Quarta-feira, 20 de Outubro de 2021
MULUNGU . LXIV

TEMPOS CUSPILHADAS – (21.01.2018) – 20.10.2021

Cronica 3206O Espírito da China! Eles já chegaram …

Mulungu: Pode ser árvore de grande porte com flores grandes e vermelhas e homem branco na língua Xhosa

Por: T´Chingange . No AlGharb do M´Puto

:::::1

Até há bem poucos anos atrás, o ocidente fechou as portas à possibilidade de compreender a China. Hoje, buscam formas de se entender diplomaticamente com estes, permitindo-lhes a entrada em seus territórios com obtenção de benesses e isenções em sua actividade comercial – vistos GOLD e outros edecéteras. Tome-se em conta que o peso de impostos que os demais cidadãos nacionais são obrigados a pagar, é bem menos vantajoso do que o oferecido a estes empresários vindos do outro lado do mundo.

Deduzir-se assim que os donos disto tudo, só o serão com os países de capital que nos compram divida. Um dia o futuro chega e quase sem se saber, as instituições que eram estatais formam-se de um conjunto de accionistas sem rosto e, dum qualquer país. Se neste futuro vamos ter de ficar entregues a um dragão, teremos de saber um pouco que seja, do que não nos une e divide!

:::::2

Se dali vieram há muitos anos atrás com o chá, a seda e o arroz, não será mau antevermos os significados de sua cultura, mitos e realidades. Como se pode ir a Setúbal sem se saber quem foi Bocage ou, ir a Inglaterra sem se saber quem foi Shakespeare? Pois corria o ano 220 da nossa era quando os Qin unificaram aqueles territórios para e, a partir daí a China passar-se a chamar de China.

E, foi Qin como primeiro imperador que colocou milhares de guerreiros feitos em barro e em tamanho natural para guardar sua sepultura. Marco Paulo, o primeiro ocidental a visitar estas terras longínquas curiosamente não referiu a existência destes milhares de guerreiros, nem tampouco referiu a muralha da China que pode ser vista da lua.

:::::3

Bem! A grande muralha da China é o símbolo da identidade da China mas, tudo é devida à sobrevalorização que os viajantes ocidentais dela fizeram; se em tempos foi útil para defesa tornou-se no tempo uma inutilidade, coisa supérflua. Este símbolo foi transformado em parque temático pois que à semelhança do Coliseu de Roma, estes mascaram-se aqui de falsos guerreiros armados com lanças de pau e escudos de cartão.

Criam atmosferas de uma Disneylândia onde em vez do Rato Mickey se pode encontrar o tal de Qin, primeiro imperador a vender camisolas e cuecas com estampas dele mesmo; tudo gerido por uma sociedade cotada na bolsa de Hong Kong. Não me convidem para ir à china ver um velho homem já careca com nome de Mao Tzé, uma barriga de melancia transportando a gaiola dum passarinho para apanhar ar e vir de lá uma bicicleta desenfreada e, atropelar-me.

:::::4

Parece que por lá nos sinais dos semáforos o verde é para parar e o vermelho para avançar! Ninguém se entende na balburdia porque o vermelho é a cor da revolução. Cozinham na rua, um beco cheio de gente que tosse e cospe e ali ao ar livre acendem o fogareiro, colocam-lhe carvão aonde estiram uma cobra despida ainda a rabiar! Deus-me-livre! Mas hoje, Pequim, a capital que foi criada por decreto imperial em 1404 por Yung Lo da dinastia Ming é uma cidade cheia de arranha-céus; alguns destes edifícios terão lá no alto do cubo de vidro ou concreto a fazer de tecto, um chapéu pagode.

Acabaram com os espaços interiores tipo pátios ao jeito da Andaluzia aqui do sul de Espanha; com o tempo os muros altos com aldrabas lacadas a vermelho para impedir os espíritos malignos de ali entrar estão sendo derrubados. Por livre iniciativa a Europa deu autorização a importarem de lá estes espíritos para e, com tempo compreendermos a China… Estamos feitos ao DRAGÃO…

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 18:19
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quarta-feira, 13 de Outubro de 2021
A CHUVA E O BOM ATEMPO . CXXI

A ADIÁFA DOS MOIRÕES E SALAZAR - II

ENTRE 1975 E 2021 – DO PREC AO PRR

Crónica 3205 de 10.10. 2021

Por: T`Chingange em Cantanhede do M´Puto

:::::1

O tempo passou e, num dia seguinte, fui buscar os meus filhos ao Alentejo a fim de regressarmos às charnecas do Ribatejo; bem pela manhã ao sair para o quintal deparei com o meu concunhado Cailogo de caçadeira aos ombros agitando-se com os demais camaradas em empolgados esquemas de caça. Fui ficando por ali curioso; seria uma caçada à raposa, perdizes ou coelhos mas, apercebi-me bem rápido que não era nada disto. Era o chamado PREC – Processo de Revolução em Curso…

Iam caçar fascistas nos montes vizinhos de Escanchados, Daroeira, Buena Madre e Pardieiro entre outros montes e mesetas daquela estepe; fiquei aturdido com esta pseudo milícia interrogando-me do que poderiam ir fazer em prol duma mudança. Estamos em 2021, com pouco mais de dez milhões de Portugueses e o estado continua sugado por políticos que usam a falácia para nos entorpecer, mesmo sem haver esse tal de PREC. Sempre haverá um plano novo para dar directivas ao leque de ousadias assim se chame um PRR - Plano de Recuperação e Resiliência…

:::::2

As conquistas do povo pelo PREC foram direitinhas para o galheiro; as chapadas de trigo, nos lameiros, os montes estão desventradas, sem telhado, ruínas a gritar desespero aos vindouros. Afinal, de nada valeu aquela caça aos fascistas da qual o meu concunhado Cailogo fez parte. Ainda hoje me arrepio de tal façanha.

Acabei por abalar também para um lugar distante chamado de Venezuela. Foram cinco anos perdidos no tempo da minha aposentação mas, ganhei minha independência. Recentemente, de espanto em espanto, fiquei sabendo que minha suposta Catarina Eufémia de Panoias e de nome Maria, tinha ido a Fátima, ela que em tempos andava barafustando politiquice por nada e coisa nenhuma. Sendo pessoa de família não a posso expor de forma declarada para que minhas vicissitudes não fiquem abaladas…

:::::3

Militante dos sete costados e meio e com um crachá da Catarina Eufémia na lapela, Maria, vociferava as injustiças de Salazar e, todos aqueles latifundiários que de pançudos, chispavam untosas banhas desde os calcanhares até às luzidias testas transpiradas de suores – tudo à custa do povo, dizia ela para quem queria ouvir numa língua que só Nosso Senhor perdoaria, valha-me Deus… Uma genuína comunista, digam lá o que disserem!

Ela, minha familiar também colateral, tinha andado desde tenra idade com os moirões a fazer campanhas do trigo, coisas antigas da política de Salazar e, lá saía bem cedo em rancho empoleiradas com muitas mais em tractores que as levavam até aqueles montes. Por vezes juntavam-se a elas galegos morcões vindos do norte de Portugal Era trigo, cevada e outros cereais cortados com a foice ao mesmo jeito da tal Catarina Eufémia morta pela GNR a 19 de Maio de 1954, teria ela uns 15 anos.

:::::4

Eufémia supostamente, liderava um grupo de catorze ceifeiras, que exigiam um aumento de salário de dois escudos por jorna. Quando os trabalhadores procuraram encontrar-se com o proprietário, este alertou a Guarda Nacional Republicana, que depressa ali chegou. A partir de certo momento Catarina Eufémia terá caído após ter sido agredida por um agente e, quando se levanta foram disparados três tiros, atingindo-a mortalmente.

As autoridades dizem que esses disparos foram acidentais, procedimento muito comum que ainda o é na defesa da tal ética e a bem da nação. Na altura do seu falecimento, Catarina Eufémia tinha apenas 26 anos. Ora sucede que nestes dias que correm ouvi da própria minha familiar colateral revolucionária, que Salazar era uma óptima pessoa!

:::::5

O queixo caiu-me espalhando-me as dentaduras no lamacento chão das surpresas; como é!? Pouco refeito e cambaleando na minha patafúrdia assombração, lá disse o que disse, depois de tantos anos com a língua agarrada aos dentes: que Salazar era uma jóia de pessoa!

Pois bem a coisa decifra-se assim: Em 1961, já casada e com dois filhos, seu marido foi chamado ao serviço militar. Ele, Cailogo foi prá guerra aonde aprendeu a conduzir unimogues, jeeps e berlietes do tramagal. Vai daí Assunção, a Maria da minha estória, sua esposa, escreve a Salazar contando da dificuldade em manter sua família com seu marido incorporado na tropa, solicitando por isso um subsidio para aguentar o tranco da vida!

:::::6

Surpresa das surpresas: o subsídio chegou durando todo o tempo da vigência de seu marido na tropa, o encartado em ligeiros e pesados e conduzindo chefes militares do guincho para Peniche ou de Lisboa para Tancos. Pois depois de tudo o contado repus minha esquelética dentária no lugar devido, depois de tando desafora em ouvir diabruras contra os fascistas e latifundiários e nem sei mais o quê! Afinal Salazar, não era assim tão unhas-de-fome. Por aqui me fico com alvissaras, porque a verdade sempre vem ao de cima, como o azeite…

O Soba Chingange       



PUBLICADO POR kimbolagoa às 23:22
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Terça-feira, 12 de Outubro de 2021
A CHUVA E O BOM ATEMPO . CXX

A ADIÁFA DOS MOIRÕES E SALAZAR - I

ENTRE 1914 E 1945 E O AGORA 2021

Crónica 3203 de 10.10. 2021 - Em Cantanede do M´Puto

Por: T´Chingange

:::::1

Naqueles idos tempos, enquanto o estado confiscava bens à igreja, fidalgos ou aristocratas feitos políticos, sacrificavam imbecilmente os jovens mandando-os para morrer como tordos nas trincheiras da guerra. Do corpo expedicionário enviado para Flandres de França poucos regressaram e os que voltaram vinham de pulmões afectados pelas gazes ali utilizados. Nesse então, a 1ª República Portuguesa era composta por deputados que faziam absurdos e floreados discursos no parlamento sem sequência na realidade do dia-a-dia. Hoje, estamos quase iguais…

:::::2

Eram uns pavões que vendiam petulância nos cafés do Chiado; era ver qual deles tinha mais protagonismo na pópia faroleira do Rossio ou no Café da Arcádia. Neste aspecto, Portugal viveu sempre em crise, (e continua a enfermar desses resquícios) envolto em devaneios de gente acomodada à política de faz-de-conta, devaneios de gente que sempre se sentem insubstituíveis.

:::::3

Naquele então, senhores latifundiários, donos de muitos hectares, muito gado, muitos chaparros pavoneavam política em Lisboa enquanto seus ganhões ou moirões lhe garantiam os bolsos cheios. Lá na província, na lezíria, ou seara alentejana, no cortical, olival, nas chapadas de trigo, nas lameiras, enquanto nas courelas havia a míngua – nesse então, ainda não se falava na palavra resiliência…

:::::4

Enquanto isso decorria, a Angola distante aonde eu me encontrava, estava quase ao abandono. Estamos em 2021 com dez milhões de Portugueses e o estado ainda vive à míngua sugado por corruptos e corruptores. As conquistas do povo foram direitinhas para a nova casta de políticos que dividem o bolo por quotas, tanto para ti, tanto para mim e, estamos de novo naquela merda desses idos anos; o povo fugindo para o resto da Europa, lugares para onde ninguém pensava ir depois dum 25 de Abril de 1975.

:::::5

Será a sina do Portuga, andar pelo mundo subsistindo à tal de resiliência enquanto eleitos, maioritariamente incompetentes singram com grandes salários nas administrações? Gente que assim repartidas pelo Arco-íris político nos torcem e retorcem com impostos com mais taxas em cima de outras já taxadas. Toda a banda larga será inútil se esta gente de mente continuar na festa desta dita democracia.

:::::6

Não é normal meter-me nestas citações mas que ando revoltado lá isso ando! Revendo o panorama do após guerra por incapacidade de gestão, Angola após o Abril de 1975 ficou abandonada à sua sorte até que algures no início da Estrada de Catete em Luanda, deram o grito do “tundamunjila” festejando a independência com rajadas de kalashnikov.

:::::7

A República Portuguesa tinha sido tomada por panhares com militares empoleirados em sua carcaça agitando cravos na ponta das armas. Surgiram uns oficiais barbudos cheios de hormonas de aviário fazendo alarde duma valentia inexistente, em floreados discursos. Elaboraram regras dum criado MFA, Movimento das Forças armadas que logo desrespeitaram.

:::::8

Eles eram os donos da guerra, da opinião, e o povo levantava os punhos em aprovação de suas decisões democráticas – assisti a isto como destacado na Câmara Municipal de Torres Novas; o povo é quem mais ordena e, todos se olhavam entre si ao levantar o braço em reuniões magnas. E, havia por semana uma ou duas destas reuniões; entretanto o Sindicato dos Trabalhadores das Autarquias, por nada nos queriam lá. Passei por isto na fase de Vasco Gonçalves, vendo-o só esbracejar depois de lhe tirar o som da TV.

:::::9

O medo era farejado pela astúcia duns quantos autopromovidos a pavões. Guedelhudos que fingiam ser os Che Guevara duma Sierra Maestra, vendendo seu imaginário a custo zero. Desde esse tempo, Portugal viveu sempre em crise, (e continua a enfermar desses resquícios) envolto em devaneios de gente acomodada à política de faz-de-conta, com gente que teima em se sentir insubstituível.

:::::10

Em Angola, os ditos Movimentos, digladiavam-se pelo poder morrendo como tordos numa guerra a céu aberto. Recém-chegado a Portugal, com um bilhete de vinda sem regresso, ano de 1975, deram a mim e aos meus, 500 escudos por adulto. Com uma senha de viagem fornecida pelo IARN, Instituto de Apoio a Retornados levei meus dois filhos até o Alentejo. Na Funcheira tinha o meu concunhado Cailogo a receber-me e, lá fomos para a Panoias. Meus filhos ficariam aqui até que em terras do norte orientasse a vida em casa de outros familiares brancos de cor e nome...

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 02:35
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sexta-feira, 8 de Outubro de 2021
MOKANDA DO SOBA . CLXXXVIII

ANGOLA DA LIBERTAÇÃO - XXV

DEPOIS  DOS ”OS 3 DIAS DAS BRUXAS” CAMPANHA CONFLITUOSA…

Crónica 320108.10.2021 - A guerra, que matou e estropiou tantos, alimentou um punhado de pessoas, que se tornaram insultuosamente ricas e prepotentes”

Por: T´Chingange, em Cantanhede do M´Puto

:::::1

Após o 11 de Novembro de 1975, as casas abandonadas em Luanda maioritariamente pelos brancos, são entregues a “amigos” do MPLA e aos amigos dos amigos ou assim supostos; por toda a Angola se verificou o mesmo procedimento – fábricas, complexos desportivos, armazéns de géneros, bombas de gasolina, literalmente, tudo passou para a gestão do MPLA. Personalidades angolanas terão recebido apartamentos no Kilamba por terem apoiado o MPLA na campanha para as eleições gerais em Angola. Estas pessoas tiveram acesso privilegiado às casas mas, sendo propriedade do estado por confisco, supostamente, teriam de as pagar (digo eu…).

:::::2

Por tantas dúvidas no ar, tantas medidas arbitrárias, umas torpes outras sem explicação plausível, levam os jovens de agora a pedir explicações. Nos dois anos de 2019 e 2020 e, no actual 2021, protagonizam inéditas manifestações, estipulando como que uma espécie de moratória ao executivo angolano, antes de voltarem às ruas, uma e outra vez, pedindo eleições livres e sem batota, eleições municipais e o fim da mordaça e do estado policial, ditatorial na verdadeira versão da palavra; uma cleptocracia, um governo cujos líderes corruptos usam o poder político para se apropriar da riqueza de sua nação, com o desvio ou apropriação indevida de fundos do governo às custas da população em geral.

:::::3

Uns, declarados opositores, são pressionados, coagidos ou assediados, outros desaparecem misteriosamente e ainda outros são presos por se expressarem em desfavor do MPLA que se protagoniza como sendo eles, o país. Nas eleições parlamentares, a UNITA obteve uma votação de mais de 30%, portanto expressiva, mas que ficou aquém das suas expectativas. Nas eleições presidenciais, os cerca de 42% obtidos por Jonas Savimbi impediram que José Eduardo dos Santos, presidente em exercício que reuniu 59% dos votos, obtivesse na primeira volta a maioria absoluta, do modo que, pela legislação então em vigor, teria sido necessária uma segunda volta.

:::::4

Esta, não se chegou a realizar, porque a UNITA declarou de imediato que tinha havido fraude nas eleições presidenciais, e retomou as suas actividades militares - enquanto os deputados eleitos pela UNITA assumiam as suas funções de forma regular. A seguir a uma fase de êxitos militares, por exemplo a tomada temporária da cidade do Huambo, a UNITA passou a perder terreno de maneira dramática, devido ao reforço maciço das FAA (Forças Armadas de Angola), em pessoal, formação e equipamento, no essencial financiado pelas receitas do petróleo.

:::::5

Em paralelo, constitui-se uma dissidência da UNITA, designada "UNITA Renovada" e liderada por um dos deputados, Eugénio Manuvakola; esta corrente era a favor do abandono da luta armada e de uma concentração sobre a luta política. No fim dos anos 1990 era patente que a UNITA tinha perdido o combate, em termos militares. Perseguido por uma unidade das forças governamentais, Jonas Malheiro Savimbi é morto em Fevereiro de 2002. Segundo o jornal Público (do M´Puto): Jonas Savimbi morreu "de arma na mão", como "um militar", numa emboscada das Forças Armadas Angolanas (FAA), numa sexta-feira à tarde, junto ao rio Luio, sudeste da província do Moxico, ao fim de cinco dias de perseguição pelo mato. "Sete tiros foram suficientes para o abater". Foi assim que o brigadeiro Wala, na qualidade de dirigente da "força mista que matou o líder da UNITA", resumiu o fim de Savimbi aos jornalistas presentes no local em que o corpo foi exibido.

:::::6

Ano de 2002 - Após a sua morte, a UNITA tornou-se num partido civil e abandonou a luta armada. No congresso da fundação do partido, onde a UNITA Renovada e outros elementos dissidentes foram reintegrados, Isaías Samakuva foi eleito presidente. Concorrendo às eleições parlamentares de Setembro de 2008, a UNITA obteve pouco mais de 10%, tornando-se num partido com poucas condições para exercer funções efectivas de oposição. Em 2012, esta situação levou à saída de uma dos seus mais destacados dirigentes, Abel Epalanga Chivukuvuku que fundou um novo partido, CASA (Convergência Ampla de Salvação de Angola).

:::::7

Apesar desta perda, a UNITA aumentou muito significativamente, de cerca de 80%, nas eleições realizadas em 2012, duplicando o número dos seus deputados, enquanto a CASA obteve respeitáveis 6% com 8 deputados - constituindo-se, deste modo, uma oposição parlamentar significativa ao MPLA. Nas eleições de 2017, a UNITA quase duplicou outra vez o número de acentos no parlamento, saindo de 32 para 51 deputado, sendo que a CASA-CE passou de 8 para 6 deputados.

:::::8

A UNITA que tem tentado sempre demonstrar democracia interna realizando congressos de 4 em 4 anos, é hoje, o principal partido opositor ao partido que forma o governo afirmando-se como uma verdadeira alternativa a este. A morte de Savimbi também se reflectiu na mudança ideológica do partido, deixando o nacionalismo de esquerda e o socialismo humanitário (correntes maioritárias até então). Este facto alterou o espectro do partido, que, de situado mais a centro-esquerda, passou a um movimento sem ideologia dominante.

:::::9

Segundo Jofre Justino, o partido terá assim várias correntes, sendo a dominante, direitista, capitaneado por Isaías Samakuva. As demais correntes do Galo Negro seriam a da esquerda, dirigida por um general do terreno; e a do centro, capitaneada por Abel Chivukuvuku (que acabou por romper com a UNITA e formar um novo partido). O XIII Congresso da UNITA, realizado entre os dias 13, 14 e 15 de Novembro de 2019 foi o mais renhido da sua história, em relação à disputa da presidência.

:::::10

Concorreram 4 candidatos, todos eles dirigentes de proa do partido, como o diplomata Alcides Sakala Simões, na altura secretário para as relações internacionais, o deputado e académico José Pedro Katchiungo, na altura também vice-presidente da bancada parlamentar, José Abílio Kamalata Numa, um destacado General na reserva, o jornalista Manuel Raul Danda, na altura vice-presidente do partido e o Eng.º Adalberto Costa Júnior, então presidente da bancada parlamentar, que veio a ganhar as eleições, com pouco mais da metade dos votos. A UNITA é hoje composta por uma direcção coesa liderada por Adalberto Costa Júnior, Arlete Leona Chimbinda, primeira mulher a chegar ao cargo de vice-presidente do partido e Álvaro Daniel.

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 09:22
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 12 de Setembro de 2021
MUGIMBO . CXXVII

Crónica 3191 de 12.09.2021 - *PRIORIDADE MÁXIMA*

 - Cada um de nós deveria ter uma BAZUCA sem a ilusão e, COMPADRIO carunchosamente facilitado pela fricção corrupta...

CAFE4.jpg

Por  luis00.jpg T´Chingange, no AlGharb do M´Puto

Mergulhados em um mundo mediático, publicista e consumista, corremos todos os dias o risco de priorizar o que é secundário. Governo e vendedores de fantasias enchem-nos a paciência sem dó...

Muitas coisas são importantes, mas é fundamental estar-se constantemente vigilante na avaliação do topo da lista. Somos sempre estimulados a desejar aquilo que não é realmente necessário, a criar falsas necessidades.

relogio areia2.jpg Não podemos viver autocentrados quando o alerta nos torce a mente, enganando nossas urgências e necessidades. Assim, o que é mais importante na vida assume uma posição secundária e passamos a trabalhar, lutar e investir nosso tempo e energias a correr atrás daquilo que é supérfluo ou ilusório...

Sabemos que precisamos priorizar o que é autenticamente importante. O problema é que dar prioridade àquilo que é mais importante, nem sempre brotará espontaneamente de nós. Normalmente, o que pulsa em nós é o desejo de auto realização mas, corremos o risco de virar marionetas.

relogio sem.jpg Queremos afirmação e pensamos que sejam o fruto de nossas conquistas: “Minha beleza, minha inteligência, minha casa, meu celular, meus diplomas, minha profissão…” E, quanta decepção se encontra quando priorizamos o que não nos é prioritário!

Nossa única prioridade real na vida deve ser "viver com dignidade e liberdade". No fim de tudo, o que importa é se você colocou a sociedade, seu próximo ou vizinho e família em primeiro lugar...

Com fé, a prioridade surge; e, até encontrará forças e sabedoria para enfrentar qualquer tipo de circunstância! Ao dar o primeiro, o melhor e o mais importante é esse lugar de seu lado positivo no pensar; e, verá assim que tudo o mais se encaixará, naturalmente...

deserto5.jpg Sua realização e afirmação não estão no que dizem as vozes deste mundo cheio de propagandas vazias, mas no que diz a palavra da sua humilde e honrosa postura. Sempre é tempo para tomar um novo início com o rumo certificado em mente de progresso...

Comece agora a buscar o reino de seu templo, seu pensar como PRIORIDADE MÁXIMA. Faça disso seu maior interesse e veja cumprir-se em sua vida a promessa do verso com o certo verbo, em um qualquer novo dia: “Essas coisas lhes serão acrescentadas” sem a necessidade de se esquecer...

O Soba T'Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 16:20
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Segunda-feira, 6 de Setembro de 2021
MOKANDA DO SOBA . CLXXXII

ANGOLA DA LIBERTAÇÃO - XIX

- A INDEPENDÊNCIA DIVIDIDA… Primeira e segunda batalha de MAVINGA1980/1981

- Crónica 3189 – 05.09.2021 - “A guerra, que matou e estropiou tantos, alimentou um punhado de pessoas, que se tornaram insultuosamente ricas e prepotentes” – A independência era para isto!? - Nós e os mwangolés…

dy15.jpg

Por soba k.jpg T´Chingange, no AlGharb do M´Puto

Ainda fazendo um relato de um sobrevivente do 27 de Maio de 77 citando o livro “Angola, o 27 de Maio - Memórias de um Sobrevivente: “ No campo de concentração de Calunda o comandante (MPLA) ficava todo vaidoso, gingava, com duas pistolas à cintura. Seguia-se uma exibição da sua destreza e pontaria – primeiro contra os pássaros que passavam no ar e depois contra o prisioneiro amarrado e espancado. Atirava nos pés, nos braços, na barriga, conforme a sua disposição, até que sucumbisse. Outras vezes mandava queimar os presos com pneus ou gasolina. Os que não morreram na altura sucumbiram aos poucos com dores horríveis, aos gritos, que deixavam a todos estarrecidos. E éramos obrigados a assistir a tudo isto e depois obrigados a enterrar os mortos, assim como carregar os que haviam resistido à sessão, que ficavam a sofrer no nosso meio até que sucumbissem. Era uma grande tortura, um grande martírio”...

maio3.jpg Saltando para o ano de 1980 – A UNITA fixa-se na JAMBA do Cuando-Cubango. Em Novembro, os antagonistas envolvem-se na 1ª batalha de Mavinga que resultou em mais de 800 mortes. O apoio sul-africano à UNITA viria a tornar-se mais efectivo com a invasão da província do Cunene, em 23 de Agosto de 1981 «Operação Protea», e a subsequente ocupação de uma faixa tampão na fronteira sul de Angola numa profundidade de 200 quilómetros, com o duplo objectivo de neutralizar as operações de guerrilha da Organização do Povo do Sudoeste Africano (South West Africa People’s Organization, SWAPO). O território da Namíbia, então ocupado por protectorado pelo África do Sul, teria de, por outro lado, estabelecer um ponto de partida para novas operações no interior de Angola.

A consolidação do domínio da UNITA nas províncias do Cunene e do Cuando-Cubango, na perspectiva da criação de um «bantustão» no sudeste angolano, era o propósito imediato. É nesta altura que o presidente José Eduardo dos Santos pede ao Secretário-Geral da ONU, Pérez de Cuéllar, a convocação do Conselho de Segurança da Nações Unidas para discutir a agressão sul-africana. Mas a resolução da condenação foi vetada pelos Estados Unidos, de acordo com a estratégia delineada por Washington e pela África do Sul para aniquilar as FAPLA e o MPLA ( O comunismo…).

fuga10.jpg A situação em todo o sul de Angola agrava-se com o aumento das hostilidades. A UNITA reforça-se militarmente em armamento e conselheiros militares e, com o apoio das administrações Reagan (EUA) e Thatcher (Grâ-Bretanha) e a ajuda do seu aliado sul-africano, desencadeia operações militares contra as bases da SWAPO, do Congresso Nacional Africano (African National Congress, ANC) e contra posições das FAPLA, para além de acções de sabotagem às linhas dos Caminhos de Ferro da Benguela (CFB), com destruição de infra-estruturas políticas e económicas e minagem de linhas de abastecimento, entre as populações de aldeias, vilas e cidades do sul de Angola.

O ano de 1981 – Ano da “Operação Protea” leva ao controlo militar da UNITA com a ajuda sul-africana, da Província do Cunene. Estavam ali sediados 8.000 guerrilheiros da UNITA, porem até a chegada das forças angolanos, Mavinga recebeu um reforço de 4.000 tropas da SADF (South African Defence Force), vindo a confrontar uma força de 18.000 soldados angolanos. Mavinga foi o primeiro passo no caminho para a Jamba-Cueio e para penetrar na Faixa de Caprivi. Ao tentar travar o seu avanço, os governamentais são surpreendidos por nova frente – 2ª Batalha de Mavinga, que provoca mais de 1.200 mortos. A UNITA sai vitoriosa e ocupa a cidade.

mavinga3.jpg O ataque a Mavinga foi uma derrota total para as forças angolanas, com baixas estimadas em 4.000 mortos. A manobra de contra-ataque das SADF, nomeada “Operação Modular” foi um êxito, forçando as tropas das FAPLA e das FAR a retroceder 200 quilómetros de volta a Cuito- Cuanavale numa perseguição constante através da Operação Hooper. Em 1984, assina-se o 1º acordo Luanda/ Pretória para a retirada das tropas cubanas e constituir-se uma comissão especial, militar/mista, de verificação das operações de recuo. No entanto, por várias vezes, os sul-africanos regressam a Angola em apoio da UNITA, utilizando o “Batalhão Búbalo”, composto essencialmente pelas topas da “Revolta do Leste”, de Daniel Chipenda além de voluntários de várias nacionalidades, entre os quais muitos portugueses.

Foram necessários mais quatro anos com repetidas pressões internacionais, para se chegar à primeira reunião tripartida de Londres, na qual pertenciam Angola/Estados Unidos da América, Cuba e África do Sul. Seguem-se novos encontros, em Brazaville, Nova Iorque e, finalmente, a assinatura de Washington. Estes, garantidos pelos norte-americanos e soviéticos, tornaram possível a independência da Namíbia e a retirada de 55.000 cubanos estacionados em Angola, no prazo de 27 meses. Pretória anuncia a retirada total dos sul-africanos de Angola, mas em contrapartida, os Estados Unidos da América, levantam o embargo de nome “Emenda Clark” passando a apoiar a UNITA – Estava-se em Julho de 1985…

mavinga2.jpg Com o início da estação seca, em Julho de 1987, e após um período de acumulação de material e grandes concentrações de infantaria, as forças armadas angolanas, as FAPLA, desencadearam uma ofensiva contra os centros vitais da UNITA em Mavinga e Jamba, conhecida como «Operação Saludando Octubre», a partir das vilas de Luena e do Cuito, contando com o apoio de artilharia pesada, de caças e bombardeiros soviéticos MIG-23 e SU-22, tanques T-62 e helicópteros de ataque ao solo MI-24/25. As forças governamentais, foram com tudo, contando com apoio de unidades motorizadas cubanas A «Operação Saludando Octubre», que envolveu a 16.ª, 21.ª, 47.ª, e 59.ª, Brigadas das FAPLA, tinha como objectivo a captura dos «SANTUÁRIOS DA UNITA» no sudeste de Angola.

A ofensiva das FAPLA colocou a UNITA numa posição insustentável; as bolsas de resistência criadas pela UNITA sob pressão contínua dos governamentais, tinham séries dificuldades em articular-se na perfeição. Perante a eventual derrocada das forças de Jonas Savimbi e a pedido deste, os sul-africanos, a partir das suas bases instaladas em território angolano e na Namíbia, desencadeiam as operações «Moduler8» e «Hooper», com o objectivo de parar a ofensiva angolana, lançando as suas melhores tropas e material militar de última geração, nomeadamente caças Mirage F1 AZ e aviões de ataque Impala, Lançadores Múltiplos de Foguetes (Multiple Rocket Launcher, MRL) e obuses G59…

fiume01.jpg Começa assim a maior batalha em África no pós 2ªguerra mundial. A Força Aérea Sul Africana (South African Air Force, SAAF) detendo o domínio do espaço aéreo no sul de Angola - o ponto fraco das FAPLA era precisamente a defesa antiaérea. O resultado foi a batalha de Cuito-Cuanavale, nome de uma vila situada na província de Cuando Cubango, numa zona de operações cruzada por vários rios, de terreno acidentado e lamacento, com cerca de 93.000 quilómetros quadrados. Esta campanha militar viria a determinar o futuro da África Austral. Após longos e sangrentos combates, o Estado-Maior das FAPLA e a Direcção Militar Soviética, a pretexto de melhorar o emprego das suas forças, decidiram que as quatro brigadas em operações se dividiam em duas colunas no caminho até Mavinga para, depois da travessia do rio Lomba, se reunirem. No entanto, este movimento viria a ser fatal para a ofensiva…

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 14:52
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quinta-feira, 12 de Agosto de 2021
MISSOSSO. XLV

MEDITAÇÃO DO T'CHINGAS... A maioria de nós tem ou já teve um apelido… Crónica 3179 de 12.08.2021

dia204.jpg

Por   soba k.jpgSoba T'Chingange - no AlGharb do M´Puto

A maioria de nós tem ou já teve um apelido. Alguns gostam do apelido que recebem; outros, nem tanto. Estes apelidos têm diferentes origens. Uma delas associa características das pessoas com animais. Assim, alguém pode ser chamado de leão, porque é muito forte; raposa, porque é muito esperto; ou cobra, porque é muito astuta. Meu apelido é característico da terra que me viu crescer depois de minha singularidade no porão dum barco chamado de NIASSA; lugar escolhido por mim para nascer, mesmo antes de o ser, gente.

nyassa5.jpg Assim, meu primeirissimo apelido é esse, o de NIASSALÊS que tem como origem o lago que deu o nome ao VAPOR e, que agora se chama MALAWI. O mesmo que levou os primeiros militares para a Angola em levante com o chamado "terrorismo" no ano de 1961... Talqualmente, o mesmo navio, vapor, paquete, que fechou o círculo colonial transportando a última bandeira içada no dia 10 de Novembro de 1975 e retirada sem pompa nem fanfarra, embrulhada murcha e recambiado para a Metrópole em Lisboa. Antes do grito de "independência com vitória ou morte" no cerne do acontecido, a bandeira Lusa era retirada quase à surdina no Palácio da Luua Alta e, escapulida sorrateiramente numa lancha que a levou àquele barco, bem ao largo, no mar, desde o largo até aí chamado de Diogo Can.

nasc2.jpg Pude ler muito superficialmente nas Escrituras, que Deus usou alguns apelidos para designar Seu povo. Daí que não precisaríamos preocupar-nos por sermos conhecidos por águia, se leão ou até mabeco, Urubu ou abutre que é o mesmíssimo predador. Mas, porque essa Ave chamada de águia está associada com agilidade, soberania e imponência assim sendo, encontramos um clube do M'Puto com seu desenho no equipamento - O Benfica, com aqueles sempre auspiciosos encejos e desejos de ser campeão. Também não ficaremos tristes se nos chamarem de leão, sinónimo de força e poder também associado a outro grande clube chamado de Sporting. E, embora eu seja sportinguista, não deixo de querer ser também Pantera, por via da bandeira de minha singularidade, a NIASSALÂNDIA, símbolo de um país que já não o é!

mlibize kariba6.jpg Triste sina, esta de já não ter "meu país" e meu berço que agora é viveiro de cachuchos, corvinas, garoupas, pargos e patas-roxas entre outros peixes que me dão serventia por via das maravilhosas caldeiradas. As comezainas que me permitem alimentarem a vida gulosa neste lindo AlGharb do M'Puto. Bem! Também temos as chamadas raposas, ágeis e espertas. Entretanto, o Nosso Senhor escolheu um animal inexpressivo para nos apelidar: As ovelhas que são animais indefesas, pois não lutam nem correm e até servem de petisco... Trata-se de um bom apelido para quem carrega muitos medos, diga-se... Jesus, no entanto, insiste em chamar-nos dessa maneira: “Eu os estou enviando como ovelhas...”; “Eu sou o bom pastor; conheço as Minhas ovelhas, e elas Me conhecem...” (Jo 10:14); “As Minhas ovelhas ouvem a Minha voz...” (Jo 10:27); “Pastoreie as Minhas ovelhas...” (Jo 21:16). E, mas então, porquê Ele nos chama assim?

Há muitos motivos. Talvez o melhor deles seja porque a ovelha parece ter aprendido algo que garante sua segurança: Depender totalmente do pastor. Naturalmente, o ser humano luta por independência; na juventude, experimentamos essa condição de maneira bem intensa. O problema neste processo, é o de que podemos nos atrapalhar na busca de independência pois que isso de ser-se livre é, bem perigoso... Está a ver-se...

O Soba T'Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 23:08
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Segunda-feira, 9 de Agosto de 2021
KAZUMBI . LXVIII

MOKANDA DA LUUA – KAPIANGO - Luanda do Mu Ukulu… Era uma vez … O temp ruge.

Da Luanda actual - Crónica 317709.08.2021

- Kinguilas, as fugitivas da Independência - II de IV

kinguila01.jpg

Por tonito17.jpgT´Chingange no AlGharb do M´puto

Do BCI não é o urinol da esquina, que não funciona, nunca funcionou. Importado a peso de ouro do Brasil, a “casa de banho” faz parte de outras talvez centenas espalhadas pela cidade que nunca funcionaram. Ninguém conhece os contornos do negócio, apenas se sabe que nunca funcionaram, nem se conhece ninguém que tenha lá dentro urinado. O Rialto já não existe, só ficaram as saudades dos apetitosos pregos com jindungo e os finos tirados com a pressão exacta. Em seu lugar, recentemente, foi construído um alvo Monumento ao Soldado Desconhecido.

Os jovens não sabem o que isso seja, imaginam, segundo me disse um deles na rua, ser um soldado sem registo de nascimento. Ali ao lado estão os Correios, já centenários, mas de que ninguém parece tirar utilidade. Perguntámos a um jovem, vagabundeando por ali, o que são os correios. Ele olhou, tranquilo e respondeu muito sereno “não sei, pai”. Ninguém sabe nada, aqui nesta cidade. Também não precisam de saber. O tempo parou, sitiado entre a madrugada das 6 horas e o pôr-do-sol das 18 horas, vaivém, a cidade se povoa e despovoa, aqui se faz tudo, mas ninguém é daqui, as pessoas desabitam aqui, por isso não há tempo.

kinguila0.jpg As kinguilas, fugitivas da Independência e da puliça, andam nos extremos da extensa avenida N´Zinga ou Ginga dominadas pelo banco estatal BPC, a agência Kaponte e a agência lá do fundo perto do Eixo Viário, ao lado da Unitel. Ninguém sabe o que é Kaponte, os jovens, desempregados, não sabem nada, não lhes diz respeito. Mas Kaponte pode ser uma pequena ponte, aquela ponte que liga à Praia do Bispo e onde se mataram, dizem, brancos desesperados com dívidas ou com desamores, naqueles tempos remotos antes do setentaecinco, tudo junto…

Lá dentro do BPC, para onde os mais velhos espreitam, diz-nos o jovem M´Bambi, nunca há sistema nos computadores, especialmente, reforça, depois das 14h - 14h30. Os funcionários querem ir para casa e não toleram mesmo, ser retardados por clientes sem dinheiro, mas com problemas complexos deles, de primos e tios que obrigam a consultas demoradas. Lá fora, um mundo mudo, ninguém fala, toda a gente parada sentando-se onde pode ou polindo esquinas…

kinguila5.jpg É o mundo das kinguilas, as cambistas de rua, as verdadeiras bancárias do sistema, que também vendem recargas da Unitel, são dezenas largas de mamãs opulentas, vigilantes, carregadas de kwanzas e de divisas, inexistentes nos Bancos. Usam um balaio de mateba ou de plástico colorido; cada uma usa sua própria cor. A operação “Transparência” não lhes toca, parecem da família, tudo mancomunado com a grande máquina de lavar dinheiro; as purificadoras do sistema com adestramento no antigo “tira biquíni!” e mais suprimentos e até complementos do tal tão falado de “Roque Santeiro”. Um ar adstringente com cheiro a maboque derramado com mistura de tamarindo…  

kinguila3.jpgSó dão berrida nas pobres zungueiras que povoam a Baixa durante o dia, sempre com um olho aqui outro ali, já estrábicas, tipo ciganas na Europa, prontas a correr em defesa da mercadoria. São as fugitivas da esquindiva, da finfia com finta no aprendizado da Independência.

Mas é também o mundo dos pensionistas, centenas, ou milhares todos os dias desde manhã cedo, ainda quase escuro e ao som dos primeiros pio-pio dos agora raros pardais, seres ainda vivos se abeirando do óbito, tentando ver se a pensão já caiu…

O tempo clareou obscuridades trazendo o lixo na corrente da estória que os  fez junto com os saídos de Angola involuntárias marionetes – a tal de dipanda do tundamunjila. Podia já ter esquecido todo este assunto, um tema deprimente para muita gente e descendentes matutos de mescla escura com mazombos e virgula no entretanto mas, eu mesmo prometi não esquecer este lado negro em terra que por via da descolonização se branqueou… O dólar tem de ser com o tal George de cabeça grande. O próprio George Washington

kinguila1.jpg Num aiué, todos os mitos em torno da “Nação de N´Gola”, as coisas mudam na percepção independente, tudo mudou mesmo muito nos anos da dipanda. Na Luua num repente também passou a ter também pretos de primeira e de segunda só que não querem que isto se saiba por ser assim muito tão cruelmente cruel. A preocupação com a etnogénese podia e pode ser muito bem motivada com a preocupação na degenerescência racial, da “eugenia positiva”, tem mwangolés de primeira e gente de chinelo do pé, tipo rafeiros mas isto, nunca passarão dum tal mito de que África dos trópicos de Capricórnio nunca vai querer analisar com profundidade …

(Continua…)

T´Chingange do kapiango na Diáspora dos AlGharb`s  do M´Puto



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:13
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

MOKANDA DO SOBA . CLXXVII

ANGOLA DA LIBERTAÇÃO - XIV

- A INDEPENDÊNCIA DIVIDIDA… Crónica 3176 07.08.2021

-Na libertação e independência de uma terra que pensava também ser minha, mesmo não sendo “preto”… Afinal, não o era e, continuo “branco”… Nesta lengalenga de lembrarmos coisas mortas, cada homem é um mundo.

dia61.jpg

Por   soba k.jpgT´Chingange, no AlGharb do M´Puto

A coluna da FNLA consegue atingir Caxito, onde é dizimada com a entrada em acção dos “Órgãos de Staline” aos quais os angolanos passaram a chamar de “Mwana Caxito”- filhos de Caxito; exactamente por terem sido utilizados pela primeira vez, na capital do Bengo. Esta arma capaz de disparar simultaneamente vários morteiros, foi construída no tempo de Staline, permitindo aos russos resistirem contra os alemães na Segunda Grande Guerra Mundial. Nesse então ganhou o nome de “katiusha”- querida Katia, palavra de código utilizada entre os comandantes das frentes. Nos EUA, chamam-lhe “Tio Sam”. 

Nesta lengalenga de lembrarmos coisas mortas, cada homem é um mundo. A 9 de Março de 1975, no M´Puto, Spínola foi informado por oficiais amigos da operação matança da páscoa, um plano do Partido Comunista Português e os militares mais radicais do COPCON e da 5ª Divisão, apoiados pela União Soviética, para realizar uma campanha de assassinatos políticos, onde Spínola e seus apoiantes constavam como alvos, como parte de um golpe de estado para tomar o país. 

mocanda21.jpg O herói do monóculo e pingalim e luvas de coiro preto chamado de Spínola, escapa-se de helicóptero para Talavera de La Reina, em Espanha levando com ele a valentia que num repente enferrujou na apatia medrosa, com mofo e atitudes encardidas de vergonha. Entregues ao acaso, na Luua, as Forças Militares dum exército que deveria ser de conjunto, ao invés de apagar o fogo como o deveria ser, ateavam ainda mais os incêndios. Lopo do Nascimento mentia com todos os dentes dando força ao tal exército popular do seu MPLA – “victória ou morte” – Aiué, Nossa Senhora da Muxima nos acuda!...

As FAPLA, atacaram e destruíram com blindados o quartel da FNLA em Kifangondo. Ninguém se insurgiu neste uso de blindados! Deveriam ser apreendidos pelas N.F. mas, ou as ordens se perderam no caminho ou lhes faltou coragem para actuar. Podemos acreditar em tudo porque nada foi feito! Era mais fácil desconhecer tal gravidade. Lobito, Benguela e Sá da bandeira eram agora as cidades refugia dos deslocados de guerra idos do Norte, Malange Luanda, Uíge e muitas outras localidades.

mocanda31.jpg A etnia branca rotulada de colonos, já não acreditava nos nacionalistas; desesperavam por não ver a situação normalizar. Não dava para esperar! As escolas já não funcionavam, os dispensários médicos iam ficando sem gente capacitada, as instituições iam ficando desertas de gente com poder de decidir. O “lar do Namibe” uma cooperativa de construção comunicou-me que já tinha direito à tal casa mas, esta carta por ali ficou em cima duma estante a desaguardar num tempo que se esfumou.

Em Outubro de 1975, no dia 23, militares sul-africanos praticam a primeira invasão de Angola, dominando uma faixa ao longo da fronteira com a Namíbia, de modo a travar os movimentos das tropas da SWAPO, então apiadas por Luanda. A Organização de Unidade Africana tenta desesperadamente a reconciliação, enviando a Luanda uma missão que propõe um governo de unidade nacional. Tinha todos os condimentos para o fracasso e assim foi porque o MPLA já tinha as linhas de seu programa estabelecidas. Os generais de aviários progressistas portugueses já tinham delineado o trajecto por forma a levar o MPLA à posição cimeira na governação do território.

mocanda32.jpg Face à situação, quatro presidentes africanos reúnem-se numa mini-cimeira em Dar-Es-Salaam, capital da Tanzânia, país surgido da fusão das antigas Tanganica e Zanzibar. Nenhum acordo é conseguido. Julius Nyerere da Tanzânia e Samora Machel de Moçambique, defendiam o domínio do MPLA de Neto sobre Angola.  Kaunda da Zâmbia e Sir Seretse Khama do Botswana, eram partidários de um governo de unidade nacional que incluísse representantes da FNLA e UNITA.  Era chover no molhado…

O PCP da metrópole da colónia, "tentou a sua sorte para poder desempenhar um papel determinante na evolução do país. "A verdade é que a descolonização de Angola estava a ser executada. "Mas, uma facção dos comunistas, pressionados pela URSS, queria controlar o processo". Em Angola, as N.T. já nem saíam dos quarteis! Tinham sim um enorme desejo de serem rendidos e regressar à Metrópole do M´Puto. Nem pareceria ser relevante acudir a casos graves em defesa de gente Lusa. As teses do PCP vingavam em Portugal e Angola. Os novos mandantes a reboque deste PCP mudariam funcionários, quadros e militantes com acções reais no terreno. Preparava-se mais uma cimeira no Quénia mas ninguém acreditava nisto; Nem os próprios intervenientes!

spi3.jpg  Nas três primeiras semanas de Junho a FNLA e MPLA tinham aprisionado mais de duzentas pessoas, a maioria brancos, nalguns casos com seus familiares. Os edifícios públicos eram simplesmente ocupados pelos Movimentos; coisa sem lei nem roque! A cintura à volta de Luanda erguida pelo MPLA era uma realidade! E, tinha gente treinada na Metrópole propositadamente preparada para fazer parte deste MPLA; militares pagos pelo M´Puto e inteiramente destacados naquele Movimento como se dele fossem, com fardamento próprio do MPLA. Ainda ninguém trouxe isto às claras porque o sigilo estava por demais resguardado e, só alguns oficiais o sabiam.

mfa1.jpg O selo mentiroso do M´Puto

Nakuru era folha morta! “Numa situação de guerra em Angola, como e a quem se ia entregar a sua governação?”. – Era o próprio Silva Cardoso, Alto-Comissário, que se interrogava falando baixinho para que os demais ouvissem. Neto reclamava a saída deste! Ele queria que assim fosse e, isto era o bastante! A maioria dos oficiais portugueses andava a assobiar ao vento! Triste ironia desta nítida má-fé e, de quem ainda anda por aí recebendo benesses e até medalhas de bom comportamento.

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 06:09
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sábado, 7 de Agosto de 2021
PARACUCA . XXXIX
Crónica 3175  de 07.08.2021 - SALVAGUARDAS MORAIS
MEDITAÇÃO DO T'CHING . NAS CINZAS DO TEMPO

bruno27.jpg

Por soba k.jpgT´Chingange - no AlGharb do M´Puto

Há uma alarmante vulgaridade na conversação dos dias atuais, o que demonstra o estado baixo dos pensamentos e da moral. E, a classe política ao mais alto nível está enveredando por estes facilitismos populares ou populuxos.
A verdadeira dignidade de CARÁCTER é cada vez mais rara. Pouco se vê com verdadeira modéstia e reserva. Poucos são os puros e incorruptos. Pensamentos poluídos acariciados tornam-se hábito, e nosso coração é ferido e manchado por pura omissão ou indiferença do "deicha para lá"...

coroa de frade.jpg Pratique uma vez uma ação má e se formará uma mancha que nada a poderá remover, senão o sangue da mente; e, a falácia é má conselheira, se o hábito não for abandonado com firme resolução, a pessoa se corrompe e as correntes que fluem dessa fonte corruptora corromperão outros... Tudo virará uma vulgar missanga de vida. A existir Deus, este, decerto, olhará com desprezo essas coisas. Pensamentos poluídos acariciados tornar-se-ão hábito, e o coração é ferido e manchado vendendo ao desbarato seu carácter...

dia82.jpg Há pessoas que convidam à tentação; colocam-se nas posições em que serão tentadas, ou em que não podem deixar de o ser tentadas por sufoco, quando se colocam em associações objetáveis. A melhor maneira de conservar-se isento de pecado é agir sempre em todas as circunstâncias com a devida reflexão e recato.

Nunca agir ou proceder por impulso é o lema. Hajam tendo sempre presente o temor de um Deus qualquer, e estarão seguros de agir correctamente; então deixem que o senso certo, cuide de sua reputação. A calúnia não poderá manchar uma partícula do caráter. Ninguém o pode degradar senão nós mesmos, por nosso próprio procedimento, seja por vaidade ou de extasiado ego...

girasol1.jpg A mente tem de ser conservada meditando em assuntos puros. As sugestões impuras têm de ser despedidas imediatamente, entretendo-se nos pensamentos puros, elevados, santa contemplação e, obtendo assim mais e mais conhecimentos.

Pela educação da mente na contemplação de coisas celestiais ou mesmo terrestes, haverá meios simples na predisposição de todo caso individual, suficientes para assegurar o grande objetivo: a nossa salvação! Salvação do homem, da humanidade. Resolvam assim alcançar uma norma alta colocando alto seu alvo - hajam com propósito sincero, como o fez Daniel, que firmemente, segundo relatos bíblicos e, perseverantemente, por coisa alguma que o inimigo possa fazer. Impeça assim seu aperfeiçoamento. O futuro, é HOJE... Amanhã será tarde...
O Soba T'Chingange


PUBLICADO POR kimbolagoa às 07:35
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quinta-feira, 5 de Agosto de 2021
MOKANDA DO SOBA . CLXXVI

ANGOLA DA LIBERTAÇÃO - XIII

- A INDEPENDÊNCIA DIVIDIDA… Crónica 3174 05.08.2021

-Na libertação e independência de uma terra que pensava também ser minha, mesmo não sendo “preto”… Afinal, não o era e, continuo “branco”… “A guerra, que matou e estropiou tantos, alimentou um punhado de pessoas, que se tornaram insultuosamente ricas e prepotentes”

guerri3.jpg

Por   soba15.jpg T´Chingange, no AlGharb do M´Puto

Em Abril de 1975 Jomo Keniata organiza a Cimeira de Nakuru no Quénia, na qual a UNITA, MPLA e FNLA acordam na formação de um exército nacional único. Neste mesmo mês Savimbi chega a Luanda. Cerca de dois meses depois, o MPLA destrói um quartel da UNITA na capital., chacinando militares e civis ali bivacados – este episódio ficou conhecido por “MASSACRE DO PICA-PAU”, nome do bairro que albergou o quartel. Definitivamente o MPLA, pelas ordens de Rosa Coutinho, o cunhado de Agostinho Neto, não queria nenhum dos outros Movimentos intervenientes no “ACORDO DE ALVOR” em Luanda. Eu direi que este foi o mais escandaloso “DESACORDO” na estória recente que envolve países dos PALOPS.

picapau1.jpg Em Julho de 1975, começa a batalha pelo controlo de Luanda. MPLA e FNLA envolvem-se em violentos confrontos que originam a expulsão dos homens de Holden Roberto da capital, muitos deles zairenses com fardas do ELNA. O MPLA com ajuda das “NT - Nossas tropas - Tugas”, em logística e armas, utiliza todos os meios para combater a FNLA, incluindo a calúnia e mentiras absurdamente irreais como chamar antropófagos aos militares deste movimento. Vísceras supostamente retiradas das casas dos dirigentes da FNLA foram exibidas…

Coisa mais macabra, até parece mentira e, decerto não virá nos anais da estória contada por medíocres historiadores da praça Lusa. Assaltaram o Laboratório do Instituto de Medicina Legal de Luanda para retirar órgãos humanos e propagandearem a seguir em muitos posters, que a FNLA era um bando de antropófagos, que comiam fígados e corações de gente – Uns canibais, afirmavam eles! A médica responsável pelo Laboratório deu à língua e, misteriosamente desapareceu. Algum tempo depois foi encontrado um cadáver feminino calcinado pela cal, possivelmente o seu. Tudo valia para lançar o terror e, principalmente à população branca… Naqueles tempos da Luua, todos faziam o que lhe dava na gana com a “Kalash” na mão, saltando no tempo do tempo…

picapau6.jpg Sem definir datas ou horas exactas com gente impreparada e, miúdos “pioneiros” faziam querer tomar o controlo de tudo e, por modos de provocar a fuga de brancos e assimilados, mazombos como eu… A lei, a ordem, a justiça eram coisas quase inexistentes ou anedóticas pela pior das negativas… Um retrocesso ao tribalismo com todas as nuances, tudo muito carregado de misticismo e crenças de quimbandas ou sobas analfabetos e sem o mínimo de preparação para gerir o que quer que fosse.

Melo Antunes, Mário Soares e outros encarnados na vermelhidão, decerto lá nos areópagos internacionais, não dissertavam conversas destas com Kissinger porque para estes, tanto se lhe dava que fosse assim ou assado, logo que tivessem o controlo do ouro negro – o petróleo já a sair pelo tubo ladrão da Golf Oil Americana. Alguns de nós, manietados de todo, a tudo assistíamos martelando caixotes, rilhando o dente sem mais poder fazer, pois nossos magalas do M´Puto ajudavam as hordas de pseudo-revolucionários e, até ajudavam a pilhar nossas casas. Foram vistos e filmados nas avenidas Brasil e Combatentes a roubarem em dia claro…

picapau8.jpg Já não havia médicos em Luanda, eram escassos ou desactivados. Os géneros de primeira necessidade faltavam. Os assaltos a armazéns eram constantes e as cadeias de abastecimento não funcionavam – Era a candonga a funcionar. As filas nas padarias eram formadas a partir da uma da manha com sapatos, tijolos e marcas indicadoras de tal e tal pessoa. Um troca-me isto por aquilo e as bolachas num repentemente desapareceram, tal como a farinha e compotas – permutas de tudo o imaginário, uns roubados outros esticados daqui e dali formando um esquema nunca pensado. O bivalve chamado de mabanga, só usado para isca de pesca, passou a ser comido com arroz; a fome era negra… Num repente rebentava aqui e ali no meio dos bairros citadinos granadas de morteiro. Via-se o levantar de pó, terra e trastes, sei lá mais o quê!?

Um aiué; salve-nos Nossa Senhora da Muxima que os homens andam loucos, embalando corotos, fazendo caixotes, fazendo de carregadores, fazendo a estiva no porto de luanda e candongando coisas e pedras chamadas de feijão branco como salvaguarda, um aí Jesus que isto, como vai ser e, davam voltas em si mesmo ate tontear, para esmoer a fúria. As “NT -Nossas tropas” tinham ordens para ajudar na desordem! A raiva subia-nos em vapores com cheiros inexplicáveis…Era o medo, tal como tinha sido previsto pelo pai do terror chamado de Rosa Coutinho…

negro3.jpg E, quanto aos novos supostos dirigentes tinhamos muitos receios. Dos três líderes nacionalistas, era Savimbi o mais inteligente, o mais hábil e o mais forte politicamente para uns; também para mim – também o mais conotado com os militares portugueses no antes da Abrilada. O Agostinho Neto, cunhado do Rosa Coutinho era um desclassificado poeta, umas merdas escolhido para ser o chefe da nação. Os políticos da nova vaga vermelhusca do PREC não se cansavam de repetir isto e aquilo sobre Jonas Savimbi e sua colaboração com os militares antes do “vinticinco” de 74.

Para o MPLA, era incontestavelmente seu líder Agostinho Neto, um medíocre poeta com formação universitária em Coimbra – O homem escolhido pelos generais e afins do MFA (Dizem agora, ter sido o menos mau!). Quanto a Holdem Roberto não tinha solida formação política, era um fraco e facilmente corrompido; dependia de Mobutu e dos americanos de uma forma sorrateira mas sobejamente conhecida e, rastejante! Nos muitos dias insólitos daqueles tempos, na meditação actual, encontro factos mágicos na revisão de amigos que me fazem medir o tempo com quartilhos e rasas como se feijões o fossem. A UNITA também se retira de Luanda para o Huambo, antiga Nova lisboa. O MPLA fica dono e senhor da capital, a Luua.

gurra10.jpg Em Outubro de 1975, desembarcam supostamente os primeiros cubanos que passam  apoiar o MPLA contra a FNLA tal como o combinado entre Fidel de Castro e Otelo Saraiva de Carvalho, o pseudo-herói do VINTICINCO de Abril, conhecido como a rebelião dos capitães. Diz-se que já havia em Angola e Congo Brazaville cubanos em treinamento para ultimar sua entrada em Angola antes do 11 de Novembro. Esta força foi em ajuda ao MPLA contra a FNLA; esta força que avançava para tomar Luanda, uma coluna na qual se incluíam mercenários de várias nacionalidades, portuguesas incluídas tal como Santos e Castro um oficial superior; também havia um elevado número de zairenses - sete ingleses, dois americanos, um cipriota, um escocês e um sul-africano são feitos prisioneiros e num julgamento sumário, mais tarde, foram fuzilados…

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 06:37
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Segunda-feira, 19 de Julho de 2021
N'GUZU . XL

Crónica 3167 – Sábado, 17. 07.2021

FRAGRÂNCIA DA VIDA - Minha fragância é de CATINGA, da pura...

-N'GUZU em kimbundo quer dizer força...

barão2.jpg

Por   tonito15.jpg  T'Chingange, no AlGharb do M'Puto

Tomando um café de cheiro longínquo de Timor, posso adivinhar toda a gente de pés varridos, lavando as mãos com água sanitária na forma de lixivia, de quarto em quarto de hora, esfregando com sabão macaco ou outro de cheiro para eliminar uma doença invisível que se agarra às pessoas...

Por via dessa praga invisível, esfrega-se a mesa, besuntam-se as mãos com gel, passa pano, borrifa as batatas, tira e põe-se a máscara para afugentar o invisível e vem a pergunta ao jeito de indefinida postura tal e qual é, de quem quer viver dono de si mesmo: - o mundo pode parar assim átoa!?

aramis2.jpg Um bom perfume tem a capacidade de atrair as pessoas. Inconscientemente, elas se deleitam com a subtil delicadeza de seu aroma se desejam estar por perto de quem o está usando. Por falta do "ARAMIS" uso um barato perfume feito de alecrim mas, seu efeito logologo se transforma nesse tal de "Catinga".

É exactamente isso que se pode extrair da metáfora que o apóstolo Paulo usou ao afirmar que somos o “Bom perfume de Cristo”. E, sendo assim como fico com minha genuína catinga exalada das próprias axilas...

aramis1.jpg Ser perfume de Cristo significa ter em nós o que há de mais atraente em Jesus. Nós, ao carregamos em nossa vida, se as pessoas são atraídas por sentirem que há um perfume especial em nossa maneira de ser, pois então que o seja: "CATINGA".

Não é necessário haver nenhum esforço de nossa parte para que se ACHEGUEM. Ao se relacionarem connosco, elas, as pessoas, perceberão no tempo e hábito que somos diferentes. Até os moscardos feitos besouros nos roçarão!

aramis0.jpg  Quem o suporta, sentir-se há feliz em nos conhecer como se pregássemos o evangelho mesmo sem palavras; só esse tal PERFUME! E, quando assim é com este requinte, nem precisamos de estratégias artificiais de aproximação. Nossas feromonas impregnadas desse suor perfumado, serão abençoadas com nossos actos de bondade...

As pessoas que querem estar ao nosso lado, simplesmente esperam ouvir nossas palavras, desfrutar nossa companhia e sê-lo na forma certa de permitir que se exale esse perfume legado por nossa singularidade; na fragrância de vida acertada com àqueles que se nos acerca.

aramis3.jpg Em resumo, “se o amor de Deus, Alá, o Sol ou Buda" estiver em seu coração, assim se manifestar em sua vida. Esse suave ou intenso perfume nos envolverá, e nossa influência será o perfeito enlevo e bênção dos que nos cercam”. Pude ler isto na Bíblia de um outro jeito. Por isso, poder dizer-se que não é difícil ser-se um missionário se o quiser ser; basta o querer!

Não precisamos ser pregadores nem saber muitas coisas para impressionar as pessoas, porque somos e temos essa mensagem de perfume. E, porque só mesmo quem trabalha exala esse auspicioso perfume chamado de CATINGA. Se permitirmos que Cristo exale Seu perfume por nosso intermédio, seremos fragrância de vida naqueles com quem convivemos... Comecei sem saber o que, e como o dizer e, aconteceu...

Feliz semana.

O Soba T'Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 21:19
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quinta-feira, 8 de Julho de 2021
MUJIMBO . CXXIV

SER OU NÃO SER COMENDADOR - FUNERAL SEM CHORO

- É costume ouvir-se dizer: " foi-se sem deixar de si saudades”...  Crónica 3063 - de 08.07.2021

monteiro2.jpg

Por soba04.jpgT'Chingange, no AlGharb do M'Puto

Não me lembro de ter ouvido falar nem de ter assistido a alguma cerimónia fúnebre em que as faltas “ou pecados” da pessoa falecida tivessem sido destacadas pelos oradores. Elas podem até ser amplamente conhecidas, mas o bom senso manda que se realce só os aspectos positivos; afinal, todo mundo tem defeitos misturados nas virtudes e, nunca o inverso disto.

Certamente deixamos a marca do que fazemos positivamente, ou do que fazemos e que não deve ser imitado. Entretanto, é certo que ninguém quer imaginar ser mencionado em nenhuma ocasião, muito menos depois que tiver morrido ainda em vida, por causa dos seus defeitos ou procedimentos não usuais. Nem no livro sagrado da Bíblia, se escondem as falhas de nenhum de seus personagens, mesmo dos mais destacados heróis, entre os quais não está o rei mencionado em este nosso verso explanado em texto co o nome adulterado de Joe! A Joe, o que é de Joe… A Berardo o que é dele! Joe e Berardo são uma só pessoa…

soba21.jpeg E, lendo “ao calhas” ou aleatoriamente o livro dos livros camado de Bíblia, leio que Jeorão era filho primogênito de Josafá que reinou pouco tempo, mas deixou um histórico lamentável. Para começar, embora fosse rei e tivesse a maior parte no espólio deixado pelo pai, tão logo assumiu o reinado, de olho na herança dos irmãos, matou-os à espada. Já naqueles tempos havia formas bizarronas de tratar a vida...

A esposa de Jeorão, Atalia, filha dos ímpios Acabe e Jezabel, mais tarde tentou acabar com a linhagem de Davi. Jeorão rejeitou as advertências e promoveu a decadência moral e espiritual dos moradores de Jerusalém e de Judá. Finalmente morreu acometido de uma terrível enfermidade, que deixou suas entranhas expostas.

roxo135.jpg De acordo com um costume da época, os reis, ao morrerem, eram colocados em uma sepultura especial, em um local chamado “sepulcro dos reis”, algo como se fora um panteão. Não foi esse o caso de Jeorão. Quando morreu, não recebeu nenhuma homenagem por via de seus graves desvios às regras sociais de então.

O povo não lhe queimou incenso, ele não foi sepultado no sepulcro dos reis, e o cronista diz a respeito dele que “se foi sem deixar de si saudades”. Em contraste, Ezequias “foi sepultado na colina onde estão os túmulos dos descendentes de Davi. Todo Judá e o povo de Jerusalém lhe prestaram homenagens".

berard1.jpg Os bons exemplos, por norma, eram e ainda o são, enaltecidos pela sociedade. Por vezes leio a Biblia e, fico com vontade de não mais a ler porque são muitos desaires e até comportamentos bárbaros no meu entender. Em verdade, nem carece estarem esparramados no livro dos livros! Vejo no estágio de um qualquer curriculum, não ser pecaminoso desejar ser estimado, mas isso é resultado do bem que a pessoa espalha ou espalhou, difundiu ou influiu em seu meio, noé!? Será que posso entender este caso tão antigo com o de JOE BERNARDO, um ilustre cidadão português que, num repente, MORREU, estando vivo…

berard2.jpg Morreu, por fruto da hipocrisia dum povo que o bajulou, de governantes e gente com poder nas instâncias bancárias, que o embalaram e subsidiaram; mesmo de altos dignatários que lhe deram guarida e ajudaram, com dolo para todos NÒS, ao ponto de merecer medalhas de mérito e comendas como se o fora: um exemplo a seguir… Isso! Do amor e perdão que reparte, da acolhida que oferece e do serviço prestado, com altruísmo e lealdade - supostamente!

berard3.png Acima de tudo, é importante que sejamos conhecidos e lembrados por nossa fidelidade aos nossos com o beneplácito superior... Ele, Bernardo, lá terá a sua fé... O filme continuará com este e outros ilustres TRAPACEIROS… Com o suceder de TANTOS ERROS E AZARES, corremos o risco de ver O M´PUTO cair novamente, engolido num culto de personalidade com ataque á já frágil democracia…

O Soba T'Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 12:51
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

MALAMBAS . CCLX

PÁGINAS SOCIAIS - CENSURA NO FB! – QUEM ORDENA?

-Neste PAÍS chamado M'PUTO Crónica 3162 - 08.06.2021

lobo1.jpg

Por soba k.jpgT'Chingange no AlGharb do M'Puto

Malamba é a palavra - origem do dialecto KIBUNDU. Não partilhei nada que justifique o BLOQUEIO e, creio andarem a limitar-me  no uso da malamba. A maioria dos portugueses ainda está muito longe de conseguir enxergar que há uma ditadura instalada neste PAÍS chamado M'PUTO. Há muito que há censura no FB - Facebook ,mas agora, estão a apertar o cerco conforme as ordens dos governos para garantir que Cabritas e outros GOVERNANTES ao mais alto nível, façam desmandos e, fiquem impunes de suas asneiras. É assim que me obrigam a pensar.

sacag9.jpgO coração humano é uma fábrica de desejos. Nem sempre discernido, o desejo é um poder que motiva, uma força que leva à acção, um ímã que atrai; é o que eu quero ter, fazer e experimentar em liberdade... Não quero algemas. O desejo, "janela da alma", mostra para onde estamos indo e, qual será seu destino. Obsessão por objectos, coisas e pessoas; o desejo é a tentativa de conseguir algo para preencher um vazio na vida. Segundo os psicólogos, os desejos não devem ser confundidos com as emoções, nem as emoções com os sentimentos, que estão para elas assim como as ondas para o oceano.

step6.jpg Enquanto a emoção nasce na mente, o desejo está enraizado na estrutura corporal; digo isto porque andei a ler umas coisas periclitantes. Por isso, romancistas e roteiristas o exploram em profusão, e os publicitários elaboram estratégias para criar um senso de necessidade e seduzir os consumidores – NÓS. E, em geral, a publicidade associa algo ou alguém com atributos ou indícios desejáveis ao produto. Procurar satisfazer os desejos do coração não é errado, pois essa é uma necessidade universal mas, o problema é contentarmo-nos com superficialidades ou vulgaridades. Querem fazer-nos de bobos, robôs sem vontade próprio! Está mal!

Há quem afirme que o verdadeiro conhecimento deriva daquilo que pode ser comprovado por meio da observação. Sim! Mas, como é que as pessoas reconhecem algo verdadeiro? Todos reconhecemos que existem várias fontes de conhecimento disponíveis. Uma delas é o mundo ao redor, que revela as digitais do Universo, ainda que estejamos em uma realidade de pecado pela já vulgar mentira. Outra razão, nos convida a sermos racionais e mantermo-nos dentro da lógica da experiência. Em verdade, mandam as boas regras que as fontes, devam ser analisadas sob as lentes do bom senso, um bem escasso no Mundo actual...

SACADURA2.jpeg Dinheiro, sexo, comida, conhecimento, popularidade, status, poder, desporto, influência, carros, aparelhos e milhares de itens! Não devemos negar os desejos, mas avaliá-los, hierarquizá-los e aprofundá-los. Cortá-los é uma má punição porque diz quem sabe que, assim como as células precisam do oxigénio, o girassol precisa do astro-rei e os pássaros precisam do céu - Haja Deus. Todos temos conhecimento de muitos e, de megas processos que se arrastam na justiça, tanto que até a vontade prescreve seu entendimento. Uns são rasgados, outros cortados a tesoura por republicanos procuradores e muitos outros, omitidos por conveniência de uma das partes. Por vezes, todos somos lesados e, a bem da Nação, assim ficamos, entenda-se…

O Soba T'Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 10:44
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sexta-feira, 18 de Junho de 2021
MOKANDA DO SOBA . CLXVIII

ANGOLA – DA LIBERTAÇÃO À INDEPENDÊNCIA - V

Crónica 3158 - 18.06.2021 - Na libertação e independência de uma terra que pensava também ser minha… Afinal, não o era e, juro que não o sabia… 

muilas2.jpg

Por   soba0.jpegT´Chingange, no Algharb do M´Puto

O ano de 1961, ficando a uma distância de sessenta anos, convêm relembrar mesmo de forma sucinta o que aconteceu na Colónia chamada de Província de Angola. O padre Franklin da Costa que não concordava com a politica colonial e, que foi mais tarde bispo do Lubango sofreu dissabores por admoestação ao longo de sua vida pastoral pela PIDE, tendo o militar operacional Neves Bendinha, nesse então, morrido às mãos dessa policia na Cadeia de S. Paulo de Luanda. Os intelectuais Belarmino Van-Dúnen, Noé Silva Saúde, Francisco Santana e Virgílio Sotto-Mayor foram presos e condenados, cumprindo pena no Campo Prisional do Tarrafal. Naquele período de entre 04 a 12 de Fevereiro de 1961, disse-se haver entre mortos e feridos e de parte a parte, um total de cinco mil …muilas3.jpg A Fortaleza de S. Pedro da Barra e a Cadeia de S. Paulo, encheram-se de presos. Pinto de Andrade foi desterrado para a ilha do Príncipe e Agostinho Neto é envido, primeiro para Lisboa e, mais tarde para Santo Antão e Santiago de Cabo Verde; Aqui, Neto, continuou a exercer medicina sob vigilância policial; viria a ser transferido para o Aljube e libertado no ano de 1962 com a condição de ficar com residência fixa em Portugal de onde consegue fugir clandestinamente com a família, refugiando-se em Leopoldville.

O ataque da UPA contra os fazendeiros brancos do Norte de Angola, abrangeu uma faixa extensa que vai desde a fronteira com o Congo Zaire até bem perto de Luanda, a maior parte do Distrito do Congo, Províncias do Uíge e Zaire, uma parte do Cuanza Norte e a região de Nambuangongo. Centenas de brancos e trabalhadores Bailundos, contratados, são barbaramente assassinados, incluindo mulheres e crianças. Nem os missionários escapam a esta onda contando-se entre estes os bem respeitados padres Lázaro e Pedro João; o primeiro morto na povoação de Pângala e, o segundo, na Damba.

mud23.jpgNo ataque a Quitexe, então Concelho de Ambaca com sede em Camabatela, foram assassinadas várias crianças. Podem ver-se muitas fotos com seus corpos seminus ou nus, retalhados por catanas; fotos que correram o mundo indignando na forma tão violenta de fazer terrorismo. A violência destes acontecimentos de quinze de Março e sequentes dias, motivou dos bispos angolanos, a publicação de uma “Exortação Pastoral” condenando as acções de terror de um e outro lado, apelando às autoridades não esquecerem as leis de justiça e caridade por forma a aproximar os homens e não originar um crescendo de inimigos. O texto da Pastoral enviado para Lisboa a ser publicado no jornal “Novidades” é desautorizado a sua publicação…

Salazar, detém a pasta da Defesa, por via da tentativa de golpe de Estado por Botelho Moniz. É neste então que prefere o tão propalado discurso em que diz: “ para Angola, rapidamente e em força”. Inicia-se imediatamente o envio regular, por via aérea e marítima. O primeiro contingente de militares embarca no navio Niassa, no cais de Santa Apolónia, em Lisboa. O império português estava ameaçado de morte como nunca em cinco séculos e, a resposta possível foi o envio imediato de um corpo expedicionário. O envio acontece a 21 de Abril, em reacção ao levantamento supostamente do MPLA em Luanda e aos massacres da UPA no Norte.

mugi4.jpg Ninguém imaginava que a guerra duraria mais de uma década terminando logo após o vinticinco de Abril de 1974. No cais de Santa Apolónia, em Lisboa, as famílias juntaram-se para a despedida aos militares. Estes embarcaram em fila ordenada no Niassa e da amurada gritavam "Viva Portugal". O Diário de Notícias de 22 de Abril dava honras de primeira página ao embarque das tropas. "Aclamando Portugal e o exército e cantando o hino nacional partiu ontem para Angola uma força expedicionária" - era o título, mostrando optimismo sobre uma rápida solução do conflito. Só que a Guerra Colonial duraria até esse ano de 1974, e seria combatida em três frentes africanas – Angola, Moçambique e Guiné Bissau. Entretanto na rádio cantava-se “Angola - é nossa”

Hoje, pode encontrar-se em Portugal, mais de 300 monumentos dedicados aos que combateram por um país que estava condenado a ser de novo só europeu. Angola e mais quatro nações africanas de língua portuguesa, são hoje independentes mas, terei aqui de me focar só a Angola a rainha do Império Luso. Os paquetes Niassa, Santa Maria, Vera Cruz, Pátria e Infante D. Henrique levam sucessivos contingentes sendo recebidos euforicamente pela população branca em grandiosos  desfiles ao longo na Avenida Marginal de Luanda com o nome de Diogo Cão e agora, com o nome de Avenida 4 de Fevereiro… Na Angola de 1961, a situação é crítica; cidades, vilas e pequenos lugares do Norte são saqueadas pelos guerrilheiros chamados por “Turras”, diminutivo de terroristas. Estes Turras, à sua passagem, destruíam as estruturas das fazendas de café, que até então eram o principal abastecedor do mercado internacional. Até 1974 saiam daí 330 mil toneladas por ano; hoje que são passados sessenta anos, esta produção decresceu para números muito inferiores.

mud26.jpg Pode ler-se actualmente (ano de 2021) que a produção do café ainda contínua irrisória e longe de alcançar lugares cimeiros em África, em particular, e no mundo em geral, devido ao fraco investimento e falta de políticas concretas para os produtores, segundo especialistas em agronomia. Em consequência do fraco investimento neste sector, tem sido variável e nivelada por baixo, comparativamente ao tempo colonial, período em que a Colonia, foi o terceiro maior produtor mundial desse “bago vermelho”. Voltando àqueles tempos em que aquela era a minha terra – assim o pensava, o Ministro do Ultramar Adriano Moreira desloca-se com frequência à Colonia adivinhando-se mudanças.  

O Governador Silva Tavares é substituído pelo General Venâncio Deslandes que acumula o Comando-Chefe das Forças Armadas. Face aos acontecimentos na Baixa de Cassange, o Ministro Adriano Moreira põe fim à desumana política da cultura compulsiva do Algodão e sua venda obrigatória à “Cotonang”. O general Deslandes inicia a retomada do Norte de Angola em Junho de 1961, pelo posto de Lucunga. Em Novembro, Deslandes anuncia o apaziguamento do Norte, saldado por 121 baixas de militares oriundos do M´Puto. Em Dezembro de 61, já se encontrava em Angola mais de 30 mil soldados magalas do M´Puto. Em 1966 já eram 60 mil e, em 1974 chegaram a mais de 65 mil. Diga-se que as guerrilhas do MPLA e FNLA eram quase inexistentes no ano de 1974 mas, urdia-se pela calada e, no M´Puto outras diligências singularizadas pelo Partido Comunista e suas células com mistura de traidores…

mud29.jpg As comunidades corporativas e intelectuais da Província em consonância com uma boa parte significativa de grande parte de comerciantes conceituados como Venâncio Guimarães, chegaram a propor a Venâncio Deslandes um golpe do tipo de Ian Smith da Rodésia tornando o território independente ou com uma autonomia progressiva mas, não houve a vontade necessária para tal. Perdeu-se uma grande oportunidade de mudar o rumo em Angola de uma forma controlada a favor de gente que se veio a revelar desclassificada, impreparada e ladra. Recorde-se que Ian Douglas Smith, foi um político, fazendeiro e militar que serviu como primeiro-ministro da colónia britânica da Rodésia do Sul entre 13 de Abril de 1964 e 11 de Novembro de 1965 e depois primeiro-ministro da Rodésia, depois da Declaração Unilateral de Independência, em 11 de Novembro de 1965, até 1 de Junho de 1979.

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 18:47
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Segunda-feira, 14 de Junho de 2021
MOKANDA DO SOBA . CLXVII

ANGOLA – DA LIBERTAÇÃO À INDEPENDÊNCIA - IV

Crónica 3157 – (08.06.2021) – 14.06.2021 - Na libertação e independência de uma terra que pensava também ser minha… Afinal, não o era e, juro que não o sabia… 

mud13.jpg

Por   soba0.jpeg T´Chingange, no Algharb do M´Puto

Antes que me esqueça relembro: Ano de 1975 - A 9 de Julho, após três semanas de violentos combates, a FNLA é expulsa de Luanda, e Jonas Savimbi pede protecção ao Exército português ordenando aos seus apoiantes que deixem a capital - a LUUA. Foi neste então que recrudesceu o som do martelar: “tá, tá, tá" e, por toda a Luanda de noite e de dia a mente restolhava-se inibida de vontade, fazendo caixotes. Para mim, o porto de Luanda estava longe! Nada veio, nem as fotos de casamento na Sagrada Família.

moka25.jpg Deus, O Nosso Senhor, também andava distraído por muitos outros lados - de nada valia gritarmos “Valha-me-Deus” porque definitivamente todos estavam condenados, antes mesmo de qualquer definitivo julgamento. Em Muquitixe, terra dos ananases, já tinha visto as estrias duma Kalashe (kalashnikov)! E o soldado ébrio do MPLA segurando a arma de forma desajeitada deu-me o alerta final! Podia também ser um soldado da FNLA ou UNITA mas, assim me calhou: -Vai-te embora branco… Esta não é a tua terra! E quem vai dizer o contrário com um canhângulo nos olhos… 

Naquela mensagem messiânica de António Nunes Frade do Bondo da Baixa de Cassange podia ler-se: “Maria, a deusa protectora dos negros, a verdadeira deusa, há muito que anda preocupada com o sofrer dos angolanos e, assim, resolveu aparecer em Cassulo – Cuenda (…)”. Aquela santa por sinal era negra, talvez uma réplica de nossa Senhora da Aparecida… “Para que as balas das armas dos tugas não sejam mortíferas, é necessário vestir panos amarrados à cintura com uma trança de capim “caxinde” e, no pulso, uma pulseira do capim “seno”. Dá que pensar nesta misticidade, práticas usuais nos mentores de cariz religioso. 

monstro6.jpg Os protestos no velho Reino do Cassange tiveram origem na resistência à administração colonial anos antes mas, a 4 de Janeiro de 1961, na Baixa do Cassange, norte de Angola, os negros que trabalhavam nos campos de algodão iniciaram uma greve lançando a que foi chamada a “Guerra da Maria”, nome de um dos instigadores, António Mariano. Os protestos iniciaram-se à volta de Tembo Aluma, na proximidade do posto administrativo de Mangano e espalharam-se desta zona fronteiriça até ao coração do distrito de Malange.

mud11.jpg A Baixa de Cassange foi apaziguada pela Companhia de Caçadores Especiais, que ficou célebre pelas represálias exercidas naqueles dias que levou o arcebispo D. Manuel Nune Gabriel a comentar: “A acção dos militares, exaltada por alguns dos elementos da população citadina, lançou o terror nos arredores de Malange e, outros pontos do distrito, contribuindo param uma onda de ódio. O clima de medo e desconfiança originou mortes que só a irreflexão, podem explicar mas não justificar” 

A inconsciência foi tal que, não se tomaram em consideração as características dominadoras e guerreiras da tribo dos Maholos, habitantes da Baixa de Cassange, que já quando da pacificação portuguesa do século anterior se revelaram elementos dificilmente domináveis e extremamente perigosos. No dizer do General Fernando Pinto de Resende, Comandante da 2ª Região Aérea, pode ler-se: “Fizemos deles agricultores de algodão, claro que à força, e agora estamos nós a bombardeá-los do céu”

moka23.jpg Os agricultores africanos, uns 150.000 em 35.000 famílias, eram coagidos a cultivar o algodão em parcelas de terrenos designados para tal. Não havia salários para este trabalho e no final de cada campanha os africanos eram obrigados a vender o algodão à Cotonang e à Lagos & Irmão, a preços fixos, abaixo dos do mercado, num valor 5 a 6 vezes menor do que o preço mundial. A lucrativa economia do algodão na região era baseada nesse cultivo obrigatório, produzindo cerca de 5.000 toneladas por ano. Em empresas semelhantes, como a Companhia de Diamantes de Angola (DIAMANG), os trabalhadores ganhavam um salário abaixo do de subsistência e os accionistas obtinham resultados extraordinários pelo seu investimento.

A “cultura do algodão era uma exploração infame dos indígenas; portanto, geradora do maior antagonismo para com este tipo de trabalho obrigatório (lucro de 400$00 por ano nas piores áreas...), Para o agricultor, quando tinha o infortúnio de perder toda a cultura, recebiam zero por um ano de trabalho. Este é apenas um exemplo das muitas vilanagens que a tribo branca com a anuência do governo do M´Puto fazia à tribo negra”. Claro que a grande maioria de colonos e mazombos estavam à margem de todas estas arbitrariedades, diga-se! Os protestos iniciaram-se à volta de Tembo Aluma, na proximidade do posto administrativo de Mangano e espalharam-se desta zona fronteiriça até ao coração do distrito de Malange.

mud9.jpg Na madrugada de 04 de Fevereiro de 1961, em Luanda, “supostamente o MPLA” ataca a Casa de Reclusão, Esquadra da Policia Móvel e cadeia de S. Paulo sob a alçada da PIDE, com a intenção de libertar presos políticos, entre os quais Domingos Magalhães Paiva e Agostinho Mendes de Carvalho, politico e escritor, usando o pseudónimo de Uanhenga Xitu. A 11 do mesmo mês, repete-se o assalto. O Cónego Manuel das Neves entre outros esteve na organização destas acções permitindo que debaixo do altar da Sé Catedral se escondessem catanas.

Este diria mais tarde: “É suicida combater com catanas, mas romper-se-á assim o mito de que todos estamos satisfeitos com os portugueses”. Era suicida combater com catanas e ele, sabia-o na perfeição. Era óbvio que por esta via quereria criar mártires por forma a provocar um levantamento mais generalizado na sociedade luandense e, mais propriamente entre os moradores dos musseques, gente da periferia, que paulatinamente ia ficando mais focada para a luta de libertação. Em paralelo com a notória sublevação era já elevada a condição cultural da sociedade citadina. Em resposta a toda eta sublevação, as autoridades, distribuíram espingardas “Mauser” à população branca da capital e arredores…

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 10:18
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sábado, 5 de Junho de 2021
MOKANDA DO SOBA . CLXVI

ANGOLA – DA LIBERTAÇÃO À INDEPENDÊNCIA - III

Crónica 3156 – 03.06.2021 - Na libertação e independência de uma terra que pensava também ser minha… Afinal, não o era e, juro que não o sabia… 

cipaio001.jpg

Por soba24.jpg  T´Chingange, no Algharb do M´Puto   

E, porque não sou só ossos dispersos, penso em kimbundo da Luua recordando as falas de nossa terra, também da deles, meus filhos e filhos dos outros também; assim repeti “ki tuexile tu ngó ifuba iatujunkura” - ainda não somos só ossos dispersos, “ifuba yetu iokune kala jimbuta” - Nossos ossos serão semeados como sementes… Assim no quizango, feitiço do livro de capa amarelecida, recordo aos mwadiés camundongos fingindo ser sapientes, que só mostram o Sputnik de Agostinho Neto, o que já passou! Assim, num jeito de perfumar ranço seboso, engraxando as cores sem conseguir dizer nada de novo, relembro caligrafias antigas. Falei!

O MAC - Movimento Anti Colonial, integrava membros estudante de todas as colónias portuguesas. Em 1960, autoridades políticas e militares do M´Puto, efectuam reuniões de emergência à porta fechada, no Comando da Região Militar, temendo a possibilidade de um ataque armado ao Norte de Angola, ainda nesse ano. A ordem pública era mantida nas cidades, pela Polícia de Segurança Pública; nas povoações do interior de menor importância, pelos cipaios às ordens das autoridades administrativas.

cipaios.jpg O Exército regular, então composto por cinco mil africanos e mil e quinhentos europeus, aquartelavam-se nas principais cidades - Luanda, Lobito, Nova Lisboa, actual Huambo, Sá da Bandeira, actual Lubango e pouco mais. Em 1960, a PIDE – Policia Internacional e Defesa do Estado, volta a prender Agostinho Neto, no seu consultório de Luanda. Como consequência o povo da Circunscrição vizinha de Icolo e Bengo, organiza uma manifestação de protesto em Catete, a escassos quilómetros da capital, a terra natal de Neto. Era eu nesse então, estudante na Escola Industrial de Luanda tendo como companheiro de turma Avelino Said (Dias) Mingas que mais tarde viria a ser o primeiro-ministro das Finanças, um dos criadores da moeda Kwanza - Angola.  

Naquela manifestação de Catete, a multidão é metralhada originando daí 30 mortos e 200 feridos. Conta-se que no seguinte dia se inicia o ataque a Icolo Bengo originando a destruição de várias aldeias. A prisão de Agostinho Neto motiva o MPLA, então aquartelado na Guiné-Conacry, a propor negociações a Portugal. Em resposta, 29 activistas do Movimento são fuzilados no pátio de uma prisão; simultaneamente, o general Monteiro Libório assina o “Primeiro Plano de Acção Psicológica do Comando Militar de Angola”.

cipaio4.jpg Em Dezembro de 1960, Mário Andrade, Viriato da Cruz e Américo Boavida, face ao fracasso negocial com Portugal, comunicam à Câmara dos Comuns de Londres, ”passarem à acção directa”, supostamente em nome do MPLA e por via destas manobras internacionais, no mesmo mês de Dezembro o Conselho de Segurança da ONU deixa de reconhecer as Provinciais Ultramarinas como sendo parte integrante de Portugal. Foi talvez a primeira pedra a ser lançada ao charco do processo descolonizador do “Império Luso”. Por via destas movimentações, o MPLA anuncia a sua primeira direcção no exterior formada por Mário Pinto de Andrade, Viriato da Cruz Hugo de Meneses, Lúcio Lara, Azevedo Júnior, Matias Miguéis, Eduardo Santos, Daniel Chipenda e França N´Dalu.

Eduardo Santos foi médio de futebol da equipa da Associação Académica de Coimbra que não obstante ter passado para a “Revolta Activa” conjuntamente com Daniel Chipenda e França N´Dalu assistiu como cardiologista Agostinho Neto até à sua morte. A figura de Agostinho Neto, jamais teve unanimidade dentro do movimento anticolonial. As fortes divergências que teve com Viriato da Cruz, em 1963, levaram Neto a torturá-lo e humilhá-lo diariamente numa prisão, somente saindo (quase morto), por intervenção de aliados externos da Argélia e China.

mud14.jpg Outra figura que questionou fortemente Neto, foi Matias Miguéis, sendo que este acabou morto após humilhantes torturas ordenadas por Neto, em 1965; foi enterrado vivo somente com a cabeça para fora, onde lhe jogavam secreções ao mesmo tempo em que recebia golpes. Historiadores, como William Tonet, apontam que nem mesmo os portugueses cometeram tais atrocidades. Houve graves conflitos internos no MPLA que puseram em causa a liderança de Agostinho Neto.

Entre estes, o mais grave consistiu no surgimento, no início dos anos 1970, de duas tendências opostas à direcção do movimento, a "Revolta Activa" constituída no essencial por elementos intelectuais, e a "Revolta do Leste" com Daniel Chipenda, formada pelas forças de guerrilha localizadas no Leste de Angola; estas divisões foram superadas num intrincado processo de discussão e negociação que terminou com a reafirmação da autoridade de Agostinho Neto.

mud10.jpg Seguindo a cronologia dos acontecimentos, em Janeiro de 1961, a capital angolana fervilha de jornalistas que aguardam a chegada do paquete “Santa Maria”, tomado de assalto por Henrique Galvão. Semanas depois, as atenções desviam-se para os três acontecimentos que marcaram o início da luta armada e, que conduziu à independência: A Revolta na Baixa de Cassanje de “4 a 11 de Fevereiro” e, “ a “15 de Março”. Impulsionados pela UPA, a Revolução na Baixa de Cassanje iniciou-se no posto do Milando da Circunscrição de Holo e Jinga, alastrando às circunscrições vizinha de Bondo e Bângala.

mud15.jpg Simão Toco, fundador do “Tocoismo” pertencente à igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo no Mundo, por ter influenciado aquela onda de terrorismo, foi desterrado para os Açores com residência fixa naquela congregação. Milhares de trabalhadores abandonaram seu trabalho nas fazendas algodoeiras que alimentavam a empresa monopolista “Cotonang”; armados de paus, canhangulos, catanas e azagaias, matam gado e destroem outros bens de brancos. Estes acontecimentos são relatados pelo “missionário” António José Nunes Frade que constam dos arquivos da Administração da Circunscrição de Bondo e Bângala do Distrito de Malange…

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 11:47
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Segunda-feira, 31 de Maio de 2021
MOKANDA DO SOBA . CLXV

ANGOLA – DA LIBERTAÇÃO À INDEPENDÊNCIA - II

Crónica 3155 – 29.05.2021 - Na libertação e independência de uma terra que pensava também ser minha… Afinal, não o era e, poucos  o sabiam…  

Mu Ukulu37.jpg

Por   soba 01.jpgT´Chingange, no Algharb do M´Puto

Cada um, chamado á razão, responde afirmativamente ao que pensa ser o certo, em uma terra que sempre pensou ser também a sua, Angola e, sem ter a certeza de nada nem do futuro, recorreu a N´Zambi - Deus, presumindo que a concórdia e a misericórdia seriam um factor a esperar mas, assim, o não foi. Tantos que foram para Angola, tantos que se situaram, se amigaram, enamoraram ou umbigaram, julgando que deveriam reinar sobre a dissensão e razoável desentendimento, harmonizar o essencial, perdoar nos pequenos costumes; eliminá-los, seria assim o futuro plausível.

mud4.jpgmud5.jpg Puro engano em nosso advir; aglutinar-se-iam raças, honrar-se-ia desta feita pais, avós, tetravós e, ene avôs mas, nada disto assim o foi. Já estamos longe daquele tempo, ano de 1958 de quando a PIDE se instalou em Angola. Esta, mereceu do arcebispo de Luanda, D. Manuel Nunes Gabriel, o seguinte comentário: “A PIDE estendeu agora sua actividade a todo o país, agindo de maneira arbitrária e demasiado severa, tornando-se temida, mas não respeitada”; tomar em conta a menção de país, englobando o Portugal Ultramarino numa mesma plataforma territorial.

Na Lisboa do M´Puto, pouca importância se dá ao aparecimento da UPNA, União dos Povos do Norte de Angola e, daquele manifesto de Viriato da Cruz, o tempo, o congeminou como sendo o primeiro evento de valia e, paulatinamente o foram atribuindo como afecto ao MPLA. Com dados aleatórios no tempo aqui se descrevem situações que agora nem interessa saber se foram antes ou depois. Aconteceram! Ainda no ano de 1958, no próprio dia em que concluiu o curso, Agostinho Neto casa com a portuguesa transmontana, Maria Eugénia.

MUD1.jpg Nada mais que a irmã de António Rosa Coutinho, um nome a destacar por ter sido o principal “pivot sinistro” no período da descolonização posterior, e figura preponderante por ter incitado à violência física e sexual contra mulheres e crianças portuguesas e angolanas - estratégia para obrigar os brancos a abandonar Angola. Agostinho Neto aceitava todos conselhos do cunhado como se fossem ordens.

Agostinho Neto sabia que seria Presidente de Angola com ajuda dos portugueses porque tinha um cunhado no seio da política Portuguesa! Rosa Coutinho nos momentos cruciais do futuro de Angola no após “Abril de 1974” veio a ter o papel de “mediador” falando com os Líderes do MPLA, FNLA e UNITA, mas dava ou vendia armas ao MPLA oferecendo a este, a logística de guerra suficiente na tomada ao poder à revelia de quase toda a sociedade angolana. Era um corrupto que envergonha todos políticos, e infelizmente, é mais um que não pagou pelos crimes cometidos.

Mu Ukulu49.jpg A imunidade é a mãe da impunidade, e Rosa Coutinho, apesar de ter sido o autor moral de vários crimes cometidos em Angola nunca foi responsabilizado por nenhum governo dos PALOPS. Pelo que ocorreu de forma silenciosa, cumpre aqui alertar aos governos de Angola e Portugal que o “vosso silêncio”, para que conste, significa cumplicidade. O que aconteceu em Angola provocou distúrbios mentais a muita gente, e deixou cicatrizes nos corações de todos envolvidos, por isso e, assim demonstramos solidariedade com todos aqueles que o foi, directa ou indirectamente afectados; gente de todas as cores e credos.

mud7.jpg Voltando a Neto, já casado com a irmã de Rosa Coutinho, ambos tomam o rumo de Luanda aonde chegam a 30 de Dezembro de 1959 já com um filho. Neto passa a ocupar a chefia do MPLA em Angola, numa altura em que os mentores do Movimento se encontravam exilados na República da Guiné-Conakry. 1958, foi também o ano em que, em Accra, capital do Gana, Holdn Roberto participa na 1ª Conferência dos Povos Africanos retirando à UPNA seu carácter regionalista, substituindo-a pela UPA, União dos Povos de Angola, supostamente de cariz nacional.

Em 1959, a PIDE inicia uma vaga repressiva no meio estudantil e intelectual luandense, no que ficou conhecido como por “Processo dos 50” e, alarga sua acção ao Sul, às Missões Protestantes, Baptistas e Metodistas. Era nestas Missões que os supostos nacionalistas beneficiavam de sua protecção. Apesar das prisões e perseguições, o fenómeno fermento da independência, leveda por todo o país de N´Gola. A partir da independência do Congo a 30 de Junho de 1960, os ânimos redobram com a realização da segunda Conferência dos Povos Africanos.

Mu Ukulu59.jpg E, foi na Conferência dos Povos Africanos que Lúcio Lara, Viriato da Cruz e Holden Roberto apresentam o Movimento Anticolonial MAC e, em cuja formação, participam Agostinho Neto e Amílcar Cabral, este último, natural da Guiné-Bissau e, que foi um dos fundadores e Secretário-geral do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde, PAIGC. Amílcar Cabral e Agostinho Neto nutriam um pelo outro grande amizade, alicerçada nos tempos de estudantes em Portugal, onde foram entusiastas participantes na revitalização da “Casa dos Estudantes do Império”.

moka22.jpg A Casa dos Estudantes do Império integrava membros de todas as colónias portuguesas, os agora chamados povos dos PALOPS, de fala portuguesa; organizações legais de jovens estudantes que em convívio fermentavam sonhos. Como uma república estudantil, albergava os vários estudantes das colónias portuguesas que vinham estudar na metrópole, M´Puto. Foi criada em 1944, pelo regime salazarista, para fortalecer a "mentalidade imperial e do sentimento da portugalidade entre os estudantes das colónias", respondendo igualmente a uma necessidade de congregar num único espaço de convivência os estudantes das até então colónias portuguesas, que não possuíam instituições de ensino superior ou para auxiliar àqueles que necessitavam complementar os créditos académicos em Portugal. Foi fechada pela Polícia Internacional e de Defesa do Estado (PIDE) a 6 de setembro de 1965.

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 11:35
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Segunda-feira, 17 de Maio de 2021
MISSOSSO . XLIV

Crónica 3151 - MISSOSSO DO EDU

DIVAGAÇÃO ANTIGA . Penso - logo... EXISTO! - 16.05.2021

adiafa1.jpeg

Por   Torres0.jpg Eduardo Torres                                         

Estou a pensar, que se por qualquer motivo, acontecesse um acidente natural, que obrigasse, por causas improváveis e nem remotamente previstas, nós ficássemos neste nosso mundo real, apenas com a vida salvaguarda por circunstâncias favoráveis, mas que levassem a desaparecer todos os desenvolvimentos e a própria tecnologia em si, a ponto de voltarmos a uma fase da civilização, que nos obrigasse por falta de meios, a ter de começar tudo quase do principio.

torres14.jpg Quem surgiria a comandar o mundo? Recordo-me, a propósito, ainda jovem, de ter visto um filme com uma história muito interessante: Baseava-se o seu argumento nas famílias de alta linhagem da época, formados alguns, todos eles especializados nas boas maneiras que uma alta sociedade impunha, e como não podia faltar, uma descendência de lindas jovens, todas elas preparadas, com uma educação esmerada, para não desmerecer das regras da alta fidalguia a que pertenciam. Não lhes faltava um séquito de servidores, todos eles escolhidos a dedo e segundo o padrão que a própria alta linhagem impunha como medida.

dy15.jpgEntre os servidores, destacava-se um mordomo que, quer pela sua presença, pelo fino trato e toda a elegância que usava em cada movimento que fazia no seu serviço prestado, uma mostra que definia toda a sua eficiência. Sucedeu então, que várias dessas famílias baronesas, empreenderam uma viagem para poderem beneficiar das suas vantagens sociais, num chamado "vapor" numa volta praticamente ao mundo de então.

Com eles seguiu também o mordomo, pessoa imprescindível no relacionamento com todo o restante pessoal que fazia parte da tripulação de bordo. Após muitos dias de muito navegar, aconteceu uma grande tempestade, e o barco acabou por naufragar, tendo-se salvo quase todos os viajantes, incluindo naturalmente o mordomo.

mouzinho1.jpg Tiveram a sorte de tudo ter acontecido junto de uma ilha deserta, e todos eles em barcos a remos, conseguiram aportar à praia e assim, se instalaram na referida ilha. Foi então, que por falta de conhecimentos e experiência da vida, os tais personagens bem-falantes, formados e consagrados pela sua sabedoria na alta sociedade que ficava longe daquela ilha linda e selvagem, se aperceberam de toda a sua incapacidade de vencer todas as contrariedades surgidas.

Só o mordomo, pela sua sagacidade, pela sua experiência, ganha na luta diária que tivera de travar durante toda a sua vida, era o único homem capaz, naqueles momentos e naquele lugar, de tomar decisões, de improvisar processos, de utilizar a inteligência.

cinzas3.jpg Para conseguir tirar partido de situações, de que só ele, com a sua capacidade de engenharia, improvisava e fazia com que resultassem; Foi por isso nomeado o chefe daquela "tribo"! E, passou assim a dar ordens a todos aqueles que haviam pertencido às famílias a quem tinha servido - a serem seus servidores por necessidade de sobrevivência. Tornou-se noivo da mais gentil senhorita a quem tinha servido; e, geralmente como acontece em tudo na vida, no dia em que se ia efectuar o casamento, aproximou-se um navio no horizonte. Todos foram unânimes em que se deveria assinalar a sua presença na ilha...

ROXO192.jpg Foram salvos e, tudo voltou ao princípio. O mordomo voltou a ser mordomo; toda restante gente voltou a ser gente da alta sociedade - já não era possível haver um casamento entre duas pessoas de classes tão distintas, e as histórias de sobrevivência acontecidas na ilha passaram a ser protagonizadas pelos figurantes da alta sociedade. O mordomo continuou a ouvir, servindo aqueles desonestos, histórias que ele tinha sabido extrair de todo o seu manancial de conhecimentos, ganhos com experiência e inteligência.

Infelizmente o mundo ainda tem gente que sobrevive beneficiando do valor que os outros lhe dão mas, que não abdicam da aparência de se fazer parecer. *Felizmente também há muito boa gente que tem a humildade de contar os factos como realmente acontecem tal como Luís Filipe Vieira, noé? Ele há coisas!

Nota: A adição do LFV, Presidente do Benfica, é de minha autoria - (*blábláblá*) - T'Chingange

ECT



PUBLICADO POR kimbolagoa às 20:22
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 16 de Maio de 2021
PARACUCA . XXXVIII

MULOLAS* DE TEMPOS DORMIDOSA LINGUAGEM DAS LÁGRIMAS COM FALAS INVIESADAS. (14.05.2021 em Kizomba) – 16.05.2021 em KIMBO

Crónica 3150 – Em um tempo de cinzas, tendo em vista a tristeza...  Paracuca é jinguba com açúcar torrado…

roxo116.jpgAR

Por soba24.jpg T´Chingange – No AlGharb do M´Puto

Bem-aventurados os que choram, porque serão consolados. Tudo o que fazemos na vida tem como objectivo a felicidade. Podemos até chorar de alegria, mas o choro costuma expressar tristeza. Porque se diz então “Bem-aventurados os que choram?”

Pesquisadores de muitos lugares deste Mundo, têm estudado os efeitos do choro e descoberto que ele faz bem. O bioquímico William Frey, da Universidade de Minnesota, por exemplo, estudou com sua equipe o sistema imunológico de muitas pessoas, o grau de stresse e raiva, e o humor daqueles que choram muito.

roxo135.jpgAR - Eles, os pesquisadores, descobriram que o humor dessas pessoas melhorou em quase 90% após um período de pranto. As lágrimas derramadas por elas fortaleceram o organismo e reduziram o stresse. O sentimento de culpa causa dor e abatimento mas, haverá aquele momento de viragem em que a paz e a alegria são restauradas - o consolo é experimentado e, desse modo, a vida passa da tristeza ao prazer, do pesar à felicidade... O que tiver de ser, irá acontecer.

araujo118.jpg CA - Num qualquer momento ao se olhar para dentro de si mesmo, se deparará com um quadro que não é o ideal. Talvez se sinta o coração quebrantar-se pela consciência da própria fraqueza e se entristeça profundamente apesar de se saber que a alegria é um componente do fruto espiritual. Um dia virá em que na presença de um ser superior, a “plenitude de alegria surgirá, tirando até águas das mulolas* com um cesto de vime, assim se acredite nos milagres da vida. Entretanto, não é esse tipo de alívio que caracteriza a felicidade mencionada para que se possa consolar todo o tipo de pranto; efectivamente, o choro aqui referido não é causado pela dor física, perda humana ou material, despedidas ou outras situações comuns. Será sim, um pranto que abre um novo caminho, da escravidão para a plena liberdade espiritual…

pombinho15.jpg P - Algo superior nos fará expressar sentimentos e emoções por meio da linguagem das lágrimas: por separação, luto, arrependimento, compaixão ou das lágrimas por insegurança, opressão política, solidão ou a aflição. Pensando nas condições prevalecentes no mundo, o teólogo e escritor alemão Heinz Zahrnt, falecido em 2003, expôs o paradoxo de se falar sobre mansidão na seguinte frase: “Ai dos mansos, porque eles serão colocados contra a parede!” E, de facto, estando o mundo tão engravidado de pessoas que tudo medem em termos de força, poderio e agressividade como meio de conquista, estaremos sim, encostados à parede… E, como diz a sombra esquerda do escritor Saramago, o tempo não é uma corda que se possa medir nó a nó; é uma superfície oblíqua e ondulante, dependente da memória.

Tonito04.jpeg  AM - Na procura de um porquê, uma vida cheia de mulolas*, só posso dizer que tudo será fruto do acaso como um milagre que sobe a rampa dum misterioso milagre. Sempre seremos manobrados e levados a pagar pelos erros alheios… Este, é um mundo no qual a competitividade é desejada, incentivada e buscada a qualquer preço. Um mundo em que as coisas parecem funcionar segundo a lei do mais forte, do mais rico, do mais descarado e mentiroso. E, chamam a isto de diplomacia e, ou “Paraíso Fiscal” – mas, não foi sempre assim! De acordo com essa mentalidade, quanto mais alguém se defende e luta por fazer valer seus direitos, tanto mais possibilidade terá para se frustrar. Por isso, a afirmação soa, no mínimo, singular. Serão os mansos que conquistarão o mundo tomando posse do Universo?

Nota*: Mulola só é um rio, quando chove.

Ilustrações de Assunção Roxo, Costa Araújo , A. Monteiro e Pombinho

O Soba T'Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 17:22
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quarta-feira, 12 de Maio de 2021
MUJIMBO CXXIII

DE KIGALI A IGUAÇU

Crónica 3149DO BAÚ DE MEMORIAS RETIREI FALAS RESSEQUIDAS NO TEMPO COM CREDÊNCIAIS DE CONTADOR DE ESTORIAS AVULSO - 12.05.2021

quetzal1.jpg

Por soba15.jpgT'Chingange no AlGharb do M'Puto

Fui ao meu baú das memórias retirar coisas idas em minhas andanças pelo Brasil e, porque perdi o comboio fumaça das cinco, releio de novo e passo a limpo a já desbotada crónica escrita no ano de 2007 em vésperas de Páscoa. No hotel “Rafain Palace” de Iguaçu, pude ler nesse então na Gazeta do Paraná, o meu horóscopo; talvez pela primeira vez pude sentir algo que condizia com a minha pessoa: gémeos - simbolizam a mente jovial que busca a variedade do conhecimento; os gémeos, dão-se conta que não estão sós no mundo e que as trocas de conhecimento podem ser partilhadas.

143.jpg Milhões de pessoas por este mundo, todos os dias se levantam atormentadas com problemas. Atónitas com a vida, entorpecem suas capacidades consumindo a rotina ou a seca de permanecer semanas trancafiado em seu mukifo T-um sem nunca, nunca golpearem a sua inteligência fazendo perguntas a si mesmas – nunca se chegam a descobrir envoltos em irrelevantes questões do quotidiano de arranhar os netos dos neurónios chamuscados nas periclitantes adversidades. Tinha visto no dia anterior um filme sobre a mortandade do “Rwanda” em que um gerente de hotel salva das mãos terroristas da tribo “Hutu”, a família de ascendência “Tutsi” e, um elevado número de cidadãos que tiveram o azar de nascer negros, da etnia tutsi e, num pais com o nome de Rwanda, uma antiga colónia belga.

iguaçu1.jpg Desde a independência de Burundi em 1962, houve dois eventos denominados genocídios no país. Os assassinatos em massa de hutus em 1972 pelo exército dominado pelos tutsis e os assassinatos em massa de tutsis em 1993 pela população de maioria hutu e, que são descritos como genocídio no relatório final da Comissão Internacional de Inquérito ao Burundi apresentado ao Conselho de Segurança das Nações Unidas em 2002.

iguaçu4.jpg Aquele administrador de hotel em Kigali foi, salvo as devidas proporções e por comparação, o Aristides de Sousa Mendes, um diplomata português que salvou milhares de famílias judias dos campos de concentração para a morte efectuada pelos nazis e, tendo como veiculador da horrenda guerra o paranóico Adolf Hitler. Aquela figura tão conhecida e pelas piores razões que levou a eugenia ao último grau de aniquilamento em seus laboratórios de morte, seguindo as ideias do pastor Thomas Malthus, um pastor anglicano de ideias patafúrdias…

iguaçu3.jpg O tratamento na higienização do povo levou o alemão Hitler que nasceu na Áustria, então parte do Império Austro-Húngaro e seus maníacos seguidores e assessores a eliminar gente que não tivesse o padrão “ariano”, gente com um qualquer defeito físico, ou com uma anatomia ou procedência não condizente com seus entendimentos, seguindo convicções secretas de indefinidos mistérios e seguindo uma trilha deplorável.

O rumor das quedas de Iguaçu logo numa primeira aparição, seguindo o trilho da mata confundia-se com uma pequena cachoeira correndo entre rochas da qual se desprendiam exuberantes ramadas de verde. Primeiro pude observar uma pequena cachoeira de nome Macuco, um fio de água soltando um pequeno choro feito murmúrio a comparar com a queda grande que pouco a pouco fui vendo nos passos do trilho sinuoso. Aos poucos, a grande queda, vai surgindo num espectáculo de dança cada vez mais deslumbrante de espuma branca, ora um véu de noiva ora espirrando roncos entre fragas medonhas...

iguaçu2.jpg As borboletas, umas mais bonitas que outras, vêm às centenas formar uma cortina multicolor entre a visão tumultuosa das águas, os arrifes, dos escapelados saltos de água no leito do rio e um nevoeiro de cacimbo permanente saindo da boca do diabo; da garganta “d´el diablo” saem golfadas de quilolitros de brancura engasgando-se em um desfiladeiro assombroso; Assim cuspindo espuma, a correnteza revela-nos com gritos, mistérios da natureza. Nada acontece por acaso! Assim penso empanzinado de agradecimento sentado naquela saliência de pedra musgosa, realizando um grande objectivo de imprimir em memória os sentidos externos. Gravar vida no espírito ideias trazidas ao cérebro por um brotar duma energia imensurável…

Aquele arco-íris, contornava com suas sete cores a minha existência esmagando-me em êxtase de crenças engalanadas e encavalgando-me em sonhos e fascínio de felicidade ou êxito estarrecido; fazendo esquecer todas aquelas agruras terrenas do seio daquela civilização supostamente mais avançada chamada de Alemanha ou lá do terceiro mundo em um longínquo país chamado de Rwanda e Burundi amolecendo nosso orgulho humano e engravidando-nos de vícios, ódios e muitas e variadas intrigas.

lucala3.jpgNesta contemplação de espectáculo da vida e sensação, sente-se nossa pequenez como se o fôramos um minúsculo empréstimo da natureza. Ali, a gente entrega-se sem mendigar ao amor ou à dor das esperanças frustradas e até perdidas sem aquele aperto de mão, suspenso entre a consciência do conhecimento em espargir o bem ou o mal, tudo envolto em egoísmo ou até paixão de prazeres. Também aqui os índios “Caigangues”, sem conhecimento do resto do mundo, morrem de velhos na verdadeira liberdade como o pássaro quetzal, sem definirem com exactidão o temor indigno, num perfeito domínio de si mesmos entre sua paz suprema de viver num dia de cada vez  e, no meio das maiores hodiernas privações…

capulana1.jpg Desconhecendo estes conceitos num paraíso tal como a borboleta com o número 88 que foi minha guia inseparável, esta visita foi talvez a maior lição de vida que recolhi e, sentir sim, esse amor pela natureza… Hoje, em companhia duma xícara de café fumegante, tento a maneira de enganar o tempo a fim de não sucumbir à solidão ao invés de passar o tempo em um passe-vite esgotando os nanosegundos dos meus obstinados e silenciosos abismos. Roçar assim as perspectivas ortorrômbicas para e, daí extrair ausentes sentimentos no intuito de mostrar o que ninguém viu antes, num secalhar e, porque  quase sempre “só vemos o que queremos ver”.

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 13:10
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Terça-feira, 11 de Maio de 2021
MISSOSSO . XLIII

TELHAS OU CREPÚSCULOS - 10.05.2021

Crónica 3148 - A vida estende-se diante de nós como um glorioso quadro... Um esplêndido crepúsculo; uma Kúkia de deslumbramento...

ARAUJO201.jpg

Por   soba002.jpg T'Chingange - no M'Puto

Diariamente sempre haverá escolhas a fazer. Elas podem determinar nossa felicidade aqui e no futuro. As escolhas que você faz hoje são vitalmente importantes. Os amigos que escolhe terão muito a ver com sua vida tornando-a um esplêndido crepúsculo ou um velho celeiro sem graça.

Os amigos podem levá-lo a concentrar-se naquilo que é passageiro, ou conduzi-lo para mais perto de coisas vaidosas. Todos os dias você precisa escolher entre o celeiro e o pôr-do-sol - a KUKIA...

araujo153.jpg Eu que sou cota, entendo que a vida sempre se estende diante de nós como um glorioso quadro mas, temos de saber querer o que escolheremos pintar? Como e, em que focalizaremos a atenção? Em celeiros ou no crepúsculo? Posso explicar!

Teremos de ter noção nas coisas que realmente importam ou nas que são triviais! Isso! No bem ou no mal! Naquilo que é supremo ou no que é terreno; posso acreditar.

Em pé, no ondulante cafezal de uma roça/fazenda, Araújo meu Mano de brincadeira, sendo mais novo, esboçava a gloriosa paisagem que se estendia diante de seus olhos...

araujo149.jpg Com o pincel na mão, concentrava-se no quadro que emergia na tela. O sol punha-se, lançando uma cintilação dourada sobre as árvores dando a impressão de que a terra pegava fogo. Uma genuína Kúkia nas terras altas da Gabela, um sítio chamado de Boa Entrada da CADA. Lugar de Boa Lembrança...

Em primeiro plano, via-se um velho celeiro, em ruínas, o terreiro de secar as bagas do café Amboim, contra o fundo do crepúsculo. Araújo semicerrava os olhos contra a luz, ao esforçar-se para captar o padrão intrincado da disposição das telhas no telhado do celeiro. Homens de troncos nus andavam de um para outro lado com umas geringonças de madeira rolando os grãos. Araújo, só via que algumas telhas estavam faltando, e ele queria ter certeza de retratar tudo correctamente.

ARAUJO80.jpg Eu, seu professor de arte, observei-o pintando o telhado do velho celeiro. Todo o céu poente estava em fogo. Ele, Zé Araújo, observou que as cores passavam de um brilhante carmesim para um dourado de tirar o fôlego.

Por fim, eu, seu professor disse-lhe em voz baixa: – Se gastares muito tempo nesse telhado, não conseguirás pintar o pôr-do-sol, pois as cores mudam rapidamente. Em pouco tempo, estará escuro. Tu, terás de escolher entre as telhas, a azáfama do terreiro ou o pôr-do-sol. Qual é a tua escolha?

araujo66.jpg Zé Augusto tirou os olhos da paleta, engoliu em seco, ao ver a beleza que se espraiava diante dele. Seu rosto reflectia as cores do entardecer; enquanto tomava o pincel e repentinamente disse: - O pôr-do-sol, meu Mano Corvo (que era eu) - Escolho o pôr do sol!

Pode não haver êxtase de sentimentos neste relacionamento de candengues, mas deve existir uma confiança constante e tranquila. E, houve, enquanto houve... Havia nele motivação e sabedoria para tomar decisões relacionadas com a eternidade. Ele virou mestre do pincel florescendo naquele coração, até que uma grave enfermidade o acometeu. Eu, assim fiquei feito feiticeiro, inventando missossos da Luua, no caminho de fé...

:::::

Ilustrações de Costa Araújo

O Soba T'Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 17:36
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 9 de Maio de 2021
MALAMBAS . CCLIX

NÃO É FÁCIL VIVER-SE EM TEMPOS FALACIOSOS

Crónica 3147 – (07.05.2021 em KIZOMBA DO FB) – 09.05.2021 no KIMBO

O CONHECIMENTO DA VERDADE... Malamba é a palavra no boligrafar de nossas vidas

roxo170.jpg

Porsoba0.jpeg  T'Chingange no M'Puto

Para se ser sábio, é necessário antes de mais ser-se humilde na justa medida. Alguns se embasam em tradições culturais, no senso comum ou em sua intuição. A existência de conhecimento por meio de dados sensoriais não pode ser negada, contudo, o perigo de abraçar estas abordagens é que os dados obtidos a partir dos sentidos humanos não são completos e incontestáveis. Há milhares de maus exemplos entre nós... Óh, se há...

Há quem afirme que o verdadeiro conhecimento deriva daquilo que pode ser comprovado por meio da observação. Sim! Mas, como é que as pessoas reconhecem algo verdadeiro? Todos reconhecemos que existem várias fontes de conhecimento disponíveis. Uma delas é o mundo ao redor, que revela as digitais do Universo, ainda que estejamos em uma realidade de pecado pela já vulgar mentira. Outra razão, nos convida  a sermos racionais e mantermo-nos dentro da lógica da experiência. As fontes, porém, devem ser analisadas sob as lentes do bom senso,  um bem escasso no Mundo actual...

roxo91.jpg Os cristãos procuram seguir os ensinamentos das Sagradas Escrituras, seu centro de busca pelo conhecimento do verdadeiro. Isso! Pois compreender a realidade sempre será uma premissa básica considerando a existência do mal; coisa comum no nosso meio originando um constante conflito narrado entre Cristo e Satanás!

Pois é! Talqualmente como aquela cowboiada "o mau, o bom, e o vilão" que atinge odiernamente a todas as pessoas deste mundo periclitante, noé!? Esta controvérsia é apresentada na Gênesis e Apocalipse  do qual depende nossa salvação, segundo Paulo. Esse tal de apóstolo...

roxo135.jpg Ele, Paulo, escreveu assim: “Toda a Escritura é inspirada por Ele e útil para, nosso ensino, para a repreensão, para a correção e para a instrução na justiça, para que o homem seja apto no suficiente e plenamente preparado para toda a boa obra” - Mas, poucos são os que traçam rumo por esta via. Muito menos os políticos militantes do M'Puto e dos ditos PALOPS.

Se você tem dificuldade em compreender o que lê, siga o conselho inspirado: “Se algum de vocês tem falta de sabedoria, peça-a, que a todos será dada livremente, de boa vontade e com fé; e lhe será concedida” - Quando se quer  ser sábio, noé!?  Você gostaria de crescer no conhecimento que conduz à vida eterna; então porque não acreditar? Abra o coração à sensatez usando-o um dia de cada vez, para não saturar...

roxo161.jpg Claro! O amor ao dinheiro é raiz de todos os males; e alguns, nessa cobiça, se desviam da fé e a si mesmos se atormentam com muitas dores. Pois ouçam: - Um banqueiro riquíssimo disse a Alexandre Dumas:

– Todos os escritores deviam viver na miséria, pois a pobreza aguça a inteligência.

– Bem se vê que o senhor tem muito dinheiro – respondeu Dumas, tranquilamente...

roxo157.jpg Não podemos condenar o dinheiro, mas adverte-se sobre o apego aos bens materiais, tão em moda. Um trato tão vulgar entre nossos políticos, nossos banqueiros, nossos gestores. Sobre isto, Ame Gorborg escreveu: - “O dinheiro por si só não tem o valor absoluto que lhe atribuem, mas é coisa boa para quem o usa bem"!  Com dinheiro pode-se conseguir tudo, assim se diz.

Isso, porém, não o é totalmente verdade. Com dinheiro pode-se comprar comida, mas não o apetite; medicamentos, mas não a saúde; almofadas fofas, mas não um sono reparador; paz com a sociedade, mas não a paz da consciência; distrações, mas não a alegria; ostentação e luxo, mas não a felicidade... Resumindo: Dinheiro e sapiência convém serem condimentadas com a suficiente honestidade....

sacag9.jpg Há mais: - Podes ter conhecidos interesseiros, mas não amigos desinteressados; empregados, mas não fidelidade; alegria, mas não tranquilidade de espírito. A casca de todas as coisas pode ser comprada com dinheiro, mas não a medula, a ALMA.

Hoje deu-me para aqui...

Ilustrações de Assunção Roxo

O Soba T'Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 12:39
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Terça-feira, 4 de Maio de 2021
MUJIMBO CXXII

MAIO GRAVADO NAS MÃOS...

Crónica 3146 - As credenciais da faxineira, estavam riscadas em suas mãos - nesse ido tempo nem havia o tal Um de MAIO * 04.04.2021

maio01.jpg

Por   soba24.jpg T'Chingange no AlGharb do M'Puto

Sabe-se que a homenagem ao trabalhador, remonta ao dia Um de Maio de 1886 há cento e trinta e cinco anos, quando uma greve foi iniciada na cidade norte-americana de Chicago. O objectivo era conquistar melhores condições de trabalho, principalmente a redução da jornada de trabalho diária, que chegava a 17 horas, para oito horas.

Tolstói, o grande escritor russo, contou, certa vez, a história do Czar e da Czarina que desejaram honrar os membros de sua corte com um banquete. Eles enviaram os convites e avisaram que os hóspedes deveriam vir com eles.

maio0.jpg Quando chegaram ao banquete, os hóspedes ficaram surpresos ao ver que os guardas não examinaram os convites, e sim suas mãos. Os convidados tentaram imaginar o que significaria aquilo, mas também estavam curiosos para ver quem o Czar e a Czarina escolheriam como hóspede de honra, para sentar-se entre eles no banquete. Todos ficaram espantados quando viram que a pessoa escolhida foi uma idosa faxineira, que durante muitos anos trabalhou arduamente para manter limpo o palácio... Ao examinar as mãos dela, os guardas declararam: “A senhora tem as credenciais adequadas para ser a hóspede de honra. Podemos ver amor e lealdade em suas mãos.”

maio1.jpg Conta-se uma história semelhante de um tal missionário chamado de Adoniram Judson, na antiga Birmânia, actual Myanmar - uma nação do sudeste asiático com mais de 100 grupos étnicos e que, faz fronteira com Índia, Bangladesh, China, Laos e Tailândia. Judson dirigiu-se ao rei da Birmânia a fim de pedir permissão para ir a determinada cidade e pregar. O rei, pagão, mas muito inteligente, respondeu: “Eu estaria disposto a deixar uma dúzia de pregadores ir lá, mas não o senhor, com essas mãos. O meu povo não é tolo para se importar com sua pregação, mas eles notariam suas mãos calejadas pelo trabalho.”

maio2.jpg Também a crucifixão de Cristo deixou os discípulos muito desorientados. Chegara-lhes a informação de que Jesus havia ressuscitado, porém hesitavam em crer e não se achavam psicologicamente preparados. Com medo dos judeus, reuniram-se no Cenáculo. Com um estado de tensão emocional e, ficaram apavorados quando o Messias apareceu entre eles. Pensaram que fosse um fantasma; uma kianda... Foi preciso que Jesus mostrasse as mãos e os pés, dando-lhes uma prova visual, auditiva e tácita de que Ele realmente havia ressuscitado.

Possuídos dessa certeza, os discípulos, antes temerosos e cheios de dúvidas, tornaram-se apóstolos de grande coragem e abnegação porque viram a marca dos cravos em Suas mãos e pés, tal como muito mais tarde o fariam os mandantes do Czar, reconhecendo aquela faxineira, eleita pelas mãos calejadas...

maio4.jpeg Hoje, e aqui numa avenida de Lisboa do M'Puto, chamada de Liberdade festejam o Um de Maio vendo a bandeira que um qualquer leva, o símbolo na lapela ou os dísticos tendo sempre uma foice e um martelo! Mesmo que o seja só para figurar... A maior parte finge que trabalha mas, o que eles querem é mesmo um bem bom de salário para comprar bejecas e caracóis... Na ética dos TAXOS  e das CUNHAS

O Soba T'Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 23:35
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sábado, 1 de Maio de 2021
MISSOSSO . XLII

ESTÓRIAS EQUECIDAS – 01.05.2021

Crónica 3144 - CHE GUEVARA NO CONGO BRAZZA - "A estória de um fracasso". Eu Furriel MIKE, estava ali tão perto de Dolisie, no lugar de Miconge  Velho a comer javali com os TE´s a comer macaco… Dolisie, também conhecida como Loubomo, é uma cidade da República do Congo, capital da região de Niari QUE FICA PERTO DA FRONTEIRA Norte de Cabinda…

guevara0.jpg

Por soba15.jpg T´Chingange no AlGharb do M´Puto

O General cubano Victor Dreke que acabou parceiro de Che Guevara na frustrada guerrilha do Congo, ainda em vida recordou: O guerrilheiro Ché, continuou a ter fãs na agora República Democrática do Congo Brazzaville. Dreke passou pelos quartéis da região; no mesmo dia da chegada, foi levado a uma casa onde estavam José María Tamayo, o "Papi", e o novo chefe da missão “Ramón” que era Che Guevara. Dreke, até ali, servia no Exército Central, na cidade de Santa Clara.

guevara5.jpg E, foi em Santa Clara de Cuba que recebeu uma proposta que o levaria a África. Aceitou participar sem saber do que se tratava. O pedido veio directamente de Fidel Castro: comandar uma missão especial recrutando 100 jovens soldados que seguiriam para um destino ainda desconhecido. O veterano Greke frisa que a adesão à guerrilha era voluntária. Quem aceitava deveria dizer à família que iria para um treino na União Soviética. Durante algumas semanas, os cem homens prepararam-se numa zona de mata sem acesso a energia eléctrica recebendo visitas frequentes de Fidel.

guevara1.jpg Naquele primeiro encontro, ele, o Ché "usava um corte de cabelo muito conservador, um grande bigode negro e um fato de tecido escuro, com uma gola dura de banqueiro e uma gravata de cores fortes", assim descreveu o escritor colombiano Gabriel García Márquez na revista Algarabía, num raro relato sobre o disfarce de Ché na ocasião”.

Sentado em um tronco feito banco, Dreke tentava entender o que se passava, enquanto "Ramón" remexia papéis na companhia de Osmany Cienfuegos, irmão de Camilo – terceiro maior nome da Revolução Cubana. O irmão de Camilo insistiu que o novo comandante não era um estranho. "Você conhece-o, “coño", exclamou! - "Companheiro, eu nunca o vi", respondeu Dreke. Foi então que Guevara se apresentou e chamou o subordinado pelo sobrenome…

guevara2.jpg Sem perceber, o futuro General passara por um teste imposto por Fidel aos homens que melhor conheciam Guevara. Era importante que nem eles conseguissem reconhecê-lo no disfarce. Com o ex-ministro prestes a entrar na clandestinidade, o regime temia que ele fosse capturado, executado e a sua morte atribuída ao Governo.

guevara3.jpg A 1 de abril de 1965, o trio formado por Ramón, Dreke e Tamayo iniciou o périplo rumo ao Congo em voos comerciais. Com passaportes falsos, passaram por Moscovo, capitais da Europa Oriental, Argel, Cairo e Nairóbi, até chegar a Dar-es-Salam, então capital da Tanzânia. De lá, seguiram para o Lago Tanganica, rota de travessia para o Congo. Com onze combatentes que se juntaram ao grupo ainda na Tanzânia, desembarcando no sudeste do Congo, a 24 de abril de 1965. O chefe, Guevara seria o "Doutor TATU", médico e tradutor.

Não foi uma escolha gratuita. Era ao contrário, confortável para Che. "Ele não ficou famoso ali como guerrilheiro, mas como médico. Como fazem os nossos na ilha e outros países, saía pela manhã visitando os lugares e distribuía os poucos medicamentos que tínhamos", relata Dreke. Nas primeiras reuniões, ele traduzia o que eu dizia. Sem entender o idioma, eu pensava: não falei tudo isso", conta Dreke, aos risos - "Ché falava francês e um pouco de outros dialectos.

guevara4.jpg Depois de sete meses, após constatar a pouca unidade dos soldados africanos e a perda de apoio internacional, Ché decidiu, contrariado, encerrar a primeira missão internacional do regime cubano. Mandou uma carta a Fidel Castro dizendo que Victor Dreke "era um dos pilares em que confiava". É assim que Che Guevara, inicia o seu relato sobre o movimento guerrilheiro que ajudou a organizar na República Democrática do Congo, em 1965, dois anos antes de ser morto na selva boliviana.

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 19:12
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

MUXOXO . XLIV

MONAMGAMBA - TEMPO CREPUSCULAR COM FRINCHAS

Nós, também produzimos fruto na estação apropriada, pois afinal, para isso fomos plantados...

Crónica 3145 – (30.04.2021 em Kizomba) – 01.05.2021 no KIMBO

– Hoje, ninguém parece ter consciência de nada; por usucapião, estamos feitos ao bife 

Roxo183.jpg

Por soba24.jpg T'Chingange no AlGharb do M'Puto

As árvores que conheço desde sempre, são variadas pois que, aqueci nos trópicos como as acácias do Calahári e por vezes tentei até abraçar o imbondeiro mas, desconsegui fazê-lo sozinho. Também consegui aqui no M'Puto  ter um imbondeiro que subiu protegido mas, por descuido meu, veio o frio de Nosso Senhor dando-lhe fim.

Meu vizinho alemão da Alemanha tem uma nespereira que este ano carregou de frutas. Já saltei o muro para lhe roubar uns quantos balaios como indemnização pela sugeira que seu choupo do Canadá faz no meu quintal virado a Sul. Costumo conversar com o loureiro mas, para além de dois rebentos nascidos do meu lado, assim sobranceiro, nada me diz nem contesta.

muxoxo1.jpgCada espécie, daqui ou oriundas de outros lados, são distintas e admiráveis à sua própria maneira. Os luendros que fazem fronteira entre mim e o carcamano, têm várias cores mas o vermelho é o de que mais gosto. Na minha concepção o altaneiro choupo tem uma linhagem nobre, mas excede a todos em altura  retirando-me o sol de inverno por ter crescido de forma desmedida.  Se a expressão “crescer em graça” se aplicasse a árvores, este choupo o exemplificaria melhor, só que não é árvore para um quintal citadino. Como pode alguém, nem mesmo sendo um especial amante da natureza, olhar firme e refletidamente a uma árvore assim e, deixar de apreciar a mesma por não estar no sitio apropriado...

piram3.jpg As sequoias da Califórnia são também um espetáculo inspirador mas só são sustentáveis numa floresta. E, se o choupo do carcamano já me causa transtorno pelo avanço das raízes no largar de folhas e sementes pelo meu património, posso imaginar como seria se o fosse, uma Sequoia.

Bom! Algumas oliveiras já existiam havia muito tempo quando Davi escreveu seu texto bíblico; eram mais antigas ainda quando Jesus andou pela Galileia. Nem se fala de outras espécimes quando Colombo descobriu o Novo Mundo! Nações e impérios vão e vêm; contudo, muitas destas arrojadas árvores ainda vivem e crescem, sequoias, oliveiras e, o imbondeiro com mais algumas variantes de acácias.

Bem! Diz-se que um cristão deve ser como uma árvore plantada junto a correntes de águas ou mulola, sempre a crescer. Pois então, esta figurada linguagem representará de certa forma aquela sequoia ou imbondeiro, que indiferente ao tempo marcado no relógio, continua crescendo...

muxoxo3.jpg Apesar de muita gente afirmar que os imbondeiros podem viver milhares de anos, tal não pode ser comprovado, pois que o seu crescimento não leva à formação de anéis anuais. Suas flores são de cor brancas, muito grandes e pesadas. São vistosos pedúnculos com um grande número de estames com um cheiro peculiar a carniça...

Há quem diga que a flor de imbondeiro (baobá) surge a cada 40 anos, mas das controvérsias ficam-nos as lendas bordadas a múcua, seu fruto. Sua flor dura pouco; murcha e cai em um ou dois dias depois de desabrochar. O crescimento de uma árvore e sua estabilidade simbolizam a vida dum cristão submisso; podemos comparar assim noé!? Desde a minúscula plantinha até uma árvore espantosamente gigantesca, que quase toca o céu, seu crescimento sempre o é, um contínuo processo de receber e crescer.

muxoxo4.jpgEm resumo, nós todos so mos recipientes de nutrientes temporários e espirituais não obtidos por nossos esforços. Sem a fonte de força e poder rapidamente murcharíamos e morreríamos. Contudo, com o auxílio da Natureza, nossa alma pode ser semelhante à força duradoura de uma árvore.  Podemos produzir fruto na estação apropriada, pois, afinal, para isso fomos plantados mas, os homens andam a querer tudo mudar e, nisto, as regras não podem ser alteradas...

Muxoxo é uma espécie de estalo que se dá com a língua aplicada ao palato, em sinal de desdém ou contrariedade. No M´puto costumam chamar de "xoxo", com o sentido de beijo; Monamgamba é trabalhador desclassificado (perjurativo) - por vezes traduz-se em asneira ofensiva

O Soba T'Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 18:05
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quarta-feira, 28 de Abril de 2021
MISSOSSO . XLI

TEMPO COM CINZAS- A estória, não é assim tão linear, noé!? – (26.04.2021 EM Kizomba do FB) 28.04.2021 no KIMBO

Crónica 3143 - O Mundo parece ter-se tornado ilógico, surrealista e, vêm agora tornar heróis os Otelos, e tantos guedelhudos a fingir que nos libertaram no VINTICINCO.

Missoso é um pequeno conto - (Kimbundo)

cipaio4.jpg

Por   soba24.jpg T'Chingange - No AlGharb do M'Puto

"Precisa-se de homens para uma viagem arriscada. Salário pequeno, frio intenso, longos meses de trevas completas, constante perigo, sem garantia de volta. Honra e reconhecimento em caso de êxito.” Foi o singularíssimo anúncio que apareceu um dia no jornal Times de Londres, no longínquo ano de1900...

Era notável por sua clareza e positividade. Nada de desenhos nem gravuras de homens ou mulheres chamando a atenção. Mesmo assim, recebeu respostas de todo o lado. Assinado por Sir Edward Shakleton, explorador do Polo Norte.

colono3.jpg Esse, bem poderia ser um anúncio de um departamento estatal português, dizendo outras coisas, na tentativa de recrutar pessoas para ir para os trópicos evangelizar ou colonizar em prol da nação! Foi assim que meu pai decidiu ir para o outro lado do mundo para ter uma vida mais decente, dando aos filhos hipóteses de uma melhor vida do que naquela santa terrinha com o nome de Barbeita, uma berça acocurada entre encostas de vertentes graníticas a ver a Serra da Estrela e pinhais a perder de vista.

colono35.jpgcolono32.jpg A ver difuso, lá bem no alto da serra, o manto branco de neve que perenava esfriando ousadias - Ir para África. Existem hoje muitos jovens que se unem a novas ideias, tão-somente por amor ao conforto; conforto que nos leva a um modo de vida respeitável e nos salva do tumulto e da fúria do mundo exterior...

Decisões que nos tiram das agruras e guerras medonhas e, tal como comprarmos ouro provado no fogo, sair da inércia ou deixar de escavar a terra em busca do volfrâmio para enrijar os canhões de Hitler. Era isto que meu pai fazia antes de ser chamada pela Companhia Nacional de Navegação do M'Puto.

colono33.jpg E, essa questão de comprar ouro provado no fogo, pode ser perigoso e, foi mesmo! Se você pensa na obra de Cristo como algo confortável ou “sombra e água fresca”, então essa não é “sua praia”. Isso mesmo! Meu pai Manel foi para a praia errada chamada de Angola num vapor chamado de Mouzinho de Albuquerque, como COLONO aonde passou coisas inimagináveis e, já kota, teve de voltar com a vontade de ficar e, por força de um dia 27 de Maio no ano de 1977. Estava pintado de manchas já negras de sangue, guiado por duas canadianas.

Assim o vi, no aeroporto da Portela de Lisboa, perna pendurada e ainda com uma bala junto à rótula do joelho. Lá na Luua os mortos eram tantos que o médico Boavida do Banco de Angola o mandou para o M'Puto; não fossem os pseudo médicos cubanos cortarem a mesma! E foi no Hospital de Torres Novas que tirou a dita cuja - a bala! Teve sorte de não gangrenar!

colono31.jpg E, vêm agora tornar heróis os Otelos, e tantos guedelhudos a fingir que nos libertaram no VINTICINCO. Não posso entender o significado de nossas vidas, fingindo ou imaginando ter sido como um colchão coberto de cravos vermelhos e rosas e, dizerem-me agora que Cristo nos chama para as mais exigente e ousadas obras do mundo! E, as FP-25 - Que negócio foi esse?

É verdade que Ele, o Nosso Senhor nos dá Sua paz, mas isso só se trata de uma paz interior, aquela espécie de paz que provém do conhecimento profundo que nos leva a desdizer: “isso está certo? É isso mesmo o que eu devo entender?”. Será que em cada dia tenho de incentivar meu ânimo para resistir àquilo que sei estar errado!? A Cezar o que é de Cezar... Tudo farei em busca da verdade. E, claro, alegrar-me-ei no caminho cristão legado por meu pai Monteiro de sobrenome, juntando-as às verdadeiras riquezas da eternidade... Bom resto de Abril

O Soba T'Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 11:49
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sexta-feira, 23 de Abril de 2021
MUJIMBO . CXXI

OS ACTOS ESTRANHOS ACONTECEM... TEMPO COM CINZAS

Cronica 3142 - Deus tem que livrar o Universo do pecado, senão estamos quilhados!

MUJIMBO é boato, má-língua – (20.04.2021 em Kizomba do FB) 23.04.2021

araujo65.jpg

Porsoba24.jpg T'Chingange . No AlGharb do M´Puto

A Bíblia tem muitos e bons ensinamentos; para realizar a obra do Senhor, e para executar o Seu acto, no Seu ato inaudito teremos de ir até Isaías (28:21). Assim, no blábláblá dos acontecido chegamos ao livro de Bitter Harvest - Amarga Colheita. Este, fala de um empregado de uma firma de grãos em Michigan, lá nos USA que, inadvertidamente, pegou um veneno mortal e, achando que fosse um complemento vitamínico, misturou-o com os grãos...

Os grãos envenenados contaminaram o gado, as galinhas e os porcos de muitas fazendas. Os fazendeiros não tiveram escolha a não ser isolar os animais contaminados, sacrificá-los e queimar os corpos para evitar que a contaminação se espalhasse podendo alcançar os homens. Eles sabiam que, se não sacrificassem os animais, toda a indústria de gado de Michigan dos USA, estaria ameaçada. No dizer de Isaías, o Profeta, diz que a vontade de Deus é a de que “todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade” (1Tm 2:4).

arau161.jpgMas, há pessoas a quem nem mesmo Deus pode salvar. Claro que estou a pensar nos muitos trapaceiros que andam a driblar-nos com esquindiva de fintas, nossas vidas, saindo-se de fininho, sempre num bem-bom com paraísos fiscais e, edecéteras e, deixando-nos a falar só átoa com o sabugueiro, uma árvore nobre e espalhável...

Sócrates, o ex primeiro do M'Puto e mentiroso que chegue, escolheu o pecado em vez da justiça boa, que junto com a tropa fandanga e até o Espírito Salgado (o Santo…), provocam nossa rebelião em vez da compreensão, impregnados que estavam com a justiça má... Seus egoísmos, assim mesmo no plural, em vez do amoroso serviço aos seus patrícios, provocaram esta desobediência dum modo natural e resiliente. Se Deus Se arriscasse a levá-los para o Céu, eles infectariam por lá o ambiente Santo com o vírus do pecado, usando aquele engano das sementes como se o fora uma parábola, noé!?

araujo13.jpg Mas, com todas estas periclitãncias, se Nosso Senhor não agir para erradicar seus pecados, com mais uma catrefada de gente de aparente alto-coturno, seus efeitos malignos acabarão por destruir o Universo inteiro. Entenda-se aqui como universo, o do âmbito do M'Puto com dez milhões de papalvos, simplório e patetas, tudojunto...

Deus oferece perdão por nossos pecados passados e, poder para vivermos a vida cristã no presente. Essa coisa de que Sua graça conceder perdão quando falhamos e força para que não venhamos a repetir as mesmas falhas outras vezes, só com um certo juiz de nome de Rosa... Doutro jeito jeitoso, estamos quilhados; ponto final.

araujo158.jpg Não, não pode ser, em última análise, Deus tem mesmo que agir. Ele tem que livrar o Universo do pecado. “Nosso Deus é fogo consumidor” tal como se diz (Hebreus 12:29). Um Deus santo tem que consumir o pecado e transformá-lo em cinzas...Noé!?

Hoje, Deus, oferece-nos uma escolha: ou deixamos que Ele consuma o pecado dentro de nós com a abrasadora presença de Seu Santo Espírito, ou seremos nós consumidos  no blábláblá com nosso pecado na abrasadora presença de Sua iminente na próxima volta – Ora isto pode demorar tanto que nossos ossos também estarão em cinza, noé!?

araujo146.jpgFeliz semana. A destruição do perverso é um acto incomum e estranho, mas inevitável, pois ocorrerá para que o Universo fique seguro para sempre. Nós vamos permitir que Jesus faça Sua obra purificadora, tenhamos calma para permitir que o fogo da Sua presença purifique os malandros por inteiro... Amém, também se diz...

Com fúteis caprichos de escritor avulso, esmiúço os tempos para saber a verdadeira razão dos paradoxos de agora e futuros recolhendo feitos e lendas tornando tudo passado. Sim! Porque num futuro, de um mundo surreal, compreenderemos melhor a essência dos acontecimentos. Inevitavelmente, observo agora, já kota mais-velho, estar num joguete de tantos portais desconhecidos como se o fora: uma carta solta do baralho, seja numa jogatana de sueca, ou de jogo de póquer …

Ilustrações  aleatória de Costa Araujo (falecido há dois anos)

O Soba T'Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 16:55
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Segunda-feira, 19 de Abril de 2021
MOKANDA DO SOBA . CLXIII

HÁ 47 ANOS TEVE INÍCIO UMA LIMPEZA ÉTNICA - 18.04.2021

Crónica 3141O HOLOCAUSTO PORTUGUÊS ACONTECEU!  E, porque estamos a 7 dias do VINTICINCO na Pátria do Socialismo…

– Nossas vidas têm muitos kitukus (mistérios) -3ª de 3 partes

mocanda25.jpeg

Por soba24.jpg T'Chingange - No Al-Gharb do M'Puto

O Relatório Final da Comissão de Peritos estabelecido conforme a Resolução 780 do Conselho de Segurança das Nações Unidas* definiu a limpeza étnica como sendo: “Uma política propositadamente concebida por um grupo étnico ou religioso, para remover a população civil de outro grupo étnico de uma determinada área geográfica, através de meios violentos ou que inspirem terror”. As evidências e as provas de crime são tantas que, não restam dúvidas de que a descolonização da África Portuguesa foi uma limpeza étnica da população branca, promovida pela União Soviética com o total apoio dos partidos da esquerda portuguesa: - PCP e PS.

O regime instaurado em Portugal a 25 de Abril de 1974, tudo tem feito para esconder estes crimes contra a humanidade pelos quais é directamente responsável promovendo por isso e, a propósito, o mito de que a Revolução dos Cravos foi uma “revolução sem sangue”. Por outro lado, passados que são 47 anos, ainda não ouve um alto dignatário do Governo do M´Puto que mencionasse este desaire e, pedisse desculpas pelo facto de isto ter sucedido duma forma tão trágica.

GUERRA39.jpgRetornados e, ou refugiados, mereciam no mínimo ser ressarcidos desta verdade sem penalizar as instituições dos países, ex-colónias que formam a CPLP, porque em verdade, todos eles dos PALOPS, mal ou bem, fizeram o seu papel. Portugal foi e, ainda é o único incriminado nestes graves desaires da história, deitando por terra todo o anterior brilho de suas epopeias pela verdadeira falta de estadistas no comando de todo o processo. Um número significativo dos responsáveis pela limpeza étnica ocorrida na África Portuguesa ainda vive e, alguns dos partidos responsáveis até têm assento parlamentar.

Todos estes elementos criminosos já deveriam ter sido escorraçados da vida política nacional e os responsáveis julgados em Portugal ou então, deportados para o Tribunal Penal Internacional aonde deveriam, enfrentar julgamento. Só entendendo tudo isto é que os portugueses poderiam compreender o fanatismo da esquerda e dos regimes sucessivos até chegar ao actual em promover essa mentira do mito da tal “revolução sem sangue” com todo o ridículo folclore, todos os anos encenados nas celebrações do 25 de Abril. Os responsáveis e co-responsáveis pela limpeza étnica dos portugueses brancos em África continuam a colocar seus cravos encharcados de sangue inocente na lapela. Com grande tristeza o afirmo: celebrando uma das maiores tragédias da história de Portugal e da humanidade…

GUERRA27.jpg Esta imunda campanha de falsidade da história com branqueamento de crimes contra a humanidade que conta com o apoio da pseudo “elite de Abril”, infiltrada nas escolas, universidade, fundações e observatórios, com quase todos os meios de comunicação de massas, é simultaneamente um exemplo de desespero em que o actual regime se encontra. Em verdade tudo isto não passa de uma gigantesca campanha de desinformação sustentada pela maioria da classe jornalística, política e universitária que, continua a fazer “vista grossa” á limpeza étnica, a que os brancos foram sujeitos na África e aos posteriores massacres da população civil negra.

Os supostos “movimentos de libertação”, passados que são 47 anos dessa tragédia, regrediram de tal modo que conseguiram até colocar seus territórios, Angola, Moçambique e Guiné a níveis de miséria económica e social – Situação actual sofrível, se a compararmos com a evolução que então se verificava, sob alçada da Administração Colonial. É só ler o que ocorre nos dias de hoje para se concluir que não estão em situação de prosperidade; seu povo, assim o reclama! Um bando de desclassificados governantes, ladrões e corruptos que só olham para seu umbigo – os barrigas cheias! Os responsáveis por toda esta loucura genocida, seja em Portugal ou na diáspora, poderão sim escapar à justiça dos homens mas, tenho a certeza que ao julgamento da história não escaparão. Pois, quanto aos “revolucionários de Abril”, que a consciência lhes pese – e, a terra que os cobrir também. Certamente que não fugirão para além dos pesadelos de culpa, ao juízo do grande e último juiz!

fuga7.jpg Nas horas daqueles dias a vida não valia um vintém; tudo ficava ao sabor da sorte. Nestas aflições sem controlo visível, surge a figura de Gonçalves Ribeiro batendo-se pela criação de estruturas àquela que se veio a chamar de “ponte aérea” e, que só se resolveu em pleno quando mais de cinco mil pessoas se juntou no Largo fronteiro do Cinema Miramar da Luua pedindo a todas as embaixadas que mandassem transportes aéreos ou marítimos a tirar-nos daquele inferno.

Isto veio a acontecer com a supervisão de Gonçalves Ribeiro, o pai da ponte “LUALIX”. A CIA dizia nesse então que Lisboa não tinha um suporte adequado no terreno que lhe permitisse evacuar mais de trezentos mil brancos ainda no território, nem para manter os voos no ar. Era verdade! Mas também havia aqui pressões para em troca da ajuda, Costa Gomes retirasse o vermelho Vasco Gonçalves do governo. E, foi isso que veio a acontecer! Este antigo internado na casa dos malucos, sector militar de Luanda andava esbracejando demais naquele M´puto desvairado de liberdade. Ele que tinha tirado água da cacimba da Maianga com um cesto de vime! Como podia estar bem do juízo! Justificaram-no depois que estava a fingir para se livrar da operacionalidade perigosa. Tigres de papel! Mas, em verdade, os americanos não dão nada de borla, teria de haver algo na cartola do tio Sam. Jogaram uma rolha e Costa Gomes agarrou-se àquela bóia, pois então, dava jeito!

fuga1.jpg Nós, retornados, fomos em verdade, a moeda de troca; com um só porrete mataram dois coelhos como soe dizer-se! Portugal inundado de retornados anticomunistas, vinha mesmo a calhar nesta hora (…ano de 1975). E, o mundo observando estas manobras com o abutre Carlucci a dar palpites ao estado português através de Mário Soares e outros desclassificados diplomatas de cordel que iam ficando agraudados de poder e dinheiro, pois!... Bom! Na N´Gola, as FAP já nem dispunham de bases aéreas para nos escoar; falo na primeira pessoa porque estava lá! Os confrontos permanentes entre todos os movimentos impediam o funcionamento dos aeródromos como o de São salvador, Cazombo, Maquela, Togo, Gago Coutinho, Cuíto Cuanavale e N´Riquita; Henrique de carvalho, Malange, N´Dalatando e Carmona já só tinham estruturas reduzidas, quase sem uso por falta de segurança e equipamento de apoio.

Em Luanda encerravam vários consulados como o Britânico, Australiano e outros que o estariam prestes a fazer. Só neste então a Metrópole com seu CR tomou pela primeira vez “consciência da gravidade”. Costa Gomes e Vasco Gonçalves começavam a ser acossados pela Imprensa Internacional! Numa parede do M´Puto no bastião comunista de Torres Novas e Riachos, terra natal de Otelo Saraiva, podia ler-se escrito pelos anarquistas: “Otelo Saraiva de Carvalho, que lindo nome tens tu, tira o vê de Carvalho e mete o resto no cú”.

fuga11.jpg

Nota*: Ver documento – ORGANIZAÇÃO DAS NAÇOES UNIDAS – Relatório Final da Comissão de Peritos Estabelecido Conforme a Resolução 780 do Conselho de Segurança (1992). 27 de Maio de 1994.

 Link: http://www.un.org/ga/search/view_doc.asp?symbol=S/1994/674

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 22:38
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sábado, 17 de Abril de 2021
MOKANDA DO SOBA . CLXII

HÁ 47 ANOS TEVE INÍCIO UMA LIMPEZA ÉTNICA - 16.04.2021

Crónica 3140O HOLOCAUSTO PORTUGUÊS ACONTECEU!  E, porque estamos a 9 dias do VINTICINCO – Nossas vidas têm muitos kitukus (mistérios) - 2ª de 3 partes

fuga8.jpg

Por soba0.jpeg T'Chingange - No Al-Gharb do M'Puto

fuga2.jpg Rosa Coutinho, o marinheiro, foi o oficial de aviário mais verdadeiro na história recente dos Tugas do M´Puto pois que teve o seu início de famoso, numa gaiola amarrada com lianas do N´Zaire. Terá sido Holden Roberto como patrulheiro da fronteira do Congo que o fez passear em uma jaula como se o fora, um macaco. Esta figura, o contemporâneo “maior traidor militar português”, deveria estar em maior destaque nesse mausoléu “Sputnik” da capital Angolana – Luanda, pois que, foi ele que forjou toda a táctica de “libertação”.

Ele estará para Angola como Simon Bolivar o está para a Venezuela - a chave basilar nas guerras de independência da América Espanhola - (…Bolívia, Colômbia, Equador, Panamá, Peru e Venezuela) Pois, foi este o monstro “Vice-Almirante e Alto-comissário” que para todos nós brancos da Luua e todos os demais espalhados pelos matos do sertão e cidades, proporcionou ao MPLA ficar na governação deste território. Agostinho Neto, o primeiro presidente, só o foi em verdade, uma testa de ferro daquela figura detestável com nome de Rosa…

guerra22.jpg Como poeta e, ainda em vida, Neto, deixava muito a desejar pois só com forçada simpatia se poderia admirar suas poesias. Rosa Coutinho - o traidor, aliado às artimanhas do “glorioso PREC” - Processo de Revolução em Curso, do MFA – Movimento das Forças Armadas do M´Puto, combinado unha com carne com o glorioso MPLA, fez o que quis: pintou e bordou a preceito e, conforme as directivas comunistas. Nós, os brancos (ditos colonos), ficamos como pulgas entre unhas de dois polegares, sem armas, sem qualquer ajuda, num abandono quasequase total; pronto para o serem: mortos!

Os Cubanos, pelo que consta, só a cinco de Outubro do ano de 1975, é que chegam a Angola. Foi o que sempre se soube; quanto à ajuda pela União Soviética através de Cuba - Pois, (...) vocês sabem o que Rosa Coutinho e os estafermos do MFA queriam que se soubesse. A grande maioria da população de Portugal estava em conformidade com esta postura, desinformado até ao tutano pelos órgãos de informação, controlados pelos guedelhudos militares pseudo revolucionários. Dizia-se: Os brancos eram definitivamente uns exploradores, uns fascistas e racistas da pior espécie. Nossos familiares do M´Puto aceitaram-nos com desdém manuseando crachás com a Catarina Eufémia ao peito.

gad3.jpg E, foi na praia de Sangano um pouco a norte de Cabo Ledo que desembarcaram os primeiros homens comandados pelo General Raul Diaz Arqueles. Ali descarregaram os primeiros complexos móveis de defesa antiaérea “Strela”. Os instrutores deste equipamento sofisticado, estavam a ser coordenados pelo Coronel Trofimenko que a partir da Republica do Congo Brazaville enviavam numa primeira fase, pequenos aviões para aterrizar na pequena pista de aviação da Kissama em Cabo Ledo. Terei deste modo, de dar estes poucos laivos de recordação para que assim possam espairecer vossos cerebelos, já muito torturados.

Rosa Coutinho, já como Alto-Comissário escreve uma carta timbrada do antigo Gabinete do Governo Geral de Angola a Agostinho Neto, presidente do MPLA nos seguintes termos: “ Após a última reunião secreta que tivemos com os camaradas do PCP, resolvemos aconselhar-vos a dar execução imediata à segunda fase do processo: Aterrorizar por todos os meios os brancos, matando, pilhando, e incendiando, a fim de provocar a sua debandada de Angola. Sede cruéis sobretudo com as crianças, as mulheres e os velhos para desanimar os mais corajosos.” A Carta é datada de 22 de Dezembro de 1974, terminando com saudações revolucionárias, a vitória é certa, seguindo-se a assinatura, Alves Rosa Coutinho, Vice-Almirante.

guerra14.jpg As NT - Nossas Tropas, já não eram nossas; com o beneplácito do “Almirante Vermelho” davam cunhetes, canhões, paióis inteiros e até carros de combate numa perfeita cooperação de entreajuda FAP- FAPLA mandando prólixo os acordos de Alvor dando-nos boas falas a fazer-nos de boiada. Em verdade, praticamente, os brancos eram maioritariamente os quadros com a necessária preparação para governar e gerir a vida económica. Salvo raras excepções não havia entre estes, empatia com esse tal de Marxismo e Leninismo constituindo por isso um forte travão aos interesses soviéticos. Teríamos assim de ser expulsos ou mortos tal como o foi afirmado por esses “patrícios” de tuji e militares do famigerado CR – Concelho da Revolução… 

A revista The Economist, considerou a fuga dos portugueses brancos, como sendo “ o maio êxodo da história de África”. Nem no Congo onde entre Janeiro e Julho de 1960 a população branca caiu de 110.000 para apenas 18.000 pessoas, e se viu tamanho movimento populacional como aquele que foi observado na África Portuguesa. O governo de esquerda portuguesa, criminosamente adiou até ao último momento qualquer ajuda ou apoio substancial aos refugiados. Se compararmos estes episódios com os refugiados actuais de que chegam de todo o lado à Europa, em lanchas vulcanizadas, nós os “retornados” fomos socialmente, pior recebidos; foi a comunidade Internacional e principalmente os Estados Unidos da América que tiveram de interceder no marasmo de catafonia nos ecos de dirigentes do MFA. 

fuga6.jpg Ficamos assim abandonados à mecê dos guerrilheiros armados dos “movimentos de libertação” que intoxicados em drogas e ideologias enviesadas, com o cérebro envenenado pela propaganda marxista, estavam dispostos a massacrar todos os brancos em África. Cidades inteiras, outrora prósperas e bem cuidadas, como Carmona (Uíge) e Malange foram abandonadas devido à fuga de quase toda a população. Malange acabou por se transformar em um imenso cemitério a céu aberto com milhares de pessoas mortas, em sua maioria africanos, que ainda estavam insepultas quando se abandonou a cidade.

fiat1.jpg Alguns brancos tentaram resistir em Luanda, mas a esmagadora maioria rapidamente se apercebeu que a limpeza étnica de que estavam a ser vítimas era para ir até ao fim e que, a única opção viável que o regime de Abril lhe havia dado, era a de fugirem deixando para trás toda uma vida de trabalho. Sob todos os pontos de vista do direito internacional, o que se passou na África Portuguesa em consequência do VINTICINCO de Abril de 1974, constitui um crime contra a humanidade e, como tal o deve ser considerado. Não obstante termos passado pelo purgatório, continuamos a relembrar com saudade a MUTAMBA, que vem de “mu”, que significa árvore em Kimbundu. Que Tamba é o Tambarino – e que ali, havia um tambarineiro gigante a dar dignidade ao largo. Que antes se chamava "N'Dange ia Rosa"", que quer dizer "rua larga e arenosa" em Kimbundu. Que havia uma "Mayanga" porque esse é o nome para poço de água, cacimbas mandadas construir pelos Tugas para prover a água à cidade (LUUA). Como poderemos apagar tudo isto de nossas memórias!

(Continua…)

O Soba T´Chingange.



PUBLICADO POR kimbolagoa às 23:09
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quinta-feira, 15 de Abril de 2021
MOKANDA DO SOBA . CLXI

HÁ 47 ANOS TEVE INÍCIO UMA LIMPEZA ÉTNICA - 15.04.2021

Crónica 3139O HOLOCAUSTO PORTUGUÊS ACONTECEU!1ª de 3 partes

GUERRA37.jpg

Por soba24.jpgT'Chingange - no M'Puto

Muitos “retornados” têm dificuldade em relembrar o que se passou há 47 anos atrás e, por isso preferem o silêncio à acção, e não desejam reviver os traumas pelos quais passaram. O facto é de que havia mais do que matéria suficiente para dar origem a julgamento no Tribunal Penal Internacional, só que o tempo, simplesmente, esmoreceu, mas o certo, é de que chega um momento da história em que temos de confirmar que 2, mais 2, sempre serão 4.

Pois aconteceu aquilo que acabaria por se transformar numa limpeza étnica de proporções avassaladoras e, verdadeiramente humilhantes para Portugal e os portugueses. O 25 de Abril de 1974, planeados nos bastidores por mãos estrangeiras e patrícios traidores do M´Puto, ditos “nacionalistas” sobre o qual ainda há muitos segredos por desvendar, teve início um programa de limpeza étnica que a esquerda internacional preparou em segredo e conluio com uns quantos “pseudo revolucionários” na chamada Metrópole.

guerra14.jpg Durante anos assim forjaram o objectivo principal que era varrer todos os portugueses brancos das ditas Províncias Ultramarinas. O plano da esquerda foi simples, do mais cruel e sanguinário que se pode conceber, fruto de actos maquiavélicos engendrados a partir do KGB durante décadas. Neste plano, a esquerda necessitava apenas de uma faísca que pegasse fogo a todo o aparato de segurança do Império Português e, de forma a se colapsar rapidamente sobre si próprio a favor da União Soviética que passaria a ser a nova dona da África Portuguesa.

A história determinou que que essa “faísca” viesse a ser o 25 de Abril d 1974. Consumado o golpe, elementos afectos ao Partido Comunista Português (PCP) e outras organizações de esquerda iniciaram o processo de desmoralização das Forças Amadas com slogans “nem mais um soldado para as colónias”. Era urgente fazer cair os territórios ultramarinos na órbita soviética antes que os Estados Unidos e o Ocidente reagissem.

GUERRA27.jpg Os brancos obviamente eram um obstáculo a estes planos pelo que sua solução foi bem simples: eliminá-los. A população branca abandonada pela soldadesca vermelha, muito rapidamente foi envolvida em pânico recorrendo por desespero ao pedido de socorro a África do Sul e à Rodésia (actual Zimbabwé) de Ian Smith. De pouco serviram os pedidos de socorro mas, foi exemplar a forma como estes dois países receberam os portugueses em fuga que lhes iam chegando às fronteiras, em muitos casos apenas com a roupa que levavam no corpo.

Muitos houve que a má sorte os conduziu à morte nesta fuga, não conseguindo alcançar a liberdade da vida. Uns foram queimados vivos, outros espancados até à morte e outros que foram baleados em execuções sumárias; homens, mulheres e crianças, compatriotas assassinados por via das instruções da União soviética e, com o total apoio da esquerda portuguesa. Ninguém sabe ao certo quantos portugueses brancos e não só, foram massacrados nos anos que se seguiram ao 25 de Abril; uns falam em milhares, outros em dezenas de milhares.

GUERRA32.jpg Apenas sabemos que foram muitos. Quanto a negros e “mulatos” que lutaram ao nosso lado, ou que permaneceram junto a nós, a situação ainda foi pior! A esmagadora maioria não conseguiu fugir tendo ficado sujeita às mais terríveis represálias por parte dos “movimentos de libertação” que não gozavam de qualquer legitimidade popular. Num ápice os “mercenários da esquerda”, magalas nossos compatriotas capitaneados por generais de aviário, intitulados “revolucionárias” foram paulatinamente entregando de mão beijada, armas, munições, canhões, paióis e logística ao Movimento Popular de Angola – armas que serviriam para nos subjugar ao desespero com medo; tudo à revelia dos acordos estabelecidos no Alvor da Penina. A limpeza étnica na África portuguesa culminou com a fuga de cerca de um milhão de brancos.

Pessoas inocentes e cujo único crime que cometeram foi o de serem brancos. Destas coisas já não fala a esquerda portuguesa que tanto gosta de acusar aos outros como sendo de direita “racistas” mencionando “causas fracturantes”, factos e atitudes nos comportamentos e, pondo em causa valores enviesados perante a opinião pública com as alterações que acham serem substanciais aos seu códigos. Sim! Foi a limpeza étnica dos nossos compatriotas brancos em África que a esquerda portuguesa promoveu; isto sim é que foi “fracturante”!

GUERRA35.jpg Neste processo criminoso foi a esquerda e não a direita, aqueles que tomaram o poder a 25 de Abril de 1974 que teve “a faca e o queijo na mão” durante o infame e criminoso processo de “descolonização”; a limpeza étnica dos brancos em Angola, Moçambique e na Guiné-Bissau. Isto aconteceu porque assim o queriam que o fosse. Os planos foram urdidos e traçados nesse sentido propositadamente. Não se tratou de nenhum acontecimento “inevitável” ou que “ não poderia ser evitado” como toda esquerda afirma para se desculpar.

GUERRA28.jpg Posso recordar hoje que numa pequena mala de mão com os meus documentos pessoais, alguns escudos-angolares - dinheiro de tugi, mais a guia passada pela comissão organizadora de repatriamento, umas quantas calças e camisas mais a família dita nuclear: Mãe, pai e dois filhos na flor da idade. Eramos quatro! Tudo o mais ficou lá nos caixotes que nunca chegaram. Deram-me 5.000$00 mesmo sem quererem receber o dinheiro macaco, angolares que para nada serviriam; nem para limpar o fiofó!

(Continua…)

O Soba T´Chingange                        

  



PUBLICADO POR kimbolagoa às 23:17
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 4 de Abril de 2021
FRATERNIFADES . CXXXII

EM TEMPO DE PÁSCOA

Crónica 3136 - Andam Barrabás à solta... Estórias antigas e esquecidas com chás de camomila para espairecer – 04.04.2021

araujo160.jpg

Por   tonito18.jpgT'Chingange - No AL Gharb do M'Puto

Lendo a Bíblia, verificamos que os quatro evangelhos fazem referência a Barrabás, uma figura misteriosa que surge em conexão com o julgamento de Cristo. A tradição a seu respeito é reticente. Prisioneiro, ele aguardava a execução. Desejando libertar Jesus, talvez influenciado pela mensagem de sua esposa, Pilatos sugere uma escolha entre os dois: Jesus ou Barrabás?

Ele, Pilatos, é colhido por uma estarrecedora surpresa: “Solte Barrabás”, grita a multidão. Qual é a razão para uma escolha como essa? Os líderes religiosos daquele tempo sabiam que poderiam prender Barrabás novamente, quando necessário.

araujo2.jpg Mas como poderiam silenciar alguém como Jesus Cristo? Como parar um Homem que, sem qualquer arma, representava um perigo revolucionário capaz de subverter o judaísmo e todo o Império Romano? O que fariam com Alguém cujas armas eram Suas novas ideias sobre Deus e as pessoas, capazes de explodir as velhas categorias religiosas? Barrabás poderia explorar seus conterrâneos, mas ele não ameaçava governar a vida de ninguém.

Por outro lado, Jesus apresentou um reino que governa de dentro para fora. Sem imposição, conduzindo uma lealdade superior à vida e à morte. Naquela tarde da Páscoa, três ladrões, talvez do mesmo grupo, deveriam ser crucificados: Dimas, Gestas e Barrabás.

araujo12.jpg Barrabás é liberto no último instante, e Jesus é crucificado em seu lugar. Aqui encontramos a mais perfeita ilustração do princípio da substituição. A história de Barrabás é a história da salvação por meio da morte de Jesus Cristo. Seu nome, “Bar Abba”, significa “filho do pai”. Como ele, todos nós, filhos do pai Adão, somos culpados de rebelião e sedição contra Deus, ladrões de Sua glória, assassinos de nós mesmos e dos outros, prisioneiros do pecado. No corredor da morte, Barrabás apenas aguardava a execução...

Ele deve ter olhado para as palmas de suas mãos, imaginando como seria a dor dos cravos rasgando a carne, dilacerando a cartilagem e os ossos. Ouviu então o sinistro barulho da chave abrindo a pesada porta de ferro. Escutou os passos dos guardas. Posso assim imaginar, noé!?

araujo63.jpg “Chegou minha hora”, pensou. Sua cabeça estava pesada e confusa. Parecia até ouvir seu nome gritado pela enorme multidão. Ainda não sabia exatamente o que estava acontecendo. Abismado, recebeu a sentença: “Pode ir para casa.” Isso é substituição: Jesus tomou nosso lugar.

Estando aqui e agora, num lugar chamado de M'Puto, lugar aonde a justiça anda lenta e confusa na mão de interesses políticos e conflituosos quanto baste,  lendo aqui e ali coisas da Bíblia e, confrontando o Mundo também  daqui e dali, relembra-se: Ele foi feito pecado para que sejamos feitos justiça...Ninguém está livre de morrer; é só esperar tranquilamente, tomando uns paracetamol e bebendo uns chás de camomila...

Bibliografia: Bíblia - Ilustrações de Costa Araújo

O Soba T'Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 12:44
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sábado, 3 de Abril de 2021
MALAMBAS - CCLVIII

NÓS E A RELATIVIDADE

HOJE, O ALGORITMO, ATRAPALHA MEU SEXTO SENTIDO…

- Crónica 3135 - Meditação de T'Ching – (31.03.2021) - 03.04.2021

coimbra2.jpg

Por soba24.jpg  T´Chingange – No Al Gharb do M´Puto

Boligrafando nossas vidas, imaginamo-nos numa pena de ponta romba escrevendo nossa picada, pensando neste alguém que a segura, como se fôramos uma ilusão que afasta as bissapas espinhosas e, escolhendo por onde levar o nosso azimute ou seja, o ângulo certo entre o norte e um ponto aleatório, de um outro qualquer lado de preferência e, assim, coordenarmos o quadrante da vida como se o fossemos, um jogo de matemática adicionando mais com mais, mais com menos ou menos com menos, emparelhando os símbolos.

Se porventura nos julgarmos um grão, teremos de pensar que ele, o grão não morre se lhe dermos um destino, lançando-o à terra para originar mais grãos, assim chova! Esta noção de estabilidade com sustentabilidade pode ser comparada naquilo que faz parte da nossa concepção comum e, que resulta no facto de possuirmos as dimensões que temos e, de vivermos num planeta com água, o verdadeiro factor de vida.

macaco5.jpg E, ao explorarmos o lugar Terra aonde estamos, valer-nos-emos de todos os nossos sentidos em especial os do tacto e da visão. Sendo assim e na medição de distâncias, empregamos desde sempre ou a partir duma época pré-histórica, partes do corpo humano como padrões tal como o pé, o passo, o cúbito ou o palmo mas, para maiores distâncias lançaremos mão do tempo para irmos de um sítio a outro lugar, noé!

Assim, e de forma aproximada aprendemos a avaliar uma distância confiando naquela primária noção do tacto e, porque temos dois focos, nosso cérebro calcula a distância de forma natural; trigonometricamente calcula o ponto xis por intercepção dos vectores saídos dos dois focos com cálculo imediato dos ângulos e respectiva lonjura. Dois olhos permitem-nos ter sensação espacial das imagens. E, com duas orelhas conseguiremos localizar de onde vem o som.

ong5.jpeg E qual a vantagem de ter duas narinas? Se mantivermos uma narina fechada enquanto se respira pela outra e depois fizermos o contrário, perceberemos que uma delas fornece bem mais ar do que a outra... Isso, faz toda a diferença! Todos os mamíferos têm duas narinas, com excepção das baleias, que tem apenas uma. As duas narinas têm importância fundamental na sobrevivência de alguns animais, como as toupeiras. Nos humanos, elas são resquícios dos tempos pré-históricos. Mas será que daria para abrir mão de uma delas? Não, porque ficaríamos sem o cheiro certo.

Em tudo, podemos alterar o quadro imaginário mas, o tacto é que nos dá a sensação de “realidade”. No entanto os nossos próprios reflexos num espelho não podem ser tocados. Estas coisas intrigam-nos desde a infância porque não detínhamos a noção de imagem. Posto isto, toda a nossa geometria ou nosso físico é baseado no sentido do tacto. Sabemos agora pela metafisica que o que se vê num espelho, “não é real”.

sorte2.jpg Sendo assim, movemo-nos em duas metáforas: - as coisas concretas ou “solidas” e as outras, aéreas, adensando-nos a sensação de algo não real. As coisas, más e boas sempre se irão colidir em nossos sentidos. Quando Copérnico disse que a terra não era estacionária e que o céu não girava à sua volta uma vez por dia, foi-nos exigido uma alteração ao nosso hábito mental. E, foi com as ideias de Einstein que nossos conceitos se deram conta de outros paradigmas. Assim, envolvidos num tecnicismo matemático, nenhum de nós pelo efeito de repetição iremos encontrar a mínima dificuldade em perceber as novas ideias que paulatinamente nos mudam os hábitos.

Hoje, há novas e incontáveis coisas que nos forçam a uma nova e permanente reconstrução imaginativa. Ando por isso a tentar fabricar um portal que me leve a abraçar o meu eu, no espelho e, dizer-lhe que afinal ambos somos ilusões. Quando tal suceder, ficarei a saber o que é isso da “alma”. Entretanto ando como entalado entre os palpos-de-aranha para entender em profundidade essa noção do tal “Sexto sentido”. Lá erei de virar aracnídeo para chegar a essa peça sensorial?

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:44
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Terça-feira, 23 de Março de 2021
MOKANDA DO SOBA . CLX

ANDO A COMER TERRA, ANTES QUE ELA ME COMA - 20.03.2021

Crónica 3132 - Será isto, um toque de Oleiro?

araujo 101.jpg

Por soba24.jpg T'Chingange - no M'Puto

Nos séculos XIX e XX, o determinismo da matéria passou a ser venerado. O homem passou a explicar sua origem por meio de um processo mecanicista-evolucionista chamado naturismo.

Há pessoas que não acreditam na existência do Oleiro. Diz o tolo em seu coração: "Deus não existe". Corromperam-se e cometeram actos detestáveis; não há ninguém que faça o bem... (Sl 14:1).

araujo17.jpg E, o Oleiro olha dos céus para os filhos dos homens, para ver se há alguém que tenha entendimento, alguém que busque a Deus. Em seu livro Evolution in Ethics, Julian Huxley diz: “Minha fé está nas possibilidades do homem: espero o êxito de minhas razões para aquela fé”... (p. 212). O existencialismo ateu, por sua vez, defende a ideia de que o homem é o ser pelo qual o nada vem ao mundo. “No estado de abandono em que se encontra, o homem deve inventar seus caminhos”, diz o filósofo Felicien Challaye.

araujo20.jpg Por outro lado, há os que crêem na existência do Oleiro, mas não se submetem ao toque de Suas mãos. São insubmissos; o perigo reside nesse ponto. Em nossos dias, poucos fazem essa confissão. Vemos, portanto, que uma grande fatia da humanidade nega a existência do Oleiro. Não cursei Teologia, não sou pastor mas, existe em mim, tal como tantos outros, uma religiosidade de epiderme que como uma espécie de maquilhagem aqui e ali, entre família, entre amigos e quase todos, tendo a esconder a triste realidade espiritual da minha áurea, em meu próprio templo.

araujo42.jpg Enquanto isto persistir, não serei barro submisso nas mãos do Oleiro. Mas tento, comendo barro feito terra argila verde, antes que ela me coma. Faço-o desde há muito tempo para desfazer a azia e, resulta! Faço-o com subterfúgio de queimar a acidez, manter o meu PH anexando a vitamina D3 mas, se calhar este carácter é um reflexo casual do toque das mãos do Oleiro. Há coisas que mesmo normais na vida, parecem ser segredos...

Ilustrações de Costa Araújo

O Soba T'Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 14:47
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quinta-feira, 18 de Março de 2021
LAGOA DO PUTO (M´Puto) . VIII

Fábrica de letras da kizomba (Kimbo) - 17.03.2021

Crónica 3130 . “ A Torre da Lapa e seus cazumbis antigos com piratas ”

LAPA3.jpeg

Por    soba002.jpgT´Chingange – No Al Gharb do M´Puto

Dando continuidade aos meus passeios ora matinais, ora vespertinos pela orla marítima de Lagoa do algarve no M´Puto, dou aqui conta da beleza em daqui se vislumbrar o horizonte curvo de só mar a dilui-se com o céu a sul. E, assim entre moitas de aroeiras, vislumbro rastos de coelhos, lírios, gladíolos, tulipas do mato com zimbro, maios-roxos, tomilho, arruda, estevas de flor branca ou vermelha e várias espécies de ophrys speculum entre muitas outras variedades que atraem abelhas com seu florido colorido.

O garum ou liquamen supostamente feito no lugar de Presa de moura, era um género de condimento muito utilizado na Antiguidade, especialmente na Roma Antiga. É feito de sangue, vísceras e de outras partes seleccionadas do atum ou da cavala misturadas com peixes pequenos, crustáceos e moluscos esmagados; tudo isto era deixado em salmoura e ao sol durante cerca de dois meses ou então aquecido artificialmente. Este produto era exportado para várias partes do Mediterrâneo.

lapa9.jpg Há notícias de exportação de garum para Atenas, no século V a.C. A existência de numerosos vestígios de fábricas detectados no litoral mediterrânico da península Ibérica, provam um nítido crescimento desta indústria conserveira. Em Roma, o garum chegou a ser um produto de luxo, chegando a atingir 1 000 denários…

Em Portugal, a maior concentração de vestígios de unidades de fabrico de garum localiza-se no litoral algarvio. Na região atlântica há a referir os restos descobertos na baixa pombalina de Lisboa. No Alto de Martim Vaz (Póvoa de Varzim), na praia de Angeiras (Matosinhos) e no estuário do rio Sado, em Creiro, Rasca, Comenda, Ponta da Areia, Moinho Novo, Troia, um dos mais importantes centros conserveiros da Hispânia.

lapa11.jpg Mais recentemente (2007), foram descobertas vestígios de cetárias romanas sob a marginal nascente da vila de Sesimbra. As ruínas destas fábricas, até agora achadas em território português são constituídas pelos tanques ou cetárias (tanque de forma rectangular de dimensão variável, destinado à salga e fabrico de diversos molhos e outros preparados de peixe), na época romana destinados à salga de peixe e à preparação de conservas, normalmente de alvenaria. As conservas de peixe destinadas à exportação eram embaladas em recipientes de cerâmica, as ânforas

Apesar das fontes clássicas serem pródigas em referências aos molhos e pastas de peixe, eram muitos e variados os métodos de processamento de peixe com vista à sua conservação. Se o peixe fumado não era prática corrente no mundo mediterrânico e no sul hispânico, já a secagem ao sol era empregue, embora as fontes sejam escassas a este respeito. Eliano refere a secagem do peixe para produção de farinha. São, todavia, os “salsamenta” e os molhos e pastas de peixe salgado os produtos mais comuns, até porque o comércio de peixe ou seus derivados salgados era uma forma de assegurar boa parte das necessidades de sal das populações (refere Plínio)

lapa12.jpg De terra, é visível neste ecossistema costeiro a avifauna marinha podendo avistar-se nestas arribas, muitos pombos bravos das rochas, gralhas, gaivotas, a andorinha real, o ganso-patola, o corvo-marinho, com sorte pode avistar-se o falcão peregrino. Avistam-se nas falésias muitas fissuras inacessíveis a predadores pelo que constituem o local seguro para repouso e nidificação. Abaixo da linha da maré, a biodiversidade pode ser apreciada na complexa forma dos fundos ou baixios com calhaus, bolsas de areia e vertentes rochosas com pradarias de erva marinhas aonde se alojam peixes juvenis invertebrados e até espécimes emblemática como os cavalos-marinhos; pode avistar-se variedades de algas, lapas e búzios assim como caranguejos das pedras.

LAPA03.jpeg Chegado à Torre da Lapa, posso certificar-me ter sido construída no século XVII. De forma circular, com seus cinco metros de diâmetro e 4 de altura, era do seu topo que se vigiava este mar. Os facheiros  faziam fogueiras no seu topo com ramos verdes para que através do fumo durante o dia e fogo nas noites, alertassem as guarnições e população da região.  Para terminar, esta costa era muito cobiçda por piratas muçulmnos que se abastecim aqui de gente escrava e géneros de alimentação tais como figos, amêndoas, azeite e alfarroba…

O Soba T´Chingange   



PUBLICADO POR kimbolagoa às 18:41
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Terça-feira, 16 de Março de 2021
MISSOSSO . XL

Crónica 3129 – TEMPO COM CINZAS, 15.03.2021

-O poder da oração é importante! Mery, ali fica horas meditando até que o troço de tabaco se apague com o tição feito morrão dentro da boca …

praga3.jpg

Por soba0.jpegT'Chingange. No AL-Gharb do M'Puto

O Mundo parece ter-se tornado ilógico, surrealista, como se estivéssemos a viver num tempo muito ido com trogloditas a fugir à frente de dinossauros, costassauros ou paquininossauros, estabelecendo em cada dia um novo plano, apagando os avanços tecnológicos de voar em aparelhos mais pesados que o ar, abrindo postigos dos mukifos para dizer “bom dia” ao vizinho assim com um “"bonjour" porque é, um francês de Lourdes de França…

Um francês de França que teima em falar um português de catacumbas. O tempo melhora com Sol primaveril, os britânicos andam amedrontados por causa da nova estirpe da mosca covarde XIX mas, e porque tomaram a dianteira no picar das agulhas em ossos doloridos. O postigo volta a ser usado para impedir para além do bafo perigoso, a mosca da fruta que surge do nada nas cozinhas herméticas.

quitandeira01.jpg O clima está a mudar! Hoje tive uma longa conversa com a minha empregada Mary natural de Kampala do Uganda que teima sempre em repetir que nós, os t´chinderes, agora já não mandamos no futuro. Tento parecer neutral esperando a abertura de voos para a América mas ela, só faz muxoxos, deitando a língua de fora numa expressão recreativa com laivos muçulmanos – talvez, murmúrios de concordância.

Como se estivesse a fazer uma corrida de três pernas comigo que, só tenho duas! Diz ela que lá no Uganda, as coisas são diferentes, que têm quimbandas avondo, que falam com Deus e, que tudo curam com banha de surucucu e fumos de retorcidas cordas de tabaco. Agora entendo do porquê de Mary, bem à noite e, antes de se deitar fumar uns charros, cigarros grossos de cheiro intenso.

quitandeira3.jpg Ela, a Mery, ali fica horas meditando até que o troço de tabaco se apague com o tição feito morrão dentro da boca, como se fora um pavio de fazer explodir a pólvora dum canhão. A lavadeira lá do Caputo da Luua de N´Gola, Joana Kitunda, também o fazia assim fumando grossos charutos com o tição dentro da boca horas a fio. Creio que enquanto fumam meditam com os anjos e arcanjos e kalungas que desconheço. Sempre fingi que não sabia e, nunca a tinha visto matar saudades de Kampala desta forma tão invulgar ou peculiar.

Também ela anda em um outro plano, fumando o futuro! Queimando o presente com espíritos meus desconhecidos. Estas peculiaridades exóticas fazem meu coração bater desordenadamente, latejando-me nas têmporas. Talvez o fumo daquele charuto queime o tal bicho gelatinoso que teima em seduzir gente mais velha; gente que não pactua com coisas mal entendidas.

quitandeira5.jpg Não obstante as evidências destes mistérios alheios, também e, como a Mery, uso a minha máscara de manter tréguas sem palavrear o caso mas, cá no íntimo sinto que ela anda a fazer macumba de cazumbi de fumos e fumarolas. Lá terei de continuar assim pagando do meu bolso sem essa tal de “lay off” simplificada ou complicada. O que quero mesmo é que haja tréguas entre nós até chegarmos ao futuro…

Assim mesmo, cada qual na sua! Sem o querer, um destes dias observei na socapa da noite a Mery depois dessa sua especial meditação dar um sonoro peido que até buliu a calidez da noite. Pois! Pude ouvir e até cheirar por detrás das pitangueiras. Caramba, cheirava a áfrica! Apimentado e salgado surgia também gorduroso como as salsichas bóher com becon de kudu. Rindo-me escondido na palidez do escuro e já esgueirado no meu mukifo, rio de fartura. Talvez até este cheiro ajindungado o seja curativo, noé!? Ele há coisas. No Uganda, até os moribundo ficam na cama!

O Soba T´Chingange    



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:19
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quinta-feira, 11 de Março de 2021
XICULULU . CXXXV

FALAS VADIAS 11.03.2021

kimbo 0.jpg As escolhas do Kimbo - Crónica 3127

Por medica-683x1024.jpgPaula Helena Ferreira da Silva (Assistente Graduada de Ortopedia, Chefe de Equipa do Serviço de Urgência do Centro Hospitalar do Baixo Vouga)

Os insultos de MAMaDOU BA ao povo português e à sua História…”Se um branco dissesse que se devia matar o homem negro, era logo preso, chamado de racista, nazi, ‘white supremacist ‘ etc. etc.”

 Fonte: O Observador

Mantenho gravado o choro de despedida de quem me criou e a isso, Sr. Mamadou, chama-se amor. Nós, Africanos brancos, sentimos amor pelos nossos conterrâneos, mas sei que para si não é amor, é racismo.

mamadou1.jpg Tal como o Sr. Mamadou, nasci em África. Não me corre sangue africano nas veias, mas a alma moçambicana habita em mim. Fui expulsa do meu país sem hipótese de escolha, sem justificação, tão-somente pela cor da pele, arrancada à força da minha família, da minha casa, dos meus conterrâneos. Fui expulsa por pessoas como o senhor e os seus comparsas do SOS Racismo. Roubaram-me o resto da infância e da adolescência, forçada a viver em hábitos e costumes diferentes onde só a língua me unia.

Durante décadas, senti-me deslocada, fui barbaramente vítima de bullying, mandada para a minha terra vezes sem conta apenas e só por ser retornada…A ignorância não tem limites e retornada não sou, refugiada talvez, pois a nada retornei. Nasci em África com muito orgulho e mantenho orgulho na História que me proporcionou que assim fosse. Nasci na maravilhosa cidade de Lourenço Marques, a pérola do Índico, no fantástico continente africano, rico nas gentes e nos recursos, destruído por décadas de governos ditatoriais que o senhor tanto defende.

dia142.jpg O senhor não sabe, mas em 1974, Moçambique era o produtor número um do mundo de algodão e cana-de-açúcar. Hoje, é um dos países mais pobres do mundo! Os retornados foram a maior lufada de ar fresco a entrar em Portugal. Ao contrário de si, os retornados e refugiados das ex-colónias, apesar de apenas trazerem a roupa do corpo e a alma carregada de tristeza e mágoa, trouxeram também a resiliência e transformaram a mágoa em trabalho e não em ódio e raros são os que não singraram.

Nada trouxemos na bagagem a não ser memórias. Tudo foi confiscado, queimado, dizimado. Mas ao contrário de si, a quem tudo foi dado de mão beijada, não nos vitimizámos, não nos encolerizámos, apenas trabalhámos! Trabalhámos e honrámos a Terra e as gentes que nos acolheram! Não hostilizámos, não ridicularizámos, não confrontámos os Portugueses da metrópole! Apenas trabalhámos, com a resiliência que nos caracteriza, porque ao contrário de si, as nossas feridas não estão putrefactas e não destilam ódio, antes pelo contrário, emanam tolerância e compaixão.

guerra01.jpg Ao contrário do senhor, não recebemos subsídios, não recebemos apoios, o único apoio foi e continuam a ser as doces memórias. Memórias de países maravilhosos ao qual um dia ansiávamos voltar (Moçambique, Angola, Guiné e outros dos Palops), de gente humilde de sorriso largo e alegria sem fim, memórias do cheiro da terra molhada, do cheiro das gentes, das cores, de vidas simples.Mantenho gravado o dia da partida e do choro de despedida de quem me criou e amparou e a isso, senhor Mamadou, chama-se Amor. Nós, Africanos brancos, sentimos amor pelos nossos conterrâneos, mas sei que para si não é amor, é racismo. Sim, senhor Mamadou, ainda hoje sinto amor pelos meus conterrâneos, choro por eles e pelos vis ataques que sofrem em Cabo Delgado, que curiosamente nunca o ouviu defender.

GUERRA25.jpg Em si só vejo ódio, intriga e difamação. O racismo não se combate com racismo! O ódio não se combate com ódio! Humildade e gratidão é coisa que não lhe assiste. E trabalho Sr. Mamadou? Não será por interesse que move esse ódio? É que esse ódio dá-lhe tachos e tachinhos e trabalho? As suas mãos não parecem ter calos e o seu sobretudo de caxemira não me parece “second hand”. Senhor Mamadou, o senhor pode ter instrução, mas não tem educação.Sou de uma geração em que fui educada a respeitar o meu país, Portugal, a minha bandeira, o meu hino, as minhas gentes, os meus heróis.

guerra18.jpg Tenho orgulho em Afonso Henriques, Vasco da Gama, Luiz Vaz de Camões, Padre António Vieira, Pedro Álvares Cabral e tantos outros que escreveram a nossa História. A História não se apaga, não se reescreve, é um legado dos nossos antepassados, goste-se ou não, é a nossa História. Quem é o senhor para a destratar? Ou será que pertence ao grupo daqueles, que por não gostarem dos pais e avós também os apagam? Respeito, senhor Mamadou! Respeito! Em casa alheia não se diz mal do pão que é oferecido, porque, um dia, o pão pode acabar.

Fonte: O Observador



PUBLICADO POR kimbolagoa às 20:01
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quarta-feira, 10 de Março de 2021
MUSSENDO . XVIII

(08.03.2021) – DIA INTERNACIONAL DA MULHER... 10.03.2021

Crónica 3126 - Ando cafuzo! - Vamos devolver à mulher o seu lugar de honra, não só hoje...

 araujo36.jpgMUSSENDO é uma estória mais longa do que um simples missosso, com mitos e lendas...

Por  soba24.jpgT'Chingange no Al Gharb do M'Puto

Diz-se que Cristo quebrou padrões, tratando as mulheres como iguais, pois nas reuniões em que Ele pregava tanto homens como mulheres tinham o privilégio de O ouvir, embora se saiba que o ensinamento judaico prescrevesse que a mulher ficasse em casa e, só saísse à rua com permissão do marido.Depois de haver criado tudo o que existe, no sexto dia Deus criou o homem e lhe deu um trabalho. Sua tarefa foi dar nome a todos os animais da Terra. E entre eles, Adão não encontrou ninguém que lhe fosse igual.

araujo69.jpg “Eva foi criada de uma costela tirada do lado de Adão, significando que não a deveria dominar, como a cabeça, nem ser pisada sob os pés como se fosse inferior, mas estar a seu lado como igual, e ser amada e protegida por ele” - Em verdade, Cristo restituiu à mulher a igualdade com o homem que lhe havia conferido na criação - mito ou lenda, assim ficou escrito...

Há entre homem e mulher uma diferença de sexo, mas isso não deve criar separação ou desigualdade, mas produzir unidade e multiplicação, no casamento de X com Y. Foi assim até que, recentemente, os homens criarem outras leis, noé!? No Oriente, um homem não aborda uma mulher estranha na rua e conversa com ela. Os judeus consideravam extremamente impróprio que um homem, dialogasse com uma mulher em público.

araujo35.jpg Daí, a surpresa dos discípulos ao encontrar seu Mestre envolvido em conversação com uma mulher, junto ao poço de Jacó. Entretanto, Jesus revolucionário era assim mesmo: Ele não tinha preconceitos, nem contra os samaritanos, nem contra as mulheres, nem contra ninguém...

Ele elevou a posição das mulheres de Seu tempo, vítimas de preconceito e discriminação. Os judeus as consideravam seres inferiores e não permitiam que elas adentrassem o templo além do átrio das mulheres, e menos ainda que tomassem parte activa no culto, falando ou orando em voz alta. Os mais radicais diziam que era melhor queimar a lei do que ensiná-la a uma mulher.

Mas no ministério de Jesus, as mulheres acompanhavam o grupo apostólico ao se deslocar de um lugar para outro. Não é bom que o homem esteja só: far-lhe-ei uma auxiliadora que lhe seja idónea diz no Génesis 2:18. E Deus, sábio e companheiro, resolveu o problema de solidão, dando Eva a Adão. Desde então, a solidão do homem foi resolvida com a companhia de uma mulher (era assim...hoje não o é mais...)

araujo34.jpg O facto de Deus dar a mulher ao homem colocou Adão, e todos os demais, em um status superior em relação ao sexo feminino? O relato da criação de Eva, nada tem que justifique essa interrogação. Pelo contrário, destaca vários elementos que se referem à sua igualdade. Essa igualdade é retratada no conceito de auxiliadora idónea, na união matrimonial mas, as palavras mudam no tempo - culpa da semântica...

Ao definir a mulher como auxiliadora idónea, Deus colocou duas ideias importantes para se entender a unidade do casal. Em hebraico, a palavra “auxiliadora”, nunca é usada para designar um ajudante subordinado.

araujo38.jpg Refere-se sim, a uma pessoa que tem a capacidade de prestar auxílio. Por isso, mulher se define como auxiliador do homem. Deus é auxiliador do ser humano porque está plenamente capacitado para ajudá-lo e quer fazer isso. Auxiliar não é demérito... O facto de Deus ter poder e auxiliar o ser humano é visto na criação dos céus e da terra, do mar e de tudo o que neles há. O mesmo ocorre com a palavra “idónea”. Em hebraico, significa “equivalente”, “duplicado”, “parte oposta”, “complementar de outra”. Por determinação divina, a mulher está plenamente capacitada para auxiliar o homem como uma pessoa igual a ele. Bom! O inverso também o será verdadeiro, noé! Ando cafuzo!

Ilustrações de Costa Araújo 

O Soba T'Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 12:49
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Terça-feira, 9 de Março de 2021
LAGOA DO PUTO . VII

Fábrica de letras da kizomba (Kimbo - M´Puto) - 07.03.2021

Crónica 3125 . “ A presa da Moura e seus cazumbis do GARUM” Em tempo de pandemia. Meu passeio de hoje, para espairecer…

LAPA2.jpeg

Por soba24.jpg T´Chingange – No Al Gharb do M´Puto

Este passeio pela orla algarvia do M´Puto, já é uma rotina de longos anos e, é sempre muito agradável vivificar a natureza acompanhando o rendilhado de falésias definindo a fronteira sul com o oceano. Subindo e descendo por entre fragas e milhares de flores de variadas plantas, carrego as energias tão desmilinguidas por via dum vírus COVARDE XIX que nos tolhe ao confinamento de nossa kubata, nosso mukifo.

Desta feita e no correr do sotavento pude rever sítios já conhecidos mas que, sempre renovam nossa vontade de observar e cheirar dando felicidade à vida… Em tempos, já vi por aqui raposas mas com o alastramento da urbanidade, foram desaparecendo; vê-se sim caganitas em restolhos de coelhos. Desta feita vou repor aqui o já descrito em parte e, em tempos com outras novas falas de minha lavra, para ginasticar a mente a modos de não criar mofo nela, em demasia ou avondo como se diz por aqui entre linguajares marafados.

LAPA02.jpeg Nesta pequena bacia dos barrancos de Vale da Lapa, há no “reino da aroeira”, a palmeira anã, a erva rasca, trevisco, arruda, zimbro, os gladíolos e tantas outras a que chamamos no seu todo de carrascos, resistindo ao calor tórrido de verão pela brisa húmida do mar que entra no lugar da presa, junto à praia. Se houver consciência na preservação dos coutos, reservas naturais e legados históricos, poderemos ainda passear por este património ecológico pertença dos mourinhos, gralhas, melros pegas e cucos. Até há bem pouco tempo havia zorras (raposas) mas, nos últimos sete anos, deixei de as avistar

Foi a partir do século VIII que as lendas das mouras encantadas que guardavam tesouros, se associaram florestas, rochedos, serras e fontes, numa tradição oral. Cultura que prevalece nos cultos pré-cristãos, chegando até os nossos dias. Podemos assim encontrar lendas de mouras em toda a costa Sul da Ibéria como a lenda da Moura Salúquia por exemplo e, que em 1554 deu origem à actual cidade de Moura. Depois da invasão árabe, entre a lenda e a história, constatou-se em vários lugares a importância duma Moura.

LAPA1.jpeg Desta feita irei descrever esta “Presa da Moura” no lugar de Vale da Lapa que advém de umas quantas levadas nas encostas pedregosas, construídas desde então, que serviam para irrigar pequenas hortas dos socalcos separados por muros de suporte, em pedra solta. Estas levadas terminavam nos barrancos existentes, agora uma densa mata de mato de aroeiras, tomilho e arranha-cão. Creio que a água armazenada nesta represa daria para gerir durante todo o ano as irrigações dos produtos hortícolas numa fase recente e, lá longe em tempo de Romanos, lugar de tratamento de conservas.

Dos vestígios da ocupação romana, neste litoral algarvio, talvez as mais emblemáticas sejam estes tanques em forma de represa para lhes garantir a salga e conservação de peixe associados à produção do tão apreciado GARUM, um condimento confeccionado a partir da salmoura de sangue e vísceras de atum ou cavala, triturado com crustáceos e moluscos. A represa da Presa de Moura (salmoura), teria sido o apoio ao complexo industrial de salga e conservação de peixe, com estruturas de apoio hoje desaparecidas em consequência do recuo da linha da costa.

LAPA01.jpeg Anda se podem ver nos topos das falésias lajedos formando poças de água e, aonde se desenvolvem plantas como a beldroega e poejo; lugar de bebedouro de coelhos e outros pequenos rastejantes. Aqui teria sido construído um paredão com uns 3 metros de largura na base tendo blocos irregulares de calcário do tempo miocénico marinho e cimentados com uma argamassa muito dura de cal e ouros aditivos. Pelas argamassas usadas juntando as pedras, ainda visível no pequeno troço existente, tudo leva a crer remontarem a esse período de dominação romana. As técnicas usadas em construção nos séculos I a III antes de Cristo e o coliseu de Roma que se manteve em funções até à queda do Império no ano de 476, são em tudo semelhantes a esta argamassa.

Esta, tinha em sua composição uma percentagem de gesso e cal aérea ao que se juntava aditivos de gordura animal, ceras e resinas do látex da figueira que aqui havia em abundância. Pode perfeitamente ter sido construída quando das reconquistas de localidades importantes tais como Évora, Beja, Badajoz e Sevilha. Originalmente deveria ter uns seis a sete metros de altura o que me leva a supor pela sua bacia, provocar uma reserva de 15.000 metros cúbicos de água potável.

LAPA4.jpeg Porque a costa era frequentemente fustigada por ataques de mouros, leoneses e portugueses da Lusitânia; como um primeiro aviso às invasões por mar havia as vigias, “as torres de vigia”  que se alinhavam ao longo da costa em toda a bacia Sul do Mediterrâneo e costas da Ibéria. Em caso de ataques vindos do mar eram atiçadas fogueiras de aviso aos militares olheiros e à população. Com estes avisos os populares refugiavam-se em castelos ou lugares de resguardo; Esta costa era em tempos muito dada a ataques de corsários com intuito de roubar depósitos de frutos secos e vasos dessa tal conserva chamada de GARUM mas, e também para fazer escravos e abastecerem-se de cereais       

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 19:15
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quinta-feira, 4 de Março de 2021
MOAMBA . XLVII

PERICLITÂNCIAS DO DIA-A-DIA – 04.03.2021

Crónica 3122No chirilimlim governamental  

Por 

roxo91.jpgsoba24.jpg T'Chingange – No Algarve do M´Puto

Encostado ao frio, calorifico a tostar-me as matubas, orelhas enfiadas num carapuço cheio de ácaros que borrifam caspa nas sobrancelhas brancas e pretas, escuto o orvalho feito chuva miudinha pela janela virada ao sul, que jorra até mim uma luz mirrada de sol dissipando, o ar entre o miósporo, o loureiro do alemão da alemanha e a buganvília que sode desordenada pela alta parede amarela do carcamano.

Este familiar dum tal barão também veio do sul de Angola por via da guerra do tundamunjila; um bóher descendente desse herói barão vermelho, um tal aviador destemido da segunda guerra mundial chamado de Manfred Von Richthofen que tinha seu avião cheio de riscas – cada risco correspondia a um avião abatido. Quando candengue da Luua, lembro ler as odisseias desta figura com seu lenço vermelho a ondular fora do pescoço e saindo até, da carlinga dum teco-teco de duas asas…

dia206.jpg E, enquanto é dia e de janela aberta, aqui no Barlavento, vejo o gato branco grande, tisnado de sujo e gordo que em cima do muro, se aproxima cauteloso até ao granulado de carne e peixe com restos de comida que ali é posta, na fronteira entre o que é meu e dele, o carcamano da Chibia; dissimulado entre o verde do loendro e o muro branco, surge o bicho feito pai, leopardo sem pintas. E, para alimentar uma ninhada de gatos emigrantes nascidos à-toa entre os cocorotes amontoados na empena da encosta tardoz do alemão, dispus-me a comprar no Auxan pacotes de comida, pois então- um de carne, outro de peixe!

Esta ninhada de gatos, dois pardos e dois brancos, vigiados de perto pela mãe farrusca de parda, vão aparecendo quando calha. A noite chega com inúmeros relatos de televisão mostrando seringas de agulhas quilométricas a espetar carnes – a tal de vacina que preenche o espaço de notícias semeadas de poeiras pandémicas com os grilos do chirilimlim governamental que se enfolipam nas regras já muito dobradas em plissado… Cumcamano…

edu43.jpg Mais à noite chegam os debates de comenteiros mostrando as crinas e até rabos sacudidos com vários barulhos de boa goela dando-me vontade de rosnar. Assim, encostando o frio com a mão bem junto aos teodósios esfrego as frinchas abelhudas de frio com as pontas dos dedos gélidos práquecer … Chega a hora de ligar o ar quente do condicionado, regular para os vintiquatro graus e esperar que normalize o espaço grande da sala cheia de trecos, bem nos vinte graus Celcius; os outros quatro graus escapam-se pelas fissuras porosas, sei lá - desacontecem.  

Mesmo sem querer espiar, lá vejo os garganeiros esgadanhando-se ou bajulando suas traições com beijos felizes e, assim, fazendo-me representar em meus olhos, revejo o tempo em que tudo o era; antes de poder ver assim, já pressentia! Tudo vai ficar na mesma. Lá vem o Fulano que parecia ser homem de tão justa regra e, de tão possivelmente o parecer, não poupa ninguém na aprazível e escorregadia omissão…

dia35.jpg Esperto que ele, Suaexcelência (tudojunto), chegue no quanto baste, sem se separar da saudade da direita; sem sobejo de esfoço, fala sem mudança afiançando sua fé de promessa, mas escapando-se entra nos entretantos canhotos… Não me dá tranquilidade, juro por sangue de Cristo porque também sou cristão, o quanto baste e, para além do mais, já sou suficiente graúdo e manteúdo – quersedizer, crescido emancipado e à espera de ser vacinado. 

Isto é como o jogo do baralho “a pátria não pode nada com a velhice” como do gato e do rato. Sei que estou dizendo algo deveras dificultoso e muito entrançado na doença do toque. Ninguém me pergunte nada – coisas destas não se perguntam bem porque, quando tudo está muito mal, só pode melhorar. Pois! De costas guardadas, o poder de minhas rezas vão-me rendendo aos poucos feito favas contadas entre o madrugar e o anoitecer.

DIA199.jpg Gato, mesmo tisnado ou queimado de água fria tem medo. Estou farto de ser mandado daqui para ali como se fosse uma criança de colo perdido do pai e da mãe. Pópilas! Quem é pobre pouco se apega a este continuo ver anoitecer sem amanhecer ou no vice-versa, chato de andar ao trambolhões, contando o sombrio das coisas. É e não é, num xissa, que enfim lá teremos de continuar comento pão com chouriço. Assim mesmo, o espaço é tão clausurado que assim pode acontecer, no sussurro da meia-noite, pode perfeitamente às nove horas, vir o diabo lamber o prato do gato…

O Soba T´Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 19:58
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Outubro 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
14
15
16

17
19
22

24
25
26
27
28
29
30

31


MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
blogs SAPO
subscrever feeds
Em destaque no SAPO Blogs
pub