… Lembrei-me do professor Souares, um espiritualista com manias de mwata a enfeitar minha testa com unguentos de salsaparrilha e xixi de guaxinim fedorento, tentando resolver meus problemas de mau-olhado.

BATATAS6.jpg Este eterno conflito foi-nos legado pela inteligência que tende a evoluir no tumulto com velhas ou novas criticas - velhas teses ou teorias diferentes deste mwata Kimbanda da mututa que me quer desfrisar uns kumbús como assim, na saúde, na doença e o escambau… Um teste de vida de tendência evolutiva legada por Deus, porque pensar o contrário disto, será decerto uma imperdoável heresia.

:::::

Este problema sempre presente e cada vez mais remanescente, não reside na natureza nem na existência de Deus mas, nas origens biológicas que pela mente cataloga o auge evolutivo na biosfera. Poderá dizer-se nesta pequena imagem de vida real que cada homem está por assim dizer num estreito nicho como numa burocracia de curral. A parede deste nicho esmaga-nos individualmente a personalidade levando-nos a não poder extravasar nossa euforia como se fossemos bois confinados a só a mugir até ser defuntados com um urro levado na ponta dum facão.

BATATAS5.jpg As nossas atitudes em relação às coisas, reflectem critérios de valor fundamentais tornando a relação homem-coisa em algo cada vez mais transitório. Se eu fosse professor catedrático teria de vasculhar os termos para não falar tão fora dos parâmetros convencionais. A ideia de usar um produto-coisa uma única vez ou durante um curto espaço de tempo, substitui-lo ou deitá-lo ao lixo, contraria a sociedade ou os indivíduos com uma herança de pobreza.

:::::

As gentes do meu tempo, septuagenárias, que nasceram antes da invenção do plástico não estão tão habituadas a produtos de utilizar e deitar fora; até conservam seus casamentos para lá dos cinquenta anos; preferem reciclar a vontade de fazer querer em detrimento do só querer. Já nem vou a casamentos para não me sentir defraudado com a curta duração do umbigamento.

BATATAS7.jpg Em meus anexos do M´Puto tenho uma quantidade de quinquilharia porque sempre guardei na mira de amanhã vir a necessitar num amanhã mas dei-me conta que as coisas se suplantam todos os dias e tudo modifica num ápice. Esta resistência ao descartável está em vias de extinção em todo o mundo dito desenvolvido. Os lenços de pano são hoje considerados anti-higiénicos e, já pouca gente os usa. Agora há toalhetes e lenços cheirosos com adstringentes e de cheiros balsâmicos enxotadores de mosquitos.

arte3.jpg Comecei esta em querer falar no homem das batatas da África do Sul mas tudo escorregou na ladeira mais fácil a fim de não perturbar as mentes, pois sempre ouvi dizer que a fé move montanhas. E, num lugar ermo como este do Calahári, aonde o estio é brutal, um homem semeou batatas no deserto e, porque acreditou em Seu Senhor, foi abençoado com toneladas de tubérculos. Ao seu redor havia descrença e a surpresa apanhou-os de boca aberta. Este bóer do Vaal devia ter mesmo, olhos nos pés!

O Soba T´Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 07:12
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

RELOGIO
TEMPO
Weather Forecast | Weather Maps
Dezembro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
CAIXA MUSICAL
CONTADOR
contador free
ONDE ESTÁS

Sign by Danasoft - Myspace Layouts and Signs

blogs SAPO
subscrever feeds