Domingo, 28 de Abril de 2019
MISSOSSO . XXXVII

N`ZINGA E O FALA KALADO 
NA ILHA DO CARLITOS de Várias Partes – 28.04.2019
Por

soba002.jpg T´Chingange - (No Nordeste brasileiro)
Foi uma grande e boa surpresa ver-te em Guarulhos e, quis manter-te afastado das periclitâncias. Ainda temos alguma jornada pela frente aqui e lá! Disse isto apontando o dedo para cima como se ele, FK já tivesse alisado seu caminho que conduz ao mukifo do céu; até talvez seja natural que ele tivesse trazido uma bússola em sua anterior ida; refiro-me àquela morte que resultou numa lenda ainda não contada aqui com rigor mas, cada item no seu cronograma. 
:::::
Se houver um anjo espião, que o há pela certa, porque estas nuvens são demasiado traiçoeiras, vai ter de fazer uma triagem de tudo para poder juntar nossos hologramas. Eles, lá no MPLA são peritos em festejar nosso contentamento mas, depois dão palmadinhas nas nossas costas e numa de paz e reconciliação às tantas, espetam um pico imperceptível de cacto tabaibo com veneno de cobra mamba.

monstro4.jpg Acabávamos de saborear um caldo de camarão com jindungo na ilha do Carlitos. Sim! Disse eu numa de mudar o rumo à conversa porque se sempre pensamos em vinho envenenado vamos ficar detestávelmente paranóicos: - Lá também deve haver forro de serra, deve ter um Dominguinhos para alegrar a malta, não é!? 
:::::
FK riu-se como não o via rir faz tempo e, por momentos sua cicatriz mudou de cor, ficou vermelha ressaltando os pontos feitos com mateba de Catete e deu para assustar vendo sua orelha de plástico hibernado ficar pululando de tremura. Deu umas tossidelas com som estranhamente fino, coisa invulgar por sempre ter voz de trovão e, num repentemente tudo normalizou. Graças a Deus, muxoxei baixinho.

pombinho5.jpg Tu és muito astuto de picaro, disse FK: por isso é que o Mais-Velho te mudou de secretaria sem secretária, chupando na mandioca para fazeres teus poderes dialécticos como Secretário de Relações Públicas. Mesmo assim na merda de nossa vida encantada, nunca tivemos momentos altos de nos enaltecerem nas devidas proporções, mas, deixa para lá... A estória só nos anoiteceu! Conclui, dando um tremendo dum peido de assustar os bem-te-vi. Para eles! - disse.
::::: 
Sim! disse ele, o Fala Kalado depois de entornar a sua décima primeira cerveja skol, depois de ter tomado três caldinhos variados de sirí e dar umas mais de doze bufas sonoras para aliviar o "simsenhor", como ele chamava ao seu forever, mataco açambarcador de cheiros variados, de fugir com a mão no aspirador de aromas.

quip´02.jpg Chiça, o cara continua: Nada foi fácil para ninguém em N´Gola, todos pareciam salalé a fugir de cobra surucucu para lugar desconhecido; uns foram para o Sul outros para aqui no Brasil e a maior parte seguiu para o M´Puto. Para ti, T´Chingange, foi um vôo grátis para Lisboa depois de passares umas quantas guias de transporte na ponte do Tundamunjila lá no palácio do desgoverno!
:::::
Minha lenda, diz FK: anda a ser descortinada por ti, resquícios de investigação e relações publicas mas, toma cuidado, nem todos os que parecem ser, assim o são. Como assim!? O que é que tu sabes que, eu não sei. Tambula konta meu irmão: tem gente que te quer fazer trepanação a frio e tu com teu kixibus todos, não vais aguentar... Anda pianinho - malembe melembe...

fuga6.jpg Realmente, só fui sabendo um pouco de ti aos poucochinhos, disse eu para dar finalidade a tanto retalho do tempo. Passando uma esponja sobre e sob tantos pormenores dir-te-ei que ajudei a reformular a ala do MPLA de Chipenda mas, por falta de consistência e também de coerência, estando eu já no sul, aderi à UNITA . Foi Salupeto Pena que me convenceu.
:::::
Aí está uma afirmação que desconhecia, por isto é que a insatisfação tomava conta de mim tornando-me um gelo no estado sólido mas, curiosamente muito quente como quem apanha em cima um balde de água. Isto já era demais - ficando assim na dúvida se não seriamos uns hologramas, fizemos uma pausa na piscina, pischinando...
O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 00:26
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Terça-feira, 4 de Setembro de 2018
CAZUMBI . LI

O TEMPO - Torcer enxugar e corar - Secando a palavra ao sol … 04.09.2018

kimbo 0.jpg As escolhas de Kizomba

Por :::canhot2.jpg::: António José Canhoto - O genérico James Spencer

IMG_20170902_113837 (2).jpg Ao longo da minha vida sempre lutei com falta de tempo, passei longos anos numa corrida desenfreada, andei apressado, assoberbado, sobrecarregado, pois apesar de todos os meus esforços para tentar racionalizar o tempo este nunca chegava e dificilmente conseguia geri-lo adequadamente pois as solicitações eram muitas e a minha omnisciência limitada. Cheguei a pensar que desde a criação do mundo tinha havido um tremendo erro na configuração do tempo e da forma como o mesmo tinha sido congeminado. Os dias eram pequenos, as horas passavam depressa, o prazer era efémero, a vida curta e as noites demasiado longas.

:::

Mas com o decorrer dos anos as minhas prioridades começaram a mudar a minha selectividade sobre onde e como aplicar o tempo alterou-se, os meus critérios e opções refinaram-se, de modo que fui chegando a conclusões diferentes sobre a utilização do tempo. As pessoas têm opiniões diferentes como aplicar o tempo, para alguns, o tempo é dinheiro, para outros utilizam-no apenas para prazer, gozar e viajar, outros dedicam-no a deuses e religião, política ou enfiados em bibliotecas a adquirir conhecimento. O tempo foi alocado às pessoas para que estas o utilizem o melhor que podem e sabem, mas é preciso evitar matar o tempo, pois ele é uma dádiva, um presente, por vezes envenenado, outras vezes muito saboroso, que nos é concedido diariamente, mas perecível pois não volta atrás nem pode ser revivido.

matipa-tipa.jpg O tempo, não pode nem deve ser esbanjado em projectos fúteis e inconsequentes ou com as pessoas erradas, pois infelizmente é algo que não podemos conservar indefinidamente. O jamais volta atrás, poderá eventualmente ser comprado ou vendido quando se é contratado com tarifa horária, mas não pode ser parado ou guardado para ser usado mais tarde. O tempo esgota-se como grãos de areia fina metidos numa ampulheta posta a funcionar para contar o tempo de um exame oral. Nesta provecta idade que atravesso, tenho todo o tempo que preciso e quero, para viver e sonhar. Também dar a volta ao mundo no meu barquinho de papel numa poça de água deixada pela chuva.

:::

Nunca fui escravo do tempo, usei-o para me enriquecer academicamente, culturalmente, financeiramente, socialmente e ideologicamente. Hoje em dia permito-me passar alguns dias de verão á beira-mar construindo castelos na areia com os meus amigos, e em qualquer competição ou desafio que aceite não irão para além do jogo do avião, malha, escondidas, berlinde ou pião. Quero a todo o custo voltar a acreditar no poder dos sorrisos, dos abraços, dos afectos, ternuras, beijos e carinhos. Quero voltar a acreditar nas palavras gentis, na solidariedade e condição humana, na fraternidade, na justiça e exclusão social, pois tudo isso tem muito mais valor do que todo o dinheiro do mundo.

flor de maracuja1.jpg Hoje, seja qual for o tempo de vida que me resta e espero que ainda seja muito, cá o vou triturando ao meu ritmo e no meu “timing” numa contagem inexorável e decrescente como se eu fosse um foguetão na rampa de lançamento aguardando a contagem para a minha partida, não para a estratosfera numa viagem de dias, mas para a eternidade num crematório a fim de ser reduzido a pó. A existência ou não de deus é algo que não me preocupa pois não lhe reconheço existência, portanto prefiro como herege e impio não ter que prestar contas a ninguém e muito menos de me preocupar se irei para o paraíso ou para as profundezas dos infernos.

:::

Nunca fui santo e como pecador as minhas fraquezas não foram relevantes. Nunca me coibido de fazer o que me agradava vivendo intensamente a vida de acordo com as minhas convicções e valores morais. Tudo o que fiz, foi de forma consciente o que eventualmente me levou a incorrer na fúria de terceiros por não obedecer ou cumprir dogmas religiosos, políticos, culturais ou tradicionais seguidos pelas maiorias. Eu sei, reconheço e tenho consciência absoluta de que em muitas ocasiões os meus pés de barro cederam e fraquejaram perante a luxúria e outros pecados veniais, pois as tentações eram de tal modo irresistíveis que acabei por soçobrar às ofertas tentadoras que me fizeram e, esse foi o meu calcanhar de Aquiles, contudo não lamento nem alteraria o meu procedimento se pudesse recuar no tempo.

acácia1.jpg Passados alguns anos quando o vento finalmente amainou dentro do meu coração, e, o calor que me corroía as entranhas se acalmou depois de me ter rasgado como raios as penumbras do meu ser queimando a fogosidade que me consumia pelas minhas viscerais paixões passei para uma fase de reflexão contemplativa e mais humanista e os arrebatamentos episódicos de rebeldia deixaram de tomar conta da minha existência. Metaforicamente, poderei dizer que os meus pecadilhos foram escolhidos a dedo como um cliente escolhe as mercadorias mais caras de um supermercado, foram transgressões escolhidas pelo exotismo das fragâncias perfumadas que atiçavam a libido, pelo sabor obtido por deixar viajar a nossa língua pelos locais mais recônditos dos corpos, estimulando a sensualidade e volúpia.

:::

Estas infracções não deixaram nodoa, rasto ou nexo de casualidade, contudo ficaram coladas á minha pele por muitos anos. Não tenho feitio para autoflagelações nem para me deixar imolar nos altares ou templos dos críticos raivosos e invejosos do meu sucesso. Quando a minha consciência toca a rebate eu paro para pensar, pois é sinal que estou a percorrer caminhos perigosos ou a ter comportamentos desviantes o que implica que retroceda reparando os danos causados. Tempos houve em que a minha vida era conduzida a alta velocidade, mas essa fúria de viver e coleccionar histórias passou, contudo, o meu instinto predatório ainda reside e resiste nas profundezas do meu ser controlado e açaimado.

:::

Esta alquimia que se processou na mente, corpo e sexo, era composta de ingredientes e componentes inflamáveis os quais podem ainda ocasionalmente a espaços incendiados. Na vida não há empates como no futebol, ou se ganha ou se perde. Não devemos nem por brincadeira esconjurar o demónio sem sabermos como terminar a missa negra. Usando letras para formar palavras, e juntar palavras que que de forma harmónica traduzem ideias ou pensamentos, tento contextualizá-las de forma a sublimar as minhas paixões ou a extravasar a bílis nas decepções.

grafonola2.jpg O que a grande maioria do mundo anda agora a ver ou viver já eu o fiz há muito tempo, e, isso, torna-me quase que insensível às convulsões do quotidiano, pois são apenas, reconstruções, simulações, imitações das verdadeiras e originais situações que já enfrentei no passado. A vida de uma pessoa pode alterar-se ao voltar da primeira esquina, por alguém que nos roube a carteira ou o coração, portanto devemos estar prontos para reagir a qualquer eventualidade antes de aceitarmos “Bona fide” as intenções de intrusos nas nossas vidas.

António José Canhoto.... 3-9-2019



PUBLICADO POR kimbolagoa às 06:27
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sexta-feira, 18 de Maio de 2018
MOKANDA DO BRASIL . X

ANDO ENKAFIFADO – 17.05.2018

Crime politico? Em nenhum regime democrático deste planeta existe isto, ou deveria existir!…

Por

soba15.jpg T´Chingange – No Nordeste brasileiro

O Brasil não tem a menor hipótese de ser confundido com um país sério. Tem um tal de “FP - Foro Privilegiado” que protege nada menos do que 55000 pessoas em todo o Brasil; e, não se limita só a políticos. É assim impossível pensar num país sério, na qual existam tantos cidadãos que têm uma licença virtual de cometer crimes, pois o tal de FP, na vida real, torna praticamente impunes os criminosos que contam com esse privilégio.

:::::

Já o presidente Charles de Gaulle dizia há muitos anos atrás que o Brasil não era país para ser tomado a sério. Nunca aconteceu em nenhuma democracia do Mundo, em qualquer época um caso de político que tenha sido preso por fazer política. Nem se vai ouvir dizer isto porque, numa democracia, a actividade política é livre; a menos que tenha a ficha suja! 

beldr7.jpg Nenhum político precisa de FP ou “IP - Imunidade Parlamentar” para se proteger de qualquer tipo de perseguição quando está no exercício legítimo de seus direitos e funções. A lógica certa é a de ser processado como todos os demais cidadãos, se roubar o cofre do governo, dar um tiro num qualquer sem-eira-nem-beira ou camelô do bairro.

:::::

Agora crime politico, isso não existe! Existe sim é o crime apontado num Código Penal, e quando alguém comete um crime, tem de responder por ele na justiça comum. Tanto faz que seja deputado, governador ou astronauta. Sendo acusado de um acto criminoso, que arrume um advogado e se defenda. Se nada disto sucede de proibido nas leis penais, não é necessária qualquer imunidade.

:::::

Qualquer pé-de-chinelo, Joaquim ou Manel, entende isso num instante! Só não entende isto os políticos, alguns intelectuais adstritos e, que aparecem na imprensa ensinando como funciona o Mundo. Em verdade não querem entender. O que eles querem, isso sim, é impedir que os homens públicos corram o risco de ir para a cadeia. Falo do Brasil, mas em Portugal é a mesma vrgonha…

brasil5.jpg E, as anomalias sucedem não apenas por corrupção, como é normal esperar dum novo individuo que através dum partido-gang entra na vida política mas, por qualquer crime já concebido e praticado pelo ser humano e, desde que Caim matou Abel com um pontapé nos tomates!

:::::

Neste cardume prodigioso de imunitários entram o Presidente, todos os ministros de Estado, comandantes das Forças Armadas, governadores, senadores, deputados, prefeitos e os ministros dos “tribunais superiores“ como o STF (Supremo Tribunal Federal) ou o STJ (Supremo Tribunal de Justiça). E, até os concelheiros dos tribunais de contas, procuradores federais e estatais ou desembargadores…

brasil2.jpg - Enfim, é mesmo um milagre que não tenham enfiado aí os juízes e bandeirinhas de futebol. Em lugar nenhum está dito que há dois tipos de roubo – o cometido por um qualquer meu vizinho ou o cometido por um desses 55000 portadores de “Foro privilegiado”. Crime é crime! Não há crime político, ou há!? Pode até ser daí derivado mas, uma coisa é uma coisa e outra coisa é uma outra coisa, certo!

:::::

Ando por aqui encafifado com as “últimas instâncias”- “segundas e terceiras instâncias“ e, agora para cúmulo, surgem os “embargos de declaração” mais os “embargos infringentes”. Se o senador, deputado ou desembargador praticar algum crime, deveria ter de percorrer os trâmites da justiça comuns a todos os outros. Deveria!?

garças7.jpg Vão ter de ser indiciados, proceder ao inquérito policial, denunciados, julgados e punidos. Tudo o mais, o povo não vai entender. Ou as leis, são feitas para os senhores juízes mostrarem sua sapiência enrolando os demais numa conversa de não acabar nunca! Conversa de faz-de-conta em língua da patagónia ou Conchinha de  baixo, que ninguém entende patavina.

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 01:23
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 24 de Dezembro de 2017
XICULULU . CI

PANOIAS VI - TEMPOS DORMIDOS - 24.12.2017

-NAS CINZAS DO TEMPO - Salada de MASTRUÇO... Em Garvão, com a magia do Natal com Frank Sinatra e eus amigos…

Por

soba0.jpeg T´Chingange

Foi só ontem que de novo nos reunimos para comer os pés de rã e pezinhos de coentrada com feijão branco na barragem de Santa Clara no lugar da Achada. John Wayne comunicou-me então que hoje deveríamos esperar na Estação da Funcheira nosso comum amigo Frank Sinatra. Jack Palance que estava mastigando um palito, abanou a cabeça como que confirmando o combinado entre eles através do avançado ipad do além;  com tecnologia mais volátil que cacimbo de naukluft da costa dos esqueletos, até por pensamentos se entendiam.

funcheira5.jpg Frank Sinatra viria acompanhado de António Silva, aquele cómico português poliglota nas falas de riso pois afinal, eles eram amigos comuns lá no paralém. Foi com grande contentamento que recebeu o convite feito por John Wayne concebido por nós e da magia de Natal na envolvência de Roxo uma ilustradora muito conceituada nas acrílicas visões de pensamentos, sentimentos e outros edecéteras.  

panoias2.jpg Eram dez horas da manhã quando perfilados no cais da Funcheira, T´Chingange, John Wayne e Jack Palance viram surgir um trem esguio como uma minhoca languinhenta, cor azul celeste silencioso de assombrar. Foi quando num repentemente zuniu um apito estridente de assobios, como vindo não do ar, mas dum portal marinho como se cem golfinhos o fossem.

:::::

O primeiro a sair foi alguém que nem sabíamos que viria; era Sammy Davis Júnior logo seguido de Dean Martin e umas quantas fosfóricas e estapafúrdias senhoras vestidas com cetins, sedas e cambraias rebrilhantes que ao som dum zingarelho de musica parecido com um trombone de varas e saxofone, fosforicavam nuvens coloridas.

panoias3.jpg Mas que arraial disse eu; vai ser bonita a festa pá! E, o T´Chingange assim vestido como um joker de cartas de jogar sueca, já só era uma figura no meio duma algazarrada!  Tudo era feito a contento dum acaso e fazendo reparo disto ao Jack Palance, este deu de costas como se nada tivesse a importância desmedida! Ele estava radiante, rindo com todos os dentes e esgares que só mesmo ele sabia fazer naturalmente.

:::::

Abraços, rodopios, assobios e até foguetes surgiram do nada duma aberta e, lá vem o António Silva de braços abertos em minha direcção com um ar cómico de sábado-à-noite. Então pá, como vai a moenga, disse ele apertando-me como um amigo de há mais de sem  com cem anos! Parece que balbuciei algo mas na penumbra do zunido só pude verificar no grande abraço dado entre John Wayne e Frank Sinatra.

panoias4.jpg Num repente já todos se tinham cumprimentado. Uns e todos falavam desabridamente como se a singularidade do mundo tivesse ali seu despontar. Funcheira engalanada podia ver o António Silva fumando caricocos doces com seu amigo T´Chingange e foi quando lhe lembrei da história inacabada do Evaristo-tens-cá-disto!? Ele riu que nem um perdido mostrando-me um chouriço a servir de amuleto do Paralém.

:::::

O curioso é o de que todos falávamos uma só língua e de espanto passamos ao esperanto sem maiores tibiezas ou confabulações. Já em direcção a um dos machimbombos que nos levaria ao armazém da festa da Achada, ele - o Silva perguntou-me por Assunção Roxo mas e curiosamente olhando para um painel grande  mesmo sem fazer qualquer pergunta disse: -É dela não é? E, eu disse que sim! Era um galináceo rascunhado.

roxo118.jpg Claro que fiquei encafifado com o barulho destes machimbombos, chocalhos mais pandeiretas e estas premonições a confirmar coisas que nunca tinha sentido. Sabia lá que eram amigos doutras paragens. E assim, comendo frases disse-lhe: - Ela não veio; parece que está lá por Oeiras repartindo arcos-íris com amigos.

:::::

Lá no m´bukusho e descendo do machimbombo Jack virando-se para mim! -Tenho novidades para ti! -Sim! -Mais logo, falaremos! No chuço do m´bukusho (lugar do churrasco) tinha em mente falar e mas, mesmo só pensando as horas passavam sem nos apercebermos. O tempo era um só e volátil. António Silva revia com alegria muito do que revia. Nem foi necessário falar nestes nomes do paratrás! Era Natal

roxomania1.jpg Cheguei ao item 11 sem quase falar no Frank Sinatra e seus amigos Davis Jr. e Dean Martin. Estávamos em cima da festa e só pude revê-lo com seu chapéu de malandro, rufia das seitas do tempo, rodopiando entre seus amigos. Frank foi um dos mais populares e influentes artistas musicais do século XX, com mais de 150 milhões de discos vendidos. Frank Sinatra era filho de imigrantes italianos: Seu pai, Antonino Martino Sinatra era um Siciliano, analfabeto e boxeador, imigrado para Nova York em 1903. Nem o Trump sabe disto, agora que anda bulindo com os imigrantes…

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 17:54
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017
MOKANDA DO SOBA . CXXXIV

TEMPO COM FRINCHAS - 18.12.2017 - Em terras de M´Puto . IV

“Os donos disto tudo - DDT” - “ Não há confiança ilimitada em amigos. Há a amizade”; coisas escritas no berbicacho traseiro do meu chapéu…

Por

soba0.jpeg T´Chingange

Estávamos em Abril de 2016 e recebendo propostas para a venda do Novo Banco mas, o que se recebia eram somente manifestações de intenção que alem de oferecerem valores demasiado baixos exigiam determinadas condições com garantias do Estado para cobertura de riscos futuros e outros edecéteras de provocar urticária ao enquadramento politico entre a presidência e o governo.

mocanda12.jpg Com as barbas a arder, o governo e presidência queriam desfazer-se do Novo Banco muito rapidamente, custasse o que custasse pois que o prazo de venda do Novo Banco pelas regras da União Bancária terminaria em Agosto de 2017. Corria-se o risco do aparecimento de um novo movimento de lesados do herdeiro do BES e, mais perigoso ainda, o sacrifício dos depositantes com depósitos acima dos cem mil euros. Isto já corria de boca em boca e todos se andavam encolhendo e, até retirando o dinheiro para o colocar debaixo do colchão.

:::::

No último dia de Março de 2017, o Governo anuncia a venda do Novo Banco ao fundo norte-americano Lone Star mas, não foi uma qualquer venda não! O contrato de compra e venda futura do capital do Novo Banco era rubricado no monto de zero euros. Zero euros!? Sim! Mário Centeno constrangido, espicaçado pelo seu primeiro-ministro teve de dizer isto de forma acabrunhada, forçado ao poder político para por outras palavra nos dizer que sim! Aquele negócio foi mesmo tudo, menos uma venda!

:::::

Como diz Gomes Ferreira em seu livro já aqui mencionado várias vezes, “A Vénia de Portugal ao Regime dos Banqueiros” realmente, só há uma área da vida pública que consegue ultrapassar o inimaginável em política: o inimaginável no sector financeiro!

mess5.jpg O mesmo Estado que já tinha emprestado 3.900 (três mil e novecentos) milhões de euros ao Fundo de Resolução em Agosto de 2014 e que nunca recebeu um cêntimo de volta. Mas, há sempre um mas apaziguador, os outros bancos do sistema financeiro nacional, não teriam de contribuir imediatamente com esse dinheiro e, caso fosse necessário.

:::::

Apenas teriam de o começar a pagar muito mais tarde, por várias décadas e em suaves prestações. Entendo agora o porquê do um escasso pecúlio estar a render 0,001 (por cento, claro!), monto este que nem dá para mandar cantar um cego porque este, decerto já terá morrido. Agora, todos teremos de pagar ao banco para nos guardar a gita, o cacau, o kumbú, aquilo com que se compra os melões!

:::::

Pelo dito, confirma-se a atitude de proactividade e de voluntarismo do governo de Costa e Centeno na resolução de problemas, à custa do contribuinte, subsidiando instituições de solidariedade com fundos da Misericórdia e, jogos de fortuna na ajuda a banqueiros imprudentes. Este voluntariosamente governamental da geringonça, sempre irá referir que tudo isto foi herdado do governo de Passos Coelho, uma mentira demasiado mentirosa!

ara3.jpg Sim! Sim! Tudo se resolverá à nossa custa, à custa dos nossos filhos e netos que sempre irão trabalhar por conta destas resoluções, por muitos e longos anos passando uma esponja sobre o passado recente de promiscuidade e compadrio metendo Montepios, Caixa Geral de Depósitos, Banif e, sempre encobrindo-se os responsáveis pela tragédia e, saber-se afinal quem em realidade saiu beneficiado.

:::::

Em tudo o aqui dito ao longo de quatro crónicas e tendo como suporte o livro “A Vénia”, ficaram bem claras as atitudes de dissimulação, de esconder, de contornar, de minimizar os problemas dos bancos que, com o Governo Socialista apoiado no parlamento pelo Bloco de Esquerda e Comunistas do PCP e, também o apoio de Marcelo De Sousa.

geri0.png Só ficaremos a ter a certeza de que no meio de todas estas simulações, a dúvida perdurará entre influências e modos aonde a culpa não terá culpados! E, deixo aqui um grande agradecimento a José Gomes Ferreira por tanto esclarecimento neste período tão conturbado em que as pessoas que se dizem decentes, se inibem de falar no que sentem.

(Fim…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 14:32
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sábado, 16 de Dezembro de 2017
MALAMBAS CLXXXV

MOKANDA DO DIA – 16.12.2017Tukya. III - Peixe da chana

- Apaziguando rijezas adversas, perfilando anjos com a singularidade do mundo. É o nosso pensamento que cria a nossa realidade…

Por

soba0.jpeg T´Chingange

E, por fim o Niassa desapareceu no horizonte com suas bocas de fumo deixando rasto nos meus sonho de kaluanda, perdido nas terras do fim do mundo, subindo e descendo dunas dum deserto chamado dos esqueletos. Sua sirene de voz grave engravidou-se em meu íntimo assim em rolos de fumo. E neste viver de quase sonho, fiquei com aquele amigo de faz de conta chamado de Sexta-feira. Foi ele que me ensinou a fazer lagosta suada, e polvo espancado para depois ser cozinhado com arroz.

niassa3.jpg Sexta-Feira adorava comer o pirão com conduto de carapau seco e assado na brasa. Retirava-o das brasas com as mãos nodosas, depois partia-o em iscas pequenas, uma de cada vez para depois o saborear com salpicos de vinagre embebido com ervas aromáticas, jindungo, azeite de dendém, cebola picada e tomate no pirão de milho adocicado, agridoce. E, naquela vastidão de nada o chupar do dedo dava uma sensação inebriante de fazer uiui como o vento.

:::::

Eu e ele fazíamos bolinhas de pirão, tecidos e embolados com os dedos lambuzados. Disse-me que aprendeu a fazer isto no Longojo, terra aonde nasceu; era uma sexta-feira e, por isso ter-se chamado assim. Mais tarde mudou-se para Kaluquembe lá no Huambo onde o mestre Zacarias Bikwatas lhe domesticou na arte de preparar corvina fresca, quersedizer seca dos fardos mala que o senhor Albano Paixão lhes levava da estação da Caála.

tukya02.jpg E, eram cachucho, corvina, carapau, sardinha, atum ou pungo. Mas às vezes era sómesmo peixe sem cabeça para identificar. Dizem que até mesmo de vez em quando tinham rabo de kianda. Perante a minha reticência, duvida mesmo, ele falou então: -juro, tem os pessoa quié peixe! Mulher mesmo!

:::::

Mais tarde um velho contratado na pescaria do Senhor Rufino de Baia Farta confirmar-lhe ia que sim! Havia um peixe-mulher. Bom! Não era fantasia não! Era o manatim chamado de peixe- boi ou vaca marinha ou ainda mulher peixe. Ainda há destes peixes no Brasil mas aqui, parece terem sido extintos, disse eu a Sexta-Feira. Ele só deu de ombros assim-assim como que um talvez seja! Patrão tem sempre razão, nuué…

tukya5.jpg Aquele peixe-boi, mulher marinha ou sereia, nada de costas segurando com carinho a sua cria no peito; dando gritos de lamento, muxoxos de mãe, levou os marinheiros com sua misticidade e fascínio a dizer ser aquela a kianda, sereia dos rios e mares. Esta postura quase humana deu origem ao mito das sereias da kalunga e do iemanjá. Do outro lado do mar o Bumba-meu-boi do rio Amazonas.

:::::

Vim a encontrar esta, feita estátua num recife em Guaxuma do Brasil, que derivou numa longa estória com um homem do mar chamado de Zé-peixe de Aracaju. Mas esta é uma estória sempre inacabada, ao calhas, que talvez reapareça por aqui a completar a odisseia da Kianda Roxo.  Dizem que o manatim africano ainda existe e até que a fundação do Parque da Quiçama empenha-se em preservar estes espécimes nos sistemas fluviais do Bengo e Kwanza por repovoamento, talvez.

tukya6.jpg Mas mesmo que isto não aconteça aparecerão em minhas estórias de lendas com a Kianda Roxo assim que esteja impregnado da veia de inventação e, por forma a dar continuidade a um conto fascinante com as kwangiades no tempo em que os marinheiros usavam bordões e folhas de palmeira para e, beneficiando do movimento de vaivém das marés, fazerem o cerco e apanharem na vazante os peixes ali aprisionados.

:::::

Presos nestas precárias redes, podiam apanhar o peixe à mão. Do mesmo modo que faziam na lagoas do planalto, chanas de Angola com o peixe voador ou do capim. Ainda não será hoje que falarei desse peixe do lodo que saltava para os capins das anharas. Fica para a próxima… Só posso acrescentar que o peixe saltador do lodo se baseia em um ecossistema, como existe nos manguezais, lagos ou lagoas rasas que secam no verão.

Nota: Alguns dados, foram retirados das Crónicas de Kandimba de Sebastião Coelho

O Soba T´Chingange

 

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 08:49
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sábado, 9 de Dezembro de 2017
MOKANDA DO SOBA . CXXX

NAS FRINCHAS DO TEMPO . 09.12.2017 - Porque cada homem é um mundo, tem que ao tempo, dar-se tempo… Num Reino de Manikongo de fingir…

Por

soba15.jpg T´Chingange

Em pleno solo do M´Puto pós colonial, consegui sentir sempre o amor telúrico por uma terra pisada e sonhada que fez nascer em tempos não muito idos um reino Imaginário, o Reino de Manikongo e, onde todos os membros tinham nomes diferentes como o Soba T´Chingange, o Conde do Grafanil, o Comendador de Vale dos Reis, o visconde do Mussulo, O Senhor de Cienfuegos, o Derruba do Chivinguiro, o Marquês do Limpopo, o M´Fumo Manhanga, o M´Bica Rico, o Embaixador do Cacuaco, o Jamba, o N´Dalatando e o Boniboni Sbell da Catumbela, entre muitos outros.

dia141.jpg A experiência africana era em nós transpirada em experiência que transportada ao M´Puto ia dando frutos de convivência, parcerias ricas que os levaram a ser gente de nome ou nomeada, empresários bem-sucedidos pela vontade de se reconstruirem. Aqui se contavam estórias com ou sem tramas em recordação dos tempos de juventude; edecéteras dissolvidas em falas de missangas.

:::::

O único preto entre nós era branco e foi uma brincadeira quando e depois de ter ido à Luua voltou mestiço com Bilhete de Identidade, tudo nos conformes. Vimos nele tanto entusiasmo por ser agora um cidadão de N´Gola que, assim tão completamente, logologo o ascendemos a preto! Meu filho Kaluanda, nascido no hospital do Kazenga, recorda-me isto recentemente dizendo em seu escrito, que só viu Angola após a saída já muito mais tarde e do outro lado do Kunene.

:::::

Estava escrito que sua terra de N´Gola correspondia agora a um mundo fictício, irreal e subjectivo a aproximar-se do mito; um mito que seu pai, (eu), lhe transmitiu. Refere mesmo Fernando Pessoa para acicatar-se de seu pensar numa forma mais consistente  em que o mito é o nada que é tudo! O mesmo Sol que abre os céus - um mito brilhante mudo.

4 DE JUNHO.jpg Agora meu filho, M´Fumo Manhanga já tem uma filha com dezasseis anos que pode ler sem entender a cem por cento esta inquietude de diáspora, lugar aonde aprendeu a ler e escrever ao jeito de Camões e, concluir por semântica que afinal aquela terra não era de seu pai, nem de seu avó; que afinal só era mesmo uma terra emprestada. Uma perfeita ilusão…

:::::

Mas ele M´Fumo Mahanga, seu pai, quando lhe perguntam de onde é natural logo diz ser Angolano. Porém ele sabe que não é angolano, é outra coisa qualquer! É mesmo o M´Fumo Manhanga! Aos velhos será cruel deixá-los privados de respostas e, será de bom senso até, não se lhes fazer perguntas de passados não amistosos, porque dos muitos dias, das muitas noites, das muitas injustiças pode, sem se querer, agigantar-se na presença de feridas mortais.

:::::

E, daí abrirem-se gavetas ou mesmo gavetões, com ossários feitos pó. Que importância terá, saber-se agora se a mulher de Lot, em Sodoma, ao olhar para trás se transformou em sal-gema ou sal marinho ou, até saber se a embriaguez de Noé, foi de vinho branco ou de vinho tinto, se neste agora, sabemos estar e ainda revoltados e não ressarcidos. E Marcelo - o Presidente, figura do ano, que está em toda e contudo não faz qualquer referência aos reveses de nossos afectos. É mesmo para esquecer!

ÁFRICA20.jpg Como vou dizer que sou português com o maior orgulho se temos tantas farpas metidas em nós! Peneirando no tempo as ténues memórias dos acontecimentos, apagando os rastos dos passos que aqui nos trouxeram, em terra de M´Puto, mesmo nem querendo, sempre volto a remover os ossos do passado e, mesmo espreitando pelo postigo da memória antropológica só graças à debilidade desta, irei fazer do tudo um romance.

:::::

Dizem-me para esquecer, e eu, só consigo mesmo ser condescendente sem alvoroçar espeleólogos, ou os espíritos com malévolas insinuações, esquecendo as leis não cumpridas coisas rebuscadas em terras de promissão com tangas e falas bonitas p´ra boi dormir! A nossa vida, de cada vez mais na mesma, continuamos a nos sentir roubados aqui e além por engenharias financeiras com traições de Paulos e Salgados com mais uma cambada de gente que se julgam génios…

relogio areia.jpg Só podemos dizer-nos independentes porque nos queremos mentir, passando ao Deus me livre e valha-me o Santo António, etnólogos e outros afins descobridores de pegadas politólogas, cheiros encarquilhados misturados com densidade molecular amorfa, mofadas pelos anos na leitura de carbono e eteceteras complicadíssimos que só nos baralham o cérebro…

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 12:29
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 16 de Julho de 2017
MUKANDA DA LUUA. XLVII

BOA NOITE...16.07.2017- LAMENTO DE UMA AMIGA QUE MORA EM LUANDA... MERECE SER LIDO ... Parte 3 de 3

roxomania1.jpgAs escolhas de Assunção Roxo

Por: Isabel Batista

(…) Na Luua – Os Tugas de novo se vão? Sei lá…mas vão - Já vimos esse filme antes. As casas restaurantes e lojas vazias. …A periferia de Luanda que está acordando entretanto de um pesadelo no entanto, hoje fala-se muito mais do que anos atrás. Há a radio, a televisão, a internet mais o Google! O povo, o candongueiro opinam: -A vida pulula cedo na luta pela vida, 150 Kwanzas para ir e por vezes nenhum para voltar!

zé peixe9.jpg Tá duro, mas vamos de caxexe, devagar; o trânsito começa às cinco, gente a bulir, a acreditar sem alternativa. Ajudar e partilhar! Verbos renovados, sem ninguém a nos perguntar o que achamos de nós mesmos? Não contamos, não servimos! Não prestamos mais aqui, mas o que faço do “olhar” de minha mãe na senda dos 90…O que faço disto?

:::::

O que faço dos amigos que na rua conheci meninos, hoje homens feitos! E, o Pedrito cheirando gasolina em frasco escondido em cartuxo sebento… Outros cheirando fumo de bateria na praia, sem irem nunca ao mar porque vieram do Huambo na altura do bilo a serio, por aí… Fora os outros que já se foram.

socie4.jpg Menti-lhes quando conversávamos sentados no chão, no Kinaxixi comigo a dizer: quando fores grande tudo vai ser diferente! E, está a ser sim, para o que faço de meus discursos incendiados “lá fora” quando me associam a assuntos de que não tenho conhecimentos. O coração a bater, a bater, tentar entender, perceber e fazer perceber, apelar para aquilo que não tem apelo…

:::::

Tudo isto e quando a vergonha alheia afinal também está no pacote de nossos pertences, já gastos; sei onde nasci! Minha família de 5 gerações! Sim! Mas há parentes que não nos pertencem! Família da maka, nossa bandeira que já foi festa de carnaval gweta. Atentos esperançados e curiosos com o futuro que se quer ser melhor que os passados. Também mais consideração mais respeito pelo que abdicamos.

luanda6.jpg Todos os livros e discos e filmes que passaram ao largo, os amigos de longe e família arco-íris; cafés e bibliotecas que já tivemos, livrarias e galerias de arte que o mundo aconteceu. Como nós nos sujeitámos no analítico com paralítico? A água e a luz que falham num aguenta isso, enche a banheira? E aí firmes sem esquindivas com as questões, inventando, criatividade de bué.

:::::

Na musica, na arte, na vida., na panela, no transporte, firmes frouxos, levando e levados no enfim com jinguba ou mandioca. Faca na garganta! Injustiça vadia sempre com as mulheres na frente! No garante lá de casa, deitar, fechar pernas, abrir pernas, fumar vaidades e silêncios; muitos silêncios. Mas a cidade! Ué. É um atentado, uma vergonha o não conseguirmos explicar direito a quem nos pergunta: mas porquê?

koisan5.jpg Tu que vives e estás aí sem entender, com teus bebés e família mais papagaio e sempre um porquê no consciente? Sou educada ya!? Respondo: - Eu queria saber; só sinto! Aqui dizem quando se vai menos bem de saúde. Pois ”sinto o corpo” assim falido; é isso, sinto-o no coração que bate e pula. E o coração, quando se está bem…não se sente. oh!!!!!!!... já vou longa...perdão.

Isabel Batista

t´chingange.jpegNota de T´Chingange: As alegações da teoria pseudo-científica são de que a Luua da Terra pode ter sido colonizada por uma nave alienígena. Os agora matrindindis surgiram antes dos Pulas e Tugas do M´Puto; tinham capacete e suas sementes trazidas do espaço deram um fenomeno chamados de baobás extra de paragordos.  Só muito recentemente passaram a ser de imbondeiros! Eles, os imbondeiros choram agora de tristeza de raizes no ar porque os Tugas  conhecedores das honabilidades ferteis, perderam-se num labirinto de dá-cá-o-meu  a que chamam de gasosa. Os mwangolés sugadores, feitos gente num repente começaram a surgir de olhos bicudos para os lados, uma  tecnologica anatomica  prepotentemente superior.  

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 00:56
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Terça-feira, 27 de Junho de 2017
A CHUVA E O BOM TEMPO . LXXII

NAS FRINCHAS DAS CINZAS  - 27.06.2017 (desde Johannesburg) - Ruptura com o passado. Cada um de nós é uma nota musical única; a minha não tem ré nem mi, nem sol, só tem dó….

Por

t´chingange 0.jpgT´chingange

Nas rupturas com o passado, um número crescente de opiniões com crédito afirmam que o presente agora, representa a terceira cisão da história humana comparável em magnitude com as passagens do barbarismo para a civilização, depois a era da agricultura extensiva matando a fome a milhares de seres pelas nova vias de comunicação. Agora, e duma forma avassaladora temos a invenção tecnológica de um sem número de artefactos a partir da metade do século XX e, que hoje complementam nossa actividade com o maior conforto.

bra3.jpg E, surge a rádio, a televisão, o frigorífico, o micro-ondas e o computador de última geração cruzando imagens ao segundo em viagens de cruzar fusos horários. Os novos instrumentos de comunicação a levarem a voz e a imagem ao outro lado do globo. Informação ao minuto de acontecimentos que conjugados com os satélites passaram a dominar nossas vidas ao segundo; Coisas impensáveis há bem pouco tempo. Viagens controladas por GPS com tradutores instantâneos nos principais idiomas.

:::::

E, surgem as férias de praia ou campo: não demorará muito a termos viagens interplanetárias. As viagens à Lua tornar-se-ão corriqueiras em um curto par de anos.  O choque cultural de hoje sucede quando um viajante se encontra num lugar onde o sim pode significar um não e aonde um preço fixo é regateável como diz Alvim Toffler e, até o riso pode significar ira.

matri2.jpg A aceleração da mudança não se limita a afectar as indústrias das nações, a oscilações das bolsas, as fraudes fabricadas com crises elaboradas em bancos supostamente credíveis mas, numa força concreta que se infiltra profundamente em nossa vida pessoal, que nos obriga a mudar de profissão, a representar novos papeis e nos coloca de frente com o perigo de uma nova e perturbadora doença psicológica.

:::::

Estas mudanças rápidas amontoam-se sobre nossas cabeças, os instrumentos de ponta não mais o serão. Entram em desuso a máquina fotográfica, o gravador de fita e o vídeo; a grafonola vira gira-discos e tudo se resumirá a uma pequena pen ou um chip com milhares de músicas, informações e coisas tão abstractas que nos darão volta ao miolo, que nos baralham o cérebro. Nossas cabeças desmoronam-se com a maioria das pessoas desprovidas e mal preparadas para fazer frente a tudo isto. Uma mudança demasiado rápida!

poluição.jpg E surgem milhares de teorias sociais que se encavalitam no espaço-tempo quântico dando novas formas à mente e á vontade que fica sob custódia de uns quantos eleitos por via de eleições. E, surge assim a democracia na qual se vota em gente que mais tarde se governarão a si próprios chamando nomes sérios a roubos e desvarios. Gentes com mentes e circunstâncias radicalmente novas transformando-se num perigo para todos os demais: os políticos de profissão!

:::::

E, este choque do futuro não estará mencionado em qualquer lista de anormalidades psicológicas; será coisa quase normal, aceite por todos mas estes, estarão cada vez mais desorientados e progressivamente incapazes de entenderem de modo racional o seu ambiente e, até entender o factor da amizade. O mal-estar instalar-se-á em si com neuroses maciças e violência descontrolada incapaz de se poder fazer as coisas mais triviais.

serrão7.png Surgirão terroristas e anarquistas que por debaixo de suas flanelas ou cetim, serão conformistas indecentes que por debaixo dos colarinhos abotoados se verificarão anarquistas e, pastores ateus ou budistas judaicos. E, surge a pop-art, os clubes gays, as quadrilhas sexuais, o swing, anfetaminas e tranquilizantes; também muita bruteza e maneirismos com calão com abundância de muito esquecimento. 

:::::

Nos dias de hoje libertamos uma força social totalmente nova, uma mudança tão acelerada que influência o nosso próprio sentido de tempo, revolucionando nossa vida quotidiana que afecta naturalmente o modo de como sentimos o mundo à nossa volta. Esta aceleração reside fundamentalmente na instabilidade. Neste estado sempre transitório afectaremos forçosamente nossas relações com as demais pessoas. Será esta a pré-modernidade? Quem irá saber ao certo…

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 04:58
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 19 de Março de 2017
PÉROLAS . III
O homem herdou o mundo; a sua glória não consiste em suportar ou desprezar esse mundo…

PÉROLAS III segue na ordem de uma coluna iniciada com este título. Quem quizer pode vir até o Kimbo e falar de suas razões, suas emotividades e outras raridades... 

EM TERRAS DO SUMBE - ANTIGO CEMITÉRIO DE BRANCOS . Tempo de Macutas - Verdade ficcionada

Por

t´chingange 0.jpgT´Chingange

Esta perola é uma INVENTAÇÃO...

Estavamos em 1780 - O Exército do Império Unido de Brasil, Portugal e Algarves era o segundo mais poderoso do mundo, depois do Exército Sino-japonês.

angola6.jpegFugindo daqui e dali vi-me em aflições porque o passado reconheceu-me na palidez enrugada da velhice. Com palavrões dentro da cabeça, tentei reconstruir minha já antiga inventação e com os nomes esvoaçando, mijando raiva de mim aos poucochinhos, fui buscar as novidades fracturadas com figas e juras por sangue de Cristo. E, aqui o passado misturou-se no futuro...

:::::

Tive mesmo de espreitar minha vida pelo cano de meu revólver, ou talvez um canhangulo de espirrar ferros e cacos cortantes; uma vida estriada em verdades misturadas nas mentiras. Foi ai que o filho da mãe surgiu, engalanado com bandeiras, panos e guarda-sóis coloridos. iIsto passa-se quando eu era dono do xerifado da fazenda, empregado dos Reis do M´Puto, um guarda de libongos de segunda linha por ser mazombo, um pano que funcionava como dinheiro; isto mito antes de Mobutu Sesse Seko mandar imprimir seus panos do kongo com a sua esfinge.

ekuikui1.jpgEm ambiente de grande excitação e alegria vindo de Quilengues, surge um branco albino que parecia um demónio, cabelos sujos e espetados como capim velho. Vinha buscar barricas de aguardente e rolos de tabaco. O Rei do Bailundo de 1998 Manuel da Costa Ekuikui III, nunca soube disto senão teria-se rido com seus dentes parecidos com castanholas e, seus dourados reluzindo pura alteza das terras umbundas ... mas, um dia vou-lhe contar!

::::: 
Eu, como secretário de fazenda de João de Câmara da Capitania-Geral do Reino de Angola com a ajuda do capataz José Nanquituka tinha de despachar rápidamente este rebelde mijão matumbo kazukuta com seus monandengues, porque não me era de fiar. Era mesmomesmo um filho da mãe!  Portando-me com o colar de dentes de javali ofertado pelo rei do Huambo Katchitiopololo Ekwikwi, monarca de muito respeito e respeitado, olhando para trás deste falso branco, pude ver que tinha consigo mais ausências de dignidade do que medo. 

maria2.jpgSua brancura indeferia-me com seus sorrisos matreiros de mentira chorada antes da lágrima. Já no terreiro fiz um sinal a Kaputo da Silva, o almoxarife missionário auxiliar, para que se aproximasse e, dei-lhe ordens para que procedesse à troca de géneros com estes demónios de Quilengues. Neste entretanto empoleirado nas horas das consequências com vénias de enrugada postura, o branco de fingir, dá umas ordens aos seus monandengues e, eis que salta um t´chingange para o terreiro empoleirado em antas, zingarelhos, enfeites de ossos de hiena e facóchero ao redor do corpo.

:::::
Entre 1876 e 1893, reinava no Bailundo Ekuikui II, substituto de Ekongo-Lyo-Hombo, quando o reino entrou em grande alvoroço. Foi numa altura em que, no planalto, os reinos iam caindo, um a um, nas mãos dos portugueses, t´Chinderes do M´Puto, Muwena- Pwós do outro lado das kalungas.  No ano de 1893, os emissários do reino Bailundu, dirigiram-se à embala de Ekuikui II dizendo-lhe que o reino estava em vias de ser atacado. Todos se recordavam da prisão feita pelos portugueses, do rei Cingi I um século antes (1780?).
:::::
Nesse então, o reino do Viyé, já estava há uma centena de anos submetido aos brancos. A Rainha D Maria era a minha superiora! Ela não me conhecia mas era eu que controlava suas makutas em substituição ds N´Zimbos, dos Kaurins e panos libongo. Ela, a Dona Maria morreu sem saber quem era o T´Chingange branco Niassalés, um seu alforriado cidadão das lonjuras da Matamba.

maria4.jpg Fazendo rodopios de dança espacial, gaifonas de feitiço e superstições secretas, ele o tal branco de linhagem indefinida, pintado com funge branca e jindungos na cintura salta e ressalta, gesticula traços com braços apitando uma estranha gaita até que, já cansado, estatela-se no chão, literalmente como forma de agradecimento à minha solene pessoa. 

:::::
A mim, o t´chindele mwana-pwó almoxerife da Rainha do M´puto. Dois candengues colocam bem aos meus pés dois potes de mel silvestre e eu, agradecendo de mão virada para o pretobranco albino mando que lhe seja dada uma bandeira das quinas do M´Puto recentemente chegada de Loanda a mando da mesma Rainha D. Maria II.  Dando costas àquela turba pude observar que ordeiramente se dirigiam para o armazém das bebidas. Aquela noite o batuque prolongou-se mais para além do habitual; o kimbombo, t´chissângwa, marufo e bolungas várias faziam a alegria da vagabundagem.

maria0.jpg Não obstante ficar atento a possíveis alterações de ordem pública, recomendei pessoalmente ao Alferes da guarnição e presídio do Sumbe da foz do rio N´gunza, que mantivesse uns quantos cipaios a observar, até que aqueles kazukutas e seu chefe beiçudo, branco genérico se fossem para Quilengues. Só mesmo eu para relembrar estas estórias esquecidas no tempo, metidas num baú de lata oxidada nas águas da kalunga, Ai- iú-ééé

:::::

Nota: Para minha Mana Kota Assunção Roxo em Roxomania para se deleitar nas bitacaias  com pérolas...

O Soba  T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 18:09
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 12 de Março de 2017
MALAMBAS . CLXVII

NAS FRINCHAS DO TEMPO Tenho-me forçado a encontrar um herói perfeito, um que seja observador o quanto baste para investigar os antagónicos traços das pessoas que nos cercam… hoje estou em dia NÂO…

MALAMBA: É a palavra.

Por

t´chingange.jpegT´Chingange

roxo131.jpg O homem procura instintivamente seu bem-estar e, mesmo tendo a certeza que não vai estar senão por pouco tempo num lugar, ainda quer assim mesmo, aí estar melhor ou o menos mal possível; não há ninguém que, achando um espinho cravado em seu pé, não o tire para não sofrer a dor. Nesta procura de bem-estar, possuído que está do instinto do progresso conserva-se em união com a natureza. Mas, sabe-se haver pessoas que permanentemente e como prática vulgar, fazem dos outros parvos espetando ideias desconchavadas com suas engordados falas, inchando seu EGO num baú de fantasia; sua mente!

::::: 

Tem gente assim, que geme e chora e logo em seguida lança cuspe, inventa situações de intriga com risos de veneno. O mundo fica complicado quando se depara que a sociedade tem gente que só vive em criar situações para daí tirar proveito, ficar senhor do pedaço. E há organizações de advogados, que nada mais faz do que ir ao encontro dos improváveis para dai torna-los possíveis a preço de oiro. Estes vendedores de assinatura tornam as coisas simples em complicadas surgindo mais tarde como os salvadores do evento e, agarrando o melhor pedaço do bocado.

roxo117.jpg Tenho compreendido com o tempo a esterilidade das honras e das grandezas que muitos buscam com tanta avidez! E, como vamos arranjar benevolência para com todos aqueles que nos fazem perguntas de como fostes, que posição ocupaste, que bem haveis feito no intuito de despistar sua singularidade de gente imprestável. E, são muitos os desclassificados desta sociedade a tentar despistar nosso cérebro. Doutores, engenheiros, professores, psicólogos; um sem fim de missangados em espetadas de corações…   

:::::

Há imprudência de todos nós povo, por aceitá-los e promulgá-los levianamente como verdadeiros! Isso não é comigo! Vamos ver no que isto dá! Vamos dar tempo ao tempo e, nesta lengalenga comem-nos os quesitos, apropriam-se de nossos silêncios, ditam leis para se superarem; comem-nos o verbo, o prefixo e o sufixo desculpando-se no particípio passado, fora de tempo, coisas prescritas. Este mundo está negligenciando-se por insuficiência de luz nos nossos pensamentos.

roxo116.jpg Nossa opinião não é, aos nossos próprios olhos, senão uma opinião pessoal que pode ser justa ou falsa porque não somos mais infalíveis que um qualquer outro. E, como fico eu, assim, depois de levar uma vida a ensinar aos meus filhos a praticar boas acções e, quando ao seu redor só há compadrios, gente a enricar usando falsidades, governantes a umbigar ao estado toda a família e, amigalhaços; e tudo passa ao de leve sem nada acontecer à árvore dos maus frutos! Pois então não é pelo fruto que se reconhece a árvore? Sendo assim, porquê não se corta a árvore!  

roxo61.jpg Ando muito desconsolado e à procura dos prazeres da alma. Sim! É verdade quando leio em quantos tormentos, ao contrário, se poupa aquele que se sabe contentar com o que tem, que vê sem inveja o que não têm, que não procura parecer mais do que é. Pois então: haverá maiores tormentos que aqueles causados pela inveja e o ciúme? Estes cidadãos não têm repouso, deverão estar sempre em febre; o que eles não têm e o que os outros possuem lhes causa insónia. Mas afinal neste contexto quem são os pobres de espírito!? O César o que é de César!

Ilustrações: os gatafunhos de Rocho

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 00:55
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Segunda-feira, 20 de Fevereiro de 2017
FRATERNIDADES . CXI

EM ANGOLA ONGWEVA É SAUDADEDevaneios nas memórias do FB - 31 de Janeiro de 2015 - A história de Angola é uma epopeia feita a caminhar, ou  em tipóia…

Por

Torres0.jpg Eduardo Torres – 20.02.2017 - Um Xicoronho de 3ª geração - Deus quando nos permitiu a faculdade de pensar garantiu-nos também o uso dessa liberdade …

soba k.jpgAs escolhas de T`Chingange

NASH.jpgHá largos anos, tantos que não interessa contá-los nessa Angola imensa, onde as cachoeiras derramam água por entre rochedos seculares, em que o verde da floresta, se confunde numa só cor pela grandiosidade da sua dimensão, as savanas beijadas pelo vento formam elas a própria linha do horizonte. Vasto e longínquo, as areias, numa dança que transcende o imaginável, em constante movimento que  formam as dunas que se transferem de uns lugares para outros num deserto privilegiado por uma espécie de planta única de nome Welwitschia Mirabilis, n´tumbo em dialecto local.

:::::

Num céu em que o sol surge brilhante e quente, céu que pode ser de azul único ou povoado de imensas nuvens negras e medonhas com os raios a cruzarem-se anunciando uma tempestade africana, pois num pedaço dessa Angola, num planalto situado na cadeia montanhosa da Chela, um punhado de homens e mulheres, desembarcados em Moçâmedes, vindos da ilha da Madeira, pérola do Atlântico e, para ali com sonho sonhos conseguirem uma nova pérola! E, conseguiram!

nauk2.jpg Num continente tão diferente da ilha que tinham deixado para trás, tão distante que já fazia doer a saudade, fortes na sua crença, valentes na sua fé, talharam-se para o sofrimento. Cavaram a terra para cultivar; para enterrar; para fazer alicerces e fizeram calos de doer até que outros homens lhe fizeram outro destino e dali saíram de novo para a diáspora. Muitos já nada tinham a ver com aquela ilha que continua bonita.

:::::

E foi assim, temperados pela força que lhes ia na alma, pelo esforço sobre-humano que cada um tinha dentro de si, recomeçar de novo, regar a terra com lágrimas de dor, suportar injustiças que sem esforço desmobilizaram os pioneiros de antanho idos na “tentativa Feliz” um vapor que honrava o propósito com seu nome.

nash6.jpg Com o empenho habitual foram de novo à luta com outros milhares de gentes destroçadas, de novo a vontade de vencer, porque nunca iriam desistir; A concretização do sonho, primeiro num pequeno lugar, chamado Lubango, por lá ficou assim como uma duna ao sabor do vento, de outras vontades e sonhos diferentes para depois com o tempo, fazer-se novo tempo.

:::::

Oportunidades diferentes, vontades com outras fés. Para comprovar a antiga fé, lá está a Capela da Senhora do Monte, cuja imagem com eles foram para lhes garantir a força quanto baste. Para quando ela lhes faltasse, orassem de novo para a fé não desvanecer.

maga2.jpg Surgiu uma nova realidade, uma nova urbe derivada de Sá da Bandeira, a Lubango de agora. E, aqui longe da cidade que me viu nascer, ainda me sinto orgulhoso, de fazer pare dessa historia e de ser descendente directo dessa gente com têmpera, que permitiu tornar possível uma realidade que não acaba só aqui.

carro de pau.jpg Vão longe os tempos de miúdo, naquela época em qua até o sabão azul ou macaco era importado. E, eu a aproveitava as caixas vazias para depois de desmanchadas, aproveitar a as tábuas e pregos, com o serrote e o martelo, construir as minhas camionetas, meus carrinhos de rolamentos, meus nash de fricção.

EDU

Compilação de T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 08:57
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quinta-feira, 5 de Janeiro de 2017
MONANGAMBA . XLIV

SONHOS DE SOL - 05.01.2017 - Choro de mais-velhos num tempo de gigabits… Redundâncias de nossas vidas…

Monangamba é nome africano, nome de vendedor de trabalho avulso

Por

soba0.jpeg T´Chingange

Nas relações mais próximas, agredimos sem intenção ou intencionalmente. Mas agredimos! Não respeitamos o tempo do outro, a história do outro. E, assim, vamos causando transtornos; esses tantos transtornos mostram que não estamos prontos, mas em construção. E, no tempo, todo nós temos que nos limpar e cuidar das feridas, assim como os outros que convivem connosco, que também o têm de fazer; melhor, toda a humanidade.  

agostinho1.jpgHoje mesmo estive confuso no tratamento das palavras “afim” e “a fim” e acabei por escolher esta segunda por significar ter a finalidade de e, assim como todas as garantias acabam no acto do pagamento da factura, a fim de. O desejo do bem-estar força o homem a tudo melhorar, impelido que é pelo instinto do progresso e da conservação, que está nas leis da Natureza.

:::::

Não existe ninguém que encontrando um espinho debaixo de seu pé não o retire, para ou a fim de não se magoar. Sendo assim, porquê a Ciência e a Religião não se puderam entender até hoje! Porquê encaram as coisas de modo tão díspar provocando o vazio dum traço que deveria ser de união e não de separação! Isto invariavelmente confunde-me levando-me à quinta ou sexta dimensão do espírito aonde não existe ontem nem amanhã nem tampouco o agora físico.

p-brana4.jpg O traço da união estará sempre no conhecimento das leis que regem o Mundo; nas relações com o Mundo corpóreo e o espiritual penso eu! Entendo que estas leis são tão imutáveis quanto as que regem os movimentos dos astros e a existência dos seres. O Universo não tem fim nem bordos! Não é um simples cubo com comprimento, largura e altura. A mente também não! O paraíso deve então estar por aí nesse espaço etéreo!

:::::

Entendo sim que se a fé se dirigir à razão, a razão nada encontrará de ilógico na fé e, o materialismo será vencido. Ando à espera dessa nova era para a Humanidade porque todas as outras não me preenchem. Andamos muito cheios de redundâncias dizendo disparates como “há dois anos atrás”, o atrás está a mais ou um “sorriso nos lábios” e, os lábios estão demais. E “conviver juntos” quando só o conviver diz tudo; e, o “consenso geral” com o geral a mais, ou a “surpresa inesperada”, sendo a surpresa só em si suficiente.

p-brana3.jpg “Na minha opinião pessoal” o pessoal não faz falta ou então e para acabar “ o novo lançamento” quando o lançamento já diz tudo. Isto são tudo redundâncias coladas a nós. Necessitamos atender às designações da Natureza sem redundâncias nas falas porque essas são as leis do progresso. E, o progresso sempre será uma lei de Deus. Quanto a isto não tentem confundir-me com outras redundâncias; não queiram comer minhas palavras.

:::::

Nunca a Ciência e a Religião poderão estar em negação porque Deus não pode querer destruir a sua própria essência, sua obra. Na Natureza o amor está por toda a parte e convidando-nos ao exercício de nossa inteligência; nós o encontramos até mesmo no movimento dos astros. E, ainda é a natureza que nos lega o amor, a paz dos homens, a calma ou turbulência dos mares, o silêncio dos ventos, e o sono ou a dor e muitas coisa não mensuráveis.

nenufar1.jpg Mas, há uma disposição natural em todos nós; a de nos apercebermos muito menos dos nossos defeitos, do que dos alheios. Tal como diz o Evangelho: “Vedes o cisco no olho do nosso vizinho e, não vedes a trave que está no vosso”. Já Santo Agostinho dizia em seu tempo que os homens terão forçosamente de se entender e, entender a Natureza porque esta contem a lei de Deus.

:::::

Santo Agostinho foi um dos primeiros autores cristãos latinos a professar uma visão clara sobre a antropologia teológica ao defender o ser humano como a união perfeita de duas substâncias, o corpo e a alma. Afirmava também que os dois elementos são parte de duas categorias bem distintas. Enquanto o corpo é um objecto tridimensional, a alma é composta por um tipo de substância adequada para governar o corpo e que, é parte da razão.

soba02.jpg Bastava para ele admitir que os homens eram formados por duas substâncias metafisicamente distintas, sendo a alma superior ao corpo. As teorias moldam e condicionam o nosso conhecimento dos factos e a proliferação de teorias é uma fonte de progresso para as Ciências. O grande problema é mesmo o critério da falibilidade em que as palavras mais fortes humilham outras mais débeis.

O Soba T´Chingange - (Otchingandji)



PUBLICADO POR kimbolagoa às 09:18
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quinta-feira, 22 de Dezembro de 2016
MALAMBAS . CLVII

CINZAS DO TEMPO – DORES DE FOME - 22.12.2016

– Na natureza dos dias de hoje, não é o mais inteligente que vence na vida, mas sim aquele que melhor se adapta a ela… Só ontem é que soube o que era o apestato…

MALAMBA: É a palavra.

Por

t´chingange 0.jpg T´Chingange

Um estomago vazio tem ondas de contracção e, a entrada de alimentos faz parar as contracções; são estas que dão um sinal ao apestato. E, afinal que órgão é este? Pois é o centro do cérebro que controla o apetite! Deveria ser assim mas, parece não o ser porque a remoção do estomago por cirurgia nunca interferiu com o controlo do apetite; o certo é de que todos nós nascemos com um apestato a quem os fisiologistas dizem ser como um termóstato que regula uma fornalha, ou o apetite da mesma.

:::::

E, se o apestato de uma pessoa estiver regulado para muito alto, essa pessoa estará continuamente a tomar mais calorias do que as que consome. Só se se tiver um autocontrolo e auto-estima elevado é que não se desgastará com as chamadas dores de fome.

poção 01.jpg Na opinião do fisiologista Jean Mayer da universidade de Harvard o apestato responde ao nível de glucose no sangue; depois da digestão do alimento, o nível de glucose do sangue baixa lentamente. Quando se encontra abaixo de um certo nível, o apestato é ligado. Se, se der resposta aos consequentes pedidos urgentes do apetite e se, se for comer, o nível de glucose do sangue sobe momentaneamente e, o apostato é desligado.

:::::

Em um período da minha vida tive de lidar com um grupo de ciclistas que pertenciam ao clube de qual eu era presidente e também praticante dessa modalidade e, sempre sucedia ver um entre nós que nos almoços tinha um comportamento sôfrego no seu jeito de comer; tinha sempre de ser o primeiro e comia de um tal jeito desenfreado que perturbava o meu pensar. Até reclamava perante os demais que esse era um comportamento bem egoísta.

poção1.jpg Aquela ansiedade inquietava-me até ao dia que alguém disse que ele era diabético; foi quando, em verdade me inteirei desta particularidade. Até há uma geração atrás não havia nenhum tipo de tratamento eficaz para esta maleita. De facto o doente diabético apesar do aumento do apetite pode rapidamente perder peso à medida que a doença avança! Infelizmente nós, não conhecemos na perfeição o nosso corpo.

:::::

Sabemos que a urina dos diabéticos têm a particularidade de atrair as moscas por via de ser doce mas, foi só em 1916 que o médico escocês Albert Schafer descobriu que havia uns ilhéus de largerhams que produziam hormonas antibióticas. A essa hormona chamou insulina derivada do grupo e que significa “ilha” em Grego; antes pensava-se ser o pâncreas que produzia esta insulina mas, dali só saía o suco pancreático.

poção2.jpg Então, ficou a saber-se ser a insulina das ilhas uma proteína e que as enzimas do pâncreas quebravam as proteínas destruindo-a. Conseguiram em anos de experiências e por meio de laqueamento do pâncreas retirar a hormona intacta a partir dos ilhéus. Isto a que se chamou de insulina salvou nesse então 30 milhões de diabéticos.

:::::

O efeito da insulina no corpo está nitidamente em íntima relação com o nível de concentração de glucose no sangue. Em geral, o nosso organismo armazena grande parte da glucose no fígado sob a forma de uma espécie de amido chamado glicogénio deixando apenas uma pequena quantidade de glucose na corrente sanguínea para suprir as necessidades energéticas imediatas das células.

poção3.jpg Com algum empenho fiquei a saber um pouco mais do que sabia ontem. Sabemos tanta coisa diversificada e, nem sempre nos preocupamos com nossos mais importantes íntimos pertences; o próprio património que carregamos. Quando pensamos que já sabemos tudo, descobrimos que afinal, temos muito mais para saber. Temos de saber o mínimo indispensável de o porquê de termos dois olhos e não um só! Porquê transpiramos? Do porquê nos inquietamos?

:::::

Nós que só somos uma ilusão, a coisa mais completa, só duramos um certo tempo; O que Deus-Natureza determina! E depois, nem sabemos ao certo para onde iremos… Fala o livro dos livros que Profeta Eliseu subiu aos céus ainda vivo e, que foi para junto do Pai, lugar aonde ele queria estar mas, não voltou nem mandou mokanda…

poção4.jpg O Profeta Eliseu foi o sucessor de Elias no Reino do Norte de Israel. Vivia em Abel-Meolá, no Vale do Jordão; tinha uma abastada família e era dono de 12 juntas de bois. Serviu a Elias durante algum tempo e, antes de ter ascendido em direcção aos céus por um redemoinho, depois de serem separados por uma carruagem de fogo, Eliseu pediu-lhe "porção (poção) dobrada do espírito de Elias" e, foi-se! Que poção era esta?

Bibliografia: O corpo humano de Isaac Asimov  

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 07:43
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Segunda-feira, 12 de Dezembro de 2016
MALAMBAS . CLVI

CINZAS DO TEMPO – 12.12.2016Na natureza dos dias de hoje, não é o mais inteligente que vence na vida, mas sim aquele que melhor se adapta a ela…

MALAMBA: É a palavra.

Por

soba0.jpegT´Chingange

A cada instante do tempo presente os nossos sentidos são inundados por um feixe de informações sobre o mundo real. As nossas mentes constituem-se na narração de estórias e da teoria contada pela ciência que diz que fomos criados pelo acaso entre milhões de outras espécies da biosfera da Terra. Nada demonstra que nos tenha sido atribuído um destino ou um propósito especial, ou que nos tenha sido outorgada uma segunda vida depois de terminada a que temos presentemente.

:::::

Mas, qual é então o sentido da vida humana? Será uma epopeia da espécie, iniciada com a evolução biológica desde a pré-história, assim como um acidente da evolução, um produto de uma mutação aleatória e de selecção natural? Ou seremos apenas o resultado final de muitas curvas e contracurvas duma única linhagem de primatas do velho mundo.

koisan1.jpg Estou assim, balouçando a languidez na forma de jiboiar rede, coisa bastante parecida com a preguiça, desperdiçando-me num impertinente alheamento a esse mercenário mundo literário. Com o tempo, foram-me dizendo coisas, atribuindo tarefas e, ensinando-me o que fazer em todas as feiras com descanso ao Domingo.

:::::

Falando com um velho herero de áfrica fiquei a saber que disto, ele nada sabia. Nunca os mais velhos lhe falaram de que por ali tivesse andado um apóstolo de Deus. Disto, também ele pouca importância deu fazendo-me confusão ao raciocínio. Ele, um mais-velho, só tinha conhecimento de uns missionários andarem por ali distribuindo falas e também costumes novos com patrocínio da coca-cola. Fiquei a saber ter sido uma entre muitas ONGS, gente com missangas e cruzes ensinando coisas aos khoisan (bosquímanos).

koisan2.jpg Cosendo disfarces, ensaio previsíveis alegorias sobre os vícios e infortúnios do passado construindo castelos com paus de fósforos. Amorfos que logo queimo por masoquismo, na fricção do ar. Dia após dia, escrevo argumentos de cozer pálpebras à paixão, continuando sempre igual, como sempre o fui, cada vez mais na mesma.  

:::::

Aqueles povos têm uma longa história, estimada em vários milhares (talvez dezenas de milhares), agora reduzidos a pequenas populações, localizadas principalmente no deserto do Kalahari, na Namíbia, mas também no Botsuana e em Angola, lugares que percorri. E, afinal o homo sapiens foi o único a desenvolver uma inteligência suficientemente elevada para criar uma civilização.

koisan4.jpg Passaram-se mais de duzentas mil gerações, tempo mais que suficiente para que a selecção natural forçasse uma série de mudanças genéticas fundamentais. Tornámo-nos os senhores do planeta e talvez do nosso canto da galáxia, também. Tagarelamos constantemente acerca da sua destruição, uma guerra nuclear devido a alterações climáticas ou a uma segunda vinda apocalíptica pressagiada pelas sagradas Escrituras.  

:::::

Os seres humanos não são maus por natureza. Possuímos quantidade suficiente de inteligência, boa vontade, generosidade e iniciativa para transformarmos a Terra em paraíso, tanto para nós mesmos quanto para a biosfera que nos viu nascer. A grande maioria das pessoas em todo o mundo permanece num estado de servidão face às religiões (tribos) organizadas, lideradas por homens que se arrogam poderes sobrenaturais para poderem competir pela obediência e os recursos dos fiéis.

koisan7.jpg A maior parte dos nossos líderes sejam eles religiosos, políticos ou empresariais, aceita explicações sobrenaturais da existência humana. Estes, nenhum interesse têm em opor-se aos líderes religiosos e provocar desnecessariamente a população da qual obtém o poder e os privilégios de que gozam. 

:::::

Bibliografia: Extractos do livro “O sentido da vida humana” de Edward O. Wilson – Prémio Pulitzer 

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 19:56
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quarta-feira, 23 de Novembro de 2016
MUXOXO . XLI

TEMPO COM CINSAS - MACEIÓ - 23.11.2016  

Das razões para entender o que é um PARADIGMA … 2ª de 2 partes

t´chingange 0.jpgT´Chingange

O triunfo de uma nova teoria ocorrerá por um processo de conflito com o anterior paradigma, numa selecção por conflito e eliminação do erro, por via da sobrevivência do mais apto. Creio que grosseiramente se pode comparar a função de um enólogo na preparação de seus vinhos com combinações de castas. Com o tempo ele vai eliminando este e aquele tipo de uva melhorando a combinação.

paradi4.jpg Entre risos e entretantos com pimenta e queijo de coalho recompõe-se a altivez com um tinto do Chile substituindo o tintol de Pegões ou Reguengos do M´Puto contendo também na promoção aquela literatura morangueira de lengalenga nas escolhas das encostas de Vinãs-del-Mar, Vale del Maipo, e Colchagua em substituição das margens do rio Sado.

:::::

Que tal e coisa, nas plantações com uvas frutadas e aveludadas mais edecéteras entre as tintas Cabernet Sauvignon, Merlot, Camenère e Syrah, e as brancas Sauvignon Blanc e Chardonnay. Enfim, teorias que muito bebidas passam a dar a volta ao miolo mesmo sem se querer.

paradi5.jpg Reconhece-se que novos paradigmas podem aparecer de uma forma embrionária antes que surja uma nova crise científica. E, que levem a baixar drasticamente o valor alcoolémico e, por forma a não mais podermos beber do mesmo néctar que Cristo bebeu em sua última seia substituindo-o por água aindaiá, do gerês  ou outras águas que dizem ser santas e que tudo curam.

:::::

É neste sentimento de frustração de que algo não está a funcionar bem com um paradigma que se instala a crise e aguça os espíritos para o nascimento de um paradigma novo. Advém dai que destroem uma estrutura económica, um ganha pão de muita gente para se convencionar que teremos de beber só água da fonte com a adição de umas gotículas de limão para eliminar bactérias nefastas e, até o escorbuto, imagine-se!

paradi3.jpg E, como há palavras canibais que comem outras, teremos de nos sujeitar tal como o macaco a quem retiraram a banana no tal paradigma da escada e da água fria que os cientistas usaram para alterar a sua forma de bem-estar. Pois, convêm dizer aqui que a incerteza espacial, é o infinito sem bordos! Que o mundo material deforma-se nos seus limites impregnando-o de metafísica, segundo o que recolhi da sabedoria do Professor Catedrático Sebastião Formosinho.

:::::

Diz este Professor que por uma analogia estranha, encontraremos menos determinação e maior liberdade no homem e no electrão do que no Sol e na Terra porque a visão que a teoria quântica nos dá hoje, é assim a de deus-que-joga-aos-dados. Na ordem do Universo, as leis são verdadeiras até que se prove o contrário.

paradi2.jpg A ciência explica supostamente conferindo sentido ao mundo mas, também parece que tem os seus limites que lentamente destrói o seu próprio mito. Será!? É que em ciência há estradas largas, bem asfaltadas, que só depois de serem percorridas se verifica não terem saída. Já Einstein afirmava que o mistério eterno do mundo é a sua compreensibilidade.

:::::

As dádivas da Natureza, mostram que o progresso na compreensão do Universo, está profundamente condicionado pela existência de um sistema simples num dado domínio. Não obstante, Thomas Kuhn, reconhece que novos paradigmas podem aparecer de uma outra forma, que se aceitam como correctos só porque todos assim o fazem sem saber ao certo quais as justificações.

paradi1.jpg As teorias científicas estão sujeitas às questões e debates do meio social, dos interesses e das comunidades que as formulam. Hoje mesmo fiquei indignado ao saber que em Portugal vão reactivar as taxas de rampas de acesso a estradas nacionais; que quem quiser fazer uma reabilitação tem de pagar 500 euros para informar o processo, 200 para a emissão de parecer, 250 para uma vistoria extraordinária e 300 para revalidação ou autorização. Tudo uma excrescência de quem tem o poder.

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 12:20
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 21 de Agosto de 2016
MALAMBAS . CXXXV

TEMPO DE CINZAS . Apalpando as medidas da natureza, sarar as feridas do corpo …

MALAMBA: É a palavra.

Por

soba15.jpgT´Chingange

matias9.jpgA maior parte das pessoas deste mundo, das pessoas que nos cercam, têm a ingenuidade de pensar que as dificuldades nunca lhes irão chegar à porta. No apego às coisas que têm, com dificuldade largam mão do que gostam, do que lhes sabe bem e lhes dá um tal de status ou estabilidade. Vai haver uma altura em que tudo muda e, a graça, torna-se uma lírica interlocutora muito carregada de sentimentos anestesiados.

:::::

Pode ser até muito cruel com curas quase impossíveis porque os chás, analgésicos e calmantes não são suficientemente tranquilizantes, tornando o paracetamol e a aspirina num placebo. Um destes dias recebi uma mokanda e-mail mostrando o Bin Laden, versão da teoria da conspiração dizendo que afinal estava vivo, algures numa ilha paradisíaca e outros edecéteras que não vêm ao caso.  Vai daí, cliquei no círculo vermelho em volta do olho dele e, meu computador quase pifou!

matias10.jpg O antivírus kaspersky, um programa xis-pé-tê-hó desactivou, comeram-me o personagem e fiquei sem acesso às redes sociais e, até o meu chapéu panamá me levaram. No Facebook, tive de pedir ao administrador Cipaio-mor que me recriasse de novo! Ele, o Cipaio-mor muito hábil e, com muitas horas de voo através de cacimbos e nuvens electrificadas quis confirmar se aquele eu era mesmo o tal eu, obrigando-me a dizer-lhe de que lado tinha a verruga, como se chamava o meu cachorro, a quem ele ladrava quando se fazia de lobo e até, de qual era a nacionalidade do meu vizinho.

:::::

Neste meio tempo e muito cheio de nadas rememorava as estórias ruminadas de meus desertos do Calahári e Costa dos Esqueletos criando umas dunas para distinguir este meu daquele outro filho da mãe. Subindo a minha duna da milha 45 do Nauclefut Park, apalpando as medidas da natureza da agressiva Costa dos Esqueletos, pensava que sim! Haveria decerto entre um caminho de luz entre as trevas, que sempre tornava impossível o que já era passado.

matias11.jpg Não podia e, nem queria ficar só a remorder a indiferença porque esta atitude permite todos os crimes e, com os quais toda a gente se indigna!  O meu compadre de nome Matias que sempre me mostra a luz divina, que me fala de Deus e da Bíblia que conhece de cor e salteado, a mandar-me um vídeo com um potente vírus do capeta diabo na forma dum cão da Pensilvânia ou um tal de chupacabra. Uma figura com quem ele, não se dá!

:::::

Como podia eu adivinhar que naquele olho de Bin Laden havia uma fagulha ardente que nem a luz que tornou Ló em pó, lá nos longínquos confins da humanidade! E, porque é proibido adivinhar, não me apercebi logologo que o salalé quiçonde feito bitacaia entrou no pé de José. Já tenho 71 anos e, mesmo assim, continuo a aprender o meu futuro, de saber que ninguém pode pedir a outro que o ame.

matias12.jpg Que também não podes ficar à espera que te queiram. Está implícito que a ética é uma batata que apodrece, que cheira mal, mesmo muito mal e que, com toda a periclitãncias dum estado mórbido, alimenta gente e até trogloditas. Alguns dos meus personagens de mussendos, missossos e kiandas, crescidas e criadas por mim, por vezes tornam-se rebeldes, ficam frias e pretas, perdendo no correr do tempo seu esplendor.

:::::

Até já me quiseram enforcar, deram-me tiros de rajadas e até estou aqui nem sei como, devendo bocejos ao pasmado! Um dia fazem-me o nó bem feito e estico o pernil. Somos animais e como tal, assim nem sempre somos o suficientemente bons ou o suficiente mause, num repentemente até temos medo de que se não acreditarmos em Deus, ficaremos os mais criminosos  deste mundo.

matias13.jpg Não estranhem por isso, eu andar entre o lusco-fusco, um realismo mágico ou surrealismo se quiserem. O aborrecido, mesmo, é quando o que se faz fica bastante desinteressante.  Vou perguntar ao meu amigo e compadre, comedor de figos lampos, de S. João, preto, pingo de mel e de três-num-prato o seguinte: - Se me queres com Deus, porque me tentas com o diabo da transilvânia!   

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 13:07
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quinta-feira, 4 de Agosto de 2016
CAFUFUTILA . CXVI

NAS FRINCHA DO TEMPO – KIANDA COM ONGWEVA  - 11ª de várias partes…

AS TÁGIDES DE TOLEDOO encontro com Zachaf Pigafetta Roxo, a kianda tetravó de Roxo e Oxor.

Ongweva é saudade

Por

t´chingange 0.jpgT´Chingange

lagar2.jpg Com a sensação de começar a penetrar na minha própria inconsciência, enrolando dedos e retesando músculos, cruzei o bairro mouro Albayzin bem cedo; de forma aleatória como um senhor dos caminhos minkisi cruzei ruelas estreitas com aromas de churros; podia ver do outro lado as muralhas e torres de Alhambra envoltas em um manto de verdura. O rio Darro corria na depressão à semelhança dos meus pensamentos que rolavam entre mulheres gitanas, guapas bailando o flamengo em companhia de Aladino e N´si, o guardião negro da terra.

::::::

Januário Pieter, a kianda itinerante da Globália, natural de Cabo Ledo, sítio distante da kalunga ali estava olhando com ar patético, angústias feitas estátuas que só ele sabia decifrar. O Pambu N´jila, ponto de encontro era ali, vendo o cenário das antigas muralhas mouras. Porque era ali que aqueles espaços físicos e místicos se juntavam. Espaços simbis com gente de suko ou alucinados como eu!

::::: 

Depois de um grande abraço com os comprimentos habituais, afagando seu muito velho esqueleto, deslizando minhas mãos naquele piano de costelas salientes, lá fomos até a la "Calle Bodegoncillo". Já um pouco encalorado num desce e sobe, entramos ambos em "El Pátio Riconcillo" e, buscamos acento apropriado; o lugar era arejado dando para la "Plaza Nueva" podendo ver mais acima la "Plaza de Santa Ana".

ciga6.jpg As paredes estavam cobertas de cartazes anunciando espaços de "Flamenco" de cores amarelecidas com datas ultrapassadas de eventos tauromáquicos; bestas de bois cornudos e esbeltos toureiros enfiados em apertados fatos vistosos de lantejoulas zurzindo farpas ou bandarilhas coloridas; estavam encaixilhados em madeira sarapintada de minúsculos furos de térmitas, resquícios das pestes de Guernica.

::::

Surgiu num repentemente uma estranha figura de mustafá carregado de espanta espíritos, um homem de olho azul, talvez tuaregue a vender ternuras na forma de raminhos de alecrim e farrapos enternecidos de recordações. Uma figura muito parecida com aqueles aguadeiros da praça Jemaa el-fnaa de Marraquexe. Fiquei na dúvida se não seria aquela uma miragem e, sem ninguém se aperceber belisquei-me e, era eu mesmo a ver a miragem verdadeira.

:::::

Está na hora de me apresentares Zachaf Pigafetta Roxo disse eu neste entretanto do pré antes do ressurgimento de tal figura, assim um misto de Aladino vestido com um matrafona de capulana e panos de Mobutu, esfinge misturada com mugabe e mandela meio imperceptíveis na confusão de sombras feiticeiras. Mais admirado fiquei quando Januário a Kianda o mandou sentar, o mustafá; Afinal não era ele, era ela, uma mulher radiante de beleza, assim estonteante que se ondulava em imagem, ora era, ora não era nem deixava de o ser, quasequase um holograma falante.

luis32.jpg Era agradável estar ali confraternizando com o passado que, nem sempre foi risonho mas quando Pieter me disse apontando afigura: Apresento-te essa kianda que tanto queres ver Zachaf Pigafetta Roxo…. Eu dei um pulo no meu desassombro, larguei os poemas de Garcia Lorca referentes à guerra de 1937 a 1939 com quadros dantescos no bombardeamento de Guernica e devo ter dado um grito espantado porque num repentemente, todos olhavam a nossa mesa! Melhor…minha mesa!

:::::

Pedi um “café solo” e una tortilha de “manzana” ao empregado que se aproximou depois de oferecer o que quer que fosse aos meus dois parceiros; parceiros que parece que mais ninguém via, só eu! Seria desajustado pedir mais que uma coisa quando afinal eles só me viam a mim! A sala espaçosa estava recheada de quadros sobre esses acontecidos passados como uma galeria de horrores de Granada. Neste recanto em uma cadeira em madeira talhada com motivos da terra, envolto em atrocidades de uma disputa civil entre Nacionalistas de Franco e Republicanos, o instinto perfurou-me de medo. 

:::::

Sentia-se desprender da tela o odor fétido da morte. Meu olhar não se desprendia dos corpos desmembrados em destroços retorcidos, gente e animais espalhados pelos campos; um treino de preparação à grande guerra que viria a acontecer em 1940, Alemães ajudando Franco a tomar o poder. Mas, e agora, tinha de dar a máxima atenção àquela figura tão ansiosamente esperada; aquela kianda tão aguardada e, que me deu um “Buenos Dias” vibrados de suavidade longínqua. Juro que meu corpo abanou do cocuruto às unhas carunchosas como uma folha-de-flandres feita espinha ou coluna…

luis33.jpg Entre o desejo de saber a verdade e o pavor que lhe tinha, zuniam na minha cabeça legionários às ordens de Franco gritando “viva la muerte” mutilando o meu medo envidraçado de repugnância a todas as guerras. Foi neste então de pensamento e depois de agradecer com “um muito prazer”, consegui balbuciar de mansinho: Estou muito grato por a conhecer, ando ansioso em saber depois de tantos imprecisos episódios e se efectivamente, você é quem é, a tetravó de Assunção Roxo? A kianda fez um ligeiro pestanejar reluzindo comoção, quasequase como um vaga-lume comovido de pirilampo outonal em noite de lua cheia…

:::::

O espanto maior estava por chegar! És tu, o T´Chingange que socorreu minha trineta lá na praia do Guaxuma do Brasil, assim e assado com todos os pormenores de barbatana mais o Zé Peixe num lugar mais a sul de Sergipe, assim com mais edecéteras e virgulas e, curiosamente com um profundo conhecimento de mangues e siris de Aracaju e mais coisas que nem o Mandacaru por certo saberia. Espantado disse-lhe que sim! Era eu inteirinho da Costa, nascido e desfalecido num vapor chamado Niassa.

::::

Ainda não refeito do espanto comecei a fazer-lhe uma série de perguntas como essa do seu nome ser conhecido hoje como sendo o lago Nyassa e também se ela sabia do desenrolar de toda a estória que nos apanhou em vida numa terra de nome N´Gola e, foram muitas as perguntas e interjeições com muxoxos de parte a parte! Vamos pôr um ponto nos is! Assim, de rompante!

guerri1.jpgCom o tempo dir-te-ei o que houver para dizer mas não permito que graves nada do que te irei dizer porque não quero de forma alguma alterar o rumo da verdade! O rumo do vosso futuro! Okei disse eu. Okei, rematou ela também como dando por terminada a sessão do dia! Perfeito, vamos aguardar! Disse eu… e assim ficamos naquele dia estival … Sabes! Esta vai ser uma longa estória, disse ele, ou ela… Vou tentar conciliar o sono com o sonho e destringir no tempo, este espaço de fumarada… 

:::::

Glossário:

Pambu N´jila: - Agente de ligação entre o espaço físico e o místico; lugar de veneração ou peregrinação; Lugar predilecto; kalunga: - espírito forte, divindade ou espírito das águas, iemanjá, mar, água no geral; Kamundongo: camundongo, natural de Luanda

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 19:17
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Terça-feira, 2 de Agosto de 2016
MOKANDA DO SOBA . XCIX

TEMPOS PARA ESQUECER 02.08.2016 - ANGOLA DA LUUA IX . NA GUERRA DO TUNDAMUNJILA. Nesta lengalenga de lembrarmos coisas mortas, cada homem é um mundo.

Por

t´chingange 0.jpg T´Chingange

kianda05.jpg (…) Cada um de nós tem uma lenda! A minha foi preterida por ser o que ainda estava para ser, uma inventação lançada para fugir às realidades da Luua. Para encobrir eventos desonrosos, coisas sem heroicidade, um quarto de hora antes da meia-noite do dia 11 de Novembro de 1975, minha nação, meu barco, levantou âncoras ao largo da Luua. A bandeira do M´Puto era embrulhada num baú dum velho carcamano de colono aonde tiveram de caber todas as ilusões.

:::::

Foi assim que me tornei Niassalês. A bandeira verde-vermelha, tornada num trapo vulgar, estava condenada a criar bolor. Minha nação Niassa fez-se ao alto mar vendo-se de longe os festejos celebrando de forma dantesca o nascimento dum país. Eram tiros e rajadas a fingir de fogo-de-artifício. Já nove meses antes o Sandokam, o Sabata e o Amargoso percorriam Luanda disparando e lançando granadas a eito, matando gratuitamente quem aleatoriamente lhes surgisse no encalço. Estes chefes de grupos populares curiosamente usavam armas oferecidas pelo exército português.

NAMBUANGONGO.jpg Fazia parte da estratégia, no lançar medo, disparar contra montras, estilhaçar as mioleiras ordeiras. Que se saiba nunca foram apanhados pelas NF (Nossa Forças) e, quando isto se verificou ocasionalmente fez baixas nas NF que já não se sabia bem, se o eram. Tudo causado para provocar o pânico, travar a sociedade e espantar os brancos. E a fuga do tundamunjila fazia-se notar no Prenda, Catambor, Cazenga, Bairros Populares, Cuca, Viana, Corimba, Terra Nova, Caputo, Mulemba e, em verdade de todos os bairros periféricos da Luua.  

:::::

Logo a partir de Junho de 1974, começaram a ser infiltradas armas e munições nos musseques de Luanda. Era o Poder Popular a nascer com suas células, fanáticos de Lúcio Lara e Neto, capitães do mato às ordens de Nito Alves e Valódia dos grupos Hoji-ya-Henda; estas armas eram indiscriminadamente entregues a pessoas que as não sabiam manejar. As vítimas eram um pouco de tudo o que pudesse servir de alvo, raivas grandes e pequenas com negros, brancos e verdianos. As mortes foram tão abundantes, ao ponto de a casa mortuária já não ter mais espaço; alguns corpos surgiam mutilados, queimados, desfigurados.

brig4.jpg Neto, líder do MPLA afirmava que os portugueses não deveriam ser designados como comunidade branca por não constituírem um grupo coeso, nem terem direitos especiais na realidade pós-colonial. Seu parceiro Rosa Coutinho corroborou em tal posição afirmando: “Os brancos se quiserem ser ouvidos, filiem-se num dos movimentos”. Estas afirmações de Neto estavam bem perto da realidade porque os Tugas tinham como desporto ir à praia, ir ao cinema, ir à pesca à Barra do Quanza, fazer umas farras de quintal ao fim de semana para noivar a filha e, poucos eram os verdadeiramente politizados. Uns ingénuos!

:::::

Foi mais ou menos isto que aconteceu! Os brancos filiaram-se em um, dois e até três movimentos porque pelo sim pelo não tinham de garantir alguma segurança pelo controlo familiar pois estes pseudomilitares viriam a praticar isso, dai em diante. A caminho do sul ou do norte nas barragens diferenciadas apresentava-se o cartão do militar que surgia a controlar; o camarada recebia uns cigarros, mandava seguir na boa.

paiva4.jpg Mais à frente o irmão mandava parar e com o cartão o mano mandava prosseguir; com os fnelas era igual. Estes para mostrarem sua diferença faziam continência com bater de pés e mandavam seguir desejando uma boa viagem… Havia sempre uns cigarros francês mata ratos, ou Negrita e mesmo caricocos a dar aos zelosos controladores de tráfico e traficantes. Era a gasosa a ser instituída no meio da Luua e arrabaldes; depois generalizou-se juntando uns kumbús de dinheiro macaco: “escudos angolares”.  

:::::

Era já o medo a dominar as emoções, uma técnica persuasiva que entra no subconsciente e, por via de inseguras leis que sempre descumpridas ou alteradas, faziam do MFA uma instituição desajeitada, sem respeito ou credibilidade. Portugal já não era confiável; isto tornou-se uma infeliz realidade que viria a deixar sequelas para todo o sempre. Passados que são mais de 42 anos sinto um certo orgulho por sempre me dizer ser Niassalês e, porque foi o último vapor a abandonar a minha terra, o meu país de ilusão e, que agora, já nem sucata o é. Continuo Niassalês, uma inventação que me tranquiliza.

miss6.jpg Logo à partida, Melo Antunes aceitou que os brancos de Angola não tinham concessão à nacionalidade Angolana; que apenas os nascidos ali, teriam essa prorrogativa! Mas, até aqui, isto lhes foi tirado com o correr do tempo. Os maiores desaforos vinham exactamente dos máximos responsáveis Lusos! Tudo rolha de má cortiça! Savimbi foi o único que retaliou esta medida e, disse querer um período mais alargado para a data da Independência. Portugal, simplesmente se subjugou ao preceito de descolonização do MPLA de Neto.

:::::

E Agostinho Neto disse isto mesmo aos emissários de Fidel de Castro; que não tencionava repartir o poder com outros movimentos nem conceder-lhes condução de áreas estratégicas e os brancos, estavam ali a mais. Todos se moveram em falsidades e o Governo de Coligação de Angola por via do acordo da Penina, viria a ser uma utópica armadilha. Nada mais do que isto!

funa0.jpg Voltaremos aqui mas, entretanto as mortes registadas em Luanda resultavam de tiros disparados por armas do exército português. Isto era demasiado preocupante; era uma traição que ninguém compreendia, ninguém queria aceitar por inaudita. No interior dos Bairros periféricos, suburbanos da Luua haviam já milhares de armas de repetição que, tal como já foi dito faziam baixas nas próprias forças armadas designadas de Nossas Forças…Eram tempos de Rambos matando pokémons, usando a linguagem hodierna…

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 14:42
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Terça-feira, 15 de Março de 2016
MUXIMA . LVII

MULOLAS DO TEMPO - Qualquer um tem de ter a oportunidade de cruzar a mulola... Mulola só é rio quando chove a montante…

Por

t´chingange.jpegT´Chingange

jatiu0.jpg Andando na orla da praia por uns bons cinco quilómetros e, já quase ao chegar à Lagoa das Antas depois da Jatiúca de Maceió, deparo com uma velha senhora falando sozinha suas agruras; descalça e fumando um cigarro tipo mata-ratos arrastava seu carro ofuscado numa área comercial. Não é difícil depreender que era uma moradora de rua e ali junto à praia, debaixo do coqueiral ou um qualquer alpendre e aproveitando a brisa de Deus vinda do mar, pois por ali dormia em cima de uns quantos cartões avulso, seus parcos trastes.

jatiu1.jpg Imagino que assim será por via dum desamor familiar, uma tontura muito cheia de cachaça ou fruto de muito fumo marado. Cada um de nós poderá imaginar lombas e catalombas  mas das cavandelas que deu só ela saberá! O mundo é assim muito egoísta e ninguém perderá um minuto sequer a dar ouvidos às mazelas que um qualquer tem para contar. E esta mulher de nome Perpétua Idailda, passou a ser uma tal de Perpétua Rezinga. Mas, não é só ela não! São algumas dezenas a dormir ao relento usando a natureza como amparo, arrumando carros, alugando cartões conspurcados a tapar o sol aos doutores e outros muitos senhores. 

jatiu3.jpg Mudando de rumo fui até ao jardim dos poetas e pude ficar encantado com uma árvore toda florida com lindas flores. Perguntei o nome e fiquei assim cismado por ser Quaresmeira-roxa. Cismado porque é na quaresma que estamos e é dela que passo a falar porque já muito falei de tristezas e mazelas sociais. Pois fiquei a saber que esta linda árvore tem o nome latim de Tibouchina granulosa e é originária desta América do Sul, Brasil. Tal como a Idailda, é de folhas perenes; uma árvore que encanta por sua elegância e exuberante floração. De pequeno porte pode no entanto atingir de 8 a 12 metros de altura com um diâmetro de 30 a 40 cm.

jatiu4.jpg A floração ocorre duas vezes por ano, no outono e na primavera, despontando abundantes estames longos com cor arroxeada. Mesmo não estando em flor, a quaresmeira é ornamental. Sua copa é de cor verde escura, com formato arredondado. É uma das árvores mais utilizadas na arborização nas praças, calçadas, avenidas, parques e jardins em geral, os largos do Brasil. O único inconveniente é a relativa fragilidade dos ramos que quebram facilmente com ventos fortes. Com podas, pode-se estimular seu adensamento, mantendo-a com porte arbustivo.

jatiu5.jpg A quaresmeira é uma árvore pioneira, rústica e simples de cultivar, vegetando mesmo em solos pobres. Originária da mata atlântica, esta espécie aprecia o clima tropical e subtropical, tolerando bem o frio moderado. Multiplica-se por sementes, com baixa taxa de germinação, e por estaca de ramos meio-lenhosos. Também eu, não fui capaz de continuar a descrever sobre os trastes que Perpétua Idailda transportava mudando o discurso para as belezas que a natureza nos dá. Uma coisa é certa, há gente, muita gente, que não se sabe governar nem é governada. Drogas maradas...

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 14:00
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Terça-feira, 8 de Março de 2016
FRATERNIDADES . CIV

EM ANGOLA ONGWEVA É SAUDADE - A história foi uma epopeia feita a caminhar, ou andar em tipóia

Por

Torres0.jpg Eduardo TorresUm Xicoronho de 3ª geração - Deus quando nos permitiu a faculdade de pensar garantiu-nos também o uso dessa liberdade … Por vezes também poetizo…

afon6.jpg Todos nós temos liberdade de pensamento e, temo-la porque ela é secreta. O pensamento é a maior força que temos porque é realmente livre, porque podemos pensar sem divulgarmos o que pensamos e, mesmo que isso aconteça, assim fugiremos às amarras que os poderosos criam para nos impedir o uso dessa liberdade. Eu penso segundo uma determinada lógica para encontrar uma qualquer solução, ou tenho de seguir uma lógica que me leva o pensamento a encontrar a forma adequada!

ÁFRICA1.jpg É a lógica que controla o pensamento, ou este que determina a lógica!? Eu penso com lógica ou uso-a para pensar bem? Não me resta a menor dúvida que são complementos não dissociáveis na ordem da sua importância. Acho que o pensamento é mais relevante, porque posso pensar sem necessidade de lógica, o que não a torna numa necessidade absoluta. Por ser livre, o pensamento não pode estar preso à lógica! Era um contra-senso se isso acontecesse...

ÁFRICA3.jpg Quando olho o mar, nunca consigo definir a cor, ou cores que ele tem. Aquela imensidão de água, sempre em movimento, na formação de ondas que se espraiam no imenso areal, desfazendo-se em espuma branca, tão depressa surge azul como repentinamente se torna num verde, numa mistura de cores que lembra uma aguarela pintada em completa liberdade. As cambiantes de cor, vão até ao horizonte, onde a distância e a ilusão óptica o faz confundir com o céu; essa linha de junção só é possível distinguir-se, por um ser azul e o outro apresentar uma cor indefinidamente azulada.

ÁFRICA2.jpg Gosto de olhar o mar a perder-se no longínquo horizonte, não interessado na cor que tem, porque qualquer que ela seja, transmite tranquilidade, acalma o espírito e reforça a alma. Só poderei agradecer à ENTIDADE DIVINA o privilégio de tal visão... A possibilidade de divulgar o pensamento, ou torná-lo pessoal! É um direito que me assiste, porque só quem o deu o pode tirar! Há quem pense em voz alta, mas eu não me refiro às excepções, mas sim à regra que nos é geral.

As escolhas do Soba T´Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 19:16
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sexta-feira, 20 de Novembro de 2015
MISSOSSO . XIX

ANGOLA . MATERINDINDI - O RUDOLFO VALENTINO DO KALUMBIRI - Para matar saudade… 2ª de 2 Partes

Por

DY0.jpg  Dy - Dionísio de Sousa  (Reis Vissapa) - O autor de Ninguém é Santo e de África, é uma bênção e um veneno (frase)…

maian10.jpg (…) Quando cheguei às dez da noite ele já estava e encostado ao tosco balcão a beber uma gasosa. Um pouco mais ao lado numa mesinha humilde e solitária, estavam sentadas a Filomena e a sua amiga Matilde a tagarelarem qualquer coisa de cotovelos assentes no tampo de mesa deserto. Conhecia bem a Filomena lá de casa e agora com um vestido de chita grenat estava ainda mais deliciosa, com os seios a espreitarem atrevidos e umas ancas roliças que eu volta e meia roçava de contrabando quando se debruçava no tanque da roupa. – Fica quieto menino Joca que eu vou contar na tua avó que estás-me a querer apalpar. – E estava pois o corpo daquela negrinha era um pedaço de mau caminho que me povoava as noites.

onça4.jpg A Matilde sua amiga chegara há uns meses atrás da Chibia e arranjara trabalho na casa do professor Pereira para cuidar das crianças. Cara gaiata e rebolodinha com uns seios tipo bola de andebol era os encantos do Rudolfo que se imaginava a gingonçar aquelas ancas de perdição. – Já estás aqui Matrindindi? Tu não falhas um rapaz. – Fiz conversa com ele enquanto uma “Cuca” aterrava em frente aos meus olhos. – Sabes como é Joca, eu não perco uma noite de dança nem por nada. – Respondeu olhando de soslaio para a mesa onde estavam as duas raparigas na tagarelice. – Então e não vais dançar com a Matilde? – Perguntei com malandrice.

eleuterio1.jpg  – Nunca nos apresentámos Joca, e ela olha para mim como se eu fosse um marimbondo defunto. - Retorquiu desgostoso com o seu insucesso na conquista. – Olha porque não vais lá e ofereces qualquer coisa para elas, pois parece que o dinheiro por ali anda sumido. – Alvitrei. – Remexeu nos fundilhos e ouvi o tilintar das parcas moedas. – Acho que chega para oferecer uma sandwich para ela, Joca. – Concordou com um olhar esperançado. – Pois leva duas e duas gasosas que eu pago essas. Enquanto o Faneca tratava da encomenda por trás do balcão dirigiu-se à mesa e após um boa-noite com vénia indagou. – Matilde, posso-te oferecer uma sandwich? – Sandwich é a tua mãe, seu vadio, vai-te catar. Voltou desalentado e cabisbaixo para o meu lado como um káfi esfomeado.

kafu10.jpg Foi quando ouvi a Matilde perguntar à Filomena o que era mesmo essa tal de sandwich. – Tu não sabe Matilde sandwich é um casqueiro com chouriço no meio, é bom mesmo. – Háka prima se soubera eu aceitara. Pela primeira vez fui dançar um slow com a Filomena e deixei em cima da mesa delas os pães com chouriço e as gasosas. Não vou falar da Filomena que me encheu a noite mas da prima que olhava com olhos de carneiro mal morto o Rudolfo. Foi bom vê-los abraçados num tango uns minutos mais tarde. E, como dançou bem o Matrindindi nessa noite com a Matilde, e a bundinha dela remexendo a um ritmo estonteante. Tudo se perdeu anos mais tarde por razões óbvias. Deixei de ver os “Keds” fosforescentes do Matrindindi, deixei de dormir com a Filomena à socapa e da Matilde nada sei.

MONA5.jpg Estou na galeria da discoteca “Trigonometria” no Algarve, depois de espezinhar um mar de cerveja no chão e quase a iniciar uma briga com um bando de labregos que se entretinham a dizer palavrões e a arremessarem beatas para pista tendo uma delas aterrado no decote de uma rapariga. Foi quando o vi junto a uma mesa de controlo a colocar vinis e os sons do “Tchuck, tchuck” horroroso a invadirem-me os ouvidos. – Matrindindi. Gritei! – Coloca música do Kalumbiri, mano. – E ele colocou enquanto me acenava lá de longe. E eu vi o chão da rebita limpo, as pessoas ordeiras sem dizerem palavrões e os mais etilizados irem deitar água ao mar bem longe, e as ancas roliças da Matilde e os seios saborosos da Filomena e as sanduiches de chouriço perdidas sobre o balcão. Então deu-me a saudade.

Reis Vissapa

As escolhas de T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 19:15
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

RELOGIO
TEMPO
Weather Forecast | Weather Maps
Maio 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

12
14
15
18

20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
CAIXA MUSICAL
CONTADOR
contador free
ONDE ESTÁS

Sign by Danasoft - Myspace Layouts and Signs

blogs SAPO
subscrever feeds