Sábado, 24 de Dezembro de 2016
XICULULU . XCII

NA CINZA DOS TEMPOS - 24.12.2016 ... Eis que chega Bocage desfazendo-se em obséquios de exagerada franqueza…

Por

t´chingange.jpeg T´Chingange

Na mira de ter um assunto para escrever lembrei-me do moscatel de Setúbal em um tempo em que eu era o Visconde de Palmela, um homem muito cheio de solicitudes hereditárias; um janota muito vestido de sedas e que sempre me dispunha a respirar cheiros agradáveis com essências refinadas. Refinadices de gente da corte e também vinagres aromáticos para apagar vestígios de bocejos cansados dum resto de domingo, cheiro de velas e rezas defronte do oratório de Nossa Senhora das Dores ao sol-posto.

bocage0.jpg Naquele dia tinha convocado Bocage para comer trouxas-de-ovos vindos da Malveira. Inicialmente era para ter sido no café Nicola mas um contratempo de véspera com José Maria Barbosa du Bocage originou mudança para a tasca refinada do Mata-Sete, um tipo que se diz ter sido o carrasco do alferes Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes do Brasil. Veio para aqui após dar morte deste em abril de 1792.

:::::

Eu, Visconde de Palmela, fiquei num recanto da tasca aonde os rumores eram quentes e garridos a condizer com as peças de cozinha caprichosamente enfeitadas com resmas de alho e cabaças deformadas em anormalidades bizarras. Sobre um barril, um gordo escanchado na forma de boneco saloio, nariz batatudamente avermelhado fazia um manguito bem explícito:“ queres fiado,… toma!”.

bocage2.jpg Eis que chega Bocage desfazendo-se em obséquios de exagerada franqueza como a de quem não olha a gastos nas gentilezas, acompanhado de uma mulher morena, notoriamente de olhos embevecidos nele, um acompanhante de ternos sonhos de pandega boémia. Bocage era um vendedor de palavras distintas para os nobres, satíricas para os ricos, subterfugidas ao clero e de partir a mola aos proletários.

:::::

Não era vulgar aparecer assim em companhia de uma donzela feita naquele tipo de sol crepúsculoso a fazer ferver o sangue dos homens, metendo-se-lhes no corpo como luxurias de bode. Embora tivéssemos combinado o encontro, ele e ela que desconheço foram direitos ao homem que no limiar das pedras graníticas dedilhava gemidos em uma guitarra, sons de fado. A morena por ali ficou ao lado do guitarrista a quem cumprimentou denotando-se alguma intimidade. Recolheu de sua mala um xaile preto rendado, acomodando-se em seguida no ofuscado recanto.

bocage4.jpg Tudo indicava ser a fadista de serviço naquela terça-feira e na tasca do Mata-sete. Outra coisa não deveria ser, porque Bocage não sopraria fora a cinza da fornalha de seu ferro de engomar.  Ele o vendedor de palavras versejadas, chegou à minha mesa, cumprimentou-me com as mesuras costumeiras, mas lamuriando-se estar neste então entregue à protecção de nossa Senhora do Ó. Até então, desconhecia esta senhora, juro!

:::::

Foi quando me contou a cena do dia anterior, e que originou esta mudança, lugar de encontro. Sabes lá! A cena passou-se ao sair ontem do café. Um ladrão aproximou-se de mim com uma pistola em punho para me roubar. O que é que eu ia fazer! Disse-lhe assim: - Sou o poeta Bocage, venho do café Nicola e irei para o outro mundo se disparas a pistola. Ainda ficou pensativo e tive de mostrar os forros dos meus bolsos para se inteirar da verdade. Isto só mesmo comigo!

bocage3.jpg Após ver os forros dos bolsos sem cheta foi-se! Neste entretanto fizeram-se ouvir os primeiros acordes do fado “as pedras da calçada”, um choradinho na bonita voz que dispunha um qualquer a suster o jarro de lata do tintol de Palmela! E cheirava a fritos, crepitavam mini labaredas gretando o chouriço; ao lado demolhavam broa em pingo de febra de porco, as luzes davam vida a almas desconhecidas na fé da vida m voos nocturnos.

:::::

Era ela a Alzira, prima em segundo grau do matador de alferes cantando as falas de Bocage; iluminada por três fingidos lampiões, seu xaile relampejava nos pingarelhos de madrepérola. Bocage embevecido com sua alegria fez um gesto para que eu, o Visconde de Palmela ficasse quieto e calado. O Mundo é grande!  Para um pé doente, há sempre um chinelo velho!

bocage5.jpg Sem assunto para conversa! Caluda que se canta o fado! Levantei meu copo de moscatel de Setúbal bebendo-o de uma só vez sem demais solicitudes. Um néctar da minha lavra, salvo seja. Soube que dias depois, Bocage foi admitido na Escola da Marinha Real aonde fez estudos regulares para guarda-marinha. No final do curso desertou, mas, ainda assim, a meu pedido surge nomeado guarda-marinha por D. Maria I.

O Soba T´Chingange



PUBLICADO POR kimbolagoa às 16:55
LINK DO POST | ADICIONAR AOS FAVORITOS

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




RELOGIO
TEMPO
Weather Forecast | Weather Maps
Maio 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15

18
19
22
23

24
25
26
27
28
29
30



MAIS SOBRE NÓS
QUEM SOMOS
Temos um Hino, uma Bandeira, uma moeda, temos constituição, temos nobres e plebeus, um soba, um cipaio-mor, um kimbanda e um comendador. Somos uma Instituição independente. As nossas fronteiras são a Globália. Procuramos alcançar as terras do nunca um conjunto de pessoas pertencentes a um reino de fantasia procurando corrrigir realidades do mundo que os rodeia. Neste reino de Manikongo há uma torre. È nesta torre do Zombo que arquivamos os sonhos e aspirações. Neste reino todos são distintos e distinguidos. Todos dão vivas á vida como verdadeiros escuteiros pois, todos se escutam. Se N´Zambi quiser vamos viver 333 anos. O Soba T'chingange
Facebook
Kimbolagoa Lagoa

Criar seu atalho
ARQUIVOS

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

TAGS

todas as tags

LINKS
PESQUISE NESTE BLOG
 
CAIXA MUSICAL
ONDE ESTÁS

Sign by Danasoft - Myspace Layouts and Signs

blogs SAPO
subscrever feeds