Quinta-feira, 21 de Junho de 2018
A CHUVA E O BOM TEMPO . LXXXVIII

NAS FRINCHAS DA VIDA . Kazumbi com kalunga… O mal fermenta-se na psicose gerada pela instabilidade…

Por

soba15.jpg T´Chingange

pana1.jpg Descendo as escadas do Vai Hassar, chegado à praia, espetei na fofa areia o chapéu-de-sol e, depois, ouvindo a trovoada a sul, caminhei um pouco a montante do Arade apreciando o barco de cruzeiro que leva gente a Tenerife das Ilhas Canárias e Açores. Sempre gostei de ver estes gigantes do mar num andar molengoso, ouvir os apitos e as chaminés vomitando cinzas barra adentro e, nesta admiração, dou-me conta de meu chapéu destapar minhas minudências, sair às cambalhotas até ficar emborcado na água, como se fosse uma jangada.

:::::

Era uma jangada de palha de pobre tirando-me desta condição a fingir ser um iate, chapéu feito canoa saindo pelo vento adverso em direcção ao vapor já encostado no cais dos guindastes. Controlando minha missão de aguentar a austeridade, dispus-me a gozar mais um dia de clareiras de sol com previsão de chuva molhada e sons troantes do céu neste país que já foi metrópole dum império, de meio mundo, das índias e Brasis, da Etiópia ais este Algarve.

praia.jpg E, do Algarve, apreciando as frinchas de vida com vozes de marujos de folgar a corda, dá de ré e, amainando assim meu pensamento vadio, entro na fria água ao som dum trátrátrá de arrastão barulhento que entra na barra. É o Delphinus que ao provocar ondas fez deslocar ainda mais o chapéu chato para o lado de lá, mesmomesmo na direcção do raisteparta, nome dum barco preso à bóia amarela.

:::::

Valeu-me um barco de pescadores à linha que aos gestos e gritos de duas garinas irlandesas, acudiram a este estranho acontecido de agitar flanelas com a esfinge do Cristian Ronaldo, o jogador de futebol melhor do Mundo; Cá de meia distância, vi o pequeno barco aproximar-se apanhar o chapéu do panamá e dirigir-se na direcção daquelas moçoilas que entretanto aplaudiam os heróis do momento, os pescadores do rio Arade.

dy28.jpg Alargado de agradecimentos de merci, thank you e obrigado, agradeci às turistas nesta forma de poliglota de praia, a ver navios com vapores e traineiras de sardinha, carapau e cavala. Saudaram-me numa língua estranha a juntar ao meu muito obrigado para os amáveis pescadores; um bom desfecho para quem não quer mesmo ficar na penúria de ficar pobre e sem chapéu. Estes pequenos incidentes dão azo a folgarmos as arrelias minúsculas, dar um sorriso e fazer umas gaifonas às turistas que felizes, continuam gingando suas formosuras…

:::::

Como vêem, aqui noa Angrinha do castelo de Ferragudo, do outro lado de Portimão, acontecem coisas que não lembram ao diabo que sendo negro, tem obras de feitiço muito mais repleta de assombração branca por conta das lendas mouriscas. Meu chapéu foi atraído para o património de um antigo rio que barulhando em árabe, chafurda donzelas, kiandas de kazumbi com kalunga mareando esta metrópole da moda chamada de M´Puto.

papalagui11.jpg Tão sujeito às gravidades europeias na perene austeridade, não vou ficar assim pateta de braços cruzados vendo as gaivotas adaptando-se à gasosa do Delphinus. Deitando vísceras na mistura de peixe rejeitado borda fora, os restos dos restolhos que são pesca fácil para os passarões grasnantes. Um piar alvoroçado, lutas de depenicar a fome sem maior esforço, de ir lá a alto mar e mergulhar, ficar todo o tempo esperando dádivas da kalunga como o M´Puto da Europa.

:::::

Também estas, as gaivotas, se vão ajustando ao protectorado dos mais fortes, exemplo que não devemos seguir em nossas normas de gente, estendendo a mão aos gestos alheios ou à caridade; porque, isto de comer sem esforço, à vontade dos demais, não é certamente um percurso correcto na cadeia do sucesso alimentar. Qualquer dia só comemos as cotas atribuídas pela comunidade a um mar que é tão nosso.

vasco3.jpg Sentei-me na cadeira exposto ao sol admirando os gestos de tira e atira, tira e atira linha para apanhar matonas ao rio, tainhas ou liças só com fateixa; os mesmos pescadores que salvaram meu chapéu. Pensei que ninguém tem o direito de tirar-lhes também essa condição de se continuar honestamente pobre; dos problemas de plafonamentos e, mais palavrões de enganar. E, foi nas 13 badaladas que arrumei a tralha, juntei o chapéu, a toalha e os zingarelhos deste manuscrito rumando a casa para assar duas postas de perca do Nilo…

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 19:13
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quarta-feira, 20 de Junho de 2018
CAZUMBI . XLV

NO TEMPO DAS GRAFONOLAS - 20.06.2018

CAZUMBI D´ANGOLA: É feitiço… O estigma de branco de segunda…

Por

soba0.jpegT´Chingange

Nos anos 30 do século passado, havia leis em Portugal que outorgavam estatutos de portugueses de segunda a todos aqueles que tinham nascido nos trópicos. Agora que estamos na hipocrisia da modernidade, tentam esconder o que era prática no Ultramar Colonial. Este estigma voltou, depois da descolonização, e muitos portugueses não estavam à vontade para confessar a sua origem angolana. Olha! Aquele fala à preto, cuidado!

:::::

Daí vêm todos os mitos em torno da “Nação” portuguesa. As coisas mudam e a percepção da Angola independente, mudou muito nos últimos anos. Lá passou a haver também pretos de primeira e de segunda só que não querem que isto se saiba ser assim tão cruamente. Os termos da preocupação com a etnogénese podia e pode ser muito bem motivada com a preocupação na degenerescência racial, da “eugenia positiva”, mas isto, nunca passaram dum tal mito de que África dos trópicos de Capricórnio.

cazumbi0.jpg Ficaremos certos de que nas nossas veias, circula um caldo de culturas e de povos, no qual certamente se encontra o africano. Naquele então estes conceitos de eugenia corrompiam os pensadores sociólogos do Mundo e portugueses albinos que faziam dos t´chinderes dos trópicos gente mameluca. Será muita ousadia mas, apetece-me dizer ao Mundo de que quando eu morrer quero levar comigo um computador com internet e uma grafonola para espairecer periclitãncias.

:::::

Por isso, quero agora mesmo, é adquirir uma grafonola, daquelas que tem um cachorro ouvindo no orelhão a musica do tempo, um tempo do qual eu não sei a verdadeira medida nem se, se mede com um relógio, um quartilho de emoções ou um suspiro de sonho, porque julgo que tudo é falso, que somos uma ilusão e, que o tempo nada mais é que uma moldura para nela tudo encerrarmos o que é estranho.

cazumbioo.jpg Pois, quero ficar ligado a um canal de música as 24 horas do dia com toque espacial das doze badaladas da meia-noite. A eternidade nunca nos dá a possibilidade de ser escolhida em vida e, são sempre os outros que gozam esse privilégio, nosso próprio responso e, sinceramente, eu acho mal! Dito assim, as palavras são tão certas e únicas que ninguém sente meus passos rebeldes a dançar verdades.

:::::

Ontem consultei um professor kimbanda, preto de segunda a tentar sortes aqui no M´Puto. Chama-se Professor Facoli e, como espetou no pára bisas do meu carro um papel verde, tive de sentir a sensação do encontro entre um branco de segunda e um preto de segunda. E, porque estávamos numa segunda-feira, este grande espiritualista, cientista, descendente de uma antiga raça albina, tinha poderes para alterar meu estado! Agora ando atestando sua magia negra de astrólogo genuinamente genérico.

cazumbi01.jpg Os lugares que carrego comigo também se riem dos silêncios do meu pensar ondulando-se em meu aprumo ou capricho e, é neste então que reparo nos brilhos vermelhos do mar quase calado, no azul do céu misturando-se na água em tons vermelhos fazendo pazes, capitulando-se na frente de minha alegria.

:::::

É neste preciso momento que as n´nhufas das kúkias (os medos do sol poente) se marimbam nas cagufas do mundo e nas cerimónias em que todos mandam pró céu cunhas ao santo António ou mesmo ao são Pedro com regras e protocolo. Talvez este chá Caxinde com ervas de funcho receitado pelo astrólogo de segunda funcione na plenitude, mas ando desconfiado que é mesmo um aldrabão de primeira! Um preto de segunda a enganar um gweta de segunda…Aonde já se viu nestes dias tão áureos de Cristiano Ronaldo com pés de ouro que, diga-se em abono da verdade também tem sangue preto na veia.

cazumbi5.jpg Queria acreditar que sim! Porque um desejo uterino é para ser devidamente respeitado nos conformes da decência do malembelembe (devagar, devagarinho) compassado do caminho de todos os dias. Caxinde, oié! Vadio-me assim na sabedoria cristalizada em comprimidos que tomo matinalmente para segurar a pressão acompanhados com uns quantos goles de xá caxinde, erva-cidreira, de príncipe ou ainda capim santo; um monte de noms para uma só planta do mato.

:::::

Prendendo meus malefícios à pele enrugada e, pelo lado de dentro, dissolvo as ureias, o colesterol, os triglicéridos e os aminoácidos com água tónica e gim de cinco estrelas que fazem sair mazelas às postas pela sola dos pés. Com borbotos floridos de ácido úrico lá vou aguentando de pé firme minhas mazelas jurássicas, assassinadas no desprezo caligrafado em olhinhos amarelados; deve ser desta iguaria de camarão vindo das Maldivas, lá do sítio aonde as próprias águas  se banham no emporcalhado canal de bactérias e outras malazengas humanoides…

cazumbi1.jpeg Minhas condecorações são minoradas com o flúor e o iodo, deitando a perder minhas vulgares salmonelas, minhas cicatrizes que se bangulam átoa (que me gozam) nas terras  marafadas do Sul do m´puto. Se milagres desejais, recorrei a Santo António; Vereis fugir o demónio e as tentações infernais. Este kimbanda chamado de Facoli assim na segunda visão, bem que me parece um trapaceiro corriqueiro. Veio de áfrica pra gozar com os ex-bancos de segunda; filho de uma mãe parda! Repitam agora comigo a oração chave: Recupere-se o perdido... Pela sua intercessão… Foge a peste, o erro, a morte… O fraco torna-se forte E torna-se o enfermo são… Não deixe de usar seu cadeado verde!

O soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 05:30
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 17 de Junho de 2018
MALAMBA . CCVI

TEMPO DE CINZAS. 17.06.2018

-Ser cleptomaníaco é ter a doença de fanar aquilo que não é seu, um jeito de gamar. A tecnologia do blockchain* é uma promessa de solução para todos os problemas ao criar o que se chama de “interventor de valor”.

MALAMBA: É a palavra.

Por

soba0.jpeg T´Chingange

A tecnologia mais impactante desta geração já chegou. Não se trata de uma inovação de big data ou inteligência artificial, robótica ou de armazenamento em nuvem. É isto, o blockchain ou tecnologia com moedas digitais, como o bitcoin. Este avanço tem o potencial de se transformar no modo de como se lida não só com o dinheiro e negócios mas e, também com o governo e a própria sociedade como um todo.

:::::

A tecnologia do blockchain é uma promessa de solução para todos os problemas ao criar o que se chama de “interventor de valor”. Esta rede via internet é construída para transmitir e armazenar informações de NÃO VALORES (coisas)! O Facebook e outras redes de suporte motor na comunicação hodierna, pouco fazem para se mudar a maneira em como lidamos com o dinheiro, e de como fazemos um negócio.

bitcoin1.png Estas vias de comunicação, entre outros mais, usam seus servidores (nós-NODOS) por forma a poderem piratear com facilidade seus usuários. Estes motores de busca tais como o Sapo, Twiter, Facebook, Digg, Google, Windows, Bebo, MySpace entre outros, têm nesta prática, a maneira airosamente suave de cobrarem por nossos serviços; são intermediários que nos cobram este grande valor que lhes concedemos segundo regras deles.

:::::

Falo por mim que tenho sido invadido em minha privacidade sem que me dêem no mínimo, garantias de estabilidade e stresse! O modelo de negócio do Google e os outros mencionados, é encurralar-nos como porcos em pocilga, controlarem-nos com seus padrões de interesse, colectarem nossos trabalhos de busca, pesquisa de informação, nossas estórias, mussendos, mokandas, missossos e coisas cabeludas para depois revendê-las. Eu tenho noção disto mas, porque sou cusca, deixo correr a película da vida…

araujo30.jpg Visto isto, a economia mundial cresce sim mas, muito pouca gente se beneficia disto! Nossos paradigmas estão por força destes controla eliminando dores fanáticas, paulatinamente, sendo alterados. A chegada deste blockchain a estes empreendedores, será da maior importância pois que eliminando intermediários aí sim, se criará uma verdadeira economia de compartilhamento sem os mega sabichões de SALGADOS E COMPANHIA que nos levam os pecúlios em falsos investimentos. Também ando a tentar fanatizar-me com esse tal de dinheiro virtual.

:::::

Isso! O dinheiro invisível; para que não seja necessário manuseá-lo atascado de vírus e fungos que as notas-porcas, nojentas, transferem para mim, para todos, sem que se dê conta! Quero assim saber tudo sobre os bitcoins para não andar vai-não-vai, com a garganta, os olhos, os ouvidos e a pele numa irritante coceira. Ele, são vírus, bactérias e fungos nas estirpes mais medonhas. De mão-em-mão transportam a gripe, a enxaqueca, a rinite, as pintalgadelas carunchosas e as unhas encortiçadas com fungos dinossáuricos emporcalhados.

bitcoin2.jpg Usar dinheiro papel-moeda é a coisa mais nojenta que temos. É tempo de passarmos a outras vias de não lidar com a máquina da doença deste papel nauseabundo que nos leva aos tempos carunchosos e medievais. Estou farto de alimentar esta indústria da doença com impinges, flor-do-congo, o lupo, as bitacaia e minhocas perniciosas, a filária, os bichos barrizinhos brancos que penetram na vida trazendo a caspa e a morte!

:::::

Pópilas! Coisas a nos percorrer, como se em vida, já fossemos coisa morrida. Pois está explicada a minha contravolta fanática nesta urgente mudança da vil moeda-papel. Bem! Tanto quanto sei o fanatismo é uma doença da mente que se transmite da mesma forma como a Varíola. E, assim pela ânsia exacerbada para alguns preconizo que a mudança deste paradigma mude nossas vidas sem a necessidade de a todo o momento correr ao médico, à farmácia aos corvos da nossa sociedade complicadíssima.

bitcoin5.png Em verdade, é um contágio mais propenso a afectar rebanhos ou manadas do que a eremitas. Agora que já ando tão cheio de mazelas, por via do dinheiro-papel de dar cobiça a tantos fanáticos propensos a enricar, quero efectivamente enveredar pelo anti calote, antidoto à praga de ladrões; usar nova ampulheta do tempo que a todos regule com estes tais de bitcoins.

:::::

Quero assim, distinguir-me desta vidinha de vulgaridade, olhar com quantus a fantástica evolução para manipular as saudáveis regras da vida. Deixar de tossir malezas novas como o ébola, a catinga do deus-me-livre e o câncer, coisa ruim. Por circunstâncias que nem os governos querem controlar, é tempo de extinguir este velho e nojento estilo de vida sem dinheiro de passa-pulga e cacareja a galinha… Este estado do mais-ou-menos - juro que já não me agrada!

araujo160.jpg *Bitcoin é uma criptomoeda descentralizada, constituindo um sistema económico alternativo. Inicialmente apresentada em 2008 na lista de discussão The Cryptography Mailing por um programador ou grupo... (Wikipédia) - É considerada a primeira moeda digital mundial descentralizada, e responsável pelo ressurgimento do sistema bancário livre. Permite transacções financeiras sem intermediários, mas verificadas por todos usuários (nodos) da rede, que são gravadas em um banco de dados distribuídos, chamado de blockchain. Ando a consultar a teoria da incerteza para me meter a fundo no BLOCKCHAIN…

 O Soba T´Chingange  



PUBLICADO POR kimbolagoa às 10:52
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sexta-feira, 15 de Junho de 2018
A CHUVA E O BOM TEMPO . LXXXVII

O COLONO – 2ª de 2 Partes

Para os MWANGOLÉS, todos os que saem fora da “caixinha” do MPLA, pertencem ao “Reino do Mal”...

kimbo 0.jpgAs escolhas de T´Chingange

canhot1.jpg António José Canhoto...  Um polémico cronista saído da Luua, que tem o diabo à perna...

… Mão-de-obra negra, quase que escrava para enriquecer... A forma comportamental desse tipo de “colono”, nada tinha a ver com todos aqueles que para Angola debandaram ou nasceram depois dos anos 50 com uma mentalidade aberta e diferente iniciando a construção de uma sociedade moderna e multirracial a qual se reflectia em todos os aspectos da comunidade. Se um empresário negro português tivesse emigrado para Angola, montasse uma empresa e tivesse empregados negros seria considerado um “colono”?

colono3.jpg Sinto-me no dever e direito de desmontar e desmistificar esta falsa questão do “colono” que não pode ser vista interpretada, generalizada com o epiteto de que COLONO BRANCO é RACISTA e EXPLORADOR. “Colonos” e colonizadores foram todos os países que nos séculos XV e XVI descobriram á volta do globo terreste novos territórios habitados por índios nas Américas, indígenas em África e aborígenes na Austrália, num estágio primário civilizacional com perto de 500 anos.

:::

Com um atraso tecnológico em relação aos europeus, que no entender destes descobridores precisavam não só de ser roubados, explorados, assimilados, cristianizados e infectados com todas as doenças que estes para lá exportaram. Diogo Cão chegou á foz do Zaire em 1483 sendo a partir desta data que se inicia a conquista pelos portugueses desta região de África a qual era constituída por vários reis e reinos étnica e linguisticamente diferentes que se guerreavam pelo expansionismo regional.

canmionista 1.jpg O primeiro passo pelo Reino de Portugal foi estabelecer uma aliança com o Reino do Congo, que dominava toda a região. A sul deste reino existiam dois outros, o do Reino de N´Dongo e o de Matamba, os quais não tardam a fundir-se, para dar origem ao Reino de Angola em 1559.

:::

As fronteiras de Angola só são definidas em finais do século XIX, sendo a sua extensão muitíssimo maior do que a do território dos Ambundo, a cuja língua o termo Angola anda associado. A Rainha Ginga seu nome Dona Ana se Sousa “N´gGola”, seu titulo real em quimbundo foi o nome utilizado pelos portugueses para denominar a região conhecida hoje por Angola.

boer carro1.jpg Para além de ser considerada a primeira nacionalista de Angola, na minha opinião também foi a sua primeira grande colonizadora e eu explico porquê? Esta rainha guerreira que morreu aos 80 anos durante o seu reinado anexou outros reinos e territórios, submeteu e escravizou os seus habitantes vendendo-os aos portugueses que os levavam para o Brasil tornando-se cúmplice no esclavagismo, bem como os utilizava como escravos trabalhadores nos territórios que controlava.

:::

"N´Zinga" formou uma aliança com o povo Jaga, desposando o seu chefe. Subsequentemente conquistou o reino de Matamba e em 1635 coligou-se com os reinos do Congo, Kassange, Dembos e Kissama. Este pequeno intróito sobe a Rainha Ginga tem apenas e unicamente a finalidade de demonstrar que o processo colonizativo sempre existiu em todos os continentes.

araujo173.jpg Acontecia, quando as tribos ou etnias mais fortes e apetrechadamente melhor armadas dominavam as mais fracas fora dos seus territórios submetendo-as com o objectivo expansionista, esclavagista, para sacrifícios religiosos ou para se apropriarem das suas riquezas, concubinas gado, e ou rebanhos.

:::

Os portugueses não foram certamente santos pelos territórios que descobriram e colonizaram, mas também não foram totalmente pecadores na miscigenação que desenvolveram e cultivaram com os autóctones. Não confundamos ou associemos a palavra “colono” apenas com a cor branca e muito menos só com nacionalidade portuguesa.

António José Canhoto - 13-12-2016



PUBLICADO POR kimbolagoa às 10:18
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Segunda-feira, 11 de Junho de 2018
A CHUVA E O BOM TEMPO . LXXXVI

O COLONO – 1ª de 2 Partes

Para os MWANGOLÉS, todos os que saem fora da “caixinha” do MPLA, pertencem ao “Reino do Mal”...

kimbo 0.jpg:::::As escolhas de T´Chingange

Porcanhot1.jpg António José Canhoto...  Um polémico cronista saído da Luua, que tem o diabo à perna...

A definição de “colono” para alguns brancos residentes em Angola afectos directa ou indirectamente ao partido que governa este país desde 1975, bem para como para muitos negros da velha guarda o termo “colono”, tem sempre cor branca e, a finalidade de como objectivo é especificamente explorar negros. Nada podia estar mais errado nesta forma generalista e radical de definir a palavra “colono” seja o visado de que raça étnica, como um explorador oportunista de negros, índios ou aborígenes.

camionista1.jpg Filologicamente o vocábulo “colono” pode ser definido como a um individuo que faz parte de uma colónia, que emigra do seu país de origem para uma terra estrangeira além-mar, ou que pode ser no mesmo continente e de um país vizinho para a povoar, cultivar por conta própria ou de outrem independentemente da raça do seu proprietário e se este nasceu ou imigrou para o território.

:::

Este acto migratório pode ter duas vertentes a primeira é quando um outro país exerce o controlo ou a autoridade sobre um território ocupado e administrado por um grupo de indivíduos com poder militar, ou por representantes do governo de um país ao qual esse território não pertence e contra a vontade dos seus habitantes quando o país é colonizado que, muitas vezes, são desapossados de parte dos seus bens (como terra arável ou de pastagem) e de eventuais direitos tribais, culturais e ancestrais que detinham.

cinzas8.jpg Na segunda vertente emigram a pedido do governo do país ou de empresas privadas que pela falta de conhecimento tecnológico dos naturais se vêem obrigados a procurar mão-de-obra especializada no estrangeiro, para suprir as suas deficiências naturais.

:::

Para uma certa classe de portugueses e angolanos brancos e negros enfeudados ao partido do governo a sua atitude maniqueísta é a de que todos que saem fora da “caixinha” do MPLA, pertencem ao “Reino do Mal” das sombras e da subversão politica, e os que afinam pelo diapasão governamental vivem no “Reino da Luz do bem da razão, da paz e da tranquilidade.

dia23.jpg Na minha opinião se estes reaccionários brancos e demais mwangolés, cuja forma de pensar ficou parada na idade da pedra lascada, pretendem continuar a usar o termo “colono” indiscriminadamente para ofenderem todos os portugueses que viveram em Angola até 1975 ou que para lá emigraram depois desta data, aconselho-os a olharem retrospectivamente para o seu passado e de seus pais ou avós antes de 1975 antes de atirarem a primeira pedra.

:::

Muito ingenuamente, pensei que o termo “colono” estivesse a cair em desuso, mas vejo que continua bem vivo nas bocas de alguns energúmenos brancos quando comentam alguns dos meus textos sobre Angola. Não podemos enganar a história nem nos desresponsabilizarmos do mal e injustiças que cometemos, mas também nos devemos orgulhar das coisas boas que fizemos e que lá deixamos intactas. Fomos certamente “colonos” durante os séculos que se seguiram à descoberta desse território o qual ainda nem nome tinha.

selo11.jpg Muitos milhares de portugueses emigraram para Angola na procura de melhores condições de vida com a finalidade de trabalharem para empresários de várias nacionalidades incluindo negros e governo! Será que ainda continuam a ser tratados como “colonos”?

:::

Acredito que até finais do século XIX e princípios do século XX muitos dos portugueses que emigraram para as nossas antigas províncias ultramarinas o fizeram na qualidade de verdadeiros “colonos” aproveitando-se da exploração desumana e da mão-de-obra negra quase que escrava para enriquecerem.

(Continua…)

António José Canhoto - 13-12-2016



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:59
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 10 de Junho de 2018
MOKANDA DO SOBA . CXLIII

ANGOLA DA LUUA XLIII - TEMPOS PARA ESQUECER - 10.06.2018

“A guerra, que matou e estropiou tantos, alimentou um punhado de pessoas, que se tornaram insultuosamente ricas e prepotentes” – Nós e os mwangolés…

Por

soba0.jpeg T´Chingange - No M´Puto

fuga1.jpg «Muitos dos “libertadores” sonhavam com a casa, o carro, os privilégios e as posições dos colonos. Conquistaram-nas e tornaram-se piores do que estes. Desculpar-se-ão com a guerra do TUNDAMUNJILA formando esquemas para transgredir os limites da legalidade. Uns quantos, continuam a roubar o país quarenta e três anos depois, enquanto o povo olhando as velhas fotos amarelecidas, passam-nas em sua máquina de pensar. Já desbotadas, tombam com elas, a vontade de querer, definhando-se desmilinguidos em camadas de pó de sonho.

:::::

Na Luua, de Kalash na mão, a lei e a ordem, a justiça eram coisas transgredidas, inexistentes ou mesmo anedóticas pela pior das negativas…Estávamos na segunda metade do ano da desgraça de 1975 - Vai haver maka, porrada mesmo! E era virar a arma para o ar e despejar cunhetes átoa; balas oferecidas pelas nossas gloriosas forças - NT do M´Puto. O medo controlava a população desorientada, assustada como um kissonde pisoteado com o apoio e fervor revolucionariamente denso do MFA - O povo unido jamais será vencido!

fuga3.jpg Generais de aviário do MFA, alinhando em esquemas maquiavélicos proporcionavam os meios, geriam as tácticas e logística e, até contratando gente da informação, mercenários da comunicação social para fazer entrega de tudo e de todos ao MPLA… As feras eram largadas das jaulas com a lei 7 barra 74 para nos massacrar, roer até o tutano! Esses cabrões dos colonos vão ver como elas cantam; eram as falas dos guedelhudos magalas besugos chegados à Luua. Dos episódios esquecidos ainda recordamos dizermos uns aos outros: -E, vamos fazer o quê para o M´Puto?

:::::

Haveria que juntar pecúlios num caixote para levar a um qualquer sítio longe dali; não se sabia bem ao certo para onde e como mas, durante dias e durante noites só se ouvia o barulho do martelo furando taipais do baú-caixão para guardar a saudade, a foto do cachorro, do louro, da vizinha quando da pesca lá na barra do Kwanza, no Lifune ou Panguila. Foram tempos de se fazer caixotes, uma empreitada, percurso da tumba via kalunga ou pelos ares, peidando ou bufando desesperos na ponte LuuaLix que ninguém queria ouvir.

fuga6.jpg Num tempo em que ninguém media consequências, a moralidade em Angola e na Cidade de Luanda-Luua, era uma batata apodrecida. O ambiente era de se cortar à faca-catana escaldante na insegurança generalizada no presente do indicativo, tornando o gerúndio numa incerta loucura de futuro. O amanhã transtornava a sociedade numa ginasticada ideia de sem se saber como iria ser a fuga. Os locais mais concorridos eram o Aeroporto de Belas e o Porto de Luanda. Destino: Um qualquer seja aonde for!

:::::

Naquele tempo surgiram do nada, muitos rambos com fitas de cunhetes a tiracolo passeando desaforo e medo na companhia daqueles magalas, oficiais alferes, praças e salvo-seja nossos irmãos que diziam com frequência: Vocês colonos, vão-se foder! E, foi… Aconteceu! A cidade suja, pegajosa e desnorteada, cheirava a cansaço, a suor, a medo e coisas mortas esfrangalhadas pelos cães vadios. Naqueles dias de catinga ouvia-se noite note fora os martelos encerrando vidas, encafifando pertences e recordações. Também se ouviam rajadas lá para cima, mais ao lado e na outra banda das barrocas, no Caputo e Sambizanga.

fuga9.jpg Não! Não havia naquela terra de N´Gola, mais lugar para os Tugas e assimilados a estes! Não venham agora com tretas e esquecimentos! Se antes era perigoso ser preto, agora era muito perigoso ser-se branco. Dia para dia, viam-se menos caras conhecidas; médicos, engenheiros, padeiros, contínuos, bancários davam o fora de um momento para o outro – não queriam ficar para assistir aos dez e onze de Novembro. Para trás iam ficando cidades fantasmas aonde só o vento uivava com alguns cães deixados ao abandono.

fuga4.jpg A poeira fétida esvoaçava nos bairros. Por lá ficavam casas habitáveis e com recheio, carros, camiões entre a tralha dos jardins, cinemas, lojas, armazéns, restaurantes; edifícios intactos como se uma epidemia tivesse ceifado a vida. Viaturas prontas a andar deixadas ali ao acaso, famílias inteiras aventurando-se em uma odisseia de centenas ou milhares de quilómetros, correndo iscos, andando à sorte fintando cadáveres amontoados nas bermas das estradas, das picadas. Com cheiro de virar tripas afastavam-se vendo fazendas abandonadas, gado perdido e gente andando para sul, para leste, rumo desconhecido

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 07:28
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Segunda-feira, 4 de Junho de 2018
MALAMBA . CCV

TEMPO DE CINZAS ANTIGAS. 04.06.2018

-Ser cleptomaníaco é ter a doença de fanar aquilo que não é seu, um jeito de gamar; A nomenclatura  do M´Puto faz isto com tecnicidade de gula, e nós nada! …

MALAMBA: É a palavra.

Por

soba0.jpeg T´Chingange - Em Coimbra

Estamos a 4 de Junho de 2018, o dia em que nasci lá para trás num tempo de há 73 anos. Não digo o sítio verdadeiro porque sou mazombo e a estória quer que se perdure a ideia de que nasci a bordo do vapor Niassa. Minha vida de tropeço em cavandela foi adicionando dias até que fizeram de mim um Camões. Estudei na Escola João das Regras da Maianga da Luua; andei no Colégio Moderno em frente ao café Bracarense mesmo ao lado do Sinaleiro da Maianga e na 4ª classe andei na Escola de Aplicação e Ensaios no Largo D. Afonso Henriques próximo do Teatro Nacional e tendo em frente o Sindicato dos Metalúrgicos de Angola.

:::::

Assim crescendo na perspectiva de ser um Niassalês sigo minha vida normal estudando na Escola Oliveira Salazar da Luua que entretanto passou para Escola Industrial de Luanda. Trabalhei como brigadeiro nos Caminhos de Ferro da Luua desenhando quilómetros de perfis na Brigada de Caminhos de Ferro do Norte.  Querendo subir na vida tiro o Curso de Topografia e Agrimensura na Escola dos Serviços Geográficos e Cadastrais no Largo Bressane Leite aonde tinha funcionado a primeira Escola Industrial…

toledo8.jpg Como topógrafo sou colocado na Cidade de Robert Williams, mais conhecida por Caála e o Abril de 1975 apanha-me ali passando Demarcações Provisórias de terras que afinal nem eram nossas. Só vim a saber isto ao certo, quando da guerra do tundamunjila tudo entrou em alvoroço e era muito perigoso ser-se branco!  Fizeram uma ponte aérea e recambiaram-me para o M´Puto com um voo grátis só de ida! Depois assisti de longe, lá no M´Puto entre o esbracejar dum tal de Vasco Gonçalves que o barco Niassa traria o último nosso património, a bandeira das quinas verde e vermelha com uma esfera e castelos em amarelo.

::::: 

Dei voltas pelo mundo com um imbondeiro de Angola às costas e já convencido das inverdades, tomando o calor na lareira do Alentejo, uma terra perto de Panoias, fico conhecedor de outras estórias; de gente que nunca andou por essas enviesadas picadas do Mundo. E, é assim que surge a verídica vida dum senhor que nem conheci de nome Manuel Fonseca -um senhor que tinha a doença de roubar.

soba03.jpg Manuel Faneca nasceu com essa doença de cleptomaníaco, isso de não resistir à tentação de roubar as coisas dos outros, de fanar aquilo que não é seu, um jeito de gamar com gula de mais-valia p´ra ficar o rei do pedaço, o maior, talvez, sei lá! Há muita gente assim que nem desculpa tem por ser doente a propósito e porque lhe convêm, é ladrão mesmo! Faneca, regenerou-se após uns dez anos de cadeia aos soluços e num vai e vem periódico na ramona da Guarda Nacional Republicana.

:::::

Ele, efectivamente tem essa doença mas, de vontade própria, forjou uma maneira de se enganar; fora de horas mandava seu chapéu de feltro para dentro do quintal do vizinho ou alheio e depois saltava o dito cujo, para subtrair o seu próprio pertence. Chico Torrica é uma outra típica figura duma outra pequena vila alentejana; ainda jovem namorou uma catraia bonita de encantos de pasmar rouxinóis mas, sendo ele lavrador dum monte, ficou surpreso quando Felismina sua deusa, num repentino fim-de-semana foi vista a passear bamboleando-se com um brasileiro carioca.

tonito9.jpg Esse carioca, um emigrante bem-sucedido era muito cheio de graveto. Felismina não resistiu à lábia escorregadia do linguajar do bonitão, vestido de popelinas e sapatos brancos mais o seu chevrollet descapotável, rabo de peixe de reluzentes cromados e um verde de constante tentação. Tudo isso relampejou na cabecinha loira de Felismina. Isto não caiu bem a Chico Torrica que de encucamento soluçado e repetido, resultou em uma depressão sem tamanho que nada tinha de platónico. Esta situação perdurou por algum tempo vindo a piorar quando já muito mais tarde lhe mostraram uma foto de sua perdida amada remetida de Cuiabá do pantanal brasileiro.

::::::

A foto mostrava Felismina escanchada em um alazão, algures numa cordilheira de Poconé e, tocando um corno retorcido a que ali chamam de berrante. Isto, na santa terrinha da falsa estepe foi motivo de troça ao já consumido Torrica; por via das falas indicarem que aquele corno de chamar boi tresmalhado era seu maldito chavelho. Esta dolorosa pedrada na já débil cabeça de Torrica deu em o enlouquecer de vez.

tonito10.jpg Torrica deu em maluco, passado dos carretos como dizia a canalhada, pivetes sem sensibilidade para tal dor de chifre e assim, quando lhe dava na veneta desviava as pedras dos caminhos durante a noite e, não raras vezes ia ao monte, igreja de Nossa Senhora da Assunção e retirava lá de dentro todos os santos nos vários altares. Dizia ele que era para apanharem ar.

:::::

Dispunha os santos em círculo e, ao relento sereno de Agosto, fazia-lhes grandes, eloquentes e entorpecentes discursos, bem à sua maneira. Eram o Santo António, Nossa Senhora da Assunção, Nossa senhora do Ó e do Parto mais o São Jorge de que tanto gostava! – Mas que jeito, estarem vosmecês sempre fechados! Gostam de ser coitados como eu? Passam ali meses e anos sem verem a luz do dia, sem ar nem nada e tudo-o-mais! … Dizia ele, Torrica sozinhado consigo, falando prás sombras escuras da noite.

tonito11.jpg Torrica assim ficou para todo o sempre virgem na sua solteiríssima pureza de mente descalabriada. Conta-se que por muitas vezes o tentaram internar no Júlio de Matos mas, desistiram porque sempre conseguia esgueirar-se regressando à sua linda terrinha cheia de branco com barras azuis. Numa dessas vezes disse para quem quis ouvir: - Pois, … aquilo lá naquele hospital é tudo doido varrido! …

:::::

Vejam só que me mandaram tirar água dum poço com um cesto igual a este; disse isto apontando seu cesto de vime que acartava no outro braço, feito de vime entrelaçado e, logicamente muito cheio de buracos naturais de seu cabaz de levar pasto de palha seca a sua égua. Aonde já se viu tal coisa? Retorquía ele esgueirando-se num inocente riso trocista de sublimada lucidez. Isto do sublimado, digo eu, mas em verdade sua estória metia dó. Bom! A minha tal como a de tantos outros também deveria meter mas, o Mundo anda por demais esquecido. Nem nunca nos vão ressarcir. Ele, …há coisas! …

O Soba T´Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 12:03
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sábado, 2 de Junho de 2018
A CHUVA E O BOM TEMPO . LXXXV

DESCOLONIZAÇÃO DO IMPÉRIO  DO M´PUTO . SINTESE – II

DESCOLONIZAÇÃO - (Continuação)

kimbo 0.jpg As escolhas de T´Chingange

Porcanhot1.jpg António José Canhoto...  Um polémico cronista saído da Luua, que tem o diabo à perna...

Quando escrevi o texto (Síntese.I) sobre o titulo em epigrafe escalpelizando o papel de Mário Soares no processo de descolonização não pretendi ilibar todos aqueles que no palco deram a cara, mas sim acusar todos aqueles que permaneceram por detrás da cortina puxando os cordelinhos ou fazendo o papel de “PONTO” que é aquele que escondido num alçapão do palco lembra aos artistas as suas falas e deixas do texto ou guião da peça.

:::

No caso da descolonização a peça deveria ter tido pelo menos 3 actos, mas infelizmente tudo se resumiu a um só, tendo os artistas sofrido uma enorme pateada e insultos vendo-se obrigados a abandonar o teatro pela porta do cavalo tendo sido ao longo de 40 anos vituperados pelo seu catastrófico desempenho. Não me compete a mim escrever a história sobre essa mancha negra que ensombra o período politico que Portugal atravessou entre 1974 e 1975, contudo quem já o fez de forma isenta foi-lhe fácil encontrar os responsáveis.

vasco gonç.0.jpg Quando iniciei a feitura do texto, já pressentia que iria abrir uma “Caixa de Pandora” e muita gente se iria atirar a mim como gato a bofe. Surpreendentemente o texto foi bem aceite pela grande maioria, mas houve pessoas que o descontextualizaram sem terem tido a capacidade de separar a missão politica de que Mário Soares foi incumbido de realizar atribuindo a este senhor todos os problemas pessoais que afectaram os “colonos” na sua generalidade.

:::

A minha crónica foi feita depois de muita reflexão e pesquiza e para quem não saiba o processo de descolonização foi desenhado pelo ideólogo do grupo dos 9 o major Melo Antunes que foi a eminência parda marxista do Movimento das Forças Armadas (MFA). Óbvio que a grande maioria dos retornados teve de encontrar alguém para descarregar as suas frustrações e Mário Soares foi o homem escolhido como ministro dos negócios estrangeiros do governo provisório bem como António de Almeida Santos ministro da Coordenação interterritorial, para darem a cara como forcados e pegarem os 2 touros mais perigosos de nome Angola e Moçambique.

spi0.jpg Em consequência de os touros terem sido mal lidados e estarem ainda cheios de energia ambas as pegas falharam e os touros desembolados ficaram incontroláveis. Os pegadores viram-se forçados a arcar com todas as responsabilidades de uma “corrida” programada em cima do joelho e a martelo sem acautelar a integridade física dos aficionados. Em 22 de Fevereiro de 1974 O general António de Spínola publica o livro "Portugal e o Futuro" pouco mais de um mês depois de ter sido empossado como vice-chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas.

:::

As páginas do livro abriram um fosso de incompatibilidade com o primeiro ministro da altura Marcelo Caetano que afirmou tratar-se de um verdadeiro "manifesto de oposição" ao regime e de um golpe militar anunciado o que efectivamente veio a acontecer semanas depois. Na sequência da publicação do "Portugal e o Futuro", e perante a recusa dos generais Francisco da Costa Gomes e António de Spínola, os dois principais chefes militares do país em prestar vassalagem a Marcelo Caetano, tanto Spínola como Costa Gomes são demitidos a 14 de Março.

soares1.jpg A 25 de Abril de 1974 os capitães do Movimento das Forças Armadas levam a cabo o golpe militar que liquidou o regime do Estado Novo tendo escolhido uma Junta de Salvação Nacional para preparar a transição do país para um regime democrático. Na madrugada de 26 de Abril de 1974 Spínola é anunciado como chefe da Junta Militar e, a 15 de Maio, toma posse como primeiro Presidente da República do pós-25 de Abril.

:::

A História e o movimento revolucionário avançaram muito rápido para uma esquerda marxista radical contra a qual Mário Soares ferozmente lutou. O livro publicado por Spínola constituía um poderoso repto ao regime do Estado Novo. Basicamente afirmava que as guerras coloniais, que duravam desde 1961, não tinham solução militar, sendo imperativo que a Nação debatesse o problema. Spínola tinha ideias muito concretas de como o processo de descolonização se deveria processar as quais dissecou pormenorizadamente no seu livro.

rev8.jpg Spínola acaba mais tarde por se demitir como Presidente da Republicam quando se sente atraiçoado pelos seus camaradas de armas e pela forma de como o processo revolucionário e de descolonização que tinha sido esquematizado por Melo Antunes o qual o grupo dos 9 pretendia implementar. O traidor não foi Soares, mas sim a Junta Militar e o governo provisória infestado de esquerdistas comunistas, que governaram Portugal a seu belo prazer tendo em Vasco Gonçalves o seu expoente máximo.

:::

A situação só começou a mudar quando a feitura da nova Constituição Portuguesa deu origem às primeiras eleições livres em Portugal, as quais só aconteceram em 25 de Abril de 1975 para a eleição dos deputados para a Assembleia Constituinte. Conforme disse no meu texto (Sintese.I) todo o processo de descolonização foi uma aberração e as consequências do mesmo devastadoras e traumáticas, mas esse não foi o objectivo do meu texto, mas sim desvendar quem puxou os cordelinhos fazendo de Mário Soares e os seus pares os peões de brega, aos quais foi incumbida a triste sina de levar a cabo uma tarefa odiosa que todos sabíamos pelo andar da carruagem que iria acabar mal.

rev7.jpg Os verdadeiros traidores de Portugal não aparecem nas fotos de Argel, Lusaca ou Alvor, por ocasião das assinaturas dos acordos ou tratados de independência. Sejamos honestos e não assaquemos culpas nem manchemos com o labéu de traidores ou ladrões todos aqueles como Almeida Santos, Costa Gomes, Mário Soares e outros que pelas funções governativas que ocupavam ao tempo personificaram a função de carrascos no processo de descolonização.

:::

Todos os países com impérios coloniais Inglaterra, França, Holanda e Bélgica concederam as suas independências no principio dos anos 60 e hoje têm óptimas relações com os países que colonizaram, infelizmente os nossos políticos não tiveram a mesma visão e prolongaram no tempo e no espaço um desfecho que a partir de 15 de Março de 1961 passou a ter os dias contados.

António Canhoto 12-1-2017



PUBLICADO POR kimbolagoa às 19:21
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sexta-feira, 1 de Junho de 2018
MALAMBAS CCIV

NAS FRINCHAS DO TEMPO - 01.06.2018

- Faço os possíveis para ser civilizado o quanto baste.

Por

soba0.jpeg T´Chingange

Coimbra. O dia estava assim-assim meio nublado, muito vento mas, dispus-me a caminhar até ao centro calcorreando minha doutorice pelas pedras gastas da calçada ou asfalto até chegar ao centro da velha urbe perto do panteão e do jardim da manga, restos dos tais Crúcios que por aqui andaram em idos tempos. Vesti minhas calças de ganga cor de indefinido castanho, calcei dois pares de meias, as botas do Kwazulu, vesti minha balalaica de búfalo e de sacola embrulhada dispus-me a seguir até o mercado municipal de Coimbra.

:::::

Passei pela igreja dos Olivais aonde se diz ter estado o Santo António, desci a Celas passando pela petisca de celas, uma tasca aonde um dia me encontrei com o neto de Pedro Muralhas, um antigo administrador em terras ultramarinas e, sempre descendo ao longo do jardim da Sereia chego à Praça da Republica.

coimbra5.jpg O movimento de gente não era muito mas, pude apreciar haver muitos velhotes, maioritariamente mulheres carregadas de luto ou um preto de tristeza, caras muito carregadas de sombrias rugas baloiçando a velhice nos modos de cuidada atenção no pisar de folhas de grandes plátanos e de outras árvores trazidas do império, daqui e dalém mar, das índias ou terras de Vera Cruz.

:::::

Meu destino era comprar favas no Mercado Municipal e, lá chegado comprei mais de três quilos a um euro cada, juntei mais duas beringelas e rodando o olhar pelos chouriços lá acabei por comprar também um caseiro e um outro de sangue muito aproximado à morcela mais dois pedaços de entrecosto. Estava assim e desta forma, a dar satisfação à vontade de comer algo diferente da macaxeira e arroz com feijão tropeiro do nordeste do Brasil.

:::::

Esperando pelo autocarro número sete com destino ao Tovim e Hospitais, pude apreciar as idas e vindas de gente atarefada de sacolas e coisas penduradas. Assim e a tiracolo tinham na mirada um jovem com holofotes de camaleão a fazer triagem do que eventualmente poderia roubar; um cigano tentava vender relógios digitas e perfumes da arábia a preço de uva mijona.

coimbra9.jpg Que ninguém tenha a veleidade de pensar que pode controlar o ciclo da vida, e muito menos sair vencedor das batalhas que com ela temos, desde que somos trazidos ao mundo. Hoje estou aqui por acaso. E, neste agora, um qualquer larápio de rua, pode bem alterar o rumo de nossa vida mas, e também um qualquer agente de compra e venda de jogador de futebol pode alterar a vida d´outro qualquer. Como? Ganhando num esfregar de olhos algo na ordem de três ou quatro milhões e, nós aqui esfolados em tostões…

:::::

Podemos sim, ganhar algumas batalhas no nosso dia, mas até à guerra final, vamos passar por muitas vicissitudes, de sermos usados e vilipendiados dentro ou à margem das leis, sem ninguém ter a preocupação de ferir o próximo sem interrogação ou, ter o cuidado de preservar a vida; vida que sempre a perdemos na hora em que nos finalizamos!

:::::

Rejeitando a teoria do esquecimento, lutarei sempre contra qualquer medo, contrariando muitos com mitos, até adquirir tranquilidade no meu registo de memória e emoções. Convosco tenho compartilhado o passado que não se desvia do meu caminho, os sonhos e metas acreditando ou não em teorias! Compartilho também este agora na terra de doutores e outros senhores.

coimbra2.jpg Estou realmente cansado de políticos e pessoas em geral que não assumem a responsabilidade por acções e atitudes. Em nossas vidas, nunca saberemos quantos milagres vamos precisar… Neste sentido, a humanidade não alcançou, e jamais alcançará uma compreensão total do sentido da existência da nossa espécie, porque a condição humana é um produto da história.

carambola1.jpg Não apenas dos seis milénios de civilização mas muito mais do que isso com dígitos de centenas de milénios antes! Jesus Cristo na escala do Universo passou por nós ontem! Entre o ontem e hoje vão bem mais de dois mil anos. Estou cansado de que me digam para ter "tolerância para com os outros”; faço os possíveis para ser civilizado o quanto baste.

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:52
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quarta-feira, 30 de Maio de 2018
A CHUVA E O BOM TEMPO . LXXXIV

DESCOLONIZAÇÃO DO IMPÉRIO  DO M´PUTO . SINTESE - I

::As escolhas de T´Chingange

Por

canhot1.jpgAntónio José Canhoto...  Um polémico cronista saido da Luua, que tem o diabo à perna...

Todos os portugueses, onde me incluo, que viveram nas ex-colónias portuguesas e que sofreram na pele o processo de descolonização, atribuíram as culpas ao ministro dos negócios estrangeiros da altura Mário Soares que se finou há um ano, para gaudio de muitos dos retornados e para pesar de muitos democratas. Foi Mário Soares pelo cargo que ocupava na altura que carregou e conduziu o referido e complicado dossier do processo de descolonização que ficará como uma das mais tristes nódoas na história de Portugal.

:::

As tendências ideológicas marxistas que o processo revolucionário em Portugal atravessou não auguravam um desfecho feliz para os residentes nas províncias ultramarinas. A pressa era muita e, de modo que Mário Soares foi encarregue de atalhar e encurtar caminhos e forçado a abreviar o calendário das independências para o ano de 1975.

áfrica19.jpg As conversações para esse desiderato começaram de imediato com os líderes dos movimentos independentistas das colónias Portuguesas em Africa, Guiné-Bissau, Moçambique e Angola tendo como interlocutores Luís Cabral, Samora Machel, Agostinho Neto, Holden Roberto e Jonas Savimbi. A independência das colónias portuguesa em África iniciou-se em 1973 com a declaração unilateral da República da Guiné-Bissau pelo PAIGC que foi reconhecida pela comunidade internacional, mas não pela potência colonizadora o que só aconteceu nas negociações de Argel em 25 de agosto de 1974, seguido de Moçambique em Lusaca a 7-9-1974 e do Angola no Alvor a 15-1-1975.

:::

Logo que Angola e Moçambique obtiveram oficialmente as suas independências instauraram um regime de partido político único pró-soviético, enquanto em Portugal, o modelo socialista pós-revolução era progressivamente abandonado, dando lugar a um regime democrático. Só um tolo ou imbecil poderia pensar que seria possível a manutenção de uma guerra colonial em 3 frentes até aos dias de hoje, para assegurarmos a continuidade dos privilégios de alguns em África intemporalmente.

ama3.jpg Os grandes coveiros e responsáveis da repatriação dos mais de 750 mil portugueses naturais e colonos que ao tempo residiam em Moçambique e Angola não foi Mário Soares, mas sim, Salazar e Marcelo Caetano, pois a descolonização das nossas colónias deveria ter sido iniciada nos finais dos anos 50 antes de se ter iniciado o terrorismo em 15 de Março de 1961 em Angola pela UPA, em 24 e 25 do mesmo ano em Setembro pela Frelimo em Moçambique e finalmente em 23 de janeiro de 1963 na Guiné.

:::

Se o processo de descolonização tem sido feito atempadamente de forma ordeira cívica e civilizada assegurando a permanência dos europeus nas colonias, a revolução do 25 de abril de 1974 apenas tinha tido efeitos práticos ou visíveis em Portugal continental. Mário Soares estava manietado e limitado pelas directrizes imanadas pelo Conselho da Revolução e pelo desejo que os militares tinham em baixar as armas o mais depressa possível e abandonar África á sua sorte.

:::

O governo provisório da altura em Portugal estava em conluio com os líderes independentistas uma vez que defendiam a mesma ideologia politica, portanto Mário Soares muito pouco poderia ter feito para alterar o “status quo” dos eventos catastróficos que o processo de descolonização atravessou. Mário Soares foi um intermediário facilitador que seguiu um programa que lhe foi imposto, mas não o ideólogo do mesmo.

dyo2.jpg Eu sei e compreendo que a grande maioria dos retornados atribuem a Mário Soares toda a culpa da descolonização, pois acabou sendo o bode expiatório e o alvo mais fácil para arcar com as culpas devido a sua liderança nas negociações. Do contexto político vivido em Portugal destaca-se a divergência entre o então Presidente da República (PR), António de Spínola, e a Comissão Coordenadora (CC) do MFA em relação ao modelo de descolonização a seguir e que teve repercussões negativas nos processos de negociação e nos posteriores acordos de independência com os movimentos independentistas.

:::

A descolonização portuguesa dos territórios ultramarinos em África constituiu um dos aspectos centrais da política portuguesa após o 25 de Abril, tendo tido consequências sociais profundas em Portugal. Quando Mário Soares entabulou negociações com os líderes nacionalistas de Angola e Moçambique com vista á independência dessas colónias fazia parte como ministro dos negócios estrangeiros de um Governo de Transição empossado pelo MFA sem a legitimidade do povo português, pois ainda não tinham havido eleições gerais em Portugal nem sequer tínhamos uma nova Constituição aprovada que lhe outorgassem a legitimidade para assumir essa decisão histórica particularmente nos moldes em que foi feita.

spi3.jpgMARIO1.jpg Não tenho a veleidade, ousadia ou arrogância de colocar Mário Soares sozinho no banco dos réus, nada me move pessoal ou particularmente contra a sua pessoa, muito embora tenha deixado em África terra onde nasci tudo o que construí com o suor do meu rosto. Tenho a capacidade de separar o trigo do joio e fazer uma análise lucida e racional dos acontecimentos sem cegueiras ou fanatismos e atribuir as responsabilidades históricas a quem de facto as teve 20 anos antes de 1975, bem como no período pós-revolucionário. Se Portugal tem tido líderes com visão estratégica e politica para terem iniciado o processo de descolonização na época adequada teriam preservado a permanência e a continuidade de todos os colonos suas famílias e descendentes nesses territórios.

(Continua…)

António Canhoto 11-01-2017



PUBLICADO POR kimbolagoa às 14:22
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quarta-feira, 23 de Maio de 2018
MOAMBA . XXI

NAS FRINCHAS DO TEMPO . 23.05.2018

O INTERESSE manobra tudo e todos – Ao ser contador de estórias fico dividido entre um postulado e um axioma…

Muamba: É um prato típico de Angola preparado com galinha e dendém mas pode ser também negócio ilícito com venda de contrabando (Brasil) …

Por

soba0.jpeg T´Chingange – No Nordeste brasileiro

Foi na Grécia antiga que se inventou a obra-prima do pensamento humano, um campo de dedução, que segundo uma proposição de sequência a um sistema lógico o quanto baste, na exactidão e na provocação da dúvida. É esta razão humana que autoriza o espírito a ter confiança em si mesmo para qualquer nova arquitectura na forma de construção de uma ideia.

:::::

É despertar aos demais com sua inteligência, sua astucia e poder criativo desfrisar entusiasmo no ser capaz de com um pensamento lógico ou nem tanto, por si mesmo, mostrar uma resposta com alguma realidade. Os poetas, tal como os feitores de assuntos, arrumando suas palavras fazem coincidir o belo com o sonho; a partir do nada desmontam castelos pedra por pedra a partir do topo, implodindo-o ou fazendo uma grande explosão.

roxo150.jpg O destino de cada individuo que se entrega apaixonadamente ao mundo das deias, encavalitando as letras na lógica da semântica, falando de gíria, anexando sufixos e prefixos e até misturando línguas moribundas ou mortas, condena-se a fugir de casa se entra pela política mascarada de democracia.

:::::

Numa condenação sem definitiva ou suficiente salvação ou, simplesmente para sarar as feridas do corpo e mente, vai-se dilatando no tempo, apalpando as intenções de filhos, seus anseios, sua felicidade, a permanência com o varão primogénito, suas indecisões, turbulências e devaneios; um turbilhão de anseios que se misturam com sarcásticas ideias, um maldizer de idiota com adjacências escumbalhadas…

araujo 25.jpg Apalpando as medidas da natureza do Senhor, daquelas alheias ao homem e, porque cada um tem de viver o seu destino procurando os carreiros por onde se levar e, para onde há-de levar suas acções, suas palavras sem certificados ou procurações de intenção e pretensão ruma

-se na imensidão da solidão.

:::::

É assim o que se espera de um contador de estórias ao organizar os factos ou não, de um modo inconsciente e, em função de ideias subjectivas que a sociedade envolvente lhe sugere. Juntar amor e angústias, raivas ou ódios e até boatos com inventação de todo o conhecimento numa triagem da realidade e da experiência.

roxo106.jpg Por isso dizer-se não dar crédito ao que se diz mas, julgue-se isso sim, naquilo que alguém produz! Tal como a abelha produz mel e própolis, o contador de estórias produz lazer, formula opinião, inventa, mente para transmitir algo de sua lavra. Ao se analisar o desenvolvimento de um pensamento sempre surgirá um confronto de várias componentes tais como a razão, o empirismo ou a ficção.

:::::

Até hoje ninguém teve coragem de dizer que o Adão matou o Abel com um pontapé nos tomates! E, todos ficam espantados de se dizer isto desta forma mas, é logico que o matou duma qualquer forma, esta é até a mais plausível! Nesse tempo não havia urólogos para medir a ejaculação precoce, a falta de estímulo, apalpação nas mazelas do saco da próstata! Infelizmente o homem não pode ter tudo no mesmo lote: Tempo, dinheiro e tesão…

araujo92.jpg Quando tem tesão não tem dinheiro - é a juventude; quando tem dinheiro, não tem tempo - pelo trabalho; quando tem tempo e dinheiro já não tem tesão - porque está velho! Todos sabem disto mas, raramente o dizem sem ficarem livres da chacota. Diga-se o que melhor aprouver sem se desprezar alguns conceitos ou principios…

:::::

Principios que se revelam como invenções espontâneas do espírito humano; um simples casualismo, causalismo ou uma outra qualquer razão. Até é possível que isto se possa transformar em uma equação matemática de uma ordem por conhecer, pois que só sei que juntando zero com zeros, zeros dá!... Na lógica tradicional, um axioma ou postulado é uma sentença ou proposição que não é provada ou demonstrada e é considerada como óbvia ou como um consenso inicial necessário para a construção ou aceitação de uma teoria…. ( Estas duas última linhas  são a logica da Wikipédia)

Ilustrações de Assunção Roxo e Costa Araújo

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:26
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 20 de Maio de 2018
MOAMBA . XX

NAS FRINCHAS DO TEMPO . 20.05.2018

O INTERESSE manobra tudo e todos. O rim de Peralta estava para lá de escumbalhado…

 Muamba: É um prato típico de Angola preparado com galinha e dendém mas pode ser também negócio ilícito com venda de contrabando (Brasil) …

Por

soba0.jpeg T´Chingange – No Nordeste brasileiro

Balouçando minha rede para roçar o escasso vento, derreto banhas na forma de gotas que correm costado abaixo. Oiço o bater das ondas e o farfalhar dos coqueiros. O sacana do vento vem tão de mansinho que feito brisa me transtorna o humor. Mas, ouvindo estórias, as quenturas dos 29 graus vão-se dissipando entre conversas de quintal. É assim que surge a estória de Manoel Peralta Barros que teve recentemente seus rins paralisados.

araujo146.jpg Mourejando guerras brabas foi ficando boémio laureado com o figado avariado e os pulmões estragados; muito azar para um só cristão. Sem outra alternativa, Peralta teve de cair numa tremenda horizontal hospitalar… Os médicos que o assistiam de tudo fizeram para tentar recuperá-lo.

miai2.jpg

Submetido a várias sessões de hemodiálise e, o rim que estava para lá de escumbalhado, voltou a funcionar – devagar mas, voltou! Pelo menos um dos seus pulmões foi extraído e, como consequência sua respiração melhorou consideravelmente. Só não teve mesmo jeito, foi o fígado. A pinga derreteu essa importante glândula quase toda, comprometendo as suas funções metabólicas.

:::::

Daí a um mês, Peralta estava nas últimas – abriu os olhos, piscou pró médico e apelou: - Já sei que estou com um pé na cova doutor…Mas, o que é isso Peralta? O doutor esculápio tentou animá-lo – Tó lascado, doutor! Eu só queria que o senhor me fizesse um último favor… Penalizado e emocionado, o médico retorquiu: Pois não, pode dizer.

dy8.jpg - Eu gostaria que o senhor escrevesse na declaração de óbito que morri de AIDS (SIDA). O doutor alarmou-se: - Impossível, Peralta! Eu não posso fazer uma coisa dessas, por uma questão de ética. O seu problema é cirrose braba, com falência múltipla de órgãos como rins, pulmões, vesicula …e, não de SIDA! Não posso mentir.

araujo27.jpg -Pelo amor de Deus, doutor. A um moribundo não se pode negar o último pedido! – Mas, me diga por que você quer que todos pensem que está morrendo de SIDA? E, o Peralta, nos últimos suspiro: - É para nenhum macho se atrever a chegar perto da minha mulher, que aqui para nós, é boa de gostosa!

Crónica escrita em Miai – Coruripe – Brasil a 13.04.2018

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:00
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sábado, 19 de Maio de 2018
MOKANDA DO BRASIL . XI

METÁFORA DA VIDA . NAS CINZAS DO TEMPO – 19.05.2018

Por

soba0.jpeg T´Chingange No Nordeste brasileiro

No Brasil de hoje as perspectivas não são das melhores. São mesmo tristes, considerando o facto da instabilidade política. O brasileiro perdeu a confiança em todos os políticos tornando imprevisível o destino próximo do país. A percepção de falta de confiança na escolha de um novo presidente, abre caminho a neófitos que devido à falta de competência para o cargo, pode daí advir muito dano para o país.

::::: 

As duas maiores vitórias de Fernando Henrique Cardoso, foram a estabilidade económica e a previsibilidade política. Será agora ridículo apostar em um cidadão sem revisar seu curriculum até se chegar à conclusão de ter ficha limpa para exercer o cargo. O êxito da justiça brasileira dos últimos tempos não pode afrouxar mais recorrendo a soluções de entorpecimento d ontem por compadrio com o poder do PT.

brasil1.jpg Lula é o passado que falhou e aqui, têm de se pôr um ponto final e tirarem ilações dos polvos que a promiscuidade corrupta pode originar; Lula é um passado que falhou. O brasil, por ser quase um continente em suas lonjuras, fronteiras demasiado permissivas e por ter muita desigualdade, requer um modelo de governo não populista, talvez do centro- esquerda porque por ora, a social-democracia foi imensamente atingida neste escândalo de corrupção, mensalão e petrolão com lava-jato. 

::::: 

O Mundo está a mudar e tirem-se ilações a partir da opção do Brexit na Inglaterra, da escolha de Emmanuel Macron em França, do surgimento, geringonça em Portugal e da dificuldade de formar governo tanto na Alemanha como em Espanha. Neste momento é a Itália que está em palpos de aranha e até mesmo a escolha de Trump para governar os E.U.A. um perfeito exemplo de populismo de direita. Isto tem seus riscos, porque as pessoas já não aderem por ideologia mas pelas promessas que lhes mudarão a vida no quotidiano.

bra5.jpg Há o grande risco desse populismo, se não for combatido pelo esclarecimento, poder tombar para a esquerda como a gestão de Hugo Chaves e seu sucessor Maduro. Ao Brasil parece-me não ser útil, nem um nem outro. O actual Presidente Michel Temer tem tentado fazer reformas mas, não consegue completar seu trabalho, por não ter legitimidade para o fazer e, de forma mais drástica, já que não foi eleito.  

:::::

É preciso um novo presidente com capital político para fazer as reformas de que o Brasil necessita. Inteirando-me das ideias de um economista e comentarista do Financial Times, Martin Wolf o trabalho é grande e, este, não está certo de que um próximo presidente esteja apto a faze-las: reforma tributária e trabalhista, investir em infraestruturas e criar políticas públicas que aumentem a poupança privada.

bra4.jpg Mas, e também tocar na reforma fiscal, nas aposentadorias e previsão de gastos no futuro. Quando a Martim Wolf se lhe perguntou sobre possíveis candidatos para Outubro, para estranheza minha disse que Bolsonaro, um candidato que se alinha na frente, lhe parece completamente maluco. Quando os adivinhadores apostam nele, este conceituado cronista afirma que este é capaz de levar o país à ruina.

pal01.jpg E, diz que Donald Trump beira a normalidade ao lado de Bolsonaro. Trata-se de alguém que não sabe o que diz e, que parece não ter noção do que significa governar. Esta perspectiva é algo muito trágico e muito triste, pois que representa uma grande perda de potencial para o Brasil que tem recursos abundantes; conclui mesmo dizendo: colossais. Finalmente remata – é uma pena!…

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 11:17
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quarta-feira, 16 de Maio de 2018
CAZUMBI . XLIII

MIAI – CORURIPE DO BRASIL

- COMO SINTO O MUNDO - VII16.05.2018

Grande filho da mãe …

Por

soba15.jpg T´Chingange . No Nordeste Brasileiro

Estivesse eu na Lagoa do M´Puto e seria neste dia 13 convidado pagante ao jantar das Sextas-feiras, o dia das bruxas promovido pelo Professor Herrero com a participação de ilusionistas, mentirosos e outros malabaristas. Decerto iria assistir a coelhos saindo das cartolas de copa alta e pombas brancas de finos lenços de cetim; confettis voando como borboletas por cima de nossas cabeças entre luzes de pirilampos digitais.

:::::

Mas, estando eu em Cururipe, no lugar aonde paparam o primeiro bispo do Brasil com o nome de Sardinha, irei descrever uma passagem ortodoxa de um padre chamado Nildo (Onildo Tenório Vilanova). Prestes a ingressar na aposentadoria, o padre Nildo, velho malcriado e com uma língua afiadíssima, por assim dizer de trapo, licenciou-se da paróquia, quersedizer, saiu de sua função de prior por via da idade.

balba1.jpg O dizer licenciou-se, é no sentido de obter licença para, ao invés do político português chamado de Rangel, um ministro governamental do PSD que se licenciou na cátedra da política depois de tanto bater à porta do poder. Um dia deram-lhe mesmo licença para entrar e assim desta forma simples ficou licenciado. Parece uma coisa cómica mas com pontos e vírgulas de compadrio, lá formataram sua licença à medida de ficar um senhor Ministro.

lampião35.jpg Abandonemos este transbordar de palavras cochas e voltemos ao assunto do padre Nilo, licenciado da paróquia que comandava no agreste pernambucano. A fim de resolver problemas de administração, trâmites relacionados com os seus paroquianos no rol da fé em Cristo, entre outros de seu interesse particular, desceu do velho e poeirento ónibus no antigo terminal rodoviário do Recife que ficava bem no subúrbio.

:::::  

Optou por tomar um táxi para chegar mais rápido à sede da Arquidiocese, aonde se reuniria com o Senhor Arcebispo. No ponto respectivo, padre Nildo, tomou o táxi dizendo ao motorista: - Por favor, leve-me até ao centro da cidade (…). O taxista, um sujeito mal-encarado e fedorento, arrancou com o carro puxando a mil cavalos e, começou a dar voltas e mais voltas, por tudo quanto era de praça e pracinha mais alamedas até estacionar minutos mais tarde na porta da Arquidiocese.

Cicero2.jpg Vai que padre Nildo botou o olho no taxímetro e tomou o maior susto, pelo que protestou: - Mas, isso é um absurdo, meu filho! Esse valor que o taxímetro está marcando é uma exorbitância! Na maior cara de pau o taxista respondeu ao sacerdote: - Olhe seu prior, estou cansado de pagar a vosmicês tudo para a igreja – É baptizado, é casamento, é crisma, é missa do sétimo dia, é funeral mais santinho, quermesse e o escambau, sabe!

:::::

Por isso o Senhor Padre, vai ter que pagar o que deu no taxímetro, visse! Padre Nildo respirou fundo, tirou a mão do bolso da batina preta, retirou uma carteira de notas e separou as cédulas na conta dando ao cara dizendo: - Muito bem meu filho…. Aqui está! O motorista de cara fechada pegou o dinheiro, passou o troco ao religioso e, quando ele descia do veículo, virou-se pró sujeito e disse:

roxo90.jpg Háhh, quando a sua mãe resolver largar aquela vida do garimpo, lá no Bataklan, visse… Pode levá-la à minha paróquia que eu faço o casamento dela de graça, ouviu!? Pude imaginar o padre no átrio da Arquidiocese olhando pró céu, falando com Seu Senhor superior, muxoxando baixinho: Grande filho da Puta!       

Nota: Crónica escrita em Miai a 13.04.2018

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 20:50
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 13 de Maio de 2018
MOKANDA DO SOBA . CXLII

ANGOLA DA LUUA XLII - TEMPOS PARA ESQUECER - 13.05.2018

“A guerra, que matou e estropiou tantos, alimentou um punhado de pessoas, que se tornaram insultuosamente ricas” - Quase morri antes desta guerra em Kaluquembe; acho mesmo que fui para o além durante um pequeno espaço de tempo…

Por

soba15.jpg T´Chingange

Quando no ano de 1974, se deu o 25 de Abril em Portugal, estava eu exercendo as funções de Topógrafo da Câmara Municipal da Caála (Robert Williams); chefiava a Secção de cadastro no referente a terras, urbanismo e obras já licenciadas. Minha mulher que era professora do ensino básico dava aulas no bairro Popular nº 1 confinando com o bairro Madame Bergman, muito próximo da estrada de Catete e confinando com o Bairro do Caputo perto da Terra Nova e Cemitério Novo.

:::::

Ela, Maria Emília dava aulas a 40 crianças dos quais, só duas eram brancas; filhos do merceeiro situado bem perto desta escola com o nº 22. Maria Emília imediatamente a seguir ao 25 de Abril ouvia alguns alunos em surdina, e na forma de muxoxos dizerem coisas desaforadas como: Vamos ficar com a casa da professora- Vamos ficar com o carro da professora, Vai para a tua terra, entre outras frases que ela fazia por não querer ouvir. Era um indício da tempestade que se aproximava. Três meses depois do vinticinco, em Julho de 1974 é destacada para a escola da Caála. Um alivio - a família Monteiro reunia-se de novo.

kafu19.jpg Aquelas crianças dos bairros suburbanos de Luanda eram a propósito instruídas em casa para assustarem seus professores; uma forma de rebeldia independentista curtida no seio de suas famílias; logicamente que seriam os pais senão a induzir os filhos, no mínimo eram conversas escutadas por estes. Fabricavam boatos que desencontravam a vida de todos. Eram já ensaios na preparação do Poder Popular. Maria Emília, já na Caála, contando isto a mim, dava para antever uma grande borrasca lá pela capital. Era o início da Guerra do Tundamunjila…

:::::

Após os primeiros encontros, negociações de cessar-fogo e acordos com os movimentos rebeldes e, já após aceitação da UNITA o professor Liuanhica da Catata, director de um colégio-missão, entra em contacto com vários elementos desta pequena cidade para formar o Comité da UNITA da Caála. Não me vou alongar muito nesta descrição mas, foi assim que fui eleito Secretário de Informação e Propaganda até que em uma remodelação dos Quadros, o próprio Jonas Savimbi me indigitou para Secretário de Relações Publicas do Comité.

zeça14.jpg Tenho contra vontade de expor isto para que todos vejam o empenho que fazia em permanecer em Angola e de uma forma activa. Nunca me arrependi de assim ter procedido até ter saído da Caála em Agosto de 1975; a UNITA teve ali, um comportamento exemplar. De forma breve posso dizer que o meu carro foi sabotado e, tudo indica por gente afecta ao MPLA. A carcaça do meu carro, um Renault major lá ficou na curva da morte do Cruzeiro de Kaluquembe.

:::::

Quase morri, acho mesmo que fui para o além durante um pequeno espaço de tempo mas, regressei com uma clavícula partida! Do carro nada se aproveitou e, tudo ardeu! Literalmente! Foi naquele acidente que o galo pintado de branco, símbolo da UNITA em fundo vermelho morreu! Foi o Doutor Parson, seu filho David e esposa da Missão do Bongo para lá do Longonjo, que me ataram uma ligadura a dar firmeza ao osso; osso que soldou por si, só com o tempo. Meu ombro esquerdo, por via disto, ficou mais curto em um centímetro. Aonde quer que estejam os Parson, mando os meus agradecimentos.

áfrica19.jpg Porque já foram escritas 41 mokandas em um dilatado tempo convém aqui e agora recordar a cronologia da ENTREGA DE ANGOLA AO MPLA NO ANO DE 1975: 15 de janeiro . 1975 – Portugal, MPLA, FNLA e UNITA assinam os Acordos de Alvor, estabelecendo um governo de transição para a independência de Angola, o poder seria dividido entre as partes assinantes dos acordos. A independência ficou marcada para o dia 11 de Novembro do mesmo ano. - 31 de Janeiro . 1975 – Posse do Governo de Transição de Angola Como previsto pelos Acordos de Alvor. - 21 de Março . 1975 – Início dos confrontos entre MPLA e FNLA em Luanda e no norte de Angola.

:::::

- 13 de Junho . 1975 – Aprovação da Lei Fundamental pelo Governo de Transição de Angola. - 9 a 20 de julho . 1975 – Confrontos armados entre FNLA, UNITA e MPLA resultando na expulsão da FNLA e da UNITA de Luanda. – Agosto . 1975 – Suspensão dos Acordos de Alvor por Portugal. O governo passa a ser exercido por um alto-comissário. - 3 de Agosto . 1975 – Início da “Operação Iafeature”, consistindo numa aliança militar entre FNLA, UNITA, forças zairenses e sul-africanas, coordenada pela CIA, para combater o MPLA e conquistar o poder em Luanda no dia marcado para a independência. O governo caberia a uma coligação entre FNLA e UNITA.

suku0.jpg - 4 de Agosto . 1975 – Jonas Savimbi anuncia oficialmente a entrada da UNITA na guerra civil. - 17 de setembro . 1975 – Chegada das primeiras forças regulares da África do Sul em apoio à UNITA. - 7 de Novembro . 1975 – Deslocamento aéreo de novas forças cubanas para Angola, através da Operação Carlota. - 11 de Novembro – Retirada das autoridades portuguesas de Angola. - O MPLA proclama em Luanda a independência da República Popular de Angola. - UNITA e FNLA proclamam a República Democrática de Angola, no Huambo.

:::::

Situemo-nos de novo a 10 de Novembro de 1975. A 100 metros da ponte de Quifangondo, dois camiões carregados de soldados zairenses morriam sem defesa possível. Uma Panhard foi atingida em cheio! Desta leva de soldados quase todos por ali ficaram mortos ou feridos com gravidade. Sem explicação a artilharia pesada Sul-africana abandonou a luta rebocando os obuses para lá do Caxito. Segundo Santos e Castro os Sul-africanos retiraram-se pelas 16 horas e 30 minutos com todo o material.

pioneiros.jpg Deixaram os obuses sem culatras tendo sido recolhidos por um helicóptero que os levou até uma embarcação fundeada ao largo da costa do Ambriz. A Batalha de Quifangondo estava perdida. A FNLA fugiu mato adentro sem comando. No vale de Quifangondo os artilheiros cubanos que manobravam os “Órgãos Stálin” – lança foguetes 122 mm, tinham aniquilado a FNLA. As Brigada da FAPLA e da força Cubana estavam agora livres para enfrentar as tropas Sul-africanas e a UNITA que se aproximavam pelo lado Sul de Luanda.

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 20:05
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

KALUNGA . IV

O PESADELO DA DEMOCRACIA - 12.05.2018

Falácias no mundo dos PALOPS - Dos CPLP

Por

soba15.jpg T´Chingange

Hoje, o homem honesto vê-se verdadeiramente diante de um destino quase trágico pois que quer e deseja a verdade com a profunda independência mas, os governos, governantes, instituições e empresas assimiladas ao estado, por interesse, fazem esforços para e, na forma enganosa de falácia da mais pura, surripiarem nosso dinheiro e nossos planos. Os métodos são variados e com os pretextos mais esdrúxulos.

:::::

Aniquilam nosso íntimo condicionando até nossa ideia de Pátria, de Nação. Os representantes do poder político amordaçam-nos subtilmente a sacrifícios absurdos, fazendo como que uma trepanação à desejável inteligência do cidadão, alterando ou condicionando o clima estórico. Este panorama oscila entre as várias instituições de poder judicial, do executivo ou deliberativo, tendo a Assembleia Nacional no topo. Eles não nos dão os necessários exemplos de idoneidade…

costa5.jpg Encarnando no Poder Económico, juntam-se num sistema de Geringonça e, como um gangue dão novos moldes à ordem jurídica que deveria ser supranacional, o máximo exemplo de isenção no trato da lei e justiça, por via de interesses políticos ou económicos, são simplesmente engavetados. Será que estamos no fim de um ciclo?

:::::

Que democracia se vai permitir no futuro se na prática actual do poder, aniquilam o homem interiormente livre; do cidadão que vive seguindo sua consciência. É tal a governação neste lado vesgo que, o homem do povo suporta passivamente sua própria condenação à condição de escravo. Falo do que se passa em Portugal mas, outros há que são talvez piores, como o Brasil ou Angola.

chicor4.jpg Está sendo inevitável porque a sociedade se degrada tão profundamente que de taxa em taxa, de fisco em fisco, de sonho em sonho, de roubo em roubo, submete-se ao mandado aperfeiçoado com meios que destinam sua vida à própria destruição; sua e de seus semelhantes.

:::::

Pelo aperfeiçoamento de técnicas requintadas para dirigir em nós uma pressão intelectual e moral, ela impedirá o aparecimento de novas gerações por paradigma, de seres humanos de valor sem independência. Afinal qual deverá ser a meta que devemos escolher para nossos esforços?

olho roxo.jpg Será o conhecimento da verdade ou, em termos mais modestos, a compreensão do Mundo experimental, graças ao pensamento lógico, coerente e construtivo? Será a subordinação do nosso conhecimento racional a qualquer outro fim de prática! Viver assim, é um verdadeiro acto de fé! Com a evidente condição de que nosso pensamento e nossas reflexões, terão de se condicionar na evidência de se estar possuído de uma inabalável convicção!

:::::

Sem esta fé, a convicção de valor independente do conhecimento não existirá assim, coerente ou indestrutível. As leis do pensamento dirigem-se por si mesmas! No Portugal de agora, fazem falta estadistas e juristas de craveira e éticas inconfundíveis! Eu próprio ando sem fé! A teoria da causalidade venceu na relação com Angola liberando um criminoso chamado de Manuel Vicente.

abac1.jpg Conhecida que é a decisão do Tribunal da Relação, envergonha e enoja qualquer cidadão português. O acórdão foi político em vez de jurídico revelando uma atitude colaboracionista, subserviente e sabuja, apoiado de forma encapotada pelo Governo de Portugal corporizada pelo Primeiro-ministro, Ministro dos Negócios Estrangeiros e Presidente da Republica. Tudo por questões económicas e diplomacia de baixo estofo. Estamos lixados ou cada vez mais na mesma…

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 19:43
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quinta-feira, 10 de Maio de 2018
CAZUMBI . XLII

MIAI – CORURIPE DO BRASIL

- COMO SINTO O MUNDO - VI … 10.05.2018

Torcer enxugar e corar - Acabei com as caganças secando a palavra ao sol …

Por

soba15.jpg T´Chingange . No Nordeste Brasileiro

Já tinha lido nos jornais mas, estando no restaurante a “Peixada da Maria!” pude inteirar-me que também a televisão falava das Fake News- falsas notícias, como se toda a gente entendesse o que isso era! Em terras aonde grassa a iliteracia e analfabetismo introduzem sem mais nem porquê novos dizeres, que mesmo sendo referentes a coisas velhas, genuinamente nos tornam genéricos.

:::::

Li no Jornal de Coruripe Tribuna Independente, um jornal pró comunista, pró dos sem-terra, dos sem-tecto e fervoroso defensor do Lula que as fake News será tema de um ciclo de palestras com nomes conhecidos da região tais como Énio Lins ou Valdir Sales. Não seria de estranhar que na lista de nomes surgisse o Albert Eintein ou o Whisky John Walker ou mesmo um tal francês de nome Louis De Broglie…

t´chiku2.jpg Isto porque existe por aqui essa mania de botar nome de gente ou coisa famosa preferencialmente estrangeira na estória familiar; um património de embrutecer as cartilagens sensíveis. Quem aqui vai entender esse tal de Louis Broglie  na sua adivinhação da existência de um campo de ondas, ondas que podem explicar certas propriedades quânticas da matéria.

:::::

Dessa matéria que levaram aos “spins” propriedades de eléctrones e mais blábláblá, conversa pra boi dormir. Aqui nesta terra de Caetés, falar de ventos ou semiventos será o mesmo que oferecer uma bicicleta a um cirí, caranguejo do mangue! E, dizem - isso a gente sabe, que as falsas notícias espalham-se pelas redes sociais de forma cada vez mais rápida e sofisticada.

serrão5.jpg Este ciclo de palestras adivinho eu, serem para alertar o cidadão a não ir no conto do vigário, não aceitar santinhos e balelas por via da campanha eleitoral de Outubro. Depois da prisão de Lula no dia 7 de Abril é previsível, ou é o mais certo, surgirem notícias facciosas que irão ponderar no voto do novo mandante à nação Brasil.

:::::

Adivinha-se uma disputa e, é agora a hora de explicar o quanto as notícias nas redes sociais mentirosas suplantam outras bem à semelhança dos EUA aonde o Trump se diz ter ganho com trapaças vencendo assim sua rival Hilary Clinton, com ajuda de empresas Russas! Por isso aqui na terra aonde paparam o primeiro bispo do Brasil, um náufrago chamado Sardinha, nada será de admirar!

malucos2.jpg Neste ciclo de palestras também vai ter a intervenção do Ronaldo Bispo, coadjuvante de Énio Lins que na qualidade de Secretário de Comunicação do Estado de Alagoas, escalpelizará o assunto. Nesta comunicação irá surgir o tema “Neurolinguística” e o poder do convencimento pelas “Redes Sociais”.  Menos mal que não convidaram o já tão famoso Sócrates, um ex-primeiro ministro português perito em convencimentos enviesados.

:::::      

Eu, até que poderia aproveitar adquirir um certificado digital do SENAE como participante, assim para acumular pontos a um doutoramento tipo “Rangel” tão comum em terras Lusas ou mesmo um licenciamento nas novas áreas de enganação universitária com diploma da Universidade do Rio Seco do lugar das bananeiras da Luua no Estado de Angola.

morgan1.jpg Se recusei pertencer à Academia de Escritores Nordestinos e outros mentirosos que só fazem alarde do que não são efectivamente, prefiro ficar no meu canto com a Dona Jacira e seus 85 anos de labuta social, ouvindo suas periclitãncias. Não é agora que tenho amigos na Luua e nos confins da Galáxia que irei fazer triagem das verdades políticas dos homens.

:::::

Vou meter meus 395 Reais, valor da inscrição no bolso e comprar um abacaxi recheado de fruta tropical e cachaça pitu pra dar gosto.  Ora não tinha mais nada que fazer, inchar-me com mais um curso de cacaracá para engravidar os olhos de alguém pra me tornar gente fina! Senão, comprarei umas arabaianas, ou uns tambaquis, peixe gostoso para comer com cebolada no forno! Acabei com as caganças!… Mas conheço muitos e próximos que fazem alarde de coisas do arco-da-velha…

Nota: Crónica escrita em Miai a 11.04.2018

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 19:46
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quarta-feira, 9 de Maio de 2018
KWANGIADES . XXXI

 

MOKANDA DO ZECA - As falas de Zeca – 09.05.2018

Por

zeca00.jpgJosé Santos - Impregnado de paludismo duma especial estirpe kaluanda, Zeca colecciona n´zimbos das areias dum chamado de Rio Seco da Maianga. Tornou-se ali professor katedrático e agora lecciona no M´Puto quando não fica com o catolotolo… Kwangiades: - sáo as musas, kiandas ou kalungas do Kwanza

As ecolhas de T´Chingange (TONITO era o meu nome de candengue da Luua)

DOIS HOMENS UMBIGARAM-SE NO M´PUTO - MATUTANDO ESTES TEMPOS!!!

Eu só lamento..., o tempo do antigamente, que aqui era tão escondido..., de figuras proa deste Condado Portucalense..., e, escondidos nos arbustos, canteiros..., do Parque Eduardo VII! De repente o pensamento aberto do Sec XXI abriu a janela..., de um novo pombal que cada vez é maior, é colossal!!! Para os grandes países da CEE, a (alguns) braços com excesso população, não há problema..., agora para o M´putu kp, é que é grande problema futuro...

:::

Dizem as estatísticas caras e bem medidas por cientistas, que temos há muito, o índice mais baixo de natalidade..., o desequilíbrio entre os nascidos e os falecidos é grande!!! Os Kotas/Macotas morrem atoa e o seu passado sustento contributivo tão excelente e não de mangonha enchia as barricas da Casa Grande..., e é sabido que depois do Velho ficou ao alcance da mão do kapiango..., que na TV da falação do "então pá como é", dançam o Tango...

ZECA MAMOEIRO.jpg Sabe-se que os Monas, os nascidos do Condado são cada vez menos, a semente de vindouros é muito pouca caída no valado... Então, como vai ser a produção, sem a produtiva placenta da mãe e kinda de semente de cordão de rebento e de biberão natural - O NASCER, esta a dádiva da criação do ser tão biológica na Terra!

:::

Ninguém questiona a possibilidade de um dia a Terra se tornar frágil e ser evadido por aqueles gajos esquisitos, mas bwé espertos de disquinho falante dos ENCONTROS IMEDIATOS DO TERCEIRO GRAU..., o filme que vi dezenas de vezes e de difícil saber quem é o macho e a fémea ..., porque todos são iguaizinhos no fato casal de corpo cara olhos corte de cabelo (careca moda) roupa sapatos luva branca...!!!

soba03.jpg Remeto este meu pensar, sociológico, antropológico, filosófico...para o meu kerido kamba de carteira da Universidade do Rio Seco da Maianga..., o Sábio T'chingange. Ele, que tem formação industrial de massas e de terras, muito trabalho de ensaio no laboratório, e, grande conhecedor do mundo do asfalto, do mato escovado, do mato poeira, do mato tsé-tsé, estes três últimos que contém a maravilhosa flora, fauna..., a nossa África esplendorosa que pouco a pouco a contaminam...

:::

Ele, o famoso pisteiro de condução de Land Rover caixa aberta e cheia de pakassas abatidas na koka do bebedouro na Cacimba do Peixe Gato, bwé gasosa pelo seu canhangulo de culatra coice de bufalo cheia de pregos, parafusos, taxas, grampos, clipes, esferas dos carrinhos de rolamentos... Ele, o medidor das famosas terras do cangaço, e o celebre estoriador do Robin Lampião e da bela Maria Bonita...

zeca e eu.jpg Finalmente, o famoso discípulo de vídeos dos passos e dos ensaios de Charles Darvin...na anhara dos Herero, Himba, Quioco... Recordo aqui a sua tese maravilhosa de mestrado e sem o copianço de muiiiitas páginas atoa escritas da Net, sim de apenas do seu exaustivo estudo e de ensaio sobre a bela a bela verdinha do Mu ukulu, a MOPANE..., que Lelu vai no prato Michelin...

:::

A Mopane, ela que é um Milagre da Natureza..., em que gerações de selvagens dizem nos seus estalinhos ao civilizado biaco: - "Minino num precisa operação..., o povo tem kamba Mopane! Tambula conta! É cirurgião, mas sem facão, azagaia, bota apenas a sua massinha e o kissonde aiaiai logologo faz o uafo interra na covinha" Merecia o Nobel, pena este ano não poder concorrer, por um mambo descoberto de "doença que contaminou" muitos dos seus membros...

mopne1.jpg Deixem voar o beija-flor para dentro do mosqueteiro, de pétalas do belo estilete namoradeiro da peónia a bela de esplendor!!!

Ambanine

ZECA 20180508



PUBLICADO POR kimbolagoa às 13:50
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sexta-feira, 4 de Maio de 2018
MALAMBAS . CCIII

NAS FRINCHAS DO KALAHÁRI - KIMBERLEY –  5ª de Várias Partes

- XOXOLOSA TREM . JÁ EM CAPE TOWN31.08.2018 – Na Waterfront e Shopping de Cape Town…

Por

soba15.jpg T´Chingange - No Nordeste brasileiro

Estamos a 04.Maio.2018; Continuando a passar a limpo meus gatafunhos do baú do Karoo do Xoxolosa Trem, irei desde Maceió do Nordeste brasileiro até Cape Town, uma das cidades mais lindas do Mundo. Os antigos armazéns do porto no Watwerfront, são agora modernos espaços de lazer com uma vasta área comercial; envolvendo os canais com acesso aos lagos têm comportas desniveladas para chegar de iates aos hotéis de gente VIP, maioritariamente saídos dos Emiratos árabes. Pode notar-se pelas roupagens…

xoxolosa6.jpg Neste espaço que antes era mar, ali fomos passar o dia com a neta, lugar aonde nos distraímos assistindo a grupos itinerantes de animação, música e folclore africano: sempre diferente nos gestos e na forma de vestir, cultura ubuntu-xhosa e Zulu aonde nós, certamente, eramos vistos como mulungus do kumbú (brancos com dinheiro). Lugar bem aprazível, tendo sempre presente lá no alto a sua majestosa Mesa da Montanha e a Cabeça do Leão, lugar que já escalei até seu topo, há dezoito anos atrás. 

:::::

Tendo nós, já dado uma volta pelo centro da cidade, podemos verificar uma degradação na vida citadina, fazendo relação com o tempo de há dezoito ou vinte anos atrás! Nesse então pude reparar haver muito indiano e muito mulato; seus nomes eram bem portugueses como Pereira, Moreira, Cerejeira ou Manuel da Silva. Eram tempos em que a Academia do Bacalhau abrilhantava o quotidiano daquele corno sul de África com grupos de danças saídos do Minho ao Algarve do M´Puto.

xoxolosa5.jpg Eramos agora a embaixada da diáspora dum povo aventureiro; pelo que observei, os tempos já não são os mesmos de então; entre edifícios de beleza impar há degradações, montes de desalojados da vida, emigrantes do Zimbabwé, do Malawi, Tanzânia, Congo  ou Moçambique. Viam-se por todas as ruas, arrumadores de carros, brancos, mulatos ou negros retintos, desfrisando seus gestos de capatazia, deslocando baldes e panos num desenrasca de tarefa, os coroinhas da urbe, das gasosas.

:::::

Gente pedindo dinheiro para comer, fora e dentro dos restaurantes, um vigia à coca enxotando estes milhares de homens ou mulheres que vieram à rédea solta para dar votos aos seus manos do ANC. Gente amontoada nos subúrbios de qualquer jeito entre amonturas de lixo e barracas apertadas na sobrevivência insalubre aonde as ruas são becos de gatos ramelosos. Passar assim pelo centro da cidade, assediados a todo o momento e, a cada esquina dá um desconforto bolorento. Cruzamo-nos com muitos brasileiros que não estranham tanto este reboliço urbano…

oxo136.jpg Rapidamente, regressamos ao solar rosa vitoriano a fim de apreciar as pombas gordas que quase comem na mão do senhor Amadeu. Enquanto escrevo esta memória de recordo a Dona Cora Esteves vinda da Luua de Angola, dona da agência Mundial e, a quem paguei em dinheiro vivo, 3.858 Rands para os três nómades da minha tribo; viagem de rape Town para Johannesburg: Eu, Bibi e Lara Mendes, minha neta (chata como a potassa).

:::::

Na própria rua da mansão Rosada de Don Elaine, na Iaton Road notei algo de curioso, um senhor negro sentado bem no início, no nº 3, vestido com um colete amarelo igual ao dos muitos outros arrumadores de carros nas ruas, tinha a particularidade de ir a cada uma das casas impares saltitando em suas muletas pedir um café. Era seu pretexto para solicitar qualquer sobejo das lidas de cozinha de cada qual.

cape2.jpg As moradias tinham suas próprias garagens mas este, também recebia propina cidadã de quem ali estacionasse o carro. Calculo que era um ex-soldado do exército Sul-africano desmobilizado por ter ficado sem uma perna. Em Moçambique já tinha passado por algo semelhante. O Sr. Amadeu referia-se ao desaforo deste em solicitar lanche! Nada disto pude verificar nas anteriores idas à cidade de cape Town. Creio que a AD – Aliança democrática que governa agora o Cabo, deu facilidades a estes para colmatar a falta de trabalho.

::::

Só faço menção destes pormenores para demonstrar a gravidade de não poder ser dada assistência a tanto cidadão sem ocupação. Por outro lado, dificultam ao máximo qualquer cidadão não negro a obter o visto de trabalho, mesmo que tenha formação superior e curriculum dos melhores. Só por portas travessas e com propina se consegue aligeirar tal pretensão.  Fazendo ali tanto frio de noite, observei haver gente a dormir em terreno descampado tendo como tecto uma manilha, uma alcantarilha como tecto.

cape8.jpg E, por mais que tente compreender esta transitoriedade de África, fico apreensivo por ver as ondas de detestabilidade governamental agravando os empresários maioritariamente brancos; Parece seguir as burradas de Robrt Mugab, numa ânsia negra e doentia de obter as mordomias dos brancos; tal e qual como sucedeu em Angola! Mas, se estes saírem em massa, como vai ficar o país? Correm o risco de seguirem as passadas erradas de Angola, Zimbabwé,  Moçambique  entre outros países africanos…

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 12:53
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Segunda-feira, 30 de Abril de 2018
CAZUMBI . XXXIX

MIAI – CORURIPE DO BRASIL 

COMO SINTO O MUNDO - III … 30.04.2018

- Afinal os bispos, tal como as sardinhas, também se comem…

Por

soba15.jpg T´Chingange . No Nordeste Brasileiro

A alegria é um medicamento para ser usado e exercitado como algo divino para matar a tristeza. Permanecendo eu na terra aonde os índios Caetés comeram o bispo Sardinha, é algo para recordar sem lagrimar esses salpicos nefastos da história. Venho pescar arabaianas na terra aonde este bispo e mais de oitenta marinheiros tugas naufragaram suas naus em uns recifes traiçoeiros.

:::::

Posso agora dizer que manter esta tristeza, será como alimentar uma lagoa de lama que salpica e suja aos que de nós se aproximam porque eles, nada sabem disto; dum antigo laudémio pago à Santa Sé. Será um estado enfermiço sem um perfeito remédio nem um adequado raciocínio para se dizer não aceitar nada sem se poder entender.

miai0.jpg  Caricatura em arquivo no vaticanofeita por seus colegas bispos - O bispo e cerca de mais 90 tripulantes teriam conseguido chegar à costa, mas, ao serem capturados pelos índios caetés, (perto da foz do Rio  São Francisco, de linhagem próxima aos tupinambás foram devorados em um banquete antropofágico. Apenas três tripulantes teriam conseguido fugir e relataram o que aconteceu....

:::::

Assim e, aplicando os princípios da fraternidade, relembro meus últimos pensamentos de aforismos - “Seria cómico se não fosse trágico”. Recordando que é feliz quem atravessa a vida prestativa sem medo estranho à agressividade e ao ressentimento; assim, da mesma forma que uma floresta não se pode expandir se apenas contiver trepadeiras.

miai6.jpg  As leis gerais da natureza ambicionam ser validas para todos os factos dela. E, é graças a estas leis, com todos os fenómenos, que poderemos encontrar a teoria da vida que diz: “A vida é breve, a velhice é longa”. E, se este processo de dedução não superar essa capacidade, então “O tempo não durará o bastante para aqueles que não sabem aproveitá-lo”.

miai01.jpg A alegria é o estado de alma, a suprema tarefa do físico e da mente em procurar as leis elementares a partir das quais e por pura dedução, se adquire a imagem do Mundo.

:::::

E, nenhum caminho lógico leva a tais leis elementares alegradas a partir dum facto; a da morte dum Bispo que se chamava Sardinha! A nostalgia da visão persiste em nosso espírito sem se deixar atraso por objectivos mais lucrativos e mais fáceis de serem tingidos. Logo hoje que com tripa de galinha, quero apanhar arabaianas!

miai4.jpg A perseverança diária não se constrói sobre uma intenção ou um programa, mas sim numa necessidade imediata de pescar sem isco de sardinha, arabaianas em terras de Caetés… Quase sem me dar conta, a pesca passou dum aforismo a um axioma, constituindo-se duma simples verdade em uma nova demonstração: Os bispos também se comem…

Nota: Crónica escrita em Miai a 08.04.2018

O Soba T´Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 10:58
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 29 de Abril de 2018
MOKANDA DO BRASIL . IX

ANDO ENKAFIFADO - 29.04.2018

- Os órfãos da FARC – Forças Armadas Colombianas andam por aí…

Por

soba15.jpg T´Chingange – No Nordeste brasileiro

Por via da revista Veja fiquei a saber que cerca de 1000 ex-membros das FARC seguem cuidando do negócio bilionário da organização na produção de drogas, não obstante no ano de 2016, terem celebrado o fim de uma das mais longas guerrilhas dos tempos modernos. Os seus mais de 7000 combatentes depuseram as armas entregando seu arsenal. Conseguiram amnistia entrando supostamente para a legalidade, só que aqueles alguns mantiveram o controlo do negócio.

::::: 

Com uma receita de 34 biliões de reais, algo como oito biliões de Euros controlam o tráfico na permissiva fronteira entre o Brasil e a Bolívia, Peru, Equador e Venezuela. É em verdade uma extensão de fronteira demasiado grande para ser vigiada com rigor. Ela entra por terra, por rios e pela floresta do grande amazonas e pantanal.

amazonas.jpg Esta gente do crime usa o fuzil AKM, uma actualização da AK47 e também as FAL tiradas do uso pelo exército venezuelano; suspeita-se que o regime chavista as tenha fornecido aos guerrilheiros e que posteriormente estes as contrabandearam para os grupos de jagunços ditos de “freelancers” para prestarem serviços em quadrilhas locais e ao serviço de gente do mando. Os “coronéis” ainda não acabaram!

:::::

Em Janeiro de 2017 as página dos jornais só falavam sobre a execução de 56 homens no interior do Complexo penitenciário Anísio Jobim em Manaus. Os criminosos dum bando fizeram questão de filmar e difundir pelo WhatsApp as cenas de selvageria vitimando seus supostos rivais. Eles fazem uso de telemóveis dentro da prisão e as autoridades prisionais recuaram no bloqueio destes por via de ameaças; não é segredo, a televisão assim o disse recentemente, para espanto meu!

amazonas7.jpg Uma autoridade que foi ao local da cena na prisão, descreveu o que encontrou: Piso recoberto de sangue, cabeças decepadas a eito, vísceras expostas e até um coração que fora arrancado a uma das vítimas e jogado para um corredor. No tráfico da cocaína, estas práticas de expor troféus servem para demonstrar sua crueldade ao adversário. Em 2016 foram registados mais de 61000 assassinatos no Brasil.

:::::

Crimes de acerto de contas ou vítimas colaterais movidas pelas organizações movidas pela cocaína. Isto sucede em todos os estados, nas grandes cidades formando até milícias mesmo ao lado de quarteis!  Na Floresta Amazónica 90 % ds mortes têm vinculo com o tráfico.

amazonas6.jpg As mortes por rixas, pistolagem, questões de terras e brigas de garimpo, mudaram seu padrão, dando lugar aos crimes de tráfico. Em 2017 os satélite do Sistema de  de Protecção da Amazónia (Sipam), detectaram no lado da fronteira com o Peru uma ára desmatada de 9000 hectares, algo como 20000 campos de futebol. Isto, dá em um potencial na feitura de 270 toneladas de cocaína por ano.

:::::

Os rios da bacia do Amazonas são os preferidos na expansão do produto. Temos os rios Madeira, o Branco, o Solimões, Rio Negro, Rio Urani e outros formando uma rede de difícil penetração e controlo. A sul teremos os Rios Paraguai e Paraná que proporciona o transvase do grande Pantanal.  

amazonas2.jpg O estado brasileiro, na intenção de colonizar lugares distantes, levou muita gente para lugares remotos que agora ficam nas mãos de bandidos disse um director do Departamento de Repressão ao Crime Organizado da Polícia Civil do Amazonas. Podemos ver entre os matutos descendentes de África desde a Guiné passando por Angola até à costa do Índico e, que através dos tempos ali chegaram e assentaram raízes em sanzalas ou quilombos; os chamados quilombolas…

amazonas3.jpg Sendo o Brasil a terceira potência carcereira do Mundo não é de estranhar o medo a guardar a vinha quando não tem jagunços por perto. Percorri o Pantanal pela Transpantaneira até à Bolívia, subi e desci o Amazonas, dormindo e comendo a bordo dum barco entre Manaus e Belém do Pará e, posso afirmar que fazer segurança num país aonde cabe toda a Europa, grande pracaraças, não é pera-doce.  

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 12:52
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sábado, 28 de Abril de 2018
FRATERNIDADES . CXX

FRINCHAS DO TEMPO . 28.04.2018

- Um milagre para você! A religião é sempre um refúgio de medrosos – (Diz António José Canhoto*)

Por

soba0.jpeg T´Chingange - No Nordeste brasileiro

che5.jpg Documentei-me muito superficialmente para dar em síntese uma breve resposta a alguns dos artigos escritos por Canhoto. Tenho de concordar com a quase totalidade do que me é possível reconhecer * A religião é sempre o refúgio do moralmente medroso e fraco, bem como do intelectualmente cobarde que receia em pânico ver a sua verdade destruída pela razão. A mentira estará condenada a existir enquanto houverem imbecis e idiotas que se sintam confortáveis em viver e dormir com ela.”

:::::

Nisto de crenças e o direito de acreditar ou não, só poderei dizer que um argumento pode buscar a verdade mas, nem sempre é uma opinião. Quando as crenças se materializam em opinião originam um problema; por assim dizer as opiniões não podem ser substituídas pelos argumentos. O “ Eu tenho o direito às minhas crenças” podem transformar-se em “Eu tenho direito à minha opinião”. * “Também existem livros religiosos que misturam algumas realidades com mitos, plágios e lendas mitológicas incluindo algumas fábulas ridículas e anedóticas que só por esse facto os descredibilizam. Para esse efeito deus e o diabo foram criados como sócios essenciais num negócio rentável, porco e sujo…”

:::::

Pelo dito, crenças e opiniões não serão argumentos porque diferem nos factos. Então lá terá de se dizer que um facto é algo que pode ser provado verdadeiro. Se acreditar que “passar debaixo de uma escada dá azar” por ideia ou convicção posso perfeitamente aceitar como verdadeira esta crença! Dizer-se por isso que a crença é de foro íntimo.  

cronicas mano corvo2.jpg * “Gostaria de ouvir da boca de um crente dizer vou morrer “Graças a Deus”, ou na eventualidade de um grave acidente de carro dizer ao médico do INEM, levem-me para uma igreja em vez de um hospital, ou ainda “Agradecer a Deus” ter tido um filho nado-morto, anormal ou deficiente mental ou ainda quando aos 7 anos morre atropelado á porta de casa onde andava de bicicleta...”

:::::

O mais importante neste imbróglio é saber que um argumento não é luta, nem tampouco debate ou desordem entre as pessoas. Um argumento é uma busca pela verdade! Ninguém poderá exigir que outro sacrifique a própria crença para salvaguardar o direito à sua. A defesa da crença estará restrita ao uso de métodos que pertencem ao espaço das razões, enquanto o argumento será a presunção de convencimento.

:::::

Quem trabalha com temas da ética, teoria de acção ou filosofia politica, vai ter de dizer que tem o direito moral de acreditar no que quiser, mesmo que sejam crenças falsas. Neste direito em acreditar, as grandes perdedoras, serão a liberdade de expressão e a democracia. Andei a ler os propósitos de Walter Carnielli, um matemático e professor de lógica e filosofia de Campinas - Brasil e, por via disto darei razão a todos os que por direito evidencial à sua crença, se apresentam dispostos a formar apropriadas evidências a ela, a crença.

dracma4.jpgNão posso em tempo algum forçar a retórica no sentido de alterar a verdade de alguém. Sabemos hoje haver diversa técnica, de levar avante notícias falsas – as fake news. Isto também porque as pessoas acreditam que sabem mais do que realmente sabem; o que lhes permite persistir nessa crença com eventuais ressonâncias em outros.

:::::

* “Contudo por várias razões e medos, a partir de certa altura o homem sentiu a necessidade de criar divindades politeístas e monoteístas, mas sem a existência da humanidade esses inexistentes deuses nunca teria visto a luz do dia e o dinheiro que foi gasto em templos, santuários e igrejas teria sido muito mais bem aplicado em hospitais, creches e lares da terceira idade.”

:::::

Divididos assim em comunidades de interesse nós usuários do instrumento de ligação, redes sociais, facebook e outros, agregar-nos-emos com os ecos de uns, as vozes e sonhos de outros e, numa bolha, ficaremos entoando no que cremos. E, pode nem ser a verdade verdadeira porque as redes sociais deram voz a uma legião de fanáticos ou imbecis; ou até mesmo gente que usa a palavra no estrito sentido de palavrório – um amontoado de conceitos …

DIA76.jpg O livro de Tobias foi aceite no velho testamento pelos católicos romanos mas rejeitado pelos protestantes. Pelo que li, tudo não deve passar de acumulação de lendas porque enquanto se aceitam os anjos Gabriel e Miguel, rejeita-se o arcanjo Rafael. São sete os livros apócrifos que não foram incluídos na Bíblia dos apostólicos romanos. Li que o Tobias, humilde deixou-se dormir debaixo de um alpendre e cegou porque os pombos defecaram em seus olhos… Só pode ser lenda ou fábulas ridícula e anedótica!

O Soba T´Chingange   



PUBLICADO POR kimbolagoa às 14:09
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Terça-feira, 24 de Abril de 2018
MALAMBAS . CCII

NAS FRINCHAS DO KALAHÁRI - KIMBERLEY –  4ª de V Partes

- XOXOLOSA TREM .  EM CAPE TOWN – 24.04.2018A Montanha Table Mountain manteve-se tapada com nuvens dos dias, depois destapou…

Por

soba15.jpg T´Chingange - No Nordeste brasileiro

Estamos a 24 de Abril de 2018; Continuando a passar a limpo meus gatafunhos do baú do Karoo do Xoxolosa Trem irei desde Maceió no Nordeste brasileiro até Cape Town uma das cidades mais lindas do Mundo mas, sempre a seguir ao Rio de Janeiro. De forma sucinta direi o quanto fiquei preocupado com o Senhor Seca que com seus 87 anos conduz um Toyota Corola de quase 2000 de cilindrada.

IMG_20170829_143846.jpg Nossa bagagem teve de ir no banco de trás porque simplesmente o Sr. Seca se esqueceu de onde ficava a tal patilha de abrir a coisa. Dias mais tarde achamos a tal patilha quando tivemos de meter gasolina, pois ela ali estava mesmo ao lado do sinal com um depósito; uma mala enorme! Lara, minha neta andava espantada com este desassossego. Derivado a isto, fui dizendo que o Sr. Seca não estava em condições nem de conduzir um cangulo.

:::::

E lá fui eu agarrando o espelho lateral com a mão esquerda enquanto com a direita e do lado de dentro firmava uns improvisados fios de computador que seguravam este. Uma engenharia de ponta de arranhar o cerebelo dum qualquer piloto de fórmula-um. Já em casa no Iaton Road, falando com sua esposa Dona Eliane esta, disse tê-lo debaixo de olho a todo instante. Verifiquei que assim não era, porque ele, viaja pela cidade sozinho. Ele vai bem longe buscar o Século de Johannesburg em português pois que, é ele o distribuidor dali…

IMG_20170901_103102.jpg A casa fica bem enquadrada a meio da Iaton Road e, embora se note estar um pouco deteriorada, mantem seu estilo vitoriano em cor rosa. Dias 29 e 30 de Agosto de 2017, terça e quarta feiras, choveu pela manhã e a Montanha Table Mountain manteve-se tapada com nuvens todo o tempo. Isto pode ser visto a partir do quintal da casa da Dona Elaine e Amadeu Seca.

:::::

Aqui e no quintal da casa do ex-presidente da Academia do Bacalhau de Cape Town posso ver junto ao passadiço da garagem um pessegueiro com lindas flores rosa e uma ameixeira com flores brancas; são os indicadores da primavera no estremo de áfrica. Há um terraço com dois socalcos, tendo o inferior uma piscina que por via do inverno, embora cheia de água, está sem indicação de uso, por assim dizer, desactivada. Entre esta e a rua há um caramanchão de nobre estilo e de onde despontam flores na forma de cachos; são bonitas glicínias.

IMG_20170830_155338.jpg Bem na frente ampla, vidrado do alçado, um anexo que dá para a piscina, fica a sala do barbecue - brai ou churrasqueira. Recordo, termos aqui comido em 1997 uma garoupa no forno em companhia da filha do Sr. Seca e a nossa vizinha do M´Puto - Algarve, a Tilinha com Marco e Ricardo, meus flhos. Estivemos aqui uma segunda vez, eu e Bibi (Ibib) no ano de 1999 mas eles, Dona Elaine e Sr. Amadeu Seca nem se recordam.

:::::

Nesse então, muita gente vinda de Angola ou Moçambique e também de Portugal tinham aqui um pouso lusitano, mas agora pelo factor da crise, da escassez de dólares entre outras dificuldades, a coisa está mais preta! Estamos a 31 de Agosto. Fomos buscar os bilhetes de avião de regresso a Johannesburg e, de novo fiquei preocupado porque logo ao sair da rua Iaton Road, o Sr. Seca, meteu-se por uma travessa que não tinha saída. Uf!

cabo1.jpg Fomos até um beco a dar com um colégio de missionários, lugar que ele deveria conhecer bem, pois que vivia ali à uns bons cinquenta anos. Preocupante!… Estamos a 31 e a quatro dias para andarmos pelas rotas do Cityrama, a rede de ónibus City Tur  que nestes próximos dias 1 e 2 de Setembro - assim haja boas condições, nos levará a vários destinos, começando sempre pela Table Mountain.

cacto xoba1.jpg Ontem passamos o dia na Waterfront, lugar bem aprazível aonde o tempo passa rápido ouvindo-se música, vendo gaivotas e focas a espreguiçar-se ali por perto ou comprando lembranças no grande shopping. Tiramos fotos nos vários canais com suas marinas, dois níveis de água manobráveis por comportas e plantas exóticas a contornar hotéis, casinos e figuras do jet-set; gente de todo o Mundo. Por hoje e, depois de passar a ponte móvel, fico aqui sentado a olhar o relógio vitoriano… Também fico atento ao canhão que todos os dias dá uma salva de um só tiro a dar ao meio dia… E, depois almoçar por aí…

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 18:19
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Segunda-feira, 23 de Abril de 2018
MULUNGU . LXI

TEMPOS CUSPILHADAS – 24.04.2018

Palavrório no Wi.Fi – 2ª Parte - conflito de gerações e as Take News

Mulungu: Pode ser árvore de grande porte com flores grandes e vermelhas e homem branco em língua Xhossa

Por

soba0.jpeg T´Chingange - No Nordeste brasileiro

Por aqui ando esticando os ossos, construindo a cada passo uma estória ao meu modo; um mussendo, um missosso entre ave Marias encavalitadas de prefácios que se baralham e que logologo se esquecem; ainda não eram sete horas da manhã quando iniciei a marcha do dia por duas horas na linda marginal de Maceió. Reparei que pela muita chuva caída nas duas últimas noites, a praia estava muito cheia de sargaços e, andando pude reparar em senhoras que enquanto caminhavam, iam rezando o terço.

araujo10.jpg Ao invés disso, eu fazia rodar dois pequenos cocos verdes, um em cada mão e, lá teria de me entreter no tempo esperando estar a praia mais propícia a nela poder fazer minha hidroginástica. Andando pude rever o termo de palavrório no Facebook e, o que deste resultou falar dos conflitos de Take News no Mundo com as consequências ou sequelas óbvias no nosso curso de vida.

:::::

Não tivesse sido Assunção Roxo a lembrar este termo de PALAVRÓRIO no Facebook e, passaria despercebido sem o sequente desenvolvimento nos muitos e desconexos discursos ou sem nexo, conversa de deitar fora. Pois é a ela que agradeço ao me ter lembrado esse termo e, rebuscar daí os conflitos e alterações que fazem por coisa pouca, mudar o Mundo.

amigo1.jpg Por isso, ter referido a eleição de Trump nos USA, as implicações no Brexit em Inglaterra e as interferências nas eleições de tantos países como a de Aécio Neves no Brasil. Não dei resposta às desculpas que tece no Facebook por eventualmente ter referido este termo com aspas em qualquer lado e, para exprimir seu desagrado a algo escrito por mim. Nesta normalidade nem posso relevar suas desculpas porque não as há. Tenho sim de agradecer!

:::::

E, é tão curioso ler as palavras de socorro tão enlevadas de solidaria amizade vindas de um outro continente na pessoa de Matias, soldando assim na perfeição a fraternidade que deve coexistir entre nós. Um triângulo perfeito tendo nos cantos a América, a Europa e a África. O Mundo é mesmo uma ervilha! Esta “Não estória” culmina desta forma tão bela que me apraz registar que para álem da crença temos a fé e fraternidade… Aqui não cabem desculpas mas sim agradecimentos! Obrigado a ambos!

bruno27.jpg Um tema a desenvolver, a crença. Uma ideia ou convicção que alguém aceita como verdadeira, como “passar por debaixo de escada - dá azar”. Creio assim que o mais importante é um argumento, não se tornar nem numa luta, nem em um debate ou desacordo entre as pessoas mas, uma busca constante pela verdade.

:::::

As leis são feitas, tanto quanto se saiba, para melhorar a vida das pessoas. Sendo assim, que sentido poderá ter uma lei que piore a nossa existência. Nosso lema é aceitar o princípio pelo qual uma lei só fica de pé se fizer nexo. Nada disto é desgarrado da fraternidade que temos o dever de curtir, de praticar.

REPU5.jpg No entanto e, como diz Matias (e, foi um cego que lhe disse): não temos outro Evangelho a anunciar que não seja a cruz de Cristo e qualquer desvio que façamos deste Evangelho perde-se o poder ou virtude que só Ele nos pode dar. Ando buscando! O desencanto do Cristianismo é porque não está baseado em sabedoria humana e por esta razão, o homem, aquele que não crê na obra Redentora do Cristo, não pode aceitar porque lhe parece loucura. 

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 14:43
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 22 de Abril de 2018
MULUNGU . LX

TEMPOS CUSPILHADAS – 22.04.2018

Palavrório no Wi.Fi - conflito de gerações e os Take  News

Mulungu: Pode ser árvore de grande porte com flores grandes e vermelhas e homem branco em língua Xhossa

Por

soba0.jpeg T´Chingange - No Nordeste brasileiro

Pelo que sei há 1,4 bilhões de pessoas que recorrem ao Facebook diariamente. Esta enormidade de gente cede informações pessoais em troca de serviço gratuito. É a regra do jogo, engrossar o caldo de sabedoria ou conhecimento na forma de textos bem ordenados ou, reunindo palavras desconexas, discurso sem nexo ou conversa de deitar fora como recentemente afirmou uma amiga chamando de PALAVRÓRIO a algumas das minhas publicações.

cinzas10.jpg De maneira alguma altera meu conceito quanto ao continuar com meu linguajar na forma de palavrório porque simplesmente, não pretendo beliscar a força da palavra em proveito próprio, embora julgue ser despropositado ou desproporcionado.

:::::

Entro assim num capitulo de conflitos que a todos toca por via do desconhecimento ou protagonismo afectando as regras do jogo de privacidade ou liberdade no Facebook. É por esta via, encavalitando palavras, conceitos, aprovações ou reprovações, que surge a gestão de um mercado que atinge os 485 bilhões de dólares.

cauny0.jpg Tal como o Big Brother na sociedade televisiva, nós no Facebook fazemos a festa de forma desinteressada focando assuntos mal ou bem sustentados. Sabemos hoje que por via do Facebook ou do Twitter surgirem falsas ideias – as Take News que influíram as eleições presidenciais nos E. U. A. com a eleição de Trump, da viragem da opinião a favor do Brexit.

:::::

Brexit que originou a saída de Inglaterra da União Europeia e, até seu uso na eleição de Aécio Neves na campanha turbinada para presidente da República Brasileira.  A “fábrica de robôs” espalhadas pelo Mundo ajudou a disseminar a propaganda de Aécio na Internet no ano de 2014. Pude ler na conceituada revista Veja terem sido detectadas 700 falsos perfis, uns chamados de “bots” usando nomes bem brasileiros.

avillez00.jpg E, há indícios que levam em crer que essas contas eram controladas por usuários da Rússia e do Leste Europeu; empresas contratadas, para prestar serviço a agências e empresas brasileiras. Onde quer que seja, lá teremos de ficar atentos a tanto “palavrório”. Com ou sem ressonância em outras pessoas, dificilmente saberemos dizer onde o nosso entendimento termina e começa o de outros…

O Soba T´Chingange              



PUBLICADO POR kimbolagoa às 22:33
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sexta-feira, 20 de Abril de 2018
MOKANDA DO SOBA . CXLI

ANGOLA DA LUUA XLI - TEMPOS PARA ESQUECER – 20.04.2018

- O Ataque a Luanda só seria desferido na alvorada do dia seguinte, 10 de Novembro, dia em que as FAP sairiam de Luanda…

Por

soba15.jpg T´Chingange

A situação de descontrole por toda a Angola a partir da ponte aérea de LuuaLix, desencadeou uma sequência de acontecimentos que não corresponderam a um processo de descolonização, mas sobretudo, na apropriação gradual de prerrogativas do estado por parte dos movimentos independentistas, destacando-se o MPLA. Em nome da defesa das comunidades, usaram e abusaram de violência. A partir de Agosto, os acontecimentos ditaram na prática o fim do Governo de Transição e do Acordo de Alvor.

:::::

Até ao dia 9 de Setembro, o MPLA reconstituiu o governo, colocando os seus representantes em cargos anteriormente ocupados por elementos designados pela UNITA e pela FNLA. Uma informação da CIA registou que responsáveis do MPLA tinham colocado «grande empenho em criar a impressão de que a sua organização seria o único grupo de libertação capaz de coordenar um governo angolano independente». Os Americanos estavam à coca! Deles sairia o último suspiro…

guerri6.jpg Assim, cada vez que a tropa portuguesa abandona determinada cidade ou posição, a população branca igualmente abandona essa cidade ou posição. A população negra, não afectada ao movimento que controla a zona em questão, acompanha as tropas portuguesas no momento da retirada. Em Outubro, a invasão em grande escala da África do Sul alterou profundamente os contornos do conflito. Uma unidade da UNITA comandada por um major sulafricano e assessorada por consultores sul-africanos conteve o avanço do MPLA sobre o Huambo a partir de Benguela.

:::::

A pedido da UNITA seguiuse a entrada em Angola da coluna Zulu da SADF, a 14 de Outubro, que expulsou as forças do MPLA estacionadas ao longo da faixa costeira até Novo Redondo (Sumbe), a norte do território. As Forças Especiais cubanas travaram o avanço das tropas sulafricanas fazendo explodir a ponte do rio Queve. Entretanto, o exército da FNLA, que marchava em direcção a Luanda, vindo do Norte, foi destroçado por mísseis cubanos.

gurra10.jpg Agostinho Neto, presidente do MPLA, proclamou a independência da República Popular de Angola, em Luanda, enquanto, no Huambo, Savimbi anunciava a criação da República Democrática de Angola. A iniciativa militar passou, então, a pertencer ao MPLA, levando à retirada da SADF de Angola, entre Janeiro e Março de 1976, e à fuga da UNITA das cidades do interior do país, no início de Fevereiro.”

:::::

Recorde-se que no meio de tantos desencontros ainda havia esperança e soldados que não abandonavam gente que se queria manter no território. Assim, o ex-tenente Fernando Paulo e alguns dos seus homens já na condição de refractários, protegem um grupo de refugiados no Chitado aonde criaram uma zona de segurança. Era a frente para a fuga ao invés da fuga práfrente, algo não estudado a fim de se efectuar o abandono, tácticas nunca vista nos anais da lusofonia.

guerra23.jpg O MPLA era o movimento da burguesia luandina; aparentemente mais evoluído e com mais quadros abalizados, supostamente teriam mais capacidade para governar; seus sombrios e divididos intelectuais alinharam à partida mais na linha da esquerda só que, seu comportamento no terreno era adulterado por radicalização pela força revolucionária do MFA – os mesmos que deveriam garantir-nos segurança.

:::::

Aqueles generais de aviário de fraca experiência eram manobrados por Rosa Coutinho, verdadeiro dono daquilo, cedendo tudo ao MPLA e dificultando os demais. Rápidamente o MPLA inventou a maka e o Poder Popular zombando até dos revolucionários tugas que tudo lhe davam. Eles inventaram o monstro Imortal, o Valodia e o Monacaxito…Tudo parecia ser um jogo de guerra aonde a morte era só de brincadeira…

guerri4.jpg Luanda tornava-se uma imensa lixeira fétida com o calor e humidade acelerando a decomposição de detritos, gente e animais mortos. Uma cena apocalíptica que agora tentam repintar com cores de arco-íris. Entretanto os Cubanos iam chegando pela calada com conhecimento e consentimento dos governantes do M´Puto. Calcula-se que só nos últimos dias de Setembro tenham entrado aproximadamente 3500 cubanos. No dia cinco de Novembro de 1975, quatro grupos de comandos ao serviço do ELNA colocaram-se no Morro da Cal.

:::::

A infantaria surgiu a seguir descendo para os baixios da lagoa. O comando estava ao cuidado de um general zairense em substituição de Gilberto Santos e Castro do qual lhe foi retirado o comando dias antes e, enviado para N´Dalatando (Cidade de Salazar). Gilberto Santos e Castro era um antigo oficial do exercito português e irmão de um ex-Governador de Angola. Flagelados pelos misseis cubanos, as baixas do ELNA foram tão significativas que optaram por se retirar dali.

guerra22.jpg Na madrugada do dia 9 de Novembro, dois dias antes do dia aprazado para a proclamação-entrega do território, chegou uma guarnição de 20 africâneres vindos do Ambriz. Com eles traziam os obuses de tiro de longo alcance e 1200 granadas. O Ataque a Luanda só seria desferido na alvorada do dia seguinte, 10 de Novembro, dia em que as FAP sairiam de Luanda. Cento e quarenta sul-africanos em silêncio, posicionaram-se ao lado das peças, bem antes da hora de fogo que estava prevista ser pelas cinco horas ao alvorecer do dia.

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 18:44
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Terça-feira, 17 de Abril de 2018
A CHUVA E O BOM TEMPO . LXXX

NAS FRINCHAS DO TEMPO – 17.04.2018

- Nem sempre é necessária a culpa para se ficar culpado… Quanto mais me esforço mais me viro ao espírito…

Por

soba15.jpg T´Chingange . No Nordeste Brasileiro

De ontem para hoje meditei na resposta a dar ao meu amigo “pastor da palavra de Deus” em terras de África do Sul. Aqui no paraíso da Pajuçara do Brasil, lugar que escolhi para viver e, na Praia de Sete Coqueiros, já fui assediado para fazer parte da Igreja Maná, da Igreja Adventista do Sétimo dia, da Igreja Quadrangular e da Igreja da Nossa Senhora da Lagoa do Pau; um sem fim de gente a oferecer sua verdade. Indiferente a todas, continuei tendo Messias no pensamento cozendo-me ideias nos meus neurónios.

:::::

Com o mar Iemanjá a arrumar meu colesterol, firmando-se a mim num jeito espírita de lixar verrugas e outras maleitas, explanarei minha missiva a José Matias em resposta ao seu texto bem formulado e formatado e, também para me induzir à sua verdade. Assim transcrevo com itens de “J”… o dito por Matias e com “M” o dito por Monteiro (T´Chingange)…

matias j.jpg ::::J…1  

Acreditas no Messias? Mas há sempre um mas, visto Ele não resolver os problemas deste mundo que nos rodeia. Ele, o Cristo chamado Messias, não veio para nos resolver os problemas; Ele sim veio para nos mostrar o Caminho que devemos seguir afim de nós podermos herdar os novos céus e nova terra que Deus tem preparado para aqueles que o amam. No entanto todos aqui estamos sujeitos a ter problemas tanto os que confiam em Deus para a salvação, como os que impiamente conduzem outros para a condenação.

::::::J….2

O Diabo é o primeiro a acreditar em Deus, e na sua presença até estremece, e só faz o que por Deus lhe é permitido fazer, visto na cruz ter sido derrotado, foi limitado no seu poder, para agora todos os que querem alcançar a misericórdia de Deus o façam sem entraves. Mas... há sempre um mas!... O homem antes quer agrada-lo do que ouvir e atentar à voz de Deus. Logo culpam Deus das desgraças a que estão sujeitos enquanto vivem, se esquecendo que de boas vontades está o mundo cheio, os mesmos. Seu destino quer se sintam mais bonzinhos que os que criam desgraças, o caminho será o mesmo... Inferno.

:::::J…3

Visto não existir mérito algum em nós, que nos justifique diante daquele que nos criou. Somente Cristo o Messias tão anunciado é a justiça para todo aquele que crê na obra consumada na cruz. Será que falo chinês? Será que é assim tão difícil de entendimento? Alguém mais capaz de entendimento do politicamente correto, que me explique outro caminho mais esplêndido que possamos alcançar depois que a morte chegue, tenha ele a coragem.

DIA76.jpg:::::J…4

Mais uma vez, aqui estou anunciando aos meus amigos que um só Caminho existe, para sermos aceites por Deus, esse se chama o Cristo Glorificado, que ao céu voltou de onde tinha vindo, pois Ele mesmo se fez carne e habitou entre nós, Ele mesmo é o Deus todo-poderoso. Religião alguma pode nos esclarecer, mas Ele mesmo o pode fazer, quando no nosso aposento dobramos os joelhos e clamamos por socorro...

:::::J…5

Aí sim! Ele logo nos atende, e ficaremos sem dúvida sobre a sua presença, passamos finalmente a entender que antes nunca O haviam conhecido, e logo encontramos em nós, a luz que nos dissipa as trevas que nos envolve neste mundo tenebroso. Nunca mais vamos culpar a Deus pelas desgraças, pois nós mesmos somos os culpados delas.

:::::J…6

Ao amigo Monteiro e aos meus amigos desta página, assim o desejo… Que esta leitura ao correr da pena ilumine os olhos do entendimento, acerca deste Deus maravilhoso, que tive o grande prazer de conhecer á cerca de 43 anos, e hoje, o sirvo com muito prazer, razão porque O apresente sem rodeios e sem melaços, ou lisonjas, na expectativa que Ele mesmo conceda arrependimento para conhecerem a Verdade; sem isso nada feito, vamos continuar cegos!

soba0.jpeg:::::M…1

Li... Gostei mas... Vou dar-te uma resposta mais pensada. Talvez amanhã... Anexarei este teu texto muito bem elaborado ao meu, sem a pretensão de ir para o céu... O titulo será : A chuva e o bom tempo! ... Fica por aí - Com um ramo de manjerico e outro de arruda por se acaso...

:::::M…2

Cada religião pretende estar na posse exclusiva da verdade - Preconizar a fé cega sobre um ponto de crença, é confessar impotência em demonstrar que se tem razão. Não cabe à fé ir a eles, mas a eles (nós) irem ao encontro da fé e, se a procuram com sinceridade, a encontrarão. A fé não se prescreve e o que ainda é mais justo dizer: a fé não se impõe! Não! Ela, não se recomenda: - Adquire-se!

:::::M…3

E, não há ninguém que esteja privado de possui-la, mesmo entre os mais refractários! A resistência dum incrédulo vai mais pela maneira como se lhe apresentam as coisas - os factos.

À fé é necessária uma base e, essa base é a inteligência perfeita daquilo em que se deve crer; e, para crer, não basta ver, é necessário sobretudo, compreender!

araujo 101.jpg:::::M…4

A fé cega não é mais deste século XXI; é precisamente o dogma da fé cega que faz hoje o maior número de incrédulos, porque quer se impor e, até exigir a abdicação de uma das mais preciosas prerrogativas do homem: O raciocínio e o livre-arbítrio. Ao não se prescrever deixa- nos no espírito algo vago de onde nasce a dúvida.

:::::M…5

 A fé raciocinada, a que se apoia sobre os factos e a lógica, não deixa para trás nenhuma obscuridade. Não há fé inabalável senão aquela que pode encarar a razão, agora e sempre, em todas as épocas da humanidade. Quanto mais me esforço mais me viro ao espírito… Receio assim, me levares para o espiritismo!

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 20:52
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 15 de Abril de 2018
CAZUMBI . XXXVII

MIAI –BRASL : COMO SINTO O MUNDO - I  -12.04.2018

Por

soba15.jpg T´Chingange - No Nordeste brasileiro

Relembrando o livro de “Como vejo o Mundo” da autoria de Albert Einstein também me revejo nos limites da minha existência sem ignorar o pressentimento de que estou nesta terra convicto de que, como eu, haverá milhões de seres! Recordando uma máxima de Schopenhawer, também direi que o homem pode, é certo, fazer o que quer, mas não pode querer o que quer.

:::::

Hoje diante do espectáculo d impunidades, a justiça deixa-me apreensivo, taciturno e mal-humorado. No tempo aprende-se a tolerar muito daquilo que nos faz sofrer melhorando por aí meu sentimento de responsabilidade. Pois é… A humanidade cada vez mais se apaixona por devaneios irrisórios, futilidades sem ideal entretenimentos absurdos com indevida apropriação de glória, de luxo, riqueza ou até desvio em sua condição natural de vida.

ROXO164.jpg Integro-me sob protesto e muita dificuldade aos desmandos governamentais, na falta de ética e justiça justa. Também meu coração diante de tantas anomalias, experimento um quase descomprometimento com a sociedade por via deste, laços de estranheza; coisas que se agravam a contragosto com o distanciamento da idade.

:::::

Por vias travessas e atravessadas, não me sinto ligado ao Estado, ao “orgulho gay”, nem tampouco à pátria; coisas que se me apegaram á lucidez sem resguardar fronteiras, embora convicto que não é este o perfeito ideal. Serei assim cidadão do Mundo! Sei o quanto necessito de comunicar em harmonia com outras gentes e, mesmo havendo uma ou outra clareira de desilusão sei o que não sou: “comunista”. Quem não gostar, passe de lado…

ROXO163.jpg Perco deste jeito minha inocência ou ingenuidade, formulando-me em novas opiniões, minha dependência. E, porque testei o homem e a sociedade, nem sempre firmo uma opinião ou um julgamento fazendo disto um hábito inconsistente. E, tudo, porque as massas, o grande público, as gentes do bairro, do prédio, cidade ou país, continuam arrastados por uma dança de insalubre imbecilidade ou embrutecimento.

Roxo155.jpg Um Big Brother – meu irmão! Se alguém não pode ou não quer experimentar esta sensação, não pode mais experimentar o espanto ou surpresa. Ou eu brinco com o acaso ou será ele a brincar comigo…

Ilustrações: Pintura digitar de Assunção Roxo

(Continua…)

O Soba T´Chingange    



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:11
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quinta-feira, 29 de Março de 2018
MUGIMBO . CVIII

CICATRIZES DO TEMPO – 29.03.2018

-Mujimbos com borututu ou o interstício das falas… O drama da vida é a perspectiva mais comum da consciência – O sentido das palavras

Por

soba0.jpeg T´Chingange - No Nordeste brsaileiro

É necessário ter em conta os costumes e o carácter dos povos que influem sobre as línguas. O sentido verdadeiro de certas palavras escapar-se-á sem este conhecimento. De uma língua a outra, a mesma palavra tem mais ou menos energia, pode ser uma blasfémia ou uma injúria em uma e, não significar o mesmo em outra e, segundo a ideia que a ela se atribui.

:::::

Na mesma língua e, em países diferentes, certas palavras perdem seu significado alguns anos ou séculos depois. Uma tradução rigorosamente literal, não exprime sempre na perfeição um certo pensamento! É necessário por vezes empregar, não as palavras correspondentes, mas palavras equivalentes ou perífrases.

4 DE JUNHO.jpg Em meus escritos, refiro-me por vezes a vidas periféricas em função dum estado de dependência, a vivências diferenciadas, conceitos entalados pela semântica no uso da palavra. Se não se levar em conta o meio, o tempo e o local na qual se vive ou se viveu, ficar-se-á exposto a equívocos. Uso em meus escritos palavras próprias do local em que a cena se passa e, quando é mais abrangente notar-se-á falas e linguajares com jeitos e trejeitos locais…  

:::::

Posso citar as muitas interpretações do livro maior chamado Bíblia mas, não quero ir por aqui metendo-me voluntariamente numa guerra de palavras canibais. Sabe-se que a língua hebraica não era rica e muitas das suas palavras tinham vários significados. Estou-me a lembrar do termo camelo que naqueles idos tempos se designava a um cabo (fio entrelaçado).

IMG_20170823_133524.jpg Nas fases da criação e em géneses um cabo como hoje conhecemos era feito de pelos de camelo entrelaçados e, daqui chamar-se ao pequeno fio de camelo; conhecer-se a alegoria do buraco da agulha ajuda a entender o que vulgarmente consideramos de ditos: “ É mais fácil um camelo passar pelo fundo de uma agulha do que um rico entrar no reino dos céus”.

:::::

Não posso assim reconhecer-me em mérito ou em plenitude se separar do aconchego da amizade, o entendimento das coisas! Não é esta a minha real afeição. Quando digo em Portugal que “a malta não gosta da bófia”, no Brasil não entenderão; irão pensar que me refiro a um grupo de gente bóia-fria (tarefeiros ou ganhões) que colocam carris ou solipas em um trem.

IMG_20170615_143611.jpg O sentido vai assim para o brejo, o mesmo dizer-se que vai para o lixo ou para a basura. Estamos em permanente descoberta pois que só agora estão descobrindo que em nosso corpo há um novo órgão: o interstício, um espaço que incha e desincha, um grande órgão celular, sistema de comunicação que actua em órgãos diferentes como uma via de união entre todos os outros órgãos.

:::::

A partir de agora um inchaço será por culpa do interstício. Sem discutir as palavras, é aqui necessário procurar o pensamento que parece ser este com mais evidência: “ Os interesses da vida futura sobrepõem-se a todos os interesses e todas as considerações humanas”.

IMG_20170823_134917.jpg A mente e o corpo humano continuam a surpreender-nos. O interstício já tinha sido definido como o “terceiro espaço”, mas nunca o tinham considerado um órgão. Cientistas, em pleno século XXI, propõem agora que o interstício, formado por um espaço com fluido em circulação, se torne um órgão do corpo humano. Eles, revelam-nos que temos um órgão que nunca tinha sido considerado como tal.

roxo168.jpgDe Assunção Roxo 

Chama-se interstício, é formado por um espaço com fluido e está nos tecidos conjuntivos por baixo da superfície da pele, reveste o tubo digestivo, os pulmões e o sistema urinário e rodeia as artérias, as veias ou a membrana entre os músculos – tudo numa única estrutura. Pela primeira vez, os cientistas descrevem este órgão e consideram-no um dos maiores do corpo humano.

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 16:20
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sexta-feira, 23 de Março de 2018
ROXOMANIA . II

PEDRADA NO CHARCOA morte não existe! O que altera é a mudança de estado: do sólido para o sublimado…

Por

soba15.jpg T´Chingange - Mano Roxo do Nordeste brasileiro

Amolecendo na água do mar as unhas dos pés penso que a morte é uma mudança de estado; isso! Passar do estado sólido ao gasoso! Um pedaço de gelo que muda para água e que depois se evapora, continua a ser água, só que em outro estado. E nós - somos isto: água!

:::::

Sócrates foi o percursor da ideia cristã e do espiritismo. Sócrates não deixou nada escrito à semelhança de Messias, o Cristo; envolvidos na morte como criminosos foram vítimas dum fanatismo pelo facto de ferirem as crenças tradicionais e, também por colocarem a vontade real acima da hipocrisia mais do simulacro das formas.

ROXO19.jpg Ambos, por terem combatido os preconceitos dos religiosos da época, foram acusados pelos Fariseus de corromper o povo, sua juventude com seus ensinamentos e, proclamando o dogma da unicidade de Deus, da imortalidade da alma e da vida futura.

:::::

Foi Platão que escreveu o que se conhece de Sócrates na grandeza divina e, sem o interesse mesquinho das seitas - alterando paradigmas. Por suas ideias avançadas para a época, Sócrates e Cristo foram mal julgados.  Ao longo do tempo o uso das palavras pelo ser humano, melhor, as palavras por si só, foram ficando canibais. Umas mais fortes foram comendo outras fazendo-se prevalecer.

lula01.jpg No conceito de que “é a minha palavra contra a tua” umas saem mais verdadeiras do que outras. Ainda ontem assisti via TV, ao debate de ministros do Supremo Tribunal do Brasil a essa forma canibal de comer as palavras dos demais. Na defesa do “Habeas Corpus*” digladiavam-se em passos de lei para fazer valer o direito constitucional ou não, para se prender Lula.

:::::

Notando-se nas falas a balança das afinidades, resolveram adiar até o dia 4 de Abril a decisão do STJ com uma “preliminar”. Acontece que dia 26 serão esgotadas todas as formas de defesa e caso não fosse esta “preliminar!” Luís Lula da Silva seria preso a seguir ou não! Convém esclarecer que Lula, o Ex-Presidente do Brasil, foi condenado a 12 anos e um mês em segunda instância. Esgotam-se aqui e por lei, os recursos de defesa.

144.jpg Ontem tive oportunidade de verificar no confronto de bizarrias a forma de dizer e a forma de não dizer, tribunal maior aonde as palavras são retiradas como de ganchos em um talho, azougue das mentes com dentes caninos filando-se em outras de maior debilidade. Este filme continuará mas, e desta feita quero aqui dizer que ontem também, acusei por “cem palavras” uma fiel amiga que em resposta a uma mokanda – carta, respondeu laconicamente um “sem palavras”; é que o assunto tinha pano para mangas…

:::::

O “cem” e o “sem” fazem toda a diferença. Sem querer, querendo, justifiquei-me em salpicos feitos fagulhas do trem a vapor, do Tua do M´Puto. Pelo que, menos mal que Roxo pareceu aceitar mas, em verdade poderia ter omitido esta coisa pouca. Pois sucede, que também a fagulha do Tua do M´Puto me tocou no olho e assim ambos ficamos entorpecidos num momento. Mas, eu não tenho o direito de como piranha comer neurónios! Desculpa Roxo…não deveria assim ser.

roxomania2.jpg Deste modo singular e no aconchego da amizade, a ela, Roxo, ofereço umas singelas falas de como se solipas fossem dum trem maravilhoso, o do Tua do M´puto. E, assim percorrendo suas linhas paralelas lá chegaremos ao infinito que fica no Pinhão do Douro. Quem viaja tem destes percalços. É a verdade!

 * Habeas Corpus é uma garantia constitucional em favor de quem sofre violência ou ameaça de constrangimento ilegal na sua liberdade de locomoção, por parte de autoridade legítima (da Wikipédia).

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 18:38
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quarta-feira, 21 de Março de 2018
MOKANDA DO SOBA . CXL

ANGOLA DA LUUA XL - TEMPOS PARA ESQUECER – 20.03.2018

- «Muitos dos “libertadores” sonhavam com a casa, o carro, os privilégios e as posições dos colonos. Conquistaram-nas e tornaram-se piores do que estes… »

Por

soba0.jpeg T´Chingange - Desde o Nordeste brasileiro

Em Kampala, o presidente da OUA, idi Amim, insistia para que a data da independência fosse mantida sendo Portugal a responsabilizar os nacionalistas por um não acordo. O Secretário-geral da UNITA presente à conferência acusou as FAP de não se oporem à entrada de armamento e mercenários a ajudarem o MPLA no Lobito, Sá da Bandeira e Pereira D´Eça. Em Pereira D´Eça o comandante português entregou o aquartelamento a elementos do MPLA tendo-os vestido com camuflados do exército português, uma clara desobediência e afronta por ser esta região afecta à UNITA.

:::::

Este procedimento foi de uma nítida e grosseira degradação moral para as autoridades portuguesas. Manuel Resende Ferreira disse neste então: -Ainda havia esperança e soldados que não nos abandonavam. Referia-se ao Tenente Fernando Paulo e alguns dos seus homens que resolveram desobedecer ao comando para protegerem um grupo de refugiados no Chitado. Para o efeito criaram ali uma zona de segurança.

mocanda13.jpg São estes os heróis esquecidos, soldados de Portugal que abandonam o exército comunista Português para protegerem cidadãos e, lutar contra a anarquia comunista. E, que foi feito do Tenente Fernando Paulo? Pesando nele dei-me conta que era o fim do império colonial. As feras foram largadas das jaulas com a lei 7 barra 74 do MFA. A Luua eclipsava-se! Tarde piaste! E, agora vamos fazer o quê para o M´Puto?

:::::

As NT - Nossas Tropas já não eram nossas. Davam cunhetes, canhões e até carros de combate numa perfeita cooperação de entreajuda FAP- FAPLA mandando prólixo os acordos de Alvor, da Penina… O MPLA da Luua inventava a maka! Inventava os pioneiros! Depois o Poder Popular! E surgiu o Kaporroto, o kuduro e a victória é certa. Eles já tinham inventado o monstro Imortal, o Valodia e o Monacaxito…

mocanda14.jpg As makas organizadas com o objectivo de criar o caos, originar pancadaria e depois a vitimização já tinham características de sofisticada mentira; meter tudo no barulho, pressionar psicologicamente e criar condições de favorecimento por parte dos militares do MFA, as NT, o CCPA – Comissão de Coordenação do Programa do MFA e o Alto-Comissário…Já se fazia tudo às claras.

:::::

Em um encontro de Melo Antunes com Henry Kissinger, aquele responsável português e a pedido do Secretário Americano disse que era difícil de lidar com Neto; que era difícil de o classificar politicamente como um comunista ortodoxo! À coisa dada (Angola) teve a desfaçatez de dizer que a liberdade, não se recebe, arranca-se! Mas que pulha! Com estes laivos de poeta dava dicas torpes de mau agradecimento aos militares revolucionários do M´Puto. Bem feito, cambada! Alguns não gostaram…

mocanda16.jpg Quanto a Holdem Roberto não tinha solida formação política, era um fraco e facilmente corrompido; dependia de Mobutu! Dos três líderes nacionalistas, era Savimbi o mais inteligente, o mais hábil e o mais forte politicamente. Cada qual fazia o que lhe dava na gana com a Kalash na mão. A lei e a ordem, a justiça eram coisas inexistentes ou anedóticas pela pior das negativas… Disto, o Melo Antunes nem falou mas, nós assistíamos martelando caixotes com raiva, rilhando o dente; naquele agora, mais não podíamos fazer.

:::::

A tropa portuguesa continuaria a fazer segurança nos terminais de comunicações marítimas e aéreas de Luanda, aeroporto civil e militar do porto e Ilha do Cabo controlando o eixo Ilha – Fortaleza de S. Miguel, Palácio da Cidade Alta e Quartel-general. Nova Lisboa, a cinco de Outubro de 1975 era uma cidade morta, aonde ficaram somente trinta brancos. Na terceira semana de Outubro a evacuação do Lobito, benguela e Moçâmedes estava concluída. 

mocanda17.jpg Em Luanda a quantidade de deslocados era já muita; superior à capacidade diária de escoamento. O conflito não parecia afectar a produção da Golf Oil Americana que continuava a extrair mais de cem mil barris de petróleo por dia. As obrigações financeiras iam direitinhas para o Banco de Angola com a gestão do MPLA na pessoa de Said Mingas, um antigo colega meu por cinco anos, na Escola Industrial de Luanda.

mocanda21.jpg Nenhum daquele rendimento ia no momento para Portugal. No dia 23 de Outubro a pretexto da invasão Sul-africana e a incursão Zairense, o Estado-maior das FAPLA decreta a mobilização geral de todos os homens entre os 18 e os 35 anos. Este recrutamento abrangia todos os naturais de Angola ou lá radicados. Os estrangeiros teriam de se apresentar nos Postos Policiais para validar e autenticar os documentos a fim de registar sua permanência. Era-lhes dado três dias!

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 14:59
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Segunda-feira, 12 de Março de 2018
MOKANDA DO SOBA . CXXXIX

ANGOLA DA LUUA XXXIX - TEMPOS PARA ESQUECER – 12.03.2018

- «Muitos dos “libertadores” sonhavam com a casa, o carro, os privilégios e as posições dos colonos. Conquistaram-nas e tornaram-se piores do que estes. Desculpar-se-ão agora com a guerra…»

Por

soba15.jpg T´Chingange - No Nordeste brasileiro

Pois! Desculpar-se-ão com a guerra. Só que a guerra, que matou e estropiou tantos, alimentou um punhado de pessoas, que se tornaram insultuosamente e incestuosamente ricas…» Os brancos de Angola, no geral, culpam o MPLA com seus grupos de Poder Popular, culpam também os seus irmãos Tugas capitães de aviário e uns tantos civis apanhados na teia do PREC pelos males que atingiram aquele território chamado de Província ultramarina, a actual Angola.

:::::

A fim de desbloquear situações, verbo fácil de fazer milagres, olhos vivaços para resolver problemas fúteis e bizarros, os chamados retornados, entre o desespero e a morte tiveram o condão de tocar a vida prá frente desafiando pormenores de sobrevivência. Alguns detalhes, são demasiado trágicos e outros, muitos, demasiado sofríveis…

zeka9.jpg E, os colonos? Os colonos, uns morreram num ai, repentinamente e sem saber do porquê; porque MPLA e MFA haveriam de manipular os espíritos, carregar nos botões das almas inocentes, com o fígado incompleto tornando candengues em militares de primeira linha. A esta milícia sem estrutura criada por Rosa Coutinho e Agostinho Neto e, que viraram monstros desapiedados, deram-lhe o nome de pioneiros…

:::::

Apesar das NT - nossas Tropas, serem de pouca utilidade para os colonos, muitos dests, tinham e têm afinidades que os prendem ao silêncio sendo benevolentes com a situação do antes, durante e depois do TUNDAMUNGILA – a guerra de tuji que culminou na ponte LuuaLix. Para não me mentir é o que posso analisar derivado da triagem feita entre os silêncios e da benevolência com a situação, agora que são passados já mais de 43 anos de independência. Quando não se calam dizem enormidades versejadas com poesias….enfim!

zeka3.jpg Os soldados de outrora, diferenciaram-se com os cabeludos abrilistas por não verem no terreno o tão propalado pelo MFA, pelos “revolucionários com o Ché na flanela”… ainda bem que subsiste este senão… Estes mais velhos e conscientes militares do M´Puto, ajudaram a consolidar um sentimento de última hora das NT. Algo mudou mas esta hora, chegou demasiado tardia. Tudo porque o MPLA usava uma táctica que não caiu de todo por “bem vista” a alguns militares portugueses. Estes deram-se conta que a cúpula e o Poder Popular do MPLA eram cães sarnosos; não reconheciam seu dono nem sabiam ser camaradas…

:::::

Os Navios Hermenegildo Capelo, N´Gola e Açores, faziam chegar a Luanda deslocados de todo o litoral Sul como Novo Redondo, Lobito, Benguela e Moçâmedes. Para Moçâmedes e, em fins de Setembro uma companhia de Pára-quedistas seguiu para esta cidade a fim de controlar o embargue de bagagem dos refugiados. As FAPLA, só permitiam os embarques com a sua presença obrigando os trabalhadores da estiva a só cumprirem cinco horas por dia.

vasco gonç.0.jpg Faziam o que bem lhes dava nas ganas retirando parte da bagagem que estava dentro das viaturas. O MPLA e pessoal adstrito a este movimento fazia obstrução para ver o que os brancos levavam para o M´Puto. Em Portugal e posteriormente, contactei com gente desta que passaram a pertencer aos Adidos; afinal suas afinidades eram de falsidade. Como lidar com isto!? Isto tem de ser mencionado porque a traição ocorreu no antes, no durante e no depois… Mas, só eu vejo isto! Há por ai gente muito acomodada que ao ler isto ou nada diz ou se sublinha num banal: gosto!

:::::

Pois foi aquela companhia de Pára-quedistas que pós fim a esta situação. Diga-se em verdade que Savimbi prometeu enviar de Nova Lisboa para Luanda todas as bagagens ou pertences dos Adidos ou desalojados; colocou guardas a montar vigilância das mesmas, assegurando que iria evacuar todos os brancos ainda dispersos pelas áreas da UNITA se assim o desejassem.

vasco1.jpg Savimbi declarou ter havido ingenuidade de sua parte em acreditar que todos os Movimentos só receberiam as armas que Portugal lhes desse. A única coisa que pedia a Portugal era a de que Lisboa não legitimasse o MPLA num reconhecimento de declaração unilateral de independência; e frisou bem: mesmo que outros países o fizessem!

:::::

Holden Roberto, confiante que iria tomar Luanda nas vésperas do 11 de Novembro aceitou que a entrega do poder fosse dada ao Movimento que nessa altura estivesse na posse de Luanda. Este bluff era senão demasiado inocente, demasiado estupido! Em verdade, esta espécie de estadista ficou no lodo da estória. No dia cinco de Outubro, o Almirante Leonel Cardoso queixava-se por ainda não ter sido informado.

mouzinho1.jpg E, no caso de todas as diligências para um entendimento com o MPLA, falharem, o que fazer? A quem vamos entregar o poder ao chegar o onze de Novembro se, se mantiver esta situação de impasse? Diria ele numa forma de interrogação… No M´Puto andavam demasiado distraídos; as sedes dos COMUNISTAS, começavam a ser queimadas…

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 18:18
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sábado, 10 de Março de 2018
CAZUMBI . XXXVI

CINZAS NO TEMPO10.03.2018

- Andamos com o credo na boca, motivo de causas alheias … A ponte 25 de Abril do M´Puto que antes era de Salazar, tem as cordas ruidas, os parafusos estão a desandar e os rebites a chiar…

Cazumbi é feitiço ou mau-olhado em Kimbundu

Por

soba15.jpg T´Chingange

Revisitando Murphy, recolhi de seus escritos que as coisas têm tendência para correr mal sem a possibilidade de reverter o acontecido. Podemos por observação dizer que uma chávena em cima da mesa e no passado está num estado de “ordem” e, a chávena estilhaçada no chão com água derramada, o contrário disso, “a desordem”.

:::::

O motivo definido em tempo que leva entre a chávena inteira e a destruída acontece por um acaso, uma falha, uma coincidência, um erro ou uma má sorte como coisa vista normal.

SALAZAR 2.jpg Sabendo que uma partícula ocupa um ponto no espaço, em cada instante, pode esta estória ser representada por várias linhas entrelaçadas no espaço-tempo e, que a todo o momento e expandindo-se formarão outras linhas deixando de ser aquela “corda”.

:::::

Mas também pode acontecer como sucede no universo cósmico, estas linhas formarem outras cordas que tendem a fechar-se formando um túnel! O túnel da minhoca (universal)!

Pois ao momento da desordem a partir da ordem chamarmos “a seta do tempo” - qualquer coisa que distingue o passado do futuro, passando pelo “agora” ou o “presente” que nunca espera o antes.

Salazar3.jpg O sentido de que o tempo passa, é psicológico, porque nos lembramos do passado mas, não do futuro! É aqui que a porca torce o rabo! Não querendo entregar meu coração à tristeza nem o deixar vadiar nas fatalidades de Murphy, vim beber e divertir-me com gente amiga; iluminado por Deus, pois claro! Pois que pelo que se diz, Ele ilumina as frinchas de todas as portas, todos os zingarelhos e até geringonças…

:::::

Assim e debaixo dum sol ardente, um abafado calor de crispar sobrancelhas em escondidos pensamentos, cabe a mim transformar as coisas poucas em adultas tornando as fábulas em lendas, coisas que só os pastores no púlpito, podem fazer e criar, mesmo que estando confundidos entre as ovelhas.

salazar2.jpg Cá para mim o Salazar, tem culpas sim! Não devia ter feito a ponte porque era previsto poder cair e, caiu sim! Numa só noite levantaram outra com o nome de 25 de Abril. A seta do tempo do Murphy não esqueceu o antes… Nem Ferreira do Amaral... Afinal para que serve o pagamento das portagens?

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:43
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

CAZUMBI . XXXVI

CINZAS NO TEMPO10.03.2018

- Andamos com o credo na boca, motivo de causas alheias … A ponte 25 de Abril do M´Puto que antes era de Salazar, tem as cordas ruidas, os parafusos estão a desandar e os rebites a chiar…

Cazumbi é feitiço ou mau-olhado em Kimbundu

Por

soba0.jpegT´Chingange

Revisitando Murphy, recolhi de seus escritos que as coisas têm tendência para correr mal sem a possibilidade de reverter o acontecido. Podemos por observação dizer que uma chávena em cima da mesa e no passado está num estado de “ordem” e, a chávena estilhaçada no chão com água derramada, o contrário disso, “a desordem”.

:::::

O motivo definido em tempo que leva entre a chávena inteira e a destruída acontece por um acaso, uma falha, uma coincidência, um erro ou uma má sorte como coisa vista normal.

salazar 1.jpg Sabendo que uma partícula ocupa um ponto no espaço, em cada instante, pode esta estória ser representada por várias linhas entrelaçadas no espaço-tempo e, que a todo o momento e expandindo-se formarão outras linhas deixando de ser aquela “corda”.

:::::

Mas também pode acontecer como sucede no universo cósmico, estas linhas formarem outras cordas que tendem a fechar-se formando um túnel! O túnel da minhoca (universal)! Pois ao momento da desordem a partir da ordem chamarmos “a seta do tempo” - qualquer coisa que distingue o passado do futuro, passando pelo “agora” ou o “presente” que nunca espera o antes.

salazar4.jpg O sentido de que o tempo passa, é psicológico, porque nos lembramos do passado mas, não do futuro! É aqui que a porca torce o rabo! Não querendo entregar meu coração à tristeza nem o deixar vadiar nas fatalidades de Murphy, vim beber e divertir-me com gente amiga; iluminado por Deus, pois claro! Pois que pelo que se diz, Ele ilumina as frinchas de todas as portas, todos os zingarelhos e até geringonças…

:::::

Assim e debaixo dum sol ardente, um abafado calor de crispar sobrancelhas em escondidos pensamentos, cabe a mim transformar as coisas poucas em adultas tornando as fábulas em lendas, coisas que só os pastores no púlpito, podem fazer e criar, mesmo que estando confundidos entre as ovelhas.

salazar2.jpg Cá para mim o Salazar, tem culpas sim! Não devia ter feito a ponte porque era previsto poder cair e, caiu sim! Numa só noite levantaram outra com o nome de 25 de Abril. A seta do tempo do Murphy não esqueceu o antes… Nem ferreiras do Amaral. Se o que pagamos de portagem não é para pagar a manutenção  do monstro, então para onde vai oa nossa maçaroca?...

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:24
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sexta-feira, 9 de Março de 2018
XICULULU . CVIII

NAS CINZAS DO TEMPO – 09.03.2018

- Um homem sem religião é como um hipopótamo sem bicicleta… Eu e a Talassoterapia riscando o tempo com uma velha grafonola…

XICULULU : - Olhar de esguelha, mau-olhado, olho gordo, cobiça…

Por

soba15.jpg T´Chingange - No Nordeste brasileiro

Estava na água ginasticando minha talassoterapia, os peixinhos mordiscando minhas velhas e cascudas peles dos pés, quando recebo uma mensagem telepática oriunda da muito longínqua galáxia de pedra virada, uma estrela super esquecida na nebulosidade cósmica. Era Frank Sinatra que, muito saudoso queria saber novas e velhas, recordando belos momentos passados com a turma da maré rasa na praia de Messejana do M´Puto.

john01.jpg Fiquei assim um pouco destranslucido dos neurónios vendo ziguezagues de minhocas percorrendo meu olho esquerdo. Sem mesmo saber do meu estado, se bem se mal, pergunta-me de rajada se tinha as pranchas de surf preparadas para a faena de tubular ondas gigantes na praia de Messejana.

roxo161.jpg Em sonho já tinha sido avisado que algo iria surgir de anómalo pois que toda a santa noite andei de feira em feira e cumcamano, nas contas todas, sempre tinha de multiplicar com uma constante de pi que corresponde a uma catrefada de números sendo 3,1415926 elevado à raiz quadrada. Era um sério aviso de que rolava no ar uma mensagem percorrendo ano-luz de contratempos ou alegrias porque o dia ainda estava por nascer.

frank1.jpg Era aquele zunir de ouvidos com eco espacial que antecipava ondas da longínqua pedra virada e, logologo do Frank Sinatra. Tens a minha prancha encerada? Quase com medo disse: tenho! Mas em verdade já nem sabia aonde estava tal artefacto de rolar ondas cibernéticas duma praia que só o era digital! Agora lixado, pensei também à velocidade da luz e disse ao calhas que estava por cima da palha do celeiro, mesmo ao lado do lagar de azeite.

roxo43.jpg Mas já estás a caminho? Perguntei! Não, foi a resposta. Respirei fundo já a pensar em ensaboar a coisa que estava na certa cagada e arranhada pelos galináceos da Assunção Cailogo. No meio de raspagens no espaço com fotões carregados de cargas negativas apercebi-me que não estava só. Frank leu nem sei como, minha interrogação e, disse estar acompanhado de nosso comum amigo ET 325 de olhos grande e achinesados.

frank2.jpg Pois disse ter ficado profundamente agradado com aquelas festas quase natalícias que eu promovi lá na Funcheira, Garvão e Barragem de Santa Clara. Das festas com balões na companhia de nossos amigos John Wayne, Jack Palance, Sammy Davis Jr Dean Martin., e o cómico Silva. Fazia anos que não andava em comboio a lenha e vapor e, até recordou a fagulha que inadvertidamente lhe entrou num olho no exacto momento em que apitava.

:::::

Estava animado e deixei-o falar; parecia ter saudades de cantar carências afectivas até. Recordou também o encontro com as meninas da Ribeira do Sado. E, pôs-se a cantar em inglês: "The girls of the Ribeira do Sado are what they are, they dig the earth with their toenails, the girls of Ribeira do Sado are like the sheep, they have ticks behind their ears." (“As meninas da Ribeira do Sado é que é, cavam a terra com as unhas dos pés, as meninas da Ribeira do Sado são como as ovelhas, têm carrapatos atrás das orelhas”). Só me pude rir a bandeiras pregadas para não sair água quente pelas turbulências.

frank3.jpg Que quando viesse pra cá, lá no M´Puto (Ele nem sabia que minha pessoa, estava no Nordeste brasileiro). Mas como ele é bruxo que adivinhe, pois então!  Como dizia queria encontrar-se com os mineiros de Aljustrel para ondear pra lá e pra cá o cante da planície; gostou muito de partilhar com estes seus cantes e também as borgas com escolha de carne das cabeças dos borregos. Do que ele se lembrou! Só faltou recordar as comezainas de caracóis e açordas de poejos da ribeira de Panoias e os secretos de porco preto de Santa Luzia.

roxo 160.jpg Mando daqui uma saudação a Assunção Roxo, à Zita Falcão, ao Zeca Mamoeiro da Maianga e aos meus compadres de Ourique. Como é então!? Sabia lá eu quem eram os compadres dele! Disse-lhe que só lá para o fim do verão do M´Puto poderíamos juntar esta catrefada de gente para gozarmos umas férias à maneira. Sim! De fazer um grande piquenique na praia do Brito Camacho… Estava assim um pouco perplexo pois que nem sabia essas relações de amizade com estes meus amigos Xis-Pê-Tê-Hó.

jack1.jpg Olhando agora o barco grande que desde o horizonte do alto mar leva turistas para Recife de Pernambuco, pensei que talvez fosse melhor sugerir-lhe irmos todos para aí: a Nova Jerusalém de Caruaru e festejarmos a Paixão de Cristo, o maior teatro ao ar livre do Mundo nesta época de páscoa! Mas, nada disse. Só pensei! Julquei melhor por agora deixar as coisas assim mesmo. Em despedida cantou-me o Strangers in the Night por um megafone que riscava o tempo; talvez por estar a muitos anos-luz de mim! Corações ao alto; eram horas de ir comprar o rolo de fita beije à retrosaria da Jatiúca para ornamentar o abajur de dar luzes na minha Pajuçara… Sucede-me cada uma que parece meia dúzia…

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 19:24
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Terça-feira, 6 de Março de 2018
A CHUVA E O BOM TEMPO . LXXVII

NAS FRINCHAS DO TEMPO – 06.03.2018

-  O mistério da vida - Um homem sem a liberdade de ser e agir, por mais que conheça ou possua, não é nada…

Por

soba15.jpg T´Chingange . No Nordeste Brasileiro

Um homem sem a liberdade de ser e agir, por mais que conheça ou possua, não é nada. O destino da humanidade repousa irremediavelmente e, cada vez mais que nunca, sobre as forças morais do homem. Se se quiser uma vida livre e feliz, forçosamente haverá necessidade de se restringir ao essencial e renunciar a muitas tentações; daqui dizer-se estar sempre limitado!

araujo86.jpg Hoje o destino da humanidade repousa sobre os valores morais que consegue suscitar em si mesma. Todos, ou quase, percebemos que o livre jogo das forças económicas, o esforço desordenado e sem freios dos indivíduos para dominar e adquirir a qualquer custo, nos conduzirão mais e de forma automática a uma solução insuportável deste problema: tanto roubo, tanta hipocrisia e corruptela.

:::::

Será necessário rever velhas ordens, planifica-las em novas para que a produção de bens do emprego da mão-de-obra e da repartição em bens de consumo, não sejam uma simples quimera; evitar a todo o custo o desaparecimento de importantes recursos produtivos com o inerente empobrecimento levado a uma vida ultrajante de subsistência e dependência…

araujo87.jpg O estado deverá ser permanentemente inovador nas áreas de educação e pesquisa. Será com novas áreas de modernidade e novos paradigmas que se alcançará o bem-estar social. Se na vida económica de um povo, o egoísmo e corrupção persistirem - o “monstro”, inevitavelmente derrotará a democracia tal como a conhecemos e concebemos.

:::::

A política tornar-se-á tão nefasta que no dia-a-dia perigará a condição em se ser um cidadão honesto. Os estragos serão cada vez mais atrozes ao entendimento da gente que cada vez mais detestará a política e os políticos. Detestará também os sindicatos e sindicalistas manobradores. A menos que os homens descubram e bem depressa, os meios de se protegerem deste desequilíbrio ético, caminharemos rapidamente para guerras internas…

araujo88.jpg As dispersões de opinião serão cada vez mais distribuídas, originando uma incerta forma de governo e, proporcionando na certa, o aparecimento de associações do tipo geringonça. Estas terão pela certa jogos de sociedade respeitando escrupulosamente sua visão ideológica, suas regras, suas normas, seus interesses.

:::::

E, a dúvida de todos ou de uma grande parte subsistirá porque, quando se trata de ser ou não ser, as regras e compromissos, nada valem. Sei-o por experiência própria em um tempo não tão distante: 1975 – Um tal de acordo de Alvor – lugar do M´Puto! Aonde então, se meteram os estadistas? Diriam como salvaguarda posterior serem medidas revolucionárias! A evolução dos últimos anos põe em foco o facto de termos muito poucas razões para confiar nos governos; em confiar na ética e responsabilidade…

araujo122.jpg A confiabilidade dissolve-se assim, em permanentes duvidas e, nisto de assim ser, não há objectores de consciência. Na verdade trata-se de um combate desigual ou ilegal; um combate pelo direito real dos homens contra seus governos já que estes, exigem de seus cidadãos actos criminosos de demasiados e injustos impostos, demasiadas leis e, desadequadas.

Ilustrações aleatorias de Costa Araujo

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 18:47
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 4 de Março de 2018
XICULULU . CVII

TEMPOS QUENTES – 04.03.2018

- Porque cada homem é um mundo, tem que ao tempo, dar-se tempo… Um dia no M´Puto encontrei uma pedra-de-raio; uma pedra portadora de superstições vindas do tempo neolítico…

Por

soba15.jpg T´Chingange

Muito depois dos Etruscos, Plínio, um antigo escriba romano, comungava da crença de que a pedra polida tinha alguma cousa divina afirmando que elas caíam do céu com os raios das chuvas.  Isto embrulhou-se-me no pensamento até os dias de hoje. Tenho uma pedra destas desde ano de 1983 e apanhada exactamente sete anos, sete meses e sete dias depois de sair da guerra do tundamunjila da Luua de Angola.

:::::

Está na minha sala da casa do M´Puto do Algarve, bem ao lado duma trilobite petrificada que troquei por um kispo em Tetouan, uma terra situada no Atlas do Norte de Marrocos, não muito longe de Marraquexe. As superstições dominam muitas mentes sem se saber ao certo suas proveniências.

etruscos0.jpg São legados de subconsciente sem se saber ao certo se saíram de cristãos, judeus ou mouros. Fiquem a saber que ainda hoje são estas pedras denominadas línguas de S. Paulo; pedras de sílex, lisas e em forma de ponta de flecha.

etruscos2.jpg Diz a lenda que quando um camponês romano encontrasse uma dessas pedras, se ajoelharia de imediato e que, com toda a devoção, a apanharia não com a mão mas com a língua e, depois a colocasse no lugar mais respeitoso de sua casa para a preservar dos raios da chuva.

:::::

Eu não fiz isto naquele ano de 1983, sete anos, sete meses e sete dias depois de chegar a terras de M´Puto e no lugar de Vale de Lousas. Estava ainda por saber por desconhecimento da tradição com lenda. Creio que foi a partir deste dia que se deu início à minha própria lenda - Março de 1983!

etruscos01.jpg E, porque a tradição manda, assim procedi! Sem a lamber, resguardei-a do mau-olhado da trivial onda xicululu e da comum avareza das gentes, entre outras que tais, sabendo de antemão e até antepé, estar a singularidade das coisas impregnada de ruins olfactos; mesmo estando assim como esta, uma pedra gasta e na forma de um raio-que-parta.

:::::7

Quantas mãos não teriam já manipulado esta, agora meu património, assim fosse para matar e cortar coelhos, cortar línguas e narizes e até sacrifícios nesses antigos tempos dos Etruscos, nossos primos afastadíssimos do tempo neolítico. Do tempo do Ferro, do cobre ou do bronze. O progresso com novas descobertas relegam estes instrumentos para as prateleiras de caves escuras e solitárias.

etrusco4.jpg O desprezo mofou-as mesmo sendo naquele então um artefacto com tecnologia de ponta. No meu jeito de ver, sinto que tenho o dever de a agraciar porque, depois duma abrilada peçonhenta na mistura duma guerra de tundamunjila (Ponte da LuaLix sem retorno, nem estorno – Angola / M´puto) só me resta esta postura erecta. Não há forças que destruam lendas…

etruscos1.jpg Talvez daí venha o termo “um raio que os parta”. Por vezes fico esgravatando meus neurónios, ponho as mãos na testa como um pensador e, o curioso, quando esta tapo, sempre vejo uma bola roxa no centro esbatendo-se na amplitude dos diâmetros sem bordas, o mesmo dizer sem fim. Foi assim na meditação profunda que recebi o legado de como matar lacraus e cobras… Isto ficará para outro xicululu…

O Soba T´Chingange    



PUBLICADO POR kimbolagoa às 12:45
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quarta-feira, 21 de Fevereiro de 2018
FRATERNIDADES . CXIX

METÁFORAS DA VIDA – 21.02.2018

- FOTOS AMARELECIDASSe, em um aleatório lugar vires um oprimido, não te surpreendas - Tem outro mais alto que o vigia… Estória dedicada ao poeta Eduardo Torres da Chibia, na Kizomba…

Por

soba0.jpegT´Chingange

Em um antigo dia fui passear com Edu a Ondjiva (Pereira Déça), uma fazenda de seu pai aonde vendiam carne de alongue e vendiam peixe frito ao pessoal da lavra e amanho das nemas; isto é do que me recordo. Íamos em um carro com a última tecnologia de ponta, meio madeira, meio lata grossa e pneus maciços, borracha do Amazonas com o nome de Nash que pegava no arranque com manivela. Mochilas no carro, acomodados, partimos ao som duma betoneira botando fumarolas às prestações.

:::::

Tudo seria como o planeado e prometia até ser inesquecível; disfrutando da paisagem com uma nuvem de pó e gazes para assustar mosquitos das lonjuras, nós gozávamos das terras do fim-do-mundo; vistas secas das anharas via Rundu, início da Damaralãndia do Calahári. A luz que indica o super aquecimento do motor acendeu no painel frontal de nogueira encerada. Aquele vehículo estórico, propriedade de se pai, dizia-nos daquele jeito que algo estava errado. Estávamos uns bons quilómetros além Chibia.

nash6.jpg Mesmo entendendo pouco de mecânica, sabíamos que a luz do aquecimento aceso era sinal de algo errado e lá tivemos de encostar junto a uma n´nhiwa para sabermos a gravidade do sucedido. Decidimos abrir o capot e, assim ficamos a olhar o motor como um boi olha para um palácio; seria do radiador? Talvez! Seria da correia de distribuição? Talvez! Seria da biela? Seria da tíbia? Talvez? Talvez!

:::::

No meio de tanto talvez, nosso monangamba Nepomuceno sugeriu assim: - Minino patrão Edu, melhor mesmo é fazer oração no nosso N´Zambi. Os minino, num sabe mesmo coisa nenhuma, eu acho melhor no então, catravêz … Catravêz o caraças disse Edu para o seu mona chateado da silva mas e, reconsiderando, pediu que cada qualmente rezasse no seu Santo ou Santa.

Torres0.jpg Bem! Eu rezei para Nossa Senhora da Muxima. Ele mesmo, Edu rezou para a Nossa Senhora de Fátima e Nepomuceno rezou ao seu rei N´Zambi. Ia na metade da minha inventada oração a Muxima quando num repentemente Nepomuceno descomplica nossos muxoxos de reza dizendo: -Olha só Patrãozinho…Vem lá uma carrinha Dodge! Assim era! No centro duma poeira medonha lá vinha um vehículo de tração a motor soprando pó prámata.

:::::

Um homem moreno, alto e calvo com pronúncia de carcamano gweta parou atrás e acto repentino perguntou se necessitávamos de ajuda! As meias palavras de Edu foram suficientes para ele deduzir qual era a avaria. Sem muitos rodeios começou a espreitar o motor, ver tubos e, com cuidado foi folgando o tampão do radiador. Saiu dali uma fumaça quente do caraças.

nash4.jpg Deitou-se bem por debaixo do motor e apalpando o fundo do radiador disse: -Está qui! Não ficamos a saber bem o que quereria dizer e retirando da boca uma bola de chicle xwingame pressionou o negócio naquele que era o busílis da causa. Já de pé voltou a olhar umas borrachas, foi buscar à Dodge uns arames e com um alicate universal deu uns apertos no arame.

:::::

Com um jerrican encheu nosso radiador (melhor dizendo do vehículo Nash) de água tapando o recipiente e ao concluir disse simplesmente: -Já está! Sem dizer mais nada tirou do bolso um cartão e, deu-o a Edu! Ele leu e, guardou! Claro que eu fiquei intrigado! O senhor carcamano disse goodbaye e, meteu-se a caminho logo após ter posto o Nash a trabalhar! Pareceu ser agora menos betoneira do que lá atrás.

::::

Já o Dodge ia longe quando pedi a Edu que me mostrasse o cartão que ele lhe dera! E, pude ler com surpresa “Mecânico assistente de Nossa Senhora de Fátima”. Podem acreditar, fiquei num deslumbramento de boca aberta! Afinal a oração do Edu resultou mesmo. Sem aceitar um centavo sequer, chegou, meteu o chicle no lugar, fez o que tinha de fazer e bazou! Foi-se!

chibia.jpg E, olhem que por ali havia leões, solitários e hienas esfomeadas; os terroristas mesmo, só chegaram ali depois de 1975, feitos outros ET´s cavalgando cavalos de ferro marca M´Puto com bazucas e granadas Braço de Prata. Agora e à distância do estórico vehícuo Nash pergunto-me se aquele mecânico era mesmo gente, um santo, uma kianda, assombração ou o meu amigo ET da galáxia EC-325… E, porquê as rezas não tiveram resultado neste mais recente tempo com guerrilheiros emancipalistas da terra. O que não faz a fé!?…

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 19:36
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sexta-feira, 16 de Fevereiro de 2018
MALAMBAS . CXCVI

A CHUVA E O BOM TEMPO - 16.02.2018

- Apaziguando rijezas adversas, perfilando anjos com a singularidade … Pechinchando a vida.

Por

soba15.jpg T´Chingange - No Nordeste brasileiro

O que mais evito num encontro de amigos é abordar o assunto de religião porque isto cria abismos de constrangimento entre as pessoas. Nossa natureza tem no ADN existências agarradas que nos envenenam a felicidade. Pode até se tornar numa agonia com violentos anjos às ordens de diabos muito cheios de vermelhitude nas labaredas.

araujo99.jpg Evito a todo o custo enfadar-me porque e, até meus dentes sem o querer me mordem a língua. Para a maioria, ter muito dinheiro é a chave da felicidade; possuir celulares xis-pê-tê-óh, casas, um grande salário, um carro de dar nas vistas e roupa de marca é considerado sinónimo de emproada felicidade. Quem não tem amigos destes?

:::::

Não é normal alguém se passar deliberadamente por pobre; é normal agigantarem tudo o que sai de si, porque na malfadada vivência, as atitudes mostram a pobreza como algo de infecto-contagioso, uma doença a dar para o perigoso. Muitos e próximos tentam mostrar o que não são ou aparentarem; mentem-se a si e aos demais subestimando-os e querendo estar sempre por cima num qualquer simples procedimento.

roxo 20.jpg Ao fazermos amizades e com o tempo seremos mais conhecedores duma qualquer pessoa, assim e mais de perto e com o tempo, descobrimos uma outra realidade mais profunda; realidade que nos leva a frustrações por isto marcar necessidades profundas devido à cultura da aparência; a verdade permanece neles, oculta na superfície e como se fora uma pelicula de verniz – gente que usa sempre a dissimulação.

:::::

É verdade que ao nos permitirmos adquirir várias culturas em países ou lugares diferentes, surgem características próprias e costumes bem arreigados como um paradigma, tornando-os singulares. Ao nos relacionarmos com as pessoas percebemos coisas interessantes ou não. E, sempre ficamos chocados quando o lado da análise tomba para o negativo.

araujo115.jpg Embora haja casos em que as pessoas são prestativas ou atenciosas, caímos por vezes no ridículo de sentir que tem muita gente a desprezar o próximo tornando a vida barata e vulgar. É sabido que toda a mudança exige sacrifício e adaptação mas há entre nós gente ruim que nos cobiça a todo o instante sem deles sair uma palavra de conforto ou solidariedade.

roxo46.jpg E, afinal porquê aceitamos este desafio permanente de querer acreditar; com o tempo vou fazendo triagem do que ouço deste e daquele e no tempo, vou excluindo este e aquele senão até que me remeto a um distante silêncio. Digo para mim: está na hora de rumar a outro desafio! E, posso dizer são muitas as desilusões mas, também surgem aspectos reconfortantes, gratificantes! Este mundo não é a nossa pátria, somos todos estrangeiros e peregrinos. Cada vez mais me sinto assim! Os abraços são-no de graça mas nem todos têm graça. Poderia até ser pior…

Ilustrações: Aleatórias de Costa Araujo e Assunção Roxo

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 19:39
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Terça-feira, 13 de Fevereiro de 2018
CAFUFUILA . CXXV

ONGWEVA DO TEMPO - KIANDA ROXO13.02.2017 - 21ª parte

Kiandas e calungas! No bloco de carnaval de Guaxuma… Nosso futuro ainda anda a ser fabricado…

Por

soba15.jpg T´Chingange . No Noerdeste brasileiro

Na epopeia, romance mussendo de três continentes e por via de seguir a peugada das kiandas, kwangiades ou sereias, vejo-me agora em Guaxuma do Nordeste do brasil, a festejar o entrudo entre cabeçudos dando pequenos paços ao som de uma bateria de bombos, chocalhos, pandeiretas, puitas e reco-recos. 

:::::

Pois, em uma outra minha andança ao serviço da rainha de Portugal D. Maria I e, com o cargo de tenente, tive de escoltar uma leva de prisioneiros participantes da chamada Inconfidência Mineira nos fins do século XVIII, um movimento militar no Estado de Minas Gerais do Brasil.

carn4.jpg Levei um preso para a N´Gola e por lá fiquei centenas de anos. Falei disto e do mafulo Balthasar Van Dun mas, desta feita eu só venho gozar mesmo o carnaval na beira mar de Alagoas no ano da graça de 2018. Escusado será dizer que o Mwata dos Céus deu-me o condão de como T´Chingange, andar aleatoriamente no espaço-tempo. 

:::::

Cheguei bem cedo a Guaxuma para gozar a praia da sereia e o carnaval deste ano. Eram seis horas e treze minutos quando iniciei meus movimentos de ginastica talassoterápica na água de cor esmeralda e, a fim de curtir a vitamina D trazida pela maresia, mais o vento que farfalha os coqueiros. Numa linda conjugação de sons juntava-se o desmaiar das ondas na areia amarela.

:::::

Daqui saia os ritmos que junto ao bafo quente das longínquas pancadas dos bombos Zé Pereira traziam o cheiro de carnaval. Rodei meus movimentos até ver a estátua da sereia cimentada aos recifes; os mesmos que amenizam a fúria das grandes ondas. A enegrecida sereia estava meia coberta de limos, algas e limos que lhe davam um tom sussurrado de tristeza.

carn3.jpg Ela, a sereia, estava mesmo coberta de quereres apaziguadores de mareantes, marinheiros, pescadores e nadadores. Creio estar ali para estimular estórias como estas e das quais saem capítulos, romances de inventação com um Zé Peixe, uma lenda de prático que levava os vapores até alto mar. Um enredo de fantasia que viajou no espaço ladeado por uma sereia e por vezes montado num bumba meu boi.

arte1.jpg Lugares distantes como o lago Niassa e Tanganica mais os estuários do kwanza e ousadias no rio Kongo ou Zaire. Também na Costa dos esqueletos da Damaralãndia e Baia dos Tigres na n´Gola e Calahári do Namibe com os rios Cunene e Okavango cheios de magia de kalungas e kwangiades. Assim andando práfrente e pratrás, grafitei vidas no meu cerebelo originando romarias que perdurarão nas lendas de áfrica e américas.

:::::

Depois de duas horas mexendo e remexendo meu esqueleto, vou até à minha cubata comer bacalhau à gomes de sá. Cochilo talvez umas duas horas e ao som do ronronar do ventilador apronto-me no disfarce e espirito de um pirata das Caraíbas pra ir práfarra curtir a folia do carnaval de Guaxuma. E podia ver-me todo empapoilado com franjas, chapéu de pirata, olho vendado e mão de gancho. E, lá vou eu mesmomesmo com uma perna de pau!

carn2.jpg Juntei-me ao meu bloco de bumba meu boi: O tema do bloco era mesmo o mar, o iemanjá, a kalunga e pulando de ansiedade juvenil juntei-me aos foliões, gente vestida de tubarão, baleia, garoupas e cavalas e olha só! Um grande espanto. HÓh… Ali estava o próprio Zé Peixe com escamas reluzentes de prata. Dei-lhe um grande abraço e, chegando-se ao meu ouvido pareceu-me dizer: está ali a sereia kianda Roxo! Ouvi bem!

roxomania1.jpg Apontou para o alto do carro do corso do nosso bloco e lá estava deitada rebrilhando seus arco-íris desde o verde ao prateado mas, sobressaindo o roxo. Ambos gritamos para chamar a atenção e assim, assim, rodou-se toda em sua cauda pontilhada de luzernas fosforescentes. De fora do bloco, podia admirar-se um gancho de pirata e uma barbata a dizer adeus a um golfinho fêmea que abanava sua cauda. Era ela mesmo! Afinal também gosta de carnaval, gritei eu a Zé peixe, ao que me respondeu: -HÓ, se gosta!? …

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 16:47
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

RELOGIO
TEMPO
Weather Forecast | Weather Maps
Junho 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

12
13
14
16

18
19
22
23

24
25
26
27
28
29
30


MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
CAIXA MUSICAL
CONTADOR
contador free
ONDE ESTÁS

Sign by Danasoft - Myspace Layouts and Signs

blogs SAPO
subscrever feeds