Quinta-feira, 9 de Novembro de 2023
VIAGENS . 102

NAS FRINCHAS DO TEMPO

"DOS TEMPOS DE DIPANDA“ - Crónica 3513 – 09.11.2023

 “Tropas cubanas para Angola, já!”

Às margens do Cubango- “Missão Xirikwata” - Escritos boligrafados da minha mochila – Aleatoriamente após 1975 e, ou entre os anos de 1999 a 2018

Por: T´Chingange (Otchingandji) – Em Lagoa do M´Puto

araujo160.jpg Da visita a Cuba, Otelo recebeu alguns presentes, entre os quais três armas: uma Kalashnikov, uma pistola oferecida por Raul Castro e ainda uma pistola-metralhadora. Mas a recordação mais importante que teve com Fidel, foi sem dúvida a conversa secreta com Fidel. Otelo foi sem dúvida, o primeiro português a saber que militares cubanos iriam combater em Angola pois que, foi ele a fazer o pedido

Mas, o que nem ele, Otelo do COPCOM, nem Fidel Castro previram, foram os efectivos que o contigente militar acabaria por ter e, mais do que isso, que a guerra iria prolongar-se por tanto tempo, acabando por dali sairem sem uma vitória militar, deichando no entanto à revelia, o comando de Angola a cargo do MPLA… Chegados aqui terei de recordar o que João Ferreira, um leitor assíduo do Kimbo lembra o que todos sabem  assim ter sido, mas pouco falado  – o saque feito por Cuba.

cuba01.png O grande sucesso do apoio cubano aos marxistas áquela data, foi o que os cubanos no seu regresso a Cuba, roubaram! De quantas pedras de mármore, lapides que à data existiam nos cemitérios Angolanos. Também o que uma corja de pseudo comunistas portugueses roubaram, a saber: o café que se encontrava nos armazens de Luanda para exportação. Café chegado a  Portugal e, que àquela data foi apreendido ao entrar na barra do Tejo.

Um navio carregado de café roubado em Angola e, daí certos contrabandistas passarem a ser industriais de torrefacões de café, algures nesses tempos, senhores analfabetos, bufos da Guarda Fiscal e dos Carabineiros. Concluindo, Cuba devido á sua dimensão territorial com pequenos produtores de café quiseram também como resgate de guerra, o mármore das campas, jazigos, máquinas modernas de clinicas medicas entre muitas outras, diversificadas.

guerra17.jpg À margem de todo o aspecto legal, os de cá – Do M´Puto & Cuba, que sem nada produziem quiseram e assim o conseguiram por obra e graça de manobras e manigâncias governamentais, do ouro dos cafeeiros, das máquinas com técnologia de ponta - do suor dos chamados colonos… Poderes para massacrar, espezinhado consciências e desvios por leis trabalhadas em adultério e incesto ao anterior Ministério do Ultramar danificando as mentes dos povos africanos: negros, mestiços, albinos brancos e.quem por lá vivia naquelas terra - a sua terra.

A história, sempre transpirará a verdade dos factos. Não se pode enganar toda a gente durante todo o tempo! É tempo de reavivar o 25 de Novembro, ressarcir as verdades aos portugueses e a angolanos porque, naquele então da Luua, a poeira fétida esvoaçava nos bairros da Luua enquanto a diplomacia corria em segredo entre esquerdoidos. E, por lá ficavam casas habitáveis e com recheio, carros, camiões entre a tralha dos jardins, cinemas, lojas, armazéns, restaurantes; edifícios intactos como se uma epidemia tivesse ceifado nossas vidas.

fuga9.jpg Num era, não era,  assim como sair-se a caçar brancos, negros umbundos, fubeiros, taxistas, vendeiros das lojas, camionistas e um ou outro alvo mais planeado, atingindo este ou aquele personagem de quem não se gostava, de quem se teria raiva, de quem era necessário abater porque visava qualquer acto em curso; enfim, estorvos!

De repente os brancos e assimilados, gente de sapato com coiro engraxado, matutos, mazombos, mulatos ou alguns negros esclarecidos, estorvavam. Viaturas prontas a andar foram deixadas aos milhares por aqui e ali ao acaso, famílias inteiras aventurando-se em uma odisseia de centenas ou milhares de quilómetros, correndo riscos, andando à sorte fintando por vezes, cadáveres amontoados nas bermas das estradas ou picadas. Com cheiro de virar tripas afastava-se o labor da memória - fazendas abandonadas, gado perdido e gente andando para sul, para leste, para um rumo desconhecido…

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 17:05
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quarta-feira, 8 de Novembro de 2023
VIAGENS . 101

NAS FRINCHAS DO TEMPO 

 "DOS TEMPOS DE DIPANDA“ - Crónica 3512 – 06.11.2023

 “Tropas cubanas para Angola, já!” - “Missão Xirikwata”  Às margens do Cubango

- Escritos boligrafados da minha mochila – Aleatoriamente após 1975 e, ou entre os anos de 1999 a 2018

Por: T´Chingange (Otchingandji) – Em Lagoa do M´Puto

cuba01.jpg N´Zambi a tu bane n´guzu mu kukaiela”, Deus dá-nos força para seguir… Cidade de MALANGE- Cem mortos, é assim que o Furriel de Transmissões Agostinho Pinto, colocado em Malange encabeça a descrição de seus dias ali passados:  “No dia 28 de Maio de 75, estando em escuta via rádio com  os   meus   homens,   o malanjino Abílio Araújo mais o Luís Nabais Moreno, acontece  pelas 16h30 horas ouvirem-se as primeiras morteiradas. Pode ver-se por cima dos telhados, Malanje começar a arder…

Aconteceu no trajeto curto para o quartel naquele dia, sermos revistados por guerrilheiros do MPLA, armados de kalashnikov, crianças – algo insólito! Naquele   cenário   de   guerra desregada e louca,  tudo poderia acontecer.  Senti-me o militar mais inútel, tão diminuído e  baralhado nesta confusa ficção. Tudo acabou por se resolver com uns maços de tabaco e alguns angolares. Em nossos postos, só conseguimos sair da escuta por volta das dezanove horas.

Malambas3.jpg Porque o  recolher   obrigatório   estava instalado, já não  fui para   o   meu quarto alugado da cidade, aonde vivia; ali já não havia, condições de segurança. Do batalhão (BART 6323), desloquei-me à CCS. Pela primeira e única vez passámos fome; na   messe   de   sargentos   só   havia bolachas e chá, pois o comércio estava   fechado,   a   farinha   tinha esgotado, não havia pão e os trabalhadores do comércio e serviços, dada a situação de guerra civil, poucos  arriscavam sair de casa.

Era mais que evidente  não estarem reunidas as mínimas condições de segurança para o povo e por precaução evidente, o recolher obrigatório era para respeitar. No dia seguinte já se contabilizavam para cima de 100 mortos e desalojados sem fim. Estávamos na messe dos sargentos em pleno recolher obrigatório e, de repente, vejo um jovem africano, que não   teria   mais   de   15/16   anos,   a correr, desrespeitando o recolher obrigatório para ir para a sua casa, no bairro da Catepa, quando ouço uma   voz   da   FNLA   a   perguntar: "quem   vem   lá?". 

máscaras3.jpg Suponho que era a voz do mercenário “Passarão”, assim era conhecido o terror rambo da FNLA, que andava à civil   e,   de   metralhadora   kalashnikov, de boina e cabelo comprido. O miúdo respondeu "é camarada", o que foi a resposta errada, no sítio errado, à hora errada… O termo camarada era sentença   de   morte,   cheirava   a   MPLA. Ouve-se uma rajada e o rapaz caiu de imediato, assassinado a sangue frio.

E, nós, militares, impotentes! Podem calcular a revolta que todos sentimos, mas não havia ordem para actuarmos descontentando-nos no vexame de cobardes; o mínimo   que   fizemos   por   aquele adolescente foi chamar a ambulância para levantar o corpo  que jazia inerte. Essa imagem, que tenho gravada na minha memória, vai acompanhar-me até ao resto dos meus dias.

guerra11.jpg A partir dessa noite, a nossa primeira tarefa do dia – minha, do Abílio,   Araújo   e   do   Luís   Nabais Moreno   –   era ir todos   os   dias   às sete   da   manhã   à   morgue   ver quantos brancos e conhecidos tinham morrido na noite anterior. Um   ritual   macabro,   eu   sei,   mas era mesmo assim. A cidade estava totalmente desventrada dos bombardeamentos.   A   12   de   junho   de   1975,   parti   na   coluna   militar para Luanda, tendo regressado a Lisboa no dia 24 Junho de 1975” (fim de citação).

Entretanto, seu chefe supremo, o Coronel de aviário, Otelo Saraiva de Carvalho, chefe do COPCOM e influenciador do PREC, estava em Cuba preparando o discurso  do grande dia de Cuba a 26 de Julho, data do assalto ao Quartel de Moncada, com o tradicional comício presidido por Fidel Castro. Otelo, falou, para 600 mil pessoas, segundo números oficiais, numa fala  de 20 minutos. Mais tarde fez questão de assinalar: ”Destaquei a importância da liberdade de escolha do povo e da sua capacidade de intervenção política”. O discurso foi transcrito, na íntegra, no Gramma, jornal oficial do PC cubano, ao lado de Fidel, que durou uma hora e vinte minutos.

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 18:00
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sábado, 28 de Outubro de 2023
VIAGENS . 98

NAS FRINCHAS DO TEMPO – NO REINO XHOBA - (HOODIA)

"DOS TEMPOS DE DIPANDA“ - Crónica 3509 – 28.10.2023

-Às margens do Cubango - “Missão Xirikwata” - “Tropas cubanas para Angola, já!”-  Nossas vidas têm muitos kitukus…

- Escritos boligrafados da minha mochila – Aleatoriamente após 1975 e, ou entre os anos de 1999 a 2018

Por: T´Chingange (Otchingandji) – Em Lagoa do M´Puto

an1.jpeg Luanda - empresas e, até algo inédito, saído de gente que era publicamente notória como Deodoro Troufa Real, o arquitecto das rotundas (ainda vivo) assumindo posições Ad Hoc na Câmara Municipal de Luanda, toma foros de  revolucionário proporcionando uma nova direcção de gestão no município; genéricamente, via-se por toda a Luanda muitas outras técnicas modenas de marketing com profissionais incitando ou anuindo-se à desobediência.

Usando modos nada comuns até então, expulsando homens de bem de forma irregular e, muitos edecéteras que sempre se relembram no tempo  entre arrepios em nosso cerebelo…  Só a 5 Junho de 1975, se  operou uma primeira definição legal do estatuto de retornado, para determinar quem podia obter o apoio do Estado Português. Em primeiro lugar, devia ser cidadão português, segundo os requisitos da nova lei de nacionalidade de Junho de 1975.

ÁFRICA13.jpgComo em outros países, Portugal, ainda na charneira de se ter tornado um estado póscolonial, teve de redefinir os contornos do acesso à sua nacionalidade no contexto pós imperial ou colonial. Para ser reconhecido como retornado, devia-se também ter residido numa ex-colónia portuguesa, estar numa situação de carência e, por fim, ter chegado à antiga metrópole depois do dia 1 de setembro de 1974 .

Esta primeira definição foi complementada por uma resolução do 21 de outubro de 1975 estipulando absurdos que não se concretizaram. O M´Puto, era uma bagunça de governo tendo um chefe militar de nome Otelo Saraiva de Carvalho que se deslocou propositadamente  a Cuba pedindo a Fidel de Castro a intervenção de militares dessa Ilha na ajuda ao MPLA. O estratego do 25 de Abril, na altura comandante do COPCON e governador militar de Lisboa empenhou-se na visita, cuja concretização, foi aprovada pelo  Conselho de Revolução.

mocanda36.jpg A  ajuda de Cuba  veio a acontecer  mesmo antes do 11 de Novembro, por uma via revolucionária a que chamaram de PREC – Processo de Revolução em Curso que felizmente teve seu fim no 25 de Novembro de 75!  Otelo Saraiva de Carvalho regressou de Cuba, mais entusiasmado com o sonho do Poder Popular. Otelo não escondia que Fidel Castro e Che Guevara eram dois dos seus ídolos, confessando que admirava muito a experiência da revolução cubana. A postura da Nação através do CR-Conselho de Revolução não o foi por isso, inocente.  

Tendo apenas Raul Castro como testemunha, Fidel e Otelo dicidiram no sentido de Cuba enviar soldados em força para Angola, para mediar o conflito entre MPLA, UNITA e FNLA (uma falácia genuina, pois que só o MPLA veio a ser favorecido). Otelo aconselhou a Fidel preparar as tropas. No regresso a Lisboa, contou a conversa ao Presidente da República, o Marechal Costa Gomes (o rolha) pedindo-lhe que desse uma resposta urgente àquele líder cubano.

guerra9.jpg A resposta foi afirmativa na premissa de urgente. E, a hipocrisia deu nisto: Que se saiba, a resposta portuguesa nunca chegou a Havana. Costa Gomes afirmou que não se lembrava de nada. A revista VISÂO revelava em primeira mão os pormenores de uma conversa que se manteve secreta durante 20 anos: aquela em que o dirigente cubano anunciou a Otelo Saraiva de Carvalho, em Julho de 1975, o envio de tropas para Angola.

Segundo Luís Marinho da Revista VISÃO, a 19 de Outubro de 1975, um ou dois dias depois da Festa Nacional de Cuba (já não se recorda com exactidão do dia), Otelo foi convidado para um almoço privado com Fidel Castro e seu irmão, Raul. Num restaurante perto da estância turística de Varadero, chamado Los Canaviales, os três homens tiveram uma conversa que se manteria secreta. O assunto era Angola. A menos de cinco meses da data prevista para a independência da ex-colónia portuguesa, ganhava força o conflito militar entre MPLA, FNLA e UNITA, sem que Portugal conseguisse um mínimo de controlo. Otelo revela esse episódio, que influenciou no rumo do conflito angolano.

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 20:56
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 22 de Outubro de 2023
VIAGENS . 96

NAS FRINCHAS DO TEMPO – NO REINO XHOBA - (HOODIA)

"DOS TEMPOS DE DIPANDA“ - Crónica 3507 – 22.10.2023

-Às margens do Cubango - “Missão Xirikwata” - Nossas vidas têm muitos kitukus…

- Escritos boligrafados da minha mochila – Aleatoriamente após 1975 e, ou entre os anos de 1999 a 2018

Por: T´Chingange (Otchingandji) – Em Lagoa do M´Puto

araujo85.jpg Em Luanda e no ano de 1975, uns nove meses antes do 11 de Novembro, as leis e ordens saiam já apodrecidas do Comando Militar; passeavam  mortos pelas ruas como contestação ao ritmo de salto zulu, as fábricas iam fechando, os taxistas eram mortos de forma barbara; o ambiente era de se cortar à faca-catana escaldante na insegurança generalizada no presente do indicativo, tornando o gerúndio numa incerta loucura de futuro imprevisível

Naqueles dias, o amanhã transtornava a sociedade numa ginasticada ideia de sem se saber como iria ser - a fuga. Os locais mais concorridos eram o Aeroporto de Belas e o Porto de Luanda. Destino: Um qualquer sitio - seja aonde for! Naquele tempo surgiram do nada, muitos rambos com fitas de cunhetes a tiracolo passeando desaforo e medo na companhia daqueles, alguns magalas esqueroidos, oficiais alferes, praças das NT e, salvo-seja "nossos irmãos" que diziam com frequência: Vocês colonos, vão-se foder!

RETORNAR13.jpgE, foi… Aconteceu! A cidade suja, pegajosa e desnorteada, cheirava a cansaço, a suor, a medo e coisas mortas esfrangalhadas pelos cães vadios. Naqueles dias de catinga ouvia-se noite fora os martelos encerrando vidas, encafifando pertences e recordações. Também se ouviam rajadas lá para cima, mais ao lado e na outra banda das barrocas do Miramar. Da ilha de Luanda podia ouvir-se rebentamentos, colunas de fumos lá num suposto lugar do Sambizanga ou Bairro Operário…

Também do Bungo, do Caputo, do Cazenga, da Terra Nova. Não! Não havia naquela terra de N´Gola, mais lugar para os Tugas e assimilados a estes! Não venham agora com tretas e esquecimentos! Se antes era perigoso ser preto, agora era muito perigoso ser-se branco… Não! O passado vale pelos seus actos, pelas atitudes! Não me vou agora enganar no posfácio da vida, dispor-me a calar, engolir inverdades à força.

poluição.jpg Bom! Eis que surgiu então um filho da puta com o nome de Rosa Coutinho que de raiva vermelha fez o que quis! Ele e seus pares do MFA pintaram e bordaram, gozaram à tripa forra com Spínola, fizeram dele um chinelo, um merdas muito cheio de prosápia armado em rambo, oficial de pingalim, monóculo e luvas reluzentes com um chapéu de banga, assim enfeitado de pedante de carnaval com um símbolo doirado.  Um Mobutu Sese Seko do M´Puto…

O Consul americano em Luanda por via de desacatos, tiros e rixas, um pouco por todo o lado da Luua disse nesse então: “…os acontecimentos ilustram bem como não gerir uma crise”. Pois então! “As autoridades militares, inacreditavelmente foram simplesmente inaptas para lidar com a situação”. Pois claro! A merda foi calculada, premeditada e facilitada!

retornar1.jpg Como podíamos nós encarar esta situação e dar rumo a falsidades… Como ficávamos nós acantonados sem resguardo no Prenda, no Kazenga, no Palanca, na Calemba, na Cuca, na Maianga, no bairro Mota ou no bairro Popular, como? E querem que me cale! Nem morto… já em fins de 1974, inícios de 1975, os desacatos sociais na forma de guerrilha, aproveitavam o baixar de braços e armas das forças armadas portuguesas. As Forças Irregulares dos movimentos tendo o MPLA à proa do terror, situadas na Luua capital, e um pouco por toda a Angola, alastraram até às cidades e vilas como N´Dalatando (Salazar), Huambo (Nova Lisboa), Lobito, Benguela e Lubango (Sá da Bandeira).

retornar12.jpg Os acontecimentos procediam ao mais leve desaire, ao mínimo pretexto e na maior parte das vezes porque se pretendia que assim o fosse. Negativamente e de forma exponencial o MPLA e a FNLA aliciavam as populações a fazer alastrar a subversão a todos os centros urbanos fazendo correr boatos complicando a vida de normalidade. Havia boatos, muxoxos e muitos corpos na morgue trazidos das cidades e fazendas do Norte. Eu T´Chingas, convivi com isto pois morava bem perto da Morgue do Hospital Maria Pia bem ao lado da Maianga…

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 12:50
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quinta-feira, 19 de Outubro de 2023
VIAGENS . 95

NAS FRINCHAS DO TEMPO – NO REINO XHOBA - (HOODIA)

"DOS TEMPOS DE DIPANDA“ - Crónica 3506 – 19.10.2023

-Às margens do Cubango - “Missão Xirikwata” - Nossas vidas têm muitos kitukus…

- Escritos boligrafados da minha mochila – Aleatoriamente após 1975 e, ou entre os anos de 1999 a 2018

Por: T´Chingange (Otchingandji) – Em Lagoa do M´Puto

fuga11.jpg Ali no Mukwé, apanhando a brisa do rio Cubango ou Okavango, à sombra de uma marula, aleatoriamente, eu, T´Chingas, João Miranda ou Oliveira,  retrocediamos as imagens de nossas vidas em Angola, trinta, quarenta ou cinquenta anos lá para trás. Recordavamos o que tantos equeciam ou faziam por esquecer com laivos de raiva misturada aqui e álem em falripos de covardia generalizada.

Covardia generalizada  perante  a postura oficial musculada  do MFA através de NT – “Nossas Tropas” do M´Puto, estacionadas em Angola para dar segurança a todos. Tropas que tiveram como primeira missão desarmar os civis ditos “colonos”, gente de segunda e terceira geração que tinham a Mutamba da Luua como sua Capital, que nem conheciam a Lisboa da Metropole.

fuga1.jpg Em câmara lenta conseguíamos fazer ver o ínfimo pormenor nos filmes que corriam em nossas mentes. E, a vida surgia-nos num truque do espaço-tempo imaginário, calculado nas respostas silênciosas às estórias que nos pareciam agora saídas de ficção de um filme tétrico e tráico, Falas somando eventos com mentiras bidimensionais, manobras de diversão tridimensionais; falas que em seu tempo muito mal nos fizeram neste universo observável!

Em Março de 1975, oito meses antes do dia 11 de Novembro, data marcada para a independência, as autoridades coloniais de Lisboa, criam os organismos, o IARN e o QGA – Quadro Geral de Adidos cuja missão era proceder à “integração na vida nacional” no M´Puto, dos retornados que viessem das antigas colónias, através da implementação de um conjunto de medidas, em colaboração com organismos estatais e privados.

fuga8.jpg Assim, oito meses antes do 11 de Novembro de 1975, haveria que juntar pecúlios num caixote para levar a um qualquer sítio longe dali; não se sabia bem ao certo para onde ir e, como ir! Durante dias e durante noites, só se ouvia por toda a Luanda o barulho do martelo batendo o prego, a broca furando taipais do baú-caixão para guardar futuras saudades.

A foto do cachorro, do louro, da vizinha e das outras, lembrando o Mussulo, a Barra do Kwanza, a Ilha ou as Mabubas ou as lagoas do Lifune e Panguila. Foram tempos de se fazer caixotes, uma empreitada, percurso da tumba via kalunga ou pelos ares, bufando desesperos na ponte LuuaLix de quem ninguém poderia evitar pela força dum medo desenhado por balas tracejantes ferindo o escuro da noite.

fuga3.jpg Balas tracejantes que nem fogo de artificio furando cerebelos, fumos e sons, e nuvens de fumo ora pretos, ora brancos, cheiro de morte saindo dos bairros populares ao redor da Luua, dos Musseques Sambizanga, Rangel, Caputo, Catambor, Caznga, Morro da Cal, Bungo, da Corimba da Luua, entre outros…   Num tempo em que ninguém media consequências, a moralidade em Angola e na Cidade de Luanda, Cidade Alta, Palácio do Governador ou do Alto Comissário, era uma batata apodrecida.

Nesse então, no M´Puto, o deputado socialista de Faro, Eurico Correia, alertava assim: Com a vinda dessa gente, “Aumentará o número de escorraçados de Angola, para não dizer retornados, e estes homens vão criar problemas gravíssimos, tensões enormes, no nosso país (M´Puto). São homens sem habitação, são homens sem trabalho, são homens com ódio no coração, homens que vêm com as suas famílias procurar uma nova vida, que já perderam lá”…

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 16:22
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quarta-feira, 26 de Fevereiro de 2020
BOOKTIQUE DO LIVRO . XXXII
Agora que estou de range rede, sabe! Pitu, ciriguela na goela - é ela, é ela…25.02.2020
15.II – GINGA – Rainha de Angola de Manuel Ricardo Miranda1ª de 2 Partes

soba15.jpg T´Chingange - No Carnaval do Nordeste brasileiro

Últimos 3 Livros em cima da mesa da cabeceira, o criado mudo.

12 - O PADRE CÍCERO - Olímpica editora de Juazeiro - Amália Xavier de Oliveira...
13 –HUGO CHAVES – O colapso da Venezuela – de Leonardo Coutinho
14.II – GRANDE SERTÃO: VEREDAS – de João Guimarães Rosa

n´zinga.jpg Pitu, ciriguela na muela - é ela, é ela! E, era em cantoria que o povo da CAPOTA DA KUKIA cantava repetidamente. Já tinha passado na avenida da Pajuçara o Galo e o Pinto da madrugada – agora era a Capota da Madrugada a recordar um lugar muito antigo recordando a festa da massemba, uma umbigada de um carnaval que o tempo fez mudar. Era um lugar ainda por conhecer chamado de Cabassa. Aonde? Angola pois então!

E, foi no ano de 1589, exactamente oito anos depois do nascimento da Rainha N´Zinga e seis depois do nascimento de sua irmã Cambu. E, foi nesse ano de 1581que Filipe II de Espanha foi reconhecido pelas Cortes de Tomar como o primeiro de Portugal. N´Gola Kiluanji é Rei dos M´Bundos no território de N´Dongo e Matamba. Pois é aqui que nasce N´Zinga M´Bandi N´Gola, filha desse Kiluanji.

PAPAL4.jpg Já esquecidos de tudo isto por via desta singularidade entrapada nas falas e distância temporal, todos pulam ou dão dois para a esquerda e dois para a direita arrebitando o mataco tal como é de lei a recordar os orixás na senda umbanda com urubanda do mundos perdidos e, para lá do iemanjá - kalungas dos tempos perdidos. Pitu, ciriguela na muela - é ela é ela! A bateria composta de mais que muitos tambores, repica sem freios num agora feito antes.

Há um ano atrás, 1588, a armada de Filipe, o espanhol, é derrotado com sua armada invencível e, com ela toda a Marinha Portuguesa numa perda total. Foram-se assim as kalungas deixando Portugal nas lonas nessa distância de já quase com 432 anos. Uma crise de Valhamo-nos Nossa Senhora da Ajuda! A multidão concentrava-se junto à onganda, cubata grande real a redor do grande embondeiro cobrindo parte do recinto, como se fosse um imenso chapéu.

kissan6.jpg Junto ao tronco, que teria um diâmetro de muitos metros, destacavam-se grosas raízes que mergulhavam no solo assemelhando-se a colunas de uma autêntica catedral. Tinha sido montada um estrado, sobre o qual se erguia um imponente cadeirão de madeira dourada, forrada com ricos panos de seda carmesim. De ambos os lados, estavam colocados na vertical dois enormes dentes de elefante. O chão estava atapetado com peles de leopardo. Era noite.

carn1.jpg Notavam-se já sinais de impaciência nos presentes, ansiosos pelo início da cerimónia para o qual tinham sido convidados. Naquele então isto era representado agora em um carro alegórico alto como aquele imbondeiro e, os negros eram retintamente pretos parecendo pintura. Em dado momento ouviram-se os sons peculiares de marimbas e tambores, e um pequeno cortejo rompeu pela multidão em direcção ao palanque.

À frente, vários guardas armados, alguns munidos de archotes fumegantes abriam caminho, logo seguidos de N´Gola Kiluanji, rei dos ambundos. Em passos lentos e ritmados o rei avançava rodeado pelos seus macotas curandeiros e quimbandas, dirigindo-se para o seu trono. Kiluanji estava coberto com um manto, inteiramente bordado com contas de vidros coloridos, brilhando à luz dos archotes em miríades de cintilantes prateados.

carn2.jpg Uma pele de naja enrolada à cintura e vários colares de dentes de leão adornavam-lhe o peito. Finalmente, uma bengala de ouro maciço conferia-lhe a dignidade da sua autoridade. Um pouco trás do rei e deitada numa liteira, uma criança era transportada por escravos num estado que faria supor adormecida. A seu lado, como que protegendo-a, destacava-se uma figura bizarra. Parecia ser muito velha e magra. As peles pendiam-lhe em pregas sobre os ossos, porém movia-se com agilidade, braços e pernas rijas e finas.

Vestia somente um reduzido saiote de pano e usava o cabelo em canudos empastados de barro colorido. Vários sacos com amuletos e pequenas cabaças a tiracolo completavam a indumentária. Chegados ao local, Kiluanji sentou-se no cadeirão, e a seus pés, rodeados pelos familiares mais próximos, depositaram a criança totalmente nua sobre uma manta. Kiluanji interrogava-se sobre os resultados do cerimonial.

carn3.jpg Já não era a primeira vez que a intervenção dos espíritos se fazia sentir sobre sua filha primogénita. Com várias mulheres e muitos filhos, Kiluanji nutria pela filha uma especial afecção. Apesar da sua pouca idade, oito ou nove anos, N´Zinga tinha já um porte altivo de princesa, pouco dada às tropelias dos garotos. Era ágil, decidida e destemida. 432 anos depois, revivíamos uma estória nunca contada. Hoje em dia, eu, T´Chingange, nem me queixo de nenhuma coisa para não tirar sombras dos buracos que relembro. E, dessa, mesmas sombras, o que tenho é só medo de cagufa! Já que minha vida não deixa benfeitorias vamos gozar o carnaval, dizia-me a mim mesmo…

(Continua…)
O Soba T´Chingange


PUBLICADO POR kimbolagoa às 00:34
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Segunda-feira, 27 de Agosto de 2018
MOKANDA DO SOBA . CXLIV

ANGOLA DA LUUA XLIV - TEMPOS PARA ESQUECER27.08.2018

“A guerra, que matou e estropiou tantos, alimentou um punhado de pessoas, que se tornaram insultuosamente ricas e prepotentes” – Nós e os mwangolés…

Por

soba 01.jpgT´Chingange - No M´Puto

Estávamos em fins de Julho do ano de mil novecentos e setenta e cinco. Costa Gomes - o Presidente Rolha da República do M´Puto (Portugal), nunca se comprometeu quanto ao concordar com Otelo Saraiva de Carvalho no envio de e, em força (uma intensidade Salazarenta) dos expedicionários cubanos para Angola. Garcia Marques do Alto Comando Caribenho refere isto mais tarde. A estória dum novo país a chamar-se de Angola, vai sendo desvendada aos poucos como coisa envergonhada e muito cheia de traições, tractos falaciosos e sucessivas enganações aos chamados colonos.

mdp01.jpg Agustin Quintana da 10ª Direcção e mais cinco oficiais cubanos chefiados por Argwelles, fazendo escala em Lisboa, chegavam a Luanda a 3 de Agosto de 1975. Estando já em Luanda com a família como desalojado e inscrito no Quadro Geral de Adidos, foi mais ou menos nesta proximidade de datas que me inscrevi na 13ª viajem da ponte “LuuaLix” por meio de uma Guia de Marcha a fim de embarcar para Lisboa. Nesta altura, ainda tinha esperanças fortes de voltar à Luua quando tudo ali acalmasse mas, ao invés disto fui cadastrado e crismado como Retornado assim que desci do avião no Aeroporto da portela em Lisboa. De branco de segunda fui promovido a Retornado. Haja Deus!

:::::

Dizia eu que estava em Luanda como deslocado de guerra e colocado no Palácio do Governo como Adido auxiliando como “destacado” nas tarefas de “repatriação” de cidadãos perseguidos pelos Movimentos ditos de Libertação com a principal envolvência do MPLA muito carregado de ódio e, que fomentado ou não, provocava escaramuças em todo o território, com maior incidência na capital - Luanda. Os desalojamentos em áreas suburbanas da Luua eram em catadupa incidindo sobre comerciantes fubeiros, taxistas, administrativos e genericamente todo aquele que tinham a tez de pela mais clara – brancos! Gente condenada a serem tratados como “OS TINHAS”, um palavreado que nem o gerúndio da língua pátria comportava …

melo3.jpg Como “destacado” no palácio da Cidade Alta e com um Cartão de Identidade assinado por Leonel Cardoso, tinha permissão de me deslocar após o recolher obrigatório. Meu normal itinerário hera feito entra a Rua José Maria Antunes junto ao Rio Seco da Maianga com o número 22 e o Palácio do Governo com um Alto-Comissário a gerir a “Bagunça de Angola” que mais tarde apelidei de “Tundamunjila” – Thundá mun n´jila – vai prá tua terra, branco T´Chindere, seguido de “kwata-kwata” ou agarra, agarra que é branco.

:::::

Minha tarefa era essa, a de telefonar para o endereço certo a avisar que tal Fulano tinha embarque marcado na PONTE LUUALIX para tal dia e a tal hora; para que se preparasse e de modo próprio ou através de transporte fornecido pelo Alto-Comissário. Era uma viagem sem volta, só ida mesmo! Tudo era apontado para que a logística de meios proporcionassem sua saída. Eram normalmente Administradores de Concelho, Directores de serviços estatais, Chefes de posto Administrativo, jornalistas e ou individualidades refugiadas em pensões, hotéis, suas próprias casas ou em casa de familiares e amigos. Tudo gente hostilizada pelos Movimentos, assim fosse o MPLA, a UNITA ou a FNLA.  

demo1.jpg Havia outros cidadãos perseguidos e, por razões diversas. A bagunça instalada mais fazia lembrar uma escaramuça de formigas “kissonde” que anarquicamente e aleatoriamente procediam de forma desconexa; sem regras de protecção ou outras a adivinhar com agentes da PIDE misturados com os membros traidores da FUA (um pseudo movimento branco), colaboradores da Defesa Civil, Guardas de Fronteira e Reservas Estatais, Polícias brancos ou Fiscais de Caça. Os ódios raspavam um rancor desmedido e sem controlo.

:::::

Costa Gomes aceitou a demissão de Silva Cardoso nomeando interinamente Alto-Comissário Ferreira de Macedo, o homem que Rosa Coutinho e a CCPA queriam para este cargo. Este General e mais outro chamado de Carlos Fabião e um outro major de nome Canto e Castro iriam a Luanda estudar a situação. Nesta altura, as notícias eram desconexas e o tempo comia as palavras de ordem ventilando-as em desordens. Ninguém entendia o que se passava e quando sabia já aquilo que parecia ser tinha alterado para coisa-outra. Não havia como gerir este estado de coisas pois o descomando era verificado naquele agora.

spi3.jpg Esta barafunda mais parecia ser propositada para confundir o medo que crescia em todos e, a cada dia, a cada hora, a cada minuto! Coisa diabólica difícil de se conceber. O maior herói de Angola e para a visão do MPLA deverá ser este traidor à pátria Lusa do M´Puto. A história de Portugal, para ser justa, terá de dar o título de traidor-maior a este Almirante Vermelho. Foi ele o feitor principal da página mais negra na história de Portugal, coisa nunca vista e com sequente lavagem em purificação pelos seus apaniguados do m´Puto.

:::::

Uma cambada da pior espécie que ainda hoje a quarenta e três anos de distância mantêm estatutos de gente VIP. E, não surge ninguém de peso a clarificar esta história de merda – de tugi, como se diz em kimbundo da Luua. Mais tarde veio a saber-se que assim era! Rosa Coutinho era o cérebro diabólico que tudo urdia, tudo subvertia para vingar sua tenaz heroicidade invertida em traidor de primeiríssima filiação, ele traía seus colegas de armas, seus patrícios para favorecer o Movimento MPLA.

CHAIMITE1.jpg Havia que atemorizar os brancos a fim de fazê-los fugir para aonde quer que fosse; o problema era de que não havia uma voz de comando fiável! Os governantes ali postos - em Angola, Generais de Aviário e gentes do PREC afecta ao PCP português, tinham em mente fazer sair os brancos de Angola. Costa Gomes deu plenos poderes a Rosa Coutinho que junto com Carlos Fabião e o major Canto e Castro para ir a Luanda estudar a situação.

:::::

Preparavam tudo para que a intervenção do exército expedicionário de Cuba não tivesse qualquer impedimento com a sub-reptícia desculpa e com o sufismo necessário para parecer o que não era para assim ser, porque o factor de tudo se fazer à “revelia do estado” era só uma coisa para tapear, enganar os inocentes opositores – nós, os indesejáveis colonos! Evidentemente!  

retornar9.jpg No dia 28 de Julho de 1975 a FNLA e o MPLA aceitaram a saída dos deslocados desde que a evacuação fosse feita exclusivamente pelo Exército Português. Os primeiros a partir foram os cerca de duzentos militares da UNITA, funcionários do chamado Governo de Transição e familiares dos mesmos. No dia 31 de Julho havia uma coluna de 300 viaturas com cerca de meio milhar de refugiados em Nova Lisboa (actual Huambo).

rev2.jpg Aqui não havia água ao domicílio e os cinco médicos temiam um surto de peste na cidade, devido aos inúmeros corpos mortos espalhados um pouco por todo o lado. O material e armamento do ELNA (exército da FNLA) decorrentes das rendições de Malange, seriam entregues pelas NT (Nossas Tropas) ao MPLA. A cidade de Malange foi abandonada por toda a população branca e preta que morava no asfalto. A 7 de Agosto de 1975, as mais de duzentas viaturas fizeram seu regresso a Luanda com todo o pessoal do Batalhão das NF ( Nossas Forças)…

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 17:22
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sábado, 19 de Março de 2016
MUXIMA . LVIII

ONGWEVA  -  DIA DO PAIA EDUCAÇÃO QUE O MEU PAI ME DEU

Ongweva em Angola é saudade

Por

maga1.jpgLuis Magalhães

O meu Pai dentro daquela sua maneira muito própria de ser, dizia que somos todos iguais mas que havia horas e alturas em que tínhamos que ser mais iguais do que os outros. Isto veio a propósito de uma altura em que andei á pancada na escola Primária e como a minha Mãe, galinha que era veio logo acudir ao menino, o meu Pai resolveu o assunto ao dizer-me: Se me voltas a chegar a casa com queixinhas, tornas a levar mais outras tantas. Homem que se preze resolve os assuntos na Hora e no local.!!....... E eu assim fiz !.....

PAI1.jpg Eu já aqui contei que a minha primeira paixão Angolana foi na escola Primária por uma menina negra que se chamava Graciete.Andei com ela desde a primeira classe até á quarta classe e ambos na mesma carteira. Isto num tempo ( 1962/65) em que os ânimos andavam exacerbados e como tal os miúdos aplicavam na rua o que ouviam em casa.Até aqui tudo normal, só que em minha casa a minha Mãe dizia que somos todos iguais e tanto assim era que uma vez levei a Graciete a minha casa e não demorou muito a minha Mãe vestiu-lhe um dos vestidos da minha irmã mais velha e mais umas sandálias e no final olhou para ela e chamou-lhe; Princesa!

PAI2.jpg Naquele tempo a minha Mãe punha-me sempre na pasta dois pães,um com manteiga e outro com queijo. Ora num belo dia estava eu no intervalo e ía começar a comer o meu pão quando a Graciete se vira para mim e pergunta: Luis,o que é isso? Eu respondi: É um pão com queijo. E pergunta-me ela: Pão com queijo é bom? Eu olhei para ela e dei-lhe o meu pão e ela na troca deu-me o dela que era doce de goiaba que eu nunca tinha comido e perante isto dei-lhe um beijo,arrebatador porque eu bem no fundo gostava da Graciete.Até aqui tudo normal não fosse o Margarinas me ter visto dar o beijo e como tal começou a chacota porque foi dizer a toda a gente que eu tinha dado um beijo na preta mandinga.

PAI3.png O Margarinas tinha esta alcunha porque mamava duma só vez três pães com manteiga e era um menino gordo a que hoje se dá o nome pomposo de obeso.Ora estávamos na aula e o Margarinas passou a aula toda a chamar-me besugo e Cafuso,e Preto da Guiné,talvez a pensar que como tinha mais fisico do que eu o podia fazer, mas ele não sabia o que estava a desenterrar. No final da aula viemos para o recreio e o Margarinas continuou corrosivo e de tal maneira que eu furioso disse: Ouve lá ó Margarinas, tu és pior do que o Quissonde!

PAI4.jpg Eu disse isto mas já em guarda e pronto para fugir, só que escorreguei e caí e o Margarinas ao ver tal atirou-se para cima de mim com aquelas banhas de tal maneira que eu fiquei por debaixo dele sem me poder mexer e sempre com ele a dar-me murros. Eu estrebuchei,esperneei e nada de me safar até que já aflito dei-lhe uma dentada de tal modo nas mamas que ele guinchou e largou-me.

PAI6.jpg Perante isto fiquei de castigo na aula de joelhos na carteira a olhar para o Margarinas todo choroso, que tinha uma mama com o desenho das minha dentolas para minha alegria e o olhar de reprovação da inocente da minha professora porque me castigou sem querer saber a verdade.Quando cheguei a casa com as beiças todas rebentadas e a minha Mãe ( sempre ela) me perguntou o que tinha acontecido eu respondi que tinha caído.?!

Luis Magalhães in Kizomba com Historias da vida

As escolhas de T´Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 14:05
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Terça-feira, 16 de Fevereiro de 2016
MUXIMA . LVI

ANGOLA . OS DUROS DA ESTRADA - Os camionistas – Com alguns enxertos do livro " O Tempo e a Memória "

Por

t´chingange 0.jpgT´Chingange

camionista 2.jpg Muito do progresso de Angola e, particularmente a cidade de Malange, se deve ao labor corajoso e duro de uma determinada classe de profissionais: os camionistas! A vida daqueles homens foi uma saga, arrostando com situações de extrema adversidade, como o mau estado dos caminhos durante o tempo das chuvas, o pó do tempo seco que se entranhava em tudo o que fosse orifício, ou as imprevistas avarias acontecidas em locais desertos e longe de tudo, que só lhes deixava ao acaso e à sorte a hipótese de alguém os poder socorrer.

canmionista 1.jpg Se não houvesse alguma sanzala ou povoação nas redondezas de onde pudesse vir auxílio, corriam o risco de ter que permanecer longo tempo à espera até passar outro veículo que os livrasse dos enterranços ou das avarias, situações que os camionistas tinham que enfrentar nas picadas de uma Angola em construção. Esta situação só melhorou a partir da década de 1960, quando aconteceu construírem as principais vias de ligação asfaltadas. No interior, o mato como se dizia, as ligações entre os povoados mais pequenos e distantes continuavam a ser caminhos toscos, picadas estreitas de terra batida, dura e poeirenta no cacimbo, mole e enlameada no tempo das chuvas.

angola2.jpg Quase sempre esquecidos, teremos agora, com mais de quarenta anos de independência de lhes fazer justiça, pois era nas cargas de seus camiões que se vivenciava a seiva do progresso daquele imenso território. Eles eram o elo de ligação entre aquelas longínquas terras. Existia já o Caminho-de-Ferro no troço Luanda e Malanje mas era através daqueles que se sabiam as últimas novidades lá, aonde o ferrocarril não chegava. Os jornais levados por estes, mesmo atrasados, eram um luxo para as gentes e locais inóspitos sempre ávidos de notícias.

antu5.jpg Eram estes e os Rádios Clubes que os ligavam ao mundo; bastantes vezes serviam de correio, levando encomendas variadas ou mesmo cartas para aqueles habitantes isolados, os comerciantes e gentes das fazendas. Esse trabalho incansável e persistente, era uma luta aonde todos os obstáculos tinham que ser ultrapassados, dia após dia, fizesse sol ou chovesse a cântaros; sem horários, sua labuta fazia-os permanecer longas temporadas fora de suas famílias. Uma tarefa que jamais deve ser esquecida para que os vindouros reconheçam neles os verdadeiros pioneiros de uma Angola civilizada.

retornar1.jpg Em 1954 e, tendo eu nove anos, tive oportunidade de viajar com um camionista amigo de meu pai quando e como trabalhador de Brigada dos Caminhos de Ferro de Luanda, construíam a ponte sobre o rio Lucala. Não mais poderei esquecer os mais de mil quilómetros percorridos e recordo as passagens por N’Dalatando, Lucala, Camabatela, Uíge e depois e, já regressando Mabubas, Kifangondo e por fim Luanda.

massau5.jpgRecordo-me de no acampamento aonde dormi com meu pai, ter ouvido hienas a chorar e urros distantes de leões; relembro os bidons ao redor do acampamento contendo tochas de fogo pela noite para afugentar as feras. Cada qual à sua maneira, contribuiu para a Angola que hoje existe! O reconhecimento formal não se fez por quem de direito e, creio nunca tal se verificar porque os mwangolés são ingratos nas interpretações que fazem daqueles tempos ditos coloniais, mesmo tendo lá deixado tudo! Estarei aqui para recordar, até um dia!…

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 00:05
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quinta-feira, 30 de Julho de 2015
MONANGAMBA . XXXIII

ANGOLA DAS CINZASLEMBRANÇAS RETROACTIVAS - O escuro das nossas vidas era mesmo só a noite, sem cores repentinas…4

Por

t´chingange 0.jpgT´CHINGANGE

lucala1.jpgNo repouso sagrado das almas, relembro que nós, eu e ele, o Zeca Kafundanga não tinhamos ausências superlativas porque ainda desconhecíamos os métodos de tristeza que a saudade ainda nos iria trazer. O escuro das nossas vidas era mesmo só a noite sem cores repentinas, nem mesmo eram nuvens, só mesmo a brincadeira que fazia o nosso todo no completo com carrinhos de fingir feito com verguinha, restos de obras, rodas com eixos sem semieixos e complicados chassis, tracção às quatro e guarda-lamas; uma verguinha fazia de rodas com larguras de carreiro e, uma outra mais comprida o guiador com espigão a engatar no travessão das rodas, tudo em ferro robusto para durar e com o motor de vruum-vruum saindo do jeito se DKV, se Mercedes, se Fiat, se Chevrolet ou Dodge, volantes de banga e uma pequena mudança de fingir com manete redonda de madeira, berloque de uma velha cama. Os sons de nossos automotores eram mesmo de uma só categoria, bons e duradouros.

lucala2.jpg Difícil mesmo era fingir o ruido do guincho e correntes quando enterrávamos. De tudo fazíamos brincadeira e, o tempo, nem se dava conta de passar. Entre malta multicolor tudo era galhofa. Sara Chaves, uma cantora nossa vizinha na rua paralela à nossa gargarejava sua voz bonita, eram agudos e graves mais trinados e nós achando graça cantarolávamos também cantigas de só à toa com inventos vocais de merengues e cantigas do chá das seis do Restauração do tal de Luis Montês, empresário de artistas e eventos da Luua.

lucala0.jpgPor volta de 1957 ou 1958, meu pai Manuel Cabeças, foi para o Lucala em trabalho; estavam a construir uma nova ponte sobre o rio Lucala às ordens do Engenheiro Paiva Neto da Brigada dos caminhos de Ferro do Norte; refiro o nome deste engenheiro porque mais tarde também veio a ser o meu chefe na mesma Brigada da Divisão de Estudos e Construção. Sucede então que Kafundanga já com os seus dezassete ou dezoito anos foi levado por meu pai para trabalhar como cozinheiro; ele tinha a seu cargo fazer a comida para aquela gente que viviam em barracos em forma de acampamento circular, telha de zinco.

lucala3.jpg Havia nele chinguiços ao redor com arame farpado a impedir invasões de bichos, predadores; havia também umas latas a fazer de archotes que ardiam iluminando de noite o recinto e também com o objectivo de afugentar felinos que por ali se vinham esfregar no óleo derramado. Fiquei nesse então a saber que as ditas bestas, hienas, mabecos e até leões, faziam isto para se livrarem de carrapatos que a eles se agarravam. Soube disto em uma visita que fiz quando de férias, viajando em magirus, uma aventura e tantos por essas picadas de terra, atasca aqui, desvia acolá e, assim durante dois dias pude rever as aventuras de Kafundanga em sua nova actividade; eu, o patrão-menino ali estava recolhendo as farpas das estórias que virão a seguir nos retroactivos de estórias desse então.

lucala4.jpg Eram tempos em que nós nos entretínhamos com tudo sem espantos arrepiados ou prefácios elaborados. Mas desta feita fiquei a saber que meu pai ficou umas três horas encavalitado numa nhiwa, uma árvore parecida ao longe com o embondeiro e, porque em um certo dia que se afastou do acampamento para recolher um certo cacto próprio para fazer um certo chá, ele se viu acossado por um solitário, uma pacaça ferida e isolada da manada e, que investiu sobre ele! Ficou por ali em cima gesticulando com sua catana até que um companheiro dando por falta do Cabeças, desferiu um tiro de zagalote bem no crânio do corpulento animal. Foi carne desta peça de caça que eu comi e, ainda me lembro do seu forte sabor a ervas.

Monangamba - trabalhador sem especificação, faz-de-tudo (por vezes pejorativo).

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 21:32
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quarta-feira, 24 de Junho de 2015
MISSOSSO . XVII

SUKUAMA! - Era um desencantador de serpentes! Um pouco triste mas fazia bem o que fazia…

Sucuama!: -Exclamação de espanto; suspirou; danou-se; ena pá!; admirou-se…

Por

soba0.jpg T´Chingange

suku0.jpg Romanof, ainda em vida e sendo empregado, quase-quase capataz do seu padrinho José do Telhado, de tanto ouvir este, contaminou-se como contador de estórias dos tempos de quando ainda era sargento, mas também de como mais tarde roubava as casas dos outros. Atordoado por tanta ideia acumulada, até eu que descrevo isto, experimento um estranho sentimento de me encontrar nesse lugar esquecido do Xissa da mata, lugar aonde o mundo passou por ali, sim senhor, mas muito arrependido foi-se embora. Romanof depois de fechar a venda-tasca-boteco, misto de botequim com venda de peixe seco, propriedade de seu padrinho, já quase noite, senta-se à sombra da mulembeira falando de coisas dele e alheias, com seus kambas.

suku01.jpg O tempo foi fazendo dele um exímio contador de inventações, estórias com ladainhas intrincadas com verdades e mentiras tudo-tudo misturado e, que no tempo, iam-se marinando em puras e verdadeiras. Ninguém do Kimbo do Xissa e arredores o dispensava em suas festas de alambamento ou casamento de papel passado! Ele era o supra-sumo do catravêz e ajudante dum padre que ali ia de vez em quando e quando solicitado exibir seu chapéu de três bicos, batina preta e colarinho branco e esticado. Ele só era conhecido por padre candimba mas, tinha nome de gente, parece que de Tomaz. Ele, padre, só ficava por ali mais tempo quando o Administrador mandava preparar um calulu com biala ou cacusso do rio Lucala ou uma muamba de capota.

suku02.jpg Nesses tempos de caprandando o paludismo e a tsé-tsé faziam muitas baixas na população e Romanof não só fazia de sacristão como ainda ajudava a entreter o pessoal, fosse em um funeral de óbito ou outro de outra natureza por defuntação consumada ou ainda casamento de como mandam as leis dos t´chinderes do M´Puto. Em sua gestão de capataz de loja de seu padrinho Zé do telhado, ele vendia panos estampados dos monhês, sandálias de couro, panelas de barro, sangas de purificar água, peixe-seco, farinha de mandioca e uma bolunga feita de milho com o nome de ximbombo a que mais tarde se chamou de quimbombo.

suku1.jpgNum grande armazém coberto, meio a telha meio a capim, juntava barricas de mel, de borracha e cestos de ráfia mateba com flor de algodão. Desconsegui saber de como ele tinha tempo para acudir a tanta coisa; certo que sua mulher Michelle Congolesa lhe dava uma ajuda; mais tarde os candengues dele também mas, seu coração andava sempre tumultuado para fazer ruido, organizar eventos. Um dia apareceu um homem muito moreno com um dragão, trazido por um monhé vindo dos matos, com um cesto arredondado e umas cobras orelhudas. Era um desencantador de serpentes! Um pouco triste mas fazia bem o que fazia!

suku4.jpgAs surucucus n´dele pareciam mortas mas, nas ondulações de sua flauta elas levantavam a cabeça rodopiando-se com movimentos estrábicos afinfados na flauta. Logo no início Romanof com seu linguajar esbracejado perguntou ao homem da pinta vermelha na testa de onde vinha ele. Ele, apontou primeiro para cima e depois já na horizontal apontou o sol poente. Todos ficavam de longe a ver o homem tocar, com medo e superstição! Ele era um homem espacial! Tal como veio assim se foi, num dia de cacimbo sem conseguir converter ninguém ao seu hinduísmo. Gente estranha que surge do nada como o salalé. O Xissa sempre foi assim muito cheio de misteriosas figuras, e mistérios desconseguidos. Nem sei se ficarei por aqui por mais uns tempos…

suku2.jpgMISSOSSO: Conto de raiz popular que em Angola teve seu criador e percursor o escritor Óscar Ribas. Neles, há diálogos com espíritos, calungas ou kiandas e animais que falam e, até fazem pouco dos mortais; superstições e crendices que fazem parte da cultura dos N´Golas.

O Soba T´Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 18:00
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Terça-feira, 9 de Junho de 2015
MISSOSSO . XVI

MALAMGE - O Secúlo Romanof guardava a morte no sovaco; a catinga já lhe cheirava a cadáver.

Por

soba0.jpg T´Chingange

preto2.jpg Romanof andava muito cúmplice de sua velha cadeira, herança em kibaba de seu antigo padrinho e patrão de nome Zé do Telhado. Sempre se queixava rezingão dos tempos e num desenrasca se vivia na sua maneira! Carecia de ocupação saudável e, sempre fingia despedida de quando um de nós, seus ávilos lhe dizíamos que mano toma cuidado! Tu vais morrer sentado nessa cadeira, levas uma vida só de sentado, sesismudo e isso não é bom para o teu sangue! Ele fazia sua cara enrugada, mastigava as palavras, tirava seus sapatos empurrando-os para debaixo da mesa refilafustando:

preto3.jpg - Porcaria de coração! E, batia no peito como se castigando seu órgão nobre; por causa dele tinha de ficar ali todo o tempo se castigando nas lembranças de antigamente que só lhe dava sossego mesmo falando dos cansaços dos outros! Só isso lhe dava os contentamentos, falar dos alheios! Todos lhe diziam coisas que ele não gostava porque seu malembe-malembe lhes fazia confusão só à-toa. Romanof tinha este nome que de alcunha ficou mesmo seu nome; seu padrinho Zé do telhado lhe baptizou assim e com muito orgulho já com os seus setenta anos, engordava suas falas nos tristes silêncios lembrando sua mulher Xituca que se lhe morreu faz um ano, assim só sem mais nem menos! – Ela não tinha nada que morrer assim só num repentemente e sem avisar! … dizia ele muitas vezes.

preto0.jpg À noite lhe ouvíamos cantar suas lengalengas, ralhaduras com seu filho, um descendente muito feito de preguiça e que por ali passava só mesmo para lhe pedir cumbu! E, ele que num tinha, fazer sofrer assim seu pai que não tinha mais presente! Verdade, Romanof só tinha mesmo passado, e dizia: - Eu era, eu tinha, eu fazia e acontecia e, sempre seu padrinho estava presente que até nós nem duvidávamos! Ele mostrava as medalhas de seu padrinho-patrão que ele lhe legou; e, ali estavam penduradas por cima de sua própria estória, na entrada de seu mukifo de taipa, de barro com chinguiços e bosta de boi.

besanga3.jpg Ele tinha politicas razões para falar dele, do Zé do Telhado, um homem nas direitas da vida, um mwata mesmo! não havia outro branco de mais categoria, um gweta que a estória escondeu na cortina da vida! Afirmava ele com orgulho de muito aprumo. – Devia ter uma estátua aqui em Malange! Falava assim como que barafustando com os novos mwangolés que não tinham respeito na nação! - Esta terra vem lá detrás, e eles, num repentemente matam as almas, não têm de direito fazer isto! E, assim se ficava olhando no vento do tempo, cheirando os espíritos que corriam na fé de Cristo e, nos dias de que ninguém que pode mesmo tossir, ninguém que nada; no seu pé, Zé do Telhado era um branco bom, tinha adquirido direitos de respeito!

preto5.jpg Com tudo isto fazer dele Zé uma pedra, nós não tínhamos como falar no catravêz porque morto ele, podia não gostar? - Cala-te, não quero mais ouvir nada. Por soma de grandes cansaços nós os amigos, deixamos de lhe falar nos poucochinhos. Entartarugamos nossas falas num sono, na intenção de só apenas ficar na tristeza dele. Romanof defuntou-se um ano depois! A seu pedido, sua campa ficou ali por perto da campa do Zé do Telhado, seu patrão, seu padrinho e um bom branco. Ambos ficaram nos murmúrios das águas escuras, num sono derramado em conversas de apurados silêncios.

MISSOSSO: Conto de raiz popular que em Angola teve seu criador e percursor o escritor Óscar Ribas. Neles, há diálogos com espíritos, calungas ou kiandas e animais que falam, riem e até fazem pouco dos mortais, superstições e crendices que fazem parte da cultura dos N´Golas.

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 16:12
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Fevereiro 2024
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

12
14
15
17

19
20
22
24

25
26
27
28
29


MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
blogs SAPO
subscrever feeds
Em destaque no SAPO Blogs
pub