Terça-feira, 15 de Janeiro de 2019
MU UKULU – XII

MU UKULU...Luanda do Antigamente15.01.2019
Luanda era Angola e o centro do mundo era a Mutamba! Háka…
Por

soba0.jpegT´Chingange – No M´Puto

luis0.jpg Luís Martins Soares – No Brasil 
África e particularmente Angola, tem de escrever a sua própria narrativa, precisa de se pensar ancorando-se em dados credíveis e coerentes, fazer uma triagem do que está mais aquém ou além do real, excluindo os característicos inchaços de quem está no mando, de quem coloca as virgulas no texto alterando o contexto. É sabido que África cresceu num cenário de crise global, que Angola passou por uma história de permanentes sobressaltos na fase de Colónia, ou Província Ultramarina do M´Puto mas, seu crescimento foi visível nesse entretanto - cresceu!
:::::
É sabido que da turbulência Colonial, das rusgas com cipaios, do agarra preto, das filas de gente descalça e, em fila, levados à força ao trabalho gerido pelas administrações, administradores e chefes de posto ficaram marcas dolorosas; dos contractos para as roças de café ou algodão e, que após a guerra dos cipaios, veio a guerra das matas com G3 e kalashnikoves com Luanda sempre em crescimento. Da psico ou psicossocial, da guerra do kwata-kwata até à das matas e das catanas, veio a libertação com monacaxitos, bazucas, canhões com e sem recuo e o tundamunjila - t´chindere. 

mux1.jpg  Em todo este trajecto com muitas mortes, muitas armas poderosas, Loanda, Luanda ou a Luua, foi a charneira de tudo e de todo o comando, de todas as tragédias, convulsões e, de todas as sequelas para nela sobreviver. E, porque cada um tem sua própria visão, que muitas vezes até é ficcionada, para se chegar ao miolo substancial de cada lugar, musseque, bairro de cada cidade ou qualquer kimbo, teremos de somar ou subtrair narrativas defensoras de interesses que lhe são adjacentes, justapostos adjectivados nas fantasias empoladas que por vezes, muitas vezes, são alheios à fidelidade dos factos. 
:::::
Queiramos ou não, foi em Luanda que mais se sentiram as mudanças; também é verdade que esse crescimento não foi nem é, ainda, qualitativo. Luanda, não é só mutamba! Não se tem gerado empregos suficientes, os níveis de pobreza continuam elevados e a dependência das matérias-primas contínua em alta. No Mu Ukulu, Luís Martins Soares descreve Luanda como a sentiu, como a viveu, sem aumentar ou diminuir as lentes de sua objectiva.

luanda4.jpg Falando dos usos e costumes da sua, nossa Luanda, Luís Soares diz assim: - ainda me recordo da mulher negra luandense sentada na esteira de loandos ou de mateba, no banquinho feito de galhos de mulembeira junto à porta, catando piolhos da cabeça do candengue ou mesmo de adulto. Estendendo a vista pelos arredores via as aduelas de barril num arranjo de quase átoa a definir seu quintal, intercalando esta foto de grande angular, gente com falas em kimbundo, passam-se horas e horas na cavaqueira, dizendo nada, mesmo!
:::::
Junto, as roliças crianças de peito luzidio brincam nos loandos com carros feitos de coco, com latas de sardinha de rodas de caricas de cerveja cuca ou casca de múkua ou mesmo de pau-binga trazido por seu pai da lagoa do Lifune aonde pesca cacussos. O loando é assim um tapete de junco de caule macio de espessura de mais ou menos de dois centímetros entrelaçados, que eram depois ligados uns aos outros com fio de matebeira ou de sisal trazido lá da fábrica da Cotonangue.

maful1.jpg  Esse mesmo de amarrar a farinha de bombó, fuba ou do saco de batatas doces trazidas de Belas. Pois! Era assim uma arte feita tapete espalmado num rectângulo de um metro e meio de comprimento por oitenta centímetros de largura. Háka, era mesmo um acessório sempre presente nas nossas reuniões de quintal logo a seguir ao jantar, botando conversa fora com os vizinhos, mujimbos que corriam na boca de muita gente.
:::::
Enquanto isso com falas esdrúxulas de sundiameno, sacana mesmo ou topariobé e muitos muxoxos intercalados de asneiras com comentários de roubos e falcatruas, que até entrava o árbitro comprado lá no futebol do M´Puto. Com nomes variados de filho-da-caixa e muitos edecéteras chamando de bois aos quadrúpedes e cabrões; os candengues de chinelas de dedo enfiadas no pé e descalços até ao pescoço, ranhosas e com o umbigo saído das barrigas inchadas, esgaravatavam no pó a fazer vrrruuummm para desenterrar.

luua11.jpg O mais velho cozinheiro do senhor Ildefonso, só ali quietinho no seu canto, ouvia na sua serena idade dando longas chupadas no seu matope. Ele, mais-velho, só biscatava as falas com um cachimbo feito de nó de tamarindo e, ria de vez em quando, baforando pró ar sua sapiente sabedoria de século. O kota misterioso que não contava as coisas direito, para não ser chamado nas razões do patrão gordo saído dum lugar chamado de Porca Da Murça. 

massau5.jpg Ele não podia falar assim átoa do patrão que tanto de guloso só comia mesmo lagosta suada ou garoupa das pedras … dizia com frequência depois de nada dizer: - Vou dizer mais o quê? Luanda, aiué… Com a certeza de que a verdade se irá impor por si, ainda que por algum tempo impere o discurso fantasioso, o que queremos por ora e aqui na Luua, é esquecer os aspectos das guerras…
(Continua…)
O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 21:07
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quinta-feira, 10 de Janeiro de 2019
BOOKTIQUE DO LIVRO . VI

- Meu Deus, tinhamos um país! E, aqueles tipos destruíram tudo…

 Arqueies tipos! - Vocês!  - 10.01.2019

Por

soba0.jpeg T´Chingange – Em Lagoa do M´Puto

agualusa1.jpg54 - O pessimismo é um luxo dos povos felizes. Quem o diz é um kamba nascido no Huambo chamado de José Eduardo Agualusa em Dezembro do ano de 1960, bem perto da Caála, lugar aonde morei por algum tempo, trabalhando às ordens do presidente do Município chamado de Casimiro Gouveia com a alcunha de caluviaviri. Aqui, refiro Agualusa porque faz parte da minha lista do BOOKTIQUE. Até cheguei a ter uma xitaca com nemas junto à pedra do Alemão mas, deixa para lá, a guerra do tundamunjila a levou……

55 - Irei escalpelizar seus escritos pela razão de tal como eu, andar por aí escrevendo crónicas e livros que muito me fazem borbulhar o cerebelo do lado bombordo. Enquanto eu ando com um imbondeiro às costas, ele sempre se faz acompanhar de cadernos com linhas, um micro-ondas Ipad e uma catrefada de canetas de várias cores. Só que tem uma grande diferença, ele ganha bom kumbú e eu nem cheta… Acho que sempre leva um casal de osgas de estimação e olhos oblongos e enviesados, com quem cavaqueia longos tempos. É delas que recebe inspiração, pode isto ser?

agualusa2.jpg 56 - E, é sobre um antigo Coronel do Ministério da Segurança de Estado de Angola que tudo se desenvolve. Já morto, fugindo às armadilhas da guerra com um amor de hiena, percorre agora seu tormento das memórias vendendo armas aos sublevados do Morro da Barriga do Rio. Quer à viva força levar a descolonização ao Brasil mergulhando a fundo nos incêndios dos morros cariocas. Foi ali, no lugar aonde os candengues brincam com kalashnikoves AK-47, numa sacada a ver-se o Rio estendido até o Cristo Rei, que o ouvi dizer: -A guerra enche os bolsos a muita gente. Bom! Isso não parece ser novidade para ninguém…

57 - Nesta análise, tenho a ajudar-me um jornalista de nome Euclides muito hábil a complicar as respostas que sendo fáceis as engravida só para se vingar das peripécias vividas em África e muito especialmente naqueles tempos perturbadores da guerra do kwata-kwata, do foge branco t´chindere, senão estripo-te. O raro disto é a de que também foi polícia do Estado, um supranumerário de confiança. Bom! Tudo isto acontece inspirado na saga dos fujões pretos, escravos dum qualquer coronel que num golpe de audácia fogem para os quilombos dos Palmares. Até poço sentir o bafo dos cães de fila soprando e babando ranho por aquelas matas procurando os gentios entre as coroas-de-frade e picos kilométricos.

zumbi6.jpg 58 - Francisco Palmares o coronel angolano, o morto-vivo, recordando a fúria de Zumbi, quer tomar o rio dando lugar de destaque aos negros; diz que Zumbi voltou para tomar o Rio. Nós angolanos, somos optimistas – os pessimistas já se suicidaram todos! É Euclides que assim fala sem se recordar do nome desse homem que assim falou lá para trás no tempo; acontece ser assim quando se encontra em dificuldades.

59 - Euclides fala com o Coronel como se fossem amigos de há muito tempo, e eram mesmo: - Vi-te na feira, escondido atrás de uma barraca, disseram-me que morreste e agora!? As coisas mudaram muito desde que tu morreste! O que vocês fizeram não tem perdão, diz Euclides. Eu sei; eu sei! Diz Palmares ao seu assombrado amigo. Aquilo escapou ao nosso controle, foi longe demais…

ANGOLA10.jpg 60 - Ficam muito tempo em silêncio. Finalmente o Coronel fala: - Tu estavas na delegação provincial. Tenho a certeza. Numa de falas tu e, agora eu, Euclides, o jornalista repentinasse: Como conseguiste escapar? - Escapar!? Eu não escapei. Tu viste que não,… estiveste no meu enterro!… De sobrancelhas carregadas e pigarreando, foi dizendo.- O Cunha deu-me um milongo que me deixou a dormir, acho até que morri, mesmo! Depois organizou aquele fantástico funeral, enterrou-me e, logo a seguir, desenterrou-me.

61 - Passei a polícia de Fronteira em Namacunde com o meu próprio passaporte dois dias depois de enterrado e, ninguém deu por nada. Incompetentes! Os teus colegas, graças a Deus! São todos incompetentes, repetiu… Ficamos aqui a saber que Euclides também tinha sido da polícia porque logologo o Coronel afirma com trejeitos de gozo: Tinha a certeza que me seguirias até aqui - Um polícia nunca o deixa de ser… polícia!

coroa de frade.jpg 62  - O medo veio até mim sabes, diz Euclides o ex-polícia e agora jornalista. Os camaradas fraccionistas faziam a sua autocritica, pediam perdão ao povo, assim publicamente e, depois eram fuzilados. Bom! Também naquela altura, sabes, as pessoas arriscavam a vida por um leitão assado. Estava farto de comer arroz de mabanga – quando penso nisso até me dá vómitos.  Como não fugir… como fez o Isomar, T´Chingange, o Vumby e tantos outros. Francisco Palmares lembra-se da Luua: - Meu Deus, tinhamos um país! E, aqueles tipos destruíram tudo… Aqueles tipos, ué! - Vocês!

63 - Vocês destruíram tudo, assim fala de dedo em riste o ex-polícia da nomenclatura. O Coronel olha-o ofendido; abana a cabeça. Esquece… Eu não tenho já nada a ver com a pátria; pátria ou morte, o escambau. Quase nada. Sou empresário, tenho negócios aqui… Negócios? Sente-se um muxoxo prolongado de Euclides. Olha, os outros compram barato aqui no Brasil, levam cuecas e cabeleiras postiças, sandálias e lençóis de cama para venderem caro na Luua. Eu, faço o contrário, compro barato em Luanda e vendo caro aqui. Sou besta!? Caramba… O que é que compras barato em Luanda para venderes caro no Brasil? Interroga o ex-polícia em voz de falsete? A coisa promete meus ávilos…

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 16:56
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quarta-feira, 9 de Janeiro de 2019
BOOKTIQUE DO LIVRO . V

Leão que ruge muito, não caça nada…… 09.01.2019

Por

soba0.jpeg T´Chingange – Em Lagoa do M´Puto

44 - O sol erguia-se escaldante sobre o mato, os bichos felinos ficavam às sombras das bissapas abanando as orelhas para enxotar moscas e revirando-as para manter seu radar a captar os movimentos da savana, das bordas dos muxitos e da lagoa. Assim e por detrás do capim, o mesmo sol do M´Puto, aqui parece envolto em brancas teias de nevoeiro, como se aranhas fossem, percorrendo bocejos de cacimbo como gotículas que se despendem das pontas acerosas.

malawi3.jpg 45 - Com colares massai de contas azuis e bagos de feijão maluco de Angola penduradas ao pescoço, escrevo coisas loucas a condizer com o não menos chanfrado Ernest Emingway, salvo as proporções, claro! Sou um homem do mundo. Já viajei e vi muitas coisas; os anos e meses que passei noutros lugares assim como contas, conto-os enfiados em um fio de náilon a fazer de missangas.

46 - Formando frases curtas e sinceras tento rematar-me nas voltas certas para driblar de outro jeito meu passado. Sim! De outro qualquer modo ele, o passado pode reconhecer-me. Aprendo com as formigas grandes, kissondes que em andamento seguro arrastam pelo pó do chão seus ventres escuros sem discutir com Deus por assim andarem, sempre se arrastando.

malawi2.jpg 47 - Se pudesse adivinhar o futuro sem o ter de deslocar, tê-lo ia beijado, a sugar-lhe as energias, deixando para ele um montão de problemas, porque cada vez que se respira, torna-se tudo mais caro e, nossa escrita que até podia ser criativa, fica lodosa, languinhenta com taxas e taxinhas mais a água, a luz, revisão do carro  ou pagamento ao jardineiro.

48 - Com todas estas alcavalas na vida, nossa prosa fica como um deserto, esteando-se até ao horizonte sem nada acontecer; fica só uma vida de estórias com partidas e chegadas. É por isso que me regalo com as estórias alheias como estas da minha empregada de Kampala chamada Mery. Esta manhã disse-me que sua mãe mandou-lhe por correio expresse um pacote de formigas fritas, embrulhadas numas folhas de bananeira.

malawi1.jpg 49 - Acrescentou que embora a folha estivesse amassada e rasgada dá para as saborear, deliciosas enswas acompanhadas com palmito de bananeira. Minha relação com Mery foi-se tornando mais próxima quando nas nossas falas, ela me disse um dia que nós muzungus da Europa, complicamos muito e, para além do normal nossas vidas. Assim num desplante doce e sincero, achou que tudo isso é devido à nossa falta de imaginação; que dificultamos tudo, achamos por isso tudo caro.

50  - Foi-me dizendo que nós aqui no M´Puto e por toda a Europa, somos pobres de uma maneira diferente. Mas, quem és tu para falares assim dos brancos muzungus, repliquei para ela meio azedo mas e, também curioso com seu ponto de vista não de todo desajeitado. Eu sou Baampita ani! Ué - és o quê? Sou uma mulher africana, graças a Deus! Venho do Vale do Rift, lugar do Adão e Eva!

INHASSORO 096.jpg 51 - Eu já a tinha ouvido dizer que o Adão e a Eva eram africanos mas assim desta forma fiquei confuso sem saber até como replicar. Sim, acrescenta ela: O vale do Rift foi o berço do primeiro homem e da primeira mulher. Portando o Adamu e Eva pertencem-nos! Fiquei recentemente, a saber que o Great East African Rift System é uma das maiores características fisiográficas do planeta. Vou ter de me inteirar disto porque talvez ela esteja cheia de razão

52 - Em verdade este Vale do Rift é uma zona na qual as placas Somali e Núbia se estão dividindo; abrange a Etiópia, o Quénia, a Tanzânia, o lago Niassa e o rio Chyre, terminando no Zambeze. Da superfície das águas elevam-se agora nuvens de dúvidas para e, em espiral fazer transportar kiandas do kalunga, o lago Niassa.

INHASSORO 175.jpg 53 - Um mistério que vai originar escritos de sonhos com danças de boas vindas ao Malawi porque foi em Sitima de Nkhotakota que almocei na sala do capitão Steve. Lá terei de continuar esta conversa com Mery sem perturbá-la dos seus afazeres; até lhe prometi amanhã ajudá-la a aspirar com o rainbow a casa no intuito de fazer acontecer mais falas. Nem pensar patrão! Disse logo na forma peremptória. Cumcamano, ando a perder massa muscular no meu cerebelo!

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 17:55
LINK DO POST | COMENTAR | VER COMENTÁRIOS (2) | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Terça-feira, 8 de Janeiro de 2019
MALAMBAS . CCXIV

NAS FRINCHAS DO KALAHÁRI - de Várias Partes

CAPE TOWN HÀ ANO E MEIO ATRÁS – 04.08.2017 – Do baú do Karoo do Xoxolosa-Trem revi este penúltimo dia em Cidade do Cabo.

Por

soba0.jpegT´Chingange – Em Lagoa do M´Puto - 08.01.2019

cabo01.jpg O tempo corre e num talvez seja amanhã, as escritas vão sendo acumuladas no mukifo até que num dia como o de hoje resolvemos passar a limpo. Naquele ontem, dia dois de Agosto de 2017, almoçamos com o Senhor Amadeu Seca e esposa Dona Helena em sua casa rosada situada no sopé da Table Mountain. Do baú do Karoo do Xoxolosa-Trem revi este penúltimo dia em Cidade do Cabo. Eu e Ibib fomos tomar o café da manhã num restaurante da esquina: ovos, fiambre, torradas, capuchino, salsichas, uns pedaços de alface, cenoura crua, pepino e tomate; tudo bem à maneira da África do Sul.

cabo02.jpg Lara, minha neta de 16 anos, chata como a potassa, com mais uns pozinhos de pimenta, quis ficar na cama do nº 5 da Road Iatom com suas periclitãncias, curtindo seu micro-ondas, um Ipad com filmes de animação, músicas com contrabaixo e sons apocalípticos, pinturas mais fotos; até já nem lhe peço nada porque o preço da arrelia é demasiadamente alto. Só trago isto para aqui para se notar o confronto de gerações, os setenta e três anos de velhice e os dezasseis rebeldes anos da juventude, do se saber tudo ou assim pensar com edecéteras esdrúxulos, cumcamano.  

Setembro aqui, é o início da primavera, por isso as amendoeiras já apresentam amêndoas bem grandes ao invés do M´Puto que estão agora a ser tiradas da árvore a fim de serem britadas. Há portanto seis meses de diferença na floração das árvores. Os pessegueiros junto à piscina apresentam-se cheirosos com suas flores de cor rosa violeta; as ameixieiras pintalgadas de flor branca apresentam-se também com seu característico cheiro agradável.

IMG_20170831_130245.jpg Uns pássaros grandes de cor preta chamados de Íbis furam insistentemente o chão de onde extraem minhocas e parasitas infestantes deste bonito jardim da casa rosada.  Eu e Ibib fomos ao Checkers comprar umas pequenas coisas para o lanche, cervejas Windhoek lager e vinho “pinotage” para oferecer ao Senhor Amadeu Seca; isto porque ontem, por ele, foi gabado de bom que, em verdade o é, gostei.

Falando de vinhos posso relembrar que a primeira vinificação aconteceu no ano de 1659 com a supervisão pelo então Governador do Cabo - Jan van Riebeek e daí até e os dias de hoje não mais pararam este cultivo com arte; soube que posteriormente, os portugueses tiveram também influência no trato de vinhedos. Actualmente, mais de 3.200 fazendeiros cultivam uvas em mais de 99.000 hectares distribuídos por diversas regiões do país.

IMG_20170829_143520.jpg A latitude da Africa do Sul está próxima da latitude do Uruguai; o clima é bastante diferente entre as várias regiões da África do Sul mas, é esta região do Western Cape e perto da bela cidade de Cape Town que se situam a maioria de fazendas produtoras de bom vinho.

Os vinhos de Stellemboosch são uma referência. Pude ir a provas com o casal da casa rosada, tal como o já tinhamos feito no distante ano de 1999 – a volta das “winelands”. A Africa do Sul possui um tipo específico de uva, só encontrada por aqui; é exactamente esse vinho Pinotage tão badalado pelo meu cicerone. É em verdade um cruzamento da variedade Cabernet Franc e Pinot Noir para além de incríveis Malbecs, Semillions e muitas outras como o Cabernet Sauvignon, do qual mais gosto.

IMG_20170901_103019.jpg Voltando às compras, podemos escolher 6 flores de próteas, cinco de uma espécie, mais um botão grande para complementar com elegância o ramalhete com glicinas azuis compradas por cinco euros e meio, noventa randes. Em Setembro, pode sentir-se aqui as quatro estações do ano pois que, pode ir de dia dos 14 aos 27 graus; nas noites sempre baixa muito! Por vezes, no dia o céu apresenta-se coberto de nuvens, um vento muito frio e logo a seguir o dia descobre-se num azul total.

Meio-dia! Ouvi daqui e, perfeitamente, o tiro de canhão - O mesmo que todos os dias se faz ouvir por toda a cidade até ao sopé da montanha; uma tradição que a cidade, com orgulho, mantém há mais de 200 anos, do tempo dos originais holandeses. Estavam assim a terminar os dias com a graça de um dos destinos turísticos mais ricos e encantadores do mundo – Cape Town.

IMG_20170726_105208.jpg Acabei o dia de hoje dando uma gasosa em randes ao bafana arrumador de carros da Road Iaton. O homem só tem uma perna, desloca-se com a ajuda de uma muleta e agradece-nos chamando-nos de papá ou mamã com um rasgado agradecimento. Há quase vinte anos atrás não vi aqui nada disto, nem arrumadores havia – Tudo mudou e sinceramente, dá até um certo receio andar pelas ruas do centro. Há muita gente a mendigar e, ou a viver de diligências fúteis. O homem da pena de pau, talvez seja um antigo militar, um soldado aposentado moçambicano que aqui encontrou este modo de vida.

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 21:18
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sábado, 5 de Janeiro de 2019
MU UKULU . XI

MU UKULU...Luanda do Antigamente – 05.01.2019
Luanda era Angola e o centro do mundo era a Mutamba! - Em 1887 e por três anos, a Luua era iluminada por candeeiros a gás…
Por

soba15.jpg T´Chingange – No M´Puto

luis0.jpgLuís Martins Soares – No Brasil 
Em 1847, incluindo os edifícios públicos, a cidade de Luanda contava com 144 casas com primeiro andar, 275 casas térreas e 1058 cubatas feitas em taipa. Era em verdade uma cidade de degredados, uma política embrionária de desenvolvimento forçado com cerca de cinco mil habitantes; Sendo um lugar de passagem para o resto do continente africano o viajante podia usufruir de perto de cem tabernas, pelo que os viajantes a qualificavam de moralidade duvidosa.
:::::
Em 1889, o governador Brito Capelo inaugurou um aqueduto a partir da lagoa Kinaxixi que forneceu a cidade de água potável por alguns anos abrindo assim caminho para o grande crescimento de Luanda. Mais tarde e a partir de 1928, com o regime de excepção em Portugal, intensifica-se o envio para esta colónia os descontentes com o Estado Novo; Luanda passa a ser assim mais utilizada como colónia penal.

baleozão0.jpg Em 1930, Luanda tinha um pequeno cais de cabotagem com apenas 400 metros e uma profundidade de três metros. Os passageiros tinham de usar um embarcadouro flutuante. A capital estava mal servida e, em 1934 começou a ser construído um cais "em cimento armado para quatro navios ao mesmo tempo". Apesar desta ampliação, a infra-estrutura ainda não dava resposta às necessidades da economia angolana de então.

baleozão01.jpg Em 1930, no porto das Kipacas do Bungo, foram desembarcadas cerca de 50.00 toneladas de carga e, exportadas um pouco mais de 17.000, sobretudo café e sisal. Em 1932, já as medidas governamentais da Metrópole, visavam promover as exportações e travar as importações. Neste ano, o porto de Luanda recebeu um pouco mais de 37.000 toneladas de carga tendo sido exportadas cerca de 25.000. 
:::::
Dos anos de 1930 a 1950, Luanda teve um espectacular crescimento; com 60.000 habitantes em 1940, passou para 140.000 naquele ano de 1950. Em 1960 já eram 225.000 passando para o dobro em 1968 sendo já notória a percentagem de brancos. Foi pouco depois de 1950 que começaram a circular pela cidade uns homens vestidos de branco conduzindo à mão uns carros e gritando: Há baleizão!

baleozão1.jpg Era da cervejaria e sorveteria do Baleizão situado perto da Fábrica de Sabão e bem perto da antiga calçada dos enforcados que dava acesso à cidade alta e ao Palácio do Governador, de onde saiam estes monangambas vendendo sorvetes, gelados de sabores variados e cores atractivas metidos em cones de bolacha crocante. Estas figuras eram bem características daquela cidade de então conhecidas no Brasil como camelós.

baleozão00.jpg Era nesta sorveteria que uma grande parte da população ia fazer uso da esplanada, beber uns finos ou os chamados canhãngulos de cerveja Cuca, Skol, Eka ou Nocal. Eram famosos seus saborosos cachorros quentes. Tomando a brisa da baia, ali se passavam horas com amigos da pândega nos finais de dia ou depois de se sair já noite duma das muitas salas de espectáculos, dos coqueiros a ver futebol ou a luta live do conhecido empresário Lobo da Costa. 

biker0.jpg Pedia-se uma cerveja e a acompanhar sem pagamento extra, serviam uns jakinzinhos fritos, tremoços, jinguba, dobradinha com jindungo ou mesmo pedaços de polvo tipo escabeche. Bom! Saia-se dali já jantado, eram horas de ir a casa tomar um banho, encontrar-se com os amigos no cine Miramar, Nacional ou Restauração e depois voltar ali ao Baleizão ou à Biker para refrescar o esqueleto.

baleozão8.jpg O Baleizão fundado pelo Sr. José Maria Aparício e seu filho Tarique, estava localizado no Largo Infante D. Henrique, local de passagem para ilha, ponto de encontro para depois da farra, ponto de partida e chegada das reuniões do clube, lugar aonde se levava a sogra, a miúda ou a mulher para experimentar uma guloseima diferente. Podia encontrar-se ali o pintor Neves e Sousa batendo papo com o radialista Sebastião Coelho ou outras figuras publicas que hoje deixam saudade na memória.

luis14.jpg Também por ali paravam fumadores inveterados, dedos e bigodes marcados pela nicotina amarela ou ruiva; e eram marcas que agora recordamos ser como o Zig-zag, o Francês, AC, Delta, Negritos, Caricocos ou Delfim. A Fábrica de Tabacos Ultramarinos – FTU prosperava pela certa, pois a maioria dos caluandas eram fumadores em grosso. Antes de avançar pela visão mais moderna da Luua terei de recordar que para lá da Luua tudo era mato, assim o dizíamos.

bessangana2.jpg Luanda era Angola e o centro do mundo era a Mutamba! Mas aqui bem perto ficava o lugar aonde antigamente se refugiavam os escravos fujões, era aí o seu primeiro refúgio. Em kimbundo refúgio é ingombota, e essa acção de ali se esconderem, pois assim ficou baptizado o local. Quando passou a ser habitado as pessoas diziam que moravam na n´gombota e os portugueses corromperam a expressão adicionando o “I” tendo ficado em Imgombotas, do jeito actual.
Nota: Alguns itens foram recolhidos na NET.
(Continua…)
O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 19:09
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 30 de Dezembro de 2018
MUXOXO . LIII

IDEIAS CUSPILHADAS . 30.12.2018

Na natureza dos dias de hoje, não é o mais inteligente que vence na vida mas sim aquele que melhor se adapta a ela…

Por

tonito 20.jpgT´Chingange - Em Coimbra do M´Puto

Hoje, penúltimo dia do ano de dois mil e dezoito, não estou disposto a ler recados de rápidas mensagens electrónicas, coisas partilhadas mil cento e onze vezes, com muitas e auspiciosas generosidades timbradas e, de sombrias flexibilidades de cor carmim. Também dos versos de rimas desastradas de colar amor com dor, vulgarizando os mata-bichos da vida e, esquecendo os outros trezentos e sessenta e três dias de presença.

Sem pretender vulgarizar o verdadeiro sentido da amizade, aqui estou escrevendo missossos, muxoxos, mujimbos ou mocandas nos trezenos e sessenta e cinco dias dos anos comuns, para arredondar abraços XXL aos verdadeiros gestores do bem-querer. Nesta afirmação, existe uma inevitável armadilha, que chamamos de cultura subordinada a um outro potencial de fingimento, pois que o real entrelaça-se com o possível dando forma à fricção, uma nova forma de ficção.

dy15.jpg Ficção repleta de justificadas deduções através das malhas linguísticas ou narrativas imaginárias; sonhos em que todos podem passar por entre os pingos da chuva. Pois! - Os poetas com seu romantismo, controlam os paradoxos em criativas imagens, monopolizam a futilidade em verdade consoante sua habilidade e, sem obedecer aos ditames da razão.

Queria falar coisas simples, entendíveis o quanto baste de chamar às rezes bois, aos porcos marranos e aos bodes cabrões mas, não é legitimo sermos indelicados com estes domésticos animais que nos dão sustento, dão carne, dão leite, dão peles, dão agasalhos e até servem de arados em terras moles. O mundo não deveria ser assim mas, uns comem outros e outros são comidos.

sanchs1.jpg Encostado à cabeceira da cama e num terceiro andar, num repentino ruido de susto, vejo a gata Yacha saltar da comoda para o parapeito da janela escancarada. Deste jeito bem que podia navegar no espaço até se esparramar lá em baixo no passeio, confirmando que a lei do Isac Newton é bem perigosa, quando não se usa a tecnologia certa de navegar no espaço.  Menos mal que a calha das persianas lhe retiveram o ímpeto, digo eu.

Assim, repenicando ternuras, posso aperceber-me de minhas avantajadas unhas a necessitar de serem cortadas, retirar-lhes o encortiçado e persistente fungo que insiste em perpetuar sua amizade com a minha pessoa. Enquanto isto a gata Yacha foge para os lados da cozinha de onde vem um cheiro de ensopado de borrego e arroz de sanchas conhecidas por míscaros, cogumelos da família dos pleurotos e tortulhos.

sanchas2.jpg Já muito cheio de raminhos de urze, de folhas de loureiro e folhas de azevinho com bagas vermelhuscas, não será conveniente dizer que no correr do tempo os amigos foram-se rareando ao ponto de por vezes dizer que sim, tenho alguns conhecidos! É que muitos daqueles outros, no correr dos anos, demonstraram fingir que sempre foram almas caridosas trejeitando sorrisos e monices como se sempre fossem glorificados em virtudes religiosas.

Nada de troças! Muitos mastigarão respostas inarticuladas de um sorriso aflito mas, para não me mentir, em tempos, tive também vontade de enriquecer mas, fui ficando com o estritamente necessário sem nunca ficar merecedor de uma comenda. Por vezes os silêncios descem-me pela cara em forma de rugas recordando antigas pandegas, daquelas de fazer chinfrim, estomago vitimado em comezainas fora de portas e de horas desavindas.

sanchas3.jpg Não será de admirar ficar assim com manchas na pele, sentir biliosas sensações de pingar desaforos às prestações, sentir o rebuliço provocado pelos espumantes e demais frisantes; levantar-me uma, duas e três vezes na noite para sempre recordar que os abusos por vezes fogem da memória. Sentado de fronte para uma magnifica tarde do 363º dia do ano, vivo o quanto a memória me atormenta, dia e noite, moendo e remoendo – fugindo dela, a memória!

jatiu3.jpg Até há bem pouco tempo, dizia o quanto tinha de vocação para terrorista. Ouvi até em tempos e, em surdina alguém dizer referindo-se a mim: -Ele conhece muitas estórias, é um inconveniente. E, porque nunca me conformei por nunca me entenderem, fico aqui de novo pensando nesta insensata atitude da gata Yacha, saltar para o parapeito da janela, correndo o perigo de só parar lá em baixo, no passeio, esborrachada. Acho que a teoria do tal de Isak Newton também é válida para gatos…

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 16:07
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sexta-feira, 28 de Dezembro de 2018
PARACUCA . XXVIII

MULOLAS DO TEMPO . 3 - 19.12.2018

Nós, bazungus rumo à Tanzânia comendo RUSK - 26 de Setembro de 2018 - Quinta-feira 

Por

Botswana 054.jpg T´Chingange No M´Puto

O dia 26 chegou igual a todos os outros, quente de dia e frio na noite! Acordei ainda noite quando o frio ainda se fazia sentir com os kwé-kwés a lançarem gritos agudos lá no topo das árvores; No Shoba Safari Lodge de Kasane, ainda não eram cinco horas e, com a claridade a despontar entre o arvoredo, assim fiquei na tenda cor-de-tropa a pensar nos anteriores dias. Revi assim a saída de Johannesburg seis dias atrás rumo a norte, lugar de imbondeiros para mais além de Pretória, lugar chamado de Limpopo.

Nosso guia-comandante das anharas africanas entrou em litígio com o meu GPS e seguindo sua “insuspeita intuição” quase andamos mais de uns quantos quilómetros na direcção de Hammanskraal; O GPS continuava a cantar, voltar-voltar! Vezes sem conta dava indicações para virar à esquerda no sentido de Rustemburgo mas desisti de insistir com o melhor condutor de África; tivemos por fim de voltar e seguindo a intuição, voltamos para a via N4, depois a R565 até o Sundown Ranch Hotel situado a escassos quilómetros de Sun City.

Botswana 214.jpg Pude ver-me a percorrer o Sun City pela quarta vez se bem me lembro, aonde revi o tremor de terra na ponte, o palácio sumptuoso por onde andei, na praia artificial, a floresta e o grande aviário com aves raras. Um lugar de cinco estrelas mesmo ao lado de Pilansberg. Poderíamos ter ficado por aqui para ver todos os Big-five mas o sonho do bazungus, era mesmo ir a Dar-és-Salam e subir até o Seringueti, lá aonde a adrenalina se sublima no medo.

Dia 22 de Setembro pulamos bem cedo da cama afim de segui o rumo do Botswana pela N 4, passar a fronteira no Skilpadshek Border Post e virar na A1 rumo ao norte, Gabarone, a capital do País. Não foi fácil atravessar Gabarone pois que seu trânsito é infernal e desorganizado. Foram quilómetros de estrada com muitas potholes (buracos) até chegar ao fim de tarde a Sahara Stones  Lodge de Mahalapye, um  bom e novo lugar com as condições requeridas para pernoitar.

Botswana 219.jpg Dia 22, saída ao romper do dia, após tomarmos nosso café com salsicha boerewors, dois ovos fritos, bacon, batata frita e café com leite tomamos o caminho de Maun. Nosso destino era seguir na A3 e em Nata, bifurcar para Kasane aonde estou agora, meditando nas periclitãncias. Também nos milhares de buracos percorridos e nossas conversas nem sempre amistosas versando sobre Angola.

De facto, pelo observado aqui, eu sempre caía no estremo de dizer o quanto os angolanos deveriam estar gratos por terem os Tugas como colonos pois que aqui verifica-se que para além do mato pouco mais há. Sempre caía naquela satírica forma de dizer: - Os angolanos estão cheios de razão, os Tugas deveriam não só ter levado para o M´Puto as suas estátuas, Diogo Cão, Maia da Fonte, Norton de Matos entre outras mas e, também os prédios, escolas, pontes, hospitais, igrejas, barragens; ter deixado Angola exactamente como a encontrou Diogo Cam, 500 anos antes do achamento.

Botswana 239.jpg Deveria sim ser assim, a fim de dar aos angolanos a liberdade e opção de puderem construir o seu país a partir do nada a seu belo gosto e prazer sem se sentirem vexados e humilhados e, por terem que se sentir obrigados a usar ou viver naquilo que os colonos lá deixaram. Às vezes ficava bravo com as contrariedades ouvidas, primeiro esperneava e depois emudecia; mas nunca baixando guarda no meu pensar devido a tanta e desproporcionada prepotência e irreverência dos mwangolés, pretos e pseudopretos. Ninguém é de ferro.

Pela tarde e muitos cheios de pó, chegamos a Nata, bifurcação de pela esquerda via Namíbia e pela direita atravessando várias reservas até chegar a Kasane às margens do rio Shoba que em Angola tem o nome de Cuando. Pernoitamos aqui, em Nata, no Pelican Lodge de Nata aonde se recolheu informação com outros aventureiros de qual o melhor caminho a seguir depois de Victória Falls.

Botswana 275.jpg Era suposto encontrarmos muitos animais no dia 23, um domingo, ao atravessarmos as reservas de Tamfupa, Sibuyu, Kazuma e Nogatsaa mas, os quilómetros foram desvanecendo a avidez e os olhos já cansados de tanta secura entre um gole e outo gole de água de garrafa, foram escorrendo conversas de profecias ainda mal entendidas. E, veio à tona aquelas profecias sobre a Inglaterra e África do Sul; aquela que diz que a Inglaterra será atingida por 7 pragas quando a 3ª Guerra Mundial estiver próxima.

Botswana 277.jpg Será!? Que a Inglaterra será totalmente aniquilada, até mesmo a sua terra irá queimar como uma invasão liderada pela Rússia que vai invadir a Europa, através da Turquia e usar armas terríveis. Nas longas horas de jornada ao longo de terra árida, chinguiços ressequidos, caímos em devaneios de profecias. A África do Sul entrará em uma guerra civil em um ano de eleições, após a morte de um líder negro, que será exibido em um caixão de classe nos Edifícios da União. Líderes mundiais virão homenagear. Será!? Chegamos assim a Kasane, tarde do dia 23, cheios de gases, corpos curvados e cheios de ideias com turbulências no cerebelo. Antes que fosse noite, fomos comer ao Pizza Coffee do indiano…

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:16
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

PARACUCA . XXIX
MULOLAS DO TEMPO . 4 - 28.12.2018
Nós, bazungus rumo à Tanzânia comendo RUSK - 26 de Setembro de 2018 - Quinta-feira
Por

Botswana 055.jpgT´Chingange – No M´Puto

Só lá pelas 10 horas do dia 26 de Setembro de 2018, 7º dia da odisseia Tanzânia - Haja paciência, é que o calor se começou a sentir mais forte. Decidiu-se que iríamos ver as terras rasas do Shoba em barco e, porque houve falhas no planeamento, tivemos de alugar um extra por 1420 Pulas; assim, um barco que normalmente leva 25 pessoas ia servir aos quatro bazungus que éramos nós! Grosseiramente os Pulas pagos, correspondiam a 1917 Rands ou 112 €; valeu a pena porque vimos muita variedade de antílopes.

:::::

Nas vistas largas das terras planas e verdes que bordeiam os canais do Rio Cuando, e no chamado Chobe National Park, vimos bem mais do que 200 elefantes e muitos antílopes como olongos, gungas, facocheros, búfalos, impalas, jacarés e vários hipopótamos entre outros e, também aves de grande porte como o peru africano, várias espécimes de patos e pássaros multicolores. Pudemos avistar no meio de uma vasta e plana ilha, no meio do nada verde, uma bandeira do Botswana em um gigantesco mastro.

Botswana 019.jpg Aquela ilha que tem o nome de Sidudu/ Kazakili Island esteve até há questão de poucos anos em disputa na definição de fronteiras pois que a Namíbia reclamava como sendo sua mas, o Tribunal Internacional deu posse definitiva ao Botswana. Aqui está a justificação de tão grande mastro naquela planura tão verde e tão cheia de animais. Podemos assim ver as margens do rio Cuando a confrontar com o parque Kasika da Namíbia e o canal Shoba no lado do Botswana.

::::
O Rio Cuando e o canal Shoba desaguam no rio Zambeze e, é ali em Kazungula que confinam quatro países: Botswana, Namíbia (ponta da faixa de Kaprivi), Zâmbia e Zimbabwé. Foi um dos momentos altos nesta odisseia das potholes; os bazungus, mais que muitos a pagar caro para ver a natureza. Há gente de todas as nacionalidades mas, maioritariamente da Comunidade Europeia. Troquei impressões com três espanhóis que amavelmente nos deram indicações sobre trajectos por conhecer. Claro que os sonhos duns não são realidades dos demais - o itinerário seria sempre o do Comandante Vissapa, rumo a Dar es Salaam.

Botswana 231.jpg Neste nosso curso de enfrentar os conhecimentos, todos os dias serão uma prova à adaptabilidade humana e pude rever-me assim em confronto com meus silêncios de viagem, subjugar-me a modificar meu carácter para subsistir à sabedoria de pendura feito quase um monangamba. Uns dias atrás um amigo meu fazia reparo àquilo que eu dizia; a de que nós sempre seremos um fruto de mudança. Bom! Com ou sem essa minha teoria de transitoriedade nós seremos sempre os mesmos, só os pensamentos mudam.

::::
Assim taciturno e com rumo ao largo Kariba, podia ver-me já, a balouçar no convés do Ferry que me levaria ao Sharara Safari e depois Lusaca. Não existe ninguém que encontrando um espinho em seu pé não o retire após as primeiras dores; se não o fizer é porque é masoquista ou anda a treinar para o Guinessbook, um clube de excêntricos. Começava aqui a ser esse excêntrico que corre atrás dos sonhos alheios na ânsia de também ficar com olharapos afros.

Botswana 247.jpg Um amigo próximo disse-me que os pés dos bóheres têm olhos. Só entendi essa fala quando observei in situ um farmeiro de kimberley a andar de sandálias de pano colorido no meio do capim repleto de aranhas, centopeias, cobras e um sem fim de outros bichos rastejantes sem contar com os muitos picos espalhados a esmo pela terra barrenta. Fazia todos os possíveis para ter um comportamento análogo àquele bóher.

:::::
Em áfrica é sempre bom recolher o máximo de informações porque nem sempre o caminho da esquerda é melhor do que o da direita; a triagem terá de ser nossa com ou sem a intuição que julgamos ter. Acabamos por no fim da tarde comermos um rump steak com salada no Pizza Plus Coffe e Curry, um restaurante de um indiano. Pagamos 620 Pulas que correspondem a quase 50 € por quatro, um preço razoável mas nitidamente mais caro do que no M´Puto. Dentro do jango do Lodge Shoba pagaríamos a dobrar! Turistas bazungus sofrem! Diria minha empregada Mery de Campala…

Botswana 254.jpg Em áfrica sempre se tem de ponderar gastos para não irmos mais além do plausível mas, há lugares que nem raspas do plausível existe! Esta missão exploradora serve para revestir-me de uma armadura contra as megalomanias daqueles que julgam possuir todas as chaves de abrir todos os becos, todas as quelhas, todas as picadas sem declarar seu próprio fisco à sua alma. É fundamental ter dólares! Sem isto, a apologia de se ir ao acaso tolhe o instinto, cega a fé, mesmo que se repita muitas vezes o valha-me Deus. As caixas electronicas funcionam mas, tem um mas... lá mais para a frente o direi.

Botswana 295.jpg Assim, com a razão chocando nas evidências, prescreve-se o responso. Pois! A fé não se impõe nem se prescreve nem nenhum santo a vai levar em conta se, se achar sempre sendo o dono da verdade. Assim pensando neste mato longínquo de tudo entre a criação de Deus, terei de relembrar que o dogma da fé cega é que faz com que haja muitos incrédulos! Um dia de cada vez digo eu. Todos os dias terão encruzilhadas bifurcações e o amanhã sempre será uma graça. Amanhã será outo dia - Restam-nos 45…

(Continua…)
Escrita do fim de tarde do dia 26 de Setembro de 2018
O Soba T´Chingange


PUBLICADO POR kimbolagoa às 14:43
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Terça-feira, 27 de Novembro de 2018
PARACUCA . XXVI

MULOLAS DO TEMPO27.11.2018

Johannesburg – A paracuca daqui é uma bolacha dura na forma de pão chamada de RUSK, torrada com açúcar e sem jinguba…

Por

soba15.jpg T´Chingange – Em Johannesburg

Em um fim de dia atípico e antes da grande viagem de 20 de Setembro para ver animais, creio ter sido numa sexta feira dia 14 - já lá vão mais de dois meses, fomos ver as Divas e os Rochers no casino Emperors Palace. Pela organização da igreja metodista, podemos ouvir artistas locais interpretando canções do Elvis Presley, Pink, Elton John, Michael Jackson, Tina Turner e Stevie Wonder, entre outros. Eram cerca de trezentas pessoas sentadas em mesas corridas ou balcões laterais – Nós estávamos em um balcão lateral.

araujo187.jpg Podia ver os comprimentos efusivos entre gente que chegava com vestimentas folgadas, até chapéus, calções à meia cana, gente de todas as cores mas maioritariamente brancos com aspecto de bóheres; gente grande e gorda que se anafavam entre outros já sentados, comendo e bebendo como se estivessem num piquenique. Eles e elas, gente cuzuda com calções avantajados e flanelas tapando as dobras dos pneus das carnes sobressalentes.

:::::

De sapatilhas e roupas muito iguais às dos demais dias, pude apreciar a forma descontraída de sem cerimónia, com riscas e bolinhas a condizer com aquela forma de angariar dinheiro por via do espectáculo que iria decorrer para custear ou auxiliar uma qualquer entidade de apoio social, ou mesmo para o próprio sustento da igreja. Neste ambiente tipicamente sul-africano, também nós íamos bebendo nossas Windhoek lager e ou água com limão.

Botswana 167.jpg Tivemos batata frita, biltong e tostas rijas que nem paracuca que depois se dissolviam nas humidades. Um grande balde com gelo, servia para nele meter todas as bebidas por forma a mantê-la frescas durante o espectáculo. Foram mais de duas horas divertidas; uma boa forma de preencher o tempo que sobrava neste então; esperávamos o dia 20 para, a partir daí darmos a volta a uma áfrica ainda por conhecer.

:::::

Saltando no tempo vejo-me debruçado sobre os funis feitos na terra pela formiga-leão, os nossos conhecidos fuca-fucas de Angola. Pois, assim debruçado no Choba Safari Lodge bem na margem do rio Choba, concertávamos ideias sobre o que fazer e ver nesta parte norte do Botswana. Os alojamentos dos principais módulos, estavam todos ocupados e restou-nos ir para as tendas.

tanzânia II 049.jpg Estas tendas até tinham chave electrónica para nelas entrar, uma coisa de cinema composta por duas camas, mesinhas de cabeceira, uma pequena mesa de centro, uma outra com espelho no topo e ainda outra para guardar malas e coisas menores. Também havia um ventilador e, foi-nos bastante útil porque o calor aqui e de noite, é para fazer de sauna. De noite o tempo arrefece a ponto de termos de nos tapar pelo frio. Na gaveta da comoda havia cinco preservativos. Sukwama! Exclamei - era isto mesmo que me fazia falta.

:::::

Tinha um avançado por cima do sobrado a fazer de varanda com mesa e cadeiras para seis pessoas mas tinhamos de ter cuidado com os babuínos e outros macacos pois que afoitamente nos vinham roubar as coisas do seu agrado. Para fazermos nossos churrascos na churrasqueira brai, tinhamos de estar com um olho na carne e outro nestes caçadores. E, como gostavam de batatas fritas! Até os javalis vinham quase às nossas mãos para comer, embora houvesse avisos no sentido de nada dar aos animais.

tanzânia II 046.jpg E, ao nosso redor surgiam facocheros, macacos babuínos, saguins, bâmbis, capotas e perdizes. Os elefantes faziam-se ouvir por perto. Os kwés-kwés, uns pássaros pretos e grandes lançavam piares agudos ainda o dia não o hera. Também os homens e mulheres e gente que se dispunha a sair cedo, começavam a falar alto e, não tinhamos como não acordar lá pelas cinco e pouco!

:::::

Assim que o sol nascia lá no horizonte o calor começava a ondular o cacimbo; podíamos apreciar isto nas luzernas entre a vegetação alta e empoeirada. Bem do outro lado das bissapas muito cheias de chinguiços podíamos ver a azáfama dos bafanas auxiliares dos carros apetrechados para a áfrica profunda. Desarmavam ferros, juntando-os de forma ordenada na parte inferior do machimbombo-safari.

Botswana 264.jpg Carros com camas, pratos e tudo o que compõe uma cozinha, frangos e carne para assar, maças da cidade do Cabo e feijões do Quénia, vários tipos de pão, café e arcas frigorificas para atulhar isto mais verduras e, do outro lado, ferros de armar suas tendas; grupos de gente que depois tomam assento lá no alto do machimbombo para ver a vida do mato passar. Ao peito dos coletes de zuarte amarelo suave de muitos bolsos, pendiam seus binóculos, suas camaras fotográficas e outos zingarelhos próprios de verdadeiros bazungus…

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 09:16
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quinta-feira, 22 de Novembro de 2018
MU UKULU . VIII

MU UKULU...Luanda do Antigamente22.11.2018
A discriminação racial era regulamentada pelo Estatuto do Indigenato de 1926, que, legalmente, separava os luandenses entre portugueses…
Por

soba15.jpg T´Chingange – Em Johannesburg

luis0.jpg Luís Martins Soares – No Brasil 
A iluminação pública de Loanda, começou por ser com azeite de jinguba no ano de 1839; seguiu-se-lhe o gás até o ano de 1897 e a petróleo até 1900 – fim do século XX; só a partir de 1938 é que a electricidade passa a ser de uso generalizado em edifícios públicos, creio que primeiro com geradores e, em 1948 através da Barragem das Mabubas construída no rio Bengo - data de sua inauguração. Foi a partir da década de 40 que se notou alterações profundas na gestão do território por parte das autoridades de Portugal.
:::::
A entrada em serviço da barragem das Mabubas mudou radicalmente o perfil das actividades económicas nas regiões de Luanda e Dembos. A Luanda nova tem início na década de 40 do século XX, tornando-se num centro de administração e de poder colonial - um processo de transferência da cultura imperial, mudança de suas teses ideológicas, económicas e até culturais.

mabumbas2.jpg Na consequência de um melhor controlo da população, surgem espaços de resistências e autonomias por parte da população local. A pesquisa sobre estes espaços urbanos constituiu como um campo próprio de estudos que, não cabe aqui desenvolver. No ano de 1937 a nova Comissão Administrativa da Câmara Municipal de Luanda composta por personalidades das várias áreas que administram a cidade, mudam a toponímia alterando nomes e recriando novos espaços.
:::::
Em 1930 as Ingombotas estão inseridas nos limites da cidade mas o Maculusso, ainda se considera musseque. Em 1940 as casas em zinco com quintais com goiabeiras mamoeiros e mangueiras, dão lugar ao moderno Bairro do Café. O Bairro Operário surge como um musseque organizado, mas fora dos limites da cidade de então. As Ingombotas, dentro do perímetro urbano, ainda era habitada por muitas famílias de origem europeia (branca) e africana.

luanda5.jpg Esta cidade de Luanda, que paulatinamente abandona sua escrita com o “o”, é um autentico laboratório em suas transformações sociais. O Maculusso ainda não urbanizado e outros musseques periféricos, apresentam ordenamento caótico de cubatas intercaladas com casas de adobe ou em tijolo cobertas na maioria com zinco. Em alguns quintais surgem a aduelas de barris que até ali serviram para armazenar o vinho chegado do M´Puto.
:::::
Pequenas hortas surgem de permeio com as casas onde se cultivam couves, alfaces e hortelã, tomateiros, goiabeiras, mangueiras e tamarindos para consumo próprio ou para se vender o excedente nas quitandas. Na região das Kipacas, junto à base da falésia, entre esta e o porto, por via de ali existir argila boa, surgem cerâmicas para fabricação de telhas e tijolos com altas chaminés.

cipaios.jpg A chegada em massa dos portugueses nos anos quarenta, por via de uma nova política da Metrópole do M´Puto, na ocupação das colónias, provoca um novo desenho demográfico na cidade com a expulsão da antiga elite crioula das zonas centrais como o Bairro das Ingombotas já mencionado. Por este motivo surge o Bairro Operário originando um cenário com tensões sociais e mesmo raciais que se avolumam no tempo.
:::::
O aumento significativo de portugueses, concorreram com a elite letrada local – crioulos, novos assimilados e os nativos nas várias actividades económicas. Sendo assim, estas alterações com a inerente separação entre uma cidade branca e uma cidade negra e periférica, originaram lados opostos. Era já latente nesta contestação uma restea de emancipação encoberta ou sob reptícia.

luis50.jpg A discriminação racial era regulamentada pelo Estatuto do Indigenato de 1926, que, legalmente separava os luandenses entre portugueses, assimilados e indígenas. Este estatuto fora criado como uma forma de organizar o trabalho dos nativos, mas também como um instrumento paramilitar. 
:::::
O estatuto de cidadão legal e civilizado, tinha sido instituído durante a República entre os anos de 1910 e 1921 retirando aos crioulos indígenas esse estatuto; uma iniciativa bem difícil de ser vencida, para um qualquer se tornar em um assimilado. A própria organização social metropolitana instalada em Luanda, criava entraves da elite letrada nativa a cargos administrativos.

luua12.jpg Havia temor de rebaixamento dos europeus em face dos nativos. É mais ou menos por estas alturas que surgem referências a documentos oficiais chamando aos brancos naturais de Angola como sendo brancos de segunda. Em verdade nunca vi isto num papel oficial mas, prefiro deixar isto no campo do provável…

Nota: Tomar em conta, ser este texto como um complemento ao livro de Mu Ukulu ressalvando situações sociais naquela Luanda de então… 
(Continua…)
O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 11:55
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sexta-feira, 16 de Novembro de 2018
MU UKULU – VII
MU UKULU...Luanda do Antigamente16.11.2018
Corria um quente e grosseiro zunzum de feira nas Portas do Mar em frete à alfândega da Luua (Loanda)
Por

soba0.jpeg T´Chingange – Em Johannesburg

luis0.jpgLuís Martins Soares – No Brasil

Os dias de feiras especiais no mercado da Quitanda e arrabaldes que se estendiam pelo largo da alfândega, eram gritados pelo burgo por pregoeiros que circundavam pelo burgo, um ordenamento caótico, cubatas intercaladas com casas de adobe ou de tijolo cobertas com zinco e quindas erguidas com aduelas de barris; pequenas hortas de permeio com couves, tomateiros, alfaces e hortelã em cercas protectoras de chinguiços e debaixo de mangueiras.

:::::

O pregoeiro com voz sonante de leiloeiro subia à cidade Alta a dar conhecimento de novas remessas chegadas do M´Puto, tais como iroses de escabeche, sardinha em sal moura, favas ou vinho generoso da Galafura, pois era por ali que se concentravam as famílias de posse e, assim percorria seu circuito de passagem pelo Observatório Meteorológico João Capelo, descendo aos Coqueiros pela calçada dos Enforcados.

Mu Ukulu14.jpg E, chegada a ocasião, já depois do Pelourinho fazia uma paragem técnica para estimular a voz com aguardente de Monchique, repetindo já de forma murcha os pregões de saldo até chegar à Quitanda das mutambas. Ali se vendiam fazendas de algodão de tecidos coloridos mais sarja ou linho de cor branca. Até os ricos ociosos que iam para ali encher o dia, metiam conversa com os caixeiros, peritos em contar anedotas vestidas com calções de brim.

:::::
Naquele lugar das mutambas, até os próprios vadios desempregados faziam cera, aparentando estar cumprindo diligências de prontidão. Já era escuro quando este laborioso cantador de saldos chegava ao Largo Bressane Leite, e por ali ficava algum tempo cheirando a acidez das frutas iluminadas pelo candeeiro de praça e, à luz de óleo de jinguba.

Mu Ukulu13.jpg Naquele outro dia apregoado, viam-se deslizar pela Quitanda imponentes e monstruosos abdómens, capitalistas decerto à procura de chouriços e presuntos seguidos por monangambas, mocambos sem alforria para levar os embrulhos; cabeças escarlates tapadas a chapéu de cortiça, gotejando suor por debaixo das orelhas, bocas com bigodes dilatados e retorcidos e, distribuindo mesuras com falas mansas às damas que cobertas de cambraia e rendados os olhavam de soslaio.

:::::
Tendo esta visão numa varanda larga e sem forro no testo do tempo, deixo ver as ripas e os caibros que sustentam as telhas, a sociedade num assim com uma bela vista sobre a Baía de são Paulo de Loanda com um aspecto mais ou menos tropical. Pitoresco e de calor húmido, como se tudo fosse um amplo quintal; longo e muito cheio de tamarindos, mamoeiros e pitangueiras. Um lugar de preguiça, diga-se; ao fundo uma máquina de costura Wilson, uma das primeiríssimas em meu uso na costura do tempo.

Mu Ukulu12.jpg Desta varanda posso ver as Portas do Mar da Luua e cheirar catinga na segunda metade do século XIX. Ficam em frente à Alfândega, uma zona com gente a correr de manhã à noite; um porto de embarque de escravos - um local histórico aonde podia acontecer toda e qualquer revolta. Quando embarcava, “o escravo não sabia para onde ia - ia para o Kalunga”. O infinito feito mar iemanjá, como se fala em Angola e Brasil. Pois! Havia ali, revoltas e suicídios.

:::::
O palácio de Dona Ana Joaquina dos Santos Silva, a negreira, chegou a ter um quintalão em frente à escadaria. Por ali passaram milhares de escravos. Eles saíam dali directamente para o embarque nas Portas do Mar, com destino à Kalunga. Os cálculos da Atlantic Slave Trade dizem que entre 1501 e 1866, aproximadamente, 5,7 milhões de escravos saíram dos portos de áfrica para as américas.

Mu Ukulu11.jpg Angola, foi uma das grandes fontes emissoras de comércio de escravos desde o século XV até o terceiro quarto do século XIX. No domingo de 13 de Maio de 1888, dia comemorativo do nascimento de D. João VI, foi assinada por sua bisneta Dona Isabel, e Rodrigo Augusto da Silva a lei que aboliu a escravatura no Brasil. Só neste então é que Porto Galinhas do Brasil deixou de receber oficialmente escravos idos de áfrica. Mas, havia fugas ao regulamentado. Ainda por alguns anos e até fins do século XIX chegavam peças humanas de contrabando.

:::::
No Brasil, os pregoeiros iam às roças anunciar que tinham chegado galinhas ao porto. Era uma forma de enganar as autoridades do reino perpetuando a venda de gente. E, é por este motivo que Porto Galinhas, um lugar de veraneio brasileiro é assim chamado. Dona Isabel sancionou a Lei Áurea, na sua terceira e última regência, estando o Imperador D. Pedro II em viagem ao exterior, às três horas da tarde do dia 13 de maio de 1888.

dia141.jpg O Brasil foi o último país independente do continente americano a abolir completamente a escravatura. O último país do mundo a abolir a escravidão foi a Mauritânia, somente a 9 de Novembro de 1981, pelo decreto n.º 81.234 - Há somente 37 anos. Seis anos depois da independência de Angola a 11 de Novembro.

:::::
Quanto valia um escravo? Não se sabe ao certo, mas diz-se que o preço era feito de acordo com os negociantes. Quem vendia? “Os comandantes militarem, negociantes negreiros como a Dona Ana, administradores, o próprio governador, que tinha tropas e a própria igreja.” Em 1846, o Brasil conseguiu o 1º orçamento super da gestão do Império. É a partir destes dados oficiais que podemos tirar alguma conclusão.

rio11.jpg Nessa época, uma saca de café era comprada por 12 mil-réis e um escravo comum era cotado a 350 mil-réis. Portanto um escravo valia em média entre vinte a trinta sacas de café. Os escravos que eram hábeis em carpintaria, fundição maquinista etc., valiam 715 mil-réis - o dobro. E, porque Loanda de então era uma cidade esclavagista, muito do negócio corria com essa dinâmica o que, levou muitos sectores da sociedade a dizer no após abolição da escravatura: “Vamos viver do quê, se não produzimos nada?”

(Continua…)
O Soba T´Chingange


PUBLICADO POR kimbolagoa às 11:33
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quarta-feira, 14 de Novembro de 2018
MU UKULU – V

MU UKULU...Luanda do Antigamente14.11.2018

O tempo dos Mafulos ou Holandeses… Os Talatonas geriam os cipaios no transporte de água das maiangas em barricas a fim de apetrechar as naus…

Por

luis0.jpg Luís Martins Soares – No Brasil

soba0.jpeg T´Chingange – Em Johannesburg

Esta companhia sediada em AmsterdãoCompanhia Holandesa das Índias Ocidentais afirma-se aqui em N´Gola com alguma dificuldade”. Por decisão do conselho de administração constituído por 19 membros, nomeiam em 1637 Johann Moritz Von Nassau-Siegen governador das possessões holandesas no nordeste brasileiro.

:::::

Este Von Nassau tinha a concessão de monopólio de comércio no Caribe e da América do Norte, para o tráfico de escravos dirigidos ao Brasil. Tudo isto para diminuir a competição espanhola e portuguesa. Tempos bem conturbados, sem uma ONU, sem UNICEF e sem Tribunal Internacional! Cada país decidia de sua livre vontade o que lhe aprouvesse! Com o objectivo de participar directamente do tráfico negreiro, Nassau, o governador de Pernambuco com sede em Olinda, decidiu em maio de 1641, enviar uma expedição para ocupar Loanda, principal porto de escravos da África Ocidental para o Brasil.

ÁFRICA1.jpg Era evidente que queriam a seguir, conquistar Benguela, São Tomé e Axim da Guiné e outros entrepostos comerciais de origem lusa, deixados um pouco ao acaso pela administração espanhola. As fortalezas e presídios de Muxima, Massangano e Cambambe, foram marcos político-militares na conquista do reino do N´Gola, e sua perpetuação, consolidando assim a civilização portuguesa; tudo à custa de muita abnegação, diga-se!

:::::

Inglaterra e Holanda pretendiam assenhorar-se do mundo retaliando os Espanhóis e logicamente Portugal com suas possessões em África, entretanto nas mãos dos Filipes I, II e III e, por sessenta anos, a partir de 1580. Foi assim e, a partir de Olinda no Brasil, que tudo foi fomentado na tomada de São Paulo da Assunção de Loanda pois que, era para ali que ia o grande fluxo de escravos idos da costa angolana para fazer andar as culturas e engenhos do assucar.

albuq1.jpg É ali, no Brasil, que tudo começa nesta relação de holandeses com a N´Gola de então. A história não pode ser relegada agora para um outro plano porque e, nesta sequência, sem a natureza, não haveria seres humanos; sem florestas e fitoplâncton, organismos aquáticos microscópicos que têm capacidade fotossintética, não haveria ar suficiente para respirar.

:::::

E, se não houvesse fungos, não haveria antibióticos; se isto não tivesse sucedido com os Tugas, a Angola de hoje seria bem diferente e muito pior do que a maior parte dos países africanos. As cidades e civilização, só existem porque temos disponíveis culturas selectivas que nos dão frutos, caules e sementes comestíveis. Portugueses e até Holandeses fazem parte deste caldo aonde ficaram raízes de alambamento ou umbigamento.

VanDun2.jpg As relações entre Portugueses e Jagas dos Dembos, Kissama, Manhanga e Matamba são parte integrante duma cultura. Uma grande novidade era o uso de sapatos feitos em couro de tiras entrelaçadas e, que mereceu atenção especial por parte dos camondongos, caluandas alforriados que assim passaram a proteger seus gretados pés. Descortinar isto, é como  abrir hoje, uma loja virtual.

:::::

E, é aqui que Balthasar Van Dun, oficial da Companhia das Índias Ocidentais Holandesas entra na chama do passado. Sabe-se que quando o almirante holandês da Companhia das Índias Ocidentais tomou Luanda, os portugueses fugiram todos para Massangano, e por ali permaneceram durante a ocupação, até à chegada do luso-brasileiro Salvador Correia de Sá e Benevides, que reconquistou a Fortaleza de S. Miguel, na baía de Luanda em 1648.

luis01.jpg Originalmente, a construção desta Fortaleza tinha para além da defesa de naus ancoradas na baía, também em vista a defesa das redes comerciais de mercadorias tais como cera, peles, dentes de marfim, pedras preciosas mas, e especialmente da venda de escravos às Américas, como posto avançado na garantia do porto de Muxima e, presídio de Massangano, que a monarquia portuguesa utilizava como local de degredo.

VanDun.jpg Alguns dos degredados que estiveram presos por algum tempo, destacaram-se mais tarde como cidadãos de carreira, uns como funcionários do reino e outros como comerciantes. A luta pela independência do Brasil saiu-lhes pelo cano com as estrias invertidas. O Van Dun Mafulo, já depois da tomada de Loanda por Benevides, ficou por ali mantendo uma função dupla, a de militar e a de negociador de escravos com os descendentes de N´Gola Kilwanje.

:::::

Quis a estória que nessa missão dupla e de também negociador com os portugueses, ficar por ali com uma prole de filhos mazombos e pardos. Os negócios sempre suplantam as políticas e, eis que eram os próprios portugueses que vendiam escravos a este inimigo holandês de origem, um súbdito de Maurício de Nassau. Pois acreditem ou não a actual ministra da Justiça de Portugal, Francisca Van Dunem desde 26 de Novembro, vem desta prole de gente.

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 10:46
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Terça-feira, 13 de Novembro de 2018
MUJIMBO CIX

CICATRIZES DO TEMPO

- Mujimbo é boato em kimbundo; diz-se por aí… 13.11.2018

kimbo 0.jpgAs escolhas do Kimbo – Por T´Chingange em Johannesburg

Esta crónica vai dedicada ao Brasil porque é de lá, a notícia. Baseada no artigo do Alerta Total – Por Carlos Henrique Abrão

O tempo não conta; a verdade é sempre actual! Serenados os ânimo, desfeitas as paixões com baixa na temperatura, o que temos de balanço eleitoral recente. Em primeiro lugar partidos, partidos ao meio, cidadania repartida, uma sociedade em crise e um mar de lama ditado pela corrupção, falta de ética e moralidade com a coisa pública.

:::::

Mas não é só; muita abstenção, votos nulos e brancos - o mais grave resultado da falta de conexão entre o eleitor e os governantes indicando ser necessária uma profunda reforma. Sim! Deverá vir e, sem tardar. Ela já começou com a nova escolha de presidente, é óbvio mediante o voto mas, deve avançar e ser feita com racionalidade e acima de tudo espírito de verdade.

brasil2.jpgA realidade foi marcante. Nunca tantos coronéis perderam voto e nunca se viu na história do Brasil a transformação da noite para o dia em candidatos que jamais disputaram eleições sendo desconhecidos dos eleitores. O que significa dizer um cansaço do modelo e a péssima realidade em se preservar a qualidade de político profissional.

:::::

As movimentações em busca do voto não são simples mas, se há nuvens carregadas e cinzentas no céu também há estrelas novas, governadores jovens e aqueles que aceitaram o desafio de bem servir à população. Municípios deficitários, estados quebrados e União centralizadora, um modelo federativo a ser reconstruído na dinâmica de um enxugamento do Estado.

bra5.jpg Ter 5 mil comunas, e 27 estados – Terá de haver um corte profundo nisto. Passar a ter 3 mil cidades e apenas 15 estados, fazendo uma fusão e uma revolução reduzindo despesas e aumentando a eficiência do Estado. O balanço demonstra que os 3 partidos responsáveis pelo caos perderam suas capacidades de se reorganizar…

:::::

Falando do PT, MDB, e PSDB, rachados, quebrados e defenestrados pelo voto, agora principalmente nesse novo amanhã, será bom reduzir-se os partidos à capacidade de 6; se disserem que é pouco, dir-se-á que não, porque os americanos há séculos se sustentam em 2 partidos vivendo com rodízio entre seus candidatos. E, que assim chegam ao cargo de presidente.

roxo123.jpg Ao financiamento de campanha nada impede que sejam feitos por particulares e empresas desde que limitados ao percentual desejável e nunca se transformar em caixa DOIS, criando uma entidade, a qual se encarregaria de fiscalizar as transferências e apurar crimes. O dinheiro púbico não pode ser sorvido pelos políticos e os serviços públicos ficarem à míngua de bom atendimento. Continuemos assim a revolucionar o Brasil pelo silêncio pela força do voto e ainda na luta da sociedade indefesa.

matrindindi1.jpg É pouco? Sim, é... Mas trata-se dum começo promissor para o Brasil sair do fundo do poço e marchar com suas próprias pernas; acabar a divisão entre rico e pobre, negro e branco, índio e mulato e toda a diferença que desune. Afinal de contas, Brasil é um só povo, e a divulgação dos evangelhos faz toda a simbiose - a Igreja Católica se não defendeu mais o PT, boa parte dela silenciou mas, acreditamos que se arrependeu de embranquecer a esquerda irresponsável, gordurosa e criminosa em um Brasil que se quer digno e civilizado.

Com adendas de T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 11:47
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 4 de Novembro de 2018
XICULULU . XCVII

Porque cada homem é um mundo, tem que ao tempo, dar-se tempo…"O cabrito come o capim só do sítio onde está amarrado"  – 04-11.2018

Por

soba15.jpgT´Chingange – Em Moçambique (Bilene)

Estávamos a 28 de Setembro de 2018. Em África e sempre rumo ao Norte, de safari Lodge em safari Lodge, e desde o Choba no Botswana, às margens do rio com o mesmo nome, chegamos a Vitória Falls - quedas do Rio Zambeze e, à boleia do Comandante Vissapa... Também aqui em áfrica, como diz a sombra esquerda de Saramago, o tempo não é uma corda que se possa medir nó a nó.

INHASSORO 218.jpg É uma superfície oblíqua e ondulante, dependente da memória de cada qual, da saudade das capotas a atravessar a estrada às centenas mais os olongos a dar saltos por cima dos carros. O sol, o ar, a água, e a terra, têm de ser considerados permanentemente parte de nós. O sol é a verdadeira fonte da vida e, ao invés do que alguns conceituados doutorados dizem, ele não é prejudicial.

:::::

Não é o sol que provoca o câncer de pele mas sim os muitos venenos que ingerimos. A terra é um laboratório de vida porque purifica, regenera e dá energia. Andamos a lavar nossas almas, a entender o nunca visto e até ouvir o inimaginável. O corpo é em verdade o pára-choques das emoções com arrelias, tendo entre outros males o medo como um veneno que num qualquer jeito, terá de suportar as crises cíclicas ou as provocadas pelos homens.

INHASSORO 064.jpg Sendo hoje domingo, 4 de Novembro, aqui estou sentado defronte desta magnifica manhã e, tendo um mar bonito da praia do Bilene do Distrito de Gaza, recordando o ontem recente para não me fugir da memória, falando também com a osga que sempre me olha inchando o papo e, salpicando falas na forma de estalos como se fosse de origem khoisan.

:::::

E, se Deus salva as almas, e não os corpos, teremos de ser nós a resguardarmo-nos porque, nem sempre é necessária a culpa para se ficar culpado e, embora o Senhor esteja em toda a parte, é de ter em conta de que Ele às vezes parece não ter tempo para nos olhar de frente. E, foi hoje que visitamos a casa museu de Eduardo Ruiz com uma mulemba radiante mesmo em frente do seu Complexo Palmeiras. Uma amabilidade na forma de gente que fez o favor de nos esclarecer sobre o problema que áfrica atravessa de momento. Também ele quer vender seu Complexo por dois milhões, tendo o banco calculado seu património em oito milhões. Tudo tem um porquê!

INHASSORO 169.jpg Teremos por isso de nos fixarmos na fé, sem aquela inquietude de nos afligirmos com o próximo, ou ficar nesse estranho silêncio, uma forma de ver o princípio do nada, ouvir desaforos e, esperando as mudanças no tempo para os ressecar... Ao longo da costa e, a partir da Cidade da Beira para Sul, vimos lugares bem bonitos, empreendimentos maioritariamente propriedade de Sul-africanos quase às moscas, sub-aproveitados e, em sua maior parte com ar decadente ou simplesmente vetados ao abando.

:::

Adaptando-nos ao luto do preto, podemos ver que parece também ser branco. A moeda do Zimbabwé é o dólar americano! Emitiram uma moeda assim tipo fotocópia, com o mesmo valor mas só de fingir pois que só é válida aqui. Não tem qualquer silhueta de gente – só 3 pedras encavalitadas… As notícias da Internet vão dizendo que o país está empenhado com os chineses e que estes a qualquer momento, irão tomar conta de algo para recuperar o empréstimo. Também tivemos de comprar gasolina em tambor de plástico porque as bombas não tinham...

INHASSORO 193.jpg  A China emprestou bilhões ao Djibouti, que não conseguiu pagar, por via disso a China confiscou o porto nacional como garantia de pagamento. Também fez um empréstimo às Maldivas e esta não lhes conseguiu pagar; por isso mais de 38% das estâncias turísticas que eram pertença do estado, agora pertencem à China.

INHASSORO 352.jpg O Quénia viu 70% dos seus recursos minerais, minas passarem para controle Chinês, porque foram incapazes de pagar a dívida. E, estando aqui em Moçambique será legítimo perguntar o que acontecerá senão pagarem a divida bilionária à China? Por tudo o que vi, quase posso apostar que África vai passar para os chinocas – É só uma questão de tempo…

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 11:19
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sábado, 27 de Outubro de 2018
A CHUVA E O BOM TEMPO . XCVIII

NAS FRINCHAS DOS BURACOS27.10.2018

Por

tonito19.jpg T´Chingange – Em VILANKULO de Moçambique

Esta odisseia de “potholes” tem sido permanente e, aqui em Moçambique foi mais evidente entre Tete e Chimoio e depois entre Chimoio que fica perto da reserva Gorongosa e Inhassoro e, por cerca de 420 quilómetros. Um autêntico desespero com falésias nas margens roídas de fazer virar carros com buracos sucessivos de não deixar alternativa; só mesmo passar devagar, devagarinho.

INHASSORO 149.jpg Nos escassos quilómetros com piso bom, lá estava a polícia para exercer sua autoridade. Fizeram-nos alto e mostraram a máquina parecida como um megafone a marcar 85 Km em luz vermelho. Pois! O senhor vinha a mais de sessenta, tem de pagar multa! Fiquei fulo depois de andar tantos quilómetros com o eminente perigo de ficar ali numa qualquer pothole! Saí fulo do carro e disse que era um desaforo armar tocaia na única recta com bom piso em 420 kms.

:::::

Cá por mim não pago nada! Saí e, sentei-me no muro da Vodacom, um mukifo promovido a quiosque entre milhares pintados de vermelho e pertencente à empresa de celulares telemóveis! Um negócio que deve ser bem próspero, pois toda a gente tem um micro-ondas por onde se pode falar! Estando em um país tão pobre, tem-se a noção de que os galifões das multinacionais da comunicação ganham avondo!

INHASSORO 401.jpg Deveria sim, sermos indemnizados por tal estado das estradas pois que pagamos seiscentos randes de seguro para circular em segurança e a protecção não é nenhuma! Se cair num buraco, o estado de Moçambique paga!? É? Perguntas àtoa de sem resposta. Na passagem da fronteira esmifraram-nos na troca de dólares. É o sistema, disse o chefe fardado em polícia de fronteira com divisas de sargento cromadas e porte impreterivelmente prepotente! Chama-se Nico e foi inflexível em não aceitar randes nem meticais, a moeda nacional; nem dólares surrados ou sujos. Pópilas!

:::::

Esperamos mais de cinco horas pelos vistos que na forma de selos seriam colados no nosso passaporte! Viriam de Tete… Não havia sala de estar e lá nos acomodamos em um muro debaixo de uma árvore frondosa. Entretanto consegui comprar 50 dólares americanos; era quanto nos faltava para completar o total para pagar o visto de quatro pessoas – era um bafana bem-falante corrector cambista, um grande filho-da-puta que sabendo me deu 50 dólares velhos, surrados - por 850 randes!

INHASSORO 397.jpg No acto de entregar o dinheiro ao funcionário Nico este disse não poder aceitar estas notas sujas! Estava para explodir mas, e agora!? Procurei o filho-da-puta cambista vestido de negro mas nem pó! Sistema mais kazukuta este de ganhar dinheiro aldrabando o turista com conhecimento das autoridades da mututa… Não encontrando o aldrabão tive de comprar dólares novos e limpos pela módica quantia de 1000 randes!

:::::

Se vocês estão indignados, poderão calcular como me podia sentir mesmo tendo Vissapa o comandante desenrasca situações mais macabras ali ao lado! Vissapa só barafustava e disse até que iria descrever às notícias do mundo estes desaforados entretantos: - Senhor Nico,  fique ciente, sou jornalista e vou descrever estas arbitrariedades para o mundo!

INHASSORO 394.jpg Resposta da autoridade supra numerária de nome Nico: - Fale o que quiser! Pois, se ele não falar já aqui vai no meu jeito de contador de estórias e sem coturno nos areópagos internacionais como nosso comandante! Aquela multa da única recta no troço de Chimoio a Inhassoro passou a gasosa de 1000 meticais sem direito a recibo… Paguei a minha parte sob protesto e juro que irei apresentar reclamação ao Ministro das Obras Desfeitas desta terra tão bonita e tão mal gerida – melhor, irei pedir sua demissão.

:::::

Vou ver se despacho minhas notas velhas e sujas aos jangadeiros que nos irão levar à ilha de Bazaruto mesmo em frente do Lodge Samara, pertença do senhor Paulo Baptista, um moçambicano branco que aqui estabeleceu seu bivaque de vida. A praia estende-se até bem longe e a vista do mar para terra é paradisíaca. Ué! Com palavrões dentro da cabeça, tento reconstruir minha disposição com estranhos nomes esvoaçando, mijando raiva de mim aos poucochinhos, buscando novidades sem figas nem juras por sangue de Cristo porque quem anda por gosto nunca cansa! Assim deveria ser mas, noé!

INHASSORO 385.jpg Mas, sempre há um mas – porque em outros tempos tive mesmo de espreitar minha vida pelo cano de meu canhangulo em Muquitixe; uma vida estriada numa Angola em que as verdades só cheiravam a mentiras; melhor - Ainda cheiram! Assim lixado, tento andar engalanado com bandeiras de capulanas só para fingir coisas mais coloridos. Entre grandes excitações, alegrias e nervosismo de dar volta às novidades da Nacional Geográfica, cheiro os ventos que do índico me trazem rolos de cheiro; cheiro de tabaco.

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 10:12
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 7 de Outubro de 2018
XICULULU . CXV

VICTÓRIA FALLS – 06.10.2018

COMO ACONTECEU…

Por

soba0.jpeg T´Chingange - Em Mpika da Zâmbia

Depois de Livingstone  ter chegado a Victória Falls depois de Silva Porto, e a dar conhecimento ao Mundo, houve curiosidade por parte de muitos cientistas que ali quiseram ir; também houve a preocupação em criar condições de receber daí para a frente outros visitantes curiosos que, tal como nós, ali fomos 118 anos depois na odissia do Comandante Vissapa.

fotos ZÂMBIA 030.jpgNesse então, em 1904 a linha férrea que liga agora o Cabo ao Norte de África ainda estava por fazer e, foi com a chegada da via-férrea que esta parte do mundo se tornou acessível a todos os visitantes. Esta ideia já tinha sido concebida por Cecil Rhodes já falecido no ano de 1902 mas, o personagem essencial neste projecto britânico de construção do caminho-de-ferro a ligar o Cairo, no Egipto, ao Cabo, na África do Sul; Sonho nunca realizado.

Tombo1.jpg A ponte de Victória das cachoeiras veio a ser construída em apenas 14 meses pelos homens da Cleveland Bridge Co de Darlington, tendo sido aberta ao tráfego no dia 12 de Setembro de 1905 na presença do Professor Darwin, filho do famoso cientista Charles Darwin.

victória falls 006.jpgReis Vissapa e esposa Margarida

Charles Robert Darwin, foi um naturalista britânico que alcançou fama ao convencer a comunidade científica da ocorrência da evolução e, propor uma teoria para explicar como ela se dá por meio da selecção natural e sexual. Seu filho com o mesmo nome, não deve ter perdido muito tempo tal como o pai lá nas ilhas Galápagos porque por aqui  tudo está na mesma! A única diferença são umas torres no alto dos morros para que alguns se comuniquem, umas estradas entupidas de camiões e muitos policias a fotografarem-nos para as multas. Tudo a bem da nação. Deve ser!

victória falls 032.jpg Neste fim do mundo aonde a paisagem é toda muito igual, árvores que parecem secas e de vez em quando umas quantas mais verdes, surgem-nos ideias no meio de milhares de teorias sociais que parecem não funcionar aqui. E, vem o Botswana, o Zimbabwé e a Zâmbia aonde os brancos muzungus surgem como agulha em palheiro. 

:::::

Tanta terra sem ninguém, um tão escasso aproveitamento e as moléculas da mente a se encavalitarem no espaço-tempo quântico dando novas formas ao pensamento. Porquê!? Porque será que todos ajudam e, isto anda assim tão letárgicamente? Na Zâmbia nada de animais em estado selvagen a atravessar a estrada a não ser ovelhas e cabritos. Nem uma galinha de d´angola! 

victória falls 020.jpg E, aquele choque do futuro do Alvim Tofler, escritos dos ocidentais fica aqui retraído ou não mencionado em uma qualquer lista de anormalidades psicológicas; Não há booking a catalogar este fenómeno na terra negra aonde o nada, parece dar lugar a outro nada. Um conjunto de casas a fazer um sítio com palhiças a contornar o pátio com uma planta que nem é comestível; vassouras penduradas a varrer os terreiros de argila vermelha – um evidente artefacto a indiciar qualidade de vida. Uns montes de lenha ao longo das bermas para realizarem a compra dum quilo de maiz. Semanas de espera  num pudera que seja. Será!

fotos ZÂMBIA 035.jpg Tornamo-nos progressivamente incapazes de entender de modo racional este ambiente, até entender o factor da vida assim sem nada, casa sem chave, sem bairro, nem muros nem água canalizada. E, então porquê surgirão no mundo terroristas e anarquistas que por debaixo de suas flanelas ou zuarte, sempre serão inconformistas e outros, mais decentes com colarinhos abotoados ao jeito de, pastores do sétimo e todos os outros dias. Aonde estará afinal a felicidade! Alvim Tofler também não veio aqui certamente!

:::::

Nos dias de hoje libertamos uma força social totalmente nova, uma mudança tão acelerada que influência o nosso próprio sentido de tempo, revolucionando nossa vida quotidiana que afecta naturalmente o modo de como sentimos o mundo à nossa volta. Lá pelas europas tão cheia de filosofias, teorias e principios, assim escrevia uns dias atrás e, agora aqui vejo que o tempo parou, nada disto é lógico; nada disto faz sentido!

fotos ZÂMBIA 039.jpg Tudo são falas para deitar fora… Aqui só é necessário um par de roupa, um enxergão, um saco de maiz e uns peixes minúsculos do pântano com dois tomates em refogado de cebola. Aqui não há isso de instabilidade, nem cotações de bolsa. Tudo está nos conformes; na paz do Senhor! Neste estado sempre transitório afectaremos forçosamente nossas relações com as demais pessoas e o resto do mundo. Podera ser esta a pré-modernidade? Quem irá saber ao certo… se, nem Darwin o falou!…

O Soba T´Chingange

 

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 02:03
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Terça-feira, 18 de Setembro de 2018
CAZUMBI . LIII

TEMPOS DE ESPERA - Johannesburg – (16.09.2018 dia do apagão) - 18.09.2018

- Nos intervalos da vida, durmo! - O esquecimento existe mas, nós não somos só silêncios…

Por

soba0.jpegT´Chingange

A chaleira fumega por cima do fogão eléctrico. O sol entra pela janela da kitchenette que liga à sala aonde estou sentado, melhor, afundado numa poltrona cuja tábua deve ter fundeado no acostamento de matacos de um quilómetro quadrado. Aqui há muita gente gorda e o melhor mesmo é nem repararmos porque, senão os contratempos surgem de soslaio vindos dum desconhecido lugar cheio de biltong, boerewors e coldrinks de cocacola…

:::::

Os vapores do meu chá trazido do M´Puto serpenteiam até ao tecto de pinho em desenhos enrolados e fazendo uma cortina com raios digitalizados. Trata-se de uma velha cura legada pelo meu tio avó de nome Guerra e composto de barbas de milho, pés de cereja e ipé-roxo, também conhecido como pau de arco.

CAPOTA1.jpg Num espaço etéreo de virtual roxismo, o fumo enlaça visões de índios sioux, astecas ou apaches. O termo roxismo derivada de Roxo, o nome de uma senhora que pinta seus sonhos no computador metendo as pestanas verdes fazendo de óculos e, com madeixas de cabelo ruivos como se todos fossemos assim, uma forma espantada de arco-íris a condizer com a ideia de que efectivamente, somos uma ilusão.

:::::

Hoje mesmo, vou-me ensinando a ser gente tomando aqui e acolá, por onde calha, o saber dos mais sábios para ficar esperto. Nem sempre homem, nem sempre jovem, já mais velho, nos intervalos, aprendo a aprender a ser grande graças a esta aguda perspectiva de também ver e ler as coisas da frente para trás e tal como o camaleão, ter um olho aqui e outro mais longe para poder fazer selfies de mim mesmo, bem ao jeito de Picasso.

ROXO134.jpg Esmiúço os tempos para saber a verdadeira razão dos paradoxos e dos fúteis caprichos duma vida cheia de gente, uma multidão que grita, que gasta o que não tem simulando normalidades e carregando um vazio dentro de si. Sim! Neste mato de capim tombado pelo vento tiro aqui e ali umas fotos sem pau de selfie tendo como companhia aqueles cheiros e sabores do boerewors, uma salsicha fresca tradicional da culinária da África do Sul.

:::::

E, porque estou aqui, averiguo o saber na deriva dos vocábulos boere e wors, oriundos do africânder, significando respectivamente "agricultor" e "salsicha". Vi-me na foto do meu android e fiz-me gaifonas vendo as rugas enquadradas num diferente tempo, nem sempre alegre, nem sempre triste. Naquele chá pus umas três gotas de canábis para encurtar pesadelos e restituir-me a lucides, enfim, para equilibrar meu físico e mantê-lo ligado aos espirito.

boer carro5.jpg Aqui há plantas de canábis-liamba pelos jardins e o comércio de sementes é livre. Há pouco deitei água numa situada na varanda e, que aparenta ir morrer se o esquecimento não lhe der água. Neste compasso de espera a fim de rumar ao tal de Kariba, embarque em M´bibizi, um lago no meio dum altiplanalto, sonho que parto para outro e, mais outro e outro lugar, sem encontrar o meu poiso certo, juntando a praia, o rio, o deserto e tudo o resto; uma impossibilidade. Iremos juntos na companha de Vissapa para o calor do Limpopo, rever os baobás ou árvore garrafa que nas nossas angústias, tem o nome de imbondeiro…

:::::

Ontem comi frango frito esfarelado com arroz integral e aquecido no forno e, para variar, gelado com amarula. Comi biltong de kudu, de boi ou vaca e olongo, e bebi suco de goiaba e massala de Moçambique. Percorro assim um caminho com gente chegando e partindo dizendo good morning mesmo sem muito mais dizer, sem muito mais saber; missangas de vida com malas atafulhadas de coisas: coisas que podem ser úteis tais como o canivete, a lanterna junto com as cuecas e, os cremes de amaciar as peles mais o pincel de amaciar as carunchosas unhas …

boer carro6.jpg Fui ao computador ocupar o tempo, li poemas, reli baladas e muitas tretas de fazer caretas; ouvi cantigas, li desaforos, coisas choradas, lamuriadas, cânticos gospel humedecidos, vídeos foleiros, alguns brejeiros e fui à China comer baratas, grilos e gafanhotos. E, eis que num dado momento o écran do maldito computer surge a perguntar-me se este senhor “sou eu”? Estou feito ao bife – de novo!

:::::

Outra vez! Sempre sucede isso quando mudo de continente e telefone. Acho que ando demasiado vigiado; deve haver um anjo da guarda que me persegue mas, em qualquer momento falha sua visão e entro nos cadafalsos da penumbra. Estou assim a pensar como irei restituir-me. Lá terei de largar isto e fazer meu brai com o boerewors com carne de bovino e especiarias, sementes de coentro torradas, pimenta preta, noz-moscada e cravinho. Depois disto veio um vazio, estavam a estudar meu problema pois que mandaram o código de seis números para um telefone que nem era meu embora tivesse o mesmo nome. Creio que era um bafana muzungu destas lonjuras e eu, esperei dois dias soprando ventanias.

bra2.jpg Com este  elevado teor de gordura, estou feito ao mataco  de afundear sofás e lá tenho de o conservar com sal e vinagre na forma enrolada numa espiral contínua. Estou a falar da salsicha bóher que após ser temperada no invólucro comestível e já torriscada no brai, é servida com pap, uma papa de milho típica daqui - África do Sul. No calor do tempo queimo cansaços, fracassos vazios, decepções e até solidões, com Windhoek premium lager! Obrigado a mim, a ti e a tu também (o ti é um, o tu é um outro)…

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 14:06
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

MOAMBA – XXII

NAS FRINCHAS DO TEMPO – 18.09.2018

FAVELAS “Townships” na África do Sul ... Porque cada homem é um mundo, tem que ao tempo, dar-se tempo

Por

soba0.jpeg T´Chingange 2017 em Cape Town  - 2018 em Johannesburg

Este artigo já foi publicado em 14 de Setembro em Kizomba do FB deste ano de 2018 mas, por qualquer motivo que só os matrindindes podem saber, o assunto evaporou-se! Para que fique definitivamente no meu baú Niassalês, é agora publicado aqui no Kimbo de Lagoa Blogue com ligeiras alterações na redacção…  

fantasma0.jpg O aqui descrito remonta ao ano de 2017 quando desbravando áfrica, sucedeu dum inesperado desejo de rever musseques ou favelas aqui designadas de townshipes. Há alguma diferença entre as três designações mas, a pobreza, indigência e sobrevivência é seu denominador comum. A poucos quilómetros das belas paisagens que transformam a Cidade do Cabo em um cartão-postal da África do Sul, ficam localizadas as “townships” sul-africanas, como já referi. Elas cresceram de maneira desproporcionada após o início do Apartheid, em 1948, quando receberam milhares de negros, mulatos e indianos expulsos de suas residências.

:::::

Nem mesmo o final do regime de segregação racial, em 1994, foi capaz de melhorar a situação para centenas de milhares de pessoas que vivem em townships actualmente na Cidade do Cabo. Há diferentes tipos de townships; algumas misturam raças e outras reúnem apenas tribos específicas. Em comum compartilham a miséria e a hostilidade aos sul-africanos brancos, funcionários despedidos bóhers e outros marginalizados no tempo pela acção afirmativa do ANC – dar primazia de trabalho aos negros.

favela6.jpg A Cidade do Cabo possui o maior símbolo do regime, a prisão de segurança máxima Robben Island. Lá Nelson Mandela e outras centenas de líderes políticos negros ficaram isolados da população por décadas em uma ilha. Hoje a prisão virou símbolo de liberdade e ponto turístico da cidade, enquanto as townships caíram no esquecimento e ainda convivem com o fantasma do Apartheid.

:::::

Com a miséria, nem os olhos ou o cérebro das ovelhas escapam da panela; assim me foi dado observar. Pelo menos quatro vezes por semana, o sul-africano Lele M´Binda ajuda a superar o preconceito entre negros e brancos. Nascido na township de Langa, em Cape Flats, território da tribo Xhosa, Lelé, como é chamado, encontrou uma forma de ganhar dinheiro ao atrair turistas e estudantes brancos para conhecer a township onde foi criado.

favelas8.jpg O destino é recomendado apenas para quem quer enxergar um outro lado da cidade. E, interessados não faltam; Lelé está em contacto com as melhores escolas de inglês e agências de turismo de Cape Town, já que Langa é uma das poucas townships consideradas pacíficas e ele a conhece como ninguém. Ele, é um dos poucos em sua turma que conseguiram escapar da violência; faz questão de ressaltar isso logo no início da visita enquanto dirige sua carrinha (VAN ou comby). Na descida, fica impossível caminhar quando crianças nos cercam e imploram por dinheiro. Lelé diz para não darmos esmola, que isso só atrapalha; é uma realidade que nós de fala lusófona, bem conhecemos. Vamos em frente!

:::::

A primeira parada é em uma tradicional casa de cultura Xhosa, onde se é recebido com uma animada música local. O lugar parece importante, pois já recebeu a visita de Bill Clinton; por isso, ali surge colgada na parede, uma enorme ilustração do VIP-americano. Aprendemos, entre outras coisas, que Xhosa é a segunda língua mais falada na África do Sul, apenas atrás do Zulu. O artesanato local é curioso e interessante - os preços chegam a ser picantes, mas é difícil sair de lá sem querer ajudar um pessoal pé-de-chinelo sem lhes dar uns jindungos.

favela a.sul1.jpg Entre becos obscuros, leva-nos a um minúsculo quarto, onde vivem cerca de três famílias. Durante o dia ninguém fica por lá, pois não há espaço para todos. À noite todos se espremem para dormir. “Cerca de trinta pessoas moram aqui” - Lelé traduz as palavras de uma senhora aparentemente triste e cansada, que estava gentilmente no local para nos receber. Com os sentimentos um pouco confusos, vamos em direcção ao próximo programa - degustação de uma cerveja artesanal local. Lelé deve ter incluído isso na visita “townshipica”, pois sabe que estudantes e turistas gostam de cerveja.

:::::

Passamos por uma série de rituais que inclui descascar e comer uma semente, antes de experimentar a loira gelada, que na verdade é morena e quente! Um grande balde da bebida é compartilhado por todos e, o sabor é de uma cerveja fraca, quase sem álcool, nada comparado à Skol do Brasil, Sagres do M´Puto ou Cuca de Angola. Enfim, um mijo de burro ligeiramente graduado com álcool. É praticamente no meio da rua que acontece o momento mais desafiador do passeio. Em um fogão improvisado sobre latões de lixo, simpáticas cozinheiras começam a preparar o “Smiley”, prato típico da culinária de uma township. Aqui tudo parece improvisado mas nada é de estranhar para um cidadão do Mundo, o próprio Niassalês de nome T´Chingange

favela5.jpg O improviso consiste em comer tudo o que a cabeça de uma ovelha proporciona, desde cérebro, olhos e língua. Um pequeno pedaço da bochecha foi o suficiente e, para falar a verdade, até que ela possui um gosto satisfatório. Já de volta à VAN e um pouco traumatizados com a cena das ovelhas mortas, somos levados à última parada, o bar M´zoli’s, na vizinha township de Gugulethu. É neste território Zulu, onde também funciona uma churrascaria, que a cultura de uma township pode ser mostrada para os quatro cantos do mundo. Brancos, negros, mulatos e “pessoas de todas as tribos”, misturam-se em uma grande festa com música ao vivo tradicional com cerveja barata. Um forró Xhosa ou um baile arraial de mastro do M´puto!

:::::

O território é livre e o clima de coexistência com paz prevalece, aparentemente! Nos dias que correm nota-se uma tensão por via de desmandos e ataques com mortes violentas em fazendas - farmes, propriedade de brancos maioritariamente bóheres. Nota-se muita apreensão à qual eu dou veracidade por já ter passado por uma merda de política a que chamaram de descolonização exemplar. Isto é África!

IMG_20170720_115617.jpg Aqui, Talvez seja um dos poucos lugares na Cidade do Cabo aonde brancos, negros e mulatos convivem em condições igualitárias. Tudo aparenta em ninguém ser melhor do que outro alguém e todos se compartilham em estórias. Depois de muito churrasco de carneiro, cerveja e outros aperitivos locais, saímos com a certeza, já ao anoitecer, de que o sol também brilha em uma township. Na anterior publicação que não sei como se escafedeu nos labirintos plutónicos do Facebook dois amigos próximos da Kizomba, referiram não gostar de circos e em verdade não irei dizer que gostei, porque para o ser em realidade, só faltaram domadores de chicote e mansos leões que rugem em karaoke Xhosa …  

Vou dizer mais o quê! Amanhã será outro dia...

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 09:32
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Segunda-feira, 17 de Setembro de 2018
XICULULU . CXIII

BOOKTIQUE DO LIVRO – III17.09.2018

No Muquitixe da Munenga vi as estrias duma kalax bem à frente dos olhos… Patrão, o seu azar mesmo… o seu azar, foi ser branco! 

Xicululu: Mau-olhado

Por

soba0.jpeg T´ChingangeEm Johannesburg

A minha empregada Mary de Kampala empanturrou-me com um prato feito com jinguba guisado em lume brando, com pimentos da guiné konacry, gengibre e mandioca fibrosa que no Nordeste Brasileiro se chama de macaxeira; também juntou inhame. É um prato tão cheio, tão forte que me fez peidar que nem um trombone de varas, um pouco diferente do som originário da feijoada tuga ou da cachupa de Cabo Verde que por vezes mais parece um clarinete desafinado.

:::::

Ruídos periclitantes e, um tudo-nada diferentes dos de Kampala, que cheiram a penas de galinha-capota, depois de escaldadas em água quente. Os condimentos para aquela muamba de Kampala, encontram-se em toda a parte; aqui lugar de Benoni de Johannesburg, em Lisboa ou Londres pois que a globalidade está cheia de africanos, indianos monhês e chinocas.

valdir5.jpg Observo tudo isto para onde quer que vá, mesmo que não me mergulhe nos metropolitanos, mantendo os olhos em baixo, a fim de rever os gestos menos amistosos. Assim enrugado num branco muzungu, ando pelas picadas aéreas, e terrestres, caminhando meu esqueleto pelas streets do mundo porque minha vida e, desde 1975, é uma estória de partidas e chegadas. Agora é áfrica!

:::::

Por onde quer que ande, minhas prateleiras ficam muito cheias de livros, lápis e canetas de riscar com cores várias; as cortinas são agora de um branco rendado vindo de Hong Kong que combinam com outras pretas e sobrepostas para contrastar e amenizar a intensa luminosidade. Aqui neste altiplanalto de áfrica, o céu fica todo azul, o sol escalda gretando a pele porque o vento sopra frio e seco.

telemoveis0.jpg Nos próximos dias o possível vai desafiar o inimaginável e de cócoras, lá terei de me embrenhar na tenda, estender o colchão de amaciar as costeletas tomando o cuidado devido para que os macacos abusadores da selva e outras bichezas que irão pulular nos arrabaldes do Choba ou um outro lugar como Maum no Delta do Okavango, no Botswana, lugar cujo dinheiro tem o nome de PULA. Vou colocar à frente da tenda de lona minha cadeira de cineasta com um buraco no espaldar direito.

:::::

Naquele buraco meterei um copo longo cheio de água tónica e gim para afastar os mosquitos; eles não gostam de quinino pelo que lá terei de usar medicinas do tempo de kaparandanda usadas nos lugares em que os brancos morriam sem cura, febres palúdicas dos mosquitos de Novo Redondo, Dombe Grande ou Kaluquembe. Já comprei umas quantas espirais verdes feitas de bosta de boi para espantar os pernas-longas da tenda ou bungalow, rondável ou o que nos sirva de muquifo…  

valdir4.jpg Haverá sempre por aqui e ali, um cheiro a frango morno ou de um rump stake de quadrupede para me fazer esquecer o plácido e organizado frio mundo das europas aonde o agora sempre é deprimido com muitas palavras de código benevolente, noticias repetidas até à exaustão e mostrando vagas de emigrantes famintos. Gente sem passaporte, sem eira nem beira levados por corsários que só falam com estalinhos, indício de algo ruim para acontecer!

:::::

No M´Puto, talvez não precisasse de ouvir essas patranhas, essas verdades e essas mentiras, pedaços de telenovelas tristes, toneladas de solenidade e rebentamentos de guerra que põem o coração a dar murros no peito. Ao som nem sempre cordial dos anúncios da televisão juntam-se os cheiros de refogados com arroz de tomate com jaquinzinhos, como calores de aquecedores a provocar fungos nos cantos da nossa paciência.  

alema11.jpg Não sei se você que me lê, já encontrou sua maneira de ser generoso o quanto baste; acho até que se o quiser, não lhe faltarão oportunidades para o demonstrar. Posto isto, espero que Deus se surpreenda comigo e até me mande um recado pelo Watsap ou o e-mail usando uma das senhas que miraculosamente resgatei do espaço de Plutão um antigo planeta que já não existe tal como o esquecimento que me contemplou no pedido da senha através do Facebook…  

papalagui11.jpg E, afinal, quando lhes convêm, eles os ilegais emigrantes dizem-nos que o Adão e a Eva eram africanos. Falam assim porque foi no Vale do Rift que surgiu o primeiro homem e a primeira mulher de nome Luzia. A minha empregada do Uganda, também o confirma: - Adaemus e Eva pertenciam-nos! Cumcamano, ando a perder massa muscular no meu cerebelo!

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 18:20
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sexta-feira, 14 de Setembro de 2018
MOKANDA DO SOBA . CXLVI

ANGOLA DA LUUA XLVI - TEMPOS PARA ESQUECER – 14.09.2018

Espreitando pelo postigo da memória antropológica ... Na ausência de estadistas, houve demasiados traidores…

Por

soba15.jpg T´Chingange – Em Johannesburg

Já estamos a mais de 43 anos daquele então – ano de 1975. Durante quatro meses, entre Julho e Novembro de 1975, mais de 900 voos, a maior parte da TAP, levaram mais de 200 mil pessoas de Luanda e Nova-Lisboa (Huambo) para a capital portuguesa na ponte “LuuaLix”. Assim chamei por via de um amigo de nome Antunes, a ter escolhido; aqui tem sido referida para a distinguir de tantas outras de âmbito turístico. E, no total foram mais de um milhão de cidadãos que chegou a Lisboa – Lix, vindos da Luua.

torres5.jpg Foi uma das maiores operações de resgate de civis de todos os tempos e, que envolveu muitas centenas de voluntários. Muitos outros saíram de traineira ou indo de carro para os países limítrofes como a Namíbia e outros para onde seguiram directo, tais como por via aérea: o Brasil, Argentina, Austrália ou mesmo os Estados Unidos. A esta dispersão provocada pela guerra do “Tundamunjila” - Thundá mu n´jilla, chamou-se de DIPANDA a que podemos dar também o significado de DIÁSPORA.

:::::

E, assim átoa sem rascunhos de contacto, chegavam a um qualquer lugar e se desenrascavam como soe dizer-se na gíria de cariz tão lusitano. Os ''retornados'' eram portugueses mas, para muitos Portugal era um país desconhecido, um país que tinha acabado de viver uma revolução e onde poucos estavam preocupados com quem chegava de África. Nem mesmo a família acalentou as angústias de tanta gente; verdade se diga que sempre houve alguém a prestar solidariedade e isso, marcou a diferença.

silva2.jpg Nós andávamos baralhados com tanto ódio, tanta insensatez e tanto desconhecimento das palavras como amor e ternura ou solidariedade. Fui cair num ninho de comunistas chamado de Torres Novas aonde a ordem do dia era sempre por unanimidade - levantando braços; eram as assembleias do povo. Não foi fácil passar dias e dias só falando em surdina para que não se apercebessem que eramos retornados - nossa pronúncia com sotaque, denunciava-nos. Podem calcular como era difícil andar entre “irmãos” trilhando o dente por não se poder expressar.

:::::

Hoje os refugiados vindos da África, sem qualquer restea luso, a mesma que nos escorraçou, são melhor acolhidos em toda a europa, têm casa, vencimento, passe de transporte e até trabalho sazonal. Mesmo assim, pouco tempo depois e em surdina fogem para os países mais ricos vivendo uma grande parte dos subsídios estatais que a Europa decidiu dar sem retorno. Se é mau ou bom não interessa escalpelizar aqui mas, o tratamento é bem diferente do nosso naquele então, de quando chegamos ao aeroporto da Portela.

SBEL.jpg Zé Antunes refere em um blogue amigo que quando ia a Lisboa, sempre passava no Rossio, junto ao Pic-Nic - local de encontro de todos os oriundos de Angola. Eu que fiquei instalado em Torres Novas, em casa de uma irmã, também ali ia; normalmente comia uma sandes na “Tendinha” do Rossio, um panado ou posta de bacalhau e um penalti (um copo de vinho tinto) e, também me inteirava de notícias da Luua e de Angola em geral, pois que dali chegavam todos os dias refugiados na Ponte Aérea LuuaLix. Íamos assim, sabendo novidades de Angola e particularmente de Luanda onde ainda se encontravam meu pai e outros familiares.

:::::

Outros, confraternizavam deitando conversa fora com boatos na forma de mujimbos e também para beber uns finos ou pancar uns petiscos no Pingo Bar, no Leão D’oiro na Rua 1º de Dezembro, na Praça do Chile em Arroios, Na estação de Santa Apolónia e outras, sempre na ânsia de saber mais e mais novidades de Angola. Entre muitos chegados ao M´Puto comentam coisas do género: Foi muito triste… Eu não queria vir! Era lá que eu vivia, era lá que estavam os meus amigos, a minha casa. Mas a família mostrava-se irredutível, pois nessa altura o cheiro a medo era muito.

sabão macaco1.jpg O metralhar dos bairros, as balas tracejantes lançadas pelo Poder Popular e o pregar de caixotes tornava a vida ensurdecedora. Corria notícias de violações, contados por quem tinha visto, ou proveniente de mujimbos contados com intervenção dos candengues Pioneiros do M.P.L.A. Cenas de rasgarem e pisarem a bandeira portuguesa em frente à tropa do M´Puto que ficava sem reagir. Isto, para os moradores, tornava-se muito triste, um mau indício e revoltante.

:::::

Ninguém aguenta ver a sua Bandeira maltratada sem poder fazer nada; mas no m´Puto os procedimentos eram bem diferentes pois que nisto temos de excluir Mário Soares que até foi presidente e tem uma fundação subsidiada pelo erário público… Como lavagem de ética, diziam que era em repulsa a Salazar mas, disto não nos devemos esquecer para que não tenha direito a ir para um qualquer panteão (…O que mais tarde ou mais cedo vai acontecer!...). Baloiçando-me no d´jango do plot, muito perto da árvore n´vuluvulu de Benoni, olho seu fruto pesado de longas múcuas que pelo que dizem, só servem mesmo para fazer milongo de feitiços ao povo da Obovolândia.

silva p0.jpg Eu, quis saber mas parece ser segredo de raizeiros, porque talvez cada homem nasça com a verdade dentro de si e só para ele, e só não a dizem porque é muito só sua; e até, muitos haverá, que não acreditam que seja aquela a sua verdade. Porque cada homem é um mundo que se ao tempo der tempo, o tempo bastante, sempre o dia chega em que a verdade se tornará mentira e a mentira se fará verdade. Estamos a viver este momento de falácia mas voltando àquela certeza de que iriamos voltar para a Luua a refazer a vida, foi-se desvanecendo malembelembe como um sonho…Para pior, antes assim!

pombinho5.jpg Os sonhos ficaram a definir se a recta era mais curta no tempo ou se era a curva mais universal, com um mundo sem bordos e rebordos… Fui lá, a Angola em dois mil e dois mas, as tabuletas de caveiras ladeando os acantonados da UNITA, ainda eram muitas e por muitos lados. Também cheguei a Lisboa, como todos os demais, um outro Portugal, o tal Continental; afinal havia dois, o M´Puto e N´Gola mas nós estávamos por demais inocentes para entender aquela revolução dos cravos ao pormenor. No aeroporto duas senhoras da Cruz Vermelha comentavam em surdina estarem ali a perder seu sono por via destes ranhosos (eramos nós…). Felizmente que havia algumas Donas, estarem ali por amor e solidariedade… Bem-haja!

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 13:21
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Terça-feira, 4 de Setembro de 2018
CAZUMBI . LII

TEMPOS CINZENTOSSER-SE ANGOLANO04.09.2018

 - O esquecimento existe mas, nós não somos só silêncios

Por

soba0.jpegT´Chingange

O Alvará de 19 de Setembro do ano de 1761 providenciado pelo Marquês de Pombal dá fim à entrada de escravos em Portugal. Neste ano e apenas nas províncias a sul do Tejo ainda trabalham nos campos 4.000 a 5.000 escravos. Há muito branquela no M´Puto que tem ADN negro sem o saberem; daqui derivaram os nomes de Carapinha ou Negro; conheço alguns.

:::::

O motivo da substituição do jornaleiro livre pelos escravos, não poderia ser a falta de gente em Portugal mas sim, o regime da grande propriedade, do latifúndio, que imperava no Alentejo que se arrastaria por centenas de anos. A utilização incessante dessa mão-de-obra, de meados do século XV até à segunda metade do século XVII, fixou-se e estabilizou-se em certas áreas do mundo agrícola, declinando, porém, no século XVIII, em virtude da gradual redução no ritmo da substituição desse tipo específico de trabalho.

mulata1.jpg Mas, mesmo em declínio, não cessou de existir, alimentada pela circunstância cruel de o filho de escravos herdar a condição dos pais, coisa que só findou com o tal decreto Pombalino de Setembro. Não conseguindo estabelecer maiores pontos de contacto entre a cultura africana e a portuguesa que subsistam e, que possam ser detectados na nossa etnografia, fica aqui o contributo para algo que nos parece importante, a presença dos Negros na nossa cultura.

:::::

Embora os princípios da eugenia tenham sido elaborados por um cientista inglês, foi nos Estados Unidos e na Alemanha, a partir do início do século XX, que começaram a ser colocados em prática. Sob a designação de “eugenia positiva”, adoptaram-se medidas de incentivo financeiro a casamentos mistos, considerados favoráveis à tese; para isso implantavam-se programas educacionais numa via de reprodução planeada.

to3.jpg Até eram realizados concursos para a descoberta de famílias e indivíduos talentosos oriundos desta miscigenação. Tenha-se em conta que esta prática de incitamento já era bem conhecida pelos portugueses pois que as autoridades tinham no intuito, a fixação do colono à terra; assim sucedeu no Brasil e em Angola mas, este facto não proporcionou aos Tugas o serem considerados modelo nesta nova e independente sociedade. Antes pelo contrário, o que se verificou foi o não reconhecimento deste tão natural umbigamento pelas novas Nações e o Mundo.

:::::

Por outro lado, faziam parte da “eugenia negativa” acções de esterilização, eutanásia, segregação e de restrição à imigração. A primeira lei de esterilização americana foi aprovada em 1907, no estado de Indiana. Se houve um povo que sempre cultivou a “eugenia positiva”, esses foram sem dúvidas os portugueses espadas-machos, que lá aonde quer que fosse se umbigavam com qualquer buraco de prolifera fêmea. Parece grosseiro dizer isto deste jeito mas é a pura verdade!

angola4.jpg Os defensores da eugenia encontraram suporte nas teorias raciais de meados do século XIX: para o racismo científico, os brancos europeus representavam a superioridade biológica, negros e amarelos eram considerados inferiores e a miscigenação era criticada por causar supostos danos irreversíveis na descendência. O movimento eugénico rapidamente se transformou em campanha nacionalista agressiva contra negros e imigrantes.

:::::

Em parte os grandes culpados são os génios generais negros que com sapiência de cabos tomaram o mando em suas mãos impulsados pelo ódio, a vingança, a torpitude da incompetência. Falo claramente do estado Angolano aonde a maior preocupação foi extorquir o património dos brancos, seu lugar de trabalho, sua fábrica, seu carro, sua casa, seu estatus! São ondas de intolerância conforme as necessidades; uma prática indesculpável ou de deixa para lá! Uma conveniente conivência dos novos políticos.

:::::

Após o término da Segunda Guerra Mundial, a eugenia foi desacreditada como ciência e condenada como postura política. Entretanto, a última lei de esterilização americana foi revogada apenas na década de 70. É necessário manter-se alerta a novas tentativas de oferecer soluções ideológicas a problemas cujas causas são económicas, sociais e, ou incompetência.

angolar5.jpgReconhecendo isto desta forma e, em relação aos estudos urbanos tomando por exemplo Lisboa ou Luanda, há que reflectir sobre o espaço e a interacção entre grupos por modo a que esta relação não se reduza a uma questão de “competição” ou “selecção biológica”. Os termos em que hoje falamos em origem, ainda são aqueles definidos pelo colonialismo.

:::::

João Leal, um conceituado antropólogo português, escreveu um livro sobre a preocupação da sua disciplina, durante o Estado Novo, com os estudos sobre etnogénese. Para aqueles que nunca se darão ao trabalho de viver como os angolanos vivem, Angola é ainda um território mítico nesta visão: a terra trazida à civilização pelo esforço e engenho dos portugueses não tem sido enaltecida por esta via e, deveria ser! Ao invés disto restringem o direito à nacionalidade por questões de puro egoísmo.

ango1.jpg Eles, os mwangolés, querem castas genuínas e nesta leva o branco sempre vai ser preterido. A áfrica tem esta embirrante tendência de só considerar genuínos os negros. Está mal! Assim nunca irão longe… tenho dito! Não estou a dizer que este seja o caso de quem quer que seja. O que me parece interessante é identificar a existência de tal discurso pelas altas esferas da nova Nação que é Angola. E quando por vezes se diz que se é angolano, o que se está simplesmente a fazer é habitar o espaço em que é possível tal discurso tomado sobre a origem dos avós e tetravós mas sem seus direitos cívicos…

ANGOLA10.jpg Há que ter um papel na vida, tentando a todo o custo interpretar o lado positivo mas, os laivos de maldade dos novos governantes decapitam, que nem a esquerda comunista estalinista e maoista no seu lado mais negro, traz consigo! Uma carga negativa do passado cultural colonial, arredondada na perfeição dos silêncios ou na pura omissão. Com fúteis caprichos de poder, esmiúço os tempos para saber a verdadeira razão dos paradoxos futuros. Sim! O futuro de um mundo surreal tentando compreender melhor a essência dos seus divinos filhos. Uns são filhos da mãe e outros filhos da Puta...Falei!

O Soba T´Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 17:34
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

CAZUMBI . LI

O TEMPO - Torcer enxugar e corar - Secando a palavra ao sol … 04.09.2018

kimbo 0.jpg As escolhas de Kizomba

Por :::canhot2.jpg::: António José Canhoto - O genérico James Spencer

IMG_20170902_113837 (2).jpg Ao longo da minha vida sempre lutei com falta de tempo, passei longos anos numa corrida desenfreada, andei apressado, assoberbado, sobrecarregado, pois apesar de todos os meus esforços para tentar racionalizar o tempo este nunca chegava e dificilmente conseguia geri-lo adequadamente pois as solicitações eram muitas e a minha omnisciência limitada. Cheguei a pensar que desde a criação do mundo tinha havido um tremendo erro na configuração do tempo e da forma como o mesmo tinha sido congeminado. Os dias eram pequenos, as horas passavam depressa, o prazer era efémero, a vida curta e as noites demasiado longas.

:::

Mas com o decorrer dos anos as minhas prioridades começaram a mudar a minha selectividade sobre onde e como aplicar o tempo alterou-se, os meus critérios e opções refinaram-se, de modo que fui chegando a conclusões diferentes sobre a utilização do tempo. As pessoas têm opiniões diferentes como aplicar o tempo, para alguns, o tempo é dinheiro, para outros utilizam-no apenas para prazer, gozar e viajar, outros dedicam-no a deuses e religião, política ou enfiados em bibliotecas a adquirir conhecimento. O tempo foi alocado às pessoas para que estas o utilizem o melhor que podem e sabem, mas é preciso evitar matar o tempo, pois ele é uma dádiva, um presente, por vezes envenenado, outras vezes muito saboroso, que nos é concedido diariamente, mas perecível pois não volta atrás nem pode ser revivido.

matipa-tipa.jpg O tempo, não pode nem deve ser esbanjado em projectos fúteis e inconsequentes ou com as pessoas erradas, pois infelizmente é algo que não podemos conservar indefinidamente. O jamais volta atrás, poderá eventualmente ser comprado ou vendido quando se é contratado com tarifa horária, mas não pode ser parado ou guardado para ser usado mais tarde. O tempo esgota-se como grãos de areia fina metidos numa ampulheta posta a funcionar para contar o tempo de um exame oral. Nesta provecta idade que atravesso, tenho todo o tempo que preciso e quero, para viver e sonhar. Também dar a volta ao mundo no meu barquinho de papel numa poça de água deixada pela chuva.

:::

Nunca fui escravo do tempo, usei-o para me enriquecer academicamente, culturalmente, financeiramente, socialmente e ideologicamente. Hoje em dia permito-me passar alguns dias de verão á beira-mar construindo castelos na areia com os meus amigos, e em qualquer competição ou desafio que aceite não irão para além do jogo do avião, malha, escondidas, berlinde ou pião. Quero a todo o custo voltar a acreditar no poder dos sorrisos, dos abraços, dos afectos, ternuras, beijos e carinhos. Quero voltar a acreditar nas palavras gentis, na solidariedade e condição humana, na fraternidade, na justiça e exclusão social, pois tudo isso tem muito mais valor do que todo o dinheiro do mundo.

flor de maracuja1.jpg Hoje, seja qual for o tempo de vida que me resta e espero que ainda seja muito, cá o vou triturando ao meu ritmo e no meu “timing” numa contagem inexorável e decrescente como se eu fosse um foguetão na rampa de lançamento aguardando a contagem para a minha partida, não para a estratosfera numa viagem de dias, mas para a eternidade num crematório a fim de ser reduzido a pó. A existência ou não de deus é algo que não me preocupa pois não lhe reconheço existência, portanto prefiro como herege e impio não ter que prestar contas a ninguém e muito menos de me preocupar se irei para o paraíso ou para as profundezas dos infernos.

:::

Nunca fui santo e como pecador as minhas fraquezas não foram relevantes. Nunca me coibido de fazer o que me agradava vivendo intensamente a vida de acordo com as minhas convicções e valores morais. Tudo o que fiz, foi de forma consciente o que eventualmente me levou a incorrer na fúria de terceiros por não obedecer ou cumprir dogmas religiosos, políticos, culturais ou tradicionais seguidos pelas maiorias. Eu sei, reconheço e tenho consciência absoluta de que em muitas ocasiões os meus pés de barro cederam e fraquejaram perante a luxúria e outros pecados veniais, pois as tentações eram de tal modo irresistíveis que acabei por soçobrar às ofertas tentadoras que me fizeram e, esse foi o meu calcanhar de Aquiles, contudo não lamento nem alteraria o meu procedimento se pudesse recuar no tempo.

acácia1.jpg Passados alguns anos quando o vento finalmente amainou dentro do meu coração, e, o calor que me corroía as entranhas se acalmou depois de me ter rasgado como raios as penumbras do meu ser queimando a fogosidade que me consumia pelas minhas viscerais paixões passei para uma fase de reflexão contemplativa e mais humanista e os arrebatamentos episódicos de rebeldia deixaram de tomar conta da minha existência. Metaforicamente, poderei dizer que os meus pecadilhos foram escolhidos a dedo como um cliente escolhe as mercadorias mais caras de um supermercado, foram transgressões escolhidas pelo exotismo das fragâncias perfumadas que atiçavam a libido, pelo sabor obtido por deixar viajar a nossa língua pelos locais mais recônditos dos corpos, estimulando a sensualidade e volúpia.

:::

Estas infracções não deixaram nodoa, rasto ou nexo de casualidade, contudo ficaram coladas á minha pele por muitos anos. Não tenho feitio para autoflagelações nem para me deixar imolar nos altares ou templos dos críticos raivosos e invejosos do meu sucesso. Quando a minha consciência toca a rebate eu paro para pensar, pois é sinal que estou a percorrer caminhos perigosos ou a ter comportamentos desviantes o que implica que retroceda reparando os danos causados. Tempos houve em que a minha vida era conduzida a alta velocidade, mas essa fúria de viver e coleccionar histórias passou, contudo, o meu instinto predatório ainda reside e resiste nas profundezas do meu ser controlado e açaimado.

:::

Esta alquimia que se processou na mente, corpo e sexo, era composta de ingredientes e componentes inflamáveis os quais podem ainda ocasionalmente a espaços incendiados. Na vida não há empates como no futebol, ou se ganha ou se perde. Não devemos nem por brincadeira esconjurar o demónio sem sabermos como terminar a missa negra. Usando letras para formar palavras, e juntar palavras que que de forma harmónica traduzem ideias ou pensamentos, tento contextualizá-las de forma a sublimar as minhas paixões ou a extravasar a bílis nas decepções.

grafonola2.jpg O que a grande maioria do mundo anda agora a ver ou viver já eu o fiz há muito tempo, e, isso, torna-me quase que insensível às convulsões do quotidiano, pois são apenas, reconstruções, simulações, imitações das verdadeiras e originais situações que já enfrentei no passado. A vida de uma pessoa pode alterar-se ao voltar da primeira esquina, por alguém que nos roube a carteira ou o coração, portanto devemos estar prontos para reagir a qualquer eventualidade antes de aceitarmos “Bona fide” as intenções de intrusos nas nossas vidas.

António José Canhoto.... 3-9-2019



PUBLICADO POR kimbolagoa às 06:27
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quarta-feira, 15 de Agosto de 2018
XICULULU . CXII

TEMPOS QUENTES – 15.08.2018

– BOOKTIQUE DO LIVRO III

- A minha Empregada - Editorial Estampa de - Maggie Gee …No Muquitixe da Munenga vi as estrias duma kalax AK47 bem à frente dos olhos…

Xicululu: Mau-olhado

Por

soba0.jpeg T´Chingange, vulgo António Monteiro

Ainda ando a mastigar o livro da minha empregada de Campala e entre os muitos afazeres da casa, por vezes paro a conversar com ela enquanto espero que chegue o padeiro pela manhã, ou fico a ver a piscina encher, ou ponho a mangueira a correr água nos pontos semiautomáticos da rega do meu anárquico jardim do M´Puto. Um destes dias por via de não fazer isto, quando olhei o nível da água da piscina, ui-ui, ela já corria na rua.

 :::::

Depois tive de tirar este grande volume excedente de água para regar os aloendros, os mióporos, o merey, as pitangas e limpar o chão a balde. Depois já sentado ela, a Mary assombração de Campala disse-me que aprendeu a ser feliz, a dar-se por feliz, quando não havia indícios de revolução, não havia mujimbos de assaltos e emboscadas nas ruas e estradas, num talvez tenhamos de voltar a ter medo, a correr só átoa como doidos sem saber bem para onde, acumular enlatados e pacotes de comida.

IMG_20170727_130810.jpg Talqualmente como nós no tempo de kwata-kwata, ali tem branco na guerra do thunda mu n´jilla (tundamunjila) da Luua de novecentosesetentaecinco, um ano que ficou comprido e comprimido numa só palavra em todos os outros sítios de Angola. E, em verdade, também muito antes, quando o gweta mwana-pwó, feito magala maçarico besugo fazia rusgas átoa prápanhar turra no sessentaeum, um ano também estóricamente colado com sangue vermelho. Tudo guerras de kwata-kwata preto, kwata-kwata branco. Uma merda, sabes!

:::::

Assim falando sem um discurso directo eu recordava a Mary de Campala no frio do medo que tive numa guerra no ano de sessentaesete, quando fui emboscado nas terras altas do Maiombe, terra de muitos gorilas, assim como na tua terra do Uganda. Estou a ficar um pouco kota, falando sozinho as muitas lembranças de dormir de dia porque de noite os turras do MPLA por vezes atacavam. E, olha que tinhamos de ir de burro para o Batassano, perto do Belize de Cabinda. Era assim que nos reabastecíamos; eu e os magalas idos do M´Puto para estabelecer a soberania, sabes!

adiafa1.jpeg Assim meio rameloso, ela a Mary de Campala, mudou um pouco as falas dizendo que agora, sabes, as coisas estão ficando melhor! Ficou comigo, talvez connosco a filosofia de viver um dia de cada vez. É mais fácil, sabes; um sabes continuado - falas dela. Há coisas que perdemos, coisas que sofremos, mas agora, hoje, o sol brilha. Há muito que estamos mortos, portanto deixem-nos ser felizes! Aqui fiquei apreensivo e até me belisquei - doeu, estou vivo! Sei lá, talvez, porque não há meio-vivo nem meio-morto. É ou não é!

:::::

Talvez as pessoas dos governos estejam a encher os bolsos, mas os políticos em África enchem sempre os bolsos, disse a minha empregada de um tempo antigo. Em todo o lado, disse eu! Ela continuou com suas falas e, foi dizendo no seu jeito que o africano é mesmo assim, quando é rico, é-o à fartazana, à lagardere, faz questão de que se saiba; Tem o seu clã que não é só familiar, pois abrangem os sobrinhos dos sobrinhos e amigos que consideram do peito.

ango3.jpg Eles, os bajuladores e edecéteras, entre si, sustentam o seu quinhão mantendo por vontade corrompida ou submissa o seu mwata, seu líder, preservando-o a fim de garantirem seu sustento de gasosa e, que por vezes é choruda. Este grande chefe vai dando benesses às estruturas dele, na orgânica do estado como se fosse sua, na sua xitaca, sua fazenda, suas casas e lá aonde o seu carisma preserva o seu stato-poder, sua permanência no bombom, adquirindo dinheiro do erário público e distribuindo pelo seu clã, seus comparsas da preservação.

:::::

Dinheiro para um africano, só é mesmo necessário para se manter no poder, bafunfar prosápia com prepotência como que um aviso constante, quem manda ali é ele! É ele que dá contornos à lei e pronto! E, o dinheiro dos brancos é sempre bem-vindo; não é problemático dar um golpe senão vários a um gweta besugo que quer entrar no esquema, num negócio de venda de parafusos ou graxa de sapato. Por vezes ficam sem nada numa do que é meu, é meu, o que é teu, é nosso! Estás feito branco! É assim mesmo, é o seu ADN disse eu interrompendo momentaneamente a minha antiga empregada de Campala, esperta como uma chita!

ÁFRICA20.jpg Eles, não sabem que a maioria dos brancos vivem pedindo emprestado ao banco para comprar a casa, o carro, o barco, a quinta, a amante e os favores dos outros! Digo eu que vejo tanto faz-de-conta aonde parece até que ser-se pobre é uma grave doença – ninguém quer ser pobre! Não entendem que os brancos na ânsia de ter este mundo e o outro vivem endividados. O país do M´Puto é o primeiro a dar o exemplo, vivem todos no negativo, abaixo da linha d’água mas, os políticos apresentam sempre formas de ultrapassar indo ao seu curral buscar as valias – Nós, pois claro! Eles, os africanos nem sabem que afinal os brancos são pobres…

:::::

Eles, os africanos não percebem que os brancos, bem ao seu jeito, vivem sempre pedindo mas, fingindo que são o que não são! É por isso que todos se têm de corromper uns aos outros, pedir favores em troca de favores e assim vivem, todos favorecidos. É a corruptocracia, Mary! O problema mesmo é que, neste favorecimento, uns vivem mais favorecidos que outros! Sabes agora o que é isto de fazer-de-conta?

trem carvoeiro1.jpg Lá no teu kimbo cada um vive das coisas extraídas das lavras, da xitaca, das hortas da mulola, da ñhaca, das galinhas e dos ovos e do porco que cria e mata! Num fala assim patrão, meu coração está a bater com força. Fiquei só assim neste entretanto de conversa. O riso ainda me voa dentro do peito como um passarinho. Qualquer dia dão-lhe uma fisgada, patrão! Pópilas, não sou teu patrão! Ficamos assim mesmo com o futuro a prender-nos ao passado, ganhando massa muscular…

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 09:35
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Segunda-feira, 13 de Agosto de 2018
A CHUVA E O BOM TEMPO . XCIV

A HIERARQUIA MUNDIAL - 13.08.2018

- As leis da natureza dizem que independentemente do estatuto parental, todos nascem pelo mesmo local, nus e ateus… A ESPERANÇA é a fronteira que consegue manter a condição social e financeira de pobres, pensando ilusoriamente de que um dia, o euro milhões o fará rico e assim, comprar uma vivenda em Cascais…

Por 

canhot1.jpgAntónio J. CANHOTO...  Um polémico cronista saído da Luua, que tem o diabo à perna... Um cronista 5*****

soba k.jpgAs escolhas de T´Chingange 

OPINIÃO

A única verdade que impera neste mundo é a teoria do evolucionista Darwin, quando dizia que os mais fortes sobreviverão sempre aos mais fracos. Pelas minhas constatações e análises também concluí que os mais ricos e fortes em circunstâncias adversas sobreviverão quase sempre aos mais pobres e fracos. Dentro desta mesma linha de pensamento os mais bem preparados academicamente ou como artesãos vencerão sempre os oponentes menos municiados e qualificados nos desafios ou oportunidades que a vida ou o mercado de trabalho tiver para lhes oferecer.

:::

Não existem segredos existenciais ou filosofias de vida que nos levem ao sucesso pois estes não dependem daquilo que possamos aprender pela forma doutrinária ou pelo nosso autodidactismo nos assegurem um êxito ou triunfo garantido quer nas nossas actividades pessoais ou profissionais. Para quem não nasce rico num berço de ouro, com ama e “chauffeur” não frequenta escolas e universidades privadas de renome internacional, a vida é dura, mas simples de entender, pois obedece a um teorema ou equação onde o logaritmo não permite que ninguém fuja ao conceito de que esta apenas lhe proporcionará sete estatutos vivenciais.

avillez00.jpg Na hierarquia da vida ou se é empregado ou patrão, vencido ou vencedor, rico, remediado ou pobre. As leis da natureza dizem que independentemente do estatuto parental todos nascem pelo mesmo local, nus e ateus, contudo a sociedade alicerçada nas leis do país do qual somos cidadãos juntamente com os nossos progenitores reservam-se ao direito de nos diferenciar pelos berços que nos esperam, a casta social a que iremos pertencer e a religião que iremos seguir.

:::

Alguns privilegiados têm o condão de nascer e viver desde o berço no topo da pirâmide social e financeira rodeados de todo o luxo que o dinheiro pode comprar. A grande maioria dos recém-nascidos é parida do meio da pirâmide para a base num escalonamento que obedece a um lato e variado conjunto de regras rígidas que abarcam características culturais, tradicionais, regionais, sociais, académica, financeiras, rácicas, xenofobicas, politicas, religiosas e homofóbicas durante todo o nosso percurso existencial. Tal como se fosse um sinal de nascença visível numa parte do corpo difícil de ocultar.

bordallo.jpg Todos nós sabemos que quem vive nos chamados rés-do-chão em prédios de vários andares e que têm pátios ou quintais que estes se tornam os caixotes do lixo de quem nos andares superiores que são sempre os mais caros devido á vista que proporcionam aos seus proprietários. No sistema das hierarquias do organigrama social sucede exactamente o mesmo, os pobres e remediados encontram-se sempre em posições de vulnerabilidade e na dependência de um salário para viver o que implica sofrer na pele os humores, caprichos, autoritarismo daqueles que usufruem do poder para os admitir ou tornar obsoletos e descartáveis.

:::

Metaforicamente falando, os pobres que vivem na base da pirâmide é como se vivessem no rés-do-chão os quais usualmente têm pátios ou varandas em prédios de ricos e que enquanto estejam nas suas varandas apanhem com as cuspidelas, beatas de cigarros ou os restos de charutos ainda fumegantes nas cabeças. Alguns mais corajosos ainda têm o atrevimento de se aventurarem a reclamar batendo á porta do vizinho rico, mas se o fizerem terão que se preparar para sofrer as consequências retaliatórias.

:::

Alguns mais atrevidos e ousados pensam reunir as condições que lhes permitam encetar solitariamente alpinismo social na tentativa de chegarem ao topo da pirâmide, mas a grande maioria fica pelo caminho pois os trilhos estão armadilhados e minados. Alguns conseguem heroicamente chegar ao topo, mas nunca serão aceites ou integrados pelas elites que lá nasceram e vivem consequentemente esse ostracismo a que serão vetados como infecto-contagiosos acabará por os fazer descer a pirâmide para uma zona de maior conforto e aceitação pelos residentes.

poluição.jpg O único factor que mantem o equilíbrio mundial, impedindo revoltas e que as massas trabalhadoras se apoderem das riquezas que geram para terceiros o que já aconteceu em Portugal logo após o 25 de Abril de 1974, é a ESPERANÇA de que um dia possam eles também estar no poleiro e usufruir dos privilégios das elites minoritárias. A ESPERANÇA é a única vedação e fronteira que consegue manter as massas trabalhadoras de condição social e financeira de parias e pobres contidas pensando ilusoriamente de que um dia devido a um golpe de sorte por herança, lotaria ou euro milhões se possam autopromover subindo mais degraus na pirâmide da vida trocando a aldeia pela cidade, o exíguo apartamento na Picheleira por uma vivenda em Cascais.

:::

Passar de pedestre a locomover-se num Lexus, deixar de ir á praia em Caxias e ir para Maldivas, Seicheles e Bali. Como ninguém enriquece apenas pelo suor do seu rosto e fruto do seu trabalho, só existem três formas de chegar ao desiderato de nos considerarmos ricos. A primeira é de forma licita como empresários, explorando empregados e pagar-lhes ordenados miserabilistas, a segunda de forma ilícita e fraudulenta e a terceira devido á sorte. O segredo para matar a inveja ou o desejo de todos quererem ser ricos foi o de lhes inteligentemente criar a ilusão de que podem ser iguais aqueles que gostariam de emular e que no mundo existe sempre o lugar para mais UM poder vestir Cristian Dior ou comer caviar, faisão e lagosta.

nzi01.jpg Pois! Regando a sua opípara refeição com D. Peringnon se tiver dinheiro, bom gosto e um palato refinado. Se todos viverem na esperança e ilusão de que mais tarde ou mais cedo poderão triunfar, o mundo funciona muito mais calmamente sem agitações, atritos, revoltas ou greves, e as pessoas não se magoam umas às outras nem se atropelam, pois, vivem nessa falsa expectativa de que a sua hora também chegará. A ideia que norteia toda esta massa anónima que vive e labuta dentro e fora do seu país é a de que um dia irão voltar à cidade, aldeia, vila ou rua, ricos e poder mostrar que também eles cidadãos anónimos, passaram a ter um nome que todos conhecem, veneram e respeitam, por se terem alcandorado para patamares que os diferenciam do resto dos habitantes do seu burgo.

paulo0.jpg Quando não se nasce rico, o que acontece à grande maioria das pessoas, existem para os pobres períodos entre o nascer, viver e morrer onde a pobreza e o luxo podem em circunstâncias muito especificas ocasionalmente conviver. Nesses pequenos intervalos de luxúria libidinosa onde os pobres podem usufruir do gozo e prazer das secreções e clímaxes orgásmicos que o dinheiro pode proporcionar, os ricos vivem com elas desde que nascem até morrer numa ligação umbilical permanente. As leis pela qual mundo está organizado, feito e construído, são apenas duas: as imutáveis com que a física e a natureza nos premiaram ou as criadas pelos humanos que força a plebe e o proletariado a cumprir e obedecer.

António J. Canhoto . 28-7-2018



PUBLICADO POR kimbolagoa às 07:02
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quarta-feira, 8 de Agosto de 2018
A CHUVA E O BOM TEMPO . XCIII

FRINCHAS DA VIDA – PRISÕES SEM GRADES - 08.08.2018

OPINIÃO - As crenças religiosas, fantasias sexuais ou ideologias políticas pertencem ao foro privado de cada um

Porcanhot3.jpgAntónio José CANHOTO...  Um polémico cronista saído da Luua, que tem o diabo à perna...

kimbo 0.jpgAs opções do KIMBO

Imitar ou copiar é fácil, seguir alguém ou alguma crença torna-se numa necessidade imperiosa para a grande maioria dos seres humanos de crer em algo mesmo que não existam evidências das suas reais existências. Estas pessoas são impotentes para controlar as suas emoções devido ainda viverem na idade das trevas. Estes primitivismos seculares conduzem a estados de alma psicológicos de histeria ou de completa alienação pela forma como manifestam as suas reacções, sem que a razão, logica e bom senso tenham qualquer intervenção que impere na sua capacidade de raciocínio e lucidez ou poder de controlo sobre a mente e da realidade nua e crua.

:::

Quando não somos seguidistas não precisamos de gurus que nos adestrem ou doutrinem, pois, as nossas capacidades intelectuais permitem-nos ter o atrevimento de solitariamente percorrermos o nosso caminho apenas com a ajuda do nosso cérebro sem a necessidade de bússolas, mapas, GPS, bengalas espirituais ou livros sagrados. Para atingirmos este estágio cerebral requer coragem e independência, pois quem demonstre pensar e questionar demasiado, acaba sempre de ser expulso de qualquer, classe, seita, religião, culto, partido ou grupo devido ao medo que os formadores têm de uma eventual contaminação de dissidência.

AMADEU3.jpg Fragmentos - Nossa Vida, uma tombola...

O mundo está coalhado de idiotas estrategicamente distribuídos por todos os sectores da sociedade para que os inteligentes sejam confrontados com a sua estupidez, imbecilidade e cretinice quando diariamente os encontram em cada esquina da vida. Metaforicamente os crentes adestrados e beatos que vêem para o Facebook vender a banha da cobra da sua religião podem gostar de sentir-se retratados como louva-a-deus, contudo acho que essa analogia é errada pois como insectos que são, teriam que ser vistos como baratas pelo horror que a luz e o conhecimento lhes causam.

:::

Atrevo-me a dizer que toda a inteligência existente dada por pseudo deuses á humanidade foi destinada aos ateus. Tenho que agradecer aos meus pais me terem deixado nascer e permanecer livremente ateu sem exercerem sobre mim nenhuma violência religiosa numa fase em que não me poderia defender. Felizmente fui criado e educado sem religião ou deuses e deixado ao meu livre critério decidir e exercer por mim próprio todas as opções profissionais, pessoais, culturais, tradicionais, sociais, políticas e religiosas.

amendo3.jpg Esta amendoa também se come

Com o tempo acabei por concluir que não precisava de religiões para nada, uma vez que sei que a única vida que tenho foi herdada de um espermatozóide do meu pai e de um óvulo da minha mãe, e qualquer outra que exista depois da morte deixo-a para os crentes religiosos. A existência de deuses para quem neles acredita, implica a abdicação da razão pela fé e crença as quais resultam no encarcerando dos cérebros em prisões sem grades das quais os reclusos não pretendem sair voluntariamente negando a liberdade de que têm direito.

:::

Não passam de pássaros a quem lhes cortaram as asas após a nascença, e quando não as cortam metem-nos em gaiolas por longos períodos de tempo e quando anos depois lhe abrem a porta estes recusam-se a sair pois pensam que perderam a capacidade de voar e ficam lá dentro remetidos a uma escravidão eterna. Todos aqueles com alguma inteligência que se recusam a ser chamados á razão, verdade e conhecimento tornam-se intolerantes, os que não conseguem em virtudes dos seus negativos coeficientes de inteligência serem negativos e seus neurónios se recusarem a trabalhar pois vivem em greve permanente.

araujo18.jpg Tormentos - De Costa Araújo Araújo*

São idiotas, e aqueles que não ousam por cobardia e se satisfazem a ser treinados e adestrados como cães de circo não passam de escravos. Não me ofende que as pessoas tenham a liberdade de acreditar nos deuses com que os envenenaram desde a nascença, agora o que me perturba e chateia é que tentem forçar os outros a viverem de acordo com as regras em que acreditam e escolheram para si próprios.

:::

Sem sentir que tenho a liberdade de chamar os bois pelos nomes o que poderá eventualmente ofender quem me leia, não existe na minha opinião liberdade de expressão e consequentemente ninguém nos leva a sério. As crenças religiosas, fantasias sexuais ou ideologias políticas pertencem ao foro privado de cada um e não devem ser devassadas, partilhadas, comentadas ou sugeridas como verdades absolutas no Facebook que é uma rede social e cujo dono Mark Zuckerberg é um convicto ateu.

ki2.jpg  Ilusões - Dança da Vida

Uma das palavras mais pequenas composta apenas por duas letras e que carregam uma ignorância alarmante tão grande é FÈ, arma de destruição maciça de mentes dormentes, inertes ou de hibernação permanente a qual na minha opinião é a rendição da razão á mentira, lenda, mito, tradição cultural e religiosa dos pais e tipo de governo do país onde nasceram.

:::

É a entrega da única coisa que nos torna diferentes dos outros mamíferos irracionais. Por outro lado, os livros sagrados nada provam excepto a ignorância de quem os lê, pois foram escritos há milhares de anos onde os escribas que os compilaram, sem nenhum conhecimento científico dos fenómenos terrestres, climatéricos, físicos ou químicos que despoletam reacções algumas bem assustadoras e devastadoras. Ser racional é um direito e um dever que devemos exigir a nós próprios deixando as crendices não provadas pela ciência para os acéfalos.

araujo 105.jpgA vida - De Costa Araújo Araújo*

Todas as mentiras religiosas que desde há milhares de anos têm vindo sistematicamente a ser impostas de forma mais ou menos violenta á humanidade continuam nos dias de hoje a ser repetidas até que eventualmente acabaram por ser admitidas e seguidas como verdades para os não iluminados. Termino este pequeno texto domingueiro com esta máxima de que é impossível para um homem aprender a VERDADE quando optam deliberadamente por viver numa MENTIRA, a qual pensam ser indestrutível sem mesmo terem qualquer prova factual ou real da sua existência.

Nota* : A escolha das ilustrações são da reponsabilidade de T´Chingange - O Soba...

António José Canhoto - Escrito de 8-7-2018



PUBLICADO POR kimbolagoa às 05:46
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quarta-feira, 1 de Agosto de 2018
XICULULU . CXI

TEMPOS QUENTES – ÁFRICA DO SUL - 01.08.2018

Porque cada homem é um mundo, tem que ao tempo, dar-se tempo… Eu entro no FaceBook para me rir, brincar e aprender algo! Se fosse para chorar, entrava na minha conta bancaria!

soba15.jpgAs escolhas de T´Chingange

Pormatias j.jpgJosé Matias - Um homem de fé, que do seu modo quer mudar o mundo; mas o mundo roda noutros rolos... 

Público aqui o que tenho escrito sobre os povos da S.A. e suas origens para quem ainda tem dúvidas. Se o homem branco na África deve ser forçado a deixar a África do Sul, então deve o homem branco do Canadá, Austrália, Nova Zelândia, EUA, Uruguai, Argentina, acautelar-se com as piores visões de gente como esse tal de Malema que se quer fazer ouvir.

:::::

A ser assim o Brasil e todos os outros países aonde o homem branco se instalou, terão de rever sua política de coexistência pacífica dentro dos padrões modernos e pensarem voltar para a Europa de onde saíram!? Claro que isto é um desproposito da maior aberração mas convêm dizer-se que o Mundo anda bem distraído no eu toca a isto. Angola foi uma das últimas aberrações em termos da enorme fraude a que chamaram de descolonização.

áfrica19.jpg Não obstante saber-se do tudo como aconteceu, ainda se reconhece a perturbação dum silêncio que faz por calar a verdade da mentira. Quando o homem branco aqui chegou, a África, em partes desta mesma terra do Sul do continente, não existia esta gente que agora apregoam ser os donos disto e daquilo, cometendo os mesmos desaires das descolonizações recentes.

matipa-tipa.jpg Tudo resvala para o mesmo erro de outros povos que, nem sabiam quem eram, e onde estavam, pois nem fronteiras existiam; quem as marcou, foram povos que fizeram desta terra a sua e, construíram todas as estruturas, que faz inveja a muitos países europeus.

araujo2.jpgIncitados pelos pseudo liberais esquerdistas, paulatinamente vão destruindo as fontes de trabalho, matando fazendeiros, promovendo aqui e ali insurreição gratuita, queimando pneus na estrada, impedindo o progresso e influenciado estes povos, cantando-lhes canções de entorpecer a vida de todos, patrões, funcionários e gente laboriosa que só pretende subir com seu próprio suor.

koisan5.jpg Querem forçosamente destruir e aprisionar este povo, mantendo ditaduras corruptas, em que só eles mesmos, os da nomenclatura se servem a belo prazer com enriquecendo ilícito. Também aqui o caso de Angola é gritante! Não me venham contar histórias de embalar, pois que por aqui ando há 52 anos; sei bem qual o pensamento destes em detrimento dos que desejam cohabitar com os brancos, que jamais saiam desta terra – África do Sul; muitos sabem o quanto será difícil sobreviver sem o potencial branco.

matias14.jpg Os influenciados, por estas castas manhosas ou diabólicas de cariz esquerdista e, sendo até alguns deles riquíssimos, até milionários, sabe-se que fizeram sua riqueza por intermédio do branco. Têm carros do último modelo, casas com torneiras de ouro, palácios financiados pelos brancos, suas roupas que não são mais peles de animais, relógios dos mais caro do mercado, calçado vistoso, o verdadeiramente apropriado para um digno senhor ou senhora.

:::

Há escolas para todos, em um número muito superior ao resto da África. Não me venham dizer que os brancos quando aqui chegaram, encontraram todas estas criatividades sociais! Que falar de terras de quilómetros e quilómetros, lavradas com 40 a 50 máquinas a par umas das outras, desbravando terras, plantando milho e tantos géneros essenciais ao povo; para dar comida a 40 milhões de pretos e 5 milhões de brancos.

matias15.jpg Seria possível cavar á enxada este quilómetros a perder de vista? Este é um mundo cada vez mais hipócrita, cheio de mentiras, onde o mal é falseado em um suposto bem. Estamos na realidade dos fins dos tempos, pois ninguém mais irá parar a trapalhada, onde se poderá prever fome, uma crise como nunca houve desde que aqui chegou o primeiro branco. Pensai, é tempo de olhar para o alto de onde nos vem o socorro! Deus que nos criou, e que nos deu regras para fazer a vida nas cores de cada qual sem O desprezar porque nos fez do pó desta terra.

José Matias 01.08.2018



PUBLICADO POR kimbolagoa às 21:56
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Segunda-feira, 30 de Julho de 2018
A CHUVA E O BOM TEMPO . XCII

FRINCHAS DA VIDA30.07.2018

VIVER OU EXISTIR - Óscar Wilde dizia: “Viver é a coisa mais rara e difícil do mundo, a maioria das pessoas apenas existe”

Por

canhot3.jpg António José CANHOTO...  Um polémico cronista saído da Luua, que tem o diabo à perna...

soba15.jpgAs escolhas de T´Chingange 

Óscar Wilde dizia: “Viver é a coisa mais rara e difícil do mundo, a maioria das pessoas apenas existe, Por sua vez o filósofo Francês Rene Descartes afirmava “Cogito Ergo Sum” que traduzido do latim significa “Se penso logo existo”. Esta máxima dá origem a duas situações distintas, há pessoas que existem porque pensam e há pessoas que apenas existem, mas cujas capacidades cognitivas são inexistentes, portanto na minha opinião é o que separa estes dois verbos.

oscar6.jpg Viver implica viajar, ler, evoluir, ter brilho nos olhos, sorriso nos lábios e emoções no coração, não se deixar escravizar por doutrinas ou ideologias, hábitos ou vícios, ter pensamento próprio e rejeitar tornar-se seguidista ou prosélito, enriquecer o seu património cultural, arriscar o certo pelo incerto, nunca desistir antes de começar qualquer projecto, parar de sonhar maldizendo sempre a sua má sorte queixando-se que a chuva, vento, neve ou granizo justificam o seu imobilismo, não ter coragem para quebrar rotinas, tornar-se religioso com medo da morte esquecendo-se de que estar vivo exige um esforço muito maior do que apenas respirar para existir.

:::

O segredo da existência humana não reside apenas em viver, mas saber-se para que se vive. Acho que a maior tristeza para quem não vive a vida é morrer-se vivo. Só há duas formas de viver, uma é revisitar o passado e vasculhar no baú das recordações, a outra é projectar o futuro planeando e sonhando. Viver e existir não andam de mãos dadas nem se encontram dentro dos mesmos parâmetros vivenciais, para existir basta respirar e estar vivo enquanto para viver é preciso pensar, reagir, ginasticar o corpo e a mente alimentando os nossos neurónios com problemas que os levem a cogitar e não viver hibernado.

araujo1.jpg Pensar permite-nos tomar opções, escolher caminhos, definir o nosso posicionamento e lugar no mundo, mantendo um distanciamento independente, saudável e periférico, sem filiações ou crenças em nada ou ninguém. Não é apenas por respirarmos que todos os seres humanos existem, há pessoas que nascem, vivem e morrem sem nunca terem sabido o que era viver, existiram como se tivessem nascido nado-mortos.

:::

Viver exige sangue, suor e lágrimas, implica aprender, e para ser aprendiz, é preciso humildade para reconhecer a própria ignorância. Viver implica educar-se, instruir-se e preparar-se o melhor possível para enfrentar a vida com sucesso em todos os aspectos com que somos diariamente confrontados. Precisamos de experimentar a angústia de saber-se iluminado sem nos sentirmos a luz do mundo, vivenciar as dores e venturas de sentir-se completo sem poder ser pleno.

ara3.jpgViver implica dinâmicas de movimento, e não há movimento sem esforço e atrito. Para existir, basta estar plantado como uma árvore, inerte, deixar que o nosso corpo se movimente automatizado, tipo robot. Para vivermos em toda a plenitude, é preciso que nos entreguemos, por inteiro, sem condicionalismos ou reticências. Para existir basta ter um coração que bombeie o sangue para as várias partes do corpo e isso tanto pode acontecer quando estamos no pleno uso das nossas faculdades ou em coma vegetativo.

Ilustrações de Cota Araújo Araújo

António J. Canhoto . 29-7-2018



PUBLICADO POR kimbolagoa às 06:52
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

CAZUMBI . XLVII

ALGUMAS REGRAS DE VIDA - 30.07.2018

UNGAMBIKULA deus aborígene criou o homem a partir da bolha - TRACEL deus Maia que criou o homem do milho 2ª de 2 Partes

kimbo 0.jpg As escolhas do Kimbo

Porcanhot1.jpg António José CANHOTO...  Um polémico cronista saído da Luua, que tem o diabo à perna...

(...) ODIN deus Nórdico que criou o homem de um freixo. JAVE Judaico/Cristão criou o homem do barro/pó. PROMETEU deus Grego criou o homem da argila. RÁ deus sol Egípcio criou o homem de suor/lagrimas. VIRACOCHA deus Inca criou o homem da pedra. MBOMBO deus da Africa Central criou o homem do vómito.

:::

UNGAMBIKULA deus aborígene criou o homem a partir da bolha. NUWA deus Chinês criou o homem da lama. OBATALÁ, deus Yoruba criou o homem do barro. ALÁ deus muçulmano criou o homem de esperma/pó/água/coágulo/barro. COYOTE, deus Indio Norte Americano criou o homem do galho.

unga1.jpg A minha função bem como a de qualquer historiador é a de lembrar às sociedades espalhas pelo mundo aquilo que por vezes por vergonha, desconhecimento, ignorância ou crença querem ignorar ou esquecer. Há muita gente que sofre do complexo de epistemologia, ou seja, o medo do conhecimento. O mesmo depois de adquirido por necessidade, questionamento ou acidentalmente pode eventualmente destruir e arrasar com todas as crendices ou superstições que essa pessoa possa ter.

:::

Todos nós em diversas fases da vida fomos doutrinados pelos profetas e pregadores que vendem a banha da cobra politica ou religiosa. Uns absorvem-na mais rapidamente que outros mais renitentes, tudo depende da escuridão ou luz em que vivem os seus cérebros. Na minha opinião o estupro cerebral e mental e tão ou mais violento do que o sexual. Muitas pessoas sofrem de depressão devido ao seu excesso de passado que dificilmente esquecem, outras vivem em stresse permanente devido á forma intensa e violenta como vivem o presente e finalmente há aqueles que vivem permanentemente em ansiedade pelo excesso de pensarem no futuro.

unga2.jpg O maior medo psicótico da humanidade é ousarem abrir a cortina do conhecimento o que poucos têm coragem de o fazer como medo de se auto-excluírem do paraíso pela morte e descobrirem que tudo em que falsamente acreditaram durante toda as suas vidas nunca existiu. Para todos os religiosos que seguem devotadamente as mais de 100 religiões que se abrigam debaixo do chapéu do cristianismo afirmam convictamente que o seu deus lhes concedeu o livre arbítrio.

:::

Agora muito ingenuamente, pergunto que livre arbítrio é esse quando o mesmo está restrito a duas únicas opções: Seguirem deus e ir para o céu, ou desobedecer ás suas leis ir irem parar com o coirão no inferno. Nietzsche dizia com certa propriedade no seu romance “O Anticristo”, “que aqueles que eram vistos a dançar eram considerados loucos por aqueles que não tinham a capacidade de conseguirem ouvir a música”.

ÁFRICA0.jpg Este pensamento demonstra que todos aqueles que fogem ao unanimismo do pensamento são considerados divergentes perante os olhos da sociedade, das seitas, tribos, confissões religiosas, partidos políticos que os catalogam como perigosos. Estes refractários ou dissidentes tresmalhados podem contaminar o rebanho que vive proibido de pensar ou questionar, pois quem tem o atrevimento de o fazer acaba sempre por ser expulso do rebanho aonde não pode ou deve haver ovelhas negras.

:::

Para alguém renascer terá que deixar-se morrer, se alguém quer andar erecto tem que perder o hábito de se curvar ou ajoelhar subservientemente a outros homens ou deuses. Para alguém se alimentar intelectualmente de algo novo, refrescante, desafiante, impactante tem que esvaziar e reciclar da sua mente todo o lixo que aí foi acumulado ao longo dos anos pela escuridão em que viveram essas mentes.

orquidea.jpg A religião é sempre o refúgio do moralmente medroso e fraco, bem como do intelectualmente cobarde que receia em pânico ver a sua verdade destruída pela razão. A mentira estará condenada a existir enquanto houverem imbecis e idiotas que se sintam confortáveis em viver e dormir com ela.

António J. Canhoto – 10.09.2017



PUBLICADO POR kimbolagoa às 05:00
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Terça-feira, 24 de Julho de 2018
CAZUMBI . XLVI

ALGUMAS REGRAS DE VIDA24.07.2018

UNGAMBIKULA deus aborígene criou o homem a partir da bolha… 1ª de 2 Partes

kimbo 0.jpgAs escolhas de Kizomba

Por canhot1.jpgAntónio José CANHOTO...  Um polémico cronista saído da Luua, que tem o diabo à perna...

De T´Chingange: Escolho Canhoto porque tal como eu - ambos estamos na charneira da vida  com uma escrita criativa, sem temor nem tremer, nem combinar com um qualquer marketing, tentando como um esquentador antigo, manter a chama piloto a falar do passado e, sempre com vontade de beijar o futuro…

araujo176.jpg Vou começar esta crónica citando José Saramago que usando uma metáfora dizia que é necessário sair da ilha para ver a ilha, ou seja que não nos vemos senão conseguirmos espiritualmente sairmos de dentro do nosso materialismo corporal para reflectidamente meditarmos sobre os ajustamentos que precisamos fazer para melhorarmos o nosso posicionamento e comportamento existencial.

:::

Podemos fugir de tudo e de todos, menos de nós próprios e, essa situação acontece quando nos auto aprisionamos dentro das nossas estupidas crenças e convicções que não passam de cordas religiosas com que nos ataram desde a nascença e das quais poucos se conseguem libertar durante a vida. Todos temos o privilégio de arrogantemente nos considerarmos livres para fazermos as nossas escolhas, mas seremos sempre prisioneiros das suas consequências.

fui.jpg Muitas das crenças em que acreditamos foram-nos impostas na tenra idade pelos nossos progenitores sem que tivéssemos opção de escolha. Nenhuma ideia, regra, dever ou lei se torna verdadeira porque alguém investido de autoridade eclesiástica ou política diz ser a verdade Universal. Quer essas pseudoverdades estejam escritas num livro chamado de “Bíblia” ou “Capital”. Acreditar é algo que não torna verdadeiro o que é mito mesmo que biliões de pessoas pensem de forma idêntica.

:::

Até que você se tornar consciente pelo conhecimento o seu inconsciente irá reger a sua vida á qual estupida e ignorantemente chamam de destino. Buda também um dia afirmou que a mente é a fonte da felicidade ou infelicidade ao que eu aditarei que será o nosso paraíso ou inferno consoante a forma como alienarmos as nossas vidas, particularmente quando passamos procurações para que terceiros decidam por nós transmutando-nos voluntariamente de seres humanos pensantes para marionetes.

poluição.jpg A nossa hereditariedade é decidida biologicamente pelos nossos pais e geograficamente pelo local do mundo onde nascemos. De ambos herdamos opiniões, hábitos, tradições, culturas, crenças, rotinas mentais, estilos de vida, incluindo as roupas que vestimos e tudo isto acaba por definir a forma comportamental como nos moldam de acordo como pretendem que vivamos. A mente pode ser o nosso maior aliado ou inimigo e torna-se implacável, ditatorial e subjugadora no que pensamos, idealizamos, criamos, sentimos, atraímos e acreditamos mesmo que por vezes tudo não passe de onirismos e miragens.

:::

As pessoas são ingenuamente levadas a acreditar desde crianças em seres imaginários e histórias mirabolantes o que acontecerá enquanto não houver uma resposta inquestionável dada pela ciência que decifre a origem da vida ou do surgimento do Universo. Enquanto isso não acontecer haverão sempre espertos, vigaristas e gurus donos da verdade a criar deuses e religiões para as necessidades espirituais dos carentes e ingénuos que precisam dessas bengalas para se locomoverem pelos caminhos da vida.

volk.jpg Para mim, todas estas lendas e mitos religiosos são devidos a quatro perguntas sacramentais. 1ª- Como surgiu o Universo? 2ª- Como surgiu a vida? 3ª- Como se processou a evolução humana? 4º- O que existe após a morte? Nem a ciência ou a religião têm respostas aceitáveis para estas questões.

ROXO167.jpg Os primeiros têm teorias, os segundos arrogantes e estupidamente afirmam indubitavelmente que têm certezas. Na minha modesta opinião quem afirmar que sabe a verdade mente descaradamente. Os crentes que vivem imbuídos pela cegueira da fé são inconscientemente desonestos devido à sua irracionalidade religiosa. Aqui vos deixo algo para seriamente meditarem sobre o que cada Divindade usou para criarem o homem de acordo com as diferentes mitologias que o tempo matou, mesmo antes da existência desta última conhecida por Santíssima Trindade.

(Continua…2ª de 2 Partes...)

António J. Canhoto – 10.09.2017



PUBLICADO POR kimbolagoa às 18:16
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Segunda-feira, 23 de Julho de 2018
A CHUVA E O BOM TEMPO . XCI

FRINCHAS DA VIDA – 23.07.2018

-Angústias de megalomania… Dentro da teoria do NADISMO; Um PRÓGNOSTICO que, nem é carne nem peixe – é NADA!

Por

tonito 20.jpgT´Chingange Na Quinta das Telheiras de Vila Real de Trás os Montes

Ando a revestir-me de uma armadura contra a megalomania daqueles que julgam possuir uma chave de abrir uma quelha que dá para várias galerias e, aceitando depois a arte natural feita pelas formigas, térmitas salalés, do kissonde ou, mesmo dos ácaros que tracem esculturas ou desenhos aleatórios nos húmus das paredes.

:::::

Nos húmus das paredes ou também de nossa pele, tornando-os espíritos da liberdade, sacrificando-nos como cobaias como que uma sublimação a que Freud se refere, citando coisas da arte, da ciência, do desporto e da política; os mesmos feitos do salalé visando assim sublimação na criação artística.

roxa112.jpg Será assim que se opera a solicitação no imaginário!? E, então em qual húmus se vai desabrochar a imaginação? Qual o móbil através da qual a criatividade se transforma em criação? Sim! Em que virtude determinamos se, se vai escolher perante os tantos mistérios, quais os instrumentos e em que alicerces?

:::::

Pois! Teremos assim e, em suma, o porquê do porque se destinam algumas pessoas à realização de obras plásticas e outras artes com ou sem o brilho fosfórico do imaginário, somando-se à criação de obras literárias!? Sim! E, de entre estas porque pertencerão algumas à teoria do esquecimento, do engano ou mesmo hipocrisia.

roxo152.jpg E, porque fazem poemas mentirosos de numa química misturarem angústias com amor só porque estupor, ruma com amor! Então e, afinal, quais as frágeis linhas decidirão a fronteira entre a exigência e os ensaios narcisistas? Serão as térmitas também narcisistas!? Não farão estas, parte das obras de Joana de Vasconcelos, um hino à futilidade! Que interesse poderá ter para alguém se na ida proálem, seu caixão leva ou não um penduricalho rendado.

:::::

Serão as salalés e as suricatas representantes da fluidez de seus sonhos, se é que sonham! Este caminho louco da mais descarada arbitrariedade, leva-me à química mais natural da natureza, do NADISMO, pois que é daqui que tudo surge, um estranho paradoxo ou uma dinâmica ambígua da excitação, exsudando estigmas das alucinações ferozes ou inibições paralisantes, um gesto único de cada vez, como num coito.  

roxo110.jpg Sendo assim, a natureza terá como lei a obtenção dos seus fins pelos meios mais económicos. Não se entende bem do porquê Aristóteles ter dito tão claramente que a arte é uma anti natureza! Claro que tenho dúvidas. Porque o NADA, surge-nos a partir dos mecanismos psíquicos da criação. Não é por acaso que só agora, no ano de dois mil e dezoito, se sabe que os neutrinos estão a quatro mil milhões de anos-luz e, vêm a até nós desde o NADA do Big Bem…  

:::::

Neutrinos que se escondem no NADA dos buracos negros e que nos trespassam literalmente. Digamos que os neutrinos são partículas elementares muito fugazes, que têm massa, carga eléctrica nula e que se interagem muito pouco com a matéria, incluindo o nosso corpo, que atravessam aos milhares de milhões por segundo sem grandes interacções. Por isso, a sua detecção ser tão difícil.

roxo11.jpg Os neutrinos do electrão são emitidos em enormes quantidades pelo Sol, onde são produzidos por reacções nucleares. À Terra chegam 65 mil milhões de neutrinos por segundo e por centímetro quadrado. Simplesmente espantoso! O NADISMO diz-nos que o que é falso na obscuridade, também o é em plena luz e, que o seu inverso também é verdadeiro.

roxo169.jpg Assim tolhidos pela dormente ineficiência do NADA, impõem-se-nos evidências tão terríveis que nos darão decerto novas formas de aconchego aos verdadeiros principios da vida! Ao longo de uma viagem através de culturas, de línguas, literaturas e eras, esta imagem só ficará, se ficar, uma teórica e diferente visão do nosso viver.

Ilustrações de Assunção Roxo

O Soba T´Chingange  

  



PUBLICADO POR kimbolagoa às 16:40
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sexta-feira, 20 de Julho de 2018
XICULULU . CIX

TEMPOS QUENTES - 20.07.2018

– BOOKTIQUE DO LIVRO - I

Xicululu: Mau-olhado

Por

soba0.jpeg T´Chingange, vulgo António Monteiro

Mary0.jpgUm Desafio de Maria João Sacagami

Livros em cima do criado mudo (mesa da cabeceira)

1 - A minha Empregada - Editorial Estampa de - Maggie Gee

2 - O ano em que Zumbi tomou o Rio - Quetzal - José E. Agualusa

3 - O Último Ano em Luanda - ASA - Tiago Rebelo

4 - BURLA EM ANGOLA – Burla em Portugal - Guerra e Paz – Susana Ferrador

5 - História da riqueza de brasil – Estação Brasil – Jorge Caldeira

Mary1.jpg A MINHA EMPREGADA - Obra de classe, escrita com um elegante humor, uma prosa límpida como o vidro que é o líquido mais espesso que conheço. Tem um ritmo gracioso e uma fluidez de maravilha. Tal como o vidro, escorrega num mistério que só descobri quando visitei a casa velha de passar férias em Alcantarilha do Algarve, propriedade de Ramalho Ortigão; vi nesse então que o vido da janela já rachado era muito mais grosso na base. Era para mim um desconhecido mistério mas, uma verdade difícil de compreender.

:::::

Falando da minha empregada empoleirada no meu criado mudo, direi por agora, que é negra e encarregada da rouparia branca de um hotel em um país chamado de Uganda. E, tudo começa em um dia em que o Sol brilha sobre os campos e, a roupa branca do hotel a ser um rosário buliçoso feito missanga a corar. Estávamos a gozar a kúkia (sol) num fim de tarde em Campala na companhia de Mary…

Mary2.jpg Com trinta anos nascidos num mês de Outubro, Mary a minha empregada dizia que poderia ter-se saído melhor na vida caso tivesse tirado uma licenciatura mas, de todo o modo sentia-se bem no papel de encarregada da rouparia de roupa branca, um bom emprego, apenas abaixo da governanta. Eu e ela, afinal, aprendemos a dar-nos por felizes por não termos agora uma revolução de ter medo, de correr, ou nos fecharmos num mukifo acumulando enlatados e pacotes de comida à espera dos boatos.

:::::

Ela lembrava-me a chacina do Idi Aminm Dadá e dum tal de Obote da sua Uganda e sua Campala e eu relembrava os dias de desespero às ordens dos revolucionários da Luua, a capital de Angola. Temos de viver um dia de cada vez. Há coisas que perdemos, coisas que sofremos mas agora, o Sol cintila. Apesar do tiroteio que ouvíramos durante a noite naquele então, e dos assassínios que aconteciam não muito longe de nós, o riso ainda nos voava dentro do peito como uma celeste, um cardeal ou outro qualquer passarinho.

Mary3.jpg Falando assim, nossos corações começaram a bater com força, buzinando-nos em todas as direcções, prendendo-nos o futuro em recordações num tempo em que ambas as cidades estavam pejadas de escaravelhos de metal feitos obuses, caranguejos feitos órgãos Staline e canos compridos de meter medo chamados de monacaxitos mais canhões sem recuo. Eram guerras de tundamunjila.

Mary4.jpg Os anos que passamos noutros nossos lugares, contamo-los como se fossem missangas enfiadas num fio. Era um tempo em que surgiam guerrilheiros como ratos, nos lugares mais surpreendentes. Surgiam dos bairros com fitas cruzadas cravando uma gasosa, um cigarro, uma qualquer outra coisa de valor extorquido ao medo. Afinal eu e Mary tinhamos muitas queixas. Ela falando de Campala e eu da revolução de Lisboa que, nos virava de pernas-para-o-ar.

Mary5.jpg Se pudéssemos adivinhar o futuro naqueles idos anos, tê-lo-íamos rogado com uma praga porque não nos foi permitido falar com um tal de marketing adstrito a uma força chamada de MFA e, aliada a um tal de MPLA que na sua força de ódio nos empurravam a ambos para o desespero. Ela não sabia que lá na Luua todos desconfiávamos que os generais emergentes feitos em aviário do M´Puto, mentiam descaradamente enquanto só ganhavam tempo para preparar a sua descolonização.   

Mary6.jpg Mas afinal isso foi assim!? Não vos consultaram!? Foi muito pior, disse eu: Todos teríamos uma palavra a dizer, diziam as novas autoridades mas, aconteceu exactamente o contrário disto. Acabei por dar um ponto final ao nosso encontro mostrando-lhe uma quitandeira com um balaio de fruta na cabeça, levando um filho às costas, seguro por um pano com a esfinge de Agostinho Neto enrolado a seu corpo. Podia-se imaginar o bambolear do mataco materno com o candengue adormecido sacolejando a cabeça ao ritmo dos passos da mãe.

mary7.jpgMary8.jpg Ela, a Mary, tal como eu, sabia que por debaixo desta normalidade aparente, havia uma grande ebulição. Afinal eram mesmo duas revoltas com nervosismo remanescente pela tardia verdade: Afinal disse ela, era preciso ser preto para se ser considerado Angolano? Talqualmente, disse eu! Olha, os donos de lá, partiram definitivamente, os serviços públicos ficaram sem funcionários. Foi um país que encerrou para dar começo a outro!  

(Continua…)

O Soba T´Chingange      



PUBLICADO POR kimbolagoa às 19:29
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Terça-feira, 17 de Julho de 2018
A CHUVA E O BOM TEMPO . XC

FRINCHAS DA VIDA17.07.2018

- Angústias de modernidade… Na teoria do NADISMO…

Por

soba0.jpeg T´Chingange  – Na Quinta das Telheiras de Vila Real de Trás os Montes

Controlando minha missão de aguentar a austeridade disponho-me a gozar mais um dia de sol nesta beirada de piscina a ver lá longe os moinhos de vento no topo da serra e, as encostas de vinhedos que descem para o rio Douro, pinhais, urzes e medronheiros com pássaros a chilrear vida e, andorinhas vindas do Sul, das Áfricas que já foram parte dum Império, de meio mundo, das índias e Brasis, da Etiópia e dum mais além do Algarve sem falar na Tapurbana, lugar aonde não fui e, que nem sei bem aonde fica.

vacas voadoras.jpg Uma vez que estou aqui apetece-me falar da Nação que está cada vez mais na mesma mas, com os desejos dos governantes em movimento pelo que posso ler na imprensa. Olhando-se entre eles e também para o ar, apreciam suas proezas de geringonça que em verdade é o que se chama, um governo minoritário dum PS - Partido Socialista. Isso! Um PS que diz caminhar na convergência possível. Sim! Eles olham para a vaca voadora com o beneplácito do Presidente do M´puto que muito presente e beijoqueiro, a todos agrada.

:::::

A todos vai dizendo que as coisas estão a ser apuradas e nós até podemos sentir o esturro de tanto apuro, tão sedentos que estamos de cheirar as verdades que o tempo fazem azedar. Isto encaixa perfeitamente na teoria do NADISMO que ando a laborar no meu cerebelo, meu templo sarapintado de velhice de tanta topetude.

vaca0.jpg Assunção Cristas vem-nos dizer que o estado da Nação é uma treta, aldrabice! Efectivamente nota-se que o milagre não tem as estrelinhas fosforescentes que normalmente deslumbram o consciente do cidadão. O estado de graça é jogado na sobrevivência e, dá para ver a degradação que vai por aí nos Serviços Públicos, na saúde, e de tanto emprego precário a fingir que quase estamos no pleno emprego; assim-assim, uma uva mijona de verão…

:::::

Agora vêm descontar nas portagens; tomara! Desde o Algarve até aqui - Vila Real de Trás-os-Montes, mais ou menos uns quase 700 quilómetros paguei de tarifa-um, mais de trinta euros. Em Espanha andei em autovias iguais, muito mais do que o dobro sem pagar NADA. É este o Portugal práfrente que se diz termos. Mostram as sondagens que a grande maioria olha para o ar, assobia para o lado numa perspectiva de milagre em forma de VACA VOADORA. Dá para ver que este país está muito cheio de FANÁTICOS! Hó Cristo vem cá abaixo ver isto!

vazio1.JPG O PC – Partido Comunista, reclama em grandes pósteres que a Saúde anda doente, que é um direito e não um negócio; exige que esta tenha muitos mais profissionais. Ora eles que pertencem ao governo, vêm com esta demagogia brincar com a nossa inteligência como se o não fosse, do governo - uma UTOPIA! Até me atrevo a perguntar:- Quanto custa um daqueles pósteres colocados em todos os cruzamentos da estrada dos INDIOS chamada de EN125? A rua mais comprida e comprimida de toda a Europa – agora melhorada com milhares de pinos, um à vez e de cada vez …

:::::

Sem pudor O PC- Partido Comunista, anda a mijar nas patas da VACA VODORA como se não fossem parte dela, da milagrosa! Exigem assim mais e mais despesa Pública gritando contra o montante da dívida como se uma coisa não decorresse da outra. Como são bons a instrumentalizar quem neles acredita, sempre vêm cortejar as gentes como se todos fossemos seus militantes! Hó gente madura, ide bugiar para a Mongólia de Cima.

vaca1.jpg Não demorará a colocarem pósteres gigante na RUA DOS ÍNDIOS a pedir ao Governo (a eles…) o cancelamento da dívida Pública à Europa, sem explicar como viveríamos depois. O Costa deve com isto, estar a aprender que a tal solução milagrosa era e é, apenas PROVISÓRIA. Lá terá de fazer olhinhos bonitos ao Rio do PSD - Partido Social Democrata, que já deu provas evidentes de ajudar a compor as suas caixinhas de surpresas e ambição. Como detesto estes políticos que para alcançar o poder até vendem a alma ao diabo! Serão todos ateus ou agnósticos? Fico-me só no PRÓGNOSTICO que, nem é carne nem peixe – é NADA!

:::::

Dá para afirmar que a demagogia é uma coisa muito perigosa porque é uma forma de mentir, que a seu tempo alguém destapará da testa, o testo do caldeirão da sua própria memória; a não ser assim, lá terei de chamar de ignorância raiando a falta de pudor ou do nem querer saber nada disso. O Senhor Presidente Marcelo de quem muito prezo, vai ter de ser mais cauteloso e, não fazer olhinhos de carneiro mal morto às falhas do seu amigo da onça chamado de Costa que por um acaso é o nosso Primeiro-Ministro.

marcelo1.png Não lhe cairá bem, fazer olhinhos de complacência a um qualquer inqualificado politico magarefe que ao invés de nos servirem, se servem! Não foi para isso que nós os elegemos para o poleiro! Com muitas lacunas e tanta precaridade dá para se aprender que o caminho da convergência sempre tão esbugalhado, caminha para um beco. E, num sempre já agora, o que é que não funciona bem na justiça? Pois é Senhora VanDunem! Os arguidos andam a ser culpados na praça pública das redes sociais porque a demora é tal ou tanta que o povo ajuíza o finalmente; isto, sempre na espectativa de que a prescrição corre mais rápido que a decisão.

mess5.jpg Está mal! Estamos cansados de referirem este ou aqueles megaprocesso, de tanta demora, tanta revienga da justiça que no crucifixam, ao invés do presunto, presumível implicado. Neste presumível há a tendência para a culpa morrer solteiríssima da silva, dando azo ao enriquecimento ilícito, ao faz-de-conta com investigadores a se atafulharem nas mentiras, que tanto, mas tanto investigam gastando nosso dinheirinho para NADA! Andam nitidamente a surripiar-nos. Assim não brinco!

O Soba T´Chingange (O Soba é que sabe…)



PUBLICADO POR kimbolagoa às 11:47
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 15 de Julho de 2018
MUJIMBO . CVI

CICATRIZES DO TEMPO - NEUTRINOS

A UTOPIA DE ONTEM É A REALIDADE DE HOJE - 15.07.2018

Por

soba15.jpg T´Chingange Na Quinta das Telheiras de Vila Real de Trás os Montes

Os físicos ficaram surpresos ao verificarem que os “Neutrinos não respeitam o limite de velocidade cósmica da luz” porque o resultado de suas experiências parece violar a previsão de Einstein de que nada pode viajar mais rápido que a luz. Essa ideia jaz no coração de sua teoria da relatividade especial – a base de grande parte de nossa tecnologia moderna e compreensão científica.

neutrinooo.jpg No ano passado, o Opera, um credenciado laboratório internacional mediu que os neutrinos faziam a viagem subterrânea de 730 km entre dois laboratórios de investigação mais rápido que a luz, chegando ao destino final 60 nanosegundos antes de um raio de luz. Cautelosos, afirmam hoje que a medição original possa ter sido errónea devido a um elemento defeituoso no sistema de cronometragem de fibra óptica do experimento.

:::::

Começo a ficar preocupado com a minha futura viagem espacial até os confins dum buraco negro sem ter a certeza absoluta de poder cohabitar com os NEUTRINOS situados de forma simulada a quatro mil milhões de anos-luz no lugar deste infinito buraco.

roxo123.jpg As novas descobertas vêm de quatro experimentos que analisam feixes de neutrinos enviados do Laboratório Cern para o Nacional Gran Sasso do INFN, na Itália. Os quatro, incluindo o experimento por trás das primeiras suspeitas, de que os neutrinos são mais rápidos que a luz, chamado Opera, descobriram dessa vez que as partículas quase sem massa viajaram rápido, mas não tão rápido.

tonito15.jpg Uf! Fiquei um pouco mais tranquilo em saber que afinal posso com a mente concorrer com este olharapo do NEUTRINOS até prova em contrário. Os pesquisadores do Opera não tinham certeza em relação às possíveis explicações para resultados anómalos, então divulgaram suas descobertas para a comunidade de físicos, esperando que especialistas do mundo todo pudessem ajudá-los.

144.jpg Ando a tentar colaborar seguindo a teoria do NADISMO só mesmo para ver como é possível conceber a velocidade do pensamento para e a fim de apagar a luz do meu candeeiro só com a ordem telepática de abre-te sésamo e ou apaga-te sésamo.  Quero assim e a partir do NADA obter resultados surpreendentes de à boleia revolucionar  a física moderna.

:::::

Com uma xícara de café fumegante, tento a maneira de enganar o tempo a fim de não sucumbir à solidão ao invés de passar o tempo em um passe-vite esgotando os nanosegundos dos meus obstinados e silenciosos e abismos. Roçar assim nas perspectivas ortorrômbicas para e, dali extrair ausentes sentimentos. No intuito de mostrar o que ninguém viu antes, despojo intuídas ideias preconcebidas no dito de que no já e agora, “só vemos o que queremos ver”.

neutrino0.jpg Comecei a averiguar obsessivamente os segredos de estado misturando a utopia e, entre grossas curiosidades sufoquei o meu espírito num estreito: conclui que muita gente inteligente não rouba por vício ou por necessidade mas pelo mau hábito de querer ser rico, dono da vaidade deles e senhor das alheias. É este o confuso laboratório da vida que passa ao lado de muitos sem terem a devida comiseração com eles mesmos (Compaixão por males alheios que sentimos como nossos).

:::::

Segundo os dados do Google, o neutrino é uma partícula subatómica sem carga eléctrica e que interage com outras partículas apenas por meio da gravidade e da força nuclear fraca. É a segunda partícula mais abundante do Universo conhecido, depois do fóton e, interage com a matéria de forma extremamente débil (cerca de 65 bilhões de neutrinos atravessam cada centímetro quadrado da superfície da Terra voltada para o Sol a cada segundo) …

roxo146.jpg Embora preferisse uma guerra declarada aos meus obstinados silêncios trato com cortesia as reticências do meu envergonhado orgulho, erigindo uma muralha à volta de estabelecidos conceitos tidos como certos. Assim, no laboratório da vida deixo de lado minha personalidade para sonhar com um paraíso, humilho-me deliberadamente para driblar-me em golpes de liberdade; com recursos à imaginação, combato assim, o tédio das horas que sempre sobram.

Ilustraçõe de Assunção Roxo

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 21:25
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quinta-feira, 12 de Julho de 2018
MALAMBAS CCVIII

MOKANDA DE UM PORTUGAL

(M´PUTO) PRECÁRIO   – 12.07.2018

Por

soba15.jpgT´ChingangeNa Quinta das Telheiras de Vila Real, acima do Douro e, muito perto da Galafura.

Assim, partindo de um para outro e, mais outro e outro lugar, sem me encontrar, procuro-me na linha dum destino tardio. Nada a fazer! Criei a teoria do esquecimento, burilei-me nela e voei entre nuvens turbinadas de sucção, compulsão e impulsão, vida dum qualquer outro cidadão que calado, engole compromissos alheios. No calor do tempo queimando cansaços, decepções e até solidões, criei projectos de engano esperando um amanhã que nunca se abeirou sorridente numa perfeita totalidade. Há sempre uma qualquer coisa a emperrar.

4 DE JUNHO.jpg  E, assim vivendo todos os dias com uma sensação de injustiça perante a precaridade e a falta de perspectivas no campo laboral, prevejo a continuação da falta de uma vida condigna em Portugal, para a maioria dos cidadãos. Para quem investiu na formação a fim de se fazerem parte qualificada de um país, pais e filhos, ano após ano, sentem-se desolados ou no mínimo frustrados por seu resultado nessa qualificação ser permanentemente sofrível; uma carta fora do baralho.

:::::

Chegar a meio do mês e já não ter o suficiente dinheiro para mais do que pagar a renda de casa e a alimentação, é uma dor de cabeça para muito mais que muitos, avós, pais e filhos. Os filhos têm de contar com o apoio dos pais para poderem minimamente acudir às necessidades do dia-a-dia; mas, há pais e pais e, outros há que nem para eles sobra algo das penúrias. A uns e outros prevalece o receio de não se saber ir ter o suficiente dinheiro para se acudirem levando alguns muitos a ficarem no acaso ou ocaso da vida, ao Deus dará.

boia2.jpggoucha1.jpg Quando se vive com um salário abaixo do paupérrimo, não resta alternativa senão estabelecer alternativas, reduzir os gastos na alimentação, no calçado e no vestir mas, há despesa contratualizadas que não se compadecem com as falhas tais como, a renda de casa, água, luz e electricidade ou telefone que não podem de todo ser diminuídas ou eliminadas. Ela, a precaridade, está definitivamente instalada; há muita pobreza encoberta por aqui e ali, um pouco por todo o Portugal.

:::::

Há arquitectos a quem é oferecido seiscentos euros para trabalhar sem direito a subsídio de alimentação enquanto se paga aos serventes mais do que isto. É o pais do biscate, do desenrasca com ganchos e garranchos. Se é para isto que formatamos a vida, pergunta-se: - Então para quê estudar!?  As notícias enchem-nos os ouvidos com mentiras, os governantes tentam passar a imagem de que tudo vai bem, de vento-em-popa com o crescimento económico e muito bláblá mas, a realidade é outra bem diferente.

tukya13.jpg A realidade é a de que oitenta por cento das ofertas de trabalho para licenciados, numa vista rápida pelos jornais nacionais e entre Janeiro e Junho de 2018, oferecem menos de novecentos euros brutos por mês. E, vem o ex-presidente Aníbal Cavaco dizer-nos que os portugueses necessitam de fazer filhos ao invés de se fazerem mais estradas ou pavilhões desportivos. Para terem de viver isto, senhor Ex?  Quando dois em cada três dos trabalhadores com idades entre os 25 e 35 anos ganham menos de 900 euros mensais.

:::::

Mais de metade dos trabalhadores por conta de outrem e, na ordem dos 60%, vivem com um vencimento inferior a 850 euros. Os políticos enchem a boca zunindo-nos aos ouvidos com perspectivas optimizadas, enganando-nos num penoso descaramento.  Duvido que em Lisboa, ganhando menos de 1500 euros por mês, possa um casal com um filho, ter um satisfatório “padrão de vida” no entanto, sabemos haver uns quantos apresentadores de televisão a ganharem entre os vinte mil e os sessenta mil euros.

presid1.jpg Aquele numero máximo referido, daria para pagar a mais sessenta trabalhadores qualificados, tomando em conta os vencimentos de agora! Uma descarada afronta ao nosso entendimento. Quase me atrevo a pedir fazermos um bloqueio a esses canais que se atrevem a machucar nossas sensibilidades. Nem na Gaucharia aonde fazem curtumes, aonde tratam peles de animais, há tanto despifarro de dinheiro. Uma afronta à nossa precariedade mostrada em devaneios e futilidades da merda.

:::::

Uns com tanto e tantos com tão pouco! Não me venham cantar ao ouvido coisas que não observo! Sinto até vergonha de ligar a televisão e, ver assim desperdícios em futilidades pagas pelas autarquias e pelo estado. Esfolam-nos com taxas, pagamentos por conta e tarifas para dar cobertura à cultura de mau-gosto, coisas bem desnecessárias em nosso dia a dia. Não nos podemos mentir todo o tempo.

eça5.jpg Não nos ofendam mais referindo a cada minuto os milhões que este ou aquele Jogador de futebol incluindo o Ronaldo vão ganhar só para chutar uma bola. Gosto de futebol mas arranha-me o consciente falar em números de escândalo; falar de milhões a quem esgadanha tostões. Pra passar o tempo, como umas bolinhas de suspiros, sonhos de abobora arrumando missangas de vida nas malas extravagantes do meu comboio fumaça, vapor de sonhos que apita, que rasga meridianos, trópicos e equador. Não no iludam com paneleirices – falei!

Ilustrações de Costa Araújo Araújo

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 10:17
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Segunda-feira, 4 de Junho de 2018
MALAMBA . CCV

TEMPO DE CINZAS ANTIGAS. 04.06.2018

-Ser cleptomaníaco é ter a doença de fanar aquilo que não é seu, um jeito de gamar; A nomenclatura  do M´Puto faz isto com tecnicidade de gula, e nós nada! …

MALAMBA: É a palavra.

Por

soba0.jpeg T´Chingange - Em Coimbra

Estamos a 4 de Junho de 2018, o dia em que nasci lá para trás num tempo de há 73 anos. Não digo o sítio verdadeiro porque sou mazombo e a estória quer que se perdure a ideia de que nasci a bordo do vapor Niassa. Minha vida de tropeço em cavandela foi adicionando dias até que fizeram de mim um Camões. Estudei na Escola João das Regras da Maianga da Luua; andei no Colégio Moderno em frente ao café Bracarense mesmo ao lado do Sinaleiro da Maianga e na 4ª classe andei na Escola de Aplicação e Ensaios no Largo D. Afonso Henriques próximo do Teatro Nacional e tendo em frente o Sindicato dos Metalúrgicos de Angola.

:::::

Assim crescendo na perspectiva de ser um Niassalês sigo minha vida normal estudando na Escola Oliveira Salazar da Luua que entretanto passou para Escola Industrial de Luanda. Trabalhei como brigadeiro nos Caminhos de Ferro da Luua desenhando quilómetros de perfis na Brigada de Caminhos de Ferro do Norte.  Querendo subir na vida tiro o Curso de Topografia e Agrimensura na Escola dos Serviços Geográficos e Cadastrais no Largo Bressane Leite aonde tinha funcionado a primeira Escola Industrial…

toledo8.jpg Como topógrafo sou colocado na Cidade de Robert Williams, mais conhecida por Caála e o Abril de 1975 apanha-me ali passando Demarcações Provisórias de terras que afinal nem eram nossas. Só vim a saber isto ao certo, quando da guerra do tundamunjila tudo entrou em alvoroço e era muito perigoso ser-se branco!  Fizeram uma ponte aérea e recambiaram-me para o M´Puto com um voo grátis só de ida! Depois assisti de longe, lá no M´Puto entre o esbracejar dum tal de Vasco Gonçalves que o barco Niassa traria o último nosso património, a bandeira das quinas verde e vermelha com uma esfera e castelos em amarelo.

::::: 

Dei voltas pelo mundo com um imbondeiro de Angola às costas e já convencido das inverdades, tomando o calor na lareira do Alentejo, uma terra perto de Panoias, fico conhecedor de outras estórias; de gente que nunca andou por essas enviesadas picadas do Mundo. E, é assim que surge a verídica vida dum senhor que nem conheci de nome Manuel Fonseca -um senhor que tinha a doença de roubar.

soba03.jpg Manuel Faneca nasceu com essa doença de cleptomaníaco, isso de não resistir à tentação de roubar as coisas dos outros, de fanar aquilo que não é seu, um jeito de gamar com gula de mais-valia p´ra ficar o rei do pedaço, o maior, talvez, sei lá! Há muita gente assim que nem desculpa tem por ser doente a propósito e porque lhe convêm, é ladrão mesmo! Faneca, regenerou-se após uns dez anos de cadeia aos soluços e num vai e vem periódico na ramona da Guarda Nacional Republicana.

:::::

Ele, efectivamente tem essa doença mas, de vontade própria, forjou uma maneira de se enganar; fora de horas mandava seu chapéu de feltro para dentro do quintal do vizinho ou alheio e depois saltava o dito cujo, para subtrair o seu próprio pertence. Chico Torrica é uma outra típica figura duma outra pequena vila alentejana; ainda jovem namorou uma catraia bonita de encantos de pasmar rouxinóis mas, sendo ele lavrador dum monte, ficou surpreso quando Felismina sua deusa, num repentino fim-de-semana foi vista a passear bamboleando-se com um brasileiro carioca.

tonito9.jpg Esse carioca, um emigrante bem-sucedido era muito cheio de graveto. Felismina não resistiu à lábia escorregadia do linguajar do bonitão, vestido de popelinas e sapatos brancos mais o seu chevrollet descapotável, rabo de peixe de reluzentes cromados e um verde de constante tentação. Tudo isso relampejou na cabecinha loira de Felismina. Isto não caiu bem a Chico Torrica que de encucamento soluçado e repetido, resultou em uma depressão sem tamanho que nada tinha de platónico. Esta situação perdurou por algum tempo vindo a piorar quando já muito mais tarde lhe mostraram uma foto de sua perdida amada remetida de Cuiabá do pantanal brasileiro.

::::::

A foto mostrava Felismina escanchada em um alazão, algures numa cordilheira de Poconé e, tocando um corno retorcido a que ali chamam de berrante. Isto, na santa terrinha da falsa estepe foi motivo de troça ao já consumido Torrica; por via das falas indicarem que aquele corno de chamar boi tresmalhado era seu maldito chavelho. Esta dolorosa pedrada na já débil cabeça de Torrica deu em o enlouquecer de vez.

tonito10.jpg Torrica deu em maluco, passado dos carretos como dizia a canalhada, pivetes sem sensibilidade para tal dor de chifre e assim, quando lhe dava na veneta desviava as pedras dos caminhos durante a noite e, não raras vezes ia ao monte, igreja de Nossa Senhora da Assunção e retirava lá de dentro todos os santos nos vários altares. Dizia ele que era para apanharem ar.

:::::

Dispunha os santos em círculo e, ao relento sereno de Agosto, fazia-lhes grandes, eloquentes e entorpecentes discursos, bem à sua maneira. Eram o Santo António, Nossa Senhora da Assunção, Nossa senhora do Ó e do Parto mais o São Jorge de que tanto gostava! – Mas que jeito, estarem vosmecês sempre fechados! Gostam de ser coitados como eu? Passam ali meses e anos sem verem a luz do dia, sem ar nem nada e tudo-o-mais! … Dizia ele, Torrica sozinhado consigo, falando prás sombras escuras da noite.

tonito11.jpg Torrica assim ficou para todo o sempre virgem na sua solteiríssima pureza de mente descalabriada. Conta-se que por muitas vezes o tentaram internar no Júlio de Matos mas, desistiram porque sempre conseguia esgueirar-se regressando à sua linda terrinha cheia de branco com barras azuis. Numa dessas vezes disse para quem quis ouvir: - Pois, … aquilo lá naquele hospital é tudo doido varrido! …

:::::

Vejam só que me mandaram tirar água dum poço com um cesto igual a este; disse isto apontando seu cesto de vime que acartava no outro braço, feito de vime entrelaçado e, logicamente muito cheio de buracos naturais de seu cabaz de levar pasto de palha seca a sua égua. Aonde já se viu tal coisa? Retorquía ele esgueirando-se num inocente riso trocista de sublimada lucidez. Isto do sublimado, digo eu, mas em verdade sua estória metia dó. Bom! A minha tal como a de tantos outros também deveria meter mas, o Mundo anda por demais esquecido. Nem nunca nos vão ressarcir. Ele, …há coisas! …

O Soba T´Chingange

 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 12:03
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Domingo, 3 de Junho de 2018
CAFUFUTILA . CXXIII

TEMPOS DE FRINCHAS MORNAS – 03.06.2018

Por

 soba15.jpgT´Chingange . Em Coimbra

Coimbra - Sai a dar um passeio matinal lá pelas nove horas e quinze minutos, desde os Olivais até o Solum, zona do estádio de futebol de Coimbra e já descendo a Rua António Jardim, desci duzentos e vinte e quatro degraus até à rotunda dos patos. Entre pinheiros, urzes e maias, pensava em fúteis caprichos, esmiuçando o tempo para saber a verdadeira razão dos paradoxos do agora a pensar no futuro.

:::::

Não será portanto, caso de estranhar de muitos de nós andarem com um olho aqui e outro lá mais adiante, com a metade do raciocínio num sítio e a outra metade no ciberespaço. Mas eu tinha de galgar estes degraus com método sem me distrair com os tempos de socialismo, comunismo ou das entremeadas diabruras capitalistas, para espairecer as molezas dos europeístas e anarquistas que sempre deixam correr o tempo até lhes sair de feição.

trump3.jpg E, assim inchado de espantos, desenhava-me entre antigos esboços, revendo-me nos desenhos das verduras, escorregadias dos esverdeados fungos. Detive-me a apreciar aquela velha urze com musgo do neolítico, muito rachada e a pedir um acordo lógico nas alterações climatéricas, nos novos inventos piromaníacos e técnicas de assustar novas loucuras.

:::::

Assim andando, olhando a quietude no meio de prédios e roncos recordei os tempos em que as pessoas tinham pesadelos com o roncar dos primeiros automóveis nos fins do século dezanove, para aí no ano de 1876 quando do nascimento do automóvel moderno como um tal chamado de Benz Patent-Motorwagen, inventado pelo alemão Karl Benz.

carro0.jpg Lembrar-me eu na minha primeiríssima geração, lá pelo ano de 1807, ter nascido o primeiro carro movidos por um motor de combustão interna a gás antes de surgir o combustível chamado hoje genericamente de petróleo e, que levou à introdução em 1885 do moderno motor a gasolina ou com combustão a gasolina.

:::::

E, que mais tarde os homens com o delírio de voar fizeram experiências com asas de palha, atirando-se de torres e medonhos penhascos a imitar as modernas asas delta. Com asas mecânicas às costas abanavam-se na torpitude furiosamente até se esborracharem lá embaixo.

carro1.png E neste frenesim de voar em pensamento cheguei a Donald Trump que anda a experimentar o resto do mundo com malucas inventações só para fazer diferente; surgindo com os olhos esbugalhados, sem pestanas e ar trocista com sua caneta gigante e grossa, assassina o papel amarfanhando uns rabiscos que mais parecem um gráfico de pulsações do coração. Com riso de sacana, vira o livro rígido pró mundo mostrando sua assassinatura, coisas dum inimaginável louco a governar a Big América USA…

:::::

O senhor gajo, olhando para o resto das suas possessões, mira a União Europeia com um sarcástico desdém forçando a lógica mediação com medidas legislativas e afins de enriquecer americanos. Com caneta de feltro assume unilateralmente medidas restritivas na importação do aço, aplicando tarifas e taxas a seu belo prazer. E, os Europeus às voltas em formar governação em Itália, em Espanha com outros edecéteras à perna.

carro2.jpg A França com Macron fazendo olhinhos bonitos à Angola. Um salve-se quem poder sem uma concertada coligação de esforços. Fiquei espantado quando na Kizomba do Facebook surgiu a notícia de que o presidente João Lourenço estava em França; tive dúvidas que assim fosse e, afinal lá estava ele descendo dum avião chinocas pago há hora à modica quantia de 74.000 dólares… Decerto, não irá comprar champanhe!?

TRUMP2.jpg Quase chegando ao Centro Comercial Alma, dou-me conta que o futuro anda muito enevoado; os países a se governarem em contas negativas com todo o mundo assobiando pró lado. E, são bilhões! Sacaneando-se uns aos outros sem conta nem medida. Bom!... Já no Alma, comprei o jornal Expresso, pedi um café, um copo de leite frio, mais uma queijadinha. Que se lixe! Menos mal que em Portugal temos um Marcelo a olhar por nozes (plural de nós)! Mas, até quando (não é pergunta)…    

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 12:31
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Sexta-feira, 1 de Junho de 2018
MALAMBAS CCIV

NAS FRINCHAS DO TEMPO - 01.06.2018

- Faço os possíveis para ser civilizado o quanto baste.

Por

soba0.jpeg T´Chingange

Coimbra. O dia estava assim-assim meio nublado, muito vento mas, dispus-me a caminhar até ao centro calcorreando minha doutorice pelas pedras gastas da calçada ou asfalto até chegar ao centro da velha urbe perto do panteão e do jardim da manga, restos dos tais Crúcios que por aqui andaram em idos tempos. Vesti minhas calças de ganga cor de indefinido castanho, calcei dois pares de meias, as botas do Kwazulu, vesti minha balalaica de búfalo e de sacola embrulhada dispus-me a seguir até o mercado municipal de Coimbra.

:::::

Passei pela igreja dos Olivais aonde se diz ter estado o Santo António, desci a Celas passando pela petisca de celas, uma tasca aonde um dia me encontrei com o neto de Pedro Muralhas, um antigo administrador em terras ultramarinas e, sempre descendo ao longo do jardim da Sereia chego à Praça da Republica.

coimbra5.jpg O movimento de gente não era muito mas, pude apreciar haver muitos velhotes, maioritariamente mulheres carregadas de luto ou um preto de tristeza, caras muito carregadas de sombrias rugas baloiçando a velhice nos modos de cuidada atenção no pisar de folhas de grandes plátanos e de outras árvores trazidas do império, daqui e dalém mar, das índias ou terras de Vera Cruz.

:::::

Meu destino era comprar favas no Mercado Municipal e, lá chegado comprei mais de três quilos a um euro cada, juntei mais duas beringelas e rodando o olhar pelos chouriços lá acabei por comprar também um caseiro e um outro de sangue muito aproximado à morcela mais dois pedaços de entrecosto. Estava assim e desta forma, a dar satisfação à vontade de comer algo diferente da macaxeira e arroz com feijão tropeiro do nordeste do Brasil.

:::::

Esperando pelo autocarro número sete com destino ao Tovim e Hospitais, pude apreciar as idas e vindas de gente atarefada de sacolas e coisas penduradas. Assim e a tiracolo tinham na mirada um jovem com holofotes de camaleão a fazer triagem do que eventualmente poderia roubar; um cigano tentava vender relógios digitas e perfumes da arábia a preço de uva mijona.

coimbra9.jpg Que ninguém tenha a veleidade de pensar que pode controlar o ciclo da vida, e muito menos sair vencedor das batalhas que com ela temos, desde que somos trazidos ao mundo. Hoje estou aqui por acaso. E, neste agora, um qualquer larápio de rua, pode bem alterar o rumo de nossa vida mas, e também um qualquer agente de compra e venda de jogador de futebol pode alterar a vida d´outro qualquer. Como? Ganhando num esfregar de olhos algo na ordem de três ou quatro milhões e, nós aqui esfolados em tostões…

:::::

Podemos sim, ganhar algumas batalhas no nosso dia, mas até à guerra final, vamos passar por muitas vicissitudes, de sermos usados e vilipendiados dentro ou à margem das leis, sem ninguém ter a preocupação de ferir o próximo sem interrogação ou, ter o cuidado de preservar a vida; vida que sempre a perdemos na hora em que nos finalizamos!

:::::

Rejeitando a teoria do esquecimento, lutarei sempre contra qualquer medo, contrariando muitos com mitos, até adquirir tranquilidade no meu registo de memória e emoções. Convosco tenho compartilhado o passado que não se desvia do meu caminho, os sonhos e metas acreditando ou não em teorias! Compartilho também este agora na terra de doutores e outros senhores.

coimbra2.jpg Estou realmente cansado de políticos e pessoas em geral que não assumem a responsabilidade por acções e atitudes. Em nossas vidas, nunca saberemos quantos milagres vamos precisar… Neste sentido, a humanidade não alcançou, e jamais alcançará uma compreensão total do sentido da existência da nossa espécie, porque a condição humana é um produto da história.

carambola1.jpg Não apenas dos seis milénios de civilização mas muito mais do que isso com dígitos de centenas de milénios antes! Jesus Cristo na escala do Universo passou por nós ontem! Entre o ontem e hoje vão bem mais de dois mil anos. Estou cansado de que me digam para ter "tolerância para com os outros”; faço os possíveis para ser civilizado o quanto baste.

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:52
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Segunda-feira, 28 de Maio de 2018
A CHUVA E O BOM TEMPO . LXXXIII

REFLEXÃO -  NEURÓNIOS SELECTIVOS

::::: As escolhas de T´Chingange

Por

canhot1.jpg António José Canhoto... Um polémico cronista saido da Luua, que tem o diabo à perna...

Na vida, temos sempre dois caminhos a seguir: o das verdades duras ou o das mentiras confortáveis; é uma opção proposta a todos os seres humanos logo que atingem a idade da razão. Há várias visões sobre diferentes formas comportamentais de como as pessoas podem reagir quando confrontadas na sua zona de conforto, as quais, na maioria das vezes, não foram conquistadas por moto próprio pelo conhecimento e questionamento, mas sim adquiridas por indução venosa muitas vezes sem a permissão do recipiente.

:::

Se o mundo não aceita a minha opinião pela falta de conhecimento ou ignorância, também não lhes concedo o direito de criticarem ou julgarem as minhas decisões. Como livre-pensador que sou não me encontro subordinado a nada nem a ninguém, pois quando renegamos ao direito de ser diferentes, perdemos o privilégio de sermos livres.

abraço0.jpg Nunca devemos seguir ou obedecer aos cânones impostos por terceiros uma vez que todos devem ter a faculdade de pensar, analisar, dissecar todo o lixo tóxico que nos é incutido desde que nascemos. Os gurus pretensamente donos de diferentes verdades pululam em todas as áreas da sociedade e como predadores buscam vítimas indefesas e ignorantes com o objectivo de se tornarem seus mentores apressando-se a persuadi-las e arregimenta-las para as suas hostes religiosas, politica ou desportivas, logo que atinjam os escalões etários para serem doutrinados.

:::

Nunca devemos permitir que o nosso raciocínio lógico e a nossa clarividência intelectual sejam afectados pela incapacidade e embotamento cerebral de ficarmos anestesiados pela forma policromática e sedutora de como nos querem ministrar o soro ou o veneno da mentira.

araujo30.jpg Pensar é como ter-se vivido num quarto escuro desde que se nasceu e um dia acordar abrir essa porta, que pensamos estar trancada, sair e ver o sol pela primeira vez. Mantenho uma isenção, ausência e afastamento pessoal dos meus sentimentos em relação a tudo o que escrevo, o que me permite escolher sem segregar os temas que pretendo debater mesmo que possa existir uma conflitualidade pessoal.

:::

A escrita resume-se a juntar letras ou caracteres que formam palavras e frases, as quais de uma forma racional e estruturada se conjugam para formar um texto que eventualmente desperte interesse ou a curiosidade de quem o lê. Não sou mercenário da minha pena e muito menos de alguém que me pague para definir critérios ou bandeiras que não sejam as minhas, sintetizando, não escrevo por encomenda, a metro ou a peso.

dracma6.jpg Escrevo o que quero, quando quero ou quando sinto que tenho algo para transmitir ou partilhar, mesmo que o conteúdo da mensagem seja rejeitado pela maioria, ou me crie inimigos. Não procuro agradar, quer a Gregos ou Troianos, cair nas boas graças de ninguém em particular ou percorrer os caminhos mais fáceis que proporcionam mais exposição, recompensa ou unicidade de pensamento.

:::

Escolho de forma aleatória e indiscriminada os temas mesmo sabendo antecipadamente que os mesmos possam ter o condão de despertar paixões, provocar conflitos, acicatar sensibilidades, desafiar crenças e dogmas de fé, criticar gostos ou fanatismo radicais, sejam eles de que teor forem.

:::

A minha intransigência e consistência de princípios, faz-me sentir como as velhas árvores ou soldados que morrem de pé e não de joelhos implorando perdão ou renegando as suas convicções. Não abdico de argumentar quando sinto que faço parte dos 2% daqueles que pensam e não dos 3% daqueles que julgam que pensam ou dos 95% daqueles que se encontram destituídos da capacidade de pensar e como tal nem sequer têm consciência que existem.

quem3.png Essa grande massa anónima dos 98% encontra-se nivelada pela sua mediocridade e a sua existência oficial de nados vivos apenas é reflectida pelo número do seu cartão de cidadão até que a sua certidão de óbito seja emitida. A todos estes que passam pela vida sem deixar qualquer rasto e que só contam estatisticamente para o censo apenas servem para consumir o oxigénio que oxigena os neurónios dos que verdadeiramente pensam e fazem história.

:::

Assim, os 98% da população mundial que é peso morto, é carregada pelos 2% de pensantes que detêm o poder e dinheiro que os alimenta! Estes cidadãos passam as suas vidas como sanguessugas a chupar quem os alimenta. Não me surpreendendo que a era robótica seja mais rapidamente implementada, pois “robots” não precisam de férias, não ficam de baixa como doentes ou grávidos, portanto os seres humanos apenas como força trabalhadora num futuro próximo, estarão condenados a sua obsolescência e descontinuidade.

:::

Todos eles seguem de forma ordenada e decalcada os caminhos da religião, politica e clube desportivo que eu considero como comer bacalhau cozinhado em diferentes restaurantes, por diferentes cozinheiros de modos diferentes. A grande maioria das pessoas precisam de muletas metafisicas para se movimentarem ao longo das suas vidas pois actuam como nascessem sem pés para andar, tal como um pássaro criado numa gaiola desde pequeno que quando fora dela muito embora tenha asas não sabe que consegue voar.

roxo116.jpg O céu paraíso e o inferno existem, mas nada tem a ver com a concepção religiosa descrita nos livros sagrados ou punição divina. Quer um quer outro habitam dentro de nós somos pessoais e intransferíveis e as sentenças de recompensas ou remorsos são ditadas pelas nossas consciências.

António José Canhoto – 05.01.2016

Nota de T´Chingange - (editor): Concordo com grande parte do que é aqui dito! São palavras que têm a sua força; Por defeito cultural, não o diria deste jeito! 



PUBLICADO POR kimbolagoa às 11:09
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Quarta-feira, 23 de Maio de 2018
MOAMBA . XXI

NAS FRINCHAS DO TEMPO . 23.05.2018

O INTERESSE manobra tudo e todos – Ao ser contador de estórias fico dividido entre um postulado e um axioma…

Muamba: É um prato típico de Angola preparado com galinha e dendém mas pode ser também negócio ilícito com venda de contrabando (Brasil) …

Por

soba0.jpeg T´Chingange – No Nordeste brasileiro

Foi na Grécia antiga que se inventou a obra-prima do pensamento humano, um campo de dedução, que segundo uma proposição de sequência a um sistema lógico o quanto baste, na exactidão e na provocação da dúvida. É esta razão humana que autoriza o espírito a ter confiança em si mesmo para qualquer nova arquitectura na forma de construção de uma ideia.

:::::

É despertar aos demais com sua inteligência, sua astucia e poder criativo desfrisar entusiasmo no ser capaz de com um pensamento lógico ou nem tanto, por si mesmo, mostrar uma resposta com alguma realidade. Os poetas, tal como os feitores de assuntos, arrumando suas palavras fazem coincidir o belo com o sonho; a partir do nada desmontam castelos pedra por pedra a partir do topo, implodindo-o ou fazendo uma grande explosão.

roxo150.jpg O destino de cada individuo que se entrega apaixonadamente ao mundo das deias, encavalitando as letras na lógica da semântica, falando de gíria, anexando sufixos e prefixos e até misturando línguas moribundas ou mortas, condena-se a fugir de casa se entra pela política mascarada de democracia.

:::::

Numa condenação sem definitiva ou suficiente salvação ou, simplesmente para sarar as feridas do corpo e mente, vai-se dilatando no tempo, apalpando as intenções de filhos, seus anseios, sua felicidade, a permanência com o varão primogénito, suas indecisões, turbulências e devaneios; um turbilhão de anseios que se misturam com sarcásticas ideias, um maldizer de idiota com adjacências escumbalhadas…

araujo 25.jpg Apalpando as medidas da natureza do Senhor, daquelas alheias ao homem e, porque cada um tem de viver o seu destino procurando os carreiros por onde se levar e, para onde há-de levar suas acções, suas palavras sem certificados ou procurações de intenção e pretensão ruma

-se na imensidão da solidão.

:::::

É assim o que se espera de um contador de estórias ao organizar os factos ou não, de um modo inconsciente e, em função de ideias subjectivas que a sociedade envolvente lhe sugere. Juntar amor e angústias, raivas ou ódios e até boatos com inventação de todo o conhecimento numa triagem da realidade e da experiência.

roxo106.jpg Por isso dizer-se não dar crédito ao que se diz mas, julgue-se isso sim, naquilo que alguém produz! Tal como a abelha produz mel e própolis, o contador de estórias produz lazer, formula opinião, inventa, mente para transmitir algo de sua lavra. Ao se analisar o desenvolvimento de um pensamento sempre surgirá um confronto de várias componentes tais como a razão, o empirismo ou a ficção.

:::::

Até hoje ninguém teve coragem de dizer que o Adão matou o Abel com um pontapé nos tomates! E, todos ficam espantados de se dizer isto desta forma mas, é logico que o matou duma qualquer forma, esta é até a mais plausível! Nesse tempo não havia urólogos para medir a ejaculação precoce, a falta de estímulo, apalpação nas mazelas do saco da próstata! Infelizmente o homem não pode ter tudo no mesmo lote: Tempo, dinheiro e tesão…

araujo92.jpg Quando tem tesão não tem dinheiro - é a juventude; quando tem dinheiro, não tem tempo - pelo trabalho; quando tem tempo e dinheiro já não tem tesão - porque está velho! Todos sabem disto mas, raramente o dizem sem ficarem livres da chacota. Diga-se o que melhor aprouver sem se desprezar alguns conceitos ou principios…

:::::

Principios que se revelam como invenções espontâneas do espírito humano; um simples casualismo, causalismo ou uma outra qualquer razão. Até é possível que isto se possa transformar em uma equação matemática de uma ordem por conhecer, pois que só sei que juntando zero com zeros, zeros dá!... Na lógica tradicional, um axioma ou postulado é uma sentença ou proposição que não é provada ou demonstrada e é considerada como óbvia ou como um consenso inicial necessário para a construção ou aceitação de uma teoria…. ( Estas duas última linhas  são a logica da Wikipédia)

Ilustrações de Assunção Roxo e Costa Araújo

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 15:26
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Segunda-feira, 21 de Maio de 2018
CAZUMBI . XLIV

MIAI – CORURIPE DO BRASIL - COMO SINTO O MUNDO - VIII21.05.2018

Brasil – o dia da mudança…

Por

soba15.jpgT´Chingange . No Nordeste Brasileiro

Assisti aos debates televisivos do STF – Supremo Tribunal Federal, Rede Globo nos dois dias que antecederam a prisão de Lula e, de assombro em assombro fui ficando translucido com a flexibilidade da justiça brasileira, sua peculiaridade de protelar “o facto” rebuscando inexistentes frinchas da lei. Foi quase horrível para não dizer repugnante testemunhar o vigor retórico de ministros ditos conceituados, tais como Gilmar Mendes, Marco Aurélio, Toffoli, e Lewandowski, alegando defender os pobres.

:::::

Votando favoravelmente nos corruptos bilionários, já de si, defendidos em demasiado nos seus interesses por dispendiosos advogados; no abono a Lula, claro! Um dia marcado pela mudança através dos votos de Carmem Lúcia, a presidente do STF e Rosa Weber, duas mulheres que marcaram a diferença em defesa da Constituição Brasileira. Um cinco a quatro pela legalidade.

lampi2.jpg Eu estava em pulgas! A eloquência demagógica e populista daqueles quatro ministros estava a ser escutada na certa, pela nata prisional dos maiores mafiosos; arrepiado dos artelhos ao cocuruto do cerebelo, via o quanto isto não seria um abre-te-sésamo para criminosos de alto e baixo gabarito.  

:::::

Mas, foi com agrado de susto que tudo alterou com o voto da Ministra Presidente Lúcia. O resultado de cinco contra quatro na não execução do tal de Habeas Corpus; de todo o modo, transparece a triste ideia de um país aonde a lei anda manca. Não consegui arregimentar em mim a suficiente alegria para comemorar com a devida efusão, fechando assim o círculo de impunidade, descaso e bagunça.

lampião7.jpg Sérgio Moro, só demorou vinte minutos para lavrar o mandato de pisão ao ex-presidente Lula; sem algema, sem confronto, e esperando até às 17 horas de Sexta-feira, em um dia seis de Abril. Não foi assim mas, por fim os kazukuteiros da lei, lá acordaram que seria só após a missa em homenagem à sua esposa, de Lula, lá pelas dez horas de domingo.

:::::

E, assim foi, bem do outro lado da sede dos Metalúrgicos de São Bernardo dos Campos em São Paulo. O dia da mudança surgiu por fim! As hostes do PT - Partido do Trabalhador em momento algum baixaram os braços em defesa do seu mártir argumentando ser claramente por acção distorcida duma Constituição estrupada! Foi um filme ruim de assistir; o cangaço no seu mais elevado expoente quase vencia. Viva Lampião! Só sou eu a dizê-lo, aqui no meu mukifo que ninguém me ouve…

dracma5.jpg Visto de longe, este espectáculo dá para ficar preocupado com o manuseamento da lei. Triste sina a minha de cruzar o mar entre Brasil, Portugal, Angola e África do Sul assistindo a esta falta de credibilidade incestuosa de quem faz a lei. Cambada de gente que estuda para nos escravizar!

:::::

Fiquei ciente de que o aviso do General Villas Boas, Comandante em Chefe das Forças Militarizadas na tarde do dia quatro de Abril de 2018, era no sentido de que se tudo descambasse o exército entraria em cena para repor em seu lugar as instituições. Gostaria que o nosso chefe das Forças Armadas e Presidente Marcelo Rebelo de Sousa tomasse esta postura. Angola é para esquecer por enquanto! ….  Ainda bem que por cá, foi como foi! Assim deste jeito débil! Mas que a coisa esteve preta, lá isso esteve!

Nota: Crónica escrita em Miai a 07.04.2018

(Continua…)

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 20:23
LINK DO POST | COMENTAR | ADICIONAR AOS FAVORITOS

RELOGIO
TEMPO
Weather Forecast | Weather Maps
Janeiro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
12

14
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
CAIXA MUSICAL
CONTADOR
contador free
ONDE ESTÁS

Sign by Danasoft - Myspace Layouts and Signs

blogs SAPO
subscrever feeds