Domingo, 14 de Abril de 2024
VIAGENS . 157

NAS FRINCHAS DO TEMPO

"DOS TEMPOS DE DIPANDA“ - Crónica 3568 – 14.04.2024

 “A 2ª MARCHA – DO  CUELEI ATÉ KAPRIVI”Na Faixa de Kaprivi, com Savimbi…

- Escritos boligrafados, aleatoriamente após 1975 e, ou entre os anos de 1999 a 2018 - “Missão Xirikwata”

Por: T´Chingange (Otchingandji) – O NIASSALÊS em Lagoa do M´Puto

jamba13.jpgAnos mais tarde, com João Miranda Khoisan e sua filha Ana Maria, em Suclabo Lodge propriedade duma madame de nome Suzi e, que mais tarde tomou o nome de Divava Okavango Lodge e Spa, cinco estrelas de “elegant style and luxury”, do outro lado do Okavango relembraríamos. Foi ali o  bivaque base Ómega aonde a UNITA, na pessoa de seu presidente Jonas Savimbi, entabularam negociações com os bóhers da África do Sul.

Sabendo de antemão que neste mundo só os anjos não têm costas, ouço de novo João Miranda: - Isto é mato, amigo!; assim falou estalando a língua assolapada ao seu céu bem ao jeito dos bosquímanos.  Continuando a descrição encetada no Cuelei, naquele então, fins do ano de 1976, decorridas largas horas, o coronel  Philip du Preez, regressando de seu périplo vistoria às suas tropas ao longo da fronteira, desceu de seu helicóptero, entrou na tenda com seus homens, e  todos eles comeram e beberam.

jamba11.jpg Comeram e beberam sem se cuidarem ou lembrarem sequer dos angolanos que os aguardavam lá fora, com uma fome negra. Assim é descrito no livro de “Vidas e mortes de Abel Chivukuvuku” por Agualusa mas, quanto a mim, acho desmedida esta inventação de narrativa. Uma grande desfeita nada peculiar conhecendo-se a estatura e,  até diplomacia dos intervenientes.

A descrição do encontro surge assim com detalhes sórdidos e inusitados. Aliás, nem creio que aquele coronel bóher assim se tenha comportado por me parecer pouco natural, até bizarro. Ter este calibre de comportamento com esta gente guerrilheira, parece-me ser de um torpe e grosseiro descuido, por o serem já tão conceituados e, sobretudo tendo essa conhecida figura, como chefe da delegação - uma afirmada lenda de guerrilheiro africano chamada de Jonas Savimbi.

jamba12.jpgPois então, seus homens tiveram de esperar ainda algum tempo fora da grande tenda, antes de finalmente, conseguirem matar a fome. Aleluia! Por fim houve tempo para discutir ao que os levava ali às terras do Fim-do-Mundo. De forma brejeira é dito que o coronel du Preez, começou por sugerir que os guerrilheiros da UNITA se juntassem ao recém formado Batalhão 32; Sabimbi, indignado, recusou…

A UNITA era um Movimento de Libertação angolano. Não o seria, nunca, assim frisou indignado o Mwata guerrilheiro Jonas Savimbi, um simples instrumento de guerra nas mãos dos bóhers. Philip du Preez, duvidou da firmeza com tenacidade dos guerrilheiros angolanos: - Vocês estão mesmos dispostos a enfrentar sozinhos os cubanos? Têm coragem para isso? Sim, temos! Assegurou com firmeza Savimbi.

jamba10.jpg E continuou falando: - Necessitamos de vocês, nesta fase periclitante, para que nos forneçam material de guerra; é só o que queremos, reafirmou. E, vocês precisam de nós para conter o avanço do comunismo junto às vossas fronteiras. O Coronel Philip, prometeu nessa mesma noite falar com os seus superiores de Pretória, despedindo-se em seguida, subindo para o helicóptero bem à justa de forma a alcançar sua base ainda de dia…

Na percepção parcial das vitais contingências, tecidas e compostas nas coincidências de que a vida é feita, encontraremos o rigoroso sentido do passado, por fortuitos efeitos que determinam o futuro próximo e distante. Com encontros decisivos de nula ou muita importância, um simples dia de vida com rooibos tea and rusk bread, Windhoek lager, biltong bóher e bacorinho no espeto, assado pelo Thinus de Outjo, o mais genuíno carcamano bóher da família Miranda do Mukwé, a vida acontece…

Nota: Texto elaborado a partir das anotações do baú de T´Chingange e do livro de Vidas e Mortes de Abel Chivukuvuku de José Agualusa…

 (Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 08:38
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sexta-feira, 16 de Fevereiro de 2024
VIAGENS . 139

NAS FRINCHAS DO TEMPO

"DOS TEMPOS DE DIPANDA“ - Crónica 3550 – 16.02.2024

 “A LONGA MARCHA  COM SAVIMBI” – Segundo Fred Bridgland

- Escritos boligrafados, aleatoriamente após 1975 e, ou entre os anos de 1999 a 2018 - “Missão Xirikwata”

Por: T´Chingange (Otchingandji) – Em Lagoa do M´Puto

Acácia rubra1.jpg ( Na mata…) Ao Longo da Caminhada Surge a Senhora Vinona que pressentia que a qualquer momento a caravana da UNITA poderia ser atacada não escondendo seu pensamento. «Sinto que vamos ser atacados», disse ela a Savimbi. A voz de Vinona não era uma voz que se pudesse ignorar. Era uma mulher decidida, de poucas palavras, capaz de mobilizar e disciplinar outras mulheres com o seu exemplo. «Savimbi, porém, não lhe concedia privilégios especiais nem se dirigia de maneira diferente à própria mulher. Ela era apenas uma pessoa mais, na coluna».

Savimbi chamou N'Zau Puna e Chiwale e falou-lhes sobre o aviso que Vinona lhe fizera. Savimbi não ignorou completamente aqueles pressentimentos: «É verdade, quando se está há muito tempo numa guerra de guerrilha desenvolve-se um discernimento instintivo, um sentimento de que, vai ou não haver um ataque».

zem4.jpg Não obstante, Vinona insistiu que tencionava partir e juntar-se aos filhos, enquanto os pais chegavam da sua aldeia natal para saudarem a filha e o genro. Vinona pediu a Savimbi para vir falar-lhes, antes de regressarem a casa. Savimbi mal tivera tempo de dizer adeus aos sogros, quando Chivinga voltou para trás a correr, com notícias de que tinham sofrido uma emboscada, por parte das tropas do MPLA, justamente a norte de Chissimba.

Fora capturado um guerrilheiro da UNITA e era virtualmente certo admitir por parte da força conjunta MPLA/cubanos, que Savimbi estaria por perto. «Dificilmente acreditei que fosse possível a presença do MPLA», afirmou Savimbi. «Todavia, a minha mulher tinha tido razão na sua insistência por isso, dei imediatamente ordens para partir». A coluna mal podia dirigir-se para sul, na direcção do local da emboscada.

zem3.jpg Não ousavam voltar para norte e qualquer retirada em direcção a leste estava bloqueada Quembo. Só lhes restava tomar o rumo oeste, atravessando uma vasta área de cultivo com dois quilómetros de extensão, zona desbastada de árvores. Savimbi reforçou o grupo de Chivinga elevando-a para cinquenta homens enviando-o rumo ao sul para Chissimba de modo a aguentar o MPLA, enquanto fosse possível. Cerca de meia hora depois de Chivinga ter partido, começou a cair fogo de morteiros e rochets no local aonde Savimbi se encontrava.

Por via disto, Savimbi ordenou ao seu grupo que também partisse. Apenas tinham travessado a área cultivada e atingido a mata quando, à distância, apareceram dois helicópteros. «Assumi pessoalmente o comando porque compreendi que estávamos perante uma situação muito grave», disse ele. Mandei que todos se deitassem no chão. Disse que ninguém mais daria ordens, fosse em que circunstâncias  fosse, nem mesmo N´Zau Puna ou Chiwale. Não queria confusões».

zem2.jpg Havia um posto avançado de guerrilheiros da UNITA acerca de dois quilómetros para Norte do local onde estavam escondidos e aonde Savimbi queria chegar. Eram necessários suprimentos de comida para a fuga e, ele, estava agora a planear com base em informações recentes trazidas por mensageiros: No posto avançado, tinham reunido grandes stocks de carne seca de antílope. Savimbi conduziu o seu grupo mais para o interior da mata e mandou oficiais com instruções para o comandante do posto avançado, major Samalambo.

Quando descansava durante o dia, o povo de Savimbi avistou helicópteros movimentando-se de Chissima em direcção à posição de Samalambo e já quase ao anoitecer, chegaram noticias alarmantes. Um mensageiro de entre os oficiais que tinham sido enviados até Samalambo, disse que um helicóptero o tinha sobrevoado, quando se deslocavam em terreno aberto: estavam certos de terem sido localizados. Não havia tempo a perder.  A estratégia delineada para confundir o MPLA e os cubanos, tinha de estar concluída ainda antes da noite acabar…

Nota: - “Transcrições de Fred Bridgland em “Jonas Savimbi: Uma Chave para África”.

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 16:31
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quarta-feira, 21 de Março de 2018
MOKANDA DO SOBA . CXL

ANGOLA DA LUUA XL - TEMPOS PARA ESQUECER – 20.03.2018

- «Muitos dos “libertadores” sonhavam com a casa, o carro, os privilégios e as posições dos colonos. Conquistaram-nas e tornaram-se piores do que estes… »

Por

soba0.jpeg T´Chingange - Desde o Nordeste brasileiro

Em Kampala, o presidente da OUA, idi Amim, insistia para que a data da independência fosse mantida sendo Portugal a responsabilizar os nacionalistas por um não acordo. O Secretário-geral da UNITA presente à conferência acusou as FAP de não se oporem à entrada de armamento e mercenários a ajudarem o MPLA no Lobito, Sá da Bandeira e Pereira D´Eça. Em Pereira D´Eça o comandante português entregou o aquartelamento a elementos do MPLA tendo-os vestido com camuflados do exército português, uma clara desobediência e afronta por ser esta região afecta à UNITA.

:::::

Este procedimento foi de uma nítida e grosseira degradação moral para as autoridades portuguesas. Manuel Resende Ferreira disse neste então: -Ainda havia esperança e soldados que não nos abandonavam. Referia-se ao Tenente Fernando Paulo e alguns dos seus homens que resolveram desobedecer ao comando para protegerem um grupo de refugiados no Chitado. Para o efeito criaram ali uma zona de segurança.

mocanda13.jpg São estes os heróis esquecidos, soldados de Portugal que abandonam o exército comunista Português para protegerem cidadãos e, lutar contra a anarquia comunista. E, que foi feito do Tenente Fernando Paulo? Pesando nele dei-me conta que era o fim do império colonial. As feras foram largadas das jaulas com a lei 7 barra 74 do MFA. A Luua eclipsava-se! Tarde piaste! E, agora vamos fazer o quê para o M´Puto?

:::::

As NT - Nossas Tropas já não eram nossas. Davam cunhetes, canhões e até carros de combate numa perfeita cooperação de entreajuda FAP- FAPLA mandando prólixo os acordos de Alvor, da Penina… O MPLA da Luua inventava a maka! Inventava os pioneiros! Depois o Poder Popular! E surgiu o Kaporroto, o kuduro e a victória é certa. Eles já tinham inventado o monstro Imortal, o Valodia e o Monacaxito…

mocanda14.jpg As makas organizadas com o objectivo de criar o caos, originar pancadaria e depois a vitimização já tinham características de sofisticada mentira; meter tudo no barulho, pressionar psicologicamente e criar condições de favorecimento por parte dos militares do MFA, as NT, o CCPA – Comissão de Coordenação do Programa do MFA e o Alto-Comissário…Já se fazia tudo às claras.

:::::

Em um encontro de Melo Antunes com Henry Kissinger, aquele responsável português e a pedido do Secretário Americano disse que era difícil de lidar com Neto; que era difícil de o classificar politicamente como um comunista ortodoxo! À coisa dada (Angola) teve a desfaçatez de dizer que a liberdade, não se recebe, arranca-se! Mas que pulha! Com estes laivos de poeta dava dicas torpes de mau agradecimento aos militares revolucionários do M´Puto. Bem feito, cambada! Alguns não gostaram…

mocanda16.jpg Quanto a Holdem Roberto não tinha solida formação política, era um fraco e facilmente corrompido; dependia de Mobutu! Dos três líderes nacionalistas, era Savimbi o mais inteligente, o mais hábil e o mais forte politicamente. Cada qual fazia o que lhe dava na gana com a Kalash na mão. A lei e a ordem, a justiça eram coisas inexistentes ou anedóticas pela pior das negativas… Disto, o Melo Antunes nem falou mas, nós assistíamos martelando caixotes com raiva, rilhando o dente; naquele agora, mais não podíamos fazer.

:::::

A tropa portuguesa continuaria a fazer segurança nos terminais de comunicações marítimas e aéreas de Luanda, aeroporto civil e militar do porto e Ilha do Cabo controlando o eixo Ilha – Fortaleza de S. Miguel, Palácio da Cidade Alta e Quartel-general. Nova Lisboa, a cinco de Outubro de 1975 era uma cidade morta, aonde ficaram somente trinta brancos. Na terceira semana de Outubro a evacuação do Lobito, benguela e Moçâmedes estava concluída. 

mocanda17.jpg Em Luanda a quantidade de deslocados era já muita; superior à capacidade diária de escoamento. O conflito não parecia afectar a produção da Golf Oil Americana que continuava a extrair mais de cem mil barris de petróleo por dia. As obrigações financeiras iam direitinhas para o Banco de Angola com a gestão do MPLA na pessoa de Said Mingas, um antigo colega meu por cinco anos, na Escola Industrial de Luanda.

mocanda21.jpg Nenhum daquele rendimento ia no momento para Portugal. No dia 23 de Outubro a pretexto da invasão Sul-africana e a incursão Zairense, o Estado-maior das FAPLA decreta a mobilização geral de todos os homens entre os 18 e os 35 anos. Este recrutamento abrangia todos os naturais de Angola ou lá radicados. Os estrangeiros teriam de se apresentar nos Postos Policiais para validar e autenticar os documentos a fim de registar sua permanência. Era-lhes dado três dias!

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 14:59
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Terça-feira, 6 de Outubro de 2015
A CHUVA E O BOM TEMPO . LIV

NAS FRINCHAS DAS CINZAS . Angola a Preto e Branco – SILVA PORTO E OS SENTIDOS DAS PÉROLAS - (Recordando a Cidade de Silva Porto) … Nem sempre é necessária a verdade para se ficar verdadeiro…

Por

maga1.jpgLuís Magalhães - Um contador de histórias que perdeu seu passaporte diplomático algures nessa terra  de N´Gola e que a recorda com mestria!.... 

silva p 00.jpg Sempre me senti um pouco curioso acerca da cidade de Silva Porto, devido ao fim trágico do seu Fundador que se sentiu ultrajado quando o chefe tribal chamado Dunduna lhe deitou as mãos ás barbas e lhe disse olhos nos olhos que ele não era digno de as usar uma vez que não tinha carácter?! Como sempre esta é a parte da História que se contava na época embora mais tarde se viesse a saber que o Silva Porto tinha sido enganado pelo Paiva Couceiro e com ele o Chefe tribal, coisa que o levou a cometer o suicido embrulhado na bandeira Portuguesa depois de atear o fogo a uns barris de pólvora. Perante isto Honra lhe seja feita, ou não fosse ele aqui dos meus lados que é a cidade do Porto.

silva001.jpg Naquele dia levantei-me muito cedo e depois de dizer aos meus pais que ia visitar Silva Porto e que vinha já, lá me fiz á estrada e ainda mal tinha nascido o dia já eu estava a rodar. Entrei então pela estrada dentro e começou o Sol a nascer com o seu despertar vermelho provocando com isso que eu fosse a assistir a um espectáculo de inigualável beleza, uma vez que as plantas com o bater da luz do sol, irradiavam um brilho de tal maneira ofuscante, que faziam lembrar safiras e rubis multicolores cujas folhas com a humidade faziam rolar as gotas de orvalho parecendo estar a chorar pérolas que ao cair pareciam beijar o chão para gaudio da terra.

silva p0.jpg Ora eu uma vez que estava quase a chegar a Silva Porto e para descansar o mataco, uma vez que andar muitos quilómetros em cima de uma moto tem o seu quê de cansativo, eis que resolvo pôr-me em pé e com os braços abertos tal e qual o Cristo de Sá da Bandeira, talvez bêbado por estar rodeado por aquela vegetação de estonteante beleza resolvo cantar a plenos pulmões uma canção do José Afonso (cantigas do Maio) que era assim:

Eu fui ver a minha amada / Lá p'ros baixos dum jardim / Dei-lhe uma rosa encarnada / Para se lembrar de mim.

Minha Mãe quando eu morrer / Ai chore por quem muito amargou / Para então dizer ao Mundo / Ai Deus mo deu ai Deus mo levou.

silva p 1.jpg Ía eu neste preparo quando ao chegar á entrada de Silva Porto que era uma descida enorme, eis que deparo com uma Operação Stop e como eu levava o capacete no braço e não na cabeça, estive para dar a volta e pôr-me a léguas só que pensei que já que estava ali, mal era não fazer a visita e resolvi lançar-me ás feras e seja o que Deus quiser ?! A polícia mandou-me parar, pediu-me os documentos, o chefe olhou para mim e perguntou-me: O senhor vem de Luanda? Eu lá respondi que vinha do Luso para fazer uma visita a Silva Porto.

silva p5.jpg Ele então olhou para mim e com um ar finório diz-me assim: Lá em Luanda é costume andarem com o capacete a proteger o braço ou a cabeça? Eu por sua vez e para provocar respondi: Nem uma coisa nem outra uma vez que lá não se usa capacete?! O Chefe olhou para mim e respondeu em jeito mordaz: Eu já sei que vocês em Luanda são os tais "calcinhas banganitos" mas como nós aqui não somos, você vai colocar o capacete na cabeça que é para seu bem e ouça o conselho de um burro. Tenha uma boa viagem e lembre-se que o capacete foi concebido para proteger a cabeça e não a dor de cotovelo !!!!

Luis Magalhães

As Opções do Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 14:20
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Segunda-feira, 2 de Março de 2015
MUXIMA . XLI

ANGOLA - ATINGIU-SE O CÚMULO DA PERVERSIDADE

As escolhas de:

kim0.jpgKIMBO LAGOA   

Por

vumby0.jpgFernando Vumby - Fórum Livre Opinião & Justiça

SERÁ QUE O PAÍS E OS ANGOLANOS PRECISAM DE UMA TERAPIA?

vumby7.jpgNunca é de mais escrever sobre o comportamento perverso que caracteriza hoje a suposta nova cultura angolana... Repugnante, delinquente e irresponsável, são hoje algumas práticas que tomaram conta do dia á dia dos angolanos concebidos com grande naturalidade num país que parece decididamente apostado em assumir valores que sempre foram estranhos á cultura Angolana; voluntariamente decidiram alinhar no paneleirismo onde se dá e se apanha, consoante o prazer e a sensação do momento... Porquê? Porque em Angola só sobrevive quem disponibiliza comissão! Porque a arrogância é um passaporte diplomático! Porque a bajulação é caminho para o sucesso!

vumby4.jpgPorque a incompetência é premiada! Porque a eficácia é penalizada! Estes são os porquês emprestados de um meu amigo “virtual, Isaías Kandundu". Para quem chega a Luanda, Angola, o primeiro susto que apanha logo a seguir ao mau cheiro especial e estranho que sente, é o olhar pouco simpático dos funcionários do aeroporto em sua maioria agentes secretos fardados e á civil esperando por uma gasosa e, quando não conseguem sempre fazem por inventar um motivo para tal. Chegou-se ao extremo de que, quem não der uma gasosa, acaba por se sentir envergonhado porque tal significa hoje, não respeitar aquilo que já se tornou tradição, coisa instituída. São tantos os actos e praticas que, atingiram o cúmulo da perversidade!

vumby5.jpgDizem que é uma globalização atípica pelos efeitos das desigualdades sociais mas, num país onde quase já não se consegue distinguir entre as mulheres, de quem é prostituta e não o é, e entre quem é policia e quem e ladrão, tudo pode acontecer! A violência policial não é mais estranha e passou até a ser uma organização estruturada ao jeito de cartel! Sem os esquemas em prática nas repartições do Estado e nos privados, nenhum angolano será capaz de sobreviver. Cada vez há mais governantes roubando dos cofres públicos, montando negócios em nomes de amantes, quando não o é de falecidos! Na gíria popular diz-se que isso é normal...

vumby6.jpgNa relação entre alguns casais, até já passou a existir uma espécie de competição de quem corneia o outro primeiro e logo que o objectivo seja trazer pitéu para o kubiko tudo fica na graça de Deus; cornos que dão de comer, deixá-los crescer! E, assim se mata a fome dos kandengues, a vida rolando em nome da tal de globalização atípica. Entre kambas, na hora em que um deles morre, já nem se pode falar nele, não se pergunta o porquê de sua morte e muito menos pode mostrar preocupação em saber outras coisas, de como morreu e, em que circunstâncias, para não correr o risco de ser um próximo alvo. Irmãos, envenenam-se entre eles e, nem sempre por causa da politica como se pensa; são heranças, inveja e mau carácter de uma sociedade atrofiada, pervertida onde poucos sabem para qual direcção ir.

Fórum Livre Opinião & Justiça

As opçõe do Soba T´Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 08:45
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sábado, 18 de Outubro de 2014
CAFUFUTILA . LXX

SONS CUSPILHADOS  –  Os sentimentos mais genuinamente humanos sucumbem nas cidades IV

Por

soba.jpg T´Chingange

lenin5.jpgOs sentimentos mais genuinamente humanos sucumbem nas cidades; nelas existem milhares, milhões de seres que se tumultuam num sempre desejar sem nunca se fartarem, padecendo incessantemente de desilusão, de desesperança ou derrota. Enredos de uma sociedade de tradições, preceitos, preconceitos, etiquetas, cerimonias, praxes, ritos e um sem fim de serviços a cumprir onde a tranquilidade se some na batalha pelo pão. Redobrando famílias, o homem vê na cidade a base de toda a sua grandeza e, em verdade, só nela tem a fonte de toda a sua miséria.

lenin6.jpgOh vida maldita! São apenas expressões saciadas num gesto de repelir com rancor a importância das coisas; infecção sentimental com bocejos arrastados de inércia. De corpo afogado em unto de ossos moles, que se ressaca escanifrado nos nervos trémulos como cangalhas de arames, chinós e dentaduras de titânio, sem viço, sem febra nem fibra, torto e corcunda. As sublimes edificações, caixotes dos tempos, galinheiros amontoados, das bibliotecas atulhadas com sabor de séculos depois de um bombardeamento, um abalo, um tremor, nada mais fica do que um silêncio monstro de espessura e cor do pó final.

graffiti covilhã.jpgOnde estarão as mesquitas, os sunitas, os curdos, os da mossad, da jihad e da intifada, os da ISIL após as nuvens assentarem num lugar do jeito de Cobani da Síria a relembrar uma Guernica da guerra civil espanhola, como Leninegrado na segunda guerra mundial, um cerco que durou 900 dias obrigando-os a comer cães, ratos e gatos tal como na guerra de angola no kuito sem falarmos de práticas canibalescas; um relembrar do hotel Girão do kuito aonde estive por vários dias em 1971, ou ainda Hiroshima ou Nagazaki, de estórias lidas e ouvidas . No meio de clamores lançados com afável malícia, penso que talvez o ser humano espicaçado, não vai ter o suficiente tempo para fundir suas nódoas, seus pecúlios. Em cada manhã, a cidade impõe uma, duas, muitas necessidades e, cada necessidade arrastando uma outra dependência.

lenin3.jpglenin3.jpgE, é o imposto municipal sobre imóveis, as taxas de salubridade, sanidade, contra os ácidos tóxicos, do carbono, da taxa do audiovisual, das águas negras e das saponáceas mais as pluviais, e não sei que mais. Pobre e subalterno cidadão num constante adular, solicitar, pedinchar, vergar, aturar, rastejar, corromper e ceder à corruptela, o técnico mafioso, o arranjinho e a cunha mais o politico manhoso e malicioso.

rio seco.jpgUma guerrilha sem guerra! Como detesto a cidade, esse montão de tão angustioso esforço! Em verdade também cresci ali, na Luua, uma cidade dum lugar de quando aquilo era uma mulola com muita areia e aonde nós kandengues nos esponjávamos sem nada temer de doenças, da matacanha, bicho do pé.... Nessa universidade aonde aprendi com outros as primeiras lições de tremunos e berridas, uma linguagem quase extinta mas que nos marcou. Num tempo já muito antigo, lá naquele sitio que era meu, não havia muros e só era mesmo rio quando chovia; agora  infelizmente naquela Luua têem muitas fontes de miséria... muita batalha para se ter pão. Tambem ali e agora, muitas famílias vêem na Luua a base de toda a sua grandeza e, em verdade por descuido, nela têem a fonte de muita miséria. E, no final, o que  será aos olhos de Deus! 

Glossário: Kandengue: - moço, rapaz; Luua: - Luanda, capital de Angola; tremunos: - jogar a bola de trapos na areia; berrida: - corrida, o esconde-esconde, afugentar; mulola:- linha de água aonde corre água quando chove; kuito: - Cidade de Angola, epicentro da guerra civil angolana; ISIL: - auto estado intitulado islâmico da Síria e Iraque que sucedem a al.qaeda...

Nota: Escrita inspirada em parte, nos dias que correm e, num mais antigo cenário Parisiense da Cidade e as Serras de Eça de Queiroz.

O Soba T´Chingange  



PUBLICADO POR kimbolagoa às 11:26
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Abril 2024
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
12
13

15
16
17
19
20

21
23
24
25
26
27

28
29
30


MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
blogs SAPO
subscrever feeds
Em destaque no SAPO Blogs
pub